SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
QUESTIONAMENTO EM QUÍMICA: A ARTE DE PERGUNTAR Victor M. S. Gil Departamento de Química, Univ. de Coimbra  e  Exploratório, Centro Ciência Viva de Coimbra
V.M.S.GIL and J.C.M.PAIVA,  Prediction versus Explanation in Chemistry Teaching , Journal of Chemical Education (2009) (submetido) . V.M.S.GIL, M. HELENA PEDROSA and M.WATTS,  Questions about Questioning , em preparação. V.M.S.GIL,  University students assessment of the explanatory content of justification statements , International Journal of Science Education (1988),  10 , 581. V.M.S.GIL,  Orbitals in Chemistry , Cambridge Univ. Press, UK, 2000.
A. CIÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA CIENTÍFICA   B. QUÊS E PORQUÊS EM QUÍMICA C. SOBRE A GESTÃO DAS PERGUNTAS NA SALA    DE AULA D. USO E MAU USO DE “PORQUE”
A. CIÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA CIENTÍFICA   A ciência, uma criação do Homem para melhor conhecer, controlar e transformar o mundo Resultado e processo   *  da satisfação da curiosidade humana desinteressada   da procura de respostas para problemas de  sobrevivência e outros problemas práticos  
Contudo é, apenas, uma pequena fracção da nossa relação com o mundo:  apenas uma das formas de interagir com a realidade. Considerar as limitações da ciência à luz das aspirações globais e mais profundas da mente humana, segundo A. Moles, em “Les Sciences de l’Imprécis”, 1990, “La pensée scientifique – qui est bien aus sens étymologique notre nouvelle “religion”: le facteur qui nous unit dans la maîtrise du futur – reste une petite fraction de notre vie quotidienne”… Analisar H. Pagels, em “The Dreams of Reason: The Rise of the Sciences of Complexity”, 1988, “in this era of science and technology, there is a conscious space for art, philosophy, etc. as complementary ways of our relating to the real world and acting upon it”.
  1. Ciência e Curiosidade A Ciência avança através de respostas a perguntas de vários tipos: “quês” e “porquês”, e também os “para quês”,os “comos”, os “e se …”.  A curiosidade intelectual e a capacidade de fazer perguntas: o que distingue o Homem dos outros animais     A curiosidade inata a cada criança, em processo de sobrevivência: curiosidade essencialmente multi-sensorial e afectiva Segundo alguns estudiosos, a escola pode acabar por atrofiar a curiosidade genuína e reduzir a motivação.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
4. O ensino experimental das ciências Há ciência, há experiência! Ciência = ideias + observação (espontânea ou  intencional) + ideias + experimentação + ideias Ideias: previsão/hipótese, interpretação, correlação,  analogia, explicação ... (cf. modelos explicativos e  modelos preditivos) Observação/experimentação:  Registos sensoriais Actividades práticas Actividades experimentais Actividades laboratoriais
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
6. As várias dimensões da cultura científica   Dimensão descritiva:  informação – factos, nomes, datas, fenómenos, nomes de conceitos e teorias – sobre o universo, a matéria e a vida, informação essa convertida em conhecimento através de ligações significativas que cada um faça com o seu conhecimento anterior.   Dimensão prática  e  dimensão social:  maneira como os resultados da ciência e da tecnologia afectam a nossa vida quotidiana – saúde e bem-estar, aplicações tecnológicas, qualidade do ambiente – e o desenvolvimento sustentado, assim como  capacidade de cada cidadão participar, informado, nas decisões colectivas.    Dimensão intelectual:  promoção da curiosidade, competências inquisitivas, racionalidade, capacidade em encontrar e seleccionar informação e desenvolvimento de formas de pensamento crítico e criativo.
Dimensão afectiva:  encontrar encanto, deslumbramento e excitação na aventura da ciência, juntamente com a consciência das formas como a ciência avança – não apenas aprendendo com os erros, mas também reconhecendo que sucesso gera sucesso.   Dimensão histórica:  contextos históricos em que a ciência se foi desenvolvendo, por exemplo, da segurança das verdades aparentemente eternas do positivismo do século XVIII ao desconforto das verdades provisórias e às incertezas e riscos associados à ciência moderna   Dimensão axiológica:  associada à promoção dos valores fundamentais, como a honestidade intelectual e a tolerância, e às implicações éticas de alguma investigação científica.
B.  QUÊS  e PORQUÊS em  QUÍMICA A Química desenvolve-se sobretudo à volta de  “quês” e “porquês”   sobre a natureza, propriedades e transformações da matéria, interpretadas em termos de átomos e suas associações.
Entre os “quês” e os “porquês”, passando pelos “comos” e os “e se’s”, pode estabelecer-se uma cascata do mais superficial ao mais profundo em matéria de conhecimento.      Exemplo:
Duas grandes classes de perguntas: A. Perguntas de  índole cognitiva , que requerem uma resposta, focadas em conhecimento: Que, Quem, Quando, Onde, Como, Quanto, Quantos, Porque...       B. Perguntas de  índole não-cognitiva , que procuram autorização, apontam para um comportamento não-verbal, exprimem uma opinião, etc.:  Posso  entrar ?  Pode passar a água? Quem diria? etc.
Divisão das perguntas A em várias categorias: A1.  Aquisição de informação  (simples ou complexa,  qualitativa ou quantitativa) A2.  Processamento  de informação  (descrição,  comparação, integração, reconciliação, correlação,  procura de  padrões, relações causa-efeito,  previsão, generalização, aplicação, resolução de  problemas) A3.  Pensamento crítico e criativo  (colocação de  hipóteses, especulação, explicação, validação de  explicação) A4.  Organização e reflexão sobre todo o processo de procura  de sentido   (por ex.  Em que ponto estamos? Que tipos de  perguntas estamos a considerar?)
Sub-divisão da categoria A1: A1.1 Questões fechadas, de resposta breve * Questões de verdadeiro/falso, sim/não ou disjuntivas (X ou Y). No equilíbrio, a massa de produtos é igual à massa de reagentes.  Verdadeiro ou Falso? a A + Bb  cC + dD Será que no equilíbrio  terminam  as reacções, uma oposta da outra? Em igualdade de condições, qual é mais solúvel em água: cloreto de  sódio ou carbonato de cálcio? NaCl(s)  Na + (aq) + Cl -  (aq) CaCO 3 (s)  Ca 2+ (aq) + CO 3 2- (aq)
* Questões focadas em seres, objectos, tempo, locais, ... Quem pela primeira vez estabeleceu a variação das constantes de  equilíbrio com a temperatura? Qual dos ácidos é comercialmente designado por ácido muriático? Quando (em que século) foi estabelecida a 2ª Lei da Termodinâmica? Onde (em que país) nasceu Henri Le Chatelier?
