SlideShare uma empresa Scribd logo
ECG antes, durante e
depois da anestesia.
   Bruno Abreu de Oliveira
Definição
• O Eletrocardiograma
  (ECG) é o registro
  gráfico da voltagem
  produzida pelas
  células do miocárdio
  durante sua
  despolarização-
  repolarização.
A Condução elétrica e o
  Eletrocardiograma
Técnica
Principais Funções do ECG
• Avalia a função elétrica do coração.
  – Arritmias Cardíacas.
  – Distúrbios de condução.
  – Aumento de volume de câmaras (60% de
    sensibilidade).
  – Síndromes isquêmicas.
  – Auxiliar no diagnóstico de doenças do
    pericárdio.
  – Desequilíbrios eletrolíticos.
Quando utilizar o ECG no
 exame pré operatório?
Avaliação Pré-Anestésica
Classificação           Descrição                              Exemplos
    ASA
      I         Aparentemente hígido          Procedimentos eletivos (OSH, orquiectomia).

     II         Doença Sistêmica Leve         Neonatos e geriátricos (≤ 8 semanas ou ≥ 10 anos);
                                              gestantes, obesos, cardiopatas compensados,
                                              infecções localizadas.

     III        Doença Sistêmica Moderada     Desidratação moderada e hipovolemia, anorexia,
                                              caquexia, anemias, fraturas complicadas, hérnia
                                              diafragmática, pneumotórax.

     IV         Doença Sistêmica Grave        Choque, uremia, toxemia, desidratação grave,
                                              hipovolemia, anemia grave, síndrome torção-
                                              dilatação gástrica, doenças cardíacas e renais
                                              descompensadas.

     V          Moribundos sem expectativa    Doença de múltiplos órgãos, choques, traumas
                                              cranianos.
                de sobrevivência, com ou
                sem cirurgia nas 24 horas.
     E          Emergências (Acrescentada
                ao estado físico ASA I a V)
Sugestão de Solicitação de
          Exames pré anestésicos
                                                 Idade
Estado Físico - ASA   Até 6 meses                      6 meses a 6 anos               Acima de 6 anos

I e II                Hematócrito, prioteína e         Hematócrito, proteína e        Hematócrito, proteína,
                      glicemia                         função renal                   função renal e urinálise.

III                   Hemograma, proteína,             Hemograma, ECG,                Hemograma, ECG,
                      gliucemia, função renal, pH,     glicemia, função renal,        glicemia, função renal,
                      gasometria e urinálise           função hepática,               função hepática, eletrólitos
                                                       gasometria e urináluise.       (Na, K, Ca), gasometria e
                                                                                      urinálise.

IV e V                Hemograma, ECG, glicemia,        Hemograma, ECG,                Hemograma, ECG,
                      função renal, função hepática,   glicemia, função renal,        glicemia, função renal,
                      eletrólitos (NA,K,Ca),           função hepática, eletrólitos   função hepática, eletrólitos
                      gasometria e urinálise.          (NA,K,Ca), gasometria e        (NA,K,Ca), gasometria e
                                                       urinálise.                     urinálise.


 Fonte: HOVET – FMVZ - USP
Incidência de alterações
eletrocardiográficas pré anestésicas.
 • Rabelo (2004)
              65% apresentaram alterações
              eletrocardiográficas.

 • Carvalho et al (2009)
               n=474 cães
               46% apresentaram alterações
               eletrocardiográficas.
Risco Anestésico
• Miller (1989)
  – 41% dos óbitos em pacientes ASA I e ASA II


