SlideShare uma empresa Scribd logo
Desenho Técnico
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
• Representação de Arestas Ocultas

• A representação de objetos tridimensionais, por
  meio de projeções ortogonais, é feita por vistas
  tomadas por lados diferentes, dependendo da forma
  espacial do objeto, algumas de suas superfícies
  poderão ficar ocultas em relação ao sentido de
  observação.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO

• Representação de Arestas Ocultas

Observando a Figura 2.16 vê-se que a superfície
  “A” está oculta quando a peça é vista
  lateralmente (direção 3), enquanto a superfície
  “B” está oculta quando a peça é vista por cima
  (direção 2). Nestes casos, as arestas que estão
  ocultas em um determinado sentido de
  observação    são   representadas   por   linhas
  tracejadas.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
• Representação de Arestas Ocultas

As linhas tracejadas são constituídas de pequenos traços
  de comprimento uniforme, espaçados de um terço de
  seu comprimento e levemente mais finas que as linhas
  cheias.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
• Representação de Arestas Ocultas

Deve-se procurar evitar o aparecimento de linhas
  tracejadas, porque a visualização da forma
  espacial é muito mais fácil mediante as linhas
  cheias que representam as arestas visíveis.

É importante destacar que evitar o aparecimento de
   linhas tracejadas não significa omiti-las, pois, em
   relação ao sentido de observação, as linhas
   tracejadas são vitais para compreensão das
   partes ocultas do objeto.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
• Representação de Arestas Ocultas

As linhas tracejadas podem ser evitadas invertendo-se a
  posição da peça em relação aos planos de projeção
  (mudar a posição da vista de frente).

As Figuras 2.17 e 2.18 mostram exemplos da mudança de
  posição da peça em relação à vista de frente para evitar
  linhas tracejadas.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
 UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
Elaboração de Esboços (DESENHOS À MÃO LIVRE)

É tendência dos principiantes dedicar excessiva
atenção à perfeição dos traços em detrimento das outras
condições.

Para desenhar à mão livre não é necessário possuir dons
especiais, basta dominar os músculos do pulso e dos
dedos e praticar com persistência e coerência que a
habilidade para esboçar será adquirida naturalmente com
a prática.

Existem algumas recomendações que devem ser seguidas
para facilitar a elaboração de desenhos à mão livre.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
Elaboração de Esboços (DESENHOS À MÃO LIVRE)

A elaboração de esboços, além favorecer a análise gráfica das
projeções ortogonais, ajuda a desenvolver o sentido de
proporcionalidade.

Os materiais necessários para elaboração de esboços são: lápis,
borracha e papel.

Na elaboração de desenhos à mão livre, ainda que a perfeição dos
traços seja importante, é muito mais importante o rigor das
proporções e a correta aplicação das normas e convenções de
representação.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO


           O antebraço deve estar totalmente apoiado sobre
           a prancheta. A mão deve segurar o lápis
           naturalmente, sem forçar, e também estar apoiada
           na prancheta.
           Deve-se evitar desenhar próximo às beiradas da
           prancheta, sem o apoio do antebraço.
           O antebraço não estando apoiado acarretará um
           maior esforço muscular, e, em      conseqüência,
           imperfeição no desenho.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
   UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  Traçado das Projeções (VISTAS)

    Para desenhar à mão livre as projeções ortogonais de qualquer
objeto, é conveniente seguir as recomendações seguintes:

     Analisar     previamente quala melhor combinação de vistas que
representa a peça, de modo que não apareça ou que apareça o menor número
possível de linhas tracejadas.
     Esboçar, com traço muito leve e fino o lugar de cada projeção,
observando que as distâncias entre as vistas devem ser visualmente iguais.
     A escolha da distância entre as vistas é importante porque, vistas
excessivamente próximas ou excessivamente afastadas umas das outras, tiram a
clareza e dificultam a interpretação do desenho.
     Desenhar os            detalhes resultantes      das       projeções
ortogonais, trabalhando simultaneamente nas três vistas.
     Reforçar com traço definitivo (traço contínuo e forte) os contornos de cada
vista.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
 UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO

Com o mesmo traço (contínuo e forte) acentuar em
cada vista os detalhes visíveis.
Desenhar em cada vista, com traço médio, as linhas
tracejadas correspondentes às arestas invisíveis.
Apagar as linhas de guia feitas no início do desenho.


