SlideShare uma empresa Scribd logo
Capítulo  8  
Experimental  Design    
II:  Factorial  Designs    
Goodwin,  C.J.    
Research  in  Psychology:    
Methods  and  Design  
Wiley,  2008.  
APRESENTAÇÃO  REALIZADA  PARA  O  SEMINÁRIO  SOBRE  
DESENHO  DE  EXPERIMENTOS  NA  DISCIPLINA  "PESQUISA  
DE  MARKETING"  /  PROF.  KORELO  /  JUNHO  DE  2015    
NAYARA  P.  DUARTE  
Mestranda  pelo  Programa  de  Pós  Graduação  em  Administração  da  UFPR,  na  
Linha  de  Pesquisa  Estratégia  de  Marke]ng  e  Comportamento  do  Consumidor  
(2015/2017).  
Bacharel  em  Relações  Públicas  pela  UEL  (2006/2010).  
Especialista  em  Marke]ng  Digital  pela  FAE  (2011/2012).
-­‐ Em  um  experimento,  o  pesquisador  manipula  os  níveis  de  variáveis  
independentes  e  observa  o  resultado  produzido  sobre  as  variáveis  dependentes,  
enquanto  controla  o  efeito  de  outras  variáveis  que  possam  oferecer  explicações  
alterna]vas.    
-­‐ O  experimento  é,  assim,  o  único  método  que  garante  as  condições  necessárias  e  
suficientes  para  se  inferir  uma  relação  de  causalidade.  
-­‐ A  manipulação  das  variáveis  independentes  é  o  elemento  central  do  
experimento,  que  o  dis]nguirá  dos  demais  ]pos  de  desenho  de  pesquisa.  Isso  
garante  a  sequência  temporal,  pois  é  o  pesquisador  que  controla  o  es]mulo  
correspondente.       
-­‐ O  obje]vo  é  demostrar  que  determinados  níveis  da  variável  independente  
provocam  respostas  diferentes  na  variável  dependente.  Geralmente,  a  variável  
independente  é  manipulada  em  dois  níveis,  embora  possam  ser  usados  tantos  
níveis  quanto  forem  necessários,  de  acordo  com  a  necessidade,  para  produzir  
diferentes  efeitos  sobre  a  variável  dependente.
SOBRE  EXPERIMENTOS  
(SEMINÁRIO  ANTERIOR)
FONTE:  HERNANDEZ,  J.  M.  C.;  BASSO,  K.;  BRANDÃO,  M.  M.  Pesquisa  Experimental  em  
Marke]ng.  ReMark  –  Revista  Brasileira  de  Marke]ng,  Edição  Especial,  Vol.  13,  n.  2,  2014.
1. Descrever    DESENHO  FATORIAL  u]lizando  sistemas  de  notação  padronizada.  
2. Aprender  como  alocar  os  dados  corretamente  em  uma  MATRIZ  FATORIAL,  calculado  
médias  de  linhas  e  colunas.  
3. Entender  o  que  significa  EFEITO  PRINCIPAL  e  como  determinar  se  ele  existe.  
4.   Compreender  o  que  significa  EFEITO  DE  INTERAÇÃO  e  determinar  se  ele  existe.  
5. Saber  como  interpretar  interações  e  se  a  presença  de  interação  diminui  ou  elimina  a  
relevância  do  efeito  principal.  
6. Iden]ficar  a  VARIEDADE  DE  FATORIAIS  correspondente  ao  desenho  de  fator  único  
do  Cap.  7  (grupos  independentes,  combinados,  não  equivalentes  ou  com  mensurações  
repe]das).  
7.   Desenho  FATORIAL  MISTO.  
8. Iden]ficar  uma  FATORIAL  P  X  E  (person  by  environment  =  pessoa  por  ambiente)  e  
entender  o  que  significa  quando  esse  desenho  produz  efeitos  principais  e  interação.  
9. Calcular  o  NÚMERO  DE  PARTICIPANTES  NECESSÁRIOS  para  cada  ]po  de  desenho  
fatorial  
10. Construir  uma  tabela  ANOVA  para  uma  ANOVA  DE  2  FATORES  COM  DESENHO  DE  
GRUPOS  INDEPENDENTES.
OBJETIVOS  DO  CAPÍTULO
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
1.  O  QUE  É  UM  DESENHO  FATORIAL
-­‐ Sir  Ronald  Fisher  (1890  -­‐  1962)  
-­‐ Criador  da  ANOVA.  
-­‐ Taxas  F  para  decidirem  sobre  a  hipótese  nula  do  estudo  experimental.  
-­‐ Período  de  15  anos  inves]gando  os  efeitos  dos  pos  de  solo,  chuva,  ferlizantes,  
sequências  de  plantação  e  cepas  gené]cas.  
-­‐ Enfa]zou  a  importância  do  uso  de  desenho  fatorial.
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
-­‐ Examina  os  efeitos  de  mais  de  uma  variável  independente.  
-­‐ Relacionado  a  um  sistema  de  numeração  que  iden]fica  um  número  de  variáveis  
independentes,  e  diferentes  níveis  para  elas,  e  um  número  total  de  condições  
de  estudo.  
-­‐ Exemplo  1:  uma  fatorial  2  por  3  (2  X  3)  tem  duas  variáveis  independentes,  uma  
com  dois  níveis  e  outra  com  três,  apresentando  seis  condições  diferentes.  
-­‐ Em  princípio,  desenhos  fatoriais  poderiam  envolver  dezenas  de  variáveis  
independentes,  mas,  na  prá]ca,  geralmente  tem  dois  ou  três  fatores,  às  vezes  
quatro.
1.  O  QUE  É  UM  DESENHO  FATORIAL
VARIÁVEL  
DEPENDENTE
VARIÁVEL  
INDEPENDENTE    
DE  2  NÍVEIS
VARIÁVEL  
INDEPENDENTE  
DE  3  NÍVEIS
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
-­‐ Exemplo  2:  Em  uma  fatorial  3  X  4  X  5,  temos  três  variáveis  independentes,  com  
três,  quatro  e  cinco  níveis.  
-­‐ O  número  total  de  condições  testadas  em  um  estudo  fatorial  pode  ser  
iden]ficado  olhando  para  todas  as  combinações  possíveis  dos  diferentes  níveis  
de  cada  variável  independente,  que  irá  ser  demostrando  em  uma  MATRIZ  
FATORIAL.  
-­‐ Não  confundir:  aqui,  "as  condições  do  experimento"  são  BEM  diferentes  dos  NÍVEIS  
das  variáveis  independentes  (comparado  aos  experimentos  de  fator  único).  
-­‐ As  condições  se  igualam  ao  número  de  células  da  matriz  (duas  variáveis  
independentes  com  dois  níveis  cada  =  quatro  condições  diferentes).  
-­‐ No  capítulo,  o  termo  "variável  independente"  e  fator  significam  a  mesma  coisa.
1.  O  QUE  É  UM  DESENHO  FATORIAL
VARIÁVEL  
DEPENDENTE
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
VARIÁVEL  
INDEPENDENTE
VARIÁVEL  DEPENDENTE
CATEGÓRICA CONTINUA
CATEGÓRICA
CHI-­‐QUADRADO  
LOG  LINEAR  
LOGISTICA
TESTE  T  
ANOVA  
REGRESSÃO  LINEAR
CONTINUA REGRESSÃO  LÓGICA
REGRESSÃO  LINEAR  
CORRELAÇÃO  DE  PEARSON
MISTA REGRESSÃO  LÓGICA
REGRESSÃO  LINEAR  
ANOVA
Fonte: Categorical Data Analysis - Janet C. Rice
-­‐ Suponha  que  você  está  interessado  em  estudar  a  memória  e  deseja  descobrir  se  o  recall  (recordação)  pode  
ser  melhorado  treinando  as  pessoas  no  uso  de  técnicas  "visuais"  enquanto  memorizam  uma  lista  de  
palavras.    
-­‐ Você  pode  criar  dois  grupos  simples  para  o  experimento,  no  qual:  
•   um  grupo  é  orientado  para  u]lizar  técnicas  visuais  enquanto  memoriza  as  palavras  ("visualize  uma  
imagem  para  cada  palavra"),    
• o  outro  é  orientado  a  u]lizar  a  repe]ção  das  palavras  ("apenas  repita  as  palavras  de  novo  e  de  
novo  para  você  mesmo”).  
-­‐ Mas  também  queremos  saber  como  a  memória  é  afetada  pela  velocidade  de  visualização  das  palavras,  
então  o  grupo  é  novamente  dividido:    
• alguns  par]cipantes  verão  as  listas  com  dois  segundos  para  cada  palavra,    
• outros  terão  quatro  segundos.    
-­‐ Em  um  design  fatorial,  é  possível  testar  e  cruzar  ambas  as  condições.
ESTUDO  HIPOTÉTICO  SOBRE  MEMÓRIA
MEMÓRIA
ORIENTAÇÃO
TEMPO
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
2.  MATRIZ  FATORIAL  DO  ESTUDO:
ESTUDO  HIPOTÉTICO  SOBRE  MEMÓRIA
VELOCIDADE  DA  
APRESENTAÇÃO
2seg/palavra 4seg/palavra
ORIENTAÇÃO  
RECEBIDA
VISUAL
REPETIÇÃO
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
COMO  FICA  A  MATRIZ,    
SE  GÊNERO  FOR  ACRESCENTADO  COMO  FATOR:
ESTUDO  HIPOTÉTICO  SOBRE  MEMÓRIA
MEMÓRIA
ORIENTAÇÃO
TEMPO
GENÊRO
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
COMO  FICA  A  MATRIZ,    
SE  GÊNERO  FOR  ACRESCENTADO  COMO  FATOR:
ESTUDO  HIPOTÉTICO  SOBRE  MEMÓRIA
VELOCIDADE  DA  
APRESENTAÇÃO
2seg/palavra 4seg/palavra
ORIENTAÇÃO  
RECEBIDA
VISUAL
REPETIÇÃO
VELOCIDADE  DA  
APRESENTAÇÃO
2seg/palavra 4seg/palavra
HOMENS MULHERES
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
-­‐ Descreve  o  efeito  geral  de  uma  única  variável  independente.    
-­‐ Logo,  em  um  estudo  com  duas  variáveis  independentes,  pode  haver  no  máximo  
