SlideShare uma empresa Scribd logo
16/03/2023, 15:55 :: 700013724472 - eproc - ::
https://eproc.jfpr.jus.br/eprocV2/controlador.php?acao=minuta_imprimir&acao_origem=acessar_documento&hash=4feaa6764e39bb4b4aac9c842f9e9db7 1/6
Av. Anita Garibaldi, 888, 2º andar - Bairro: Cabral - CEP: 80540-901 - Fone: (41)3210-1680 - www.jfpr.jus.br - Email: prctb13@jfpr.jus.br
AÇÃO PENAL Nº 5019961-43.2017.4.04.7000/PR
AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
RÉU: RODRIGO TACLA DURAN
DESPACHO/DECISÃO
1. A defesa de RODRIGO TACLA DURAN, em manifestação acostada ao evento 218, requer, com fundamento na decisão proferida
pela Colenda Segunda Turma do E. Supremo Tribunal Federal, na Reclamação 43.007, a revogação do mandado de segregação cautelar decretado nos
autos de nº 5034144-88.2016.4.04.7000, de modo a preservar seu status libertatis.
2. Decido.
Inicialmente, cumpre destacar que o princípio constitucional da DURAÇÃO RAZOÁVEL do processo criminal impõe ao julgador da
causa (Poder Judiciário, de uma maneira geral) o dever de conduzir o processo criminal contra os cidadãos (brasileiros ou não) na forma mais
expedita possível.
O ônus que recai sobre os agentes do Estado lhes impõe o dever de cooperar, de forma ativa, para que o trâmite do processo criminal se
dê com menor prejuízo possível à vida do cidadão, na medida em que a própria Constituição Federal de 1988 estabelece que NINGUÉM SERÁ
CONSIDERADO CULPADO em matéria criminal até o trânsito em julgado (garantia constitucional explícita).
Ora, nem se poderia aceitar uma longa marcha processual em desfavor do cidadão sem qualquer consequência prática em desfavor do
poder/dever de agir do Estado.
Além da própria prescrição em matéria penal, outras consequência exsurgem do descumprimento do dever estatal de conduzir os
processos criminais da forma mais expedita possível, uma das quais, o próprio relaxamento da PRISÃO PREVENTIVA decretada pelo juízo da
causa. O inverso, seria premiar a demora estatal, perenizando a restrição é liberdade física do cidadão envolvido, o qual teria de se socorrer de todos
5019961-43.2017.4.04.7000 700013724472 .V13
Poder Judiciário
JUSTIÇA FEDERAL
Seção Judiciária do Paraná
13ª Vara Federal de Curitiba
16/03/2023, 15:55 :: 700013724472 - eproc - ::
https://eproc.jfpr.jus.br/eprocV2/controlador.php?acao=minuta_imprimir&acao_origem=acessar_documento&hash=4feaa6764e39bb4b4aac9c842f9e9db7 2/6
os meios para prova (inversão do ônus da culpa penal) que não praticou os atos criminosos e que não mais estão presentes os requisitos da prisão
cautelar.
No presente caso, verifico que a verossimilhança dos fundamentos usados na decretação da prisão pelo Exmo Juiz Federal Sérgio Moro
foi afetada pela nova decisão do STF (Reclamação 43007), a qual prenuncia a produção de diversas consequências práticas nos processos envolvendo
a Odebrecht (suposta falha da forca tarefa do MPF na Lava Jato quando da manutenção da cadeia de custodia da prova eletrônica essencial ao
processo - sistema Drousys).
As garantias constitucionais são irrenunciáveis e protegem todos os cidadãos, especialmente quando a força coercitiva do Estado pode
produzir danos irreparáveis na vida das pessoas, aniquilando, por completo, qualquer possibilidade de reversão futura dos já eventualmente
ocasionados.
A prisão cautelar é medida excepcional no ordenamento brasileiro.
A presunção constitucional é de INOCÊNCIA e não o inverso.
Inverter a presunção de inocência significa, na prática, erodir os mais comezinhos princípios jurídicos de caráter civilizatório, impondo
ao cidadão comum um dever de autovigilância permanente que pode, na melhor da hipóteses, conduzir a graves problemas psíquicos dos afetados
pela ação do Estado e, na pior das hipóteses, na aceitação de um Estado de matriz policialesca/totalitária.
Nesse sentido, verifico que o MPF, em sua força tarefa, não teria zelado pela cadeia de custódia da prova, como revelam os diálogos da
Vazajato - a qual teve sua autenticidade atestada pelo Supremo Tribunal Federal. Como revelado havia uma rede subterrânea de comunicação, digna
de filme de espionagem, através da qual se selecionavam provas e alvos a serem atingidos, bem como quem seriam os juízes das causas criminais
segundo as preferências da acusação (que é parte no processo).
O cidadão Tacla Duran, como qualquer outra pessoa, merece e tem o direito constitucional de receber do Estado brasileiro uma
jurisdição serena, apolítica e republicana, na qual os dois pilares fundamentais são a certeza do conteúdo da acusação (para que possa se defender),
bem como plena isenção dos agentes de Estado (juízes, procuradores, policiais e demais protagonistas).
5019961-43.2017.4.04.7000 700013724472 .V13
Poder Judiciário
JUSTIÇA FEDERAL
Seção Judiciária do Paraná
13ª Vara Federal de Curitiba
16/03/2023, 15:55 :: 700013724472 - eproc - ::
https://eproc.jfpr.jus.br/eprocV2/controlador.php?acao=minuta_imprimir&acao_origem=acessar_documento&hash=4feaa6764e39bb4b4aac9c842f9e9db7 3/6
O próprio Supremo Tribunal tem, graças aos precedentes históricos firmados pelos Ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski,
modulado a força probatória das chamadas delações premiadas, devidamente precedidas de prisões cautelares, de maneira a impor ao Estado acusador
o ônus de também buscar outros meios de prova.
Neste ponto, ainda é salutar reproduzir parte do voto histórico do Ministro Celso de Mello, quando do julgamento da constitucionalidade
da chamada "prisão em segunda instância" (ADC 43 MC DF):
"(...)
a presunção de inocência, a que já se referia Tomás de Aquino em sua “Suma Teológica”, constitui resultado de um longo processo de desenvolvimento
político-jurídico, com raízes, para alguns , na Magna Carta inglesa (1215), embora, segundo outros autores, o marco histórico de implantação desse
direito fundamental resida no século XVIII, quando, sob o influxo das ideias iluministas, veio esse direito-garantia a ser consagrado, inicialmente, na
Declaração de Direitos do Bom Povo da Virgínia (1776). A consciência do sentido fundamental desse direito básico, enriquecido pelos grandes postulados
políticos, doutrinários e filosóficos do Iluminismo, projetou-se, com grande impacto, na Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, de 1789, cujo
art. 9º solenemente proclamava a presunção de inocência, com expressa repulsa às práticas absolutistas do Antigo Regime . Mostra-se importante
assinalar, neste ponto, Senhor Presidente, que a presunção de inocência, legitimada pela ideia democrática – não obstante golpes desferidos por mentes
autoritárias ou por regimes autocráticos que absurdamente preconizam o primado da ideia de que todos são culpados até prova em contrário (!?!?) –, tem
prevalecido, ao longo de seu virtuoso itinerário histórico, no contexto das sociedades civilizadas, como valor fundamental e exigência básica de respeito à
dignidade da pessoa humana." Não foi por outra razão que a Declaração Universal de Direitos da Pessoa Humana, promulgada em 10/12/1948, pela III
Assembleia Geral da ONU, em reação aos abusos inomináveis cometidos pelos regimes totalitários nazi-fascistas, proclamou , em seu art. 11, que todos,
