SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE AMAZONAS
CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE PARINTINS
CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO
Ecoturismo e Conservação dos Recursos Naturais
Turismo em Território Indígena
Planos Municipais de Turismo
Parintins
2011
ACADÊMICOS:
DAVID DAGNAISSER
DEMIAN BENTES
DERMISON SALGADO
LUAN PESSOA
MARLESSON LIMA
ROGER PIMENTEL
ECOTURISMO E CONSERVAÇÃO DOS
RECURSOS NATURAIS
 Evitar a extinção dos ecossistemas naturais é um dos
desafios da humanidade.
 Unidades de conservação UCs.
 Turismo em áreas de conservacão
 Unidades de conservação solução ou problema?
-atividades turísticas podem representar ameaças para
áreas de conservação
-as Ucs são ambientes adequados para desenvolver
ações que formem um cidadão mais consciente de
suas responsabilidades.
- Uma vez criadas e preciso que haja fiscalização.
SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE
CONSERVAÇÃO
 O que SNUC?
 Objetivos da SNUC.
 A SNUC divide as Ucs em dois grupos: unidades
de protecao integral e unidades de uso sustentavel
UNIDADES DE PROTEÇÃO INTEGRAL
- Estação biológica
- Reserva biológica
- Parque nacional
- Monumentos naturais
- Refúgio da vida silvestre
UNIDADES DE USO SUSTENTÁVEL
-área de proteção ambiental
-área de relevante interesse ecológico
-florestas nacionais
-reservas extrativistas
-reserva de fauna
-reserva de desenvolvimento sustentável
CAMPANHAS DE ORGULHO
 Algumas das estratégias de conservação de biomas mais
bem sucessedidos no Brasil e no mundo usam espécies
ameaçadas como símbolo. .
- -WWF.
- -Programa de ecoturismo da associação. Mico-Leão-
Dourado.
- -projeto TAMAR.
- -Instituto baleia jubart.
USO SOCIAL DAS UNIDADES DE
CONSERVAÇÃO
 Práticas sustentáveis como ecoturismo, podem e
devem ser estimuladas nas UCs.
 Exclusão de comunidades tradicionais de suas
terras.
 Cuidados para a conservação da biodiversidade e
com etnoconhecimentos regionais.
TURISMO EM TERRITÓRIO INDÍGENA
 O turismo enquanto prática social e atividade
comercial, pode assumir uma versão étnica.
 Leal (2007) O turismo desenvolvido em terras
indígenas e motivado por interesses direcionados a
cultura dessas comunidades.
 O ecoturismo indígena apresenta como missão
fundamental aprimorar o nível de atividades e bem
estar das populacoes locais, preservar a identidade
cultural e os ecossistemas.
 Rangel (1984) afirma que, mesmo culturalmente
transfiguradas as comunidades indígenas acabam por
assumir uma etnicidade estereotipada.
 Leal (2007) O turismo passou a ser encarado como
uma possibilidade de reforçar a etnicidade local e
promover uma revitalizacao cultural.
ETNODESENVOLVIMENTO, ETNOCONSERVAÇÃO,
TURISMO EM TERRITÓRIO INDÍGENA
 Apesar de a noção de etnodesenvolvimento abranger o
conceito de desenvolvimento sustentável ela e mais
complexa.
 O conceito de etnoconservação deriva segundo Diegues
da necessidade por parte dos povos do sul, em construir
um novo conservacionismo.
 Faria(2005) Princípios fundamentais para o
desenvolvimento do turismo em território indígena.
PERSCEPÇÕES E ESTEREÓTIPOS DO“ ÍNDIO
EXÓTICO” E DO TURISTA NEGOCIADOR
 As representações sociais, apesar de produto da
coletividade, que as transforma em cultura
imaterial, sao singulares e intransferiveis para o
individuo.
 Um grande problema se instaura quando o grupo
passa a criar ou alterar símbolos culturais para
reforçar o inconsciente do turista de que o nativo é
um atrativo.
IMPACTOS POTENCIAIS E DESAFIOS DO TURISMO PARA
AS COMUNIDADES INDÍGENAS
 O pontecial do segmento de turismo étnico no
Brasil e bastante significativo, tendo em vista a
quantidade e a diversidade de culturas,
especialmente dos povos indígenas existentes.
Todavia, rara são as experiências emblemáticas e,
entre elas, poucas iniciativas podem ser
experiências de sucesso (Boxes 11.1, 11.2 e 11.3).
No entanto, elas estão espalhadas por vários
estados do país, com especial concentração na
região amazônica.
 A introdução do turismo em terras indígenas gera
intercâmbio cultural e perspectiva negativa para a
estrutura , organização e cultura das comunidades
indígenas.
 Existem vários riscos e conseqüências nas
comunidades indígenas ao introduzir o turismo por isso
deve haver o planejamento e o estudo para previsão e
antecipação de possíveis riscos.
 Os impactos econômicos e influencia dos visitantes
altera o comportamento da comunidade promovendo,
por exemplo, migração e proibição ou abandono de
atividades tradicionais(Brandon, 1996, apud Luíndia,
2008).
 Batista(2005), também alerta para a possibilidade de
modificação da cultura, apontando os riscos de
descaracterização de uma manifestação originalmente
espontânea, inventando manifestações culturais para
se mostrar ao turista.
 Os impactos problemáticos podem ser reduzidos se a
comunidade tiver coesão social e capacitação e
estiverem envolvida desde a implantação até execução
do turismo em suas terras.
 Diante de tudo isso deve haver o diálogo e
planejamento para constatar se realmente o turismo e
seus impactos será vantajoso e um bom benefício para
a comunidade não apenas a invasão de estrangeiros.
PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA DO ECOTURISMO
NO TERRITÓRIO INDÍGENA
 Os indígenas através de organização em
sociedade podem ser seus próprios comandantes
no desenvolvimento turístico em suas próprias
terras. Mesmo havendo vários riscos e uma auto-
