SlideShare uma empresa Scribd logo
ÁREA DE PROJECTO Crescer à Roda  de Portugal
A Desfolhada Minho
O cultivo do milho é uma tradição do Minho, Douro Litoral e Beira Litoral.   Esta planta gosta muito de água e calor, por isso é necessário muito trabalho para a regar.  A sementeira do milho é feita em princípios de Maio. Em Junho, o milho é já uma plantinha verde. O terreno é sachado para tirar as ervas daninhas. Em Julho começam as regas do milho.   1. Estudando o milho…
Quando o milho cresce é-lhe cortado  o pendão ou bandeira que é um óptimo alimento para o gado. Nos fins de Setembro, início de Outubro cortam-se as canas do milho, que são transportadas para a eira no carro de bois.   Na eira faz-se a desfolhada.   À medida que se desfolha, vai-se amontoando as espigas em cestos de verga que, depois de cheios, são despejados no canastro ou espigueiro.   Os jovens participam entusiasmados na desfolhada na esperança de encontrarem o milho-rei ou rainha para poderem dar um beijo ou abraço à namorada.
Milho-rei Milho-rainha 1.1. Tipos de milho… Milho de pipocas Milho-zaburro Milho-moído
1.2. “Casa” do milho… Celeiro Alpendre Moinho Espigueiro Eira
1.3. Instrumentos para cultivar o milho… Malhador Peneira Foicinha Semeador Enxada
1.3. Instrumentos para cultivar o milho… Engaço Gadanho Cestos Tesoura de poda
2. O que é a desfolhada? A  desfolhada  é um trabalho agrícola em que se retira a espiga (ou maçaroca) do milho. Embora possa parecer uma festa, é um trabalho duro e cansativo, tanto para os adultos, homens e mulheres, como para os jovens e as crianças que, por essas aldeias fora, trabalham no campo. Desfolhada  Esfolhada  Descamisada
As desfolhadas terminam sempre com uma festa (com comes e bebes), ao som do acordeão e de um baile que dura até largas horas da noite. As tradicionais desfolhadas são actividades agrícolas das nossas aldeias, reunindo à sua volta novos e velhos, amigos ou vizinhos.  Durante as desfolhadas, o aparecimento das espigas de milho vermelho é fundamental para manter o entusiasmo de todos. É que o feliz achador tem a obrigação de gritar bem alto : - Milho rei! – e o direito de dar uma volta a todos os trabalhadores , distribuindo abraços.  Antigamente, esta era uma oportunidade única para se aproximar fisicamente das raparigas , das namoradas, até das noivas porque, na época, as convenções sociais eram muitas e a vigilância por parte dos pais era muito apertada.
Após as desfolhadas, a palha é colocada a secar e armazenada em medas para, posteriormente, servir de alimento aos animais.  As espigas de milho são colocadas no espigueiro e mais tarde espalhadas na eira, dando lugar às malhadas onde os grãos de milho são separados dos carolos através das batidas dos malhos.  “ Toda a gente a trabalhar  Homens, a palha a atar  Todos tinham que fazer.  As mulheres com seu cuidado  Depois do centeio malhado  Com caldeiros o iam erguer.”
O milho-rei é a espiga vermelha.  Quando a pessoa que desfolha encontra esta espiga, tem que dar um abraço a todas as pessoas presentes.   3. O que é o milho-rei?
Com o passar dos anos foram caindo em desuso, mas ainda me lembro de se fazerem algumas em Sobrado.  Actualmente ainda se fazem, mas talvez pela paixão de ainda se irem mantendo algumas tradições. As desfolhadas, que se realizavam nesta altura do ano, juntavam vizinhos e família tornando a obrigação numa verdadeira festa.  O sistema era simples. As espigas eram colocadas no meio de uma eira com cestos estrategicamente colocados.  Os trabalhadores colocavam-se em círculo, sentados ora no chão ora em pequenos bancos.  Conforme desfolhavam as espigas, colocavam-nas nos cestos e o folhelho para fora da roda.  4. Desfolhadas em Sobrado…
A noite ( porque as desfolhadas eram tradicionalmente realizadas à noite) era animada pelos cantares típicos, e no caso de haver gente para isso por  cantadores  ao desafio.  As desfolhadas além de se organizarem numa estrutura de entreajuda entre famílias, tinham um importante papel social, pois era muitas vezes nas desfolhadas que se descobriam amores e eram permitidas certas ousadias como abraçar ou beijar na face. Estas ousadias eram permitidas graças à descoberta entre as espigas de milho, de uma espiga de milho vermelho, Milho-rei,  que, segundo a tradição implicava que quem o encontrasse se levantasse e desse um abraço aos convivas. No final da desfolhada, e em casas mais fartas, servia-se aos trabalhadores água ardente ( bagaço) pão, sendo que em casos raros, biscoitos.  4. Desfolhadas em Sobrado… (cont.)
O que Abril deixa nado, Maio deixa-o espigado.  Abril frio e molhado, enche o celeiro e farta  o gado.  Quando há vento, é que se limpa o cereal.  Quem não debulha em Agosto, debulha com mau rosto.  Em Agosto deve o milho, ferver o carolo.  O primeiro milho é dos pitos.  O primeiro milho é para os pardais.  Pelo S. João deve o milho cobrir o chão.  Quem olha o milho, não bota pitos.  Quem passarinhos receia, milho não semeia.  É muito mau de contentar quem quer sol na eira e chuva no nabal.  Se queres ser bom milheiro, faz o alqueive em Janeiro.  Pela palha se conhece a espiga.  O grão em Março nem na terra nem no salto.  Maio jardineiro, enche o celeiro.  Janeiro geleiro, não enche celeiro.   5. Provérbios do milho…

