SlideShare uma empresa Scribd logo
O Papel das Florestas nas Estratégias
 Globais de Mitigação às Mudanças
             Climáticas.

           Henrique E M Nascimento
          Coordenação Geral de Ecossistemas
       Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação
Mudanças Climáticas ou
       Variabilidade Climática?




Seca na Amazônia, 2005   Evento Katrina (EUA), 2005
Mudanças climáticas: mudanças no
 clima em função da variabilidade
  natural ou da atividade humana
   Painel Intergovernamental para as Mudanças
                 Climáticas (IPCC)
Dia 3 - Simpósio 2 - Estratégias de mitigação a mudanças climáticas baseadas em SAFs - O papel de florestas nas estratégias globais de mitigação de mudanças climáticas - Henrique Nascimento

Recomendado para você

Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...

O documento discute a cana-de-açúcar e a economia sustentável. Apresenta os benefícios ambientais e econômicos da produção de etanol a partir da cana, incluindo a redução de emissões de gases do efeito estufa e poluentes atmosféricos. Também descreve os avanços do Protocolo Agroambiental paulista na adoção de práticas sustentáveis na produção de cana, como a redução do uso do fogo e a proteção de recursos naturais.

stabstab2013comumstab2013
2nd gen biofuels brazil
2nd gen biofuels brazil2nd gen biofuels brazil
2nd gen biofuels brazil

O documento discute as vantagens competitivas do Brasil para a produção agrícola e energética, destacando os recursos naturais de água, solo e radiação solar, assim como o papel da ciência no aumento da produtividade. A Embrapa teve importante contribuição para o crescimento da agricultura brasileira por meio da pesquisa agrocientífica. O capim-elefante e a silvicultura são apontados como promissores para a geração de energia renovável devido aos abundantes recursos naturais e baixo cust

Economia e meio ambiente apa do pratigi
Economia e meio ambiente   apa do pratigiEconomia e meio ambiente   apa do pratigi
Economia e meio ambiente apa do pratigi

1) O documento discute as relações entre economia e meio ambiente, explicando como o sistema econômico tradicional via o meio ambiente apenas como fornecedor de recursos, ignorando os impactos ambientais da produção e do consumo. 2) Apresenta os conceitos de biocapacidade e pegada ecológica para medir a capacidade dos ecossistemas de suportar as atividades humanas versus o consumo da população. 3) Argumenta que uma economia verde que valorize o capital natural pode crescer mais rapidamente a longo

economia e meio ambiente
Dia 3 - Simpósio 2 - Estratégias de mitigação a mudanças climáticas baseadas em SAFs - O papel de florestas nas estratégias globais de mitigação de mudanças climáticas - Henrique Nascimento
Dia 3 - Simpósio 2 - Estratégias de mitigação a mudanças climáticas baseadas em SAFs - O papel de florestas nas estratégias globais de mitigação de mudanças climáticas - Henrique Nascimento
Dia 3 - Simpósio 2 - Estratégias de mitigação a mudanças climáticas baseadas em SAFs - O papel de florestas nas estratégias globais de mitigação de mudanças climáticas - Henrique Nascimento
Como podemos interromper (ou atenuar)
as mudanças climáticas e o aquecimento
                global?

Recomendado para você

artigo2
artigo2artigo2
artigo2

O documento discute (1) a importância das florestas para a biodiversidade e clima, (2) como projetos voluntários de REDD como o Projeto Juma no Brasil podem ajudar a preservar a Amazônia, e (3) como um acordo internacional de REDD poderia funcionar em escala nacional de forma equitativa.

CCN business plan Portuguese version
CCN business plan Portuguese versionCCN business plan Portuguese version
CCN business plan Portuguese version

O documento descreve a Carbon Central Network (CCN), uma organização com sede na Austrália focada em educar o público sobre mudanças climáticas e preservação de florestas tropicais. A CCN oferece serviços de comércio de carbono e investe em tecnologias verdes, além de promover iniciativas como o programa REDD de conservação de florestas.

ccn business plan portuguese version
Apresentação gees 05.02
Apresentação gees 05.02Apresentação gees 05.02
Apresentação gees 05.02

-1) O documento apresenta um seminário sobre mudanças climáticas e emissão de metano em banhados subtropicais. -2) O aquecimento global é inequívoco e a temperatura média mundial poderá aumentar de 1,1°C a 6,4°C no século XXI, com derretimento glacial e eventos climáticos extremos. -3) Os banhados são importantes emissores de metano e responsáveis por cerca de 40% das emissões totais, liberadas através de bolhas e difus

MITIGAÇÃO:

Refere-se a uma intervenção antropogênica para
reduzir a própria força antropogênica no sistema
climático. É incluído estratégias para reduzir as
fontes de emissões de gases do efeito estufa e
também o aumento dos sumidouros destes
mesmos gases (IPCC).
Existem três maneiras de mitigação do efeito
estufa reconhecidas pelo IPCC:


1) a conservação dos estoques de carbono
existentes

2) a remoção por meio da ampliação dos
reservatórios de carbono

3) a substituição energética
O que é carbono?
O carbono é um elemento químico, símbolo C de
número atômico 6 (6 prótons e 6 elétrons) com
massa atômica igual a 12 u (dalton).