previsão de fatos negativos pode-se ter um grande
êxito no ecoturismo indígena se houver a união e a
total participação das comunidades, sendo elas
instruídas pelas previsões de riscos e benefícios.
Havendo o respeito e a valorização entre os índios
de suas tradições e sua cultura antepassada
poderá haver um retorno positivo nos projetos de
inserção do turismo indígenas nas comunidades.
PLANOS MUNICIPAIS DE TURISMO
 O turismo é um fenômeno social e econômico
considerável importante no desenvolvimento da
sociedade.
 O planejamento turístico e um processo racional de
tomada de decisões.
 Afirma esse relatório que o crescimento econômico
sem melhoria da qualidade de vida das
sociedades.
 Reconhece também, ser possivel, fazer esse
desenvolvimento sem com isso destruir os
recursos naturais.
SUSTENTABILIDADE ESTA ASSOCIADO A
CAPACIDADE DE RECOMPOSIÇÃO E REGENARAÇÃO
DO ECOSSITEMAS
 Conceitos de distintas dimensões.
 Sustentabilidade ecológica
 Sustentabilidade ambiental
 Sustentabilidade social
 Sustentabilidade política
 Sustentabilidade econômica
 Gestão ambiental – conjunto de princípios,
estratégias e diretrizes de ações e procedimentos
para proteger a integridade dos meios físico e
biótico.
 Gestão dos recursos naturais particularidade da
gestão ambiental.
 Gestão integrada dos recursos naturais: conjunto
de ações de natureza admistrativa.
 Para a elaboração de planos desta natureza, os
conceitos básicos de: espaço, território, lugar, turismo
e desenvolvimento local.
 Milton Santos analisa a correspondêcia do espaço e
as bases do turismo.
 Os elementos do espaço são os homens, as firmas,
as intituições e as infra-estruturas.
 Território – corresponde a frações funcionarios do
espaço.
FORAM AS SEGUINTES AS PREMISSAS
PRIORIDADES PARA A ELABORACÃO DE UM PLANO
MUNICIPAL TURÍSTICO:
 1-Da definicao do conceito de ecossitema e patrimônio
histórico.
 2-do controle dos impactos negativos.
 3- do encorajamento das práticas corretas
 A) construído em locais apropriados
 B)em forma adequada, lugar e localidade.
 C)uso de materiais reciclados na construção
 D) minimizar o máximo possível os recursos naturais e a
cultura local.
 4 - da manutenção de um senso de proporção
 5 – do despertar da cosnciencia entre turistas e o trade
turístico.
 6 – do principio da manutenção de um equilíbrio entre a
consciência e o desenvolvimento .
 Para a OEA, o turista é um migrante. De La Torre afirmou que
o turismo é
(…)um fenômeno social que consiste no deslocamento
voluntário e temporário de indivíduos que fundamentalmente
por motivo de recreação, descanço, cultura ou saúde, sai de
seu local habitual para o outro, no qual não exercem nenhuma
atividade lucrativa nem remunerada.
 Andrade (1995, p.26). Segundo ele o turista é
(…) a pessoa que, livre e expontânea por periodo limitado, viaja
for a do local de sua residência, afim de exercer ações que,
classificam-se em alguns tipos, das modalidades e das formas
de turismo.
CONCEITO DE LUGAR E PAISAGEM
 O lugar, alem de suporte é uma base conceitual
para a compreensão do fenômeno turístico.
 Para SANTOS (1994), “lugar é a extensão e o
acontecer homogêneo e do acontecer solidário e
se caracteriza pela própria configuração territorial,
pelas normas, organizações no regime de
regulação”
 O Comitê Econômico Social das Comunidades
Européias define o desenvolvimento local “como o
processo da economia e dinamizador da sociedade
local mediante o aproveitamento eficiente dos
recursos.
LOCAL
 Quaisquer lugares homogêneos com potencialidades
para o desenvolvimento do turismo como:
- Comunidades, cidades, municípios e regiões etc.
 Para que isso aconteca de forma integrada com o
planejamento pensado pelo poder público será
importante que esta política aumente a consciência da
população no que se refere a qualidade do ambiente e
a sua conservação, considere os impactos ambientais e
socio-econômicos das atividades do turismo na região de
modo a evitar, ou reduzir tanto quanto possível, os
efeitos negativos , reforçando os pontos positivos,
promova as culturas locais visando a promoção de
benefícios e oportunidades para as comunidades locais.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
 Ecoturismo e conservacao dos recursos naturais.
O ecoturismo como recurso mais viável para prática do
desenvolvimento sustentável aliando a preservação do
meio ambiente com o desenvolvimento humano.
 Turismo em território indígena
 Planos Municipais de Turismo
Para a reflexão e elaboração de um plano municipal
turístico as ações estratégicas desta natureza precisam
ser integrada com o poder público, pois é importante a
participação política no aumento da consciência da
população no que se refere a qualidade do ambiente e
sua preservação na implantação do turismo com base
local.
OBRIGADO PELA ATENÇÃO
REFERÊNCIAS
NEIMAN, Zysman; PATRICIO, Raquel Formaggio.
Ecoturismo e conservacao de recursos naturais In::
NEIMAN Zysman: RUBINOVICI, Andreuia (Orgs). Turismo
e meio ambiente no Brasil, SP: Manole. 2010
Juliano, thiago, rabinovic. Turismo em territorio
indigena. Jn: NEIMAN, LISMAN, RABINOVIC, ANDREA.
TURISMO E MEIO AMBIENTE NO BRASIL. BARUERI,
SP:MANOLE, 2010
MARIANE, MILTON. PLANOS MUNICIPAIS DE TURISMO
NO BRASIL. IN: SEABRE, GIOVANNII(ORG). TURISMO
DE BASE LOCAL. IDENTIDADE CULTURAL E
DESEMVOLVIMENTO REGIONAL. JAOA PESSOA.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ecoturismo
EcoturismoEcoturismo
Ecoturismo
Aristides Faria
 
