SlideShare uma empresa Scribd logo
Cidadania e Profissionalidade
                       DR1: Valores éticos e Culturais
                  Núcleo Gerador: Convicção e Firmeza Ética


                                      Item 1
                   Relação existente entre cultura e valores.


       A partir do momento em que nascemos, automaticamente começamos a
adquirir informações e comportamentos que nos vão transformando naquilo
que somos actualmente. É um método de aprendizagem que vem
acompanhando o homem ao longo de milhares de anos.
       O meio no qual estamos inseridos e as pessoas que fazem parte do nosso
meio de convivência, em especial as pessoas mais directas, como por
exemplo: os nossos pais, vão-nos incutindo valores que vão fazer parte de nós
para a vida toda. Estes valores podem ser bons ou menos bons, quero com isto
dizer, que a relação existente entre culturas e valores depende em muito das
bases que nos foram dadas na nossa aprendizagem global, enquanto jovens
aprendizes.
       Á medida que os anos passam, vamo-nos tornando mais independentes e
completando a nossa tábua de valores, consoante os valores que damos mais
importância.




                                     Item 2
               Distinção entre juízos de facto e juízos de valore.


   •    Juízos de facto são constatações, são juízos a que nós atribuímos
        todos, o mesmo significado, ex: um lápis é um lápis, é igual para todos.
   •    Juízos de valor são valores individuais que nós atribuímos a alguma
        coisa, ex: eu atribuo um valor àquele lápis, outra pessoa pode atribuir
                                                                                    Página1




        um outro valor diferente do meu, cada pessoa valoriza consoante a sua
        cultura, necessidades, preferências, etc.



                                                                       RUI GALVÃO
Item 3
                        Valores que deveriam ser perenes.


     Os valores que para mim deveriam ser perenes são aqueles que estão
relacionados com toda a existência da vida.
     Todo o ser vivo tem o direito á vida, competindo-lhe geri-la da forma que
bem o entender, desde que para isso não prejudique os outros.
     O bem comum porque certamente uma população que se sinta satisfeita
com o bem de todos, é uma população com pensamentos mais positivos e
mais tolerante para com os outros.
     A paz é muito importante para que haja uma harmonia entre os homens,
para que o planeta continue a existir e que nos proporcione a nós, às gerações
vindouras e a todos os outros seres vivos, uma vida digna da nossa existência.
     A justiça igual para todos, se todos fossem julgados de igual forma, no
sentido de não se favorecerem classes, raças, sexos diferentes, etc, ninguém
se sentiria injustiçado e vivia com um espírito de revolta para com os outros.




                                                                                   Página1




                                                                      RUI GALVÃO
Item 4
Esta é a pirâmide de valores pelos quais gostava de pautar a vida.




                                                                        Página1




                                                           RUI GALVÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Processos Identitários
Processos IdentitáriosProcessos Identitários
Processos Identitários
arturferreira007
 
Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas ProfissionaisTrabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
Quirino Vieira
 
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
SILVIA G. FERNANDES
 
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
I.Braz Slideshares
 
Preparar Uma Sessao De Juri
Preparar Uma Sessao De JuriPreparar Uma Sessao De Juri
Preparar Uma Sessao De Juri
João Lima
 
Manual clc5
Manual clc5Manual clc5
Reflexão - CP5
Reflexão - CP5Reflexão - CP5
Reflexão - CP5
Sizes & Patterns
 
C.L.C. 5 - Telemóveis
C.L.C. 5 - TelemóveisC.L.C. 5 - Telemóveis
C.L.C. 5 - Telemóveis
I.Braz Slideshares
 
Power point etica individual e coletiva
Power point etica individual e coletivaPower point etica individual e coletiva
Power point etica individual e coletiva
Helena Cordeiro
 
Apoio cp5 a_b
Apoio cp5 a_bApoio cp5 a_b
Apoio cp5 a_b
profisa70
 
Reflexão - CLC7
Reflexão - CLC7 Reflexão - CLC7
Reflexão - CLC7
Sizes & Patterns
 
1289687806 cp5 _dr4_globalização
1289687806 cp5 _dr4_globalização1289687806 cp5 _dr4_globalização
1289687806 cp5 _dr4_globalização
Paulacapinha1962
 