• Fantoni et al (1997)
  n= 1196 procedimentos
     • Óbitos: 22,2% ASA II
               22,2% ASA III
               22,2% ASA IV
               33,3% ASA V
Incidência de alterações
    eletrocardiográficas pré anestésicas.
 Alterações eletrocardiográficas           %    Supradesnivelamento ST           1,0
Aumento na duração do QRS                       Taquicardia Ventricular          1,0
                                         24,3
Aumento Na amplitude da onda T                  Taquicardia Atrial               1,0
                                         20,5
QRS de baixa voltagem                           CAP                              1,0
                                         8,6
Desvio de eixo para esquerda                    Aumento da amplitude da onda P   0,7
                                         8,6
Desvio de eixo para a direirta                  Bradicardia Sinusal              0,7
                                         6,5
Aumento da duração da onda P                    Fibrilação Atrial                0,3
                                         6,2
Pausa sinusal                                   Ritmo Idioventricular            0,3
                                         5,1
Bloqueio de ramo direito ou sobrecarga          Prolongamento QT                 0,3
VD
                                         4,1
                                                Complexo de Escape Ventricular   0,3
Infradesnivelamento ST                   2,74
                                                Complexo de Escape Juncional     0,3
BAV 1 grau                               2,0
                                                Complexo Juncional Prematuro     0,3
CVP                                      2,0
                                                BAV de 2 grau                    0,3
Taquicardia Sinusal                      1,0
                                                   Fonte: Carvalho et al
Alteração eletrocardiográfica pré
          anestésica:
         O que fazer??




  Corrigir os fatores arritmogênicos
           quando possível.

  Escolher os fármacos e métodos
anestésicos mais convenientes para a
             situação.
Fatores predisponentes de
    Arritmias perioperatórias

• Distúrbios eletrolíticos.
• Flutuações da Pressão arterial e
  temperatura corpórea.
• Hipóxia.
• Altos níveis de catecolaminas endógenas.
• Hipercapnia.
• Reações adversas à agentes anestésicos.
Eletrocardiograma Trans-operatório
Interação de Drogas Anestésicas e Pré
         Anestésicas no SCV
            Droga                                      Efeito SCV
Fenotiazínicos              Hipotensão Arterial, Taquicardia reflexa

Butirofenonas               Hipotensão arterial leve

Benzodiazepinicos           Hipotensão arterial leve

Xilazina                       FC, BAV 1,2 e 3 graus,         DC, Hipotensão Arterial

Barbituricos (Tiopental e   Bloqueio vagal, pouca alteração CV (Efeito acumulativo).
pentobarbital)
Propofol                    Hipotensão arterial leve

Etomidato                   Puco efeito CV

Cetamina                       FC,    DC,      PA ,    PAP,   PVC, Inotrópico Positivo,.

Halotano                    Hipotensão Arterial, Reduz automatismo nodo sinusal,
                            sensibiliza miocárdio à ação da adrenalina
Isofluorano                 Hipotensão Arterial,       FC

Fentanil                       Tônus vagal ,          FC
Alterações eletrocardiográficas mais
 comuns durante procedimento anestésico.

• Taquicardia Sinusal:
  – Superficialização do
    plano anestésico.
  – Compensatória à
    hipotensão grave.
  – Fármacos vagolíticos.
  – Uso de catecolaminas
Alterações eletrocardiográficas mais
comuns durante procedimento anestésico.



  Taquicardia Sinusal
      Persistente




Hipóxia      CVP
Miocárdio
Alterações eletrocardiográficas mais
 comuns durante procedimento anestésico.


• Bradicardia Sinusal
  – Fármacos que
    aumentam o Tônus
    Vagal
  – Hipotermia




         BAV
Alterações eletrocardiográficas mais
 comuns durante procedimento anestésico.
• Hipóxia do miocárdio




Taquicardia Ventricular
      Sustentada



 Fibrilação ventricular
Alterações eletrocardiográficas mais
 comuns durante procedimento anestésico.
• Ritmo nodal ou
  juncional.

