SlideShare uma empresa Scribd logo
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Apresentação
• Introdução
• Objetivos
 Apresentar um diagnóstico acerca da oferta de médicos especialistas em Minas Gerais,
bem como do aparelho formador para especialização destes profissionais;
 Projetar a oferta de médicos para os próximos anos para compará-la à demanda do
sistema de saúde.
• Motivação
 Funcionamento equilibrado do Sistema de Saúde depende do gerenciamento da oferta
e demanda de profissionais de saúde;
 Déficit de profissionais qualificados no setor da saúde;
 Distribuição desigual de profissionais, que se torna um agravante no momento que o
país passa por um processo de transição etária e epidemiológica
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Apresentação
• Marco Teórico
• Oferta
 A dinâmica da oferta está condicionada ao número de escolas médicas, logo para
conhecer o processo de evolução da oferta é necessário conhecer o funcionamento dos
mecanismos que atuam na formação de profissionais.
 Os órgãos reguladores podem atuar sobre a capacidade formadora através da
concessão ou suspensão de bolsas, ou de incentivos à expansão de vagas para
especialidades específicas.
• Demanda
 É determinada pelas características do sistema de saúde, como sua composição e
organização, e pelas necessidades de saúde da população.
 É afetada pela orientação das políticas de saúde: mudanças na oferta de serviços, como
ampliação do acesso a um atendimento ou instalação de novos aparelhos.
 É diferenciada por especialidades e tipos de estabelecimentos de saúde
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Metodologia
Projetos
estruturadores
Especialidades
VIVA VIDA
Medicina de Saúde da Família
Ginecologia
Obstetrícia
Pediatria
Mastologia
Urologia
Neonatologia
HIPERDIA
Cardiologia
Endocrinologia
Nefrologia
Angiologia
Oftalmologia
MAIS VIDA Geriatria Clínica Médica
URGÊNCIA E
EMERGÊNCIA
Cirurgia Geral
Cirurgia do Trauma
Cirurgia Vascular
Neurocirurgia
Anestesia
Ortopedia
Cirurgia Pediátrica
Radiologia intervencionista
Cardiologia - Hemodinâmica
Cardiologia
Neurologia
Medicina Intensiva
Pediatria
Clínica Médica
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Metodologia
• Definições iniciais
• Amplo estudo de bases de dados secundárias- CNES, CNRM, CRM-MG.
• Definição das especialidades prioritárias ligadas aos projetos estruturadores da SES
• Desenho metodológico
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Metodologia
• Método de pesquisa do eixo
Mercado de trabalho
• Método de pesquisa do eixo
Formação
• Métodos de pesquisa
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Resultados
Panorama do estoque de médicos em Minas Gerais:
•Cálculo dos estoques de profissionais por especialidade de exercício e micro e
macrorregião de saúde. A distribuição geográfica dos estoques de especialistas no
estado foi mapeada segundo microrregiões de saúde.
•Fontes secundárias utilizadas:
Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES-MS);
Relação Anual de Informações Sociais (RAIS-MTE);
Registro administrativo do CRM-MG.
•Considerou-se especialista o profissional que exerceu a especialidade através de
um vínculo com estabelecimento de saúde de pelo menos 1 hora semanal no mês
de dezembro de 2008 segundo a Classificação Brasileira de Ocupações (CBO),
utilizada para registro no CNES.
34.706
29.662
99.950
25.258
Inscritos com vínculo ativo no
CRM-MG
Profissionais em
estabelecimentos de saúde
Vínculos em estabelecimentos
de saúde
Empregos formais
Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas Gerais” a partir dos
dados do Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRM-MG), do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES-MS) e
da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS-MTE).
Número de inscritos com vínculo ativo no CRM-MG, profissionais e vínculos em
estabelecimentos de saúde e empregos formais no total da economia de médicos –
Minas Gerais, dezembro de 2008
1.095
3.867
3.316
2.417
1.218
1.064
5.510
4.686
4.986
6.547
Até 29 De 30 até 39 De 40 até 49 De 50 até 59 60 ou mais
Mulheres Homens
Composição por sexo e faixa etária dos médicos com vínculo ativo inscritos no
CRM-MG em 2008
Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas
Gerais” a partir dos dados do Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRM-MG).
68,9
21,5
19,8 19,2 18,2
10,2
8,6 7,5 7,2
6,3
4,9
3,6 2,9 2,4 2,3 2,1 2,1 1,9 1,5
1,4 1,2 1,1 0,5
0,0
10,0
20,0
30,0
40,0
50,0
60,0
70,0
Razão do número de especialistas por 100 mil habitantes por especialidade – MG, dez. 2008
Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas Gerais” a partir dos dados do
Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).
Distribuição
da
razão
do
nº
de
médicos
por
100
mil
hab.
por
macrorregião
–
MG,
dez.
2008
85,4
66,2
67,9
105,5
227,3
104,4
200,3
167,2
125,4
141,6
192,9
188,6
98,8
Médicos geral
MG = 154
Distribuição
da
razão
do
nº
de
médicos
por
100
mil
hab.
por
macrorregião
–
Saúde
da
Família
–
MG,
dez.
2008
27,9
25,6
28,8
19,9
20,3
31,4
25,0
24,9
22,1
18,9
18,9
13,6
22,1
Saúde da Família
Var. = 20,3%
MG= 21,5
Distribuição
da
razão
do
nº
de
médicos
por
100
mil
hab.
por
macrorregião
–
Viva
Vida
–
MG,
dez.
2008
Pediatra (47,4%); Mastologista (61,9%); Urologista (45,5%)
10,9
11,3
7,4
10,6
24,1
14,9
22,7
20,3
16,7
19,3
21,0
22,6
13,4
Ginecologista
Var. = 31,9%
MG = 18,2
