SlideShare uma empresa Scribd logo
COMPORTAMENTO
40 pais&filhos
MARÇO 2016
pais&filhos
MARÇO 2016 41
SEU FILHO PODE FICAR TRISTE SEM QUE ISSO INDIQUE
UM PROBLEMA, MAS A DEPRESSÃO INFANTIL EXISTE E
PRECISAMOS FALAR SOBRE ELA. ENTENDA O QUE VOCÊ,
PAI OU MÃE, PODE FAZER PARA AJUDAR
POR RAFAELA CARRILHO, filha de Joana e Alfredo
ALÉM DA
TRISTEZA
(Os nomes dos personagens desta reportagem foram trocados para preservar suas identidades)
A
infância é associada à fase mais feliz de
nossas vidas,que deixa as melhores re-
cordações, e uma etapa em que não
temos grandes problemas ou preocu-
pações. Pensar que isso pode não ser
exatamente assim não é tão simples
de aceitar. A depressão em si ainda não deixou de ser
um tabu em nossa sociedade, ainda mais quando a do-
ença é associada às crianças. Porém, sejamos claros: este
transtorno pode ocorrer também entre os mais novos.
Mas calma, esse problema existe e tem solução.
Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS)
mostram que o transtorno depressivo é a principal cau-
sa de incapacidade de realização das tarefas do dia a dia
entre jovens de 10 a 19 anos. Segundo Caio Abujadi,
psiquiatra da infância e adolescência, filho de João Moy-
sés e Evanir, a incidência de pelo menos um episódio na
vida para crianças abaixo de 10 anos é de 5% e, até os
15 anos, pode chegar a 20%. De acordo com Gustavo
Teixeira, pai de Pedro Henrique e João Paulo, crianças
da educação infantil podem apresentar depressão, mas
a maior incidência é entre os 8 e 12 anos de idade.
FOTOSHANNONGREER
Você já deve ter ouvido alguém falar que outra pes-
soa está “deprimida”, querendo dizer que ela anda de-
sanimada. Porém, todos nós podemos ficar tristes sem
que isso seja uma doença. Quando se trata de depres-
são infantil, o problema é persistente e pode prejudicar
o desenvolvimento acadêmico e social das crianças. Se
seu filho foi mal em uma prova na escola ou brigou com
um colega, é normal que ele se sinta chateado. Só que
isso tende a se resolver em um curto espaço de tempo.
Não quer dizer que depressão não tem a ver
com tristeza, mas que este é apenas um dos sintomas.
Quando passageiro, é algo comum na vida de qual-
quer pessoa, adulto ou criança. “Normalmente, a tris-
teza tem um fato causador claro e a criança atraves-
sa isso em pouco tempo, quando recebe um colo ou
quando a situação se soluciona”, diz a psicóloga infantil
Daniella Faria, mãe de Maria Luisa e Maria Eduarda. Já
na depressão, o ponto desencadeador não é tão claro
e o comportamento pode persistir mesmo sem razão
aparente.“Quando ela fica assim por mais de duas se-
manas, é bom a gente começar a ficar de olho”.
Para os pequenos, é muito mais fácil identificar
uma dor externa pelo corpo do que algo que se passa
no campo emocional.“A criança não tem a capacidade
de nomear seus próprios sentimentos e emoções.Ain-
da depende muito dos adultos para atribuir significado
ao que está sentindo e localizar, por exemplo, uma tris-
teza, ou angústia” explica Ana Carolina Elston, filha de
Mônica e Rinaldo, psicóloga clínica e psicanalista.
A manifestação da depressão pode ocorrer de ou-
tras maneiras. Ana afirma que a depressão pode fazer
com que alguns sintomas físicos sejam sentidos:“Pela fal-
ta de possibilidade de expressar verbalmente o que se
passa no mundo interno, crianças tendem a somatizar a
experiência e relatar dores de barriga,ou dor de cabeça,
pressão na garganta, entre outros”, comenta Ana.
Origem do problema
Genética ou fatores externos? Não há uma resposta
simples para esta pergunta: pode ter a ver com as duas
coisas. Para o psiquiatra Gustavo Teixeira, as causas da
depressão na infância são de origem genética.“A con-
dição comportamental é mais frequente em membros
de mesma família e estudos comprovam isso.Os fatores
ambientais participam como desencadeadores da con-
dição, desde que existam fatores genéticos envolvidos”.
COMPORTAMENTO
42 pais&filhos
MARÇO 2016
pais&filhos
MARÇO 2016 43
Já Caio Abujadi declara que embora haja a pre-
disposição, a condição só se inicia quando fatores es-
tressantes ocorrem no ambiente de convívio. Alguns
exemplos são brigas, agressões morais, maus tratos,
deficiências nutricionais, problemas de sono, dificulda-
des escolares, bullying na escola e doenças em si ou
em pessoas próximas. Os especialistas também dizem
que perdas, lutos, separações e mudanças de escola ou
residência são capazes de mobilizar conflitos psíquicos
difíceis de serem dissolvidos.
O psicólogo americano Douglas Riley, autor do li-
vro The Depressed Child: A Parent’s Guide for Rescuing
Kids (Criança Deprimida: um Guia para Pais Resgatarem
os Filhos, em tradução livre), defende que a falta de
tempo e o excesso de preocupações também colabo-
ram.“Infelizmente nós vivemos em um ambiente eco-
nômico em que pais são frequentemente forçados a
trabalhar em vários empregos para pagar as despesas.
Com isso, as crianças recebem cada vez menos tempo
dos pais. Ainda, os níveis de estresse a que crianças e
adolescentes estão submetidos vem aumentado muito
ao longo das últimas décadas”.
Notando a diferença
Um dos primeiros sinais de que seu filho pode estar
com depressão é a mudança de comportamento,prin-
cipalmente quando ela é repentina e duradoura. Falta
de apetite ou apetite seletivo, alterações no padrão do
sono, irritabilidade, diminuição da atividade física, medo
demasiado, choro excessivo e dificuldade de aprendi-
zagem são alguns dos sinais de alerta.
Mas tem outro ponto que deve ser lembrado e
precisamos nos atentar. Embora seja mais comum as-
sociar a depressão à passividade, falta de iniciativa e
desânimo, estados agressivos e hiperativos também
devem ser investigados. Além disso, a criança deprimi-
da apresenta certa incapacidade de enfrentar desafios
e a autoconfiança fica prejudicada.
Foi a perda de uma pessoa próxima que desenca-
