SlideShare uma empresa Scribd logo
DST e  AIDS
Facilitar a compreensão sobre as Doenças Sexualmente Transmissíveis e AIDS. Incentivar a auto-conscientização. Proporcionar informação para que cada um possa ser multiplicador de informações e ações pró- ativas. Objetivos
Sífilis Gonorréia HPV Tricomoníase Hepatite B Herpes Genital AIDS PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
Gonorréia HPV Trichomonas Herpes Genital AIDS Hepatite B
De acordo com a Coordenação Nacional do Programa de Prevenção e Controle de Doenças Sexualmente  Transmissíveis e AIDS: Aproximadamente 10 milhões de pessoas são portadoras de uma DST.  ESTIMATIVA NO BRASIL
Em números, as estimativas de casos de DST que  se apresentam com sintomas, no Brasil, são:  Sífilis: 937.000  Gonorréia: 1.541.800  Clamídia: 1.967.200  Herpes genital: 640.900 HPV: 685.400 Fonte: PN-DST/AIDS, 2003.   ESTIMATIVA NO BRASIL
Mais de 40,3 milhões de indivíduos contaminados 16,4 milhões de mulheres 2,2 milhões de crianças (< de 15 anos) 80% em países do terceiro mundo (principal: África) 6 000 pessoas entre 15 e 24 anos são infectadas por dia Cresce o número de infectados  após  50 anos de idade. Cerca de 25 milhões de mortes  (desde o começo da epidemia) AIDS NO MUNDO
Pessoas vivendo com HIV:  620.000 Pessoas vivendo com AIDS:  474.273 Pessoas em tratamento:  125.000 Soropositivos sendo monitorados:  300.000 Mortes por AIDS/ano:  11.000 (Fonte: Unaids e Ministério da Saúde) ESTIMATIVA DE AIDS NO BRASIL
Vírus HIV   Infecta células de defesa do organismo; A longo prazo pode diminuir a defesa; Período de latência dura em média de 06 à 08 anos; Janela imunológica. AGENTE CAUSADOR
Dados do Estado de São Paulo * Dados referentes ao Boletim do CRT / DST / AIDS Estado de São Paulo de julho/99 Homens Mulheres Início (83/84) 26 1 Hoje 2 1
Cada vez maior o número de pessoas que se contaminam através de relações heterossexuais. Cada ano maior número de mulheres infectadas idade entre 13 e 19 anos, e após 60 anos. No Brasil maior crescimento na Região Sul / Centro Oeste. Crescimento acelerado nas classes sócio-econômicas mais baixas. Tendências da epidemia
Sexual; Contato com sangue e fluido; Transmissão ocupacional (em profissionais da área da saúde); Vertical (da mãe para o filho, durante a gestação, parto ou aleitamento); FORMAS DE TRANSMISSÃO
Emagrecimento acentuado; Febre persistente; Calafrios; Diarréia, náuseas e vômitos ; Sudorese; Infecções oportunistas; Tumores. Sintomas da doença
1989 - Descoberta Zidovudina - AZT. Hoje - associação de duas ou mais drogas As drogas anti-retrovirais agem impedindo o HIV de se reproduzir dentro das células CD4, cessando a infecção de novas células pelas suas cópias. Ao fazer isto, a quantidade de HIV no organismo diminui e o dano que ele pode causar ao sistema imunológico também é reduzido. TRATAMENTO
   Beijo na boca;    Uso de copos, talheres ou pratos de outras pessoas;    Suor, saliva e lágrimas;    Sabonete, toalha, lençóis; piscinas;    Picadas de insetos;    Doação de sangue. ASSIM NÃO CONTRAI O VÍRUS!
Não compartilhar objetos perfuro-cortantes; Não usar drogas; Esterilizar / desinfectar instrumentos (alicates de  unha, tesouras, lâminas de barbear); Usar seringas agulhas descartáveis; Realizar o pré-natal. PREVENÇÃO
Sexo seguro: evitar promiscuidade usar preservativos PREVENÇÃO
USO CORRETO DO PRESERVATIVO Masculino
USO CORRETO DO PRESERVATIVO Feminino
Vivendo com saúde... É vivo quem usa camisinha!!! PREVINA-SE
CÂNCER DE MAMA   TEM CURA !
FATORES de RISCO: Idade superior a 40 anos; Alterações genéticas e hormonais; Menarca precoce (< 11 anos); Menopausa tardia (> 55 anos); Nulípara ou com início após os 30 anos. CÂNCER DE MAMA TEM CURA!
NÚMEROS DE  CÂNCER  DE  MAMA   NO BRASIL A cada  36 minutos , uma brasileira é  morre  vítima do Câncer de Mama. 11. 860 mil  é o número de mortes por Câncer de Mama  por ano , sendo 125 homens e  11.745 mulheres  (2008).  Por ano, 50 mil novos casos são detectados no país. Em cada 10, 7 são diagnosticados em estágio avançado (quando o câncer já está em metástase). Estima-se 49.240 novos casos em 2010 ! Se descoberto a tempo tem 90% de probabilidade de cura. (Fonte: Sociedade Brasileira de Mastologia; Instituto Nacional de Câncer)
Pratique atividade física, se mova! Consuma brocólis, tomate e derivados, mamão papaia, pitanga, melância e goiaba vermelha. Melhore sua dieta, você pode mais! Faça o autoexame das mamas 1 vez ao mês. Realize 1 vez por ano, o exame clínico das mamas; A mamografia está disponibilizada à partir dos 40 anos/ Lei 11.664/2008, porém, o rastreamento é indicado para mulheres com idade entre 50 e 69 anos;  Exame Clínico das Mamas e Mamografia indicado para mulheres de 35 anos pertencentes a  grupos   populacionais   com   risco  elevado de desenvolver Câncer de Mama. CÂNCER DE MAMA TEM CURA!  Medidas Preventivas
Antecedentes familiares direto: mãe, irmã ou filha, com Câncer de Mama diagnosticado antes dos 50 anos; Antecedentes familiares direto: mãe, irmã ou filha, com Câncer de Mama Bilateral ou Câncer de Ovário em qualquer faixa etária; Mulheres com história de Câncer de Mama masculino; Mulheres com diagnóstico histopatológico de lesão mamária proliferativa com Atipia ou neoplasia lobular  in situ. Grupos populacionais de risco:
AUTOEXAME DAS MAMA (AEM) CÂNCER DE MAMA TEM CURA!
Alguma alteração na pele da mama (enrugamento/ descamação/ repuxando); Observar existência de caroços ou endurecimento; Apresentar secreção mamilar; Observar aumento de diferença de volume entre os seios. PROCURAR O MÉDICO SE: CÂNCER DE MAMA TEM CURA!
O  MEDO  PODE CUSTAR A  VIDA
NÃO  PERMITA QUE ELE  INTERROMPA  A  SUA!
PRÓSTATA:  do conhecimento à prevenção
É uma glândula masculina que pesa cerca de 20 gramas, parecida com uma maçã pequena. Responsável também pela produção do semem, a ser liberado na ejaculação. Dentro dela ocorrem as principais transformações do hormônio testosterona em diidrotosterona, que é responsável por seu crescimento. O que é a próstata?
