SlideShare uma empresa Scribd logo
DETERMINAÇÃO DE INTERVALOS DE REFERÊNCIA PEDIÁTRICOS
                                           PARA HEMOGLOBINA E HEMATÓCRITO NO CELL-DYN 3500:
                                           ABORDAGEM ESTATÍSTICA INDIRETA UTILIZANDO A BASE DE
                                                     DADOS DO PRÓPRIO LABORATÓRIO
                                                                         BERLITZ F. A.; MULLER, K. G. ; GANSKE, R.                                                            Poster n° 099

                                                                     Ghanem Laboratório Clínico - Santa Catarina, Brasil
                                                                             (47) 3028.3001 – (47) 9172.9136
                                                                           sustentabilidade@grupoghanem.com.br




Introdução                                                                                           Resultados

A definição dos intervalos de referência é tarefa desafiadora para todos os laboratórios             Intervalos de referência pediátricos para Hematócrito (Ht) e Hemoglobina (Hb)foram
clínicos. Da correta e abrangente definição dos intervalos depende a importância que os              determinados para seis faixas etárias:
testes laboratoriais assumem na conduta clínica. Estudos já demonstraram que no mínimo
70% das decisões clínicas no ambiente hospitalar implicando, por exemplo, a conduta de
admissão ou não, alta e modificação no esquema terapêutico são altamente dependentes                 •     Até 2 anos: n=439; Ht: 30,0-43,4; Hb: 10,1-14,5;
dos resultados dos testes laboratoriais e, consequentemente, da interpretação dos intervalos         •     2 à 4 anos: n=1463; Ht: 33,1-43,0; Hb: 11,1-14,4;
de significância.                                                                                    •     5 à 6 anos: =1157; Ht: 34,1-43,7; Hb: 11,3-14,5;
Intervalos de referência específicos para cada faixa etária e questões relacionadas à coleta         •     7 à 9 anos: n=1690; Ht: 34,4-44,0; Hb: 11,6-14,6;
de amostras são temas de atenção especial na avaliação laboratorial de pacientes
pediátricos. Intervalos de referência idade-específicos são importantes para quase todos os
                                                                                                     •     10 à 11 anos: n=1195; Ht: 335,0-44,5; Hb: 11,8-14,9;
ensaios laboratoriais. Determinar intervalos de referência idade e genero-específicos são            •     12 anos: n=573; Ht: 35,3-44,9; Hb: 11,9-15,1.
essenciais para triagem, diagnóstico e monitoramento de várias patologias em pacientes
pediátricos. Idealmente, intervalos de referência devem ser determinados utilizando                        Não foram observadas diferenças significativas entre sexos para nenhuma faixa
amostragem populacional de indivíduos sadios que contemple todas as faixas etárias. O                      etária.
protocolo do CLSI recomenda a utilização de no mínimo 120 indivíduos para determinar
intervalos de referência baseados em 95% centrais da distribuição de dados (90% de intervalo
de confiança). Existem basicamente dois métodos de amostragem: direto (seleção de
indivíduos da população utilizando critério definido) ou indireto (aplicação de métodos
estatísticos para dados da base de dados do próprio laboratório, sem seleção de indivíduos
de referência).



 Objetivos

Propor e analisar criticamente um modelo estatístico indireto para determinação de
intervalos de referência pediátricos (IRP) para hematócrito (Ht) e hemoglobin (Hb),
utilizando base de dados do laboratório e critérios de exclusão.