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lengalengas
LengalengasLengalengas
Lengalengas
TC2S
 
Conto couto viana-versos-de-caracaca
Conto couto viana-versos-de-caracacaConto couto viana-versos-de-caracaca
Conto couto viana-versos-de-caracaca
Cláudia Realista
 
A maior flor do mundo ficha de trabalho
A maior flor do mundo   ficha de trabalhoA maior flor do mundo   ficha de trabalho
A maior flor do mundo ficha de trabalho
rosamfsilva
 
Notas na flauta bisel
Notas na flauta biselNotas na flauta bisel
Notas na flauta bisel
ManelGrilo
 
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soarespoemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
subel
 
Conto veado.florido
Conto veado.floridoConto veado.florido
Conto veado.florido
Ana Violante
 
A historia de portugal
A historia de portugalA historia de portugal
A historia de portugal
gracindacasais
 
Luísa Dacosta 12
Luísa Dacosta 12Luísa Dacosta 12
Luísa Dacosta 12
Carla Nunes
 
Ficheiros de-escrita-criativa-varias-30
Ficheiros de-escrita-criativa-varias-30Ficheiros de-escrita-criativa-varias-30
Ficheiros de-escrita-criativa-varias-30
Terceira, Azores
 
Chegou o outono
Chegou o outonoChegou o outono
Chegou o outono
Helena Rocha
 
Ciclo do azeite
Ciclo do azeiteCiclo do azeite
Ciclo do azeite
Isa Crowe
 
Apresentação fada oriana
Apresentação fada orianaApresentação fada oriana
Apresentação fada oriana
aniparis
 
Lenga lenga para o dia de s. martinho
Lenga lenga para o dia de s. martinhoLenga lenga para o dia de s. martinho
Lenga lenga para o dia de s. martinho
Ministério da Educação
 
A magia da estrela do outono
A magia da estrela do outonoA magia da estrela do outono
A magia da estrela do outono
Carla Ferreira
 
A lenda de arlequim
A lenda de arlequimA lenda de arlequim
A lenda de arlequim
casmaria
 
