SlideShare uma empresa Scribd logo
Doenças
  Sexualmente
  Transmissíveis


Trabalho realizado por:
Beatriz Medeiros nº05
Fabiana Franco nº08
José Caetano nº14
Ricardo Costa nº21
 As  doenças sexualmente transmissíveis
  são doenças provocadas por
  bactérias, fungos e vírus e que se
  transmitem por contacto sexual
  íntimo, quando um dos parceiros se
  encontra infetado.
 Existem várias destas doenças, também
  conhecidas por doenças
  venéreas, sendo de salientar a Sífilis, o
  Herpes genital, a Hepatite B, a SIDA, a
  Candidíase e a Gonorreia.
SIDA        SÍFILIS



 HERPES
             HEPATITE B
 GENITAL



CANDIDÍASE   GONORREIA
O   Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (mais
  conhecido por SIDA) é uma doença provocada
  pelo vírus VIH (Vírus da Imunodeficiência
  Humana).
 Este vírus introduz-se no organismo
  humano, podendo permanecer “inativo” (estas
  pessoas chamam-se seropositivas), ou destruindo
  o sistema imunitário da pessoa levando este à
  morte.
 Como    é obvio, a única prevenção é não
  ter relações sexuais com portadores do
  vírus da SIDA.
 Como isto é impossível de se saber, na
  maioria dos casos - por vezes, nem o
  próprio portador sabe que a tem - a
  única prevenção possível é utilizar sempre
  o preservativo.
   Apenas alguns desenvolvem, ao serem
    contagiados, os primeiros sintomas, muito
    parecidos com a gripe (febre, transpiração e
    debilidade geral) e em cerca de 30% dos casos
    verifica-se também um inchaço no
    pescoço, axilas e virilhas.
   Estes pacientes não associam este mal-estar
    com a SIDA, pensam que se trata de um forte
    resfriado ou esgotamento. Se o inchaço durar 3
    meses ou mais, quase podemos estar seguros
    que essa pessoa é portadora do vírus.
Partilha de lâminas   Partilhar escovas de dentes