dois  efeitos  principais.  
-­‐ Determinar  o  efeito  principal  de  um  fator  envolve  combinar  todos  os  dados  de  
cada  um  dos  níveis  daquele  fator.    
-­‐ No  estudo  sobre  a  memória,  é  combinar  todos  os  que  foram  orientados  a  
ulizar  imagens  (para  ambos  os  tempos  de  apresentação)  e  comparar  com  
aqueles  que  usaram  repeção  (mesma  coisa  com  velocidade).  
-­‐ "Existe  um  efeito  principal  do  ]po  de  orientação  recebida?"
3.  EFEITO  PRINCIPAL
VELOCIDADE  DA  
APRESENTAÇÃO
2seg/palavra 4seg/palavra
ORIENTAÇÃO  
RECEBIDA
VISUAL    
REPETIÇÃO
VELOCIDADE  DA  
APRESENTAÇÃO
2seg/palavra 4seg/palavra
ORIENTAÇÃO  
RECEBIDA
VISUAL
REPETIÇÃO
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
30  palavras  
25  entrevistados  em  cada  condição
ESTUDO  HIPOTÉTICO  SOBRE  MEMÓRIA
VELOCIDADE  DA  
APRESENTAÇÃO
MÉDIA
2seg/palavra 4seg/palavra
ORIENTAÇÃO  
RECEBIDA
VISUAL 17 23 20,0
REPETIÇÃO 12 18 15.0
MÉDIA 14,5 20,5
-­‐ Com  um  teste  ANOVA  é  possível  julgar  se  as  diferenças  são  esta?s?camente  
significantes  ou  acontecem  devido  ao  acaso.
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
-­‐ ATRATIVIDADE  EM  BARES  X  TEMPO
3.  EFEITO  PRINCIPAL  
EXEMPLO  DE  PESQUISA  16
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
-­‐ Os  efeitos  principais  são  resultados  importantes  no  desenho  fatorial,  mas  a  
grande  vantagem  deles  diante  dos  designs  de  fator  único  está  no  potencial  em  
demostrar  efeitos  de  interação.  
-­‐ A  interação  ocorre  quando  o  efeito  de  uma  variável  independente  depende  do  
nível  de  outra  variável  independente.  
-­‐ Mesmo  que  os  efeitos  principais  não  aconteçam,  é  possível  ocorrer  interação.
4.  INTERAÇÃO
TIPO  DE  CURSO
ÊNFASE  EM  
LABORATÓRIO
ÊNFASE  EM  
SEMINÁRIOS
ÁREA  
DOS  
ALUNOS
CIÊNCIAS  
NATURAIS
80 70 75
CIÊNCIAS  
HUMANAS
70 80 75
ESCORE  DE  
APRENDIZAGEM
75 75
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
-­‐ O  RECALL  DE  APRENDIZAGEM  É  MELHOR  SE  AS  PESSOAS  ESTÃO  NO  
MESMO  TIPO  DE  AMBIENTE  OU  CONTEXTO  QUE  APRENDERAM  AS  
INFORMAÇÕES  PELA  PRIMEIRA  VEZ.
4.  INTERAÇÃO  
EXEMPLO  DE  PESQUISA  17
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
4.  QUANDO  A  INTERAÇÃO  TORNA  O  
EFEITO  PRINCIPAL  IRRELEVANTE
OS  EFEITOS  DA  CAFEÍNA    
-­‐ Os  efeitos  principais  do  estudo  foram  
significavamente  relevantes:  apesar  de  
tudo,  o  recall  foi  melhor  com  a  cafeína  do  
que  com  café  descafeinado,  tanto  nas  
sessões  matu]nas  quando  vesper]nas.  
-­‐ Mas  olhando  todas  as  células  com  
cuidado,  percebe  que  em  três  delas  o  
resultado  foi  muito  próximo  e  só  
declinou  em  uma  célula  -­‐  descafeinado  à  
tarde.  
-­‐ No  gráfico  de  barras,  é  possível  ver  que  
todos  os  resultados  estão  próximos,  e  só  
a  barra  do  decaf  à  tarde  cai.  
-­‐ A  única  vantagem  da  cafeína  foi  à  tarde,  
já  que  de  manhã  os  resultados  foram  
próximos.  
-­‐ A  interação  é  o  único  resultado  
importante.
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
-­‐ Um  desenho  fatorial  2  X  2  oferece  oito  possibilidades  de  resultado:  
1. Efeito  principal  só  para  o  primeiro  fator.  
2. Efeito  principal  só  para  o  segundo  fator.  
3. Efeito  principal  para  ambos  os  fatores,  sem  interação.  
4. Efeito  principal  para  o  primeiro  fator,  mais  uma  interação.  
5. Efeito  principal  para  o  segundo  fator,  mais  uma  interação.  
6. Efeito  principal  para  ambos  os  fatores  mais  uma  interação.  
7. Só  uma  interação,  sem  efeitos  principais.  
8. Nenhum  efeito  principal,  nenhuma  interação.
5.  COMBINAÇÃO  ENTRE  INTERAÇÕES  E  
EFEITOS  PRINCIPAIS
MEMÓRIA
ORIENTAÇÃO
TEMPO
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
1.  Efeito  principal  só  para  o  primeiro  fator.
5.  COMBINAÇÃO  ENTRE  INTERAÇÕES  E  
EFEITOS  PRINCIPAIS
MEMÓRIA
ORIENTAÇÃO
TEMPO
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
2.  Efeito  principal  só  para  o  segundo  fator.
5.  COMBINAÇÃO  ENTRE  INTERAÇÕES  E  
EFEITOS  PRINCIPAIS
MEMÓRIA
TEMPO
ORIENTAÇÃO
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
3.  Efeito  principal  para  ambos  os  fatores,  sem  interação.
5.  COMBINAÇÃO  ENTRE  INTERAÇÕES  E  
EFEITOS  PRINCIPAIS
MEMÓRIA
TEMPO
ORIENTAÇÃO
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
4.  Efeito  principal  para  o  primeiro  fator,  mais  uma  interação.
5.  COMBINAÇÃO  ENTRE  INTERAÇÕES  E  
EFEITOS  PRINCIPAIS
MEMÓRIA
TEMPO
ORIENTAÇÃO
Observação:  Essa  é  
apenas  uma  
representação  visual  do  
tempo  agindo  sobre  a  
orientação!  Esse  ]po  de  
modelo  não  existe,  e  o  
correto  seria  incluir  mais  
um  construto,  com  
orientação  +  tempo.
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
6.  VARIEDADES  /  TIPOS  DE  DESENHO  
FATORIAL
sujeitos  diferentes
os  mesmos  sujeitos,  
antes  e  depois
os  grupos  são  
manipulados  ou  
as  variações  são  
dos  sujeitos?
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
7.  DESENHO  FATORIAL  MISTO
sujeitos  diferentes
os  mesmos  sujeitos,  
antes  e  depois
os  grupos  são  
manipulados  ou  
as  variações  são  
dos  sujeitos?
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
Mistura  os  desenhos  BETWEEN  e  WITHIN  SUBJECTS.    
Pelo  menos  uma  das  variáveis  deve  ser  testada  BETWEEN  SUBJECTS,  e  pelo  
menos  uma  deve  ser  testada  WITHIN  SUBJECTS.  
Úl  para  lidar  com  grupos  equivalentes  e  sequência  de  eventos.
7.  DESENHO  FATORIAL  MISTO
EXEMPLO  18  -­‐  COM  CONTRABALANCEAMENTO EXEMPLO  19  -­‐  SEM  CONTRA-­‐BALANCEAMENTO
PI  =  proacdve  interferenceAuto-­‐eficácia  se  refere  ao  senso  de  competência  da  
pessoa  em  lidar  com  problemas.  
Deveriam  imaginar  que  estavam  amarrados  em  uma  
cadeira.  
Teste  com  vídeos  de  aranhas:  se  mexiam  aleatoriamente  
ou  em  direção  a  eles.
Um  fenômeno  no  qual  a  aprendizagem  
e  o  recall  de  novas  informações  está  
ligado  ao  aprendizado  de  informações  
andgas.
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
-­‐ ?
8.  FATORIAL  PXE
sujeitos  diferentes
os  mesmos  sujeitos,  
antes  e  depois
os  grupos  são  
manipulados  ou  
as  variações  são  
dos  sujeitos?
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
8.  FATORIAL  PXE
-­‐ Desenho  fatorial  P  X  E  =  Person  per  Environment  
-­‐ Como  esses  estudos  geram  uma  interação  entre  o  TIPO  DE  PESSOA  e  o  
AMBIENTE  criado  pelo  estudo,  são  chamados  de  P  X  E.  
-­‐ Por  ambiente  se  define  amplamente  qualquer  variável  independente  
manipulada.  
-­‐ Em  desenhos  P  X  E,  existe  uma  subdis]nção  se  o  ambiente  é  manipulado  
between  subjects  ou  within  subjects  (pessoas  diferentes  respondem,  ou  antes  e  
depois).  
-­‐ Se  misturar  os  dois  se  torna  uma  fatorial  P  X  E  mista.
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
-­‐ MATEMÁTICA  X  QUESTÕES  DE  GÊNERO
8.DESENHO  FATORIAL  COM  INTERAÇÃO  
PXE  -­‐  EXEMPLO  DE  PESQUISA  20
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
-­‐ DIREÇÃO  X  USO  DE  CELULAR
8.DESENHO  FAT0RIAL  COM    
DUAS  INTERAÇÕES  PRINCIPAIS  
EXEMPLO  DE  PESQUISA  21
dirigindo  com  o  celularsó  dirigindo
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
9.  NÚMERO  DE  PARTICIPANTES  
NECESSÁRIOS
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
10.  ANOVA  DE  2  FATORES  COM  GRUPOS  
INDEPENDENTES
Em  uma  ANOVA  de  2-­‐fatores,  existem  
duas  fontes  de  variância:  
-­‐ A  variância  entre  grupos  diferentes.  
-­‐ A  variância  entre  cada  grupo.
Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
OBRIGADA!
Nayara  Duarte  
nayarapduarte@gmail.com  
about.me/nayduarte

