SlideShare uma empresa Scribd logo
CLÍNICA MULTIPERFIL
INTERNATO DE ESPECIALIDADE MÉDICA - MEDICINA GERAL E
FAMILIAR
ROTAÇÃO CIRURGIA
Luanda, Outubro de 2021
Autores: TATIANA MARQUES | ROSALINA JAMBA | FLÁVIO |
Docente: DR IVANILDO
ABDOME AGUDO EM PEDIATRIA
1 - INTRODUÇÃO
• Conceitos
• Epidemiologia
2 – ETIOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO
3 – DIAGNÓSTICO
• Avaliação clínica
• Exame físico
• Exames complementares
4 - ABORDAGEM TERAPÊUTICA
5 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO
1. INTRODUÇÃO
1. INTRODUÇÃO
CONCEITOS
Quadro clínico abdominal caracterizado por dor, de início subido ou de evolução progressiva, que necessita de
definição diagnóstica e de conduta terapêutica imediata.
1. INTRODUÇÃO
1. INTRODUÇÃO
EPIDEMIOLOGIA
A dor abdominal é uma situação frequente na infância e pode ser indício de afecções dos outros órgãos
abdominais, de órgãos vizinhos da cavidade abdo-minal e mesmo de áreas extra-abdominais, particularmente
do tórax ou crânio.
As doenças que cursam com dor abdominal podem ser de tratamento clí́nico ou cirúrgico. Por conseguinte, sua
interpretação rápida e correta constitui tarefa de grande responsabilidade, já que frequentemente se relaciona
com decisões urgentes e inadiáveis.
Exige um diagnóstico rápido e certeiro. A orientação diagnóstica e terapeutica dependera da idade da criaça.
ETIOLOGIA E
CLASSIFICAÇÃO
1. INTRODUÇÃO
2. ETIOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO
Dor abdominal aguda
Organizamos as etiologias em 2 grupos:
1- Relaccionado com a idade
2- Em função do quadro sindrómico.
RN LACTANTE PRÉ-
ESCOLAR E
ESCOLA
S.
OBSTRUTIV
O
Malformaçõe
s congénitas,
hipertrofia do
piloro.
Invaginação
intestinal,
hérnia
inguinal
encarcerada
Por áscaris,
por bridas,
invaginação
intestinal
S.
PERFURATI
VO
Peritonite
meconial,
enterite
necrotizante,
traumas.
Secundário à
doenças
inflamatórias
intestinais
Secudário à
doença
inflamatória e
traumas
abdominal
S.
INFLAMATÓ
RIO
Onfalite,
divertículo de
meckel.
Enterite
necrotizante,
apendicite
aguda, Div de
meckel
Traumas
abdominal
S.
HEMORRÁGI
CO
Rotura de
vísceras,
hipóxia
Traumas
1. INTRODUÇÃO
Quadro clínico no Lactante:
• Pico de incidência entre 5-9 meses
• Mais comum no sexo M
• Lactante eutrófico e começa com dor
súbita, forte, tipo cólica, com choro forte,
palidez cutânea, constipação, vômitos e
secreção mucossanguinolenta pelo ânus.
• Principais causas: invaginação intestinal,
etc.
2. ETIOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO
Quadro clínico no RN:
• 90% dos casos são por
malformações do TGI.
• SINAIS DE ALARME:
vômitos, distenção
abdominal, constipação,
peristales visível, queda no
ganho ponderal.
• Triada clássica: vômito+
abdome distendido+parada
na eliminação de mecônio.
• Principais causas:
malformações do TGI.
• Estenose do Hipertrófica do
piloro (*causa mais
comum)
Pré-escolar e Escolar:
• Pico de incidência: 8-12 anos
• Quadro clínico: dor abdominal que
pode ser localizada ou
translocada, náuseas, vômitos,
