SlideShare uma empresa Scribd logo
Curso de Direto do Consumidor - Código de Defesa do Consumidor
Professor Fabrício Bolzan
Aulas exibidas nos dias 18, 19, 20, 21 e 22 de agosto de 2008
1ª AULA
Temas: Breve Histórico e Relação Jurídica de Consumo
Sinopse: Na primeira aula trataremos da evolução histórica do Direito do Consumidor,
mais precisamente o porquê da necessidade de lei específica regulamentando o tema.
Também cuidaremos da relação jurídica de consumo e a definição de consumidor,
fornecedor, produtos e serviços. Por fim, comentaremos um artigo do site infra.
INDICAÇÃO DE SITE INSTITUCIONAL:
1ª Aula – Tema: incidência do CDC aos Bancos
www.brasilcon.org.br
link direto:
http://www.brasilcon.org.br/web/artigos/artigosver.asp?id=22
2ª AULA
Temas: Direitos Básicos do Consumidor e Princípios do CDC
Sinopse: A segunda aula demonstrará que o CDC é realmente uma lei principiológica,
na medida em que trabalharemos com os princípios do CDC, além dos Direitos Básicos
do Consumidor. Ademais, poderemos responder a seguinte pergunta:
SUGESTÃO DE PERGUNTA:
Aula 2: "Como eu, consumidor, tenho condições de comprovar que um produto ou
serviço é defeituoso? Existe algum instrumento no CDC capaz de facilitar a minha
defesa nesse caso?"
Entendo que nessa aula caberia ainda:
SUGESTÃO DE TEMA PARA MATÉRIA EXTERNA SOBRE DIREITO DO
CONSUMIDOR: O que mudou na vida do consumidor nos 18 anos do CDC,
principalmente no tocante a importância dos órgãos e entidades de defesa do
consumidor como os PROCONs e o BRASILCON
3ª AULA
Tema: Responsabilidade Civil no CDC
Sinopse: Na terceira aula falaremos da responsabilidade objetiva no CDC e a exceção à
essa regra, ou seja, a responsabilidade subjetiva do profissional liberal. Abordaremos
ainda os prazos decadenciais e o prazo prescricional previstos no CDC. Em última
análise, responderemos a pergunta cuja sugestão segue abaixo:
SUGESTÃO DE PERGUNTA:
Aula 3: "Qual o prazo que tenho para trocar uma TV com problemas? Formulei uma
reclamação por escrito à loja em que comprei a TV e até hoje não recebi resposta."
4ª AULA
Temas: Oferta e Publicidade no CDC
Sinopse: Inicialmente trabalharemos com o conceito de oferta no CDC, bem como
estudaremos suas principais características. Na seqüência, falaremos da publicidade
como principal manifestação da oferta e de suas modalidades, a enganosa e a abusiva.
Por fim, responderemos a pergunta infra:
SUGESTÃO DE PERGUNTA:
Aula 4: "A publicidade das bebidas alcoólicas tem que respeitar o CDC? Faço a
pergunta porque diariamente assisto a publicidade desse produto e acredito que a
advertência 'beba com moderação' não adverte nada."
5ª Aula
Tema: Proteção Contratual no CDC
Sinopse: Na última aula, encerraremos o curso com a proteção contratual e
abordaremos o contrato de adesão, as compras fora do estabelecimento comercial e as
cláusulas abusivas. Sugerimos ainda a leitura de duas súmulas recentes do STJ,
conforme link abaixo:
INDICAÇÃO DE SITE INSTITUCIONAL:
5ª Aula – Tema: Súmulas 356 e 357 do STJ
www.stj.gov.br
link direto: http://www.stj.gov.br/portal_stj/publicacao/engine.wsp?
tmp.area=398&tmp.texto=88092&tmp.area_anterior=44&tmp.argumento_pesquisa=sú
mula%20357
Histórico
I - Revolução Industrial:
Aumento da população nos grandes centros;
Surgimento de um novo modelo de produção – produção em série, standartização da
produção, homogeneização da produção.
II – Segunda Guerra Mundial – tecnologia de ponta – consolidação do novo modelo
Característica do novo modelo: unilateralidade na produção.
Intervenção Estatal
1- Legislativo;
2- Executivo;
3- Judiciário.
A Proteção do Consumidor na CF/88
Explícita:
Art. 5º, XXXII da CF;
Art. 170, V da CF;
Art. 48 do ADCT.
Relação Jurídica de Consumo
É a relação jurídica existente entre fornecedor e consumidor tendo por objeto a
aquisição de produtos ou utilização de serviços pelo consumidor (Nelson Nery
Jr.)
Sujeitos da Relação - Consumidor
CDC traz quatro definições:
I – Consumidor em sentido estrito - artigo 2º, caput, CDC: “a pessoa física ou jurídica
que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final”.
Sujeitos da Relação - Consumidor
Consumidor Destinatário Final:
1ª) Teoria Finalista;
2ª) Teoria Maximalista.
Posição STJ: Teoria Finalista Atenuada.
REsp 476428 / SC – 19/04/2005
Direito do Consumidor. Recurso especial. Conceito de consumidor. Critério subjetivo
ou finalista. Mitigação. Pessoa Jurídica. Excepcionalidade. Vulnerabilidade.
Mesmo nas relações entre pessoas jurídicas, se da análise da hipótese concreta decorrer
inegável vulnerabilidade entre a pessoa-jurídica consumidora e a fornecedora,
deve-se aplicar o CDC na busca do equilíbrio entre as partes.
Ao consagrar o critério finalista para interpretação do conceito de consumidor, a
jurisprudência deste STJ também reconhece a necessidade de, em situações
específicas, abrandar o rigor do critério subjetivo do conceito de consumidor, para
admitir a aplicabilidade do CDC nas relações entre fornecedores e consumidores-
empresários em que fique evidenciada a relação de consumo (Neste sentido REsp
nº 716.877-SP de 22/3/2007).
Posição STJ
Ag 686793 – 01.11.2006
AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO ESPECIAL. HIPÓTESE DE CONSUMO
INTERMEDIÁRIO. INAPLICABILIDADE DO CDC. AGRAVO A QUE SE
NEGA PROVIMENTO.
No que tange à definição de consumidor, a Segunda Seção desta Corte, ao julgar, aos
10.11.2004, o REsp nº 541.867/BA, perfilhou-se à orientação doutrinária finalista
ou subjetiva, de sorte que, de regra, o consumidor intermediário, por adquirir
produto ou usufruir de serviço com o fim de, direta ou indiretamente, dinamizar ou
instrumentalizar seu próprio negócio lucrativo, não se enquadra na definição
constante no art. 2º do CDC.
Conceitos de consumidor por equiparação:
II –artigo 2º, parágrafo único, CDC: “equipara-se a consumidor a coletividade de
pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de
consumo”.
