SlideShare uma empresa Scribd logo
AULA 5-
DIETOTERAPIA I
Patologias GI – Estômago (II)
Sumário
 Patologias gástricas
 Indigestão ou dispesia
 Hipocloridria
 Gastrite aguda/crónica
 Úlcera péptica (gástrica e duodenal)
 Síndrome de Dumping
Estômago
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Ácido clorídrico – segregado pelas células
parietais em resposta ao estímulo da
acetilcolina, gastrina e histamina;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Mucosa do estômago e do duodeno está
normalmente protegida da acção proteolítica
do ácido gástrico e da pepsina por uma
camada de muco segregado por glândulas
nas paredes epiteliais desde o esófago (parte
inferior) até à porção superior do duodeno;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 A mucosa é protegida da invasão bacteriana
pela acção digestiva da pepsina e do ácido
clorídrico e também pela secreção de muco;
 O muco contêm bicarbonato e é segregado
pela mucosa (produção estimulada pela acção
das prostaglandinas), mas o pâncreas
também liberta suco pancreático para a
neutralização ácida no lúmen intestinal;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Fisiopatologia
 Indigestão ou dispepsia
 Termo indefinido usado frequentemente para
descrever qualquer desconforto epigástrico
depois das refeições, que ocorre como uma
consequência de uma desordem no trato
digestivo;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Indigestão ou dispepsia
 Causas
 Problemas psíquicos ou físicos (apendicite
crónica, úlcera, doenças da vesicular biliar,
gastrite crónica, refluxo GE, atraso do
esvaziamento gástrico, cancro, etc);
 Maus hábitos alimentares, quer em qualidade
quer em quantidade, excesso de alimentos de
difícil digestão;
 Comer rapidamente e mastigar
inadequadamente;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Indigestão ou dispepsia
 Dispepsia – pode ser benigna e com poucas
consequências ou pode indicar problemas mais
graves;
 Sintomatologia
 Dor abdominal vaga
 Inchaço
 Náuseas
 Regurgitação
 Arrotar
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Indigestão ou dispepsia
 Tratar a causa seja esta mental ou física –
Dieta equilibrada associada a hábitos
alimentares correctos;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Indigestão ou dispepsia
 Cuidados nutricionais
 Alimentos ou bebidas
 Gordura Cafeína Bebidas alcoólicas
 Açúcar Especiarias
 Controlo simples
 Comer lentamente, mastigar bem os alimentos
 Não comer ou beber demasiado (ref. ligeiras e pequeno
volume)
 Evitar excessos alimentares
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Hipocloridria
 Diminuição da quantidade de ácido clorídrico (HCL)
no suco gástrico;
 Consequências
 Proteínas mal digeridas
 Fermentação acelerada dos HC
 Mucosa gástrica muito sensível
 Pode surgir fermentação ou putrefacção, pois as
bactérias mantêm a sua acção devido à alteração de
pH, por diminuição da produção de ácido clorídrico;
 Diarreias
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Hipocloridria
 Cuidados nutricionais
 Retirar
 Leite (evita a introdução de bactérias)
 Fibras (provocam estase gástrica e diminuição do
esvaziamento gástrico)
 Gorduras (diminuem a produção de HCL e o
esvaziamento gástrico)
 Bebidas e alimentos gelados
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Hipocloridria
 Cuidados nutricionais
 Dar
 Sopas com baixo teor de gordura e caldos de
carne (estimulam a secreção de HCL);
 Hidratos de carbono complexos (amido) pois
fermentam menos;
 Frutas e vegetais cozidos (sem casca)
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Acloridria
 Ausência de HCL livre no suco gástrico, mas ainda
existe algum HCL na forma combinada;
 Aquilia
 Ausência total de HCL e de pepsina no suco gástrico;
 É uma situação frequente após radioterapia que
destrói as células parietais do estômago produtoras
de HCL;
 Atenção nestas situações que também pode haver
diminuição do factor intrínseco o que pode levar a def.
de vitamina B12;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite aguda
 Inflamação repentina e, por vezes violenta, da
mucosa gástrica, que não melhora com a
ingestão de alimentos;
 Sintomas
 Náuseas, vómitos, hemorragia, dor, mal estar,
anorexia e cefaleias;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite aguda
 Causas
 Ingestão de alimentos específicos para os quais o
indivíduo apresenta sensibilidade;
 Comer muito rapidamente;
 Comer após emoções fortes ou quando o
indivíduo se encontra muito cansado;
 Excesso de álcool, tabaco ou alimentos muito
condimentados;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite aguda
 Causas
 Ingestão de alimentos impróprios para consumo
ou de uma substância corrosiva;
 Medicamentos (aspirina ou AINES);
 Toxinas (infecção no dentes, nas amígdalas ou
nos seios nasais);
 Após radioterapia, trauma, queimadura, cirurgia,
hipoxia, choque, febre, icterícia ou falência renal;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite aguda