Turismo e desenvolvimento sustentável
Turismo e desenvolvimento sustentávelTurismo e desenvolvimento sustentável
Turismo e desenvolvimento sustentável
CarlosAlbertoMaio
 
Artigo53
Artigo53Artigo53
Artigo53
Livia Vizza
 
Turismo sustentável rui pires
Turismo sustentável rui piresTurismo sustentável rui pires
Turismo sustentável rui pires
Rui Ferreira Gomes Lourenço Pires
 
Turismo sustentável slides (2)
Turismo sustentável slides (2)Turismo sustentável slides (2)
Turismo sustentável slides (2)
rosaband
 
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09
Aristides Faria
 
Ecoturismo
EcoturismoEcoturismo
Artigo consensuando vi conecotur 2007
Artigo consensuando vi conecotur 2007Artigo consensuando vi conecotur 2007
Artigo consensuando vi conecotur 2007
AlexandrePedrini
 
Sementes de conhecimento
Sementes de conhecimentoSementes de conhecimento
Sementes de conhecimento
José André
 
Slide Do Artigo Prof Clara
Slide Do Artigo Prof ClaraSlide Do Artigo Prof Clara
Slide Do Artigo Prof Clara
Patrícia Ventura
 
Criterios turismo sustentavel
Criterios turismo sustentavelCriterios turismo sustentavel
Criterios turismo sustentavel
lcoliveira90
 
Sustentabilidade do turismo_concluido
Sustentabilidade do turismo_concluidoSustentabilidade do turismo_concluido
Sustentabilidade do turismo_concluido
mariajosantos
 
Hospitalidade: meio para educacao ambiental
Hospitalidade: meio para educacao ambientalHospitalidade: meio para educacao ambiental
Hospitalidade: meio para educacao ambiental
Aristides Faria
 
desenvolvimento sustentavel do turismo
 desenvolvimento sustentavel do turismo  desenvolvimento sustentavel do turismo
desenvolvimento sustentavel do turismo
Karlla Costa
 
Plano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PB
Plano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PBPlano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PB
Plano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PB
Caah Kowalczyk
 
Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...
Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...
Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...
CIDAADS
 
Turismo sustentável: utopia ou realidade?
Turismo sustentável: utopia ou realidade?Turismo sustentável: utopia ou realidade?
Turismo sustentável: utopia ou realidade?
Cláudio Carneiro
 
Gestão Pública: aula 08
Gestão Pública: aula 08Gestão Pública: aula 08
Gestão Pública: aula 08
Aristides Faria
 
A educação ambiental no ecoturismo brasileiro xentbl27042007
A educação ambiental no ecoturismo brasileiro xentbl27042007 A educação ambiental no ecoturismo brasileiro xentbl27042007
A educação ambiental no ecoturismo brasileiro xentbl27042007
AlexandrePedrini
 