Relações homossexuais        Relações heterossexuais
Tatuagens   Da mãe para o feto/Partilhar seringas
 Estadoença é provocada pela bactéria
 Treponema Pallidum, que apesar de ser
 contagiosa e perigosa, é curável se for
 tratada a tempo. A Sífilis ataca qualquer
 tecido desde a pele aos
 ossos, fígado, órgãos genitais e olhos.
 O seu maior perigo é alcançar a sistema
 nervoso e o coração, o que pode levar à
 morte. A bactéria da sífilis, para
 sobreviver, precisa de um ambiente quente e
 húmido.
 Inicia-se3 semanas após o contágio, no
  local da infeção, na região genital ou
  oral e nos membros, um pequeno nódulo
  rosado que evolui para uma úlcera
  indolor.
 Na segunda fase da doença, há uma
  erupção cutânea com sintomas de mal-
  estar, fadiga, dores de cabeça e nos
  ossos. Até esta altura a doença é muito
  contagiosa, mas é curável.
 Quase  exclusivamente por contato
 sexual. Um simples beijo em qualquer
 zona que tenha uma pequena ferida, é
 arriscado.
 Não há contágio através do uso de
 WC´s, toalhas e outros objetos.
 Claro,com o uso do
 preservativo, espermicida, DIU, entre
 outros.
Éuma doença que afeta os órgãos
 genitais e as zonas envolventes. É uma
 doença que não tem cura e é causada
 pelo vírus Herpes Simplex. Apenas existem
 medicamentos que aliviam as dores.
O  herpes caracteriza-se por vesículas, em
 forma de cacho, que aparecem 4 - 5
 dias após o contágio, que acabam por
 rebentar e deixar a carne a descoberto.
 São acompanhadas por um ardor
 intenso.
   A hepatite B, provocada pelo Vírus da Hepatite B
    (VHB), descoberto em 1965, é a mais perigosa das
    hepatites e uma das doenças mais frequentes do
    mundo, estimando-se que existam 350 milhões de
    portadores crónicos do vírus.
   Estes portadores podem desenvolver doenças
    hepáticas graves, como a cirrose e o cancro no
    fígado, patologias responsáveis pela morte de um
    milhão de pessoas por ano em todo o planeta;
    contudo a prevenção contra este vírus está ao
    nosso alcance através da vacina da hepatite B que
    tem uma eficácia de 95 por cento.
 Os primeiros sintomas a surgir são febre, mal-
 estar, desconforto, dor abdominal, dor nas
 articulações e erupções na pele. Mais
 tarde, pode aparecer icterícia, a urina tornar-
 se escura e as fezes mais claras do que o
 habitual. A hepatite crónica pode não
 apresentar quaisquer sintomas específicos, mas
 por vezes, provoca alguma debilidade
 associada a cansaço.
   Evitar o contacto com sangue infetado ou de
    quem se desconheça o estado de saúde, não
    partilhar objetos cortantes e perfurantes, nem
    instrumentos usados para a preparação de drogas
    injetáveis, e usar sempre preservativo nas relações
    sexuais são as principais formas de prevenir o
    contágio.
    A realização de tatuagens, a colocação de
    «piercings» e de tratamentos com acupunctura só
    deve ser feita se os instrumentos utilizados estiverem
    adequadamente esterilizados.
 Doença  causada pelos fungos Candida
 albicans, que se desenvolvem num local
 quente e húmido da vagina.
 No homem verifica-se uma inflamação
  acompanhada de pontinhos vermelhos
  no pénis e ardor.
 A mulher sofre de inflamação e irritação
  nos lábios da vulva, acompanhado de
  um fluxo espesso e esbranquiçado. Pode
  haver complicações, como é o caso da
  ureterite.
 Abstinência  sexual logo após o
  aparecimento da infeção e durante o
  tratamento.
 Algumas doenças, como a diabetes ou o
  hipotiroidismo, favorecem o
  aparecimento de candidíase, assim
  como a gravidez, irrigações vaginais e os
  tratamentos com cortisona e
  antialérgicos.
 Aparece um ardor e um pus acinzentado
 ou esverdeado, através do pénis ou da
 vagina, entre 15 a 30 dias após o
 contágio. Também se pode sentir dor ao
 urinar.
 Uma   infeção das vias genitais provocada
  por bactérias, designadas
  genericamente por gonococos.
 Pode afetar o colo do útero da mulher e
  também a uretra do homem, podendo
  expandir-se para a região anal. A
  gonorreia não tratada pode conduzir à
  esterilidade em ambos os sexos.
Émuito eficaz o uso do preservativo e/ou
 a lavagem da vagina com desinfetantes
 adequados ao corpo humano.
Métodos
Contracetivos
São processos que permitem evitar uma
  gravidez não desejada.




Qualquer pessoa que tenha iniciado a sua
vida sexual e que não deseje engravidar no
momento.
Métodos
                   contracetivos




           Reversíveis       Irreversíveis




Naturais           Não naturais




           Mecânicos          Químicos
Métodos que ao deixarem de ser utilizados
permitem uma gravidez.




Destinam-se essencialmente a casais que
não desejem ter mais filhos, uma vez que
são praticamente irreversíveis.
 Método do calendário ou de Ogino
 Método da temperatura
 Químicos


 Mecânicos
 Pílula;
 Pílulado dia seguinte;
 Injeções hormonais;
 Implante;
 Adesivo;
 Espermicidas
 DIU;
 Diafragma;
 Preservativo;
Doenças Sexualmente Transmissíveis e Métodos Contracetivos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação dst
Apresentação dstApresentação dst
Apresentação dst
Robson Peixoto
 
Dst
DstDst
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
Alinebrauna Brauna
 
Dst’s
Dst’s Dst’s
Dst’s
Cris Marques
 
Dst 8o Ano
Dst   8o AnoDst   8o Ano
Dst 8o Ano
pit
 
Sidahiv
SidahivSidahiv
Sidahiv
Pelo Siro
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Marcelo Henrique
 
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
Cristina0910
 
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
Fernanda Gonçalves
 
DST
DSTDST
DST
DSTDST
Ist inês e carla
Ist inês e carlaIst inês e carla
Ist inês e carla
carlavilelas
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Michele Pó
 