Distribuição
da
razão
do
nº
de
médicos
por
100
mil
hab.
por
macrorregião
–
Hiperdia
–
MG,
dez.
2008
Endocrinologista (69,3%); Nefrologista (44,4%); Oftalmologista (46,6%);
Angiologia (53,1%)
5,5
5,2
2,5
7,0
14,9
7,3
15,3
11,2
8,7
9,8
9,9
9,7
6,2
Cardiologista
Var. = 40,6%
MG = 10,2
Distribuição
da
razão
do
nº
de
médicos
por
100
mil
hab.
por
macrorregião
–
Mais
Vida
–
MG,
dez.
2008
Clínico (30,4%)
0,6
0,3
0,7
1,0
1,5
0,8
1,6
1,4
0,8
1,7
1,7
1,0
0,3
Geriatra
Var. = 45,8%
MG = 1,2
Distribuição
da
razão
do
nº
de
médicos
por
100
mil
hab.
por
macrorregião
–
Urgência
e
Emergência
–
MG,
dez.
2008
Ortopedista (40,6%); Neurocirurgião (40,8%); Neurologista (41,2%); Cir. Cardiovascular
(51%); Cir. vascular (61,4%); Cir. Pediátrico (74,4%); Cir. Torácico (97,7%)
12,7
7,9
6,3
10,3
28,9
13,4
22,4
25,3
16,5
17,3
18,4
18,0
10,3
Cirurgião Geral
Var. = 40,3%
MG = 19,2
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Resultados
Dificuldades de contratação de médicos especialistas em hospitais
• Objetivo: analisar a existência e as razões atribuídas à dificuldade de
contratação de especialistas;
• Entrevistados: universo de 231 hospitais do estado, sendo 128 do
Programa de Melhoria e Fortalecimento dos Hospitais (PRO-HOSP) e
103 identificados no Cadastro de Estabelecimentos Empregadores (CEE)
de janeiro de 2010 com o número de 100 empregados ou mais;
• Coleta: Entrevistas Telefônicas Assistidas por Computador (ETACs) com
gestores dos hospitais. Do total, 180 responderam à pesquisa.
71
55 55
49 47
41 41
38 37
35 34
32
30 30 29 29 28 28 28 27 26 25
0
10
20
30
40
50
60
70
80
Proporção de hospitais que encontram muita dificuldade de contratação de
especialistas – Minas Gerais, 2010
Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas Gerais”.
77
67 67 65 64 63 62 62 61 60 60 60
55 55 55 54
51 50 50
46
43
0
10
20
30
40
50
60
70
80
Proporção de hospitais que encontram dificuldade de contratar o especialista que
avaliaram como a mais importante ou entre as mais importantes razões “o nível de
remuneração praticado pela instituição é considerado baixo pelos profissionais”, por
especialidade – MG, 2010
Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas Gerais”.
80
71 71 69 68 67 65 65
63 62 61
59 57
56
48 48 47
44 44 43
41
28
0
10
20
30
40
50
60
70
80
Proporção de hospitais que encontram dificuldade de contratar o especialista que avaliaram
como a mais importante ou entre as mais importantes razões a “falta de profissionais titulados
segundo os critérios do MEC e da AMB”, por especialidade – MG, 2010
Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas Gerais”.
55 54
50 50 49 48 48 46 45
43 42 41 41
38 38 38
36 35
32
30 29
17
0
10
20
30
40
50
60
70
80
Proporção de hospitais que encontram dificuldade de contratar o especialista que avaliaram
como a mais importante ou entre as mais importantes razões a “falta de profissionais com
experiência requerida para o trabalho”, por especialidade – MG, 2010
Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas Gerais”.
15,6 15,3
14,6
11,8
11,3
10,8 10,7
10,1 10,0
9,6 9,3
8,4 8,2 8,2 8,0 7,9
7,6
7,2 7,1 7,0
6,3
4,5
0,0
2,0
4,0
6,0
8,0
10,0
12,0
14,0
16,0
Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas Gerais”.
Taxa de Vacância em hospitais por especialidade – Minas Gerais, 2010
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Resultados
• Opinião das Sociedades de Especialistas de Minas Gerais sobre a relação entre
oferta e demanda de profissionais da especialidade
Anestesiologia, cardiologia, endocrinologia,
oftalmologia, urologia.
Angiologia, cirurgia cardiovascular, cirurgia geral, clínico,
geriatra, ginecologista, intensivista, nefrologista,
neurologista, radiologista, saúde da família.
Neurocirurgia, ortopedia.
Excesso na capital e escassez no interior:
mastologia.
Excesso
Equilíbrio
Escassez
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Resultados
• Diagnóstico do mercado de trabalho de especialistas:
 A Clínica Médica se destaca como a especialidade de maior proporção de médicos
(44,76%) e a Cirurgia Torácica a menor (0,31%). As especialidades de Saúde da
família (13,95%), Pediatria (12,86%), Cirurgia Geral (12,48%) e Ginecologia e
Obstetrícia (11,81%), nesta ordem, também apareceram de forma bastante
expressiva entre os médicos;
 Desigualdade de distribuição de especialidades no estado, com destaque para
subespecialidades cirúrgicas, medicina intensiva, endocrinologia e mastologia, com
as maiores concentrações de especialistas. A especialidade de Saúde da Família foi
a que apresentou a menor desigualdade, seguida de Clínica Médica, Ginecologia,
Anestesiologia, Radiologia e Cirurgia Geral;
 Quanto à dificuldade de contratação de especialistas em hospitais do estado, a
maior percentual encontrado foi para pediatria (71%). Outras especialidades
também apresentam dificuldades elevadas como Neurocirurgia (55,4%), Cirurgia
pediátrica (54,7%), Medicina Intensiva (48,6%) e Anestesiologia (47,4%). Apenas
para Nefrologia foi registrado um percentual inferior a ¼, especificamente 24,7%.
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Resultados
• Formação
• Oferta de Residências Médicas
 Atualmente são ofertadas 2026 vagas, sendo 90,34% delas ocupadas.
 São 41 instituições que ofertam RM no estado, sendo a maior parte delas privadas filantrópicas.
0,00%
20,00%
40,00%
60,00%
80,00%
100,00%
Privada
Filantrópica
Pública
Estadual
Privada
Lucrativa