 Tratamento
 Remover a causa e/ou substância corrosiva o
mais rapidamente possível;
 Lavagem ao estômago e/ou provocar o
vómito;
 Irrigação do cólon e administração de um
laxante;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite aguda
 Tratamento
 Pausa alimentar durante 24-48h (nem água,
pois estimula a produção de suco gástrico);
 Líquidos são administrados por via
endovenosa;
 Re-alimentação após 24-48h;
 Líquidos incluindo leite;
 Caldos passados de legumes;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite aguda
 Tratamento
 Papas (leite com amido de milho ou com
cevada/arroz)
 Fruta cozida;
 Evitar caldos de carne;
 Fazer refeições pequenas e frequentes;
 Vai-se progredindo para uma dieta normal de
acordo com a tolerância do doente;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite crónica
 Definição
 Devido aos episódios repetidos de gastrite
aguda;
 Manifesta-se pela atrofia da mucosa e pela
diminuição da secreção gástrica com
consequente má digestão, diminuição da
secreção do FI e, portanto, da vitamina B12;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite crónica
 Sintomas
 Indigestão, perda de apetite, regurgitação,
náuseas, sensação de repleção, dores
epigástricas (vagas), vómitos;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite crónica
 Causas
 As causas da gastrite crónica são
desconhecidas;
 Este tipo de gastrite pode preceder úlceras e
neoplasias gástricas;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite crónica
 Causas
 Pensa-se que na sua origem podem estar:
 Excessos alimentares (como na gastrite aguda);
 Infecção no antro por Helicobacter pylori (organismo
Gram-negativo, flagelado, resistente ao ácido do
estômago e que produz ureases que por sua vez
produzem amónia facilitando a alcalinização imediata
ao redor da bactéria);
 Indirectamente relacionada com: tuberculose,
insuficiência cardíaca e/ou nefrite;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite crónica
 Existem 3 tipos de gastrite:
 Superficial
 Atrófica
 Hipertrófica
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite crónica
 Existem 3 tipos de gastrite:
 Superficial – inflamação na mucosa com
hemorragias e pequenas lesões;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite crónica
 Existem 3 tipos de gastrite:
 Atrófica – ocorre em todas as camadas do
estômago, e resulta numa diminuição no
número de células parietais e principais –
úlcera gástrica, neoplasia gástrica e/ou
anemia perniciosa;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite crónica
 Existem 3 tipos de gastrite:
 Hipertrófica – provoca o aparecimento de uma
mucosa inerte, nodular e irregular com
hemorragias frequentes;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite crónica
 Cuidados nutricionais
 O plano alimentar deve ser adequado em
energia e nutrientes, adaptado à
hipersensibilidade do doente;
 Deve ser de consistência mole;
 Refeições muito repartidas e pouco de cada
vez;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Gastrite crónica
 Cuidados nutricionais
 Mastigar bem os alimentos;
 Identificar e evitar alimentos causadores de
desconforto e/ou muito condimentados;
 Não ingerir quantidade excessiva de líquidos
durante as refeições (pode provocar distensão
gástrica);
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Úlcera péptica
 Definição
 Lesão erosiva da mucosa gástrica (úlcera
gástrica) ou da mucosa duodenal (úlcera
duodenal);
 A localização da úlcera determina a sua
nomenclatura; Frequentemente, ambos os
tipos são agrupados com um termo comum –
úlcera péptica;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Úlcera péptica
 Frequência/Incidência
 A úlcera duodenal é mais comum do que a
gástrica;
 Ambos os tipos ocorrem mais frequentemente
nos homens;
 As úlceras gástricas são menos frequentes, no
entanto estão mais associadas a malignidade
e a mortalidade;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Úlcera péptica
 Sintomas
 Dor epigástrica
 Indigestão (dispesia)
 Mal-estar;
 Hemorragia;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Úlcera gástrica
 Parece ser provocada por factores que
rompem a barreira da mucosa, permitindo
assim a difusão dos iões H+ (do HCL) no
tecido da mucosa, onde causam danos que
eventualmente conduzem à destruição celular
e à subsequente ulceração (mais frequente no
antro do estômago), tais como:
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Úlcera gástrica
 Função pilórica anormal;
 Refluxo duodeno-gástrico;
 Defesas alteradas da mucosa gástrica;
 Diminuição do fluxo sanguíneo na mucosa;
 Diminuição da produção de prostaglandinas –
diminuição da produção de bicarbonato;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Úlcera gástrica
 Diminuição da camada gel da mucosa;
 Infecção por Helicobacter Pylori;
 Maus hábitos alimentares (comer depressa,
horário irregular,…)
 Stresse e ansiedade;
 Excesso de álcool, café, chá, refrigerantes com
cafeína;