A Figura 2.21 mostra as sucessivas fases para elaboração de
um desenho à mão livre.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
    UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  Representação de Superfícies Inclinadas
    A representação de superfícies inclinadas pode ser dividida em
dois casos distintos:
    1 — Quando a superfície é perpendicular a um dos planos
de projeção e inclinada em relação aos outros planos de projeção.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
  UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO

   A projeção resultante no plano que é perpendicular à
superfície inclinada será um segmento de reta que
corresponde à verdadeira grandeza da dimensão
representada. Nos outros dois planos a superfície inclinada
mantém a sua forma, mas sofre alteração da verdadeira
grandeza em uma das direções da projeção resultante.
   A representação mantendo a forma e a verdadeira
grandeza de qualquer
   superfície inclinada só será possível se o plano de
projeção for paralelo à superfície.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
  UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
2 — Superfície Inclinada em Relação aos Três Planos de Projeção

As projeções resultantes nos três planos de projeção manterão a forma da
superfície inclinada, contudo, não corresponderão à sua verdadeira
grandeza.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
 UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO

É importante ressaltar que, mesmo que as projeções
resultantes não correspondam à verdadeira grandeza da
superfície representada, seu contorno não sofre alterações,
pois, em todas as vistas, uma determinada linha sempre
manterá sua posição primitiva em relação as outras linhas
que contornam a superfície inclinada.

As Figuras 2.26 e 2.27 mostram exemplos de
representação de superfícies inclinadas em relação aos três
planos de projeção.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
  UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO




   Na Figura 2.27 pode-se observar que o paralelismo
existente entre as arestas representadas pelos segmentos de
retas [(1,2) ; (3,4)] e [(1,5);(2,3)] são mantidos nas três
projeções.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
  UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO

Representação de Superfícies Curvas

As Figuras 2.28, 2.29 e 2.30 mostram as projeções ortogonais de
superfícies planas, circulares e paralelas a um dos três planos de
projeção.

Observe que no plano paralelo à superfície, a projeção resultante
mantém a forma e a verdadeira grandeza do círculo, enquanto
nos outros dois planos a projeção resultante é um segmento de
reta, cujo comprimento corresponde ao diâmetro do círculo.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
 UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  Se a superfície circular não possuir paralelismo com
nenhum dos três planos de projeção, mas for perpendicular
em relação a um deles, as projeções resultantes terão
dimensões em função do ângulo de inclinação da superfície.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
 UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
Linhas de Centro

Nos desenhos em que aparecem as superfícies curvas é
utilizado um novo tipo de linha, composta de traços e
pontos que é denominada linha de centro. As linhas de
centro são usadas para indicar os eixos em corpos de
rotação e também para assinalar formas simétricas
secundárias.

As linhas de centro são representadas por traços finos
separados por pontos (o comprimento do traço da linha de
centro deve ser de três a quatro vezes maior que o traço da
linha tracejada).
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
  UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
É a partir da linha de centro que se faz a localização de furos,
rasgos e partes cilíndricas existentes nas peças.

Os desenhos da Figura 2.35 mostram aplicações das linhas de
centro.
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
TEORIA DO DESENHO PROJETIVO
UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DESENHO TECNICO CORTE
DESENHO TECNICO CORTEDESENHO TECNICO CORTE
DESENHO TECNICO CORTE
ordenaelbass
 
1.desenho projetivo e_perspectivas
1.desenho projetivo e_perspectivas1.desenho projetivo e_perspectivas
1.desenho projetivo e_perspectivas
Renata Montenegro
 
Aula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções OrtogonaisAula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções Ortogonais
Gutierry Prates
 
Aula 1 - Introdução ao Desenho Técnico
Aula 1 - Introdução ao Desenho TécnicoAula 1 - Introdução ao Desenho Técnico
Aula 1 - Introdução ao Desenho Técnico
Ellen Assad
 
DESENHO TÉCNICO COTAGEM
DESENHO TÉCNICO COTAGEMDESENHO TÉCNICO COTAGEM
DESENHO TÉCNICO COTAGEM
ordenaelbass
 
Apostila Rsolvida de desenho tecnico
Apostila Rsolvida de desenho tecnicoApostila Rsolvida de desenho tecnico
Apostila Rsolvida de desenho tecnico
Nome Sobrenome
 
Caderno exercícios desenho_tecnico 3
Caderno exercícios desenho_tecnico 3Caderno exercícios desenho_tecnico 3
Caderno exercícios desenho_tecnico 3
Heromo
 
Desenho t+®cnico parte 1
Desenho t+®cnico parte 1Desenho t+®cnico parte 1
Desenho t+®cnico parte 1
Luciano Otavio
 
Exercicios perspectiva
Exercicios perspectivaExercicios perspectiva
Exercicios perspectiva
Paula Pauleira
 
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICADESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
ordenaelbass
 
DESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficas
DESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficasDESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficas
DESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficas
ordenaelbass
 
DESENHO TÉCNICO CORTE
DESENHO TÉCNICO  CORTEDESENHO TÉCNICO  CORTE
DESENHO TÉCNICO CORTE
ordenaelbass
 
Projeções ortogonais
Projeções ortogonaisProjeções ortogonais
Projeções ortogonais
Ellen Assad
 
