SlideShare uma empresa Scribd logo
Fundada em 04/03/69 – CNPJ: 17.862.038/0001-76
Sede: Rua Florival Xavier, 44 – Centro – Itajubá – MG – Cep: 37.500-002
Tels.: (35) 3622-0917 – Fax: (35) 3622-5274
apaeitajubá@gmail.com / atendimento@apaeitajubá,com.br
1
Desenvolvimento Humano
Conheça os aspectos sobre o desenvolvimento físico, cognitivo, afetivo social e da linguagem, da
infância ao envelhecimento
Desenvolvimento infantil: físico, afetivo, cognitivo e social
Desenvolvimento físico e motor estão relacionados aos aspectos da motricidade da criança, ou
seja, tudo o que se refere ao ato de engatinhar, andar, correr, pegar, chupar, comer, beber, enfim, é
a parte biológica do corpo que sofrerá transformações ao longo da vida.
Desenvolvimento cognitivo está relacionado à teoria de Jean Piaget, mas, o que significa
cognição? Trata-se do conjunto de habilidades cerebrais/mentais necessárias para a obtenção de
conhecimento sobre o mundo. Essas habilidades envolvem pensamento, raciocínio, abstração,
linguagem, memória, atenção, criatividade, capacidade de resolução de problemas, entre outras
funções.
Desenvolvimento social consiste na maneira como as crianças se relacionam entre elas e com os
adultos. São as interações relativas ao comportamento de agir diante de uma pessoa ou de uma
determinada situação. Quanto ao desenvolvimento afetivo/emocional, este se refere às emoções,
aos sentimentos e às paixões, bem como à forma como se manifestam.
É claro que todos esses aspectos compõem a criança em sua totalidade, mas cabe colocar aqui as
perguntas feitas por uma professora de educação infantil que trabalha com crianças de 5 anos de
idade: “Esses aspectos são desenvolvidos separadamente em uma criança? Preciso preparar o
meu planejamento de atividades para cada um deles? Como faço? Como eu os considero em cada
atividade?”
Vejam bem: somos seres humanos complexos e o nosso desenvolvimento não se dá
separadamente; assim, o físico, o cognitivo, o social e o afetivo/emocional estão interligados. Vou
dar um exemplo: quando uma professora se propõe a fazer uma atividade de massa de bolo e as
crianças participam da atividade, mexendo, colocando os ingredientes, elas estão desenvolvendo
aspectos físicos (mexer), aspectos cognitivos (pensar na quantidade, na transformação que
acontecerá com os ingredientes que, separados são de uma forma, e juntos são de outra); além
disso, essa atividade elas fazem junto com outras crianças e com os adultos que as acompanham,
instalando-se, assim, os aspectos sociais. Somemos a isso o lado emocional por ser uma atividade
lúdica que aciona o paladar e a vontade de comer o bolo logo que ele ficar prontinho! Entenderam
quando digo que os aspectos estão interligados e que podem acontecer simultaneamente?
Um outro exemplo é quando a criança está sozinha desenhando e pintando, sem ninguém por
perto, nem um adulto e nem outra criança; neste caso, estão sendo desenvolvidos aspectos físicos
(motricidade) e cognitivos (a escolha dos temas, das cores, da composição dos espaços,
etc.,) mas não os aspectos sociais. Por isso, é importante que se entenda que, dependendo da
situação, um ou outro aspecto é mais privilegiado, mas, em termos gerais, eles são desenvolvidos
simultaneamente. Entenderam?
Fundada em 04/03/69 – CNPJ: 17.862.038/0001-76
Sede: Rua Florival Xavier, 44 – Centro – Itajubá – MG – Cep: 37.500-002
Tels.: (35) 3622-0917 – Fax: (35) 3622-5274
apaeitajubá@gmail.com / atendimento@apaeitajubá,com.br
2
Do nascimento aos 18 meses - Infância
Desenvolvimento físico
A criança, através da maturação do Sistema Nervoso Central e do Sistema motor, vai progredindo e
começa a coordenar os reflexos que traz ao nascer (sugar, pegar e olhar para) em ações mais
complexas: coordena a sucção com a visão (olha para o que suga), depois o olhar e o pegar (olha e
pega), desenvolve em seguida o movimento de pegar, começa a descobrir objetos, senta sem
suporte, fica de pé e finalmente anda sem ajuda.
Desenvolvimento da linguagem
Ao nascer o bebê possui vocalizações diferentes do choro para "fome", "dor". É chorando que o
bebê se comunica, especialmente com a mãe. E é incrível como ela consegue entender cada tipo
de choro...
Aos 3 meses faz ruídos com a garganta e estala o céu da boca.
Balbucia (repete uma série de sons: "ma-ma", "da-da") aos 6 meses e reserva cada som para um
objeto específico. Brinca com as suas próprias vocalizações. E os adultos, imitando-os, também
brincam!
Reconhece o "não" e seu próprio nome aos 7 e 8 meses.
A média de idade para a 1ª palavra é 11 meses.
Desenvolvimento cognitivo
Piaget denomina esta fase como período sensório-motor. Por que? Porque o bebê conhece o mudo
e desenvolve a inteligência através dos sentidos e das ações.
Ele caminha das atividades reflexas inatas (respostas que traz prontas ao nascer para reagir ao
ambiente: sugar, agarrar, acompanhar visualmente) para atividades desenvolvidas para um fim e
relacionadas ao ambiente. Por exemplo: olha, agarra e depois põe na boca o que quer.
O domínio do ambiente pelo bebê ocorre através do chamado processo de Assimilação
(incorporando novos estímulos ambientais: p.ex., agarrar novos objetos) e pelo processo da
Acomodação (modificação do comportamento para a adaptação a novos estímulos: p. ex., esticar o
braço para agarrar um objeto distante).
Desenvolvimento afetivo e social
O vínculo mãe-bebê (relação de apego) é extremamente importante neste início da vida!
A criança aprende através dele se o mundo é um lugar bom e agradável para viver ou uma fonte de
dor, frustração e incerteza.
A criança "sinaliza" ao ambiente como ela está, através de alguns comportamentos como o choro, o