Sistema geniturinário
A próstata localiza-se na saída da bexiga, por onde atravessa a primeira porção da uretra, que é o canal que leva a urina da bexiga para o meio externo. Localização da próstata
1- Processos inflamatórios e infecciosos = prostatites 2- O aumento benigno da próstata (HBP)  3- Câncer da Próstata Quais são as principais alterações na próstata?
Sensação de não esvaziar bem a bexiga, ao urinar; Necessidade de urinar frequentemente; Jato urinário que para e recomeça; Dificuldade para conter a urina; Jato urinário fraco; Necessidade de fazer força para  começar a urinar; Necessidade de levantar à noite  para urinar. Principais sintomas dessa alteração:
O que fazer? Procurar um médico  Urologista , que é o especialista para cuidar da sua próstata. Quais são as consequências? A principal consequência é o  comprometimento da qualidade de  vida. Em alguns casos há complicações  como infecções e danos aos rins.
É uma inflamação provocada por germes e pode ocorrer em qualquer idade. Apesar de ser uma forma de infecção, a prostatite não é contagiosa. Os sintomas mais freqüentes são:  Febre; Dor, ardência ao urinar; Pus na uretra. Ao toque retal é comum: Próstata edemaciada e dolorida. O que é PROSTATITE?
Trata-se de um aumento maligno da Próstata, que pode por em risco a vida. É o câncer mais freqüente no homem e a segunda causa de morte, no sexo masculino. Na fase inicial não causa sintomas, porém,  a posteriore  surgem: Sintomas de obstrução, parecidos com o aumento da próstata. Sangue na urina Dores nos ossos. CÂNCER DE PRÓSTATA
* Estimativa, os números finais levam em média três anos para serem fechados. FONTE:  INCA, Instituto Nacional do Câncer (Hospital do Câncer e Hospital das Clínicas) EVOLUÇÃO DE ÓBITOS POR CÂNCER DE PRÓSTATA
*Idade *História familiar *Dieta rica em gordura animal *Raça:  Homens negros Fatores de risco
Cirurgia  Laser   Retirada da    próstata Radioterapia; Braquiterapia (implante de sementes radioativas de iodo); Efeitos Colaterais Impotência; Incontinência urinária. TRATAMENTO PARA CÂNCER DE PRÓSTATA
Diagnóstico Precoce: Toque retal a partir dos 50 anos:  Volume;  Consistência;  Nódulos;  Limites;  Sensibilidade. Dosagem do PSA. Reeducação alimentar:  Dieta pobre em gordura animal e rica em vegetais. Ex. Tomate (licopeno). Alimentos recomendados pela universidade de Harvard (USA): Brócolis, espinafre, repolho, couve-flor, feijão, soja e abóbora; Licopeno - tomate e seus derivados, goiaba vermelha, melância; Castanha do Pará (2 por dia); Salmão. PREVENÇÃO
Conflitos da masculinidade: Relacionamento igualitário com a parceira Medo do homossexualismo e da impotência Conflitos relacionados aos exames urológicos: medo de ser tocado violação (dor) desconforto físico e psicológico ereção frente ao toque (ereção = prazer) estar descontraído = algo comum e/ou prazeroso. SEXUALIDADE MASCULINA
Sem destino...
O  preconceito pode  custar a vida
Não  permita que  ele  interrompa a  sua !
Obrigada!!!
O antígeno específico prostático é uma enzima (glicoproteína) com algumas características de marcador tumoral, utilizado para monitorização e controle da evolução do carcinoma da próstata (Câncer de Próstata). Os resultados do teste de PSA referem o nível de PSA detectado no sangue. Os resultados são referidos em nanograma por mililitro (ng/ml) no sangue. As referências são as seguintes: •  0 a 2,5 ng/ml é considerado um valor baixo; •  2.6 a 9,9 ng/ml é considerado um valor ligeiro a moderado; •  10 a 19,9 ng/ml é considerado um valor moderadamente elevado; •  20 ng/ml ou mais é considerado um valor significativamente elevado. Não há um valor específico para se dizer que um nível de PSA é normal ou anormal. Contudo, quanto maior o nível de PSA, maior é a probabilidade de cancro estar presente. Vários factores podem causar a flutuação de níveis de PSA. Quando os níveis de PSA sobem com o tempo, outros testes poderão ser necessários.  Há quatro resultados possíveis para um teste de PSA: 1.O valor de PSA é normal e não está presente o câncer da próstata (verdadeiro negativo) 2.O valor de PSA é elevado e está presente o câncer da próstata (verdadeiro positivo) 3.O valor de PSA é elevado e não está presente o câncer da próstata (falso positivo) 4.O valor de PSA é normal e está presente o câncer da próstata (falso negativo). O que é o PSA
Etapas do câncer de próstata: Se for encontrado câncer na próstata, o médico precisa saber da etapa ou estádio da doença. A determinação da etapa é um estudo cuidadoso para descobrir se o câncer está disseminado e, se for assim, que partes do corpo foram afetadas. O médico pode solicitar vários exames de sangue e de imagem para avaliar a etapa da doença. As decisões sobre o tratamento dependem destes resultados. A determinação da etapa do câncer de próstata é um processo complexo. O médico pode descrever o estádio usando um número romano (I-IV) ou uma letra maiúscula (A-D). Estas são as principais características de cada etapa: q       Etapa I ou Etapa A: O câncer não pode ser sentido durante um exame de toque retal. Pode ser encontrado acidentalmente durante uma cirurgia por outro motivo, geralmente por hiperplasia de próstata benigna. Não há evidência que o tumor tenha se disseminado para fora da próstata. q       Etapa II ou Etapa B: o tumor abarca mais tecido dentro da próstata, pode ser sentido durante um exame de toque retal, ou foi encontrado por biópsia decorrente de um PSA elevado. Não há evidência que o tumor tenha se disseminado para fora da próstata. q       Etapa III ou Etapa C: O câncer se disseminou para fora da próstata para tecidos vizinhos. q       Etapa IV ou Etapa D: O câncer se disseminou para fora da próstata para os gânglios linfáticos ou outros tecidos do corpo.  CÂNCER DE PRÓSTATA - Etapas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
Dessa Reis
 