DESENHO TÉCNICO HACHURAS
DESENHO TÉCNICO HACHURASDESENHO TÉCNICO HACHURAS
DESENHO TÉCNICO HACHURAS
ordenaelbass
 
Apostila de-desenho-tecnico-1
Apostila de-desenho-tecnico-1Apostila de-desenho-tecnico-1
Apostila de-desenho-tecnico-1
Francisco Costa
 
Exercícios projeções ortogonais
Exercícios projeções ortogonaisExercícios projeções ortogonais
Exercícios projeções ortogonais
Gualter Santos
 
DESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROES
DESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROESDESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROES
DESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROES
ordenaelbass
 
Apostila Desenho Técnico
Apostila Desenho TécnicoApostila Desenho Técnico
Apostila Desenho Técnico
JOSÉ RÔMULO RODRIGUES
 
Cotagem
CotagemCotagem
DESENHO TÉCNICO SEÇÃO E ENCURTAMENTO
DESENHO TÉCNICO  SEÇÃO E ENCURTAMENTODESENHO TÉCNICO  SEÇÃO E ENCURTAMENTO
DESENHO TÉCNICO SEÇÃO E ENCURTAMENTO
ordenaelbass
 

Mais procurados (20)

DESENHO TECNICO CORTE
DESENHO TECNICO CORTEDESENHO TECNICO CORTE
DESENHO TECNICO CORTE
 
1.desenho projetivo e_perspectivas
1.desenho projetivo e_perspectivas1.desenho projetivo e_perspectivas
1.desenho projetivo e_perspectivas
 
Aula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções OrtogonaisAula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções Ortogonais
 
Aula 1 - Introdução ao Desenho Técnico
Aula 1 - Introdução ao Desenho TécnicoAula 1 - Introdução ao Desenho Técnico
Aula 1 - Introdução ao Desenho Técnico
 
DESENHO TÉCNICO COTAGEM
DESENHO TÉCNICO COTAGEMDESENHO TÉCNICO COTAGEM
DESENHO TÉCNICO COTAGEM
 
Apostila Rsolvida de desenho tecnico
Apostila Rsolvida de desenho tecnicoApostila Rsolvida de desenho tecnico
Apostila Rsolvida de desenho tecnico
 
Caderno exercícios desenho_tecnico 3
Caderno exercícios desenho_tecnico 3Caderno exercícios desenho_tecnico 3
Caderno exercícios desenho_tecnico 3
 
Desenho t+®cnico parte 1
Desenho t+®cnico parte 1Desenho t+®cnico parte 1
Desenho t+®cnico parte 1
 
Exercicios perspectiva
Exercicios perspectivaExercicios perspectiva
Exercicios perspectiva
 
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICADESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
 
DESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficas
DESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficasDESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficas
DESENHO TECNICO Corte mais de um corte nas vistas ortográficas
 
DESENHO TÉCNICO CORTE
DESENHO TÉCNICO  CORTEDESENHO TÉCNICO  CORTE
DESENHO TÉCNICO CORTE
 
Projeções ortogonais
Projeções ortogonaisProjeções ortogonais
Projeções ortogonais
 
DESENHO TÉCNICO HACHURAS
DESENHO TÉCNICO HACHURASDESENHO TÉCNICO HACHURAS
DESENHO TÉCNICO HACHURAS
 
Apostila de-desenho-tecnico-1
Apostila de-desenho-tecnico-1Apostila de-desenho-tecnico-1
Apostila de-desenho-tecnico-1
 
Exercícios projeções ortogonais
Exercícios projeções ortogonaisExercícios projeções ortogonais
Exercícios projeções ortogonais
 
DESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROES
DESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROESDESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROES
DESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROES
 
Apostila Desenho Técnico
Apostila Desenho TécnicoApostila Desenho Técnico
Apostila Desenho Técnico
 
Cotagem
CotagemCotagem
Cotagem
 
DESENHO TÉCNICO SEÇÃO E ENCURTAMENTO
DESENHO TÉCNICO  SEÇÃO E ENCURTAMENTODESENHO TÉCNICO  SEÇÃO E ENCURTAMENTO
DESENHO TÉCNICO SEÇÃO E ENCURTAMENTO
 

Destaque

Desenho t+®cnico parte 3
Desenho t+®cnico parte 3Desenho t+®cnico parte 3
Desenho t+®cnico parte 3
Luciano Otavio
 
Capitulo2
Capitulo2Capitulo2
Capitulo2
Luciano Otavio
 
Desenho t+®cnico parte 4
Desenho t+®cnico parte 4Desenho t+®cnico parte 4
Desenho t+®cnico parte 4
Luciano Otavio
 