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula2: Planejamento Experimental
Aula2: Planejamento ExperimentalAula2: Planejamento Experimental
Aula2: Planejamento Experimental
ansansil
 
Alfred Adler
Alfred AdlerAlfred Adler
Alfred Adler
Deisiane Cazaroto
 
Metodo projetivo p 12
Metodo projetivo p 12Metodo projetivo p 12
Metodo projetivo p 12
JOPADURDEN
 
Estilos de aprendizagem prof.ª elisa
Estilos de aprendizagem prof.ª elisaEstilos de aprendizagem prof.ª elisa
Estilos de aprendizagem prof.ª elisa
Elisa Maria Gomide
 
Pesquisa Experimental
Pesquisa ExperimentalPesquisa Experimental
Pesquisa Experimental
Hilma Khoury
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
Liliana Carvalho
 
Fundamentos da psicologia experimental
Fundamentos da psicologia experimentalFundamentos da psicologia experimental
Fundamentos da psicologia experimental
Tiago Malta
 
Correlação Estatística
Correlação EstatísticaCorrelação Estatística
Correlação Estatística
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Distribuição de frequencia
Distribuição de frequenciaDistribuição de frequencia
Distribuição de frequencia
Asafe Salomao
 
Aula3 demanda e_oferta
Aula3 demanda e_ofertaAula3 demanda e_oferta
Aula3 demanda e_oferta
Emerson Alves
 
Pesquisa Experimental em Marketing
Pesquisa Experimental em MarketingPesquisa Experimental em Marketing
Pesquisa Experimental em Marketing
Graziela Rodrigues
 
Behaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do ComportamentoBehaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Andre Thieme
 
