SlideShare uma empresa Scribd logo
APRESENTAÇÃ
O DE
REFERÊNCIA
DISCUSSÃO SOBRE
EDUCAÇÃO INTEGRAL
Orientações gerais para utilização do PPT
 Essa apresentação poderá servir de referência para debater
o conceito da Educação Integral, tanto no nível da secretaria
e com outros órgãos, quanto nas discussões com escolas,
ONGs e outros equipamentos do estado e município
 O material é apenas uma base e deverá ser adequado às
demandas de cada secretaria;
 Os dados são gerais, e recomendamos que o município/
estado destaque seus dados de interesse;
 O mesmo vale para experiências. Selecionamos algumas que
podem apoiar a compreensão dos temas em destaque;
 É interessante ler as anotações (que ficam na parte de baixo
do PPT) em cada slide: nelas apresentaremos dicas e
orientações para apoiar a apresentação. Vale ressaltar que
as anotações não ficam disponíveis na versão em PDF;
 Por fim, recomendamos a leitura dessa apresentação com a
fonte Myriad Pro. Caso o computador esteja sem a fonte, a
formatação ficará um pouco diferente da original.
Quais os nossos desejos?
Qualificação dos processos educativos
Estudantes (desejo)
 Críticos
 Autônomos
 Solidários
 Capazes de intervir
positivamente no mundo
em que vivem
 Conscientes de seus
desejos e capazes de
executar planos para
realizá-los
 Desmotivados
 Baixos índices de
proficiência, mesmo
recebendo formação
predominante de
aspectos conteudistas
 Conectados, mas que
não veem conexão com
a escola
 Com comportamentos,
muitas vezes, agressivos
Estudantes (realidade)
Agenda da Juventude Brasil, SNJ, 2013
Quais os nossos desejos?
Qualificação dos processos educativos
Professores (desejo)
 Engajados
 Autônomos
 Capazes de conectar os
conhecimentos
acadêmicos ao mundo
contemporâneo e à
realidade local
 Capazes de motivar os
estudantes e apoiá-los a
desenvolverem seus
projetos de vida
 Desmotivados
 Baixa qualificação
 Oriundos de um sistema
formativo que não
prepara para o cotidiano
da sala de aula
 Desvalorizados
 Muitos com dificuldade
de lidar com o
comportamento dos
estudantes
Professores (realidade)
Pesquisa Conselho de Classe, Fundação Lemann,
Quais os nossos desejos?
Qualificação dos processos educativos
Gestão da escola (desejo)
 Democrática,
valorizando a
participação da
comunidade escolar
 Capaz de mobilizar a
comunidade para um
projeto comum
 Capaz de desenvolver
Projetos Pedagógicos
que efetivamente
respondam às
necessidades locais e
dos estudantes
 Muitas vezes autoritária
 Sem conseguir mobilizar
a comunidade escolar,
especialmente os
familiares dos
estudantes
 Excessivamente presa
às ações burocráticas e
administrativas,
deixando o trabalho
pedagógico em segundo
plano
Gestão da escola
(realidade)
Observatório do PNE, Todos pela Educação
Educação Integral
Conceito: autores e discussões
Concepção de educação que visa o
desenvolvimento do indivíduo em seus
diversos aspectos: intelectual, afetivo,
físico, social e simbólico.
Que integra os diversos tempos,
espaços e agentes - as crianças e os
jovens, as famílias, as escolas, as
comunidades, as organizações sociais, as
empresas e os governos.
Um processo contínuo: que acontece
em todo lugar, durante toda a vida.
físico
intelectual
afetivo
social
simbólico
A educação integral NÃO é uma modalidade; é um novo paradigma
Educação Integral
Histórico
Na tradição escolar brasileira: expressão que surge a partir de movimentos
político-sociais. Proposta de educação comprometida com a transformação do
sistema de educação.
 Constituição Federal de 1988: “É dever da família, da sociedade e do
Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta
prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à
profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à
convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma
de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.”
(Redação da Emenda Constitucional nº 65, de 2010).
Educação Integral
Histórico
 Lei de Diretrizes e Bases (Lei n.º 9394/1996): A Lei de Diretrizes e Bases
(LDB) da Educação foi aprovada em 1996 e, em sua composição, os artigos
34 e 87 dizem respeito à educação integral. O Artigo II da LDB afirma que a
educação tem como finalidade o pleno desenvolvimento do educando e
prepará-lo para exercitar sua cidadania, o que também prevê uma educação
que dialogue com os diversos setores da sociedade. Já os artigos 34 e 86
trazem como agenda que o ensino fundamental seja oferecido em tempo
integral de forma progressiva.
“Art. 2º. A educação, dever da família e do Estado,
inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de
solidariedade humana, tem por finalidade o pleno
desenvolvimento do educando, seu preparo para o
exercício da cidadania e sua qualificação para o
trabalho. (…) Art. 34º.§ 2º. O ensino fundamental será
ministrado progressivamente em tempo integral, a
critério dos sistemas de ensino.”
Educação Integral
Principais referências
Pierre-
Joseph
Proudhon
(1809-1865)
Anarquismo
Filósofo francês que defendia a auto-organização dos
trabalhadores e que estas organizações tivessem
legitimidade para possuir elas próprias os meios de
produção. Compromisso com a transformação social.
Paul Robin
(1837-1912)
Anarquismo
Professor francês que dedicou grande parte de sua vida à