sem exceção , presumem-se inocentes . Essa mesma reação do pensamento democrático, que não pode nem deve conviver com práticas, medidas ou
interpretações que golpeiem o alcance e o conteúdo de tão fundamental prerrogativa assegurada a toda e qualquer pessoa, mostrou-se presente em outros
importantes documentos internacionais, alguns de caráter regional, como a Declaração Americana dos Direitos e Deveres do Homem (Bogotá, 1948,
Artigo XXVI), a Convenção Americana sobre Direitos Humanos (São José da Costa Rica, 1969, Artigo 8º, § 2º), a Convenção Europeia para Salvaguarda
dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais (Roma, 1950, Artigo 6º, § 2º), a Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia (Nice, 2000,
Artigo 48, § 1º), a Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos/Carta de Banjul (Nairóbi, 1981, Artigo 7º, § 1º, “ b”) e a Declaração Islâmica sobre
Direitos Humanos (Cairo, 1990, Artigo 19, “ e”), e outros de caráter global, como o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos (Artigo 14, § 2º),
adotado pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 1966."
O princípio da presunção da inocência, previsto na Constituição de 1988, é instrumento de proteção do cidadão comum. Portanto,
a alegação de que a presunção de inocência (reconhecida em todos os países civilizados do.mundo) protege somente os poderosos é uma falácia
jurídica e somente serve de combustível político para insuflar as massas contra as instituições de Estado (especialmente STF) no exercício de tão
5019961-43.2017.4.04.7000 700013724472 .V13
Poder Judiciário
JUSTIÇA FEDERAL
Seção Judiciária do Paraná
13ª Vara Federal de Curitiba
16/03/2023, 15:55 :: 700013724472 - eproc - ::
https://eproc.jfpr.jus.br/eprocV2/controlador.php?acao=minuta_imprimir&acao_origem=acessar_documento&hash=4feaa6764e39bb4b4aac9c842f9e9db7 4/6
grave missão, por vezes conduzindo à destruição e ruptura com o Estado Democrático de Direito (como tantas e tao insistentes vezes ja vimos no
curso do século XX).
Aqueles que atacam a presunção de inocência parecem desconhecer a dimensão da imensa massa carceraria no país, bem como o fato de
que a quase totalidade dos cidadãos acusados em juízo não conta com condições financeiras para ter uma assistência técnica de qualidade de um
advogado criminalista.
A doutrina e jurisprudência dos Tribunais Superiores sempre consideraram que as prisões cautelares são medidas excepcionais, as quais
não podem se eternizar e que somente encontram abrigo nas hipóteses legais previstas no CPP, as quais não permitem (ou pelo menos não permitiam)
interpretações extensivas.
Aqueles que se insurgem contra estas garantidas constitucionais (com especial relevo na prova lícita em matéria criminal) acabam por se
socorrer destes mesmos argumentos (e Poderes da República) que depredam e atacam através das redes sociais.
Os próprios Ministros dos Tribunais Superiores têm sido vítimas constantes destes ataques ancorados em pilares intelectuais totalitários
e policialescos, simplesmente pelo fato de que defendem a Constituição e a democracia no Brasil.
O caso do cidadão Tacla Duran em nada difere dos demais.
A sua eventual importância, em termos de estratégia da acusação feita pela então força tarefa MPF Lavajato, de modo algum tem a
capacidade de reduzir a amplitude de sua proteção constitucional contra prisões arbitrárias ou desnecessárias.
Todos somos contra a corrupção no país, como bem lembrou o eterno Ministro Ricardo Lewandowski, em tantas vezes no Plenário do
Supremo Tribunal. Todavia, os meios para se atingir tão nobre desiderato devem ser empregados dentro da lei, assegurando-se imparcialidade do
juízo, bem como a ampla defesa (a qual inclui imunidade do cidadão contra a personalização da perseguição estatal).
A lei penal e a justiça criminal são impessoais e republicanas.
O cidadão Tacla Duran tem, a meu ver, o direito de exercer seus direitos de defesa (devido processo legal substantivo) em liberdade, até
que sobrevenha eventual condenação (até porque se encontra hoje amparado em recentissima decisão do Egregio Supremo Tribunal).
5019961-43.2017.4.04.7000 700013724472 .V13
Poder Judiciário
JUSTIÇA FEDERAL
Seção Judiciária do Paraná
13ª Vara Federal de Curitiba
16/03/2023, 15:55 :: 700013724472 - eproc - ::
https://eproc.jfpr.jus.br/eprocV2/controlador.php?acao=minuta_imprimir&acao_origem=acessar_documento&hash=4feaa6764e39bb4b4aac9c842f9e9db7 5/6
É chegado o tempo do Renascimento das garantias dos princípios constitucionais cultivados, com cuidado (porque frágeis ante a força
policialesca do Estado) e os recentes eventos históricos de 8 de janeiro em Brasília renovam a sua importância prática.
Neste contexto, observa-se que "versões deltônicas do papel da força Estado na vida do cidadão conduziram, após anos de críticas
exageradas, à invasão da sede dos Poderes constituídos da República no ultimo dia 8 de janeiro deste ano." É preciso sempre lembrar, os dizeres do
Exmo Ministro.Alexandre de Moraes, quando da abertura do ano judiciário na data de 01.02.2023 em Brasília de que "a defesa da democracia é um
valor inegociável".
Todos nós, cidadão comuns, juízes, procuradores, advogados, jornalistas, somos, em última análise, também responsáveis pela
sobrevivência destas frágeis raízes da jovem democracia brasileira.
A democracia, como ja dizia um jurista inglês ha mais de 100 anos, é aquele regime no qual quando alguém bate na sua porta as 6 da
manhã, o dono da casa sabe que é o leiteiro.
As experiências traumáticas da segunda guerra mundial nos ensinaram a todos sobre a importância do princípio da presunção de
inocência.
3. Por todas estas considerações, concedo a liberdade provisoria (com condições) ao cidadão Rodrigo Tacla Duran. São as seguintes
condições:
3.1. Prestar contas de suas atividades a este juízo federal criminal a casa dois meses, iniciando em maio de 2022.
3.2. Não se ausentar do Brasil sem prévia comunicação ao juízo.
3.3. Envidar todos os esforços na repatriação de valores eventualmente depositados em contas no exterior de nosso pais.
Fica, pois, revogada a prisão preventiva do acusado, a partir da data de hoje.
Comunique se a policia federal que cuida do trânsito nas fronteiras terrestres e aéreas.
5019961-43.2017.4.04.7000 700013724472 .V13
Poder Judiciário
JUSTIÇA FEDERAL
Seção Judiciária do Paraná
13ª Vara Federal de Curitiba
16/03/2023, 15:55 :: 700013724472 - eproc - ::
https://eproc.jfpr.jus.br/eprocV2/controlador.php?acao=minuta_imprimir&acao_origem=acessar_documento&hash=4feaa6764e39bb4b4aac9c842f9e9db7 6/6
Documento eletrônico assinado por EDUARDO FERNANDO APPIO, Juiz Federal, na forma do artigo 1º, inciso III, da Lei 11.419, de 19 de dezembro de 2006 e Resolução TRF 4ª Região nº
17, de 26 de março de 2010. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico http://www.trf4.jus.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento
do código verificador 700013724472v13 e do código CRC 5bc248bd.
Informações adicionais da assinatura:
Signatário (a): EDUARDO FERNANDO APPIO
Data e Hora: 16/3/2023, às 14:20:24
5019961-43.2017.4.04.7000 700013724472 .V13
Poder Judiciário
JUSTIÇA FEDERAL
Seção Judiciária do Paraná
13ª Vara Federal de Curitiba

