SlideShare uma empresa Scribd logo
“
sh c o
a
“Fl iátri
d
Pe

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
HOSPITAL DE PEDIATRIA PROF. HERIBERTO FERREIRA BEZERRA - HOSPED
DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA - DPEDI
INTERNATO EM PEDITARIA I – PED I

DOR EM MMII NA INFÂNCIA - REVISÃO

DOR RECORRENTE EM MEMBROS
Doutorandos: GEORGE ANDERSON
MARCELO ALENCAR

Profº: LEONARDO MOURA FERREIRA DE SOUZA
CASO CLÍNICO
CASO CLÍNICO - HISTÓRIA CLÍNICA
•

IDENTIFICAÇÃO: M.V.L, 09 anos, masculino.

•

QP: dor em mmii há +/- 2 anos que piorou
no último mês.
HISTÓRIA CLÍNICA
•

HDA: Mãe relata que o paciente apresentou
quadro álgico em mmii há +/- 2 anos que se
intensificou no último mês. Refere 4 episódios de
dores de forte intensidade que impedem a
postura e a marcha do paciente. Se intensificam à
noite e diminuem de intensidade no decorrer do
dia. Não apresentam fatores desencadeantes e
agravantes, porém são atenuadas à massagem
manual realizada pelo pai. São bilaterais, no
entanto, sem caráter migratório nem aditivo.
HISTÓRIA CLÍNICA
- Além disso, o paciente manifestou, em passado
recente, episódios de furunculose, sendo tratado
com cefalexina.
- O pai também apresenta quadros álgicos em
mmii.
- Mãe nega passado de faringoamidalite de
repetição.
EXAME FÍSICO
- EXAME GERAL
EGB, vigil, ativo, eupneico, eutrófico, normohidratado,
normocorado, acinótico, anictérico, afebril, s/adenomegalias. FE
preservadas.
- EXAME SEGMENTAR
Exame do cavum e orofaringe: s/anormalidades;
ACV: RCR em 2T com BNF, s/E e s/S;
AP: MV(+) bilateralmente e simétrico, s/RA;
ABD: Plano, flácido, timpânico, s/megalias palpáveis, indolor à
palpação e c/RHA(+);
Extremidades: Funções motora e sensitiva preservadas. C/ boa
perfusão tissular. Porém, apresenta lesões cicatriciais em MIE.
HIPÓTESE DIAGNÓSTICA

DOR RECORRENTEMMII
DOR EM EM MEMBROS

FUNCIONAL (?)

ORGÂNICA (?)
CONDUTAS
1) Solicitados: Hemograma, Provas de atividade
inflamatória(PCR, VSH e Mucoproteínas ) e
Radiografia de MMII;
2) Orientações para melhor detalhar as dores;
3) Retorno ambulatorial.
DOR RECORRENTE EM MEMBROS
DOR EM MMII NA INFÂNCIA
•
•
•
•

Predomina: 4-10 anos de idade;
Discreto predomínio no sexo feminino;
Natureza não orgânica em > 90% dos casos;
5 causas orgânicas: mecânicas, inflamatórias,
hematológicas, neoplásicas e metabólicas;
• 1 grupo de causas funcionais.
DOR RECORRENTE EM MEMBROS
DOR EM MMII NA INFÂNCIA
1-Anamnese específica:
• Caracterização da dor(localização, intensidade, modo
de início, freqüência, duração de cada episódio,
variação ao longo do dia, influência do repouso e
movimentação, atenuação e piora, uso de drogas e
resposta terapêutica e repercussão nas atividades
diárias);
• Investigar manifestações sistêmicas;
• O envolvimento de outros órgãos e sistemas;
DOR RECORRENTE EM MEMBROS
DOR EM MMII NA INFÂNCIA
2-Exame Físico:
– postura e marcha,
– semiologia articular (inspeção, palpação,
movimentação ativa e passiva de todas as
articulações, incluindo quadril),
– palpação de pulsos periféricos,
– medida do comprimento dos membros inferiores:
distância entre a espinha ântero-superior e o
maléolo tibial medial (> 0,5 cm)
– avaliação da força muscular e dos reflexos
tendinosos.
DOR RECORRENTE EM MEMBROS
DOR EM MMII NA INFÂNCIA
• Afastada a hipótese de origem orgânica, deve-se destacar a
dor de origem funcional ( 4-15% das consultas pediátricas e
25% das reumatológicas);
• Nesses pacientes atentar:
indícios de distúrbios emocionais( pessoais e
familiares), problemas de adaptação ou relacionamento,
perfil psicológico perfeccionista, cefaléia e/ou dor abdominal
recorrentes e sem solução, fadiga, depressão, alterações do
sono, apetite, sintomas de conversão(paralisia, dormência,
cegueira) e presença de um ou mais familiares com doença
grave ou com o mesmo tipo de dor.
DOR RECORRENTE EM MEMBROS
DOR EM MMII NA INFÂNCIA
• Exames complementares: Hemograma
completo, provas de atividade
inflamatória(VSH e PCR) e Radiografias das
regiões referidas;
• Cuidado com os resultados falsos-positivos de
exames complementares;
• Não há um tratamento padronizado, porém 2
objetivos são primordiais: restauração
funcional e controle da dor.
DOR RECORRENTE EM MEMBROS
DOR EM MMII NA INFÂNCIA
• causa orgânica é rara (3 – 4%)
• Sinais de alerta
Dor recorrente em membros na infância
DIAGNÓSTICOS DIFERENCIAIS
Faixa etária