realização de seu projeto de “Educação Integral” com o
Orfanato de Prévost (Cempius, na França, de 1880-1894)
com um modelo de educação cuja preocupação central era
o desenvolvimento pleno da criança.
Ele acreditava que a curiosidade da criança poderia fazer
com que ela buscasse o conhecimento por si mesma.
John Dewey
1859 – 1952
Corrente do
pragmatismo
Filósofo estadunidense que defendia a democracia e a
liberdade de pensamento como instrumentos para a
formação emocional e intelectual das crianças. Inspirou
teorias como o construtivismo e as bases teóricas dos
Parâmetros Curriculares Nacionais.
Educação Integral
Principais referências
Célestin
Freinet
1896-1966
Anarquismo
Pedagogo francês que defendia proposta de ensino
baseada na maneira de pensar da criança e de como ela
constrói o conhecimento. Para ele, aprender deveria passar
pela experiência de vida e isso só seria possível pela ação
e o professor atuaria na mediação do trabalho do aluno e
da sua realidade. Desenvolveu atividades como as aulas-
passeio e os jornais de classe.
Anísio
Teixeira
(1900-1971)
Escola Nova
Intelectual, educador e escritor brasileiro
Personagem central na história da educação no Brasil que
nas décadas de 20 e 30 difundiu os pressupostos do
movimento da Escola Nova, que tinha como princípio a
ênfase no desenvolvimento do intelecto e na capacidade de
julgamento, em preferência à memorização. Fundador da
Escolas-Parque, em Salvador (1950), instituição que
posteriormente inspiraria o modelo dos CIEPS, criados por
Darcy Ribeiro nos anos 80.
Educação Integral
Principais referências
Movimento de renovação do ensino, com início na
Europa e América do Norte, surgiu no Brasil em 1882,
pelas mãos de Rui Barbosa.
Exerceu grande influência nas mudanças promovidas no
ensino nas décadas de 20 e 30, quando o país passava
por uma série de transformações sociais, políticas e
econômicas.
Ganha impulso em 1932, com o “Manifesto dos
pioneiros de 32” com a defesa da universalização da
escola pública, laica e gratuita.
“Só existirá democracia no Brasil, no dia em que se
montar no país a máquina que prepara as democracias.
Essa máquina é a escola pública”. (Manifesto dos
Pioneiros, 1932).
Participaram intelectuais como: Anísio Teixeira, Rui
Barbosa, Fernando de Azevedo, Cecília Meireles,
Armanda Álvaro Alberto, Darcy Ribeiro, Florestan
Movimento
Escolanovista
1882 -
meados do
séc . XX, no
Brasil
Educação Integral
Principais referências
 Educador e filósofo
 Trabalho de referência na área da educação
popular (alfabetização e a conscientização política
de jovens e adultos);
 Secretário municipal da Educação SP (1989 –
1993) e idealizador do MOVA.
 Para ele, “todo ato de educação é um ato político.”
 Autor de “Pedagogia do Oprimido”, “Pedagogia da
Autonomia” e outras obras estruturantes para um
conceito denominado de pedagogia crítica
 Sua prática didática fundamentava-se na crença
de que o educando é capaz de criar a sua própria
educação, fazendo ele próprio o seu caminho, e
não seguindo algo previamente construído
(contraposição ao que ele chamava de educação
bancária, tecnicista e alienante).
Paulo Freire
(1921-1997)
Pedagogia Crítica
Educação Integral
Panorama nacional: PNE
Fontes: Observatório do PNE (março de
2014)/ Datafolha e FIS, 2013
PNE
Em 2024, metas:
50% de escolas públicas com matrículas em
educação integral
25% das matrículas em educação integral
E, mais ainda: é uma realidade presente
 63% dos brasileiros, declararam já ter ouvido falar em
Educação Integral.
 90% dos brasileiros entendem que a educação integral é
necessária para o futuro das novas gerações
MAS, COMO EFETIVAMENTE TRANSFORMAR NOSSA REDE?
 Precisamos reorganizar a
política educacional de forma
sistêmica e integrada, ao passo
do que for possível estrutural e
financeiramente
 A Educação Integral nos
convoca a uma série de
reformulações estruturantes.
 Envolvimento de todos os segmentos com os valores e propósitos que
a embasam
 A política deve ser construída colaborativamente pelos diferentes
segmentos = papeis e responsabilidades
 Comunicação: contínua, objetiva e adequada aos diferentes segmentos
 A transparência das informações e decisões deve permear todo o
processo
 As escolas são responsáveis por pactuar a política com a sua
comunidade
COMUNICAÇÃO E ALIANÇAS
 Os territórios têm inúmeras oportunidades educativas = história e
saberes
 Aprendizagem = diversidade de oportunidades para além do ambiente
escolar
 A articulação das oportunidades educativas deve ser programática
(intencionalidade e desenvolvimento integral) e, portanto, políticas
públicas devem ser integradas ou formuladas
 Fortalecimento do tecido associativo entre pessoas e instituições: os
tempos da EI pressupõem a articulação “escola e território”
EDUCAÇÃO NO TERRITÓRIO
 Criação de condições para todos os espaços educativos articulados à
política de educação integral
 Aspectos centrais: alimentação, cuidados pessoais, transporte,
recursos humanos, infraestrutura escolar e urbana =
desenvolvimento integral.
 O acesso à cidade é direito inalienável na Educação Integral =
mobilidade como eixo fundamental
 Faixa etária e Acessibilidade
 Quadro de funcionários deve atender as novas demandas da EI