III - artigo 17, CDC: “equiparam-se aos consumidores todas as vítimas do evento
danoso”.
Protege-se a figura do bystander.
IV - artigo 29, CDC: “Para os fins deste Capítulo e do seguinte, equiparam- se aos
consumidores todas as pessoas determináveis ou não, expostas às práticas nele
previstas”.
Todas as pessoas determináveis ou não, expostas às práticas comerciais e contratuais.
Sujeitos da Relação - Fornecedor
Artigo 3º do CDC: “é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou
estrangeira, bem como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividades
de produção, montagem, criação, construção, transformação, importação,
exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou prestação de
serviços”.
Posição STJ
REsp 310953 / SP – 10/04/2007
FURTO DE MOTOCICLETA NAS DEPENDÊNCIAS DE CLUBE SÓCIO-
RECREATIVO. ESTACIONAMENTO. INDENIZAÇÃO INDEVIDA.
Inexistindo expressa previsão estatutária, não é a entidade sócio- recreativa, assim
como por igual acontece nos condomínios, responsável pelo furto de veículos
ocorrido em suas dependências, dada a natureza comunitária entre os filiados,
sem caráter lucrativo.
Posição STJ
REsp 650791 / RJ – 06/04/2006
TRIBUTÁRIO. TAXA DE ESGOTO. COBRANÇA INDEVIDA. RELAÇÃO DE
CONSUMO. CONDOMÍNIO.
1. É inaplicável o Código de Defesa de Consumidor às relações entre os condôminos e o
condomínio quanto às despesas de manutenção deste.
2. Existe relação de consumo entre o condomínio de quem é cobrado indevidamente
taxa de esgoto e a concessionária de serviço público.
3. Aplicação do artigo 42 do Código de Defesa de Consumidor que determina o
reembolso em dobro.
Objetos da Relação - Produto
Artigo 3º, §1º, CDC: “é todo bem, móvel ou imóvel, material ou imaterial”.
Objetos da Relação - Serviço
Artigo 3º, §2º, CDC: “é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo,
mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e
securitária, salvo as decorrentes das relações de caráter trabalhista”.
Serviço gratuito não está protegido pelo CDC.
Serviço Público
Artigo 22 do CDC: “Os órgãos públicos, por si ou suas empresas, concessionárias,
permissionárias ou sob qualquer outra forma de empreendimento, são obrigados a
fornecer serviços adequados, eficientes, seguros e, quanto aos essenciais,
contínuos”.
Serviço Público e CDC
REsp 647710 / RJ – 20/06/2006
RECURSO ESPECIAL. ACIDENTE EM ESTRADA. ANIMAL NA PISTA.
RESPONSABILIDADE OBJETIVA DA CONCESSIONÁRIA DE SERVIÇO
PÚBLICO. CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PRECEDENTES.
CONSTITUCIONAL. ADMINISTRATIVO. CIVIL. RESPONSABILIDADE CIVIL
DO ESTADO: RESPONSABILIDADE OBJETIVA. PESSOAS JURÍDICAS DE
DIREITO PRIVADO PRESTADORAS DE SERVIÇO PÚBLICO.
CONCESSIONÁRIO OU PERMISSIONÁRIO DO SERVIÇO DE
TRANSPORTE COLETIVO. C.F., art. 37, § 6º. I. - A responsabilidade civil das
pessoas jurídicas de direito privado prestadoras de serviço público é objetiva
relativamente aos usuários do serviço, não se estendendo a pessoas outras que não
ostentem a condição de usuário. Exegese do art. 37, § 6º, da C.F. II. - R.E.
conhecido e provido. (RE 262651 – 16/11/2005).
Serviço Público e CDC
RE 459749 - Tribunal iniciou julgamento de recurso extraordinário interposto contra
acórdão prolatado pelo Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco que, com
base no princípio da responsabilidade objetiva (CF, art. 37, § 6º), condenara a
recorrente, empresa privada concessionária de serviço público de transporte, ao
pagamento de indenização por dano moral a terceiro não-usuário, atropelado por
veículo da empresa. O Min. Joaquim Barbosa, relator, negou provimento ao
recurso por entender que a responsabilidade civil das pessoas jurídicas de direito
privado prestadoras de serviço público é objetiva também relativamente aos
terceiros não-usuários do serviço. (30/10/07 - Acordo entre as partes)
Inadimplemento e Interrupção do Serviço Público
Corrente Minoritária – Não pode interromper serviço público essencial:
AgRg no REsp 298017 / MG – 03/04/2001
ADMINISTRATIVO. AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. ENERGIA
ELÉTRICA. SERVIÇO PÚBLICO ESSENCIAL. CORTE DE
FORNECIMENTO. CONSUMIDOR INADIMPLENTE. IMPOSSIBILIDADE.
Esta Corte vem reconhecendo ao consumidor o direito da utilização dos serviços
públicos essenciais ao seu cotidiano, como o fornecimento de energia elétrica, em
razão do princípio da continuidade (CDC, art. 22). O corte de energia, utilizado
pela Companhia para obrigar o usuário ao pagamento de tarifa em atraso,
extrapola os limites da legalidade, existindo outros meios para buscar o
adimplemento do débito.
Inadimplemento e Interrupção do Serviço Público
Corrente Majoritária – Pode interromper serviço público essencial, nos termos do art.
6º, §3º, II, da Lei nº 8987/95.
REsp 871176 / AL - 26/09/2006
ADMINISTRATIVO. SUSPENSÃO DO FORNECIMENTO DE ENERGIA
ELÉTRICA.
AUSÊNCIA DE AVISO PRÉVIO. IMPOSSIBILIDADE.
1. A Lei 8.987/95, que dispõe sobre o regime de concessão e permissão da prestação de
serviços públicos previsto no art. 175 da Constituição Federal, prevê, nos incisos I e II
do § 3º do art. 6º, duas hipóteses em que é legítima sua interrupção, em situação de
emergência ou após prévio aviso: (a) por razões de ordem técnica ou de segurança das
instalações; (b) por inadimplemento do usuário, considerado o interesse da coletividade.
2. No caso, o tribunal de origem consignou que os usuários não foram previamente
avisados do corte no fornecimento de energia elétrica, configurando-se ilegal a
suspensão do serviço.
3. Recurso especial a que se nega provimento.
REsp 596320 – 12/12/2006
AÇÃO CIVIL PÚBLICA. SERVIÇO PÚBLICO. FORNECIMENTO DE ÁGUA.
INTERRUPÇÃO. ART. 6, § 3º, INCISO II, DA LEI N.º 8.987/95.
LEGALIDADE.