Reflexão - CP4
Reflexão - CP4Reflexão - CP4
Reflexão - CP4
Sizes & Patterns
 
comunidade ética global
comunidade ética globalcomunidade ética global
comunidade ética global
danikj
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
Carlos Pessoa
 
Ficha de trabalho clc dr2
Ficha de trabalho clc   dr2Ficha de trabalho clc   dr2
Ficha de trabalho clc dr2
Helena Maria
 
Reflexão - CP1
Reflexão - CP1Reflexão - CP1
Reflexão - CP1
Sizes & Patterns
 
Fluxos Migratorios Clc 6
Fluxos Migratorios Clc 6Fluxos Migratorios Clc 6
Fluxos Migratorios Clc 6
joaquimsousaferreira
 
Autobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptistaAutobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptista
Sonia Batista
 
Descodificacao - Cidadania & Profissionalidade
Descodificacao - Cidadania & ProfissionalidadeDescodificacao - Cidadania & Profissionalidade
Descodificacao - Cidadania & Profissionalidade
J P
 

Mais procurados (20)

Processos Identitários
Processos IdentitáriosProcessos Identitários
Processos Identitários
 
Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas ProfissionaisTrabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
 
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
 
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
 
Preparar Uma Sessao De Juri
Preparar Uma Sessao De JuriPreparar Uma Sessao De Juri
Preparar Uma Sessao De Juri
 
Manual clc5
Manual clc5Manual clc5
Manual clc5
 
Reflexão - CP5
Reflexão - CP5Reflexão - CP5
Reflexão - CP5
 
C.L.C. 5 - Telemóveis
C.L.C. 5 - TelemóveisC.L.C. 5 - Telemóveis
C.L.C. 5 - Telemóveis
 
Power point etica individual e coletiva
Power point etica individual e coletivaPower point etica individual e coletiva
Power point etica individual e coletiva
 
Apoio cp5 a_b
Apoio cp5 a_bApoio cp5 a_b
Apoio cp5 a_b
 
Reflexão - CLC7
Reflexão - CLC7 Reflexão - CLC7
Reflexão - CLC7
 
1289687806 cp5 _dr4_globalização
1289687806 cp5 _dr4_globalização1289687806 cp5 _dr4_globalização
1289687806 cp5 _dr4_globalização
 
Reflexão - CP4
Reflexão - CP4Reflexão - CP4
Reflexão - CP4
 
comunidade ética global
comunidade ética globalcomunidade ética global
comunidade ética global
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
 
Ficha de trabalho clc dr2
Ficha de trabalho clc   dr2Ficha de trabalho clc   dr2
Ficha de trabalho clc dr2
 
Reflexão - CP1
Reflexão - CP1Reflexão - CP1
Reflexão - CP1
 
Fluxos Migratorios Clc 6
Fluxos Migratorios Clc 6Fluxos Migratorios Clc 6
Fluxos Migratorios Clc 6
 
Autobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptistaAutobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptista
 
Descodificacao - Cidadania & Profissionalidade
Descodificacao - Cidadania & ProfissionalidadeDescodificacao - Cidadania & Profissionalidade
Descodificacao - Cidadania & Profissionalidade
 

Destaque

Ficha formativa N1
Ficha formativa N1Ficha formativa N1
Ficha formativa N1
celiamagalhaes
 
CP5
CP5CP5
Dr1 ng5 conceitos (1)
Dr1 ng5 conceitos (1)Dr1 ng5 conceitos (1)
Dr1 ng5 conceitos (1)
CarlosFernandes Pinto
 
ética e deontologia profissional
ética e deontologia profissionalética e deontologia profissional
ética e deontologia profissional
Sérgio Rocha
 
Direitos e Deveres
Direitos e DeveresDireitos e Deveres
Direitos e Deveres
Sergio Lagoa
 