Mais procurados (19)

Ecoturismo
EcoturismoEcoturismo
Ecoturismo
 
Turismo e desenvolvimento sustentável
Turismo e desenvolvimento sustentávelTurismo e desenvolvimento sustentável
Turismo e desenvolvimento sustentável
 
Artigo53
Artigo53Artigo53
Artigo53
 
Turismo sustentável rui pires
Turismo sustentável rui piresTurismo sustentável rui pires
Turismo sustentável rui pires
 
Turismo sustentável slides (2)
Turismo sustentável slides (2)Turismo sustentável slides (2)
Turismo sustentável slides (2)
 
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09
 
Ecoturismo
EcoturismoEcoturismo
Ecoturismo
 
Artigo consensuando vi conecotur 2007
Artigo consensuando vi conecotur 2007Artigo consensuando vi conecotur 2007
Artigo consensuando vi conecotur 2007
 
Sementes de conhecimento
Sementes de conhecimentoSementes de conhecimento
Sementes de conhecimento
 
Slide Do Artigo Prof Clara
Slide Do Artigo Prof ClaraSlide Do Artigo Prof Clara
Slide Do Artigo Prof Clara
 
Criterios turismo sustentavel
Criterios turismo sustentavelCriterios turismo sustentavel
Criterios turismo sustentavel
 
Sustentabilidade do turismo_concluido
Sustentabilidade do turismo_concluidoSustentabilidade do turismo_concluido
Sustentabilidade do turismo_concluido
 
Hospitalidade: meio para educacao ambiental
Hospitalidade: meio para educacao ambientalHospitalidade: meio para educacao ambiental
Hospitalidade: meio para educacao ambiental
 
desenvolvimento sustentavel do turismo
 desenvolvimento sustentavel do turismo  desenvolvimento sustentavel do turismo
desenvolvimento sustentavel do turismo
 
Plano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PB
Plano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PBPlano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PB
Plano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PB
 
Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...
Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...
Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...
 
Turismo sustentável: utopia ou realidade?
Turismo sustentável: utopia ou realidade?Turismo sustentável: utopia ou realidade?
Turismo sustentável: utopia ou realidade?
 
Gestão Pública: aula 08
Gestão Pública: aula 08Gestão Pública: aula 08
Gestão Pública: aula 08
 
A educação ambiental no ecoturismo brasileiro xentbl27042007
A educação ambiental no ecoturismo brasileiro xentbl27042007 A educação ambiental no ecoturismo brasileiro xentbl27042007
A educação ambiental no ecoturismo brasileiro xentbl27042007
 

Destaque

Sustentabilidade no Ecoturismo
Sustentabilidade no EcoturismoSustentabilidade no Ecoturismo
Sustentabilidade no Ecoturismo
FeliPinheiro
 
Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)
Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)
Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)
Aristides Faria
 
Manual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São Paulo
Manual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São PauloManual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São Paulo
Manual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São Paulo
Chico Macena
 
Ecoturismo
EcoturismoEcoturismo
Ecoturismo
MMA_FER
 
Ecoturismo
EcoturismoEcoturismo
Ecoturismo
ReitaMiku
 
Ecoturismo
EcoturismoEcoturismo
Ecoturismo
adalbertonavarro
 
Riscos naturais
Riscos naturaisRiscos naturais
Riscos naturais
Mayjö .
 
Formação do território brasileiro 1
Formação do território brasileiro 1Formação do território brasileiro 1
Formação do território brasileiro 1
AlessandroRubens
 
Regionalização do Brasil (IBGE)
Regionalização do Brasil (IBGE)Regionalização do Brasil (IBGE)
Regionalização do Brasil (IBGE)
paulotmo
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
André Luiz Marques
 
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIROLOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
DANUBIA ZANOTELLI
 

Destaque (11)

Sustentabilidade no Ecoturismo
Sustentabilidade no EcoturismoSustentabilidade no Ecoturismo
Sustentabilidade no Ecoturismo
 
Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)
Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)
Aula inaugural de Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao)
 
Manual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São Paulo
Manual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São PauloManual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São Paulo
Manual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São Paulo
 
Ecoturismo
EcoturismoEcoturismo
Ecoturismo
 
Ecoturismo
EcoturismoEcoturismo
Ecoturismo
 
Ecoturismo
EcoturismoEcoturismo
Ecoturismo
 
Riscos naturais
Riscos naturaisRiscos naturais
Riscos naturais
 
Formação do território brasileiro 1
Formação do território brasileiro 1Formação do território brasileiro 1
Formação do território brasileiro 1
 
Regionalização do Brasil (IBGE)
Regionalização do Brasil (IBGE)Regionalização do Brasil (IBGE)
Regionalização do Brasil (IBGE)
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
 
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIROLOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
 

Semelhante a Ecoturismo e Conservação dos Recursos Naturais, Turismo em Território Indígena, Planos Municipais de Turismo.