febre, anorexia e pode chegar a
desidratação.
• Causas mais frequentes:
Apendicite, obstrução intestinal
por áscaris(1-2 e ápos 6 anos).
1. INTRODUÇÃO
• Causas mais frequentes de abdome
agudo cirúrgico.
• Causas mais frequentes de abdome
agudo não cirúrgicas.
2. ETIOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO
• Dispepsias
• Constipação intestinal
• Gastroenterocolites
• Parasitoses intestinais
• Pancreatite aguda
• Hepatite aguda
• Apendicite aguda
• Diverticulite aguda
• Obstrução intestinal
• Invaginação intestinal
• Torções intestinais
• Torção de ovário
•
• Peritonite aguda
DIAGNÓSTICO
1. INTRODUÇÃO
3. DIAGNÓSTICO
AVALIAÇÃO CLÍNICA
• Anamnese .
• Exame físico minucioso.
• Exames de laboratório e Imagiológicos.
Situação problemática
Menina com 5 anos de idade é atendida numa UBS
com história de dor abdominal há 2 horas, do tipo
cólica, difusa, de pequena intensidade, não as-
sociada a febre, náuseas, vômitos, diarreia ou disúria.
Não evacua há três dias. Tem história de constipação
intestinal leve e já teve quadros semelhantes no
último ano. O exame físico não revela alterações de
nota, exceto dor à palpa- ção profunda do andar
inferior do abdome.
Situação prblemática
 Menino com 6 anos de idade, história de coriza
nasal, tosse e inapetência há três dias associadas a
febre alta (39oC) e taquipneia há 24 horas. Há 12
horas começou a queixar-se de dor abdominal
difusa, sem náuseas, vômitos ou alte- ração do
hábito intestinal. A semiologia pulmonar revela
discreta diminuição do murmúrio vesicular na base
do pulmão direito.
ABORDAGEM
TERAPÊUTICA
1. INTRODUÇÃO
4. ABORDAGEM TERAPÊUTICA
GERAL
Higiénica e Medicamentosa
Cirúrgica
REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS
1. INTRODUÇÃO
6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Silen W. Abdominal pain. In: Fauci AS, Braunwald E, Kasper DL, Hauser SL, Longo DL, Jame- son JL,
Loscalzo J. Harrisson ́s principles of internal medicine. 17th ed. Baltimore: McGraw- Hill; 2008. p. 1-95.
Spee LA, van der Hurk AP, van Leeuwen Y, Benninga MA, Bierma-Zeinstra SMA, Passchier J, et al. Childhood
abdominal pain in primary care: design and patient selection of the HONEUR abdominal pain cohort. BMC
Fam Pract. 2010;11:27.
Protocolo Clínico e de Regulação para Dor Abdominal Aguda na Criança
- Peña Quintana L, Beltrà Picó R. Dolor abdominal agudo. En: Cruz. Tratado de Pediatría, 11ª ed. Madrid: Panamerica-na.
2014; p. 1465-8.- Varea Calderón V. Exploración clínica y funcional del aparato digestivo. En: Cruz. Tratado de Pediatría,
11ª ed. Madrid: Panamericana. 2014; p. 1381-8.Capítulos del texto clásico de la Pediatría espa-ñola en su última edición
2014. En el primero de ellos, se hace un estudio general del cuadro. En el segundo, es destacable el apartado de
“Palpación
- AULA 01- VET ABDOME AGUDO EM PEDIATRIA.pdf . 4/2021
1. INTRODUÇÃO
“Não existe revelação mais nítida da alma de uma sociedade do
que a forma como esta trata as suas crianças”
Nelson Mandela