Pública
Municipal
Pública
Federal
34,10%
26,80%
19,50%
9,80% 9,80%
Oferta de vagas nas instituições pesquisadas
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
0,00%
20,00%
40,00%
60,00%
80,00%
100,00%
0
25
50
75
100
125
150
175
200
225
250
275
300
325
350
375
400
Número de vagas ofertadas e percentual de ocupação, por especialidade
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Resultados
• Formação
• Oferta de Residências Médicas
 Atualmente são ofertadas 2026 vagas, sendo 90,34% delas ocupadas.
 São 41 instituições que ofertam RM no estado, sendo a maior parte delas privadas filantrópicas.
• Perspectiva das Instituições
 71% das instituições apontaram
dificuldades para preencher as vagas
ofertadas.
falta de interesse dos próprios médicos
para determinadas especialidades.
Na opção “Outro” foram citados como
motivos a existência de um processo de
seleção unificado e divulgação
insuficiente do processo.
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Resultados
• Formação
• Perspectiva das Instituições
 Para aumentar o número de vagas de RM ou obter credenciamento de novas especialidades, as
dificuldades encontradas foram: Contratação e/ou designação de preceptores para o corpo
técnico, burocracia do processo de credenciamento e problemas de disponibilidade de recursos
para bolsa.
 Das 41 instituições, 63,13%
das instituições
disponibilizavam as bolsas
através de financiamento
próprio.
67% das instituições que
tiveram dificuldades para
obter aumento de vagas
apontaram dificuldades
financeiras como causa.
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Resultados
• Formação
• Perfil dos médicos residentes
 Prevalência do sexo masculino (53,6%) com idade entre 23 e 44 anos. Maior proporção
de mulheres é em Neonatalogia e de homens é em Urologia. 80,41% são solteiros.
 O ingresso na residência médica ocorre na maioria das vezes imediatamente o término
do curso de medicina.
 O principal fator na escolha da especialidade é a realização pessoal/vocação, citada por
77% dos entrevistados.
 Para escolha da instituição, os fatores apontados foram presença de profissionais de
referência e renome e prestígio da instituição.
 Quase a totalidade dos residentes pretende atuar em clínica e hospital público, e 75%
pretende atuar em consultório próprio.
 Grande parte pretende atuar em grandes centros ou cidades de médio porte.
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Conclusões Finais
• Tendências na formação e especialização médica
• Visão dos especialistas:
 As SESs devem regular a oferta de RM por especialidade a partir do financiamento da
residência;
 O Ministério da Saúde deve regular a oferta baseando-se nas necessidades de saúde da
população;
 As Sociedades de Especialistas não devem regular a oferta de RM de cada especialidade;
 As instituições devem regular a oferta conforme seu perfil de atendimento e infra-estrutura;
 Melhoras nas condições de trabalho dos médicos que atuam no SUS em regiões distantes dos
grandes centro, na infra-estrutura dos estabelecimentos de saúde e na rede de saúde como
um todo;
 As especialidades mais procuradas são Dermatologia, Radiologia e Oftalmologia, por terem
menor sobrecarga de trabalho e não lidam tão diretamente com risco de morte dos
pacientes.
 Não se chegou a um consenso sobre qual estratégia adotar para a regulação de oferta de
especialistas e sua distribuição.
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Conclusões Finais
• Expectativas e projeções (2010-2030)
• Quatro hipóteses consideradas sobre matrículas no primeira ano dos cursos de Medicina em
Minas Gerais:
 Cenário 1- Redução do número de vaga no curto prazo e posterior aumento moderado;
 Cenário 2- Número de vagas constantes até 2030;
 Cenário 3- Aumento de 1,0% ao ano no número de vagas
 Cenário 4- Aumento de 3,0% ao ano do número de vagas
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
MG e países selecionados (circa 2005) - Número de médicos
el algumas especialidades por cem mil habitantes
(Com indicação do n. abs. para MG)
0,0
20,0
40,0
60,0
A
n
e
s
t
e
s
.
C
l
í
n
i
c
o
G
e
r
i
a
t
r
a
G
i
n
&
O
b
s
t
.
P
e
d
i
a
t
r
a
S
a
ú
d
e
d
a
f
a
m
.
P
s
i
q
u
i
a
t
r
i
a
MG
USA
Canadá
Perfil europeu (*)
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Minas Gerais, 2010-2030: Estimativas do n. de médicos
especialistas segundo o modelo CANADA
Especialidade 2010 2020 2030
Anestesiologista 1.410 1.504 1.606
Clínico 7.203 4.289 2.716
Geriatra 109 821 1.264
Pediatra 3.415 1.946 1.146
Saúde da família 4.205 12.013 16.968
Psiquiatria 76 1.367 2.167
APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
Conclusões Finais
• Expectativas e projeções (2010-2030)
• O estudo desenvolvido permite observar que esta projeção, mesmo atendendo às
condições metodológicas e com premissas sustentadas pela literatura, pode sofrer
ponderações que devem ser problematizadas na sua adoção como parâmetros para
políticas públicas.
 Regime de contratação em termos de jornada de trabalho;
 Relação dos postos de trabalho existentes e disponíveis vis a vis o número de
profissionais.
• Esta projeção serve como ponto de partida para estimações capazes de auxiliar o
planejamento dos gestores públicos na busca de atendimento de saúde qualificado e
acessível a todos os cidadãos de Minas Gerais.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Médicas em Minas Gerais 2011.pdf