Perspectiva isométrica .lista de exercícios
Perspectiva isométrica .lista de exercíciosPerspectiva isométrica .lista de exercícios
Perspectiva isométrica .lista de exercícios
Tyla Ricci
 
Vistas perspectiva e corte 2
Vistas perspectiva e corte 2Vistas perspectiva e corte 2
Vistas perspectiva e corte 2
Luciano Otavio
 
Desenho 3 ppt-ebookdelest
Desenho 3 ppt-ebookdelestDesenho 3 ppt-ebookdelest
Desenho 3 ppt-ebookdelest
Delcio Sousa
 
Desenho Técnico (Projecoes)
Desenho Técnico (Projecoes)Desenho Técnico (Projecoes)
Desenho Técnico (Projecoes)
UFPR
 
Aula de desenho 2 vistas
Aula de desenho 2   vistasAula de desenho 2   vistas
Aula de desenho 2 vistas
Roberto Villardo
 
Apostila
ApostilaApostila
Nbr 10068 folha de desenho - leiaute e dimensões - 1987
Nbr 10068   folha de desenho - leiaute e dimensões - 1987Nbr 10068   folha de desenho - leiaute e dimensões - 1987
Nbr 10068 folha de desenho - leiaute e dimensões - 1987
Luciano Otavio
 
Nbr 10126 cotagem em desenho tecnico - 1987
Nbr 10126   cotagem em desenho tecnico - 1987Nbr 10126   cotagem em desenho tecnico - 1987
Nbr 10126 cotagem em desenho tecnico - 1987
Luciano Otavio
 
Materiais utilizados na Construção de Edificações
Materiais utilizados na Construção de EdificaçõesMateriais utilizados na Construção de Edificações
Materiais utilizados na Construção de Edificações
Marcelo Magalhaes Barbosa
 
Provas operatórias de piaget
Provas operatórias de piagetProvas operatórias de piaget
Provas operatórias de piaget
Gliciane S. Aragão
 
Diagnóstico Psicopedagógico Clínico Aulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de Oliveira
Diagnóstico Psicopedagógico ClínicoAulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de OliveiraDiagnóstico Psicopedagógico ClínicoAulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de Oliveira
Diagnóstico Psicopedagógico Clínico Aulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de Oliveira
Bia Paula
 
Quadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
Quadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de SouzaQuadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
Quadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
Solange Goulart
 
Testes projetivos
Testes projetivosTestes projetivos
Testes projetivos
Rafael Almeida
 
Quadro de rotina do 1º ano Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
Quadro de rotina do 1º ano Professora Orientadora Solange Goulart de SouzaQuadro de rotina do 1º ano Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
Quadro de rotina do 1º ano Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
Solange Goulart
 
Desenho projetivo
Desenho projetivoDesenho projetivo
Desenho projetivo
Mara Pedroso
 
Rotina na Alfabetização
Rotina na AlfabetizaçãoRotina na Alfabetização
Rotina na Alfabetização
Shirley Lauria
 
Rotinas semanais nível ii 2º bim. 2012
Rotinas semanais  nível ii    2º bim. 2012Rotinas semanais  nível ii    2º bim. 2012
Rotinas semanais nível ii 2º bim. 2012
josivaldopassos
 

Destaque (20)

Desenho t+®cnico parte 3
Desenho t+®cnico parte 3Desenho t+®cnico parte 3
Desenho t+®cnico parte 3
 
Capitulo2
Capitulo2Capitulo2
Capitulo2
 
Desenho t+®cnico parte 4
Desenho t+®cnico parte 4Desenho t+®cnico parte 4
Desenho t+®cnico parte 4
 
Perspectiva isométrica .lista de exercícios
Perspectiva isométrica .lista de exercíciosPerspectiva isométrica .lista de exercícios
Perspectiva isométrica .lista de exercícios
 
Vistas perspectiva e corte 2
Vistas perspectiva e corte 2Vistas perspectiva e corte 2
Vistas perspectiva e corte 2
 
Desenho 3 ppt-ebookdelest
Desenho 3 ppt-ebookdelestDesenho 3 ppt-ebookdelest
Desenho 3 ppt-ebookdelest
 
Desenho Técnico (Projecoes)
Desenho Técnico (Projecoes)Desenho Técnico (Projecoes)
Desenho Técnico (Projecoes)
 
Aula de desenho 2 vistas
Aula de desenho 2   vistasAula de desenho 2   vistas
Aula de desenho 2 vistas
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
Nbr 10068 folha de desenho - leiaute e dimensões - 1987
Nbr 10068   folha de desenho - leiaute e dimensões - 1987Nbr 10068   folha de desenho - leiaute e dimensões - 1987
Nbr 10068 folha de desenho - leiaute e dimensões - 1987
 