 Cigarros e medicação (ácido acetilsalicílico);
Patologias GI
 Patologias
 Úlcera duodenal
 A sua localização mais frequente é 3 cm
abaixo do piloro, no bolbo duodenal onde a
acidez gástrica é ainda elevada (baixo pH),
pois o suco gástrico ainda não foi totalmente
neutralizado;
Patologias GI
 Patologias
 Úlcera duodenal
 Causas mais frequentes
 Aumento da capacidade de secreção de HCL;
 Aumento da secreção basal de HCL;
 Aumento do número de células parietais e da
sua sensibilidade à gastrina – aumento de
HCL;
 Aumento da secreção nocturna de suco
gástrico;
Patologias GI
 Patologias
 Úlcera duodenal
 Causas mais frequentes
 Aumento da velocidade de esvaziamento
gástrico (não havendo neutralização do HCL);
 Hipersecreção de gastrina após a refeições;
 Defesa anormal da mucosa duodenal (por
diminuição do suco pancreático);
Patologias GI
 Patologias
 Úlcera duodenal
 Causas mais frequentes
 Incapacidade de inibir a libertação de gastrina quando
o pH gástrico baixa muito;
 Excesso de ingestão de AINES e/ou corticóides;
 Stresse emocional e/ou ansiedade prolongada –
estimulação do nervo vago – aumento da produção
de acetilcolina – aumento da produção de HCL;
 Diminuição da produção de suco pancreático pela
acção da nicotina – diminuição da produção de
bicarbonato;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Úlcera péptica
 Tratamento
 Elevar o pH gástrico (antiácidos);
 Diminuir a motilidade gástrica;
 Administrar anticolinérgicos;
 Evitar o stresse;
 Cuidados nutricionais adequados;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Úlcera péptica
 Cuidados nutricionais
 Fazer pelo menos 3 ref/dia;
 Refeições com pouco volume (para evitar
distensão gástrica de 3 em 3 horas);
 Evitar consumir café, chá, chocolate, bebidas
alcoólicas, refrigerantes com cafeína, tabaco,
temperos excessivos, fritos…
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Úlcera péptica
 Cuidados nutricionais
 Evitar usar com frequência aspirina ou AINES;
 Evitar alimentos e/ou bebidas que provoquem
desconforto;
 Comer em ambiente calmo, se possível;
 Tomar anti-ácidos 1 a 3 horas depois das
refeições e antes de deitar;
Patologias GI
 Patologias gástricas
 Tratamento liberal da úlcera
 Podem utilizar-se todos os alimentos, a
gordura deve ser ingerida crua, deve
privilegiar-se o consumo de ómega 3 e ómega
6;
 Evitar: fritos, assados com gordura, bebidas
alcoólicas, café, chá e refrigerantes;
 Temperos picantes;
 Stresse;
Patologias GI
 Patologias
 Síndrome de Dumping
 É a resposta fisiológica complexa à presença
de alimentos indigeridos no jejuno;
 Pode aparecer após cirurgia gástrica (ou
vagotomia) em que alguns doentes com 2/3
do estômago removido podem apresentar
Síndrome de Dumping quando retomam uma
alimentação normal;
Patologias GI
 Patologias
 Síndrome de Dumping
 Nesta situação, os alimentos após deglutição
são descarregados 10 a 15 minutos depois da
ingestão, em vez de serem gradualmente
libertados em pequenas quantidades;
Patologias GI
 Patologias
 Síndrome de Dumping
 Sintomas (principais)
 Pirose (azia)
 Náuseas
 Dores abdominais com cólicas
 Diarreia (15 minutos aproximadamente após a
ingestão)
Patologias GI
 Patologias
 Síndrome de Dumping
 Sintomas (outros)
 Fraqueza, calor, vertigens, desmaios, taquicardia
e suores frios;
 Provocados pela entrada rápida dos alimentos
ingeridos no jejuno, com consequente hidrólise,
resultando em conteúdo intestinal hipertónico que
é rapidamente diluído por fluidos retirados do
plasma e do líquido extracelular, conduzindo a
uma brusca diminuição do débito cardíaco e à
dilatação do jejuno – reflexo simpático vasomotor
que provoca sudorese, taquicardia e alterações
no ECG;
Patologias GI
 Patologias
 Síndrome de Dumping
 Consequências
 Hipoglicemia (1 a 2 horas após a refeição
devido à rápida digestão e absorção);
 Malabsorção devido à esteatorreia;
 Anemia (hemorragias, diminuição da absorção
do Fe devido à não transformação do Fe2+
em Fe3+, ou diminuição da produção de FI
resultando numa diminuição da absorção da
vitamina B12;
Patologias GI
 Patologias
 Síndrome de Dumping
 Cuidados Nutricionais
 Plano alimentar hiperenergético (35 a 45
kcal/kg de peso de ref);
 Plano alimentar hiperproteico (1,5 a 2 g/kg de
peso de ref);
 Plano alimentar moderadamente lipídico;
 Utilizar TCM se a esteatorreia estiver
presente;
Patologias GI
 Patologias
 Síndrome de Dumping
 Cuidados Nutricionais
 Deitar pelo menos 1 hora após as refeições
com a cabeça um pouco mais alta que o
corpo;
 Refeições com pouco volume (120 a 150 ml);
 Evitar alimentos que provoquem mal estar
(esta identificação é individual);
 Proibir a utilização de líquidos durante as
refeições, sopas, fritos e condimentos;
AULA 5-
DIETOTERAPIA I
Patologias GI – Estômago (II)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Deseq Digestivo
Deseq DigestivoDeseq Digestivo
Gastrite
GastriteGastrite
Doença ulcerosa péptica
Doença ulcerosa pépticaDoença ulcerosa péptica
Doença ulcerosa péptica
Gustavo Andreis
 