 Casuística e Métodos
A partir de uma amostragem de 1 ano da base de dados do laboratório (Jul/10 à Jul/11),
com resultados de Ht e Hb obtidos com o equipamento Cell-Dyn 3500, foram selecionados
resultados de pacientes entre 0 e 12 anos (n = 10.018). Essa nova amostragem foi analisada
e resultados com “flags” no equipamento foram excluídos. A amostragem residual foi
considerada como referencial para a determinação de IRP (n = 6.517). Para cada faixa                     Conclusões
etária, foram processados testes estatísticos (two-sample t-test; Minitab) para identificar
diferenças estatísticas entre sexos. A próxima etapa foi identificar diferenças estatísticas             Os intervalos de referência pediátricos determinados para hematócrito e
entre faixas etárias (One-way ANOVA; Minitab). Quando diferenças foram encontradas,                      hemoglobina nesse estudo demonstraram consistência com as referências consultadas
estes grupos de faixas etárias foram tratados individualmente para a determinação de IRP.                na literatura científica. Limitações dessa abordagem foram identificadas para recém-
Após a definição dos grupos etários, estes dados foram submetidos a teste estatístico de                 nascidos. A abordagem indireta para determinação de intervalos de referência
normalidade (Kolmogorov-Smirnov; MedCalc). IRP foram determinados para cada faixa                        utilizada nesse estudo demonstrou ser um excelente método alternativo para definir
etária pré-estabelecida, utilizando limites centrais (95%) da distribuição (IC 90%; MedCalc)             intervalos de referência pediátricos no laboratório clínico, onde a obtenção de um
e abordagens paramétricas ou não paramétricas, conforme o teste de normalidade. Os IRP                   número significante de amostras de referência pode ser uma tarefa difícil de ser
obtidos foram comparados aos descritos na literatura científica.                                         concretizada.



 Referências Bibliográficas
• FERREIRA, C. E. S.; ANDRIOLO, A. Intervalos de referência no laboratório clínico. J Bras Patol Med Lab. v. 44, n. 1, p. 11-16. 2008.
• FORSMAN, R. W. Why is the laboratory an afterthought for managed care organizations? Clin Chem, v. 42, n. 5, p.13-6, 1996.
• COFFIN, C. M. et al. Pediatric Laboratory Medicine: Current Challenges and Future Opportunities. Am J Clin Pathol 2002;117:683-690.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a DETERMINAÇÃO DE INTERVALOS DE REFERÊNCIA PEDIÁTRICOS PARA HEMOGLOBINA E HEMATÓCRITO NO CELL-DYN 3500: ABORDAGEM ESTATÍSTICA INDIRETA UTILIZANDO A BASE DE DADOS DO PRÓPRIO LABORATÓRIO

Tomografia pediatrica
Tomografia   pediatricaTomografia   pediatrica
Tomografia pediatrica
Luanapqt
 
SLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdf
SLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdfSLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdf
SLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdf
ROSEANEMRCIADESOUZAL
 
Biossimilares show
Biossimilares showBiossimilares show
Biossimilares show
espacogirassol
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
Ricardo Portela
 
Medicina baseada em evidencias
Medicina baseada em evidenciasMedicina baseada em evidencias
Medicina baseada em evidencias
Kelly Martins
 
A relação médico paciente em rio brancoac sob a ótica dos pacientes
A relação médico paciente em rio brancoac sob a ótica dos pacientesA relação médico paciente em rio brancoac sob a ótica dos pacientes
A relação médico paciente em rio brancoac sob a ótica dos pacientes
Nikarovitch
 
03 delianeamento de estudos científicos
03   delianeamento de estudos científicos03   delianeamento de estudos científicos
03 delianeamento de estudos científicos
gisa_legal
 
Medicina
MedicinaMedicina
Medicina
gisa_legal
 
Semiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em EvidênciasSemiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em Evidências
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Galvao - revisao integrativa.pdf
Galvao - revisao integrativa.pdfGalvao - revisao integrativa.pdf
Galvao - revisao integrativa.pdf
JoilaneAlvesPereiraF
 
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFCMedicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...
2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...
2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...
2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...
2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Teste hip facil
Teste hip facilTeste hip facil
Teste hip facil
Eduardo Alves
 
Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.
Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.
Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.
Escovas TePe, Produtos higiene bucal
 
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
ssuser75f44f
 
Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)
Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)
Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)
Sandra Lago Moraes
 