A pesquisa do tipo Survey
A pesquisa do tipo SurveyA pesquisa do tipo Survey
A pesquisa do tipo Survey
Jefferson Baptista Macedo
 
Pesquisa De Campo
Pesquisa De CampoPesquisa De Campo
Pesquisa De Campo
Prof. Francesco Torres
 
O reflexo inato
O reflexo inato O reflexo inato
O reflexo inato
Wildson Nunes
 
Aula 01 introdução a estatística
Aula 01   introdução a estatísticaAula 01   introdução a estatística
Teste t student
Teste t studentTeste t student
Teste t student
Célia M. D. Sales
 
Mente Humana 1 - A Percepção (Actualizado)
Mente Humana 1 - A Percepção (Actualizado)Mente Humana 1 - A Percepção (Actualizado)
Mente Humana 1 - A Percepção (Actualizado)
Jorge Barbosa
 
Aula 20 medidas de assimetria
Aula 20   medidas de assimetriaAula 20   medidas de assimetria
Bioestatística
 Bioestatística Bioestatística
Bioestatística
felipethoaldo
 

Mais procurados (20)

Aula2: Planejamento Experimental
Aula2: Planejamento ExperimentalAula2: Planejamento Experimental
Aula2: Planejamento Experimental
 
Alfred Adler
Alfred AdlerAlfred Adler
Alfred Adler
 
Metodo projetivo p 12
Metodo projetivo p 12Metodo projetivo p 12
Metodo projetivo p 12
 
Estilos de aprendizagem prof.ª elisa
Estilos de aprendizagem prof.ª elisaEstilos de aprendizagem prof.ª elisa
Estilos de aprendizagem prof.ª elisa
 
Pesquisa Experimental
Pesquisa ExperimentalPesquisa Experimental
Pesquisa Experimental
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
 
Fundamentos da psicologia experimental
Fundamentos da psicologia experimentalFundamentos da psicologia experimental
Fundamentos da psicologia experimental
 
Correlação Estatística
Correlação EstatísticaCorrelação Estatística
Correlação Estatística
 
Distribuição de frequencia
Distribuição de frequenciaDistribuição de frequencia
Distribuição de frequencia
 
Aula3 demanda e_oferta
Aula3 demanda e_ofertaAula3 demanda e_oferta
Aula3 demanda e_oferta
 
Pesquisa Experimental em Marketing
Pesquisa Experimental em MarketingPesquisa Experimental em Marketing
Pesquisa Experimental em Marketing
 
Behaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do ComportamentoBehaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
 
A pesquisa do tipo Survey
A pesquisa do tipo SurveyA pesquisa do tipo Survey
A pesquisa do tipo Survey
 
Pesquisa De Campo
Pesquisa De CampoPesquisa De Campo
Pesquisa De Campo
 
O reflexo inato
O reflexo inato O reflexo inato
O reflexo inato
 
Aula 01 introdução a estatística
Aula 01   introdução a estatísticaAula 01   introdução a estatística
Aula 01 introdução a estatística
 
Teste t student
Teste t studentTeste t student
Teste t student
 
Mente Humana 1 - A Percepção (Actualizado)
Mente Humana 1 - A Percepção (Actualizado)Mente Humana 1 - A Percepção (Actualizado)
Mente Humana 1 - A Percepção (Actualizado)
 
Aula 20 medidas de assimetria
Aula 20   medidas de assimetriaAula 20   medidas de assimetria
Aula 20 medidas de assimetria
 
Bioestatística
 Bioestatística Bioestatística
Bioestatística
 

Destaque

Delineamentos experimentais-basicos
Delineamentos experimentais-basicosDelineamentos experimentais-basicos
Delineamentos experimentais-basicos
nayara moraes
 
Princípios da estatística experimental
Princípios da estatística experimental   Princípios da estatística experimental
Princípios da estatística experimental
UERGS
 
Delineamentos estatísticos
Delineamentos estatísticosDelineamentos estatísticos
Delineamentos estatísticos
UERGS
 
Pesquisa experimental
Pesquisa experimentalPesquisa experimental
Pesquisa experimental
Lucovolan
 
Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista
Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista
Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista
Bolivar Motta
 
Como o Facebook inova?
Como o Facebook inova?Como o Facebook inova?
Como o Facebook inova?
Nayara Duarte
 
Introdução experimentação
Introdução experimentaçãoIntrodução experimentação
Introdução experimentação
Estagiário Herd Book Collares Promebo
 
Posicionamento: O indivíduo urbanizado
Posicionamento: O indivíduo urbanizadoPosicionamento: O indivíduo urbanizado
Posicionamento: O indivíduo urbanizado
Nayara Duarte
 
Entendendo o Efeito dos Esforços de Gerenciamento do Relacionamento com o Con...
Entendendo o Efeito dos Esforços de Gerenciamento do Relacionamento com o Con...Entendendo o Efeito dos Esforços de Gerenciamento do Relacionamento com o Con...
Entendendo o Efeito dos Esforços de Gerenciamento do Relacionamento com o Con...
Nayara Duarte
 
Artigos Seminais de Marketing - O Conceito de Marketing de acordo Felton (195...
Artigos Seminais de Marketing - O Conceito de Marketing de acordo Felton (195...Artigos Seminais de Marketing - O Conceito de Marketing de acordo Felton (195...
Artigos Seminais de Marketing - O Conceito de Marketing de acordo Felton (195...
Nayara Duarte
 
Capítulo 1 introdução à estatística
Capítulo 1   introdução à estatísticaCapítulo 1   introdução à estatística
Capítulo 1 introdução à estatística
Pedro Falcão
 
Pinterest: o que é, como funciona e uso corporativo.
Pinterest: o que é, como funciona e uso corporativo.Pinterest: o que é, como funciona e uso corporativo.
Pinterest: o que é, como funciona e uso corporativo.
Nayara Duarte
 
interaction South America 2011 — Workshop
interaction South America 2011  — Workshopinteraction South America 2011  — Workshop
interaction South America 2011 — Workshop
Paulo Floriano
 
Apresentação de TCC sobre Relações Públicas nas Mídias Sociais
Apresentação de TCC sobre Relações Públicas nas Mídias SociaisApresentação de TCC sobre Relações Públicas nas Mídias Sociais
Apresentação de TCC sobre Relações Públicas nas Mídias Sociais
Nayara Duarte
 
Tipos de variações
Tipos de variaçõesTipos de variações
Tipos de variações
UERGS
 
Revisão sistemática de estudos de acurácia
Revisão sistemática de estudos de acuráciaRevisão sistemática de estudos de acurácia
Revisão sistemática de estudos de acurácia
Iared
 
Delineamento em blocos casualizados (dbc)
Delineamento em blocos casualizados (dbc)Delineamento em blocos casualizados (dbc)
Delineamento em blocos casualizados (dbc)
Mario Lira Junior
 
Mercado de Luxo
Mercado de LuxoMercado de Luxo
Mercado de Luxo
Nayara Duarte
 
Circuito em séria, paralelo e misto
Circuito em séria, paralelo e mistoCircuito em séria, paralelo e misto
Circuito em séria, paralelo e misto
John Marcos Souza
 
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem QuantitativaModelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 

Destaque (20)

Delineamentos experimentais-basicos
Delineamentos experimentais-basicosDelineamentos experimentais-basicos
Delineamentos experimentais-basicos
 
Princípios da estatística experimental
Princípios da estatística experimental   Princípios da estatística experimental
Princípios da estatística experimental
 
Delineamentos estatísticos
Delineamentos estatísticosDelineamentos estatísticos
Delineamentos estatísticos
 
Pesquisa experimental
Pesquisa experimentalPesquisa experimental
Pesquisa experimental
 
Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista
Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista
Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista
 
Como o Facebook inova?
Como o Facebook inova?Como o Facebook inova?
Como o Facebook inova?
 