  – Menos frequente
  – Principalmente
    cetamina e halotano.
ECG no Pós operatório
          Imediato
• Acompanhar arritmias intermitentes e
  alterações no traçado que não ocorreram
  no trâmite cirúrgico:

    • Descargas endógenas de catecolaminas (Dor).
    • (Halotano). - Efeito residual associado à
      catecolaminas

           Síndrome torção – dilatação gástrica
                Até 72 horas após cirurgia
Obrigado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1189249092 413.arritemia cardica-ppoint
1189249092 413.arritemia cardica-ppoint1189249092 413.arritemia cardica-ppoint
1189249092 413.arritemia cardica-ppoint
Pelo Siro
 
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter AtrialFibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
Maycon Silva
 
arritmias
 arritmias arritmias
arritmias
jose ferreira
 
Insuficiencia cardiaca.slideshare
Insuficiencia cardiaca.slideshareInsuficiencia cardiaca.slideshare
Insuficiencia cardiaca.slideshare
Marco Aguiar
 
Sindrome Brugada - Dra Tatiana Caus
Sindrome Brugada - Dra Tatiana CausSindrome Brugada - Dra Tatiana Caus
Sindrome Brugada - Dra Tatiana Caus
Tatiana Santos Caus
 
Arritimias cardíacas
Arritimias cardíacasArritimias cardíacas
Arritimias cardíacas
dapab
 
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
MAIQUELE SANTANA
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritimia
ArritimiaArritimia
Arritimia
Everton Lima
 
Aula Anestesia em pacientes com doença valvar avançada
Aula Anestesia em pacientes com doença valvar avançadaAula Anestesia em pacientes com doença valvar avançada
Aula Anestesia em pacientes com doença valvar avançada
Carlos Galhardo Junior
 
Apresentação artigo clínica joao xxiii
Apresentação artigo clínica joao xxiiiApresentação artigo clínica joao xxiii
Apresentação artigo clínica joao xxiii
FABRICIO HENRIQUE ALVES DE OLIVEIRA E OLIVEIRA
 
SÍNDROME DO QT LONGO
SÍNDROME DO QT LONGOSÍNDROME DO QT LONGO
SÍNDROME DO QT LONGO
laccunifenasbh
 
Síndrome WPW - Dra Tatiana Caus
Síndrome WPW -  Dra Tatiana CausSíndrome WPW -  Dra Tatiana Caus
Síndrome WPW - Dra Tatiana Caus
Tatiana Santos Caus
 
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDASSINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
Maycon Silva
 
FibrilaçãO Atrial
FibrilaçãO AtrialFibrilaçãO Atrial
FibrilaçãO Atrial
fabio andreolli
 
Choque
ChoqueChoque
Sav em situações especiais
Sav em situações especiaisSav em situações especiais
Sav em situações especiais
Aroldo Gavioli
 
Avaliação pré operatória cirurgia cardiovascular
Avaliação pré operatória cirurgia cardiovascularAvaliação pré operatória cirurgia cardiovascular
Avaliação pré operatória cirurgia cardiovascular
Paulo Sérgio
 
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-irajaAssistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Edison Santos
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Cíntia Costa
 

Mais procurados (20)

1189249092 413.arritemia cardica-ppoint
1189249092 413.arritemia cardica-ppoint1189249092 413.arritemia cardica-ppoint
1189249092 413.arritemia cardica-ppoint
 
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter AtrialFibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
 
arritmias
 arritmias arritmias
arritmias
 
Insuficiencia cardiaca.slideshare
Insuficiencia cardiaca.slideshareInsuficiencia cardiaca.slideshare
Insuficiencia cardiaca.slideshare
 
Sindrome Brugada - Dra Tatiana Caus
Sindrome Brugada - Dra Tatiana CausSindrome Brugada - Dra Tatiana Caus
Sindrome Brugada - Dra Tatiana Caus
 
Arritimias cardíacas
Arritimias cardíacasArritimias cardíacas
Arritimias cardíacas
 
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
 
Arritimia
ArritimiaArritimia
Arritimia
 
Aula Anestesia em pacientes com doença valvar avançada
Aula Anestesia em pacientes com doença valvar avançadaAula Anestesia em pacientes com doença valvar avançada
Aula Anestesia em pacientes com doença valvar avançada
 
Apresentação artigo clínica joao xxiii
Apresentação artigo clínica joao xxiiiApresentação artigo clínica joao xxiii
Apresentação artigo clínica joao xxiii
 