Principais causas

Recém-nascidos (até 28 dias)

Sífilis congênita, tocotraumatismo

Lactentes (29 dias a 02 anos)

Escorbuto, anemia falciforme,
espancamento, osteoartrite

Pré-escolares e escolares (03 a 10 anos)

Dor do crescimento, febre reumática,
neoplasias, traumas, artrite reumatóide

Adolescentes (11 a 21 anos)

Traumatismos, neoplasias, OsgoodSchlatter
DOR RECORRENTE EM MEMBROS
DOR EM MMII NA INFÂNCIA

CAUSA FUNCIONAL

CAUSA ORGÂNICA
DOR RECORRENTE EM MEMBROS
DOR EM MMII NA INFÂNCIA

CAUSA FUNCIONAL
FUNCIONAIS
• Dor do crescimento
– 02 – 12 anos
– Prevalência de 04 – 37%
– Dor Bilateral, intermitente, difusa, geralmente no fim do
dia, não altera rotina da criança
– Melhora com calor, massagem e analgésicos

• Síndrome da hipermobilidade articular
– Hipermobilidade articular generalizada, associada a dores
musculoesqueléticas
– Pelo menos cinco dos critérios
FUNCIONAIS
Tratamento
• Explicitar para os pais que não existe uma
doença, mas que a dor é real;
• Fisioterapia ativa e/ou a prática de esportes
aquáticos para fortalecer a musculatura
periarticular;
• AINES só devem ser indicados nos casos de
dor intensa.
DOR RECORRENTE EM MEMBROS
DOR EM MMII NA INFÂNCIA

CAUSA ORGÂNICA
ORTOPÉDICAS
• Osteomielite
–
–
–
–
–

Dor óssea
Impotência funcional do membro
Aumento do volume local
Septcemia
Claudicação.

• Artrite séptica
– Quadro clínico :
• Dor monoarticular (quadril > joelho > tornozelo) + edema +
flogose, toxemia, posição antálgica ,claudicação, febre 39º;
• Limitação do arco de movimento, sinais flogísticos.
ORTOPÉDICAS
•Doença de Osgood-Schlatter
- Acomete a tuberosidade tibial;
- Dor no joelho + edema local.
NEOPLÁSICAS
• Leucemia:
– Dor óssea geralmente não restrita apenas aos
MMII.
– Adenomegalia, hepatoesplenomegalia, febre,
palidez
• Tumores ósseos:
– 50% dos tumores ósseos primários são malignos
– localizada, unilateral, perda de peso, massas
indolores
– Alivio da dor a compressão
FEBRE REUMÁTICA
• Dor articular migratória (joelhor e tornozelos)
• A dor deve ser acompanhada de calor, rubor,
edema ou limitação do movimento.
Sinais maiores