 Os espaços das escolas devem ser abertos = livre circulação de toda
a comunidade
INFRAESTRUTURA E RECURSOS
 Gestão integrada do programa: diferentes secretarias de governo
 A gestão intersetorial = trabalho em rede capaz de desenvolver o
planejamento, monitoramento e avaliação do programa, inclusive no
financiamento
 Integração de serviços e atores locais = redes com vistas ao
desenvolvimento integral das pessoas
 Mecanismos permanentes de participação da sociedade com o
objetivo de validação e legitimação das ações do programa
 O programa deve envolver diversos setores da sociedade, tais como:
universidades, iniciativa privada, coletivos, movimentos sociais.
GESTÃO INTERSETORIAL
 Processos de tomada de decisão participativos e
transparentes
 Participação ativa das famílias e comunidades
 Processo educativo centrado no estudante
 Integração com o território
 Oportunidades educativas diversificadas e integradas ao
currículo - novos tempos, espaços, modos, saberes
GESTÃO DA ESCOLA
 Superação da lógica de turno e contraturno
 Perspectiva transversal do conhecimento = desenvolvimento integral
 Contextualizado e pertinente (autonomia da escola)
 Diferenças integradas na perspectiva da garantia da equidade e do respeito
aos Direitos Humanos
 Articulação intersetorial e participativa na perspectiva da aprendizagem
 Valorizar o conhecimento do educando e das comunidades locais
 Relevância das oportunidades educativas na perspectiva dos valores
sociais e das habilidades e competências = participação ativa na sociedade
contemporânea
 Elementos curriculares: áreas do conhecimento + organização da
escola, agentes envolvidos, práticas pedagógicas e formas de
avaliação
CURRÍCULO TRANSVERSAL
 Desenvolvimento integral = rede diversificada de agentes
educativos envolvendo escolas e comunidades
 Reconhecimento e incorporação dos saberes comunitários ao
currículo escolar , incorporando novas formas e linguagens
 Professores como o articuladores entre os saberes acadêmicos e os
comunitários
 Educadores devem trabalhar em rede, ancorados pelo PPP da
escola – considerando todos os profissionais da escola como parte
da Rede de Educadores
 Necessidade de profissional responsável por operar a articulação
escola-território
REDE DE EDUCADORES
 Todos os agentes envolvidos no programa devem ter acesso a
oportunidades formativas (áreas diferentes – integralidade do
desenvolvimento)
 Formação deve ser contínua e em serviço, considerando os espaços
de planejamento coletivo
 Aspectos pedagógicos e de gestão de forma interdependente
 O processo de avaliação e monitoramento é parte do processo
formativo
 Princípios da EI; novas formas de ensinar e aprender, partindo do
repertório dos educadores em formação e em diálogo com a
realidade local
FORMAÇÃO CONTINUADA
 Avaliação é processo formativo
 Avaliar a EI: qualidade dos processos de ensino-aprendizagem, como
também da gestão do programa, da escola e da formação de
educadores
 Contemplar os diferentes aspectos do desenvolvimento integral do
estudante
 Precisa considerar tanto os processos quanto os resultados:
diagnóstica, contínua e processual, integrante do currículo escolar e
dos mecanismos de gestão do programa
 A avaliação da aprendizagem deve servir para revisão dos métodos,
as estratégias e abordagens utilizados pelo professor: está a serviço
da formação do educando e não o inverso
AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO
Educação Integral
Principais programas
Programa Mais Educação
Ano de criação: 2007
Área de Abrangência: Brasil
 Portaria Interministerial nº 17/2007
 Ampliação da jornada escolar e reorganização curricular
 Processo pedagógico que conecta áreas do saber à
cidadania, ao meio ambiente, direitos humanos, cultura,
artes, saúde e educação econômica
 Considerado uma agenda indutora de uma política de
Educação Integral no país
 Aumenta a oferta educativa nas escolas públicas por meio
de atividades optativas que foram agrupadas em
macrocampos (Ex. acompanhamento pedagógico e
Comunicação, Uso de Mídias e Cultura Digital e
Tecnológica.)
 Presente em 60 mil escolas, atendendo 4,4 milhões de
crianças e jovens com matrículas em tempo integral
Evolução do programa Mais Educação
Agenda indutora da educação integral
• 65% deles não pensavam ações de
educação integral antes do Mais
Educação
• 84,5% dos territórios onde a
implementação do programa gerou uma
nova demanda e influenciou o
atendimento voltado para a integralidade
dos indivíduos
• 87,6% dos estados e municípios afirmam
ter incluído as diretrizes do Mais
Educação no seu planejamento de
gestão
Teia UFMG, 2014
54
4836
1 2
Municípios
2008 2013
Educação Integral
Principais programas
Cada experiência é sempre única e sempre deve dialogar com as
características e necessidades do território. Contudo, estas e outras
experiências reúnem algumas perspectivas em comum:
Integração
escola-
comunidade
Extensão da
jornada escolar
Gestão escolar
participativa
Formação de
todos os
envolvidos no
programa
Qualificação dos
espaços públicos para
fins educacionais
Centralidade do
estudante
Acesse: www.educacaointegral.org.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
henriqueocarvalho
 