deou a depressão em Amanda,quando ela tinha apenas
quatro anos. Seu avô foi diagnosticado com um tipo
raro de leucemia e faleceu 11 dias depois de se sentir
doente. A mãe, Helena, conta que a filha passou a não
querer ir para a escola ou ficar longe dela.Tinha crises
de choro durante as horas que passava na escola e nada
nem ninguém conseguia fazê-la sentir tranquila.
EMBORA SEJA MAIS
COMUM ASSOCIAR
A DEPRESSÃO À
PASSIVIDADE, FALTA DE
INICIATIVA E DESÂNIMO,
ESTADOS AGRESSIVOS E
HIPERATIVOS TAMBÉM
DEVEM SER INVESTIGADOS
BOM E MAU
COMPORTAMENTO
Muitas vezes, a criança
quieta é entendida como bem
comportada e a espoleta é
entendida como mal-educada.
Entretanto, segundo a psicóloga
infantil Daniella Faria, crianças
silenciosas também precisam
de atenção. Filhos quietos e
agitados podem usar esses
extremos para chamar atenção
e pedir ajuda. A inquietação
representa a complicação
de estar em tranquilidade
e a reclusão mostra uma
dificuldade de estar aberto
ao mundo e em contato com as
pessoas. A agressividade
e a irritabilidade decorrentes
da depressão também podem
ser entendidas como birra ou
desobediência, fazendo com que
fique mais difícil diferenciar os
casos. É preciso prestar atenção
ao conjunto dos fatores.
FOTOSHUTTERSTOCK
44 pais&filhos
MARÇO 2016
COMPORTAMENTO
Preocupadas com a situação, as coordenadoras da
escola chamaram a mãe para uma conversa e aponta-
ram que o problema poderia ser depressão.
Depois de conversar com alguns profissionais, He-
lena resolveu optar pela terapia infantil e seguiu à ris-
ca as orientações da terapeuta. Amanda passou a fre-
quentar a escola da irmã mais velha e a família come-
çou a passar mais tempo com ela.“Foi um trabalho em
grupo que movimentou sete membros da família”. Seu
tempo livre foi preenchido com atividades criativas e
com o tratamento ela nunca mais passou por algo se-
melhante. Nesse caso, a família se
mobilizou para ajudar a garota, por
isso a união em casa é fundamental
nesse momento delicado.
Ansiedade x Depressão
É comum que esses dois problemas
se confundam e até se misturem,
mas eles também podem ser inde-
pendentes. “Comumente observa-
mos crianças com quadros depres-
sivos e com características de muita
ansiedade. Ataques de pânico, por
exemplo, podem ocorrer simultane-
amente com a depressão”, esclare-
ce o psiquiatra GustavoTeixeira. Do
mesmo modo, a ansiedade é uma
questão muito forte em uma socie-
dade que está sempre na correria
e isso se reflete nos mais novos. As
crianças precisam ter tempo de fa-
zer a lição, de brincar e até de não
fazer nada. Por isso lotar a agenda
do seu filho pode não ser a melhor saída.
É possível evitar?
Falar em prevenção não é tão simples, já que as cau-
sas da doença são multifatoriais. Mas a observação dos
pais é, de fato, peça-chave: “Todas as vezes em que
sentimos mudanças bruscas no comportamento de
nossos filhos, não podemos ficar justificando, devemos
buscar um especialista”, aconselha Caio Abujadi. Psicó-
logos e psiquiatras podem auxiliar com um treinamen-
to parental sobre como enxergar e lidar com as mu-
danças.“Mesmo que não seja um transtorno,podemos
aprender a prevenir os estados patológicos”.
Dá para tratar, sim
É importante ressaltar que, assim como em outros
quadros, o diagnóstico precoce é muito importante
para que a doença seja tratada mais facilmente e
outros problemas não sejam desencadeados. Ficar
atento ao comportamento do seu filho é um bom
começo. E, quanto mais próxima for a relação de vo-
cês, mais fácil vai ser perceber se está havendo uma
mudança preocupante. É bom ficar de olho!
Quando o Luís tinha oito anos, de um dia para
o outro a mãe perdeu o emprego e o pai come-
çou a se comportar de maneira
diferente: se trancava no quarto
e não queria falar com nenhum
dos dois. Mais tarde, o pai foi diag-
nosticado com transtorno bipo-
lar. Luís não fazia mais as tarefas
de casa, perdeu o interesse pelos
amigos e passou até a insultá-los
e agredi-los. O pediatra alertou a
mãe, Cláudia, de que poderia se
tratar de depressão infantil. Foi a
primeira vez que ela ouviu falar
sobre o transtorno.
Então, ela resolveu buscar
a psicoterapia para resolver o
caso. Em parceria com a analista,
os sintomas que mostraram ser
um problema para o desenvolvi-
mento do Luís melhoraram e ce-
deram com o tratamento. ”Nós
compreendemos que a situação
de mudança radical que vivemos
foi muito difícil para todos nós,
mas foi pior para o Luís. Reconhecer o seu sofrimen-
to e não só tratá-lo como um menino desobediente
foi fundamental para que agora as coisas caminhas-
sem bem”, declara Claudia.
Nas crianças, felizmente, o uso de medicamen-
tos nem sempre é necessário. O médico é quem
deve avaliar e, embora em alguns casos o uso de
medicação seja recomendado, em outros a psico-
terapia pode se encarregar de resolver o problema.
O trabalho da família e o da terapia em conjunto
costumam ser suficientes, mas o atendimento mul-
tidisciplinar é importante.Assim, as coisas podem se
resolver com maior rapidez e sem pânico. &
FICAR ATENTO AO
COMPORTAMENTO
DO SEU FILHO É
UM BOM COMEÇO.
E, QUANTO MAIS
PRÓXIMA FOR A
RELAÇÃO DE VOCÊS,
MAIS FÁCIL VAI
SER PERCEBER SE
ESTÁ HAVENDO UMA
MUDANÇA
PAPEL DOS PAIS
Para o psicólogo americano
Douglas Riley, os pais podem
ajudar e muito. Em primeiro
lugar, precisam se certificar de
que os filhos realmente tenham
tempo com eles. “Crianças e
adolescentes precisam estar
perto de adultos dispostos a
ouvir sobre seus sonhos e
desejos. Precisamos desligar
a TV, desconectar das redes
sociais e falar cara a cara”,
defende. Ele ainda explica
que precisamos perguntar
abertamente como os filhos
estão se sentindo. Assim,
você perceberá se eles estão
precisando de ajuda. E isso
só pode ser feito através de
diálogo e contato.
A PAIS&FILHOS
ACREDITA
que o melhor
tratamento
começa dentro
de casa!
FOTOSHANNONGREER
pais&filhos
MARÇO 2016 45