Úlcera Gástrica
Úlcera GástricaÚlcera Gástrica
Úlcera Gástrica
Arita155
 
Doenças do sistema digestório e cardiovascular
Doenças do sistema digestório e cardiovascularDoenças do sistema digestório e cardiovascular
Doenças do sistema digestório e cardiovascular
larissemaia
 
Gastrite
GastriteGastrite
Cintilografia do refluxo gastro esofagico
Cintilografia do refluxo gastro esofagicoCintilografia do refluxo gastro esofagico
Cintilografia do refluxo gastro esofagico
Joao Bruno Oliveira
 
ÚLcera Péptica
ÚLcera PépticaÚLcera Péptica
ÚLcera Péptica
gutsaac
 
Constipação intestinal
Constipação intestinalConstipação intestinal
Constipação intestinal
Fernando de Oliveira Dutra
 
Úlcera Péptica e Gastrite
Úlcera Péptica e GastriteÚlcera Péptica e Gastrite
Úlcera Péptica e Gastrite
guest58bcdaa
 
Esstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
Esstudo de caso obstruçao intestinal- EnfermagemEsstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
Esstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
Evelyn Monte
 
Náuseas e vômitos-Prof.Alambert
Náuseas e vômitos-Prof.AlambertNáuseas e vômitos-Prof.Alambert
Náuseas e vômitos-Prof.Alambert
pauloalambert
 
Refluxo gastroesofágico
Refluxo gastroesofágicoRefluxo gastroesofágico
Refluxo gastroesofágico
Fabricio Batistoni
 
See afeccoes do_trato_gastrointestinal
See afeccoes do_trato_gastrointestinalSee afeccoes do_trato_gastrointestinal
See afeccoes do_trato_gastrointestinal
Danielle Giannini
 
Abdome agudo inflamatorio
Abdome agudo inflamatorioAbdome agudo inflamatorio
Abdome agudo inflamatorio
Júlio César Dairel
 
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof grazielaAssistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Wekanan Moura
 
Gastrite
GastriteGastrite
Gastrite
Guilherme Souza
 
Sistema gastrointestinal
Sistema gastrointestinalSistema gastrointestinal
Sistema gastrointestinal
Marcio Pinto da Silva
 
Doenças do TGI
Doenças do TGIDoenças do TGI
Doenças do TGI
Mayza De Jesus Milhomem
 

Mais procurados (19)

Deseq Digestivo
Deseq DigestivoDeseq Digestivo
Deseq Digestivo
 
Gastrite
GastriteGastrite
Gastrite
 
Doença ulcerosa péptica
Doença ulcerosa pépticaDoença ulcerosa péptica
Doença ulcerosa péptica
 
Úlcera Gástrica
Úlcera GástricaÚlcera Gástrica
Úlcera Gástrica
 
Doenças do sistema digestório e cardiovascular
Doenças do sistema digestório e cardiovascularDoenças do sistema digestório e cardiovascular
Doenças do sistema digestório e cardiovascular
 
Gastrite
GastriteGastrite
Gastrite
 
Cintilografia do refluxo gastro esofagico
Cintilografia do refluxo gastro esofagicoCintilografia do refluxo gastro esofagico
Cintilografia do refluxo gastro esofagico
 
ÚLcera Péptica
ÚLcera PépticaÚLcera Péptica
ÚLcera Péptica
 
Constipação intestinal
Constipação intestinalConstipação intestinal
Constipação intestinal
 
Úlcera Péptica e Gastrite
Úlcera Péptica e GastriteÚlcera Péptica e Gastrite
Úlcera Péptica e Gastrite
 
Esstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
Esstudo de caso obstruçao intestinal- EnfermagemEsstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
Esstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
 
Náuseas e vômitos-Prof.Alambert
Náuseas e vômitos-Prof.AlambertNáuseas e vômitos-Prof.Alambert
Náuseas e vômitos-Prof.Alambert
 
Refluxo gastroesofágico
Refluxo gastroesofágicoRefluxo gastroesofágico
Refluxo gastroesofágico
 
See afeccoes do_trato_gastrointestinal
See afeccoes do_trato_gastrointestinalSee afeccoes do_trato_gastrointestinal
See afeccoes do_trato_gastrointestinal
 
Abdome agudo inflamatorio
Abdome agudo inflamatorioAbdome agudo inflamatorio
Abdome agudo inflamatorio
 
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof grazielaAssistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
 
Gastrite
GastriteGastrite
Gastrite
 
Sistema gastrointestinal
Sistema gastrointestinalSistema gastrointestinal
Sistema gastrointestinal
 
Doenças do TGI
Doenças do TGIDoenças do TGI
Doenças do TGI
 

Semelhante a Dietoterapia -problemas[1]

Afecções Do Sistema gastro.pdf
Afecções Do Sistema gastro.pdfAfecções Do Sistema gastro.pdf
Afecções Do Sistema gastro.pdf
GustavoWallaceAlvesd
 
Assistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptx
Assistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptxAssistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptx
Assistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptx
pososospos
 