Nbr 10126 cotagem em desenho tecnico - 1987
Nbr 10126   cotagem em desenho tecnico - 1987Nbr 10126   cotagem em desenho tecnico - 1987
Nbr 10126 cotagem em desenho tecnico - 1987
 
Materiais utilizados na Construção de Edificações
Materiais utilizados na Construção de EdificaçõesMateriais utilizados na Construção de Edificações
Materiais utilizados na Construção de Edificações
 
Provas operatórias de piaget
Provas operatórias de piagetProvas operatórias de piaget
Provas operatórias de piaget
 
Diagnóstico Psicopedagógico Clínico Aulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de Oliveira
Diagnóstico Psicopedagógico ClínicoAulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de OliveiraDiagnóstico Psicopedagógico ClínicoAulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de Oliveira
Diagnóstico Psicopedagógico Clínico Aulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de Oliveira
 
Quadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
Quadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de SouzaQuadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
Quadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
 
Testes projetivos
Testes projetivosTestes projetivos
Testes projetivos
 
Quadro de rotina do 1º ano Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
Quadro de rotina do 1º ano Professora Orientadora Solange Goulart de SouzaQuadro de rotina do 1º ano Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
Quadro de rotina do 1º ano Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
 
Desenho projetivo
Desenho projetivoDesenho projetivo
Desenho projetivo
 
Rotina na Alfabetização
Rotina na AlfabetizaçãoRotina na Alfabetização
Rotina na Alfabetização
 
Rotinas semanais nível ii 2º bim. 2012
Rotinas semanais  nível ii    2º bim. 2012Rotinas semanais  nível ii    2º bim. 2012
Rotinas semanais nível ii 2º bim. 2012
 

Semelhante a Desenho t+®cnico parte 2

05 noções de desenho técnico
05   noções de desenho técnico05   noções de desenho técnico
05 noções de desenho técnico
Dhonne's Schumack
 
05 noções de desenho técnico
05   noções de desenho técnico05   noções de desenho técnico
05 noções de desenho técnico
bluesky659
 
05 noções de desenho técnico
05   noções de desenho técnico05   noções de desenho técnico
05 noções de desenho técnico
bluesky659
 
05 noções de desenho técnico
05   noções de desenho técnico05   noções de desenho técnico
05 noções de desenho técnico
Kelly Maia
 
Desenho, metrologia e soldagem1a
Desenho, metrologia e soldagem1aDesenho, metrologia e soldagem1a
Desenho, metrologia e soldagem1a
Antonio Domingos Dias
 
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdfMAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
wogafib965
 
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdfMAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
xilipa7084
 
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdfMAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
yigoric748
 
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdfMAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
keciwa1460
 
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdfMAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
vajota8414
 
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
jeyisi9376
 
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
netoje1143
 
ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...
ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...
ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...
jeyisi9376
 
ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...
ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...
ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...
netoje1143
 
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdfMAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
comixik699
 
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
wapoc40328
 
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdfMAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
wapoc40328
 
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
wefinas787
 
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
bexore5034
 
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdfMAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
wefinas787
 

Semelhante a Desenho t+®cnico parte 2 (20)

05 noções de desenho técnico
05   noções de desenho técnico05   noções de desenho técnico
05 noções de desenho técnico
 
05 noções de desenho técnico
05   noções de desenho técnico05   noções de desenho técnico
05 noções de desenho técnico
 
05 noções de desenho técnico
05   noções de desenho técnico05   noções de desenho técnico
05 noções de desenho técnico
 
05 noções de desenho técnico
05   noções de desenho técnico05   noções de desenho técnico
05 noções de desenho técnico
 
Desenho, metrologia e soldagem1a
Desenho, metrologia e soldagem1aDesenho, metrologia e soldagem1a
Desenho, metrologia e soldagem1a
 
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdfMAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
 
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdfMAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
 
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdfMAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
 
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdfMAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
 
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdfMAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
 
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
 
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
 
ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...
ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...
ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...
 
ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...
ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...
ETAPA 1 a importância da perspectiva no desenho técnico No desenho técnico, a...
 
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdfMAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
 
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
 
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdfMAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
 
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
 
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
ETAPA 2 a precisão da projeção ortogonal no desenho técnico A projeção ortogo...
 