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tdah tela
Tdah telaTdah tela
Folheto depresão posparto e blues puerperal
Folheto depresão posparto e blues puerperalFolheto depresão posparto e blues puerperal
Folheto depresão posparto e blues puerperal
Aline Melo de Aguiar
 
Transtornos da criança e do adolescente 3
Transtornos da criança e do adolescente 3Transtornos da criança e do adolescente 3
Transtornos da criança e do adolescente 3
Inaiara Bragante
 
Depressão na infancia e na adolescencia
Depressão na infancia e na adolescenciaDepressão na infancia e na adolescencia
Depressão na infancia e na adolescencia
eduardo guagliardi
 
DepressãO Infantil
DepressãO InfantilDepressãO Infantil
DepressãO Infantil
JOSE varreis
 
Depressão infantil
Depressão infantilDepressão infantil
Depressão infantil
Janayane Souza
 
Tdah
TdahTdah
Estresse infantil por jannaina
Estresse infantil por jannainaEstresse infantil por jannaina
Estresse infantil por jannaina
Maracy Guimaraes
 
Vi phda
 Vi phda Vi phda
Vi phda
HDFF
 
criancaemedicacao
criancaemedicacaocriancaemedicacao
criancaemedicacao
Thais Lazzeri
 
Dicas para lidar com o stress infantil
Dicas  para lidar com  o stress  infantilDicas  para lidar com  o stress  infantil
Dicas para lidar com o stress infantil
SimoneHelenDrumond
 
