SlideShare uma empresa Scribd logo
III
PREVISÃO LEGAL:
Art. 121, do Código Penal
OBJETIVIDADE JURÍDICA:
Proteção da vida extrauterina.
Distingue-se o homicídio do aborto, por conta dos
objetos de proteção dos crimes serem diversos.
AÇÃO NUCLEAR
Matar = destruir a vida humana
MEIOS
Comissivo e Omissivo

Recomendado para você

Direito penal i a conduta
Direito penal i   a condutaDireito penal i   a conduta
Direito penal i a conduta

O documento discute as teorias da conduta no direito penal, definindo conduta como um comportamento humano consciente e voluntário. Apresenta cinco teorias da conduta - causalista, causal-valorativa, finalista, social e funcionalista - e discute elementos como ação, omissão, dolo e culpa.

Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiaçãoDireito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiação

1) O documento descreve os crimes contra a família no Código Penal brasileiro, incluindo crimes contra o casamento, estado de filiação e assistência familiar. 2) Os crimes contra o casamento incluem bigamia, indução a erro no casamento e simulação de casamento. 3) Os crimes contra o estado de filiação incluem registro de nascimento falso e ocultação do estado civil de recém-nascido.

Inquérito Policial
Inquérito PolicialInquérito Policial
Inquérito Policial

O documento discute as fases da persecução penal e quem promove a investigação preliminar no Brasil. Em resumo: 1) A investigação preliminar é conduzida pela polícia judiciária, mas outras autoridades como o Ministério Público também podem investigar; 2) Existem exceções onde outros órgãos presidem inquéritos, como contra membros do MP ou juízes; 3) Embora o STJ permita, o STF ainda analisa se o MP pode conduzir investigações criminais.

( Prova: FUNDEP - 2014 - DPE-MG - Defensor Público / Direito Penal / Crimes
contra a vida; Homicídio). Analise a situação a seguir. Uma mulher procurou o
salva-vidas de uma praia que estava em vias de prestar socorro a um rapaz
que se debatia na água. Ela disse ao salva-vidas que conhecia o suposto
afogado, afirmando com veemência que ele estava brincando, já que era um
excelente nadador. Diante das informações prestadas pela mulher,
negligenciando sua função, o salva-vidas deixou de prestar o socorro que
poderia ter acarretado o salvamento. O afogado, assim, morreu. Na verdade, a
mulher conhecia o afogado, seu desafeto, e pretendia vê-lo morto. Diante da
situação narrada, pergunta-se:
É CORRETO afirmar que
a) houve homicídio em concurso de pessoas entre a
mulher e o salva-vidas.
b) a mulher foi autora de omissão de socorro e o salva-
vidas foi autor direto de homicídio doloso.
c) o salva-vidas foi autor de homicídio culposo através de
omissão imprópria e a mulher foi autora mediata de
homicídio doloso.
d) houve omissão de socorro em concurso de pessoas
entre a mulher e o salva-vidas.
( Prova: IBFC - 2013 - PC-RJ - Oficial de Cartório / Direito
Penal / Crimes contra a vida; Homicídio) Um policial civil
regularmente designado para atuar como responsável
pela carceragem de uma Delegacia de Polícia é
cientificado por familiares de um preso temporário que
este sofre de “diabetes” grave e que necessita de
constantes injeções de “insulina” para manter a doença
sob controle, sendo-lhe exibido o respectivo laudo
médico. O agente público simplesmente ignora esta
informação e não a transmite aos seus superiores
hierárquicos, mantendo o indivíduo no cárcere sem
qualquer assistência médica.
Dias depois, o preso é encontrado caído no chão da cela com visíveis
sinais tanatológicos, sendo o óbito constatado e a causa mortis
apurada como decorrente da ausência de controle glicêmico. No caso
em tela o policial civil estará sujeito à responsabilização penal pela
prática do crime de:
a) Homicídio.
b) Omissão de socorro.
c) Prevaricação.
d) Tortura.
e) Abuso de autoridade.

Recomendado para você

Lei penal no tempo e no espaço
Lei penal no tempo e no espaçoLei penal no tempo e no espaço
Lei penal no tempo e no espaço

1. Conduta de sonegação fiscal ocorrida entre 1988-1991. STF decidiu que se trata de continuidade delitiva e deve ser aplicada a lei mais benéfica da época dos fatos. 2. Uso de arma de brinquedo para prática de

Direito penal ii concurso de crimes
Direito penal ii   concurso de crimesDireito penal ii   concurso de crimes
Direito penal ii concurso de crimes

O documento discute os diferentes tipos de concurso de crimes no direito penal brasileiro, incluindo concurso material, formal e continuado. Ele explica os requisitos e sistemas de aplicação de penas para cada tipo de concurso.

Direito penal parte geral - slides - caderno
Direito penal   parte geral - slides - cadernoDireito penal   parte geral - slides - caderno
Direito penal parte geral - slides - caderno

O documento discute conceitos e princípios fundamentais do Direito Penal brasileiro, como: 1) O Direito Penal qualifica comportamentos como infrações penais e define sanções; 2) O princípio da legalidade estabelece que só há crime e pena se houver lei anterior definindo-os; 3) O Direito Penal deve intervir de forma subsidiária e fragmentária, apenas quando estritamente necessário.

SUJEITO ATIVO:
Trata-se de crime comum.
As hipóteses de autoria
mediata, colateral e incerta.
(Prova: TRT 22 PI - 2013 - TRT - 22ª Região (PI) - Juiz do
Trabalho - Prova 1 / Direito Penal / Concurso de
Pessoas; Autoria e coautoria; Participação). Pereirão era
um sujeito odiado no povoado em que morava. Acabava
festas, brigava, dava surras em pessoas, estuprava
mulheres. Era um terror. Em razão disso, angariou muitos
inimigos, entre eles, Nepomuceno e Nicodemos, que,
apesar da semelhança dos nomes, não eram sequer
parentes. Ambos queriam matar Pereirão, mas nunca
fizeram prévio contato para ajustarem suas condutas.
Em determinado dia, sabendo que Pereirão passava por um beco escuro para se
recolher à noite, Nepomuceno e Nicodemos se armaram de armas de fogo e foram
emboscar a vítima, repita-se, sem saberem da conduta um do outro. No momento
em que Pereirão passava, eles atiraram e a vítima faleceu em razão dos
ferimentos causados. No caso, analisando sob o aspecto do concurso de pessoas,
em qual das hipóteses eles se enquadram:
a) co-autoria;
b) autoria mediata,
c) participação;
d) autoria colateral;
e) autoria ignorada
( Prova: CESPE - 2009 - SEJUS-ES - Agente Penitenciário / Direito Penal /
Concurso de Pessoas; Tipicidade; Autoria e coautoria; Erro do tipo
essencial) Acerca dos institutos relativos à parte especial do Código
Penal, julgue os itens de 78 a 84.
Suponha que Antônio, imputável, dono de mercearia, com a inequívoca
intenção de matar Juarez, tenha induzido a erro Carla, imputável e
empregada doméstica de Juarez, vendendo a ela arsênico em vez de
açúcar, que ela ministrou na alimentação de Juarez, provocando a
morte deste.

Recomendado para você

2012.1 semana 4 direitos da personalidade
2012.1 semana 4   direitos da personalidade2012.1 semana 4   direitos da personalidade
2012.1 semana 4 direitos da personalidade

O documento discute os direitos da personalidade no direito civil brasileiro. Em particular, aborda (1) o conceito de direitos da personalidade e sua relação com a dignidade humana, (2) as teorias sobre como definir esses direitos, e (3) as características fundamentais dos direitos da personalidade como absolutos, indisponíveis, imprescritíveis e extrapatrimoniais.

lucy figueiredo
Causas De Extinção Da Punibilidade
Causas De Extinção Da PunibilidadeCausas De Extinção Da Punibilidade
Causas De Extinção Da Punibilidade

O documento resume as principais causas extintivas da punibilidade previstas no Código Penal brasileiro, como: a morte do agente, anistia, graça, indulto, abolitio criminis, prescrição, decadência, perempção, renúncia e perdão do ofendido, retratação do agente e perdão judicial. Também explica conceitos e diferenças entre esses institutos.

CONCURSO DE CRIMES
CONCURSO DE CRIMESCONCURSO DE CRIMES
CONCURSO DE CRIMES

1) O documento discute as diferentes modalidades de concurso de crimes no direito penal brasileiro, incluindo concurso material, formal e crime continuado. 2) Historicamente, o crime continuado surgiu para evitar a pena de morte para aqueles condenados por três furtos. 3) No direito penal brasileiro, o Código Penal adota os sistemas de cúmulo material e exasperação para penalizar o concurso de crimes.

Nessa situação, Antônio deve ser responsável pelo crime
como autor mediato, e a empregada doméstica, Carla,
deve ter excluída a ilicitude de sua conduta, incorrendo
em erro de tipo essencial.
( ) Certo ( ) Errado
SUJEITO PASSIVO:
Trata-se de crime comum.
Error in personae: art. 20, pár. 3º, CP.
(Prova: FGV - 2014 - DPE-DF - Analista - Assistência Judiciária / Direito Penal /
Tipicidade; Erro do tipo essencial; Erro de tipo acidental). Jorge pretendia matar sua
irmã, Ana, para passar a ser o único beneficiário de herança que ambos receberiam. No dia
do crime, Jorge fica à espreita enquanto Ana sai da garagem em seu carro. Ocorre que,
naquele dia não era Ana que estava ao volante, como ocorria diariamente, mas sim seu
namorado. Ana se encontrava no banco do carona. Jorge sabia que sua irmã sempre dirigia
seu próprio carro e, assim, tinha certeza de que estaria mirando a arma na direção de Ana,
ainda que não conseguisse enxergar o interior do veículo devido aos vidros escuros. Jorge
atira no veículo, mas o projétil atinge o namorado de Ana, que vem a falecer.
É correto afirmar que Jorge praticou:
a) o crime de tentativa de homicídio doloso qualificado contra Ana e de homicídio
culposo contra o namorado de Ana.
b) apenas um crime de homicídio doloso qualificado, mas não incidirá na hipótese
a circunstância agravante em razão de ser Ana sua irmã, uma vez que foi o
namorado desta última quem veio a falecer.
c) o crime de tentativa de homicídio doloso qualificado contra Ana e de homicídio
qualificado contra o namorado de Ana.
d) apenas um crime de homicídio doloso qualificado, e a pena a ser aplicada ainda
será agravada pelo fato de Ana ser sua irmã.
e) apenas o crime de homicídio culposo contra o namorado de Ana.