Sinais menores

Cardite

Febre

Poliartrite

Artralgia

Coréia
Nódulos subcutâneos

Prova de atividade
inflamatória: PCR, VSH, alfa-2

Eritema marginado

Aumento do PR

02 critérios maiores ou 01 critério maior e 02 menores
ANEMIA FALCIFORME
• Dor em ossos longos durante as crises
hemolíticas, apesar de predominarem as
artrites e artralgias;
• Fenômenos vasoclusivos;
• Crise óssea: simula FR ou artrite séptica;
• Atraso no crescimento e desenvolvimento.
FIBROMIALGIA
• ↑ freqüente sexo F
• Paciente reclama de fadiga, dificuldade em dormir,
sono não-reparador, cefaleia, edema subjetivo e
dores abdominais
• queixas desproporcionais aos achados do exame
Critérios do American College of Rheumatology
1. Dor difusa por mais de 03 meses
2. Dor em 11 dos 18 tenderpoints
3. Dor acima e abaixo da cintura
4. Dor nos dimídios direito e esquerdo
5. Dor axial
FIBROMIALGIA
ARTRITE REUMATÓIDE JUVENIL
• Dor articular
• Melhora no decorrer do dia
• Edema articular
• Diagnóstico
– Artrite de mais de uma articulação
– Duração por mais de 06 semanas
– Idade inferior a 16 anos
– Exclusão de outras causas
Algoritmo
Dor recorrente em membros
Dores recorrentes em
membros

SIM

Febre + anemia ->
Leucemias, hemoglobinopatias

Manifestações Articulares -> Febre
reumática, artrite séptica, doenças
do tecido conjuntivo

Manifestações sistêmicas?

SIM
Tumores Ósseos
Superuso
osteocondrites

Não

Dor localizada?

Não
Dor do crescimento
Fibromialgia
Desordens ortopédicas
REFERÊNCIAS
1. Manual Prático de Atendimento em Consultório e Ambulatório de
Pediatria – Sociedade Brasileira de Pediatria(SBP);2006;
2. LOPES AC, AMATO NETO V., Tratado de clínica médica, São
Paulo:Roca;2006;
3. FIGUEIRAF, ALVES JGB, BACELAR, CH; Manual de Diagnóstico
Diferencial em Pediatria, Instituto Materno-Infantil Professor
Fernando Figueira (IMIP), 2ª Edição, Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2005;
4. GILIO, A. E. ; ESCOBAR, A. M. U. ; GRISI, S. J. F. E. . Pediatria Geral:
Neonatologia, Pediatria Clínica, Terapia Intensiva - Hospital
Universitário da Universidade de São Paulo. São Paulo: Atheneu,
2011. v. 1.
5. FREIRE, LINCOLYN- Diagnóstico Diferencial em Pediatria -Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.
OBRIGADO !
Blogger Oficial do Internato em Pediatria da UFRN

www.pediatriaemfoco.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Choque
Choque Choque
Choque
resenfe2013
 
Fibromialgia
Fibromialgia Fibromialgia
Fibromialgia
pauloalambert
 
Febre
Febre Febre
HEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIAS
HEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIASHEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIAS
HEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIAS
Yuri Assis
 
Sinais meningorradiculares 18
Sinais meningorradiculares 18Sinais meningorradiculares 18
Sinais meningorradiculares 18
pauloalambert
 
REMIT
REMITREMIT
Icc e aguda
Icc e agudaIcc e aguda
Icc e aguda
Welliton Fontana
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
ivanaferraz
 
Hemorragia subaracnoidea
Hemorragia subaracnoidea Hemorragia subaracnoidea
Hemorragia subaracnoidea
Digão Pereira
 
Doença Arterial Obstrutiva Periférica
Doença Arterial Obstrutiva PeriféricaDoença Arterial Obstrutiva Periférica
Doença Arterial Obstrutiva Periférica
Daniel Mendes Pinto
 
Pancreatite aguda
Pancreatite agudaPancreatite aguda
Pancreatite aguda
Karoline Pereira
 
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDASSINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
Maycon Silva
 
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágicoNeurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Bruna Cesário
 
Anamnese completa adulto resumao
Anamnese completa adulto resumaoAnamnese completa adulto resumao
Anamnese completa adulto resumao
Janaina Lima
 
Sensibilidade 15 (1)
Sensibilidade 15 (1)Sensibilidade 15 (1)
Sensibilidade 15 (1)
pauloalambert
 
Semiologia da dor
Semiologia da dorSemiologia da dor
Semiologia da dor
pauloalambert
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
pauloalambert
 