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Decisão a favor de Tacla Duran

Defesa de Lula
Defesa de LulaDefesa de Lula
Defesa de Lula
diariodocentrodomundo
 
Memorial Lula
Memorial LulaMemorial Lula
Memorial Lula
Luiz Carlos Azenha
 
Jose agripino maia
Jose agripino maiaJose agripino maia
Jose agripino maia
Miguel Rosario
 
TRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente Lula
TRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente LulaTRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente Lula
TRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente Lula
Jornal do Commercio
 
Decisão da Justiça sobre participação de Lula em debate
Decisão da Justiça sobre participação de Lula em debateDecisão da Justiça sobre participação de Lula em debate
Decisão da Justiça sobre participação de Lula em debate
diariodocentrodomundo
 
Decisão de Ricardo Lewandowski autorizando entrevista de Lula
Decisão de Ricardo Lewandowski autorizando entrevista de LulaDecisão de Ricardo Lewandowski autorizando entrevista de Lula
Decisão de Ricardo Lewandowski autorizando entrevista de Lula
diariodocentrodomundo
 
Moraes liberta Anderson Torres
Moraes liberta Anderson TorresMoraes liberta Anderson Torres
Moraes liberta Anderson Torres
Aquiles Lins
 
Moraes solta Anderson Torres após quatro meses
Moraes solta Anderson Torres após quatro mesesMoraes solta Anderson Torres após quatro meses
Moraes solta Anderson Torres após quatro meses
Editora 247
 
Reclamação apresentada por Lula no STF
Reclamação apresentada por Lula no STFReclamação apresentada por Lula no STF
Reclamação apresentada por Lula no STF
Marcelo Auler
 
Gilmar Mendes suspende cndução coercitiva para interrogatórios
Gilmar Mendes suspende cndução coercitiva para interrogatóriosGilmar Mendes suspende cndução coercitiva para interrogatórios
Gilmar Mendes suspende cndução coercitiva para interrogatórios
Marcelo Auler
 