sorriso, a vocalização, o olhar, cada um deles indicando coisas diferentes: há alguns "sinais" que
buscam a aproximação da mãe e outros que pretendem mantê-la presente, interagindo. É possível
distinguir, como já dissemos, choros de "manha", "mágoa" e "dor", assim como há sorrisos
"fechados", "sociais" e "largos".
Quando a mãe responde aos "sinais" que a criança emite (chamamos a isso de interação
"sintônica") uma relação afetiva se desenvolve e tanto a criança, como a própria mãe, desenvolvem
um sentimento de segurança: o bebê frente ao ambiente e a mãe frente ao seu papel materno.
Qual é a tarefa do ambiente junto à criança de zero a 1ano e meio?
A tarefa do ambiente nesse período é a de prover condições para que o bebê desenvolva um
sentido de segurança e confiança em relação ao mundo através do afeto da mãe ou substituto e da
adequada satisfação de suas necessidades.
Mas, mais importante que a quantidade é a qualidade e a contingência da estimulação que o
ambiente provê ao bebê: a criança se apega a quem em com ela uma interação melhor (em
qualidade e no momento da necessidade) e não quem fica com ela a maior parte do tempo!
Fundada em 04/03/69 – CNPJ: 17.862.038/0001-76
Sede: Rua Florival Xavier, 44 – Centro – Itajubá – MG – Cep: 37.500-002
Tels.: (35) 3622-0917 – Fax: (35) 3622-5274
apaeitajubá@gmail.com / atendimento@apaeitajubá,com.br
3
O brincar
A criança geralmente se diverte jogando objetos e pegando-os, e gosta muito de brincar com a mãe
de "achou!" (nas mais diferentes culturas, diga-se de passagem).
Brinca de sacudir chocalhos (4 meses), empilhar cubos (13 meses) e com 1 ano e meio folheia
livros.
Dos 18 meses aos 3 anos
Desenvolvimento físico
Este é o momento da aquisição dos "dentes de leite". Ocorre também o refinamento das manobras
de pegar e soltar (apreensão fina dos dedos).
Nesse sentido, e acompanhando essas conquistas, a maioria das crianças começa a alimentar-se
sozinhas, colocar e tirar algumas peças de roupas.
Do ponto de vista físico é também o importante momento da aquisição do controle da bexiga e o
intestino: das fraldas para o penico!
Desenvolvimento da linguagem
A criança se personaliza e começa a usar o "eu", mostrando assim a fundamental aquisição da
diferenciação "eu" e "não eu".
Utiliza já frases de duas palavras: "roupa mamãe" (2 anos) para pedir o que deseja.
Mas, como a fala não é ainda capaz de dar à criança condições de expressar tudo, a frustração dá
lugar à raiva e a raiva gera a birra. É importante que as pessoas ao redor compreendam o porquê
desta irritação.
Surge o plural e começa a fase dos "porquês".
Desenvolvimento cognitivo
Piaget
Este momento é denominado agora de Período pré-operatório e o grande avanço é o surgimento
da função simbólica com o uso da linguagem (2 anos).
A criança aprende a diferenciar entre ela e o mundo externo: começa a ver os objetos como
separados de si mesma (conceito de objeto).
Desenvolve a capacidade de representar objetos e pessoas mentalmente em sua ausência
(permanência do objeto) em torno dos 2 anos.
Outras características importantes desta fase:
- Egocentrismo: a criança entende tudo a partir da própria perspectiva.
- Animismo: a criança acredita que os objetos inanimados estão vivos, isto é, possuem
sentimentos e intenções.
- Pensamento mágico: a criança acredita ter o poder de fazer coisas acontecerem a partir de seus
desejos.
Desenvolvimento afetivo e social
Com o crescente processo separação-individuação, a criança ganha um senso de existência
inteiramente separada, aumenta a independência da mãe, embora, às vezes, vacile entre um
funcionamento independente e retorno ao apego inicial.
É teimosa, negativista: "não vou", "não quero", "não gosto".
Aparecem de forma intensa alguns impulsos como os de: aquisição (a criança passa a pegar tudo,
a querer tudo, dizendo que é dela); agressão (reage muitas vezes batendo, chutando, fazendo birra
Fundada em 04/03/69 – CNPJ: 17.862.038/0001-76
Sede: Rua Florival Xavier, 44 – Centro – Itajubá – MG – Cep: 37.500-002
Tels.: (35) 3622-0917 – Fax: (35) 3622-5274
apaeitajubá@gmail.com / atendimento@apaeitajubá,com.br
4
às frustrações que o ambiente impõe à ela); sexual (na situação de banho é frequente encontrar
crianças explorando as sensações produzidas pelo toque a seus órgãos sexuais).
O brincar
A criança nesta fase tem objetos favoritos (brinquedos, cobertor e outros).
Brinca de forma solitária, não dividindo os brinquedos (tudo é "meu") e sua brincadeira é livre e sem
regras.
Importante lembrar que seu tempo de atenção muito curto (por isso devem ocorrer mudanças
freqüentes de brincadeira). Gosta bastante de brincar de esconde-esconde.
Qual a tarefa do ambiente junto à criança de até 3 anos?
A tarefa do ambiente nesse período é o de dar limites aos comportamentos da criança, isto é,
começar a estabelecer para a criança o que pode e o que não pode, o certo e o errado.
Normas para a criança
Importante nesse sentido que:
- as normas sejam claras, bem determinadas e exigidas na maioria das vezes: isto faz com que a
criança aprenda mais rápido e se sinta segura frente às consequências de seu comportamento.
- a aprendizagem das normas e do controle não signifique a aquisição do medo e da vergonha.
Importante esclarecer que, nesse momento inicial do aprendizado das normas, que as normas
sociais são obedecidas geralmente apenas quando o agente socializador está presente.
Há necessidade de um controle externo, ou seja, a mãe precisa estar presente na situação dizendo
à criança para "não fazer sujeira", "não subir na mesa"!
E é, por sua vez, pelo receio de perder o "amor" da mãe que a criança obedece à ela.
Dos 3 aos 5 anos
Desenvolvimento físico