A bruxa castanha de antónio mota
A bruxa castanha de antónio motaA bruxa castanha de antónio mota
A bruxa castanha de antónio mota
Ministério da Educação
 
A Bruxa Mimi
A Bruxa MimiA Bruxa Mimi
A Bruxa Mimi
JATG
 
Os PIRATAS de Manuel António Pina
Os PIRATAS de  Manuel António PinaOs PIRATAS de  Manuel António Pina
Os PIRATAS de Manuel António Pina
Maria Viegas
 
As fadas verdes
As fadas verdesAs fadas verdes
As fadas verdes
NliaIncio
 
Vem aí o zé das moscas
Vem aí o zé das moscasVem aí o zé das moscas
Vem aí o zé das moscas
margaridafonseca63
 

Mais procurados (20)

Lengalengas
LengalengasLengalengas
Lengalengas
 
Conto couto viana-versos-de-caracaca
Conto couto viana-versos-de-caracacaConto couto viana-versos-de-caracaca
Conto couto viana-versos-de-caracaca
 
A maior flor do mundo ficha de trabalho
A maior flor do mundo   ficha de trabalhoA maior flor do mundo   ficha de trabalho
A maior flor do mundo ficha de trabalho
 
Notas na flauta bisel
Notas na flauta biselNotas na flauta bisel
Notas na flauta bisel
 
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soarespoemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
 
Conto veado.florido
Conto veado.floridoConto veado.florido
Conto veado.florido
 
A historia de portugal
A historia de portugalA historia de portugal
A historia de portugal
 
Luísa Dacosta 12
Luísa Dacosta 12Luísa Dacosta 12
Luísa Dacosta 12
 
Ficheiros de-escrita-criativa-varias-30
Ficheiros de-escrita-criativa-varias-30Ficheiros de-escrita-criativa-varias-30
Ficheiros de-escrita-criativa-varias-30
 
Chegou o outono
Chegou o outonoChegou o outono
Chegou o outono
 
Ciclo do azeite
Ciclo do azeiteCiclo do azeite
Ciclo do azeite
 
Apresentação fada oriana
Apresentação fada orianaApresentação fada oriana
Apresentação fada oriana
 
Lenga lenga para o dia de s. martinho
Lenga lenga para o dia de s. martinhoLenga lenga para o dia de s. martinho
Lenga lenga para o dia de s. martinho
 
A magia da estrela do outono
A magia da estrela do outonoA magia da estrela do outono
A magia da estrela do outono
 
A lenda de arlequim
A lenda de arlequimA lenda de arlequim
A lenda de arlequim
 
A bruxa castanha de antónio mota
A bruxa castanha de antónio motaA bruxa castanha de antónio mota
A bruxa castanha de antónio mota
 
A Bruxa Mimi
A Bruxa MimiA Bruxa Mimi
A Bruxa Mimi
 
Os PIRATAS de Manuel António Pina
Os PIRATAS de  Manuel António PinaOs PIRATAS de  Manuel António Pina
Os PIRATAS de Manuel António Pina
 
As fadas verdes
As fadas verdesAs fadas verdes
As fadas verdes
 
Vem aí o zé das moscas
Vem aí o zé das moscasVem aí o zé das moscas
Vem aí o zé das moscas
 

Semelhante a Desfolhada

As voltas do milho
As voltas do milhoAs voltas do milho
As voltas do milho
anacpereira
 
Maria Emilia Neves Belinha Reis
Maria Emilia Neves Belinha ReisMaria Emilia Neves Belinha Reis
Maria Emilia Neves Belinha Reis
Ticintergeracional
 
O Chefe das Águas
O Chefe das ÁguasO Chefe das Águas
O Chefe das Águas
Sebastião Ribeiro
 
Mini manual do pão
Mini manual do pãoMini manual do pão
Mini manual do pão
Maria Rocha
 