Como preparar sua publicação para ser aceita em uma boa revista?
Como preparar sua publicação para ser aceita em uma boa revista?Como preparar sua publicação para ser aceita em uma boa revista?
Como preparar sua publicação para ser aceita em uma boa revista?
Sandro Esteves
 
MBE para MFC: uma introdução
MBE para MFC: uma introduçãoMBE para MFC: uma introdução
MBE para MFC: uma introdução
enofilho
 
Introdução à MBE para MFC
Introdução à MBE para MFCIntrodução à MBE para MFC
Introdução à MBE para MFC
guestbb4fc1
 

Semelhante a DETERMINAÇÃO DE INTERVALOS DE REFERÊNCIA PEDIÁTRICOS PARA HEMOGLOBINA E HEMATÓCRITO NO CELL-DYN 3500: ABORDAGEM ESTATÍSTICA INDIRETA UTILIZANDO A BASE DE DADOS DO PRÓPRIO LABORATÓRIO (20)

Tomografia pediatrica
Tomografia   pediatricaTomografia   pediatrica
Tomografia pediatrica
 
SLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdf
SLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdfSLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdf
SLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdf
 
Biossimilares show
Biossimilares showBiossimilares show
Biossimilares show
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
 
Medicina baseada em evidencias
Medicina baseada em evidenciasMedicina baseada em evidencias
Medicina baseada em evidencias
 
A relação médico paciente em rio brancoac sob a ótica dos pacientes
A relação médico paciente em rio brancoac sob a ótica dos pacientesA relação médico paciente em rio brancoac sob a ótica dos pacientes
A relação médico paciente em rio brancoac sob a ótica dos pacientes
 
03 delianeamento de estudos científicos
03   delianeamento de estudos científicos03   delianeamento de estudos científicos
03 delianeamento de estudos científicos
 
Medicina
MedicinaMedicina
Medicina
 
Semiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em EvidênciasSemiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em Evidências
 
Galvao - revisao integrativa.pdf
Galvao - revisao integrativa.pdfGalvao - revisao integrativa.pdf
Galvao - revisao integrativa.pdf
 
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFCMedicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
 
2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...
2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...
2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...
 
2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...
2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...
2009 espectroscopia cerebral em candidatos a transplante hepático gustavo jus...
 
Teste hip facil
Teste hip facilTeste hip facil
Teste hip facil
 
Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.
Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.
Impacto da remoção de biofilme lingual em pacientes sob ventilação mecânica.
 
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
 
Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)
Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)
Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)
 
Como preparar sua publicação para ser aceita em uma boa revista?
Como preparar sua publicação para ser aceita em uma boa revista?Como preparar sua publicação para ser aceita em uma boa revista?
Como preparar sua publicação para ser aceita em uma boa revista?
 
MBE para MFC: uma introdução
MBE para MFC: uma introduçãoMBE para MFC: uma introdução
MBE para MFC: uma introdução
 
Introdução à MBE para MFC
Introdução à MBE para MFCIntrodução à MBE para MFC
Introdução à MBE para MFC
 

Mais de Fernando Berlitz

Proceso de Excelencia: Cómo manejamos estos conceptos actualmente.
Proceso de Excelencia: Cómo manejamos estos conceptos actualmente.  Proceso de Excelencia: Cómo manejamos estos conceptos actualmente.
Proceso de Excelencia: Cómo manejamos estos conceptos actualmente.
Fernando Berlitz
 
"Do you know what you're paying for? How Four Laboratories used 21st Century ...
"Do you know what you're paying for? How Four Laboratories used 21st Century ..."Do you know what you're paying for? How Four Laboratories used 21st Century ...
"Do you know what you're paying for? How Four Laboratories used 21st Century ...
Fernando Berlitz
 
REDESENHO DE PROCESSOS TÉCNICOS E ADEQUAÇÃO DE ESTRUTURA GERENCIAL: ALINHANDO...
REDESENHO DE PROCESSOS TÉCNICOS E ADEQUAÇÃO DE ESTRUTURA GERENCIAL: ALINHANDO...REDESENHO DE PROCESSOS TÉCNICOS E ADEQUAÇÃO DE ESTRUTURA GERENCIAL: ALINHANDO...
REDESENHO DE PROCESSOS TÉCNICOS E ADEQUAÇÃO DE ESTRUTURA GERENCIAL: ALINHANDO...
Fernando Berlitz
 