* Questões que especificam um atributo Qual é o mais denso dos gases reagentes no equilíbrio de  síntese do amoníaco? N 2 (g) + 3H 2 (g)  2NH 3 (g) * Questões focadas na quantificação de um atributo Quantas vezes a molécula  N 2   é mais pesada que  H 2 ?
A1.2 Questões abertas, de resposta mais elaborada *  Questões focadas na causa próxima ou consequência de um evento ou acção Qual é a principal causa das chuvas ácidas? Qual a principal consequência das chuvas ácidas no património  arquitectónico?   Qual o efeito do aumento de temperatura no estado de equilíbrio de uma reacção exotérmica?  Como se pode aumentar a percentagem de amoníaco na reacção de  síntese a partir de azoto e hidrogénio?
* Questões sobre a ocorrência ou não ocorrência de um determinado evento/acção Como se pode usar o efeito de ião-comum para diminuir a solubilidade do carbonato de cálcio? Que condições favorecem a corrosão metálica?
*  Questões que apelam a uma clarificação, semelhanças/ diferenças, definição, ... Qual a diferença entre reacção extensa e reacção rápida?     Porque é que se atribui o valor  7  ao  pH  da água, a  25 ºC ?   * Questões que têm a ver com aplicações práticas Para que servem os catalisadores, se eles não alteram as  constantes de equilíbrio?   *  Questões que apelam a uma opinião fundamentada Que acha da reciclagem das latas de alumínio?
*  As questões A2 podem apelar a ...    ...  Cálculo, evidência ou determinação experimental Que quantidade de iodeto de hidrogénio se pode obter a partir de  1,0 mol  de hidrogénio e  0,50 mol  de iodo, a  500 ºC , sabendo que a constante de equilíbrio para  H 2 (g) + I 2 (g)  2HI(g) a  500 ºC  é 63? Qual o  pH  de uma solução aquosa de ácido acético com a  concentração  0,10 mol dm -3 ? Qual a solubilidade do fluoreto de cálcio  ( K s  = 3,9 x 10 -11 )  em água  e numa solução aquosa com  0,010 mol dm -3   de ião cálcio? Como se sabe, por via experimental, que a constante de acidez do  ácido acético é 1,8 x 10 -5 ?
* ... C omparação, correlação, dedução Que reactividade se pode prever para o metal alcalino césio por  comparação com o comportamento dos outros metais alcalinos em  posição superior na Tabela Periódica? Como se interpreta o facto de o ouro ser menos oxidável que o ferro em termos de potenciais de redução? Como se justifica o efeito da pressão no equilíbrio de síntese do  amoníaco a partir de nitrogénio e hidrogénio, em termos do princípio de Le Chatelier?
*  ... Aplicação de modelos teóricos   Que alteração de cor se pode prever para uma solução aquosa de  sulfato de cobre por adição de amoníaco com base no modelo do  campo cristalino? *  ... Aplicação de tabelas de valores Qual dos ácidos etanóico e benzóico é mais fraco? Justifique a  resposta. Qual dos sais carbonato de chumbo e sulfato de chumbo é mais  solúvel em água? Justifique a resposta
*  ... Resolução de conflitos com o conhecimento prévio, intuição ou senso comum Como é que a adição de um gás inerte ao sistema em equilíbrio  N 2 (g) + 3H 2 (g)  2NH 3 (g) não aumenta a proporção de amoníaco, como resultado de um  aumento de pressão total (com V e T constantes)?    Considere a diminuição de volume do sistema em equilíbrio N 2 (g) + 3H 2 (g)  2NH 3 (g) a) Em que sentido o sistema devia tender a contrariar essa  diminuição: aumento ou diminuição do número de moléculas? b) Mas diminuição de volume é aumento de pressão. Em que  sentido deve o sistema contrariar esse aumento: aumento ou  diminuição do número de moléculas?
* ... Resolução de conflitos com o conhecimento prévio, intuição ou senso comum (cont.) Como é possível que a água possa ter um  pH  diferente de 7? 2H 2 O(l)  OH -  (aq) + H 3 O + (aq) Como é possível que a solubilidade do sulfato de cobre em água seja a mesma, quer se use o sal em bloco ou em pó?  Não é verdade que a dissolução é mais rápida se estiver moído?  CuSO 4 (s)  Cu 2+ (aq) + SO 4 2- (aq)
* Na categoria A3 caem: * Questões que visam as explicações Como se explica que o fluoreto de hidrogénio seja um ácido  fraco, ao passo que o cloreto de hidrogénio é um ácido forte? Porque é que o sulfato de magnésio é um sal muito solúvel em  água quando o carbonato de magnésio é pouco solúvel?
[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
EXEMPLOS NEGATIVOS OU NEUTROS   1. Não interrompas! 2.  (Procurando ganhar tempo, talvez o toque para saída) Já vamos a essa questão. 3.  A tua pergunta cai no âmbito da disciplina X e não desta. Pergunta ao teu professor de X. 4.  Boa pergunta, mas para mais tarde, quando tiveres outros conhecimentos. 5.  Vou pensar no assunto em casa e, depois, digo-te a resposta. 6. Confesso que também não sei a resposta a essa pergunta. Vamos mandar um e-mail aos autores do livro?
EXEMPLOS POSITIVOS 1. A tua pergunta, que cai melhor no âmbito da disciplina X, mostra que, afinal, não há fronteiras muito rígidas entre as várias áreas do saber. a. Dou-te, agora, apenas uma primeira resposta.  Podemos, depois, falar, em conjunto, com o professor de X. b. Mais alguém nos quer acompanhar nessa reunião? 2. Em qual das categorias (Quê, Como, Porquê, E se...) colocas a tua pergunta? 3. Boa pergunta. Não te esqueças dela, quando, no 3º período, estudarmos ...Se te esqueceres, eu lembrar-te-ei na altura. Vou tomar nota.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
D. USO E MAU USO DE “PORQUE” Entre os vários tipos de perguntas:   Porque? ... Porquê?  que requerem uma resposta ao nível da explicação, da justificação, das razões, eventualmente das causas.    É frequente uma confusão de vários níveis de justificação, ainda que sempre iniciados por  porque .
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
No plano do conteúdo: Erro Irrelevância Insuficiência   No plano da lógica: Contradição  Tautologia, analogia, definição/caracterização Implicação e inferência/dedução a partir de regra/princípio/lei Correlação de observáveis (ou de variáveis)  a) como correspondências sem grandes ganhos b) com redução vantajosa do campo de informação  ao passar-se do primeiro conjunto ao segundo  conjunto de dados Interpretação de vários graus   enquanto indevidamente promovidas ao estatuto de explicação
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ciência Ambiental e Interdisciplinaridade - Fundamentos
Ciência Ambiental e Interdisciplinaridade - FundamentosCiência Ambiental e Interdisciplinaridade - Fundamentos
Ciência Ambiental e Interdisciplinaridade - FundamentosVitor Vieira Vasconcelos
 
