SlideShare uma empresa Scribd logo
1
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
PLANO DE GESTÃO
1 – IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR
1.1 - Escola Estadual “Paulo Coelho da Silva”
1.2- Códigos
CIE: 908800
CONVÊNIO/FDE – 4324
UA:76106
Código do Prédio – 10.29.803
CNPJ da APM – 57.318.487/0001-72
1.3 - Localização: Rua - Manoel Rodrigues Santana, 604
1.4 FONE: (18) 3283.1114
e-mail – e908800a@see.sp.gov.br
Município: Euclides da Cunha Paulista – SP - CEP. 19275-000
1.5 - Horário de Funcionamento:
Das: 7:00 às 23:00 horas
1.6 - Gestores:
Diretor Efetivo: Maria Ildefonso Isaac
Diretor Designado: Soraya Mussi Jorge Lotti
1.7 - Gestão do atual diretor da U.E:
A gestão do Diretor Designado se iniciou no dia 16 de Janeiro do ano letivo de 2012.
1.8 - Diretor Titular de Cargo:
Maria Franscisca Ildefonso Isaac, afastada junto a parceria Estado/Município em Presidente
Prudente.
1.9 Vice-Diretor: Edmeire Pereira da Silva
2
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
1.10 – Horário de Funcionamento:
Instituição: das 7:00 às 23:00hs
Manhã: das 7:00 às 12:20 hs
Tarde: das 12:40 as 18:00hs
Noite: das 19:00 hs as 23:00hs
1.11 – Cursos Mantidos:
Ensino Fundamental ciclo II
Ensino Médio Regular
EJA – EF- Ciclo II
EJA – Ensino Médio
2 – ORGANIZAÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA:
Núcleos Composição Nomes e/ou número dos
componentes
Direção Diretor
Vice-Diretor
Soraya Mussi Jorge Lotti
Edmeire Pereira da Silva
Técnico Pedagógico
PCAGP
Professor Coordenador
Professor Coordenador
de Apoio a Gestão
Regina Aparecida Silva Reis
Ana Lucia Costa Chagas
Administrativo Agente de Organização
Escolar
Gerente de Organização
Escolar
Aparecida Ferreira
Ivanei Marques Generoso
Cavalcante
Lucia Lima dos Santos
Operacional
Agente de Serviços
Escolares
Zelador.
Agente de Organização
Escolar
Claudenice Alves Venâncio; Judite
Dionilia da Silva Pereira
Não tem
Luiz Henrique da Costa Zanato
Professor Titulares de cargo: 12
3
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
Ocupantes de Função Atividade: 06
Categorias: A; F; L; O
3- HISTÓRICO DA ESCOLA
A Escola Estadual Paulo Coelho da Silva, foi criada pelo Decreto nº 27.100 de 23/06/1987,
publicado no D.O. de 27/12/1987; instalada pelo ato de 09/03/1987 – D.O. 22/05/1987.
E transformada pela lei.5.941, publicada em 01/12/1987. Durante o ato de criação até a
instalação da escola obteve vários nomes, hoje denominada E.E. Paulo Coelho da Silva , esta
jurisdicionada a Diretoria Regional de Mirante do Paranapanema e oferece Ensino
Fundamental ciclo II ( 5ª a 8ª série ), Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos Ensino
Fundamental ciclo II ( 5ª a 8ª série ), Ensino Médio.
Nossos alunos são da periferia, onde a maioria dos pais são bóias frias, o qual saem muito
cedo de suas casas deixando seus filhos responsáveis pela casa e pelo irmãos menores,
tendo inclusive a incumbência de levá-los a Creche e/ou escolas. E outra parte de nossos
alunos são dos assentamentos, sítios, fazendas, sendo assim um cliente flexível. Esses
alunos são transportados pela Prefeitura Municipal o qual atende os assentamentos Santa
Rosa, Rancho Grande, Nova Esperança I e II, fazenda Santa Cecília, Fazenda Ponte Branca,
Fazenda Santa Rosa e Fazenda Rio Alegre. A religião predominante é a católica, que conta
com uma igreja matriz e nossa escola que é cedida para celebração aos domingos e
catequese aos sábados e domingos, existe também a igreja adventista do sétimo dia,
Assembléia de Deus, Congregação Cristã e Tabernáculo. As maiorias das mães além de
cuidarem dos trabalhos domésticos ajudam os maridos no orçamento familiares, trabalhando
na lavoura ou de domesticas.
A comunicação da comunidade fica por conta da televisão, do radio, revistas, internet, o
correio também é muito usado. No que diz respeito a atividades culturais e de lazer o
município conta com balneário, que é muito freqüentado pela população, praça, quadra
poliesportiva municipal onde sempre tem eventos. A escola oferece sem fins lucrativos
atividades de lazer como: datas comemorativas, com apresentações dos alunos (teatros,
danças, musicas, poesias e gincanas) para os pais e comunidade. A escola é vista pela
comunidade como um veiculo que vai levá-los ao conhecimento e principalmente prepará-los
para o mercado do trabalho, que exige formação escolar de boa qualidade. Apesar dos pais
na sua grande maioria não terem freqüentado a escola, eles acreditam na escola como um
futuro melhor para os filhos. A maioria comparece nas reuniões de pais e participam das
atividades culturais e de lazer da escola.
A maioria dos alunos são de famílias de baixo poder aquisitivo com o nível de escolaridade
equivalente ou inferior ao segundo ciclo do ensino fundamental. Para os alunos do ensino
médio acostumados ao trabalho pesado e continuo na agricultura ou na pecuária, tem a
escola como sinônima de liberdade e esperança num futuro melhor. A população escolar é
formada por alunos que cursam o ensino fundamental (ciclo II ) e ensino médio período
diurno, EJA ( Ciclo II e Ensino Médio) no período noturno. A maioria dos alunos, tem boa
freqüência, produtividade e participação.
3.1 - Atos Legais
- Ato de criação do Ensino Fundamental (ciclo II) – Res.SE.17 de 20/01/1987
Publicação em 20/01/1987
4
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
- Ato de criação do Ensino Médio – Resol. SE.23 de 30/03/2006 - Publicação de 08/04/2006
- Ato de criação do Ensino Fundamental (ciclo II) –EJA – Resol. SE.49 de 20/01/1987
Publicação: 21/01/1987
- Ato de criação do Ensino Fundamental (E.M) –EJA – Resol. SE.49 de 21/05/2003,
retroagindo a 02/01/2003- D.O. de 30/05/2003.
3.2 - Relação dos Atos legais da E.E. Paulo Coelho da Silva
Nº de
Ordem
Ocorrência Tipo/ número Data Publicação
em
DOE
1º - Ato de criação do
Ensino
Fundamental (ciclo
II)
Res.SE.17 20/01/1987 20/01/1987
2º Ato de criação do Ensino
Fundamental (ciclo
II) –EJA
Resol. SE.49 20/01/1987 21/01/1987
3º Ato de criação do Ensino
Fundamental (E.M)
–EJA
Resol. SE.49 21/05/2003
retroagindo a
02/01/2003
30/05/2003
4º Ato de criação do Ensino
Médio
Resol.SE.23 30/03/2006 08/04/2006
3.4 – PROPOSTA PEDAGOGICA
INTRODUÇÃO:
Essa proposta pedagógica é decorrente de um desejo coletivo, ou seja, obra de
todos os que militam nessa escola. Ela foi elaborada por todos os professores, pais, APM e
Conselho de Escola e está em consonância com a legislação vigente.
A elaboração dessa proposta exigiu uma reflexão profunda sobre o que se vai fazer e como
será feito esse trabalho, reflexão esta fundada no diagnóstico da escola, partindo da reflexão
sobre a prática, da experiência acumulada e instituída. As ações e relações propostas são
objetos de avaliação processual, permanente, visando à melhor compreensão e entendimento
do significado conceitual e vivencial.
5
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
Pretendemos com essa proposta conseguir o desenvolvimento de dois eixos fundamentais:
qualidade de ensino e cidadania; e para atingir esses objetivos, nossas HTPCs estão em
grande parte voltadas para o acompanhamento daquilo que o coletivo se propôs a realizar.
IDÉIAS CENTRAIS:
- conseguir uma organização administrativa (com a necessária participação dos pais) capaz
de favorecer o desenvolvimento de dois eixos fundamentais: qualidade de ensino e cidadania;
- formar cidadãos responsáveis pela transformação social e conscientes de seus direitos e
deveres;
- garantir um ensino-aprendizagem de boa qualidade, extensivo a todos os alunos nas
diversas séries e segmentos;
- utilizar metodologias diferenciadas.
RELEVÂNCIA:
- Dar ênfase à Progressão Continuada para o Ensino Fundamental ciclo II, devendo haver um
comprometimento de todos os integrantes da Escola na proposição de novas práticas
pedagógicas;
- Propiciar a interdisciplinaridade, através de um trabalho coletivo; fundamentado no currículo;
- Desenvolvimento das HTPCs;
- Novas formas de avaliação que deverá ser diagnosticada, paralela e intensiva.
- Aulas de Atividades Curriculares Desportivas para melhorar o convívio social dos alunos;
- Turmas de recuperação paralela ou contínua de acordo com conhecimento, habilidades e
atitudes de cada grupo;
- Propiciar suporte para uma efetiva integração dos professores da classe com os professores
das aulas de recuperação;
- Realização dos projetos interdisciplinares da Unidade Escolar.
PRINCÍPIOS PEDAGÓGICOS:
Ensinamos para a satisfação da necessidade de aprendizagem e para isso precisamos:
- da compreensão ampla de idéias e valores;
- da aquisição de conhecimentos e habilidades cognitivas básicas;
- de atitudes e habilidades para incorporar instrumentos de racionalidade tecnológica;
- de hábitos e valores para solidariedade, austeridade e rejeição às desigualdades sociais.
Pelo estudo e discussão do currículo e pressupostos, o professor deve ter bem claro quais
instruções deverá seguir para o bom desenvolvimento de seu plano de ensino.
Juntamente com seus companheiros de área, nas HTPC(s) e também durante o repasse
de cursos de capacitação, terá oportunidade de escolher qual o melhor caminho
que deverá seguir para atingir os objetivos propostos para cada sala de aula.
Além de cursos de capacitação, socialização de experiências entre os docentes, o professor
poderá utilizar em suas aulas recursos de multimídia , pesquisas, relatórios, criação de textos,
debates, trabalho em grupo, resolução de problema.
Enfim, uma infinidade de técnicas e todos os recursos que forem possíveis além do
desenvolvimento dos vários projetos planejados para atingir determinadas metas.
O professor deverá considerar como ponto de partida para desenvolver seu trabalho, o
conhecimento que o aluno já domina e favorecer em seguida as condições para que ele
6
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
elabore o conhecimento; deverá também, valorizar o erro como algo inerente ao processo de
aprendizagem.
O docente é livre para escolher a melhor metodologia necessária para a melhoria do
ensino, deverá sempre objetivar a participação ativa do aluno na descoberta,
assimilação da idéias, construção de conceitos, interpretação ou análise dos fenômenos
ou fatos, valorizando sua iniciativa e oportunizando desafios que estimulem sua
capacidade de resolver problemas, de forma crítica e competente.
É importante que se trabalhe em equipe, porque partindo do reconhecimento da
perspectiva transformadora na educação se adote uma proposta pedagógica que supre
o estágio de transmissão de informações.
Essa superação se dará no momento em que o processo de ensino-aprendizagem
estiver centrado na problematização da realidade de vida do educando, a partir da
análise dos determinantes econômicos, políticos e/ou socioculturais do processo.
Esse procedimento metodológico poderá desenvolver no aluno uma visão crítica dos
problemas de sua comunidade, Estado ou País.
DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO:
A prática escolar tem como a premissa básica que a equipe escolar se reúna constantemente
para discutir e viabilizar sua proposta pedagógica que visa primordialmente: a inserção do
homem no mundo do trabalho, no mundo das relações sociais e no mundo das relações
simbólicas. Para isso são levantados os principais problemas:
- Baixo desempenho dos alunos nas avaliações SARESP/IDESP/IDEB
- Falta de apoio dos familiares na vida escolar do educando;
- Alto índice de abandono no período noturno;
- Falta e rotatividade de professores;
- Pouco tempo para estudos e troca de experiência entre professores;
- Falta de qualificação dos docentes.
PRIORIDADE:-
- Melhoria da aprendizagem dos alunos;
- Criar espaço para estudo e troca de experiências das áreas do currículo;
- Criar projetos envolvendo valores tais, como: Ética, Cidadania e moral.
- Realização de avaliação diagnóstica e planejamento de ações voltadas
para a melhoria da qualidade de ensino e maior participação da comunidade
- Envolver a Família na vida escolar dos filhos.
- Cumprir as metas estabelecidas pelo IDESP/SARESP;
- Diminuir o índice do fluxo escolar
- Assiduidade e Compromisso dos Profissionais.
OBJETIVOS:
- Desenvolver o senso de responsabilidade na vida escolar do educando
7
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
- Envolver todo corpo docente para a sintonia: inter e transdisciplinar
- Valorizar auto-estima do aluno e relação professor/aluno.
- Possibilitar articulação entre as áreas do conhecimento para planejamento de ações
conjuntas e estabelecer o elo de ligação entre a escola e a comunidade
- Possibilitar maior comprometimento na vida escolar do educando
- Alcançar a meta proposta da SEE para a U.E.
- Cumprir o currículo proposto dentro da seqüência didática
METAS:
- Elevar os índices de desempenho dos alunos em todas as avaliações internas e/ouexternas;
- Corpo docente integrado, realizando o trabalho pedagógico com segurança.
-Tornar mais agradável à permanência do aluno durante todo o dia na escola,
diminuindo assim a indisciplina e a evasão;
- Melhorar a aprendizagem, freqüência e comportamento do educando.
- Atingir o índice do IDESP/SARESP/ IDEB
- Melhorar o desempenho do ensino aprendizagem do educando.
AÇÕES:
- Acompanhamento sistemático do desempenho do aluno.
- Destinar duas HTPCs por área do currículo
- Procurar parceria junto aos Órgãos Colegiados e comunidade local.
- Reuniões periódicas para envolver a comunidade à participação mais ativa nas ações da
escola, e preparação de atividades considerando o grau de dificuldade de cada um.
- Reunião atrativa, Palestra com profissionais qualificados.
- Conscientização e participação efetiva do aluno no processo de ensino aprendizagem.
- Responsabilidade quanto ao seu papel profissional.
- Formação continuada com os PCOP e Supervisores de Ensino para os professores
divididos por área.
I – CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA
FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO
Denominação: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
Endereço: Rua Manoel Rodrigues Santana, nº.604
CEP: 19275-000
Fone: (18)3283.1114
8
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
Localidade: Centro
Município: Euclides da Cunha Paulista - SP
Diretoria de Ensino: Região de Mirante do Paranapanema
Cursos: Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
Modalidades:
Ensino Fundamental – Ciclo II - (6ª a 9ª ano)
Ensino Fundamental - EJA - (6ª à 9ª ano)
Ensino Médio - ( 1ª à 3ª séries)
Ensino Médio - EJA - ( 1ª à 3ª séries)
Horário de funcionamento:
1º Período - das 07:00 às 12:20 horas
2º Período – das 12:40 às 18:00 horas
3º Período - das 19:00 às 23:00 horas
1 - CARACTERIZAÇÃO DO CORPO DOCENTE:
O corpo docente dessa Unidade Escolar é constituído de pessoas competentes que
demonstram preocupação e interesse com relação à melhoria com a qualidade de ensino.
Apesar disso percebe–se que há alguns professores que apresentam certa dificuldade em
trabalhar o currículo.
Quanto ao desenvolvimento do Currículo, há adesão por parte dos professores de forma
sistemática e consciente. Considerando a necessidade de aprimorar à metodologia e
avaliação, embora, no geral o corpo docente tenha avançado nesses aspectos.
Espera-se, que o esforço, a dedicação e o empenho dos professores mais comprometidos
com a educação, contagiam e sirvam de exemplo àqueles que tenham alguma resistência,
mostrando a importância e as vantagens de assumir novas posturas.
2- CARATERISTICAS DOS FUNCIONÁRIOS DA ESCOLA:
O serviço prestado pelos funcionários da secretaria é eficiente, quanto aos inspetores de
alunos a escola conta com um para atender os três períodos, serviço este realizado pelos
gestores da escola . Contamos com a ajuda de 01 agente de serviço escolar e 02 funcionários
cedidos pela Prefeitura perfazendo um total de 8 horas por dia cada um para a realização de
limpeza escolar.
3 - CARACTERIZAÇÃO DO CORPO DISCENTE:
Nossos alunos em sua maioria são de famílias de baixo poder aquisitivo com nível de
escolaridade equivalente ou inferior ao segundo Ciclo do Ensino Fundamental. Temos
uma porcentagem de vinte por cento dos alunos que estudam, residem e trabalham no
campo ajudando seus familiares e dependem do transporte escolar municipal para
poderem chegar até a escola. Para os alunos do Ensino Médio acostumados a um
trabalho pesado e contínuo na agricultura ou na pecuária, tem a escola como sinônimo
9
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
de liberdade e esperança num futuro melhor. A população escolar é formada por alunos
cursando o Ensino Fundamental (Ciclo II) e ensino médio período diurno, E.J.A (Ciclo II)
e Ensino Médio no período noturno. Na escola a maioria dos alunos, tem boa freqüência,
produtividade e participação.
4 – IDENTIFICAÇÕES DE PROBLEMAS GERAIS:
SÓCIO-ECONÔMICOS
- Alto índice de desemprego local e falta de perspectiva para o futuro;
- Baixo salários e subempregos dos pais e dos alunos, provenientes de uma economia
informal;
- Desvalorização profissional pelo sistema, provocando desinteresse pelos estudos.
EDUCATIVOS
- Falta de motivação para o ensino-aprendizagem em virtude de problemas familiares
provocam constantemente atos de indisciplinas, mau hábitos causando baixo rendimento;
- Freqüência irregular dos alunos às aulas do período noturno devido ao cansaço causado
pelo trabalho braçal;
- Falta de participação efetiva dos pais na vida escolar do filho, falta de cobrança e não
comparecimento total dos pais às reuniões programadas e aos chamados esporádicos da
escola em virtude de mau comportamento;
- Falta de respeito de alunos para com os professores e funcionários;
- Vícios como: uso do tabaco ( alunos noturnos), apesar da divulgação da Lei.
- Uso indevido de celular.
NO ESTABELECIMENTO
- Grande área livre, que poderia ser aproveitada para a construção de salas para vídeo,
biblioteca, etc. A escola não dispõe de recursos suficientes para devidas construções;
Com verbas do FDE/APM foi realizado pintura da escola e das lousas, conservação e
reparos nas redes elétricas e hidráulicas e pequenas reformas no prédio;
ESCOLA/COMUNIDADE:
- A relação escola/comunidade é boa, mas pode melhorar;
- A A.P.M. foi atuante no ano anterior apesar de não ter promovido nenhum evento para
arrecadação de fundos, mas aplicou de acordo com plano de melhoria aprovado por
todos os colegiados, as verbas recebidas do FNDE/MEC e FDE;
- As reuniões de Pais e Mestres apresentam freqüência regular em proporção aos números
de alunos, os pais que normalmente necessitam de orientações não comparecem.
SISTEMA EDUCATIVO
10
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
- A formação continuada dos docentes é realizada na HTPCs através da equipe gestora
capacitados pelos PCOPs e Supervisores de Ensino;
- Os professores têm a oportunidade de participarem dos cursos de capacitação oferecidas
pela SEE.
II – DEFINIÇÃO DAS DIRETRIZES:
OBJETIVOS COMUNS DA AÇÃO DOS PROFESSORES
Encorajar os alunos a pensar de forma criativa, ativa, crítica e autônoma, valorizando as
experiências vividas, suas iniciativas, seus avanços individuais e o crescimento coletivo,
tendo em vista também, sua formação moral e intelectual básica, pois só assim terão
condições de analisar, compreender, participar e transformar o meio em que vive.
Esses objetivos encontram-se todos mesclados, sendo difícil estabelecerem limites precisos
entre eles: é na discussão, na elaboração dos conteúdos programáticos que se formam
funções cognitivas e se valorizam as experiências vividas, neste aspecto, é de
fundamental importância da competência leitora e escrita, assumindo o compromisso por
todo o corpo docente de aproveitar todas as oportunidades de leitura que surgirem em
sala de aulas.
Num esforço conjunto, professores de todas as áreas do conhecimento deverão garantir o
aprofundamento dos conteúdos curriculares (domínio da língua, utilização dos
conhecimentos matemáticos, compreensão e utilização dos conhecimentos científicos e
tecnológicos, compreensão da realidade histórico-social, conhecimento e valorização
das diversas formas de expressão), criando condições para que o aluno, a partir de sua
vivência, de maneira crítica e criativa construa e utilize novos conhecimentos e valores,
necessários à compreensão da realidade e instrumentos para ação de transformação
social.
FUNDAMENTOS E CONCEPÇÕES
A escola deve sempre primar por um ensino de qualidade. Para isso nossa escola deve
organizar-se para possibilitar formas variadas de trabalho escolar com acompanhamento
e registro de aprendizagem dos alunos, garantindo também mecanismos seguros de
avaliação. O construtivismo e as pedagogias não diretivas nos dão diversas
contribuições para essas tarefas.
A organização da sala de aula permite que se estabeleça uma metodologia que facilite ao
aluno um aprendizado mais agradável; o trabalho com o currículo em sala de aula facilita
11
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
a interdisciplinaridade que melhora a qualidade do trabalho dos professores. As aulas
de recuperação são sempre realizadas e acompanhadas pelos gestores, PCOPs e
supervisão.
As Atividades Curriculares Desportivas tem como meta a auto estima do aluno, melhor
convivência social, repúdio à violência e atitudes de respeito mútuo, dignidade e
solidariedade na prática social, através de participação em jogos e outras atividades.
RELAÇÕES ENTRE A ESCOLA E A COMUNIDADE -
A escola tem dificuldade em conseguir a participação dos pais nos problemas escolares. Para
este ano temos um plano de trabalho cujo objetivo é a participação efetiva dos mesmos,
plano este que conta com realização de palestras, exposição de trabalhos de alunos e
participação em eventos sociais (datas comemorativas).
A partir do Programa Escola da Família tem-se percebido uma maior participação dos pais e
comunidade nos eventos culturais e esportivos, usufruindo assim dos espaços e
equipamentos escolares disponíveis, tentando suprir a falta de opções de lazer e cultura.
As regras disciplinares da escola foram discutidas e decididas em conjunto com os pais,
alunos e professores de acordo com a legislação vigente.
Mantemos parceria com Centro de Saúde Municipal - psicólogo para ajuda profissional à
alunos com dificuldades de aprendizagem, CREAS (Assistente Social e Psicólogo),
CRAS (Centro de Referência Assistência Social), Conselho Tutelar e o Padre da nossa
comunidade com atividades educativas e recreativa que tem como objetivo desenvolver
no educando valores de ética, cidadania e moral.
III – DISPOSITIVOS LEGAIS
- Lei nº. 9.349/96, Leis Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 20/12/96;
- Progressão Continuada no Ensino Fundamental:
- Deliberação CEE 9/97 e Indicação CEE 8/97 de 05/08/97;
- Programa de Reorganização na Rede Estadual de Ensino:
- Resolução 169/96;
- Calendário Escolar:
- Resolução SE nº83 de 20/12/2006;
- Matriz Curricular:
- Indicação CEE nº.62/06, Resol.SE nº.02/06, Resol.SE.06/05***só re , Resol. SE nº.11/05;
- Organização Escolar:
12
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
- Resol. SE nº.49/98, de 04/03/98;
- Demanda Escolar:
- Resolução SE nº.43/06, de 05/07/06 e Resolução SE nº;69/06, de 26/10/06;
- Regimento Escolar:
- Deliberação CEE nº.10/97- N.R. de 21/03/98;
-Recuperação Paralela e Reforço:
- Resolução SE nº.15/05, de 22/02/05 ( alterada pela Resol. SE.nº.32,de 19/04/05;
IV - POLÍTICA ESCOLAR
É necessário que a escola esteja adequada à própria realidade, mas sem perder de vista a
unidade e integridade que caracterizam o processo educativo. A função da escola é
propiciar o domínio de competências que permitam o pleno desenvolvimento do
educando na sociedade e seu exercício consciente da cidadania.
A educação escolar deve se dar em três dimensões diferentes: a cultura; a dimensão política
e formação para o trabalho.
Visualizamos novos caminhos para a educação com a implantação de uma política centrada
na Progressão Continuada para o Ensino Fundamental e Médio.
V – CURRÍCULO
O Currículo deverá integrar a socialização de conhecimentos culturais e científicos,
respeitando tempos e espaços de todos, na sua individualidade, sempre inserida no
meio humano e natural. do ponto de vista de uma pedagogia crítica e progressista que
os educando se apropriem de instrumentos de comunicação e de conteúdos culturais
básicos para que entendam a sociedade em que vivem e possam transformá-la.
Nessa perspectiva, a instância mais legítima para motivar o trabalho curricular da escola é a
própria sociedade, com suas práticas, seus problemas, sua realidade. Planejar o
currículo implica tanto a escolha dos conteúdos de ensino quanto a organização de
experiências e situações que garantam sua aprendizagem, o que significa dizer que
inclui conteúdo e metodologias de ensino., estes por sua vez estão de acordo com as
Propostas Curriculares da Secretaria da Educação com as devidas adaptações e de
acordo com necessidades dos nossos alunos.
Os planos de ensino estão sendo elaborados, obedecendo a LDB e ao Currículo proposto
pela SEE.
13
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
4. – FINALIDADE E PRINCIPIOS DA INSTITUIÇÃO (ART. 2ª, 3º E 22º DA LDBN)
Artigo 2º - A educação é dever da família e do Estado nos princípios de liberdades e
idéias de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do
educando seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o
trabalho.
Artigo 3º - O Ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:
I -igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;
II- liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o
saber;
III- Pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas;
IV- Respeito a liberdade e apresso a tolerância;
V- Coexistência de instituição pública e privada de ensino;
VI- Gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais;
VII- Valorização do profissional escolar;
VIII- Gestão democrática do ensino público na forma desta lei e da legislação dos sistemas
de ensino;
IX- Garantia de padrão de qualidade;
X- Valorização da experiência extra-escolar;
XI- Vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais;
Artigo 22 - A Educação básica tem por finalidade desenvolver o educando, assegurar-lhe
a formação comum indispensável para progredir no trabalho e em estudos
posteriores.
5 – OBJETIVOS DOS CURSOS MANTIDOS PELA ESCOLA:
DO ENSINO FUNDAMENTAL- CICLO-II
O Ensino Fundamental com duração mínima de oito e nove anos, é obrigatório e gratuito na
escola pública, tendo por objetivo a formação básica do cidadão, mediante:
-O desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio
de leitura, escrita e do cálculo;
-A compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e
dos valores em que se fundamenta a sociedade;
-O desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de
conhecimento e habilidades e formação de atitudes e valores;
14
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
-O fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância
recíproca em que assenta a vida social;
-A capacitação para adquirir hábitos de estudos e de civilidade;
-Partindo da realidade, vivência dos alunos, proporcionar condições para que estes
desenvolvam a expressão oral, corporal, artística, através do aperfeiçoamento, da
leitura, escrita, do pensamento crítico e sensibilidade obtendo novos conceitos e valores.
Através dos diferentes conteúdos curriculares, o aluno obterá maiores conhecimentos,
enriquecerá suas experiências e terá despertado o gosto pelo saber através de
pesquisas e compreensão dos aspectos políticos, sócio-econômicos culturais e
tecnológicos em que estão inseridos.
Assim espera-se que ao concluir a oitava e/ou nona série, os alunos consigam formalizar
seu conhecimento, dando continuidade ao processo de aprendizagem atuando como
agentes participativos e transformadores da sociedade.
Do Ensino Médio
O Ensino Médio, etapa final da Educação Básica com duração de três anos terá como
finalidade:
- A consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no ensino fundamental,
possibilitando o prosseguimento de estudos;
- A preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando para continuar aprendendo,
de modo a ser capaz de se adaptar com flexibilidade a novas condições ou
aperfeiçoamento posteriores;
- O aprimoramento do educando como pessoa humana incluindo ética e o desenvolvimento
da autonomia intelectual e do pensamento crítico;
- A compreensão dos fundamentos científico-tecnológica dos processos produtivos,
relacionando a teoria com a prática, no ensino de cada disciplina.
Além de isso oportunizar condições para que o aluno possa:
- Dimensionar seu crescimento através da auto-avaliação;
- Adquirir modo de agir, através da assimilação ativa da cultura e também conhecimentos que
lhe garantirão possibilidades de atuar no seu grupo e na sua comunidade;
- Encontrar apoio e orientação para a decisão que deverá tomar ao final do curso.
DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ( CICLO II )
- Dar oportunidade aos jovens e adultos que não tiveram acesso ou continuidade de estudo
no Ensino Fundamental na idade própria.
15
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
- Considerar as características do alunado, seus interesses, condições de vida e de trabalho,
mediante cursos e exames.
- Socializar os alunos propondo condições para o relacionamento ativo dentro do grupo
em que está inserido, oportunizando a compreensão dos direitos e deveres
partindo do respeito individual e levando-os ao preparo do exercício da cidadania.
- Partindo da realidade, conhecimento e experiência dos alunos, proporcionando condições
para estes desenvolvam a expressão oral, corporal e artística através da aquisição da
leitura, escrita, formação, desenvolvimento do pensamento crítico, da sensibilidade, da
percepção do envolvimento emocional, obtendo novos conceitos e novos valores através
dos conteúdos curriculares despertando o gosto pelo saber através da pesquisa e
compreensão dos aspectos políticos, sócio-econômico, cultural e tecnológicos em que
estão inseridos, contribuindo para estes na conclusão do curso de E.J.A, consigam
formalizar seu conhecimento, dando continuidade ao processo de aprendizagem,
atuando como agentes participativos e transformadores da sociedade.
6 – ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ( ART. 26;27 e 33 )
Artigo 26 – Os currículos de ensino fundamental devem ter uma base nacional comum a ser
complementada, em cada sistema de ensino e estabelecimento escolar, por uma parte