Nesta fase corre, salta, pula, anda de triciclo (3 anos). Também anda de bicicleta, anda na ponta
dos pés, joga bola, aprende a nadar (4 anos).
Usa tesouras, botões, massa de modelar e utensílios como colher e garfo.
Ocorre uma alteração nas proporções do corpo, a criança passa a reconhecer as diferentes partes
do corpo e se interessa por roupas de adulto.
Demonstra curiosidade pelos órgãos sexuais, pelo nascimento dos bebês e pelas diferenças
sexuais.
Desenvolvimento cognitivo
Piaget - Período pré-operatório (continuação)
Usando palavras, a criança pode imaginar e falar sobre objetos não presentes, acontecimentos e
sentimentos.
O pensamento é, entretanto, egocêntrico: a criança é incapaz de adotar o ponto de vista do outro e
esforça-se pouco para adaptar a comunicação às necessidades de quem ouve.
O pensamento é também limitado pela inabilidade em levar em conta dois aspectos da observação
ou dos objetos simultaneamente (não conservação).
Desenvolvimento afetivo e social
Fundada em 04/03/69 – CNPJ: 17.862.038/0001-76
Sede: Rua Florival Xavier, 44 – Centro – Itajubá – MG – Cep: 37.500-002
Tels.: (35) 3622-0917 – Fax: (35) 3622-5274
apaeitajubá@gmail.com / atendimento@apaeitajubá,com.br
5
Continua a dependência dos pais, mas inicia-se o esforço pela autonomia: A criança inicia tarefas,
propõe atividades, se antecipa ao ambiente.
O brincar
A criança nesta fase brinca ativamente com a fantasia e faz uso intenso da imaginação.
Entretanto, o brincar tem características diferentes: já não precisa tanto da manipulação do
concreto e recorre muito ao "faz-de-conta".
Também começa a brincar com jogos competitivos.
Os adultos como modelos
Nesta fase, a criança se identifica com os adultos frente aos quais se ligou emocionalmente e com
os quais convive. Ela imita esses modelos, ensaia "papéis" em termos do comportamento, dos
valores, das atitudes e da forma de reagir.
Quais as tarefas do ambiente junto à criança de 3 a 5 anos?
As tarefas do ambiente nesse período são no sentido de permitir, dentro dos limites por ele
considerados como adequados, que a criança teste a sua iniciativa, sejam dadas condições para
que ela verifique o efeito de suas ações e possa aprender que se lançar em frente pode ser algo
agradável e ter bons resultados, dentro do equilíbrio liberdade x limites.
É fundamental a adequação dos pais como modelos a serem imitados e seguidos: se estes são
indiferentes ou hostis, criam modelos pobres para que a criança se identifique, o afeto é a base
tanto para a aquisição de normas quanto da identificação.
Nesse sentido é importante que os pais como modelos tenham um bom conhecimento de si
mesmos, se aceitem e se respeitem como pessoas, estejam satisfeitos consigo mesmo e possam
transmitir um ao outro com tranquilidade a visão que cada um tem da criança.
A influência dos pais sobre os filhos é profunda justamente porque ela se dá através dessa
aprendizagem por imitação mais do que por um ensino direto.
A tarefa do ambiente nesse período é também, portanto a reflexão individual e a auto-análise dos
adultos como pessoas frente às quais a criança se identifica e toma como modelos.
Dos 5 aos 12 anos
Desenvolvimento físico
Ocorre a erupção dos dentes permanentes e se tem a elaboração da coordenação motora fina.
As crianças têm maior consciência das mãos como instrumentos de trabalho.
Começam a identificar-se com o pai do mesmo sexo (5 anos).
Ocorre o início da puberdade ao final do período (para as meninas).
Desenvolvimento da linguagem
Nesta fase tem-se um vocabulário enriquecido e sofisticado gramaticalmente.
Desenvolvimento cognitivo
Piaget - Período operacional concreto
Este é um estágio caracterizado pela aquisição de lógica elementar (relações de causa-efeito)
sobre eventos concretos, presentes e vivenciados.
Os princípios de reversibilidade e conservação de volume, peso, número e extensão são
adquiridos.
Há compreensão sobre a relação entre a parte e o todo, capacidade de seriação e classificação
Fundada em 04/03/69 – CNPJ: 17.862.038/0001-76
Sede: Rua Florival Xavier, 44 – Centro – Itajubá – MG – Cep: 37.500-002
Tels.: (35) 3622-0917 – Fax: (35) 3622-5274
apaeitajubá@gmail.com / atendimento@apaeitajubá,com.br
6
(por exemplo: frente à pergunta: há mais bolas vermelhas ou brinquedos nesta caixa)
Desenvolvimento afetivo e social
Consequentemente tem-se também a separação da mãe e de casa por um período de tempo
maior.
Os professores, os colegas e os amigos se tornam influências sociais importantes.
Entretanto, as amizades são transitórias e os interesses mudam rapidamente.
A criança vai deixando de lado a fantasia e o brinquedo, passando a empreender tarefas reais na
direção de competências acadêmicas e sociais.
Quais as tarefas do ambiente?
- em relação à escola: responder às necessidades da criança de se sentir capaz, empreendedora,
competente; informar e formar, assumir o desenvolvimento da criança como um todo, não ser
apenas um mero transmissor e cobrador de informações ou, pior ainda, um lugar onde a criança
gasta parte do seu tempo, aliviando as responsabilidades da família. Cabe à escola o manter ou
transformar a visão que a criança tem de si mesma, de suas capacidades, de seu valor: os
professores são adultos significantes e modelos a serem imitados, bem como os companheiros
serão os transmissores de novos padrões de comportamento e atitudes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Etapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anos
Etapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anosEtapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anos
Etapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anos
landreiafurtado
 