Apresentação possibilidades e limites do conhecimento huma
Apresentação   possibilidades e limites do conhecimento humaApresentação   possibilidades e limites do conhecimento huma
Apresentação possibilidades e limites do conhecimento humafelixmirandajj
 
Trabalho metodologia
Trabalho metodologiaTrabalho metodologia
Trabalho metodologiaAlcione Luiza
 
Poderes e limites da ciência - Ciclo de Conferências - Marta Agostinho
Poderes e limites da ciência - Ciclo de Conferências - Marta AgostinhoPoderes e limites da ciência - Ciclo de Conferências - Marta Agostinho
Poderes e limites da ciência - Ciclo de Conferências - Marta AgostinhoJoaquim Melro
 
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)Renata Antunes
 
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)Francione Brito
 
Aula a constituição da disciplina escolar ciências
Aula a constituição da disciplina escolar ciênciasAula a constituição da disciplina escolar ciências
Aula a constituição da disciplina escolar ciênciasLeonardo Kaplan
 
Introdução à psicologia evolucionista
Introdução à psicologia evolucionistaIntrodução à psicologia evolucionista
Introdução à psicologia evolucionistaCaio Maximino
 
Educação, ciência e cidadania.
Educação, ciência e cidadania.Educação, ciência e cidadania.
Educação, ciência e cidadania.João Gabriel Sousa
 
Artigo comunicação científica uma revisão de seus elementos básicos
Artigo   comunicação científica uma revisão de seus elementos básicosArtigo   comunicação científica uma revisão de seus elementos básicos
Artigo comunicação científica uma revisão de seus elementos básicosJackeline Ferreira
 
Poderes e riscos da ciencia
Poderes e riscos da cienciaPoderes e riscos da ciencia
Poderes e riscos da cienciaJarimbaa
 
Ciência com consciência
Ciência com consciênciaCiência com consciência
Ciência com consciênciatatisoares77
 
Objetivos Psicologia - Teste Nº3
Objetivos Psicologia - Teste Nº3Objetivos Psicologia - Teste Nº3
Objetivos Psicologia - Teste Nº3Maria Freitas
 
Racionalidade Científica
Racionalidade CientíficaRacionalidade Científica
Racionalidade CientíficaElisama Lopes
 

Mais procurados (20)

Jornalismo e ciência
Jornalismo e ciênciaJornalismo e ciência
Jornalismo e ciência
 