Dst e gravidez na adolescência
Dst e gravidez na adolescênciaDst e gravidez na adolescência
Dst e gravidez na adolescência
Acrópole - História & Educação
 
Cancer de prostata
Cancer de prostataCancer de prostata
Cancer de prostata
DCRDANYLA
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
ligiabeatrizsouzamur
 
Novembro azul troque o preconceito pela vida
Novembro azul troque o preconceito pela vidaNovembro azul troque o preconceito pela vida
Novembro azul troque o preconceito pela vida
Emilio Matos Rocha
 
Câncer de próstata
Câncer de próstataCâncer de próstata
Câncer de próstata
Deivid Castro
 
Drogas e Doenças Transmissíveis - DST/AIDS
Drogas e Doenças Transmissíveis - DST/AIDSDrogas e Doenças Transmissíveis - DST/AIDS
Drogas e Doenças Transmissíveis - DST/AIDS
Ângela Patrícia Ramos
 
Infecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveisInfecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveis
marronahelps
 
Cartilha cancer prostata
Cartilha cancer prostataCartilha cancer prostata
Cartilha cancer prostata
karol_ribeiro
 
Um Raio X da Saúde dos Brasileiros
Um Raio X da Saúde dos BrasileirosUm Raio X da Saúde dos Brasileiros
Um Raio X da Saúde dos Brasileiros
Professor Robson
 