diversificada, exigida pelas características regionais e locais da sociedade, da cultura, da
economia e da clientela.
§ 1º - Os currículos que se referem o caput devem abranger, obrigatoriamente, o estudo
da língua portuguesa e da matemática, o conhecimento físico e natural e da
realidade social e política, especialmente do Brasil.
§ 2º - O ensino de arte constituirá componente curricular obrigatório, nos diversos
níveis da educação básica, de forma a promover o desenvolvimento cultural dos
alunos.
§ 3º - A educação física, integrada a proposta pedagógica da escola, é componente
curricular da educação Básica, ajustando–se às faixas etárias e as condições da
população escolar, sendo facultativa nos cursos noturnos.
§ 4º - O ensino da História do Brasil levará em conta as condições das diferentes
culturas e etnias para a formação do povo brasileiro, especialmente das matrizes
indígenas e européia.
§ 5º - Na parte diversificada do currículo será incluído, obrigatoriamente, a partir da
Quinta série, o ensino de pelo menos uma língua estrangeira moderna, cuja
escolha ficará a cargo da comunidade escolar, dentro das possibilidades da
instituição.
Artigo 27 – Os conteúdos curriculares da educação básica observarão, ainda, as seguintes
diretrizes:
I - A difusão de valores fundamentais ao interesse social, aos direitos e deveres do
cidadão, de respeito ao bem comum e à ordem democrática;
II - Consideração das condições de escolaridade dos alunos em cada estabelecimento;
16
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
III - Orientação do trabalho;
IV - Promoção do desporto educacional e apoio às práticas desportivas não formais.
Artigo 33 – O ensino religioso de matricula facultativo, constitui disciplina dos horários
normais das escolas públicas de ensino fundamental.
7 – DESENVOLVIMENTO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA:
De acordo com o artigo 12 da LDB os estabelecimentos de ensino, respeitadas as
normas comuns e a do seu sistema de ensino, terão a incumbência de:
ELABORAR E EXECUTAR A SUA PROPOSTA PEDAGÓGICA.
Essa legislação fortalece o principio de autonomia da escola. A proposta pedagógica.
Pode ser traduzida no espaço de identificação da escola num propósito educativo
comum, a partir da integração das práticas vigentes em seu interior. Para isso é
preciso tomar ciência de todas as práticas discursivas e não discursivas, para
compatibilizá-las com os valores de uma educação democrática.
O importante é a motivação e o empenho comum numa reflexão institucionalmente
abrangente e o firme propósito de alterar práticas nos sentidos orientados por
reflexão, lembrando que elaborar a proposta pedagógica é um exercício de
autonomia.
A proposta pedagógica é uma vida da escola, seus desejos, seu cotidiano, suas ações.
É um pedaço da vida das pessoas, que pela escola se humanizam, alegram-se, sofrem,
amadurecem e envelhecem. A escola tem a função social de, durante parte da
existência de cada um, educar, informar, criar, enfim, continuar a incessante
necessidade humana de produzir e reproduzir a vida, tanto física como espiritual.
8 – PRINCÍPIOS FILOSÓFICOS:
- Compreender a cidadania como participação social e política, assim como exercício
de direitos e deveres políticos, civis e sociais, adotando, no dia-a-dia, atitudes de
solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças, respeitando o outro e exigindo
para si o mesmo respeito;
- Os alunos devem ser estimulados a exercitar sua condição de cidadania,
desenvolvendo expectativas e projetos em relação ao conjunto da sociedade;
- Oferecer instrumentos de compreensão da realidade e também a participação dos
educando em relações sociais diversificadas e cada vez mais amplas. A vida
escolar possibilita exercer papéis, em grupos, possibilitando a integração dos
jovens no contexto maior.
- Compreender e assumir o tempo presente, com problemas e necessidades, ajudando
alternativas mais humanas para o mundo;
- Conhecer as expectativas das comunidades, suas necessidades, formas de
sobrevivência, valores, costumes e manifestações culturais e artísticas. É através
17
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
deste conhecimento que a escola pode atender a comunidade e auxiliá-la a ampliar
seu intelecto e compreensão do mundo;
- Considerar as práticas de nossa sociedade, sejam elas de natureza econômica,
política, social, cultural, ética, moral. Tem que consolidar também as relações
diretas ou indiretas dessas práticas com os problemas específicos da comunidade
local que presta serviço;
- Conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sociocultural posicionando-se contra
qualquer discriminação baseada em diferenças culturais de classe social, de
crenças, de sexo, de etnia ou outras características individuais e sociais;
- Conhecer e cuidar do próprio corpo, valorizando e adotando hábitos saudáveis como
um dos aspectos básico da qualidade de vida e agindo com responsabilidade em
relação à saúde coletiva;
- Inserir-se no mundo em que vive.
PRINCÍPIOS PEDAGÓGICOS:
Ensinamos para a satisfação de necessidade de aprendizagem e para isso precisamos:
- da compreensão ampla de idéias e valores;
- da aquisição de conhecimentos e habilidades cognitivas básicas;
- de atitudes e habilidades para incorporar instrumentos de racionalidade tecnológica;
- de hábitos e valores para solidariedade, austeridade e rejeição às desigualdades sociais.
Pelo estudo e discussão de pressupostos, cada professor deve ter bem claro de quais
instruções deverá seguir para o bom desenvolvimento de seu plano de ensino.
Juntamente com seus companheiros de área, nas HTPC(s) e também durante o repasse de
cursos de capacitação, terá oportunidade de escolher qual o melhor caminho que deverá
seguir para atingir os objetivos propostos para cada sala de aula.
Além de cursos de capacitação, sugestões de colegas mais experientes, o
professor poderá utilizar em suas aulas projeção de vídeo, previamente
escolhido das, pesquisas, relatórios, criação de textos, debates, trabalha em
grupo, resolução de problemas, enfim uma infinidade de técnicas e todos os
recursos que forem possíveis além do desenvolvimento dos vários projetos
planejados para atingir determinadas metas.
O professor deverá considerar como ponto de partida para desenvolver seu trabalho, o
conhecimento que o aluno já domina e favorecer em seguida as condições para
que ele elabore o conhecimento; deverá também, valorizar o erro como algo
inerente ao processo de aprendizagem.
18
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
O docente é livre para escolher a melhor técnica ou criar ações necessários para a
melhoria do ensino, só não poderá esquecer que em termos metodológicos, deverá
sempre objetivar a participação ativa do aluno na descoberta, assimilação da
idéias, construção de conceitos, interpretação ou análise dos fenômenos ou fatos,
valorizando sua iniciativa e oportunizando desafios que estimulem sua capacidade
de resolver problemas, de forma crítica e competente.
É importante que se trabalhe em equipe, porque partindo do reconhecimento da
perspectiva transformadora na educação se adote uma proposta pedagógica que
supre o estágio de transmissão de informações.
Essa superação se dará no momento em que o processo de ensino-aprendizagem
estiver centrado na problematização da realidade e partindo das condições corretas
de vida, chegue à análise dos determinantes seja econômicos, políticos ou
socioculturais do processo.
Esse procedimento metodológico poderá desenvolver no aluno uma visão mais crítica
dos problemas de sua comunidade, Estado ou País.
10 – CURRÍCULO BÁSICO:
LINGUA PORTUGUESA: De acordo com os Parâmetros Curriculares, as propostas de
ensino de língua nos seguimentos fundamental II e médio convergem seus
objetivos. Ambas tem a pretensão de cuidar para que os estudantes sejam
capazes de simbolizar as experiências ( suas e dos outros) a partir da palavra (oral
e escrita), refletindo sobre elas mediante o estudo da língua instrumento que lhe
permite organizar a realidade a qual se insere, construindo significados,
nomeando conhecimento e experiência, produzindo sentidos, tornando sujeito.
LÍNGUA INGLESA: Orientação baseada num letramento sustenta-se nas relações
existentes entre esses princípios – saber e fazer – em múltiplas linguagens e
gêneros discursivos propiciando na construção de uma visão de ensino de
língua que seja capaz de promover autonomia intelectual e maior capacidade de
reflexão dos aprendizes, contribuindo decisivamente para a formação cidadã dos
educando.
ARTE: De acordo com os PCNs arte e as propostas curriculares da SEE/CENP o ensino
de arte, visto como área de conhecimento e linguagem deverá se dar de forma a
articular três eixos metodológicos: Criação/produção em arte , fruição estética e
reflexão.
EDUCAÇÃO FÍSICA: Trata da cultura relacionada aos aspectos corporais, que se
expressam de diversas formas, dentre as quais os jogos, a ginástica, as danças e
atividades rítmicas, as lutas e os esportes . Essa variabilidade dos fenômenos
humanos ligados ao corpo e ao movimentar-se é ainda mais importante quando
se pensa na pluralidade dos modos de viver contemporâneos.
MATEMÁTICA: O ponto de partida é o problema no qual não se aplica mecanicamente
uma fórmula ou processo operatório qualquer, mas só há problema quando o
19
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
aluno é obrigado a trabalhar o enunciado da questão e, estruturar a situação
apresentada. Além disso, o importante não é somente encontrar uma resposta
para a questão, mas também formular a questão pertinente quando se encontra
face a uma situação problemática.
CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS: Os ensinos desse componente só adquiriram
significado se contribuir para que o aluno construa uma visão mais ampla e
complexa do ambiente que o rodeia. O importante é que o aluno tenha condições
de desenvolver seu pensamento, de perseguir sua curiosidade e de interpretar os
fenômenos da natureza.
BIOLOGIA: A aprendizagem só pode ocorrer se houver um processo de construção do
conhecimento, em que professor e aluno participem juntos. Estudos do meio são
atividades importantes porque além de permitirem um trabalho interdisciplinar,
representam uma atividade muito rica, que poderá favorecer dado a serem
discutidos em muitas aulas.
FÍSICA: Deve concentrar-se na compreensão dos fatos físicos pelo aluno. Essa
compreensão se torna muito mais tranqüila se partimos de seu cotidiano e de
situações reais, levando-se em consideração a formação de conceitos, aquisição
de habilidade prática e teórica para enfrentar questões de conteúdo físico e a
compreensão do caráter histórico da evolução do conhecimento físico.
QUÍMICA: O ensino de química aponta para a necessidade do que o aluno, ao lidar com
os conteúdos, o faça de modo a compreender como os conceitos, princípios,
teorias e leis foram produzidos para analisarem criticamente como esses
conhecimentos são aplicados em sociedade.
HISTÓRIA: Os conteúdos organizados em eixos temáticos possibilitam um trabalho que
não prenda a rigidez de periodizações. O ensino de história participa do processo
de formação dos indivíduos críticos, atuantes e conscientes de sua cidadania.
GEOGRAFIA: O ensino de geografia deve garantir que aluno, partindo de sua realidade,
possa compreender como a natureza é transformadora e o espaço é organizado
pelo trabalho humano.
TEMAS TRANSVERSAIS: (Ética, Meio Ambiente, Trabalho e Consumo, Sexualidade e
Pluralidade Cultural): Devem integrar as áreas convencionais de forma a estarem
presentes em todas elas. Exige uma tomada de posição frente a problemas
fundamentais e urgentes da vida social, o que requer uma reflexão sobre o ensino
e a aprendizagem de seus conteúdos:
valores, procedimentos e concepções a eles relacionadas.
11 – PRINCÍPIOS DE AVALIAÇÃO E RECUPERAÇÃO:
20
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
A avaliação terá como princípio o aproveitamento da qualidade de ensino.
O processo de avaliação no regime de progressão continuada é transformado num
instrumento guia essencial para a, observação de progressão do aluno.
A avaliação do processo de ensino de aprendizagem será realizada de forma contínua,
cumulativa e sistemática, tendo por objetivos:
I - diagnosticar e registrar os processos do aluno e suas dificuldades;
II - possibilitar que o aluno auto-avalie sua aprendizagem;
III - orientar o aluno quanto aos esforços necessários para superar as dificuldades;
IV - fundamentar as decisões do conselho de classe e série quando à necessidade de
procedimento de recuperação de aprendizagem, de classificação e reclassificação
de alunos;
V - orientar as atividades de planejamento e replanejamento dos conteúdos
curriculares;
A avaliação do processo ensino aprendizagem envolve a análise do conhecimento
específica adquiridas pelo aluno e também aspecto formativo, através da
observação de suas atitudes referentes à presença às aulas, participação nas
atividades pedagógicas e responsabilidade com que assume o cumprimento de seu
papel sinaliza as heterogeneidades do desenvolvimento de habilidades entre os
alunos, orientando-os aos seus professores quanto ao perfil de sua progressão
pelos anos escolares.
Para garantir uma aprendizagem efetiva e bem sucedida ao regime de progressão
continuada e/ou parcial todos os alunos disporão de recuperação onde as
atividades pedagógicas deste projeto de aprendizagem dos alunos deverão
ocorrer:
- de forma contínua, como parte integrante do processo de ensino e de aprendizagem,
no desenvolvimento das aulas regulares;
- de forma paralela, ao longo do ano letivo e em horário diverso das aulas regulares,
sob forma de projetos de recuperação da aprendizagem;
As atividades de recuperação paralela serão desenvolvidas ao atendimento de alunos
com defasagem ou dificuldades claramente identificadas e não superadas nas
atividades de recuperação contínua desenvolvidas, sistematicamente, no contexto
das respectivas aulas.
12 – ARTICULAÇÃO DO CORPO DOCENTE, TÉCNICO E PEDAGÓGICO:
A articulação é necessária, o processo exige a interação. Não se pode realizar um
trabalho coletivo se não houver articulação entre os elementos.
O trabalho coletivo é indispensável e fundamental para sustentar a ação da escola em
torno de um projeto que dá direção ao trabalho de todos os educadores que atuam
no espaço escolar-docentes, funcionários, pais.
21
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
É construído a partir das contribuições de cada um, integradas pela reflexão conjunta.
Corpo Docente: ao exercer o trabalho coletivo, o professor cresce. É na discussão com
colegas que desenvolve seu potencial de participação, cooperação, respeito
mútuo e crítica.
Ao analisar uma questão, um texto, uma prática pedagógica, o professor ouve, pensa,
discute, decide, ficando ainda mais seguro para desenvolver essas mesmas
habilidades em seus alunos. Esse processo torna mais clara para todas as
relações entre o trabalho de cada um, ajudando-os a escolher práticas
pedagógicas mais compatíveis com o que se pretende. Os docentes incumbir-se-
ão de colocar com a articulação da escola com famílias e a comunidade.
Equipe técnica: A escola organizará espaço e horários que favoreçam o encontro
regular dos professores e planejará muito bem esses encontros. Nesse contexto, a
equipe técnica terá um papel importante. A composição dos grupos e
periodicidade das reuniões deve estar a favor do trabalho que se quer realizar,
sem prejuízo do atendimento aos alunos. O diretor pela articulação da escola com
todos os segmentos garantindo o bom funcionamento da escola, visando o
melhor atendimento pedagógico aos alunos. Ele precisa se apoiar numa forma
democrática de gestão. Terá a incumbência de articular-se com as famílias e a
comunidade, criando processos de integração da sociedade com a escola.
Pedagógico: Sugere, discute, emite opinião, valoriza a participação de cada um, amplia
as discussões trazendo subsídios teóricos, promove a avaliação e o
replanejamento do grupo. É o grupo gestor que aponta a direção do trabalho
coletivo incentivando o grupo a observar, pensar, analisar, investigar.
13 – ARTICULAÇÃO ENTRE OS NIVEIS DE ENSINO:
Esta articulação já está implícita dentro da noção de ciclos e progressão continuada. Já faz
parte do próprio planejamento de ensino e nos conteúdos curriculares, que possuem
uma interdependência. Os níveis de ensino e os componentes curriculares não são
estanques, são processos, portanto são dinâmicos, estão no desenvolver da prática
pedagógica.
14 – ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NA ESCOLA:
Essa Escola funciona em dois turnos: Diurno e Noturno, sendo distribuídos da seguinte
forma:
- Manhã- Ciclo II (5ª à 7ª Série), com carga horária de 1080 horas.
Ciclo II (8ª Série), com carga horária de 1120 horas
Ensino Médio (1º à 3º série) com carga horária de 1200 horas.
- Tarde -Ciclo II (5ª à 7ª Série), com carga horária de 1080 horas
Ciclo II (8ª Série), com carga horária de 1120 horas
Ensino Médio (1º série) com carga horária de 1200 horas.
22
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
- Noite_ E.J.A Ciclo II (5ª à 8ª Série),com carga horária de 540 horas/semestral.
E.J.A (Ensino Médio), com carga horária de 540 horas/semestral.
15 – CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO:
A classificação ocorrerá:
I - por progressão continuada, no ensino fundamental, ao final de cada série durante os
ciclos;
II - por promoção, ao final do Ciclo II e ao final de cada série para os alunos do ensino
médio;
III - por transferência, para candidatos de outras escolas do país ou do exterior;
IV -mediante avaliação feita pela escola para alunos sem comprovação de estudos
anteriores, observados o critério de idade e outras exigências específicas do
curso.
No caso do Inciso III, anterior, e a critério do Conselho de Classe e Série, o aluno poderá
ser submetido a estudos de adaptação, quando houver discrepância entre os
componentes curriculares dessa escola e os da escola de origem.
A reclassificação: será em série mais avançada, tendo como referência a
correspondência idade/série e a avaliação de competências nas matérias da base
nacional comum do currículo ocorrerá a partir de:
I - Proposta apresentada pelo professor ou professores do aluno, com base nos
resultados de avaliação diagnóstica;
II - Solicitação do próprio aluno ou seu responsável mediante requerimento dirigido ao
Diretor da Escola;
Parágrafo único - São procedimentos de reclassificação:
I- Provas sobre os componentes curriculares de base nacional comum;
II- Uma redação em língua portuguesa;
III- Parecer do Conselho de Classe e Série sobre o grau de desenvolvimento e
maturidade do candidato para cursar a série ou ciclo pretendido.
IV – Parecer conclusivo do diretor
Para o aluno da própria escola, a reclassificação ocorrerá até o final do primeiro
bimestre letivo e, para o aluno recebido por transferência ou oriundo de país
estrangeiro, em qualquer época do período letivo.
O aluno poderá ser reclassificado, em série mais avançada, com defasagem de conhecimento
ou lacuna curricular de séries anteriores, desde que possa suprir essa defasagem
através de atividades de recuperação, adaptação de estudos ou ainda, pela adoção do
regime progressão quando tratar de alunos do ensino médio.
Caberá ao Conselho de Classe e Série, estabelecer sempre que necessário, outros
procedimentos para:
23
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
I - Matrícula, classificação e reclassificação de alunos;
II - Estudos e atividades de recuperação de dependência;
III - Adaptação de estudos;
IV - Avaliação de competências;
V - Aproveitamento de estudos;
15 – PROGRESSÃO CONTINUADA:
Prevista na constituição de 1998, incorporada pela LDB de 1996, foi instituída no Estado
de São Paulo pelo Conselho Estadual da Educação, por meio da Deliberação CEE
nº9/97 e adotada pela SEE a partir de 1998, com finalidade de garantir a todos o
direito de acesso, permanência e aprendizagem bem sucedida no ensino
fundamental. A progressão continuada deve ser entendida como mecanismo
inteligente de ajustar a realidade do fato pedagógico à realidade de alunos e não
um meio artificial e automático de “empurrar” os alunos para as séries, etapas e
fases subseqüentes.
A escola deve estar sempre preparada para lidar com as diferenças e a
heterogeneidade das crianças, levando os alunos a aproveitarem as atividades
escolares para aprimorar seu desenvolvimento social e cognitivo. É importante
também estabelecer uma nova relação com os pais, tornando-os aliados no
processo ensino/aprendizagem.
A progressão continuada exige, para ser bem sucedida, uma relação radical na
concepção de ensino, de aprendizagem e de avaliação. O regime de progressão
continuada terá a duração de quatro anos e organizada em um ciclo. Quando no
final do ciclo, algum aluno ainda apresentar defasagens sérias na aprendizagem,
apesar das recuperações a que se submeteu, tal aluno deverá prolongar a referida
recuperação com programação específica, voltada aos conteúdos do ciclo ainda
não dominados, pelo tempo necessário. A matricula no ciclo obedecerá a
legislação vigente.
16 – RECUPERAÇÃO:
Os alunos terão direito a estudo de recuperação em todas as disciplinas em que o
aproveitamento for considerado insatisfatório. Para garantir a aprendizagem
efetiva e bem sucedida de todos os alunos no regime de progressão continuada e
ou parcial, atividades pedagógicas de recuperação da aprendizagem dos alunos
deverão ocorrer:
- de forma contínua, como parte integrante do processo de ensino e de aprendizagem,
no desenvolvimento das aulas regulares;
- de forma paralela, ao longo do ano letivo e em horário diverso das aulas regulares,
sob forma de aulas recuperação da aprendizagem. As atividades de recuperação,
com caráter de enriquecimento, destinam-se a todos os alunos de uma
determinada classe, série ou ciclo;
24
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
As atividades de recuperação destinam-se ao desenvolvimento efetivo de uma proposta
de recuperação é necessário ter confiança na possibilidade dos alunos aprenderem
e de que o conhecimento é um processo dinâmico e interativo entre o sujeito que
aprende e o objeto a ser conhecido.
17 – APOIO E CONTROLE À FREQUÊNCIA:
A escola fará o controle sistemático da freqüência dos alunos às atividades escolares,
através do Diário de Classe e bimestralmente, adotará as medidas necessárias
para que os alunos possam compensar as ausências que ultrapassem o limite de
20% do total das aulas dadas, ou seja, professores e direção deverão ficar atentos
para os casos de queda de rendimento e faltas dos alunos. As atividades de
compensação de ausências serão programadas, orientadas e registradas pelo
professor da classe ou disciplina, com a finalidade de sanar as dificuldades de
aprendizagem provocadas pela freqüência irregular às aulas. As atividades de
compensação de ausências serão oferecidas aos alunos que tiverem suas faltas
justificadas, nos termos da legislação vigente, e de acordo com o que se dispõe
regimento desta U.E. A compensação de ausência deverá ser requerida pelo pai
ou responsável, ou pelo próprio aluno, quando maior de idade, no primeiro dia em
que este retornar à escola. No final o controle de freqüência será efetuado sobre
total de horas letivas exigidas a freqüência mínima de 75% para a promoção,
média de todas as disciplinas. Poderá ser reclassificado o aluno que, no período
letivo anterior, não atingir a freqüência mínima exigida.. Outra forma de incentivar
a freqüência são aulas dinâmicas e participativas, que envolvam o aluno, e também
bastante diálogo entre professor - aluno que neste caso, o trabalho do professor
conselheiro será de grande importância cabendo-lhe o:
- aprimoramento das relações interpessoais na convivência escolar;
- orientação à classe sob sua responsabilidade, visando formação de habilidades e
hábitos de estudo;
- acompanhamento do rendimento da classe em cada disciplina para orientação e
estímulo;
- elaboração dos gráficos de rendimento da classe para posteriores discussões e
conscientização.
18 – INFORMAÇÃO AOS PAIS – FREQUÊNCIA E RENDIMENTO:
Todas as atividades referentes ao processo ensino/aprendizagem e freqüência do aluno,
são analisadas nos conselhos de classe/séries e repassadas nas reuniões de pais
e mestres quando são orientados coletivamente e individuais. Quando há casos
específicos de alunos faltosos, indisciplinados e/ou com muita defasagem, os pais
são convocados no decorrer do ano, a qualquer momento, para analisarem o
rendimento de seus filhos e até mesmo justificarem as faltas excessivas. Os casos
25
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
não solucionados e notando-se a ausência dos pais nesse sentido encaminhamos
para as autoridades competentes
19 –PROJETOS ESPECIAIS SEE/UE:
A escola desenvolverá, sempre que necessário, dentro das suas possibilidades
projetos especiais abrangendo:
I -Programas especiais de aceleração de estudos para alunos com defasagem idade/série ;
II – Organização e utilização de multimídia de leitura e de informática;
III - grupos de estudo e pesquisa;
IV - cultura e lazer
V - outros de interesses da comunidade;
Os projetos especiais integrados aos objetivos gerais da escola serão planejados e
desenvolvidos pelos profissionais da escola, e aprovados nos termos das normas
vigentes.
20 – DA VERIFICAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR ( Artigo l2, 13 e 24 da LDB):
Artigo.12 - Os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as do seu
sistema de ensino, terão a incumbência de informar aos pais e responsáveis sobre a
freqüência e o rendimento dos alunos, bem como sobre a execução de sua proposta
pedagógica.
Artigo.13 - Os docentes incumbir-se-ão de:
- zelar pela aprendizagem dos alunos;
- estabelecer estratégias de recuperação para alunos de menor rendimento.
Artigo.24 - A verificação e rendimento escolar observarão os seguintes critérios;
- avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno, com prevalência dos
aspectos qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados ao longo do período
sobre os de eventuais provas finais;
- possibilidade de aceleração de estudos para alunos com atraso escolar;
- possibilidade de avanço nos cursos e nas séries mediante verificação de aprendizado;
- aproveitamento de estudo concluídos com êxito;
- obrigatoriedade de estudos de recuperação, de preferência paralelos ao período
letivo, para os casos de baixo rendimento escolar, a serem disciplinados pelas
instituições de ensino em seus regimentos.
21 – DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO - Artigo 61 e 67:
26
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
Artigo 61 - A formação de profissionais da educação, de modo a atender aos objetivos dos
diferentes níveis e modalidades de ensino e as características de cada fase do
desenvolvimento do educando, terá como fundamentos;
I - a associação entre teorias e práticas, inclusive mediante a capacitação em serviço;
II - aproveitamento da formação e experiências anteriores em instituições de ensino e
outras atividades.
Artigo 67 - Os sistemas de ensino promoverão a valorização dos profissionais da educação,
assegurando-lhes, inclusive nos termos dos estatutos e dos planos de carreira do
magistério público:
I - ingresso exclusivamente por concurso público de provas e títulos;
II - aperfeiçoamento profissional continuada, inclusive com licenciamento periódico
remunerado para esse fim;
III - piso salarial profissional;
IV - progressão funcional baseada na titulação, ou habilitação e na avaliação do
desempenho.
V - período reservado a estudo, planejamento e avaliação, incluído na carga de
trabalho;
VI - Condições adequadas de trabalho:
Parágrafo único - A experiência docente é pré- requisito para o exercício profissional de
quaisquer outras funções de magistério, nos termos das normas de cada sistema
de ensino.
22 – CAPACITAÇÃO:
O Professor cada vez mais, se sente na obrigação (como mediador do processo
ensino/aprendizagem), preparar-se mais, atualizar-se para agir de forma mais
competente. A melhoria na didática dos docentes está acontecendo
gradativamente com os professores se auto - avaliando com freqüência, checando
e procurando corrigir suas falhas aceitando sugestões e demonstrando maior
interesse por estudos de documentos específicos para sua área, procurando assim,
transformar sua prática pedagógica.
O professor está tornando-se mais apto a organizar, sua sala de aula, atividades
significativas para poder ensinar melhor e com isso os alunos tem mais
oportunidade para definir experiências simples, mas para manter a motivação,
estimular a participação e proporcionar a aprendizagem. Este trabalho se
desenvolve semanalmente, nas HTPCs, com os gestores em reuniões que
envolvem todos os profissionais da escola e também através de cursos efetuadas
pela D.E
23 – HTPC:
27
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
As reuniões de HTPC acontecerão com a Direção, e Professor Coordenador, com
duração de três horas observadas a carga horária do professor. Irá proporcionar
leituras, estimular discussões e reflexões subsidiadas com materiais de apoio,
registrando e avaliando cada reunião onde colherá dados para outras propostas
de trabalho, levantar projetos com intenção de remover os obstáculos que
interferem na melhoria do desempenho dos alunos.
24 – OBJETIVOS COMUNS DA AÇÃO:
Apesar das dificuldades existentes, toda equipe escolar trabalha da melhor maneira
possível, garantindo a melhoria da qualidade de ensino. O que se tem buscado é
uma atuação pedagógica mais integrada e articulada entre todas as séries
organizando os conteúdos a serem desenvolvidos, levando em conta os
conhecimentos anteriores, dentro de cada tema e entre os temas.
25 – ACOMPANHAMENTO PEDAGÓGICO:
O acompanhamento pedagógico será realizado pelos gestores, em visitas em sala de aulas e
presença nas HTPC(s), acompanharão estas atividades esclarecendo, orientando e
dividindo com os professores a responsabilidade e importância da melhoria da qualidade
do ensino. Nas reuniões pedagógicas e durante as HTPC(s) será feito o
acompanhamento e avaliação do trabalho diversificado, o crescimento profissional do
professor e o incentivo a permanência dos alunos na escola, para diminuir a retenção e
a evasão.
26 – DOS RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS/ ESCOLA/ COMUNIDADE:
Dispomos de corpo docente e equipe técnica administrativa, sendo que grande parte dos
professores são comprometidos com a educação, fato que podemos observar quando,
durante o planejamento, ao serem solicitados a posicionar-se em relação às suas
expectativas para o presente ano, colocam o sucesso do aprendizado de seus alunos
entre suas maiores preocupações.
Os demais funcionários da escola são experientes, responsáveis e conscientes de seus
direitos e também de seus deveres. A união do grupo é uma constante, e pela
responsabilidade e iniciativa muitas vezes a divisão de serviço é feita entre o próprio
grupo para melhor atender as necessidades da escola e de cada um.
28
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
Sempre que convidamos os profissionais nos atendem enriquecendo os projetos
educacionais, dando palestras sobre suas áreas de atuação (Meio Ambiente,
Prevenção e Saúde, Combatem a Incêndio e outros).
Para o cotidiano dos alunos e professores não falta material didático-pedagógico
(caderno, lápis, giz, sulfite, lápis de cor, borracha, mapas, globo terrestre e outros
materiais adquiridos pelo kit pedagógico), CD/DVD, material de laboratório para o
Ensino Médio, livros de literatura infanto-juvenil , enciclopédia para pesquisa, TV e
vídeo, DVD, rádio gravador, caixa amplificada, microfone, pirógrafo, mimeógrafo,
retroprojetor, datashow e sala SAI.
27 – ARTICULAÇÃO ESCOLA/FAMÍLIA/COMUNIDADE:
Os sistemas de ensino definirão as normas de gestão democrática do ensino público na
Educação Básica, de acordo com as suas peculiaridades e conforme os princípios:
I – participação dos profissionais na elaboração, implementação e avaliação da
proposta pedagógica;
II – participação dos diferentes seguimentos da comunidade escolar:
– direção, professores, pais, alunos e funcionários;
- nos processos consultivos e decisórios, através do conselho de escola e conselho de
classe e série, grêmio estudantil e associação de pais e mestres;
Baseando na gestão democrática ampliamos a participação dos pais e da
comunidade procurando abrir mais canais de comunicação entre a escola e a
família.
4 – INDICADORES DE DESEMPENHO DA ESCOLA
ENSINO FUNDAMENTAL
29
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
Indicador
Ano
Taxa de
Aprova
ção (%)
Taxa de
Reprovaç
ão (%)
Taxa de
Abando
no (%)
Taxa de
Transfer
ência
Taxa de
Distor
ção
Idade
/Série
(%)
2008 73,00 3,00 1,00 23,00 10,00
2009 81,00 3,00 0 16,00 4,00
2010 80,00 1,00 0 19,00 9,00
OBS: A somatória das taxas de aprovação, reprovação e abandono deve ser 100%
ENSINO MÉDIO
Indicador
Ano
Taxa de
Aprova
ção (%)
Taxa de
Reprovaç
ão (%)
Taxa de
Abando
no (%)
Taxa de
Transfer
ência
Taxa de
Distor
ção
Idade/
Série
(%)
2008 75,00 0 0 25,00 10,00
2009 82,00 1,00 2,00 15,00 15,00
2010 61,00 4,00 0 35,00 4,00
OBS: A somatória das taxas de aprovação, reprovação e abandono deve ser 100%
30
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
ENSINO FUNDAMENTAL – EJA
Indicador
Ano
Taxa de
Aprova
ção (%)
Taxa de
Reprovaç
ão (%)
Taxa de
Abando
no (%)
Taxa de
Transfer
ência
Taxa de
Distor
ção
Idade
/Série
(%)
2008 84,00 0 0 16,00 0
2009 68,00 6,00 2,00 24,00 0
2010 79,00 0 0 21,00 0
OBS: A somatória das taxas de aprovação, reprovação e abandono deve ser 100%
ENSINO MÉDIO – EJA
Indicador
Ano
Taxa de
Aprova
ção (%)
Taxa de
Reprovaç
ão (%)
Taxa de
Abando
no (%)
Taxa de
Transfer
ência
Taxa de
Distor
ção
Idade/
Série
(%)
2008 73,00 11,00 12,00 4,00 0
2009 80,00 7,00 0 13,00 0
2010 80,00 0 0 20,00 0
OBS: A somatória das taxas de aprovação, reprovação e abandono deve ser 100%
4.1 – IDESP
31
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
32
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
33
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
5- AUTO AVALIAÇÃO DA ESCOLA - 2010
5.1- Gestão de Resultados Educacionais:
Indicadores
Nível de Atendimento
Insuficiente Regular Bom Ótimo Excelente
Avaliação dos resultados obtidos pela
escola (acesso, permanência e
sucesso escolar);
X
Avaliação do trabalho desenvolvido pela
escola; X
Análise sistemática dos resultados das
avaliações dos alunos; X
Identificação junto aos alunos das razões
da freqüência irregular às aulas e
as medidas adotadas para
regularizar a freqüência dos alunos.
X
5.2- Gestão Participativa:
Indicadores
Nível de Atendimento
Insuficiente Regular Bom Ótimo Excelente
Análise da participação dos pais e da
comunidade escolar na
elaboração da Proposta
Pedagógica da Escola;
X
Participação dos diferentes
segmentos da comunidade
escolar em seus órgãos
colegiados e processos
decisórios da escola (Conselho
de Classe e Série, Conselho de
Escola, APM, Grêmio
Estudantil);
X
Divulgação dos documentos que
orientam os direitos e deveres
dos professores, funcionários,
pais e alunos (Regimento
Escolar e Normas Legais);
X
Socialização das informações
recebidas nas orientações
X
34
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
técnicas, disponibilização
destas informações e seu
atendimento.
5.3- Gestão Pedagógica:
Indicadores
Nível de Atendimento
Insuficiente Regular Bom Ótimo Excelente
Avaliação das competências
desenvolvidas pelas áreas do
currículo, tendo como referência
o PCN; (identificação das
formas de registro e dos
critérios de avaliação);
X
Análise do acompanhamento das
atividades pedagógicas
desenvolvidas pela equipe
docente, articulando as ações
com a Proposta Pedagógica;
X
Avaliação das estratégias utilizadas
para verificar o compromisso
dos professores com a
aprendizagem dos alunos e
articulação com as famílias e a
comunidade.
X
5.4- Gestão de Pessoas
Indicadores
Nível de Atendimento
Insuficiente Regular Bom Ótimo Excelente
Avaliação das ações voltadas para a
integração entre os profissionais
da escola, pais e alunos;
X
Avaliação das ações de formação
continuada em serviço e troca
de experiências vivenciadas
(utilização dos HTPC);
X
Avaliação de práticas de valorização
e reconhecimento do trabalho
da equipe escolar.
X
35
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
5.5- Gestão de Serviços de Apoio, Recursos Físicos e Financeiros.
Indicadores
Nível de Atendimento
Insuficiente Regular Bom Ótimo Excelente
Avaliação da prestação de serviços
à comunidade, quanto ao
atendimento, à atualização da
documentação e escrituração
da vida dos alunos;
X
Avaliação da utilização dos recursos
didáticos disponíveis nos
espaços pedagógicos da
escola (salas de vídeo, leitura,
de informática, laboratórios, e
outros ambientes);
X
Preservação do patrimônio escolar
(ações que favorecem a
conservação, manutenção e a
utilização);
X
Aplicação dos recursos financeiros
da escola (ações que
contribuem para transparência
dos procedimentos);
X
Evidências dos aspectos que tornam
a escola eficaz (indicadores do
SARESP);
X
Organograma. X
36
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
6 - OBJETIVO, METAS E AÇÕES DA UNIDADE ESCOLAR
Objetivo: proporcionar aos alunos os conhecimentos e as habilidades que lhes
possibilitem uma vida mais edificante.
Nº Descrição: Metas e ações Prazos
1 Elevar os índices de desempenho dos alunos em
todas as avaliações internas ou externas
( SARESP/IDESP)
Médio
1.a – Acompanhamento sistemático do desempenho
dos alunos;
1.b – destinar duas HTPCs por área do currículo
para estudos.
1.c – Encaminhar para a recuperação paralela os
alunos com maiores dificuldades de
aprendizagem
2 Cumprir o currículo proposto dentro da seqüência
didática
1.a – Melhorar o desempenho do ensino
aprendizagem dos educando;
1.b – Conscientizar sobre a importância do trabalho
da seqüência didática;
1.c - Desenvolver os projetos propostos pela SEE
3 Tornar mais agradável a permanência do aluno
diariamente na escola, diminuindo assim a
indisciplina.
Médio
1.a – Procurar parcerias juntos aos órgãos
colegiados e comunidade local;
1.b – Palestras com os profissionais qualificados;
1.c – Conscientização e participação efetiva do aluno
no processo de ensino aprendizagem.
4 Ações: priorizar o trabalho diversificado com os
alunos com déficit de aprendizagem, com
objetivo de diminuir o índice de defasagem.
Médio
1-a – Preparar caderno de atividades diversificadas ;
1.b – Orientar os professores sobre a importância do
trabalho diversificada;
1.c – Envolver a família no desenvolvimento do
processo ensino aprendizagem.
37
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
6.1 - PLANILHA DE AÇÕES PARA MELHORIA DA ESCOLA
Prioridade ou
Problema
Objetivos Metas ou
Resultados
Esperados
Ações
Melhoria no
desempen
ho da
aprendiza
gem dos
alunos
Desenvolver o
sendo de
responsabilida
de na vida
escolar
Elevar os índices
de
desempenho
dos alunos
em todas as
avaliações
internas ou
externas
Acompanhamentos
sistemáticos do
desempenho do aluno
Criar espaço
para
estudo e
troca de
experiênci
as nas
áreas do
currículo
Envolver todo
corpo docente
para a
sintonia –
interdisciplana
riedade
Corpo docente
integrado,
realizando o
trabalho
pedagógico
com
segurança
Destinar duas HTPCs por área
do currículo, mensalmente
Construção de
Área de
Lazer
Criar um espaço/
pracinha para
o lazer e
descanso da
comunidade
escolar.
Tornar mais
agradável a
permanência
do aluno
durante todo
o dia na
escola
Procurar parceira junto ao
Órgãos Colegiados e
comunidade local.
Realização de
avaliação
diagnóstic
a e
planejame
nto de
ações
voltadas
Possibilitar
articulação
entre as áreas
do
conhecimento
para
planejamento
de ações
Melhorar o índice
de
desempenho
dos alunos
Reuniões periódicas para
envolver a comunidade à
participação mais ativa
nas ações da escola, e
preparação de atividades
considerando o0 grau de
dificuldade de cada um.
38
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
para a
melhoria
da
qualidade
de ensino
e maior
participaçã
o da
comunida
de
conjuntas e,
estabelecer o
elo de ligação
entre a escola
e a
comunidade
6.1 - PLANO DE MELHORIA – Ver modelo do Curso Redefor – anexo
7- PLANOS DOS CURSOS MANTIDOS PELA ESCOLA
7.1- Planos de Cursos
Objetivos do ensino fundamental
O Ensino Fundamental com duração mínima de oito anos é obrigatório e gratuito na escola
pública, tendo por objetivo a formação básica do cidadão mediante:
- O desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio
de leitura, escrita e do cálculo;
- A compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e
dos valores em que se fundamentam a sociedade;
- O desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de
conhecimento e habilidades e form
ação de atitudes e valores;
- O fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância
recíproca em que assenta a vida social;
- A capacitação para adquirir hábitos de estudos e de civilidade;
Partindo da realidade, vivência dos alunos, proporcionarem condições para que estes
desenvolvam a expressão oral, corporal, artística, através do aperfeiçoamento, da
leitura, escrita, do pensamento crítico e sensibilidade obtendo novos conceitos e valores.
Através dos diferentes conteúdos curriculares, o aluno obterá maiores conhecimentos,
enriquecerá suas experiências , despertado o gosto pelo saber através de pesquisas e
compreensão dos aspectos políticos, sócio-econômicos culturais e tecnológicos em que
estão inseridos. Assim espera-se que ao concluir a 8ª série, os alunos consigam
formalizar seu conhecimento, dando continuidade ao processo de aprendizagem
atuando como agentes participativos e transformadores da sociedade.
Objetivos do Ensino Médio
O Ensino Médio, etapa final da Educação Básica com duração de três anos terá como
finalidade:
39
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
- A consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no ensino fundamental,
possibilitando o prosseguimento de estudos;
- A preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando para continuar aprendendo,
de modo a ser capaz de se adaptar com flexibilidade a novas condições ou
aperfeiçoamento posteriores;
- O aprimoramento do educando como pessoa humana incluindo ética e o desenvolvimento
da autonomia intelectual e do pensamento crítico.
- A compreensão dos fundamentos científicos e tecnológicos dos processos produtivos,
relacionando a teoria com a prática no ensino de cada disciplina.
Além de isso oportunizar condições para que o aluno possa:
- Dimensionar seu crescimento através da auto-avaliação;
- Adquirir modo de agir através da assimilação ativa da cultura e também conhecimentos que
lhe garantirão possibilidades de atuar no seu grupo e na sua comunidade;
- Encontrar apoio e orientação para a decisão que deverá tomar ao final do curso.
Integração e Seqüência dos Componentes Curriculares
A integração e seqüência dos conteúdos já estão implícitas dentro da noção de ciclos e
progressão continuada. Já faz parte do próprio planejamento de ensino e nos conteúdos
curriculares, que possuem uma interdependência.
Essa interdependência é uma estratégia de trabalho pedagógico, pois facilita a interação de
métodos e conceitos que unificam o conhecimento; não compartimenta o ensino,
facilitando à superação as “barreiras” estabelecidas entre as disciplinas e o “saber
científico” que elas inserem, relacionando diretamente com investigação e atividades
práticas.
Os níveis de ensino e os componentes curriculares não são estanques, são processos,
portanto são dinâmicos estão no desenvolver da prática pedagógica. A idéia é fazer com
que os conteúdos sejam tratados de forma articulada com as diversas áreas do
conhecimento, integrando toda a prática educativa, e ao mesmo tempo criando uma
visão global e abrangente.
Estão organizadas em 3 áreas do conhecimento:
Na área de Linguagens e Códigos estão destacadas as competências que dizem respeito à
constituição de significados – competência que será de grande valia para a formalização
dos conteúdos das ciências da natureza e para as ciências humanas – bem como das
linguagens como constituidoras da identidade e, portanto, do exercício da cidadania.
Nessa área estão disciplinas, atividades e conteúdos relacionados às diferentes formas
de expressão, das quais a língua portuguesa é a mais importante como principal
elemento constitutivo de outros conhecimentos. Mas não se excluem nessa área as
artes, a informática, as atividades físicas e esportivas e outras linguagens que se
venham a trabalhar.
Na área de Ciências da Natureza e Matemática incluem-se além das competências
relacionada à apropriação de conhecimentos da física, da química, da biologia e suas
interações, aquelas que traduzem a compreensão do significado dessas Ciências, tal
como recomenda a lei. A presença da matemática nessa área se justifica pelo que ela
tem de ciência, pela sua afinidade com as ciências da natureza na medida em que é um
dos principais recursos de constituição e expressão dos conhecimentos dessas ciências.
Na área de Ciências Humanas, destacam-se as competências relacionadas à compreensão
do significado dessas ciências e dos muitos significados que o fenômeno da identidade,
da sociedade e da cultura pode ter, e que se constituem nos campos de conhecimento
40
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
da sociologia, antropologia, psicologia, direito, entre outras. Nessa área se incluem ainda
os conhecimentos de filosofia necessários ao exercício da cidadania.
Síntese dos Conteúdos Programáticos
Conteúdos programáticos do Ensino Fundamental
PORTUGUÊS
Ênfase no caráter social da linguagem verbal, privilegiando as situações de uso (oralidade,
leitura / interpretação e produção de textos);
Predominância das atividades de linguagem verbal, principalmente a leitura/ interpretação e
produção de texto entendido como conteúdos de ensino;
Predominância das atividades de linguagem e do trabalho com o texto sobre as descrições
gramaticais, respeitadas sempre essa ordem na introdução de quaisquer conteúdos.
MATEMÁTICA
Os temas números, geometria e medidas devem ser tratadas de modo simultâneo e constante
em todas as séries;
O estudo dos números deve ser acompanhando a evolução histórica da noção de números, a
partir tanto de contagens como de medidas, substituindo uma sistematização prematura
por uma abordagem mais rica em significados;
O trabalho com Geometria parte da manipulação dos objetivos, do reconhecimento das
formas mais freqüentes (especiais/planas), de sua caracterização através de
propriedades, aproximando-se gradativamente de uma sistematização.
As medidas serão exploradas ao longo de todas as séries, servindo como um dos elos
integradores dos temas números e geométrico.
O aluno é desafiado através de problemas a refletir, discutir com seu grupo, elaborar
hipóteses e desenvolver procedimentos para validá-las, antes de chegar às regras,
definições, conceitos e idéias fundamentais da matemática.
CIÊNCIAS
O estudo dos fenômenos naturais deve constituir para ampliar o entendimento sobre a
dinâmica do ambiente.
A organização dos conteúdos, em todas as séries, pressupõe o desenvolvimento da
compreensão de vários fenômenos físicos, químicos, biológicos e geológicos que
ocorrem com os seres vivos, as rochas, os materiais, os aparelhos, os corpos celeste,
etc.
A abordagem dos conteúdos prevê o estabelecimento das relações que os fenômenos
mantém entre eles e com a vida humana; busca avaliar as conseqüências sobre a vida
na Terra;
A saúde física e mental dos indivíduos e das coletividades é considerada como resultante de
determinações biológicas e sociais e devem ser tratadas de modo relacionado aos
demais conteúdos científicos;
Os vários instrumentos de avaliação priorizam a interpretação dos fenômenos estudados.
41
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
INGLÊS
O ensino – aprendizagem tem por objetivo o desenvolvimento da comunicação oral, e não
exclusivamente o desenvolvimento das estruturas gramaticais;
As situações de comunicação oral devem priorizar o interesse e as necessidades do aluno,
bem como sua bagagem cultural, possibilitando a expressão em situações reais de fala,
isto é, nas funções da língua (apresentar, cumprimentar, agradecer, solicitar, exprimir
satisfação ou dúvida, etc.);
Nessas situações, os alunos terão espaço para trocar informações sobre si mesmos e o
mundo que os cerca, enfatizando-se a utilização de estruturas que atendam as
necessidades da comunicação;
O desenvolvimento da comunicação oral dá-se num processo gradativo e contínuo; portanto,
não se pretende que o aluno esteja dominando as quatro habilidades (ouvir, falar, ler e
escrever) ao final do curso, mas procura-se fornecer os mecanismos para uma
comunicação simples e concreta no nível da produção e compreensão oral e escrita.
HISTÓRIA
O objetivo central desse componente é a formação do cidadão critico, consciente de sua
cidadania;
A Proposta Curricular veicula a concepção de História como um processo dinâmico. Os
acontecimentos não devem ser analisados como resultados de uma relação de causa e
efeitos, segundo a qual, um fato é visto apenas como conseqüência do outro. Cada
acontecimento deve ser analisado em suas relações com o momento histórico em que
ocorreu;
A História é fruto da ação de todos os sujeitos situados no seu tempo e espaço; deve-se, pois,
evitar que a ênfase em determinados conteúdos e personagens (heróis) de a idéia de
que ela é construída apenas por aqueles que se destacaram em determinados
momentos, excluindo os demais segmentos;
A organização de ensino por eixo temático permite a escolha de épocas e assuntos que se
deseja estudar, num transitar pelos diferentes momentos históricos. Este movimento do
tempo contribui para a reconstituição crítica de História;
Os materiais deverão auxiliar no desenvolvimento da noção de que os acontecimentos
apresentam múltiplas interpretações; ficar preso a uma única visão do processo histórico
limita esta percepção;
A avaliação é entendida como parte do processo ensino aprendizagem, devendo ser utilizada
para diagnosticar o desempenho dos alunos e, é necessário repensar o plano de ensino
do professor.
GEOGRAFIA
A compreensão do espaço geográfico em sua totalidade envolvendo sociedade e natureza,
sem estabelecer a dicotomia entre Geografia, Física e Geografia Humana;
O entendimento da natureza em sua dinâmica própria e enquanto recurso do qual a
sociedade se apropria por meio do trabalho;
O reconhecimento da categoria trabalho como atividade social que, no processo histórico,
potencializa contradições que se expressam na organização da sociedade e na
organização/desorganização do espaço geográfico;
A análise contemporânea da organização do espaço geográfico relacionada à construção
histórica dos territórios nacionais e internacionais;
42
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
EDUCAÇÃO FÍSICA
Estabelecimento não só de objetivos a nível motor, mas também daqueles relativos ao
domínio cognitivo e domínio sócio-econômico e afetivo reconhecendo a
interdependência desses diferentes aspectos no desenvolvimento humano;
Reconhecimento da experiência vivida pelo aluno – da qual fazem parte os conteúdos da
Educação Física – como ponto de partida para o desenvolvimento das atividades
programáticas;
Diversificação dos conteúdos a serem desenvolvidos (os jogos, os esportes, a ginástica e a
dança, entre outros), segundo as peculiaridades da escola e dos alunos;
Utilização de metodologia que valorize a iniciativa do aluno, oportunizando situações
desafiadoras que estimulem a capacidade de resolver problemas, motores ou não, de
formas críticas, criativas e competentes;
Utilização de procedimentos avaliatórios diversificados, coerentes com os objetivos e a
metodologia, que levem em conta a aprovação do conhecimento se da progressividade.
ARTE
O processo ensino/aprendizagem em Arte deve contemplar a linguagem visual, musical e
cênica;
Os objetivos e conteúdos selecionados deverão ser específicos de Arte, garantindo, em cada
linguagem artística, a expressão pessoal do indivíduo, a fazer técnica-inventiva, a sua
gramática especifica, a sua historia e contextualização, os mediadores/ difusores, a
função e a crítica.
A metodologia utilizada deve garantir, de forma articulada, três momentos: O FAZER ARTE
(construção), o CONHECER ARTE (história da produção artística) e o APRECIAR
ARTE (análise crítica);
A avaliação deverá, partir de critérios discutidos e estabelecidos em conjuntos, contemplarem
o julgamento do professor, do grupo e do próprio aluno. Em ARTE não avaliamos
apenas o resultado final de um trabalho (síntese da organização do pensamento), mas
sim o conjunto de atividades pelo qual o aluno passe, envolvendo o refletir, pesquisar,
fazer, refazer, apreciar. Neste processo são observadas as interações do aluno com os
outros, suas dificuldades e facilidades, como organiza suas experiências, quais e
quantas tentativas de solução para problemas forma pensadas e de que maneira são
utilizados os materiais e instrumentos.
Conteúdos programáticos Do Ensino Médio
LÌNGUA PORTUGUESA
Ênfase no caráter social da linguagem verbal, privilegiando as situações de uso (oralidade,
leitura/interpretação e produção de textos);
Predominância das atividades de linguagem verbal, principalmente a leitura/interpretação e
produção de textos, entendidos como conteúdos de ensino;
Relevância para o ensino da Literatura, deslocando o eixo da simples identificação das
características de estéticas literárias, para a leitura de textos de autores brasileiros e
portugueses de diferentes épocas, privilegiando a análise comparativa de textos;
Predominância das atividades de linguagem e do trabalho como o texto sobre a descrição
gramatical, respeitada sempre essa ordem na introdução de quaisquer conteúdos.
INGLÊS
O ensino-aprendizagem tem por objetivo o trabalho com a compreensão escrita (leitura),
despertando no adolescente algumas habilidades, tais como: identificar, inferir, deduzir,
43
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
generalizar, etc., visando a compreensão do texto. No entanto, a priorização da leitura
não elimina o estudo das demais habilidades (compreensão auditiva, produção oral e
escrita), nem apenas com variações na sua intensidade e profundidade;
Os interesses, necessidades e a bagagem cultural do aluno devem determinar os objetivos do
curso, seu conteúdo e a metodologia a ser seguida;
O desenvolvimento de estratégias de leitura deve possibilitar o entendimento de textos,
desde a compreensão geral até a compreensão mais detalhada. Trabalho em pares, em
grupos, agrupamento flexíveis, etc., favorecem o relacionamento professor/aluno,
incentivam os alunos a se expressarem oralmente e proporciona a participação ativa do
aluno no processo ensino-aprendizagem;
O desenvolvimento da compreensão escrita (leitura) dá-se num processo gradativo e
contínuo, portanto não se pretende que o aluno esteja dominando as quatro habilidades
(ouvir, falar, ler, escrever), no final do curso, mas que tenha desenvolvido o mínimo de
estratégias para compreender um texto em língua inglesa e comunicar-se de forma
simples.
MATEMÁTICA
Como objetivo geral, deve-se observar o desenvolvimento do raciocínio lógico e a
organização dos aspectos quantitativos da realidade. As aplicações práticas e o
desenvolvimento do raciocínio devem ser considerados como elementos inseparáveis,
com o objetivo de buscar a autonomia intelectual.
Na seleção de conteúdo, valorizar aqueles que favoreçam o desenvolvimento da idéias
fundamentais de proporcionalidade e de não proporcionalidade (raciocínio combinatório
e probabilístico; variações polinomiais e exponenciais etc.) e da abordagem integrada de
álgebra com geometria (plena e especial), no decorrer de todas as séries;
A metodologia deve dar ênfase ao processo de construção dos conceitos matemáticos
partindo da realidade e do cotidiano do aluno, passando por uma fase intermediária de
trabalho informal dos conceitos e suas representações locais chegando, assim a uma
universal da matemática;
Formas de avaliação: A visão de avaliação comprometida com os objetivos de Matemática e
com esta metodologia não pode se restringir a um único instrumento, muito menos a um
único momento ou a uma única forma. As provas constituem um dos instrumentos da
avaliação e deve ser compatibilizada com os trabalhos dos alunos ao longo do período
escola. Avaliações individuais precisam ser complementadas com os resultados dos
trabalhos em grupo, nos quais a força das relações interpessoais se desejava, pois,
neste caso, o que esta em jogo e a habilidade de buscar e articular informações. O
veredicto final emitido pelo professor deverá ser o resultado dessas várias formas de
avaliar os alunos.
FÍSICA
A compreensão dos fenômenos da natureza segundo os parâmetros dados pelos conceitos,
princípios, teorias e leis desta ciência e de como esses conceitos, princípios, teorias e
leis foram produzidas historicamente.
O entendimento dos conhecimentos físicos em situações concretas do cotidiano do aluno,
possibilitando-lhe a análise processual dos elementos naturais e tecnológicos presentes
em seu contexto social.
44
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA
UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
QUÍMICA
O ensino de Química deve assegurar que o aluno compreenda os fenômenos químicos
segundo os parâmetros dados pelos conceitos, princípios, teorias e leis foram
produzidos e analise criticamente como são aplicados na sociedade;
O cotidiano é utilizado como ponto de partida para a introdução dos conteúdos químicos e
como elemento facilitador da compreensão da natureza e da sociedade;
A história da Ciência é um auxiliar a compreensão do processo de produção do conhecimento
químico, estando contemplada, portando ao longo de todo o curso;
A experimentação é um dos momentos de construção e reconstrução do conhecimento
químico, logo, a atividade experimental, desenvolve-se integralmente aula teórica;
A avaliação priorizará as situações nas quais se privilegie compreensão do aluno quanto aos
conceitos, leis, teorias, princípios e o entendimento de como o conhecimento químico
esta sendo produzido/aplicado na sociedade, em detrimento daquelas que se centram
apenas na memorização de detalhes e na quantidade de informações.
BIOLOGIA
Discussão dos conteúdos, segundo uma visão mais abrangente, buscando prioritariamente o
entendimento das interações que sustentam a dinâmica da vida, em todos o níveis de
organização dos seres vivos (célula, organismo, população, comunidade, ecossistema,
etc.); ao invés do detalhamento da estruturas, órgão, etc.;
Abordagem da dimensão histórica do conhecimento cientifica de forma a evidenciar o fato de
que a sociologia é uma ciência em processo constante da produção e uma atividade não
neutra, portanto sujeita as influencias sócio-econômico-político-culturais da época;
Análise critica das relações entre ciência, tecnologia e sociedade e de sua influencia na
qualidade de vida da população;
Utilização da vivência do aluno como ponto de partida e de chegada, procurando sempre que
possível trabalhar com conteúdos vinculados ao seu cotidiano ou que tenham relevância
social e científica, que lhe permitam compreender e repensar sua realidade;
Tratamento dos temas de saúde associados aos temas biológicos, não no sentido de
restringi-lo as suas dimensões puramente biológicas, mas encarando o processo saúde/
doença como parte integrante e resultante da própria organização social.
GEOGRAFIA
A compreensão do espaço geográfico em sua totalidade envolvendo sociedade e natureza,
sem estabelecer a dicotomia entre Geografia, Física e Geografia Humana;
O entendimento da natureza em sua dinâmica própria e enquanto recurso do qual a
sociedade se apropria por meio do trabalho;
O reconhecimento da categoria trabalho como atividade social que, no processo histórico,
potencializa contradições que se expressam na organização da sociedade e na
organização/desorganização do espaço geográfico;
A análise contemporânea da organização do espaço geográfico relacionada à construção
histórica dos territórios nacionais e internacionais;
HISTÓRIA
O objetivo central desse componente é a formação do cidadão crítico, consciente de sua
cidadania;
A Proposta Curricular veicula a concepção de História como um processo dinâmico. Os
acontecimentos não devem ser analisados como resultados de uma relação de causa e
efeitos, segundo a qual, um fato é visto apenas como conseqüência do outro. Cada
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Proposta pedagógica da educação infantil
Proposta pedagógica da educação infantilProposta pedagógica da educação infantil
Proposta pedagógica da educação infantil
kauezinhoproducao
 