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
Alinebrauna Brauna
 
Doenças xesoalmente totalmente transmissiveis
Doenças xesoalmente totalmente transmissiveisDoenças xesoalmente totalmente transmissiveis
Doenças xesoalmente totalmente transmissiveis
manelmaia24
 
Doencas sexualmente transmissiveis.
Doencas sexualmente transmissiveis.Doencas sexualmente transmissiveis.
Doencas sexualmente transmissiveis.
Ana Catarina Mateus
 
Tudo Sobre Dst
Tudo Sobre DstTudo Sobre Dst
Tudo Sobre Dst
Monique Esline
 
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de AcaoPrevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Alexandre Naime Barbosa
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
CNProf
 
Dst/aids SIPAT (oficial)
Dst/aids SIPAT (oficial)Dst/aids SIPAT (oficial)
Dst/aids SIPAT (oficial)
Claudio Cesar Pontes ن
 

Mais procurados (20)

Apresentação dst
Apresentação dstApresentação dst
Apresentação dst
 
Dst
DstDst
Dst
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
 
Dst’s
Dst’s Dst’s
Dst’s
 
Dst 8o Ano
Dst   8o AnoDst   8o Ano
Dst 8o Ano
 
Sidahiv
SidahivSidahiv
Sidahiv
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
 
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
 
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
 
DST
DSTDST
DST
 
DST
DSTDST
DST
 
Ist inês e carla
Ist inês e carlaIst inês e carla
Ist inês e carla
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
 
Doenças xesoalmente totalmente transmissiveis
Doenças xesoalmente totalmente transmissiveisDoenças xesoalmente totalmente transmissiveis
Doenças xesoalmente totalmente transmissiveis
 
Doencas sexualmente transmissiveis.
Doencas sexualmente transmissiveis.Doencas sexualmente transmissiveis.
Doencas sexualmente transmissiveis.
 
Tudo Sobre Dst
Tudo Sobre DstTudo Sobre Dst
Tudo Sobre Dst
 
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de AcaoPrevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Dst/aids SIPAT (oficial)
Dst/aids SIPAT (oficial)Dst/aids SIPAT (oficial)
Dst/aids SIPAT (oficial)
 

Semelhante a Doenças Sexualmente Transmissíveis e Métodos Contracetivos

Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
Marina
 
Doenassexualmentetransmissiveis2 100404123423-phpapp02
Doenassexualmentetransmissiveis2 100404123423-phpapp02Doenassexualmentetransmissiveis2 100404123423-phpapp02
Doenassexualmentetransmissiveis2 100404123423-phpapp02
Pelo Siro
 
Dst
DstDst
Bimestral 1º ano 3º bimestre
Bimestral 1º ano 3º bimestreBimestral 1º ano 3º bimestre
Bimestral 1º ano 3º bimestre
Tony
 
Comportamentos de risco
Comportamentos de riscoComportamentos de risco
Comportamentos de risco
Filipe Eros
 
DSTs
DSTsDSTs
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
HilderlanArajo
 
Zika Vírus E Vaginose Bacteriana
Zika Vírus E Vaginose BacterianaZika Vírus E Vaginose Bacteriana
Zika Vírus E Vaginose Bacteriana
Felipe Batista
 
As Doenças Sexualmente Transmissíveis
As Doenças Sexualmente TransmissíveisAs Doenças Sexualmente Transmissíveis
As Doenças Sexualmente Transmissíveis
held
 
Acção Sexualidade
Acção SexualidadeAcção Sexualidade
Acção Sexualidade
cdays
 
Hiv mario martins pereira
Hiv  mario martins pereiraHiv  mario martins pereira
Hiv mario martins pereira
SANTOS Odirley
 
Uma ApresentaçãO Completa Xd
Uma ApresentaçãO Completa XdUma ApresentaçãO Completa Xd
Uma ApresentaçãO Completa Xd
pedroines141520
 
Dst
DstDst
Trabalho Sobre DST's
Trabalho Sobre DST'sTrabalho Sobre DST's
Trabalho Sobre DST's
guest2e51e6
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
pedro30cunha11
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
pedro30cunha11
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
pedro30cunha11
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
pedro30cunha11
 
Trabalho De A P G5 Inc
Trabalho De A P G5 IncTrabalho De A P G5 Inc
Trabalho De A P G5 Inc
Daniel Sousa
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
Angela Boucinha
 

