SlideShare uma empresa Scribd logo
Relação entre Prática X Pausa
Relação Prática X Pausa
• Entre as sessões: semanas ou meses
• Entre as tentativas
Prática
Descanso
Prática
Descanso
Prática
Estudos de Distribuição da Prática
Tarefas de laboratório
Tarefas do “mundo real”
PD x PM dependente da tarefa
• Discreta ou Contínua
Chamadas de
Intervalo entre as sessões de
prática
• Prática maciça X Prática distribuída
intervalo entre as sessões de prática
O que seria melhor???
nº de sessões com duração
nº de sessões com duração
Duração e distribuição das sessões de prática
• Baddeley e Longman (1978)
• Tarefa:
• Manusear uma máquina de classificação de correspondência
(teclado)
• Prática:
• 60 horas de treinamento
• 5 dias por semana
Prática maciça X prática distribuída
Esquema de prática
Número de horas para
aprender a usar o teclado
Número de horas para
digitar 80 caracteres/minuto
1 hora/sessão
1 sessão por dia
(12 semanas)
1 hora/sessão
2 sessões por dia
(6 semanas)
2 horas/sessão
1 sessão por dia
(6 semanas)
2 horas/sessão
2 sessões por dia
(3 semanas)
Distribuída
Maciça
Sessões mais curtas produzem uma melhor
aprendizagem
Esquema de prática
Número de horas para
aprender a usar o teclado
Número de horas para
digitar 80 caracteres/minuto
1 hora/sessão
1 sessão por dia
(12 semanas)
34.9 55.0
1 hora/sessão
2 sessões por dia
(6 semanas)
43.0 75.0
2 horas/sessão
1 sessão por dia
(6 semanas)
43.0 67.0
2 horas/sessão
2 sessões por dia
(3 semanas)
49.7 +80.0
Distribuída
Maciça
Distribuição da prática para tarefas contínuas
(Shea et al., 2000)
• Grupo 1 dia: 20min de intervalo entre as sessões 1 e 2
• Grupo 2 dias: 24h de intervalo entre as sessões 1 e 2
• Tarefa: equilibrar-se
• Manter a plataforma na posição horizontal
• Cada sessão: 7 tentativas (90s) com intervalo de 90s entre as
tentativas
• Retenção: 24h após a finalização das sessões de prática
Distribuição da prática entre dias facilita a
aprendizagem de habilidades motoras contínuas
Grupo 1 dia
Grupo 2 dias
Sessão 1 Sessão 2 Retenção
RMS(graus)
Grupo 2 dias
Grupo 1 dia PM
PD
Distribuição da prática para tarefas discretas
(Shea et al., 2000)
• Grupo 1 dia:
– 3 sessões de prática no mesmo dia
– 10 min de intervalo
• Grupo 3 dias:
– 3 sessões de prática divididas em 3 dias
• Sessões
– 36 tentativas por sessão
– Uma meta de tempo para cada sessão
• Retenção: 24h após o término da fase
de aquisição (900 ms)
7 8 9
4 5 6
1 2 3
1
2 3
Duração de cada segmento:
1: 22.2%
2: 44.4%
3: 33.3%
Duração total do movimento:
Tarefa A: 700 ms
Tarefa B: 900 ms
Terefa C: 1100 ms
Grupo 3 dias
Retenção
ErroTotal(ms)
Sessão 1 Sessão 2 Sessão 3
Grupo 1 dia
Distribuição da prática entre dias facilita a
aprendizagem de habilidades motoras discretas
Grupo 3 dias
Grupo 1 dia PM
PD
Explicação
• Intervalo maior entre as sessões está de
acordo com a noção de consolidação da
memória
Implicações para a programação de sessões
de prática
• Na dúvida, prefira sessões curtas;
• Programe um número maior de sessões;
• O tempo economizado, em número de dias de
prática, pode ser uma economia falsa.
Chamadas de
Intervalo entre as tentativas de
prática
• Prática maciça X Prática distribuída
Tipos de prática
• Prática maciça: pausa < prática
– Intervalo curto ou nenhum intervalo entre as
tentativas
• Prática distribuída: pausa > prática
– Intervalo longo entre as tentativas
• 5 grupos com 40 tentativas:
• Grupo controle → 40 tentativas - prática distribuída
• Grupo M-D 5 → 5 tentativas - prática maciça
• Grupo M-D 10 → 10 tentativas - prática maciça
• Grupo M-D 15 → 15 tentativas - prática maciça
• Grupo M-D 20 → 20 tentativas - prática maciça
(Adams & Reynolds, 1954)
TAREFA: perseguição rotativa
Distribuição da prática inter-tentativas para
habilidades contínuas
Para essa habilidade contínua,
prática maciça < prática distribuída, em termos de
desempenho mas não de aprendizagem
Distribuição da prática para tarefas discretas
• Grupo A:
– 80 tentativas no mesmo dia;
• Grupo B:
– 20 tentativas com 5 minutos de pausa;
• Grupo C:
– 20 tentativas com 24h de pausa;
• Retenção:
• - 1 dia depois;
• - 1 semana depois;
• - 1 mês depois;
(Singer, 1965)
TAREFA: arremesso
AQUISIÇÃO
TEST
E
MES
MO
DIATESTE
MESMO
DIA
TESTE 1
DIA
DEPOIS
TESTE 1
SEMANA
DEPOIS
TESTE 1
MÊS
DEPOIS
GRUPO PRÁTICA DISTRIBUIDA (20 ARREMESSOS + 5 MIN INTERVALO
GRUPO PRÁTICA DISTRIBUIDA (20 ARREMESSOS + 24 HORAS INTERVALO
GRUPO PRÁTICA MACIÇA (20 ARREMESSOS)
Distribuição da prática para tarefas discretas
• Grupo PM:
– Foram 5 blocos com 10 passes com 2
minutos entre os blocos e intervalo de 1
segundo entre as tentativas;
• Grupo PD:
– Foram 5 blocos com 10 passes com 2
minutos entre os blocos e intervalo de 30
segundos entre as tentativas;
• Retenção:
• após 10 minutos;
• 2 semana depois;
(Panchuk, 2013)
TAREFA: lançamento
(Panchuk et al 2013 )
AQUISIÇÃO RETENÇÃO
IMEDIATA
RETENÇÃO
1 SEMANA
BLOCO DE TENTATIVA
PONTUAÇÃO
PRÁTICA MACIÇA
PRÁTICA DISTRIBUIDA
Tarefa: Tese de Doutorado – PM x PD
Tarefa seriada
• 24 voluntários:12 PM X 12 PD
• 3 semanas de aquisição e 48 horas após, teste de retenção
• 10 sessões (4 tentativas de 1 minuto e 30 segundos): 9 aquisição + teste de retenção
Intervalo de Descanso entre as tentativas
2 minutos para PD 30 segundos para PM
Parâmetros
Gênero
Feminino Masculino
Idade (anos) 21,6 ± 7,06 21,0 ± 4,3
Peso (kg) 67,9 ± 12,6 76,4 ± 8,3
Estatura (cm) 161,7 ± 8,5 177,4 ± 5,0
IAC 16,0 ± 1,9 14,7 ± 1,2
Valores expressos em media e desvio padrão. IAC = Índice de Adiposidade Corporal. Dados expressos como
média ± desvio padrão. Teste-t independente.
Tabela 1. Parâmetros antropométricos dos sujeitos analisados.
Tabela 2 - Média e desvio padrão das notas atribuídas pelos juízes 1, 2 e 3
de ambos os grupos nos 3 momentos (Pré, Pós e Retenção).
ELE Grupos
Notas Pré Notas Pós Notas Retenção
1
Distribuída 4,16 ± 1,38 4,20 ± 0,64 4,57 ± 1,09
Maciça 4,08 ± 1,12 4,15 ± 1,06 4,05 ± 1,00
2
Distribuída 4,05 ± 0,74 4,06 ± 0,59 4,11 ± 0,58
Maciça 4,26 ± 0,87 4,30 ± 0,93 4,04 ± 0,84
3
Distribuída 3,45 ± 0,96 3,71 ± 0,68 4,02 ± 0,62*
Maciça 3,86 ± 0,56 4,01 ± 0,97 4,17 ± 0,83*
Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas seguida do teste de
Sidak. * para p<0,05 quando comparado à nota pré.
Resultados
Tabela 2 - Média e desvio padrão das notas atribuídas pelos juízes 1, 2 e 3
de ambos os grupos nos 3 momentos (Pré, Pós e Retenção).
ELE Grupos Notas Pré Notas Pós Notas Retenção
4
Distribuída 3,42 ± 0,84 3,70 ± 0,66 3,89 ± 0,73
Maciça 3,85 ± 0,55 3,75 ± 0,76 3,87 ± 0,74
5
Distribuída 3,47 ± 1,01 3,77 ± 0,68 3,86 ± 0,57
Maciça 3,77 ± 0,75 3,72 ± 0,82 3,95 ± 0,91
Nota final
Distribuída 3,73 ± 0,80 4,04 ± 0,57 4,10 ± 0,60*
Maciça 3,85 ± 0,58 4,05 ± 0,84 4,14 ± 0,74*
Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas seguida do teste de
Sidak. * para p<0,05 quando comparado à nota pré.
Figura 7: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas. *
para p < 0,05 quando comparado ao tempo zero.
Análise 2: Frequência Cardíaca ao longo das sessões
Figura 7: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas. *
para p < 0,05 quando comparado ao tempo zero.
Análise 2: Frequência Cardíaca ao longo das sessões
Figura 7: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas. *
para p < 0,05 quando comparado ao tempo zero.
Análise 2: Frequência Cardíaca ao longo das sessões
Análise 2: Frequência Cardíaca dos intervalos
entre cada tentativa - Pré
Figura 9: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas. * para
p < 0,05 quando comparado ao tempo 1º.
Análise 2: Frequência Cardíaca dos intervalos
entre cada tentativa Pós
Figura 9: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas. * para p
< 0,05 quando comparado ao tempo 1º.
Análise 2: Frequência Cardíaca dos intervalos
entre cada tentativa Retenção
Figura 9: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas. * para
p < 0,05 quando comparado ao tempo 1º.
Análise 2: Escala PSE - Borg
Figura 10: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas, * para p < 0,05
entre as sessões.
Análise 2: PSE – sessão Foster
Figura 10: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas, * para p <
0,05 entre as sessões.
Análise 2: Percepção Subjetiva de Recuperação
Figura 11: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas, * para p <
0,05 entre às sessões.
1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º
6
8
10
12
14
16
18
20
PM
PD
Aquisição Retenção
10º
* * *
* * *
Sessões
PSR
Período de aquisição bem como um único teste de retenção,
não foi suficiente para melhora de desempenho (3,0 para 5,0);
Por outro lado, ambas as práticas: maciça e distribuída
resultaram em aprendizagem desta habilidade seriada;
A distribuição das cargas de treinamento CE e CI não foram a
mais adequada para que os voluntários atingissem algum
efeito nas variáveis psicofisiológicas;
A correlação de Pearson aplicada, PSE-sessão e os 5
elementos técnicos mais a nota final também identificou neste
estudo que as variáveis analisadas foram independentes.
CONSIDERAÇÕES DO ESTUDO
• O foco dos estudos está nas habilidades contínuas e
pouco se sabe em habilidades discretas;
• Há pouco conhecimento sobre as influências em
aprendizagem e desempenho com habilidades
motoras discretas;
OUTRAS CONSIDERAÇÕES NA LITERATURA SOBRE DISTRIBUIÇÃO
DA PRÁTICA ???
• A maioria das pesquisas foram feitas em laboratório;
• Prática maciça pode causar fadiga e, por isso, guarda relação com questões
de segurança;
• Prefira prática distribuída quando a habilidade envolve risco de lesão;
Distribuição da prática (todo-partes)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
Fernando Farias
 