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
I.Braz Slideshares
 
Direitos e deveres laborais
Direitos e deveres laboraisDireitos e deveres laborais
Direitos e deveres laborais
cattonia
 
Diversidade Cultural
Diversidade CulturalDiversidade Cultural
Diversidade Cultural
Paula Melo
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
Paula Tomaz
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
Secretaria da Educação
 
Parte III Comp. Consumidor Janaira Franca
Parte III  Comp. Consumidor Janaira FrancaParte III  Comp. Consumidor Janaira Franca
Parte III Comp. Consumidor Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Cp_5
Cp_5Cp_5
Cp_5
J P
 
A ética da guerra
A ética da guerraA ética da guerra
A ética da guerra
Daniel Roque
 
CP-NG:Convicçao e firmeza etica
CP-NG:Convicçao e firmeza eticaCP-NG:Convicçao e firmeza etica
CP-NG:Convicçao e firmeza etica
turmab
 
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica MarcoFicha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
mega
 
Escola SecundáRia Fernando Lopes RelatóRio Do Blog
Escola SecundáRia Fernando Lopes RelatóRio Do BlogEscola SecundáRia Fernando Lopes RelatóRio Do Blog
Escola SecundáRia Fernando Lopes RelatóRio Do Blog
Ana Teresa
 
Ética No Uso Da Televisao
Ética No Uso Da TelevisaoÉtica No Uso Da Televisao
Ética No Uso Da Televisao
Turma Efa S2
 
Guiao Filme CP Covicçao efirmeza éctica
Guiao Filme CP Covicçao efirmeza écticaGuiao Filme CP Covicçao efirmeza éctica
Guiao Filme CP Covicçao efirmeza éctica
mega
 
Ng2 dr3-angelina-carla-micaela coregido
Ng2 dr3-angelina-carla-micaela coregidoNg2 dr3-angelina-carla-micaela coregido
Ng2 dr3-angelina-carla-micaela coregido
estreitoformaefas
 
Cp1 contrato de trabalho a termo pedro
Cp1   contrato de trabalho a termo pedroCp1   contrato de trabalho a termo pedro
Cp1 contrato de trabalho a termo pedro
Adelino Carlos & Vieira
 

Destaque (20)

Ficha formativa N1
Ficha formativa N1Ficha formativa N1
Ficha formativa N1
 
CP5
CP5CP5
CP5
 
Dr1 ng5 conceitos (1)
Dr1 ng5 conceitos (1)Dr1 ng5 conceitos (1)
Dr1 ng5 conceitos (1)
 
ética e deontologia profissional
ética e deontologia profissionalética e deontologia profissional
ética e deontologia profissional
 
Direitos e Deveres
Direitos e DeveresDireitos e Deveres
Direitos e Deveres
 
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
 
Direitos e deveres laborais
Direitos e deveres laboraisDireitos e deveres laborais
Direitos e deveres laborais
 
Diversidade Cultural
Diversidade CulturalDiversidade Cultural
Diversidade Cultural
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 
Parte III Comp. Consumidor Janaira Franca
Parte III  Comp. Consumidor Janaira FrancaParte III  Comp. Consumidor Janaira Franca
Parte III Comp. Consumidor Janaira Franca
 
Cp_5
Cp_5Cp_5
Cp_5
 
A ética da guerra
A ética da guerraA ética da guerra
A ética da guerra
 
CP-NG:Convicçao e firmeza etica
CP-NG:Convicçao e firmeza eticaCP-NG:Convicçao e firmeza etica
CP-NG:Convicçao e firmeza etica
 
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica MarcoFicha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
 
Escola SecundáRia Fernando Lopes RelatóRio Do Blog
Escola SecundáRia Fernando Lopes RelatóRio Do BlogEscola SecundáRia Fernando Lopes RelatóRio Do Blog
Escola SecundáRia Fernando Lopes RelatóRio Do Blog
 
Ética No Uso Da Televisao
Ética No Uso Da TelevisaoÉtica No Uso Da Televisao
Ética No Uso Da Televisao
 