Semelhante a Doenças Sexualmente Transmissíveis e Métodos Contracetivos (20)

Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Doenassexualmentetransmissiveis2 100404123423-phpapp02
Doenassexualmentetransmissiveis2 100404123423-phpapp02Doenassexualmentetransmissiveis2 100404123423-phpapp02
Doenassexualmentetransmissiveis2 100404123423-phpapp02
 
Dst
DstDst
Dst
 
Bimestral 1º ano 3º bimestre
Bimestral 1º ano 3º bimestreBimestral 1º ano 3º bimestre
Bimestral 1º ano 3º bimestre
 
Comportamentos de risco
Comportamentos de riscoComportamentos de risco
Comportamentos de risco
 
DSTs
DSTsDSTs
DSTs
 
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
 
Zika Vírus E Vaginose Bacteriana
Zika Vírus E Vaginose BacterianaZika Vírus E Vaginose Bacteriana
Zika Vírus E Vaginose Bacteriana
 
As Doenças Sexualmente Transmissíveis
As Doenças Sexualmente TransmissíveisAs Doenças Sexualmente Transmissíveis
As Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Acção Sexualidade
Acção SexualidadeAcção Sexualidade
Acção Sexualidade
 
Hiv mario martins pereira
Hiv  mario martins pereiraHiv  mario martins pereira
Hiv mario martins pereira
 
Uma ApresentaçãO Completa Xd
Uma ApresentaçãO Completa XdUma ApresentaçãO Completa Xd
Uma ApresentaçãO Completa Xd
 
Dst
DstDst
Dst
 
Trabalho Sobre DST's
Trabalho Sobre DST'sTrabalho Sobre DST's
Trabalho Sobre DST's
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
 
Trabalho De A P G5 Inc
Trabalho De A P G5 IncTrabalho De A P G5 Inc
Trabalho De A P G5 Inc
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 

Mais de lucia_nunes

Amor no Namoro e Sexualidade e Afetos
Amor no Namoro e Sexualidade e Afetos Amor no Namoro e Sexualidade e Afetos
Amor no Namoro e Sexualidade e Afetos
lucia_nunes
 
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
lucia_nunes
 
O Ambiente
O AmbienteO Ambiente
O Ambiente
lucia_nunes
 
Gravidez Precoce e Discriminação Sexual
Gravidez Precoce e Discriminação SexualGravidez Precoce e Discriminação Sexual
Gravidez Precoce e Discriminação Sexual
lucia_nunes
 
Tolerância com a diversidade
Tolerância com a diversidadeTolerância com a diversidade
Tolerância com a diversidade
lucia_nunes
 
Os idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedadeOs idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedade
lucia_nunes
 
Indisciplina e violência na escola
Indisciplina e violência na escolaIndisciplina e violência na escola
Indisciplina e violência na escola
lucia_nunes
 
Diversos tipos de violência
Diversos tipos de violênciaDiversos tipos de violência
Diversos tipos de violência
lucia_nunes
 
Dependências
DependênciasDependências
Dependências
lucia_nunes
 
Literacia da saúde
Literacia da saúdeLiteracia da saúde
Literacia da saúde
lucia_nunes
 
Hábitos alimentares
Hábitos alimentaresHábitos alimentares
Hábitos alimentares
lucia_nunes
 
Cuidados a ter com o corpo
Cuidados a ter com o corpoCuidados a ter com o corpo
Cuidados a ter com o corpo
lucia_nunes
 
Cuidados a ter com o corpo
Cuidados a ter com o corpoCuidados a ter com o corpo
Cuidados a ter com o corpo
lucia_nunes
 
A imagem do corpo
A imagem do corpoA imagem do corpo
A imagem do corpo
lucia_nunes
 
A fome no mundo
A fome no mundoA fome no mundo
A fome no mundo
lucia_nunes
 

Mais de lucia_nunes (15)

Amor no Namoro e Sexualidade e Afetos
Amor no Namoro e Sexualidade e Afetos Amor no Namoro e Sexualidade e Afetos
Amor no Namoro e Sexualidade e Afetos
 