Inadimplemento e Interrupção
RE-AgR 201630 / DF Relator(a): Min. ELLEN GRACIE
Julgamento: 11/06/2002
EMENTA: Serviço de fornecimento de água. Adicional de tarifa. Legitimidade. Mostra-
se coerente com a jurisprudência do Supremo Tribunal o despacho agravado, ao
apontar que o ajuste de carga de natureza sazonal, aplicável aos fornecimentos de
água pela CAESB, criado para fins de redução de consumo, tem caráter de
contraprestação de serviço e não de tributo. Precedentes: ERE 54.491, RE 85.268,
RE 77.77.162 e ADC 09. Agravo regimental desprovido.
Inadimplemento e Interrupção
Resp 887908/ MS - 14/08/2007
PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. AUSÊNCIA DE
PREQUESTIONAMENTO. SÚMULA N.º 282, DO STF.
CONTRAPRESTAÇÃO PELOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO.
NATUREZA JURÍDICA. NÃO-TRIBUTÁRIA. PREÇO PÚBLICO.
JURISPRUDÊNCIA DO STJ CONTRÁRIA À DO STF. REVISÃO QUE SE
IMPÕE.
(...) 5. A jurisprudência do E. STF uniformizou-se no sentido de considerar a
remuneração paga pelos serviços de água e esgoto como tarifa, afastando,
portanto, seu caráter tributário, ainda quando vigente a Constituição anterior (RE
n.º 54.491/PE de 1963).
Inadimplemento e Interrupção
REsp 791713 – 06/12/2005
PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. SUSPENSÃO DO FORNECIMENTO
DE ENERGIA ELÉTRICA. IMPOSSIBILIDADE. INADIMPLEMENTO.
UNIDADES PÚBLICAS ESSENCIAIS.INTERPRETAÇÃO SISTEMÁTICA
DOS ARTS. 22 DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR E 6º, § 3º, II,
DA LEI Nº 8.987/95.
Inadimplemento e Interrupção
REsp 649746 – 21/09/2006 ADMINISTRATIVO. ALEGADA VIOLAÇÃO DOS
ARTS. 6º, § 3º, II, DA LEI 8.987/95,E17, PARÁGRAFO ÚNICO, DA LEI
9.427/96. NÃO-OCORRÊNCIA. FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA
DESTINADA À ILUMINAÇÃO PÚBLICA. INTERRUPÇÃO.
IMPOSSIBILIDADE. TUTELA DO INTERESSE PÚBLICO MAIOR.
PRECEDENTES.
Inadimplemento e Interrupção
EDcl no AgRg no Ag 466122 / MS-03/05/2005
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO
ESPECIAL. ADMINISTRATIVO. CORTE DO FORNECIMENTO DE
ENERGIA ELÉTRICA. INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR.
LEGALIDADE.
Não obstante, ressalvo o entendimento de que o corte do fornecimento de serviços
essenciais - água e energia elétrica – como forma de compelir o usuário ao
pagamento de tarifa ou multa, extrapola os limites da legalidade e afronta a
cláusula pétrea de respeito à dignidade humana, porquanto o cidadão se utiliza
dos serviços públicos posto essenciais para a sua vida, curvo-me ao
posicionamento majoritário da Seção.
Inadimplemento e Interrupção
EDcl no AgRg no Ag 466122 / MS-03/05/2005
Esses fatos conduzem a conclusão contrária à possibilidade de corte do fornecimento de
serviços essenciais de pessoa física em situação de miserabilidade, em contra-
partida ao corte de pessoa jurídica portentosa, que pode pagar e protela a prestação
da sua obrigação, aproveitando-se dos meios judiciais cabíveis.
Inadimplemento e Interrupção
AgRg no REsp 820665 / RS – 18/05/2006
PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. AGRAVO REGIMENTAL. CORTE
NO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. CABIMENTO NO CASO
DO ART. 6º, § 3º, II, DA LEI Nº 8.987/95. IMPOSSIBILIDADE DE
SUSPENSÃO DO ABASTECIMENTO NA HIPÓTESE DE EXIGÊNCIA DE
DÉBITO PRETÉRITO. CARACTERIZAÇÃO DE CONSTRANGIMENTO E
AMEAÇA AO CONSUMIDOR. ART. 42 DO CDC. PRECEDENTES.
Serviço Bancário
Posicionamento da Doutrina
Posicionamento da Jurisprudência:
Súmula 297 do STJ: “O CDC é aplicável às instituições financeiras”;
ADI 2591 / DF – 07/06/2006 – Ajuizada pela CONSIF
Serviço Bancário
ADI 2591 / DF – 07/06/2006
INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS. SUJEIÇÃO DELAS AO CÓDIGO DE DEFESA
DO CONSUMIDOR, EXCLUÍDAS DE SUA ABRANGÊNCIA A DEFINIÇÃO
DO CUSTO DAS OPERAÇÕES ATIVAS E A REMUNERAÇÃO DAS
OPERAÇÕES PASSIVAS PRATICADAS NA EXPLORAÇÃO DA
INTERMEDIAÇÃO DE DINHEIRO NA ECONOMIA [ART. 3º, § 2º, DO CDC].
MOEDA E TAXA DE JUROS. DEVER-PODER DO BANCO CENTRAL DO
BRASIL. IMPROCEDÊNCIA
Serviço Bancário
REsp 715894 / PR - 26/04/2006
Direito bancário. Contrato de abertura de crédito em conta corrente. Juros
remuneratórios. Previsão em contrato sem a fixação do respectivo montante.
Abusividade, uma vez que o preenchimento do conteúdo da cláusula é deixado ao
arbítrio da instituição financeira (cláusula potestativa pura). Limitação dos juros à
média de mercado (arts. 112 e 113 do CC/02).
Na hipótese de o contrato prever a incidência de juros remuneratórios, porém sem lhe
precisar o montante, está correta a decisão que considera nula tal cláusula porque
fica ao exclusivo arbítrio da instituição financeira o preenchimento de seu
conteúdo. A fixação dos juros, porém, não deve ficar adstrita ao limite de 12% ao
ano, mas deve ser feita segundo a média de mercado nas operações da espécie.
Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor
1º) Dignidade da pessoa humana: é garantia fundamental que ilumina todos os demais
princípios e normas do ordenamento jurídico pátrio. Art. 1º, III da CF e art. 4º ,
caput do CDC;
Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor
2º) Proteção à vida, saúde e segurança: corolário do princípio da dignidade. Arts. 4º,
caput, 6º, I e 10, do CDC.
Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor
3º) Transparência: art. 4º, caput, do CDC.
Dever de informar:
Art. 6º “São direitos básicos do consumidor:
III - a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com
especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade e
preço, bem como sobre os riscos que apresentem”;
Art. 46 “Os contratos que regulam as relações de consumo não obrigarão os
consumidores, se não lhes for dada a oportunidade de tomar conhecimento prévio
de seu conteúdo, ou se os respectivos instrumentos forem redigidos de modo a
dificultar a compreensão de seu sentido e alcance”.