Aula hsp novembro azul
Aula hsp novembro azulAula hsp novembro azul
Aula hsp novembro azul
Alex Meller
 
Ca de mama e de colo uterino
Ca de mama e de colo uterinoCa de mama e de colo uterino
Ca de mama e de colo uterino
Eliane Santos
 
Jéssica
JéssicaJéssica
Jéssica
DeboraSofia
 
Saúde da mulher slides
Saúde da mulher  slidesSaúde da mulher  slides
Saúde da mulher slides
Carlean Oliveira
 
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde femininaSaúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Anderson Silva
 
antonio inacio ferraz-câncer de prostata
antonio inacio ferraz-câncer de prostataantonio inacio ferraz-câncer de prostata
antonio inacio ferraz-câncer de prostata
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Novembro Azul: Faça parte desse movimento!
Novembro Azul: Faça parte desse movimento!Novembro Azul: Faça parte desse movimento!
Novembro Azul: Faça parte desse movimento!
Oncoguia
 

Mais procurados (17)

Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Dst e gravidez na adolescência
Dst e gravidez na adolescênciaDst e gravidez na adolescência
Dst e gravidez na adolescência
 
Cancer de prostata
Cancer de prostataCancer de prostata
Cancer de prostata
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Novembro azul troque o preconceito pela vida
Novembro azul troque o preconceito pela vidaNovembro azul troque o preconceito pela vida
Novembro azul troque o preconceito pela vida
 
Câncer de próstata
Câncer de próstataCâncer de próstata
Câncer de próstata
 
Drogas e Doenças Transmissíveis - DST/AIDS
Drogas e Doenças Transmissíveis - DST/AIDSDrogas e Doenças Transmissíveis - DST/AIDS
Drogas e Doenças Transmissíveis - DST/AIDS
 
Infecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveisInfecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveis
 
Cartilha cancer prostata
Cartilha cancer prostataCartilha cancer prostata
Cartilha cancer prostata
 
Um Raio X da Saúde dos Brasileiros
Um Raio X da Saúde dos BrasileirosUm Raio X da Saúde dos Brasileiros
Um Raio X da Saúde dos Brasileiros
 
Aula hsp novembro azul
Aula hsp novembro azulAula hsp novembro azul
Aula hsp novembro azul
 
Ca de mama e de colo uterino
Ca de mama e de colo uterinoCa de mama e de colo uterino
Ca de mama e de colo uterino
 
Jéssica
JéssicaJéssica
Jéssica
 
Saúde da mulher slides
Saúde da mulher  slidesSaúde da mulher  slides
Saúde da mulher slides
 
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde femininaSaúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
 
antonio inacio ferraz-câncer de prostata
antonio inacio ferraz-câncer de prostataantonio inacio ferraz-câncer de prostata
antonio inacio ferraz-câncer de prostata
 
Novembro Azul: Faça parte desse movimento!
Novembro Azul: Faça parte desse movimento!Novembro Azul: Faça parte desse movimento!
Novembro Azul: Faça parte desse movimento!
 

Destaque

LUIZ GRANDE DST AIDS
LUIZ GRANDE DST AIDSLUIZ GRANDE DST AIDS
LUIZ GRANDE DST AIDS
Luiz Grande
 
Apresentação AIDS - DST
Apresentação AIDS - DSTApresentação AIDS - DST
Apresentação AIDS - DST
Robson Peixoto
 
DST/AIDS dezembro 2009
DST/AIDS dezembro 2009DST/AIDS dezembro 2009
DST/AIDS dezembro 2009
Walter Poltronieri
 
Doenças sexualmente transmissíveis (dst’s)
Doenças sexualmente  transmissíveis (dst’s)Doenças sexualmente  transmissíveis (dst’s)
Doenças sexualmente transmissíveis (dst’s)
Bio Sem Limites
 
Dst – DoençA Sexualmente
Dst – DoençA SexualmenteDst – DoençA Sexualmente
Dst – DoençA Sexualmente
Andrea A. Ferreira
 
Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2
'Alice Tinoco
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTsDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
Saúde Hervalense
 
Slides prontos
Slides prontosSlides prontos
Slides prontos
niceoliveira
 

Destaque (8)

LUIZ GRANDE DST AIDS
LUIZ GRANDE DST AIDSLUIZ GRANDE DST AIDS
LUIZ GRANDE DST AIDS
 
Apresentação AIDS - DST
Apresentação AIDS - DSTApresentação AIDS - DST
Apresentação AIDS - DST
 
DST/AIDS dezembro 2009
DST/AIDS dezembro 2009DST/AIDS dezembro 2009
DST/AIDS dezembro 2009
 
Doenças sexualmente transmissíveis (dst’s)
Doenças sexualmente  transmissíveis (dst’s)Doenças sexualmente  transmissíveis (dst’s)
Doenças sexualmente transmissíveis (dst’s)
 