Guiao Filme CP Covicçao efirmeza éctica
Guiao Filme CP Covicçao efirmeza écticaGuiao Filme CP Covicçao efirmeza éctica
Guiao Filme CP Covicçao efirmeza éctica
 
Ng2 dr3-angelina-carla-micaela coregido
Ng2 dr3-angelina-carla-micaela coregidoNg2 dr3-angelina-carla-micaela coregido
Ng2 dr3-angelina-carla-micaela coregido
 
Cp1 contrato de trabalho a termo pedro
Cp1   contrato de trabalho a termo pedroCp1   contrato de trabalho a termo pedro
Cp1 contrato de trabalho a termo pedro
 

Semelhante a Dr1 val. étic.e cultu.

Reflexao critica - baraka
Reflexao critica -  barakaReflexao critica -  baraka
Reflexao critica - baraka
AMLDRP
 
Microsoft word texto de apoio os valores
Microsoft word   texto de apoio os valoresMicrosoft word   texto de apoio os valores
Microsoft word texto de apoio os valores
Julia Martins
 
Microsoft word texto de apoio os valores
Microsoft word   texto de apoio os valoresMicrosoft word   texto de apoio os valores
Microsoft word texto de apoio os valores
Julia Martins
 
O ser humano é Natural ou Cultural?
O ser humano é Natural ou Cultural?O ser humano é Natural ou Cultural?
O ser humano é Natural ou Cultural?
Bruno Carrasco
 
Texto de apoio os valores
Texto de apoio os valoresTexto de apoio os valores
Texto de apoio os valores
Julia Martins
 
CP5-Dr1.ppt
CP5-Dr1.pptCP5-Dr1.ppt
Ficha formativa nº8
Ficha formativa nº8Ficha formativa nº8
Ficha formativa nº8
Filipe Prado
 
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Daniela Matos
 
Corpo e movimento
Corpo e movimentoCorpo e movimento
Corpo e movimento
Lala Deheinzelin
 
Trabalho das folgueiras
Trabalho das folgueirasTrabalho das folgueiras
Trabalho das folgueiras
Eunice Ramos
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
Gabriele Almeida
 
Mary
MaryMary
Cultura
CulturaCultura
Cultura
Silvia Revez
 
Ativ2 sandra
Ativ2 sandraAtiv2 sandra
Ativ2 sandra
sandrafran
 
Ativ2 sandra
Ativ2 sandraAtiv2 sandra
Ativ2 sandra
sandrafran
 
223839928 apostila-ensino-religioso (1)
223839928 apostila-ensino-religioso (1)223839928 apostila-ensino-religioso (1)
223839928 apostila-ensino-religioso (1)
educaedil
 
Valor
ValorValor
Amar e brincar - fundamentos esquecidos do humano - Humberto Maturana e Gerda...
Amar e brincar - fundamentos esquecidos do humano - Humberto Maturana e Gerda...Amar e brincar - fundamentos esquecidos do humano - Humberto Maturana e Gerda...
Amar e brincar - fundamentos esquecidos do humano - Humberto Maturana e Gerda...
Ateliê Giramundo
 
unid_2.pdf
unid_2.pdfunid_2.pdf
unid_2.pdf
SammuelFabricio1
 
Da acção aos valores1
Da acção aos valores1Da acção aos valores1
Da acção aos valores1
Helena Serrão
 

Semelhante a Dr1 val. étic.e cultu. (20)

Reflexao critica - baraka
Reflexao critica -  barakaReflexao critica -  baraka
Reflexao critica - baraka
 
Microsoft word texto de apoio os valores
Microsoft word   texto de apoio os valoresMicrosoft word   texto de apoio os valores
Microsoft word texto de apoio os valores
 
Microsoft word texto de apoio os valores
Microsoft word   texto de apoio os valoresMicrosoft word   texto de apoio os valores
Microsoft word texto de apoio os valores
 
O ser humano é Natural ou Cultural?
O ser humano é Natural ou Cultural?O ser humano é Natural ou Cultural?
O ser humano é Natural ou Cultural?
 