Métodos de alfabetização
Métodos de alfabetizaçãoMétodos de alfabetização
Métodos de alfabetização
Dayane Hofmann
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Elizabet Tramontin Silveira Camargo
 
Educação Infantil
Educação InfantilEducação Infantil
Educação Infantil
Adriana Mércia
 
Slide EJA
Slide EJASlide EJA
Slide EJA
GN2713
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
MARILENE RANGEL
 
Poema Letramento
Poema LetramentoPoema Letramento
Poema Letramento
christall2009
 
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNE
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNEPLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNE
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNE
Julhinha Camara
 
Ot pautas de atpc
Ot   pautas de atpcOt   pautas de atpc
Ot pautas de atpc
Erica Frau
 
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIASBNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
Deusirene Magalhaes
 
1ª formação - Leitura e Escrita
1ª formação - Leitura e Escrita1ª formação - Leitura e Escrita
1ª formação - Leitura e Escrita
PNAIC UFSCar
 
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramentoLiteratura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
Ana Lúcia Hennemann
 
Método Paulo Freire com Imagens
Método Paulo Freire com ImagensMétodo Paulo Freire com Imagens
Método Paulo Freire com Imagens
Adilson P Motta Motta
 
Saberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantilSaberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantil
VIROUCLIPTAQ
 
Os desafios pedagogicos de eja
Os desafios pedagogicos de ejaOs desafios pedagogicos de eja
Os desafios pedagogicos de eja
Helena Zanotto
 
Educação Inclusiva
Educação Inclusiva Educação Inclusiva
Educação Inclusiva
Heilane Santos
 
Projeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPPProjeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPP
Hebert Arcanjo
 
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
Julhinha Camara
 
Direito Educacional
Direito EducacionalDireito Educacional
Direito Educacional
CÉSAR TAVARES
 
Fundamentos e metodologia da educação infantil
Fundamentos e metodologia da educação infantilFundamentos e metodologia da educação infantil
Fundamentos e metodologia da educação infantil
mirafontela
 

Mais procurados (20)

AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
 
Métodos de alfabetização
Métodos de alfabetizaçãoMétodos de alfabetização
Métodos de alfabetização
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Educação Infantil
Educação InfantilEducação Infantil
Educação Infantil
 
Slide EJA
Slide EJASlide EJA
Slide EJA
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
 
Poema Letramento
Poema LetramentoPoema Letramento
Poema Letramento
 
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNE
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNEPLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNE
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNE
 
Ot pautas de atpc
Ot   pautas de atpcOt   pautas de atpc
Ot pautas de atpc
 
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIASBNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
 
1ª formação - Leitura e Escrita
1ª formação - Leitura e Escrita1ª formação - Leitura e Escrita
1ª formação - Leitura e Escrita
 
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramentoLiteratura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
 
Método Paulo Freire com Imagens
Método Paulo Freire com ImagensMétodo Paulo Freire com Imagens
Método Paulo Freire com Imagens
 
Saberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantilSaberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantil
 
Os desafios pedagogicos de eja
Os desafios pedagogicos de ejaOs desafios pedagogicos de eja
Os desafios pedagogicos de eja
 
Educação Inclusiva
Educação Inclusiva Educação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Projeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPPProjeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPP
 
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
 
Direito Educacional
Direito EducacionalDireito Educacional
Direito Educacional
 
Fundamentos e metodologia da educação infantil
Fundamentos e metodologia da educação infantilFundamentos e metodologia da educação infantil
Fundamentos e metodologia da educação infantil
 

Semelhante a Educação Integral.pptx

Na_pratica_ppt-base_educacao_integral_vs-final_rev (1).pptx
Na_pratica_ppt-base_educacao_integral_vs-final_rev (1).pptxNa_pratica_ppt-base_educacao_integral_vs-final_rev (1).pptx
Na_pratica_ppt-base_educacao_integral_vs-final_rev (1).pptx
AdaAsotief
 
Estado e educação_popular_-_gadotti
Estado e educação_popular_-_gadottiEstado e educação_popular_-_gadotti
Estado e educação_popular_-_gadotti
Stella Verzolla
 
Artigo assistente scial na escola
Artigo assistente scial na escolaArtigo assistente scial na escola
Artigo assistente scial na escola
Silvio Santos de Sousa
 
Keila01 projeto
Keila01 projetoKeila01 projeto
Keila01 projeto
Juçara Keylla
 
ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.
ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.
ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.
Tissiane Gomes
 
29039 tendências pedagógicas
29039 tendências pedagógicas29039 tendências pedagógicas
29039 tendências pedagógicas
Mimos Artesanais
 
Tendências pedagógicas texto
Tendências pedagógicas   textoTendências pedagógicas   texto
Tendências pedagógicas texto
diegocn
 
Praticas na oficina de Meio Ambiente
Praticas na oficina de Meio AmbientePraticas na oficina de Meio Ambiente
Praticas na oficina de Meio Ambiente
Mirian Grasiela Benevides
 
didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2
jairdeoliveirajunior
 
Aula01 org.e metodologia-ed.inf-2013-2
Aula01 org.e metodologia-ed.inf-2013-2Aula01 org.e metodologia-ed.inf-2013-2
Aula01 org.e metodologia-ed.inf-2013-2
Elisa Maria Gomide
 