Desembargador Camanho de Assis suspende a censura à Folha
Desembargador Camanho de Assis suspende a censura à FolhaDesembargador Camanho de Assis suspende a censura à Folha
Desembargador Camanho de Assis suspende a censura à Folha
Marcelo Auler
 
CALDAS Marinha DEFESA apresentada ao STF
CALDAS Marinha DEFESA apresentada ao STFCALDAS Marinha DEFESA apresentada ao STF
CALDAS Marinha DEFESA apresentada ao STF
Revista Sociedade Militar
 
Mariana Carvalho move ação contra página de humor no Facebook; juiz nega reti...
Mariana Carvalho move ação contra página de humor no Facebook; juiz nega reti...Mariana Carvalho move ação contra página de humor no Facebook; juiz nega reti...
Mariana Carvalho move ação contra página de humor no Facebook; juiz nega reti...
Rondoniadinamica Jornal Eletrônico
 
Arlindo chinaglia
Arlindo chinagliaArlindo chinaglia
Arlindo chinaglia
Miguel Rosario
 
Globo terá de pagar R$ 50 mil por violar direito ao esquecimento
Globo terá de pagar R$ 50 mil por violar direito ao esquecimentoGlobo terá de pagar R$ 50 mil por violar direito ao esquecimento
Globo terá de pagar R$ 50 mil por violar direito ao esquecimento
Superior Tribunal de Justiça
 
Stf libera circulação de revista que liga cid gomes ao 'petrolão'
Stf libera circulação de revista que liga cid gomes ao 'petrolão'Stf libera circulação de revista que liga cid gomes ao 'petrolão'
Stf libera circulação de revista que liga cid gomes ao 'petrolão'
José Ripardo
 
Luiz Fux censura a Folha e impede entrevista a Lula
Luiz Fux censura a Folha e impede entrevista a LulaLuiz Fux censura a Folha e impede entrevista a Lula
Luiz Fux censura a Folha e impede entrevista a Lula
Marcelo Auler
 
862662
862662862662
Decisão do ministro Alexandre de Moraes mantendo a censura no Blog
Decisão do ministro Alexandre de Moraes mantendo a censura no BlogDecisão do ministro Alexandre de Moraes mantendo a censura no Blog
Decisão do ministro Alexandre de Moraes mantendo a censura no Blog
Marcelo Auler
 
Recurso contra a decisão da procuradora da anular o TAC
Recurso contra a decisão da procuradora da anular o TACRecurso contra a decisão da procuradora da anular o TAC
Recurso contra a decisão da procuradora da anular o TAC
Marcelo Auler
 

Semelhante a Decisão a favor de Tacla Duran (20)

Defesa de Lula
Defesa de LulaDefesa de Lula
Defesa de Lula
 
Memorial Lula
Memorial LulaMemorial Lula
Memorial Lula
 
Jose agripino maia
Jose agripino maiaJose agripino maia
Jose agripino maia
 
TRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente Lula
TRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente LulaTRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente Lula
TRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente Lula
 
Decisão da Justiça sobre participação de Lula em debate
Decisão da Justiça sobre participação de Lula em debateDecisão da Justiça sobre participação de Lula em debate
Decisão da Justiça sobre participação de Lula em debate
 
Decisão de Ricardo Lewandowski autorizando entrevista de Lula
Decisão de Ricardo Lewandowski autorizando entrevista de LulaDecisão de Ricardo Lewandowski autorizando entrevista de Lula
Decisão de Ricardo Lewandowski autorizando entrevista de Lula
 
Moraes liberta Anderson Torres
Moraes liberta Anderson TorresMoraes liberta Anderson Torres
Moraes liberta Anderson Torres
 
Moraes solta Anderson Torres após quatro meses
Moraes solta Anderson Torres após quatro mesesMoraes solta Anderson Torres após quatro meses
Moraes solta Anderson Torres após quatro meses
 
Reclamação apresentada por Lula no STF
Reclamação apresentada por Lula no STFReclamação apresentada por Lula no STF
Reclamação apresentada por Lula no STF
 
Gilmar Mendes suspende cndução coercitiva para interrogatórios
Gilmar Mendes suspende cndução coercitiva para interrogatóriosGilmar Mendes suspende cndução coercitiva para interrogatórios
Gilmar Mendes suspende cndução coercitiva para interrogatórios
 
Desembargador Camanho de Assis suspende a censura à Folha
Desembargador Camanho de Assis suspende a censura à FolhaDesembargador Camanho de Assis suspende a censura à Folha
Desembargador Camanho de Assis suspende a censura à Folha
 
CALDAS Marinha DEFESA apresentada ao STF
CALDAS Marinha DEFESA apresentada ao STFCALDAS Marinha DEFESA apresentada ao STF
CALDAS Marinha DEFESA apresentada ao STF
 
Mariana Carvalho move ação contra página de humor no Facebook; juiz nega reti...
Mariana Carvalho move ação contra página de humor no Facebook; juiz nega reti...Mariana Carvalho move ação contra página de humor no Facebook; juiz nega reti...
Mariana Carvalho move ação contra página de humor no Facebook; juiz nega reti...
 