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdfMAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
 

Mais de Luciano Otavio

Nbr 14611 desenho técnico - representação de estruturas metálicas
Nbr 14611   desenho técnico - representação de estruturas metálicasNbr 14611   desenho técnico - representação de estruturas metálicas
Nbr 14611 desenho técnico - representação de estruturas metálicas
Luciano Otavio
 
Nbr 13532 elaboração de projetos de edificações - arquitetura - 1995
Nbr 13532   elaboração de projetos de edificações - arquitetura - 1995Nbr 13532   elaboração de projetos de edificações - arquitetura - 1995
Nbr 13532 elaboração de projetos de edificações - arquitetura - 1995
Luciano Otavio
 
Nbr 13531 elaboração de projetos de edificações - 1995
Nbr 13531   elaboração de projetos de edificações - 1995Nbr 13531   elaboração de projetos de edificações - 1995
Nbr 13531 elaboração de projetos de edificações - 1995
Luciano Otavio
 
Nbr 12298 representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...
Nbr 12298   representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...Nbr 12298   representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...
Nbr 12298 representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...
Luciano Otavio
 
Nbr 10647 desenho técnico - terminologia
Nbr 10647   desenho técnico - terminologiaNbr 10647   desenho técnico - terminologia
Nbr 10647 desenho técnico - terminologia
Luciano Otavio
 
Nbr 10582 apresentação da folha para desenho técnico - 1988
Nbr 10582   apresentação da folha para desenho técnico - 1988Nbr 10582   apresentação da folha para desenho técnico - 1988
Nbr 10582 apresentação da folha para desenho técnico - 1988
Luciano Otavio
 
Nbr 08403 1984 - aplição de linhas em desenhos
Nbr 08403   1984 - aplição de linhas em desenhosNbr 08403   1984 - aplição de linhas em desenhos
Nbr 08403 1984 - aplição de linhas em desenhos
Luciano Otavio
 
Nbr 08402 execucao de caracter para escrita em desenho tecnico
Nbr 08402   execucao de caracter para escrita em desenho tecnicoNbr 08402   execucao de caracter para escrita em desenho tecnico
Nbr 08402 execucao de caracter para escrita em desenho tecnico
Luciano Otavio
 
Nbr 08196 desenho tecnico - emprego de escalas
Nbr 08196   desenho tecnico - emprego de escalasNbr 08196   desenho tecnico - emprego de escalas
Nbr 08196 desenho tecnico - emprego de escalas
Luciano Otavio
 
Nbr 13142 desenho tecnico - dobramento de cópia
Nbr 13142   desenho tecnico - dobramento de cópiaNbr 13142   desenho tecnico - dobramento de cópia
Nbr 13142 desenho tecnico - dobramento de cópia
Luciano Otavio
 
Modelo folha a4 isométrica
Modelo folha a4   isométricaModelo folha a4   isométrica
Modelo folha a4 isométrica
Luciano Otavio
 
Vistas perspectiva e corte 3
Vistas perspectiva e corte 3Vistas perspectiva e corte 3
Vistas perspectiva e corte 3
Luciano Otavio
 
Vistas perspectiva e corte 1
Vistas perspectiva e corte 1Vistas perspectiva e corte 1
Vistas perspectiva e corte 1
Luciano Otavio
 
Vista e perspectiva 2
Vista e perspectiva 2Vista e perspectiva 2
Vista e perspectiva 2
Luciano Otavio
 
Vistas perspectivas variadas
Vistas perspectivas variadasVistas perspectivas variadas
Vistas perspectivas variadas
Luciano Otavio
 
Capitulo7
Capitulo7Capitulo7
Capitulo7
Luciano Otavio
 
Capitulo6
Capitulo6Capitulo6
Capitulo6
Luciano Otavio
 

Mais de Luciano Otavio (20)

Nbr 14611 desenho técnico - representação de estruturas metálicas
Nbr 14611   desenho técnico - representação de estruturas metálicasNbr 14611   desenho técnico - representação de estruturas metálicas
Nbr 14611 desenho técnico - representação de estruturas metálicas
 
Nbr 13532 elaboração de projetos de edificações - arquitetura - 1995
Nbr 13532   elaboração de projetos de edificações - arquitetura - 1995Nbr 13532   elaboração de projetos de edificações - arquitetura - 1995
Nbr 13532 elaboração de projetos de edificações - arquitetura - 1995
 
Nbr 13531 elaboração de projetos de edificações - 1995
Nbr 13531   elaboração de projetos de edificações - 1995Nbr 13531   elaboração de projetos de edificações - 1995
Nbr 13531 elaboração de projetos de edificações - 1995
 
Nbr 12298 representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...
Nbr 12298   representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...Nbr 12298   representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...
Nbr 12298 representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...
 