SÍNDROME DO QT LONGO
SÍNDROME DO QT LONGOSÍNDROME DO QT LONGO
SÍNDROME DO QT LONGO
 
Síndrome WPW - Dra Tatiana Caus
Síndrome WPW -  Dra Tatiana CausSíndrome WPW -  Dra Tatiana Caus
Síndrome WPW - Dra Tatiana Caus
 
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDASSINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
 
FibrilaçãO Atrial
FibrilaçãO AtrialFibrilaçãO Atrial
FibrilaçãO Atrial
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Sav em situações especiais
Sav em situações especiaisSav em situações especiais
Sav em situações especiais
 
Avaliação pré operatória cirurgia cardiovascular
Avaliação pré operatória cirurgia cardiovascularAvaliação pré operatória cirurgia cardiovascular
Avaliação pré operatória cirurgia cardiovascular
 
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-irajaAssistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
 

Semelhante a Ecg antes, durante e depois da anestesia

Sincope livramento 2010
Sincope livramento 2010Sincope livramento 2010
Sincope livramento 2010
Cidio Halperin
 
Trabajo cardiología
Trabajo cardiologíaTrabajo cardiología
Trabajo cardiología
Gema FL
 
Arritmias classe 1 med interna2015
Arritmias   classe 1 med interna2015Arritmias   classe 1 med interna2015
Arritmias classe 1 med interna2015
honestolopes1994
 
SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR
SEMIOLOGIA CARDIOVASCULARSEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR
SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR
Janderson Physios
 
CASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptx
CASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptxCASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptx
CASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptx
LuisDaviDiniz2
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
Paula Oliveira
 
Insuficiência cardíaca
Insuficiência cardíacaInsuficiência cardíaca
Insuficiência cardíaca
Oacir Rezende
 
Arritmias Cardiacas
Arritmias CardiacasArritmias Cardiacas
Arritmias Cardiacas
JP ABNT
 
Síndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana AgudaSíndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana Aguda
Anderson Armstrong
 
Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01
Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01
Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01
Vlc_val
 
Mercredi taquiarritmia
Mercredi  taquiarritmiaMercredi  taquiarritmia
Mercredi taquiarritmia
ctisaolucascopacabana
 
Condutas em AVE
Condutas em AVECondutas em AVE
Condutas em AVE
David Nordon
 
Modulo 2 história, ex. físico
Modulo 2 história, ex. físicoModulo 2 história, ex. físico
Modulo 2 história, ex. físico
anaelizabethx
 
Cardiologia
CardiologiaCardiologia
Cardiologia
Tiago Leal
 
Aula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECGAula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECG
Wesley Rogerio
 
Cardiopatias congenitas
Cardiopatias congenitasCardiopatias congenitas
Cardiopatias congenitas
dapab
 
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
Liliana Mendes
 
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizadaSINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
Fabio Nunes NUNES
 
Iv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal aIv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal a
ctisaolucascopacabana
 
Choque
Choque Choque
Choque
resenfe2013
 

Semelhante a Ecg antes, durante e depois da anestesia (20)

Sincope livramento 2010
Sincope livramento 2010Sincope livramento 2010
Sincope livramento 2010
 
Trabajo cardiología
Trabajo cardiologíaTrabajo cardiología
Trabajo cardiología
 
Arritmias classe 1 med interna2015
Arritmias   classe 1 med interna2015Arritmias   classe 1 med interna2015
Arritmias classe 1 med interna2015
 
SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR
SEMIOLOGIA CARDIOVASCULARSEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR
SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR
 
CASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptx
CASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptxCASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptx
CASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptx
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
Insuficiência cardíaca
Insuficiência cardíacaInsuficiência cardíaca
Insuficiência cardíaca
 
Arritmias Cardiacas
Arritmias CardiacasArritmias Cardiacas
Arritmias Cardiacas
 
Síndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana AgudaSíndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana Aguda
 
Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01
Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01
Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01
 
Mercredi taquiarritmia
Mercredi  taquiarritmiaMercredi  taquiarritmia
Mercredi taquiarritmia
 
Condutas em AVE
Condutas em AVECondutas em AVE
Condutas em AVE
 
Modulo 2 história, ex. físico
Modulo 2 história, ex. físicoModulo 2 história, ex. físico
Modulo 2 história, ex. físico
 
Cardiologia
CardiologiaCardiologia
Cardiologia
 
Aula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECGAula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECG
 
Cardiopatias congenitas
Cardiopatias congenitasCardiopatias congenitas
Cardiopatias congenitas
 
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
 
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizadaSINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
 
Iv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal aIv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal a
 
Choque
Choque Choque
Choque
 

Ecg antes, durante e depois da anestesia

  • 1. ECG antes, durante e depois da anestesia. Bruno Abreu de Oliveira
  • 2. Definição • O Eletrocardiograma (ECG) é o registro gráfico da voltagem produzida pelas células do miocárdio durante sua despolarização- repolarização.
  • 3. A Condução elétrica e o Eletrocardiograma
  • 5. Principais Funções do ECG • Avalia a função elétrica do coração. – Arritmias Cardíacas. – Distúrbios de condução. – Aumento de volume de câmaras (60% de sensibilidade). – Síndromes isquêmicas. – Auxiliar no diagnóstico de doenças do pericárdio. – Desequilíbrios eletrolíticos.
  • 6. Quando utilizar o ECG no exame pré operatório?
  • 7. Avaliação Pré-Anestésica Classificação Descrição Exemplos ASA I Aparentemente hígido Procedimentos eletivos (OSH, orquiectomia). II Doença Sistêmica Leve Neonatos e geriátricos (≤ 8 semanas ou ≥ 10 anos); gestantes, obesos, cardiopatas compensados, infecções localizadas. III Doença Sistêmica Moderada Desidratação moderada e hipovolemia, anorexia, caquexia, anemias, fraturas complicadas, hérnia diafragmática, pneumotórax. IV Doença Sistêmica Grave Choque, uremia, toxemia, desidratação grave, hipovolemia, anemia grave, síndrome torção- dilatação gástrica, doenças cardíacas e renais descompensadas. V Moribundos sem expectativa Doença de múltiplos órgãos, choques, traumas cranianos. de sobrevivência, com ou sem cirurgia nas 24 horas. E Emergências (Acrescentada ao estado físico ASA I a V)
  • 8. Sugestão de Solicitação de Exames pré anestésicos Idade Estado Físico - ASA Até 6 meses 6 meses a 6 anos Acima de 6 anos I e II Hematócrito, prioteína e Hematócrito, proteína e Hematócrito, proteína, glicemia função renal função renal e urinálise. III Hemograma, proteína, Hemograma, ECG, Hemograma, ECG, gliucemia, função renal, pH, glicemia, função renal, glicemia, função renal, gasometria e urinálise função hepática, função hepática, eletrólitos gasometria e urináluise. (Na, K, Ca), gasometria e urinálise. IV e V Hemograma, ECG, glicemia, Hemograma, ECG, Hemograma, ECG, função renal, função hepática, glicemia, função renal, glicemia, função renal, eletrólitos (NA,K,Ca), função hepática, eletrólitos função hepática, eletrólitos gasometria e urinálise. (NA,K,Ca), gasometria e (NA,K,Ca), gasometria e urinálise. urinálise. Fonte: HOVET – FMVZ - USP
  • 9. Incidência de alterações eletrocardiográficas pré anestésicas. • Rabelo (2004) 65% apresentaram alterações eletrocardiográficas. • Carvalho et al (2009) n=474 cães 46% apresentaram alterações eletrocardiográficas.