Arlindo chinaglia
Arlindo chinagliaArlindo chinaglia
Arlindo chinaglia
 
Globo terá de pagar R$ 50 mil por violar direito ao esquecimento
Globo terá de pagar R$ 50 mil por violar direito ao esquecimentoGlobo terá de pagar R$ 50 mil por violar direito ao esquecimento
Globo terá de pagar R$ 50 mil por violar direito ao esquecimento
 
Stf libera circulação de revista que liga cid gomes ao 'petrolão'
Stf libera circulação de revista que liga cid gomes ao 'petrolão'Stf libera circulação de revista que liga cid gomes ao 'petrolão'
Stf libera circulação de revista que liga cid gomes ao 'petrolão'
 
Luiz Fux censura a Folha e impede entrevista a Lula
Luiz Fux censura a Folha e impede entrevista a LulaLuiz Fux censura a Folha e impede entrevista a Lula
Luiz Fux censura a Folha e impede entrevista a Lula
 
862662
862662862662
862662
 
Decisão do ministro Alexandre de Moraes mantendo a censura no Blog
Decisão do ministro Alexandre de Moraes mantendo a censura no BlogDecisão do ministro Alexandre de Moraes mantendo a censura no Blog
Decisão do ministro Alexandre de Moraes mantendo a censura no Blog
 
Recurso contra a decisão da procuradora da anular o TAC
Recurso contra a decisão da procuradora da anular o TACRecurso contra a decisão da procuradora da anular o TAC
Recurso contra a decisão da procuradora da anular o TAC
 

Mais de Aquiles Lins

Pesquisa-prefeitura-SP
Pesquisa-prefeitura-SPPesquisa-prefeitura-SP
Pesquisa-prefeitura-SP
Aquiles Lins
 
Acórdão Final - TCU
Acórdão Final - TCUAcórdão Final - TCU
Acórdão Final - TCU
Aquiles Lins
 
Estudo BNDES e Mercado
Estudo BNDES e Mercado Estudo BNDES e Mercado
Estudo BNDES e Mercado
Aquiles Lins
 
Convocação Wellington Macedo
Convocação Wellington MacedoConvocação Wellington Macedo
Convocação Wellington Macedo
Aquiles Lins
 
Sentença (2).pdf
Sentença (2).pdfSentença (2).pdf
Sentença (2).pdf
Aquiles Lins
 
Pesquisa Febraban-Ipespe
Pesquisa Febraban-IpespePesquisa Febraban-Ipespe
Pesquisa Febraban-Ipespe
Aquiles Lins
 
Decisão ministro Cristiano Zanin
Decisão ministro Cristiano Zanin Decisão ministro Cristiano Zanin
Decisão ministro Cristiano Zanin
Aquiles Lins
 
Relatório - subsecretaria - Rogerio Correia - Anderson Torres.pdf
Relatório - subsecretaria - Rogerio Correia - Anderson Torres.pdfRelatório - subsecretaria - Rogerio Correia - Anderson Torres.pdf
Relatório - subsecretaria - Rogerio Correia - Anderson Torres.pdf
Aquiles Lins
 
Despacho Toffoli Tony Garcia
Despacho Toffoli Tony Garcia Despacho Toffoli Tony Garcia
Despacho Toffoli Tony Garcia
Aquiles Lins
 
Sinprev contesta Deyvid Bacelar
Sinprev contesta Deyvid Bacelar Sinprev contesta Deyvid Bacelar
Sinprev contesta Deyvid Bacelar
Aquiles Lins
 
Novo relatório da Reforma Tributária
Novo relatório da Reforma Tributária Novo relatório da Reforma Tributária
Novo relatório da Reforma Tributária
Aquiles Lins
 
Ação cautelar MP-PI contra prefeito de Barro Duro
Ação cautelar MP-PI contra prefeito de Barro DuroAção cautelar MP-PI contra prefeito de Barro Duro
Ação cautelar MP-PI contra prefeito de Barro Duro
Aquiles Lins
 
Lindbergh pede a demissão de Campos Neto
Lindbergh pede a demissão de Campos NetoLindbergh pede a demissão de Campos Neto
Lindbergh pede a demissão de Campos Neto
Aquiles Lins
 
Análise da PF material encontrado com Marco do Val
Análise da PF material encontrado com Marco do ValAnálise da PF material encontrado com Marco do Val
Análise da PF material encontrado com Marco do Val
Aquiles Lins
 
Minuta_ Decisão Liminar - RCL 60201Assinado (1).pdf
Minuta_ Decisão Liminar - RCL 60201Assinado (1).pdfMinuta_ Decisão Liminar - RCL 60201Assinado (1).pdf
Minuta_ Decisão Liminar - RCL 60201Assinado (1).pdf
Aquiles Lins
 
Parecer técnico desmente voz de Eduardo Appio
Parecer técnico desmente voz de Eduardo AppioParecer técnico desmente voz de Eduardo Appio
Parecer técnico desmente voz de Eduardo Appio
Aquiles Lins
 
Representação Rombo da Caixa - TCU - final.pdf
Representação Rombo da Caixa - TCU - final.pdfRepresentação Rombo da Caixa - TCU - final.pdf
Representação Rombo da Caixa - TCU - final.pdf
Aquiles Lins
 
Painel-CAMINHONEIROS
Painel-CAMINHONEIROSPainel-CAMINHONEIROS
Painel-CAMINHONEIROS
Aquiles Lins
 
Decisão Operação Venire
Decisão Operação Venire Decisão Operação Venire
Decisão Operação Venire
Aquiles Lins
 
Agrishow cancela abertura
Agrishow cancela abertura Agrishow cancela abertura
Agrishow cancela abertura
Aquiles Lins
 

Mais de Aquiles Lins (20)

Pesquisa-prefeitura-SP
Pesquisa-prefeitura-SPPesquisa-prefeitura-SP
Pesquisa-prefeitura-SP
 
Acórdão Final - TCU
Acórdão Final - TCUAcórdão Final - TCU
Acórdão Final - TCU
 
Estudo BNDES e Mercado
Estudo BNDES e Mercado Estudo BNDES e Mercado
Estudo BNDES e Mercado
 
Convocação Wellington Macedo
Convocação Wellington MacedoConvocação Wellington Macedo
Convocação Wellington Macedo
 
Sentença (2).pdf
Sentença (2).pdfSentença (2).pdf
Sentença (2).pdf
 
Pesquisa Febraban-Ipespe
Pesquisa Febraban-IpespePesquisa Febraban-Ipespe
Pesquisa Febraban-Ipespe
 