Nbr 10647 desenho técnico - terminologia
Nbr 10647   desenho técnico - terminologiaNbr 10647   desenho técnico - terminologia
Nbr 10647 desenho técnico - terminologia
 
Nbr 10582 apresentação da folha para desenho técnico - 1988
Nbr 10582   apresentação da folha para desenho técnico - 1988Nbr 10582   apresentação da folha para desenho técnico - 1988
Nbr 10582 apresentação da folha para desenho técnico - 1988
 
Nbr 08403 1984 - aplição de linhas em desenhos
Nbr 08403   1984 - aplição de linhas em desenhosNbr 08403   1984 - aplição de linhas em desenhos
Nbr 08403 1984 - aplição de linhas em desenhos
 
Nbr 08402 execucao de caracter para escrita em desenho tecnico
Nbr 08402   execucao de caracter para escrita em desenho tecnicoNbr 08402   execucao de caracter para escrita em desenho tecnico
Nbr 08402 execucao de caracter para escrita em desenho tecnico
 
Nbr 08196 desenho tecnico - emprego de escalas
Nbr 08196   desenho tecnico - emprego de escalasNbr 08196   desenho tecnico - emprego de escalas
Nbr 08196 desenho tecnico - emprego de escalas
 
Nbr 13142 desenho tecnico - dobramento de cópia
Nbr 13142   desenho tecnico - dobramento de cópiaNbr 13142   desenho tecnico - dobramento de cópia
Nbr 13142 desenho tecnico - dobramento de cópia
 
Modelo folha a4 isométrica
Modelo folha a4   isométricaModelo folha a4   isométrica
Modelo folha a4 isométrica
 
Vistas perspectiva e corte 3
Vistas perspectiva e corte 3Vistas perspectiva e corte 3
Vistas perspectiva e corte 3
 
Vistas perspectiva e corte 1
Vistas perspectiva e corte 1Vistas perspectiva e corte 1
Vistas perspectiva e corte 1
 
Vista e perspectiva 4
Vista e perspectiva 4Vista e perspectiva 4
Vista e perspectiva 4
 
Vista e perspectiva 3
Vista e perspectiva 3Vista e perspectiva 3
Vista e perspectiva 3
 
Vista e perspectiva 2
Vista e perspectiva 2Vista e perspectiva 2
Vista e perspectiva 2
 
Vista e perspectiva 1
Vista e perspectiva 1Vista e perspectiva 1
Vista e perspectiva 1
 
Vistas perspectivas variadas
Vistas perspectivas variadasVistas perspectivas variadas
Vistas perspectivas variadas
 