Icterícia 2014
Icterícia 2014Icterícia 2014
Icterícia 2014
pauloalambert
 
Aula sobre prevenção da tromboembolia venosa
Aula sobre prevenção da tromboembolia venosaAula sobre prevenção da tromboembolia venosa
Aula sobre prevenção da tromboembolia venosa
Proqualis
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU) Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
blogped1
 

Mais procurados (20)

Choque
Choque Choque
Choque
 
Fibromialgia
Fibromialgia Fibromialgia
Fibromialgia
 
Febre
Febre Febre
Febre
 
HEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIAS
HEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIASHEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIAS
HEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIAS
 
Sinais meningorradiculares 18
Sinais meningorradiculares 18Sinais meningorradiculares 18
Sinais meningorradiculares 18
 
REMIT
REMITREMIT
REMIT
 
Icc e aguda
Icc e agudaIcc e aguda
Icc e aguda
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
 
Hemorragia subaracnoidea
Hemorragia subaracnoidea Hemorragia subaracnoidea
Hemorragia subaracnoidea
 
Doença Arterial Obstrutiva Periférica
Doença Arterial Obstrutiva PeriféricaDoença Arterial Obstrutiva Periférica
Doença Arterial Obstrutiva Periférica
 
Pancreatite aguda
Pancreatite agudaPancreatite aguda
Pancreatite aguda
 
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDASSINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
 
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágicoNeurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
 
Anamnese completa adulto resumao
Anamnese completa adulto resumaoAnamnese completa adulto resumao
Anamnese completa adulto resumao
 
Sensibilidade 15 (1)
Sensibilidade 15 (1)Sensibilidade 15 (1)
Sensibilidade 15 (1)
 
Semiologia da dor
Semiologia da dorSemiologia da dor
Semiologia da dor
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
Icterícia 2014
Icterícia 2014Icterícia 2014
Icterícia 2014
 
Aula sobre prevenção da tromboembolia venosa
Aula sobre prevenção da tromboembolia venosaAula sobre prevenção da tromboembolia venosa
Aula sobre prevenção da tromboembolia venosa
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU) Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
 

Destaque

Report ko sa philosophy
Report ko sa philosophyReport ko sa philosophy
Report ko sa philosophy
Cherryl Aranda
 
US Census Bureau Survey Shows Remarkable Minority Business Growth
US Census Bureau Survey Shows Remarkable Minority Business GrowthUS Census Bureau Survey Shows Remarkable Minority Business Growth
US Census Bureau Survey Shows Remarkable Minority Business Growth
William Michael Cunningham, AM, MBA
 
report ko sa guidance
report ko sa guidancereport ko sa guidance
report ko sa guidance
Cherryl Aranda
 
Ania showreel1
Ania showreel1Ania showreel1
Ania showreel1
aniahoney
 
Apple vs Miacrosoft
Apple vs MiacrosoftApple vs Miacrosoft
Apple vs Miacrosoft
annamolinas
 
Tips for a great golf swing
Tips for a great golf swingTips for a great golf swing
Tips for a great golf swing
Norman Hernick
 
Sinusite Bacteriana Aguda na Infância: Diagnóstico e Tratamento
Sinusite Bacteriana Aguda na Infância: Diagnóstico e Tratamento Sinusite Bacteriana Aguda na Infância: Diagnóstico e Tratamento
Sinusite Bacteriana Aguda na Infância: Diagnóstico e Tratamento
blogped1
 
Transmedia Storytelling and Digital Literacy in Education
Transmedia Storytelling and Digital Literacy in EducationTransmedia Storytelling and Digital Literacy in Education
Transmedia Storytelling and Digital Literacy in Education
Charmaine Ng
 
report ko sa leadership
report ko sa leadershipreport ko sa leadership
report ko sa leadership
Cherryl Aranda
 
Examen de imformatica tercer trimestre
Examen de imformatica tercer trimestreExamen de imformatica tercer trimestre
Examen de imformatica tercer trimestre
MARTITAJYM1995
 

Destaque (11)

Report ko sa philosophy
Report ko sa philosophyReport ko sa philosophy
Report ko sa philosophy
 
US Census Bureau Survey Shows Remarkable Minority Business Growth
US Census Bureau Survey Shows Remarkable Minority Business GrowthUS Census Bureau Survey Shows Remarkable Minority Business Growth
US Census Bureau Survey Shows Remarkable Minority Business Growth
 
report ko sa guidance
report ko sa guidancereport ko sa guidance
report ko sa guidance
 