Dst – DoençA Sexualmente
Dst – DoençA SexualmenteDst – DoençA Sexualmente
Dst – DoençA Sexualmente
 
Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTsDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
 
Slides prontos
Slides prontosSlides prontos
Slides prontos
 

Semelhante a DST Aids CA de Próstata e Mama

SAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptxSAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptx
CristianeSouza339313
 
App PISC4-Cancer Prostata
App PISC4-Cancer ProstataApp PISC4-Cancer Prostata
App PISC4-Cancer Prostata
José Victor Rabelo
 
Prostata
ProstataProstata
Prostata
ellencris
 
Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018
jorge luiz dos santos de souza
 
novembro azul morbidade
novembro azul morbidadenovembro azul morbidade
novembro azul morbidade
roberttcarolinycarol
 
palestra prevenção cancer de colo de utero e mama
palestra prevenção cancer de colo de utero e mamapalestra prevenção cancer de colo de utero e mama
palestra prevenção cancer de colo de utero e mama
MirianSouzaRibeiro
 
IV Cc Secretarias - Prevencao De Cancer
IV Cc Secretarias - Prevencao De CancerIV Cc Secretarias - Prevencao De Cancer
IV Cc Secretarias - Prevencao De Cancer
Gustavo Oliveira
 
Palestra_Novembro_Azul.ppt
Palestra_Novembro_Azul.pptPalestra_Novembro_Azul.ppt
Palestra_Novembro_Azul.ppt
LucasDaher2
 
Cancêr De Próstata
Cancêr De PróstataCancêr De Próstata
Cancêr De Próstata
cipasap
 
Saúde do homem e câncer de próstata
Saúde do homem e câncer de próstataSaúde do homem e câncer de próstata
Saúde do homem e câncer de próstata
Marcos Soares
 
Cancer de Próstata
Cancer de PróstataCancer de Próstata
Cancer de Próstata
Ivanilson Gomes
 
Centro de próstata e urológico
Centro de próstata e urológicoCentro de próstata e urológico
Centro de próstata e urológico
Clinionco Tratamento Integrado do Câncer
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
Eduardo Santos
 
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptxAula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
adriano silva
 
Trabalho novembro azul upa zaira edi.89
Trabalho novembro azul upa zaira edi.89Trabalho novembro azul upa zaira edi.89
Trabalho novembro azul upa zaira edi.89
Edinelza Rodrigues
 
Tudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de PróstataTudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de Próstata
Oncoguia
 
Neoplasia de próstata 25.04.pdf
Neoplasia de próstata 25.04.pdfNeoplasia de próstata 25.04.pdf
Neoplasia de próstata 25.04.pdf
Valeria146201
 
Apresentação outubro rosa (7)
Apresentação outubro rosa (7)Apresentação outubro rosa (7)
Apresentação outubro rosa (7)
Môny Dantas
 
Outubro Rosa
Outubro RosaOutubro Rosa
Outubro Rosa
WesleyCoutinho13
 
novembro azul.pptx
novembro azul.pptxnovembro azul.pptx
novembro azul.pptx
FrederickAlbuquerque
 

Semelhante a DST Aids CA de Próstata e Mama (20)

SAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptxSAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptx
 
App PISC4-Cancer Prostata
App PISC4-Cancer ProstataApp PISC4-Cancer Prostata
App PISC4-Cancer Prostata
 
Prostata
ProstataProstata
Prostata
 
Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018
 
novembro azul morbidade
novembro azul morbidadenovembro azul morbidade
novembro azul morbidade
 
palestra prevenção cancer de colo de utero e mama
palestra prevenção cancer de colo de utero e mamapalestra prevenção cancer de colo de utero e mama
palestra prevenção cancer de colo de utero e mama
 
IV Cc Secretarias - Prevencao De Cancer
IV Cc Secretarias - Prevencao De CancerIV Cc Secretarias - Prevencao De Cancer
IV Cc Secretarias - Prevencao De Cancer
 
Palestra_Novembro_Azul.ppt
Palestra_Novembro_Azul.pptPalestra_Novembro_Azul.ppt
Palestra_Novembro_Azul.ppt
 
Cancêr De Próstata
Cancêr De PróstataCancêr De Próstata
Cancêr De Próstata
 
Saúde do homem e câncer de próstata
Saúde do homem e câncer de próstataSaúde do homem e câncer de próstata
Saúde do homem e câncer de próstata
 
Cancer de Próstata
Cancer de PróstataCancer de Próstata
Cancer de Próstata
 
Centro de próstata e urológico
Centro de próstata e urológicoCentro de próstata e urológico
Centro de próstata e urológico
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
 
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptxAula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
 
Trabalho novembro azul upa zaira edi.89
Trabalho novembro azul upa zaira edi.89Trabalho novembro azul upa zaira edi.89
Trabalho novembro azul upa zaira edi.89
 
Tudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de PróstataTudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de Próstata
 
Neoplasia de próstata 25.04.pdf
Neoplasia de próstata 25.04.pdfNeoplasia de próstata 25.04.pdf
Neoplasia de próstata 25.04.pdf
 
Apresentação outubro rosa (7)
Apresentação outubro rosa (7)Apresentação outubro rosa (7)
Apresentação outubro rosa (7)
 
Outubro Rosa
Outubro RosaOutubro Rosa
Outubro Rosa
 
novembro azul.pptx
novembro azul.pptxnovembro azul.pptx
novembro azul.pptx
 

Último

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 

Último (20)

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 

DST Aids CA de Próstata e Mama

  • 1. DST e AIDS
  • 2. Facilitar a compreensão sobre as Doenças Sexualmente Transmissíveis e AIDS. Incentivar a auto-conscientização. Proporcionar informação para que cada um possa ser multiplicador de informações e ações pró- ativas. Objetivos
  • 3. Sífilis Gonorréia HPV Tricomoníase Hepatite B Herpes Genital AIDS PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
  • 4. Gonorréia HPV Trichomonas Herpes Genital AIDS Hepatite B
  • 5. De acordo com a Coordenação Nacional do Programa de Prevenção e Controle de Doenças Sexualmente Transmissíveis e AIDS: Aproximadamente 10 milhões de pessoas são portadoras de uma DST. ESTIMATIVA NO BRASIL
  • 6. Em números, as estimativas de casos de DST que se apresentam com sintomas, no Brasil, são: Sífilis: 937.000 Gonorréia: 1.541.800 Clamídia: 1.967.200 Herpes genital: 640.900 HPV: 685.400 Fonte: PN-DST/AIDS, 2003. ESTIMATIVA NO BRASIL
  • 7. Mais de 40,3 milhões de indivíduos contaminados 16,4 milhões de mulheres 2,2 milhões de crianças (< de 15 anos) 80% em países do terceiro mundo (principal: África) 6 000 pessoas entre 15 e 24 anos são infectadas por dia Cresce o número de infectados após 50 anos de idade. Cerca de 25 milhões de mortes (desde o começo da epidemia) AIDS NO MUNDO
  • 8. Pessoas vivendo com HIV: 620.000 Pessoas vivendo com AIDS: 474.273 Pessoas em tratamento: 125.000 Soropositivos sendo monitorados: 300.000 Mortes por AIDS/ano: 11.000 (Fonte: Unaids e Ministério da Saúde) ESTIMATIVA DE AIDS NO BRASIL
  • 9. Vírus HIV Infecta células de defesa do organismo; A longo prazo pode diminuir a defesa; Período de latência dura em média de 06 à 08 anos; Janela imunológica. AGENTE CAUSADOR
  • 10. Dados do Estado de São Paulo * Dados referentes ao Boletim do CRT / DST / AIDS Estado de São Paulo de julho/99 Homens Mulheres Início (83/84) 26 1 Hoje 2 1
  • 11. Cada vez maior o número de pessoas que se contaminam através de relações heterossexuais. Cada ano maior número de mulheres infectadas idade entre 13 e 19 anos, e após 60 anos. No Brasil maior crescimento na Região Sul / Centro Oeste. Crescimento acelerado nas classes sócio-econômicas mais baixas. Tendências da epidemia
  • 12. Sexual; Contato com sangue e fluido; Transmissão ocupacional (em profissionais da área da saúde); Vertical (da mãe para o filho, durante a gestação, parto ou aleitamento); FORMAS DE TRANSMISSÃO
  • 13. Emagrecimento acentuado; Febre persistente; Calafrios; Diarréia, náuseas e vômitos ; Sudorese; Infecções oportunistas; Tumores. Sintomas da doença
  • 14. 1989 - Descoberta Zidovudina - AZT. Hoje - associação de duas ou mais drogas As drogas anti-retrovirais agem impedindo o HIV de se reproduzir dentro das células CD4, cessando a infecção de novas células pelas suas cópias. Ao fazer isto, a quantidade de HIV no organismo diminui e o dano que ele pode causar ao sistema imunológico também é reduzido. TRATAMENTO
  • 15. Beijo na boca;  Uso de copos, talheres ou pratos de outras pessoas;  Suor, saliva e lágrimas;  Sabonete, toalha, lençóis; piscinas;  Picadas de insetos;  Doação de sangue. ASSIM NÃO CONTRAI O VÍRUS!
  • 16. Não compartilhar objetos perfuro-cortantes; Não usar drogas; Esterilizar / desinfectar instrumentos (alicates de unha, tesouras, lâminas de barbear); Usar seringas agulhas descartáveis; Realizar o pré-natal. PREVENÇÃO
  • 17. Sexo seguro: evitar promiscuidade usar preservativos PREVENÇÃO
  • 18. USO CORRETO DO PRESERVATIVO Masculino
  • 19. USO CORRETO DO PRESERVATIVO Feminino
  • 20. Vivendo com saúde... É vivo quem usa camisinha!!! PREVINA-SE
  • 21. CÂNCER DE MAMA TEM CURA !
