SlideShare uma empresa Scribd logo
Determinismo biológico
Os antropólogos constatam a partir de seus
 estudos de que as diferenças genéticas
 não são determinantes das diferenças
 culturais


    Felix Keesing: “não existe correlação
    significativa entre a distribuição dos
    caracteres genéticos e a distribuição dos
    comportamentos culturais”
Reunião UNESCO -1950


“Os dados científicos não confirmam a teoria segundo a
  qual as diferenças genéticas hereditárias constituíriam
  um fator de importância primordial entre as causas das
  diferenças que se manifestam entre as culturas (…)
  essas diferenças se explicam antes de tudo pela
  história cultural de cada grupo. Os fatores que tiveram
  um papel prependerante na evolução do homem são
  sua faculdade de aprender e sua plasticidade”.
“... não foi provada a validade da tese segundo a qual os
   grupos humanos diferen uns dos outros pelos traços
   psicologicamente inatos, quer se trate de inteligência
   ou temperamento. As pesquisas científicas revelam
   que o nível das aptidões mentais é quase o mesmo em
   todos os grupos étnicos”.
A espécie humana se diferencia através do
 dimorfismo sexual, mas é falso que as
 diferenças de comportamento existentes
 entre pessoas de sexos diferentes sejam
 determinadas biologicamente.


Atividades atribuidas às mulheres em uma
 cultura podem ser atribuídas aos homens
 em outra
O comportamento dos indivíduos depende de
 um aprendizado, de um processo que
 chamamos de endoculturação.


Um menino e uma menina agem
 diferentemente não em função de seus
 hormônios, mas em decorrência de uma
 educação diferenciada.
Determinismo geográfico

Considera que as diferenças do ambiente
   físico condicionam a diversidade cultural.


    Estas teorias foram desenvolvidas
    principalmente por geógrafos no final do
    Século XIX e no início do Século XX e
    ganharam uma grande popularidade.
Desde a Antigüidade, foram comuns as tentativas de
   explicar as diferenças de comportamento entre
   os homens, a partir das variações dos
   ambientes físicos:


    Marcus V. Pollio, arquiteto romano, S.I A.C.:
“Os povos do sul têm uma intelegiência aguda,
    devido à raridade da atmosfera e ao calor;
    enquanto os das nações do Norte, tendo se
    desenvolvido numa atmosfera densa e esfriados
    pelos vapores dos ares carregados, têm uma
    inteligência preguiçosa”.
Jean Bodin, filósofo francês do século XVI:


Teoria de que os povos do norte têm como líquido
  dominante da vida o fleuma, enquanto os do sul
  são dominados pela bilis negra.


Em decorrência disto, os nórdicos são fieis, leais aos
 governantes, cruéis e pouco interessados
 sexualmente; enquanto os do sul são maliciosos,
 engenhosos, abertos, orientados para as ciências.
Hungtington: Civilization and climate, 1915:
formula uma relação entre latitude e centros de
  civilização, considerando o clima como fator
  importante na dinâmica do progresso.
A partir de 1920, antropólogos como Boas, Wissler e
  Kroeber, entre outros, refutaram este tipo de
  determinismo e demonstraram que existe uma
  limitação na influência geográfica sobre os fatores
  culturais.


É possível existir uma grande diversidade cultural
  localizada em um mesmo tipo de ambiente
  físico.
Exemplos:
Lapões e Esquimos: ambiente geográfico
 semelhante: calota polar norte; flora e fauna
 semelhante
Lapões: norte da Europa
Casas: tendas de peles de rena
Criadores de rena
Esquimós: norte de América
Casas formadas de blocos de neve
Vivem da caça de mamíferos
A aparente pobreza glacial não impede que os
  esquimós tenham uma desenvolvida arte de
  esculturas em pedra-sabão e nem que resolvam os
  seus conflitos com uma sofisticada competição de
  canções entre os competidores
Índios do sudoeste norte-americano


    Grupo Pueblo: aldeões, economia agrícola
    baseada no milho


    Os Navajo: antes coleta de castanha e caça;
    atualmente pastoreadores de ovinos
Parque Nacional do Xingu


    Kamayurá, Kalapalo, Trumai, Waurá: se dedicam à
    pesca e caça de aves

    Kayabi: preferem os mamíferos de grande porte,
    como a anta, o veado, o caitutu etc.
Os três exemplos mostram que não é possível
 admitir a idéia do determinismo geográfico.


A posição da antropologia moderna é que a
 “cultura age seletivamente”, e não
 casualmente, sobre seu meio ambiente.
As diferenças de comportamento entre os
 homens não podem ser explicadas através
 das diversidades somatológicas ou
 mesológicas.


Os determinismos geográficos e biológicos
 não explicam a diversidade dos seres
 humanos.
A cultura diversifica enormemente a
 humanidade, apesar de sua comprovada
 unidade biológica


    Confúcio: “A natureza dos homens é a
    mesma, são seus hábitos que os mantêm
    separados”.
A grande qualidade da espécie humana é
 romper com suas próprias limitações.


O ser humano difere dos outros
 animais por ser o único que possui
 cultura.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1ª lei de mendel
1ª lei de mendel1ª lei de mendel
1ª lei de mendel
giovannimusetti
 
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livroGeografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Jessica Amaral
 
O continente americano completo
O continente americano  completoO continente americano  completo
O continente americano completo
Camila Brito
 
DNA
DNADNA
Ppt Hereditariedade
Ppt   HereditariedadePpt   Hereditariedade
Ppt Hereditariedade
stique
 
Mutações cromossômicas
Mutações cromossômicasMutações cromossômicas
Mutações cromossômicas
Kennet1
 
Composição étnica brasileira
Composição étnica  brasileiraComposição étnica  brasileira
Composição étnica brasileira
Salageo Cristina
 
Hereditariedade
HereditariedadeHereditariedade
Hereditariedade
Gabriela Bruno
 
A imigração na Europa
A imigração na EuropaA imigração na Europa
A imigração na Europa
Tiago Araujo Campos
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
Professor
 
6º ano Unidade4
6º ano Unidade46º ano Unidade4
6º ano Unidade4
Christie Freitas
 
A dinâmica populacional
A dinâmica populacionalA dinâmica populacional
A dinâmica populacional
flaviocosac
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da População
Eduardo Mendes
 
Localizacao e caracteristicas do terrritorio brasileiro
Localizacao e caracteristicas do terrritorio brasileiroLocalizacao e caracteristicas do terrritorio brasileiro
Localizacao e caracteristicas do terrritorio brasileiro
Abner de Paula
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
Professor
 
Avaliação de sondagem de geografia. 11
Avaliação de sondagem de geografia. 11Avaliação de sondagem de geografia. 11
Avaliação de sondagem de geografia. 11
Atividades Diversas Cláudia
 
Continente asiático
Continente asiáticoContinente asiático
Continente asiático
André Luiz Marques
 
Demografia
DemografiaDemografia
Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
André Luiz Marques
 

Mais procurados (20)

1ª lei de mendel
1ª lei de mendel1ª lei de mendel
1ª lei de mendel
 
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livroGeografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
 
O continente americano completo
O continente americano  completoO continente americano  completo
O continente americano completo
 
DNA
DNADNA
DNA
 
Ppt Hereditariedade
Ppt   HereditariedadePpt   Hereditariedade
Ppt Hereditariedade
 
Mutações cromossômicas
Mutações cromossômicasMutações cromossômicas
Mutações cromossômicas
 
Composição étnica brasileira
Composição étnica  brasileiraComposição étnica  brasileira
Composição étnica brasileira
 
Hereditariedade
HereditariedadeHereditariedade
Hereditariedade
 
A imigração na Europa
A imigração na EuropaA imigração na Europa
A imigração na Europa
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
 
6º ano Unidade4
6º ano Unidade46º ano Unidade4
6º ano Unidade4
 
A dinâmica populacional
A dinâmica populacionalA dinâmica populacional
A dinâmica populacional
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da População
 
Localizacao e caracteristicas do terrritorio brasileiro
Localizacao e caracteristicas do terrritorio brasileiroLocalizacao e caracteristicas do terrritorio brasileiro
Localizacao e caracteristicas do terrritorio brasileiro
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
 
Avaliação de sondagem de geografia. 11
Avaliação de sondagem de geografia. 11Avaliação de sondagem de geografia. 11
Avaliação de sondagem de geografia. 11
 
Continente asiático
Continente asiáticoContinente asiático
Continente asiático
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
 

Semelhante a Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)

Cultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológicoCultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológico
Direito Nabuco
 
Etnocentrismo e outros conceitos.ppt
Etnocentrismo e outros conceitos.pptEtnocentrismo e outros conceitos.ppt
Etnocentrismo e outros conceitos.ppt
Rafael867106
 
Cap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformaçãoCap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformação
Joao Balbi
 
Cap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformaçãoCap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformação
Joao Balbi
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
Thiago OLiveira da Silva
 
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
Leonardo Santos
 
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
Israel serique
 
Apresentação em Aula 1 Antropologia versão 97-2003.ppt
Apresentação em Aula 1 Antropologia versão 97-2003.pptApresentação em Aula 1 Antropologia versão 97-2003.ppt
Apresentação em Aula 1 Antropologia versão 97-2003.ppt
RafaelXavierChaves
 
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidadeAula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidadeAula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
Claudio Henrique Ramos Sales
 
O determinismo geográfico
O determinismo geográficoO determinismo geográfico
O determinismo geográfico
Psicologia_2015
 
África, berço da humanidade
África, berço da humanidadeÁfrica, berço da humanidade
África, berço da humanidade
CEJALaguna
 
temas de reflexao
temas de reflexaotemas de reflexao
temas de reflexao
ValSony
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowskiAntropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Celso Firmino Sociologia/Filosofia
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowskiAntropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
firminomaissociologiafilosofia2019
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
Jordano Santos Cerqueira
 
Capítulo 5 - Temas Contemporâneos da Antropologia
Capítulo 5 - Temas Contemporâneos da AntropologiaCapítulo 5 - Temas Contemporâneos da Antropologia
Capítulo 5 - Temas Contemporâneos da Antropologia
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
sld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdfsld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdf
SammuelFabricio1
 
Culturaumconceitoantropologico 100909171811-phpapp01
Culturaumconceitoantropologico 100909171811-phpapp01Culturaumconceitoantropologico 100909171811-phpapp01
Culturaumconceitoantropologico 100909171811-phpapp01
Maria Das Merces Silva
 
Capítulo 1 - Evolucionismo e Diferença
Capítulo 1 - Evolucionismo e DiferençaCapítulo 1 - Evolucionismo e Diferença
Capítulo 1 - Evolucionismo e Diferença
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 

Semelhante a Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012) (20)

Cultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológicoCultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológico
 
Etnocentrismo e outros conceitos.ppt
Etnocentrismo e outros conceitos.pptEtnocentrismo e outros conceitos.ppt
Etnocentrismo e outros conceitos.ppt
 
Cap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformaçãoCap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformação
 
Cap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformaçãoCap 6 cultura e transformação
Cap 6 cultura e transformação
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
 
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
 
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
 
Apresentação em Aula 1 Antropologia versão 97-2003.ppt
Apresentação em Aula 1 Antropologia versão 97-2003.pptApresentação em Aula 1 Antropologia versão 97-2003.ppt
Apresentação em Aula 1 Antropologia versão 97-2003.ppt
 
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidadeAula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
 
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidadeAula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - Padronização e diversidade
 
O determinismo geográfico
O determinismo geográficoO determinismo geográfico
O determinismo geográfico
 
África, berço da humanidade
África, berço da humanidadeÁfrica, berço da humanidade
África, berço da humanidade
 
temas de reflexao
temas de reflexaotemas de reflexao
temas de reflexao
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowskiAntropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowskiAntropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
 
Capítulo 5 - Temas Contemporâneos da Antropologia
Capítulo 5 - Temas Contemporâneos da AntropologiaCapítulo 5 - Temas Contemporâneos da Antropologia
Capítulo 5 - Temas Contemporâneos da Antropologia
 
sld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdfsld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdf
 
Culturaumconceitoantropologico 100909171811-phpapp01
Culturaumconceitoantropologico 100909171811-phpapp01Culturaumconceitoantropologico 100909171811-phpapp01
Culturaumconceitoantropologico 100909171811-phpapp01
 
Capítulo 1 - Evolucionismo e Diferença
Capítulo 1 - Evolucionismo e DiferençaCapítulo 1 - Evolucionismo e Diferença
Capítulo 1 - Evolucionismo e Diferença
 

Mais de ozgauche

Ppp mar
Ppp marPpp mar
Ppp mar
ozgauche
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
ozgauche
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
ozgauche
 
O que é IPHAN
O que é IPHANO que é IPHAN
O que é IPHAN
ozgauche
 
teste
testeteste
teste
ozgauche
 
Escola cultura e personalidade
Escola cultura e personalidadeEscola cultura e personalidade
Escola cultura e personalidade
ozgauche
 
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
ozgauche
 
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
ozgauche
 

Mais de ozgauche (8)

Ppp mar
Ppp marPpp mar
Ppp mar
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
O que é IPHAN
O que é IPHANO que é IPHAN
O que é IPHAN
 
teste
testeteste
teste
 
Escola cultura e personalidade
Escola cultura e personalidadeEscola cultura e personalidade
Escola cultura e personalidade
 
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)
 
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
 

Último

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 

Determinismo biológico e geográfico (03/04/2012)

  • 1. Determinismo biológico Os antropólogos constatam a partir de seus estudos de que as diferenças genéticas não são determinantes das diferenças culturais  Felix Keesing: “não existe correlação significativa entre a distribuição dos caracteres genéticos e a distribuição dos comportamentos culturais”
  • 2. Reunião UNESCO -1950 “Os dados científicos não confirmam a teoria segundo a qual as diferenças genéticas hereditárias constituíriam um fator de importância primordial entre as causas das diferenças que se manifestam entre as culturas (…) essas diferenças se explicam antes de tudo pela história cultural de cada grupo. Os fatores que tiveram um papel prependerante na evolução do homem são sua faculdade de aprender e sua plasticidade”. “... não foi provada a validade da tese segundo a qual os grupos humanos diferen uns dos outros pelos traços psicologicamente inatos, quer se trate de inteligência ou temperamento. As pesquisas científicas revelam que o nível das aptidões mentais é quase o mesmo em todos os grupos étnicos”.
  • 3. A espécie humana se diferencia através do dimorfismo sexual, mas é falso que as diferenças de comportamento existentes entre pessoas de sexos diferentes sejam determinadas biologicamente. Atividades atribuidas às mulheres em uma cultura podem ser atribuídas aos homens em outra
  • 4. O comportamento dos indivíduos depende de um aprendizado, de um processo que chamamos de endoculturação. Um menino e uma menina agem diferentemente não em função de seus hormônios, mas em decorrência de uma educação diferenciada.
  • 5. Determinismo geográfico Considera que as diferenças do ambiente físico condicionam a diversidade cultural.  Estas teorias foram desenvolvidas principalmente por geógrafos no final do Século XIX e no início do Século XX e ganharam uma grande popularidade.
  • 6. Desde a Antigüidade, foram comuns as tentativas de explicar as diferenças de comportamento entre os homens, a partir das variações dos ambientes físicos:  Marcus V. Pollio, arquiteto romano, S.I A.C.: “Os povos do sul têm uma intelegiência aguda, devido à raridade da atmosfera e ao calor; enquanto os das nações do Norte, tendo se desenvolvido numa atmosfera densa e esfriados pelos vapores dos ares carregados, têm uma inteligência preguiçosa”.
  • 7. Jean Bodin, filósofo francês do século XVI: Teoria de que os povos do norte têm como líquido dominante da vida o fleuma, enquanto os do sul são dominados pela bilis negra. Em decorrência disto, os nórdicos são fieis, leais aos governantes, cruéis e pouco interessados sexualmente; enquanto os do sul são maliciosos, engenhosos, abertos, orientados para as ciências.
  • 8. Hungtington: Civilization and climate, 1915: formula uma relação entre latitude e centros de civilização, considerando o clima como fator importante na dinâmica do progresso. A partir de 1920, antropólogos como Boas, Wissler e Kroeber, entre outros, refutaram este tipo de determinismo e demonstraram que existe uma limitação na influência geográfica sobre os fatores culturais. É possível existir uma grande diversidade cultural localizada em um mesmo tipo de ambiente físico.
  • 9. Exemplos: Lapões e Esquimos: ambiente geográfico semelhante: calota polar norte; flora e fauna semelhante
  • 10. Lapões: norte da Europa Casas: tendas de peles de rena Criadores de rena
  • 11. Esquimós: norte de América Casas formadas de blocos de neve Vivem da caça de mamíferos
  • 12. A aparente pobreza glacial não impede que os esquimós tenham uma desenvolvida arte de esculturas em pedra-sabão e nem que resolvam os seus conflitos com uma sofisticada competição de canções entre os competidores
  • 13. Índios do sudoeste norte-americano  Grupo Pueblo: aldeões, economia agrícola baseada no milho  Os Navajo: antes coleta de castanha e caça; atualmente pastoreadores de ovinos
  • 14. Parque Nacional do Xingu  Kamayurá, Kalapalo, Trumai, Waurá: se dedicam à pesca e caça de aves
  • 15. Kayabi: preferem os mamíferos de grande porte, como a anta, o veado, o caitutu etc.
  • 16. Os três exemplos mostram que não é possível admitir a idéia do determinismo geográfico. A posição da antropologia moderna é que a “cultura age seletivamente”, e não casualmente, sobre seu meio ambiente.
  • 17. As diferenças de comportamento entre os homens não podem ser explicadas através das diversidades somatológicas ou mesológicas. Os determinismos geográficos e biológicos não explicam a diversidade dos seres humanos.
  • 18. A cultura diversifica enormemente a humanidade, apesar de sua comprovada unidade biológica  Confúcio: “A natureza dos homens é a mesma, são seus hábitos que os mantêm separados”.
  • 19. A grande qualidade da espécie humana é romper com suas próprias limitações. O ser humano difere dos outros animais por ser o único que possui cultura.