  • 10. Risco Anestésico • Miller (1989) – 41% dos óbitos em pacientes ASA I e ASA II • Fantoni et al (1997) n= 1196 procedimentos • Óbitos: 22,2% ASA II 22,2% ASA III 22,2% ASA IV 33,3% ASA V
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14. Incidência de alterações eletrocardiográficas pré anestésicas. Alterações eletrocardiográficas % Supradesnivelamento ST 1,0 Aumento na duração do QRS Taquicardia Ventricular 1,0 24,3 Aumento Na amplitude da onda T Taquicardia Atrial 1,0 20,5 QRS de baixa voltagem CAP 1,0 8,6 Desvio de eixo para esquerda Aumento da amplitude da onda P 0,7 8,6 Desvio de eixo para a direirta Bradicardia Sinusal 0,7 6,5 Aumento da duração da onda P Fibrilação Atrial 0,3 6,2 Pausa sinusal Ritmo Idioventricular 0,3 5,1 Bloqueio de ramo direito ou sobrecarga Prolongamento QT 0,3 VD 4,1 Complexo de Escape Ventricular 0,3 Infradesnivelamento ST 2,74 Complexo de Escape Juncional 0,3 BAV 1 grau 2,0 Complexo Juncional Prematuro 0,3 CVP 2,0 BAV de 2 grau 0,3 Taquicardia Sinusal 1,0 Fonte: Carvalho et al
  • 15. Alteração eletrocardiográfica pré anestésica: O que fazer?? Corrigir os fatores arritmogênicos quando possível. Escolher os fármacos e métodos anestésicos mais convenientes para a situação.
  • 16. Fatores predisponentes de Arritmias perioperatórias • Distúrbios eletrolíticos. • Flutuações da Pressão arterial e temperatura corpórea. • Hipóxia. • Altos níveis de catecolaminas endógenas. • Hipercapnia. • Reações adversas à agentes anestésicos.
  • 18. Interação de Drogas Anestésicas e Pré Anestésicas no SCV Droga Efeito SCV Fenotiazínicos Hipotensão Arterial, Taquicardia reflexa Butirofenonas Hipotensão arterial leve Benzodiazepinicos Hipotensão arterial leve Xilazina FC, BAV 1,2 e 3 graus, DC, Hipotensão Arterial Barbituricos (Tiopental e Bloqueio vagal, pouca alteração CV (Efeito acumulativo). pentobarbital) Propofol Hipotensão arterial leve Etomidato Puco efeito CV Cetamina FC, DC, PA , PAP, PVC, Inotrópico Positivo,. Halotano Hipotensão Arterial, Reduz automatismo nodo sinusal, sensibiliza miocárdio à ação da adrenalina Isofluorano Hipotensão Arterial, FC Fentanil Tônus vagal , FC
  • 19. Alterações eletrocardiográficas mais comuns durante procedimento anestésico. • Taquicardia Sinusal: – Superficialização do plano anestésico. – Compensatória à hipotensão grave. – Fármacos vagolíticos. – Uso de catecolaminas
  • 20. Alterações eletrocardiográficas mais comuns durante procedimento anestésico. Taquicardia Sinusal Persistente Hipóxia CVP Miocárdio
  • 21.
  • 22.
  • 23. Alterações eletrocardiográficas mais comuns durante procedimento anestésico. • Bradicardia Sinusal – Fármacos que aumentam o Tônus Vagal – Hipotermia BAV
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27. Alterações eletrocardiográficas mais comuns durante procedimento anestésico. • Hipóxia do miocárdio Taquicardia Ventricular Sustentada Fibrilação ventricular
  • 28.
  • 29.
  • 30. Alterações eletrocardiográficas mais comuns durante procedimento anestésico. • Ritmo nodal ou juncional. – Menos frequente – Principalmente cetamina e halotano.
  • 31. ECG no Pós operatório Imediato • Acompanhar arritmias intermitentes e alterações no traçado que não ocorreram no trâmite cirúrgico: • Descargas endógenas de catecolaminas (Dor). • (Halotano). - Efeito residual associado à catecolaminas Síndrome torção – dilatação gástrica Até 72 horas após cirurgia