Diagnóstico da realidade médica no país
Diagnóstico da realidade médica no paísDiagnóstico da realidade médica no país
Diagnóstico da realidade médica no país
Ministério da Saúde
 
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - BrasilRede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)
7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)
7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)
Oncoguia
 
Apresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em Pernambuco
Apresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em PernambucoApresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em Pernambuco
Apresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em Pernambuco
Folha de Pernambuco
 
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes
Oncoguia
 
A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
A ORGANIZAÇÃO  DA  ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE:  A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZAA ORGANIZAÇÃO  DA  ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE:  A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...
0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...
0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...
bibliotecasaude
 
Apresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal
Apresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado FederalApresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal
Apresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal
Ministério da Saúde
 
Administração e Gerência de Serviços Públicos de Saúde.pptx
Administração e Gerência de Serviços Públicos de Saúde.pptxAdministração e Gerência de Serviços Públicos de Saúde.pptx
Administração e Gerência de Serviços Públicos de Saúde.pptx
Felipe Assan Remondi
 
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
DaviCarvalho66
 
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
Planejamento II  plano municipal Santa RosaPlanejamento II  plano municipal Santa Rosa
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
Bi_Oliveira
 
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
rrbonci
 
Mais Médicos: Expansão da Residência Médica e Multiprofissional
Mais Médicos: Expansão da Residência Médica e MultiprofissionalMais Médicos: Expansão da Residência Médica e Multiprofissional
Mais Médicos: Expansão da Residência Médica e Multiprofissional
Ministério da Saúde
 
SAUDE DIREITO DE TODOS.pdf
SAUDE DIREITO DE TODOS.pdfSAUDE DIREITO DE TODOS.pdf
SAUDE DIREITO DE TODOS.pdf
NorivalRaulinoSilva
 
Plano de Gestão da Saúde 2013 - FAQ
Plano de Gestão da Saúde 2013 - FAQPlano de Gestão da Saúde 2013 - FAQ
Plano de Gestão da Saúde 2013 - FAQ
Governo de Santa Catarina
 
Apresentação natal 20_03_2014
Apresentação natal 20_03_2014Apresentação natal 20_03_2014
Pesquisa Exploratória: Consulta aos Gestores Estaduais para o estabelecimento...
Pesquisa Exploratória:Consulta aos Gestores Estaduais para o estabelecimento...Pesquisa Exploratória:Consulta aos Gestores Estaduais para o estabelecimento...
Pesquisa Exploratória: Consulta aos Gestores Estaduais para o estabelecimento...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
13º Conitec em evidencia-2017 REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...
13º Conitec em evidencia-2017  REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...13º Conitec em evidencia-2017  REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...
13º Conitec em evidencia-2017 REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...
CONITEC
 
Rio 18 nov 2014
Rio  18 nov 2014Rio  18 nov 2014
Rio 18 nov 2014
Inaiara Bragante
 
Apresentação CFF oficial - Visão da SBPCML - O Futuro das Análises Clínicas.ppt
Apresentação CFF oficial - Visão da SBPCML - O Futuro das Análises Clínicas.pptApresentação CFF oficial - Visão da SBPCML - O Futuro das Análises Clínicas.ppt
Apresentação CFF oficial - Visão da SBPCML - O Futuro das Análises Clínicas.ppt
railsondacunhaferrei
 

Semelhante a Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Médicas em Minas Gerais 2011.pdf (20)

Diagnóstico da realidade médica no país
Diagnóstico da realidade médica no paísDiagnóstico da realidade médica no país
Diagnóstico da realidade médica no país
 
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - BrasilRede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
 
7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)
7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)
7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)
 
Apresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em Pernambuco
Apresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em PernambucoApresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em Pernambuco
Apresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em Pernambuco
 
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes
 
A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
A ORGANIZAÇÃO  DA  ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE:  A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZAA ORGANIZAÇÃO  DA  ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE:  A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
 
0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...
0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...
0007 - L - A categoria profissional dos médicos - Fatores condicionantes de s...
 
Apresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal
Apresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado FederalApresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal
Apresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal
 
Administração e Gerência de Serviços Públicos de Saúde.pptx
Administração e Gerência de Serviços Públicos de Saúde.pptxAdministração e Gerência de Serviços Públicos de Saúde.pptx
Administração e Gerência de Serviços Públicos de Saúde.pptx
 
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
 
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
Planejamento II  plano municipal Santa RosaPlanejamento II  plano municipal Santa Rosa
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
 
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
USO DA TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA NA IMPLANTAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE ...
 
Mais Médicos: Expansão da Residência Médica e Multiprofissional
Mais Médicos: Expansão da Residência Médica e MultiprofissionalMais Médicos: Expansão da Residência Médica e Multiprofissional
Mais Médicos: Expansão da Residência Médica e Multiprofissional
 
SAUDE DIREITO DE TODOS.pdf
SAUDE DIREITO DE TODOS.pdfSAUDE DIREITO DE TODOS.pdf
SAUDE DIREITO DE TODOS.pdf
 
Plano de Gestão da Saúde 2013 - FAQ
Plano de Gestão da Saúde 2013 - FAQPlano de Gestão da Saúde 2013 - FAQ
Plano de Gestão da Saúde 2013 - FAQ
 
Apresentação natal 20_03_2014
Apresentação natal 20_03_2014Apresentação natal 20_03_2014
Apresentação natal 20_03_2014
 
Pesquisa Exploratória: Consulta aos Gestores Estaduais para o estabelecimento...
Pesquisa Exploratória:Consulta aos Gestores Estaduais para o estabelecimento...Pesquisa Exploratória:Consulta aos Gestores Estaduais para o estabelecimento...
Pesquisa Exploratória: Consulta aos Gestores Estaduais para o estabelecimento...
 
13º Conitec em evidencia-2017 REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...
13º Conitec em evidencia-2017  REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...13º Conitec em evidencia-2017  REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...
13º Conitec em evidencia-2017 REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...
 
Rio 18 nov 2014
Rio  18 nov 2014Rio  18 nov 2014
Rio 18 nov 2014
 
Apresentação CFF oficial - Visão da SBPCML - O Futuro das Análises Clínicas.ppt
Apresentação CFF oficial - Visão da SBPCML - O Futuro das Análises Clínicas.pptApresentação CFF oficial - Visão da SBPCML - O Futuro das Análises Clínicas.ppt
Apresentação CFF oficial - Visão da SBPCML - O Futuro das Análises Clínicas.ppt
 

Mais de DaviCarvalho66

Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdfEscassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
DaviCarvalho66
 
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdfDESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
DaviCarvalho66
 
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
DaviCarvalho66
 
MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E ESCOPO DE PRÁTICA
MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E  ESCOPO DE PRÁTICAMERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E  ESCOPO DE PRÁTICA
MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E ESCOPO DE PRÁTICA
DaviCarvalho66
 
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
DaviCarvalho66
 
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidadeMovimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
DaviCarvalho66
 
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdfShortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
DaviCarvalho66
 
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdfRutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
DaviCarvalho66
 
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdfPanorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
DaviCarvalho66
 
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdf
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdfRegulação Profissional Jornada_Chile.pdf
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdf
DaviCarvalho66
 
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdfÍndice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
DaviCarvalho66
 
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdfMercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
DaviCarvalho66
 
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
DaviCarvalho66
 
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
DaviCarvalho66
 
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdfO Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
DaviCarvalho66
 
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdfIndicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
DaviCarvalho66
 
Insecurity Health Care Index - NYC 2010.pdf
Insecurity Health Care Index - NYC 2010.pdfInsecurity Health Care Index - NYC 2010.pdf
Insecurity Health Care Index - NYC 2010.pdf
DaviCarvalho66
 
Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...
Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...
Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...
DaviCarvalho66
 
Transformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdf
Transformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdfTransformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdf
Transformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdf
DaviCarvalho66
 
A realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdf
A realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdfA realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdf
A realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdf
DaviCarvalho66
 

Mais de DaviCarvalho66 (20)

Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdfEscassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
 
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdfDESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
 
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
 
MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E ESCOPO DE PRÁTICA
MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E  ESCOPO DE PRÁTICAMERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E  ESCOPO DE PRÁTICA
MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E ESCOPO DE PRÁTICA
 
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
 
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidadeMovimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
 
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdfShortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
 
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdfRutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
 
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdfPanorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
 
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdf
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdfRegulação Profissional Jornada_Chile.pdf
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdf
 
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdfÍndice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
 
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdfMercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
 
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
 
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
 
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdfO Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
 
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdfIndicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
 
Insecurity Health Care Index - NYC 2010.pdf
Insecurity Health Care Index - NYC 2010.pdfInsecurity Health Care Index - NYC 2010.pdf
Insecurity Health Care Index - NYC 2010.pdf
 
Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...
Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...
Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...
 
Transformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdf
Transformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdfTransformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdf
Transformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdf
 
A realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdf
A realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdfA realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdf
A realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdf
 

Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Médicas em Minas Gerais 2011.pdf

  • 1. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011
  • 2. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Apresentação • Introdução • Objetivos  Apresentar um diagnóstico acerca da oferta de médicos especialistas em Minas Gerais, bem como do aparelho formador para especialização destes profissionais;  Projetar a oferta de médicos para os próximos anos para compará-la à demanda do sistema de saúde. • Motivação  Funcionamento equilibrado do Sistema de Saúde depende do gerenciamento da oferta e demanda de profissionais de saúde;  Déficit de profissionais qualificados no setor da saúde;  Distribuição desigual de profissionais, que se torna um agravante no momento que o país passa por um processo de transição etária e epidemiológica
  • 3. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Apresentação • Marco Teórico • Oferta  A dinâmica da oferta está condicionada ao número de escolas médicas, logo para conhecer o processo de evolução da oferta é necessário conhecer o funcionamento dos mecanismos que atuam na formação de profissionais.  Os órgãos reguladores podem atuar sobre a capacidade formadora através da concessão ou suspensão de bolsas, ou de incentivos à expansão de vagas para especialidades específicas. • Demanda  É determinada pelas características do sistema de saúde, como sua composição e organização, e pelas necessidades de saúde da população.  É afetada pela orientação das políticas de saúde: mudanças na oferta de serviços, como ampliação do acesso a um atendimento ou instalação de novos aparelhos.  É diferenciada por especialidades e tipos de estabelecimentos de saúde
  • 4. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Metodologia Projetos estruturadores Especialidades VIVA VIDA Medicina de Saúde da Família Ginecologia Obstetrícia Pediatria Mastologia Urologia Neonatologia HIPERDIA Cardiologia Endocrinologia Nefrologia Angiologia Oftalmologia MAIS VIDA Geriatria Clínica Médica URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Cirurgia Geral Cirurgia do Trauma Cirurgia Vascular Neurocirurgia Anestesia Ortopedia Cirurgia Pediátrica Radiologia intervencionista Cardiologia - Hemodinâmica Cardiologia Neurologia Medicina Intensiva Pediatria Clínica Médica
  • 5. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Metodologia • Definições iniciais • Amplo estudo de bases de dados secundárias- CNES, CNRM, CRM-MG. • Definição das especialidades prioritárias ligadas aos projetos estruturadores da SES • Desenho metodológico
  • 6. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Metodologia • Método de pesquisa do eixo Mercado de trabalho • Método de pesquisa do eixo Formação • Métodos de pesquisa
  • 7. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Resultados Panorama do estoque de médicos em Minas Gerais: •Cálculo dos estoques de profissionais por especialidade de exercício e micro e macrorregião de saúde. A distribuição geográfica dos estoques de especialistas no estado foi mapeada segundo microrregiões de saúde. •Fontes secundárias utilizadas: Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES-MS); Relação Anual de Informações Sociais (RAIS-MTE); Registro administrativo do CRM-MG. •Considerou-se especialista o profissional que exerceu a especialidade através de um vínculo com estabelecimento de saúde de pelo menos 1 hora semanal no mês de dezembro de 2008 segundo a Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), utilizada para registro no CNES.
  • 8. 34.706 29.662 99.950 25.258 Inscritos com vínculo ativo no CRM-MG Profissionais em estabelecimentos de saúde Vínculos em estabelecimentos de saúde Empregos formais Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas Gerais” a partir dos dados do Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRM-MG), do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES-MS) e da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS-MTE). Número de inscritos com vínculo ativo no CRM-MG, profissionais e vínculos em estabelecimentos de saúde e empregos formais no total da economia de médicos – Minas Gerais, dezembro de 2008
  • 9. 1.095 3.867 3.316 2.417 1.218 1.064 5.510 4.686 4.986 6.547 Até 29 De 30 até 39 De 40 até 49 De 50 até 59 60 ou mais Mulheres Homens Composição por sexo e faixa etária dos médicos com vínculo ativo inscritos no CRM-MG em 2008 Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas Gerais” a partir dos dados do Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRM-MG).
  • 10. 68,9 21,5 19,8 19,2 18,2 10,2 8,6 7,5 7,2 6,3 4,9 3,6 2,9 2,4 2,3 2,1 2,1 1,9 1,5 1,4 1,2 1,1 0,5 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 Razão do número de especialistas por 100 mil habitantes por especialidade – MG, dez. 2008 Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas Gerais” a partir dos dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).