Art. 9° “O fornecedor de produtos e serviços potencialmente nocivos ou perigosos à
saúde ou segurança deverá informar, de maneira ostensiva e adequada, a respeito
da sua nocividade ou periculosidade, sem prejuízo da adoção de outras medidas
cabíveis em cada caso concreto”.
Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor
4º) Harmonia - Art. 4º, caput e III, do CDC.
*Boa-fé objetiva: DEVERES ANEXOS:
I – Informação;
II – Cooperação;
III - Proteção.
*Equilíbrio: O CDC confere uma série de prerrogativas ao consumidor, visando
equilibrar a relação de consumo.
Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor
5º) Vulnerabilidade - art. 4º, I, do CDC: o consumidor é a parte mais fraca na relação
jurídica de consumo.
Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor
6º) Proteção contra a publicidade enganosa e abusiva;
7º) Proibição das práticas e cláusulas abusivas;
Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor
8º) Conservação dos Contratos de Consumo
Princípio explícito no art. 51, §2º do CDC:
“A nulidade de uma cláusula contratual abusiva não invalida o contrato, exceto quando
de sua ausência, apesar dos esforços de integração, decorrer ônus excessivo a
qualquer das partes”.
Princípio implícito no art. 6º, V, do CDC:
“a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações
desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que as tornem
excessivamente onerosas” (Teoria do rompimento da base objetiva do negócio
jurídico).
Posição STJ
REsp 367144 / RJ – 26/02/2002
Direito comercial e econômico. Recurso especial. Contrato de arrendamento mercantil
(leasing). Instituições financeiras. Aplicação do CDC. Reajuste contratual
vinculado à variação cambial do dólar americano.
O Código de Defesa do Consumidor aplica-se aos contratos de arrendamento mercantil.
O abandono do sistema de bandas para cotação da moeda americana, que resultou
em considerável aumento de seu valor perante o real, constitui fato superveniente
capaz de ensejar a revisão do contrato de arrendamento mercantil atrelado ao
dólar, haja vista ter colocado o consumidor em posição de extrema desvantagem.
Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor
9º) Responsabilidade Solidária
Art. 7º, parágrafo único, do CDC:
“Tendo mais de um autor a ofensa, todos responderão solidariamente pela reparação dos
danos previstos nas normas de consumo”.
Art. 25, § 1°, do CDC: “Havendo mais de um responsável pela causação do dano, todos
responderão solidariamente pela reparação prevista nesta e nas seções anteriores”.
Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor
10º) Inversão do ônus da prova
Art. 6º, VIII, do CDC:
“a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a
seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação
ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências”
Inversão ope judicis
REsp 435572 / RJ - 03/08/2004
PROCESSUAL CIVIL. ACÓRDÃO. OMISSÃO. OCORRÊNCIA. CONSUMIDOR.
ÔNUS DA PROVA. INVERSÃO. INTELIGÊNCIA DO ART. 6º, VIII DA LEI
Nº 8.078/90.
1 - A inversão ou não do ônus da prova, prevista no art. 6º, VIII da Lei nº 8.078/90,
depende da análise de requisitos básicos (verossimilhança das alegações e
hipossuficiência do consumidor), aferidas com base nos aspectos fático-
probatórios peculiares de cada caso concreto.
REsp 615684 / SP - 28/06/2005
Ação de revisão de contrato bancário. Inversão do ônus da prova. Pagamento das
despesas pela produção da prova. Precedentes da Terceira Turma.
1. Ficou assentado na Terceira Turma que a "inversão do ônus da prova não tem o efeito
de obrigar a parte contrária a arcar com as custas da prova requerida pelo consumidor.
No entanto, sofre as conseqüências processuais advindas de sua não produção" (REsp
n° 443.208/RJ, Relatora a Ministra Nancy Andrighi, DJ de 17/3/03; no mesmo sentido:
AgRgREsp n° 542.241/RJ, Relatora a Ministra Nancy Andrighi, DJ de 19/4/04; REsp
n° 435.155/MG, de minha relatoria, DJ de 11/5/03; REsp n° 466.604/RJ, Relator o
Ministro Ari Pargendler, DJ de 2/6/03).
2. Recurso especial conhecido e provido, em parte.
Inversão ope legis – Art. 38, do CDC:
“O ônus da prova da veracidade e correção da informação ou comunicação publicitária
cabe a quem as patrocina”.
Momento da inversão:
I – Despacho da petição inicial;
II – Sentença (regra de julgamento);
III – No saneamento (regra de procedimento).
Posição STJ
REsp 662608 / SP – 12/12/2006
RECURSO ESPECIAL. CDC. APLICABILIDADE ÀS INSTITUIÇÕES
FINANCEIRAS. ENUNCIADO N. 297 DA SÚMULA DO STJ. INVERSÃO DO
ÔNUS DA PROVA (ART. 6º, INCISO VIII, DO CDC). MOMENTO
PROCESSUAL. FASE INSTRUTÓRIA. POSSIBILIDADE.
Mesmo que controverso o tema, dúvida não há quanto ao cabimento da inversão do
ônus da prova ainda na fase instrutória – momento, aliás, logicamente mais
adequado do que na sentença, na medida em que não impõe qualquer surpresa às
partes litigantes -, posicionamento que vem sendo adotado por este Superior
Tribunal, conforme precedentes.
Posição STJ
REsp 422778 / SP – 19/06/2007
Responsabilidade civil. Indenização por danos materiais e compensação por danos
morais. Causa de pedir. Cegueira causada por tampa de refrigerante quando da
abertura da garrafa. Procedente. Obrigação subjetiva de indenizar. Súmula 7/STJ.
Prova de fato negativo. Superação. Possibilidade de prova de afirmativa ou fato
contrário. inversão do ônus da prova em favor do consumidor. regra de
julgamento. Doutrina e jurisprudência.
Conforme posicionamento dominante da doutrina e da jurisprudência, a inversão do
ônus da prova, prevista no inc. VIII, do art. 6.º do CDC é regra de julgamento.
Vencidos os Ministros Castro Filho e Humberto Gomes de Barros.
Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor
11º) Efetiva prevenção e reparação de danos
Art. 6º, VI, do CDC:
“a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos
e difusos”.
REsp Nº 986.947 – RN - 11 de março de 2008.
DIREITO CIVIL E CONSUMIDOR. PLANO DE SAÚDE. INCIDÊNCIA DO CDC.
PRÓTESE NECESSÁRIA À CIRURGIA DE ANGIOPLASTIA. ILEGALIDADE DA
EXCLUSÃO DE “STENTS” DA COBERTURA SECURITÁRIA. DANO MORAL
CONFIGURADO. MAJORAÇÃO DOS DANOS MORAIS.
- Conquanto geralmente nos contratos o mero inadimplemento não seja causa para
ocorrência de danos morais, a jurisprudência desta Corte vem reconhecendo o direito ao
ressarcimento dos danos morais advindos da injusta recusa de cobertura de seguro
saúde, pois tal fato agrava a situação de aflição psicológica e de angústia no espírito do
segurado, uma vez que, ao pedir a autorização da seguradora, já se encontra em
condição de dor, de abalo psicológico e com a saúde debilitada.
- A quantia de R$5.000,00, considerando os contornos específicos do litígio, em que se
discute a ilegalidade da recusa de cobrir o valor de “stents” utilizados em angioplastia,
não compensam de forma adequada os danos morais. Condenação majorada.
Recurso especial não conhecido e recurso especial adesivo conhecido e provido.
REsp 628854 / ES - 03/05/2007
RECURSO ESPECIAL. VIOLAÇÃO AO ARTIGO 535 DO CÓDIGO DE
PROCESSO CIVIL. INOCORRÊNCIA. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. COMPRA DE
VEÍCULO 'ZERO' DEFEITUOSO. DANOS MORAIS. INEXISTÊNCIA. MERO
DISSABOR.
II. Os danos morais surgem em decorrência de uma conduta ilícita ou injusta, que venha
a causar forte sentimento negativo em qualquer pessoa de senso comum, como vexame,
constrangimento, humilhação, dor. Isso, entretanto, não se vislumbra no caso dos autos,
uma vez que os aborrecimentos ficaram limitados à indignação da pessoa, sem qualquer
repercussão no mundo exterior. Recurso especial parcialmente provido.
Responsabilidade no CDC
Regra - Responsabilidade Civil Objetiva: É aquela que independe da existência de
culpa.
Elementos a provar: produto defeituoso, eventus damni, relação de causalidade entre
ambos.
REsp 475039 / MS – 27/02/2007
RECURSO ESPECIAL. RESPONSABILIDADE CIVIL. ACIDENTE
AUTOMOBILÍSTICO. FALHA NO SISTEMA DE TRAVAMENTO DE
FREIOS. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. CARÁTER
PROCRASTINATÓRIO NÃO VERIFICADO. MULTA AFASTADA. NEXO
CAUSAL VERIFICADO NAS INSTÂNCIAS ORDINÁRIAS. SÚMULA 7 DO
STJ. INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA. POSSIBILIDADE.
Teoria do Risco: a base da responsabilidade civil objetiva. Para essa teoria, toda pessoa
que exerce alguma atividade empresarial cria um risco de dano para terceiros e
deve ser obrigada a repará-lo, ainda que sua conduta seja isenta de culpa.
Responsabilidade no CDC
Diferença entre vício e defeito:
I - Parte da doutrina entende que vício e defeito são expressões distintas:
a) Vício: diz respeito à inadequação dos produtos e serviços para os fins a que se
destinam.
b) Defeito: diz respeito à insegurança de um produto ou um serviço.
O CDC prevê duas modalidades de responsabilidade:
1ª) responsabilidade pelo fato do produto e do serviço;
2ª) responsabilidade por vício do produto e do serviço.
Responsabilidade pelo Fato do Produto
Art. 12, do CDC. “O fabricante, o produtor, o construtor, nacional ou estrangeiro, e o
importador respondem, independentemente da existência de culpa, pela reparação
dos danos causados aos consumidores por defeitos decorrentes de projeto,
fabricação, construção, montagem, fórmulas, manipulação, apresentação ou
acondicionamento de seus produtos, bem como por informações insuficientes ou
inadequadas sobre sua utilização e riscos”.
Fato do produto: refere-se aos danos causados aos consumidores, os ditos acidentes de
consumo.
Responsabilidade pelo Fato do Produto
Art. 12, § 1° O produto é defeituoso quando não oferece a segurança que dele
legitimamente se espera, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre
as quais:
I - sua apresentação;
II - o uso e os riscos que razoavelmente dele se esperam;
III - a época em que foi colocado em circulação.
Art. 12, § 2º O produto não é considerado defeituoso pelo fato de outro de melhor
qualidade ter sido colocado no mercado.
AgRg no AI nº 693.303/DF - 18 de abril de 2006
CIVIL. PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO
ESPECIAL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS E MORAIS.
VIOLAÇÃO AO ART. 535 DO CPC. INEXISTÊNCIA. VÍCIO DE INFORMAÇÃO.
ANÁLISE. IMPOSSIBILIDADE. INCIDÊNCIA DA SÚMULA 07 DO STJ.
III. Ademais, o direito do consumidor se dá em relação à fidedignidade e qualidade do
produto que está comprando, não abrangendo, no caso de aquisição de veículo novo, o
acesso a informações precisas sobre futuros lançamentos da montadora, dado ao sigilo e
dinâmica de mercado próprios da indústria automobilística. Indevida, portanto,
indenização, se após a aquisição outro modelo, mais atualizado, veio a ser produzido.
IV. Agravo regimental desprovido.
Responsabilidade pelo Fato do Produto
O comerciante responderá nas hipóteses do art. 13 do CDC:
“O comerciante é igualmente responsável, nos termos do artigo anterior, quando:
I - o fabricante, o construtor, o produtor ou o importador não puderem ser identificados;
II - o produto for fornecido sem identificação clara do seu fabricante, produtor,
construtor ou importador;
III - não conservar adequadamente os produtos perecíveis”.
Direito de regresso:
Art. 13, parágrafo único: “Aquele que efetivar o pagamento ao prejudicado poderá
exercer o direito de regresso contra os demais responsáveis, segundo sua
participação na causação do evento danoso”.
É vedada a denunciação da lide – art. 88 CDC:
“Na hipótese do art. 13, parágrafo único deste código, a ação de regresso poderá ser
ajuizada em processo autônomo, facultada a possibilidade de prosseguir-se nos
mesmos autos, vedada a denunciação da lide”.
Responsabilidade pelo Fato do Produto
Fundamentos da vedação da denunciação da lide:
I – Traz nova pessoa à lide;
II – Traz nova causa de pedir.
III - Retarda a reparação dos danos sofridos pelo consumidor.
Responsabilidade pelo Fato do Produto
REsp 439233 / SP – 04/10/2007
CIVIL E PROCESSUAL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. DANOS MORAIS.
TRAVAMENTO DE PORTA DE AGÊNCIA BANCÁRIA. DENUNCIAÇÃO À
LIDE DA EMPRESA DE SEGURANÇA. REJEIÇÃO COM BASE NO ART. 88
DO CDC. VEDAÇÃO RESTRITA A RESPONSABILIDADE DO
COMERCIANTE (CDC, ART. 13). FATO DO SERVIÇO. AUSÊNCIA DE
RESTRIÇÃO COM BASE NA RELAÇÃO CONSUMERISTA. HIPÓTESE,
TODAVIA, QUE DEVE SER APRECIADA À LUZ DA LEI PROCESSUAL
CIVIL (ART. 70, III). ANULAÇÃO DO ACÓRDÃO.
Responsabilidade pelo Fato do Produto
REsp 439233 / SP – 04/10/2007
A vedação à denunciação à lide disposta no art. 88 da Lei n. 8.078/1990 restringe-se à
responsabilidade do comerciante por fato do produto (art. 13), não alcançando o
defeito na prestação de serviços (art. 14), situação, todavia, que não exclui o
exame do caso concreto à luz da norma processual geral de cabimento da
denunciação, prevista no art. 70, III, da lei adjetiva civil.
Responsabilidade pelo Fato do Produto
Excludentes de responsabilidade – art. 12, §3º CDC:
“O fabricante, o construtor, o produtor ou importador só não será responsabilizado
quando provar:
I - que não colocou o produto no mercado;
II - que, embora haja colocado o produto no mercado, o defeito inexiste;
III - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro”.
Responsabilidade pelo Fato do Serviço
Responsabilidade pelo fato do serviço: art. 14, do CDC:
“O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela
reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação
dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua
fruição e riscos”.
Responsabilidade pelo Fato do Serviço
Serviço defeituoso - art. 14, §1º, do CDC:
“O serviço é defeituoso quando não fornece a segurança que o consumidor dele pode
esperar, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais:
I - o modo de seu fornecimento;
II - o resultado e os riscos que razoavelmente dele se esperam;
III - a época em que foi fornecido.
§ 2º O serviço não é considerado defeituoso pela adoção de novas técnicas.
Responsabilidade pelo Fato do Serviço
Causas excludentes de responsabilidade – art. 14, §3º, do CDC:
“O fornecedor de serviços só não será responsabilizado quando provar:
I - que, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste;
II - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro”.
Posição do STJ
REsp 226348 / SP – 19/09/2006
RECURSO ESPECIAL. RESPONSABILIDADE CIVIL. TRANSPORTE
FERROVIÁRIO. 'PINGENTE'. CULPA CONCORRENTE. PRECEDENTES DA
CORTE.
I - É dever da transportadora preservar a integridade física do passageiro e transportá-lo
com segurança até o seu destino.
II - A responsabilidade da companhia de transporte ferroviário não é excluída por viajar
a vítima como "pingente", podendo ser atenuada se demonstrada a culpa
concorrente.
Posição do STJ
REsp 437195 / SP – 19/06/2007
"Neste Superior Tribunal de Justiça, prevalece a orientação jurisprudencial no sentido
de que é civilmente responsável, por culpa concorrente, a concessionária do
transporte ferroviário pelo falecimento de pedestre vítima de atropelamento por
trem em via férrea, porquanto incumbe à empresa que explora essa atividade
cercar e fiscalizar, devidamente, a linha, de modo a impedir sua invasão por
terceiros, notadamente em locais urbanos e populosos. Embargos de divergência
não conhecidos. (EREsp 705.859/SP)
Posição do STJ
REsp 142186 / SP - 27/02/2007
RECURSO ESPECIAL. RESPONSABILIDADE CIVIL. HOMICÍDIO NO INTERIOR
DE VAGÃO. CASO FORTUITO OU FORÇA MAIOR. EXCLUDENTE DE
RESPONSABILIDADE. RECURSO PROVIDO.
1. O fato de terceiro, que não exime de responsabilidade a empresa transportadora, é
aquele que guarda uma relação de conexidade com o transporte.
2. Recurso conhecido e provido.
Posição do STJ
REsp 750418 / RS – 12/09/2006
CIVIL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. CHEQUES FURTADOS DE AGÊNCIA
BANCÁRIA. USO INDEVIDO POR TERCEIRO. DEVOLUÇÃO
INJUSTIFICADA DE CHEQUES EMITIDOS PELAS CORRENTISTAS.
DANO MORAL. VALOR. MANUTENÇÃO. JUROS MORATÓRIOS.
CÁLCULO.
I. A segurança é prestação essencial à atividade bancária.
II. Não configura caso fortuito ou força maior, para efeito de isenção de
responsabilidade civil, a ação de terceiro que furta, do interior do próprio banco,
talonário de cheques emitido em favor de cliente do estabelecimento.
III. Ressarcimento devido às autoras, pela reparação dos danos morais por elas sofridos
pela circulação de cheques falsos em seus nomes, gerando constrangimentos
sociais, como a devolução indevida de cheques regularmente emitidos pelas
correntistas e injustificadamente devolvidos.
Responsabilidade Profissional Liberal
Exceção à regra – Responsabilidade Subjetiva – art. 14, §4º, do CDC:
“A responsabilidade pessoal dos profissionais liberais será apurada mediante a
verificação de culpa”.
Razões do tratamento diferenciado:
I - natureza intuito pesonae da atividade;
II – em regra exerce atividade de meio.
A responsabilidade subjetiva não exclui a possibilidade de inversão do ônus da prova.
Posição do STJ
AgRg no REsp 256174 / DF – 04/11/2004
AGRAVO REGIMENTAL. RESPONSABILIDADE MÉDICA. OBRIGAÇÃO DE
MEIO. REEXAME FÁTICO-PROBATÓRIO. SÚMULA 07/STJ. INCIDÊNCIA.
1. Segundo doutrina dominante, a relação entre médico e paciente é contratual e encerra,
de modo geral (salvo cirurgias plásticas embelezadoras), obrigação de meio e não
de resultado. Precedente.
Posição do STJ
REsp 258389 / SP – 16/06/2005
CIVIL. INDENIZAÇÃO. MORTE. CULPA. MÉDICOS. AFASTAMENTO.
CONDENAÇÃO. HOSPITAL. RESPONSABILIDADE. OBJETIVA.
IMPOSSIBILIDADE.
1 - A responsabilidade dos hospitais, no que tange à atuação técnico-profissional dos
médicos que neles atuam ou a eles sejam ligados por convênio, é subjetiva, ou
seja, dependente da comprovação de culpa dos prepostos, presumindo-se a dos
preponentes.
Posição do STJ
REsp 629212 / RJ - 15/05/2007
RESPONSABILIDADE CIVIL. CONSUMIDOR. INFECÇÃO HOSPITALAR.
RESPONSABILIDADE OBJETIVA DO HOSPITAL. ART. 14 DO CDC. DANO
MORAL. QUANTUM INDENIZATÓRIO.
O hospital responde objetivamente pela infecção hospitalar, pois esta decorre do fato da
internação e não da atividade médica em si. O valor arbitrado a título de danos
morais pelo Tribunal a quo não se revela exagerado ou desproporcional às
peculiaridades da espécie, não justificando a excepcional intervenção desta Corte
para revê-lo.
Responsabilidade do Advogado e CDC
REsp 757867 / RS – 21/09/2006
PROCESSUAL - AÇÃO DE ARBITRAMENTO DE HONORÁRIOS - PRESTAÇÃO
DE SERVIÇOS ADVOCATÍCIOS - CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR
– NÃO APLICAÇÃO - CLÁUSULA ABUSIVA - PACTA SUNT SERVANDA.
- Não incide o CDC nos contratos de prestação de serviços advocatícios. Portanto, não
se pode considerar, simplesmente, abusiva a cláusula contratual que prevê
honorários advocatícios em percentual superior ao usual. Prevalece a regra do
pacta sunt servanda. (contra Resp 364168)
Responsabilidade pelo Vício do Produto
Art. 18, caput, do CDC:
“Os fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não duráveis respondem
solidariamente pelos vícios de qualidade ou quantidade que os tornem impróprios
ou inadequados ao consumo a que se destinam ou lhes diminuam o valor, assim
como por aqueles decorrentes da disparidade, com as indicações constantes do
recipiente, da embalagem, rotulagem ou mensagem publicitária, respeitadas as
variações decorrentes de sua natureza, podendo o consumidor exigir a substituição
das partes viciadas”.
Responsabilidade pelo Vício do Produto
Vício de qualidade: aquele que torne o produto impróprio , inadequado , lhe diminua
o valor ou esteja em desacordo com informações da oferta.
Respeitadas as variações decorrentes de sua natureza.
Responsabilidade pelo Vício do Produto
Alternativas ao Consumidor art. 18, do CDC
“§ 1° Não sendo o vício sanado no prazo máximo de trinta dias, pode o consumidor
exigir, alternativamente e à sua escolha:
I - a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições de uso;
II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de
eventuais perdas e danos;
III - o abatimento proporcional do preço.
Responsabilidade pelo Vício do Produto
Art. 18, § 2°, do CDC:
“Poderão as partes convencionar a redução ou ampliação do prazo previsto no parágrafo
anterior, não podendo ser inferior a sete nem superior a cento e oitenta dias. Nos
contratos de adesão, a cláusula de prazo deverá ser convencionada em separado,
por meio de manifestação expressa do consumidor”.
Responsabilidade pelo Vício do Produto
Art. 18, § 4°, do CDC:
“Tendo o consumidor optado pela alternativa do inciso I do § 1° deste artigo, e não
sendo possível a substituição do bem, poderá haver substituição por outro de
espécie, marca ou modelo diversos, mediante complementação ou restituição de
eventual diferença de preço, sem prejuízo do disposto nos incisos II e III do § 1°
deste artigo”.
Art. 18, § 3°, do CDC:
“O consumidor poderá fazer uso imediato das alternativas do § 1° deste artigo sempre
que, em razão da extensão do vício, a substituição das partes viciadas puder
comprometer a qualidade ou características do produto, diminuir-lhe o valor ou se
tratar de produto essencial”.
Vício de quantidade: É aquele cujo conteúdo líquido é inferior às indicações
constantes do recipiente, embalagem, rotulagem ou mensagem publicitária.
Respeitadas as variações decorrentes de sua natureza.
Responsabilidade pelo Vício do Produto
Alternativas ao Consumidor art. 19, do CDC
I – abatimento proporcional do preço;
II – complementação do peso ou medida;
III – substituição do produto por outro da mesma espécie, marca ou modelo. Se
impossível o §1º prevê a substituição por outro de espécie, marca ou modelo
diversos, mediante complementação se o outro produto for mais caro; ou,
restituição proporcional do valor pago, se o outro produto for mais barato;
IV restituição da quantia paga sem prejuízos das perdas e danos.
Opções conferidas ao consumidor:
Art. 20, do CDC: “O fornecedor de serviços responde pelos vícios de qualidade que os
tornem impróprios ao consumo ou lhes diminuam o valor, assim como por aqueles
decorrentes da disparidade com as indicações constantes da oferta ou mensagem
publicitária, podendo o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha:
I - a reexecução dos serviços, sem custo adicional e quando cabível; Vide §1º
II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de
eventuais perdas e danos;
III - o abatimento proporcional do preço”.
Responsabilidade pelo Vício do Serviço
Art. 20, § 1°, do CDC:
“A reexecução dos serviços poderá ser confiada a terceiros devidamente capacitados,
por conta e risco do fornecedor”.
Art. 23, do CDC:
“A ignorância do fornecedor sobre os vícios de qualidade por inadequação dos produtos
e serviços não o exime de responsabilidade”.
Prazos Decadenciais
São duas as espécies de garantia:
1ª) Garantia Legal – art. 24, do CDC:
“A garantia legal de adequação do produto ou serviço independe de termo expresso,
vedada a exoneração contratual do fornecedor”.
A garantia legal refere-se à adequação do produto ou serviço e o consumidor terá os
seguintes prazos para apresentar reclamação (art. 26, do CDC):
a) produtos ou serviços não duráveis (que se extingüem com o uso) : 30 dias;
b) produtos ou serviços duráveis (que não se extinguem com o uso): 90 dias.
Prazos Decadenciais
Início da contagem do prazo decadencial:
I - se for vício de fácil constatação ou aparente – inicia-se a contagem do prazo a partir
da entrega efetiva do produto ou do término da execução do serviço (art. 26, §1º,
do CDC);
II - se o vício for oculto – inicia-se a partir do momento em que ficar evidenciado o
problema (art.26, § 3º, do CDC).
Obs: produto usado também está submetido à garantia legal.
Prazos Decadenciais
Causas que obstam a decadência - art. 26, §2º:
“ Obstam a decadência:
I - a reclamação comprovadamente formulada pelo consumidor perante o fornecedor de
produtos e serviços até a resposta negativa correspondente, que deve ser
transmitida de forma inequívoca;
III - a instauração de inquérito civil, até seu encerramento.
Prazo Prescricional
O prazo prescricional está previsto no art. 27, do CDC:
“Prescreve em cinco anos a pretensão à reparação pelos danos causados por fato do
produto ou do serviço prevista na Seção II deste Capítulo, iniciando-se a contagem
do prazo a partir do conhecimento do dano e de sua autoria”.
dor, deverão ser utilizados.
Oferta
Oferta, para fins de CDC, é sinônimo de marketing, significando todos os métodos e
técnicas que aproximam o consumidor dos produtos e serviços colocados no
mercado de consumo.
Qualquer dessas técnicas – dentre elas a publicidade – desde que suficientemente
precisa, vinculará o ofertante a cumprir o veiculado na forma prometida.
Características da oferta no CDC:
Art. 30. “Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por
qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e serviços
oferecidos ou apresentados, obriga o fornecedor que a fizer veicular ou dela se
utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado”.
Características da oferta no CDC:
I – Abrange toda informação ou publicidade suficientemente precisa;
II – Obriga o fornecedor que a fizer veicular;
III – Integra o contrato que vier a ser celebrado.