Afecções esofagogástricas e intestinais 2013 1
Afecções esofagogástricas e intestinais 2013 1Afecções esofagogástricas e intestinais 2013 1
Afecções esofagogástricas e intestinais 2013 1
irmakelly
 
Síndromes Abdominais
Síndromes AbdominaisSíndromes Abdominais
Síndromes Abdominais
dapab
 
Disturbio do sistema digestorio parte 2
Disturbio do sistema digestorio parte 2Disturbio do sistema digestorio parte 2
Disturbio do sistema digestorio parte 2
ReginaReiniger
 
Fisiologia gastrointestinal
Fisiologia gastrointestinal Fisiologia gastrointestinal
Fisiologia gastrointestinal
Cassiano Ricardo Gomes da Silva
 
Sindrome Má Absorção
Sindrome Má AbsorçãoSindrome Má Absorção
Sindrome Má Absorção
Amanda Thomé
 
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagemÚlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
Samuel Olivera
 
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Marcela Lago
 
Aula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgadoAula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgado
Raquel Stein
 
caso clínico 21-03 (oficial).pptx
caso clínico 21-03 (oficial).pptxcaso clínico 21-03 (oficial).pptx
caso clínico 21-03 (oficial).pptx
IsaacCarvalhoGomes
 
Sindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudoSindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudo
pauloalambert
 
C.pdf
C.pdfC.pdf
Refluxo Gastroesofágico
Refluxo GastroesofágicoRefluxo Gastroesofágico
Refluxo Gastroesofágico
Welisson Porto
 
Enterocolites Infecciosa
Enterocolites InfecciosaEnterocolites Infecciosa
Enterocolites Infecciosa
Carlos Eduardo Belon
 
Capítulo_026-BP.ppt
Capítulo_026-BP.pptCapítulo_026-BP.ppt
Capítulo_026-BP.ppt
EdianePissaia1
 
AULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptx
AULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptxAULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptx
AULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptx
JordaniGugel
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Pancreatite
Patrícia Prates
 
afecções do sistema gastrointestinal.pptx
afecções do sistema gastrointestinal.pptxafecções do sistema gastrointestinal.pptx
afecções do sistema gastrointestinal.pptx
MalenaVazGarcia1
 
PÂNCREAS
PÂNCREAS PÂNCREAS
PÂNCREAS
SimonePinto41
 

Semelhante a Dietoterapia -problemas[1] (20)

Afecções Do Sistema gastro.pdf
Afecções Do Sistema gastro.pdfAfecções Do Sistema gastro.pdf
Afecções Do Sistema gastro.pdf
 
Assistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptx
Assistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptxAssistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptx
Assistência em Clínica Cirúrgica aula 01.pptx
 
Afecções esofagogástricas e intestinais 2013 1
Afecções esofagogástricas e intestinais 2013 1Afecções esofagogástricas e intestinais 2013 1
Afecções esofagogástricas e intestinais 2013 1
 
Síndromes Abdominais
Síndromes AbdominaisSíndromes Abdominais
Síndromes Abdominais
 
Disturbio do sistema digestorio parte 2
Disturbio do sistema digestorio parte 2Disturbio do sistema digestorio parte 2
Disturbio do sistema digestorio parte 2
 
Fisiologia gastrointestinal
Fisiologia gastrointestinal Fisiologia gastrointestinal
Fisiologia gastrointestinal
 
Sindrome Má Absorção
Sindrome Má AbsorçãoSindrome Má Absorção
Sindrome Má Absorção
 
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagemÚlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
Úlceras pepticas e apendicite e o processo de enfermagem
 
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
 
Aula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgadoAula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgado
 
caso clínico 21-03 (oficial).pptx
caso clínico 21-03 (oficial).pptxcaso clínico 21-03 (oficial).pptx
caso clínico 21-03 (oficial).pptx
 
Sindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudoSindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudo
 
C.pdf
C.pdfC.pdf
C.pdf
 
Refluxo Gastroesofágico
Refluxo GastroesofágicoRefluxo Gastroesofágico
Refluxo Gastroesofágico
 
Enterocolites Infecciosa
Enterocolites InfecciosaEnterocolites Infecciosa
Enterocolites Infecciosa
 
Capítulo_026-BP.ppt
Capítulo_026-BP.pptCapítulo_026-BP.ppt
Capítulo_026-BP.ppt
 
AULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptx
AULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptxAULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptx
AULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptx
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Pancreatite
 
afecções do sistema gastrointestinal.pptx
afecções do sistema gastrointestinal.pptxafecções do sistema gastrointestinal.pptx
afecções do sistema gastrointestinal.pptx
 
PÂNCREAS
PÂNCREAS PÂNCREAS
PÂNCREAS
 

Último

A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
FeridoZitoJonas
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (9)

A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 

Dietoterapia -problemas[1]