Capitulo7
Capitulo7Capitulo7
Capitulo7
 
Capitulo6
Capitulo6Capitulo6
Capitulo6
 

Desenho t+®cnico parte 2

  • 2. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO • Representação de Arestas Ocultas • A representação de objetos tridimensionais, por meio de projeções ortogonais, é feita por vistas tomadas por lados diferentes, dependendo da forma espacial do objeto, algumas de suas superfícies poderão ficar ocultas em relação ao sentido de observação.
  • 3. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO • Representação de Arestas Ocultas Observando a Figura 2.16 vê-se que a superfície “A” está oculta quando a peça é vista lateralmente (direção 3), enquanto a superfície “B” está oculta quando a peça é vista por cima (direção 2). Nestes casos, as arestas que estão ocultas em um determinado sentido de observação são representadas por linhas tracejadas.
  • 4. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO • Representação de Arestas Ocultas As linhas tracejadas são constituídas de pequenos traços de comprimento uniforme, espaçados de um terço de seu comprimento e levemente mais finas que as linhas cheias.
  • 5. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  • 6. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO • Representação de Arestas Ocultas Deve-se procurar evitar o aparecimento de linhas tracejadas, porque a visualização da forma espacial é muito mais fácil mediante as linhas cheias que representam as arestas visíveis. É importante destacar que evitar o aparecimento de linhas tracejadas não significa omiti-las, pois, em relação ao sentido de observação, as linhas tracejadas são vitais para compreensão das partes ocultas do objeto.
  • 7. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO • Representação de Arestas Ocultas As linhas tracejadas podem ser evitadas invertendo-se a posição da peça em relação aos planos de projeção (mudar a posição da vista de frente). As Figuras 2.17 e 2.18 mostram exemplos da mudança de posição da peça em relação à vista de frente para evitar linhas tracejadas.
  • 8. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  • 9. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  • 10. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO Elaboração de Esboços (DESENHOS À MÃO LIVRE) É tendência dos principiantes dedicar excessiva atenção à perfeição dos traços em detrimento das outras condições. Para desenhar à mão livre não é necessário possuir dons especiais, basta dominar os músculos do pulso e dos dedos e praticar com persistência e coerência que a habilidade para esboçar será adquirida naturalmente com a prática. Existem algumas recomendações que devem ser seguidas para facilitar a elaboração de desenhos à mão livre.
  • 11. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO Elaboração de Esboços (DESENHOS À MÃO LIVRE) A elaboração de esboços, além favorecer a análise gráfica das projeções ortogonais, ajuda a desenvolver o sentido de proporcionalidade. Os materiais necessários para elaboração de esboços são: lápis, borracha e papel. Na elaboração de desenhos à mão livre, ainda que a perfeição dos traços seja importante, é muito mais importante o rigor das proporções e a correta aplicação das normas e convenções de representação.
  • 12. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO O antebraço deve estar totalmente apoiado sobre a prancheta. A mão deve segurar o lápis naturalmente, sem forçar, e também estar apoiada na prancheta. Deve-se evitar desenhar próximo às beiradas da prancheta, sem o apoio do antebraço. O antebraço não estando apoiado acarretará um maior esforço muscular, e, em conseqüência, imperfeição no desenho.
  • 13. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  • 14. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  • 15. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO Traçado das Projeções (VISTAS) Para desenhar à mão livre as projeções ortogonais de qualquer objeto, é conveniente seguir as recomendações seguintes: Analisar previamente quala melhor combinação de vistas que representa a peça, de modo que não apareça ou que apareça o menor número possível de linhas tracejadas. Esboçar, com traço muito leve e fino o lugar de cada projeção, observando que as distâncias entre as vistas devem ser visualmente iguais. A escolha da distância entre as vistas é importante porque, vistas excessivamente próximas ou excessivamente afastadas umas das outras, tiram a clareza e dificultam a interpretação do desenho. Desenhar os detalhes resultantes das projeções ortogonais, trabalhando simultaneamente nas três vistas. Reforçar com traço definitivo (traço contínuo e forte) os contornos de cada vista.
  • 16. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO Com o mesmo traço (contínuo e forte) acentuar em cada vista os detalhes visíveis. Desenhar em cada vista, com traço médio, as linhas tracejadas correspondentes às arestas invisíveis. Apagar as linhas de guia feitas no início do desenho. A Figura 2.21 mostra as sucessivas fases para elaboração de um desenho à mão livre.
  • 17. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  • 18. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO Representação de Superfícies Inclinadas A representação de superfícies inclinadas pode ser dividida em dois casos distintos: 1 — Quando a superfície é perpendicular a um dos planos de projeção e inclinada em relação aos outros planos de projeção.
  • 19. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO A projeção resultante no plano que é perpendicular à superfície inclinada será um segmento de reta que corresponde à verdadeira grandeza da dimensão representada. Nos outros dois planos a superfície inclinada mantém a sua forma, mas sofre alteração da verdadeira grandeza em uma das direções da projeção resultante. A representação mantendo a forma e a verdadeira grandeza de qualquer superfície inclinada só será possível se o plano de projeção for paralelo à superfície.
  • 20. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO 2 — Superfície Inclinada em Relação aos Três Planos de Projeção As projeções resultantes nos três planos de projeção manterão a forma da superfície inclinada, contudo, não corresponderão à sua verdadeira grandeza.
  • 21. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO É importante ressaltar que, mesmo que as projeções resultantes não correspondam à verdadeira grandeza da superfície representada, seu contorno não sofre alterações, pois, em todas as vistas, uma determinada linha sempre manterá sua posição primitiva em relação as outras linhas que contornam a superfície inclinada. As Figuras 2.26 e 2.27 mostram exemplos de representação de superfícies inclinadas em relação aos três planos de projeção.
  • 22. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO Na Figura 2.27 pode-se observar que o paralelismo existente entre as arestas representadas pelos segmentos de retas [(1,2) ; (3,4)] e [(1,5);(2,3)] são mantidos nas três projeções.
  • 23. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO Representação de Superfícies Curvas As Figuras 2.28, 2.29 e 2.30 mostram as projeções ortogonais de superfícies planas, circulares e paralelas a um dos três planos de projeção. Observe que no plano paralelo à superfície, a projeção resultante mantém a forma e a verdadeira grandeza do círculo, enquanto nos outros dois planos a projeção resultante é um segmento de reta, cujo comprimento corresponde ao diâmetro do círculo.
  • 24. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  • 25. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO Se a superfície circular não possuir paralelismo com nenhum dos três planos de projeção, mas for perpendicular em relação a um deles, as projeções resultantes terão dimensões em função do ângulo de inclinação da superfície.
  • 26. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  • 27. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  • 28. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO Linhas de Centro Nos desenhos em que aparecem as superfícies curvas é utilizado um novo tipo de linha, composta de traços e pontos que é denominada linha de centro. As linhas de centro são usadas para indicar os eixos em corpos de rotação e também para assinalar formas simétricas secundárias. As linhas de centro são representadas por traços finos separados por pontos (o comprimento do traço da linha de centro deve ser de três a quatro vezes maior que o traço da linha tracejada).
  • 29. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO É a partir da linha de centro que se faz a localização de furos, rasgos e partes cilíndricas existentes nas peças. Os desenhos da Figura 2.35 mostram aplicações das linhas de centro.
  • 30. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  • 31. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  • 32. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  • 33. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  • 34. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO
  • 35. TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO