SlideShare uma empresa Scribd logo
Paraninfo
Centro de Informática/UFPE
CC,EC,SI (2015.2)
Ruy J.G.B. de Queiroz
24/Fevereiro/2016
Paraninfo
(cf. Houaiss)
• paraninfo. s.m. (1624-1649)
1. entre os gregos antigos, amigo do noivo que ia com
este buscar a noiva
2. obsl. padrinho de um batismo, de um casamento, de um
duelo etc.
3. aquele que acompanhava o doutorando a receber o
capelo; padrinho (...)
• ETIM gr. paránumphos, ou, s.f. e s.m. “dama de honra ou
pajem da noiva”.
A 4a. Revolução Industrial?
(Klaus Schwab, WEF 2016)
• “Estamos à beira de uma revolução tecnológica que
irá alterar fundamentalmente a maneira como vivemos,
trabalhamos e nos relacionamos. Em sua escala,
escopo e complexidade, a transformação será
diferente de tudo que a humanidade já experimentou
antes. Ainda não sabemos exatamente como isso vai
se desenrolar, mas uma coisa é certa: a resposta a ela
deve ser integrada e abrangente, envolvendo todas as
partes interessadas da política mundial, dos setores
público e privado passando pela academia e pela
sociedade civil.”
As Quatro Revoluções
(Klaus Schwab)
• 1784: máquinas a vapor, hidráulicas, e equipamentos
de produção mecânica
• 1870: divisão do trabalho, eletricidade, produção em
massa
• 1969: eletrônica, tecnologia da informação, produção
automatizada
• ?: sistemas ciber-físicos
A 4a. Revolução Industrial
• “Há três razões pelas quais transformações de hoje não
representam apenas um prolongamento da Terceira
Revolução Industrial, mas sim a chegada de uma
quarta e bem distinta: a velocidade, o alcance e o
impacto dos sistemas. A velocidade dos avanços atuais
não tem precedente histórico. Quando comparada com
as revoluções industriais anteriores, a Quarta está
evoluindo a um ritmo exponencial em vez de um ritmo
linear. Além disso, está “disrompendo” quase todos os
setores em cada país. E a amplitude e a profundidade
dessas mudanças anunciam a transformação de
sistemas inteiros de produção, gestão e governança.”
Tecnologia e o Ser Humano
(Angela Hobbs, WEF 2016)
• “As novas tecnologias vão mudar a nossa percepção
de quando a vida humana começa e termina. É parte
da condição humana de estender os limites do que é
ser humano.”
• “Desejamos preservar os valores humanos? Porque
nós não estamos fazendo isso, no momento.
Precisamos pensar sobre o que significa viver uma
vida próspera - como seres sencientes, não
necessariamente da mesma maneira que os seres
humanos. A tecnologia pode nos ajudar a alcançar
isso.”
Tecnologia, Inovação,
Regulação
• “Hoje temos o poder de mudar a vida, alterar o código
genético de todos os seres vivos no planeta. Mas para
os seres não-humanos, a regulação é muito pobre, e
precisa se avançar para acompanhar o que temos para
humanos.
• Precisamos de normas legais e reguladoras que
ajudarão a guiar a inovação na direção certa, mas se
andarmos muito rapidamente, estamos correndo o risco
de sufocar a inovação. No entanto, se esperarmos
demais, corremos o risco de permitir que danos venham
a ser feitos.” (Hank Greely, World Economic Forum 2016)
Tecnologia
e o Ser Humano
• A Lei dos Retornos Acelerantes (Ray Kurzweil, 2001):
• “Uma análise da história da tecnologia mostra que a mudança
tecnológica é exponencial, diferentemente da visão “intuitiva-linear”
do senso-comum. Não vivenciaremos 100 anos de progresso no séc.
XXI — será mais como 20.000 anos de progresso (à taxa de hoje). Os
“retornos,” tais como velocidade e eficiência dos chips, também
crescem exponencialmente. (…) Em algumas poucas décadas, a
inteligência da máquina suplantará a inteligência humana, levando à
Singularidade — mudança tecnológica tão rápida e profunda, ela
representa uma ruptura no próprio tecido da história humana. As
implicações incluem a fusão de inteligências biológica e não-
biológica, humanos imortais baseados-em-software, e níveis ultra-
avançados de inteligência que se expandem para fora do universo na
velocidade da luz.”
A Natureza da Tecnologia
• “A tecnologia é força a mais poderosa no planeta”
• “A tecnologia é a extensão da vida evolucionária”
• “Entre outras coisas, a tecnologia quer incrementar a
diversidade, complexidade, beleza e eficiência” (Kevin
Kelly, What Technology Wants, 2010
A Lei da Disrupção
• Pouco mais de uma década após o estopim da
chamada revolução da internet, é patente a
incapacidade das regras que tiveram sua origem em
um mundo analógico de lidar com conflitos típicos da
era digital.
• À medida que a distância entre a inovação e a lei que
a regula tem aumentado, o resultado mais alarmante é
a velocidade com a qual as tensões entre os dois têm
subido.
Tecnologia e
Mudanças Sociais
• Conflitos no uso da informação:
• privacidade, anonimato, liberdades civis, controle da
rede, vigilantismo, crime da informação, propriedade
intelectual, transparência, comércio global,
disrupção de mercados, dinheiro peer-to-peer, a
economia do gratuito, ciberativismo, hacktivismo,
biblioteca universal, relacionamentos virtuais,
sequenciamento genético
• Napster, Uber, Airbnb, Wikileaks, Anonymous, Yik Yak
Tecnologia e Democracia
• A tecnologia tem transformado como participamos na
democracia como cidadãos, como eleitores, como
membros de uma sociedade interconectada.
• Transformações importantes na forma como votamos,
no modo como nossos votos são contados, na
maneira como protestamos, na forma como
demandamos transparência sobre a coisa pública, no
modo como nos reunimos para reivindicar uma causa
coletiva, na forma de coordenar uma ação coletiva,
etc.
Nova Realidade Cívica
• Grandes mudanças na cultura cívica e na mídia oferecem
novas oportunidades para ONGs e ativistas
• A influência está migrando de organizações para redes e
novos “especialistas”
• Todas as organizações estão sob mais escrutínio e a
transparência é um novo marcador de confiança
• surveillance, sousveillance, coveillance
• Novos meios para atores civis atingirem suas audiências e
mobilizarem outras
Ciberespaço como arena
para o engajamento cívico