Mini manual do pão
Mini manual do pãoMini manual do pão
Mini manual do pão
Maria Rocha
 
Cocadinha
CocadinhaCocadinha
Cocadinha
Medusa Fabula
 
O Imperador da Semente
O Imperador da SementeO Imperador da Semente
O Imperador da Semente
Sebastião Ribeiro
 
H I S TÓ R I A Das Vindimas
H I S TÓ R I A Das VindimasH I S TÓ R I A Das Vindimas
H I S TÓ R I A Das Vindimas
TaniaRaquel
 
Joana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do século
Joana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do séculoJoana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do século
Joana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do século
Ana
 
Joana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do século
Joana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do séculoJoana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do século
Joana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do século
Ana
 
O Rui ajuda nas vindimas
O Rui ajuda nas vindimasO Rui ajuda nas vindimas
O Rui ajuda nas vindimas
Patricia Carvalho
 
O Moleiro
O Moleiro O Moleiro
O Moleiro
Soraia Lino
 
Histriadasvindimas 090522100114-phpapp01
Histriadasvindimas 090522100114-phpapp01Histriadasvindimas 090522100114-phpapp01
Histriadasvindimas 090522100114-phpapp01
Isabel Braga
 
1 ciclo da borracha
1 ciclo da borracha1 ciclo da borracha
1 ciclo da borracha
Raquel Almeida
 
A vida quotidiana no campo
A vida quotidiana no campo A vida quotidiana no campo
A vida quotidiana no campo
Alexandre Martins
 
Outono
OutonoOutono
Banner mate
Banner mateBanner mate
Banner mate
marcianettosdp
 
Receitas 6ªB
Receitas   6ªBReceitas   6ªB
Receitas 6ªB
Misa Di
 
Fazendão receitas
Fazendão receitasFazendão receitas
Fazendão receitas
galaivp
 
Capítulo do Livro Escrito na Cal
Capítulo do Livro Escrito na CalCapítulo do Livro Escrito na Cal
Capítulo do Livro Escrito na Cal
José Movilha
 

Semelhante a Desfolhada (20)

As voltas do milho
As voltas do milhoAs voltas do milho
As voltas do milho
 
Maria Emilia Neves Belinha Reis
Maria Emilia Neves Belinha ReisMaria Emilia Neves Belinha Reis
Maria Emilia Neves Belinha Reis
 
O Chefe das Águas
O Chefe das ÁguasO Chefe das Águas
O Chefe das Águas
 
Mini manual do pão
Mini manual do pãoMini manual do pão
Mini manual do pão
 
Mini manual do pão
Mini manual do pãoMini manual do pão
Mini manual do pão
 
Cocadinha
CocadinhaCocadinha
Cocadinha
 
O Imperador da Semente
O Imperador da SementeO Imperador da Semente
O Imperador da Semente
 
H I S TÓ R I A Das Vindimas
H I S TÓ R I A Das VindimasH I S TÓ R I A Das Vindimas
H I S TÓ R I A Das Vindimas
 
Joana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do século
Joana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do séculoJoana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do século
Joana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do século
 
Joana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do século
Joana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do séculoJoana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do século
Joana teixeira a vida quotidiana na segunda metade do século
 
O Rui ajuda nas vindimas
O Rui ajuda nas vindimasO Rui ajuda nas vindimas
O Rui ajuda nas vindimas
 
O Moleiro
O Moleiro O Moleiro
O Moleiro
 
Histriadasvindimas 090522100114-phpapp01
Histriadasvindimas 090522100114-phpapp01Histriadasvindimas 090522100114-phpapp01
Histriadasvindimas 090522100114-phpapp01
 
1 ciclo da borracha
1 ciclo da borracha1 ciclo da borracha
1 ciclo da borracha
 
A vida quotidiana no campo
A vida quotidiana no campo A vida quotidiana no campo
A vida quotidiana no campo
 