Htpc currículo
Htpc currículoHtpc currículo
Htpc currículo
Glauco Duarte
 
UNCME Compromisso com a Criança
UNCME   Compromisso com a CriançaUNCME   Compromisso com a Criança
UNCME Compromisso com a Criança
uncmers
 
AULA FREINET
AULA FREINETAULA FREINET
AULA FREINET
duducanti
 
Palestras | Oficinas | Cursos
Palestras | Oficinas | CursosPalestras | Oficinas | Cursos
Palestras | Oficinas | Cursos
INSTITUTO GENS
 
Op ppp coordenacao pedagogica final
Op ppp coordenacao pedagogica   finalOp ppp coordenacao pedagogica   final
Op ppp coordenacao pedagogica final
Carlos Junior
 
Conhecimentos pedagógicos avaliação
Conhecimentos pedagógicos avaliação Conhecimentos pedagógicos avaliação
Conhecimentos pedagógicos avaliação
Pedagoga Claudia Oliveira Andrade
 
ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL OU DE ...
ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL OU DE ...ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL OU DE ...
ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL OU DE ...
Joselaine
 
Thiago ingrassia pereira uffs
Thiago ingrassia pereira  uffsThiago ingrassia pereira  uffs
Thiago ingrassia pereira uffs
Joviana Vedana da Rosa
 
PPP CARLOS MOTA
PPP CARLOS MOTAPPP CARLOS MOTA
PPP CARLOS MOTA
QUEDMA SILVA
 
Acompanhamento pedagogico
Acompanhamento pedagogicoAcompanhamento pedagogico
Acompanhamento pedagogico
EducacaoIntegralPTC
 

Semelhante a Educação Integral.pptx (20)

Na_pratica_ppt-base_educacao_integral_vs-final_rev (1).pptx
Na_pratica_ppt-base_educacao_integral_vs-final_rev (1).pptxNa_pratica_ppt-base_educacao_integral_vs-final_rev (1).pptx
Na_pratica_ppt-base_educacao_integral_vs-final_rev (1).pptx
 
Estado e educação_popular_-_gadotti
Estado e educação_popular_-_gadottiEstado e educação_popular_-_gadotti
Estado e educação_popular_-_gadotti
 
Artigo assistente scial na escola
Artigo assistente scial na escolaArtigo assistente scial na escola
Artigo assistente scial na escola
 
Keila01 projeto
Keila01 projetoKeila01 projeto
Keila01 projeto
 
ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.
ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.
ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.
 
29039 tendências pedagógicas
29039 tendências pedagógicas29039 tendências pedagógicas
29039 tendências pedagógicas
 
Tendências pedagógicas texto
Tendências pedagógicas   textoTendências pedagógicas   texto
Tendências pedagógicas texto
 
Praticas na oficina de Meio Ambiente
Praticas na oficina de Meio AmbientePraticas na oficina de Meio Ambiente
Praticas na oficina de Meio Ambiente
 
didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2
 
Aula01 org.e metodologia-ed.inf-2013-2
Aula01 org.e metodologia-ed.inf-2013-2Aula01 org.e metodologia-ed.inf-2013-2
Aula01 org.e metodologia-ed.inf-2013-2
 
Htpc currículo
Htpc currículoHtpc currículo
Htpc currículo
 
UNCME Compromisso com a Criança
UNCME   Compromisso com a CriançaUNCME   Compromisso com a Criança
UNCME Compromisso com a Criança
 
AULA FREINET
AULA FREINETAULA FREINET
AULA FREINET
 
Palestras | Oficinas | Cursos
Palestras | Oficinas | CursosPalestras | Oficinas | Cursos
Palestras | Oficinas | Cursos
 
Op ppp coordenacao pedagogica final
Op ppp coordenacao pedagogica   finalOp ppp coordenacao pedagogica   final
Op ppp coordenacao pedagogica final
 
Conhecimentos pedagógicos avaliação
Conhecimentos pedagógicos avaliação Conhecimentos pedagógicos avaliação
Conhecimentos pedagógicos avaliação
 
ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL OU DE ...
ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL OU DE ...ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL OU DE ...
ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL OU DE ...
 
Thiago ingrassia pereira uffs
Thiago ingrassia pereira  uffsThiago ingrassia pereira  uffs
Thiago ingrassia pereira uffs
 
PPP CARLOS MOTA
PPP CARLOS MOTAPPP CARLOS MOTA
PPP CARLOS MOTA
 
Acompanhamento pedagogico
Acompanhamento pedagogicoAcompanhamento pedagogico
Acompanhamento pedagogico
 

Último

Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 

Último (20)

Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 

Educação Integral.pptx

  • 2. Orientações gerais para utilização do PPT  Essa apresentação poderá servir de referência para debater o conceito da Educação Integral, tanto no nível da secretaria e com outros órgãos, quanto nas discussões com escolas, ONGs e outros equipamentos do estado e município  O material é apenas uma base e deverá ser adequado às demandas de cada secretaria;  Os dados são gerais, e recomendamos que o município/ estado destaque seus dados de interesse;  O mesmo vale para experiências. Selecionamos algumas que podem apoiar a compreensão dos temas em destaque;  É interessante ler as anotações (que ficam na parte de baixo do PPT) em cada slide: nelas apresentaremos dicas e orientações para apoiar a apresentação. Vale ressaltar que as anotações não ficam disponíveis na versão em PDF;  Por fim, recomendamos a leitura dessa apresentação com a fonte Myriad Pro. Caso o computador esteja sem a fonte, a formatação ficará um pouco diferente da original.
  • 3. Quais os nossos desejos? Qualificação dos processos educativos Estudantes (desejo)  Críticos  Autônomos  Solidários  Capazes de intervir positivamente no mundo em que vivem  Conscientes de seus desejos e capazes de executar planos para realizá-los  Desmotivados  Baixos índices de proficiência, mesmo recebendo formação predominante de aspectos conteudistas  Conectados, mas que não veem conexão com a escola  Com comportamentos, muitas vezes, agressivos Estudantes (realidade) Agenda da Juventude Brasil, SNJ, 2013
  • 4. Quais os nossos desejos? Qualificação dos processos educativos Professores (desejo)  Engajados  Autônomos  Capazes de conectar os conhecimentos acadêmicos ao mundo contemporâneo e à realidade local  Capazes de motivar os estudantes e apoiá-los a desenvolverem seus projetos de vida  Desmotivados  Baixa qualificação  Oriundos de um sistema formativo que não prepara para o cotidiano da sala de aula  Desvalorizados  Muitos com dificuldade de lidar com o comportamento dos estudantes Professores (realidade) Pesquisa Conselho de Classe, Fundação Lemann,
  • 5. Quais os nossos desejos? Qualificação dos processos educativos Gestão da escola (desejo)  Democrática, valorizando a participação da comunidade escolar  Capaz de mobilizar a comunidade para um projeto comum  Capaz de desenvolver Projetos Pedagógicos que efetivamente respondam às necessidades locais e dos estudantes  Muitas vezes autoritária  Sem conseguir mobilizar a comunidade escolar, especialmente os familiares dos estudantes  Excessivamente presa às ações burocráticas e administrativas, deixando o trabalho pedagógico em segundo plano Gestão da escola (realidade) Observatório do PNE, Todos pela Educação
  • 6. Educação Integral Conceito: autores e discussões Concepção de educação que visa o desenvolvimento do indivíduo em seus diversos aspectos: intelectual, afetivo, físico, social e simbólico. Que integra os diversos tempos, espaços e agentes - as crianças e os jovens, as famílias, as escolas, as comunidades, as organizações sociais, as empresas e os governos. Um processo contínuo: que acontece em todo lugar, durante toda a vida. físico intelectual afetivo social simbólico A educação integral NÃO é uma modalidade; é um novo paradigma
  • 7. Educação Integral Histórico Na tradição escolar brasileira: expressão que surge a partir de movimentos político-sociais. Proposta de educação comprometida com a transformação do sistema de educação.  Constituição Federal de 1988: “É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.” (Redação da Emenda Constitucional nº 65, de 2010).
  • 8. Educação Integral Histórico  Lei de Diretrizes e Bases (Lei n.º 9394/1996): A Lei de Diretrizes e Bases (LDB) da Educação foi aprovada em 1996 e, em sua composição, os artigos 34 e 87 dizem respeito à educação integral. O Artigo II da LDB afirma que a educação tem como finalidade o pleno desenvolvimento do educando e prepará-lo para exercitar sua cidadania, o que também prevê uma educação que dialogue com os diversos setores da sociedade. Já os artigos 34 e 86 trazem como agenda que o ensino fundamental seja oferecido em tempo integral de forma progressiva. “Art. 2º. A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. (…) Art. 34º.§ 2º. O ensino fundamental será ministrado progressivamente em tempo integral, a critério dos sistemas de ensino.”
  • 9. Educação Integral Principais referências Pierre- Joseph Proudhon (1809-1865) Anarquismo Filósofo francês que defendia a auto-organização dos trabalhadores e que estas organizações tivessem legitimidade para possuir elas próprias os meios de produção. Compromisso com a transformação social. Paul Robin (1837-1912) Anarquismo Professor francês que dedicou grande parte de sua vida à realização de seu projeto de “Educação Integral” com o Orfanato de Prévost (Cempius, na França, de 1880-1894) com um modelo de educação cuja preocupação central era o desenvolvimento pleno da criança. Ele acreditava que a curiosidade da criança poderia fazer com que ela buscasse o conhecimento por si mesma. John Dewey 1859 – 1952 Corrente do pragmatismo Filósofo estadunidense que defendia a democracia e a liberdade de pensamento como instrumentos para a formação emocional e intelectual das crianças. Inspirou teorias como o construtivismo e as bases teóricas dos Parâmetros Curriculares Nacionais.
  • 10. Educação Integral Principais referências Célestin Freinet 1896-1966 Anarquismo Pedagogo francês que defendia proposta de ensino baseada na maneira de pensar da criança e de como ela constrói o conhecimento. Para ele, aprender deveria passar pela experiência de vida e isso só seria possível pela ação e o professor atuaria na mediação do trabalho do aluno e da sua realidade. Desenvolveu atividades como as aulas- passeio e os jornais de classe. Anísio Teixeira (1900-1971) Escola Nova Intelectual, educador e escritor brasileiro Personagem central na história da educação no Brasil que nas décadas de 20 e 30 difundiu os pressupostos do movimento da Escola Nova, que tinha como princípio a ênfase no desenvolvimento do intelecto e na capacidade de julgamento, em preferência à memorização. Fundador da Escolas-Parque, em Salvador (1950), instituição que posteriormente inspiraria o modelo dos CIEPS, criados por Darcy Ribeiro nos anos 80.
  • 11. Educação Integral Principais referências Movimento de renovação do ensino, com início na Europa e América do Norte, surgiu no Brasil em 1882, pelas mãos de Rui Barbosa. Exerceu grande influência nas mudanças promovidas no ensino nas décadas de 20 e 30, quando o país passava por uma série de transformações sociais, políticas e econômicas. Ganha impulso em 1932, com o “Manifesto dos pioneiros de 32” com a defesa da universalização da escola pública, laica e gratuita. “Só existirá democracia no Brasil, no dia em que se montar no país a máquina que prepara as democracias. Essa máquina é a escola pública”. (Manifesto dos Pioneiros, 1932). Participaram intelectuais como: Anísio Teixeira, Rui Barbosa, Fernando de Azevedo, Cecília Meireles, Armanda Álvaro Alberto, Darcy Ribeiro, Florestan Movimento Escolanovista 1882 - meados do séc . XX, no Brasil
  • 12. Educação Integral Principais referências  Educador e filósofo  Trabalho de referência na área da educação popular (alfabetização e a conscientização política de jovens e adultos);  Secretário municipal da Educação SP (1989 – 1993) e idealizador do MOVA.  Para ele, “todo ato de educação é um ato político.”  Autor de “Pedagogia do Oprimido”, “Pedagogia da Autonomia” e outras obras estruturantes para um conceito denominado de pedagogia crítica  Sua prática didática fundamentava-se na crença de que o educando é capaz de criar a sua própria educação, fazendo ele próprio o seu caminho, e não seguindo algo previamente construído (contraposição ao que ele chamava de educação bancária, tecnicista e alienante). Paulo Freire (1921-1997) Pedagogia Crítica
  • 13. Educação Integral Panorama nacional: PNE Fontes: Observatório do PNE (março de 2014)/ Datafolha e FIS, 2013 PNE Em 2024, metas: 50% de escolas públicas com matrículas em educação integral 25% das matrículas em educação integral E, mais ainda: é uma realidade presente  63% dos brasileiros, declararam já ter ouvido falar em Educação Integral.  90% dos brasileiros entendem que a educação integral é necessária para o futuro das novas gerações
  • 14. MAS, COMO EFETIVAMENTE TRANSFORMAR NOSSA REDE?  Precisamos reorganizar a política educacional de forma sistêmica e integrada, ao passo do que for possível estrutural e financeiramente  A Educação Integral nos convoca a uma série de reformulações estruturantes.
  • 15.  Envolvimento de todos os segmentos com os valores e propósitos que a embasam  A política deve ser construída colaborativamente pelos diferentes segmentos = papeis e responsabilidades  Comunicação: contínua, objetiva e adequada aos diferentes segmentos  A transparência das informações e decisões deve permear todo o processo  As escolas são responsáveis por pactuar a política com a sua comunidade COMUNICAÇÃO E ALIANÇAS
  • 16.  Os territórios têm inúmeras oportunidades educativas = história e saberes  Aprendizagem = diversidade de oportunidades para além do ambiente escolar  A articulação das oportunidades educativas deve ser programática (intencionalidade e desenvolvimento integral) e, portanto, políticas públicas devem ser integradas ou formuladas  Fortalecimento do tecido associativo entre pessoas e instituições: os tempos da EI pressupõem a articulação “escola e território” EDUCAÇÃO NO TERRITÓRIO
  • 17.  Criação de condições para todos os espaços educativos articulados à política de educação integral  Aspectos centrais: alimentação, cuidados pessoais, transporte, recursos humanos, infraestrutura escolar e urbana = desenvolvimento integral.  O acesso à cidade é direito inalienável na Educação Integral = mobilidade como eixo fundamental  Faixa etária e Acessibilidade  Quadro de funcionários deve atender as novas demandas da EI  Os espaços das escolas devem ser abertos = livre circulação de toda a comunidade INFRAESTRUTURA E RECURSOS
  • 18.  Gestão integrada do programa: diferentes secretarias de governo  A gestão intersetorial = trabalho em rede capaz de desenvolver o planejamento, monitoramento e avaliação do programa, inclusive no financiamento  Integração de serviços e atores locais = redes com vistas ao desenvolvimento integral das pessoas  Mecanismos permanentes de participação da sociedade com o objetivo de validação e legitimação das ações do programa  O programa deve envolver diversos setores da sociedade, tais como: universidades, iniciativa privada, coletivos, movimentos sociais. GESTÃO INTERSETORIAL
  • 19.  Processos de tomada de decisão participativos e transparentes  Participação ativa das famílias e comunidades  Processo educativo centrado no estudante  Integração com o território  Oportunidades educativas diversificadas e integradas ao currículo - novos tempos, espaços, modos, saberes GESTÃO DA ESCOLA
  • 20.  Superação da lógica de turno e contraturno  Perspectiva transversal do conhecimento = desenvolvimento integral  Contextualizado e pertinente (autonomia da escola)  Diferenças integradas na perspectiva da garantia da equidade e do respeito aos Direitos Humanos  Articulação intersetorial e participativa na perspectiva da aprendizagem  Valorizar o conhecimento do educando e das comunidades locais  Relevância das oportunidades educativas na perspectiva dos valores sociais e das habilidades e competências = participação ativa na sociedade contemporânea  Elementos curriculares: áreas do conhecimento + organização da escola, agentes envolvidos, práticas pedagógicas e formas de avaliação CURRÍCULO TRANSVERSAL
  • 21.  Desenvolvimento integral = rede diversificada de agentes educativos envolvendo escolas e comunidades  Reconhecimento e incorporação dos saberes comunitários ao currículo escolar , incorporando novas formas e linguagens  Professores como o articuladores entre os saberes acadêmicos e os comunitários  Educadores devem trabalhar em rede, ancorados pelo PPP da escola – considerando todos os profissionais da escola como parte da Rede de Educadores  Necessidade de profissional responsável por operar a articulação escola-território REDE DE EDUCADORES
  • 22.  Todos os agentes envolvidos no programa devem ter acesso a oportunidades formativas (áreas diferentes – integralidade do desenvolvimento)  Formação deve ser contínua e em serviço, considerando os espaços de planejamento coletivo  Aspectos pedagógicos e de gestão de forma interdependente  O processo de avaliação e monitoramento é parte do processo formativo  Princípios da EI; novas formas de ensinar e aprender, partindo do repertório dos educadores em formação e em diálogo com a realidade local FORMAÇÃO CONTINUADA
  • 23.  Avaliação é processo formativo  Avaliar a EI: qualidade dos processos de ensino-aprendizagem, como também da gestão do programa, da escola e da formação de educadores  Contemplar os diferentes aspectos do desenvolvimento integral do estudante  Precisa considerar tanto os processos quanto os resultados: diagnóstica, contínua e processual, integrante do currículo escolar e dos mecanismos de gestão do programa  A avaliação da aprendizagem deve servir para revisão dos métodos, as estratégias e abordagens utilizados pelo professor: está a serviço da formação do educando e não o inverso AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO
  • 24. Educação Integral Principais programas Programa Mais Educação Ano de criação: 2007 Área de Abrangência: Brasil  Portaria Interministerial nº 17/2007  Ampliação da jornada escolar e reorganização curricular  Processo pedagógico que conecta áreas do saber à cidadania, ao meio ambiente, direitos humanos, cultura, artes, saúde e educação econômica  Considerado uma agenda indutora de uma política de Educação Integral no país  Aumenta a oferta educativa nas escolas públicas por meio de atividades optativas que foram agrupadas em macrocampos (Ex. acompanhamento pedagógico e Comunicação, Uso de Mídias e Cultura Digital e Tecnológica.)  Presente em 60 mil escolas, atendendo 4,4 milhões de crianças e jovens com matrículas em tempo integral
  • 25. Evolução do programa Mais Educação Agenda indutora da educação integral • 65% deles não pensavam ações de educação integral antes do Mais Educação • 84,5% dos territórios onde a implementação do programa gerou uma nova demanda e influenciou o atendimento voltado para a integralidade dos indivíduos • 87,6% dos estados e municípios afirmam ter incluído as diretrizes do Mais Educação no seu planejamento de gestão Teia UFMG, 2014 54 4836 1 2 Municípios 2008 2013
  • 26. Educação Integral Principais programas Cada experiência é sempre única e sempre deve dialogar com as características e necessidades do território. Contudo, estas e outras experiências reúnem algumas perspectivas em comum: Integração escola- comunidade Extensão da jornada escolar Gestão escolar participativa Formação de todos os envolvidos no programa Qualificação dos espaços públicos para fins educacionais Centralidade do estudante