• “O ciberespaço é, ao mesmo tempo, uma arena para engajamento
cívico e um objeto de disputa em si mesmo.
• Como uma arena para engajamento cívico, o ciberespaço é duas
coisas:
• primeiro, é uma “academia” para praticar participação política e
cidadania digital, onde visões alternativas e muitas vezes
contraditórias sobre a sociedade são articuladas e compartilhadas;
• em segundo lugar, é uma plataforma para ação coletiva, como uma
praça de uma cidade seria, por exemplo, onde articular, organizar,
e trazer à tona lutas sociais, e onde formas ciber-específicas de
ação coletiva podem ter lugar.” (Stefania Milan)
Anonimato na Internet
• Anonimato: manifestação, protesto ou passeata; votação livre;
denúncia anonima; discurso político; doação por caridade; etc.
• “Debates sobre trolls (gíria da Internet para “perturbadores”)
frequentemente confundem anonimato com incivilidade, mas
um olhar mais amplo sobre as atividades on-line revela o bem
público que pode advir quando os usuários têm a possibilidade
de esconder a sua identidade. Para o bem ou para o mal, o
anonimato põe o foco na mensagem ao invés de no
mensageiro. Portanto, o anonimato facilita o discurso honesto,
cria um contexto igualitário para a troca de ideias, e permite
que a criatividade aflore sem a interferência de qualquer
filtro.” (G.Coleman)
Civilidade
• E quando se fala de civilidade, nunca é demais
lembrar os 3 R’s do Dalai Lama:
• Respeito por si mesmo.
• Respeito pelos outros.
• Responsabilidade por suas próprias ações.
Mudanças e
Valores
• Lembrando o Dalai Lama, “abra seus braços para as
mudanças, mas não se desfaça de seus valores”.
Geração de Riqueza
• Em um relatório de 2012, o Boston Consulting Group
constatou que a economia da Internet representou
4,1% (cerca de US$2,3 trilhões) do PIB nos países do
G-20 em 2010. Se a Internet fosse uma economia
nacional, o relatório observou, estaria entre as cinco
maiores do mundo, à frente da Alemanha.
• E um relatório de 2013 da Fundação Kauffman
mostrou que nas três décadas anteriores, o setor de
alta tecnologia teve 23% mais chances, e do setor de
tecnologia da informação 48%, de dar origem a novas
empresas do que o setor privado em geral.
Ativos Digitais
• Em 2015, mais de US$10 Bilhões de valor econômico
existem no mundo virtual dos sistemas de games,
mais de US$48 Bilhões está travado em pontos de
prêmio corporativo e moedas de redenção, e pelo
menos US$7 Bilhões existem na forma de moedas
digitais como Bitcoin, Ripple, Ven e Ether (juntamente
com outras 4.000). Juntos, esses ativos digitais
representam liquidez no meio da tabela global de PIB
das nações ultrapassando países como Luxemburgo,
Costa Rica, Oman e Croácia ficando entre os primeiros
70. Ativos digitais hoje representam um mercado
maior que a maioria das nações do mundo.
Abundância é o Futuro
(Peter Diamandis, 2012)
• Tecnologias em computação, energia, medicina e muitas outras áreas
estão melhorando a uma taxa exponencial e em breve vão permitir
avanços que hoje parecem impossíveis.
• Essas tecnologias têm permitido que inovadores independentes
alcancem avanços impressionantes em muitas áreas com pouco
investimento financeiro e pouca força de trabalho.
• A área de Tecnologia tem criado uma verdadeira geração de "tecno-
filantropos" (tal como Bill Gates, Marc Andreessen) que estão usando
seus bilhões para tentar resolver problemas aparentemente insolúveis
como fome e doenças.
• A vida dos mais pobres está melhorando substancialmente devido à
tecnologia.
Tecno-Filantropos
• Tecno-filantropos estão trazendo a filantropia de volta aos seus princípios
básicos.
• Tecno-filantropos estão se distanciando do modo “broadcast” e se
aproximando do modo “sutil”.
• Tecnologia incentiva as pessoas a assumir a responsabilidade de causar
impacto
• Tecnologia demanda maior transparência e verificabilidade da filantropia,
mas também empurra para uma maior aceitação de um overhead maior.
• A Tecnologia criou algumas excelentes plataformas de distribuição… mas
o verdadeiro engajamento no mundo real ainda é o que mais importa.
O estigma do fracasso no
setor de filantropia
• E mais: Para onde a tecnologia pode levar a filantropia no futuro?
• No setor de tecnologia, tem havido uma tendência de
desestigmatizar o fracasso. Afinal de contas, aproximadamente 3
de 4 startups acabam fracassando. Mas no setor das empresas
sem fins lucrativos, fracasso é anátema. Caso essas empresas
não sejam identificadas como perdulárias, o setor como um todo
se revela como ineficiente, e tudo isso pela falta de
compartilhamento de dados e informações. E a tendência é que
elas insistam em programas com baixa taxa de retorno social até
mesmo pelo receio de tentar algo diferente. Matt Mullenweg da
WordPress sugeriu que se o fracasso desestigmatizado nesse
setor, poderia haver uma grande melhoria no impacto social.
Evolução da Tecnologia:
Reflexão sobre Nós Humanos
• Thomas Hobbes (1651) dizia que o ser humano era
“inerentemente egoísta”.
• Experimentos de grande porte como Wikipédia,
Software Livre, e Tecnologias Cívicas revelam o lado
colaborativo predominando. (Exemplo: “Welcome
Refugees”, Alemanha, Set/2015)
Limites das Máquinas
Limites da Mente Humana
• Alan Turing mostrou, em 1936, que há um limite
fundamental na capacidade de uma máquina de
resolver problemas da Matemática.
• Seríamos máquinas? Teríamos as mesmas limitações?
• Em 1950, Turing levanta a possibilidade de haver
máquinas “inteligentes”/“pensantes”.
A 4a. Revolução Tecnológica
(Luciano Floridi)
1. Nicolau Copérnico: não estamos no centro do
universo
2. Charles Darwin: não somos animais superiores e
totalmente desconectados dos outros animais
3. Sigmund Freud: não somos seres totalmente
racionais
4. Alan Turing: não somos os únicos agentes
pensantes/inteligentes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Metodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos speMetodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos spe
Alinebrauna Brauna
 
O conceito de gênero e as relações de gêneros
O conceito de gênero e as relações de gênerosO conceito de gênero e as relações de gêneros
O conceito de gênero e as relações de gêneros
YanMBM
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
Marcos Alencar
 
Neodarwinismo e Evolução Humana
Neodarwinismo e Evolução HumanaNeodarwinismo e Evolução Humana
Neodarwinismo e Evolução Humana
Gabriel Lopes (Guma)
 
A História da Capoeira
A História da CapoeiraA História da Capoeira
A História da Capoeira
Prof. Saulo Bezerra
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
Ylla Cohim
 
Bullying
Bullying Bullying
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptxAGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
DamsioCear
 
Dinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogasDinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogas
Valdenice Barreto
 
Slide dia da mulher
Slide dia da mulherSlide dia da mulher
Slide dia da mulher
MAIEVS2
 
19 bases da hereditariedade
19   bases da hereditariedade19   bases da hereditariedade
19 bases da hereditariedade
Rebeca Vale
 
Mulheres na História
Mulheres na HistóriaMulheres na História
Mulheres na História
Gleisi Hoffmann
 
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROAPRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
INSTITUTO VOZ POPULAR
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
emanuel
 
inclusão social
inclusão socialinclusão social
inclusão social
elisabatista7
 
Teoria moderna da evolução
Teoria moderna da evoluçãoTeoria moderna da evolução
Teoria moderna da evolução
Kamila Joyce
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
Alinebrauna Brauna
 
Dia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência NegraDia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência Negra
Paulo Medeiros
 
Educação financeira
Educação financeiraEducação financeira
Educação financeira
Rodrigo Da Silva Girio
 
Tribos urbanas
Tribos urbanasTribos urbanas
Tribos urbanas
Ludmila Moura
 

Mais procurados (20)

Metodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos speMetodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos spe
 
O conceito de gênero e as relações de gêneros
O conceito de gênero e as relações de gênerosO conceito de gênero e as relações de gêneros
O conceito de gênero e as relações de gêneros
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
 
Neodarwinismo e Evolução Humana
Neodarwinismo e Evolução HumanaNeodarwinismo e Evolução Humana
Neodarwinismo e Evolução Humana
 
A História da Capoeira
A História da CapoeiraA História da Capoeira
A História da Capoeira
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Bullying
Bullying Bullying
Bullying
 
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptxAGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
 
Dinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogasDinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogas
 
Slide dia da mulher
Slide dia da mulherSlide dia da mulher
Slide dia da mulher
 
19 bases da hereditariedade
19   bases da hereditariedade19   bases da hereditariedade
19 bases da hereditariedade
 
Mulheres na História
Mulheres na HistóriaMulheres na História
Mulheres na História
 
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROAPRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
inclusão social
inclusão socialinclusão social
inclusão social
 
Teoria moderna da evolução
Teoria moderna da evoluçãoTeoria moderna da evolução
Teoria moderna da evolução
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
 
Dia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência NegraDia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência Negra
 
Educação financeira
Educação financeiraEducação financeira
Educação financeira
 
Tribos urbanas
Tribos urbanasTribos urbanas
Tribos urbanas
 

Semelhante a Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2

Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1
Ruy De Queiroz
 
Tecnologia e O Ritmo de Evolução
Tecnologia e  O Ritmo de EvoluçãoTecnologia e  O Ritmo de Evolução
Tecnologia e O Ritmo de Evolução
Ruy De Queiroz
 
José carlos duarte ibm - painel 4
José carlos duarte   ibm - painel 4José carlos duarte   ibm - painel 4
José carlos duarte ibm - painel 4
Unomarketing
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
Ítalo Vieira
 
Globalização e o Império do Conhecimento
Globalização e o Império do ConhecimentoGlobalização e o Império do Conhecimento
Globalização e o Império do Conhecimento
Simposio Internacional Network Science
 
2011 I FóRum Da Internet No Brasil
2011 I FóRum Da Internet No Brasil2011 I FóRum Da Internet No Brasil
2011 I FóRum Da Internet No Brasil
jpalazzo
 
Grupo 01
Grupo 01Grupo 01
Base De Clientes Valiosa Futuro Crescimento
Base De Clientes Valiosa Futuro CrescimentoBase De Clientes Valiosa Futuro Crescimento
Base De Clientes Valiosa Futuro Crescimento
Jose Carlos Duarte Goncalves
 
UFCD 617- Gestão de Recursos Informaticos.pptx
UFCD  617- Gestão de Recursos Informaticos.pptxUFCD  617- Gestão de Recursos Informaticos.pptx
UFCD 617- Gestão de Recursos Informaticos.pptx
Nome Sobrenome
 
Tecnologia e Sociedade
Tecnologia e SociedadeTecnologia e Sociedade
Tecnologia e Sociedade
Luis Borges Gouveia
 
éTica na-internet
éTica na-internetéTica na-internet
éTica na-internet
Plínio Rafael
 
Seminario Tempo e Espaço na sociedade globalizada
Seminario Tempo e Espaço na sociedade globalizadaSeminario Tempo e Espaço na sociedade globalizada
Seminario Tempo e Espaço na sociedade globalizada
Erika Zuza
 
Curo de Comunicação - CUT-PR
Curo de Comunicação - CUT-PRCuro de Comunicação - CUT-PR
Curo de Comunicação - CUT-PR
Gralha App
 
As Novas Tecnologias O Individuo E A Sociedade
As Novas Tecnologias O Individuo E A SociedadeAs Novas Tecnologias O Individuo E A Sociedade
As Novas Tecnologias O Individuo E A Sociedade
claudia amaral
 
Ellen fedrigo 4° fef matemática mídias e globalização
Ellen fedrigo 4° fef matemática mídias e globalizaçãoEllen fedrigo 4° fef matemática mídias e globalização
Ellen fedrigo 4° fef matemática mídias e globalização
'' Ellen Fedrigo
 
Disrupturas dos modos de pensar e viver os relacionamentos no mundo das tecno...
Disrupturas dos modos de pensar e viver os relacionamentos no mundo das tecno...Disrupturas dos modos de pensar e viver os relacionamentos no mundo das tecno...
Disrupturas dos modos de pensar e viver os relacionamentos no mundo das tecno...
Fabiana Moreira
 
Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptxSociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
Paulalsilveira Silveira
 
1º série reda cem - 10.29
1º série   reda cem -  10.291º série   reda cem -  10.29
1º série reda cem - 10.29
MatheusMesquitaMelo
 
P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3
P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3
P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3
Christie Freitas
 
Trabalho Sociologia - Tecnologia
Trabalho Sociologia - TecnologiaTrabalho Sociologia - Tecnologia
Trabalho Sociologia - Tecnologia
coideias
 

Semelhante a Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2 (20)

Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1
 
Tecnologia e O Ritmo de Evolução
Tecnologia e  O Ritmo de EvoluçãoTecnologia e  O Ritmo de Evolução
Tecnologia e O Ritmo de Evolução
 
José carlos duarte ibm - painel 4
José carlos duarte   ibm - painel 4José carlos duarte   ibm - painel 4
José carlos duarte ibm - painel 4
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Globalização e o Império do Conhecimento
Globalização e o Império do ConhecimentoGlobalização e o Império do Conhecimento
Globalização e o Império do Conhecimento
 
2011 I FóRum Da Internet No Brasil
2011 I FóRum Da Internet No Brasil2011 I FóRum Da Internet No Brasil
2011 I FóRum Da Internet No Brasil
 
Grupo 01
Grupo 01Grupo 01
Grupo 01
 
Base De Clientes Valiosa Futuro Crescimento
Base De Clientes Valiosa Futuro CrescimentoBase De Clientes Valiosa Futuro Crescimento
Base De Clientes Valiosa Futuro Crescimento
 
UFCD 617- Gestão de Recursos Informaticos.pptx
UFCD  617- Gestão de Recursos Informaticos.pptxUFCD  617- Gestão de Recursos Informaticos.pptx
UFCD 617- Gestão de Recursos Informaticos.pptx
 
Tecnologia e Sociedade
Tecnologia e SociedadeTecnologia e Sociedade
Tecnologia e Sociedade
 
éTica na-internet
éTica na-internetéTica na-internet
éTica na-internet
 
Seminario Tempo e Espaço na sociedade globalizada
Seminario Tempo e Espaço na sociedade globalizadaSeminario Tempo e Espaço na sociedade globalizada
Seminario Tempo e Espaço na sociedade globalizada
 
Curo de Comunicação - CUT-PR
Curo de Comunicação - CUT-PRCuro de Comunicação - CUT-PR
Curo de Comunicação - CUT-PR
 
As Novas Tecnologias O Individuo E A Sociedade
As Novas Tecnologias O Individuo E A SociedadeAs Novas Tecnologias O Individuo E A Sociedade
As Novas Tecnologias O Individuo E A Sociedade
 
Ellen fedrigo 4° fef matemática mídias e globalização
Ellen fedrigo 4° fef matemática mídias e globalizaçãoEllen fedrigo 4° fef matemática mídias e globalização
Ellen fedrigo 4° fef matemática mídias e globalização
 
Disrupturas dos modos de pensar e viver os relacionamentos no mundo das tecno...
Disrupturas dos modos de pensar e viver os relacionamentos no mundo das tecno...Disrupturas dos modos de pensar e viver os relacionamentos no mundo das tecno...
Disrupturas dos modos de pensar e viver os relacionamentos no mundo das tecno...
 
Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptxSociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
 
1º série reda cem - 10.29
1º série   reda cem -  10.291º série   reda cem -  10.29
1º série reda cem - 10.29
 
P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3
P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3
P trimestral uni 2 (t1 e t2) unidade 3
 
Trabalho Sociologia - Tecnologia
Trabalho Sociologia - TecnologiaTrabalho Sociologia - Tecnologia
Trabalho Sociologia - Tecnologia
 

Mais de Ruy De Queiroz

Homotopic Foundations of the Theory of Computation
Homotopic Foundations of the Theory of ComputationHomotopic Foundations of the Theory of Computation
Homotopic Foundations of the Theory of Computation
Ruy De Queiroz
 
What formal equalities between rewriting paths have in common with homotopies...
What formal equalities between rewriting paths have in common with homotopies...What formal equalities between rewriting paths have in common with homotopies...
What formal equalities between rewriting paths have in common with homotopies...
Ruy De Queiroz
 
Connections between Logic and Geometry via Term Rewriting
 Connections between Logic and Geometry via Term Rewriting Connections between Logic and Geometry via Term Rewriting
Connections between Logic and Geometry via Term Rewriting
Ruy De Queiroz
 
Law and Legal uses for blockchain technologies
Law and Legal uses for blockchain technologiesLaw and Legal uses for blockchain technologies
Law and Legal uses for blockchain technologies
Ruy De Queiroz
 
Criptografia como aliado
Criptografia como aliadoCriptografia como aliado
Criptografia como aliado
Ruy De Queiroz
 
Privacidade, Segurança, Identidade
Privacidade, Segurança, IdentidadePrivacidade, Segurança, Identidade
Privacidade, Segurança, Identidade
Ruy De Queiroz
 
From Tractatus to Later Writings and Back
From Tractatus to Later Writings and BackFrom Tractatus to Later Writings and Back
From Tractatus to Later Writings and Back
Ruy De Queiroz
 
Desafios na Interseção entre Direito e Tecnologia
Desafios na Interseção entre  Direito e TecnologiaDesafios na Interseção entre  Direito e Tecnologia
Desafios na Interseção entre Direito e Tecnologia
Ruy De Queiroz
 
Connections between Logic and Geometry via Term Rewriting
Connections between Logic and Geometry via Term RewritingConnections between Logic and Geometry via Term Rewriting
Connections between Logic and Geometry via Term Rewriting
Ruy De Queiroz
 
Teoria da Computação: Histórias e Perspectivas, (TeoComp-NE)
Teoria da Computação:  Histórias e Perspectivas,  (TeoComp-NE)Teoria da Computação:  Histórias e Perspectivas,  (TeoComp-NE)
Teoria da Computação: Histórias e Perspectivas, (TeoComp-NE)
Ruy De Queiroz
 
Consensus in Permissionless Decentralized Networks
Consensus in Permissionless Decentralized NetworksConsensus in Permissionless Decentralized Networks
Consensus in Permissionless Decentralized Networks
Ruy De Queiroz
 
Linguagem, Lógica e a Natureza da Matemática
Linguagem, Lógica e a Natureza da MatemáticaLinguagem, Lógica e a Natureza da Matemática
Linguagem, Lógica e a Natureza da Matemática
Ruy De Queiroz
 
Computational Paths and the Calculation of Fundamental Groups
 Computational Paths and the Calculation of Fundamental Groups Computational Paths and the Calculation of Fundamental Groups
Computational Paths and the Calculation of Fundamental Groups
Ruy De Queiroz
 
Computational Paths and the Calculation of Fundamental Groups
Computational Paths and the Calculation of Fundamental GroupsComputational Paths and the Calculation of Fundamental Groups
Computational Paths and the Calculation of Fundamental Groups
Ruy De Queiroz
 
Criptografia Moderna - Visita do SRBR (Samsung Research do Brasil)
Criptografia Moderna - Visita do SRBR (Samsung Research do Brasil)Criptografia Moderna - Visita do SRBR (Samsung Research do Brasil)
Criptografia Moderna - Visita do SRBR (Samsung Research do Brasil)
Ruy De Queiroz
 
Cibersegurança na Internet das Coisas
Cibersegurança na Internet das CoisasCibersegurança na Internet das Coisas
Cibersegurança na Internet das Coisas
Ruy De Queiroz
 
Capitalismo de Vigilância e Proteção de Dados Pessoais
Capitalismo de Vigilância e Proteção de Dados PessoaisCapitalismo de Vigilância e Proteção de Dados Pessoais
Capitalismo de Vigilância e Proteção de Dados Pessoais
Ruy De Queiroz
 
Computations, Paths, Types and Proofs
Computations, Paths, Types and ProofsComputations, Paths, Types and Proofs
Computations, Paths, Types and Proofs
Ruy De Queiroz
 
Computation, Paths, Types and Proofs
Computation, Paths, Types and ProofsComputation, Paths, Types and Proofs
Computation, Paths, Types and Proofs
Ruy De Queiroz
 
Privacidade e Proteção de Dados Pessoais
Privacidade e Proteção de Dados PessoaisPrivacidade e Proteção de Dados Pessoais
Privacidade e Proteção de Dados Pessoais
Ruy De Queiroz
 

Mais de Ruy De Queiroz (20)

Homotopic Foundations of the Theory of Computation
Homotopic Foundations of the Theory of ComputationHomotopic Foundations of the Theory of Computation
Homotopic Foundations of the Theory of Computation
 
What formal equalities between rewriting paths have in common with homotopies...
What formal equalities between rewriting paths have in common with homotopies...What formal equalities between rewriting paths have in common with homotopies...
What formal equalities between rewriting paths have in common with homotopies...
 
Connections between Logic and Geometry via Term Rewriting
 Connections between Logic and Geometry via Term Rewriting Connections between Logic and Geometry via Term Rewriting
Connections between Logic and Geometry via Term Rewriting
 
Law and Legal uses for blockchain technologies
Law and Legal uses for blockchain technologiesLaw and Legal uses for blockchain technologies
Law and Legal uses for blockchain technologies
 
Criptografia como aliado
Criptografia como aliadoCriptografia como aliado
Criptografia como aliado
 
Privacidade, Segurança, Identidade
Privacidade, Segurança, IdentidadePrivacidade, Segurança, Identidade
Privacidade, Segurança, Identidade
 
From Tractatus to Later Writings and Back
From Tractatus to Later Writings and BackFrom Tractatus to Later Writings and Back
From Tractatus to Later Writings and Back
 
Desafios na Interseção entre Direito e Tecnologia
Desafios na Interseção entre  Direito e TecnologiaDesafios na Interseção entre  Direito e Tecnologia
Desafios na Interseção entre Direito e Tecnologia
 
Connections between Logic and Geometry via Term Rewriting
Connections between Logic and Geometry via Term RewritingConnections between Logic and Geometry via Term Rewriting
Connections between Logic and Geometry via Term Rewriting
 
Teoria da Computação: Histórias e Perspectivas, (TeoComp-NE)
Teoria da Computação:  Histórias e Perspectivas,  (TeoComp-NE)Teoria da Computação:  Histórias e Perspectivas,  (TeoComp-NE)
Teoria da Computação: Histórias e Perspectivas, (TeoComp-NE)
 
Consensus in Permissionless Decentralized Networks
Consensus in Permissionless Decentralized NetworksConsensus in Permissionless Decentralized Networks
Consensus in Permissionless Decentralized Networks
 
Linguagem, Lógica e a Natureza da Matemática
Linguagem, Lógica e a Natureza da MatemáticaLinguagem, Lógica e a Natureza da Matemática
Linguagem, Lógica e a Natureza da Matemática
 
Computational Paths and the Calculation of Fundamental Groups
 Computational Paths and the Calculation of Fundamental Groups Computational Paths and the Calculation of Fundamental Groups
Computational Paths and the Calculation of Fundamental Groups
 
Computational Paths and the Calculation of Fundamental Groups
Computational Paths and the Calculation of Fundamental GroupsComputational Paths and the Calculation of Fundamental Groups
Computational Paths and the Calculation of Fundamental Groups
 
Criptografia Moderna - Visita do SRBR (Samsung Research do Brasil)
Criptografia Moderna - Visita do SRBR (Samsung Research do Brasil)Criptografia Moderna - Visita do SRBR (Samsung Research do Brasil)
Criptografia Moderna - Visita do SRBR (Samsung Research do Brasil)
 
Cibersegurança na Internet das Coisas
Cibersegurança na Internet das CoisasCibersegurança na Internet das Coisas
Cibersegurança na Internet das Coisas
 
Capitalismo de Vigilância e Proteção de Dados Pessoais
Capitalismo de Vigilância e Proteção de Dados PessoaisCapitalismo de Vigilância e Proteção de Dados Pessoais
Capitalismo de Vigilância e Proteção de Dados Pessoais
 
Computations, Paths, Types and Proofs
Computations, Paths, Types and ProofsComputations, Paths, Types and Proofs
Computations, Paths, Types and Proofs
 
Computation, Paths, Types and Proofs
Computation, Paths, Types and ProofsComputation, Paths, Types and Proofs
Computation, Paths, Types and Proofs
 
Privacidade e Proteção de Dados Pessoais
Privacidade e Proteção de Dados PessoaisPrivacidade e Proteção de Dados Pessoais
Privacidade e Proteção de Dados Pessoais
 

Último

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 

Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2

  • 1. Paraninfo Centro de Informática/UFPE CC,EC,SI (2015.2) Ruy J.G.B. de Queiroz 24/Fevereiro/2016
  • 2. Paraninfo (cf. Houaiss) • paraninfo. s.m. (1624-1649) 1. entre os gregos antigos, amigo do noivo que ia com este buscar a noiva 2. obsl. padrinho de um batismo, de um casamento, de um duelo etc. 3. aquele que acompanhava o doutorando a receber o capelo; padrinho (...) • ETIM gr. paránumphos, ou, s.f. e s.m. “dama de honra ou pajem da noiva”.
  • 3. A 4a. Revolução Industrial? (Klaus Schwab, WEF 2016) • “Estamos à beira de uma revolução tecnológica que irá alterar fundamentalmente a maneira como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos. Em sua escala, escopo e complexidade, a transformação será diferente de tudo que a humanidade já experimentou antes. Ainda não sabemos exatamente como isso vai se desenrolar, mas uma coisa é certa: a resposta a ela deve ser integrada e abrangente, envolvendo todas as partes interessadas da política mundial, dos setores público e privado passando pela academia e pela sociedade civil.”
  • 4. As Quatro Revoluções (Klaus Schwab) • 1784: máquinas a vapor, hidráulicas, e equipamentos de produção mecânica • 1870: divisão do trabalho, eletricidade, produção em massa • 1969: eletrônica, tecnologia da informação, produção automatizada • ?: sistemas ciber-físicos
  • 5. A 4a. Revolução Industrial • “Há três razões pelas quais transformações de hoje não representam apenas um prolongamento da Terceira Revolução Industrial, mas sim a chegada de uma quarta e bem distinta: a velocidade, o alcance e o impacto dos sistemas. A velocidade dos avanços atuais não tem precedente histórico. Quando comparada com as revoluções industriais anteriores, a Quarta está evoluindo a um ritmo exponencial em vez de um ritmo linear. Além disso, está “disrompendo” quase todos os setores em cada país. E a amplitude e a profundidade dessas mudanças anunciam a transformação de sistemas inteiros de produção, gestão e governança.”
  • 6. Tecnologia e o Ser Humano (Angela Hobbs, WEF 2016) • “As novas tecnologias vão mudar a nossa percepção de quando a vida humana começa e termina. É parte da condição humana de estender os limites do que é ser humano.” • “Desejamos preservar os valores humanos? Porque nós não estamos fazendo isso, no momento. Precisamos pensar sobre o que significa viver uma vida próspera - como seres sencientes, não necessariamente da mesma maneira que os seres humanos. A tecnologia pode nos ajudar a alcançar isso.”
  • 7. Tecnologia, Inovação, Regulação • “Hoje temos o poder de mudar a vida, alterar o código genético de todos os seres vivos no planeta. Mas para os seres não-humanos, a regulação é muito pobre, e precisa se avançar para acompanhar o que temos para humanos. • Precisamos de normas legais e reguladoras que ajudarão a guiar a inovação na direção certa, mas se andarmos muito rapidamente, estamos correndo o risco de sufocar a inovação. No entanto, se esperarmos demais, corremos o risco de permitir que danos venham a ser feitos.” (Hank Greely, World Economic Forum 2016)
  • 8. Tecnologia e o Ser Humano • A Lei dos Retornos Acelerantes (Ray Kurzweil, 2001): • “Uma análise da história da tecnologia mostra que a mudança tecnológica é exponencial, diferentemente da visão “intuitiva-linear” do senso-comum. Não vivenciaremos 100 anos de progresso no séc. XXI — será mais como 20.000 anos de progresso (à taxa de hoje). Os “retornos,” tais como velocidade e eficiência dos chips, também crescem exponencialmente. (…) Em algumas poucas décadas, a inteligência da máquina suplantará a inteligência humana, levando à Singularidade — mudança tecnológica tão rápida e profunda, ela representa uma ruptura no próprio tecido da história humana. As implicações incluem a fusão de inteligências biológica e não- biológica, humanos imortais baseados-em-software, e níveis ultra- avançados de inteligência que se expandem para fora do universo na velocidade da luz.”
  • 9. A Natureza da Tecnologia • “A tecnologia é força a mais poderosa no planeta” • “A tecnologia é a extensão da vida evolucionária” • “Entre outras coisas, a tecnologia quer incrementar a diversidade, complexidade, beleza e eficiência” (Kevin Kelly, What Technology Wants, 2010
  • 10. A Lei da Disrupção • Pouco mais de uma década após o estopim da chamada revolução da internet, é patente a incapacidade das regras que tiveram sua origem em um mundo analógico de lidar com conflitos típicos da era digital. • À medida que a distância entre a inovação e a lei que a regula tem aumentado, o resultado mais alarmante é a velocidade com a qual as tensões entre os dois têm subido.
  • 11. Tecnologia e Mudanças Sociais • Conflitos no uso da informação: • privacidade, anonimato, liberdades civis, controle da rede, vigilantismo, crime da informação, propriedade intelectual, transparência, comércio global, disrupção de mercados, dinheiro peer-to-peer, a economia do gratuito, ciberativismo, hacktivismo, biblioteca universal, relacionamentos virtuais, sequenciamento genético • Napster, Uber, Airbnb, Wikileaks, Anonymous, Yik Yak
  • 12. Tecnologia e Democracia • A tecnologia tem transformado como participamos na democracia como cidadãos, como eleitores, como membros de uma sociedade interconectada. • Transformações importantes na forma como votamos, no modo como nossos votos são contados, na maneira como protestamos, na forma como demandamos transparência sobre a coisa pública, no modo como nos reunimos para reivindicar uma causa coletiva, na forma de coordenar uma ação coletiva, etc.
  • 13. Nova Realidade Cívica • Grandes mudanças na cultura cívica e na mídia oferecem novas oportunidades para ONGs e ativistas • A influência está migrando de organizações para redes e novos “especialistas” • Todas as organizações estão sob mais escrutínio e a transparência é um novo marcador de confiança • surveillance, sousveillance, coveillance • Novos meios para atores civis atingirem suas audiências e mobilizarem outras