Outono
OutonoOutono
Outono
 
Banner mate
Banner mateBanner mate
Banner mate
 
Receitas 6ªB
Receitas   6ªBReceitas   6ªB
Receitas 6ªB
 
Fazendão receitas
Fazendão receitasFazendão receitas
Fazendão receitas
 
Capítulo do Livro Escrito na Cal
Capítulo do Livro Escrito na CalCapítulo do Livro Escrito na Cal
Capítulo do Livro Escrito na Cal
 

Mais de andreiapgois

À RODA DA NOSSA HISTÓRIA - REPÚBLICA: UM PASSADO...PRESENTE!
À RODA DA NOSSA HISTÓRIA - REPÚBLICA: UM PASSADO...PRESENTE!À RODA DA NOSSA HISTÓRIA - REPÚBLICA: UM PASSADO...PRESENTE!
À RODA DA NOSSA HISTÓRIA - REPÚBLICA: UM PASSADO...PRESENTE!
andreiapgois
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
andreiapgois
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
andreiapgois
 
5 De Outubro
5 De Outubro5 De Outubro
5 De Outubro
andreiapgois
 
5 De Outubro
5 De Outubro5 De Outubro
5 De Outubro
andreiapgois
 
As Plantas
As PlantasAs Plantas
As Plantas
andreiapgois
 

Mais de andreiapgois (6)

À RODA DA NOSSA HISTÓRIA - REPÚBLICA: UM PASSADO...PRESENTE!
À RODA DA NOSSA HISTÓRIA - REPÚBLICA: UM PASSADO...PRESENTE!À RODA DA NOSSA HISTÓRIA - REPÚBLICA: UM PASSADO...PRESENTE!
À RODA DA NOSSA HISTÓRIA - REPÚBLICA: UM PASSADO...PRESENTE!
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
 