8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf
8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf
8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf
HianaBrito1
 
Fundamentos do Turismo (I): aula 04
Fundamentos do Turismo (I): aula 04Fundamentos do Turismo (I): aula 04
Fundamentos do Turismo (I): aula 04
Aristides Faria
 
Plano de Marketing - Ecotel Adventure
Plano de Marketing - Ecotel AdventurePlano de Marketing - Ecotel Adventure
Plano de Marketing - Ecotel Adventure
Fernando Alves
 
Texto 4 turismo sustentavel
Texto 4   turismo sustentavelTexto 4   turismo sustentavel
Texto 4 turismo sustentavel
Karlla Costa
 
Atividades De Lazer - Meio para Educacao Ambiental
Atividades De Lazer   - Meio para Educacao AmbientalAtividades De Lazer   - Meio para Educacao Ambiental
Atividades De Lazer - Meio para Educacao Ambiental
Aristides Faria
 
Educacion para la salud
Educacion para la saludEducacion para la salud
Educacion para la salud
Danielitaa Torres Celi
 
Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016
Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016
Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016
EcoHospedagem
 
Slide meio-ambiente-derlon
Slide meio-ambiente-derlonSlide meio-ambiente-derlon
Slide meio-ambiente-derlon
pipcbc
 
Slide meio-ambiente-derlon
Slide meio-ambiente-derlonSlide meio-ambiente-derlon
Slide meio-ambiente-derlon
derlonpipcbc
 
Meio Ambiente
Meio AmbienteMeio Ambiente
Meio Ambiente
pipcbc
 
Meio Ambiente
Meio AmbienteMeio Ambiente
Meio Ambiente
pipcbc
 
MEIO AMBIENTE
MEIO AMBIENTEMEIO AMBIENTE
MEIO AMBIENTE
pipcbc
 
Meio Ambiente
Meio AmbienteMeio Ambiente
Meio Ambiente
pipcbc
 
Interesses, PP e o desenvolvimento da at. turística
Interesses, PP e o desenvolvimento da at. turísticaInteresses, PP e o desenvolvimento da at. turística
Interesses, PP e o desenvolvimento da at. turística
Carolina Matos
 
Artigo sociedade e natureza
Artigo sociedade e naturezaArtigo sociedade e natureza
Artigo sociedade e natureza
flaviapedron36
 
Turismo de base_comunitaria_em_uc_2017
Turismo de base_comunitaria_em_uc_2017Turismo de base_comunitaria_em_uc_2017
Turismo de base_comunitaria_em_uc_2017
Suzi Marcuzzo
 
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidadeO turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
Fernando Zornitta
 
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidadeO turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
Fernando Zornitta
 
Turismo Sustentável
Turismo SustentávelTurismo Sustentável
Turismo Sustentável
praticas_sustentabilidade
 
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)
Aristides Faria
 

Semelhante a Ecoturismo e Conservação dos Recursos Naturais, Turismo em Território Indígena, Planos Municipais de Turismo. (20)

8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf
8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf
8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf
 
Fundamentos do Turismo (I): aula 04
Fundamentos do Turismo (I): aula 04Fundamentos do Turismo (I): aula 04
Fundamentos do Turismo (I): aula 04
 
Plano de Marketing - Ecotel Adventure
Plano de Marketing - Ecotel AdventurePlano de Marketing - Ecotel Adventure
Plano de Marketing - Ecotel Adventure
 
Texto 4 turismo sustentavel
Texto 4   turismo sustentavelTexto 4   turismo sustentavel
Texto 4 turismo sustentavel
 
Atividades De Lazer - Meio para Educacao Ambiental
Atividades De Lazer   - Meio para Educacao AmbientalAtividades De Lazer   - Meio para Educacao Ambiental
Atividades De Lazer - Meio para Educacao Ambiental
 
Educacion para la salud
Educacion para la saludEducacion para la salud
Educacion para la salud
 
Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016
Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016
Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016
 
Slide meio-ambiente-derlon
Slide meio-ambiente-derlonSlide meio-ambiente-derlon
Slide meio-ambiente-derlon
 
Slide meio-ambiente-derlon
Slide meio-ambiente-derlonSlide meio-ambiente-derlon
Slide meio-ambiente-derlon
 
Meio Ambiente
Meio AmbienteMeio Ambiente
Meio Ambiente
 
Meio Ambiente
Meio AmbienteMeio Ambiente
Meio Ambiente
 
MEIO AMBIENTE
MEIO AMBIENTEMEIO AMBIENTE
MEIO AMBIENTE
 
Meio Ambiente
Meio AmbienteMeio Ambiente
Meio Ambiente
 
Interesses, PP e o desenvolvimento da at. turística
Interesses, PP e o desenvolvimento da at. turísticaInteresses, PP e o desenvolvimento da at. turística
Interesses, PP e o desenvolvimento da at. turística
 
Artigo sociedade e natureza
Artigo sociedade e naturezaArtigo sociedade e natureza
Artigo sociedade e natureza
 