Recomendado para você

Habeas data constitucional iii
Habeas data constitucional iiiHabeas data constitucional iii
Habeas data constitucional iii

O documento descreve o habeas data no Brasil, definindo-o como um remédio constitucional previsto na Constituição de 1988 que permite (1) o acesso a informações sobre o impetrante mantidas por órgãos públicos, (2) a retificação de dados e (3) a contestação de dados. Também define os aspectos processuais do habeas data como legitimidade ativa, competência e procedimento.

Consumacao e tentativa
Consumacao e tentativaConsumacao e tentativa
Consumacao e tentativa

1) O documento discute as fases do crime (iter criminis), incluindo cogitação, preparação, execução, consumação e exaurimento. 2) Na fase de execução, há várias teorias sobre o momento exato em que ela se inicia, como a teoria objetivo-formal e a teoria do ato inequívoco. 3) A consumação ocorre quando todos os elementos do crime estiverem presentes, variando de acordo com o tipo de crime, como crimes materiais ou formais.

Direito real de laje
Direito real de lajeDireito real de laje
Direito real de laje

Palestrante: Ivan Jacopetti do Lago - Registrador de Imóveis em Paraguaçu Paulista-SP e Diretor de Relações Internacionais do IRIB

direito real de lajeregistro de imoveis
CONSUMAÇÃO
Conforme a redação do art. 3º, da Lei no.
9.434/97, a consumação do crime ocorre com a morte
encefálica.
CONSUMAÇÃO. CONSIDERAÇÃO DOUTRINÁRIA.
“Sem que tenha havido morte encefálica, não há
que se falar em homicídio consumado, por mais grave que sejam as
sequelas sofridas em decorrência do ato agressivo. Assim, se o agente
efetuou disparos na cabeça da vítima, que, em razão disso, há anos
permanece em vida vegetativa, sem reconhecer familiares e sem
apresentar movimentos corporais, porém, com vida encefálica, ela,
juridicamente, está viva, de modo que o autor da agressão só pode ser
responsabilizado por tentativa de homicídio.” (Gonçalves, p. 60)
CONSUMAÇÃO. CRIME IMPOSSÍVEL.
EXERCÍCIO SOBRE CRIME IMPOSSÍVEL.
(Prova: VUNESP - 2015 - PC-CE - Inspetor de Polícia
Civil de 1a Classe) O indivíduo “B”, com intenção de
matar a pessoa “D”, efetua dez disparos de arma de
fogo em direção a um veículo que se encontra
estacionado na via pública por imaginar que dentro
desse veículo encontrava-se a pessoa “D”, contudo,
não havia nenhuma pessoa no interior do veículo.
Com relação à conduta praticada por “B”, é correto
afirmar que:

Recomendado para você

Aula 01 direito das obrigações - introdução
Aula 01   direito das obrigações - introduçãoAula 01   direito das obrigações - introdução
Aula 01 direito das obrigações - introdução

O documento discute o Direito das Obrigações, abordando sua evolução histórica no Direito Romano e nos principais códigos civis. Inicialmente, no Direito Romano, o devedor poderia ser escravizado ou morto para pagar suas dívidas. Posteriormente, passou-se a responsabilizar apenas o patrimônio do devedor, preservando sua dignidade. Atualmente, os códigos civis preveem que todos os bens do devedor respondem pelas suas obrigações.

direito civil ii (direito das obrigações - intro
Direito penal parte geral
Direito penal parte geralDireito penal parte geral
Direito penal parte geral

1. O documento discute os princípios e conceitos fundamentais do Direito Penal, incluindo a legalidade, as finalidades do Direito Penal, o Direito Penal objetivo e subjetivo e os princípios constitucionais do Direito Penal. 2. É apresentada a definição de Direito Penal segundo uma perspectiva formal e sociológica. Também são descritas as teorias funcionalistas sobre as finalidades do Direito Penal. 3. São explicados conceitos como legalidade, anterioridade, reserva legal, entre outros, assim como exce

Direito civil ii
Direito civil iiDireito civil ii
Direito civil ii

Este documento discute a teoria geral das obrigações no direito civil brasileiro. Aborda conceitos como obrigação jurídica versus obrigação natural, diferenças entre obrigação e responsabilidade, e entre direito das obrigações e direito das coisas. Também trata das fontes do direito das obrigações, elementos das obrigações, e tipos de obrigações como de dar coisa certa, dar coisa incerta, fazer, não fazer e alternativas.

direito civil
a) o indivíduo “B” poderá ser punido pelo crime de homicídio
tentado, por analogia ao crime de homicídio em vista de sua
intenção.
b) o indivíduo “B” não poderá ser punido pelo crime de homicídio.
c) o indivíduo “B” poderá ser punido pelo crime de homicídio
consumado, em virtude da interpretação extensiva do crime de
homicídio.
d) o indivíduo “B” poderá ser punido pelo crime de homicídio
consumado, por analogia ao crime de homicídio em vista de sua
intenção.
e) o indivíduo “B” poderá ser punido pelo crime de homicídio
tentado, em virtude da interpretação extensiva do crime de
homicídio em vista de sua intenção.
PROVA DA MATERIALIDADE
Caso Bruno X Eliseth Samúdio
 INFORMATIVO DE JURISPRUDÊNCIA – STJ: HOMICÍDIO QUALIFICADO.
PRONÚNCIA. FALTA DE MATERIALIDADE.AUSÊNCIA DO CORPO DA SUPOSTA
VÍTIMA. Trata-se, na origem, de recurso em sentido estrito no qual o
tribunal a quo entendeu existirem outras provas que demonstrariam
a materialidade do crime, indicando a confissão do paciente e depoimentos
testemunhais. A Turma negou a ordem ao entender que, nos termos do art.
167 do CPP, a prova testemunhal pode suprir a falta do exame de corpo de
delito, caso desaparecidos os vestígios. O STJ já decidiu que tal situação se
aplica, inclusive, aos casos de homicídio, se ocultado o corpo da vítima.
Diante desse contexto, não se mostra possível
avaliar profundamente as provas carreadas aos
autos para concluir de modo diverso. Ademais,
caberá aos jurados competentes a análise
detida dos elementos de convicção carreados,
por ocasião do julgamento pelo tribunal do júri,
mostrando-se prematuro o trancamento do feito.
Precedentes citados: HC 110.642-ES, DJe
6/4/2009; HC 79.735-RJ, DJ 3/12/2007; HC
205.763-PR, DJe 22/8/2011, e HC 204.733-RJ, DJe
25/8/2011. HC 170.507-SP, Rel. Min. Maria
Thereza de Assis Moura, julgado em 16/2/2012.

Recomendado para você

Aula 02 direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
Aula 02   direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iAula 02   direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
Aula 02 direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i

O documento apresenta um resumo sobre crimes contra a dignidade sexual de acordo com o Código Penal brasileiro, incluindo estupro, violação sexual mediante fraude e assédio sexual. O documento discute os elementos constitutivos destes crimes, as penas aplicáveis e aumentos de pena.

assedio sexualestuprocrimes contra a dignidade sexual
Direito Empresarial - Títulos de Crédito.
Direito Empresarial - Títulos de Crédito.Direito Empresarial - Títulos de Crédito.
Direito Empresarial - Títulos de Crédito.

O documento descreve os principais aspectos dos títulos de crédito no direito brasileiro, incluindo: 1) Definição de títulos de crédito segundo o Código Civil; 2) Princípios dos títulos de crédito como cartularidade, literalidade e autonomia; 3) Classificação de títulos de crédito; 4) Conceitos e regras sobre endosso, aval, aceite, protesto e ação cambial.