Apple vs
Apple       vsApple       vs
Apple vs
 
Ania showreel1
Ania showreel1Ania showreel1
Ania showreel1
 
Apple vs Miacrosoft
Apple vs MiacrosoftApple vs Miacrosoft
Apple vs Miacrosoft
 
Tips for a great golf swing
Tips for a great golf swingTips for a great golf swing
Tips for a great golf swing
 
Sinusite Bacteriana Aguda na Infância: Diagnóstico e Tratamento
Sinusite Bacteriana Aguda na Infância: Diagnóstico e Tratamento Sinusite Bacteriana Aguda na Infância: Diagnóstico e Tratamento
Sinusite Bacteriana Aguda na Infância: Diagnóstico e Tratamento
 
Transmedia Storytelling and Digital Literacy in Education
Transmedia Storytelling and Digital Literacy in EducationTransmedia Storytelling and Digital Literacy in Education
Transmedia Storytelling and Digital Literacy in Education
 
report ko sa leadership
report ko sa leadershipreport ko sa leadership
report ko sa leadership
 
Examen de imformatica tercer trimestre
Examen de imformatica tercer trimestreExamen de imformatica tercer trimestre
Examen de imformatica tercer trimestre
 

Semelhante a Dor recorrente em membros na infância

Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físicoSemiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Jucie Vasconcelos
 
Sarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICID
Sarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICIDSarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICID
Sarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICID
Estomatologista- Dra Dulce Cabelho
 
Maga semio
Maga semioMaga semio
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátricaDiagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
salgadokk
 
Aulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptx
Aulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptxAulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptx
Aulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptx
JordevBarbosa
 
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos PossíveisCasos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
THIAGO MELANIAS
 
Anamnese completaadulto resumao
Anamnese completaadulto resumaoAnamnese completaadulto resumao
Anamnese completaadulto resumao
Janaina Lima
 
Semiologia pediatrica
Semiologia pediatricaSemiologia pediatrica
Semiologia pediatrica
Milena Takamiya Sugahara
 
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
blogped1
 
Prova de semiologia endocrina questoes respondidas
Prova de semiologia endocrina questoes respondidasProva de semiologia endocrina questoes respondidas
Prova de semiologia endocrina questoes respondidas
Edson Correa
 
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
Euripedes Barbosa
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
blogped1
 
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14
salgadokk
 
Semiologia geral final
Semiologia geral finalSemiologia geral final
Semiologia geral final
Dr madhumati Varma
 
Chikungunya
Chikungunya Chikungunya
Chikungunya
Claupaiva
 
Chikungunya
Chikungunya Chikungunya
Chikungunya
Claupaiva
 
Termologia da área de enfermagem
Termologia da área de enfermagemTermologia da área de enfermagem
Termologia da área de enfermagem
NEELLITON SANTOS
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
Rodrigo Abreu
 
Aula 1 anamese
Aula 1 anameseAula 1 anamese
Aula 1 anamese
Fernanda Francalin
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites
Diagnósticos diferenciais das monoartritesDiagnósticos diferenciais das monoartrites
Diagnósticos diferenciais das monoartrites
pauloalambert
 

Semelhante a Dor recorrente em membros na infância (20)

Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físicoSemiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
 
Sarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICID
Sarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICIDSarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICID
Sarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICID
 
Maga semio
Maga semioMaga semio
Maga semio
 
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátricaDiagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
 
Aulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptx
Aulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptxAulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptx
Aulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptx
 
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos PossíveisCasos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
 
Anamnese completaadulto resumao
Anamnese completaadulto resumaoAnamnese completaadulto resumao
Anamnese completaadulto resumao
 
Semiologia pediatrica
Semiologia pediatricaSemiologia pediatrica
Semiologia pediatrica
 
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
 
Prova de semiologia endocrina questoes respondidas
Prova de semiologia endocrina questoes respondidasProva de semiologia endocrina questoes respondidas
Prova de semiologia endocrina questoes respondidas
 
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
 
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14
 
Semiologia geral final
Semiologia geral finalSemiologia geral final
Semiologia geral final
 