Depressão na adolescência
Depressão na adolescênciaDepressão na adolescência
Depressão na adolescência
Kelly Gonzatto
 
Transtorno depressivo em crianças e adolescentes
Transtorno depressivo em crianças e adolescentesTranstorno depressivo em crianças e adolescentes
Transtorno depressivo em crianças e adolescentes
gisa_legal
 
Educa%e7%e3o inclusica
Educa%e7%e3o inclusicaEduca%e7%e3o inclusica
Educa%e7%e3o inclusica
Eliane1964
 
Stress infantil
Stress infantilStress infantil
Stress infantil
Silvia Maltempi
 
Tdah uma conversa_com_educadores
Tdah uma conversa_com_educadoresTdah uma conversa_com_educadores
Tdah uma conversa_com_educadores
Marlene Campos
 
Escola Secundária da Sertã, "Nós Propomos! Saúde Mental"
Escola Secundária da Sertã, "Nós Propomos! Saúde Mental"Escola Secundária da Sertã, "Nós Propomos! Saúde Mental"
Escola Secundária da Sertã, "Nós Propomos! Saúde Mental"
Ilda Bicacro
 
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
TCC_FARMACIA_FEF
 
Folheto a depressão infantil
Folheto a depressão infantilFolheto a depressão infantil
Folheto a depressão infantil
Emanuela Pontes
 
Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?Como Manejar a Ansiedade?

Mais procurados (20)

Tdah tela
Tdah telaTdah tela
Tdah tela
 
Folheto depresão posparto e blues puerperal
Folheto depresão posparto e blues puerperalFolheto depresão posparto e blues puerperal
Folheto depresão posparto e blues puerperal
 
Transtornos da criança e do adolescente 3
Transtornos da criança e do adolescente 3Transtornos da criança e do adolescente 3
Transtornos da criança e do adolescente 3
 
Depressão na infancia e na adolescencia
Depressão na infancia e na adolescenciaDepressão na infancia e na adolescencia
Depressão na infancia e na adolescencia
 
DepressãO Infantil
DepressãO InfantilDepressãO Infantil
DepressãO Infantil
 
Depressão infantil
Depressão infantilDepressão infantil
Depressão infantil
 
Tdah
TdahTdah
Tdah
 
Estresse infantil por jannaina
Estresse infantil por jannainaEstresse infantil por jannaina
Estresse infantil por jannaina
 
Vi phda
 Vi phda Vi phda
Vi phda
 
criancaemedicacao
criancaemedicacaocriancaemedicacao
criancaemedicacao
 
Dicas para lidar com o stress infantil
Dicas  para lidar com  o stress  infantilDicas  para lidar com  o stress  infantil
Dicas para lidar com o stress infantil
 
Depressão na adolescência
Depressão na adolescênciaDepressão na adolescência
Depressão na adolescência
 
Transtorno depressivo em crianças e adolescentes
Transtorno depressivo em crianças e adolescentesTranstorno depressivo em crianças e adolescentes
Transtorno depressivo em crianças e adolescentes
 
Educa%e7%e3o inclusica
Educa%e7%e3o inclusicaEduca%e7%e3o inclusica
Educa%e7%e3o inclusica
 
Stress infantil
Stress infantilStress infantil
Stress infantil
 
Tdah uma conversa_com_educadores
Tdah uma conversa_com_educadoresTdah uma conversa_com_educadores
Tdah uma conversa_com_educadores
 
Escola Secundária da Sertã, "Nós Propomos! Saúde Mental"
Escola Secundária da Sertã, "Nós Propomos! Saúde Mental"Escola Secundária da Sertã, "Nós Propomos! Saúde Mental"
Escola Secundária da Sertã, "Nós Propomos! Saúde Mental"
 
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah)
 
Folheto a depressão infantil
Folheto a depressão infantilFolheto a depressão infantil
Folheto a depressão infantil
 
Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?
 

Semelhante a Depressão na Infância

Ebook depressao infantil
Ebook depressao infantilEbook depressao infantil
Ebook depressao infantil
Raquel Magalhaes de Mello
 
Aula da dra. gisele 1
Aula da dra. gisele 1Aula da dra. gisele 1
Aula da dra. gisele 1
wagnerPaulon
 
DEPRESSÃO INFANTIL.doc
DEPRESSÃO INFANTIL.docDEPRESSÃO INFANTIL.doc
DEPRESSÃO INFANTIL.doc
ClnicaCapp
 
Familia e autismo
Familia e autismoFamilia e autismo
Psicologia infantil 2013 trabalo de grupo
Psicologia infantil 2013 trabalo de grupoPsicologia infantil 2013 trabalo de grupo
Psicologia infantil 2013 trabalo de grupo
fergwen
 
A Depressão
A DepressãoA Depressão
A Depressão
Marisa Almeida
 
Depressão infantil
Depressão infantilDepressão infantil
Depressão infantil
guesta067b9
 