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
LOCIMAR MASSALAI
 
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃOHISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
Edlauva Santos
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
Maria da C.A.Versiani
 
Palestra alfabetização
Palestra alfabetizaçãoPalestra alfabetização
Palestra alfabetização
GiseleDuraesPrudencio
 
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
baibicalho
 
Reunião pedagógica rosane gorges
Reunião pedagógica   rosane gorgesReunião pedagógica   rosane gorges
Reunião pedagógica rosane gorges
luannagorges
 
Oficinas pedagógicas
Oficinas pedagógicasOficinas pedagógicas
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Elizabet Tramontin Silveira Camargo
 
Ata da reunião do conselho escolar 15/01/14
Ata da reunião do conselho escolar 15/01/14Ata da reunião do conselho escolar 15/01/14
Ata da reunião do conselho escolar 15/01/14
Eefm Lima
 
Reunião com equipe_gestora_emei
Reunião com equipe_gestora_emeiReunião com equipe_gestora_emei
Reunião com equipe_gestora_emei
Rosemary Batista
 
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
baibicalho
 
EE. Kosuke Endo - Plano Quadrienal
EE. Kosuke Endo - Plano QuadrienalEE. Kosuke Endo - Plano Quadrienal
EE. Kosuke Endo - Plano Quadrienal
brgsto
 
Formularios avaliacao-diretor
Formularios avaliacao-diretorFormularios avaliacao-diretor
Formularios avaliacao-diretor
Fabiano Ferraz
 
ALFABETIZAÇÃO
ALFABETIZAÇÃOALFABETIZAÇÃO
Plano de Aula - Libras
Plano de Aula - LibrasPlano de Aula - Libras
Plano de Aula - Libras
PEDAGOGIA-COLABORATIVA
 
ReuniãO De Pais 2009
ReuniãO De Pais 2009ReuniãO De Pais 2009
ReuniãO De Pais 2009
Governo de Rondônia
 
Projeto soletrando
Projeto soletrandoProjeto soletrando
Projeto soletrando
Aridiane Santos
 
10 projeto literatura, conecendo os principais autores
10 projeto literatura, conecendo os principais autores10 projeto literatura, conecendo os principais autores
10 projeto literatura, conecendo os principais autores
juniorfuleragem
 
Semana pedagógica em itabaianinha grupo rubem alves
Semana pedagógica em itabaianinha grupo rubem alvesSemana pedagógica em itabaianinha grupo rubem alves
Semana pedagógica em itabaianinha grupo rubem alves
SMEdeItabaianinha
 

Mais procurados (20)

Proposta pedagógica da educação infantil
Proposta pedagógica da educação infantilProposta pedagógica da educação infantil
Proposta pedagógica da educação infantil
 
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
 
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃOHISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
 
Palestra alfabetização
Palestra alfabetizaçãoPalestra alfabetização
Palestra alfabetização
 
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
 
Reunião pedagógica rosane gorges
Reunião pedagógica   rosane gorgesReunião pedagógica   rosane gorges
Reunião pedagógica rosane gorges
 
Oficinas pedagógicas
Oficinas pedagógicasOficinas pedagógicas
Oficinas pedagógicas
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Ata da reunião do conselho escolar 15/01/14
Ata da reunião do conselho escolar 15/01/14Ata da reunião do conselho escolar 15/01/14
Ata da reunião do conselho escolar 15/01/14
 
Reunião com equipe_gestora_emei
Reunião com equipe_gestora_emeiReunião com equipe_gestora_emei
Reunião com equipe_gestora_emei
 
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
 
EE. Kosuke Endo - Plano Quadrienal
EE. Kosuke Endo - Plano QuadrienalEE. Kosuke Endo - Plano Quadrienal
EE. Kosuke Endo - Plano Quadrienal
 
Formularios avaliacao-diretor
Formularios avaliacao-diretorFormularios avaliacao-diretor
Formularios avaliacao-diretor
 
ALFABETIZAÇÃO
ALFABETIZAÇÃOALFABETIZAÇÃO
ALFABETIZAÇÃO
 
Plano de Aula - Libras
Plano de Aula - LibrasPlano de Aula - Libras
Plano de Aula - Libras
 
ReuniãO De Pais 2009
ReuniãO De Pais 2009ReuniãO De Pais 2009
ReuniãO De Pais 2009
 
Projeto soletrando
Projeto soletrandoProjeto soletrando
Projeto soletrando
 
10 projeto literatura, conecendo os principais autores
10 projeto literatura, conecendo os principais autores10 projeto literatura, conecendo os principais autores
10 projeto literatura, conecendo os principais autores
 
Semana pedagógica em itabaianinha grupo rubem alves
Semana pedagógica em itabaianinha grupo rubem alvesSemana pedagógica em itabaianinha grupo rubem alves
Semana pedagógica em itabaianinha grupo rubem alves
 

Semelhante a Ee. paulo coelho plano quadrienal

Ee. santa rita do pontal plano quadrienal
Ee. santa rita do pontal   plano quadrienalEe. santa rita do pontal   plano quadrienal
Ee. santa rita do pontal plano quadrienal
brgsto
 
Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)
Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)
Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)
Ius 95
 
Projeto politico pedagogico
Projeto politico pedagogicoProjeto politico pedagogico
Projeto politico pedagogico
Evelise de Araújo
 
Ee. maria aparecida de azeredo passos plano quadrienal
Ee. maria aparecida de azeredo passos   plano quadrienalEe. maria aparecida de azeredo passos   plano quadrienal
Ee. maria aparecida de azeredo passos plano quadrienal
brgsto
 
Iced estágio supervisionado i prof. JOão Paulo. (2)
Iced estágio supervisionado i   prof. JOão Paulo. (2)Iced estágio supervisionado i   prof. JOão Paulo. (2)
Iced estágio supervisionado i prof. JOão Paulo. (2)
marcos carlos
 
Ppp
PppPpp
Pi reestruturado
Pi reestruturadoPi reestruturado
Pi reestruturado
karfrio
 
Ppp 2014 cee
Ppp 2014 ceePpp 2014 cee
Ppp 2014 cee
heder oliveira silva
 
Plano de gestão feito
Plano de gestão feitoPlano de gestão feito
Plano de gestão feito
Antonio Carneiro
 
Plano Gestão EE Aberto José Ismael
Plano Gestão EE Aberto José IsmaelPlano Gestão EE Aberto José Ismael
Plano Gestão EE Aberto José Ismael
desjrnit
 
Projeto Político Pedagógico 2021 versão final
Projeto Político Pedagógico 2021 versão finalProjeto Político Pedagógico 2021 versão final
Projeto Político Pedagógico 2021 versão final
QUEDMA SILVA
 
Plano de ação - 2023_ALTERAÇÃO PARA O 3º BIMESTRE (1).pdf
Plano de ação - 2023_ALTERAÇÃO PARA O 3º BIMESTRE (1).pdfPlano de ação - 2023_ALTERAÇÃO PARA O 3º BIMESTRE (1).pdf
Plano de ação - 2023_ALTERAÇÃO PARA O 3º BIMESTRE (1).pdf
JoaoVictor699728
 
Regimento interno EEM Arsênio Ferreira Maia
Regimento interno  EEM Arsênio Ferreira MaiaRegimento interno  EEM Arsênio Ferreira Maia
Regimento interno EEM Arsênio Ferreira Maia
otacilioborges1
 
Plano gestão 2015 2018
Plano gestão 2015  2018Plano gestão 2015  2018
Análise do PPP.pdf
Análise do PPP.pdfAnálise do PPP.pdf
Análise do PPP.pdf
MARCELACARNEIROGOMES
 
Projeto político pedagógico
Projeto político pedagógicoProjeto político pedagógico
Projeto político pedagógico
MoysesBohana
 
Plano gestão 2011
Plano gestão 2011Plano gestão 2011
Plano gestão 2011
patriciachagaspc
 
Relatório danilo okkk
Relatório danilo okkkRelatório danilo okkk
Relatório danilo okkk
Marcelo Silva Santos
 
Projeto Educativo - PÓLO NºXX III DE SÃO PEDRO
Projeto Educativo - PÓLO NºXX III DE SÃO PEDROProjeto Educativo - PÓLO NºXX III DE SÃO PEDRO
Projeto Educativo - PÓLO NºXX III DE SÃO PEDRO
DMEDPraia
 
Grupo hernany
Grupo hernanyGrupo hernany
Grupo hernany
hernany010
 

Semelhante a Ee. paulo coelho plano quadrienal (20)

Ee. santa rita do pontal plano quadrienal
Ee. santa rita do pontal   plano quadrienalEe. santa rita do pontal   plano quadrienal
Ee. santa rita do pontal plano quadrienal
 
Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)
Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)
Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)
 
Projeto politico pedagogico
Projeto politico pedagogicoProjeto politico pedagogico
Projeto politico pedagogico
 
Ee. maria aparecida de azeredo passos plano quadrienal
Ee. maria aparecida de azeredo passos   plano quadrienalEe. maria aparecida de azeredo passos   plano quadrienal
Ee. maria aparecida de azeredo passos plano quadrienal
 
Iced estágio supervisionado i prof. JOão Paulo. (2)
Iced estágio supervisionado i   prof. JOão Paulo. (2)Iced estágio supervisionado i   prof. JOão Paulo. (2)
Iced estágio supervisionado i prof. JOão Paulo. (2)
 
Ppp
PppPpp
Ppp
 
Pi reestruturado
Pi reestruturadoPi reestruturado
Pi reestruturado
 
Ppp 2014 cee
Ppp 2014 ceePpp 2014 cee
Ppp 2014 cee
 
Plano de gestão feito
Plano de gestão feitoPlano de gestão feito
Plano de gestão feito
 
Plano Gestão EE Aberto José Ismael
Plano Gestão EE Aberto José IsmaelPlano Gestão EE Aberto José Ismael
Plano Gestão EE Aberto José Ismael
 
Projeto Político Pedagógico 2021 versão final
Projeto Político Pedagógico 2021 versão finalProjeto Político Pedagógico 2021 versão final
Projeto Político Pedagógico 2021 versão final
 
Plano de ação - 2023_ALTERAÇÃO PARA O 3º BIMESTRE (1).pdf
Plano de ação - 2023_ALTERAÇÃO PARA O 3º BIMESTRE (1).pdfPlano de ação - 2023_ALTERAÇÃO PARA O 3º BIMESTRE (1).pdf
Plano de ação - 2023_ALTERAÇÃO PARA O 3º BIMESTRE (1).pdf
 
Regimento interno EEM Arsênio Ferreira Maia
Regimento interno  EEM Arsênio Ferreira MaiaRegimento interno  EEM Arsênio Ferreira Maia
Regimento interno EEM Arsênio Ferreira Maia
 
Plano gestão 2015 2018
Plano gestão 2015  2018Plano gestão 2015  2018
Plano gestão 2015 2018
 
Análise do PPP.pdf
Análise do PPP.pdfAnálise do PPP.pdf
Análise do PPP.pdf
 
Projeto político pedagógico
Projeto político pedagógicoProjeto político pedagógico
Projeto político pedagógico
 
Plano gestão 2011
Plano gestão 2011Plano gestão 2011
Plano gestão 2011
 
Relatório danilo okkk
Relatório danilo okkkRelatório danilo okkk
Relatório danilo okkk
 
Projeto Educativo - PÓLO NºXX III DE SÃO PEDRO
Projeto Educativo - PÓLO NºXX III DE SÃO PEDROProjeto Educativo - PÓLO NºXX III DE SÃO PEDRO
Projeto Educativo - PÓLO NºXX III DE SÃO PEDRO
 
Grupo hernany
Grupo hernanyGrupo hernany
Grupo hernany
 

Mais de brgsto

Ee. rosa mano plano quadrienal
Ee. rosa mano   plano quadrienalEe. rosa mano   plano quadrienal
Ee. rosa mano plano quadrienal
brgsto
 
Ee. lídia sanae oya plano quadrienal
Ee. lídia sanae oya   plano quadrienalEe. lídia sanae oya   plano quadrienal
Ee. lídia sanae oya plano quadrienal
brgsto
 
Ee. salvador moreno munhoz plano quadrienal
Ee. salvador moreno munhoz   plano quadrienalEe. salvador moreno munhoz   plano quadrienal
Ee. salvador moreno munhoz plano quadrienal
brgsto
 
Ee. takako suzuki plano quadrienal
Ee. takako suzuki   plano quadrienalEe. takako suzuki   plano quadrienal
Ee. takako suzuki plano quadrienal
brgsto
 
Ee. romilda lázara pillon
Ee. romilda lázara pillonEe. romilda lázara pillon
Ee. romilda lázara pillon
brgsto
 
Ee. ribeirinhos
Ee. ribeirinhosEe. ribeirinhos
Ee. ribeirinhos
brgsto
 
Ee. porto primavera plano quadrienal
Ee. porto primavera   plano quadrienalEe. porto primavera   plano quadrienal
Ee. porto primavera plano quadrienal
brgsto
 
Ee. maria audenir de carvalho plano quadrienal
Ee. maria audenir de carvalho   plano quadrienalEe. maria audenir de carvalho   plano quadrienal
Ee. maria audenir de carvalho plano quadrienal
brgsto
 
EE. Maria Antônia Zangarini - Plano Quadrienal
EE. Maria Antônia Zangarini - Plano QuadrienalEE. Maria Antônia Zangarini - Plano Quadrienal
EE. Maria Antônia Zangarini - Plano Quadrienal
brgsto
 
EE. Líria Yurico Sumida - Plano Quadrienal
EE. Líria Yurico Sumida - Plano QuadrienalEE. Líria Yurico Sumida - Plano Quadrienal
EE. Líria Yurico Sumida - Plano Quadrienal
brgsto
 
EE. Gleba XV de Novembro - Plano Quadrienal
EE. Gleba XV de Novembro - Plano QuadrienalEE. Gleba XV de Novembro - Plano Quadrienal
EE. Gleba XV de Novembro - Plano Quadrienal
brgsto
 
EE. Francisco Piergentili - Plano Quadrienal
EE. Francisco Piergentili - Plano QuadrienalEE. Francisco Piergentili - Plano Quadrienal
EE. Francisco Piergentili - Plano Quadrienal
brgsto
 
EE. Francisco Ferreira - Plano Quadrienal
EE. Francisco Ferreira - Plano QuadrienalEE. Francisco Ferreira - Plano Quadrienal
EE. Francisco Ferreira - Plano Quadrienal
brgsto
 
EE Francisca Messa Gutierrez - Plano Quadrienal
EE Francisca Messa Gutierrez - Plano QuadrienalEE Francisca Messa Gutierrez - Plano Quadrienal
EE Francisca Messa Gutierrez - Plano Quadrienal
brgsto
 
EE Fazenda São Bento - Plano Quadrienal
EE Fazenda São Bento - Plano QuadrienalEE Fazenda São Bento - Plano Quadrienal
EE Fazenda São Bento - Plano Quadrienal
brgsto
 
EE Assentamento Santa Clara - Plano Quadrienal
EE Assentamento Santa Clara - Plano QuadrienalEE Assentamento Santa Clara - Plano Quadrienal
EE Assentamento Santa Clara - Plano Quadrienal
brgsto
 
EE Antônia Binato Silva - Plano Quadrienal
EE  Antônia Binato Silva - Plano QuadrienalEE  Antônia Binato Silva - Plano Quadrienal
EE Antônia Binato Silva - Plano Quadrienal
brgsto
 
EE Shizuo Nishikawa - Plano Quadrienal
EE Shizuo Nishikawa - Plano QuadrienalEE Shizuo Nishikawa - Plano Quadrienal
EE Shizuo Nishikawa - Plano Quadrienal
brgsto
 

Mais de brgsto (18)

Ee. rosa mano plano quadrienal
Ee. rosa mano   plano quadrienalEe. rosa mano   plano quadrienal
Ee. rosa mano plano quadrienal
 
Ee. lídia sanae oya plano quadrienal
Ee. lídia sanae oya   plano quadrienalEe. lídia sanae oya   plano quadrienal
Ee. lídia sanae oya plano quadrienal
 
Ee. salvador moreno munhoz plano quadrienal
Ee. salvador moreno munhoz   plano quadrienalEe. salvador moreno munhoz   plano quadrienal
Ee. salvador moreno munhoz plano quadrienal
 
Ee. takako suzuki plano quadrienal
Ee. takako suzuki   plano quadrienalEe. takako suzuki   plano quadrienal
Ee. takako suzuki plano quadrienal
 
Ee. romilda lázara pillon
Ee. romilda lázara pillonEe. romilda lázara pillon
Ee. romilda lázara pillon
 
Ee. ribeirinhos
Ee. ribeirinhosEe. ribeirinhos
Ee. ribeirinhos
 
Ee. porto primavera plano quadrienal
Ee. porto primavera   plano quadrienalEe. porto primavera   plano quadrienal
Ee. porto primavera plano quadrienal
 
Ee. maria audenir de carvalho plano quadrienal
Ee. maria audenir de carvalho   plano quadrienalEe. maria audenir de carvalho   plano quadrienal
Ee. maria audenir de carvalho plano quadrienal
 
EE. Maria Antônia Zangarini - Plano Quadrienal
EE. Maria Antônia Zangarini - Plano QuadrienalEE. Maria Antônia Zangarini - Plano Quadrienal
EE. Maria Antônia Zangarini - Plano Quadrienal
 
EE. Líria Yurico Sumida - Plano Quadrienal
EE. Líria Yurico Sumida - Plano QuadrienalEE. Líria Yurico Sumida - Plano Quadrienal
EE. Líria Yurico Sumida - Plano Quadrienal
 
EE. Gleba XV de Novembro - Plano Quadrienal
EE. Gleba XV de Novembro - Plano QuadrienalEE. Gleba XV de Novembro - Plano Quadrienal
EE. Gleba XV de Novembro - Plano Quadrienal
 
EE. Francisco Piergentili - Plano Quadrienal
EE. Francisco Piergentili - Plano QuadrienalEE. Francisco Piergentili - Plano Quadrienal
EE. Francisco Piergentili - Plano Quadrienal
 
EE. Francisco Ferreira - Plano Quadrienal
EE. Francisco Ferreira - Plano QuadrienalEE. Francisco Ferreira - Plano Quadrienal
EE. Francisco Ferreira - Plano Quadrienal
 
EE Francisca Messa Gutierrez - Plano Quadrienal
EE Francisca Messa Gutierrez - Plano QuadrienalEE Francisca Messa Gutierrez - Plano Quadrienal
EE Francisca Messa Gutierrez - Plano Quadrienal
 
EE Fazenda São Bento - Plano Quadrienal
EE Fazenda São Bento - Plano QuadrienalEE Fazenda São Bento - Plano Quadrienal
EE Fazenda São Bento - Plano Quadrienal
 
EE Assentamento Santa Clara - Plano Quadrienal
EE Assentamento Santa Clara - Plano QuadrienalEE Assentamento Santa Clara - Plano Quadrienal
EE Assentamento Santa Clara - Plano Quadrienal
 
EE Antônia Binato Silva - Plano Quadrienal
EE  Antônia Binato Silva - Plano QuadrienalEE  Antônia Binato Silva - Plano Quadrienal
EE Antônia Binato Silva - Plano Quadrienal
 
EE Shizuo Nishikawa - Plano Quadrienal
EE Shizuo Nishikawa - Plano QuadrienalEE Shizuo Nishikawa - Plano Quadrienal
EE Shizuo Nishikawa - Plano Quadrienal
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 

Último (20)