Turismo de base_comunitaria_em_uc_2017
Turismo de base_comunitaria_em_uc_2017Turismo de base_comunitaria_em_uc_2017
Turismo de base_comunitaria_em_uc_2017
 
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidadeO turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
 
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidadeO turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
 
Turismo Sustentável
Turismo SustentávelTurismo Sustentável
Turismo Sustentável
 
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)
 

Mais de Roger Pimentel

Hahnemann bacelar - História da Arte na Amazônia
Hahnemann bacelar - História da Arte na AmazôniaHahnemann bacelar - História da Arte na Amazônia
Hahnemann bacelar - História da Arte na Amazônia
Roger Pimentel
 
Orlando Brito - Introdução a Fotografia
Orlando Brito - Introdução a FotografiaOrlando Brito - Introdução a Fotografia
Orlando Brito - Introdução a Fotografia
Roger Pimentel
 
Pablo Picasso e o Cubismo.
Pablo Picasso e o Cubismo.Pablo Picasso e o Cubismo.
Pablo Picasso e o Cubismo.
Roger Pimentel
 
Construtivismo - Escultura no Construtivismo
Construtivismo - Escultura no ConstrutivismoConstrutivismo - Escultura no Construtivismo
Construtivismo - Escultura no Construtivismo
Roger Pimentel
 
Teoria da percepção
Teoria da percepção Teoria da percepção
Teoria da percepção
Roger Pimentel
 
Positivismo de Augusto Comte
Positivismo de Augusto ComtePositivismo de Augusto Comte
Positivismo de Augusto Comte
Roger Pimentel
 
Arquitetura barroca - História da Arte
Arquitetura barroca - História da ArteArquitetura barroca - História da Arte
Arquitetura barroca - História da Arte
Roger Pimentel
 
Impressão Offset
Impressão Offset Impressão Offset
Impressão Offset
Roger Pimentel
 

Mais de Roger Pimentel (8)

Hahnemann bacelar - História da Arte na Amazônia
Hahnemann bacelar - História da Arte na AmazôniaHahnemann bacelar - História da Arte na Amazônia
Hahnemann bacelar - História da Arte na Amazônia
 
Orlando Brito - Introdução a Fotografia
Orlando Brito - Introdução a FotografiaOrlando Brito - Introdução a Fotografia
Orlando Brito - Introdução a Fotografia
 
Pablo Picasso e o Cubismo.
Pablo Picasso e o Cubismo.Pablo Picasso e o Cubismo.
Pablo Picasso e o Cubismo.
 
Construtivismo - Escultura no Construtivismo
Construtivismo - Escultura no ConstrutivismoConstrutivismo - Escultura no Construtivismo
Construtivismo - Escultura no Construtivismo
 
Teoria da percepção
Teoria da percepção Teoria da percepção
Teoria da percepção
 
Positivismo de Augusto Comte
Positivismo de Augusto ComtePositivismo de Augusto Comte
Positivismo de Augusto Comte
 
Arquitetura barroca - História da Arte
Arquitetura barroca - História da ArteArquitetura barroca - História da Arte
Arquitetura barroca - História da Arte
 
Impressão Offset
Impressão Offset Impressão Offset
Impressão Offset
 

Último

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 

Último (20)

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 

Ecoturismo e Conservação dos Recursos Naturais, Turismo em Território Indígena, Planos Municipais de Turismo.