Ciência Ambiental e Interdisciplinaridade - Fundamentos
Ciência Ambiental e Interdisciplinaridade - FundamentosCiência Ambiental e Interdisciplinaridade - Fundamentos
Ciência Ambiental e Interdisciplinaridade - Fundamentos
 
Apresentação possibilidades e limites do conhecimento huma
Apresentação   possibilidades e limites do conhecimento humaApresentação   possibilidades e limites do conhecimento huma
Apresentação possibilidades e limites do conhecimento huma
 
Visao cienc
Visao ciencVisao cienc
Visao cienc
 
Trabalho metodologia
Trabalho metodologiaTrabalho metodologia
Trabalho metodologia
 
Poderes e limites da ciência - Ciclo de Conferências - Marta Agostinho
Poderes e limites da ciência - Ciclo de Conferências - Marta AgostinhoPoderes e limites da ciência - Ciclo de Conferências - Marta Agostinho
Poderes e limites da ciência - Ciclo de Conferências - Marta Agostinho
 
O que e e quem faz ciencia
O que e e quem faz cienciaO que e e quem faz ciencia
O que e e quem faz ciencia
 
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
 
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
 
Aula a constituição da disciplina escolar ciências
Aula a constituição da disciplina escolar ciênciasAula a constituição da disciplina escolar ciências
Aula a constituição da disciplina escolar ciências
 
Introdução à psicologia evolucionista
Introdução à psicologia evolucionistaIntrodução à psicologia evolucionista
Introdução à psicologia evolucionista
 
Educação, ciência e cidadania.
Educação, ciência e cidadania.Educação, ciência e cidadania.
Educação, ciência e cidadania.
 
Os Usos Sociais da Ciência
Os Usos Sociais da CiênciaOs Usos Sociais da Ciência
Os Usos Sociais da Ciência
 
Artigo comunicação científica uma revisão de seus elementos básicos
Artigo   comunicação científica uma revisão de seus elementos básicosArtigo   comunicação científica uma revisão de seus elementos básicos
Artigo comunicação científica uma revisão de seus elementos básicos
 
Etica e ciencia
Etica e cienciaEtica e ciencia
Etica e ciencia
 
Poderes e riscos da ciencia
Poderes e riscos da cienciaPoderes e riscos da ciencia
Poderes e riscos da ciencia
 
Ciência com consciência
Ciência com consciênciaCiência com consciência
Ciência com consciência
 
Apostila metodologia 1
Apostila   metodologia 1Apostila   metodologia 1
Apostila metodologia 1
 
Objetivos Psicologia - Teste Nº3
Objetivos Psicologia - Teste Nº3Objetivos Psicologia - Teste Nº3
Objetivos Psicologia - Teste Nº3
 
Racionalidade Científica
Racionalidade CientíficaRacionalidade Científica
Racionalidade Científica
 

Semelhante a Doutor Vitor Gil

A.Ensino.Ciencias.Ppoint
A.Ensino.Ciencias.PpointA.Ensino.Ciencias.Ppoint
A.Ensino.Ciencias.PpointAlbano Novaes
 
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_cienciasPc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_cienciasfranciele_regina
 
aula 2 04 de outubro 2022.ppt
aula 2 04 de outubro 2022.pptaula 2 04 de outubro 2022.ppt
aula 2 04 de outubro 2022.pptZoraide6
 
6-3_SOCIOLOGIA-1S-1B-EMRegular.versão Paula.pdf
6-3_SOCIOLOGIA-1S-1B-EMRegular.versão Paula.pdf6-3_SOCIOLOGIA-1S-1B-EMRegular.versão Paula.pdf
6-3_SOCIOLOGIA-1S-1B-EMRegular.versão Paula.pdfcismedeiros
 
Desenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizarDesenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizarUEM
 
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no BrasilMetodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no BrasilGisele Finatti Baraglio
 
Pnfem 3º caderno fev 2015
Pnfem 3º caderno fev 2015Pnfem 3º caderno fev 2015
Pnfem 3º caderno fev 2015Jorci Ponce
 
Aula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médio
Aula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médioAula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médio
Aula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médioLeonardo Kaplan
 
QUESTÃO 9 Leia o texto. É através de um método científico que um pesquisad...
QUESTÃO 9   Leia o texto.  É através de um método científico que um pesquisad...QUESTÃO 9   Leia o texto.  É através de um método científico que um pesquisad...
QUESTÃO 9 Leia o texto. É através de um método científico que um pesquisad...Azul Assessoria Acadêmica
 
Ciências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaic
Ciências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaicCiências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaic
Ciências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaicDenise Oliveira
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023Azul Assessoria Acadêmica
 
QUESTÃO 9 Leia o texto. É através de um método científico que um pesquisad...
QUESTÃO 9   Leia o texto.  É através de um método científico que um pesquisad...QUESTÃO 9   Leia o texto.  É através de um método científico que um pesquisad...
QUESTÃO 9 Leia o texto. É através de um método científico que um pesquisad...Azul Assessoria Acadêmica
 
QUESTÃO 8 Todas as Ciências são importantes para a vida em sociedade: preci...
QUESTÃO 8   Todas as Ciências são importantes para a vida em sociedade: preci...QUESTÃO 8   Todas as Ciências são importantes para a vida em sociedade: preci...
QUESTÃO 8 Todas as Ciências são importantes para a vida em sociedade: preci...Azul Assessoria Acadêmica
 