Desenvolvimento motor - introdução e conceitos
Desenvolvimento motor - introdução e conceitosDesenvolvimento motor - introdução e conceitos
Desenvolvimento motor - introdução e conceitos
Cassio Meira Jr.
 
Treinamento funcional
Treinamento funcionalTreinamento funcional
Treinamento funcional
Bruna Reis
 
Atividade física idosos
Atividade física   idososAtividade física   idosos
Atividade física idosos
Rosimeire Santos
 
Apresentação sobre pilates
Apresentação sobre pilatesApresentação sobre pilates
Apresentação sobre pilates
macaualmeida
 
Slides ginástica
Slides ginásticaSlides ginástica
Slides ginástica
Ana Lucia Costa
 
Treinamento desportivo 2004
Treinamento desportivo   2004Treinamento desportivo   2004
Treinamento desportivo 2004
washington carlos vieira
 
Fisiologia do exercício 03
Fisiologia do exercício 03Fisiologia do exercício 03
Fisiologia do exercício 03
washington carlos vieira
 
Treinamento funcional
Treinamento funcionalTreinamento funcional
Treinamento funcional
Luiz Guilherme Baliego
 
Pilates
PilatesPilates
Instrução e demonstração
Instrução e demonstraçãoInstrução e demonstração
Instrução e demonstração
Cassio Meira Jr.
 
Metodologia da musculação teste de força
Metodologia da musculação   teste de forçaMetodologia da musculação   teste de força
Metodologia da musculação teste de força
washington carlos vieira
 
7 vo2 máx
7   vo2 máx7   vo2 máx
Introduçao à Apredizagem Motora
Introduçao à Apredizagem MotoraIntroduçao à Apredizagem Motora
Introduçao à Apredizagem Motora
Herbert Santana
 
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamentoAdaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Fernando Farias
 
Conceitos Variados de Esporte
Conceitos Variados de EsporteConceitos Variados de Esporte
Conceitos Variados de Esporte
David Henrique
 
Avaliação física
Avaliação físicaAvaliação física
Avaliação física
Washington Vieira
 
Ginastica historia
Ginastica historiaGinastica historia
Métodos pedagógicosmec
Métodos pedagógicosmecMétodos pedagógicosmec
Métodos pedagógicosmec
Cassio Meira Jr.
 
Musculação
MusculaçãoMusculação
Musculação
DesconFiles
 

Mais procurados (20)

Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
 
Desenvolvimento motor - introdução e conceitos
Desenvolvimento motor - introdução e conceitosDesenvolvimento motor - introdução e conceitos
Desenvolvimento motor - introdução e conceitos
 
Treinamento funcional
Treinamento funcionalTreinamento funcional
Treinamento funcional
 
Atividade física idosos
Atividade física   idososAtividade física   idosos
Atividade física idosos
 
Apresentação sobre pilates
Apresentação sobre pilatesApresentação sobre pilates
Apresentação sobre pilates
 
Slides ginástica
Slides ginásticaSlides ginástica
Slides ginástica
 
Treinamento desportivo 2004
Treinamento desportivo   2004Treinamento desportivo   2004
Treinamento desportivo 2004
 
Fisiologia do exercício 03
Fisiologia do exercício 03Fisiologia do exercício 03
Fisiologia do exercício 03
 
Treinamento funcional
Treinamento funcionalTreinamento funcional
Treinamento funcional
 
Pilates
PilatesPilates
Pilates
 
Instrução e demonstração
Instrução e demonstraçãoInstrução e demonstração
Instrução e demonstração
 
Metodologia da musculação teste de força
Metodologia da musculação   teste de forçaMetodologia da musculação   teste de força
Metodologia da musculação teste de força
 
7 vo2 máx
7   vo2 máx7   vo2 máx
7 vo2 máx
 
Introduçao à Apredizagem Motora
Introduçao à Apredizagem MotoraIntroduçao à Apredizagem Motora
Introduçao à Apredizagem Motora
 
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamentoAdaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
 
Conceitos Variados de Esporte
Conceitos Variados de EsporteConceitos Variados de Esporte
Conceitos Variados de Esporte
 
Avaliação física
Avaliação físicaAvaliação física
Avaliação física
 
Ginastica historia
Ginastica historiaGinastica historia
Ginastica historia
 
Métodos pedagógicosmec
Métodos pedagógicosmecMétodos pedagógicosmec
Métodos pedagógicosmec
 
Musculação
MusculaçãoMusculação
Musculação
 

Semelhante a Distribuição da prática (todo-partes)

Clube Futebol Benfica, Futebol Feminino 2016
Clube Futebol Benfica, Futebol Feminino 2016Clube Futebol Benfica, Futebol Feminino 2016
Clube Futebol Benfica, Futebol Feminino 2016
Margarida Gomes
 
Aprendizagem em Ecrãs Tácteis - Teste Experimental
Aprendizagem em Ecrãs Tácteis - Teste ExperimentalAprendizagem em Ecrãs Tácteis - Teste Experimental
Aprendizagem em Ecrãs Tácteis - Teste Experimental
Jose Bentes
 
Atividade fisica, saude e qualidade de vida
Atividade fisica, saude e qualidade de vidaAtividade fisica, saude e qualidade de vida
Atividade fisica, saude e qualidade de vida
washington carlos vieira
 
Palestra sobre Exercício Intermitente
Palestra sobre Exercício IntermitentePalestra sobre Exercício Intermitente
Palestra sobre Exercício Intermitente
fabricioboscolo
 
Treino Intervalado de Alta Intensidade: monitorização e efeito entre géneros ...
Treino Intervalado de Alta Intensidade: monitorização e efeito entre géneros ...Treino Intervalado de Alta Intensidade: monitorização e efeito entre géneros ...
Treino Intervalado de Alta Intensidade: monitorização e efeito entre géneros ...
andre_bento
 
Apresentação - P5
Apresentação - P5Apresentação - P5
Apresentação - P5
Luciana C. L. Silva
 
Introdução a Pesquisa operacional
Introdução a Pesquisa operacionalIntrodução a Pesquisa operacional
Introdução a Pesquisa operacional
Emerson Aguiar
 
Cap. 11 análise de dados e observações
Cap. 11   análise de dados e observaçõesCap. 11   análise de dados e observações
Cap. 11 análise de dados e observações
Luiz Agner
 
Turma bue
Turma bueTurma bue
Turma bue
Biblioteca_Aver
 
Cinésiologia parte 3
Cinésiologia parte 3Cinésiologia parte 3
Cinésiologia parte 3
Kall4p Panthers
 
Avaliação - Parte III
Avaliação - Parte IIIAvaliação - Parte III
Avaliação - Parte III
esaber edu
 
Estatística.ppt
Estatística.pptEstatística.ppt
Estatística.ppt
RenatoRodrigues468332
 
Anova a 1 factor
Anova a 1 factorAnova a 1 factor
Anova a 1 factor
Célia M. D. Sales
 
Apostila fisica ok
Apostila fisica okApostila fisica ok
Apostila fisica ok
Keli Sobral
 
Cap2 - Parte 3 - Separatrizes
Cap2 - Parte 3 - SeparatrizesCap2 - Parte 3 - Separatrizes
Cap2 - Parte 3 - Separatrizes
Regis Andrade
 
Parte I - Avaliacao
Parte I - Avaliacao Parte I - Avaliacao
Parte I - Avaliacao
esaber edu
 
Treinamento LABELO - 2014 - Incerteza de Medição.pdf
Treinamento LABELO - 2014 - Incerteza de Medição.pdfTreinamento LABELO - 2014 - Incerteza de Medição.pdf
Treinamento LABELO - 2014 - Incerteza de Medição.pdf
Leonardo Soares
 
CONTROLO DE QUALIDADE SLIDE.pdf
CONTROLO DE QUALIDADE SLIDE.pdfCONTROLO DE QUALIDADE SLIDE.pdf
CONTROLO DE QUALIDADE SLIDE.pdf
JESUSBASILIOANTONIO
 
Aula 7 Testes De Esforco
Aula 7   Testes De EsforcoAula 7   Testes De Esforco
Visualização de Dados - Aula 2
Visualização de Dados - Aula 2Visualização de Dados - Aula 2
Visualização de Dados - Aula 2
VicenteTino
 

Semelhante a Distribuição da prática (todo-partes) (20)

Clube Futebol Benfica, Futebol Feminino 2016
Clube Futebol Benfica, Futebol Feminino 2016Clube Futebol Benfica, Futebol Feminino 2016
Clube Futebol Benfica, Futebol Feminino 2016
 
Aprendizagem em Ecrãs Tácteis - Teste Experimental
Aprendizagem em Ecrãs Tácteis - Teste ExperimentalAprendizagem em Ecrãs Tácteis - Teste Experimental
Aprendizagem em Ecrãs Tácteis - Teste Experimental
 
Atividade fisica, saude e qualidade de vida
Atividade fisica, saude e qualidade de vidaAtividade fisica, saude e qualidade de vida
Atividade fisica, saude e qualidade de vida
 
Palestra sobre Exercício Intermitente
Palestra sobre Exercício IntermitentePalestra sobre Exercício Intermitente
Palestra sobre Exercício Intermitente
 
Treino Intervalado de Alta Intensidade: monitorização e efeito entre géneros ...
Treino Intervalado de Alta Intensidade: monitorização e efeito entre géneros ...Treino Intervalado de Alta Intensidade: monitorização e efeito entre géneros ...
Treino Intervalado de Alta Intensidade: monitorização e efeito entre géneros ...
 
Apresentação - P5
Apresentação - P5Apresentação - P5
Apresentação - P5
 
Introdução a Pesquisa operacional
Introdução a Pesquisa operacionalIntrodução a Pesquisa operacional
Introdução a Pesquisa operacional
 
Cap. 11 análise de dados e observações
Cap. 11   análise de dados e observaçõesCap. 11   análise de dados e observações
Cap. 11 análise de dados e observações
 
Turma bue
Turma bueTurma bue
Turma bue
 
Cinésiologia parte 3
Cinésiologia parte 3Cinésiologia parte 3
Cinésiologia parte 3
 
Avaliação - Parte III
Avaliação - Parte IIIAvaliação - Parte III
Avaliação - Parte III
 
Estatística.ppt
Estatística.pptEstatística.ppt
Estatística.ppt
 
Anova a 1 factor
Anova a 1 factorAnova a 1 factor
Anova a 1 factor
 
Apostila fisica ok
Apostila fisica okApostila fisica ok
Apostila fisica ok
 
Cap2 - Parte 3 - Separatrizes
Cap2 - Parte 3 - SeparatrizesCap2 - Parte 3 - Separatrizes
Cap2 - Parte 3 - Separatrizes
 
Parte I - Avaliacao
Parte I - Avaliacao Parte I - Avaliacao
Parte I - Avaliacao
 
Treinamento LABELO - 2014 - Incerteza de Medição.pdf
Treinamento LABELO - 2014 - Incerteza de Medição.pdfTreinamento LABELO - 2014 - Incerteza de Medição.pdf
Treinamento LABELO - 2014 - Incerteza de Medição.pdf
 
CONTROLO DE QUALIDADE SLIDE.pdf
CONTROLO DE QUALIDADE SLIDE.pdfCONTROLO DE QUALIDADE SLIDE.pdf
CONTROLO DE QUALIDADE SLIDE.pdf
 
Aula 7 Testes De Esforco
Aula 7   Testes De EsforcoAula 7   Testes De Esforco
Aula 7 Testes De Esforco
 
Visualização de Dados - Aula 2
Visualização de Dados - Aula 2Visualização de Dados - Aula 2
Visualização de Dados - Aula 2
 

Mais de Cassio Meira Jr.

Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Cassio Meira Jr.
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Cassio Meira Jr.
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Cassio Meira Jr.
 
Metas2022.ppt
Metas2022.pptMetas2022.ppt
Metas2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
Variabilidade&Estrutura2022.ppt
Variabilidade&Estrutura2022.pptVariabilidade&Estrutura2022.ppt
Variabilidade&Estrutura2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
AprMot_Avaliacao2022.ppt
AprMot_Avaliacao2022.pptAprMot_Avaliacao2022.ppt
AprMot_Avaliacao2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
AprMot_Intro2022.ppt
AprMot_Intro2022.pptAprMot_Intro2022.ppt
AprMot_Intro2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
Transferência de aprendizagem_2022.ppt
Transferência de aprendizagem_2022.pptTransferência de aprendizagem_2022.ppt
Transferência de aprendizagem_2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
Fracionamento_2022.ppt
Fracionamento_2022.pptFracionamento_2022.ppt
Fracionamento_2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
DifsInds2022.ppt
DifsInds2022.pptDifsInds2022.ppt
DifsInds2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
Fases_AprMot2022.ppt
Fases_AprMot2022.pptFases_AprMot2022.ppt
Fases_AprMot2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
Experts_2022.ppt
Experts_2022.pptExperts_2022.ppt
Experts_2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
Ciência Aberta / Desenvolvimento do pesquisador
Ciência Aberta / Desenvolvimento do pesquisadorCiência Aberta / Desenvolvimento do pesquisador
Ciência Aberta / Desenvolvimento do pesquisador
Cassio Meira Jr.
 
Busca em bases e portais de dados
Busca em bases e portais de dadosBusca em bases e portais de dados
Busca em bases e portais de dados
Cassio Meira Jr.
 
Etapas da Pesquisa Científica
Etapas da Pesquisa CientíficaEtapas da Pesquisa Científica
Etapas da Pesquisa Científica
Cassio Meira Jr.
 
Ética na pesquisa científica
Ética na pesquisa científicaÉtica na pesquisa científica
Ética na pesquisa científica
Cassio Meira Jr.
 
Pesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaPesquisa Qualitativa
Pesquisa Qualitativa
Cassio Meira Jr.
 
Cronograma 2022.ppt
Cronograma 2022.pptCronograma 2022.ppt
Cronograma 2022.ppt
Cassio Meira Jr.
 
Introdução à metodologia da pesquisa científica
Introdução à metodologia da pesquisa científicaIntrodução à metodologia da pesquisa científica
Introdução à metodologia da pesquisa científica
Cassio Meira Jr.
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
Cassio Meira Jr.
 

Mais de Cassio Meira Jr. (20)

Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Metas2022.ppt
Metas2022.pptMetas2022.ppt
Metas2022.ppt
 
Variabilidade&Estrutura2022.ppt
Variabilidade&Estrutura2022.pptVariabilidade&Estrutura2022.ppt
Variabilidade&Estrutura2022.ppt
 
AprMot_Avaliacao2022.ppt
AprMot_Avaliacao2022.pptAprMot_Avaliacao2022.ppt
AprMot_Avaliacao2022.ppt
 
AprMot_Intro2022.ppt
AprMot_Intro2022.pptAprMot_Intro2022.ppt
AprMot_Intro2022.ppt
 
Transferência de aprendizagem_2022.ppt
Transferência de aprendizagem_2022.pptTransferência de aprendizagem_2022.ppt
Transferência de aprendizagem_2022.ppt
 
Fracionamento_2022.ppt
Fracionamento_2022.pptFracionamento_2022.ppt
Fracionamento_2022.ppt
 
DifsInds2022.ppt
DifsInds2022.pptDifsInds2022.ppt
DifsInds2022.ppt
 
Fases_AprMot2022.ppt
Fases_AprMot2022.pptFases_AprMot2022.ppt
Fases_AprMot2022.ppt
 
Experts_2022.ppt
Experts_2022.pptExperts_2022.ppt
Experts_2022.ppt
 
Ciência Aberta / Desenvolvimento do pesquisador
Ciência Aberta / Desenvolvimento do pesquisadorCiência Aberta / Desenvolvimento do pesquisador
Ciência Aberta / Desenvolvimento do pesquisador
 
Busca em bases e portais de dados
Busca em bases e portais de dadosBusca em bases e portais de dados
Busca em bases e portais de dados
 
Etapas da Pesquisa Científica
Etapas da Pesquisa CientíficaEtapas da Pesquisa Científica
Etapas da Pesquisa Científica
 
Ética na pesquisa científica
Ética na pesquisa científicaÉtica na pesquisa científica
Ética na pesquisa científica
 
Pesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaPesquisa Qualitativa
Pesquisa Qualitativa
 
Cronograma 2022.ppt
Cronograma 2022.pptCronograma 2022.ppt
Cronograma 2022.ppt
 
Introdução à metodologia da pesquisa científica
Introdução à metodologia da pesquisa científicaIntrodução à metodologia da pesquisa científica
Introdução à metodologia da pesquisa científica
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
 

Último

PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 

Último (20)

PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 

Distribuição da prática (todo-partes)

  • 1.
  • 3. Relação Prática X Pausa • Entre as sessões: semanas ou meses • Entre as tentativas Prática Descanso Prática Descanso Prática
  • 4. Estudos de Distribuição da Prática Tarefas de laboratório Tarefas do “mundo real” PD x PM dependente da tarefa • Discreta ou Contínua
  • 5. Chamadas de Intervalo entre as sessões de prática • Prática maciça X Prática distribuída
  • 6. intervalo entre as sessões de prática O que seria melhor??? nº de sessões com duração nº de sessões com duração
  • 7. Duração e distribuição das sessões de prática • Baddeley e Longman (1978) • Tarefa: • Manusear uma máquina de classificação de correspondência (teclado) • Prática: • 60 horas de treinamento • 5 dias por semana
  • 8. Prática maciça X prática distribuída Esquema de prática Número de horas para aprender a usar o teclado Número de horas para digitar 80 caracteres/minuto 1 hora/sessão 1 sessão por dia (12 semanas) 1 hora/sessão 2 sessões por dia (6 semanas) 2 horas/sessão 1 sessão por dia (6 semanas) 2 horas/sessão 2 sessões por dia (3 semanas) Distribuída Maciça
  • 9. Sessões mais curtas produzem uma melhor aprendizagem Esquema de prática Número de horas para aprender a usar o teclado Número de horas para digitar 80 caracteres/minuto 1 hora/sessão 1 sessão por dia (12 semanas) 34.9 55.0 1 hora/sessão 2 sessões por dia (6 semanas) 43.0 75.0 2 horas/sessão 1 sessão por dia (6 semanas) 43.0 67.0 2 horas/sessão 2 sessões por dia (3 semanas) 49.7 +80.0 Distribuída Maciça
  • 10. Distribuição da prática para tarefas contínuas (Shea et al., 2000) • Grupo 1 dia: 20min de intervalo entre as sessões 1 e 2 • Grupo 2 dias: 24h de intervalo entre as sessões 1 e 2 • Tarefa: equilibrar-se • Manter a plataforma na posição horizontal • Cada sessão: 7 tentativas (90s) com intervalo de 90s entre as tentativas • Retenção: 24h após a finalização das sessões de prática
  • 11. Distribuição da prática entre dias facilita a aprendizagem de habilidades motoras contínuas Grupo 1 dia Grupo 2 dias Sessão 1 Sessão 2 Retenção RMS(graus) Grupo 2 dias Grupo 1 dia PM PD
  • 12. Distribuição da prática para tarefas discretas (Shea et al., 2000) • Grupo 1 dia: – 3 sessões de prática no mesmo dia – 10 min de intervalo • Grupo 3 dias: – 3 sessões de prática divididas em 3 dias • Sessões – 36 tentativas por sessão – Uma meta de tempo para cada sessão • Retenção: 24h após o término da fase de aquisição (900 ms) 7 8 9 4 5 6 1 2 3 1 2 3 Duração de cada segmento: 1: 22.2% 2: 44.4% 3: 33.3% Duração total do movimento: Tarefa A: 700 ms Tarefa B: 900 ms Terefa C: 1100 ms
  • 13. Grupo 3 dias Retenção ErroTotal(ms) Sessão 1 Sessão 2 Sessão 3 Grupo 1 dia Distribuição da prática entre dias facilita a aprendizagem de habilidades motoras discretas Grupo 3 dias Grupo 1 dia PM PD
  • 14. Explicação • Intervalo maior entre as sessões está de acordo com a noção de consolidação da memória
  • 15. Implicações para a programação de sessões de prática • Na dúvida, prefira sessões curtas; • Programe um número maior de sessões; • O tempo economizado, em número de dias de prática, pode ser uma economia falsa.
  • 16. Chamadas de Intervalo entre as tentativas de prática • Prática maciça X Prática distribuída
  • 17. Tipos de prática • Prática maciça: pausa < prática – Intervalo curto ou nenhum intervalo entre as tentativas • Prática distribuída: pausa > prática – Intervalo longo entre as tentativas
  • 18. • 5 grupos com 40 tentativas: • Grupo controle → 40 tentativas - prática distribuída • Grupo M-D 5 → 5 tentativas - prática maciça • Grupo M-D 10 → 10 tentativas - prática maciça • Grupo M-D 15 → 15 tentativas - prática maciça • Grupo M-D 20 → 20 tentativas - prática maciça (Adams & Reynolds, 1954) TAREFA: perseguição rotativa Distribuição da prática inter-tentativas para habilidades contínuas
  • 19. Para essa habilidade contínua, prática maciça < prática distribuída, em termos de desempenho mas não de aprendizagem
  • 20. Distribuição da prática para tarefas discretas • Grupo A: – 80 tentativas no mesmo dia; • Grupo B: – 20 tentativas com 5 minutos de pausa; • Grupo C: – 20 tentativas com 24h de pausa; • Retenção: • - 1 dia depois; • - 1 semana depois; • - 1 mês depois; (Singer, 1965) TAREFA: arremesso
  • 21. AQUISIÇÃO TEST E MES MO DIATESTE MESMO DIA TESTE 1 DIA DEPOIS TESTE 1 SEMANA DEPOIS TESTE 1 MÊS DEPOIS GRUPO PRÁTICA DISTRIBUIDA (20 ARREMESSOS + 5 MIN INTERVALO GRUPO PRÁTICA DISTRIBUIDA (20 ARREMESSOS + 24 HORAS INTERVALO GRUPO PRÁTICA MACIÇA (20 ARREMESSOS)
  • 22. Distribuição da prática para tarefas discretas • Grupo PM: – Foram 5 blocos com 10 passes com 2 minutos entre os blocos e intervalo de 1 segundo entre as tentativas; • Grupo PD: – Foram 5 blocos com 10 passes com 2 minutos entre os blocos e intervalo de 30 segundos entre as tentativas; • Retenção: • após 10 minutos; • 2 semana depois; (Panchuk, 2013) TAREFA: lançamento