  • 1. AULA 5- DIETOTERAPIA I Patologias GI – Estômago (II)
  • 2. Sumário  Patologias gástricas  Indigestão ou dispesia  Hipocloridria  Gastrite aguda/crónica  Úlcera péptica (gástrica e duodenal)  Síndrome de Dumping
  • 4. Patologias GI  Patologias gástricas  Ácido clorídrico – segregado pelas células parietais em resposta ao estímulo da acetilcolina, gastrina e histamina;
  • 5. Patologias GI  Patologias gástricas  Mucosa do estômago e do duodeno está normalmente protegida da acção proteolítica do ácido gástrico e da pepsina por uma camada de muco segregado por glândulas nas paredes epiteliais desde o esófago (parte inferior) até à porção superior do duodeno;
  • 6. Patologias GI  Patologias gástricas  A mucosa é protegida da invasão bacteriana pela acção digestiva da pepsina e do ácido clorídrico e também pela secreção de muco;  O muco contêm bicarbonato e é segregado pela mucosa (produção estimulada pela acção das prostaglandinas), mas o pâncreas também liberta suco pancreático para a neutralização ácida no lúmen intestinal;
  • 7. Patologias GI  Patologias gástricas  Fisiopatologia  Indigestão ou dispepsia  Termo indefinido usado frequentemente para descrever qualquer desconforto epigástrico depois das refeições, que ocorre como uma consequência de uma desordem no trato digestivo;
  • 8. Patologias GI  Patologias gástricas  Indigestão ou dispepsia  Causas  Problemas psíquicos ou físicos (apendicite crónica, úlcera, doenças da vesicular biliar, gastrite crónica, refluxo GE, atraso do esvaziamento gástrico, cancro, etc);  Maus hábitos alimentares, quer em qualidade quer em quantidade, excesso de alimentos de difícil digestão;  Comer rapidamente e mastigar inadequadamente;
  • 9. Patologias GI  Patologias gástricas  Indigestão ou dispepsia  Dispepsia – pode ser benigna e com poucas consequências ou pode indicar problemas mais graves;  Sintomatologia  Dor abdominal vaga  Inchaço  Náuseas  Regurgitação  Arrotar
  • 10. Patologias GI  Patologias gástricas  Indigestão ou dispepsia  Tratar a causa seja esta mental ou física – Dieta equilibrada associada a hábitos alimentares correctos;
  • 11. Patologias GI  Patologias gástricas  Indigestão ou dispepsia  Cuidados nutricionais  Alimentos ou bebidas  Gordura Cafeína Bebidas alcoólicas  Açúcar Especiarias  Controlo simples  Comer lentamente, mastigar bem os alimentos  Não comer ou beber demasiado (ref. ligeiras e pequeno volume)  Evitar excessos alimentares
  • 12. Patologias GI  Patologias gástricas  Hipocloridria  Diminuição da quantidade de ácido clorídrico (HCL) no suco gástrico;  Consequências  Proteínas mal digeridas  Fermentação acelerada dos HC  Mucosa gástrica muito sensível  Pode surgir fermentação ou putrefacção, pois as bactérias mantêm a sua acção devido à alteração de pH, por diminuição da produção de ácido clorídrico;  Diarreias
  • 13. Patologias GI  Patologias gástricas  Hipocloridria  Cuidados nutricionais  Retirar  Leite (evita a introdução de bactérias)  Fibras (provocam estase gástrica e diminuição do esvaziamento gástrico)  Gorduras (diminuem a produção de HCL e o esvaziamento gástrico)  Bebidas e alimentos gelados
  • 14. Patologias GI  Patologias gástricas  Hipocloridria  Cuidados nutricionais  Dar  Sopas com baixo teor de gordura e caldos de carne (estimulam a secreção de HCL);  Hidratos de carbono complexos (amido) pois fermentam menos;  Frutas e vegetais cozidos (sem casca)
  • 15. Patologias GI  Patologias gástricas  Acloridria  Ausência de HCL livre no suco gástrico, mas ainda existe algum HCL na forma combinada;  Aquilia  Ausência total de HCL e de pepsina no suco gástrico;  É uma situação frequente após radioterapia que destrói as células parietais do estômago produtoras de HCL;  Atenção nestas situações que também pode haver diminuição do factor intrínseco o que pode levar a def. de vitamina B12;
  • 16. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite aguda  Inflamação repentina e, por vezes violenta, da mucosa gástrica, que não melhora com a ingestão de alimentos;  Sintomas  Náuseas, vómitos, hemorragia, dor, mal estar, anorexia e cefaleias;
  • 17. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite aguda  Causas  Ingestão de alimentos específicos para os quais o indivíduo apresenta sensibilidade;  Comer muito rapidamente;  Comer após emoções fortes ou quando o indivíduo se encontra muito cansado;  Excesso de álcool, tabaco ou alimentos muito condimentados;
  • 18. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite aguda  Causas  Ingestão de alimentos impróprios para consumo ou de uma substância corrosiva;  Medicamentos (aspirina ou AINES);  Toxinas (infecção no dentes, nas amígdalas ou nos seios nasais);  Após radioterapia, trauma, queimadura, cirurgia, hipoxia, choque, febre, icterícia ou falência renal;