Chikungunya
Chikungunya Chikungunya
Chikungunya
 
Chikungunya
Chikungunya Chikungunya
Chikungunya
 
Termologia da área de enfermagem
Termologia da área de enfermagemTermologia da área de enfermagem
Termologia da área de enfermagem
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Aula 1 anamese
Aula 1 anameseAula 1 anamese
Aula 1 anamese
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites
Diagnósticos diferenciais das monoartritesDiagnósticos diferenciais das monoartrites
Diagnósticos diferenciais das monoartrites
 

Mais de blogped1

Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
blogped1
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
blogped1
 
Febre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota InformativaFebre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota Informativa
blogped1
 
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
blogped1
 
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
blogped1
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
blogped1
 
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciaDiagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
blogped1
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infância
blogped1
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
blogped1
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Aguda
blogped1
 
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites MediaOtite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
blogped1
 
Paralisia Facial
Paralisia FacialParalisia Facial
Paralisia Facial
blogped1
 
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
blogped1
 
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomaGiant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
blogped1
 
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
blogped1
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia  Neonatal Hipoglicemia  Neonatal
Hipoglicemia Neonatal
blogped1
 
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura ConceitualSíndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
blogped1
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
blogped1
 
Icterícia neonatal
 Icterícia neonatal  Icterícia neonatal
Icterícia neonatal
blogped1
 
Picnodisostose
PicnodisostosePicnodisostose
Picnodisostose
blogped1
 

Mais de blogped1 (20)

Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
 
Febre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota InformativaFebre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota Informativa
 
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
 
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
 
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciaDiagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infância
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Aguda
 
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites MediaOtite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
 
Paralisia Facial
Paralisia FacialParalisia Facial
Paralisia Facial
 
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
 
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomaGiant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
 
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia  Neonatal Hipoglicemia  Neonatal
Hipoglicemia Neonatal
 
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura ConceitualSíndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
 