O homicídio modalidades continuação
O homicídio   modalidades continuaçãoO homicídio   modalidades continuação
O homicídio modalidades continuação

1) O documento discute as modalidades de homicídio qualificado, incluindo tortura, meio cruel, meio insidioso e perigo comum. 2) Aborda os modos de execução do homicídio qualificado, como traição, emboscada e dissimulação. 3) Explora as conexões do homicídio qualificado, como ocultação, impunidade e vantagem.

tortura
TENTATIVA
Para que ocorra a tentativa são necessários três requisitos:
1. Que exista prova inequívoca de que o agente queria matar
a vítima;
2. Que tenha havido início de execução do homicídio;
3. Que o resultado morte não tenha ocorrido por
circunstâncias alheias à vontade do agente.
EXERCÍCIO SOBRE TENTATIVA.
Considere que Aldo, penalmente capaz, após ser fisicamente agredido por
Jeremias, tenha comprado um revólver e, após municiá-lo, tenha ido ao
local de trabalho de seu desafeto, sem, no entanto, o encontrar.
Considere, ainda, que, sem desistir de seu intento, Aldo tenha se
posicionado no caminho habitualmente utilizado por Jeremias, que, sem
nada saber, tomou direção diversa. Flagrado pela polícia no momento em
que esperava por Jeremias, Aldo entregou a arma que portava e narrou
que pretendia atirar em seu desafeto. Nessa situação, Aldo responderá
por tentativa imperfeita de homicídio, com pena reduzida de um a dois
terços.
( ) Certo ( ) Errado
(Prova: IPAD - 2014 - Prefeitura de Recife - PE - Agente de Segurança Municipal -
Guarda Municipal). A respeito da tentativa, e correto afirmar que Beltrano que
efetuou disparos de arma de fogo contra Ciclano, sem contudo atingi-lo, incorre:
a) No crime de homicídio consumado, visto que a intenção de Beltrano era ceifar
a vida de Ciclano
b) Ameaça, visto que os disparos de arma de fogo não atingiram Ciclano.
c) No crime de disparo de arma de fogo em via pública.
d) A conduta e atipica, visto que Ciclano não foi atingido.
e) Em tentativa de homicídio.
MODALIDADES DE TENTATIVA.
Tentativa Branca (ou incruenta)
Tentativa Cruenta.

Recomendado para você

Dos crimes contra a vida ou pessoa
Dos crimes contra a vida ou pessoaDos crimes contra a vida ou pessoa
Dos crimes contra a vida ou pessoa

CRIMES CONTRA A VIDA E A APESSOA

Penal 3 - Dos crimes contra a liberdade pessoal
Penal 3 - Dos crimes contra a liberdade pessoalPenal 3 - Dos crimes contra a liberdade pessoal
Penal 3 - Dos crimes contra a liberdade pessoal

O documento discute quatro crimes contra a liberdade pessoal: 1) constrangimento ilegal, que ocorre quando alguém força outra pessoa a fazer ou não fazer algo mediante violência ou ameaça; 2) ameaça, prometer causar mal injusto e grave a outra pessoa; 3) sequestro ou cárcere privado, privar alguém da liberdade mantendo-a em cativeiro; 4) redução a condição análoga à de escravo.

Homicídio de jovens
Homicídio de jovensHomicídio de jovens
Homicídio de jovens

O documento analisa o aumento de homicídios entre jovens de 14 a 25 anos no Brasil, que subiu 207,9% para mortes não naturais e 326,1% para homicídios especificamente entre 2008-2012. Apresenta os dados por estado usando a ferramenta Tableau para georeferenciamento e análise temporal e espacial dos números.

visão críticaanálise de dadosjornalismo de dados
TENTATIVA OU DESISTÊNCIA VOLUNTÁRIA. “ No Crime de homicídio,
a desistência voluntária se mostra presente quando o agente dá
início à execução, mas não consegue, de imediato, a morte da vítima,
contudo, tendo ainda ao seu dispor formas de prosseguir no ataque e
concretizar a morte, resolve, voluntariamente, não o fazer”. Contudo,
“Para que haja o reconhecimento da desistência voluntária, é
necessário que o agente tenha percebido que não alvejou a vítima de
modo fatal. Por isso, se ele deixou de disparar novos projéteis por
pensar que a vítima já estava morta, responde por tentativa de
homicídio.” (Gonçalves, 65)
DESISTÊNCIA VOLUNTÁRIA OU ARREPENDIMENTO
EFICAZ: “Pode-se, portanto, dizer que se houver uma
ação impeditiva do resultado, estará presente o
arrependimento eficaz, e se houver uma omissão no
prosseguimento dos atos executórios que estavam
em andamento, haverá desistência voluntária.”
(Gonçalves, p. 68)
(Prova: FCC - 2014 - DPE-PB - Defensor Público / Direito Penal /
Tipicidade; Desistência voluntária e arrependimento eficaz
; Arrependimento posterior). Decididamente disposto a matar
Tício, por erro de pontaria o astuto Caio acerta-lhe de leve
raspão um disparo no braço. Porém, assustado com o
estrondo do estampido, e temendo acordar a vizinhança que o
poderia prender, ao invés de descarregar a munição restante,
Caio estrategicamente decide socorrer o cândido Tício que,
levado ao hospital pelo próprio algoz, acaba logo liberado com
curativo mínimo.
Caio primeiramente diz, em sua autodefesa, que o tiro ocorrera por
acidente, chegando ardilosamente a indenizar de pronto todos os
prejuízos materiais e morais de Tício com o fato, mas sua trama acaba
definitivamente desvendada pela límpida investigação policial que se
segue. Com esses dados já indiscutíveis, mais precisamente pode-se
classificar os fatos como
a) tentativa de homicídio.
b) desistência voluntária.
c) arrependimento eficaz.
d) arrependimento posterior.
e) aberratio ictus.

Recomendado para você

O homicida e suas qualificações
O homicida e suas qualificaçõesO homicida e suas qualificações
O homicida e suas qualificações

O documento lista e descreve 5 qualificadores que tornam um homicídio doloso em homicídio qualificado: 1) motivo fútil, 2) meio cruel, 3) acobertamento de outro crime, 4) motivo torpe, 5) dificultação de defesa. Exemplos são fornecidos para cada qualificador.

Maus tratos
Maus tratosMaus tratos
Maus tratos

O documento resume os principais aspectos do crime de maus-tratos previsto no Artigo 136 do Código Penal brasileiro. Ele é um crime de ação, podendo ser por omissão ou comissão, com sujeitos ativos aqueles que têm o dever de guarda, educação, tratamento ou custódia da vítima. Admite tentativa apenas nas modalidades comissivas, e existe consumação com a prova de efetivo risco à vítima.

Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]
Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]
Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]

O documento discute a ortotanásia, afirmando que deixar morrer um paciente terminal não é o mesmo que matá-lo. A resolução CFM 1.805/2006 legitima a ortotanásia e não caracteriza crime. O Código de Ética Médica de 2009 também aprova a ortotanásia e proíbe a distanásia. Para ser crime, uma conduta precisa ser típica, ilícita e culpável, o que não ocorre com a ortotanásia.

ortotanasia distanasia eutanasia
Pluralidade de tentativas contra a
mesma vítima. Homicídio Consumado
e tentado contra a mesma vítima.
(Prova: CESPE - 2013 - PC-DF - Agente de Polícia) No que concerne
a crimes, julgue o item a seguir. Considere a seguinte situação
hipotética.
Alex agrediu fisicamente seu desafeto Lúcio, causando-lhe vários
ferimentos, e, durante a briga, decidiu matá-lo, efetuando um
disparo com sua arma de fogo, sem, contudo, acertá-lo.
Nessa situação hipotética, Alex responderá pelos crimes de lesão
corporal em concurso material com tentativa de homicídio.
( ) Certo ( ) Errado
Constitui-se no animus necandi, no animus occidendi, que
se traduzem a intenção de tirar a vida do ser humano. O que
configura o dolo do homicida é o agir consciente na prática de
ato cujo resultado será a morte de terceiro.
Também é possível o dolo eventual, em que o autor age
admitindo o óbito, no máximo, como possível, sem pretendê-lo
diretamente.
( Prova: FCC - 2014 - METRÔ-SP - Advogado Júnior /
Direito Penal / Tipicidade; Consumação e
tentativa; Crimes contra a vida; Homicídio; Lesões
corporais; Lesão corporal e suas diversas modalidades; )
Quem enterra no solo bombas de dinamite, em área
sujeita a reintegração de posse, comete crime de
a) tentativa de homicídio.
b) lesão corporal.
c) tentativa de explosão.
d) tentativa de lesões corporais.
e) explosão.

Recomendado para você

Direito penal III - Induzimento ao suicídio
Direito penal III - Induzimento ao suicídio Direito penal III - Induzimento ao suicídio
Direito penal III - Induzimento ao suicídio

O documento discute a participação no suicídio segundo o Código Penal brasileiro. A instigação ou indução ao suicídio pode levar à responsabilização penal por participação em suicídio. A omissão de socorro a um suicida também pode configurar crime, dependendo das circunstâncias e do dever de agir da pessoa. O elemento subjetivo requer dolo ou dolo eventual na conduta do agente.

instigação ou auxílio ao suicídio.induzimento
Omissão de socorro
Omissão de socorroOmissão de socorro
Omissão de socorro

Art. 135 - Deixar de prestar assistência, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, à criança abandonada ou extraviada, ou à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou em grave e iminente perigo; ou não pedir, nesses casos, o socorro da autoridade pública.