QUESTÃO 10 Os resultados divulgados nesta segunda-feira (17/7) confirmam qu...
QUESTÃO 10   Os resultados divulgados nesta segunda-feira (17/7) confirmam qu...QUESTÃO 10   Os resultados divulgados nesta segunda-feira (17/7) confirmam qu...
QUESTÃO 10 Os resultados divulgados nesta segunda-feira (17/7) confirmam qu...Azul Assessoria Acadêmica
 

Semelhante a Doutor Vitor Gil (20)

A.Ensino.Ciencias.Ppoint
A.Ensino.Ciencias.PpointA.Ensino.Ciencias.Ppoint
A.Ensino.Ciencias.Ppoint
 
O ensino de Ciencias e Biologia arquivo ppt
O ensino de Ciencias e Biologia arquivo pptO ensino de Ciencias e Biologia arquivo ppt
O ensino de Ciencias e Biologia arquivo ppt
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_cienciasPc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
 
Ciência com consciencia
Ciência com conscienciaCiência com consciencia
Ciência com consciencia
 
aula 2 04 de outubro 2022.ppt
aula 2 04 de outubro 2022.pptaula 2 04 de outubro 2022.ppt
aula 2 04 de outubro 2022.ppt
 
6-3_SOCIOLOGIA-1S-1B-EMRegular.versão Paula.pdf
6-3_SOCIOLOGIA-1S-1B-EMRegular.versão Paula.pdf6-3_SOCIOLOGIA-1S-1B-EMRegular.versão Paula.pdf
6-3_SOCIOLOGIA-1S-1B-EMRegular.versão Paula.pdf
 
Desenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizarDesenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizar
 
Vol3 ciencias
Vol3 cienciasVol3 ciencias
Vol3 ciencias
 
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no BrasilMetodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
 
Pnfem 3º caderno fev 2015
Pnfem 3º caderno fev 2015Pnfem 3º caderno fev 2015
Pnfem 3º caderno fev 2015
 
Aula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médio
Aula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médioAula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médio
Aula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médio
 
document-7.pdf
document-7.pdfdocument-7.pdf
document-7.pdf
 
QUESTÃO 9 Leia o texto. É através de um método científico que um pesquisad...
QUESTÃO 9   Leia o texto.  É através de um método científico que um pesquisad...QUESTÃO 9   Leia o texto.  É através de um método científico que um pesquisad...
QUESTÃO 9 Leia o texto. É através de um método científico que um pesquisad...
 
Ciências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaic
Ciências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaicCiências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaic
Ciências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaic
 
Pnaic caderno 8
Pnaic caderno 8Pnaic caderno 8
Pnaic caderno 8
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023
 
QUESTÃO 9 Leia o texto. É através de um método científico que um pesquisad...
QUESTÃO 9   Leia o texto.  É através de um método científico que um pesquisad...QUESTÃO 9   Leia o texto.  É através de um método científico que um pesquisad...
QUESTÃO 9 Leia o texto. É através de um método científico que um pesquisad...
 
QUESTÃO 8 Todas as Ciências são importantes para a vida em sociedade: preci...
QUESTÃO 8   Todas as Ciências são importantes para a vida em sociedade: preci...QUESTÃO 8   Todas as Ciências são importantes para a vida em sociedade: preci...
QUESTÃO 8 Todas as Ciências são importantes para a vida em sociedade: preci...
 
QUESTÃO 10 Os resultados divulgados nesta segunda-feira (17/7) confirmam qu...
QUESTÃO 10   Os resultados divulgados nesta segunda-feira (17/7) confirmam qu...QUESTÃO 10   Os resultados divulgados nesta segunda-feira (17/7) confirmam qu...
QUESTÃO 10 Os resultados divulgados nesta segunda-feira (17/7) confirmam qu...
 

Mais de Cristina Couto Varela

Relatório da visita de estudo à Estufa Fria
Relatório da visita de estudo à Estufa FriaRelatório da visita de estudo à Estufa Fria
Relatório da visita de estudo à Estufa FriaCristina Couto Varela
 
Simulação de erupções de diferentes tipos de atividade vulcânica
Simulação de erupções de diferentes tipos de atividade vulcânicaSimulação de erupções de diferentes tipos de atividade vulcânica
Simulação de erupções de diferentes tipos de atividade vulcânicaCristina Couto Varela
 
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos EcossistemasFluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos EcossistemasCristina Couto Varela
 
Determinantes do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...
Determinantes  do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...Determinantes  do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...
Determinantes do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...Cristina Couto Varela
 
Determinantes do nível de saúde individual e de saúde comunitária - cuidado...
Determinantes  do nível de saúde individual e de saúde comunitária  - cuidado...Determinantes  do nível de saúde individual e de saúde comunitária  - cuidado...
Determinantes do nível de saúde individual e de saúde comunitária - cuidado...Cristina Couto Varela
 
Medidas de prevenção para doenças infeciosas
Medidas de prevenção para doenças infeciosasMedidas de prevenção para doenças infeciosas
Medidas de prevenção para doenças infeciosasCristina Couto Varela
 
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010Cristina Couto Varela
 
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2009
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2009Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2009
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2009Cristina Couto Varela
 
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2009
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2009Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2009
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2009Cristina Couto Varela
 
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2008
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2008Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2008
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2008Cristina Couto Varela
 

Mais de Cristina Couto Varela (20)

Folheto como interpretar_um_rotulo1
Folheto como interpretar_um_rotulo1Folheto como interpretar_um_rotulo1
Folheto como interpretar_um_rotulo1
 