Crianças estressadas volume1
Crianças estressadas volume1Crianças estressadas volume1
Crianças estressadas volume1
SimoneHelenDrumond
 
cartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdfcartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdf
MarceloInacio18
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Tra. oti
Tra. otiTra. oti
Tra. oti
9589
 
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnóstico
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnósticoSchiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnóstico
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnóstico
Schiz Ophrenic
 
entrepalavras2 - jornal do Agrupamento de escolas José Silvestre Ribeiro- ab...
 entrepalavras2 - jornal do Agrupamento de escolas José Silvestre Ribeiro- ab... entrepalavras2 - jornal do Agrupamento de escolas José Silvestre Ribeiro- ab...
entrepalavras2 - jornal do Agrupamento de escolas José Silvestre Ribeiro- ab...
Dores Pinto
 
Folheto de saúde mental uremia
Folheto de saúde mental uremiaFolheto de saúde mental uremia
Folheto de saúde mental uremia
Denílson Maia
 
26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf
26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf
26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf
IBEE5
 
Guia -separação do casal
Guia -separação do casal Guia -separação do casal
Guia -separação do casal
Ana Campelos
 
Slides sobre TDAH
Slides sobre TDAHSlides sobre TDAH
Slides sobre TDAH
Instituto Consciência GO
 
Cartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaCartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escola
Patrícia Müller
 
Transtorno Bipolar
Transtorno BipolarTranstorno Bipolar
Transtorno Bipolar
Stefany da Silva
 
depressão roteiro.docx
depressão roteiro.docxdepressão roteiro.docx
depressão roteiro.docx
AcacioCosta8
 

Semelhante a Depressão na Infância (20)

Ebook depressao infantil
Ebook depressao infantilEbook depressao infantil
Ebook depressao infantil
 
Aula da dra. gisele 1
Aula da dra. gisele 1Aula da dra. gisele 1
Aula da dra. gisele 1
 
DEPRESSÃO INFANTIL.doc
DEPRESSÃO INFANTIL.docDEPRESSÃO INFANTIL.doc
DEPRESSÃO INFANTIL.doc
 
Familia e autismo
Familia e autismoFamilia e autismo
Familia e autismo
 
Psicologia infantil 2013 trabalo de grupo
Psicologia infantil 2013 trabalo de grupoPsicologia infantil 2013 trabalo de grupo
Psicologia infantil 2013 trabalo de grupo
 
A Depressão
A DepressãoA Depressão
A Depressão
 
Depressão infantil
Depressão infantilDepressão infantil
Depressão infantil
 
Crianças estressadas volume1
Crianças estressadas volume1Crianças estressadas volume1
Crianças estressadas volume1
 
cartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdfcartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdf
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
 
Tra. oti
Tra. otiTra. oti
Tra. oti
 
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnóstico
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnósticoSchiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnóstico
Schiz-X: Conversando Sobre A Esquizofrenia - Vol. 2 - Caminho até o diagnóstico
 
entrepalavras2 - jornal do Agrupamento de escolas José Silvestre Ribeiro- ab...
 entrepalavras2 - jornal do Agrupamento de escolas José Silvestre Ribeiro- ab... entrepalavras2 - jornal do Agrupamento de escolas José Silvestre Ribeiro- ab...
entrepalavras2 - jornal do Agrupamento de escolas José Silvestre Ribeiro- ab...
 
Folheto de saúde mental uremia
Folheto de saúde mental uremiaFolheto de saúde mental uremia
Folheto de saúde mental uremia
 
26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf
26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf
26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf
 
Guia -separação do casal
Guia -separação do casal Guia -separação do casal
Guia -separação do casal
 
Slides sobre TDAH
Slides sobre TDAHSlides sobre TDAH
Slides sobre TDAH
 
Cartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaCartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escola
 
Transtorno Bipolar
Transtorno BipolarTranstorno Bipolar
Transtorno Bipolar
 
depressão roteiro.docx
depressão roteiro.docxdepressão roteiro.docx
depressão roteiro.docx
 

Mais de Fabricio Batistoni

Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
Fabricio Batistoni
 
Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2
Fabricio Batistoni
 
Febre
FebreFebre
Tosse
TosseTosse
Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
Fabricio Batistoni
 
Prevenção de Acidentes
Prevenção de AcidentesPrevenção de Acidentes
Prevenção de Acidentes
Fabricio Batistoni
 
ASMA na infância
ASMA na infânciaASMA na infância
ASMA na infância
Fabricio Batistoni
 
Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19
Fabricio Batistoni
 
Saltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimentoSaltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimento
Fabricio Batistoni
 
Consumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em CriançasConsumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em Crianças
Fabricio Batistoni
 
Dislalia 2020
Dislalia 2020Dislalia 2020
Dislalia 2020
Fabricio Batistoni
 
Introdução alimentar
Introdução alimentarIntrodução alimentar
Introdução alimentar
Fabricio Batistoni
 
Dor de crescimento
Dor de crescimentoDor de crescimento
Dor de crescimento
Fabricio Batistoni
 
Fica muito doente
Fica muito doenteFica muito doente
Fica muito doente
Fabricio Batistoni
 
TDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e DiscalculiaTDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e Discalculia
Fabricio Batistoni
 
TDAH para Educadores
TDAH para EducadoresTDAH para Educadores
TDAH para Educadores
Fabricio Batistoni
 
TDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdadesTDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdades
Fabricio Batistoni
 
Desenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagemDesenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagem
Fabricio Batistoni
 
Imunoterapia
ImunoterapiaImunoterapia
Imunoterapia
Fabricio Batistoni
 
Melatonina e sono
Melatonina e sonoMelatonina e sono
Melatonina e sono
Fabricio Batistoni
 

Mais de Fabricio Batistoni (20)

Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
 
Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2
 
Febre
FebreFebre
Febre
 
Tosse
TosseTosse
Tosse
 
Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
 
Prevenção de Acidentes
Prevenção de AcidentesPrevenção de Acidentes
Prevenção de Acidentes
 
ASMA na infância
ASMA na infânciaASMA na infância
ASMA na infância
 
Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19
 
Saltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimentoSaltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimento
 
Consumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em CriançasConsumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em Crianças
 
Dislalia 2020
Dislalia 2020Dislalia 2020
Dislalia 2020
 
Introdução alimentar
Introdução alimentarIntrodução alimentar
Introdução alimentar
 
Dor de crescimento
Dor de crescimentoDor de crescimento
Dor de crescimento
 
Fica muito doente
Fica muito doenteFica muito doente
Fica muito doente
 
TDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e DiscalculiaTDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e Discalculia
 
TDAH para Educadores
TDAH para EducadoresTDAH para Educadores
TDAH para Educadores
 
TDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdadesTDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdades
 
Desenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagemDesenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagem
 
Imunoterapia
ImunoterapiaImunoterapia
Imunoterapia
 
Melatonina e sono
Melatonina e sonoMelatonina e sono
Melatonina e sono
 

Depressão na Infância

  • 2. pais&filhos MARÇO 2016 41 SEU FILHO PODE FICAR TRISTE SEM QUE ISSO INDIQUE UM PROBLEMA, MAS A DEPRESSÃO INFANTIL EXISTE E PRECISAMOS FALAR SOBRE ELA. ENTENDA O QUE VOCÊ, PAI OU MÃE, PODE FAZER PARA AJUDAR POR RAFAELA CARRILHO, filha de Joana e Alfredo ALÉM DA TRISTEZA (Os nomes dos personagens desta reportagem foram trocados para preservar suas identidades) A infância é associada à fase mais feliz de nossas vidas,que deixa as melhores re- cordações, e uma etapa em que não temos grandes problemas ou preocu- pações. Pensar que isso pode não ser exatamente assim não é tão simples de aceitar. A depressão em si ainda não deixou de ser um tabu em nossa sociedade, ainda mais quando a do- ença é associada às crianças. Porém, sejamos claros: este transtorno pode ocorrer também entre os mais novos. Mas calma, esse problema existe e tem solução. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que o transtorno depressivo é a principal cau- sa de incapacidade de realização das tarefas do dia a dia entre jovens de 10 a 19 anos. Segundo Caio Abujadi, psiquiatra da infância e adolescência, filho de João Moy- sés e Evanir, a incidência de pelo menos um episódio na vida para crianças abaixo de 10 anos é de 5% e, até os 15 anos, pode chegar a 20%. De acordo com Gustavo Teixeira, pai de Pedro Henrique e João Paulo, crianças da educação infantil podem apresentar depressão, mas a maior incidência é entre os 8 e 12 anos de idade. FOTOSHANNONGREER
  • 3. Você já deve ter ouvido alguém falar que outra pes- soa está “deprimida”, querendo dizer que ela anda de- sanimada. Porém, todos nós podemos ficar tristes sem que isso seja uma doença. Quando se trata de depres- são infantil, o problema é persistente e pode prejudicar o desenvolvimento acadêmico e social das crianças. Se seu filho foi mal em uma prova na escola ou brigou com um colega, é normal que ele se sinta chateado. Só que isso tende a se resolver em um curto espaço de tempo. Não quer dizer que depressão não tem a ver com tristeza, mas que este é apenas um dos sintomas. Quando passageiro, é algo comum na vida de qual- quer pessoa, adulto ou criança. “Normalmente, a tris- teza tem um fato causador claro e a criança atraves- sa isso em pouco tempo, quando recebe um colo ou quando a situação se soluciona”, diz a psicóloga infantil Daniella Faria, mãe de Maria Luisa e Maria Eduarda. Já na depressão, o ponto desencadeador não é tão claro e o comportamento pode persistir mesmo sem razão aparente.“Quando ela fica assim por mais de duas se- manas, é bom a gente começar a ficar de olho”. Para os pequenos, é muito mais fácil identificar uma dor externa pelo corpo do que algo que se passa no campo emocional.“A criança não tem a capacidade de nomear seus próprios sentimentos e emoções.Ain- da depende muito dos adultos para atribuir significado ao que está sentindo e localizar, por exemplo, uma tris- teza, ou angústia” explica Ana Carolina Elston, filha de Mônica e Rinaldo, psicóloga clínica e psicanalista. A manifestação da depressão pode ocorrer de ou- tras maneiras. Ana afirma que a depressão pode fazer com que alguns sintomas físicos sejam sentidos:“Pela fal- ta de possibilidade de expressar verbalmente o que se passa no mundo interno, crianças tendem a somatizar a experiência e relatar dores de barriga,ou dor de cabeça, pressão na garganta, entre outros”, comenta Ana. Origem do problema Genética ou fatores externos? Não há uma resposta simples para esta pergunta: pode ter a ver com as duas coisas. Para o psiquiatra Gustavo Teixeira, as causas da depressão na infância são de origem genética.“A con- dição comportamental é mais frequente em membros de mesma família e estudos comprovam isso.Os fatores ambientais participam como desencadeadores da con- dição, desde que existam fatores genéticos envolvidos”. COMPORTAMENTO 42 pais&filhos MARÇO 2016
  • 4. pais&filhos MARÇO 2016 43 Já Caio Abujadi declara que embora haja a pre- disposição, a condição só se inicia quando fatores es- tressantes ocorrem no ambiente de convívio. Alguns exemplos são brigas, agressões morais, maus tratos, deficiências nutricionais, problemas de sono, dificulda- des escolares, bullying na escola e doenças em si ou em pessoas próximas. Os especialistas também dizem que perdas, lutos, separações e mudanças de escola ou residência são capazes de mobilizar conflitos psíquicos difíceis de serem dissolvidos. O psicólogo americano Douglas Riley, autor do li- vro The Depressed Child: A Parent’s Guide for Rescuing Kids (Criança Deprimida: um Guia para Pais Resgatarem os Filhos, em tradução livre), defende que a falta de tempo e o excesso de preocupações também colabo- ram.“Infelizmente nós vivemos em um ambiente eco- nômico em que pais são frequentemente forçados a trabalhar em vários empregos para pagar as despesas. Com isso, as crianças recebem cada vez menos tempo dos pais. Ainda, os níveis de estresse a que crianças e adolescentes estão submetidos vem aumentado muito ao longo das últimas décadas”. Notando a diferença Um dos primeiros sinais de que seu filho pode estar com depressão é a mudança de comportamento,prin- cipalmente quando ela é repentina e duradoura. Falta de apetite ou apetite seletivo, alterações no padrão do sono, irritabilidade, diminuição da atividade física, medo demasiado, choro excessivo e dificuldade de aprendi- zagem são alguns dos sinais de alerta. Mas tem outro ponto que deve ser lembrado e precisamos nos atentar. Embora seja mais comum as- sociar a depressão à passividade, falta de iniciativa e desânimo, estados agressivos e hiperativos também devem ser investigados. Além disso, a criança deprimi- da apresenta certa incapacidade de enfrentar desafios e a autoconfiança fica prejudicada. Foi a perda de uma