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a DOENÇA ABDOMINAIS AGUDA EM CRIANÇAS11-2.pptx

Nauseas e vomitos
Nauseas e vomitosNauseas e vomitos
Nauseas e vomitos
Fernando de Oliveira Dutra
 
Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.
Mariana Andrade
 
CLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdf
CLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdfCLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdf
CLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdf
joseigor7
 
Apresentação de Caso Clínico Professor Robson
Apresentação de Caso Clínico Professor RobsonApresentação de Caso Clínico Professor Robson
Apresentação de Caso Clínico Professor Robson
Professor Robson
 
Disfagia
DisfagiaDisfagia
Disfagia
uhgeri
 
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencialDor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Laped Ufrn
 
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdfPancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
EmanuelJulioMiguel
 
Casos clinicos aleatorios 2
Casos clinicos aleatorios 2 Casos clinicos aleatorios 2
Casos clinicos aleatorios 2
MarinaLLobo
 
08 abdome.pptx
08 abdome.pptx08 abdome.pptx
08 abdome.pptx
ssuser51d27c1
 
GECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentaçãoGECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentação
AnaB253108
 
Síndrome compartimental abdominal (acs) é cada vez mais reconhecida
Síndrome compartimental abdominal (acs) é cada vez mais reconhecidaSíndrome compartimental abdominal (acs) é cada vez mais reconhecida
Síndrome compartimental abdominal (acs) é cada vez mais reconhecida
Van Der Häägen Brazil
 
Aula (1)
Aula (1)Aula (1)
Doenca crohn
Doenca crohnDoenca crohn
Doenca crohn
Mab Davilla
 
Doenca crohn
Doenca crohnDoenca crohn
Doenca crohn
Mab Davilla
 
APRESENTAÇÃO CEINHA.pdf
APRESENTAÇÃO CEINHA.pdfAPRESENTAÇÃO CEINHA.pdf
APRESENTAÇÃO CEINHA.pdf
Josele Matos
 
Pós DDW - cobertura jornalística
Pós DDW - cobertura jornalísticaPós DDW - cobertura jornalística
Pós DDW - cobertura jornalística
CBPortfolio
 
Dor Abdominal Recorrente (DAR)
Dor Abdominal Recorrente (DAR) Dor Abdominal Recorrente (DAR)
Dor Abdominal Recorrente (DAR)
blogped1
 
patologia-esofagica.pdf
patologia-esofagica.pdfpatologia-esofagica.pdf
patologia-esofagica.pdf
RobertJnior
 
3_revisao_constipacao_intestinal_crianca
3_revisao_constipacao_intestinal_crianca3_revisao_constipacao_intestinal_crianca
3_revisao_constipacao_intestinal_crianca
docanto
 
7 abdomen agudo
7 abdomen agudo7 abdomen agudo
7 abdomen agudo
Alan Kardec Zica
 

Semelhante a DOENÇA ABDOMINAIS AGUDA EM CRIANÇAS11-2.pptx (20)

Nauseas e vomitos
Nauseas e vomitosNauseas e vomitos
Nauseas e vomitos
 
Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.
 
CLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdf
CLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdfCLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdf
CLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdf
 
Apresentação de Caso Clínico Professor Robson
Apresentação de Caso Clínico Professor RobsonApresentação de Caso Clínico Professor Robson
Apresentação de Caso Clínico Professor Robson
 
Disfagia
DisfagiaDisfagia
Disfagia
 
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencialDor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
 
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdfPancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
 
Casos clinicos aleatorios 2
Casos clinicos aleatorios 2 Casos clinicos aleatorios 2
Casos clinicos aleatorios 2
 
08 abdome.pptx
08 abdome.pptx08 abdome.pptx
08 abdome.pptx
 
GECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentaçãoGECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentação
 
Síndrome compartimental abdominal (acs) é cada vez mais reconhecida
Síndrome compartimental abdominal (acs) é cada vez mais reconhecidaSíndrome compartimental abdominal (acs) é cada vez mais reconhecida
Síndrome compartimental abdominal (acs) é cada vez mais reconhecida
 
Aula (1)
Aula (1)Aula (1)
Aula (1)
 
Doenca crohn
Doenca crohnDoenca crohn
Doenca crohn
 
Doenca crohn
Doenca crohnDoenca crohn
Doenca crohn
 
APRESENTAÇÃO CEINHA.pdf
APRESENTAÇÃO CEINHA.pdfAPRESENTAÇÃO CEINHA.pdf
APRESENTAÇÃO CEINHA.pdf
 
Pós DDW - cobertura jornalística
Pós DDW - cobertura jornalísticaPós DDW - cobertura jornalística
Pós DDW - cobertura jornalística
 
Dor Abdominal Recorrente (DAR)
Dor Abdominal Recorrente (DAR) Dor Abdominal Recorrente (DAR)
Dor Abdominal Recorrente (DAR)
 
patologia-esofagica.pdf
patologia-esofagica.pdfpatologia-esofagica.pdf
patologia-esofagica.pdf
 