Ficha de trabalho 2 2018-2019
Ficha de trabalho 2   2018-2019Ficha de trabalho 2   2018-2019
Ficha de trabalho 2 2018-2019
 
Ficha de trabalho 1 2018-2019
Ficha de trabalho 1   2018-2019Ficha de trabalho 1   2018-2019
Ficha de trabalho 1 2018-2019
 
Dia europeu do antibiotico
Dia europeu do antibioticoDia europeu do antibiotico
Dia europeu do antibiotico
 
Guião do filme - o impossível
Guião do filme - o impossívelGuião do filme - o impossível
Guião do filme - o impossível
 
Relatório da visita de estudo à Estufa Fria
Relatório da visita de estudo à Estufa FriaRelatório da visita de estudo à Estufa Fria
Relatório da visita de estudo à Estufa Fria
 
Guião do filme "O cume de Dante"
Guião do filme "O cume de Dante"Guião do filme "O cume de Dante"
Guião do filme "O cume de Dante"
 
Folheto World Kidney Day 2016
Folheto World Kidney Day 2016Folheto World Kidney Day 2016
Folheto World Kidney Day 2016
 
World Kidney Day (12-16)
World Kidney Day (12-16)World Kidney Day (12-16)
World Kidney Day (12-16)
 
World Kidney Day (6-12)
World Kidney Day (6-12)World Kidney Day (6-12)
World Kidney Day (6-12)
 
Simulação de erupções de diferentes tipos de atividade vulcânica
Simulação de erupções de diferentes tipos de atividade vulcânicaSimulação de erupções de diferentes tipos de atividade vulcânica
Simulação de erupções de diferentes tipos de atividade vulcânica
 
Formação de cristais
Formação de cristaisFormação de cristais
Formação de cristais
 
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos EcossistemasFluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
 
Determinantes do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...
Determinantes  do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...Determinantes  do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...
Determinantes do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...
 
Determinantes do nível de saúde individual e de saúde comunitária - cuidado...
Determinantes  do nível de saúde individual e de saúde comunitária  - cuidado...Determinantes  do nível de saúde individual e de saúde comunitária  - cuidado...
Determinantes do nível de saúde individual e de saúde comunitária - cuidado...
 
Medidas de prevenção para doenças infeciosas
Medidas de prevenção para doenças infeciosasMedidas de prevenção para doenças infeciosas
Medidas de prevenção para doenças infeciosas
 
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010
 
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2009
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2009Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2009
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2009
 
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2009
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2009Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2009
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2009
 
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2008
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2008Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2008
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2008
 

Último

A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 

Último (20)