Introdução experimentação
Introdução experimentaçãoIntrodução experimentação
Introdução experimentação
 
Posicionamento: O indivíduo urbanizado
Posicionamento: O indivíduo urbanizadoPosicionamento: O indivíduo urbanizado
Posicionamento: O indivíduo urbanizado
 
Entendendo o Efeito dos Esforços de Gerenciamento do Relacionamento com o Con...
Entendendo o Efeito dos Esforços de Gerenciamento do Relacionamento com o Con...Entendendo o Efeito dos Esforços de Gerenciamento do Relacionamento com o Con...
Entendendo o Efeito dos Esforços de Gerenciamento do Relacionamento com o Con...
 
Artigos Seminais de Marketing - O Conceito de Marketing de acordo Felton (195...
Artigos Seminais de Marketing - O Conceito de Marketing de acordo Felton (195...Artigos Seminais de Marketing - O Conceito de Marketing de acordo Felton (195...
Artigos Seminais de Marketing - O Conceito de Marketing de acordo Felton (195...
 
Capítulo 1 introdução à estatística
Capítulo 1   introdução à estatísticaCapítulo 1   introdução à estatística
Capítulo 1 introdução à estatística
 
Pinterest: o que é, como funciona e uso corporativo.
Pinterest: o que é, como funciona e uso corporativo.Pinterest: o que é, como funciona e uso corporativo.
Pinterest: o que é, como funciona e uso corporativo.
 
interaction South America 2011 — Workshop
interaction South America 2011  — Workshopinteraction South America 2011  — Workshop
interaction South America 2011 — Workshop
 
Apresentação de TCC sobre Relações Públicas nas Mídias Sociais
Apresentação de TCC sobre Relações Públicas nas Mídias SociaisApresentação de TCC sobre Relações Públicas nas Mídias Sociais
Apresentação de TCC sobre Relações Públicas nas Mídias Sociais
 
Tipos de variações
Tipos de variaçõesTipos de variações
Tipos de variações
 
Revisão sistemática de estudos de acurácia
Revisão sistemática de estudos de acuráciaRevisão sistemática de estudos de acurácia
Revisão sistemática de estudos de acurácia
 
Delineamento em blocos casualizados (dbc)
Delineamento em blocos casualizados (dbc)Delineamento em blocos casualizados (dbc)
Delineamento em blocos casualizados (dbc)
 
Mercado de Luxo
Mercado de LuxoMercado de Luxo
Mercado de Luxo
 
Circuito em séria, paralelo e misto
Circuito em séria, paralelo e mistoCircuito em séria, paralelo e misto
Circuito em séria, paralelo e misto
 
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem QuantitativaModelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
 

Semelhante a Desenho de Experimentos: Desenho Fatorial

Meta análise– veda2
Meta análise– veda2Meta análise– veda2
Meta análise– veda2
souzadea1
 
6_Resumo_Metodos_de_Pesquisas_de_Survey._1_.pdf
6_Resumo_Metodos_de_Pesquisas_de_Survey._1_.pdf6_Resumo_Metodos_de_Pesquisas_de_Survey._1_.pdf
6_Resumo_Metodos_de_Pesquisas_de_Survey._1_.pdf
JosdeOliveiraJunior5
 
A Receita da Replicação / Tamanho de efeito / Técnicas experimentais na pesqu...
A Receita da Replicação / Tamanho de efeito / Técnicas experimentais na pesqu...A Receita da Replicação / Tamanho de efeito / Técnicas experimentais na pesqu...
A Receita da Replicação / Tamanho de efeito / Técnicas experimentais na pesqu...
Caio Maximino
 
Pesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesign
Pesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesignPesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesign
Pesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesign
Cezar de Costa
 
Minicurso Levantamento e Interpretação dados socioeconômicos do Ipeadata
Minicurso Levantamento e Interpretação dados socioeconômicos do IpeadataMinicurso Levantamento e Interpretação dados socioeconômicos do Ipeadata
Minicurso Levantamento e Interpretação dados socioeconômicos do Ipeadata
Rebeca Marota
 
Mini curso aula 04
Mini curso aula 04Mini curso aula 04
Mini curso aula 04
Victor Maia Senna Delgado
 
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociaisMétodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
turma12c1617
 
Aula 05 pesquisa_quantitativa_23_03
Aula 05 pesquisa_quantitativa_23_03Aula 05 pesquisa_quantitativa_23_03
Aula 05 pesquisa_quantitativa_23_03
Imes Fafica Catanduva
 
Desenhos de Investigação
Desenhos de InvestigaçãoDesenhos de Investigação
Desenhos de Investigação
soniatsilva
 
Apresentação Questionários - Como analisar respostas
Apresentação Questionários - Como analisar respostasApresentação Questionários - Como analisar respostas
Apresentação Questionários - Como analisar respostas
Bianca Galvão
 
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativosIntrodução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
Leticia Strehl
 
Como Resolver Problemas
Como Resolver ProblemasComo Resolver Problemas
Relatorio de pesquisa
Relatorio de pesquisaRelatorio de pesquisa
Relatorio de pesquisa
cristianyours
 
Tema 1 metodologia hermeneutica e transdisciplinar na pesquisa
Tema 1 metodologia hermeneutica e transdisciplinar na pesquisaTema 1 metodologia hermeneutica e transdisciplinar na pesquisa
Tema 1 metodologia hermeneutica e transdisciplinar na pesquisa
Jacob Massuanganhe
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
Joao Balbi
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
Joao Balbi
 
Apostila estatistica2
Apostila estatistica2Apostila estatistica2
Apostila estatistica2
simuladocontabil
 
MANUAL_ESCALAS Likert_FINAL.pdf
MANUAL_ESCALAS Likert_FINAL.pdfMANUAL_ESCALAS Likert_FINAL.pdf
MANUAL_ESCALAS Likert_FINAL.pdf
Fábia Martins
 
009 metodo gabarito
009 metodo gabarito009 metodo gabarito
009 metodo gabarito
Thayane Pizzonia
 
Modelo de relatório_25
Modelo de relatório_25Modelo de relatório_25
Modelo de relatório_25
inesfilipapinto
 

Semelhante a Desenho de Experimentos: Desenho Fatorial (20)

Meta análise– veda2
Meta análise– veda2Meta análise– veda2
Meta análise– veda2
 
6_Resumo_Metodos_de_Pesquisas_de_Survey._1_.pdf
6_Resumo_Metodos_de_Pesquisas_de_Survey._1_.pdf6_Resumo_Metodos_de_Pesquisas_de_Survey._1_.pdf
6_Resumo_Metodos_de_Pesquisas_de_Survey._1_.pdf
 
A Receita da Replicação / Tamanho de efeito / Técnicas experimentais na pesqu...
A Receita da Replicação / Tamanho de efeito / Técnicas experimentais na pesqu...A Receita da Replicação / Tamanho de efeito / Técnicas experimentais na pesqu...
A Receita da Replicação / Tamanho de efeito / Técnicas experimentais na pesqu...
 
Pesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesign
Pesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesignPesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesign
Pesquisa-Ação | Disc. Métodos de Pesquisa - PPGDesign
 
Minicurso Levantamento e Interpretação dados socioeconômicos do Ipeadata
Minicurso Levantamento e Interpretação dados socioeconômicos do IpeadataMinicurso Levantamento e Interpretação dados socioeconômicos do Ipeadata
Minicurso Levantamento e Interpretação dados socioeconômicos do Ipeadata
 
Mini curso aula 04
Mini curso aula 04Mini curso aula 04
Mini curso aula 04
 
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociaisMétodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
 
Aula 05 pesquisa_quantitativa_23_03
Aula 05 pesquisa_quantitativa_23_03Aula 05 pesquisa_quantitativa_23_03
Aula 05 pesquisa_quantitativa_23_03
 
Desenhos de Investigação
Desenhos de InvestigaçãoDesenhos de Investigação
Desenhos de Investigação
 
Apresentação Questionários - Como analisar respostas
Apresentação Questionários - Como analisar respostasApresentação Questionários - Como analisar respostas
Apresentação Questionários - Como analisar respostas
 
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativosIntrodução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
 
Como Resolver Problemas
Como Resolver ProblemasComo Resolver Problemas
Como Resolver Problemas
 
Relatorio de pesquisa
Relatorio de pesquisaRelatorio de pesquisa
Relatorio de pesquisa
 
Tema 1 metodologia hermeneutica e transdisciplinar na pesquisa
Tema 1 metodologia hermeneutica e transdisciplinar na pesquisaTema 1 metodologia hermeneutica e transdisciplinar na pesquisa
Tema 1 metodologia hermeneutica e transdisciplinar na pesquisa
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
 
Apostila estatistica2
Apostila estatistica2Apostila estatistica2
Apostila estatistica2
 
MANUAL_ESCALAS Likert_FINAL.pdf
MANUAL_ESCALAS Likert_FINAL.pdfMANUAL_ESCALAS Likert_FINAL.pdf
MANUAL_ESCALAS Likert_FINAL.pdf
 
009 metodo gabarito
009 metodo gabarito009 metodo gabarito
009 metodo gabarito
 
Modelo de relatório_25
Modelo de relatório_25Modelo de relatório_25
Modelo de relatório_25
 