Decisão ministro Cristiano Zanin
Decisão ministro Cristiano Zanin Decisão ministro Cristiano Zanin
Decisão ministro Cristiano Zanin
 
Relatório - subsecretaria - Rogerio Correia - Anderson Torres.pdf
Relatório - subsecretaria - Rogerio Correia - Anderson Torres.pdfRelatório - subsecretaria - Rogerio Correia - Anderson Torres.pdf
Relatório - subsecretaria - Rogerio Correia - Anderson Torres.pdf
 
Despacho Toffoli Tony Garcia
Despacho Toffoli Tony Garcia Despacho Toffoli Tony Garcia
Despacho Toffoli Tony Garcia
 
Sinprev contesta Deyvid Bacelar
Sinprev contesta Deyvid Bacelar Sinprev contesta Deyvid Bacelar
Sinprev contesta Deyvid Bacelar
 
Novo relatório da Reforma Tributária
Novo relatório da Reforma Tributária Novo relatório da Reforma Tributária
Novo relatório da Reforma Tributária
 
Ação cautelar MP-PI contra prefeito de Barro Duro
Ação cautelar MP-PI contra prefeito de Barro DuroAção cautelar MP-PI contra prefeito de Barro Duro
Ação cautelar MP-PI contra prefeito de Barro Duro
 
Lindbergh pede a demissão de Campos Neto
Lindbergh pede a demissão de Campos NetoLindbergh pede a demissão de Campos Neto
Lindbergh pede a demissão de Campos Neto
 
Análise da PF material encontrado com Marco do Val
Análise da PF material encontrado com Marco do ValAnálise da PF material encontrado com Marco do Val
Análise da PF material encontrado com Marco do Val
 
Minuta_ Decisão Liminar - RCL 60201Assinado (1).pdf
Minuta_ Decisão Liminar - RCL 60201Assinado (1).pdfMinuta_ Decisão Liminar - RCL 60201Assinado (1).pdf
Minuta_ Decisão Liminar - RCL 60201Assinado (1).pdf
 
Parecer técnico desmente voz de Eduardo Appio
Parecer técnico desmente voz de Eduardo AppioParecer técnico desmente voz de Eduardo Appio
Parecer técnico desmente voz de Eduardo Appio
 
Representação Rombo da Caixa - TCU - final.pdf
Representação Rombo da Caixa - TCU - final.pdfRepresentação Rombo da Caixa - TCU - final.pdf
Representação Rombo da Caixa - TCU - final.pdf
 
Painel-CAMINHONEIROS
Painel-CAMINHONEIROSPainel-CAMINHONEIROS
Painel-CAMINHONEIROS
 
Decisão Operação Venire
Decisão Operação Venire Decisão Operação Venire
Decisão Operação Venire
 
Agrishow cancela abertura
Agrishow cancela abertura Agrishow cancela abertura
Agrishow cancela abertura
 