  • 14. Ciberespaço como arena para o engajamento cívico • “O ciberespaço é, ao mesmo tempo, uma arena para engajamento cívico e um objeto de disputa em si mesmo. • Como uma arena para engajamento cívico, o ciberespaço é duas coisas: • primeiro, é uma “academia” para praticar participação política e cidadania digital, onde visões alternativas e muitas vezes contraditórias sobre a sociedade são articuladas e compartilhadas; • em segundo lugar, é uma plataforma para ação coletiva, como uma praça de uma cidade seria, por exemplo, onde articular, organizar, e trazer à tona lutas sociais, e onde formas ciber-específicas de ação coletiva podem ter lugar.” (Stefania Milan)
  • 15. Anonimato na Internet • Anonimato: manifestação, protesto ou passeata; votação livre; denúncia anonima; discurso político; doação por caridade; etc. • “Debates sobre trolls (gíria da Internet para “perturbadores”) frequentemente confundem anonimato com incivilidade, mas um olhar mais amplo sobre as atividades on-line revela o bem público que pode advir quando os usuários têm a possibilidade de esconder a sua identidade. Para o bem ou para o mal, o anonimato põe o foco na mensagem ao invés de no mensageiro. Portanto, o anonimato facilita o discurso honesto, cria um contexto igualitário para a troca de ideias, e permite que a criatividade aflore sem a interferência de qualquer filtro.” (G.Coleman)
  • 16. Civilidade • E quando se fala de civilidade, nunca é demais lembrar os 3 R’s do Dalai Lama: • Respeito por si mesmo. • Respeito pelos outros. • Responsabilidade por suas próprias ações.
  • 17. Mudanças e Valores • Lembrando o Dalai Lama, “abra seus braços para as mudanças, mas não se desfaça de seus valores”.
  • 18. Geração de Riqueza • Em um relatório de 2012, o Boston Consulting Group constatou que a economia da Internet representou 4,1% (cerca de US$2,3 trilhões) do PIB nos países do G-20 em 2010. Se a Internet fosse uma economia nacional, o relatório observou, estaria entre as cinco maiores do mundo, à frente da Alemanha. • E um relatório de 2013 da Fundação Kauffman mostrou que nas três décadas anteriores, o setor de alta tecnologia teve 23% mais chances, e do setor de tecnologia da informação 48%, de dar origem a novas empresas do que o setor privado em geral.
  • 19. Ativos Digitais • Em 2015, mais de US$10 Bilhões de valor econômico existem no mundo virtual dos sistemas de games, mais de US$48 Bilhões está travado em pontos de prêmio corporativo e moedas de redenção, e pelo menos US$7 Bilhões existem na forma de moedas digitais como Bitcoin, Ripple, Ven e Ether (juntamente com outras 4.000). Juntos, esses ativos digitais representam liquidez no meio da tabela global de PIB das nações ultrapassando países como Luxemburgo, Costa Rica, Oman e Croácia ficando entre os primeiros 70. Ativos digitais hoje representam um mercado maior que a maioria das nações do mundo.
  • 20. Abundância é o Futuro (Peter Diamandis, 2012) • Tecnologias em computação, energia, medicina e muitas outras áreas estão melhorando a uma taxa exponencial e em breve vão permitir avanços que hoje parecem impossíveis. • Essas tecnologias têm permitido que inovadores independentes alcancem avanços impressionantes em muitas áreas com pouco investimento financeiro e pouca força de trabalho. • A área de Tecnologia tem criado uma verdadeira geração de "tecno- filantropos" (tal como Bill Gates, Marc Andreessen) que estão usando seus bilhões para tentar resolver problemas aparentemente insolúveis como fome e doenças. • A vida dos mais pobres está melhorando substancialmente devido à tecnologia.
  • 21. Tecno-Filantropos • Tecno-filantropos estão trazendo a filantropia de volta aos seus princípios básicos. • Tecno-filantropos estão se distanciando do modo “broadcast” e se aproximando do modo “sutil”. • Tecnologia incentiva as pessoas a assumir a responsabilidade de causar impacto • Tecnologia demanda maior transparência e verificabilidade da filantropia, mas também empurra para uma maior aceitação de um overhead maior. • A Tecnologia criou algumas excelentes plataformas de distribuição… mas o verdadeiro engajamento no mundo real ainda é o que mais importa.
  • 22. O estigma do fracasso no setor de filantropia • E mais: Para onde a tecnologia pode levar a filantropia no futuro? • No setor de tecnologia, tem havido uma tendência de desestigmatizar o fracasso. Afinal de contas, aproximadamente 3 de 4 startups acabam fracassando. Mas no setor das empresas sem fins lucrativos, fracasso é anátema. Caso essas empresas não sejam identificadas como perdulárias, o setor como um todo se revela como ineficiente, e tudo isso pela falta de compartilhamento de dados e informações. E a tendência é que elas insistam em programas com baixa taxa de retorno social até mesmo pelo receio de tentar algo diferente. Matt Mullenweg da WordPress sugeriu que se o fracasso desestigmatizado nesse setor, poderia haver uma grande melhoria no impacto social.
  • 23. Evolução da Tecnologia: Reflexão sobre Nós Humanos • Thomas Hobbes (1651) dizia que o ser humano era “inerentemente egoísta”. • Experimentos de grande porte como Wikipédia, Software Livre, e Tecnologias Cívicas revelam o lado colaborativo predominando. (Exemplo: “Welcome Refugees”, Alemanha, Set/2015)
  • 24. Limites das Máquinas Limites da Mente Humana • Alan Turing mostrou, em 1936, que há um limite fundamental na capacidade de uma máquina de resolver problemas da Matemática. • Seríamos máquinas? Teríamos as mesmas limitações? • Em 1950, Turing levanta a possibilidade de haver máquinas “inteligentes”/“pensantes”.
  • 25. A 4a. Revolução Tecnológica (Luciano Floridi) 1. Nicolau Copérnico: não estamos no centro do universo 2. Charles Darwin: não somos animais superiores e totalmente desconectados dos outros animais 3. Sigmund Freud: não somos seres totalmente racionais 4. Alan Turing: não somos os únicos agentes pensantes/inteligentes.