A PROPOSED APPROACH TO ANALYTICAL METHOD LONG-TERM STABILITY ASSESSMENT
A PROPOSED APPROACH TO ANALYTICAL METHOD LONG-TERM STABILITY ASSESSMENTA PROPOSED APPROACH TO ANALYTICAL METHOD LONG-TERM STABILITY ASSESSMENT
A PROPOSED APPROACH TO ANALYTICAL METHOD LONG-TERM STABILITY ASSESSMENT
Fernando Berlitz
 
Modelo PEEM - Maturidade processos
Modelo PEEM - Maturidade processosModelo PEEM - Maturidade processos
Modelo PEEM - Maturidade processos
Fernando Berlitz
 
Projeto BPM em um Laboratório de Ensaios Especializados
Projeto BPM em um Laboratório de Ensaios EspecializadosProjeto BPM em um Laboratório de Ensaios Especializados
Projeto BPM em um Laboratório de Ensaios Especializados
Fernando Berlitz
 
PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS E SEGURANÇA DO P...
PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS E SEGURANÇA DO P...PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS E SEGURANÇA DO P...
PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS E SEGURANÇA DO P...
Fernando Berlitz
 
LABORATÓRIO CLÍNICO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA, DO PROJETO AOS RESULTADOS
LABORATÓRIO CLÍNICO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA, DO PROJETO AOS RESULTADOSLABORATÓRIO CLÍNICO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA, DO PROJETO AOS RESULTADOS
LABORATÓRIO CLÍNICO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA, DO PROJETO AOS RESULTADOS
Fernando Berlitz
 
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO LABORATÓRIO CLÍNICO
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO LABORATÓRIO CLÍNICOPLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO LABORATÓRIO CLÍNICO
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO LABORATÓRIO CLÍNICO
Fernando Berlitz
 
Métricas de Controle de Processo
Métricas de Controle de ProcessoMétricas de Controle de Processo
Métricas de Controle de Processo
Fernando Berlitz
 
Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010
Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010
Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010
Fernando Berlitz
 
Curso Validação Métodos - Congresso SBAC 2009 - Fernando Berlitz
Curso Validação Métodos - Congresso SBAC 2009 - Fernando BerlitzCurso Validação Métodos - Congresso SBAC 2009 - Fernando Berlitz
Curso Validação Métodos - Congresso SBAC 2009 - Fernando Berlitz
Fernando Berlitz
 

Mais de Fernando Berlitz (12)

Proceso de Excelencia: Cómo manejamos estos conceptos actualmente.
Proceso de Excelencia: Cómo manejamos estos conceptos actualmente.  Proceso de Excelencia: Cómo manejamos estos conceptos actualmente.
Proceso de Excelencia: Cómo manejamos estos conceptos actualmente.
 
"Do you know what you're paying for? How Four Laboratories used 21st Century ...
"Do you know what you're paying for? How Four Laboratories used 21st Century ..."Do you know what you're paying for? How Four Laboratories used 21st Century ...
"Do you know what you're paying for? How Four Laboratories used 21st Century ...
 
REDESENHO DE PROCESSOS TÉCNICOS E ADEQUAÇÃO DE ESTRUTURA GERENCIAL: ALINHANDO...
REDESENHO DE PROCESSOS TÉCNICOS E ADEQUAÇÃO DE ESTRUTURA GERENCIAL: ALINHANDO...REDESENHO DE PROCESSOS TÉCNICOS E ADEQUAÇÃO DE ESTRUTURA GERENCIAL: ALINHANDO...
REDESENHO DE PROCESSOS TÉCNICOS E ADEQUAÇÃO DE ESTRUTURA GERENCIAL: ALINHANDO...
 