Decisão a favor de Tacla Duran

  • 1. 16/03/2023, 15:55 :: 700013724472 - eproc - :: https://eproc.jfpr.jus.br/eprocV2/controlador.php?acao=minuta_imprimir&acao_origem=acessar_documento&hash=4feaa6764e39bb4b4aac9c842f9e9db7 1/6 Av. Anita Garibaldi, 888, 2º andar - Bairro: Cabral - CEP: 80540-901 - Fone: (41)3210-1680 - www.jfpr.jus.br - Email: prctb13@jfpr.jus.br AÇÃO PENAL Nº 5019961-43.2017.4.04.7000/PR AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RÉU: RODRIGO TACLA DURAN DESPACHO/DECISÃO 1. A defesa de RODRIGO TACLA DURAN, em manifestação acostada ao evento 218, requer, com fundamento na decisão proferida pela Colenda Segunda Turma do E. Supremo Tribunal Federal, na Reclamação 43.007, a revogação do mandado de segregação cautelar decretado nos autos de nº 5034144-88.2016.4.04.7000, de modo a preservar seu status libertatis. 2. Decido. Inicialmente, cumpre destacar que o princípio constitucional da DURAÇÃO RAZOÁVEL do processo criminal impõe ao julgador da causa (Poder Judiciário, de uma maneira geral) o dever de conduzir o processo criminal contra os cidadãos (brasileiros ou não) na forma mais expedita possível. O ônus que recai sobre os agentes do Estado lhes impõe o dever de cooperar, de forma ativa, para que o trâmite do processo criminal se dê com menor prejuízo possível à vida do cidadão, na medida em que a própria Constituição Federal de 1988 estabelece que NINGUÉM SERÁ CONSIDERADO CULPADO em matéria criminal até o trânsito em julgado (garantia constitucional explícita). Ora, nem se poderia aceitar uma longa marcha processual em desfavor do cidadão sem qualquer consequência prática em desfavor do poder/dever de agir do Estado. Além da própria prescrição em matéria penal, outras consequência exsurgem do descumprimento do dever estatal de conduzir os processos criminais da forma mais expedita possível, uma das quais, o próprio relaxamento da PRISÃO PREVENTIVA decretada pelo juízo da causa. O inverso, seria premiar a demora estatal, perenizando a restrição é liberdade física do cidadão envolvido, o qual teria de se socorrer de todos 5019961-43.2017.4.04.7000 700013724472 .V13 Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 13ª Vara Federal de Curitiba
  • 2. 16/03/2023, 15:55 :: 700013724472 - eproc - :: https://eproc.jfpr.jus.br/eprocV2/controlador.php?acao=minuta_imprimir&acao_origem=acessar_documento&hash=4feaa6764e39bb4b4aac9c842f9e9db7 2/6 os meios para prova (inversão do ônus da culpa penal) que não praticou os atos criminosos e que não mais estão presentes os requisitos da prisão cautelar. No presente caso, verifico que a verossimilhança dos fundamentos usados na decretação da prisão pelo Exmo Juiz Federal Sérgio Moro foi afetada pela nova decisão do STF (Reclamação 43007), a qual prenuncia a produção de diversas consequências práticas nos processos envolvendo a Odebrecht (suposta falha da forca tarefa do MPF na Lava Jato quando da manutenção da cadeia de custodia da prova eletrônica essencial ao processo - sistema Drousys). As garantias constitucionais são irrenunciáveis e protegem todos os cidadãos, especialmente quando a força coercitiva do Estado pode produzir danos irreparáveis na vida das pessoas, aniquilando, por completo, qualquer possibilidade de reversão futura dos já eventualmente ocasionados. A prisão cautelar é medida excepcional no ordenamento brasileiro. A presunção constitucional é de INOCÊNCIA e não o inverso. Inverter a presunção de inocência significa, na prática, erodir os mais comezinhos princípios jurídicos de caráter civilizatório, impondo ao cidadão comum um dever de autovigilância permanente que pode, na melhor da hipóteses, conduzir a graves problemas psíquicos dos afetados pela ação do Estado e, na pior das hipóteses, na aceitação de um Estado de matriz policialesca/totalitária. Nesse sentido, verifico que o MPF, em sua força tarefa, não teria zelado pela cadeia de custódia da prova, como revelam os diálogos da Vazajato - a qual teve sua autenticidade atestada pelo Supremo Tribunal Federal. Como revelado havia uma rede subterrânea de comunicação, digna de filme de espionagem, através da qual se selecionavam provas e alvos a serem atingidos, bem como quem seriam os juízes das causas criminais segundo as preferências da acusação (que é parte no processo). O cidadão Tacla Duran, como qualquer outra pessoa, merece e tem o direito constitucional de receber do Estado brasileiro uma jurisdição serena, apolítica e republicana, na qual os dois pilares fundamentais são a certeza do conteúdo da acusação (para que possa se defender), bem como plena isenção dos agentes de Estado (juízes, procuradores, policiais e demais protagonistas). 5019961-43.2017.4.04.7000 700013724472 .V13 Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 13ª Vara Federal de Curitiba
  • 3. 16/03/2023, 15:55 :: 700013724472 - eproc - :: https://eproc.jfpr.jus.br/eprocV2/controlador.php?acao=minuta_imprimir&acao_origem=acessar_documento&hash=4feaa6764e39bb4b4aac9c842f9e9db7 3/6 O próprio Supremo Tribunal tem, graças aos precedentes históricos firmados pelos Ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, modulado a força probatória das chamadas delações premiadas, devidamente precedidas de prisões cautelares, de maneira a impor ao Estado acusador o ônus de também buscar outros meios de prova. Neste ponto, ainda é salutar reproduzir parte do voto histórico do Ministro Celso de Mello, quando do julgamento da constitucionalidade da chamada "prisão em segunda instância" (ADC 43 MC DF): "(...) a presunção de inocência, a que já se referia Tomás de Aquino em sua “Suma Teológica”, constitui resultado de um longo processo de desenvolvimento político-jurídico, com raízes, para alguns , na Magna Carta inglesa (1215), embora, segundo outros autores, o marco histórico de implantação desse direito fundamental resida no século XVIII, quando, sob o influxo das ideias iluministas, veio esse direito-garantia a ser consagrado, inicialmente, na Declaração de Direitos do Bom Povo da Virgínia (1776). A consciência do sentido fundamental desse direito básico, enriquecido pelos grandes postulados políticos, doutrinários e filosóficos do Iluminismo, projetou-se, com grande impacto, na Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, de 1789, cujo art. 9º solenemente proclamava a presunção de inocência, com expressa repulsa às práticas absolutistas do Antigo Regime . Mostra-se importante assinalar, neste ponto, Senhor Presidente, que a presunção de inocência, legitimada pela ideia democrática – não obstante golpes desferidos por mentes autoritárias ou por regimes autocráticos que absurdamente preconizam o primado da ideia de que todos são culpados até prova em contrário (!?!?) –, tem prevalecido, ao longo de seu virtuoso itinerário histórico, no contexto das sociedades civilizadas, como valor fundamental e exigência básica de respeito à dignidade da pessoa humana." Não foi por outra razão que a Declaração Universal de Direitos da Pessoa Humana, promulgada em 10/12/1948, pela III Assembleia Geral da ONU, em reação aos abusos inomináveis cometidos pelos regimes totalitários nazi-fascistas, proclamou , em seu art. 11, que todos, sem exceção , presumem-se inocentes . Essa mesma reação do pensamento democrático, que não pode nem deve conviver com práticas, medidas ou interpretações que golpeiem o alcance e o conteúdo de tão fundamental prerrogativa assegurada a toda e qualquer pessoa, mostrou-se presente em outros importantes documentos internacionais, alguns de caráter regional, como a Declaração Americana dos Direitos e Deveres do Homem (Bogotá, 1948, Artigo XXVI), a Convenção Americana sobre Direitos Humanos (São José da Costa Rica, 1969, Artigo 8º, § 2º), a Convenção Europeia para Salvaguarda dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais (Roma, 1950, Artigo 6º, § 2º), a Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia (Nice, 2000, Artigo 48, § 1º), a Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos/Carta de Banjul (Nairóbi, 1981, Artigo 7º, § 1º, “ b”) e a Declaração Islâmica sobre Direitos Humanos (Cairo, 1990, Artigo 19, “ e”), e outros de caráter global, como o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos (Artigo 14, § 2º), adotado pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 1966." O princípio da presunção da inocência, previsto na Constituição de 1988, é instrumento de proteção do cidadão comum. Portanto, a alegação de que a presunção de inocência (reconhecida em todos os países civilizados do.mundo) protege somente os poderosos é uma falácia jurídica e somente serve de combustível político para insuflar as massas contra as instituições de Estado (especialmente STF) no exercício de tão 5019961-43.2017.4.04.7000 700013724472 .V13 Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 13ª Vara Federal de Curitiba
  • 4. 16/03/2023, 15:55 :: 700013724472 - eproc - :: https://eproc.jfpr.jus.br/eprocV2/controlador.php?acao=minuta_imprimir&acao_origem=acessar_documento&hash=4feaa6764e39bb4b4aac9c842f9e9db7 4/6 grave missão, por vezes conduzindo à destruição e ruptura com o Estado Democrático de Direito (como tantas e tao insistentes vezes ja vimos no curso do século XX). Aqueles que atacam a presunção de inocência parecem desconhecer a dimensão da imensa massa carceraria no país, bem como o fato de que a quase totalidade dos cidadãos acusados em juízo não conta com condições financeiras para ter uma assistência técnica de qualidade de um advogado criminalista. A doutrina e jurisprudência dos Tribunais Superiores sempre consideraram que as prisões cautelares são medidas excepcionais, as quais não podem se eternizar e que somente encontram abrigo nas hipóteses legais previstas no CPP, as quais não permitem (ou pelo menos não permitiam) interpretações extensivas. Aqueles que se insurgem contra estas garantidas constitucionais (com especial relevo na prova lícita em matéria criminal) acabam por se socorrer destes mesmos argumentos (e Poderes da República) que depredam e atacam através das redes sociais. Os próprios Ministros dos Tribunais Superiores têm sido vítimas constantes destes ataques ancorados em pilares intelectuais totalitários e policialescos, simplesmente pelo fato de que defendem a Constituição e a democracia no Brasil. O caso do cidadão Tacla Duran em nada difere dos demais. A sua eventual importância, em termos de estratégia da acusação feita pela então força tarefa MPF Lavajato, de modo algum tem a capacidade de reduzir a amplitude de sua proteção constitucional contra prisões arbitrárias ou desnecessárias. Todos somos contra a corrupção no país, como bem lembrou o eterno Ministro Ricardo Lewandowski, em tantas vezes no Plenário do Supremo Tribunal. Todavia, os meios para se atingir tão nobre desiderato devem ser empregados dentro da lei, assegurando-se imparcialidade do juízo, bem como a ampla defesa (a qual inclui imunidade do cidadão contra a personalização da perseguição estatal). A lei penal e a justiça criminal são impessoais e republicanas. O cidadão Tacla Duran tem, a meu ver, o direito de exercer seus direitos de defesa (devido processo legal substantivo) em liberdade, até que sobrevenha eventual condenação (até porque se encontra hoje amparado em recentissima decisão do Egregio Supremo Tribunal). 5019961-43.2017.4.04.7000 700013724472 .V13 Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 13ª Vara Federal de Curitiba
  • 5. 16/03/2023, 15:55 :: 700013724472 - eproc - :: https://eproc.jfpr.jus.br/eprocV2/controlador.php?acao=minuta_imprimir&acao_origem=acessar_documento&hash=4feaa6764e39bb4b4aac9c842f9e9db7 5/6 É chegado o tempo do Renascimento das garantias dos princípios constitucionais cultivados, com cuidado (porque frágeis ante a força policialesca do Estado) e os recentes eventos históricos de 8 de janeiro em Brasília renovam a sua importância prática. Neste contexto, observa-se que "versões deltônicas do papel da força Estado na vida do cidadão conduziram, após anos de críticas exageradas, à invasão da sede dos Poderes constituídos da República no ultimo dia 8 de janeiro deste ano." É preciso sempre lembrar, os dizeres do Exmo Ministro.Alexandre de Moraes, quando da abertura do ano judiciário na data de 01.02.2023 em Brasília de que "a defesa da democracia é um valor inegociável". Todos nós, cidadão comuns, juízes, procuradores, advogados, jornalistas, somos, em última análise, também responsáveis pela sobrevivência destas frágeis raízes da jovem democracia brasileira. A democracia, como ja dizia um jurista inglês ha mais de 100 anos, é aquele regime no qual quando alguém bate na sua porta as 6 da manhã, o dono da casa sabe que é o leiteiro. As experiências traumáticas da segunda guerra mundial nos ensinaram a todos sobre a importância do princípio da presunção de inocência. 3. Por todas estas considerações, concedo a liberdade provisoria (com condições) ao cidadão Rodrigo Tacla Duran. São as seguintes condições: 3.1. Prestar contas de suas atividades a este juízo federal criminal a casa dois meses, iniciando em maio de 2022. 3.2. Não se ausentar do Brasil sem prévia comunicação ao juízo. 3.3. Envidar todos os esforços na repatriação de valores eventualmente depositados em contas no exterior de nosso pais. Fica, pois, revogada a prisão preventiva do acusado, a partir da data de hoje. Comunique se a policia federal que cuida do trânsito nas fronteiras terrestres e aéreas. 5019961-43.2017.4.04.7000 700013724472 .V13 Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 13ª Vara Federal de Curitiba
  • 6. 16/03/2023, 15:55 :: 700013724472 - eproc - :: https://eproc.jfpr.jus.br/eprocV2/controlador.php?acao=minuta_imprimir&acao_origem=acessar_documento&hash=4feaa6764e39bb4b4aac9c842f9e9db7 6/6 Documento eletrônico assinado por EDUARDO FERNANDO APPIO, Juiz Federal, na forma do artigo 1º, inciso III, da Lei 11.419, de 19 de dezembro de 2006 e Resolução TRF 4ª Região nº 17, de 26 de março de 2010. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico http://www.trf4.jus.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento do código verificador 700013724472v13 e do código CRC 5bc248bd. Informações adicionais da assinatura: Signatário (a): EDUARDO FERNANDO APPIO Data e Hora: 16/3/2023, às 14:20:24 5019961-43.2017.4.04.7000 700013724472 .V13 Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 13ª Vara Federal de Curitiba