                    1 u = 1,66 x 10 -27 kg
Dependendo das condições de formação pode ser
encontrado na natureza em diversas formas.

Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.
CONTRIBUIÇÃO DE CADA GEE PARA O EFEITO ESTUFA


                                         84% dos GEEs são
                                       derivados do Carbono
                        HF6   Outros
        Óxido nitroso   10%     1%
             6%



         Metano
          19%                                 Dióxido de
                                               Carbono
                                                 64%




      GEEs decorrentes de processos industriais => 11%
       GEEs decorrentes de processos naturais => 89%

Recomendado para você

Nota técnica sobre a produção de Carvão Vegetal
Nota técnica sobre a produção de Carvão VegetalNota técnica sobre a produção de Carvão Vegetal
Nota técnica sobre a produção de Carvão Vegetal

Este documento discute os aspectos técnicos, sociais, ambientais e econômicos da produção de carvão vegetal no Brasil. Apresenta os principais tipos de carvão vegetal e suas aplicações, destacando que o Brasil é um dos maiores produtores mundiais. Discute também a importância do uso de florestas plantadas em vez de nativas para a produção sustentável de carvão vegetal.

charcoalcarvão vegetalforestry engineering
120711 11-wbeef-sust-alexandre-berndt
120711 11-wbeef-sust-alexandre-berndt120711 11-wbeef-sust-alexandre-berndt
120711 11-wbeef-sust-alexandre-berndt

1) O documento discute a contribuição da pecuária brasileira para as emissões de gases de efeito estufa, em particular o metano, e argumenta que é importante evitar que o foco nos GEE ofusque a importante contribuição econômica e social da bovinocultura no Brasil. 2) A pecuária brasileira é responsável por cerca de 47% das emissões de metano no país, principalmente por fermentação entérica. 3) Nos últimos anos, a pecuária brasileira vem evoluindo com melhorias na gestão de

Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010

O documento discute a viabilidade econômica de projetos agrosilvipastoris no Brasil. Ele apresenta os benefícios desses sistemas, incluindo a conservação do solo, sequestro de carbono, conforto para animais e diversificação de renda. Também aborda linhas de financiamento, potencial de produção de madeira e integração com atividades agrícolas e pecuárias para recuperar pastagens degradadas.

Equivalências

     CO2 para C => dividir por 3,6667
   C para CO2 => multiplicar por 3,6667



            Petróleo e Carbono

1 litro de gasolina = 2,164 kg CO2 (Cetesb, 2003)
GASES DE EFEITO ESTUFA E CRÉDITOS DE C
          para cada tonelada
1) Gás carbônico => CO2 = 1 crédito
2) Óxido nitroso => N2O = 310 créditos
3) Metano => CH4 = 21 créditos
4) Hidrofluocarbonos (substituto do CFC) => HFCs = 140-11700
5) Perfluocarbonetos (substituto do CFC => PFCs = 6500-9200
6) Sulfohexafluoreto (isolante elétrico, condutor de calor e
  líquido congelante) => SF4 = 23900
Madeira e Carbono
100 kg de madeira seca = 48,5 kg de C
 Compostos de Carbono na madeira
           Celulose = 44%
         Lignina = 28 – 32 %
        Hemicelulose = 25 %
50% DA MADEIRA SECA É
CARBONO .......
COMO O CARBONO É
FIXADO NA ÁRVORE ?

Recomendado para você

Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I)
Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I)Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I)
Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I)

Apresentação do Tocantins na discussão dos estados sobre seus avanços e desafios nas definições de linhas de base, construção de seus sistemas MRV e metas PPCD e resultados alcançados com projetos de REDD. (parte I)

tocantis; redd+; gcf
As Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdf
As Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdfAs Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdf
As Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdf

Os principais protocolos internacionais em defesa do meio ambiente incluem o Protocolo de Montreal (1987), o Protocolo de Kyoto (1997) e o Protocolo de Cartagena (2002). As conferências mais importantes foram a Conferência de Estocolmo (1972), a Cúpula da Terra no Rio de Janeiro (1992) e a Rio+20 no Rio de Janeiro (2012).

Conservação do Ecossistema Amazônico,
Conservação do Ecossistema Amazônico,Conservação do Ecossistema Amazônico,
Conservação do Ecossistema Amazônico,

A biodiversidade tropical é essencial para o equilíbrio dos ecossistemas florestais. No Brasil, existem experiências que mostram como a biodiversidade pode ser usada como ferramenta nos agroecossistemas, como o plantio de seringueiras em pequenas ilhas cercadas por floresta na Amazônia, que se mostrou produtivo graças à proteção da biodiversidade circundante contra doenças. A conservação e o uso sustentável da biodiversidade tropical são importantes para a sustentabilidade ambiental e econômica.