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 

Ee. paulo coelho plano quadrienal

  • 1. 1 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA PLANO DE GESTÃO 1 – IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR 1.1 - Escola Estadual “Paulo Coelho da Silva” 1.2- Códigos CIE: 908800 CONVÊNIO/FDE – 4324 UA:76106 Código do Prédio – 10.29.803 CNPJ da APM – 57.318.487/0001-72 1.3 - Localização: Rua - Manoel Rodrigues Santana, 604 1.4 FONE: (18) 3283.1114 e-mail – e908800a@see.sp.gov.br Município: Euclides da Cunha Paulista – SP - CEP. 19275-000 1.5 - Horário de Funcionamento: Das: 7:00 às 23:00 horas 1.6 - Gestores: Diretor Efetivo: Maria Ildefonso Isaac Diretor Designado: Soraya Mussi Jorge Lotti 1.7 - Gestão do atual diretor da U.E: A gestão do Diretor Designado se iniciou no dia 16 de Janeiro do ano letivo de 2012. 1.8 - Diretor Titular de Cargo: Maria Franscisca Ildefonso Isaac, afastada junto a parceria Estado/Município em Presidente Prudente. 1.9 Vice-Diretor: Edmeire Pereira da Silva
  • 2. 2 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA 1.10 – Horário de Funcionamento: Instituição: das 7:00 às 23:00hs Manhã: das 7:00 às 12:20 hs Tarde: das 12:40 as 18:00hs Noite: das 19:00 hs as 23:00hs 1.11 – Cursos Mantidos: Ensino Fundamental ciclo II Ensino Médio Regular EJA – EF- Ciclo II EJA – Ensino Médio 2 – ORGANIZAÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA: Núcleos Composição Nomes e/ou número dos componentes Direção Diretor Vice-Diretor Soraya Mussi Jorge Lotti Edmeire Pereira da Silva Técnico Pedagógico PCAGP Professor Coordenador Professor Coordenador de Apoio a Gestão Regina Aparecida Silva Reis Ana Lucia Costa Chagas Administrativo Agente de Organização Escolar Gerente de Organização Escolar Aparecida Ferreira Ivanei Marques Generoso Cavalcante Lucia Lima dos Santos Operacional Agente de Serviços Escolares Zelador. Agente de Organização Escolar Claudenice Alves Venâncio; Judite Dionilia da Silva Pereira Não tem Luiz Henrique da Costa Zanato Professor Titulares de cargo: 12
  • 3. 3 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA Ocupantes de Função Atividade: 06 Categorias: A; F; L; O 3- HISTÓRICO DA ESCOLA A Escola Estadual Paulo Coelho da Silva, foi criada pelo Decreto nº 27.100 de 23/06/1987, publicado no D.O. de 27/12/1987; instalada pelo ato de 09/03/1987 – D.O. 22/05/1987. E transformada pela lei.5.941, publicada em 01/12/1987. Durante o ato de criação até a instalação da escola obteve vários nomes, hoje denominada E.E. Paulo Coelho da Silva , esta jurisdicionada a Diretoria Regional de Mirante do Paranapanema e oferece Ensino Fundamental ciclo II ( 5ª a 8ª série ), Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos Ensino Fundamental ciclo II ( 5ª a 8ª série ), Ensino Médio. Nossos alunos são da periferia, onde a maioria dos pais são bóias frias, o qual saem muito cedo de suas casas deixando seus filhos responsáveis pela casa e pelo irmãos menores, tendo inclusive a incumbência de levá-los a Creche e/ou escolas. E outra parte de nossos alunos são dos assentamentos, sítios, fazendas, sendo assim um cliente flexível. Esses alunos são transportados pela Prefeitura Municipal o qual atende os assentamentos Santa Rosa, Rancho Grande, Nova Esperança I e II, fazenda Santa Cecília, Fazenda Ponte Branca, Fazenda Santa Rosa e Fazenda Rio Alegre. A religião predominante é a católica, que conta com uma igreja matriz e nossa escola que é cedida para celebração aos domingos e catequese aos sábados e domingos, existe também a igreja adventista do sétimo dia, Assembléia de Deus, Congregação Cristã e Tabernáculo. As maiorias das mães além de cuidarem dos trabalhos domésticos ajudam os maridos no orçamento familiares, trabalhando na lavoura ou de domesticas. A comunicação da comunidade fica por conta da televisão, do radio, revistas, internet, o correio também é muito usado. No que diz respeito a atividades culturais e de lazer o município conta com balneário, que é muito freqüentado pela população, praça, quadra poliesportiva municipal onde sempre tem eventos. A escola oferece sem fins lucrativos atividades de lazer como: datas comemorativas, com apresentações dos alunos (teatros, danças, musicas, poesias e gincanas) para os pais e comunidade. A escola é vista pela comunidade como um veiculo que vai levá-los ao conhecimento e principalmente prepará-los para o mercado do trabalho, que exige formação escolar de boa qualidade. Apesar dos pais na sua grande maioria não terem freqüentado a escola, eles acreditam na escola como um futuro melhor para os filhos. A maioria comparece nas reuniões de pais e participam das atividades culturais e de lazer da escola. A maioria dos alunos são de famílias de baixo poder aquisitivo com o nível de escolaridade equivalente ou inferior ao segundo ciclo do ensino fundamental. Para os alunos do ensino médio acostumados ao trabalho pesado e continuo na agricultura ou na pecuária, tem a escola como sinônima de liberdade e esperança num futuro melhor. A população escolar é formada por alunos que cursam o ensino fundamental (ciclo II ) e ensino médio período diurno, EJA ( Ciclo II e Ensino Médio) no período noturno. A maioria dos alunos, tem boa freqüência, produtividade e participação. 3.1 - Atos Legais - Ato de criação do Ensino Fundamental (ciclo II) – Res.SE.17 de 20/01/1987 Publicação em 20/01/1987
  • 4. 4 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA - Ato de criação do Ensino Médio – Resol. SE.23 de 30/03/2006 - Publicação de 08/04/2006 - Ato de criação do Ensino Fundamental (ciclo II) –EJA – Resol. SE.49 de 20/01/1987 Publicação: 21/01/1987 - Ato de criação do Ensino Fundamental (E.M) –EJA – Resol. SE.49 de 21/05/2003, retroagindo a 02/01/2003- D.O. de 30/05/2003. 3.2 - Relação dos Atos legais da E.E. Paulo Coelho da Silva Nº de Ordem Ocorrência Tipo/ número Data Publicação em DOE 1º - Ato de criação do Ensino Fundamental (ciclo II) Res.SE.17 20/01/1987 20/01/1987 2º Ato de criação do Ensino Fundamental (ciclo II) –EJA Resol. SE.49 20/01/1987 21/01/1987 3º Ato de criação do Ensino Fundamental (E.M) –EJA Resol. SE.49 21/05/2003 retroagindo a 02/01/2003 30/05/2003 4º Ato de criação do Ensino Médio Resol.SE.23 30/03/2006 08/04/2006 3.4 – PROPOSTA PEDAGOGICA INTRODUÇÃO: Essa proposta pedagógica é decorrente de um desejo coletivo, ou seja, obra de todos os que militam nessa escola. Ela foi elaborada por todos os professores, pais, APM e Conselho de Escola e está em consonância com a legislação vigente. A elaboração dessa proposta exigiu uma reflexão profunda sobre o que se vai fazer e como será feito esse trabalho, reflexão esta fundada no diagnóstico da escola, partindo da reflexão sobre a prática, da experiência acumulada e instituída. As ações e relações propostas são objetos de avaliação processual, permanente, visando à melhor compreensão e entendimento do significado conceitual e vivencial.
  • 5. 5 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA Pretendemos com essa proposta conseguir o desenvolvimento de dois eixos fundamentais: qualidade de ensino e cidadania; e para atingir esses objetivos, nossas HTPCs estão em grande parte voltadas para o acompanhamento daquilo que o coletivo se propôs a realizar. IDÉIAS CENTRAIS: - conseguir uma organização administrativa (com a necessária participação dos pais) capaz de favorecer o desenvolvimento de dois eixos fundamentais: qualidade de ensino e cidadania; - formar cidadãos responsáveis pela transformação social e conscientes de seus direitos e deveres; - garantir um ensino-aprendizagem de boa qualidade, extensivo a todos os alunos nas diversas séries e segmentos; - utilizar metodologias diferenciadas. RELEVÂNCIA: - Dar ênfase à Progressão Continuada para o Ensino Fundamental ciclo II, devendo haver um comprometimento de todos os integrantes da Escola na proposição de novas práticas pedagógicas; - Propiciar a interdisciplinaridade, através de um trabalho coletivo; fundamentado no currículo; - Desenvolvimento das HTPCs; - Novas formas de avaliação que deverá ser diagnosticada, paralela e intensiva. - Aulas de Atividades Curriculares Desportivas para melhorar o convívio social dos alunos; - Turmas de recuperação paralela ou contínua de acordo com conhecimento, habilidades e atitudes de cada grupo; - Propiciar suporte para uma efetiva integração dos professores da classe com os professores das aulas de recuperação; - Realização dos projetos interdisciplinares da Unidade Escolar. PRINCÍPIOS PEDAGÓGICOS: Ensinamos para a satisfação da necessidade de aprendizagem e para isso precisamos: - da compreensão ampla de idéias e valores; - da aquisição de conhecimentos e habilidades cognitivas básicas; - de atitudes e habilidades para incorporar instrumentos de racionalidade tecnológica; - de hábitos e valores para solidariedade, austeridade e rejeição às desigualdades sociais. Pelo estudo e discussão do currículo e pressupostos, o professor deve ter bem claro quais instruções deverá seguir para o bom desenvolvimento de seu plano de ensino. Juntamente com seus companheiros de área, nas HTPC(s) e também durante o repasse de cursos de capacitação, terá oportunidade de escolher qual o melhor caminho que deverá seguir para atingir os objetivos propostos para cada sala de aula. Além de cursos de capacitação, socialização de experiências entre os docentes, o professor poderá utilizar em suas aulas recursos de multimídia , pesquisas, relatórios, criação de textos, debates, trabalho em grupo, resolução de problema. Enfim, uma infinidade de técnicas e todos os recursos que forem possíveis além do desenvolvimento dos vários projetos planejados para atingir determinadas metas. O professor deverá considerar como ponto de partida para desenvolver seu trabalho, o conhecimento que o aluno já domina e favorecer em seguida as condições para que ele
  • 6. 6 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA elabore o conhecimento; deverá também, valorizar o erro como algo inerente ao processo de aprendizagem. O docente é livre para escolher a melhor metodologia necessária para a melhoria do ensino, deverá sempre objetivar a participação ativa do aluno na descoberta, assimilação da idéias, construção de conceitos, interpretação ou análise dos fenômenos ou fatos, valorizando sua iniciativa e oportunizando desafios que estimulem sua capacidade de resolver problemas, de forma crítica e competente. É importante que se trabalhe em equipe, porque partindo do reconhecimento da perspectiva transformadora na educação se adote uma proposta pedagógica que supre o estágio de transmissão de informações. Essa superação se dará no momento em que o processo de ensino-aprendizagem estiver centrado na problematização da realidade de vida do educando, a partir da análise dos determinantes econômicos, políticos e/ou socioculturais do processo. Esse procedimento metodológico poderá desenvolver no aluno uma visão crítica dos problemas de sua comunidade, Estado ou País. DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO: A prática escolar tem como a premissa básica que a equipe escolar se reúna constantemente para discutir e viabilizar sua proposta pedagógica que visa primordialmente: a inserção do homem no mundo do trabalho, no mundo das relações sociais e no mundo das relações simbólicas. Para isso são levantados os principais problemas: - Baixo desempenho dos alunos nas avaliações SARESP/IDESP/IDEB - Falta de apoio dos familiares na vida escolar do educando; - Alto índice de abandono no período noturno; - Falta e rotatividade de professores; - Pouco tempo para estudos e troca de experiência entre professores; - Falta de qualificação dos docentes. PRIORIDADE:- - Melhoria da aprendizagem dos alunos; - Criar espaço para estudo e troca de experiências das áreas do currículo; - Criar projetos envolvendo valores tais, como: Ética, Cidadania e moral. - Realização de avaliação diagnóstica e planejamento de ações voltadas para a melhoria da qualidade de ensino e maior participação da comunidade - Envolver a Família na vida escolar dos filhos. - Cumprir as metas estabelecidas pelo IDESP/SARESP; - Diminuir o índice do fluxo escolar - Assiduidade e Compromisso dos Profissionais. OBJETIVOS: - Desenvolver o senso de responsabilidade na vida escolar do educando
  • 7. 7 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA - Envolver todo corpo docente para a sintonia: inter e transdisciplinar - Valorizar auto-estima do aluno e relação professor/aluno. - Possibilitar articulação entre as áreas do conhecimento para planejamento de ações conjuntas e estabelecer o elo de ligação entre a escola e a comunidade - Possibilitar maior comprometimento na vida escolar do educando - Alcançar a meta proposta da SEE para a U.E. - Cumprir o currículo proposto dentro da seqüência didática METAS: - Elevar os índices de desempenho dos alunos em todas as avaliações internas e/ouexternas; - Corpo docente integrado, realizando o trabalho pedagógico com segurança. -Tornar mais agradável à permanência do aluno durante todo o dia na escola, diminuindo assim a indisciplina e a evasão; - Melhorar a aprendizagem, freqüência e comportamento do educando. - Atingir o índice do IDESP/SARESP/ IDEB - Melhorar o desempenho do ensino aprendizagem do educando. AÇÕES: - Acompanhamento sistemático do desempenho do aluno. - Destinar duas HTPCs por área do currículo - Procurar parceria junto aos Órgãos Colegiados e comunidade local. - Reuniões periódicas para envolver a comunidade à participação mais ativa nas ações da escola, e preparação de atividades considerando o grau de dificuldade de cada um. - Reunião atrativa, Palestra com profissionais qualificados. - Conscientização e participação efetiva do aluno no processo de ensino aprendizagem. - Responsabilidade quanto ao seu papel profissional. - Formação continuada com os PCOP e Supervisores de Ensino para os professores divididos por área. I – CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO Denominação: E.E. PAULO COELHO DA SILVA Endereço: Rua Manoel Rodrigues Santana, nº.604 CEP: 19275-000 Fone: (18)3283.1114
  • 8. 8 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA Localidade: Centro Município: Euclides da Cunha Paulista - SP Diretoria de Ensino: Região de Mirante do Paranapanema Cursos: Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio Modalidades: Ensino Fundamental – Ciclo II - (6ª a 9ª ano) Ensino Fundamental - EJA - (6ª à 9ª ano) Ensino Médio - ( 1ª à 3ª séries) Ensino Médio - EJA - ( 1ª à 3ª séries) Horário de funcionamento: 1º Período - das 07:00 às 12:20 horas 2º Período – das 12:40 às 18:00 horas 3º Período - das 19:00 às 23:00 horas 1 - CARACTERIZAÇÃO DO CORPO DOCENTE: O corpo docente dessa Unidade Escolar é constituído de pessoas competentes que demonstram preocupação e interesse com relação à melhoria com a qualidade de ensino. Apesar disso percebe–se que há alguns professores que apresentam certa dificuldade em trabalhar o currículo. Quanto ao desenvolvimento do Currículo, há adesão por parte dos professores de forma sistemática e consciente. Considerando a necessidade de aprimorar à metodologia e avaliação, embora, no geral o corpo docente tenha avançado nesses aspectos. Espera-se, que o esforço, a dedicação e o empenho dos professores mais comprometidos com a educação, contagiam e sirvam de exemplo àqueles que tenham alguma resistência, mostrando a importância e as vantagens de assumir novas posturas. 2- CARATERISTICAS DOS FUNCIONÁRIOS DA ESCOLA: O serviço prestado pelos funcionários da secretaria é eficiente, quanto aos inspetores de alunos a escola conta com um para atender os três períodos, serviço este realizado pelos gestores da escola . Contamos com a ajuda de 01 agente de serviço escolar e 02 funcionários cedidos pela Prefeitura perfazendo um total de 8 horas por dia cada um para a realização de limpeza escolar. 3 - CARACTERIZAÇÃO DO CORPO DISCENTE: Nossos alunos em sua maioria são de famílias de baixo poder aquisitivo com nível de escolaridade equivalente ou inferior ao segundo Ciclo do Ensino Fundamental. Temos uma porcentagem de vinte por cento dos alunos que estudam, residem e trabalham no campo ajudando seus familiares e dependem do transporte escolar municipal para poderem chegar até a escola. Para os alunos do Ensino Médio acostumados a um trabalho pesado e contínuo na agricultura ou na pecuária, tem a escola como sinônimo
  • 9. 9 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA de liberdade e esperança num futuro melhor. A população escolar é formada por alunos cursando o Ensino Fundamental (Ciclo II) e ensino médio período diurno, E.J.A (Ciclo II) e Ensino Médio no período noturno. Na escola a maioria dos alunos, tem boa freqüência, produtividade e participação. 4 – IDENTIFICAÇÕES DE PROBLEMAS GERAIS: SÓCIO-ECONÔMICOS - Alto índice de desemprego local e falta de perspectiva para o futuro; - Baixo salários e subempregos dos pais e dos alunos, provenientes de uma economia informal; - Desvalorização profissional pelo sistema, provocando desinteresse pelos estudos. EDUCATIVOS - Falta de motivação para o ensino-aprendizagem em virtude de problemas familiares provocam constantemente atos de indisciplinas, mau hábitos causando baixo rendimento; - Freqüência irregular dos alunos às aulas do período noturno devido ao cansaço causado pelo trabalho braçal; - Falta de participação efetiva dos pais na vida escolar do filho, falta de cobrança e não comparecimento total dos pais às reuniões programadas e aos chamados esporádicos da escola em virtude de mau comportamento; - Falta de respeito de alunos para com os professores e funcionários; - Vícios como: uso do tabaco ( alunos noturnos), apesar da divulgação da Lei. - Uso indevido de celular. NO ESTABELECIMENTO - Grande área livre, que poderia ser aproveitada para a construção de salas para vídeo, biblioteca, etc. A escola não dispõe de recursos suficientes para devidas construções; Com verbas do FDE/APM foi realizado pintura da escola e das lousas, conservação e reparos nas redes elétricas e hidráulicas e pequenas reformas no prédio; ESCOLA/COMUNIDADE: - A relação escola/comunidade é boa, mas pode melhorar; - A A.P.M. foi atuante no ano anterior apesar de não ter promovido nenhum evento para arrecadação de fundos, mas aplicou de acordo com plano de melhoria aprovado por todos os colegiados, as verbas recebidas do FNDE/MEC e FDE; - As reuniões de Pais e Mestres apresentam freqüência regular em proporção aos números de alunos, os pais que normalmente necessitam de orientações não comparecem. SISTEMA EDUCATIVO
  • 10. 10 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA - A formação continuada dos docentes é realizada na HTPCs através da equipe gestora capacitados pelos PCOPs e Supervisores de Ensino; - Os professores têm a oportunidade de participarem dos cursos de capacitação oferecidas pela SEE. II – DEFINIÇÃO DAS DIRETRIZES: OBJETIVOS COMUNS DA AÇÃO DOS PROFESSORES Encorajar os alunos a pensar de forma criativa, ativa, crítica e autônoma, valorizando as experiências vividas, suas iniciativas, seus avanços individuais e o crescimento coletivo, tendo em vista também, sua formação moral e intelectual básica, pois só assim terão condições de analisar, compreender, participar e transformar o meio em que vive. Esses objetivos encontram-se todos mesclados, sendo difícil estabelecerem limites precisos entre eles: é na discussão, na elaboração dos conteúdos programáticos que se formam funções cognitivas e se valorizam as experiências vividas, neste aspecto, é de fundamental importância da competência leitora e escrita, assumindo o compromisso por todo o corpo docente de aproveitar todas as oportunidades de leitura que surgirem em sala de aulas. Num esforço conjunto, professores de todas as áreas do conhecimento deverão garantir o aprofundamento dos conteúdos curriculares (domínio da língua, utilização dos conhecimentos matemáticos, compreensão e utilização dos conhecimentos científicos e tecnológicos, compreensão da realidade histórico-social, conhecimento e valorização das diversas formas de expressão), criando condições para que o aluno, a partir de sua vivência, de maneira crítica e criativa construa e utilize novos conhecimentos e valores, necessários à compreensão da realidade e instrumentos para ação de transformação social. FUNDAMENTOS E CONCEPÇÕES A escola deve sempre primar por um ensino de qualidade. Para isso nossa escola deve organizar-se para possibilitar formas variadas de trabalho escolar com acompanhamento e registro de aprendizagem dos alunos, garantindo também mecanismos seguros de avaliação. O construtivismo e as pedagogias não diretivas nos dão diversas contribuições para essas tarefas. A organização da sala de aula permite que se estabeleça uma metodologia que facilite ao aluno um aprendizado mais agradável; o trabalho com o currículo em sala de aula facilita
  • 11. 11 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA a interdisciplinaridade que melhora a qualidade do trabalho dos professores. As aulas de recuperação são sempre realizadas e acompanhadas pelos gestores, PCOPs e supervisão. As Atividades Curriculares Desportivas tem como meta a auto estima do aluno, melhor convivência social, repúdio à violência e atitudes de respeito mútuo, dignidade e solidariedade na prática social, através de participação em jogos e outras atividades. RELAÇÕES ENTRE A ESCOLA E A COMUNIDADE - A escola tem dificuldade em conseguir a participação dos pais nos problemas escolares. Para este ano temos um plano de trabalho cujo objetivo é a participação efetiva dos mesmos, plano este que conta com realização de palestras, exposição de trabalhos de alunos e participação em eventos sociais (datas comemorativas). A partir do Programa Escola da Família tem-se percebido uma maior participação dos pais e comunidade nos eventos culturais e esportivos, usufruindo assim dos espaços e equipamentos escolares disponíveis, tentando suprir a falta de opções de lazer e cultura. As regras disciplinares da escola foram discutidas e decididas em conjunto com os pais, alunos e professores de acordo com a legislação vigente. Mantemos parceria com Centro de Saúde Municipal - psicólogo para ajuda profissional à alunos com dificuldades de aprendizagem, CREAS (Assistente Social e Psicólogo), CRAS (Centro de Referência Assistência Social), Conselho Tutelar e o Padre da nossa comunidade com atividades educativas e recreativa que tem como objetivo desenvolver no educando valores de ética, cidadania e moral. III – DISPOSITIVOS LEGAIS - Lei nº. 9.349/96, Leis Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 20/12/96; - Progressão Continuada no Ensino Fundamental: - Deliberação CEE 9/97 e Indicação CEE 8/97 de 05/08/97; - Programa de Reorganização na Rede Estadual de Ensino: - Resolução 169/96; - Calendário Escolar: - Resolução SE nº83 de 20/12/2006; - Matriz Curricular: - Indicação CEE nº.62/06, Resol.SE nº.02/06, Resol.SE.06/05***só re , Resol. SE nº.11/05; - Organização Escolar:
  • 12. 12 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA - Resol. SE nº.49/98, de 04/03/98; - Demanda Escolar: - Resolução SE nº.43/06, de 05/07/06 e Resolução SE nº;69/06, de 26/10/06; - Regimento Escolar: - Deliberação CEE nº.10/97- N.R. de 21/03/98; -Recuperação Paralela e Reforço: - Resolução SE nº.15/05, de 22/02/05 ( alterada pela Resol. SE.nº.32,de 19/04/05; IV - POLÍTICA ESCOLAR É necessário que a escola esteja adequada à própria realidade, mas sem perder de vista a unidade e integridade que caracterizam o processo educativo. A função da escola é propiciar o domínio de competências que permitam o pleno desenvolvimento do educando na sociedade e seu exercício consciente da cidadania. A educação escolar deve se dar em três dimensões diferentes: a cultura; a dimensão política e formação para o trabalho. Visualizamos novos caminhos para a educação com a implantação de uma política centrada na Progressão Continuada para o Ensino Fundamental e Médio. V – CURRÍCULO O Currículo deverá integrar a socialização de conhecimentos culturais e científicos, respeitando tempos e espaços de todos, na sua individualidade, sempre inserida no meio humano e natural. do ponto de vista de uma pedagogia crítica e progressista que os educando se apropriem de instrumentos de comunicação e de conteúdos culturais básicos para que entendam a sociedade em que vivem e possam transformá-la. Nessa perspectiva, a instância mais legítima para motivar o trabalho curricular da escola é a própria sociedade, com suas práticas, seus problemas, sua realidade. Planejar o currículo implica tanto a escolha dos conteúdos de ensino quanto a organização de experiências e situações que garantam sua aprendizagem, o que significa dizer que inclui conteúdo e metodologias de ensino., estes por sua vez estão de acordo com as Propostas Curriculares da Secretaria da Educação com as devidas adaptações e de acordo com necessidades dos nossos alunos. Os planos de ensino estão sendo elaborados, obedecendo a LDB e ao Currículo proposto pela SEE.
  • 13. 13 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA 4. – FINALIDADE E PRINCIPIOS DA INSTITUIÇÃO (ART. 2ª, 3º E 22º DA LDBN) Artigo 2º - A educação é dever da família e do Estado nos princípios de liberdades e idéias de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. Artigo 3º - O Ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I -igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; II- liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber; III- Pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas; IV- Respeito a liberdade e apresso a tolerância; V- Coexistência de instituição pública e privada de ensino; VI- Gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais; VII- Valorização do profissional escolar; VIII- Gestão democrática do ensino público na forma desta lei e da legislação dos sistemas de ensino; IX- Garantia de padrão de qualidade; X- Valorização da experiência extra-escolar; XI- Vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais; Artigo 22 - A Educação básica tem por finalidade desenvolver o educando, assegurar-lhe a formação comum indispensável para progredir no trabalho e em estudos posteriores. 5 – OBJETIVOS DOS CURSOS MANTIDOS PELA ESCOLA: DO ENSINO FUNDAMENTAL- CICLO-II O Ensino Fundamental com duração mínima de oito e nove anos, é obrigatório e gratuito na escola pública, tendo por objetivo a formação básica do cidadão, mediante: -O desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio de leitura, escrita e do cálculo; -A compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade; -O desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de conhecimento e habilidades e formação de atitudes e valores;
  • 14. 14 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA -O fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que assenta a vida social; -A capacitação para adquirir hábitos de estudos e de civilidade; -Partindo da realidade, vivência dos alunos, proporcionar condições para que estes desenvolvam a expressão oral, corporal, artística, através do aperfeiçoamento, da leitura, escrita, do pensamento crítico e sensibilidade obtendo novos conceitos e valores. Através dos diferentes conteúdos curriculares, o aluno obterá maiores conhecimentos, enriquecerá suas experiências e terá despertado o gosto pelo saber através de pesquisas e compreensão dos aspectos políticos, sócio-econômicos culturais e tecnológicos em que estão inseridos. Assim espera-se que ao concluir a oitava e/ou nona série, os alunos consigam formalizar seu conhecimento, dando continuidade ao processo de aprendizagem atuando como agentes participativos e transformadores da sociedade. Do Ensino Médio O Ensino Médio, etapa final da Educação Básica com duração de três anos terá como finalidade: - A consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no ensino fundamental, possibilitando o prosseguimento de estudos; - A preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando para continuar aprendendo, de modo a ser capaz de se adaptar com flexibilidade a novas condições ou aperfeiçoamento posteriores; - O aprimoramento do educando como pessoa humana incluindo ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico; - A compreensão dos fundamentos científico-tecnológica dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática, no ensino de cada disciplina. Além de isso oportunizar condições para que o aluno possa: - Dimensionar seu crescimento através da auto-avaliação; - Adquirir modo de agir, através da assimilação ativa da cultura e também conhecimentos que lhe garantirão possibilidades de atuar no seu grupo e na sua comunidade; - Encontrar apoio e orientação para a decisão que deverá tomar ao final do curso. DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ( CICLO II ) - Dar oportunidade aos jovens e adultos que não tiveram acesso ou continuidade de estudo no Ensino Fundamental na idade própria.