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
 
O Ambiente
O AmbienteO Ambiente
O Ambiente
 
Gravidez Precoce e Discriminação Sexual
Gravidez Precoce e Discriminação SexualGravidez Precoce e Discriminação Sexual
Gravidez Precoce e Discriminação Sexual
 
Tolerância com a diversidade
Tolerância com a diversidadeTolerância com a diversidade
Tolerância com a diversidade
 
Os idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedadeOs idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedade
 
Indisciplina e violência na escola
Indisciplina e violência na escolaIndisciplina e violência na escola
Indisciplina e violência na escola
 
Diversos tipos de violência
Diversos tipos de violênciaDiversos tipos de violência
Diversos tipos de violência
 
Dependências
DependênciasDependências
Dependências
 
Literacia da saúde
Literacia da saúdeLiteracia da saúde
Literacia da saúde
 
Hábitos alimentares
Hábitos alimentaresHábitos alimentares
Hábitos alimentares
 
Cuidados a ter com o corpo
Cuidados a ter com o corpoCuidados a ter com o corpo
Cuidados a ter com o corpo
 
Cuidados a ter com o corpo
Cuidados a ter com o corpoCuidados a ter com o corpo
Cuidados a ter com o corpo
 
A imagem do corpo
A imagem do corpoA imagem do corpo
A imagem do corpo
 
A fome no mundo
A fome no mundoA fome no mundo
A fome no mundo
 

Último

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 

Último (6)

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 

Doenças Sexualmente Transmissíveis e Métodos Contracetivos

  • 1. Doenças Sexualmente Transmissíveis Trabalho realizado por: Beatriz Medeiros nº05 Fabiana Franco nº08 José Caetano nº14 Ricardo Costa nº21
  • 2.  As doenças sexualmente transmissíveis são doenças provocadas por bactérias, fungos e vírus e que se transmitem por contacto sexual íntimo, quando um dos parceiros se encontra infetado.  Existem várias destas doenças, também conhecidas por doenças venéreas, sendo de salientar a Sífilis, o Herpes genital, a Hepatite B, a SIDA, a Candidíase e a Gonorreia.
  • 3. SIDA SÍFILIS HERPES HEPATITE B GENITAL CANDIDÍASE GONORREIA
  • 4. O Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (mais conhecido por SIDA) é uma doença provocada pelo vírus VIH (Vírus da Imunodeficiência Humana).  Este vírus introduz-se no organismo humano, podendo permanecer “inativo” (estas pessoas chamam-se seropositivas), ou destruindo o sistema imunitário da pessoa levando este à morte.
  • 5.  Como é obvio, a única prevenção é não ter relações sexuais com portadores do vírus da SIDA.  Como isto é impossível de se saber, na maioria dos casos - por vezes, nem o próprio portador sabe que a tem - a única prevenção possível é utilizar sempre o preservativo.
  • 6. Apenas alguns desenvolvem, ao serem contagiados, os primeiros sintomas, muito parecidos com a gripe (febre, transpiração e debilidade geral) e em cerca de 30% dos casos verifica-se também um inchaço no pescoço, axilas e virilhas.  Estes pacientes não associam este mal-estar com a SIDA, pensam que se trata de um forte resfriado ou esgotamento. Se o inchaço durar 3 meses ou mais, quase podemos estar seguros que essa pessoa é portadora do vírus.
  • 7. Partilha de lâminas Partilhar escovas de dentes Relações homossexuais Relações heterossexuais
  • 8. Tatuagens Da mãe para o feto/Partilhar seringas
  • 9.  Estadoença é provocada pela bactéria Treponema Pallidum, que apesar de ser contagiosa e perigosa, é curável se for tratada a tempo. A Sífilis ataca qualquer tecido desde a pele aos ossos, fígado, órgãos genitais e olhos.  O seu maior perigo é alcançar a sistema nervoso e o coração, o que pode levar à morte. A bactéria da sífilis, para sobreviver, precisa de um ambiente quente e húmido.
  • 10.
  • 11.  Inicia-se3 semanas após o contágio, no local da infeção, na região genital ou oral e nos membros, um pequeno nódulo rosado que evolui para uma úlcera indolor.  Na segunda fase da doença, há uma erupção cutânea com sintomas de mal- estar, fadiga, dores de cabeça e nos ossos. Até esta altura a doença é muito contagiosa, mas é curável.
  • 12.  Quase exclusivamente por contato sexual. Um simples beijo em qualquer zona que tenha uma pequena ferida, é arriscado.  Não há contágio através do uso de WC´s, toalhas e outros objetos.
  • 13.  Claro,com o uso do preservativo, espermicida, DIU, entre outros.
  • 14. Éuma doença que afeta os órgãos genitais e as zonas envolventes. É uma doença que não tem cura e é causada pelo vírus Herpes Simplex. Apenas existem medicamentos que aliviam as dores.
  • 15. O herpes caracteriza-se por vesículas, em forma de cacho, que aparecem 4 - 5 dias após o contágio, que acabam por rebentar e deixar a carne a descoberto. São acompanhadas por um ardor intenso.
  • 16. A hepatite B, provocada pelo Vírus da Hepatite B (VHB), descoberto em 1965, é a mais perigosa das hepatites e uma das doenças mais frequentes do mundo, estimando-se que existam 350 milhões de portadores crónicos do vírus.  Estes portadores podem desenvolver doenças hepáticas graves, como a cirrose e o cancro no fígado, patologias responsáveis pela morte de um milhão de pessoas por ano em todo o planeta; contudo a prevenção contra este vírus está ao nosso alcance através da vacina da hepatite B que tem uma eficácia de 95 por cento.
  • 17.  Os primeiros sintomas a surgir são febre, mal- estar, desconforto, dor abdominal, dor nas articulações e erupções na pele. Mais tarde, pode aparecer icterícia, a urina tornar- se escura e as fezes mais claras do que o habitual. A hepatite crónica pode não apresentar quaisquer sintomas específicos, mas por vezes, provoca alguma debilidade associada a cansaço.
  • 18. Evitar o contacto com sangue infetado ou de quem se desconheça o estado de saúde, não partilhar objetos cortantes e perfurantes, nem instrumentos usados para a preparação de drogas injetáveis, e usar sempre preservativo nas relações sexuais são as principais formas de prevenir o contágio.  A realização de tatuagens, a colocação de «piercings» e de tratamentos com acupunctura só deve ser feita se os instrumentos utilizados estiverem adequadamente esterilizados.
  • 19.  Doença causada pelos fungos Candida albicans, que se desenvolvem num local quente e húmido da vagina.
  • 20.  No homem verifica-se uma inflamação acompanhada de pontinhos vermelhos no pénis e ardor.  A mulher sofre de inflamação e irritação nos lábios da vulva, acompanhado de um fluxo espesso e esbranquiçado. Pode haver complicações, como é o caso da ureterite.
  • 21.  Abstinência sexual logo após o aparecimento da infeção e durante o tratamento.  Algumas doenças, como a diabetes ou o hipotiroidismo, favorecem o aparecimento de candidíase, assim como a gravidez, irrigações vaginais e os tratamentos com cortisona e antialérgicos.
  • 22.  Aparece um ardor e um pus acinzentado ou esverdeado, através do pénis ou da vagina, entre 15 a 30 dias após o contágio. Também se pode sentir dor ao urinar.
  • 23.  Uma infeção das vias genitais provocada por bactérias, designadas genericamente por gonococos.  Pode afetar o colo do útero da mulher e também a uretra do homem, podendo expandir-se para a região anal. A gonorreia não tratada pode conduzir à esterilidade em ambos os sexos.
  • 24. Émuito eficaz o uso do preservativo e/ou a lavagem da vagina com desinfetantes adequados ao corpo humano.
  • 26. São processos que permitem evitar uma gravidez não desejada. Qualquer pessoa que tenha iniciado a sua vida sexual e que não deseje engravidar no momento.
  • 27. Métodos contracetivos Reversíveis Irreversíveis Naturais Não naturais Mecânicos Químicos
  • 28. Métodos que ao deixarem de ser utilizados permitem uma gravidez. Destinam-se essencialmente a casais que não desejem ter mais filhos, uma vez que são praticamente irreversíveis.
  • 29.  Método do calendário ou de Ogino  Método da temperatura
  • 31.  Pílula;  Pílulado dia seguinte;  Injeções hormonais;  Implante;  Adesivo;  Espermicidas