5 De Outubro
5 De Outubro5 De Outubro
5 De Outubro
 
5 De Outubro
5 De Outubro5 De Outubro
5 De Outubro
 
As Plantas
As PlantasAs Plantas
As Plantas
 

Desfolhada

  • 1. ÁREA DE PROJECTO Crescer à Roda de Portugal
  • 3. O cultivo do milho é uma tradição do Minho, Douro Litoral e Beira Litoral. Esta planta gosta muito de água e calor, por isso é necessário muito trabalho para a regar. A sementeira do milho é feita em princípios de Maio. Em Junho, o milho é já uma plantinha verde. O terreno é sachado para tirar as ervas daninhas. Em Julho começam as regas do milho. 1. Estudando o milho…
  • 4. Quando o milho cresce é-lhe cortado o pendão ou bandeira que é um óptimo alimento para o gado. Nos fins de Setembro, início de Outubro cortam-se as canas do milho, que são transportadas para a eira no carro de bois. Na eira faz-se a desfolhada. À medida que se desfolha, vai-se amontoando as espigas em cestos de verga que, depois de cheios, são despejados no canastro ou espigueiro. Os jovens participam entusiasmados na desfolhada na esperança de encontrarem o milho-rei ou rainha para poderem dar um beijo ou abraço à namorada.
  • 5. Milho-rei Milho-rainha 1.1. Tipos de milho… Milho de pipocas Milho-zaburro Milho-moído
  • 6. 1.2. “Casa” do milho… Celeiro Alpendre Moinho Espigueiro Eira
  • 7. 1.3. Instrumentos para cultivar o milho… Malhador Peneira Foicinha Semeador Enxada
  • 8. 1.3. Instrumentos para cultivar o milho… Engaço Gadanho Cestos Tesoura de poda
  • 9. 2. O que é a desfolhada? A desfolhada é um trabalho agrícola em que se retira a espiga (ou maçaroca) do milho. Embora possa parecer uma festa, é um trabalho duro e cansativo, tanto para os adultos, homens e mulheres, como para os jovens e as crianças que, por essas aldeias fora, trabalham no campo. Desfolhada Esfolhada Descamisada
  • 10. As desfolhadas terminam sempre com uma festa (com comes e bebes), ao som do acordeão e de um baile que dura até largas horas da noite. As tradicionais desfolhadas são actividades agrícolas das nossas aldeias, reunindo à sua volta novos e velhos, amigos ou vizinhos. Durante as desfolhadas, o aparecimento das espigas de milho vermelho é fundamental para manter o entusiasmo de todos. É que o feliz achador tem a obrigação de gritar bem alto : - Milho rei! – e o direito de dar uma volta a todos os trabalhadores , distribuindo abraços. Antigamente, esta era uma oportunidade única para se aproximar fisicamente das raparigas , das namoradas, até das noivas porque, na época, as convenções sociais eram muitas e a vigilância por parte dos pais era muito apertada.
  • 11. Após as desfolhadas, a palha é colocada a secar e armazenada em medas para, posteriormente, servir de alimento aos animais. As espigas de milho são colocadas no espigueiro e mais tarde espalhadas na eira, dando lugar às malhadas onde os grãos de milho são separados dos carolos através das batidas dos malhos. “ Toda a gente a trabalhar Homens, a palha a atar Todos tinham que fazer. As mulheres com seu cuidado Depois do centeio malhado Com caldeiros o iam erguer.”
  • 12. O milho-rei é a espiga vermelha. Quando a pessoa que desfolha encontra esta espiga, tem que dar um abraço a todas as pessoas presentes. 3. O que é o milho-rei?
  • 13. Com o passar dos anos foram caindo em desuso, mas ainda me lembro de se fazerem algumas em Sobrado. Actualmente ainda se fazem, mas talvez pela paixão de ainda se irem mantendo algumas tradições. As desfolhadas, que se realizavam nesta altura do ano, juntavam vizinhos e família tornando a obrigação numa verdadeira festa. O sistema era simples. As espigas eram colocadas no meio de uma eira com cestos estrategicamente colocados. Os trabalhadores colocavam-se em círculo, sentados ora no chão ora em pequenos bancos. Conforme desfolhavam as espigas, colocavam-nas nos cestos e o folhelho para fora da roda. 4. Desfolhadas em Sobrado…
  • 14. A noite ( porque as desfolhadas eram tradicionalmente realizadas à noite) era animada pelos cantares típicos, e no caso de haver gente para isso por cantadores ao desafio. As desfolhadas além de se organizarem numa estrutura de entreajuda entre famílias, tinham um importante papel social, pois era muitas vezes nas desfolhadas que se descobriam amores e eram permitidas certas ousadias como abraçar ou beijar na face. Estas ousadias eram permitidas graças à descoberta entre as espigas de milho, de uma espiga de milho vermelho, Milho-rei,  que, segundo a tradição implicava que quem o encontrasse se levantasse e desse um abraço aos convivas. No final da desfolhada, e em casas mais fartas, servia-se aos trabalhadores água ardente ( bagaço) pão, sendo que em casos raros, biscoitos. 4. Desfolhadas em Sobrado… (cont.)
  • 15. O que Abril deixa nado, Maio deixa-o espigado. Abril frio e molhado, enche o celeiro e farta o gado. Quando há vento, é que se limpa o cereal. Quem não debulha em Agosto, debulha com mau rosto. Em Agosto deve o milho, ferver o carolo. O primeiro milho é dos pitos. O primeiro milho é para os pardais. Pelo S. João deve o milho cobrir o chão. Quem olha o milho, não bota pitos. Quem passarinhos receia, milho não semeia. É muito mau de contentar quem quer sol na eira e chuva no nabal. Se queres ser bom milheiro, faz o alqueive em Janeiro. Pela palha se conhece a espiga. O grão em Março nem na terra nem no salto. Maio jardineiro, enche o celeiro. Janeiro geleiro, não enche celeiro. 5. Provérbios do milho…