Desenho de Experimentos: Desenho Fatorial

  • 1. Capítulo  8   Experimental  Design     II:  Factorial  Designs     Goodwin,  C.J.     Research  in  Psychology:     Methods  and  Design   Wiley,  2008.  
  • 2. APRESENTAÇÃO  REALIZADA  PARA  O  SEMINÁRIO  SOBRE   DESENHO  DE  EXPERIMENTOS  NA  DISCIPLINA  "PESQUISA   DE  MARKETING"  /  PROF.  KORELO  /  JUNHO  DE  2015     NAYARA  P.  DUARTE   Mestranda  pelo  Programa  de  Pós  Graduação  em  Administração  da  UFPR,  na   Linha  de  Pesquisa  Estratégia  de  Marke]ng  e  Comportamento  do  Consumidor   (2015/2017).   Bacharel  em  Relações  Públicas  pela  UEL  (2006/2010).   Especialista  em  Marke]ng  Digital  pela  FAE  (2011/2012).
  • 3. -­‐ Em  um  experimento,  o  pesquisador  manipula  os  níveis  de  variáveis   independentes  e  observa  o  resultado  produzido  sobre  as  variáveis  dependentes,   enquanto  controla  o  efeito  de  outras  variáveis  que  possam  oferecer  explicações   alterna]vas.     -­‐ O  experimento  é,  assim,  o  único  método  que  garante  as  condições  necessárias  e   suficientes  para  se  inferir  uma  relação  de  causalidade.   -­‐ A  manipulação  das  variáveis  independentes  é  o  elemento  central  do   experimento,  que  o  dis]nguirá  dos  demais  ]pos  de  desenho  de  pesquisa.  Isso   garante  a  sequência  temporal,  pois  é  o  pesquisador  que  controla  o  es]mulo   correspondente.       -­‐ O  obje]vo  é  demostrar  que  determinados  níveis  da  variável  independente   provocam  respostas  diferentes  na  variável  dependente.  Geralmente,  a  variável   independente  é  manipulada  em  dois  níveis,  embora  possam  ser  usados  tantos   níveis  quanto  forem  necessários,  de  acordo  com  a  necessidade,  para  produzir   diferentes  efeitos  sobre  a  variável  dependente. SOBRE  EXPERIMENTOS   (SEMINÁRIO  ANTERIOR) FONTE:  HERNANDEZ,  J.  M.  C.;  BASSO,  K.;  BRANDÃO,  M.  M.  Pesquisa  Experimental  em   Marke]ng.  ReMark  –  Revista  Brasileira  de  Marke]ng,  Edição  Especial,  Vol.  13,  n.  2,  2014.
  • 4. 1. Descrever    DESENHO  FATORIAL  u]lizando  sistemas  de  notação  padronizada.   2. Aprender  como  alocar  os  dados  corretamente  em  uma  MATRIZ  FATORIAL,  calculado   médias  de  linhas  e  colunas.   3. Entender  o  que  significa  EFEITO  PRINCIPAL  e  como  determinar  se  ele  existe.   4.  Compreender  o  que  significa  EFEITO  DE  INTERAÇÃO  e  determinar  se  ele  existe.   5. Saber  como  interpretar  interações  e  se  a  presença  de  interação  diminui  ou  elimina  a   relevância  do  efeito  principal.   6. Iden]ficar  a  VARIEDADE  DE  FATORIAIS  correspondente  ao  desenho  de  fator  único   do  Cap.  7  (grupos  independentes,  combinados,  não  equivalentes  ou  com  mensurações   repe]das).   7.  Desenho  FATORIAL  MISTO.   8. Iden]ficar  uma  FATORIAL  P  X  E  (person  by  environment  =  pessoa  por  ambiente)  e   entender  o  que  significa  quando  esse  desenho  produz  efeitos  principais  e  interação.   9. Calcular  o  NÚMERO  DE  PARTICIPANTES  NECESSÁRIOS  para  cada  ]po  de  desenho   fatorial   10. Construir  uma  tabela  ANOVA  para  uma  ANOVA  DE  2  FATORES  COM  DESENHO  DE   GRUPOS  INDEPENDENTES. OBJETIVOS  DO  CAPÍTULO Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 5. 1.  O  QUE  É  UM  DESENHO  FATORIAL -­‐ Sir  Ronald  Fisher  (1890  -­‐  1962)   -­‐ Criador  da  ANOVA.   -­‐ Taxas  F  para  decidirem  sobre  a  hipótese  nula  do  estudo  experimental.   -­‐ Período  de  15  anos  inves]gando  os  efeitos  dos  pos  de  solo,  chuva,  ferlizantes,   sequências  de  plantação  e  cepas  gené]cas.   -­‐ Enfa]zou  a  importância  do  uso  de  desenho  fatorial. Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 6. -­‐ Examina  os  efeitos  de  mais  de  uma  variável  independente.   -­‐ Relacionado  a  um  sistema  de  numeração  que  iden]fica  um  número  de  variáveis   independentes,  e  diferentes  níveis  para  elas,  e  um  número  total  de  condições   de  estudo.   -­‐ Exemplo  1:  uma  fatorial  2  por  3  (2  X  3)  tem  duas  variáveis  independentes,  uma   com  dois  níveis  e  outra  com  três,  apresentando  seis  condições  diferentes.   -­‐ Em  princípio,  desenhos  fatoriais  poderiam  envolver  dezenas  de  variáveis   independentes,  mas,  na  prá]ca,  geralmente  tem  dois  ou  três  fatores,  às  vezes   quatro. 1.  O  QUE  É  UM  DESENHO  FATORIAL VARIÁVEL   DEPENDENTE VARIÁVEL   INDEPENDENTE     DE  2  NÍVEIS VARIÁVEL   INDEPENDENTE   DE  3  NÍVEIS Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 7. -­‐ Exemplo  2:  Em  uma  fatorial  3  X  4  X  5,  temos  três  variáveis  independentes,  com   três,  quatro  e  cinco  níveis.   -­‐ O  número  total  de  condições  testadas  em  um  estudo  fatorial  pode  ser   iden]ficado  olhando  para  todas  as  combinações  possíveis  dos  diferentes  níveis   de  cada  variável  independente,  que  irá  ser  demostrando  em  uma  MATRIZ   FATORIAL.   -­‐ Não  confundir:  aqui,  "as  condições  do  experimento"  são  BEM  diferentes  dos  NÍVEIS   das  variáveis  independentes  (comparado  aos  experimentos  de  fator  único).   -­‐ As  condições  se  igualam  ao  número  de  células  da  matriz  (duas  variáveis   independentes  com  dois  níveis  cada  =  quatro  condições  diferentes).   -­‐ No  capítulo,  o  termo  "variável  independente"  e  fator  significam  a  mesma  coisa. 1.  O  QUE  É  UM  DESENHO  FATORIAL VARIÁVEL   DEPENDENTE Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 8. VARIÁVEL   INDEPENDENTE VARIÁVEL  DEPENDENTE CATEGÓRICA CONTINUA CATEGÓRICA CHI-­‐QUADRADO   LOG  LINEAR   LOGISTICA TESTE  T   ANOVA   REGRESSÃO  LINEAR CONTINUA REGRESSÃO  LÓGICA REGRESSÃO  LINEAR   CORRELAÇÃO  DE  PEARSON MISTA REGRESSÃO  LÓGICA REGRESSÃO  LINEAR   ANOVA Fonte: Categorical Data Analysis - Janet C. Rice
  • 9. -­‐ Suponha  que  você  está  interessado  em  estudar  a  memória  e  deseja  descobrir  se  o  recall  (recordação)  pode   ser  melhorado  treinando  as  pessoas  no  uso  de  técnicas  "visuais"  enquanto  memorizam  uma  lista  de   palavras.     -­‐ Você  pode  criar  dois  grupos  simples  para  o  experimento,  no  qual:   •  um  grupo  é  orientado  para  u]lizar  técnicas  visuais  enquanto  memoriza  as  palavras  ("visualize  uma   imagem  para  cada  palavra"),     • o  outro  é  orientado  a  u]lizar  a  repe]ção  das  palavras  ("apenas  repita  as  palavras  de  novo  e  de   novo  para  você  mesmo”).   -­‐ Mas  também  queremos  saber  como  a  memória  é  afetada  pela  velocidade  de  visualização  das  palavras,   então  o  grupo  é  novamente  dividido:     • alguns  par]cipantes  verão  as  listas  com  dois  segundos  para  cada  palavra,     • outros  terão  quatro  segundos.     -­‐ Em  um  design  fatorial,  é  possível  testar  e  cruzar  ambas  as  condições. ESTUDO  HIPOTÉTICO  SOBRE  MEMÓRIA MEMÓRIA ORIENTAÇÃO TEMPO Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 10. 2.  MATRIZ  FATORIAL  DO  ESTUDO: ESTUDO  HIPOTÉTICO  SOBRE  MEMÓRIA VELOCIDADE  DA   APRESENTAÇÃO 2seg/palavra 4seg/palavra ORIENTAÇÃO   RECEBIDA VISUAL REPETIÇÃO Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 11. COMO  FICA  A  MATRIZ,     SE  GÊNERO  FOR  ACRESCENTADO  COMO  FATOR: ESTUDO  HIPOTÉTICO  SOBRE  MEMÓRIA MEMÓRIA ORIENTAÇÃO TEMPO GENÊRO Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 12. COMO  FICA  A  MATRIZ,     SE  GÊNERO  FOR  ACRESCENTADO  COMO  FATOR: ESTUDO  HIPOTÉTICO  SOBRE  MEMÓRIA VELOCIDADE  DA   APRESENTAÇÃO 2seg/palavra 4seg/palavra ORIENTAÇÃO   RECEBIDA VISUAL REPETIÇÃO VELOCIDADE  DA   APRESENTAÇÃO 2seg/palavra 4seg/palavra HOMENS MULHERES Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 13. -­‐ Descreve  o  efeito  geral  de  uma  única  variável  independente.     -­‐ Logo,  em  um  estudo  com  duas  variáveis  independentes,  pode  haver  no  máximo   dois  efeitos  principais.   -­‐ Determinar  o  efeito  principal  de  um  fator  envolve  combinar  todos  os  dados  de   cada  um  dos  níveis  daquele  fator.     -­‐ No  estudo  sobre  a  memória,  é  combinar  todos  os  que  foram  orientados  a   ulizar  imagens  (para  ambos  os  tempos  de  apresentação)  e  comparar  com   aqueles  que  usaram  repeção  (mesma  coisa  com  velocidade).   -­‐ "Existe  um  efeito  principal  do  ]po  de  orientação  recebida?" 3.  EFEITO  PRINCIPAL VELOCIDADE  DA   APRESENTAÇÃO 2seg/palavra 4seg/palavra ORIENTAÇÃO   RECEBIDA VISUAL     REPETIÇÃO VELOCIDADE  DA   APRESENTAÇÃO 2seg/palavra 4seg/palavra ORIENTAÇÃO   RECEBIDA VISUAL REPETIÇÃO Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 14. 30  palavras   25  entrevistados  em  cada  condição ESTUDO  HIPOTÉTICO  SOBRE  MEMÓRIA VELOCIDADE  DA   APRESENTAÇÃO MÉDIA 2seg/palavra 4seg/palavra ORIENTAÇÃO   RECEBIDA VISUAL 17 23 20,0 REPETIÇÃO 12 18 15.0 MÉDIA 14,5 20,5 -­‐ Com  um  teste  ANOVA  é  possível  julgar  se  as  diferenças  são  esta?s?camente   significantes  ou  acontecem  devido  ao  acaso. Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 15. -­‐ ATRATIVIDADE  EM  BARES  X  TEMPO 3.  EFEITO  PRINCIPAL   EXEMPLO  DE  PESQUISA  16 Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 16. -­‐ Os  efeitos  principais  são  resultados  importantes  no  desenho  fatorial,  mas  a   grande  vantagem  deles  diante  dos  designs  de  fator  único  está  no  potencial  em   demostrar  efeitos  de  interação.   -­‐ A  interação  ocorre  quando  o  efeito  de  uma  variável  independente  depende  do   nível  de  outra  variável  independente.   -­‐ Mesmo  que  os  efeitos  principais  não  aconteçam,  é  possível  ocorrer  interação. 4.  INTERAÇÃO TIPO  DE  CURSO ÊNFASE  EM   LABORATÓRIO ÊNFASE  EM   SEMINÁRIOS ÁREA   DOS   ALUNOS CIÊNCIAS   NATURAIS 80 70 75 CIÊNCIAS   HUMANAS 70 80 75 ESCORE  DE   APRENDIZAGEM 75 75 Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 17. -­‐ O  RECALL  DE  APRENDIZAGEM  É  MELHOR  SE  AS  PESSOAS  ESTÃO  NO   MESMO  TIPO  DE  AMBIENTE  OU  CONTEXTO  QUE  APRENDERAM  AS   INFORMAÇÕES  PELA  PRIMEIRA  VEZ. 4.  INTERAÇÃO   EXEMPLO  DE  PESQUISA  17 Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 18. 4.  QUANDO  A  INTERAÇÃO  TORNA  O   EFEITO  PRINCIPAL  IRRELEVANTE OS  EFEITOS  DA  CAFEÍNA     -­‐ Os  efeitos  principais  do  estudo  foram   significavamente  relevantes:  apesar  de   tudo,  o  recall  foi  melhor  com  a  cafeína  do   que  com  café  descafeinado,  tanto  nas   sessões  matu]nas  quando  vesper]nas.   -­‐ Mas  olhando  todas  as  células  com   cuidado,  percebe  que  em  três  delas  o   resultado  foi  muito  próximo  e  só   declinou  em  uma  célula  -­‐  descafeinado  à   tarde.   -­‐ No  gráfico  de  barras,  é  possível  ver  que   todos  os  resultados  estão  próximos,  e  só   a  barra  do  decaf  à  tarde  cai.   -­‐ A  única  vantagem  da  cafeína  foi  à  tarde,   já  que  de  manhã  os  resultados  foram   próximos.   -­‐ A  interação  é  o  único  resultado   importante. Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 19. -­‐ Um  desenho  fatorial  2  X  2  oferece  oito  possibilidades  de  resultado:   1. Efeito  principal  só  para  o  primeiro  fator.   2. Efeito  principal  só  para  o  segundo  fator.   3. Efeito  principal  para  ambos  os  fatores,  sem  interação.   4. Efeito  principal  para  o  primeiro  fator,  mais  uma  interação.   5. Efeito  principal  para  o  segundo  fator,  mais  uma  interação.   6. Efeito  principal  para  ambos  os  fatores  mais  uma  interação.   7. Só  uma  interação,  sem  efeitos  principais.   8. Nenhum  efeito  principal,  nenhuma  interação. 5.  COMBINAÇÃO  ENTRE  INTERAÇÕES  E   EFEITOS  PRINCIPAIS MEMÓRIA ORIENTAÇÃO TEMPO Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 20. 1.  Efeito  principal  só  para  o  primeiro  fator. 5.  COMBINAÇÃO  ENTRE  INTERAÇÕES  E   EFEITOS  PRINCIPAIS MEMÓRIA ORIENTAÇÃO TEMPO Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 21. 2.  Efeito  principal  só  para  o  segundo  fator. 5.  COMBINAÇÃO  ENTRE  INTERAÇÕES  E   EFEITOS  PRINCIPAIS MEMÓRIA TEMPO ORIENTAÇÃO Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 22. 3.  Efeito  principal  para  ambos  os  fatores,  sem  interação. 5.  COMBINAÇÃO  ENTRE  INTERAÇÕES  E   EFEITOS  PRINCIPAIS MEMÓRIA TEMPO ORIENTAÇÃO Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 23. 4.  Efeito  principal  para  o  primeiro  fator,  mais  uma  interação. 5.  COMBINAÇÃO  ENTRE  INTERAÇÕES  E   EFEITOS  PRINCIPAIS MEMÓRIA TEMPO ORIENTAÇÃO Observação:  Essa  é   apenas  uma   representação  visual  do   tempo  agindo  sobre  a   orientação!  Esse  ]po  de   modelo  não  existe,  e  o   correto  seria  incluir  mais   um  construto,  com   orientação  +  tempo. Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 24. 6.  VARIEDADES  /  TIPOS  DE  DESENHO   FATORIAL sujeitos  diferentes os  mesmos  sujeitos,   antes  e  depois os  grupos  são   manipulados  ou   as  variações  são   dos  sujeitos? Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 25. 7.  DESENHO  FATORIAL  MISTO sujeitos  diferentes os  mesmos  sujeitos,   antes  e  depois os  grupos  são   manipulados  ou   as  variações  são   dos  sujeitos? Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 26. Mistura  os  desenhos  BETWEEN  e  WITHIN  SUBJECTS.     Pelo  menos  uma  das  variáveis  deve  ser  testada  BETWEEN  SUBJECTS,  e  pelo   menos  uma  deve  ser  testada  WITHIN  SUBJECTS.   Úl  para  lidar  com  grupos  equivalentes  e  sequência  de  eventos. 7.  DESENHO  FATORIAL  MISTO EXEMPLO  18  -­‐  COM  CONTRABALANCEAMENTO EXEMPLO  19  -­‐  SEM  CONTRA-­‐BALANCEAMENTO PI  =  proacdve  interferenceAuto-­‐eficácia  se  refere  ao  senso  de  competência  da   pessoa  em  lidar  com  problemas.   Deveriam  imaginar  que  estavam  amarrados  em  uma   cadeira.   Teste  com  vídeos  de  aranhas:  se  mexiam  aleatoriamente   ou  em  direção  a  eles. Um  fenômeno  no  qual  a  aprendizagem   e  o  recall  de  novas  informações  está   ligado  ao  aprendizado  de  informações   andgas. Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 27. -­‐ ? 8.  FATORIAL  PXE sujeitos  diferentes os  mesmos  sujeitos,   antes  e  depois os  grupos  são   manipulados  ou   as  variações  são   dos  sujeitos? Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 28. 8.  FATORIAL  PXE -­‐ Desenho  fatorial  P  X  E  =  Person  per  Environment   -­‐ Como  esses  estudos  geram  uma  interação  entre  o  TIPO  DE  PESSOA  e  o   AMBIENTE  criado  pelo  estudo,  são  chamados  de  P  X  E.   -­‐ Por  ambiente  se  define  amplamente  qualquer  variável  independente   manipulada.   -­‐ Em  desenhos  P  X  E,  existe  uma  subdis]nção  se  o  ambiente  é  manipulado   between  subjects  ou  within  subjects  (pessoas  diferentes  respondem,  ou  antes  e   depois).   -­‐ Se  misturar  os  dois  se  torna  uma  fatorial  P  X  E  mista. Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 29. -­‐ MATEMÁTICA  X  QUESTÕES  DE  GÊNERO 8.DESENHO  FATORIAL  COM  INTERAÇÃO   PXE  -­‐  EXEMPLO  DE  PESQUISA  20 Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 30. -­‐ DIREÇÃO  X  USO  DE  CELULAR 8.DESENHO  FAT0RIAL  COM     DUAS  INTERAÇÕES  PRINCIPAIS   EXEMPLO  DE  PESQUISA  21 dirigindo  com  o  celularsó  dirigindo Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 31. 9.  NÚMERO  DE  PARTICIPANTES   NECESSÁRIOS Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008
  • 32. 10.  ANOVA  DE  2  FATORES  COM  GRUPOS   INDEPENDENTES Em  uma  ANOVA  de  2-­‐fatores,  existem   duas  fontes  de  variância:   -­‐ A  variância  entre  grupos  diferentes.   -­‐ A  variância  entre  cada  grupo. Goodwin,  C.J.  -­‐  Research  in  Psychology:  Methods  and  Design,  2008