  • 22. FATORES de RISCO: Idade superior a 40 anos; Alterações genéticas e hormonais; Menarca precoce (< 11 anos); Menopausa tardia (> 55 anos); Nulípara ou com início após os 30 anos. CÂNCER DE MAMA TEM CURA!
  • 23. NÚMEROS DE CÂNCER DE MAMA NO BRASIL A cada 36 minutos , uma brasileira é morre vítima do Câncer de Mama. 11. 860 mil é o número de mortes por Câncer de Mama por ano , sendo 125 homens e 11.745 mulheres (2008). Por ano, 50 mil novos casos são detectados no país. Em cada 10, 7 são diagnosticados em estágio avançado (quando o câncer já está em metástase). Estima-se 49.240 novos casos em 2010 ! Se descoberto a tempo tem 90% de probabilidade de cura. (Fonte: Sociedade Brasileira de Mastologia; Instituto Nacional de Câncer)
  • 24. Pratique atividade física, se mova! Consuma brocólis, tomate e derivados, mamão papaia, pitanga, melância e goiaba vermelha. Melhore sua dieta, você pode mais! Faça o autoexame das mamas 1 vez ao mês. Realize 1 vez por ano, o exame clínico das mamas; A mamografia está disponibilizada à partir dos 40 anos/ Lei 11.664/2008, porém, o rastreamento é indicado para mulheres com idade entre 50 e 69 anos; Exame Clínico das Mamas e Mamografia indicado para mulheres de 35 anos pertencentes a grupos populacionais com risco elevado de desenvolver Câncer de Mama. CÂNCER DE MAMA TEM CURA! Medidas Preventivas
  • 25. Antecedentes familiares direto: mãe, irmã ou filha, com Câncer de Mama diagnosticado antes dos 50 anos; Antecedentes familiares direto: mãe, irmã ou filha, com Câncer de Mama Bilateral ou Câncer de Ovário em qualquer faixa etária; Mulheres com história de Câncer de Mama masculino; Mulheres com diagnóstico histopatológico de lesão mamária proliferativa com Atipia ou neoplasia lobular in situ. Grupos populacionais de risco:
  • 26. AUTOEXAME DAS MAMA (AEM) CÂNCER DE MAMA TEM CURA!
  • 27. Alguma alteração na pele da mama (enrugamento/ descamação/ repuxando); Observar existência de caroços ou endurecimento; Apresentar secreção mamilar; Observar aumento de diferença de volume entre os seios. PROCURAR O MÉDICO SE: CÂNCER DE MAMA TEM CURA!
  • 28. O MEDO PODE CUSTAR A VIDA
  • 29. NÃO PERMITA QUE ELE INTERROMPA A SUA!
  • 30. PRÓSTATA: do conhecimento à prevenção
  • 31. É uma glândula masculina que pesa cerca de 20 gramas, parecida com uma maçã pequena. Responsável também pela produção do semem, a ser liberado na ejaculação. Dentro dela ocorrem as principais transformações do hormônio testosterona em diidrotosterona, que é responsável por seu crescimento. O que é a próstata?
  • 33. A próstata localiza-se na saída da bexiga, por onde atravessa a primeira porção da uretra, que é o canal que leva a urina da bexiga para o meio externo. Localização da próstata
  • 34. 1- Processos inflamatórios e infecciosos = prostatites 2- O aumento benigno da próstata (HBP) 3- Câncer da Próstata Quais são as principais alterações na próstata?
  • 35. Sensação de não esvaziar bem a bexiga, ao urinar; Necessidade de urinar frequentemente; Jato urinário que para e recomeça; Dificuldade para conter a urina; Jato urinário fraco; Necessidade de fazer força para começar a urinar; Necessidade de levantar à noite para urinar. Principais sintomas dessa alteração:
  • 36. O que fazer? Procurar um médico Urologista , que é o especialista para cuidar da sua próstata. Quais são as consequências? A principal consequência é o comprometimento da qualidade de vida. Em alguns casos há complicações como infecções e danos aos rins.
  • 37. É uma inflamação provocada por germes e pode ocorrer em qualquer idade. Apesar de ser uma forma de infecção, a prostatite não é contagiosa. Os sintomas mais freqüentes são: Febre; Dor, ardência ao urinar; Pus na uretra. Ao toque retal é comum: Próstata edemaciada e dolorida. O que é PROSTATITE?
  • 38. Trata-se de um aumento maligno da Próstata, que pode por em risco a vida. É o câncer mais freqüente no homem e a segunda causa de morte, no sexo masculino. Na fase inicial não causa sintomas, porém, a posteriore surgem: Sintomas de obstrução, parecidos com o aumento da próstata. Sangue na urina Dores nos ossos. CÂNCER DE PRÓSTATA
  • 39. * Estimativa, os números finais levam em média três anos para serem fechados. FONTE: INCA, Instituto Nacional do Câncer (Hospital do Câncer e Hospital das Clínicas) EVOLUÇÃO DE ÓBITOS POR CÂNCER DE PRÓSTATA