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DE AMAZONAS CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE PARINTINS CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO Ecoturismo e Conservação dos Recursos Naturais Turismo em Território Indígena Planos Municipais de Turismo Parintins 2011
  • 2. ACADÊMICOS: DAVID DAGNAISSER DEMIAN BENTES DERMISON SALGADO LUAN PESSOA MARLESSON LIMA ROGER PIMENTEL
  • 3. ECOTURISMO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS
  • 4.  Evitar a extinção dos ecossistemas naturais é um dos desafios da humanidade.  Unidades de conservação UCs.  Turismo em áreas de conservacão  Unidades de conservação solução ou problema? -atividades turísticas podem representar ameaças para áreas de conservação -as Ucs são ambientes adequados para desenvolver ações que formem um cidadão mais consciente de suas responsabilidades. - Uma vez criadas e preciso que haja fiscalização.
  • 5. SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO  O que SNUC?  Objetivos da SNUC.  A SNUC divide as Ucs em dois grupos: unidades de protecao integral e unidades de uso sustentavel
  • 6. UNIDADES DE PROTEÇÃO INTEGRAL - Estação biológica - Reserva biológica - Parque nacional - Monumentos naturais - Refúgio da vida silvestre
  • 7. UNIDADES DE USO SUSTENTÁVEL -área de proteção ambiental -área de relevante interesse ecológico -florestas nacionais -reservas extrativistas -reserva de fauna -reserva de desenvolvimento sustentável
  • 8. CAMPANHAS DE ORGULHO  Algumas das estratégias de conservação de biomas mais bem sucessedidos no Brasil e no mundo usam espécies ameaçadas como símbolo. . - -WWF. - -Programa de ecoturismo da associação. Mico-Leão- Dourado. - -projeto TAMAR. - -Instituto baleia jubart.
  • 9.
  • 10. USO SOCIAL DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO  Práticas sustentáveis como ecoturismo, podem e devem ser estimuladas nas UCs.  Exclusão de comunidades tradicionais de suas terras.  Cuidados para a conservação da biodiversidade e com etnoconhecimentos regionais.
  • 12.  O turismo enquanto prática social e atividade comercial, pode assumir uma versão étnica.  Leal (2007) O turismo desenvolvido em terras indígenas e motivado por interesses direcionados a cultura dessas comunidades.  O ecoturismo indígena apresenta como missão fundamental aprimorar o nível de atividades e bem estar das populacoes locais, preservar a identidade cultural e os ecossistemas.
  • 13.  Rangel (1984) afirma que, mesmo culturalmente transfiguradas as comunidades indígenas acabam por assumir uma etnicidade estereotipada.  Leal (2007) O turismo passou a ser encarado como uma possibilidade de reforçar a etnicidade local e promover uma revitalizacao cultural.
  • 14. ETNODESENVOLVIMENTO, ETNOCONSERVAÇÃO, TURISMO EM TERRITÓRIO INDÍGENA  Apesar de a noção de etnodesenvolvimento abranger o conceito de desenvolvimento sustentável ela e mais complexa.  O conceito de etnoconservação deriva segundo Diegues da necessidade por parte dos povos do sul, em construir um novo conservacionismo.  Faria(2005) Princípios fundamentais para o desenvolvimento do turismo em território indígena.
  • 15. PERSCEPÇÕES E ESTEREÓTIPOS DO“ ÍNDIO EXÓTICO” E DO TURISTA NEGOCIADOR  As representações sociais, apesar de produto da coletividade, que as transforma em cultura imaterial, sao singulares e intransferiveis para o individuo.  Um grande problema se instaura quando o grupo passa a criar ou alterar símbolos culturais para reforçar o inconsciente do turista de que o nativo é um atrativo.
  • 16. IMPACTOS POTENCIAIS E DESAFIOS DO TURISMO PARA AS COMUNIDADES INDÍGENAS  O pontecial do segmento de turismo étnico no Brasil e bastante significativo, tendo em vista a quantidade e a diversidade de culturas, especialmente dos povos indígenas existentes. Todavia, rara são as experiências emblemáticas e, entre elas, poucas iniciativas podem ser experiências de sucesso (Boxes 11.1, 11.2 e 11.3). No entanto, elas estão espalhadas por vários estados do país, com especial concentração na região amazônica.
  • 17.  A introdução do turismo em terras indígenas gera intercâmbio cultural e perspectiva negativa para a estrutura , organização e cultura das comunidades indígenas.  Existem vários riscos e conseqüências nas comunidades indígenas ao introduzir o turismo por isso deve haver o planejamento e o estudo para previsão e antecipação de possíveis riscos.  Os impactos econômicos e influencia dos visitantes altera o comportamento da comunidade promovendo, por exemplo, migração e proibição ou abandono de atividades tradicionais(Brandon, 1996, apud Luíndia, 2008).  Batista(2005), também alerta para a possibilidade de modificação da cultura, apontando os riscos de descaracterização de uma manifestação originalmente espontânea, inventando manifestações culturais para se mostrar ao turista.
  • 18.  Os impactos problemáticos podem ser reduzidos se a comunidade tiver coesão social e capacitação e estiverem envolvida desde a implantação até execução do turismo em suas terras.  Diante de tudo isso deve haver o diálogo e planejamento para constatar se realmente o turismo e seus impactos será vantajoso e um bom benefício para a comunidade não apenas a invasão de estrangeiros.