  • 19. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite aguda  Tratamento  Remover a causa e/ou substância corrosiva o mais rapidamente possível;  Lavagem ao estômago e/ou provocar o vómito;  Irrigação do cólon e administração de um laxante;
  • 20. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite aguda  Tratamento  Pausa alimentar durante 24-48h (nem água, pois estimula a produção de suco gástrico);  Líquidos são administrados por via endovenosa;  Re-alimentação após 24-48h;  Líquidos incluindo leite;  Caldos passados de legumes;
  • 21. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite aguda  Tratamento  Papas (leite com amido de milho ou com cevada/arroz)  Fruta cozida;  Evitar caldos de carne;  Fazer refeições pequenas e frequentes;  Vai-se progredindo para uma dieta normal de acordo com a tolerância do doente;
  • 22. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite crónica  Definição  Devido aos episódios repetidos de gastrite aguda;  Manifesta-se pela atrofia da mucosa e pela diminuição da secreção gástrica com consequente má digestão, diminuição da secreção do FI e, portanto, da vitamina B12;
  • 23. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite crónica  Sintomas  Indigestão, perda de apetite, regurgitação, náuseas, sensação de repleção, dores epigástricas (vagas), vómitos;
  • 24. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite crónica  Causas  As causas da gastrite crónica são desconhecidas;  Este tipo de gastrite pode preceder úlceras e neoplasias gástricas;
  • 25. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite crónica  Causas  Pensa-se que na sua origem podem estar:  Excessos alimentares (como na gastrite aguda);  Infecção no antro por Helicobacter pylori (organismo Gram-negativo, flagelado, resistente ao ácido do estômago e que produz ureases que por sua vez produzem amónia facilitando a alcalinização imediata ao redor da bactéria);  Indirectamente relacionada com: tuberculose, insuficiência cardíaca e/ou nefrite;
  • 26. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite crónica  Existem 3 tipos de gastrite:  Superficial  Atrófica  Hipertrófica
  • 27. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite crónica  Existem 3 tipos de gastrite:  Superficial – inflamação na mucosa com hemorragias e pequenas lesões;
  • 28. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite crónica  Existem 3 tipos de gastrite:  Atrófica – ocorre em todas as camadas do estômago, e resulta numa diminuição no número de células parietais e principais – úlcera gástrica, neoplasia gástrica e/ou anemia perniciosa;
  • 29. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite crónica  Existem 3 tipos de gastrite:  Hipertrófica – provoca o aparecimento de uma mucosa inerte, nodular e irregular com hemorragias frequentes;
  • 30. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite crónica  Cuidados nutricionais  O plano alimentar deve ser adequado em energia e nutrientes, adaptado à hipersensibilidade do doente;  Deve ser de consistência mole;  Refeições muito repartidas e pouco de cada vez;
  • 31. Patologias GI  Patologias gástricas  Gastrite crónica  Cuidados nutricionais  Mastigar bem os alimentos;  Identificar e evitar alimentos causadores de desconforto e/ou muito condimentados;  Não ingerir quantidade excessiva de líquidos durante as refeições (pode provocar distensão gástrica);
  • 32. Patologias GI  Patologias gástricas  Úlcera péptica  Definição  Lesão erosiva da mucosa gástrica (úlcera gástrica) ou da mucosa duodenal (úlcera duodenal);  A localização da úlcera determina a sua nomenclatura; Frequentemente, ambos os tipos são agrupados com um termo comum – úlcera péptica;
  • 33. Patologias GI  Patologias gástricas  Úlcera péptica  Frequência/Incidência  A úlcera duodenal é mais comum do que a gástrica;  Ambos os tipos ocorrem mais frequentemente nos homens;  As úlceras gástricas são menos frequentes, no entanto estão mais associadas a malignidade e a mortalidade;
  • 34. Patologias GI  Patologias gástricas  Úlcera péptica  Sintomas  Dor epigástrica  Indigestão (dispesia)  Mal-estar;  Hemorragia;
  • 35. Patologias GI  Patologias gástricas  Úlcera gástrica  Parece ser provocada por factores que rompem a barreira da mucosa, permitindo assim a difusão dos iões H+ (do HCL) no tecido da mucosa, onde causam danos que eventualmente conduzem à destruição celular e à subsequente ulceração (mais frequente no antro do estômago), tais como:
  • 36. Patologias GI  Patologias gástricas  Úlcera gástrica  Função pilórica anormal;  Refluxo duodeno-gástrico;  Defesas alteradas da mucosa gástrica;  Diminuição do fluxo sanguíneo na mucosa;  Diminuição da produção de prostaglandinas – diminuição da produção de bicarbonato;
  • 37. Patologias GI  Patologias gástricas  Úlcera gástrica  Diminuição da camada gel da mucosa;  Infecção por Helicobacter Pylori;  Maus hábitos alimentares (comer depressa, horário irregular,…)  Stresse e ansiedade;  Excesso de álcool, café, chá, refrigerantes com cafeína;  Cigarros e medicação (ácido acetilsalicílico);
  • 38. Patologias GI  Patologias  Úlcera duodenal  A sua localização mais frequente é 3 cm abaixo do piloro, no bolbo duodenal onde a acidez gástrica é ainda elevada (baixo pH), pois o suco gástrico ainda não foi totalmente neutralizado;
  • 39. Patologias GI  Patologias  Úlcera duodenal  Causas mais frequentes  Aumento da capacidade de secreção de HCL;  Aumento da secreção basal de HCL;  Aumento do número de células parietais e da sua sensibilidade à gastrina – aumento de HCL;  Aumento da secreção nocturna de suco gástrico;
  • 40. Patologias GI  Patologias  Úlcera duodenal  Causas mais frequentes  Aumento da velocidade de esvaziamento gástrico (não havendo neutralização do HCL);  Hipersecreção de gastrina após a refeições;  Defesa anormal da mucosa duodenal (por diminuição do suco pancreático);
  • 41. Patologias GI  Patologias  Úlcera duodenal  Causas mais frequentes  Incapacidade de inibir a libertação de gastrina quando o pH gástrico baixa muito;  Excesso de ingestão de AINES e/ou corticóides;  Stresse emocional e/ou ansiedade prolongada – estimulação do nervo vago – aumento da produção de acetilcolina – aumento da produção de HCL;  Diminuição da produção de suco pancreático pela acção da nicotina – diminuição da produção de bicarbonato;
  • 42. Patologias GI  Patologias gástricas  Úlcera péptica  Tratamento  Elevar o pH gástrico (antiácidos);  Diminuir a motilidade gástrica;  Administrar anticolinérgicos;  Evitar o stresse;  Cuidados nutricionais adequados;
  • 43. Patologias GI  Patologias gástricas  Úlcera péptica  Cuidados nutricionais  Fazer pelo menos 3 ref/dia;  Refeições com pouco volume (para evitar distensão gástrica de 3 em 3 horas);  Evitar consumir café, chá, chocolate, bebidas alcoólicas, refrigerantes com cafeína, tabaco, temperos excessivos, fritos…
  • 44. Patologias GI  Patologias gástricas  Úlcera péptica  Cuidados nutricionais  Evitar usar com frequência aspirina ou AINES;  Evitar alimentos e/ou bebidas que provoquem desconforto;  Comer em ambiente calmo, se possível;  Tomar anti-ácidos 1 a 3 horas depois das refeições e antes de deitar;
  • 45. Patologias GI  Patologias gástricas  Tratamento liberal da úlcera  Podem utilizar-se todos os alimentos, a gordura deve ser ingerida crua, deve privilegiar-se o consumo de ómega 3 e ómega 6;  Evitar: fritos, assados com gordura, bebidas alcoólicas, café, chá e refrigerantes;  Temperos picantes;  Stresse;
  • 46. Patologias GI  Patologias  Síndrome de Dumping  É a resposta fisiológica complexa à presença de alimentos indigeridos no jejuno;  Pode aparecer após cirurgia gástrica (ou vagotomia) em que alguns doentes com 2/3 do estômago removido podem apresentar Síndrome de Dumping quando retomam uma alimentação normal;
  • 47. Patologias GI  Patologias  Síndrome de Dumping  Nesta situação, os alimentos após deglutição são descarregados 10 a 15 minutos depois da ingestão, em vez de serem gradualmente libertados em pequenas quantidades;
  • 48. Patologias GI  Patologias  Síndrome de Dumping  Sintomas (principais)  Pirose (azia)  Náuseas  Dores abdominais com cólicas  Diarreia (15 minutos aproximadamente após a ingestão)
  • 49. Patologias GI  Patologias  Síndrome de Dumping  Sintomas (outros)  Fraqueza, calor, vertigens, desmaios, taquicardia e suores frios;  Provocados pela entrada rápida dos alimentos ingeridos no jejuno, com consequente hidrólise, resultando em conteúdo intestinal hipertónico que é rapidamente diluído por fluidos retirados do plasma e do líquido extracelular, conduzindo a uma brusca diminuição do débito cardíaco e à dilatação do jejuno – reflexo simpático vasomotor que provoca sudorese, taquicardia e alterações no ECG;
  • 50. Patologias GI  Patologias  Síndrome de Dumping  Consequências  Hipoglicemia (1 a 2 horas após a refeição devido à rápida digestão e absorção);  Malabsorção devido à esteatorreia;  Anemia (hemorragias, diminuição da absorção do Fe devido à não transformação do Fe2+ em Fe3+, ou diminuição da produção de FI resultando numa diminuição da absorção da vitamina B12;
  • 51. Patologias GI  Patologias  Síndrome de Dumping  Cuidados Nutricionais  Plano alimentar hiperenergético (35 a 45 kcal/kg de peso de ref);  Plano alimentar hiperproteico (1,5 a 2 g/kg de peso de ref);  Plano alimentar moderadamente lipídico;  Utilizar TCM se a esteatorreia estiver presente;
  • 52. Patologias GI  Patologias  Síndrome de Dumping  Cuidados Nutricionais  Deitar pelo menos 1 hora após as refeições com a cabeça um pouco mais alta que o corpo;  Refeições com pouco volume (120 a 150 ml);  Evitar alimentos que provoquem mal estar (esta identificação é individual);  Proibir a utilização de líquidos durante as refeições, sopas, fritos e condimentos;
  • 53. AULA 5- DIETOTERAPIA I Patologias GI – Estômago (II)