Icterícia neonatal
 Icterícia neonatal  Icterícia neonatal
Icterícia neonatal
 
Picnodisostose
PicnodisostosePicnodisostose
Picnodisostose
 

Último

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 

Dor recorrente em membros na infância

  • 1. “ sh c o a “Fl iátri d Pe UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE HOSPITAL DE PEDIATRIA PROF. HERIBERTO FERREIRA BEZERRA - HOSPED DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA - DPEDI INTERNATO EM PEDITARIA I – PED I DOR EM MMII NA INFÂNCIA - REVISÃO DOR RECORRENTE EM MEMBROS Doutorandos: GEORGE ANDERSON MARCELO ALENCAR Profº: LEONARDO MOURA FERREIRA DE SOUZA
  • 3. CASO CLÍNICO - HISTÓRIA CLÍNICA • IDENTIFICAÇÃO: M.V.L, 09 anos, masculino. • QP: dor em mmii há +/- 2 anos que piorou no último mês.
  • 4. HISTÓRIA CLÍNICA • HDA: Mãe relata que o paciente apresentou quadro álgico em mmii há +/- 2 anos que se intensificou no último mês. Refere 4 episódios de dores de forte intensidade que impedem a postura e a marcha do paciente. Se intensificam à noite e diminuem de intensidade no decorrer do dia. Não apresentam fatores desencadeantes e agravantes, porém são atenuadas à massagem manual realizada pelo pai. São bilaterais, no entanto, sem caráter migratório nem aditivo.
  • 5. HISTÓRIA CLÍNICA - Além disso, o paciente manifestou, em passado recente, episódios de furunculose, sendo tratado com cefalexina. - O pai também apresenta quadros álgicos em mmii. - Mãe nega passado de faringoamidalite de repetição.
  • 6. EXAME FÍSICO - EXAME GERAL EGB, vigil, ativo, eupneico, eutrófico, normohidratado, normocorado, acinótico, anictérico, afebril, s/adenomegalias. FE preservadas. - EXAME SEGMENTAR Exame do cavum e orofaringe: s/anormalidades; ACV: RCR em 2T com BNF, s/E e s/S; AP: MV(+) bilateralmente e simétrico, s/RA; ABD: Plano, flácido, timpânico, s/megalias palpáveis, indolor à palpação e c/RHA(+); Extremidades: Funções motora e sensitiva preservadas. C/ boa perfusão tissular. Porém, apresenta lesões cicatriciais em MIE.
  • 7. HIPÓTESE DIAGNÓSTICA DOR RECORRENTEMMII DOR EM EM MEMBROS FUNCIONAL (?) ORGÂNICA (?)
  • 8. CONDUTAS 1) Solicitados: Hemograma, Provas de atividade inflamatória(PCR, VSH e Mucoproteínas ) e Radiografia de MMII; 2) Orientações para melhor detalhar as dores; 3) Retorno ambulatorial.
  • 9. DOR RECORRENTE EM MEMBROS DOR EM MMII NA INFÂNCIA • • • • Predomina: 4-10 anos de idade; Discreto predomínio no sexo feminino; Natureza não orgânica em > 90% dos casos; 5 causas orgânicas: mecânicas, inflamatórias, hematológicas, neoplásicas e metabólicas; • 1 grupo de causas funcionais.
  • 10. DOR RECORRENTE EM MEMBROS DOR EM MMII NA INFÂNCIA 1-Anamnese específica: • Caracterização da dor(localização, intensidade, modo de início, freqüência, duração de cada episódio, variação ao longo do dia, influência do repouso e movimentação, atenuação e piora, uso de drogas e resposta terapêutica e repercussão nas atividades diárias); • Investigar manifestações sistêmicas; • O envolvimento de outros órgãos e sistemas;
  • 11. DOR RECORRENTE EM MEMBROS DOR EM MMII NA INFÂNCIA 2-Exame Físico: – postura e marcha, – semiologia articular (inspeção, palpação, movimentação ativa e passiva de todas as articulações, incluindo quadril), – palpação de pulsos periféricos, – medida do comprimento dos membros inferiores: distância entre a espinha ântero-superior e o maléolo tibial medial (> 0,5 cm) – avaliação da força muscular e dos reflexos tendinosos.
  • 12. DOR RECORRENTE EM MEMBROS DOR EM MMII NA INFÂNCIA • Afastada a hipótese de origem orgânica, deve-se destacar a dor de origem funcional ( 4-15% das consultas pediátricas e 25% das reumatológicas); • Nesses pacientes atentar: indícios de distúrbios emocionais( pessoais e familiares), problemas de adaptação ou relacionamento, perfil psicológico perfeccionista, cefaléia e/ou dor abdominal recorrentes e sem solução, fadiga, depressão, alterações do sono, apetite, sintomas de conversão(paralisia, dormência, cegueira) e presença de um ou mais familiares com doença grave ou com o mesmo tipo de dor.
  • 13. DOR RECORRENTE EM MEMBROS DOR EM MMII NA INFÂNCIA • Exames complementares: Hemograma completo, provas de atividade inflamatória(VSH e PCR) e Radiografias das regiões referidas; • Cuidado com os resultados falsos-positivos de exames complementares; • Não há um tratamento padronizado, porém 2 objetivos são primordiais: restauração funcional e controle da dor.
  • 14. DOR RECORRENTE EM MEMBROS DOR EM MMII NA INFÂNCIA • causa orgânica é rara (3 – 4%) • Sinais de alerta