3_revisao_constipacao_intestinal_crianca
3_revisao_constipacao_intestinal_crianca3_revisao_constipacao_intestinal_crianca
3_revisao_constipacao_intestinal_crianca
 
7 abdomen agudo
7 abdomen agudo7 abdomen agudo
7 abdomen agudo
 

Último

Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
sidneyjmg
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
ccursog
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
WilberthLincoln1
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
DiegoFernandes857616
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
SusanaMatos22
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
AllanNovais4
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
sidneyjmg
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 

Último (11)

Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 

DOENÇA ABDOMINAIS AGUDA EM CRIANÇAS11-2.pptx

  • 1. CLÍNICA MULTIPERFIL INTERNATO DE ESPECIALIDADE MÉDICA - MEDICINA GERAL E FAMILIAR ROTAÇÃO CIRURGIA Luanda, Outubro de 2021 Autores: TATIANA MARQUES | ROSALINA JAMBA | FLÁVIO | Docente: DR IVANILDO ABDOME AGUDO EM PEDIATRIA
  • 2. 1 - INTRODUÇÃO • Conceitos • Epidemiologia 2 – ETIOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO 3 – DIAGNÓSTICO • Avaliação clínica • Exame físico • Exames complementares 4 - ABORDAGEM TERAPÊUTICA 5 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SUMÁRIO
  • 4. 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO CONCEITOS Quadro clínico abdominal caracterizado por dor, de início subido ou de evolução progressiva, que necessita de definição diagnóstica e de conduta terapêutica imediata.
  • 5. 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO EPIDEMIOLOGIA A dor abdominal é uma situação frequente na infância e pode ser indício de afecções dos outros órgãos abdominais, de órgãos vizinhos da cavidade abdo-minal e mesmo de áreas extra-abdominais, particularmente do tórax ou crânio. As doenças que cursam com dor abdominal podem ser de tratamento clí́nico ou cirúrgico. Por conseguinte, sua interpretação rápida e correta constitui tarefa de grande responsabilidade, já que frequentemente se relaciona com decisões urgentes e inadiáveis. Exige um diagnóstico rápido e certeiro. A orientação diagnóstica e terapeutica dependera da idade da criaça.
  • 7. 1. INTRODUÇÃO 2. ETIOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO Dor abdominal aguda Organizamos as etiologias em 2 grupos: 1- Relaccionado com a idade 2- Em função do quadro sindrómico. RN LACTANTE PRÉ- ESCOLAR E ESCOLA S. OBSTRUTIV O Malformaçõe s congénitas, hipertrofia do piloro. Invaginação intestinal, hérnia inguinal encarcerada Por áscaris, por bridas, invaginação intestinal S. PERFURATI VO Peritonite meconial, enterite necrotizante, traumas. Secundário à doenças inflamatórias intestinais Secudário à doença inflamatória e traumas abdominal S. INFLAMATÓ RIO Onfalite, divertículo de meckel. Enterite necrotizante, apendicite aguda, Div de meckel Traumas abdominal S. HEMORRÁGI CO Rotura de vísceras, hipóxia Traumas
  • 8. 1. INTRODUÇÃO Quadro clínico no Lactante: • Pico de incidência entre 5-9 meses • Mais comum no sexo M • Lactante eutrófico e começa com dor súbita, forte, tipo cólica, com choro forte, palidez cutânea, constipação, vômitos e secreção mucossanguinolenta pelo ânus. • Principais causas: invaginação intestinal, etc. 2. ETIOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO Quadro clínico no RN: • 90% dos casos são por malformações do TGI. • SINAIS DE ALARME: vômitos, distenção abdominal, constipação, peristales visível, queda no ganho ponderal. • Triada clássica: vômito+ abdome distendido+parada na eliminação de mecônio. • Principais causas: malformações do TGI. • Estenose do Hipertrófica do piloro (*causa mais comum) Pré-escolar e Escolar: • Pico de incidência: 8-12 anos • Quadro clínico: dor abdominal que pode ser localizada ou translocada, náuseas, vômitos, febre, anorexia e pode chegar a desidratação. • Causas mais frequentes: Apendicite, obstrução intestinal por áscaris(1-2 e ápos 6 anos).