  • 13. Distribuição da razão do nº de médicos por 100 mil hab. por macrorregião – Viva Vida – MG, dez. 2008 Pediatra (47,4%); Mastologista (61,9%); Urologista (45,5%) 10,9 11,3 7,4 10,6 24,1 14,9 22,7 20,3 16,7 19,3 21,0 22,6 13,4 Ginecologista Var. = 31,9% MG = 18,2
  • 14. Distribuição da razão do nº de médicos por 100 mil hab. por macrorregião – Hiperdia – MG, dez. 2008 Endocrinologista (69,3%); Nefrologista (44,4%); Oftalmologista (46,6%); Angiologia (53,1%) 5,5 5,2 2,5 7,0 14,9 7,3 15,3 11,2 8,7 9,8 9,9 9,7 6,2 Cardiologista Var. = 40,6% MG = 10,2
  • 16. Distribuição da razão do nº de médicos por 100 mil hab. por macrorregião – Urgência e Emergência – MG, dez. 2008 Ortopedista (40,6%); Neurocirurgião (40,8%); Neurologista (41,2%); Cir. Cardiovascular (51%); Cir. vascular (61,4%); Cir. Pediátrico (74,4%); Cir. Torácico (97,7%) 12,7 7,9 6,3 10,3 28,9 13,4 22,4 25,3 16,5 17,3 18,4 18,0 10,3 Cirurgião Geral Var. = 40,3% MG = 19,2
  • 17. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Resultados Dificuldades de contratação de médicos especialistas em hospitais • Objetivo: analisar a existência e as razões atribuídas à dificuldade de contratação de especialistas; • Entrevistados: universo de 231 hospitais do estado, sendo 128 do Programa de Melhoria e Fortalecimento dos Hospitais (PRO-HOSP) e 103 identificados no Cadastro de Estabelecimentos Empregadores (CEE) de janeiro de 2010 com o número de 100 empregados ou mais; • Coleta: Entrevistas Telefônicas Assistidas por Computador (ETACs) com gestores dos hospitais. Do total, 180 responderam à pesquisa.
  • 18. 71 55 55 49 47 41 41 38 37 35 34 32 30 30 29 29 28 28 28 27 26 25 0 10 20 30 40 50 60 70 80 Proporção de hospitais que encontram muita dificuldade de contratação de especialistas – Minas Gerais, 2010 Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas Gerais”.
  • 19. 77 67 67 65 64 63 62 62 61 60 60 60 55 55 55 54 51 50 50 46 43 0 10 20 30 40 50 60 70 80 Proporção de hospitais que encontram dificuldade de contratar o especialista que avaliaram como a mais importante ou entre as mais importantes razões “o nível de remuneração praticado pela instituição é considerado baixo pelos profissionais”, por especialidade – MG, 2010 Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas Gerais”.
  • 20. 80 71 71 69 68 67 65 65 63 62 61 59 57 56 48 48 47 44 44 43 41 28 0 10 20 30 40 50 60 70 80 Proporção de hospitais que encontram dificuldade de contratar o especialista que avaliaram como a mais importante ou entre as mais importantes razões a “falta de profissionais titulados segundo os critérios do MEC e da AMB”, por especialidade – MG, 2010 Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas Gerais”.
  • 21. 55 54 50 50 49 48 48 46 45 43 42 41 41 38 38 38 36 35 32 30 29 17 0 10 20 30 40 50 60 70 80 Proporção de hospitais que encontram dificuldade de contratar o especialista que avaliaram como a mais importante ou entre as mais importantes razões a “falta de profissionais com experiência requerida para o trabalho”, por especialidade – MG, 2010 Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas Gerais”.
  • 22. 15,6 15,3 14,6 11,8 11,3 10,8 10,7 10,1 10,0 9,6 9,3 8,4 8,2 8,2 8,0 7,9 7,6 7,2 7,1 7,0 6,3 4,5 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0 Fonte: Pesquisa “Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por especialidades e residências médicas em Minas Gerais”. Taxa de Vacância em hospitais por especialidade – Minas Gerais, 2010
  • 23. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Resultados • Opinião das Sociedades de Especialistas de Minas Gerais sobre a relação entre oferta e demanda de profissionais da especialidade Anestesiologia, cardiologia, endocrinologia, oftalmologia, urologia. Angiologia, cirurgia cardiovascular, cirurgia geral, clínico, geriatra, ginecologista, intensivista, nefrologista, neurologista, radiologista, saúde da família. Neurocirurgia, ortopedia. Excesso na capital e escassez no interior: mastologia. Excesso Equilíbrio Escassez
  • 24. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Resultados • Diagnóstico do mercado de trabalho de especialistas:  A Clínica Médica se destaca como a especialidade de maior proporção de médicos (44,76%) e a Cirurgia Torácica a menor (0,31%). As especialidades de Saúde da família (13,95%), Pediatria (12,86%), Cirurgia Geral (12,48%) e Ginecologia e Obstetrícia (11,81%), nesta ordem, também apareceram de forma bastante expressiva entre os médicos;  Desigualdade de distribuição de especialidades no estado, com destaque para subespecialidades cirúrgicas, medicina intensiva, endocrinologia e mastologia, com as maiores concentrações de especialistas. A especialidade de Saúde da Família foi a que apresentou a menor desigualdade, seguida de Clínica Médica, Ginecologia, Anestesiologia, Radiologia e Cirurgia Geral;  Quanto à dificuldade de contratação de especialistas em hospitais do estado, a maior percentual encontrado foi para pediatria (71%). Outras especialidades também apresentam dificuldades elevadas como Neurocirurgia (55,4%), Cirurgia pediátrica (54,7%), Medicina Intensiva (48,6%) e Anestesiologia (47,4%). Apenas para Nefrologia foi registrado um percentual inferior a ¼, especificamente 24,7%.
  • 25. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Resultados • Formação • Oferta de Residências Médicas  Atualmente são ofertadas 2026 vagas, sendo 90,34% delas ocupadas.  São 41 instituições que ofertam RM no estado, sendo a maior parte delas privadas filantrópicas. 0,00% 20,00% 40,00% 60,00% 80,00% 100,00% Privada Filantrópica Pública Estadual Privada Lucrativa Pública Municipal Pública Federal 34,10% 26,80% 19,50% 9,80% 9,80% Oferta de vagas nas instituições pesquisadas