Notas do Editor

  1. Acesse a pesquisa na íntegra: http://fundacaolemann.org.br/novidades/a-visao-dos-professores-sobre-a-educacao-no-brasil
  2. Vale conferir o site todo, mas nos baseamos nos textos da meta 19: http://www.observatoriodopne.org.br/metas-pne/19-gestao-democratica
  3. Começamos a apresentação discutindo o conceito geral de educação integral. Neste slide, vale pontuar o entendimento da rede sobre o tema e a diferenciação entre educação integral e educação em tempo integral
  4. Os próximos slides trarão os princípios orientadores do Educação Integral na Prática. A ideia é que esses dados e conceitos sejam adaptados ao conceito da rede.
  5. O programa de EI pode contribuir com a formação inicial dos professores ao aproximar as escolas das universidades
  6. Produto de trabalho do professor não é a aula, é a aprendizagem do educando
  7. Mais informações ficam disponíveis no site do Ministério: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=16690&Itemid=1115
  8. Este slide mostra dados de evolução do programa. Acesse mais dados neste site: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=21094 e na reportagem: http://educacaointegral.org.br/noticias/seminario-internacional-de-educacao-integral-pesquisadores-apresentam-pesquisa-sobre-mais-educacao/
  9. Cada experiência se deu de uma forma, mas todas reúnem alguns pontos em comum. Além das apresentadas, recomendamos acessar a seção experiências do Centro de Referências em Educação Integral, que detalha programas de diferentes regiões do país: http://educacaointegral.org.br/experiencias/