  • 9. 1. INTRODUÇÃO • Causas mais frequentes de abdome agudo cirúrgico. • Causas mais frequentes de abdome agudo não cirúrgicas. 2. ETIOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO • Dispepsias • Constipação intestinal • Gastroenterocolites • Parasitoses intestinais • Pancreatite aguda • Hepatite aguda • Apendicite aguda • Diverticulite aguda • Obstrução intestinal • Invaginação intestinal • Torções intestinais • Torção de ovário • • Peritonite aguda
  • 11. 1. INTRODUÇÃO 3. DIAGNÓSTICO AVALIAÇÃO CLÍNICA • Anamnese . • Exame físico minucioso. • Exames de laboratório e Imagiológicos.
  • 12. Situação problemática Menina com 5 anos de idade é atendida numa UBS com história de dor abdominal há 2 horas, do tipo cólica, difusa, de pequena intensidade, não as- sociada a febre, náuseas, vômitos, diarreia ou disúria. Não evacua há três dias. Tem história de constipação intestinal leve e já teve quadros semelhantes no último ano. O exame físico não revela alterações de nota, exceto dor à palpa- ção profunda do andar inferior do abdome.
  • 13. Situação prblemática  Menino com 6 anos de idade, história de coriza nasal, tosse e inapetência há três dias associadas a febre alta (39oC) e taquipneia há 24 horas. Há 12 horas começou a queixar-se de dor abdominal difusa, sem náuseas, vômitos ou alte- ração do hábito intestinal. A semiologia pulmonar revela discreta diminuição do murmúrio vesicular na base do pulmão direito.
  • 15. 1. INTRODUÇÃO 4. ABORDAGEM TERAPÊUTICA GERAL Higiénica e Medicamentosa Cirúrgica
  • 17. 1. INTRODUÇÃO 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Silen W. Abdominal pain. In: Fauci AS, Braunwald E, Kasper DL, Hauser SL, Longo DL, Jame- son JL, Loscalzo J. Harrisson ́s principles of internal medicine. 17th ed. Baltimore: McGraw- Hill; 2008. p. 1-95. Spee LA, van der Hurk AP, van Leeuwen Y, Benninga MA, Bierma-Zeinstra SMA, Passchier J, et al. Childhood abdominal pain in primary care: design and patient selection of the HONEUR abdominal pain cohort. BMC Fam Pract. 2010;11:27. Protocolo Clínico e de Regulação para Dor Abdominal Aguda na Criança - Peña Quintana L, Beltrà Picó R. Dolor abdominal agudo. En: Cruz. Tratado de Pediatría, 11ª ed. Madrid: Panamerica-na. 2014; p. 1465-8.- Varea Calderón V. Exploración clínica y funcional del aparato digestivo. En: Cruz. Tratado de Pediatría, 11ª ed. Madrid: Panamericana. 2014; p. 1381-8.Capítulos del texto clásico de la Pediatría espa-ñola en su última edición 2014. En el primero de ellos, se hace un estudio general del cuadro. En el segundo, es destacable el apartado de “Palpación - AULA 01- VET ABDOME AGUDO EM PEDIATRIA.pdf . 4/2021
  • 18. 1. INTRODUÇÃO “Não existe revelação mais nítida da alma de uma sociedade do que a forma como esta trata as suas crianças” Nelson Mandela

Notas do Editor

  1. Diarreia Aguda: pode durar até 14 dias e determina perda de grande volume de fluidos e pode causar desidratação. A maioria dos casos resolve -se em até 7 dias. Osmolar: é provocada por excesso de osmolaridade dentro da luz intestinal, havendo por conseguinte pressão osmótica superior à do plasma, o que promove passagem de água e eletrólitos para dentro do lúmen. Esta quantidade aumentada de líquidos produzida supera a capacidade de absorção, o que determina a emissão de fezes liquefeitas. Secretória