Guia para estimulação do cérebro infantil de 0 (2)
Guia para estimulação do cérebro infantil de 0 (2)Guia para estimulação do cérebro infantil de 0 (2)
Guia para estimulação do cérebro infantil de 0 (2)
Simônica Salgado
 
A criança em desenvolvimento 2013
A criança em desenvolvimento 2013A criança em desenvolvimento 2013
A criança em desenvolvimento 2013
Ana Lúcia Pereira
 
Matriz habilidades infantil
Matriz habilidades infantilMatriz habilidades infantil
Matriz habilidades infantil
Dudds Borges
 
Fase do desenvolvimento
Fase do desenvolvimentoFase do desenvolvimento
Fase do desenvolvimento
Gil Pereira
 
Desenvolvimento Psicomotor
Desenvolvimento PsicomotorDesenvolvimento Psicomotor
Desenvolvimento Psicomotor
Danielle Oliveira Beulá
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
Luis Davi Salomao
 
Desenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idade
Desenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idadeDesenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idade
Desenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idade
astraquinasns
 
Sdi desenvolvimento emocional
Sdi desenvolvimento emocionalSdi desenvolvimento emocional
Sdi desenvolvimento emocional
becresforte
 
Quais os objectivos de uma creches
Quais os objectivos de uma crechesQuais os objectivos de uma creches
Quais os objectivos de uma creches
Mekinho20
 
O trabalho de creche
O trabalho de crecheO trabalho de creche
O trabalho de creche
June Stuque
 
Desenvolvimento Da Criança 6-12 anos
Desenvolvimento Da Criança 6-12 anosDesenvolvimento Da Criança 6-12 anos
Desenvolvimento Da Criança 6-12 anos
Marco Leão
 
Atividades interativas
Atividades interativasAtividades interativas
Atividades interativas
Inês Marques
 
Creche oficina/ Vila Bela
Creche oficina/ Vila BelaCreche oficina/ Vila Bela
Creche oficina/ Vila Bela
Andreá Perez Leinat
 
Desenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idade
Desenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idadeDesenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idade
Desenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idade
Lara Kessia Martins Ávila
 
Berçário 1 e 2º bim. 2015
Berçário 1 e 2º bim. 2015Berçário 1 e 2º bim. 2015
Berçário 1 e 2º bim. 2015
Marise Melo de Araujo
 
Planejamento setembro
Planejamento setembroPlanejamento setembro
Planejamento setembro
Sme Otacílio Costa
 
A criança em idade pré escolar
A criança em idade pré escolarA criança em idade pré escolar
A criança em idade pré escolar
EU O Escutismo
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
Bruno Gomes
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
Camila Oliveira
 

Mais procurados (20)

Etapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anos
Etapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anosEtapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anos
Etapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anos
 
Guia para estimulação do cérebro infantil de 0 (2)
Guia para estimulação do cérebro infantil de 0 (2)Guia para estimulação do cérebro infantil de 0 (2)
Guia para estimulação do cérebro infantil de 0 (2)
 
A criança em desenvolvimento 2013
A criança em desenvolvimento 2013A criança em desenvolvimento 2013
A criança em desenvolvimento 2013
 
Matriz habilidades infantil
Matriz habilidades infantilMatriz habilidades infantil
Matriz habilidades infantil
 
Fase do desenvolvimento
Fase do desenvolvimentoFase do desenvolvimento
Fase do desenvolvimento
 
Desenvolvimento Psicomotor
Desenvolvimento PsicomotorDesenvolvimento Psicomotor
Desenvolvimento Psicomotor
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Desenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idade
Desenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idadeDesenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idade
Desenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idade
 
Sdi desenvolvimento emocional
Sdi desenvolvimento emocionalSdi desenvolvimento emocional
Sdi desenvolvimento emocional
 
Quais os objectivos de uma creches
Quais os objectivos de uma crechesQuais os objectivos de uma creches
Quais os objectivos de uma creches
 
O trabalho de creche
O trabalho de crecheO trabalho de creche
O trabalho de creche
 
Desenvolvimento Da Criança 6-12 anos
Desenvolvimento Da Criança 6-12 anosDesenvolvimento Da Criança 6-12 anos
Desenvolvimento Da Criança 6-12 anos
 
Atividades interativas
Atividades interativasAtividades interativas
Atividades interativas
 
Creche oficina/ Vila Bela
Creche oficina/ Vila BelaCreche oficina/ Vila Bela
Creche oficina/ Vila Bela
 
Desenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idade
Desenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idadeDesenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idade
Desenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idade
 
Berçário 1 e 2º bim. 2015
Berçário 1 e 2º bim. 2015Berçário 1 e 2º bim. 2015
Berçário 1 e 2º bim. 2015
 
Planejamento setembro
Planejamento setembroPlanejamento setembro
Planejamento setembro
 
A criança em idade pré escolar
A criança em idade pré escolarA criança em idade pré escolar
A criança em idade pré escolar
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 

Semelhante a Desenvolvimento humano

2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
Paula de Almeida
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
842203966
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
842203966
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
SimoneHelenDrumond
 
13ARTIGO PSICOMOTRICIDADE.pdf
13ARTIGO PSICOMOTRICIDADE.pdf13ARTIGO PSICOMOTRICIDADE.pdf
13ARTIGO PSICOMOTRICIDADE.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdfARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdfARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdfARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
SimoneHelenDrumond
 
Desenvolvimento Humano
Desenvolvimento HumanoDesenvolvimento Humano
Desenvolvimento Humano
08041976
 
A vida a brincar
A vida a brincarA vida a brincar
A vida a brincar
Sandra Cardoso
 
slide de david efa ae
slide de david efa aeslide de david efa ae
slide de david efa ae
brunodavid2014
 
Berçario
BerçarioBerçario
Berçario
Tiago Carvalho
 
Como estimular o seu bebê
Como estimular o seu bebêComo estimular o seu bebê
Como estimular o seu bebê
Karina Vasconcelos
 
Estimulando todos os sentidos de 0 a 6 anos
Estimulando todos os sentidos de 0 a 6 anosEstimulando todos os sentidos de 0 a 6 anos
Estimulando todos os sentidos de 0 a 6 anos
Meri Sandra
 
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTOPSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
UFMA e UEMA
 
Newsletter conceitos sobre multideficiência
Newsletter conceitos sobre multideficiênciaNewsletter conceitos sobre multideficiência
Newsletter conceitos sobre multideficiência
Sandra Borges
 
Educaçao sexual
Educaçao sexualEducaçao sexual
Educaçao sexual
Felipe Spessatto
 
Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
Clarice-Borges
 
Creche projecto educativo_sala_1ano
Creche projecto educativo_sala_1anoCreche projecto educativo_sala_1ano
Creche projecto educativo_sala_1ano
Ana Marto
 
Avaliação pedagógica
Avaliação pedagógicaAvaliação pedagógica
Avaliação pedagógica
Maria Bernadete Lizareli Wippich
 

Semelhante a Desenvolvimento humano (20)

2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
13ARTIGO PSICOMOTRICIDADE.pdf
13ARTIGO PSICOMOTRICIDADE.pdf13ARTIGO PSICOMOTRICIDADE.pdf
13ARTIGO PSICOMOTRICIDADE.pdf
 
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdfARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
 
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdfARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
 
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdfARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
ARTIGO 4 PSICOMOTRICIDADE .pdf
 
Desenvolvimento Humano
Desenvolvimento HumanoDesenvolvimento Humano
Desenvolvimento Humano
 
A vida a brincar
A vida a brincarA vida a brincar
A vida a brincar
 
slide de david efa ae
slide de david efa aeslide de david efa ae
slide de david efa ae
 
Berçario
BerçarioBerçario
Berçario
 
Como estimular o seu bebê
Como estimular o seu bebêComo estimular o seu bebê
Como estimular o seu bebê
 
Estimulando todos os sentidos de 0 a 6 anos
Estimulando todos os sentidos de 0 a 6 anosEstimulando todos os sentidos de 0 a 6 anos
Estimulando todos os sentidos de 0 a 6 anos
 
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTOPSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
 
Newsletter conceitos sobre multideficiência
Newsletter conceitos sobre multideficiênciaNewsletter conceitos sobre multideficiência
Newsletter conceitos sobre multideficiência
 
Educaçao sexual
Educaçao sexualEducaçao sexual
Educaçao sexual
 
Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
 
Creche projecto educativo_sala_1ano
Creche projecto educativo_sala_1anoCreche projecto educativo_sala_1ano
Creche projecto educativo_sala_1ano
 
Avaliação pedagógica
Avaliação pedagógicaAvaliação pedagógica
Avaliação pedagógica
 

Último

A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 

Último (20)

A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 

Desenvolvimento humano

  • 1. Fundada em 04/03/69 – CNPJ: 17.862.038/0001-76 Sede: Rua Florival Xavier, 44 – Centro – Itajubá – MG – Cep: 37.500-002 Tels.: (35) 3622-0917 – Fax: (35) 3622-5274 apaeitajubá@gmail.com / atendimento@apaeitajubá,com.br 1 Desenvolvimento Humano Conheça os aspectos sobre o desenvolvimento físico, cognitivo, afetivo social e da linguagem, da infância ao envelhecimento Desenvolvimento infantil: físico, afetivo, cognitivo e social Desenvolvimento físico e motor estão relacionados aos aspectos da motricidade da criança, ou seja, tudo o que se refere ao ato de engatinhar, andar, correr, pegar, chupar, comer, beber, enfim, é a parte biológica do corpo que sofrerá transformações ao longo da vida. Desenvolvimento cognitivo está relacionado à teoria de Jean Piaget, mas, o que significa cognição? Trata-se do conjunto de habilidades cerebrais/mentais necessárias para a obtenção de conhecimento sobre o mundo. Essas habilidades envolvem pensamento, raciocínio, abstração, linguagem, memória, atenção, criatividade, capacidade de resolução de problemas, entre outras funções. Desenvolvimento social consiste na maneira como as crianças se relacionam entre elas e com os adultos. São as interações relativas ao comportamento de agir diante de uma pessoa ou de uma determinada situação. Quanto ao desenvolvimento afetivo/emocional, este se refere às emoções, aos sentimentos e às paixões, bem como à forma como se manifestam. É claro que todos esses aspectos compõem a criança em sua totalidade, mas cabe colocar aqui as perguntas feitas por uma professora de educação infantil que trabalha com crianças de 5 anos de idade: “Esses aspectos são desenvolvidos separadamente em uma criança? Preciso preparar o meu planejamento de atividades para cada um deles? Como faço? Como eu os considero em cada atividade?” Vejam bem: somos seres humanos complexos e o nosso desenvolvimento não se dá separadamente; assim, o físico, o cognitivo, o social e o afetivo/emocional estão interligados. Vou dar um exemplo: quando uma professora se propõe a fazer uma atividade de massa de bolo e as crianças participam da atividade, mexendo, colocando os ingredientes, elas estão desenvolvendo aspectos físicos (mexer), aspectos cognitivos (pensar na quantidade, na transformação que acontecerá com os ingredientes que, separados são de uma forma, e juntos são de outra); além disso, essa atividade elas fazem junto com outras crianças e com os adultos que as acompanham, instalando-se, assim, os aspectos sociais. Somemos a isso o lado emocional por ser uma atividade lúdica que aciona o paladar e a vontade de comer o bolo logo que ele ficar prontinho! Entenderam quando digo que os aspectos estão interligados e que podem acontecer simultaneamente? Um outro exemplo é quando a criança está sozinha desenhando e pintando, sem ninguém por perto, nem um adulto e nem outra criança; neste caso, estão sendo desenvolvidos aspectos físicos (motricidade) e cognitivos (a escolha dos temas, das cores, da composição dos espaços, etc.,) mas não os aspectos sociais. Por isso, é importante que se entenda que, dependendo da situação, um ou outro aspecto é mais privilegiado, mas, em termos gerais, eles são desenvolvidos simultaneamente. Entenderam?
  • 2. Fundada em 04/03/69 – CNPJ: 17.862.038/0001-76 Sede: Rua Florival Xavier, 44 – Centro – Itajubá – MG – Cep: 37.500-002 Tels.: (35) 3622-0917 – Fax: (35) 3622-5274 apaeitajubá@gmail.com / atendimento@apaeitajubá,com.br 2 Do nascimento aos 18 meses - Infância Desenvolvimento físico A criança, através da maturação do Sistema Nervoso Central e do Sistema motor, vai progredindo e começa a coordenar os reflexos que traz ao nascer (sugar, pegar e olhar para) em ações mais complexas: coordena a sucção com a visão (olha para o que suga), depois o olhar e o pegar (olha e pega), desenvolve em seguida o movimento de pegar, começa a descobrir objetos, senta sem suporte, fica de pé e finalmente anda sem ajuda. Desenvolvimento da linguagem Ao nascer o bebê possui vocalizações diferentes do choro para "fome", "dor". É chorando que o bebê se comunica, especialmente com a mãe. E é incrível como ela consegue entender cada tipo de choro... Aos 3 meses faz ruídos com a garganta e estala o céu da boca. Balbucia (repete uma série de sons: "ma-ma", "da-da") aos 6 meses e reserva cada som para um objeto específico. Brinca com as suas próprias vocalizações. E os adultos, imitando-os, também brincam! Reconhece o "não" e seu próprio nome aos 7 e 8 meses. A média de idade para a 1ª palavra é 11 meses. Desenvolvimento cognitivo Piaget denomina esta fase como período sensório-motor. Por que? Porque o bebê conhece o mudo e desenvolve a inteligência através dos sentidos e das ações. Ele caminha das atividades reflexas inatas (respostas que traz prontas ao nascer para reagir ao ambiente: sugar, agarrar, acompanhar visualmente) para atividades desenvolvidas para um fim e relacionadas ao ambiente. Por exemplo: olha, agarra e depois põe na boca o que quer. O domínio do ambiente pelo bebê ocorre através do chamado processo de Assimilação (incorporando novos estímulos ambientais: p.ex., agarrar novos objetos) e pelo processo da Acomodação (modificação do comportamento para a adaptação a novos estímulos: p. ex., esticar o braço para agarrar um objeto distante). Desenvolvimento afetivo e social O vínculo mãe-bebê (relação de apego) é extremamente importante neste início da vida! A criança aprende através dele se o mundo é um lugar bom e agradável para viver ou uma fonte de dor, frustração e incerteza. A criança "sinaliza" ao ambiente como ela está, através de alguns comportamentos como o choro, o sorriso, a vocalização, o olhar, cada um deles indicando coisas diferentes: há alguns "sinais" que buscam a aproximação da mãe e outros que pretendem mantê-la presente, interagindo. É possível distinguir, como já dissemos, choros de "manha", "mágoa" e "dor", assim como há sorrisos "fechados", "sociais" e "largos". Quando a mãe responde aos "sinais" que a criança emite (chamamos a isso de interação "sintônica") uma relação afetiva se desenvolve e tanto a criança, como a própria mãe, desenvolvem um sentimento de segurança: o bebê frente ao ambiente e a mãe frente ao seu papel materno. Qual é a tarefa do ambiente junto à criança de zero a 1ano e meio? A tarefa do ambiente nesse período é a de prover condições para que o bebê desenvolva um sentido de segurança e confiança em relação ao mundo através do afeto da mãe ou substituto e da adequada satisfação de suas necessidades. Mas, mais importante que a quantidade é a qualidade e a contingência da estimulação que o ambiente provê ao bebê: a criança se apega a quem em com ela uma interação melhor (em qualidade e no momento da necessidade) e não quem fica com ela a maior parte do tempo!
  • 3. Fundada em 04/03/69 – CNPJ: 17.862.038/0001-76 Sede: Rua Florival Xavier, 44 – Centro – Itajubá – MG – Cep: 37.500-002 Tels.: (35) 3622-0917 – Fax: (35) 3622-5274 apaeitajubá@gmail.com / atendimento@apaeitajubá,com.br 3 O brincar A criança geralmente se diverte jogando objetos e pegando-os, e gosta muito de brincar com a mãe de "achou!" (nas mais diferentes culturas, diga-se de passagem). Brinca de sacudir chocalhos (4 meses), empilhar cubos (13 meses) e com 1 ano e meio folheia livros. Dos 18 meses aos 3 anos Desenvolvimento físico Este é o momento da aquisição dos "dentes de leite". Ocorre também o refinamento das manobras de pegar e soltar (apreensão fina dos dedos). Nesse sentido, e acompanhando essas conquistas, a maioria das crianças começa a alimentar-se sozinhas, colocar e tirar algumas peças de roupas. Do ponto de vista físico é também o importante momento da aquisição do controle da bexiga e o intestino: das fraldas para o penico! Desenvolvimento da linguagem A criança se personaliza e começa a usar o "eu", mostrando assim a fundamental aquisição da diferenciação "eu" e "não eu". Utiliza já frases de duas palavras: "roupa mamãe" (2 anos) para pedir o que deseja. Mas, como a fala não é ainda capaz de dar à criança condições de expressar tudo, a frustração dá lugar à raiva e a raiva gera a birra. É importante que as pessoas ao redor compreendam o porquê desta irritação. Surge o plural e começa a fase dos "porquês". Desenvolvimento cognitivo Piaget Este momento é denominado agora de Período pré-operatório e o grande avanço é o surgimento da função simbólica com o uso da linguagem (2 anos). A criança aprende a diferenciar entre ela e o mundo externo: começa a ver os objetos como separados de si mesma (conceito de objeto). Desenvolve a capacidade de representar objetos e pessoas mentalmente em sua ausência (permanência do objeto) em torno dos 2 anos. Outras características importantes desta fase: - Egocentrismo: a criança entende tudo a partir da própria perspectiva. - Animismo: a criança acredita que os objetos inanimados estão vivos, isto é, possuem sentimentos e intenções. - Pensamento mágico: a criança acredita ter o poder de fazer coisas acontecerem a partir de seus desejos. Desenvolvimento afetivo e social Com o crescente processo separação-individuação, a criança ganha um senso de existência inteiramente separada, aumenta a independência da mãe, embora, às vezes, vacile entre um funcionamento independente e retorno ao apego inicial. É teimosa, negativista: "não vou", "não quero", "não gosto". Aparecem de forma intensa alguns impulsos como os de: aquisição (a criança passa a pegar tudo, a querer tudo, dizendo que é dela); agressão (reage muitas vezes batendo, chutando, fazendo birra
  • 4. Fundada em 04/03/69 – CNPJ: 17.862.038/0001-76 Sede: Rua Florival Xavier, 44 – Centro – Itajubá – MG – Cep: 37.500-002 Tels.: (35) 3622-0917 – Fax: (35) 3622-5274 apaeitajubá@gmail.com / atendimento@apaeitajubá,com.br 4 às frustrações que o ambiente impõe à ela); sexual (na situação de banho é frequente encontrar crianças explorando as sensações produzidas pelo toque a seus órgãos sexuais). O brincar A criança nesta fase tem objetos favoritos (brinquedos, cobertor e outros). Brinca de forma solitária, não dividindo os brinquedos (tudo é "meu") e sua brincadeira é livre e sem regras. Importante lembrar que seu tempo de atenção muito curto (por isso devem ocorrer mudanças freqüentes de brincadeira). Gosta bastante de brincar de esconde-esconde. Qual a tarefa do ambiente junto à criança de até 3 anos? A tarefa do ambiente nesse período é o de dar limites aos comportamentos da criança, isto é, começar a estabelecer para a criança o que pode e o que não pode, o certo e o errado. Normas para a criança Importante nesse sentido que: - as normas sejam claras, bem determinadas e exigidas na maioria das vezes: isto faz com que a criança aprenda mais rápido e se sinta segura frente às consequências de seu comportamento. - a aprendizagem das normas e do controle não signifique a aquisição do medo e da vergonha. Importante esclarecer que, nesse momento inicial do aprendizado das normas, que as normas sociais são obedecidas geralmente apenas quando o agente socializador está presente. Há necessidade de um controle externo, ou seja, a mãe precisa