Dos crimes contra a inviolabilidade do sistema informático
Dos crimes contra a inviolabilidade do sistema informáticoDos crimes contra a inviolabilidade do sistema informático
Dos crimes contra a inviolabilidade do sistema informático

Este documento discute cibercrimes e a inclusão de tipos penais relacionados no Código Penal brasileiro. Ele define cibercrime, apresenta conceitos internacionais, discute casos notáveis e desafios no combate a esses crimes. O documento também analisa a situação no Brasil e como o Anteprojeto do Código Penal trata de novos tipos penais como invasão de sistema, estelionato informático e intrusão informática.

cybercrime cibercrime investigação
( Prova: VUNESP - 2015 - PC-CE - Inspetor de Polícia Civil de 1a Classe /
Direito Penal / Crimes contra a vida; Homicídio). O indivíduo “B” descobre
que a companhia aérea “X” é a que esteve envolvida no maior número de
acidentes aéreos nos últimos anos. O indivíduo “B” então compra,
regularmente, uma passagem aérea desta companhia e presenteia seu
pai com esta passagem, pois tem interesse que ele morra para receber sua
herança. O pai r ecebe a passagem e durante o respectivo vôo ocorre um
acidente aéreo que ocasiona sua morte. Diante dessas circunstâncias, é
correto afirmar que
a) o indivíduo “B” será responsabilizado pelo crime de homicídio culposo se for
demonstrado que o piloto do avião em que seu pai se encontrava agiu com culpa
no acidente que o vitimou
b) o indivíduo “B” será responsabilizado pelo crime de homicídio doloso se for
demonstrado que o piloto do avião em que seu pai se encontrava agiu com culpa
no acidente que o vitimou.
c) o indivíduo “B” será responsabilizado pelo crime de homicídio culposo, tendo
em vista que sem a sua ação o resultado não teria ocorrido
d) o indivíduo “B” não praticou e não poderá ser responsabilizado pelo crime de
homicídio.
e) o indivíduo “B” será responsabilizado pelo crime de homicídio doloso, tendo em
vista que sem a sua ação o resultado não teria ocorrido.
Homicídio: Nexo de Causalidade
Nexo causal é o vínculo existente entre a conduta do agente e
o resultado por ela produzido; examinar o nexo de
causalidade é descobrir quais condutas, positivas ou
negativas, deram causa ao resultado previsto em lei. Assim,
para se dizer que alguém causou um determinado fato, faz-se
necessário estabelecer a ligação entre a sua conduta e o
resultado gerado, isto é, verificar se de sua ação ou omissão
adveio o resultado. Trata-se de pressuposto inafastável tanto
na seara cível (art. 186 CC) como na penal (art. 13 CP).
( Prova: FCC - 2014 - METRÔ-SP - Advogado
Júnio). Quem enterra no solo bombas de
dinamite, em área sujeita a reintegração
de posse, comete crime de
a) tentativa de homicídio.
b) lesão corporal.
c) tentativa de explosão.
d) tentativa de lesões corporais.
e) explosão.

Recomendado para você

O homicídio parte 02
O homicídio   parte 02O homicídio   parte 02
O homicídio parte 02

O documento discute as modalidades de homicídio no direito penal brasileiro, incluindo homicídio simples, privilegiado, qualificado e culposo. Aborda questões como as causas de aumento e diminuição de pena, as hipóteses de homicídio privilegiado, como legítima defesa da honra e homicídio sob emoção violenta, e as qualificadoras do homicídio qualificado, tais como motivos, meios e fins.

homicídio modalidades
Rj palestra lmp_crimes pessoa
Rj palestra lmp_crimes pessoaRj palestra lmp_crimes pessoa
Rj palestra lmp_crimes pessoa

O documento discute crimes contra a vida, especialmente homicídios de mulheres, e propõe reformas no Código Penal brasileiro. Apresenta estatísticas alarmantes sobre violência doméstica contra mulheres e argumenta que a ampliação das hipóteses de prisão preventiva na Lei Maria da Penha é constitucional devido ao ciclo de violência habitual nesses crimes.

Classificaçao dos crimes contra a vida
Classificaçao dos crimes contra a vidaClassificaçao dos crimes contra a vida
Classificaçao dos crimes contra a vida

1. O documento descreve os crimes contra a vida previstos no Código Penal brasileiro, incluindo homicídio, infanticídio e aborto. 2. O homicídio pode ser doloso simples, privilegiado, qualificado ou culposo. O homicídio privilegiado ocorre quando há motivo de valor social ou moral ou forte emoção após provocação. 3. O objeto jurídico protegido é a vida existente a partir do início do parto.

crimes contra a vida
(Prova: FGV - 2013 - OAB - Exame de Ordem Unificado - XII -
Primeira Fase). Paula, com intenção de matar Maria,
desfere contra ela quinze facadas, todas na região do
tórax. Cerca de duas horas após a ação de Paula, Maria
vem a falecer. Todavia, a causa mortis determinada pelo
auto de exame cadavérico foi envenenamento.
Posteriormente, soube-se que Maria nutria intenções
suicidas e que, na manhã dos fatos, havia ingerido veneno.
Com base na situação descrita, assinale a afirmativa correta.
a) Paula responderá por homicídio doloso consumado.
b) Paula responderá por tentativa de homicídio.
c) O veneno, em relação às facadas, configura concausa
relativamente independente superveniente que por si só gerou o
resultado.
d) O veneno, em relação às facadas, configura concausa
absolutamente independente concomitante.
 ( Prova: FEPESE - 2014 - MPE-SC - Procurador do
Estado / Direito Penal)
 Gisele trafegava em velocidade compatível com a via
quando teve seu veículo abalroado pelo carro de Luiz.
Como ele estava embriagado, evadiu-se do local
deixando Gisele com ferimentos insignificantes. Esta
chamou a polícia rodoviária que atendeu à ocorrência
indo ao local do acidente. Chegando lá os oficiais
entenderam por bem colocar a jovem na viatura e levá-
la até o pronto-socorro mais próximo a fim de afastar
qualquer suspeita de ferimentos internos. No trajeto
até o pronto-socorro foram atingidos pela
caminhonete de Bernardo, que vinha em alta
velocidade e furou um sinal vermelho. Pela
intensidade do choque Gisele veio a óbito no local do
acidente em razão de traumatismo craniano
provocado pela segunda batida.

Sabendo que não foi feita prova que pudesse atestar a
alcoolemia de Luiz, assinale a alternativa correta.
 a) Bernardo vai responder por homicídio culposo.
 b) Luiz vai responder por homicídio doloso, porque estava
embriagado.
 c) Luiz vai responder por homicídio culposo e por dirigir
embriagado.
 d) Luiz vai responder pela evasão do local do sinistro e
pela lesão corporal leve sofrida por Gisele.
 e) Luiz vai responder por homicídio culposo já que a
primeira batida possui nexo de causalidade com o
resultado final.

Recomendado para você

Crimes contra a Liberdade individual
Crimes contra a Liberdade individualCrimes contra a Liberdade individual
Crimes contra a Liberdade individual

1. O documento discute os crimes contra a liberdade individual de sequestro e cárcere privado, definindo o bem jurídico tutelado como a liberdade individual, especialmente a liberdade ambulatorial. 2. Os sujeitos do delito podem ser qualquer pessoa, mas a qualidade do sujeito ativo ou passivo pode alterar a tipificação penal. O crime é consumado quando a vítima é privada da liberdade por tempo juridicamente relevante. 3. Há distinção entre sequestro e cárcere privado no modo como é restringida a

Infrações e crimes contra a Ordem Econômica
Infrações e crimes contra a Ordem EconômicaInfrações e crimes contra a Ordem Econômica
Infrações e crimes contra a Ordem Econômica

O documento discute infrações e crimes contra a ordem econômica no Brasil. Apresenta a Lei 12.529/2011, que previne e reprime tais infrações de acordo com a Constituição, protegendo a livre iniciativa e concorrência. Também menciona o acordo de leniência para redução de penas e a Lei 9.279/1996, que tipifica atos de concorrência desleal.

Direito penal 3 - aborto
Direito penal 3 -   abortoDireito penal 3 -   aborto
Direito penal 3 - aborto

O documento resume os principais pontos do direito penal sobre aborto de acordo com o Código Penal brasileiro, incluindo: 1) as definições de aborto natural, acidental e criminoso; 2) os crimes de aborto provocado pela própria gestante ou com seu consentimento e sem seu consentimento; 3) as causas de exclusão da ilicitude como aborto terapêutico ou por estupro.

“O assassinato de gêmeos siameses (xifópagos)
configura dois crimes de homicídio, ainda que o
agente tenha atingido o corpo de apenas um deles,
pois a morte de um leva, inexoravelmente, à morte do
outro.” (Gonçalves, p. 75)
Cristiano Pedreira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Direito penal iii crimes contra a liberdade pessoal
Direito penal iii   crimes contra a liberdade pessoalDireito penal iii   crimes contra a liberdade pessoal
Direito penal iii crimes contra a liberdade pessoal
Urbano Felix Pugliese
 
Respostas exercícios cálculo da pena
Respostas exercícios cálculo da penaRespostas exercícios cálculo da pena
Respostas exercícios cálculo da pena
Rafa1317
 
Direito penal iii furto
Direito penal iii   furtoDireito penal iii   furto
Direito penal iii furto
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal i a conduta
Direito penal i   a condutaDireito penal i   a conduta
Direito penal i a conduta
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiaçãoDireito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Urbano Felix Pugliese
 
Inquérito Policial
Inquérito PolicialInquérito Policial
Inquérito Policial
Antonio Pereira
 
Lei penal no tempo e no espaço
Lei penal no tempo e no espaçoLei penal no tempo e no espaço
Lei penal no tempo e no espaço
crisdupret
 
Direito penal ii concurso de crimes
Direito penal ii   concurso de crimesDireito penal ii   concurso de crimes
Direito penal ii concurso de crimes
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal parte geral - slides - caderno
Direito penal   parte geral - slides - cadernoDireito penal   parte geral - slides - caderno
Direito penal parte geral - slides - caderno
edgardrey
 
2012.1 semana 4 direitos da personalidade
2012.1 semana 4   direitos da personalidade2012.1 semana 4   direitos da personalidade
2012.1 semana 4 direitos da personalidade
Nilo Tavares
 
Causas De Extinção Da Punibilidade
Causas De Extinção Da PunibilidadeCausas De Extinção Da Punibilidade
Causas De Extinção Da Punibilidade
Antonio Pereira
 
CONCURSO DE CRIMES
CONCURSO DE CRIMESCONCURSO DE CRIMES
CONCURSO DE CRIMES
crisdupret
 
Habeas data constitucional iii
Habeas data constitucional iiiHabeas data constitucional iii
Habeas data constitucional iii
Evani Vieira Carneiro
 