  • 16. DIAGNÓSTICOS DIFERENCIAIS Faixa etária Principais causas Recém-nascidos (até 28 dias) Sífilis congênita, tocotraumatismo Lactentes (29 dias a 02 anos) Escorbuto, anemia falciforme, espancamento, osteoartrite Pré-escolares e escolares (03 a 10 anos) Dor do crescimento, febre reumática, neoplasias, traumas, artrite reumatóide Adolescentes (11 a 21 anos) Traumatismos, neoplasias, OsgoodSchlatter
  • 17. DOR RECORRENTE EM MEMBROS DOR EM MMII NA INFÂNCIA CAUSA FUNCIONAL CAUSA ORGÂNICA
  • 18. DOR RECORRENTE EM MEMBROS DOR EM MMII NA INFÂNCIA CAUSA FUNCIONAL
  • 19. FUNCIONAIS • Dor do crescimento – 02 – 12 anos – Prevalência de 04 – 37% – Dor Bilateral, intermitente, difusa, geralmente no fim do dia, não altera rotina da criança – Melhora com calor, massagem e analgésicos • Síndrome da hipermobilidade articular – Hipermobilidade articular generalizada, associada a dores musculoesqueléticas – Pelo menos cinco dos critérios
  • 21. Tratamento • Explicitar para os pais que não existe uma doença, mas que a dor é real; • Fisioterapia ativa e/ou a prática de esportes aquáticos para fortalecer a musculatura periarticular; • AINES só devem ser indicados nos casos de dor intensa.
  • 22. DOR RECORRENTE EM MEMBROS DOR EM MMII NA INFÂNCIA CAUSA ORGÂNICA
  • 23. ORTOPÉDICAS • Osteomielite – – – – – Dor óssea Impotência funcional do membro Aumento do volume local Septcemia Claudicação. • Artrite séptica – Quadro clínico : • Dor monoarticular (quadril > joelho > tornozelo) + edema + flogose, toxemia, posição antálgica ,claudicação, febre 39º; • Limitação do arco de movimento, sinais flogísticos.
  • 24. ORTOPÉDICAS •Doença de Osgood-Schlatter - Acomete a tuberosidade tibial; - Dor no joelho + edema local.
  • 25. NEOPLÁSICAS • Leucemia: – Dor óssea geralmente não restrita apenas aos MMII. – Adenomegalia, hepatoesplenomegalia, febre, palidez • Tumores ósseos: – 50% dos tumores ósseos primários são malignos – localizada, unilateral, perda de peso, massas indolores – Alivio da dor a compressão
  • 26. FEBRE REUMÁTICA • Dor articular migratória (joelhor e tornozelos) • A dor deve ser acompanhada de calor, rubor, edema ou limitação do movimento. Sinais maiores Sinais menores Cardite Febre Poliartrite Artralgia Coréia Nódulos subcutâneos Prova de atividade inflamatória: PCR, VSH, alfa-2 Eritema marginado Aumento do PR 02 critérios maiores ou 01 critério maior e 02 menores
  • 27. ANEMIA FALCIFORME • Dor em ossos longos durante as crises hemolíticas, apesar de predominarem as artrites e artralgias; • Fenômenos vasoclusivos; • Crise óssea: simula FR ou artrite séptica; • Atraso no crescimento e desenvolvimento.
  • 28. FIBROMIALGIA • ↑ freqüente sexo F • Paciente reclama de fadiga, dificuldade em dormir, sono não-reparador, cefaleia, edema subjetivo e dores abdominais • queixas desproporcionais aos achados do exame Critérios do American College of Rheumatology 1. Dor difusa por mais de 03 meses 2. Dor em 11 dos 18 tenderpoints 3. Dor acima e abaixo da cintura 4. Dor nos dimídios direito e esquerdo 5. Dor axial
  • 30. ARTRITE REUMATÓIDE JUVENIL • Dor articular • Melhora no decorrer do dia • Edema articular • Diagnóstico – Artrite de mais de uma articulação – Duração por mais de 06 semanas – Idade inferior a 16 anos – Exclusão de outras causas
  • 32. Dores recorrentes em membros SIM Febre + anemia -> Leucemias, hemoglobinopatias Manifestações Articulares -> Febre reumática, artrite séptica, doenças do tecido conjuntivo Manifestações sistêmicas? SIM Tumores Ósseos Superuso osteocondrites Não Dor localizada? Não Dor do crescimento Fibromialgia Desordens ortopédicas
  • 33. REFERÊNCIAS 1. Manual Prático de Atendimento em Consultório e Ambulatório de Pediatria – Sociedade Brasileira de Pediatria(SBP);2006; 2. LOPES AC, AMATO NETO V., Tratado de clínica médica, São Paulo:Roca;2006; 3. FIGUEIRAF, ALVES JGB, BACELAR, CH; Manual de Diagnóstico Diferencial em Pediatria, Instituto Materno-Infantil Professor Fernando Figueira (IMIP), 2ª Edição, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005; 4. GILIO, A. E. ; ESCOBAR, A. M. U. ; GRISI, S. J. F. E. . Pediatria Geral: Neonatologia, Pediatria Clínica, Terapia Intensiva - Hospital Universitário da Universidade de São Paulo. São Paulo: Atheneu, 2011. v. 1. 5. FREIRE, LINCOLYN- Diagnóstico Diferencial em Pediatria -Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.
  • 35. Blogger Oficial do Internato em Pediatria da UFRN www.pediatriaemfoco.blogspot.com

Notas do Editor

  1. não se valorizam diferenças de até 0,5cm