Texto de apoio os valores
Texto de apoio os valoresTexto de apoio os valores
Texto de apoio os valores
 
CP5-Dr1.ppt
CP5-Dr1.pptCP5-Dr1.ppt
CP5-Dr1.ppt
 
Ficha formativa nº8
Ficha formativa nº8Ficha formativa nº8
Ficha formativa nº8
 
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
 
Corpo e movimento
Corpo e movimentoCorpo e movimento
Corpo e movimento
 
Trabalho das folgueiras
Trabalho das folgueirasTrabalho das folgueiras
Trabalho das folgueiras
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Mary
MaryMary
Mary
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Ativ2 sandra
Ativ2 sandraAtiv2 sandra
Ativ2 sandra
 
Ativ2 sandra
Ativ2 sandraAtiv2 sandra
Ativ2 sandra
 
223839928 apostila-ensino-religioso (1)
223839928 apostila-ensino-religioso (1)223839928 apostila-ensino-religioso (1)
223839928 apostila-ensino-religioso (1)
 
Valor
ValorValor
Valor
 
Amar e brincar - fundamentos esquecidos do humano - Humberto Maturana e Gerda...
Amar e brincar - fundamentos esquecidos do humano - Humberto Maturana e Gerda...Amar e brincar - fundamentos esquecidos do humano - Humberto Maturana e Gerda...
Amar e brincar - fundamentos esquecidos do humano - Humberto Maturana e Gerda...
 
unid_2.pdf
unid_2.pdfunid_2.pdf
unid_2.pdf
 
Da acção aos valores1
Da acção aos valores1Da acção aos valores1
Da acção aos valores1
 

Mais de ruigalvao

P.t 39
P.t 39P.t 39
P.t 39
ruigalvao
 
Pt 37
Pt 37Pt 37
Pt 37
ruigalvao
 
P.t33 zonas verdes
P.t33 zonas verdesP.t33 zonas verdes
P.t33 zonas verdes
ruigalvao
 
P.t33 zonas verdes
P.t33 zonas verdesP.t33 zonas verdes
P.t33 zonas verdes
ruigalvao
 
Domótica
DomóticaDomótica
Domótica
ruigalvao
 
Glossário
GlossárioGlossário
Glossário
ruigalvao
 
A minha casa de sonho
A minha casa de sonhoA minha casa de sonho
A minha casa de sonho
ruigalvao
 
P.t.29
P.t.29P.t.29
P.t.29
ruigalvao
 
Trabalho 10 dr2
Trabalho 10 dr2Trabalho 10 dr2
Trabalho 10 dr2
ruigalvao
 
Automedicação
AutomedicaçãoAutomedicação
Automedicação
ruigalvao
 
Folheto de poupança
Folheto de poupançaFolheto de poupança
Folheto de poupança
ruigalvao
 
Trabalho 9 sìmbolos
Trabalho 9 sìmbolosTrabalho 9 sìmbolos
Trabalho 9 sìmbolos
ruigalvao
 
Propos.tra.6
Propos.tra.6Propos.tra.6
Propos.tra.6
ruigalvao
 
Propos.tra.6
Propos.tra.6Propos.tra.6
Propos.tra.6
ruigalvao
 
P.t republica
P.t republicaP.t republica
P.t republica
ruigalvao
 
Viagem
ViagemViagem
Viagem
ruigalvao
 
Etica pro
Etica proEtica pro
Etica pro
ruigalvao
 
Etica pro
Etica proEtica pro
Etica pro
ruigalvao
 
Ng4 dr3 dr4
Ng4 dr3 dr4Ng4 dr3 dr4
Ng4 dr3 dr4
ruigalvao
 
Ng4 iden.alter
Ng4 iden.alterNg4 iden.alter
Ng4 iden.alter
ruigalvao
 

Mais de ruigalvao (20)

P.t 39
P.t 39P.t 39
P.t 39
 
Pt 37
Pt 37Pt 37
Pt 37
 
P.t33 zonas verdes
P.t33 zonas verdesP.t33 zonas verdes
P.t33 zonas verdes
 
P.t33 zonas verdes
P.t33 zonas verdesP.t33 zonas verdes
P.t33 zonas verdes
 
Domótica
DomóticaDomótica
Domótica
 
Glossário
GlossárioGlossário
Glossário
 
A minha casa de sonho
A minha casa de sonhoA minha casa de sonho
A minha casa de sonho
 