A PROPOSED APPROACH TO ANALYTICAL METHOD LONG-TERM STABILITY ASSESSMENT
A PROPOSED APPROACH TO ANALYTICAL METHOD LONG-TERM STABILITY ASSESSMENTA PROPOSED APPROACH TO ANALYTICAL METHOD LONG-TERM STABILITY ASSESSMENT
A PROPOSED APPROACH TO ANALYTICAL METHOD LONG-TERM STABILITY ASSESSMENT
 
Modelo PEEM - Maturidade processos
Modelo PEEM - Maturidade processosModelo PEEM - Maturidade processos
Modelo PEEM - Maturidade processos
 
Projeto BPM em um Laboratório de Ensaios Especializados
Projeto BPM em um Laboratório de Ensaios EspecializadosProjeto BPM em um Laboratório de Ensaios Especializados
Projeto BPM em um Laboratório de Ensaios Especializados
 
PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS E SEGURANÇA DO P...
PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS E SEGURANÇA DO P...PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS E SEGURANÇA DO P...
PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS E SEGURANÇA DO P...
 
LABORATÓRIO CLÍNICO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA, DO PROJETO AOS RESULTADOS
LABORATÓRIO CLÍNICO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA, DO PROJETO AOS RESULTADOSLABORATÓRIO CLÍNICO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA, DO PROJETO AOS RESULTADOS
LABORATÓRIO CLÍNICO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA, DO PROJETO AOS RESULTADOS
 
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO LABORATÓRIO CLÍNICO
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO LABORATÓRIO CLÍNICOPLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO LABORATÓRIO CLÍNICO
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO LABORATÓRIO CLÍNICO
 
Métricas de Controle de Processo
Métricas de Controle de ProcessoMétricas de Controle de Processo
Métricas de Controle de Processo
 
Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010
Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010
Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010
 
Curso Validação Métodos - Congresso SBAC 2009 - Fernando Berlitz
Curso Validação Métodos - Congresso SBAC 2009 - Fernando BerlitzCurso Validação Métodos - Congresso SBAC 2009 - Fernando Berlitz
Curso Validação Métodos - Congresso SBAC 2009 - Fernando Berlitz
 

DETERMINAÇÃO DE INTERVALOS DE REFERÊNCIA PEDIÁTRICOS PARA HEMOGLOBINA E HEMATÓCRITO NO CELL-DYN 3500: ABORDAGEM ESTATÍSTICA INDIRETA UTILIZANDO A BASE DE DADOS DO PRÓPRIO LABORATÓRIO