A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 

Doutor Vitor Gil

  • 1. QUESTIONAMENTO EM QUÍMICA: A ARTE DE PERGUNTAR Victor M. S. Gil Departamento de Química, Univ. de Coimbra e Exploratório, Centro Ciência Viva de Coimbra
  • 2. V.M.S.GIL and J.C.M.PAIVA, Prediction versus Explanation in Chemistry Teaching , Journal of Chemical Education (2009) (submetido) . V.M.S.GIL, M. HELENA PEDROSA and M.WATTS, Questions about Questioning , em preparação. V.M.S.GIL, University students assessment of the explanatory content of justification statements , International Journal of Science Education (1988), 10 , 581. V.M.S.GIL, Orbitals in Chemistry , Cambridge Univ. Press, UK, 2000.
  • 3. A. CIÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA CIENTÍFICA   B. QUÊS E PORQUÊS EM QUÍMICA C. SOBRE A GESTÃO DAS PERGUNTAS NA SALA DE AULA D. USO E MAU USO DE “PORQUE”
  • 4. A. CIÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA CIENTÍFICA   A ciência, uma criação do Homem para melhor conhecer, controlar e transformar o mundo Resultado e processo   * da satisfação da curiosidade humana desinteressada  da procura de respostas para problemas de sobrevivência e outros problemas práticos  
  • 5. Contudo é, apenas, uma pequena fracção da nossa relação com o mundo: apenas uma das formas de interagir com a realidade. Considerar as limitações da ciência à luz das aspirações globais e mais profundas da mente humana, segundo A. Moles, em “Les Sciences de l’Imprécis”, 1990, “La pensée scientifique – qui est bien aus sens étymologique notre nouvelle “religion”: le facteur qui nous unit dans la maîtrise du futur – reste une petite fraction de notre vie quotidienne”… Analisar H. Pagels, em “The Dreams of Reason: The Rise of the Sciences of Complexity”, 1988, “in this era of science and technology, there is a conscious space for art, philosophy, etc. as complementary ways of our relating to the real world and acting upon it”.
  • 6.   1. Ciência e Curiosidade A Ciência avança através de respostas a perguntas de vários tipos: “quês” e “porquês”, e também os “para quês”,os “comos”, os “e se …”. A curiosidade intelectual e a capacidade de fazer perguntas: o que distingue o Homem dos outros animais   A curiosidade inata a cada criança, em processo de sobrevivência: curiosidade essencialmente multi-sensorial e afectiva Segundo alguns estudiosos, a escola pode acabar por atrofiar a curiosidade genuína e reduzir a motivação.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12. 4. O ensino experimental das ciências Há ciência, há experiência! Ciência = ideias + observação (espontânea ou intencional) + ideias + experimentação + ideias Ideias: previsão/hipótese, interpretação, correlação, analogia, explicação ... (cf. modelos explicativos e modelos preditivos) Observação/experimentação: Registos sensoriais Actividades práticas Actividades experimentais Actividades laboratoriais
  • 13.
  • 14. 6. As várias dimensões da cultura científica   Dimensão descritiva: informação – factos, nomes, datas, fenómenos, nomes de conceitos e teorias – sobre o universo, a matéria e a vida, informação essa convertida em conhecimento através de ligações significativas que cada um faça com o seu conhecimento anterior.   Dimensão prática e dimensão social: maneira como os resultados da ciência e da tecnologia afectam a nossa vida quotidiana – saúde e bem-estar, aplicações tecnológicas, qualidade do ambiente – e o desenvolvimento sustentado, assim como capacidade de cada cidadão participar, informado, nas decisões colectivas.   Dimensão intelectual: promoção da curiosidade, competências inquisitivas, racionalidade, capacidade em encontrar e seleccionar informação e desenvolvimento de formas de pensamento crítico e criativo.
  • 15. Dimensão afectiva: encontrar encanto, deslumbramento e excitação na aventura da ciência, juntamente com a consciência das formas como a ciência avança – não apenas aprendendo com os erros, mas também reconhecendo que sucesso gera sucesso.   Dimensão histórica: contextos históricos em que a ciência se foi desenvolvendo, por exemplo, da segurança das verdades aparentemente eternas do positivismo do século XVIII ao desconforto das verdades provisórias e às incertezas e riscos associados à ciência moderna   Dimensão axiológica: associada à promoção dos valores fundamentais, como a honestidade intelectual e a tolerância, e às implicações éticas de alguma investigação científica.
  • 16. B. QUÊS e PORQUÊS em QUÍMICA A Química desenvolve-se sobretudo à volta de “quês” e “porquês” sobre a natureza, propriedades e transformações da matéria, interpretadas em termos de átomos e suas associações.
  • 17. Entre os “quês” e os “porquês”, passando pelos “comos” e os “e se’s”, pode estabelecer-se uma cascata do mais superficial ao mais profundo em matéria de conhecimento.     Exemplo:
  • 18. Duas grandes classes de perguntas: A. Perguntas de índole cognitiva , que requerem uma resposta, focadas em conhecimento: Que, Quem, Quando, Onde, Como, Quanto, Quantos, Porque...      B. Perguntas de índole não-cognitiva , que procuram autorização, apontam para um comportamento não-verbal, exprimem uma opinião, etc.: Posso entrar ? Pode passar a água? Quem diria? etc.
  • 19. Divisão das perguntas A em várias categorias: A1. Aquisição de informação (simples ou complexa, qualitativa ou quantitativa) A2. Processamento de informação (descrição, comparação, integração, reconciliação, correlação, procura de padrões, relações causa-efeito, previsão, generalização, aplicação, resolução de problemas) A3. Pensamento crítico e criativo (colocação de hipóteses, especulação, explicação, validação de explicação) A4. Organização e reflexão sobre todo o processo de procura de sentido (por ex. Em que ponto estamos? Que tipos de perguntas estamos a considerar?)
  • 20. Sub-divisão da categoria A1: A1.1 Questões fechadas, de resposta breve * Questões de verdadeiro/falso, sim/não ou disjuntivas (X ou Y). No equilíbrio, a massa de produtos é igual à massa de reagentes. Verdadeiro ou Falso? a A + Bb cC + dD Será que no equilíbrio terminam as reacções, uma oposta da outra? Em igualdade de condições, qual é mais solúvel em água: cloreto de sódio ou carbonato de cálcio? NaCl(s) Na + (aq) + Cl - (aq) CaCO 3 (s) Ca 2+ (aq) + CO 3 2- (aq)