  • 15. 15 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA - Considerar as características do alunado, seus interesses, condições de vida e de trabalho, mediante cursos e exames. - Socializar os alunos propondo condições para o relacionamento ativo dentro do grupo em que está inserido, oportunizando a compreensão dos direitos e deveres partindo do respeito individual e levando-os ao preparo do exercício da cidadania. - Partindo da realidade, conhecimento e experiência dos alunos, proporcionando condições para estes desenvolvam a expressão oral, corporal e artística através da aquisição da leitura, escrita, formação, desenvolvimento do pensamento crítico, da sensibilidade, da percepção do envolvimento emocional, obtendo novos conceitos e novos valores através dos conteúdos curriculares despertando o gosto pelo saber através da pesquisa e compreensão dos aspectos políticos, sócio-econômico, cultural e tecnológicos em que estão inseridos, contribuindo para estes na conclusão do curso de E.J.A, consigam formalizar seu conhecimento, dando continuidade ao processo de aprendizagem, atuando como agentes participativos e transformadores da sociedade. 6 – ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ( ART. 26;27 e 33 ) Artigo 26 – Os currículos de ensino fundamental devem ter uma base nacional comum a ser complementada, em cada sistema de ensino e estabelecimento escolar, por uma parte diversificada, exigida pelas características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e da clientela. § 1º - Os currículos que se referem o caput devem abranger, obrigatoriamente, o estudo da língua portuguesa e da matemática, o conhecimento físico e natural e da realidade social e política, especialmente do Brasil. § 2º - O ensino de arte constituirá componente curricular obrigatório, nos diversos níveis da educação básica, de forma a promover o desenvolvimento cultural dos alunos. § 3º - A educação física, integrada a proposta pedagógica da escola, é componente curricular da educação Básica, ajustando–se às faixas etárias e as condições da população escolar, sendo facultativa nos cursos noturnos. § 4º - O ensino da História do Brasil levará em conta as condições das diferentes culturas e etnias para a formação do povo brasileiro, especialmente das matrizes indígenas e européia. § 5º - Na parte diversificada do currículo será incluído, obrigatoriamente, a partir da Quinta série, o ensino de pelo menos uma língua estrangeira moderna, cuja escolha ficará a cargo da comunidade escolar, dentro das possibilidades da instituição. Artigo 27 – Os conteúdos curriculares da educação básica observarão, ainda, as seguintes diretrizes: I - A difusão de valores fundamentais ao interesse social, aos direitos e deveres do cidadão, de respeito ao bem comum e à ordem democrática; II - Consideração das condições de escolaridade dos alunos em cada estabelecimento;
  • 16. 16 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA III - Orientação do trabalho; IV - Promoção do desporto educacional e apoio às práticas desportivas não formais. Artigo 33 – O ensino religioso de matricula facultativo, constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental. 7 – DESENVOLVIMENTO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA: De acordo com o artigo 12 da LDB os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e a do seu sistema de ensino, terão a incumbência de: ELABORAR E EXECUTAR A SUA PROPOSTA PEDAGÓGICA. Essa legislação fortalece o principio de autonomia da escola. A proposta pedagógica. Pode ser traduzida no espaço de identificação da escola num propósito educativo comum, a partir da integração das práticas vigentes em seu interior. Para isso é preciso tomar ciência de todas as práticas discursivas e não discursivas, para compatibilizá-las com os valores de uma educação democrática. O importante é a motivação e o empenho comum numa reflexão institucionalmente abrangente e o firme propósito de alterar práticas nos sentidos orientados por reflexão, lembrando que elaborar a proposta pedagógica é um exercício de autonomia. A proposta pedagógica é uma vida da escola, seus desejos, seu cotidiano, suas ações. É um pedaço da vida das pessoas, que pela escola se humanizam, alegram-se, sofrem, amadurecem e envelhecem. A escola tem a função social de, durante parte da existência de cada um, educar, informar, criar, enfim, continuar a incessante necessidade humana de produzir e reproduzir a vida, tanto física como espiritual. 8 – PRINCÍPIOS FILOSÓFICOS: - Compreender a cidadania como participação social e política, assim como exercício de direitos e deveres políticos, civis e sociais, adotando, no dia-a-dia, atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças, respeitando o outro e exigindo para si o mesmo respeito; - Os alunos devem ser estimulados a exercitar sua condição de cidadania, desenvolvendo expectativas e projetos em relação ao conjunto da sociedade; - Oferecer instrumentos de compreensão da realidade e também a participação dos educando em relações sociais diversificadas e cada vez mais amplas. A vida escolar possibilita exercer papéis, em grupos, possibilitando a integração dos jovens no contexto maior. - Compreender e assumir o tempo presente, com problemas e necessidades, ajudando alternativas mais humanas para o mundo; - Conhecer as expectativas das comunidades, suas necessidades, formas de sobrevivência, valores, costumes e manifestações culturais e artísticas. É através
  • 17. 17 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA deste conhecimento que a escola pode atender a comunidade e auxiliá-la a ampliar seu intelecto e compreensão do mundo; - Considerar as práticas de nossa sociedade, sejam elas de natureza econômica, política, social, cultural, ética, moral. Tem que consolidar também as relações diretas ou indiretas dessas práticas com os problemas específicos da comunidade local que presta serviço; - Conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sociocultural posicionando-se contra qualquer discriminação baseada em diferenças culturais de classe social, de crenças, de sexo, de etnia ou outras características individuais e sociais; - Conhecer e cuidar do próprio corpo, valorizando e adotando hábitos saudáveis como um dos aspectos básico da qualidade de vida e agindo com responsabilidade em relação à saúde coletiva; - Inserir-se no mundo em que vive. PRINCÍPIOS PEDAGÓGICOS: Ensinamos para a satisfação de necessidade de aprendizagem e para isso precisamos: - da compreensão ampla de idéias e valores; - da aquisição de conhecimentos e habilidades cognitivas básicas; - de atitudes e habilidades para incorporar instrumentos de racionalidade tecnológica; - de hábitos e valores para solidariedade, austeridade e rejeição às desigualdades sociais. Pelo estudo e discussão de pressupostos, cada professor deve ter bem claro de quais instruções deverá seguir para o bom desenvolvimento de seu plano de ensino. Juntamente com seus companheiros de área, nas HTPC(s) e também durante o repasse de cursos de capacitação, terá oportunidade de escolher qual o melhor caminho que deverá seguir para atingir os objetivos propostos para cada sala de aula. Além de cursos de capacitação, sugestões de colegas mais experientes, o professor poderá utilizar em suas aulas projeção de vídeo, previamente escolhido das, pesquisas, relatórios, criação de textos, debates, trabalha em grupo, resolução de problemas, enfim uma infinidade de técnicas e todos os recursos que forem possíveis além do desenvolvimento dos vários projetos planejados para atingir determinadas metas. O professor deverá considerar como ponto de partida para desenvolver seu trabalho, o conhecimento que o aluno já domina e favorecer em seguida as condições para que ele elabore o conhecimento; deverá também, valorizar o erro como algo inerente ao processo de aprendizagem.
  • 18. 18 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA O docente é livre para escolher a melhor técnica ou criar ações necessários para a melhoria do ensino, só não poderá esquecer que em termos metodológicos, deverá sempre objetivar a participação ativa do aluno na descoberta, assimilação da idéias, construção de conceitos, interpretação ou análise dos fenômenos ou fatos, valorizando sua iniciativa e oportunizando desafios que estimulem sua capacidade de resolver problemas, de forma crítica e competente. É importante que se trabalhe em equipe, porque partindo do reconhecimento da perspectiva transformadora na educação se adote uma proposta pedagógica que supre o estágio de transmissão de informações. Essa superação se dará no momento em que o processo de ensino-aprendizagem estiver centrado na problematização da realidade e partindo das condições corretas de vida, chegue à análise dos determinantes seja econômicos, políticos ou socioculturais do processo. Esse procedimento metodológico poderá desenvolver no aluno uma visão mais crítica dos problemas de sua comunidade, Estado ou País. 10 – CURRÍCULO BÁSICO: LINGUA PORTUGUESA: De acordo com os Parâmetros Curriculares, as propostas de ensino de língua nos seguimentos fundamental II e médio convergem seus objetivos. Ambas tem a pretensão de cuidar para que os estudantes sejam capazes de simbolizar as experiências ( suas e dos outros) a partir da palavra (oral e escrita), refletindo sobre elas mediante o estudo da língua instrumento que lhe permite organizar a realidade a qual se insere, construindo significados, nomeando conhecimento e experiência, produzindo sentidos, tornando sujeito. LÍNGUA INGLESA: Orientação baseada num letramento sustenta-se nas relações existentes entre esses princípios – saber e fazer – em múltiplas linguagens e gêneros discursivos propiciando na construção de uma visão de ensino de língua que seja capaz de promover autonomia intelectual e maior capacidade de reflexão dos aprendizes, contribuindo decisivamente para a formação cidadã dos educando. ARTE: De acordo com os PCNs arte e as propostas curriculares da SEE/CENP o ensino de arte, visto como área de conhecimento e linguagem deverá se dar de forma a articular três eixos metodológicos: Criação/produção em arte , fruição estética e reflexão. EDUCAÇÃO FÍSICA: Trata da cultura relacionada aos aspectos corporais, que se expressam de diversas formas, dentre as quais os jogos, a ginástica, as danças e atividades rítmicas, as lutas e os esportes . Essa variabilidade dos fenômenos humanos ligados ao corpo e ao movimentar-se é ainda mais importante quando se pensa na pluralidade dos modos de viver contemporâneos. MATEMÁTICA: O ponto de partida é o problema no qual não se aplica mecanicamente uma fórmula ou processo operatório qualquer, mas só há problema quando o
  • 19. 19 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA aluno é obrigado a trabalhar o enunciado da questão e, estruturar a situação apresentada. Além disso, o importante não é somente encontrar uma resposta para a questão, mas também formular a questão pertinente quando se encontra face a uma situação problemática. CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS: Os ensinos desse componente só adquiriram significado se contribuir para que o aluno construa uma visão mais ampla e complexa do ambiente que o rodeia. O importante é que o aluno tenha condições de desenvolver seu pensamento, de perseguir sua curiosidade e de interpretar os fenômenos da natureza. BIOLOGIA: A aprendizagem só pode ocorrer se houver um processo de construção do conhecimento, em que professor e aluno participem juntos. Estudos do meio são atividades importantes porque além de permitirem um trabalho interdisciplinar, representam uma atividade muito rica, que poderá favorecer dado a serem discutidos em muitas aulas. FÍSICA: Deve concentrar-se na compreensão dos fatos físicos pelo aluno. Essa compreensão se torna muito mais tranqüila se partimos de seu cotidiano e de situações reais, levando-se em consideração a formação de conceitos, aquisição de habilidade prática e teórica para enfrentar questões de conteúdo físico e a compreensão do caráter histórico da evolução do conhecimento físico. QUÍMICA: O ensino de química aponta para a necessidade do que o aluno, ao lidar com os conteúdos, o faça de modo a compreender como os conceitos, princípios, teorias e leis foram produzidos para analisarem criticamente como esses conhecimentos são aplicados em sociedade. HISTÓRIA: Os conteúdos organizados em eixos temáticos possibilitam um trabalho que não prenda a rigidez de periodizações. O ensino de história participa do processo de formação dos indivíduos críticos, atuantes e conscientes de sua cidadania. GEOGRAFIA: O ensino de geografia deve garantir que aluno, partindo de sua realidade, possa compreender como a natureza é transformadora e o espaço é organizado pelo trabalho humano. TEMAS TRANSVERSAIS: (Ética, Meio Ambiente, Trabalho e Consumo, Sexualidade e Pluralidade Cultural): Devem integrar as áreas convencionais de forma a estarem presentes em todas elas. Exige uma tomada de posição frente a problemas fundamentais e urgentes da vida social, o que requer uma reflexão sobre o ensino e a aprendizagem de seus conteúdos: valores, procedimentos e concepções a eles relacionadas. 11 – PRINCÍPIOS DE AVALIAÇÃO E RECUPERAÇÃO:
  • 20. 20 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA A avaliação terá como princípio o aproveitamento da qualidade de ensino. O processo de avaliação no regime de progressão continuada é transformado num instrumento guia essencial para a, observação de progressão do aluno. A avaliação do processo de ensino de aprendizagem será realizada de forma contínua, cumulativa e sistemática, tendo por objetivos: I - diagnosticar e registrar os processos do aluno e suas dificuldades; II - possibilitar que o aluno auto-avalie sua aprendizagem; III - orientar o aluno quanto aos esforços necessários para superar as dificuldades; IV - fundamentar as decisões do conselho de classe e série quando à necessidade de procedimento de recuperação de aprendizagem, de classificação e reclassificação de alunos; V - orientar as atividades de planejamento e replanejamento dos conteúdos curriculares; A avaliação do processo ensino aprendizagem envolve a análise do conhecimento específica adquiridas pelo aluno e também aspecto formativo, através da observação de suas atitudes referentes à presença às aulas, participação nas atividades pedagógicas e responsabilidade com que assume o cumprimento de seu papel sinaliza as heterogeneidades do desenvolvimento de habilidades entre os alunos, orientando-os aos seus professores quanto ao perfil de sua progressão pelos anos escolares. Para garantir uma aprendizagem efetiva e bem sucedida ao regime de progressão continuada e/ou parcial todos os alunos disporão de recuperação onde as atividades pedagógicas deste projeto de aprendizagem dos alunos deverão ocorrer: - de forma contínua, como parte integrante do processo de ensino e de aprendizagem, no desenvolvimento das aulas regulares; - de forma paralela, ao longo do ano letivo e em horário diverso das aulas regulares, sob forma de projetos de recuperação da aprendizagem; As atividades de recuperação paralela serão desenvolvidas ao atendimento de alunos com defasagem ou dificuldades claramente identificadas e não superadas nas atividades de recuperação contínua desenvolvidas, sistematicamente, no contexto das respectivas aulas. 12 – ARTICULAÇÃO DO CORPO DOCENTE, TÉCNICO E PEDAGÓGICO: A articulação é necessária, o processo exige a interação. Não se pode realizar um trabalho coletivo se não houver articulação entre os elementos. O trabalho coletivo é indispensável e fundamental para sustentar a ação da escola em torno de um projeto que dá direção ao trabalho de todos os educadores que atuam no espaço escolar-docentes, funcionários, pais.
  • 21. 21 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA É construído a partir das contribuições de cada um, integradas pela reflexão conjunta. Corpo Docente: ao exercer o trabalho coletivo, o professor cresce. É na discussão com colegas que desenvolve seu potencial de participação, cooperação, respeito mútuo e crítica. Ao analisar uma questão, um texto, uma prática pedagógica, o professor ouve, pensa, discute, decide, ficando ainda mais seguro para desenvolver essas mesmas habilidades em seus alunos. Esse processo torna mais clara para todas as relações entre o trabalho de cada um, ajudando-os a escolher práticas pedagógicas mais compatíveis com o que se pretende. Os docentes incumbir-se- ão de colocar com a articulação da escola com famílias e a comunidade. Equipe técnica: A escola organizará espaço e horários que favoreçam o encontro regular dos professores e planejará muito bem esses encontros. Nesse contexto, a equipe técnica terá um papel importante. A composição dos grupos e periodicidade das reuniões deve estar a favor do trabalho que se quer realizar, sem prejuízo do atendimento aos alunos. O diretor pela articulação da escola com todos os segmentos garantindo o bom funcionamento da escola, visando o melhor atendimento pedagógico aos alunos. Ele precisa se apoiar numa forma democrática de gestão. Terá a incumbência de articular-se com as famílias e a comunidade, criando processos de integração da sociedade com a escola. Pedagógico: Sugere, discute, emite opinião, valoriza a participação de cada um, amplia as discussões trazendo subsídios teóricos, promove a avaliação e o replanejamento do grupo. É o grupo gestor que aponta a direção do trabalho coletivo incentivando o grupo a observar, pensar, analisar, investigar. 13 – ARTICULAÇÃO ENTRE OS NIVEIS DE ENSINO: Esta articulação já está implícita dentro da noção de ciclos e progressão continuada. Já faz parte do próprio planejamento de ensino e nos conteúdos curriculares, que possuem uma interdependência. Os níveis de ensino e os componentes curriculares não são estanques, são processos, portanto são dinâmicos, estão no desenvolver da prática pedagógica. 14 – ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NA ESCOLA: Essa Escola funciona em dois turnos: Diurno e Noturno, sendo distribuídos da seguinte forma: - Manhã- Ciclo II (5ª à 7ª Série), com carga horária de 1080 horas. Ciclo II (8ª Série), com carga horária de 1120 horas Ensino Médio (1º à 3º série) com carga horária de 1200 horas. - Tarde -Ciclo II (5ª à 7ª Série), com carga horária de 1080 horas Ciclo II (8ª Série), com carga horária de 1120 horas Ensino Médio (1º série) com carga horária de 1200 horas.
  • 22. 22 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA - Noite_ E.J.A Ciclo II (5ª à 8ª Série),com carga horária de 540 horas/semestral. E.J.A (Ensino Médio), com carga horária de 540 horas/semestral. 15 – CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO: A classificação ocorrerá: I - por progressão continuada, no ensino fundamental, ao final de cada série durante os ciclos; II - por promoção, ao final do Ciclo II e ao final de cada série para os alunos do ensino médio; III - por transferência, para candidatos de outras escolas do país ou do exterior; IV -mediante avaliação feita pela escola para alunos sem comprovação de estudos anteriores, observados o critério de idade e outras exigências específicas do curso. No caso do Inciso III, anterior, e a critério do Conselho de Classe e Série, o aluno poderá ser submetido a estudos de adaptação, quando houver discrepância entre os componentes curriculares dessa escola e os da escola de origem. A reclassificação: será em série mais avançada, tendo como referência a correspondência idade/série e a avaliação de competências nas matérias da base nacional comum do currículo ocorrerá a partir de: I - Proposta apresentada pelo professor ou professores do aluno, com base nos resultados de avaliação diagnóstica; II - Solicitação do próprio aluno ou seu responsável mediante requerimento dirigido ao Diretor da Escola; Parágrafo único - São procedimentos de reclassificação: I- Provas sobre os componentes curriculares de base nacional comum; II- Uma redação em língua portuguesa; III- Parecer do Conselho de Classe e Série sobre o grau de desenvolvimento e maturidade do candidato para cursar a série ou ciclo pretendido. IV – Parecer conclusivo do diretor Para o aluno da própria escola, a reclassificação ocorrerá até o final do primeiro bimestre letivo e, para o aluno recebido por transferência ou oriundo de país estrangeiro, em qualquer época do período letivo. O aluno poderá ser reclassificado, em série mais avançada, com defasagem de conhecimento ou lacuna curricular de séries anteriores, desde que possa suprir essa defasagem através de atividades de recuperação, adaptação de estudos ou ainda, pela adoção do regime progressão quando tratar de alunos do ensino médio. Caberá ao Conselho de Classe e Série, estabelecer sempre que necessário, outros procedimentos para:
  • 23. 23 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA I - Matrícula, classificação e reclassificação de alunos; II - Estudos e atividades de recuperação de dependência; III - Adaptação de estudos; IV - Avaliação de competências; V - Aproveitamento de estudos; 15 – PROGRESSÃO CONTINUADA: Prevista na constituição de 1998, incorporada pela LDB de 1996, foi instituída no Estado de São Paulo pelo Conselho Estadual da Educação, por meio da Deliberação CEE nº9/97 e adotada pela SEE a partir de 1998, com finalidade de garantir a todos o direito de acesso, permanência e aprendizagem bem sucedida no ensino fundamental. A progressão continuada deve ser entendida como mecanismo inteligente de ajustar a realidade do fato pedagógico à realidade de alunos e não um meio artificial e automático de “empurrar” os alunos para as séries, etapas e fases subseqüentes. A escola deve estar sempre preparada para lidar com as diferenças e a heterogeneidade das crianças, levando os alunos a aproveitarem as atividades escolares para aprimorar seu desenvolvimento social e cognitivo. É importante também estabelecer uma nova relação com os pais, tornando-os aliados no processo ensino/aprendizagem. A progressão continuada exige, para ser bem sucedida, uma relação radical na concepção de ensino, de aprendizagem e de avaliação. O regime de progressão continuada terá a duração de quatro anos e organizada em um ciclo. Quando no final do ciclo, algum aluno ainda apresentar defasagens sérias na aprendizagem, apesar das recuperações a que se submeteu, tal aluno deverá prolongar a referida recuperação com programação específica, voltada aos conteúdos do ciclo ainda não dominados, pelo tempo necessário. A matricula no ciclo obedecerá a legislação vigente. 16 – RECUPERAÇÃO: Os alunos terão direito a estudo de recuperação em todas as disciplinas em que o aproveitamento for considerado insatisfatório. Para garantir a aprendizagem efetiva e bem sucedida de todos os alunos no regime de progressão continuada e ou parcial, atividades pedagógicas de recuperação da aprendizagem dos alunos deverão ocorrer: - de forma contínua, como parte integrante do processo de ensino e de aprendizagem, no desenvolvimento das aulas regulares; - de forma paralela, ao longo do ano letivo e em horário diverso das aulas regulares, sob forma de aulas recuperação da aprendizagem. As atividades de recuperação, com caráter de enriquecimento, destinam-se a todos os alunos de uma determinada classe, série ou ciclo;
  • 24. 24 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA As atividades de recuperação destinam-se ao desenvolvimento efetivo de uma proposta de recuperação é necessário ter confiança na possibilidade dos alunos aprenderem e de que o conhecimento é um processo dinâmico e interativo entre o sujeito que aprende e o objeto a ser conhecido. 17 – APOIO E CONTROLE À FREQUÊNCIA: A escola fará o controle sistemático da freqüência dos alunos às atividades escolares, através do Diário de Classe e bimestralmente, adotará as medidas necessárias para que os alunos possam compensar as ausências que ultrapassem o limite de 20% do total das aulas dadas, ou seja, professores e direção deverão ficar atentos para os casos de queda de rendimento e faltas dos alunos. As atividades de compensação de ausências serão programadas, orientadas e registradas pelo professor da classe ou disciplina, com a finalidade de sanar as dificuldades de aprendizagem provocadas pela freqüência irregular às aulas. As atividades de compensação de ausências serão oferecidas aos alunos que tiverem suas faltas justificadas, nos termos da legislação vigente, e de acordo com o que se dispõe regimento desta U.E. A compensação de ausência deverá ser requerida pelo pai ou responsável, ou pelo próprio aluno, quando maior de idade, no primeiro dia em que este retornar à escola. No final o controle de freqüência será efetuado sobre total de horas letivas exigidas a freqüência mínima de 75% para a promoção, média de todas as disciplinas. Poderá ser reclassificado o aluno que, no período letivo anterior, não atingir a freqüência mínima exigida.. Outra forma de incentivar a freqüência são aulas dinâmicas e participativas, que envolvam o aluno, e também bastante diálogo entre professor - aluno que neste caso, o trabalho do professor conselheiro será de grande importância cabendo-lhe o: - aprimoramento das relações interpessoais na convivência escolar; - orientação à classe sob sua responsabilidade, visando formação de habilidades e hábitos de estudo; - acompanhamento do rendimento da classe em cada disciplina para orientação e estímulo; - elaboração dos gráficos de rendimento da classe para posteriores discussões e conscientização. 18 – INFORMAÇÃO AOS PAIS – FREQUÊNCIA E RENDIMENTO: Todas as atividades referentes ao processo ensino/aprendizagem e freqüência do aluno, são analisadas nos conselhos de classe/séries e repassadas nas reuniões de pais e mestres quando são orientados coletivamente e individuais. Quando há casos específicos de alunos faltosos, indisciplinados e/ou com muita defasagem, os pais são convocados no decorrer do ano, a qualquer momento, para analisarem o rendimento de seus filhos e até mesmo justificarem as faltas excessivas. Os casos
  • 25. 25 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA não solucionados e notando-se a ausência dos pais nesse sentido encaminhamos para as autoridades competentes 19 –PROJETOS ESPECIAIS SEE/UE: A escola desenvolverá, sempre que necessário, dentro das suas possibilidades projetos especiais abrangendo: I -Programas especiais de aceleração de estudos para alunos com defasagem idade/série ; II – Organização e utilização de multimídia de leitura e de informática; III - grupos de estudo e pesquisa; IV - cultura e lazer V - outros de interesses da comunidade; Os projetos especiais integrados aos objetivos gerais da escola serão planejados e desenvolvidos pelos profissionais da escola, e aprovados nos termos das normas vigentes. 20 – DA VERIFICAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR ( Artigo l2, 13 e 24 da LDB): Artigo.12 - Os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as do seu sistema de ensino, terão a incumbência de informar aos pais e responsáveis sobre a freqüência e o rendimento dos alunos, bem como sobre a execução de sua proposta pedagógica. Artigo.13 - Os docentes incumbir-se-ão de: - zelar pela aprendizagem dos alunos; - estabelecer estratégias de recuperação para alunos de menor rendimento. Artigo.24 - A verificação e rendimento escolar observarão os seguintes critérios; - avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados ao longo do período sobre os de eventuais provas finais; - possibilidade de aceleração de estudos para alunos com atraso escolar; - possibilidade de avanço nos cursos e nas séries mediante verificação de aprendizado; - aproveitamento de estudo concluídos com êxito; - obrigatoriedade de estudos de recuperação, de preferência paralelos ao período letivo, para os casos de baixo rendimento escolar, a serem disciplinados pelas instituições de ensino em seus regimentos. 21 – DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO - Artigo 61 e 67:
  • 26. 26 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA Artigo 61 - A formação de profissionais da educação, de modo a atender aos objetivos dos diferentes níveis e modalidades de ensino e as características de cada fase do desenvolvimento do educando, terá como fundamentos; I - a associação entre teorias e práticas, inclusive mediante a capacitação em serviço; II - aproveitamento da formação e experiências anteriores em instituições de ensino e outras atividades. Artigo 67 - Os sistemas de ensino promoverão a valorização dos profissionais da educação, assegurando-lhes, inclusive nos termos dos estatutos e dos planos de carreira do magistério público: I - ingresso exclusivamente por concurso público de provas e títulos; II - aperfeiçoamento profissional continuada, inclusive com licenciamento periódico remunerado para esse fim; III - piso salarial profissional; IV - progressão funcional baseada na titulação, ou habilitação e na avaliação do desempenho. V - período reservado a estudo, planejamento e avaliação, incluído na carga de trabalho; VI - Condições adequadas de trabalho: Parágrafo único - A experiência docente é pré- requisito para o exercício profissional de quaisquer outras funções de magistério, nos termos das normas de cada sistema de ensino. 22 – CAPACITAÇÃO: O Professor cada vez mais, se sente na obrigação (como mediador do processo ensino/aprendizagem), preparar-se mais, atualizar-se para agir de forma mais competente. A melhoria na didática dos docentes está acontecendo gradativamente com os professores se auto - avaliando com freqüência, checando e procurando corrigir suas falhas aceitando sugestões e demonstrando maior interesse por estudos de documentos específicos para sua área, procurando assim, transformar sua prática pedagógica. O professor está tornando-se mais apto a organizar, sua sala de aula, atividades significativas para poder ensinar melhor e com isso os alunos tem mais oportunidade para definir experiências simples, mas para manter a motivação, estimular a participação e proporcionar a aprendizagem. Este trabalho se desenvolve semanalmente, nas HTPCs, com os gestores em reuniões que envolvem todos os profissionais da escola e também através de cursos efetuadas pela D.E 23 – HTPC:
  • 27. 27 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA As reuniões de HTPC acontecerão com a Direção, e Professor Coordenador, com duração de três horas observadas a carga horária do professor. Irá proporcionar leituras, estimular discussões e reflexões subsidiadas com materiais de apoio, registrando e avaliando cada reunião onde colherá dados para outras propostas de trabalho, levantar projetos com intenção de remover os obstáculos que interferem na melhoria do desempenho dos alunos. 24 – OBJETIVOS COMUNS DA AÇÃO: Apesar das dificuldades existentes, toda equipe escolar trabalha da melhor maneira possível, garantindo a melhoria da qualidade de ensino. O que se tem buscado é uma atuação pedagógica mais integrada e articulada entre todas as séries organizando os conteúdos a serem desenvolvidos, levando em conta os conhecimentos anteriores, dentro de cada tema e entre os temas. 25 – ACOMPANHAMENTO PEDAGÓGICO: O acompanhamento pedagógico será realizado pelos gestores, em visitas em sala de aulas e presença nas HTPC(s), acompanharão estas atividades esclarecendo, orientando e dividindo com os professores a responsabilidade e importância da melhoria da qualidade do ensino. Nas reuniões pedagógicas e durante as HTPC(s) será feito o acompanhamento e avaliação do trabalho diversificado, o crescimento profissional do professor e o incentivo a permanência dos alunos na escola, para diminuir a retenção e a evasão. 26 – DOS RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS/ ESCOLA/ COMUNIDADE: Dispomos de corpo docente e equipe técnica administrativa, sendo que grande parte dos professores são comprometidos com a educação, fato que podemos observar quando, durante o planejamento, ao serem solicitados a posicionar-se em relação às suas expectativas para o presente ano, colocam o sucesso do aprendizado de seus alunos entre suas maiores preocupações. Os demais funcionários da escola são experientes, responsáveis e conscientes de seus direitos e também de seus deveres. A união do grupo é uma constante, e pela responsabilidade e iniciativa muitas vezes a divisão de serviço é feita entre o próprio grupo para melhor atender as necessidades da escola e de cada um.