Consumacao e tentativa
Consumacao e tentativaConsumacao e tentativa
Consumacao e tentativa
Welington H. Henriques Fernandes
 
Direito real de laje
Direito real de lajeDireito real de laje
Direito real de laje
IRIB
 
Aula 01 direito das obrigações - introdução
Aula 01   direito das obrigações - introduçãoAula 01   direito das obrigações - introdução
Aula 01 direito das obrigações - introdução
Laisy Quesado
 
Direito penal parte geral
Direito penal parte geralDireito penal parte geral
Direito penal parte geral
mariocanel
 
Direito civil ii
Direito civil iiDireito civil ii
Direito civil ii
railsoncsilva
 
Aula 02 direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
Aula 02   direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iAula 02   direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
Aula 02 direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
Urbano Felix Pugliese
 
Direito Empresarial - Títulos de Crédito.
Direito Empresarial - Títulos de Crédito.Direito Empresarial - Títulos de Crédito.
Direito Empresarial - Títulos de Crédito.
Rondinelle Silva
 

Mais procurados (20)

Direito penal iii crimes contra a liberdade pessoal
Direito penal iii   crimes contra a liberdade pessoalDireito penal iii   crimes contra a liberdade pessoal
Direito penal iii crimes contra a liberdade pessoal
 
Respostas exercícios cálculo da pena
Respostas exercícios cálculo da penaRespostas exercícios cálculo da pena
Respostas exercícios cálculo da pena
 
Direito penal iii furto
Direito penal iii   furtoDireito penal iii   furto
Direito penal iii furto
 
Direito penal i a conduta
Direito penal i   a condutaDireito penal i   a conduta
Direito penal i a conduta
 
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiaçãoDireito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
 
Inquérito Policial
Inquérito PolicialInquérito Policial
Inquérito Policial
 
Lei penal no tempo e no espaço
Lei penal no tempo e no espaçoLei penal no tempo e no espaço
Lei penal no tempo e no espaço
 
Direito penal ii concurso de crimes
Direito penal ii   concurso de crimesDireito penal ii   concurso de crimes
Direito penal ii concurso de crimes
 
Direito penal parte geral - slides - caderno
Direito penal   parte geral - slides - cadernoDireito penal   parte geral - slides - caderno
Direito penal parte geral - slides - caderno
 
2012.1 semana 4 direitos da personalidade
2012.1 semana 4   direitos da personalidade2012.1 semana 4   direitos da personalidade
2012.1 semana 4 direitos da personalidade
 
Causas De Extinção Da Punibilidade
Causas De Extinção Da PunibilidadeCausas De Extinção Da Punibilidade
Causas De Extinção Da Punibilidade
 
CONCURSO DE CRIMES
CONCURSO DE CRIMESCONCURSO DE CRIMES
CONCURSO DE CRIMES
 
Habeas data constitucional iii
Habeas data constitucional iiiHabeas data constitucional iii
Habeas data constitucional iii
 
Consumacao e tentativa
Consumacao e tentativaConsumacao e tentativa
Consumacao e tentativa
 
Direito real de laje
Direito real de lajeDireito real de laje
Direito real de laje
 
Aula 01 direito das obrigações - introdução
Aula 01   direito das obrigações - introduçãoAula 01   direito das obrigações - introdução
Aula 01 direito das obrigações - introdução
 
Direito penal parte geral
Direito penal parte geralDireito penal parte geral
Direito penal parte geral
 
Direito civil ii
Direito civil iiDireito civil ii
Direito civil ii
 
Aula 02 direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
Aula 02   direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iAula 02   direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
Aula 02 direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
 
Direito Empresarial - Títulos de Crédito.
Direito Empresarial - Títulos de Crédito.Direito Empresarial - Títulos de Crédito.
Direito Empresarial - Títulos de Crédito.
 

Destaque

O homicídio modalidades continuação
O homicídio   modalidades continuaçãoO homicídio   modalidades continuação
O homicídio modalidades continuação
ProfPedreira
 
Dos crimes contra a vida ou pessoa
Dos crimes contra a vida ou pessoaDos crimes contra a vida ou pessoa
Dos crimes contra a vida ou pessoa
Yara Souto Maior
 
Penal 3 - Dos crimes contra a liberdade pessoal
Penal 3 - Dos crimes contra a liberdade pessoalPenal 3 - Dos crimes contra a liberdade pessoal
Penal 3 - Dos crimes contra a liberdade pessoal
ProfPedreira
 
Homicídio de jovens
Homicídio de jovensHomicídio de jovens
O homicida e suas qualificações
O homicida e suas qualificaçõesO homicida e suas qualificações
O homicida e suas qualificações
Thiago Santos Felicissimo
 
Maus tratos
Maus tratosMaus tratos
Maus tratos
ProfPedreira
 
Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]
Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]
Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]
Leonardo Bax
 
Direito penal III - Induzimento ao suicídio
Direito penal III - Induzimento ao suicídio Direito penal III - Induzimento ao suicídio
Direito penal III - Induzimento ao suicídio
ProfPedreira
 
Omissão de socorro
Omissão de socorroOmissão de socorro
Omissão de socorro
ProfPedreira
 
Dos crimes contra a inviolabilidade do sistema informático
Dos crimes contra a inviolabilidade do sistema informáticoDos crimes contra a inviolabilidade do sistema informático
Dos crimes contra a inviolabilidade do sistema informático
José Mariano Araujo Filho
 
O homicídio parte 02
O homicídio   parte 02O homicídio   parte 02
O homicídio parte 02
ProfPedreira
 
Rj palestra lmp_crimes pessoa
Rj palestra lmp_crimes pessoaRj palestra lmp_crimes pessoa
Rj palestra lmp_crimes pessoa
AtualidadesdoDireito
 
Classificaçao dos crimes contra a vida
Classificaçao dos crimes contra a vidaClassificaçao dos crimes contra a vida
Classificaçao dos crimes contra a vida
kalages
 
Crimes contra a Liberdade individual
Crimes contra a Liberdade individualCrimes contra a Liberdade individual
Crimes contra a Liberdade individual
crisdupret
 
Infrações e crimes contra a Ordem Econômica
Infrações e crimes contra a Ordem EconômicaInfrações e crimes contra a Ordem Econômica
Infrações e crimes contra a Ordem Econômica
Mateus Felisberto
 
Direito penal 3 - aborto
Direito penal 3 -   abortoDireito penal 3 -   aborto
Direito penal 3 - aborto
ProfPedreira
 
Dos crimes contra a honra - Parte Geral
Dos crimes contra a honra  - Parte GeralDos crimes contra a honra  - Parte Geral
Dos crimes contra a honra - Parte Geral
ProfPedreira
 
Crimes contra a dignidade sexual magistrados
Crimes contra a dignidade sexual   magistradosCrimes contra a dignidade sexual   magistrados
Crimes contra a dignidade sexual magistrados
Raimundo José Silva
 
Direito penal iv incolumidade - perigo comum
Direito penal iv   incolumidade - perigo comumDireito penal iv   incolumidade - perigo comum
Direito penal iv incolumidade - perigo comum
Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal iv incolumidade - segurança
Direito penal iv   incolumidade - segurançaDireito penal iv   incolumidade - segurança
Direito penal iv incolumidade - segurança
Urbano Felix Pugliese
 

Destaque (20)

O homicídio modalidades continuação
O homicídio   modalidades continuaçãoO homicídio   modalidades continuação
O homicídio modalidades continuação
 
Dos crimes contra a vida ou pessoa
Dos crimes contra a vida ou pessoaDos crimes contra a vida ou pessoa
Dos crimes contra a vida ou pessoa
 
Penal 3 - Dos crimes contra a liberdade pessoal
Penal 3 - Dos crimes contra a liberdade pessoalPenal 3 - Dos crimes contra a liberdade pessoal
Penal 3 - Dos crimes contra a liberdade pessoal
 
Homicídio de jovens
Homicídio de jovensHomicídio de jovens
Homicídio de jovens
 
O homicida e suas qualificações
O homicida e suas qualificaçõesO homicida e suas qualificações
O homicida e suas qualificações
 
Maus tratos
Maus tratosMaus tratos
Maus tratos
 
Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]
Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]
Ortotanásia não é homicídio , nem eutanásia[bax]
 
Direito penal III - Induzimento ao suicídio
Direito penal III - Induzimento ao suicídio Direito penal III - Induzimento ao suicídio
Direito penal III - Induzimento ao suicídio
 
Omissão de socorro
Omissão de socorroOmissão de socorro
Omissão de socorro
 
Dos crimes contra a inviolabilidade do sistema informático
Dos crimes contra a inviolabilidade do sistema informáticoDos crimes contra a inviolabilidade do sistema informático
Dos crimes contra a inviolabilidade do sistema informático
 
O homicídio parte 02
O homicídio   parte 02O homicídio   parte 02
O homicídio parte 02
 
Rj palestra lmp_crimes pessoa
Rj palestra lmp_crimes pessoaRj palestra lmp_crimes pessoa
Rj palestra lmp_crimes pessoa
 
Classificaçao dos crimes contra a vida
Classificaçao dos crimes contra a vidaClassificaçao dos crimes contra a vida
Classificaçao dos crimes contra a vida
 
Crimes contra a Liberdade individual
Crimes contra a Liberdade individualCrimes contra a Liberdade individual
Crimes contra a Liberdade individual
 
Infrações e crimes contra a Ordem Econômica
Infrações e crimes contra a Ordem EconômicaInfrações e crimes contra a Ordem Econômica
Infrações e crimes contra a Ordem Econômica
 
Direito penal 3 - aborto
Direito penal 3 -   abortoDireito penal 3 -   aborto
Direito penal 3 - aborto
 
Dos crimes contra a honra - Parte Geral
Dos crimes contra a honra  - Parte GeralDos crimes contra a honra  - Parte Geral
Dos crimes contra a honra - Parte Geral
 
Crimes contra a dignidade sexual magistrados
Crimes contra a dignidade sexual   magistradosCrimes contra a dignidade sexual   magistrados
Crimes contra a dignidade sexual magistrados
 
Direito penal iv incolumidade - perigo comum
Direito penal iv   incolumidade - perigo comumDireito penal iv   incolumidade - perigo comum
Direito penal iv incolumidade - perigo comum
 
Direito penal iv incolumidade - segurança
Direito penal iv   incolumidade - segurançaDireito penal iv   incolumidade - segurança
Direito penal iv incolumidade - segurança
 

Semelhante a Direito penal III - aula 01 - homicídio

Pc exercicios leis especiais aula 13
Pc exercicios leis especiais aula 13Pc exercicios leis especiais aula 13
Pc exercicios leis especiais aula 13
Neon Online
 
Crimes contra a pessoa 22- 07 - 2017
Crimes contra a pessoa   22- 07 - 2017Crimes contra a pessoa   22- 07 - 2017
Crimes contra a pessoa 22- 07 - 2017
Neon Online
 
Pc exercicios (penal) aula 15
Pc exercicios (penal)   aula 15Pc exercicios (penal)   aula 15
Pc exercicios (penal) aula 15
Neon Online
 
Crimes contra a pessoa 15 - 07 - 2017
Crimes contra a pessoa   15 - 07 - 2017Crimes contra a pessoa   15 - 07 - 2017
Crimes contra a pessoa 15 - 07 - 2017
Neon Online
 
Dir. penal 3 tipicidade compressed (1)
Dir. penal 3  tipicidade compressed (1)Dir. penal 3  tipicidade compressed (1)
Dir. penal 3 tipicidade compressed (1)
Alexandre Bento
 
Oficina Penal e Processo Penal de Wagner Muniz - Estácio 2022.1.pptx
Oficina Penal e Processo Penal de Wagner Muniz - Estácio 2022.1.pptxOficina Penal e Processo Penal de Wagner Muniz - Estácio 2022.1.pptx
Oficina Penal e Processo Penal de Wagner Muniz - Estácio 2022.1.pptx
Wagner Muniz
 
Dir. penal 5 culpabilidade compressed (1)
Dir. penal 5  culpabilidade compressed (1)Dir. penal 5  culpabilidade compressed (1)
Dir. penal 5 culpabilidade compressed (1)
Alexandre Bento
 
Exercício direito penal
Exercício   direito penalExercício   direito penal
Exercício direito penal
Ricardo Daniel
 
Sentença
SentençaSentença
Sentença
Jamildo Melo
 
Apostila 2012
Apostila 2012Apostila 2012
Apostila 2012
fabio leite
 
Aula 07 Direito Penal
Aula 07 Direito PenalAula 07 Direito Penal
Aula 07 Direito Penal
Estudante
 
Teoria do erro
Teoria do erroTeoria do erro
Teoria do erro
Paulo Russel
 
2016823 11634 direito+penal+especial+i+-+aula+6+-+slides
2016823 11634 direito+penal+especial+i+-+aula+6+-+slides2016823 11634 direito+penal+especial+i+-+aula+6+-+slides
2016823 11634 direito+penal+especial+i+-+aula+6+-+slides
Fernanda Fernandes
 
Apelação cível. responsabilidade civil.
Apelação cível. responsabilidade civil.Apelação cível. responsabilidade civil.
Apelação cível. responsabilidade civil.
allaymer
 
Direito penal iii homicídio
Direito penal iii   homicídioDireito penal iii   homicídio
Direito penal iii homicídio
Urbano Felix Pugliese
 
Crimes dolosos contra a vida Uneal.pptx
Crimes dolosos contra a vida Uneal.pptxCrimes dolosos contra a vida Uneal.pptx
Crimes dolosos contra a vida Uneal.pptx
AndersonSantosdosPas
 
Crimes Contra a Pessoa - Homicidio, Feminicido, Infanticido, Aborto
Crimes Contra a Pessoa - Homicidio, Feminicido, Infanticido, AbortoCrimes Contra a Pessoa - Homicidio, Feminicido, Infanticido, Aborto
Crimes Contra a Pessoa - Homicidio, Feminicido, Infanticido, Aborto
ProjetosNiotron
 
Razões_de_apelação_homicídio - Antônio_Pereira
Razões_de_apelação_homicídio - Antônio_PereiraRazões_de_apelação_homicídio - Antônio_Pereira
Razões_de_apelação_homicídio - Antônio_Pereira
Eliton Meneses
 
57 questoes de_direito_penal - parte geral
57 questoes de_direito_penal - parte geral57 questoes de_direito_penal - parte geral
57 questoes de_direito_penal - parte geral
Pereira Queiroz
 
Walter 290806 impunidade1
Walter 290806 impunidade1Walter 290806 impunidade1
Walter 290806 impunidade1
jojinho
 

Semelhante a Direito penal III - aula 01 - homicídio (20)

Pc exercicios leis especiais aula 13
Pc exercicios leis especiais aula 13Pc exercicios leis especiais aula 13
Pc exercicios leis especiais aula 13
 
Crimes contra a pessoa 22- 07 - 2017
Crimes contra a pessoa   22- 07 - 2017Crimes contra a pessoa   22- 07 - 2017
Crimes contra a pessoa 22- 07 - 2017
 
Pc exercicios (penal) aula 15
Pc exercicios (penal)   aula 15Pc exercicios (penal)   aula 15
Pc exercicios (penal) aula 15
 
Crimes contra a pessoa 15 - 07 - 2017
Crimes contra a pessoa   15 - 07 - 2017Crimes contra a pessoa   15 - 07 - 2017
Crimes contra a pessoa 15 - 07 - 2017
 
Dir. penal 3 tipicidade compressed (1)
Dir. penal 3  tipicidade compressed (1)Dir. penal 3  tipicidade compressed (1)
Dir. penal 3 tipicidade compressed (1)
 
Oficina Penal e Processo Penal de Wagner Muniz - Estácio 2022.1.pptx
Oficina Penal e Processo Penal de Wagner Muniz - Estácio 2022.1.pptxOficina Penal e Processo Penal de Wagner Muniz - Estácio 2022.1.pptx
Oficina Penal e Processo Penal de Wagner Muniz - Estácio 2022.1.pptx
 
Dir. penal 5 culpabilidade compressed (1)
Dir. penal 5  culpabilidade compressed (1)Dir. penal 5  culpabilidade compressed (1)
Dir. penal 5 culpabilidade compressed (1)
 
Exercício direito penal
Exercício   direito penalExercício   direito penal
Exercício direito penal
 
Sentença
SentençaSentença
Sentença
 
Apostila 2012
Apostila 2012Apostila 2012
Apostila 2012
 
Aula 07 Direito Penal
Aula 07 Direito PenalAula 07 Direito Penal
Aula 07 Direito Penal
 
Teoria do erro
Teoria do erroTeoria do erro
Teoria do erro
 
2016823 11634 direito+penal+especial+i+-+aula+6+-+slides
2016823 11634 direito+penal+especial+i+-+aula+6+-+slides2016823 11634 direito+penal+especial+i+-+aula+6+-+slides
2016823 11634 direito+penal+especial+i+-+aula+6+-+slides
 
Apelação cível. responsabilidade civil.
Apelação cível. responsabilidade civil.Apelação cível. responsabilidade civil.
Apelação cível. responsabilidade civil.
 
Direito penal iii homicídio
Direito penal iii   homicídioDireito penal iii   homicídio
Direito penal iii homicídio
 
Crimes dolosos contra a vida Uneal.pptx
Crimes dolosos contra a vida Uneal.pptxCrimes dolosos contra a vida Uneal.pptx
Crimes dolosos contra a vida Uneal.pptx
 
Crimes Contra a Pessoa - Homicidio, Feminicido, Infanticido, Aborto
Crimes Contra a Pessoa - Homicidio, Feminicido, Infanticido, AbortoCrimes Contra a Pessoa - Homicidio, Feminicido, Infanticido, Aborto
Crimes Contra a Pessoa - Homicidio, Feminicido, Infanticido, Aborto
 
Razões_de_apelação_homicídio - Antônio_Pereira
Razões_de_apelação_homicídio - Antônio_PereiraRazões_de_apelação_homicídio - Antônio_Pereira
Razões_de_apelação_homicídio - Antônio_Pereira
 
57 questoes de_direito_penal - parte geral
57 questoes de_direito_penal - parte geral57 questoes de_direito_penal - parte geral
57 questoes de_direito_penal - parte geral
 
Walter 290806 impunidade1
Walter 290806 impunidade1Walter 290806 impunidade1
Walter 290806 impunidade1
 