  • 19. PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA DO ECOTURISMO NO TERRITÓRIO INDÍGENA  Os indígenas através de organização em sociedade podem ser seus próprios comandantes no desenvolvimento turístico em suas próprias terras. Mesmo havendo vários riscos e uma auto- previsão de fatos negativos pode-se ter um grande êxito no ecoturismo indígena se houver a união e a total participação das comunidades, sendo elas instruídas pelas previsões de riscos e benefícios. Havendo o respeito e a valorização entre os índios de suas tradições e sua cultura antepassada poderá haver um retorno positivo nos projetos de inserção do turismo indígenas nas comunidades.
  • 20. PLANOS MUNICIPAIS DE TURISMO  O turismo é um fenômeno social e econômico considerável importante no desenvolvimento da sociedade.  O planejamento turístico e um processo racional de tomada de decisões.  Afirma esse relatório que o crescimento econômico sem melhoria da qualidade de vida das sociedades.  Reconhece também, ser possivel, fazer esse desenvolvimento sem com isso destruir os recursos naturais.
  • 21. SUSTENTABILIDADE ESTA ASSOCIADO A CAPACIDADE DE RECOMPOSIÇÃO E REGENARAÇÃO DO ECOSSITEMAS  Conceitos de distintas dimensões.  Sustentabilidade ecológica  Sustentabilidade ambiental  Sustentabilidade social  Sustentabilidade política  Sustentabilidade econômica
  • 22.  Gestão ambiental – conjunto de princípios, estratégias e diretrizes de ações e procedimentos para proteger a integridade dos meios físico e biótico.  Gestão dos recursos naturais particularidade da gestão ambiental.  Gestão integrada dos recursos naturais: conjunto de ações de natureza admistrativa.
  • 23.  Para a elaboração de planos desta natureza, os conceitos básicos de: espaço, território, lugar, turismo e desenvolvimento local.  Milton Santos analisa a correspondêcia do espaço e as bases do turismo.  Os elementos do espaço são os homens, as firmas, as intituições e as infra-estruturas.  Território – corresponde a frações funcionarios do espaço.
  • 24. FORAM AS SEGUINTES AS PREMISSAS PRIORIDADES PARA A ELABORACÃO DE UM PLANO MUNICIPAL TURÍSTICO:  1-Da definicao do conceito de ecossitema e patrimônio histórico.  2-do controle dos impactos negativos.  3- do encorajamento das práticas corretas  A) construído em locais apropriados  B)em forma adequada, lugar e localidade.  C)uso de materiais reciclados na construção  D) minimizar o máximo possível os recursos naturais e a cultura local.
  • 25.  4 - da manutenção de um senso de proporção  5 – do despertar da cosnciencia entre turistas e o trade turístico.  6 – do principio da manutenção de um equilíbrio entre a consciência e o desenvolvimento .  Para a OEA, o turista é um migrante. De La Torre afirmou que o turismo é (…)um fenômeno social que consiste no deslocamento voluntário e temporário de indivíduos que fundamentalmente por motivo de recreação, descanço, cultura ou saúde, sai de seu local habitual para o outro, no qual não exercem nenhuma atividade lucrativa nem remunerada.  Andrade (1995, p.26). Segundo ele o turista é (…) a pessoa que, livre e expontânea por periodo limitado, viaja for a do local de sua residência, afim de exercer ações que, classificam-se em alguns tipos, das modalidades e das formas de turismo.
  • 26. CONCEITO DE LUGAR E PAISAGEM  O lugar, alem de suporte é uma base conceitual para a compreensão do fenômeno turístico.  Para SANTOS (1994), “lugar é a extensão e o acontecer homogêneo e do acontecer solidário e se caracteriza pela própria configuração territorial, pelas normas, organizações no regime de regulação”  O Comitê Econômico Social das Comunidades Européias define o desenvolvimento local “como o processo da economia e dinamizador da sociedade local mediante o aproveitamento eficiente dos recursos.
  • 27. LOCAL  Quaisquer lugares homogêneos com potencialidades para o desenvolvimento do turismo como: - Comunidades, cidades, municípios e regiões etc.
  • 28.  Para que isso aconteca de forma integrada com o planejamento pensado pelo poder público será importante que esta política aumente a consciência da população no que se refere a qualidade do ambiente e a sua conservação, considere os impactos ambientais e socio-econômicos das atividades do turismo na região de modo a evitar, ou reduzir tanto quanto possível, os efeitos negativos , reforçando os pontos positivos, promova as culturas locais visando a promoção de benefícios e oportunidades para as comunidades locais.
  • 29. CONSIDERAÇÕES FINAIS  Ecoturismo e conservacao dos recursos naturais. O ecoturismo como recurso mais viável para prática do desenvolvimento sustentável aliando a preservação do meio ambiente com o desenvolvimento humano.  Turismo em território indígena  Planos Municipais de Turismo Para a reflexão e elaboração de um plano municipal turístico as ações estratégicas desta natureza precisam ser integrada com o poder público, pois é importante a participação política no aumento da consciência da população no que se refere a qualidade do ambiente e sua preservação na implantação do turismo com base local.
  • 31. REFERÊNCIAS NEIMAN, Zysman; PATRICIO, Raquel Formaggio. Ecoturismo e conservacao de recursos naturais In:: NEIMAN Zysman: RUBINOVICI, Andreuia (Orgs). Turismo e meio ambiente no Brasil, SP: Manole. 2010 Juliano, thiago, rabinovic. Turismo em territorio indigena. Jn: NEIMAN, LISMAN, RABINOVIC, ANDREA. TURISMO E MEIO AMBIENTE NO BRASIL. BARUERI, SP:MANOLE, 2010 MARIANE, MILTON. PLANOS MUNICIPAIS DE TURISMO NO BRASIL. IN: SEABRE, GIOVANNII(ORG). TURISMO DE BASE LOCAL. IDENTIDADE CULTURAL E DESEMVOLVIMENTO REGIONAL. JAOA PESSOA.