  • 28. 28 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA Sempre que convidamos os profissionais nos atendem enriquecendo os projetos educacionais, dando palestras sobre suas áreas de atuação (Meio Ambiente, Prevenção e Saúde, Combatem a Incêndio e outros). Para o cotidiano dos alunos e professores não falta material didático-pedagógico (caderno, lápis, giz, sulfite, lápis de cor, borracha, mapas, globo terrestre e outros materiais adquiridos pelo kit pedagógico), CD/DVD, material de laboratório para o Ensino Médio, livros de literatura infanto-juvenil , enciclopédia para pesquisa, TV e vídeo, DVD, rádio gravador, caixa amplificada, microfone, pirógrafo, mimeógrafo, retroprojetor, datashow e sala SAI. 27 – ARTICULAÇÃO ESCOLA/FAMÍLIA/COMUNIDADE: Os sistemas de ensino definirão as normas de gestão democrática do ensino público na Educação Básica, de acordo com as suas peculiaridades e conforme os princípios: I – participação dos profissionais na elaboração, implementação e avaliação da proposta pedagógica; II – participação dos diferentes seguimentos da comunidade escolar: – direção, professores, pais, alunos e funcionários; - nos processos consultivos e decisórios, através do conselho de escola e conselho de classe e série, grêmio estudantil e associação de pais e mestres; Baseando na gestão democrática ampliamos a participação dos pais e da comunidade procurando abrir mais canais de comunicação entre a escola e a família. 4 – INDICADORES DE DESEMPENHO DA ESCOLA ENSINO FUNDAMENTAL
  • 29. 29 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA Indicador Ano Taxa de Aprova ção (%) Taxa de Reprovaç ão (%) Taxa de Abando no (%) Taxa de Transfer ência Taxa de Distor ção Idade /Série (%) 2008 73,00 3,00 1,00 23,00 10,00 2009 81,00 3,00 0 16,00 4,00 2010 80,00 1,00 0 19,00 9,00 OBS: A somatória das taxas de aprovação, reprovação e abandono deve ser 100% ENSINO MÉDIO Indicador Ano Taxa de Aprova ção (%) Taxa de Reprovaç ão (%) Taxa de Abando no (%) Taxa de Transfer ência Taxa de Distor ção Idade/ Série (%) 2008 75,00 0 0 25,00 10,00 2009 82,00 1,00 2,00 15,00 15,00 2010 61,00 4,00 0 35,00 4,00 OBS: A somatória das taxas de aprovação, reprovação e abandono deve ser 100%
  • 30. 30 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA ENSINO FUNDAMENTAL – EJA Indicador Ano Taxa de Aprova ção (%) Taxa de Reprovaç ão (%) Taxa de Abando no (%) Taxa de Transfer ência Taxa de Distor ção Idade /Série (%) 2008 84,00 0 0 16,00 0 2009 68,00 6,00 2,00 24,00 0 2010 79,00 0 0 21,00 0 OBS: A somatória das taxas de aprovação, reprovação e abandono deve ser 100% ENSINO MÉDIO – EJA Indicador Ano Taxa de Aprova ção (%) Taxa de Reprovaç ão (%) Taxa de Abando no (%) Taxa de Transfer ência Taxa de Distor ção Idade/ Série (%) 2008 73,00 11,00 12,00 4,00 0 2009 80,00 7,00 0 13,00 0 2010 80,00 0 0 20,00 0 OBS: A somatória das taxas de aprovação, reprovação e abandono deve ser 100% 4.1 – IDESP
  • 31. 31 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
  • 32. 32 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA
  • 33. 33 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA 5- AUTO AVALIAÇÃO DA ESCOLA - 2010 5.1- Gestão de Resultados Educacionais: Indicadores Nível de Atendimento Insuficiente Regular Bom Ótimo Excelente Avaliação dos resultados obtidos pela escola (acesso, permanência e sucesso escolar); X Avaliação do trabalho desenvolvido pela escola; X Análise sistemática dos resultados das avaliações dos alunos; X Identificação junto aos alunos das razões da freqüência irregular às aulas e as medidas adotadas para regularizar a freqüência dos alunos. X 5.2- Gestão Participativa: Indicadores Nível de Atendimento Insuficiente Regular Bom Ótimo Excelente Análise da participação dos pais e da comunidade escolar na elaboração da Proposta Pedagógica da Escola; X Participação dos diferentes segmentos da comunidade escolar em seus órgãos colegiados e processos decisórios da escola (Conselho de Classe e Série, Conselho de Escola, APM, Grêmio Estudantil); X Divulgação dos documentos que orientam os direitos e deveres dos professores, funcionários, pais e alunos (Regimento Escolar e Normas Legais); X Socialização das informações recebidas nas orientações X
  • 34. 34 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA técnicas, disponibilização destas informações e seu atendimento. 5.3- Gestão Pedagógica: Indicadores Nível de Atendimento Insuficiente Regular Bom Ótimo Excelente Avaliação das competências desenvolvidas pelas áreas do currículo, tendo como referência o PCN; (identificação das formas de registro e dos critérios de avaliação); X Análise do acompanhamento das atividades pedagógicas desenvolvidas pela equipe docente, articulando as ações com a Proposta Pedagógica; X Avaliação das estratégias utilizadas para verificar o compromisso dos professores com a aprendizagem dos alunos e articulação com as famílias e a comunidade. X 5.4- Gestão de Pessoas Indicadores Nível de Atendimento Insuficiente Regular Bom Ótimo Excelente Avaliação das ações voltadas para a integração entre os profissionais da escola, pais e alunos; X Avaliação das ações de formação continuada em serviço e troca de experiências vivenciadas (utilização dos HTPC); X Avaliação de práticas de valorização e reconhecimento do trabalho da equipe escolar. X
  • 35. 35 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA 5.5- Gestão de Serviços de Apoio, Recursos Físicos e Financeiros. Indicadores Nível de Atendimento Insuficiente Regular Bom Ótimo Excelente Avaliação da prestação de serviços à comunidade, quanto ao atendimento, à atualização da documentação e escrituração da vida dos alunos; X Avaliação da utilização dos recursos didáticos disponíveis nos espaços pedagógicos da escola (salas de vídeo, leitura, de informática, laboratórios, e outros ambientes); X Preservação do patrimônio escolar (ações que favorecem a conservação, manutenção e a utilização); X Aplicação dos recursos financeiros da escola (ações que contribuem para transparência dos procedimentos); X Evidências dos aspectos que tornam a escola eficaz (indicadores do SARESP); X Organograma. X
  • 36. 36 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA 6 - OBJETIVO, METAS E AÇÕES DA UNIDADE ESCOLAR Objetivo: proporcionar aos alunos os conhecimentos e as habilidades que lhes possibilitem uma vida mais edificante. Nº Descrição: Metas e ações Prazos 1 Elevar os índices de desempenho dos alunos em todas as avaliações internas ou externas ( SARESP/IDESP) Médio 1.a – Acompanhamento sistemático do desempenho dos alunos; 1.b – destinar duas HTPCs por área do currículo para estudos. 1.c – Encaminhar para a recuperação paralela os alunos com maiores dificuldades de aprendizagem 2 Cumprir o currículo proposto dentro da seqüência didática 1.a – Melhorar o desempenho do ensino aprendizagem dos educando; 1.b – Conscientizar sobre a importância do trabalho da seqüência didática; 1.c - Desenvolver os projetos propostos pela SEE 3 Tornar mais agradável a permanência do aluno diariamente na escola, diminuindo assim a indisciplina. Médio 1.a – Procurar parcerias juntos aos órgãos colegiados e comunidade local; 1.b – Palestras com os profissionais qualificados; 1.c – Conscientização e participação efetiva do aluno no processo de ensino aprendizagem. 4 Ações: priorizar o trabalho diversificado com os alunos com déficit de aprendizagem, com objetivo de diminuir o índice de defasagem. Médio 1-a – Preparar caderno de atividades diversificadas ; 1.b – Orientar os professores sobre a importância do trabalho diversificada; 1.c – Envolver a família no desenvolvimento do processo ensino aprendizagem.
  • 37. 37 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA 6.1 - PLANILHA DE AÇÕES PARA MELHORIA DA ESCOLA Prioridade ou Problema Objetivos Metas ou Resultados Esperados Ações Melhoria no desempen ho da aprendiza gem dos alunos Desenvolver o sendo de responsabilida de na vida escolar Elevar os índices de desempenho dos alunos em todas as avaliações internas ou externas Acompanhamentos sistemáticos do desempenho do aluno Criar espaço para estudo e troca de experiênci as nas áreas do currículo Envolver todo corpo docente para a sintonia – interdisciplana riedade Corpo docente integrado, realizando o trabalho pedagógico com segurança Destinar duas HTPCs por área do currículo, mensalmente Construção de Área de Lazer Criar um espaço/ pracinha para o lazer e descanso da comunidade escolar. Tornar mais agradável a permanência do aluno durante todo o dia na escola Procurar parceira junto ao Órgãos Colegiados e comunidade local. Realização de avaliação diagnóstic a e planejame nto de ações voltadas Possibilitar articulação entre as áreas do conhecimento para planejamento de ações Melhorar o índice de desempenho dos alunos Reuniões periódicas para envolver a comunidade à participação mais ativa nas ações da escola, e preparação de atividades considerando o0 grau de dificuldade de cada um.
  • 38. 38 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA para a melhoria da qualidade de ensino e maior participaçã o da comunida de conjuntas e, estabelecer o elo de ligação entre a escola e a comunidade 6.1 - PLANO DE MELHORIA – Ver modelo do Curso Redefor – anexo 7- PLANOS DOS CURSOS MANTIDOS PELA ESCOLA 7.1- Planos de Cursos Objetivos do ensino fundamental O Ensino Fundamental com duração mínima de oito anos é obrigatório e gratuito na escola pública, tendo por objetivo a formação básica do cidadão mediante: - O desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio de leitura, escrita e do cálculo; - A compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamentam a sociedade; - O desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de conhecimento e habilidades e form ação de atitudes e valores; - O fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que assenta a vida social; - A capacitação para adquirir hábitos de estudos e de civilidade; Partindo da realidade, vivência dos alunos, proporcionarem condições para que estes desenvolvam a expressão oral, corporal, artística, através do aperfeiçoamento, da leitura, escrita, do pensamento crítico e sensibilidade obtendo novos conceitos e valores. Através dos diferentes conteúdos curriculares, o aluno obterá maiores conhecimentos, enriquecerá suas experiências , despertado o gosto pelo saber através de pesquisas e compreensão dos aspectos políticos, sócio-econômicos culturais e tecnológicos em que estão inseridos. Assim espera-se que ao concluir a 8ª série, os alunos consigam formalizar seu conhecimento, dando continuidade ao processo de aprendizagem atuando como agentes participativos e transformadores da sociedade. Objetivos do Ensino Médio O Ensino Médio, etapa final da Educação Básica com duração de três anos terá como finalidade:
  • 39. 39 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA - A consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no ensino fundamental, possibilitando o prosseguimento de estudos; - A preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando para continuar aprendendo, de modo a ser capaz de se adaptar com flexibilidade a novas condições ou aperfeiçoamento posteriores; - O aprimoramento do educando como pessoa humana incluindo ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico. - A compreensão dos fundamentos científicos e tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática no ensino de cada disciplina. Além de isso oportunizar condições para que o aluno possa: - Dimensionar seu crescimento através da auto-avaliação; - Adquirir modo de agir através da assimilação ativa da cultura e também conhecimentos que lhe garantirão possibilidades de atuar no seu grupo e na sua comunidade; - Encontrar apoio e orientação para a decisão que deverá tomar ao final do curso. Integração e Seqüência dos Componentes Curriculares A integração e seqüência dos conteúdos já estão implícitas dentro da noção de ciclos e progressão continuada. Já faz parte do próprio planejamento de ensino e nos conteúdos curriculares, que possuem uma interdependência. Essa interdependência é uma estratégia de trabalho pedagógico, pois facilita a interação de métodos e conceitos que unificam o conhecimento; não compartimenta o ensino, facilitando à superação as “barreiras” estabelecidas entre as disciplinas e o “saber científico” que elas inserem, relacionando diretamente com investigação e atividades práticas. Os níveis de ensino e os componentes curriculares não são estanques, são processos, portanto são dinâmicos estão no desenvolver da prática pedagógica. A idéia é fazer com que os conteúdos sejam tratados de forma articulada com as diversas áreas do conhecimento, integrando toda a prática educativa, e ao mesmo tempo criando uma visão global e abrangente. Estão organizadas em 3 áreas do conhecimento: Na área de Linguagens e Códigos estão destacadas as competências que dizem respeito à constituição de significados – competência que será de grande valia para a formalização dos conteúdos das ciências da natureza e para as ciências humanas – bem como das linguagens como constituidoras da identidade e, portanto, do exercício da cidadania. Nessa área estão disciplinas, atividades e conteúdos relacionados às diferentes formas de expressão, das quais a língua portuguesa é a mais importante como principal elemento constitutivo de outros conhecimentos. Mas não se excluem nessa área as artes, a informática, as atividades físicas e esportivas e outras linguagens que se venham a trabalhar. Na área de Ciências da Natureza e Matemática incluem-se além das competências relacionada à apropriação de conhecimentos da física, da química, da biologia e suas interações, aquelas que traduzem a compreensão do significado dessas Ciências, tal como recomenda a lei. A presença da matemática nessa área se justifica pelo que ela tem de ciência, pela sua afinidade com as ciências da natureza na medida em que é um dos principais recursos de constituição e expressão dos conhecimentos dessas ciências. Na área de Ciências Humanas, destacam-se as competências relacionadas à compreensão do significado dessas ciências e dos muitos significados que o fenômeno da identidade, da sociedade e da cultura pode ter, e que se constituem nos campos de conhecimento
  • 40. 40 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA da sociologia, antropologia, psicologia, direito, entre outras. Nessa área se incluem ainda os conhecimentos de filosofia necessários ao exercício da cidadania. Síntese dos Conteúdos Programáticos Conteúdos programáticos do Ensino Fundamental PORTUGUÊS Ênfase no caráter social da linguagem verbal, privilegiando as situações de uso (oralidade, leitura / interpretação e produção de textos); Predominância das atividades de linguagem verbal, principalmente a leitura/ interpretação e produção de texto entendido como conteúdos de ensino; Predominância das atividades de linguagem e do trabalho com o texto sobre as descrições gramaticais, respeitadas sempre essa ordem na introdução de quaisquer conteúdos. MATEMÁTICA Os temas números, geometria e medidas devem ser tratadas de modo simultâneo e constante em todas as séries; O estudo dos números deve ser acompanhando a evolução histórica da noção de números, a partir tanto de contagens como de medidas, substituindo uma sistematização prematura por uma abordagem mais rica em significados; O trabalho com Geometria parte da manipulação dos objetivos, do reconhecimento das formas mais freqüentes (especiais/planas), de sua caracterização através de propriedades, aproximando-se gradativamente de uma sistematização. As medidas serão exploradas ao longo de todas as séries, servindo como um dos elos integradores dos temas números e geométrico. O aluno é desafiado através de problemas a refletir, discutir com seu grupo, elaborar hipóteses e desenvolver procedimentos para validá-las, antes de chegar às regras, definições, conceitos e idéias fundamentais da matemática. CIÊNCIAS O estudo dos fenômenos naturais deve constituir para ampliar o entendimento sobre a dinâmica do ambiente. A organização dos conteúdos, em todas as séries, pressupõe o desenvolvimento da compreensão de vários fenômenos físicos, químicos, biológicos e geológicos que ocorrem com os seres vivos, as rochas, os materiais, os aparelhos, os corpos celeste, etc. A abordagem dos conteúdos prevê o estabelecimento das relações que os fenômenos mantém entre eles e com a vida humana; busca avaliar as conseqüências sobre a vida na Terra; A saúde física e mental dos indivíduos e das coletividades é considerada como resultante de determinações biológicas e sociais e devem ser tratadas de modo relacionado aos demais conteúdos científicos; Os vários instrumentos de avaliação priorizam a interpretação dos fenômenos estudados.
  • 41. 41 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA INGLÊS O ensino – aprendizagem tem por objetivo o desenvolvimento da comunicação oral, e não exclusivamente o desenvolvimento das estruturas gramaticais; As situações de comunicação oral devem priorizar o interesse e as necessidades do aluno, bem como sua bagagem cultural, possibilitando a expressão em situações reais de fala, isto é, nas funções da língua (apresentar, cumprimentar, agradecer, solicitar, exprimir satisfação ou dúvida, etc.); Nessas situações, os alunos terão espaço para trocar informações sobre si mesmos e o mundo que os cerca, enfatizando-se a utilização de estruturas que atendam as necessidades da comunicação; O desenvolvimento da comunicação oral dá-se num processo gradativo e contínuo; portanto, não se pretende que o aluno esteja dominando as quatro habilidades (ouvir, falar, ler e escrever) ao final do curso, mas procura-se fornecer os mecanismos para uma comunicação simples e concreta no nível da produção e compreensão oral e escrita. HISTÓRIA O objetivo central desse componente é a formação do cidadão critico, consciente de sua cidadania; A Proposta Curricular veicula a concepção de História como um processo dinâmico. Os acontecimentos não devem ser analisados como resultados de uma relação de causa e efeitos, segundo a qual, um fato é visto apenas como conseqüência do outro. Cada acontecimento deve ser analisado em suas relações com o momento histórico em que ocorreu; A História é fruto da ação de todos os sujeitos situados no seu tempo e espaço; deve-se, pois, evitar que a ênfase em determinados conteúdos e personagens (heróis) de a idéia de que ela é construída apenas por aqueles que se destacaram em determinados momentos, excluindo os demais segmentos; A organização de ensino por eixo temático permite a escolha de épocas e assuntos que se deseja estudar, num transitar pelos diferentes momentos históricos. Este movimento do tempo contribui para a reconstituição crítica de História; Os materiais deverão auxiliar no desenvolvimento da noção de que os acontecimentos apresentam múltiplas interpretações; ficar preso a uma única visão do processo histórico limita esta percepção; A avaliação é entendida como parte do processo ensino aprendizagem, devendo ser utilizada para diagnosticar o desempenho dos alunos e, é necessário repensar o plano de ensino do professor. GEOGRAFIA A compreensão do espaço geográfico em sua totalidade envolvendo sociedade e natureza, sem estabelecer a dicotomia entre Geografia, Física e Geografia Humana; O entendimento da natureza em sua dinâmica própria e enquanto recurso do qual a sociedade se apropria por meio do trabalho; O reconhecimento da categoria trabalho como atividade social que, no processo histórico, potencializa contradições que se expressam na organização da sociedade e na organização/desorganização do espaço geográfico; A análise contemporânea da organização do espaço geográfico relacionada à construção histórica dos territórios nacionais e internacionais;
  • 42. 42 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA EDUCAÇÃO FÍSICA Estabelecimento não só de objetivos a nível motor, mas também daqueles relativos ao domínio cognitivo e domínio sócio-econômico e afetivo reconhecendo a interdependência desses diferentes aspectos no desenvolvimento humano; Reconhecimento da experiência vivida pelo aluno – da qual fazem parte os conteúdos da Educação Física – como ponto de partida para o desenvolvimento das atividades programáticas; Diversificação dos conteúdos a serem desenvolvidos (os jogos, os esportes, a ginástica e a dança, entre outros), segundo as peculiaridades da escola e dos alunos; Utilização de metodologia que valorize a iniciativa do aluno, oportunizando situações desafiadoras que estimulem a capacidade de resolver problemas, motores ou não, de formas críticas, criativas e competentes; Utilização de procedimentos avaliatórios diversificados, coerentes com os objetivos e a metodologia, que levem em conta a aprovação do conhecimento se da progressividade. ARTE O processo ensino/aprendizagem em Arte deve contemplar a linguagem visual, musical e cênica; Os objetivos e conteúdos selecionados deverão ser específicos de Arte, garantindo, em cada linguagem artística, a expressão pessoal do indivíduo, a fazer técnica-inventiva, a sua gramática especifica, a sua historia e contextualização, os mediadores/ difusores, a função e a crítica. A metodologia utilizada deve garantir, de forma articulada, três momentos: O FAZER ARTE (construção), o CONHECER ARTE (história da produção artística) e o APRECIAR ARTE (análise crítica); A avaliação deverá, partir de critérios discutidos e estabelecidos em conjuntos, contemplarem o julgamento do professor, do grupo e do próprio aluno. Em ARTE não avaliamos apenas o resultado final de um trabalho (síntese da organização do pensamento), mas sim o conjunto de atividades pelo qual o aluno passe, envolvendo o refletir, pesquisar, fazer, refazer, apreciar. Neste processo são observadas as interações do aluno com os outros, suas dificuldades e facilidades, como organiza suas experiências, quais e quantas tentativas de solução para problemas forma pensadas e de que maneira são utilizados os materiais e instrumentos. Conteúdos programáticos Do Ensino Médio LÌNGUA PORTUGUESA Ênfase no caráter social da linguagem verbal, privilegiando as situações de uso (oralidade, leitura/interpretação e produção de textos); Predominância das atividades de linguagem verbal, principalmente a leitura/interpretação e produção de textos, entendidos como conteúdos de ensino; Relevância para o ensino da Literatura, deslocando o eixo da simples identificação das características de estéticas literárias, para a leitura de textos de autores brasileiros e portugueses de diferentes épocas, privilegiando a análise comparativa de textos; Predominância das atividades de linguagem e do trabalho como o texto sobre a descrição gramatical, respeitada sempre essa ordem na introdução de quaisquer conteúdos. INGLÊS O ensino-aprendizagem tem por objetivo o trabalho com a compreensão escrita (leitura), despertando no adolescente algumas habilidades, tais como: identificar, inferir, deduzir,
  • 43. 43 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA generalizar, etc., visando a compreensão do texto. No entanto, a priorização da leitura não elimina o estudo das demais habilidades (compreensão auditiva, produção oral e escrita), nem apenas com variações na sua intensidade e profundidade; Os interesses, necessidades e a bagagem cultural do aluno devem determinar os objetivos do curso, seu conteúdo e a metodologia a ser seguida; O desenvolvimento de estratégias de leitura deve possibilitar o entendimento de textos, desde a compreensão geral até a compreensão mais detalhada. Trabalho em pares, em grupos, agrupamento flexíveis, etc., favorecem o relacionamento professor/aluno, incentivam os alunos a se expressarem oralmente e proporciona a participação ativa do aluno no processo ensino-aprendizagem; O desenvolvimento da compreensão escrita (leitura) dá-se num processo gradativo e contínuo, portanto não se pretende que o aluno esteja dominando as quatro habilidades (ouvir, falar, ler, escrever), no final do curso, mas que tenha desenvolvido o mínimo de estratégias para compreender um texto em língua inglesa e comunicar-se de forma simples. MATEMÁTICA Como objetivo geral, deve-se observar o desenvolvimento do raciocínio lógico e a organização dos aspectos quantitativos da realidade. As aplicações práticas e o desenvolvimento do raciocínio devem ser considerados como elementos inseparáveis, com o objetivo de buscar a autonomia intelectual. Na seleção de conteúdo, valorizar aqueles que favoreçam o desenvolvimento da idéias fundamentais de proporcionalidade e de não proporcionalidade (raciocínio combinatório e probabilístico; variações polinomiais e exponenciais etc.) e da abordagem integrada de álgebra com geometria (plena e especial), no decorrer de todas as séries; A metodologia deve dar ênfase ao processo de construção dos conceitos matemáticos partindo da realidade e do cotidiano do aluno, passando por uma fase intermediária de trabalho informal dos conceitos e suas representações locais chegando, assim a uma universal da matemática; Formas de avaliação: A visão de avaliação comprometida com os objetivos de Matemática e com esta metodologia não pode se restringir a um único instrumento, muito menos a um único momento ou a uma única forma. As provas constituem um dos instrumentos da avaliação e deve ser compatibilizada com os trabalhos dos alunos ao longo do período escola. Avaliações individuais precisam ser complementadas com os resultados dos trabalhos em grupo, nos quais a força das relações interpessoais se desejava, pois, neste caso, o que esta em jogo e a habilidade de buscar e articular informações. O veredicto final emitido pelo professor deverá ser o resultado dessas várias formas de avaliar os alunos. FÍSICA A compreensão dos fenômenos da natureza segundo os parâmetros dados pelos conceitos, princípios, teorias e leis desta ciência e de como esses conceitos, princípios, teorias e leis foram produzidas historicamente. O entendimento dos conhecimentos físicos em situações concretas do cotidiano do aluno, possibilitando-lhe a análise processual dos elementos naturais e tecnológicos presentes em seu contexto social.
  • 44. 44 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO DE MIRANTE DO PARANAPANEMA UNIDADE DE ENSINO: E.E. PAULO COELHO DA SILVA QUÍMICA O ensino de Química deve assegurar que o aluno compreenda os fenômenos químicos segundo os parâmetros dados pelos conceitos, princípios, teorias e leis foram produzidos e analise criticamente como são aplicados na sociedade; O cotidiano é utilizado como ponto de partida para a introdução dos conteúdos químicos e como elemento facilitador da compreensão da natureza e da sociedade; A história da Ciência é um auxiliar a compreensão do processo de produção do conhecimento químico, estando contemplada, portando ao longo de todo o curso; A experimentação é um dos momentos de construção e reconstrução do conhecimento químico, logo, a atividade experimental, desenvolve-se integralmente aula teórica; A avaliação priorizará as situações nas quais se privilegie compreensão do aluno quanto aos conceitos, leis, teorias, princípios e o entendimento de como o conhecimento químico esta sendo produzido/aplicado na sociedade, em detrimento daquelas que se centram apenas na memorização de detalhes e na quantidade de informações. BIOLOGIA Discussão dos conteúdos, segundo uma visão mais abrangente, buscando prioritariamente o entendimento das interações que sustentam a dinâmica da vida, em todos o níveis de organização dos seres vivos (célula, organismo, população, comunidade, ecossistema, etc.); ao invés do detalhamento da estruturas, órgão, etc.; Abordagem da dimensão histórica do conhecimento cientifica de forma a evidenciar o fato de que a sociologia é uma ciência em processo constante da produção e uma atividade não neutra, portanto sujeita as influencias sócio-econômico-político-culturais da época; Análise critica das relações entre ciência, tecnologia e sociedade e de sua influencia na qualidade de vida da população; Utilização da vivência do aluno como ponto de partida e de chegada, procurando sempre que possível trabalhar com conteúdos vinculados ao seu cotidiano ou que tenham relevância social e científica, que lhe permitam compreender e repensar sua realidade; Tratamento dos temas de saúde associados aos temas biológicos, não no sentido de restringi-lo as suas dimensões puramente biológicas, mas encarando o processo saúde/ doença como parte integrante e resultante da própria organização social. GEOGRAFIA A compreensão do espaço geográfico em sua totalidade envolvendo sociedade e natureza, sem estabelecer a dicotomia entre Geografia, Física e Geografia Humana; O entendimento da natureza em sua dinâmica própria e enquanto recurso do qual a sociedade se apropria por meio do trabalho; O reconhecimento da categoria trabalho como atividade social que, no processo histórico, potencializa contradições que se expressam na organização da sociedade e na organização/desorganização do espaço geográfico; A análise contemporânea da organização do espaço geográfico relacionada à construção histórica dos territórios nacionais e internacionais; HISTÓRIA O objetivo central desse componente é a formação do cidadão crítico, consciente de sua cidadania; A Proposta Curricular veicula a concepção de História como um processo dinâmico. Os acontecimentos não devem ser analisados como resultados de uma relação de causa e efeitos, segundo a qual, um fato é visto apenas como conseqüência do outro. Cada