  • 26. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 0,00% 20,00% 40,00% 60,00% 80,00% 100,00% 0 25 50 75 100 125 150 175 200 225 250 275 300 325 350 375 400 Número de vagas ofertadas e percentual de ocupação, por especialidade
  • 27. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Resultados • Formação • Oferta de Residências Médicas  Atualmente são ofertadas 2026 vagas, sendo 90,34% delas ocupadas.  São 41 instituições que ofertam RM no estado, sendo a maior parte delas privadas filantrópicas. • Perspectiva das Instituições  71% das instituições apontaram dificuldades para preencher as vagas ofertadas. falta de interesse dos próprios médicos para determinadas especialidades. Na opção “Outro” foram citados como motivos a existência de um processo de seleção unificado e divulgação insuficiente do processo.
  • 28. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Resultados • Formação • Perspectiva das Instituições  Para aumentar o número de vagas de RM ou obter credenciamento de novas especialidades, as dificuldades encontradas foram: Contratação e/ou designação de preceptores para o corpo técnico, burocracia do processo de credenciamento e problemas de disponibilidade de recursos para bolsa.  Das 41 instituições, 63,13% das instituições disponibilizavam as bolsas através de financiamento próprio. 67% das instituições que tiveram dificuldades para obter aumento de vagas apontaram dificuldades financeiras como causa.
  • 29. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Resultados • Formação • Perfil dos médicos residentes  Prevalência do sexo masculino (53,6%) com idade entre 23 e 44 anos. Maior proporção de mulheres é em Neonatalogia e de homens é em Urologia. 80,41% são solteiros.  O ingresso na residência médica ocorre na maioria das vezes imediatamente o término do curso de medicina.  O principal fator na escolha da especialidade é a realização pessoal/vocação, citada por 77% dos entrevistados.  Para escolha da instituição, os fatores apontados foram presença de profissionais de referência e renome e prestígio da instituição.  Quase a totalidade dos residentes pretende atuar em clínica e hospital público, e 75% pretende atuar em consultório próprio.  Grande parte pretende atuar em grandes centros ou cidades de médio porte.
  • 30. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Conclusões Finais • Tendências na formação e especialização médica • Visão dos especialistas:  As SESs devem regular a oferta de RM por especialidade a partir do financiamento da residência;  O Ministério da Saúde deve regular a oferta baseando-se nas necessidades de saúde da população;  As Sociedades de Especialistas não devem regular a oferta de RM de cada especialidade;  As instituições devem regular a oferta conforme seu perfil de atendimento e infra-estrutura;  Melhoras nas condições de trabalho dos médicos que atuam no SUS em regiões distantes dos grandes centro, na infra-estrutura dos estabelecimentos de saúde e na rede de saúde como um todo;  As especialidades mais procuradas são Dermatologia, Radiologia e Oftalmologia, por terem menor sobrecarga de trabalho e não lidam tão diretamente com risco de morte dos pacientes.  Não se chegou a um consenso sobre qual estratégia adotar para a regulação de oferta de especialistas e sua distribuição.
  • 31. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Conclusões Finais • Expectativas e projeções (2010-2030) • Quatro hipóteses consideradas sobre matrículas no primeira ano dos cursos de Medicina em Minas Gerais:  Cenário 1- Redução do número de vaga no curto prazo e posterior aumento moderado;  Cenário 2- Número de vagas constantes até 2030;  Cenário 3- Aumento de 1,0% ao ano no número de vagas  Cenário 4- Aumento de 3,0% ao ano do número de vagas
  • 32. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 MG e países selecionados (circa 2005) - Número de médicos el algumas especialidades por cem mil habitantes (Com indicação do n. abs. para MG) 0,0 20,0 40,0 60,0 A n e s t e s . C l í n i c o G e r i a t r a G i n & O b s t . P e d i a t r a S a ú d e d a f a m . P s i q u i a t r i a MG USA Canadá Perfil europeu (*)
  • 33. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Minas Gerais, 2010-2030: Estimativas do n. de médicos especialistas segundo o modelo CANADA Especialidade 2010 2020 2030 Anestesiologista 1.410 1.504 1.606 Clínico 7.203 4.289 2.716 Geriatra 109 821 1.264 Pediatra 3.415 1.946 1.146 Saúde da família 4.205 12.013 16.968 Psiquiatria 76 1.367 2.167
  • 34. APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO FINAL 24/05/2011 Conclusões Finais • Expectativas e projeções (2010-2030) • O estudo desenvolvido permite observar que esta projeção, mesmo atendendo às condições metodológicas e com premissas sustentadas pela literatura, pode sofrer ponderações que devem ser problematizadas na sua adoção como parâmetros para políticas públicas.  Regime de contratação em termos de jornada de trabalho;  Relação dos postos de trabalho existentes e disponíveis vis a vis o número de profissionais. • Esta projeção serve como ponto de partida para estimações capazes de auxiliar o planejamento dos gestores públicos na busca de atendimento de saúde qualificado e acessível a todos os cidadãos de Minas Gerais.