estar presente na situação dizendo à criança para "não fazer sujeira", "não subir na mesa"! E é, por sua vez, pelo receio de perder o "amor" da mãe que a criança obedece à ela. Dos 3 aos 5 anos Desenvolvimento físico Nesta fase corre, salta, pula, anda de triciclo (3 anos). Também anda de bicicleta, anda na ponta dos pés, joga bola, aprende a nadar (4 anos). Usa tesouras, botões, massa de modelar e utensílios como colher e garfo. Ocorre uma alteração nas proporções do corpo, a criança passa a reconhecer as diferentes partes do corpo e se interessa por roupas de adulto. Demonstra curiosidade pelos órgãos sexuais, pelo nascimento dos bebês e pelas diferenças sexuais. Desenvolvimento cognitivo Piaget - Período pré-operatório (continuação) Usando palavras, a criança pode imaginar e falar sobre objetos não presentes, acontecimentos e sentimentos. O pensamento é, entretanto, egocêntrico: a criança é incapaz de adotar o ponto de vista do outro e esforça-se pouco para adaptar a comunicação às necessidades de quem ouve. O pensamento é também limitado pela inabilidade em levar em conta dois aspectos da observação ou dos objetos simultaneamente (não conservação). Desenvolvimento afetivo e social
  • 5. Fundada em 04/03/69 – CNPJ: 17.862.038/0001-76 Sede: Rua Florival Xavier, 44 – Centro – Itajubá – MG – Cep: 37.500-002 Tels.: (35) 3622-0917 – Fax: (35) 3622-5274 apaeitajubá@gmail.com / atendimento@apaeitajubá,com.br 5 Continua a dependência dos pais, mas inicia-se o esforço pela autonomia: A criança inicia tarefas, propõe atividades, se antecipa ao ambiente. O brincar A criança nesta fase brinca ativamente com a fantasia e faz uso intenso da imaginação. Entretanto, o brincar tem características diferentes: já não precisa tanto da manipulação do concreto e recorre muito ao "faz-de-conta". Também começa a brincar com jogos competitivos. Os adultos como modelos Nesta fase, a criança se identifica com os adultos frente aos quais se ligou emocionalmente e com os quais convive. Ela imita esses modelos, ensaia "papéis" em termos do comportamento, dos valores, das atitudes e da forma de reagir. Quais as tarefas do ambiente junto à criança de 3 a 5 anos? As tarefas do ambiente nesse período são no sentido de permitir, dentro dos limites por ele considerados como adequados, que a criança teste a sua iniciativa, sejam dadas condições para que ela verifique o efeito de suas ações e possa aprender que se lançar em frente pode ser algo agradável e ter bons resultados, dentro do equilíbrio liberdade x limites. É fundamental a adequação dos pais como modelos a serem imitados e seguidos: se estes são indiferentes ou hostis, criam modelos pobres para que a criança se identifique, o afeto é a base tanto para a aquisição de normas quanto da identificação. Nesse sentido é importante que os pais como modelos tenham um bom conhecimento de si mesmos, se aceitem e se respeitem como pessoas, estejam satisfeitos consigo mesmo e possam transmitir um ao outro com tranquilidade a visão que cada um tem da criança. A influência dos pais sobre os filhos é profunda justamente porque ela se dá através dessa aprendizagem por imitação mais do que por um ensino direto. A tarefa do ambiente nesse período é também, portanto a reflexão individual e a auto-análise dos adultos como pessoas frente às quais a criança se identifica e toma como modelos. Dos 5 aos 12 anos Desenvolvimento físico Ocorre a erupção dos dentes permanentes e se tem a elaboração da coordenação motora fina. As crianças têm maior consciência das mãos como instrumentos de trabalho. Começam a identificar-se com o pai do mesmo sexo (5 anos). Ocorre o início da puberdade ao final do período (para as meninas). Desenvolvimento da linguagem Nesta fase tem-se um vocabulário enriquecido e sofisticado gramaticalmente. Desenvolvimento cognitivo Piaget - Período operacional concreto Este é um estágio caracterizado pela aquisição de lógica elementar (relações de causa-efeito) sobre eventos concretos, presentes e vivenciados. Os princípios de reversibilidade e conservação de volume, peso, número e extensão são adquiridos. Há compreensão sobre a relação entre a parte e o todo, capacidade de seriação e classificação
  • 6. Fundada em 04/03/69 – CNPJ: 17.862.038/0001-76 Sede: Rua Florival Xavier, 44 – Centro – Itajubá – MG – Cep: 37.500-002 Tels.: (35) 3622-0917 – Fax: (35) 3622-5274 apaeitajubá@gmail.com / atendimento@apaeitajubá,com.br 6 (por exemplo: frente à pergunta: há mais bolas vermelhas ou brinquedos nesta caixa) Desenvolvimento afetivo e social Consequentemente tem-se também a separação da mãe e de casa por um período de tempo maior. Os professores, os colegas e os amigos se tornam influências sociais importantes. Entretanto, as amizades são transitórias e os interesses mudam rapidamente. A criança vai deixando de lado a fantasia e o brinquedo, passando a empreender tarefas reais na direção de competências acadêmicas e sociais. Quais as tarefas do ambiente? - em relação à escola: responder às necessidades da criança de se sentir capaz, empreendedora, competente; informar e formar, assumir o desenvolvimento da criança como um todo, não ser apenas um mero transmissor e cobrador de informações ou, pior ainda, um lugar onde a criança gasta parte do seu tempo, aliviando as responsabilidades da família. Cabe à escola o manter ou transformar a visão que a criança tem de si mesma, de suas capacidades, de seu valor: os professores são adultos significantes e modelos a serem imitados, bem como os companheiros serão os transmissores de novos padrões de comportamento e atitudes.