Último

Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 

Direito penal III - aula 01 - homicídio

  • 1. III
  • 2. PREVISÃO LEGAL: Art. 121, do Código Penal
  • 3. OBJETIVIDADE JURÍDICA: Proteção da vida extrauterina. Distingue-se o homicídio do aborto, por conta dos objetos de proteção dos crimes serem diversos.
  • 4. AÇÃO NUCLEAR Matar = destruir a vida humana MEIOS Comissivo e Omissivo
  • 5. ( Prova: FUNDEP - 2014 - DPE-MG - Defensor Público / Direito Penal / Crimes contra a vida; Homicídio). Analise a situação a seguir. Uma mulher procurou o salva-vidas de uma praia que estava em vias de prestar socorro a um rapaz que se debatia na água. Ela disse ao salva-vidas que conhecia o suposto afogado, afirmando com veemência que ele estava brincando, já que era um excelente nadador. Diante das informações prestadas pela mulher, negligenciando sua função, o salva-vidas deixou de prestar o socorro que poderia ter acarretado o salvamento. O afogado, assim, morreu. Na verdade, a mulher conhecia o afogado, seu desafeto, e pretendia vê-lo morto. Diante da situação narrada, pergunta-se:
  • 6. É CORRETO afirmar que a) houve homicídio em concurso de pessoas entre a mulher e o salva-vidas. b) a mulher foi autora de omissão de socorro e o salva- vidas foi autor direto de homicídio doloso. c) o salva-vidas foi autor de homicídio culposo através de omissão imprópria e a mulher foi autora mediata de homicídio doloso. d) houve omissão de socorro em concurso de pessoas entre a mulher e o salva-vidas.
  • 7. ( Prova: IBFC - 2013 - PC-RJ - Oficial de Cartório / Direito Penal / Crimes contra a vida; Homicídio) Um policial civil regularmente designado para atuar como responsável pela carceragem de uma Delegacia de Polícia é cientificado por familiares de um preso temporário que este sofre de “diabetes” grave e que necessita de constantes injeções de “insulina” para manter a doença sob controle, sendo-lhe exibido o respectivo laudo médico. O agente público simplesmente ignora esta informação e não a transmite aos seus superiores hierárquicos, mantendo o indivíduo no cárcere sem qualquer assistência médica.
  • 8. Dias depois, o preso é encontrado caído no chão da cela com visíveis sinais tanatológicos, sendo o óbito constatado e a causa mortis apurada como decorrente da ausência de controle glicêmico. No caso em tela o policial civil estará sujeito à responsabilização penal pela prática do crime de: a) Homicídio. b) Omissão de socorro. c) Prevaricação. d) Tortura. e) Abuso de autoridade.
  • 9. SUJEITO ATIVO: Trata-se de crime comum. As hipóteses de autoria mediata, colateral e incerta.
  • 10. (Prova: TRT 22 PI - 2013 - TRT - 22ª Região (PI) - Juiz do Trabalho - Prova 1 / Direito Penal / Concurso de Pessoas; Autoria e coautoria; Participação). Pereirão era um sujeito odiado no povoado em que morava. Acabava festas, brigava, dava surras em pessoas, estuprava mulheres. Era um terror. Em razão disso, angariou muitos inimigos, entre eles, Nepomuceno e Nicodemos, que, apesar da semelhança dos nomes, não eram sequer parentes. Ambos queriam matar Pereirão, mas nunca fizeram prévio contato para ajustarem suas condutas.
  • 11. Em determinado dia, sabendo que Pereirão passava por um beco escuro para se recolher à noite, Nepomuceno e Nicodemos se armaram de armas de fogo e foram emboscar a vítima, repita-se, sem saberem da conduta um do outro. No momento em que Pereirão passava, eles atiraram e a vítima faleceu em razão dos ferimentos causados. No caso, analisando sob o aspecto do concurso de pessoas, em qual das hipóteses eles se enquadram: a) co-autoria; b) autoria mediata, c) participação; d) autoria colateral; e) autoria ignorada
  • 12. ( Prova: CESPE - 2009 - SEJUS-ES - Agente Penitenciário / Direito Penal / Concurso de Pessoas; Tipicidade; Autoria e coautoria; Erro do tipo essencial) Acerca dos institutos relativos à parte especial do Código Penal, julgue os itens de 78 a 84. Suponha que Antônio, imputável, dono de mercearia, com a inequívoca intenção de matar Juarez, tenha induzido a erro Carla, imputável e empregada doméstica de Juarez, vendendo a ela arsênico em vez de açúcar, que ela ministrou na alimentação de Juarez, provocando a morte deste.
  • 13. Nessa situação, Antônio deve ser responsável pelo crime como autor mediato, e a empregada doméstica, Carla, deve ter excluída a ilicitude de sua conduta, incorrendo em erro de tipo essencial. ( ) Certo ( ) Errado
  • 14. SUJEITO PASSIVO: Trata-se de crime comum. Error in personae: art. 20, pár. 3º, CP.
  • 15. (Prova: FGV - 2014 - DPE-DF - Analista - Assistência Judiciária / Direito Penal / Tipicidade; Erro do tipo essencial; Erro de tipo acidental). Jorge pretendia matar sua irmã, Ana, para passar a ser o único beneficiário de herança que ambos receberiam. No dia do crime, Jorge fica à espreita enquanto Ana sai da garagem em seu carro. Ocorre que, naquele dia não era Ana que estava ao volante, como ocorria diariamente, mas sim seu namorado. Ana se encontrava no banco do carona. Jorge sabia que sua irmã sempre dirigia seu próprio carro e, assim, tinha certeza de que estaria mirando a arma na direção de Ana, ainda que não conseguisse enxergar o interior do veículo devido aos vidros escuros. Jorge atira no veículo, mas o projétil atinge o namorado de Ana, que vem a falecer. É correto afirmar que Jorge praticou:
  • 16. a) o crime de tentativa de homicídio doloso qualificado contra Ana e de homicídio culposo contra o namorado de Ana. b) apenas um crime de homicídio doloso qualificado, mas não incidirá na hipótese a circunstância agravante em razão de ser Ana sua irmã, uma vez que foi o namorado desta última quem veio a falecer. c) o crime de tentativa de homicídio doloso qualificado contra Ana e de homicídio qualificado contra o namorado de Ana. d) apenas um crime de homicídio doloso qualificado, e a pena a ser aplicada ainda será agravada pelo fato de Ana ser sua irmã. e) apenas o crime de homicídio culposo contra o namorado de Ana.
  • 17. CONSUMAÇÃO Conforme a redação do art. 3º, da Lei no. 9.434/97, a consumação do crime ocorre com a morte encefálica.
  • 18. CONSUMAÇÃO. CONSIDERAÇÃO DOUTRINÁRIA. “Sem que tenha havido morte encefálica, não há que se falar em homicídio consumado, por mais grave que sejam as sequelas sofridas em decorrência do ato agressivo. Assim, se o agente efetuou disparos na cabeça da vítima, que, em razão disso, há anos permanece em vida vegetativa, sem reconhecer familiares e sem apresentar movimentos corporais, porém, com vida encefálica, ela, juridicamente, está viva, de modo que o autor da agressão só pode ser responsabilizado por tentativa de homicídio.” (Gonçalves, p. 60)
  • 20. EXERCÍCIO SOBRE CRIME IMPOSSÍVEL. (Prova: VUNESP - 2015 - PC-CE - Inspetor de Polícia Civil de 1a Classe) O indivíduo “B”, com intenção de matar a pessoa “D”, efetua dez disparos de arma de fogo em direção a um veículo que se encontra estacionado na via pública por imaginar que dentro desse veículo encontrava-se a pessoa “D”, contudo, não havia nenhuma pessoa no interior do veículo. Com relação à conduta praticada por “B”, é correto afirmar que:
  • 21. a) o indivíduo “B” poderá ser punido pelo crime de homicídio tentado, por analogia ao crime de homicídio em vista de sua intenção. b) o indivíduo “B” não poderá ser punido pelo crime de homicídio. c) o indivíduo “B” poderá ser punido pelo crime de homicídio consumado, em virtude da interpretação extensiva do crime de homicídio. d) o indivíduo “B” poderá ser punido pelo crime de homicídio consumado, por analogia ao crime de homicídio em vista de sua intenção. e) o indivíduo “B” poderá ser punido pelo crime de homicídio tentado, em virtude da interpretação extensiva do crime de homicídio em vista de sua intenção.
  • 22. PROVA DA MATERIALIDADE Caso Bruno X Eliseth Samúdio
  • 23.  INFORMATIVO DE JURISPRUDÊNCIA – STJ: HOMICÍDIO QUALIFICADO. PRONÚNCIA. FALTA DE MATERIALIDADE.AUSÊNCIA DO CORPO DA SUPOSTA VÍTIMA. Trata-se, na origem, de recurso em sentido estrito no qual o tribunal a quo entendeu existirem outras provas que demonstrariam a materialidade do crime, indicando a confissão do paciente e depoimentos testemunhais. A Turma negou a ordem ao entender que, nos termos do art. 167 do CPP, a prova testemunhal pode suprir a falta do exame de corpo de delito, caso desaparecidos os vestígios. O STJ já decidiu que tal situação se aplica, inclusive, aos casos de homicídio, se ocultado o corpo da vítima.
  • 24. Diante desse contexto, não se mostra possível avaliar profundamente as provas carreadas aos autos para concluir de modo diverso. Ademais, caberá aos jurados competentes a análise detida dos elementos de convicção carreados, por ocasião do julgamento pelo tribunal do júri, mostrando-se prematuro o trancamento do feito. Precedentes citados: HC 110.642-ES, DJe 6/4/2009; HC 79.735-RJ, DJ 3/12/2007; HC 205.763-PR, DJe 22/8/2011, e HC 204.733-RJ, DJe 25/8/2011. HC 170.507-SP, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, julgado em 16/2/2012.
  • 25. TENTATIVA Para que ocorra a tentativa são necessários três requisitos: 1. Que exista prova inequívoca de que o agente queria matar a vítima; 2. Que tenha havido início de execução do homicídio; 3. Que o resultado morte não tenha ocorrido por circunstâncias alheias à vontade do agente.
  • 26. EXERCÍCIO SOBRE TENTATIVA. Considere que Aldo, penalmente capaz, após ser fisicamente agredido por Jeremias, tenha comprado um revólver e, após municiá-lo, tenha ido ao local de trabalho de seu desafeto, sem, no entanto, o encontrar. Considere, ainda, que, sem desistir de seu intento, Aldo tenha se posicionado no caminho habitualmente utilizado por Jeremias, que, sem nada saber, tomou direção diversa. Flagrado pela polícia no momento em que esperava por Jeremias, Aldo entregou a arma que portava e narrou que pretendia atirar em seu desafeto. Nessa situação, Aldo responderá por tentativa imperfeita de homicídio, com pena reduzida de um a dois terços. ( ) Certo ( ) Errado
  • 27. (Prova: IPAD - 2014 - Prefeitura de Recife - PE - Agente de Segurança Municipal - Guarda Municipal). A respeito da tentativa, e correto afirmar que Beltrano que efetuou disparos de arma de fogo contra Ciclano, sem contudo atingi-lo, incorre: a) No crime de homicídio consumado, visto que a intenção de Beltrano era ceifar a vida de Ciclano b) Ameaça, visto que os disparos de arma de fogo não atingiram Ciclano. c) No crime de disparo de arma de fogo em via pública. d) A conduta e atipica, visto que Ciclano não foi atingido. e) Em tentativa de homicídio.
  • 28. MODALIDADES DE TENTATIVA. Tentativa Branca (ou incruenta) Tentativa Cruenta.
  • 29. TENTATIVA OU DESISTÊNCIA VOLUNTÁRIA. “ No Crime de homicídio, a desistência voluntária se mostra presente quando o agente dá início à execução, mas não consegue, de imediato, a morte da vítima, contudo, tendo ainda ao seu dispor formas de prosseguir no ataque e concretizar a morte, resolve, voluntariamente, não o fazer”. Contudo, “Para que haja o reconhecimento da desistência voluntária, é necessário que o agente tenha percebido que não alvejou a vítima de modo fatal. Por isso, se ele deixou de disparar novos projéteis por pensar que a vítima já estava morta, responde por tentativa de homicídio.” (Gonçalves, 65)
  • 30. DESISTÊNCIA VOLUNTÁRIA OU ARREPENDIMENTO EFICAZ: “Pode-se, portanto, dizer que se houver uma ação impeditiva do resultado, estará presente o arrependimento eficaz, e se houver uma omissão no prosseguimento dos atos executórios que estavam em andamento, haverá desistência voluntária.” (Gonçalves, p. 68)
  • 31. (Prova: FCC - 2014 - DPE-PB - Defensor Público / Direito Penal / Tipicidade; Desistência voluntária e arrependimento eficaz ; Arrependimento posterior). Decididamente disposto a matar Tício, por erro de pontaria o astuto Caio acerta-lhe de leve raspão um disparo no braço. Porém, assustado com o estrondo do estampido, e temendo acordar a vizinhança que o poderia prender, ao invés de descarregar a munição restante, Caio estrategicamente decide socorrer o cândido Tício que, levado ao hospital pelo próprio algoz, acaba logo liberado com curativo mínimo.
  • 32. Caio primeiramente diz, em sua autodefesa, que o tiro ocorrera por acidente, chegando ardilosamente a indenizar de pronto todos os prejuízos materiais e morais de Tício com o fato, mas sua trama acaba definitivamente desvendada pela límpida investigação policial que se segue. Com esses dados já indiscutíveis, mais precisamente pode-se classificar os fatos como a) tentativa de homicídio. b) desistência voluntária. c) arrependimento eficaz. d) arrependimento posterior. e) aberratio ictus.
  • 33. Pluralidade de tentativas contra a mesma vítima. Homicídio Consumado e tentado contra a mesma vítima.
  • 34. (Prova: CESPE - 2013 - PC-DF - Agente de Polícia) No que concerne a crimes, julgue o item a seguir. Considere a seguinte situação hipotética. Alex agrediu fisicamente seu desafeto Lúcio, causando-lhe vários ferimentos, e, durante a briga, decidiu matá-lo, efetuando um disparo com sua arma de fogo, sem, contudo, acertá-lo. Nessa situação hipotética, Alex responderá pelos crimes de lesão corporal em concurso material com tentativa de homicídio. ( ) Certo ( ) Errado
  • 35. Constitui-se no animus necandi, no animus occidendi, que se traduzem a intenção de tirar a vida do ser humano. O que configura o dolo do homicida é o agir consciente na prática de ato cujo resultado será a morte de terceiro. Também é possível o dolo eventual, em que o autor age admitindo o óbito, no máximo, como possível, sem pretendê-lo diretamente.
  • 36. ( Prova: FCC - 2014 - METRÔ-SP - Advogado Júnior / Direito Penal / Tipicidade; Consumação e tentativa; Crimes contra a vida; Homicídio; Lesões corporais; Lesão corporal e suas diversas modalidades; ) Quem enterra no solo bombas de dinamite, em área sujeita a reintegração de posse, comete crime de a) tentativa de homicídio. b) lesão corporal. c) tentativa de explosão. d) tentativa de lesões corporais. e) explosão.
  • 37. ( Prova: VUNESP - 2015 - PC-CE - Inspetor de Polícia Civil de 1a Classe / Direito Penal / Crimes contra a vida; Homicídio). O indivíduo “B” descobre que a companhia aérea “X” é a que esteve envolvida no maior número de acidentes aéreos nos últimos anos. O indivíduo “B” então compra, regularmente, uma passagem aérea desta companhia e presenteia seu pai com esta passagem, pois tem interesse que ele morra para receber sua herança. O pai r ecebe a passagem e durante o respectivo vôo ocorre um acidente aéreo que ocasiona sua morte. Diante dessas circunstâncias, é correto afirmar que
  • 38. a) o indivíduo “B” será responsabilizado pelo crime de homicídio culposo se for demonstrado que o piloto do avião em que seu pai se encontrava agiu com culpa no acidente que o vitimou b) o indivíduo “B” será responsabilizado pelo crime de homicídio doloso se for demonstrado que o piloto do avião em que seu pai se encontrava agiu com culpa no acidente que o vitimou. c) o indivíduo “B” será responsabilizado pelo crime de homicídio culposo, tendo em vista que sem a sua ação o resultado não teria ocorrido d) o indivíduo “B” não praticou e não poderá ser responsabilizado pelo crime de homicídio. e) o indivíduo “B” será responsabilizado pelo crime de homicídio doloso, tendo em vista que sem a sua ação o resultado não teria ocorrido.
  • 39. Homicídio: Nexo de Causalidade Nexo causal é o vínculo existente entre a conduta do agente e o resultado por ela produzido; examinar o nexo de causalidade é descobrir quais condutas, positivas ou negativas, deram causa ao resultado previsto em lei. Assim, para se dizer que alguém causou um determinado fato, faz-se necessário estabelecer a ligação entre a sua conduta e o resultado gerado, isto é, verificar se de sua ação ou omissão adveio o resultado. Trata-se de pressuposto inafastável tanto na seara cível (art. 186 CC) como na penal (art. 13 CP).
  • 40. ( Prova: FCC - 2014 - METRÔ-SP - Advogado Júnio). Quem enterra no solo bombas de dinamite, em área sujeita a reintegração de posse, comete crime de a) tentativa de homicídio. b) lesão corporal. c) tentativa de explosão. d) tentativa de lesões corporais. e) explosão.
  • 41. (Prova: FGV - 2013 - OAB - Exame de Ordem Unificado - XII - Primeira Fase). Paula, com intenção de matar Maria, desfere contra ela quinze facadas, todas na região do tórax. Cerca de duas horas após a ação de Paula, Maria vem a falecer. Todavia, a causa mortis determinada pelo auto de exame cadavérico foi envenenamento. Posteriormente, soube-se que Maria nutria intenções suicidas e que, na manhã dos fatos, havia ingerido veneno.
  • 42. Com base na situação descrita, assinale a afirmativa correta. a) Paula responderá por homicídio doloso consumado. b) Paula responderá por tentativa de homicídio. c) O veneno, em relação às facadas, configura concausa relativamente independente superveniente que por si só gerou o resultado. d) O veneno, em relação às facadas, configura concausa absolutamente independente concomitante.
  • 43.  ( Prova: FEPESE - 2014 - MPE-SC - Procurador do Estado / Direito Penal)  Gisele trafegava em velocidade compatível com a via quando teve seu veículo abalroado pelo carro de Luiz. Como ele estava embriagado, evadiu-se do local deixando Gisele com ferimentos insignificantes. Esta chamou a polícia rodoviária que atendeu à ocorrência indo ao local do acidente. Chegando lá os oficiais entenderam por bem colocar a jovem na viatura e levá- la até o pronto-socorro mais próximo a fim de afastar qualquer suspeita de ferimentos internos. No trajeto até o pronto-socorro foram atingidos pela caminhonete de Bernardo, que vinha em alta velocidade e furou um sinal vermelho. Pela intensidade do choque Gisele veio a óbito no local do acidente em razão de traumatismo craniano provocado pela segunda batida.
  • 44.  Sabendo que não foi feita prova que pudesse atestar a alcoolemia de Luiz, assinale a alternativa correta.  a) Bernardo vai responder por homicídio culposo.  b) Luiz vai responder por homicídio doloso, porque estava embriagado.  c) Luiz vai responder por homicídio culposo e por dirigir embriagado.  d) Luiz vai responder pela evasão do local do sinistro e pela lesão corporal leve sofrida por Gisele.  e) Luiz vai responder por homicídio culposo já que a primeira batida possui nexo de causalidade com o resultado final.
  • 45. “O assassinato de gêmeos siameses (xifópagos) configura dois crimes de homicídio, ainda que o agente tenha atingido o corpo de apenas um deles, pois a morte de um leva, inexoravelmente, à morte do outro.” (Gonçalves, p. 75)