  • 23. (Panchuk et al 2013 ) AQUISIÇÃO RETENÇÃO IMEDIATA RETENÇÃO 1 SEMANA BLOCO DE TENTATIVA PONTUAÇÃO PRÁTICA MACIÇA PRÁTICA DISTRIBUIDA
  • 24. Tarefa: Tese de Doutorado – PM x PD
  • 25. Tarefa seriada • 24 voluntários:12 PM X 12 PD • 3 semanas de aquisição e 48 horas após, teste de retenção • 10 sessões (4 tentativas de 1 minuto e 30 segundos): 9 aquisição + teste de retenção
  • 26. Intervalo de Descanso entre as tentativas 2 minutos para PD 30 segundos para PM
  • 27. Parâmetros Gênero Feminino Masculino Idade (anos) 21,6 ± 7,06 21,0 ± 4,3 Peso (kg) 67,9 ± 12,6 76,4 ± 8,3 Estatura (cm) 161,7 ± 8,5 177,4 ± 5,0 IAC 16,0 ± 1,9 14,7 ± 1,2 Valores expressos em media e desvio padrão. IAC = Índice de Adiposidade Corporal. Dados expressos como média ± desvio padrão. Teste-t independente. Tabela 1. Parâmetros antropométricos dos sujeitos analisados.
  • 28. Tabela 2 - Média e desvio padrão das notas atribuídas pelos juízes 1, 2 e 3 de ambos os grupos nos 3 momentos (Pré, Pós e Retenção). ELE Grupos Notas Pré Notas Pós Notas Retenção 1 Distribuída 4,16 ± 1,38 4,20 ± 0,64 4,57 ± 1,09 Maciça 4,08 ± 1,12 4,15 ± 1,06 4,05 ± 1,00 2 Distribuída 4,05 ± 0,74 4,06 ± 0,59 4,11 ± 0,58 Maciça 4,26 ± 0,87 4,30 ± 0,93 4,04 ± 0,84 3 Distribuída 3,45 ± 0,96 3,71 ± 0,68 4,02 ± 0,62* Maciça 3,86 ± 0,56 4,01 ± 0,97 4,17 ± 0,83* Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas seguida do teste de Sidak. * para p<0,05 quando comparado à nota pré. Resultados
  • 29. Tabela 2 - Média e desvio padrão das notas atribuídas pelos juízes 1, 2 e 3 de ambos os grupos nos 3 momentos (Pré, Pós e Retenção). ELE Grupos Notas Pré Notas Pós Notas Retenção 4 Distribuída 3,42 ± 0,84 3,70 ± 0,66 3,89 ± 0,73 Maciça 3,85 ± 0,55 3,75 ± 0,76 3,87 ± 0,74 5 Distribuída 3,47 ± 1,01 3,77 ± 0,68 3,86 ± 0,57 Maciça 3,77 ± 0,75 3,72 ± 0,82 3,95 ± 0,91 Nota final Distribuída 3,73 ± 0,80 4,04 ± 0,57 4,10 ± 0,60* Maciça 3,85 ± 0,58 4,05 ± 0,84 4,14 ± 0,74* Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas seguida do teste de Sidak. * para p<0,05 quando comparado à nota pré.
  • 30. Figura 7: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas. * para p < 0,05 quando comparado ao tempo zero. Análise 2: Frequência Cardíaca ao longo das sessões
  • 31. Figura 7: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas. * para p < 0,05 quando comparado ao tempo zero. Análise 2: Frequência Cardíaca ao longo das sessões
  • 32. Figura 7: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas. * para p < 0,05 quando comparado ao tempo zero. Análise 2: Frequência Cardíaca ao longo das sessões
  • 33. Análise 2: Frequência Cardíaca dos intervalos entre cada tentativa - Pré Figura 9: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas. * para p < 0,05 quando comparado ao tempo 1º.
  • 34. Análise 2: Frequência Cardíaca dos intervalos entre cada tentativa Pós Figura 9: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas. * para p < 0,05 quando comparado ao tempo 1º.
  • 35. Análise 2: Frequência Cardíaca dos intervalos entre cada tentativa Retenção Figura 9: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas. * para p < 0,05 quando comparado ao tempo 1º.
  • 36. Análise 2: Escala PSE - Borg Figura 10: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas, * para p < 0,05 entre as sessões.
  • 37. Análise 2: PSE – sessão Foster Figura 10: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas, * para p < 0,05 entre as sessões.
  • 38. Análise 2: Percepção Subjetiva de Recuperação Figura 11: Dados expressos como média ± desvio padrão. ANOVA com medidas repetidas, * para p < 0,05 entre às sessões. 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 6 8 10 12 14 16 18 20 PM PD Aquisição Retenção 10º * * * * * * Sessões PSR
  • 39. Período de aquisição bem como um único teste de retenção, não foi suficiente para melhora de desempenho (3,0 para 5,0); Por outro lado, ambas as práticas: maciça e distribuída resultaram em aprendizagem desta habilidade seriada; A distribuição das cargas de treinamento CE e CI não foram a mais adequada para que os voluntários atingissem algum efeito nas variáveis psicofisiológicas; A correlação de Pearson aplicada, PSE-sessão e os 5 elementos técnicos mais a nota final também identificou neste estudo que as variáveis analisadas foram independentes. CONSIDERAÇÕES DO ESTUDO
  • 40. • O foco dos estudos está nas habilidades contínuas e pouco se sabe em habilidades discretas; • Há pouco conhecimento sobre as influências em aprendizagem e desempenho com habilidades motoras discretas; OUTRAS CONSIDERAÇÕES NA LITERATURA SOBRE DISTRIBUIÇÃO DA PRÁTICA ??? • A maioria das pesquisas foram feitas em laboratório;
  • 41. • Prática maciça pode causar fadiga e, por isso, guarda relação com questões de segurança; • Prefira prática distribuída quando a habilidade envolve risco de lesão;