pessoa próxima que desenca- deou a depressão em Amanda,quando ela tinha apenas quatro anos. Seu avô foi diagnosticado com um tipo raro de leucemia e faleceu 11 dias depois de se sentir doente. A mãe, Helena, conta que a filha passou a não querer ir para a escola ou ficar longe dela.Tinha crises de choro durante as horas que passava na escola e nada nem ninguém conseguia fazê-la sentir tranquila. EMBORA SEJA MAIS COMUM ASSOCIAR A DEPRESSÃO À PASSIVIDADE, FALTA DE INICIATIVA E DESÂNIMO, ESTADOS AGRESSIVOS E HIPERATIVOS TAMBÉM DEVEM SER INVESTIGADOS BOM E MAU COMPORTAMENTO Muitas vezes, a criança quieta é entendida como bem comportada e a espoleta é entendida como mal-educada. Entretanto, segundo a psicóloga infantil Daniella Faria, crianças silenciosas também precisam de atenção. Filhos quietos e agitados podem usar esses extremos para chamar atenção e pedir ajuda. A inquietação representa a complicação de estar em tranquilidade e a reclusão mostra uma dificuldade de estar aberto ao mundo e em contato com as pessoas. A agressividade e a irritabilidade decorrentes da depressão também podem ser entendidas como birra ou desobediência, fazendo com que fique mais difícil diferenciar os casos. É preciso prestar atenção ao conjunto dos fatores. FOTOSHUTTERSTOCK
  • 5. 44 pais&filhos MARÇO 2016 COMPORTAMENTO Preocupadas com a situação, as coordenadoras da escola chamaram a mãe para uma conversa e aponta- ram que o problema poderia ser depressão. Depois de conversar com alguns profissionais, He- lena resolveu optar pela terapia infantil e seguiu à ris- ca as orientações da terapeuta. Amanda passou a fre- quentar a escola da irmã mais velha e a família come- çou a passar mais tempo com ela.“Foi um trabalho em grupo que movimentou sete membros da família”. Seu tempo livre foi preenchido com atividades criativas e com o tratamento ela nunca mais passou por algo se- melhante. Nesse caso, a família se mobilizou para ajudar a garota, por isso a união em casa é fundamental nesse momento delicado. Ansiedade x Depressão É comum que esses dois problemas se confundam e até se misturem, mas eles também podem ser inde- pendentes. “Comumente observa- mos crianças com quadros depres- sivos e com características de muita ansiedade. Ataques de pânico, por exemplo, podem ocorrer simultane- amente com a depressão”, esclare- ce o psiquiatra GustavoTeixeira. Do mesmo modo, a ansiedade é uma questão muito forte em uma socie- dade que está sempre na correria e isso se reflete nos mais novos. As crianças precisam ter tempo de fa- zer a lição, de brincar e até de não fazer nada. Por isso lotar a agenda do seu filho pode não ser a melhor saída. É possível evitar? Falar em prevenção não é tão simples, já que as cau- sas da doença são multifatoriais. Mas a observação dos pais é, de fato, peça-chave: “Todas as vezes em que sentimos mudanças bruscas no comportamento de nossos filhos, não podemos ficar justificando, devemos buscar um especialista”, aconselha Caio Abujadi. Psicó- logos e psiquiatras podem auxiliar com um treinamen- to parental sobre como enxergar e lidar com as mu- danças.“Mesmo que não seja um transtorno,podemos aprender a prevenir os estados patológicos”. Dá para tratar, sim É importante ressaltar que, assim como em outros quadros, o diagnóstico precoce é muito importante para que a doença seja tratada mais facilmente e outros problemas não sejam desencadeados. Ficar atento ao comportamento do seu filho é um bom começo. E, quanto mais próxima for a relação de vo- cês, mais fácil vai ser perceber se está havendo uma mudança preocupante. É bom ficar de olho! Quando o Luís tinha oito anos, de um dia para o outro a mãe perdeu o emprego e o pai come- çou a se comportar de maneira diferente: se trancava no quarto e não queria falar com nenhum dos dois. Mais tarde, o pai foi diag- nosticado com transtorno bipo- lar. Luís não fazia mais as tarefas de casa, perdeu o interesse pelos amigos e passou até a insultá-los e agredi-los. O pediatra alertou a mãe, Cláudia, de que poderia se tratar de depressão infantil. Foi a primeira vez que ela ouviu falar sobre o transtorno. Então, ela resolveu buscar a psicoterapia para resolver o caso. Em parceria com a analista, os sintomas que mostraram ser um problema para o desenvolvi- mento do Luís melhoraram e ce- deram com o tratamento. ”Nós compreendemos que a situação de mudança radical que vivemos foi muito difícil para todos nós, mas foi pior para o Luís. Reconhecer o seu sofrimen- to e não só tratá-lo como um menino desobediente foi fundamental para que agora as coisas caminhas- sem bem”, declara Claudia. Nas crianças, felizmente, o uso de medicamen- tos nem sempre é necessário. O médico é quem deve avaliar e, embora em alguns casos o uso de medicação seja recomendado, em outros a psico- terapia pode se encarregar de resolver o problema. O trabalho da família e o da terapia em conjunto costumam ser suficientes, mas o atendimento mul- tidisciplinar é importante.Assim, as coisas podem se resolver com maior rapidez e sem pânico. & FICAR ATENTO AO COMPORTAMENTO DO SEU FILHO É UM BOM COMEÇO. E, QUANTO MAIS PRÓXIMA FOR A RELAÇÃO DE VOCÊS, MAIS FÁCIL VAI SER PERCEBER SE ESTÁ HAVENDO UMA MUDANÇA
  • 6. PAPEL DOS PAIS Para o psicólogo americano Douglas Riley, os pais podem ajudar e muito. Em primeiro lugar, precisam se certificar de que os filhos realmente tenham tempo com eles. “Crianças e adolescentes precisam estar perto de adultos dispostos a ouvir sobre seus sonhos e desejos. Precisamos desligar a TV, desconectar das redes sociais e falar cara a cara”, defende. Ele ainda explica que precisamos perguntar abertamente como os filhos estão se sentindo. Assim, você perceberá se eles estão precisando de ajuda. E isso só pode ser feito através de diálogo e contato. A PAIS&FILHOS ACREDITA que o melhor tratamento começa dentro de casa! FOTOSHANNONGREER pais&filhos MARÇO 2016 45