  • 1. DETERMINAÇÃO DE INTERVALOS DE REFERÊNCIA PEDIÁTRICOS PARA HEMOGLOBINA E HEMATÓCRITO NO CELL-DYN 3500: ABORDAGEM ESTATÍSTICA INDIRETA UTILIZANDO A BASE DE DADOS DO PRÓPRIO LABORATÓRIO BERLITZ F. A.; MULLER, K. G. ; GANSKE, R. Poster n° 099 Ghanem Laboratório Clínico - Santa Catarina, Brasil (47) 3028.3001 – (47) 9172.9136 sustentabilidade@grupoghanem.com.br Introdução Resultados A definição dos intervalos de referência é tarefa desafiadora para todos os laboratórios Intervalos de referência pediátricos para Hematócrito (Ht) e Hemoglobina (Hb)foram clínicos. Da correta e abrangente definição dos intervalos depende a importância que os determinados para seis faixas etárias: testes laboratoriais assumem na conduta clínica. Estudos já demonstraram que no mínimo 70% das decisões clínicas no ambiente hospitalar implicando, por exemplo, a conduta de admissão ou não, alta e modificação no esquema terapêutico são altamente dependentes • Até 2 anos: n=439; Ht: 30,0-43,4; Hb: 10,1-14,5; dos resultados dos testes laboratoriais e, consequentemente, da interpretação dos intervalos • 2 à 4 anos: n=1463; Ht: 33,1-43,0; Hb: 11,1-14,4; de significância. • 5 à 6 anos: =1157; Ht: 34,1-43,7; Hb: 11,3-14,5; Intervalos de referência específicos para cada faixa etária e questões relacionadas à coleta • 7 à 9 anos: n=1690; Ht: 34,4-44,0; Hb: 11,6-14,6; de amostras são temas de atenção especial na avaliação laboratorial de pacientes pediátricos. Intervalos de referência idade-específicos são importantes para quase todos os • 10 à 11 anos: n=1195; Ht: 335,0-44,5; Hb: 11,8-14,9; ensaios laboratoriais. Determinar intervalos de referência idade e genero-específicos são • 12 anos: n=573; Ht: 35,3-44,9; Hb: 11,9-15,1. essenciais para triagem, diagnóstico e monitoramento de várias patologias em pacientes pediátricos. Idealmente, intervalos de referência devem ser determinados utilizando Não foram observadas diferenças significativas entre sexos para nenhuma faixa amostragem populacional de indivíduos sadios que contemple todas as faixas etárias. O etária. protocolo do CLSI recomenda a utilização de no mínimo 120 indivíduos para determinar intervalos de referência baseados em 95% centrais da distribuição de dados (90% de intervalo de confiança). Existem basicamente dois métodos de amostragem: direto (seleção de indivíduos da população utilizando critério definido) ou indireto (aplicação de métodos estatísticos para dados da base de dados do próprio laboratório, sem seleção de indivíduos de referência). Objetivos Propor e analisar criticamente um modelo estatístico indireto para determinação de intervalos de referência pediátricos (IRP) para hematócrito (Ht) e hemoglobin (Hb), utilizando base de dados do laboratório e critérios de exclusão. Casuística e Métodos A partir de uma amostragem de 1 ano da base de dados do laboratório (Jul/10 à Jul/11), com resultados de Ht e Hb obtidos com o equipamento Cell-Dyn 3500, foram selecionados resultados de pacientes entre 0 e 12 anos (n = 10.018). Essa nova amostragem foi analisada e resultados com “flags” no equipamento foram excluídos. A amostragem residual foi considerada como referencial para a determinação de IRP (n = 6.517). Para cada faixa Conclusões etária, foram processados testes estatísticos (two-sample t-test; Minitab) para identificar diferenças estatísticas entre sexos. A próxima etapa foi identificar diferenças estatísticas Os intervalos de referência pediátricos determinados para hematócrito e entre faixas etárias (One-way ANOVA; Minitab). Quando diferenças foram encontradas, hemoglobina nesse estudo demonstraram consistência com as referências consultadas estes grupos de faixas etárias foram tratados individualmente para a determinação de IRP. na literatura científica. Limitações dessa abordagem foram identificadas para recém- Após a definição dos grupos etários, estes dados foram submetidos a teste estatístico de nascidos. A abordagem indireta para determinação de intervalos de referência normalidade (Kolmogorov-Smirnov; MedCalc). IRP foram determinados para cada faixa utilizada nesse estudo demonstrou ser um excelente método alternativo para definir etária pré-estabelecida, utilizando limites centrais (95%) da distribuição (IC 90%; MedCalc) intervalos de referência pediátricos no laboratório clínico, onde a obtenção de um e abordagens paramétricas ou não paramétricas, conforme o teste de normalidade. Os IRP número significante de amostras de referência pode ser uma tarefa difícil de ser obtidos foram comparados aos descritos na literatura científica. concretizada. Referências Bibliográficas • FERREIRA, C. E. S.; ANDRIOLO, A. Intervalos de referência no laboratório clínico. J Bras Patol Med Lab. v. 44, n. 1, p. 11-16. 2008. • FORSMAN, R. W. Why is the laboratory an afterthought for managed care organizations? Clin Chem, v. 42, n. 5, p.13-6, 1996. • COFFIN, C. M. et al. Pediatric Laboratory Medicine: Current Challenges and Future Opportunities. Am J Clin Pathol 2002;117:683-690.