PRODUÇÃO DE BIOMASSA ou CARBONO

           Durante o dia .... fotossíntese




                       luz
     6 CO2 + 6 H2O             C6H12O6 + 6 O2
                     energia
PRODUÇÃO DE BIOMASSA ou CARBONO
             À noite ..... respiração




   C6H12O6 + 6 O2         6 CO2 + 6 H2O + energia
Proporções médias de
aérea                               C na biomassa da
 77%
                                       Amazônia
                                            grossas
                                              58%
                         raízes
                          23%

AÉREA x RAÍZES                                                                     finas
                                                                                   42%

                                                        RAÍZES

  árvores
    93%
                                                        folhas   flor/fruto
                                                          3%         0%
                                                gfino
                                                 17%
                     mudas
                      3%
  cipós
   2%        palmeiras                ggrosso
                2%                      11%
                                                                              tronco
                                                                                69%

            AÉREA
                                                          ÁRVORE
 Niro Higuchi (Com. Pessoal)
C total armazenado nas florestas (tropical + temperada + boreal) = 861 ± 66 Pg C




          Pan et al. (2010)

Recomendado para você

Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...
Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...
Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...

Apresentação exibida durante o workshop "Radiografia das Pastagens", realizado em 11 de dezembro pela SAE/PR em parceria com a Universidade Federal de Goiás (UFG). Leia mais: http://ow.ly/Gaoje

saepastagenspecuária
Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...
Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...
Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...

Este documento descreve o projeto "Adaptação a Mudanças Climáticas: Da pesquisa ao trabalho com técnicos e produtores", que teve duração de 12 meses entre 2008-2009 para avaliar o impacto das mudanças climáticas nos sistemas agroflorestais na Amazônia peruana e equatoriana. O projeto usou modelagem ecológica para mapear a distribuição potencial de espécies agroflorestais sob cenários climáticos atuais e futuros, e difundiu os resultados para técnicos e produt

Simuladoenem1 dia
Simuladoenem1 diaSimuladoenem1 dia
Simuladoenem1 dia

Este documento fornece instruções sobre um simulado de prova que abrange Ciências Humanas, Linguagens e suas Tecnologias. O simulado contém 90 questões de múltipla escolha sobre diversos assuntos e tem duração de 5 horas e 30 minutos.

Pan et al. (2010)
QUAL É O PAPEL DA FLORESTA
AMAZÔNICA NO PROCESSO DE
MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS ?
Uma árvore de 10 cm de diâmetro estoca 204 kg de biomassa =
                        102 kg de C
Uma árvore de 30 cm de diâmetro estoca 1.600 kg de biomassa
                       = 800 kg de C
Uma árvore de 60 cm de diâmetro estoca 6.000 kg de biomassa
                        = 3.000 kg
                       ou 3 ton de C
1 ha de floresta de terra-firme estoca cerca de 240 ton C
A área total de floresta de terra-firme da Amazônia = 7.000.000 Km2=700.000.000 ha


240 ton C/ha x 700.000.000 ha= 1,68*1011 ton C armazenado nas florestas de terra-
                                      firme
Emissão total de C (combustíveis fósseis + mudanças de uso da terra) na década de
                              1980 = 6,93*109 ton C


                                     Então:
 A emissão total de C na década de 1980 representa apenas 4,1% do
                   total do C armazenado na Amazônia

Recomendado para você

Aula 04
Aula 04Aula 04
Aula 04

O documento discute os desafios ambientais do século 21, focando nos seguintes pontos: 1) A intensificação da agressão ao meio ambiente a partir da segunda metade do século XX, com destaque para a poluição atmosférica, poluição hídrica e desmatamento acelerado. 2) O efeito estufa e o aquecimento global causados pela emissão de gases poluentes. 3) O Protocolo de Kyoto e seus esforços para reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

Recuperação de Áreas Degradadas usando mecanismos de créditos de carbono
Recuperação de Áreas Degradadas usando mecanismos de créditos de carbonoRecuperação de Áreas Degradadas usando mecanismos de créditos de carbono
Recuperação de Áreas Degradadas usando mecanismos de créditos de carbono

O documento discute o uso de mecanismos de crédito de carbono para recuperar áreas degradadas, especificamente reflorestando matas ciliares no Espírito Santo, Brasil. O projeto piloto propõe reflorestar 500 hectares ao longo de rios com duas faixas de mata nativa e eucalipto entre elas, gerando créditos de carbono para incentivar mais reflorestamento no estado.

Cbsaf reduzido
Cbsaf reduzidoCbsaf reduzido
Cbsaf reduzido

O documento discute a substituição das eritrinas por seringueiras como árvores de sombreamento em sistemas agroflorestais de cacaueiro. A seringueira é recomendada porque é uma planta de usos múltiplos que pode produzir mel, óleo, madeira, látex e borracha, além de sequestrar carbono. A substituição é benéfica porque a eritrina é exótica e competitiva com o cacaueiro, enquanto a seringueira é uma espécie nativa e produtiva que permite

MITIGAÇÃO no Brasil

1) Mitigar emissões no Brasil é principalmente reduzir desmatamentos na Amazonia!