P.t.29
P.t.29P.t.29
P.t.29
 
Trabalho 10 dr2
Trabalho 10 dr2Trabalho 10 dr2
Trabalho 10 dr2
 
Automedicação
AutomedicaçãoAutomedicação
Automedicação
 
Folheto de poupança
Folheto de poupançaFolheto de poupança
Folheto de poupança
 
Trabalho 9 sìmbolos
Trabalho 9 sìmbolosTrabalho 9 sìmbolos
Trabalho 9 sìmbolos
 
Propos.tra.6
Propos.tra.6Propos.tra.6
Propos.tra.6
 
Propos.tra.6
Propos.tra.6Propos.tra.6
Propos.tra.6
 
P.t republica
P.t republicaP.t republica
P.t republica
 
Viagem
ViagemViagem
Viagem
 
Etica pro
Etica proEtica pro
Etica pro
 
Etica pro
Etica proEtica pro
Etica pro
 
Ng4 dr3 dr4
Ng4 dr3 dr4Ng4 dr3 dr4
Ng4 dr3 dr4
 
Ng4 iden.alter
Ng4 iden.alterNg4 iden.alter
Ng4 iden.alter
 

Último

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 

Último (20)

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 

Dr1 val. étic.e cultu.

  • 1. Cidadania e Profissionalidade DR1: Valores éticos e Culturais Núcleo Gerador: Convicção e Firmeza Ética Item 1 Relação existente entre cultura e valores. A partir do momento em que nascemos, automaticamente começamos a adquirir informações e comportamentos que nos vão transformando naquilo que somos actualmente. É um método de aprendizagem que vem acompanhando o homem ao longo de milhares de anos. O meio no qual estamos inseridos e as pessoas que fazem parte do nosso meio de convivência, em especial as pessoas mais directas, como por exemplo: os nossos pais, vão-nos incutindo valores que vão fazer parte de nós para a vida toda. Estes valores podem ser bons ou menos bons, quero com isto dizer, que a relação existente entre culturas e valores depende em muito das bases que nos foram dadas na nossa aprendizagem global, enquanto jovens aprendizes. Á medida que os anos passam, vamo-nos tornando mais independentes e completando a nossa tábua de valores, consoante os valores que damos mais importância. Item 2 Distinção entre juízos de facto e juízos de valore. • Juízos de facto são constatações, são juízos a que nós atribuímos todos, o mesmo significado, ex: um lápis é um lápis, é igual para todos. • Juízos de valor são valores individuais que nós atribuímos a alguma coisa, ex: eu atribuo um valor àquele lápis, outra pessoa pode atribuir Página1 um outro valor diferente do meu, cada pessoa valoriza consoante a sua cultura, necessidades, preferências, etc. RUI GALVÃO
  • 2. Item 3 Valores que deveriam ser perenes. Os valores que para mim deveriam ser perenes são aqueles que estão relacionados com toda a existência da vida. Todo o ser vivo tem o direito á vida, competindo-lhe geri-la da forma que bem o entender, desde que para isso não prejudique os outros. O bem comum porque certamente uma população que se sinta satisfeita com o bem de todos, é uma população com pensamentos mais positivos e mais tolerante para com os outros. A paz é muito importante para que haja uma harmonia entre os homens, para que o planeta continue a existir e que nos proporcione a nós, às gerações vindouras e a todos os outros seres vivos, uma vida digna da nossa existência. A justiça igual para todos, se todos fossem julgados de igual forma, no sentido de não se favorecerem classes, raças, sexos diferentes, etc, ninguém se sentiria injustiçado e vivia com um espírito de revolta para com os outros. Página1 RUI GALVÃO
  • 3. Item 4 Esta é a pirâmide de valores pelos quais gostava de pautar a vida. Página1 RUI GALVÃO