  • 40. *Idade *História familiar *Dieta rica em gordura animal *Raça: Homens negros Fatores de risco
  • 41. Cirurgia Laser Retirada da próstata Radioterapia; Braquiterapia (implante de sementes radioativas de iodo); Efeitos Colaterais Impotência; Incontinência urinária. TRATAMENTO PARA CÂNCER DE PRÓSTATA
  • 42. Diagnóstico Precoce: Toque retal a partir dos 50 anos: Volume; Consistência; Nódulos; Limites; Sensibilidade. Dosagem do PSA. Reeducação alimentar: Dieta pobre em gordura animal e rica em vegetais. Ex. Tomate (licopeno). Alimentos recomendados pela universidade de Harvard (USA): Brócolis, espinafre, repolho, couve-flor, feijão, soja e abóbora; Licopeno - tomate e seus derivados, goiaba vermelha, melância; Castanha do Pará (2 por dia); Salmão. PREVENÇÃO
  • 43. Conflitos da masculinidade: Relacionamento igualitário com a parceira Medo do homossexualismo e da impotência Conflitos relacionados aos exames urológicos: medo de ser tocado violação (dor) desconforto físico e psicológico ereção frente ao toque (ereção = prazer) estar descontraído = algo comum e/ou prazeroso. SEXUALIDADE MASCULINA
  • 45. O preconceito pode custar a vida
  • 46. Não permita que ele interrompa a sua !
  • 48. O antígeno específico prostático é uma enzima (glicoproteína) com algumas características de marcador tumoral, utilizado para monitorização e controle da evolução do carcinoma da próstata (Câncer de Próstata). Os resultados do teste de PSA referem o nível de PSA detectado no sangue. Os resultados são referidos em nanograma por mililitro (ng/ml) no sangue. As referências são as seguintes: • 0 a 2,5 ng/ml é considerado um valor baixo; • 2.6 a 9,9 ng/ml é considerado um valor ligeiro a moderado; • 10 a 19,9 ng/ml é considerado um valor moderadamente elevado; • 20 ng/ml ou mais é considerado um valor significativamente elevado. Não há um valor específico para se dizer que um nível de PSA é normal ou anormal. Contudo, quanto maior o nível de PSA, maior é a probabilidade de cancro estar presente. Vários factores podem causar a flutuação de níveis de PSA. Quando os níveis de PSA sobem com o tempo, outros testes poderão ser necessários. Há quatro resultados possíveis para um teste de PSA: 1.O valor de PSA é normal e não está presente o câncer da próstata (verdadeiro negativo) 2.O valor de PSA é elevado e está presente o câncer da próstata (verdadeiro positivo) 3.O valor de PSA é elevado e não está presente o câncer da próstata (falso positivo) 4.O valor de PSA é normal e está presente o câncer da próstata (falso negativo). O que é o PSA
  • 49. Etapas do câncer de próstata: Se for encontrado câncer na próstata, o médico precisa saber da etapa ou estádio da doença. A determinação da etapa é um estudo cuidadoso para descobrir se o câncer está disseminado e, se for assim, que partes do corpo foram afetadas. O médico pode solicitar vários exames de sangue e de imagem para avaliar a etapa da doença. As decisões sobre o tratamento dependem destes resultados. A determinação da etapa do câncer de próstata é um processo complexo. O médico pode descrever o estádio usando um número romano (I-IV) ou uma letra maiúscula (A-D). Estas são as principais características de cada etapa: q       Etapa I ou Etapa A: O câncer não pode ser sentido durante um exame de toque retal. Pode ser encontrado acidentalmente durante uma cirurgia por outro motivo, geralmente por hiperplasia de próstata benigna. Não há evidência que o tumor tenha se disseminado para fora da próstata. q       Etapa II ou Etapa B: o tumor abarca mais tecido dentro da próstata, pode ser sentido durante um exame de toque retal, ou foi encontrado por biópsia decorrente de um PSA elevado. Não há evidência que o tumor tenha se disseminado para fora da próstata. q       Etapa III ou Etapa C: O câncer se disseminou para fora da próstata para tecidos vizinhos. q       Etapa IV ou Etapa D: O câncer se disseminou para fora da próstata para os gânglios linfáticos ou outros tecidos do corpo. CÂNCER DE PRÓSTATA - Etapas

Notas do Editor

  1. Medicina Preventiva
  2. Localiza-se entre a bexiga e o reto
  3. Sua função é produzir o líquido que é eliminado durante o ato sexual, junto com os espermatozóides
  4. O aumento da próstata que ocorre geralmente depois dos 45 anos.
  5. Prostatite