2) ¾ das emissões brasileiras de GEE advém dos desmatamentos e agricultura!
Desmatamentos na América Latina
Existem três maneiras de mitigação do efeito
estufa reconhecidas pelo IPCC:


1) a conservação dos estoques de carbono
existentes

2) a remoção por meio da ampliação dos
reservatórios de carbono

3) a substituição energética
Δbiomassa = Crescimentot2-t1 – Mortalidadet2-t1




Média = 0,24 ton C ha-1 ano-1 X 700.000.000 ha = 0,17*109 →
absorção de 22% da emissão total na década de 1980

Recomendado para você

22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara

Este documento apresenta métodos e procedimentos para realizar levantamentos de campo para indicadores fitossociológicos em Sistemas Agroflorestais (SAFs), com foco em estoque de carbono e diversidade arbórea. Ele discute conceitos como população, amostra e unidade amostral, e métodos de amostragem como aleatória simples e estratificada. Também apresenta exemplos de aplicação desses métodos em projetos de mapeamento, estratificação e amostragem de SAFs nos estados do Rio de Janeiro e P

Paulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mmaPaulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mma

1. O documento discute estratégias de políticas públicas para promover sistemas agroflorestais sustentáveis no Brasil. 2. Vários programas governamentais são descritos que apoiam SAFs, incluindo Operação Arco Verde, Programa Mais Ambiente, PDRS Xingu e o Plano Brasil Sem Miséria. 3. Implementar essas políticas com sucesso requer maior integração entre formuladores de políticas e representantes da sociedade e SAFs podem fornecer uma alternativa importante para o desenvolvimento rural sustentável.

Paulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato ematerPaulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato emater

O documento discute estratégias de políticas públicas para maior adoção de sistemas agroflorestais no Pará. Ele aborda a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural, que tem como objetivo promover o desenvolvimento rural sustentável baseado em princípios agroecológicos. A lei que institui esta política prioriza o apoio a agricultores familiares, povos indígenas e quilombolas.

Produtividade (sumidouros de C ) nas diferentes Florestas
                      no Mundo




                                      Beer et al. (2010)
Sumidouros e Fontes nas Diferentes Florestas




                               Pan et al. (2010)
Projeções para
     mudanças de
    precipitação na
    Amazônia com
diferentes cenários de
     aumento na
     temperatura




                         Marengo et al. 2011
10 países com maiores áreas de
floresta primária (1000 ha) (FAO, 2006)
           País               Área de floresta primária
                                     (1000 ha)

           Brasil                             415 890

           Federação Russa                    255 470

           Canadá                             165 424

           EUA                                104 182

           Peru                                 61 065

           Colômbia                             60 728

           Indonésia                            48 702

           México                               32 850

           Bolívia                              29 360

           Papua Nova Guiné                     25 211

Recomendado para você

Sergio aparecido bb
Sergio aparecido bbSergio aparecido bb
Sergio aparecido bb

O documento descreve vários programas e linhas de crédito do Banco do Brasil para o agronegócio e agricultura familiar, incluindo o Programa ABC, Pronaf Mulher, Pronaf Mais Alimentos, e soluções para armazenagem, produção florestal, fruticultura, produção orgânica, biodiesel e irrigação.

Joao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mdaJoao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mda

O documento discute as condições necessárias para que os bancos concedam crédito para Sistemas Agroflorestais (SAF's) no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), incluindo a necessidade de os bancos conhecerem melhor os parâmetros técnicos dos SAF's e de se construírem parcerias sólidas entre bancos, agricultores e assistência técnica.

22iidamir
22iidamir22iidamir
22iidamir
Mecanismo de
    Desenvolvimento Limpo - MDL
• A base do mecanismo - inicialmente proposta
  pela delegação brasileira na forma de um
  Fundo de Desenvolvimento Limpo (1997), no
  âmbito das negociações internacionais para a
  construção do protocolo.

• A ideia, modificada, foi adotada em Quioto,
  Japão, durante a 3ª Conferência das Partes da
  Convenção do Clima (COP 3), em 1998.
Mecanismo de
     Desenvolvimento Limpo - MDL
• Brasil = um dos primeiros países a estabelecer
  localmente as bases jurídicas necessárias para o
  desenvolvimento de projetos no âmbito do MDL
• Criação de sua Autoridade Nacional Designada
  (AND) - decreto presidencial de 7 de julho de
  1999.
• Também primeira nação a formalizar a inscrição
  de sua AND perante o Conselho Executivo do
  MDL, em 2002.
Número de projetos MDL no mundo
7684 projetos
(41,5% já registrados
pelo Conselho Executivo)

1º. China = 3029 (39%)
2º. Índia = 2085 (27%)
3º. Brasil = 494 (6%)

% no potencial de redução anual
de emissões para o primeiro
período de obtenção de créditos
(1041 milhões tCO2e)
Distribuição de projetos por tipo de
           GEE reduzido

Recomendado para você

22robertmiller
22robertmiller22robertmiller
22robertmiller
24zaresoares
24zaresoares24zaresoares
24zaresoares

1. O documento discute as relações entre ciência, tecnologia e desenvolvimento sustentável, questionando se a ciência atual centrada no crescimento econômico pode apoiar uma sociedade sustentável. 2. É apresentado o Programa de Projetos Demonstrativos, que apoia experiências locais de produção inovadoras e sustentáveis para subsidiar políticas públicas. 3. Dados preliminares de quatro redes de agroecologia mostram a funcionalidade econômica e ecológica de sistemas agroflorestais e a import

24ricardoscoles
24ricardoscoles24ricardoscoles
24ricardoscoles
Escala dos projetos


•Região Sudeste ~
49% dos projetos
MDL brasileiros

•Estado de São Paulo
= participação mais
expressiva
Número de projetos brasileiros
         por setor




          A maior parte das atividades dos
          projetos brasileiros está no setor
          energético.
MDL e setor florestal
• No setor florestal, apenas projetos de
  florestamento e reflorestamento (A / R =
  afforestation/reforestation) são atualmente
  elegíveis.

• MDL tem-se revelado mais bem-sucedido em
  outros setores, particularmente no setor de
  energia, que teve um valor de mercado primário
  de USD 7,4 bilhões em 2007 (Hamilton et al.
  2008).
REDD - Contexto / Histórico
  Redução das emissões por desmatamento e degradação
                     florestal (REDD) =
mecanismo financeiro que oferece incentivos aos esforços para
      reduzir as emissões do setor florestal nos países em
                       desenvolvimento.

•O mecanismo foi proposto na 13ª COP, mas extensas discussões sobre o
escopo de REDD desde 2005, na Conferência de Montreal.

•COP- Cancun (2010) - a política e os mecanismos de implementação do
REDD foram ainda mais especificados e acordados no processo de longo
prazo de ação colaborativa.

Recomendado para você

24marceloarcoverde
24marceloarcoverde24marceloarcoverde
24marceloarcoverde

O documento discute o papel da pesquisa agroflorestal para políticas públicas e estratégias para maior adoção de Sistemas Agroflorestais (SAFs). A pesquisa em SAFs enfrenta desafios como informações complexas, falta de identidade e preconceitos. Instituições como a Embrapa possuem potencial para subsidiar governos, mas precisam integrar equipes e definir objetivos comuns para resultados menos fragmentados. É necessária inteligência estratégica e visão sistêmica de longo prazo para otimizar as políticas públic

24lucianarocha
24lucianarocha24lucianarocha
24lucianarocha

O documento apresenta um plano nacional para promover cadeias de produtos da sociobiodiversidade no Brasil. O plano visa desenvolver ações integradas para fortalecer cadeias de produtos como babaçu, castanha-do-brasil e açaí, beneficiando comunidades tradicionais e agricultores familiares. Ele define estratégias para melhorar a produção, processamento, comercialização e organização social dessas cadeias.

24jorgevivan
24jorgevivan24jorgevivan
24jorgevivan

Este documento apresenta os resultados de estudos de caso sobre sistemas agroflorestais (SAF) sustentáveis em três regiões do Brasil. Os principais pontos são: 1) Os SAF podem ser a principal fonte de renda para agricultores familiares inovadores, respondendo por até 100% da renda bruta em alguns casos; 2) A importância econômica dos SAF varia por região, sendo mais relevante onde já há tradição e mercado para seus produtos, como no café no Ceará e banana no Rio Grande do Sul; 3) Os SAF

REDD - Contexto / Histórico
• Os debates começaram com o RED (isto é, com foco
  apenas no desmatamento)

• Posteriormente se expandiram para considerar também a
  degradação da floresta (REDD).

• Em seguida, este foi ampliado para incluir a conservação
  florestal, o manejo florestal sustentável e valorização dos
  estoques de carbono florestal (REDD+)

• Uma visão de longo prazo inclui também o setor da
  agricultura, florestas e outros usos da terra (REDD ++).
Grouping of forestry approaches in climate change mitigation (adapted from Blaser et al 2009).

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Dia 3 - Simpósio 2 - Estratégias de mitigação a mudanças climáticas baseadas em SAFs - O papel de florestas nas estratégias globais de mitigação de mudanças climáticas - Henrique Nascimento

Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...
Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...
Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...
cbsaf
 
Desmatamento, emissões e desmatamento evitado. É possivel manter a floresta e...
Desmatamento, emissões e desmatamento evitado. É possivel manter a floresta e...Desmatamento, emissões e desmatamento evitado. É possivel manter a floresta e...
Desmatamento, emissões e desmatamento evitado. É possivel manter a floresta e...
Myris Silva
 
A importância da floresta em pé
A importância da floresta em pé   A importância da floresta em pé
A importância da floresta em pé
Silmara Vedoveli
 
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
STAB Setentrional
 
2nd gen biofuels brazil
2nd gen biofuels brazil2nd gen biofuels brazil
2nd gen biofuels brazil
Jean Carlo Viterbo
 
Economia e meio ambiente apa do pratigi
Economia e meio ambiente   apa do pratigiEconomia e meio ambiente   apa do pratigi
Economia e meio ambiente apa do pratigi
Roque Fraga
 
artigo2
artigo2artigo2
artigo2
Luis Duprat
 
CCN business plan Portuguese version
CCN business plan Portuguese versionCCN business plan Portuguese version
CCN business plan Portuguese version
Antal Boros
 
Apresentação gees 05.02
Apresentação gees 05.02Apresentação gees 05.02
Apresentação gees 05.02
Marcelo Gomes
 
Nota técnica sobre a produção de Carvão Vegetal
Nota técnica sobre a produção de Carvão VegetalNota técnica sobre a produção de Carvão Vegetal
Nota técnica sobre a produção de Carvão Vegetal
Carlos Alberto Monteiro
 
120711 11-wbeef-sust-alexandre-berndt
120711 11-wbeef-sust-alexandre-berndt120711 11-wbeef-sust-alexandre-berndt
120711 11-wbeef-sust-alexandre-berndt
AgroTalento
 
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Exagro
 
Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I)
Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I)Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I)
Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I)
Idesam
 
As Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdf
As Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdfAs Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdf
As Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdf
Henrique Pontes
 
Conservação do Ecossistema Amazônico,
Conservação do Ecossistema Amazônico,Conservação do Ecossistema Amazônico,
Conservação do Ecossistema Amazônico,
Luana Copini
 
Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...
Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...
Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...
Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...
Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...
cbsaf
 
Simuladoenem1 dia
Simuladoenem1 diaSimuladoenem1 dia
Simuladoenem1 dia
RobertoFilho72
 
Aula 04
Aula 04Aula 04
Aula 04
rafaelcef3
 
Recuperação de Áreas Degradadas usando mecanismos de créditos de carbono
Recuperação de Áreas Degradadas usando mecanismos de créditos de carbonoRecuperação de Áreas Degradadas usando mecanismos de créditos de carbono
Recuperação de Áreas Degradadas usando mecanismos de créditos de carbono
Instituto IDEIAS
 

Semelhante a Dia 3 - Simpósio 2 - Estratégias de mitigação a mudanças climáticas baseadas em SAFs - O papel de florestas nas estratégias globais de mitigação de mudanças climáticas - Henrique Nascimento (20)

Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...
Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...
Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...
 
Desmatamento, emissões e desmatamento evitado. É possivel manter a floresta e...
Desmatamento, emissões e desmatamento evitado. É possivel manter a floresta e...Desmatamento, emissões e desmatamento evitado. É possivel manter a floresta e...
Desmatamento, emissões e desmatamento evitado. É possivel manter a floresta e...
 
A importância da floresta em pé
A importância da floresta em pé   A importância da floresta em pé
A importância da floresta em pé
 
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
 
2nd gen biofuels brazil
2nd gen biofuels brazil2nd gen biofuels brazil
2nd gen biofuels brazil
 
Economia e meio ambiente apa do pratigi
Economia e meio ambiente   apa do pratigiEconomia e meio ambiente   apa do pratigi
Economia e meio ambiente apa do pratigi
 
artigo2
artigo2artigo2
artigo2
 
CCN business plan Portuguese version
CCN business plan Portuguese versionCCN business plan Portuguese version
CCN business plan Portuguese version
 
Apresentação gees 05.02
Apresentação gees 05.02Apresentação gees 05.02
Apresentação gees 05.02
 
Nota técnica sobre a produção de Carvão Vegetal
Nota técnica sobre a produção de Carvão VegetalNota técnica sobre a produção de Carvão Vegetal
Nota técnica sobre a produção de Carvão Vegetal
 
120711 11-wbeef-sust-alexandre-berndt
120711 11-wbeef-sust-alexandre-berndt120711 11-wbeef-sust-alexandre-berndt
120711 11-wbeef-sust-alexandre-berndt
 
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
 
Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I)
Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I)Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I)
Cenário Tocantins REDD+- Treinamento GCF/Macapá (parte I)
 
As Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdf
As Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdfAs Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdf
As Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdf
 
Conservação do Ecossistema Amazônico,
Conservação do Ecossistema Amazônico,Conservação do Ecossistema Amazônico,
Conservação do Ecossistema Amazônico,
 
Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...
Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...
Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...
 
Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...
Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...
Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climática...
 
Simuladoenem1 dia
Simuladoenem1 diaSimuladoenem1 dia
Simuladoenem1 dia
 
Aula 04
Aula 04Aula 04
Aula 04
 
Recuperação de Áreas Degradadas usando mecanismos de créditos de carbono
Recuperação de Áreas Degradadas usando mecanismos de créditos de carbonoRecuperação de Áreas Degradadas usando mecanismos de créditos de carbono
Recuperação de Áreas Degradadas usando mecanismos de créditos de carbono
 

Mais de cbsaf

Cbsaf reduzido
Cbsaf reduzidoCbsaf reduzido
Cbsaf reduzido
cbsaf
 
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
cbsaf
 
Paulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mmaPaulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mma
cbsaf
 
Paulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato ematerPaulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato emater
cbsaf
 
Sergio aparecido bb
Sergio aparecido bbSergio aparecido bb
Sergio aparecido bb
cbsaf
 
Joao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mdaJoao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mda
cbsaf
 
22iidamir
22iidamir22iidamir
22iidamir
cbsaf
 
22robertmiller
22robertmiller22robertmiller
22robertmiller
cbsaf
 
24zaresoares
24zaresoares24zaresoares
24zaresoares
cbsaf
 
24ricardoscoles
24ricardoscoles24ricardoscoles
24ricardoscoles
cbsaf
 
24marceloarcoverde
24marceloarcoverde24marceloarcoverde
24marceloarcoverde
cbsaf
 
24lucianarocha
24lucianarocha24lucianarocha
24lucianarocha
cbsaf
 
24jorgevivan
24jorgevivan24jorgevivan
24jorgevivan
cbsaf
 
24cleidetavares
24cleidetavares24cleidetavares
24cleidetavares
cbsaf
 
24casemiro
24casemiro24casemiro
24casemiro
cbsaf
 
24andregolcalves
24andregolcalves24andregolcalves
24andregolcalves
cbsaf
 
23leonardosorice
23leonardosorice23leonardosorice
23leonardosorice
cbsaf
 
Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1
cbsaf
 
Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1
cbsaf
 
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiuttiCompressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
cbsaf
 

Mais de cbsaf (20)

Cbsaf reduzido
Cbsaf reduzidoCbsaf reduzido
Cbsaf reduzido
 
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
 
Paulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mmaPaulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mma
 
Paulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato ematerPaulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato emater
 
Sergio aparecido bb
Sergio aparecido bbSergio aparecido bb
Sergio aparecido bb
 
Joao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mdaJoao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mda
 
22iidamir
22iidamir22iidamir
22iidamir
 
22robertmiller
22robertmiller22robertmiller
22robertmiller
 
24zaresoares
24zaresoares24zaresoares
24zaresoares
 
24ricardoscoles
24ricardoscoles24ricardoscoles
24ricardoscoles
 
24marceloarcoverde
24marceloarcoverde24marceloarcoverde
24marceloarcoverde
 
24lucianarocha
24lucianarocha24lucianarocha
24lucianarocha
 
24jorgevivan
24jorgevivan24jorgevivan
24jorgevivan
 
24cleidetavares
24cleidetavares24cleidetavares
24cleidetavares
 
24casemiro
24casemiro24casemiro
24casemiro
 
24andregolcalves
24andregolcalves24andregolcalves
24andregolcalves
 
23leonardosorice
23leonardosorice23leonardosorice
23leonardosorice
 
Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1
 
Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1
 
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiuttiCompressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
 

Dia 3 - Simpósio 2 - Estratégias de mitigação a mudanças climáticas baseadas em SAFs - O papel de florestas nas estratégias globais de mitigação de mudanças climáticas - Henrique Nascimento

  • 1. O Papel das Florestas nas Estratégias Globais de Mitigação às Mudanças Climáticas. Henrique E M Nascimento Coordenação Geral de Ecossistemas Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 2. Mudanças Climáticas ou Variabilidade Climática? Seca na Amazônia, 2005 Evento Katrina (EUA), 2005
  • 3. Mudanças climáticas: mudanças no clima em função da variabilidade natural ou da atividade humana Painel Intergovernamental para as Mudanças Climáticas (IPCC)
  • 8. Como podemos interromper (ou atenuar) as mudanças climáticas e o aquecimento global?
  • 9. MITIGAÇÃO: Refere-se a uma intervenção antropogênica para reduzir a própria força antropogênica no sistema climático. É incluído estratégias para reduzir as fontes de emissões de gases do efeito estufa e também o aumento dos sumidouros destes mesmos gases (IPCC).
  • 10. Existem três maneiras de mitigação do efeito estufa reconhecidas pelo IPCC: 1) a conservação dos estoques de carbono existentes 2) a remoção por meio da ampliação dos reservatórios de carbono 3) a substituição energética
  • 11. O que é carbono? O carbono é um elemento químico, símbolo C de número atômico 6 (6 prótons e 6 elétrons) com massa atômica igual a 12 u (dalton). 1 u = 1,66 x 10 -27 kg Dependendo das condições de formação pode ser encontrado na natureza em diversas formas. Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.
  • 12. CONTRIBUIÇÃO DE CADA GEE PARA O EFEITO ESTUFA 84% dos GEEs são derivados do Carbono HF6 Outros Óxido nitroso 10% 1% 6% Metano 19% Dióxido de Carbono 64% GEEs decorrentes de processos industriais => 11% GEEs decorrentes de processos naturais => 89%
  • 13. Equivalências CO2 para C => dividir por 3,6667 C para CO2 => multiplicar por 3,6667 Petróleo e Carbono 1 litro de gasolina = 2,164 kg CO2 (Cetesb, 2003)
  • 14. GASES DE EFEITO ESTUFA E CRÉDITOS DE C para cada tonelada 1) Gás carbônico => CO2 = 1 crédito 2) Óxido nitroso => N2O = 310 créditos 3) Metano => CH4 = 21 créditos 4) Hidrofluocarbonos (substituto do CFC) => HFCs = 140-11700 5) Perfluocarbonetos (substituto do CFC => PFCs = 6500-9200 6) Sulfohexafluoreto (isolante elétrico, condutor de calor e líquido congelante) => SF4 = 23900
  • 15. Madeira e Carbono 100 kg de madeira seca = 48,5 kg de C Compostos de Carbono na madeira Celulose = 44% Lignina = 28 – 32 % Hemicelulose = 25 %
  • 16. 50% DA MADEIRA SECA É CARBONO ....... COMO O CARBONO É FIXADO NA ÁRVORE ?
  • 17. PRODUÇÃO DE BIOMASSA ou CARBONO Durante o dia .... fotossíntese luz 6 CO2 + 6 H2O C6H12O6 + 6 O2 energia
  • 18. PRODUÇÃO DE BIOMASSA ou CARBONO À noite ..... respiração C6H12O6 + 6 O2 6 CO2 + 6 H2O + energia
  • 19. Proporções médias de aérea C na biomassa da 77% Amazônia grossas 58% raízes 23% AÉREA x RAÍZES finas 42% RAÍZES árvores 93% folhas flor/fruto 3% 0% gfino 17% mudas 3% cipós 2% palmeiras ggrosso 2% 11% tronco 69% AÉREA ÁRVORE Niro Higuchi (Com. Pessoal)
  • 20. C total armazenado nas florestas (tropical + temperada + boreal) = 861 ± 66 Pg C Pan et al. (2010)
  • 21. Pan et al. (2010)
  • 22. QUAL É O PAPEL DA FLORESTA AMAZÔNICA NO PROCESSO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS ?
  • 23. Uma árvore de 10 cm de diâmetro estoca 204 kg de biomassa = 102 kg de C Uma árvore de 30 cm de diâmetro estoca 1.600 kg de biomassa = 800 kg de C Uma árvore de 60 cm de diâmetro estoca 6.000 kg de biomassa = 3.000 kg ou 3 ton de C
  • 24. 1 ha de floresta de terra-firme estoca cerca de 240 ton C A área total de floresta de terra-firme da Amazônia = 7.000.000 Km2=700.000.000 ha 240 ton C/ha x 700.000.000 ha= 1,68*1011 ton C armazenado nas florestas de terra- firme Emissão total de C (combustíveis fósseis + mudanças de uso da terra) na década de 1980 = 6,93*109 ton C Então: A emissão total de C na década de 1980 representa apenas 4,1% do total do C armazenado na Amazônia
  • 25. MITIGAÇÃO no Brasil 1) Mitigar emissões no Brasil é principalmente reduzir desmatamentos na Amazonia! 2) ¾ das emissões brasileiras de GEE advém dos desmatamentos e agricultura!
  • 27. Existem três maneiras de mitigação do efeito estufa reconhecidas pelo IPCC: 1) a conservação dos estoques de carbono existentes 2) a remoção por meio da ampliação dos reservatórios de carbono 3) a substituição energética
  • 28. Δbiomassa = Crescimentot2-t1 – Mortalidadet2-t1 Média = 0,24 ton C ha-1 ano-1 X 700.000.000 ha = 0,17*109 → absorção de 22% da emissão total na década de 1980
  • 29. Produtividade (sumidouros de C ) nas diferentes Florestas no Mundo Beer et al. (2010)
  • 30. Sumidouros e Fontes nas Diferentes Florestas Pan et al. (2010)
  • 31. Projeções para mudanças de precipitação na Amazônia com diferentes cenários de aumento na temperatura Marengo et al. 2011
  • 32. 10 países com maiores áreas de floresta primária (1000 ha) (FAO, 2006) País Área de floresta primária (1000 ha) Brasil 415 890 Federação Russa 255 470 Canadá 165 424 EUA 104 182 Peru 61 065 Colômbia 60 728 Indonésia 48 702 México 32 850 Bolívia 29 360 Papua Nova Guiné 25 211
  • 33. Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL • A base do mecanismo - inicialmente proposta pela delegação brasileira na forma de um Fundo de Desenvolvimento Limpo (1997), no âmbito das negociações internacionais para a construção do protocolo. • A ideia, modificada, foi adotada em Quioto, Japão, durante a 3ª Conferência das Partes da Convenção do Clima (COP 3), em 1998.
  • 34. Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL • Brasil = um dos primeiros países a estabelecer localmente as bases jurídicas necessárias para o desenvolvimento de projetos no âmbito do MDL • Criação de sua Autoridade Nacional Designada (AND) - decreto presidencial de 7 de julho de 1999. • Também primeira nação a formalizar a inscrição de sua AND perante o Conselho Executivo do MDL, em 2002.
  • 35. Número de projetos MDL no mundo 7684 projetos (41,5% já registrados pelo Conselho Executivo) 1º. China = 3029 (39%) 2º. Índia = 2085 (27%) 3º. Brasil = 494 (6%) % no potencial de redução anual de emissões para o primeiro período de obtenção de créditos (1041 milhões tCO2e)
  • 36. Distribuição de projetos por tipo de GEE reduzido
  • 37. Escala dos projetos •Região Sudeste ~ 49% dos projetos MDL brasileiros •Estado de São Paulo = participação mais expressiva
  • 38. Número de projetos brasileiros por setor A maior parte das atividades dos projetos brasileiros está no setor energético.
  • 39. MDL e setor florestal • No setor florestal, apenas projetos de florestamento e reflorestamento (A / R = afforestation/reforestation) são atualmente elegíveis. • MDL tem-se revelado mais bem-sucedido em outros setores, particularmente no setor de energia, que teve um valor de mercado primário de USD 7,4 bilhões em 2007 (Hamilton et al. 2008).
  • 40. REDD - Contexto / Histórico Redução das emissões por desmatamento e degradação florestal (REDD) = mecanismo financeiro que oferece incentivos aos esforços para reduzir as emissões do setor florestal nos países em desenvolvimento. •O mecanismo foi proposto na 13ª COP, mas extensas discussões sobre o escopo de REDD desde 2005, na Conferência de Montreal. •COP- Cancun (2010) - a política e os mecanismos de implementação do REDD foram ainda mais especificados e acordados no processo de longo prazo de ação colaborativa.
  • 41. REDD - Contexto / Histórico • Os debates começaram com o RED (isto é, com foco apenas no desmatamento) • Posteriormente se expandiram para considerar também a degradação da floresta (REDD). • Em seguida, este foi ampliado para incluir a conservação florestal, o manejo florestal sustentável e valorização dos estoques de carbono florestal (REDD+) • Uma visão de longo prazo inclui também o setor da agricultura, florestas e outros usos da terra (REDD ++).
  • 42. Grouping of forestry approaches in climate change mitigation (adapted from Blaser et al 2009).