  • 21. * Questões focadas em seres, objectos, tempo, locais, ... Quem pela primeira vez estabeleceu a variação das constantes de equilíbrio com a temperatura? Qual dos ácidos é comercialmente designado por ácido muriático? Quando (em que século) foi estabelecida a 2ª Lei da Termodinâmica? Onde (em que país) nasceu Henri Le Chatelier?
  • 22. * Questões que especificam um atributo Qual é o mais denso dos gases reagentes no equilíbrio de síntese do amoníaco? N 2 (g) + 3H 2 (g) 2NH 3 (g) * Questões focadas na quantificação de um atributo Quantas vezes a molécula N 2 é mais pesada que H 2 ?
  • 23. A1.2 Questões abertas, de resposta mais elaborada * Questões focadas na causa próxima ou consequência de um evento ou acção Qual é a principal causa das chuvas ácidas? Qual a principal consequência das chuvas ácidas no património arquitectónico? Qual o efeito do aumento de temperatura no estado de equilíbrio de uma reacção exotérmica? Como se pode aumentar a percentagem de amoníaco na reacção de síntese a partir de azoto e hidrogénio?
  • 24. * Questões sobre a ocorrência ou não ocorrência de um determinado evento/acção Como se pode usar o efeito de ião-comum para diminuir a solubilidade do carbonato de cálcio? Que condições favorecem a corrosão metálica?
  • 25. * Questões que apelam a uma clarificação, semelhanças/ diferenças, definição, ... Qual a diferença entre reacção extensa e reacção rápida? Porque é que se atribui o valor 7 ao pH da água, a 25 ºC ? * Questões que têm a ver com aplicações práticas Para que servem os catalisadores, se eles não alteram as constantes de equilíbrio? * Questões que apelam a uma opinião fundamentada Que acha da reciclagem das latas de alumínio?
  • 26. * As questões A2 podem apelar a ... ... Cálculo, evidência ou determinação experimental Que quantidade de iodeto de hidrogénio se pode obter a partir de 1,0 mol de hidrogénio e 0,50 mol de iodo, a 500 ºC , sabendo que a constante de equilíbrio para H 2 (g) + I 2 (g) 2HI(g) a 500 ºC é 63? Qual o pH de uma solução aquosa de ácido acético com a concentração 0,10 mol dm -3 ? Qual a solubilidade do fluoreto de cálcio ( K s = 3,9 x 10 -11 ) em água e numa solução aquosa com 0,010 mol dm -3 de ião cálcio? Como se sabe, por via experimental, que a constante de acidez do ácido acético é 1,8 x 10 -5 ?
  • 27. * ... C omparação, correlação, dedução Que reactividade se pode prever para o metal alcalino césio por comparação com o comportamento dos outros metais alcalinos em posição superior na Tabela Periódica? Como se interpreta o facto de o ouro ser menos oxidável que o ferro em termos de potenciais de redução? Como se justifica o efeito da pressão no equilíbrio de síntese do amoníaco a partir de nitrogénio e hidrogénio, em termos do princípio de Le Chatelier?
  • 28. * ... Aplicação de modelos teóricos Que alteração de cor se pode prever para uma solução aquosa de sulfato de cobre por adição de amoníaco com base no modelo do campo cristalino? * ... Aplicação de tabelas de valores Qual dos ácidos etanóico e benzóico é mais fraco? Justifique a resposta. Qual dos sais carbonato de chumbo e sulfato de chumbo é mais solúvel em água? Justifique a resposta
  • 29. * ... Resolução de conflitos com o conhecimento prévio, intuição ou senso comum Como é que a adição de um gás inerte ao sistema em equilíbrio N 2 (g) + 3H 2 (g) 2NH 3 (g) não aumenta a proporção de amoníaco, como resultado de um aumento de pressão total (com V e T constantes)? Considere a diminuição de volume do sistema em equilíbrio N 2 (g) + 3H 2 (g) 2NH 3 (g) a) Em que sentido o sistema devia tender a contrariar essa diminuição: aumento ou diminuição do número de moléculas? b) Mas diminuição de volume é aumento de pressão. Em que sentido deve o sistema contrariar esse aumento: aumento ou diminuição do número de moléculas?
  • 30. * ... Resolução de conflitos com o conhecimento prévio, intuição ou senso comum (cont.) Como é possível que a água possa ter um pH diferente de 7? 2H 2 O(l) OH - (aq) + H 3 O + (aq) Como é possível que a solubilidade do sulfato de cobre em água seja a mesma, quer se use o sal em bloco ou em pó? Não é verdade que a dissolução é mais rápida se estiver moído? CuSO 4 (s) Cu 2+ (aq) + SO 4 2- (aq)
  • 31. * Na categoria A3 caem: * Questões que visam as explicações Como se explica que o fluoreto de hidrogénio seja um ácido fraco, ao passo que o cloreto de hidrogénio é um ácido forte? Porque é que o sulfato de magnésio é um sal muito solúvel em água quando o carbonato de magnésio é pouco solúvel?
  • 32.
  • 33.
  • 34. EXEMPLOS NEGATIVOS OU NEUTROS   1. Não interrompas! 2. (Procurando ganhar tempo, talvez o toque para saída) Já vamos a essa questão. 3. A tua pergunta cai no âmbito da disciplina X e não desta. Pergunta ao teu professor de X. 4. Boa pergunta, mas para mais tarde, quando tiveres outros conhecimentos. 5. Vou pensar no assunto em casa e, depois, digo-te a resposta. 6. Confesso que também não sei a resposta a essa pergunta. Vamos mandar um e-mail aos autores do livro?
  • 35. EXEMPLOS POSITIVOS 1. A tua pergunta, que cai melhor no âmbito da disciplina X, mostra que, afinal, não há fronteiras muito rígidas entre as várias áreas do saber. a. Dou-te, agora, apenas uma primeira resposta. Podemos, depois, falar, em conjunto, com o professor de X. b. Mais alguém nos quer acompanhar nessa reunião? 2. Em qual das categorias (Quê, Como, Porquê, E se...) colocas a tua pergunta? 3. Boa pergunta. Não te esqueças dela, quando, no 3º período, estudarmos ...Se te esqueceres, eu lembrar-te-ei na altura. Vou tomar nota.
  • 36.
  • 37. D. USO E MAU USO DE “PORQUE” Entre os vários tipos de perguntas: Porque? ... Porquê? que requerem uma resposta ao nível da explicação, da justificação, das razões, eventualmente das causas.   É frequente uma confusão de vários níveis de justificação, ainda que sempre iniciados por porque .
  • 38.
  • 39.
  • 40. No plano do conteúdo: Erro Irrelevância Insuficiência   No plano da lógica: Contradição Tautologia, analogia, definição/caracterização Implicação e inferência/dedução a partir de regra/princípio/lei Correlação de observáveis (ou de variáveis) a) como correspondências sem grandes ganhos b) com redução vantajosa do campo de informação ao passar-se do primeiro conjunto ao segundo conjunto de dados Interpretação de vários graus   enquanto indevidamente promovidas ao estatuto de explicação
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.