Recusa da Oferta
- Recusa do cumprimento da oferta – art. 35 do CDC:
· I - Cumprimento forçado da oferta (o consumidor poderá valer-se dos instrumentos
processuais existentes para concretizar esse direito - art. 84 do CDC caput e seus
parágrafos 3º, 4º e 5º);
· II - Aceitação de outro produto ou serviço equivalente;
· III - Rescisão do contrato com restituição do valor pago, monetariamente atualizado,
mais perdas e danos.
Publicidade
Conceito: é toda informação dirigida ao público consumidor com o objetivo de
promover, direta ou indiretamente, produto ou serviço colocado à disposição no
mercado de consumo.
Publicidade X Propaganda:
Publicidade - Princípios
1º) Princípio da identificação imediata da publicidade - art. 36, caput, do CDC:
“A publicidade deve ser veiculada de tal forma que o consumidor, fácil e
imediatamente, a identifique como tal”.
Por esse princípio é vedada:
I – publicidade dissimulada;
II – publicidade subliminar;
III - publicidade clandestina (merchandising) - Os autores do anteprojeto sugerem a
utilização dos chamados créditos, i.e., a veiculação antecipada de uma informação
comunicando que naquele programa ocorrerá o merchandising.
2º) Princípio da vinculação contratual da publicidade: pode o consumidor exigir o
cumprimento do veiculado na mensagem publicitária, nos termos dos artigos 30 e 35 do
CDC;
3º) Princípio da veracidade da publicidade: art. 37, do CDC que proíbe a publicidade
enganosa;
4º) Princípio da não abusividade da publicidade: art. 37 que proíbe a publicidade
abusiva;
5º) Princípio da inversão obrigatória do ônus da prova no tocante à veracidade da
publicidade - art. 38 do CDC:
“O ônus da prova da veracidade e correção da informação ou comunicação publicitária
cabe a quem as patrocina”.
6º) Princípio da transparência/da fundamentação da publicidade - art. 36, parágrafo
único, do CDC:
Parágrafo único. O fornecedor, na publicidade de seus produtos ou serviços, manterá,
em seu poder, para informação dos legítimos interessados, os dados fáticos,
técnicos e científicos que dão sustentação à mensagem.
7º) Princípio da correção do desvio da publicidade: é a contrapropaganda, prevista nos
arts. 56, XII e 60, caput e parágrafo 1o, todos do CDC.
Art. 60, § 1º, do CDC: “A contrapropaganda será divulgada pelo responsável da mesma
forma, freqüência e dimensão e, preferencialmente no mesmo veículo, local,
espaço e horário, de forma capaz de desfazer o malefício da publicidade enganosa
ou abusiva”.
Publicidade Enganosa
Art. 37 do CDC: “É proibida toda publicidade enganosa ou abusiva.
§ 1° É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter
publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo, mesmo
por omissão, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza,
características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e quaisquer
outros dados sobre produtos e serviços.
§ 3° Para os efeitos deste código, a publicidade é enganosa por omissão quando deixar
de informar sobre dado essencial do produto ou serviço”.
Publicidade Abusiva
art. 37, §2º, do CDC:
“É abusiva, dentre outras a publicidade discriminatória de qualquer natureza, a que
incite à violência, explore o medo ou a superstição, se aproveite da deficiência de
julgamento e experiência da criança, desrespeita valores ambientais, ou que seja
capaz de induzir o consumidor a se comportar de forma prejudicial ou perigosa à
sua saúde ou segurança”.
Publicidade Responsabilidade
Do fornecedor anunciante e objetiva
E a responsabilidade da agência e do próprio veículo de comunicação?
Publicidade Responsabilidade
1ª corrente - Antonio Herman: O fornecedor anunciante responde objetivamente, já o
anunciante e o veículo só serão co-responsáveis quando agirem dolosa ou
culposamente – responsabilidade subjetiva;
2ª corrente - Nelson Néry e Rizzatto Nunes: pregam a responsabilidade civil objetiva
também para a agência, o veículo e a celebridade sob argumento de que a
responsabilização de tais sujeitos deve ser realizada nos termos da regra prevista
no CDC.
Posição do STJ
REsp 604172 / SP – 27/03/2007
AÇÃO CIVIL PÚBLICA - CONSUMIDOR - VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO -
EVENTUAL PROPAGANDA OU ANÚNCIO ENGANOSO OU ABUSIVO -
AUSÊNCIA DE RESPONSABILIDADE – CDC, ART. 38 - FUNDAMENTOS
CONSTITUCIONAIS.
III - As empresas de comunicação não respondem por publicidade de propostas abusivas
ou enganosas. Tal responsabilidade toca aos fornecedores-anunciantes, que a
patrocinaram (CDC, Arts. 3º e 38). IV - O CDC, quando trata de publicidade,
impõe deveres ao anunciante - não às empresas de comunicação (Art. 3º, CDC).
Proteção Contratual
Princípios que regem as relações contratuais:
1º) Rompimento com a tradição privatista do CC;
2º) Princípio da conservação dos contratos;
3º) boa-fé objetiva;
4º) princípio da equivalência e do equilíbrio;
5º) Dever de informar e princípio da transparência;
6º) Interpretação mais favorável ao consumidor – art. 47 do CDC:
“As cláusulas contratuais serão interpretadas de maneira mais favorável ao
consumidor”.
7º) Princípio da Vinculação Pré-contratual:
Art. 48. As declarações de vontade constantes de escritos particulares, recibos e pré-
contratos relativos às relações de consumo vinculam o fornecedor, ensejando
inclusive execução específica, nos termos do art. 84 e parágrafos.
O art. 48 refere-se aos contratos preliminares como o recibo de sinal e os pré-contratos.
Proteção Contratual - STJ
REsp 247344 / MG - 19/02/2001
CIVIL E PROCESSUAL - PROMESSA DE COMPRA E VENDA - IMÓVEL –
INSCRIÇÃO NO REGISTRO IMOBILIÁRIO - ADJUDICAÇÃO - OUTORGA
UXÓRIA – PRECEDENTES DA CORTE.
I - A promessa de venda gera efeitos obrigacionais não dependendo, para sua eficácia e
validade, de ser formalizada em instrumento publico. O direito a adjudicação
compulsória é de caráter pessoal, restrito aos contratantes, não se condicionando a
obligatio faciendi à inscrição no registro de imóveis.
Contrato de Adesão
Conceito - art. 54, caput, do CDC:
“Contrato de adesão é aquele cujas cláusulas tenham sido aprovadas pela autoridade
competente ou estabelecidas unilateralmente pelo fornecedor de produtos ou
serviços, sem que o consumidor possa discutir ou modificar substancialmente seu
conteúdo”.
Características:
a) consumidor não participa da sua elaboração;
b) a inserção de cláusula não desfigura o contrato de adesão (§1º);
c) resolução alternativa de escolha exclusiva do consumidor (§2º);
d) redigidos em termos claros (evitar linguagem técnica,inacessível), com caracteres
ostensivos (evitar letras miúdas, difíceis de serem lidas) e legíveis (EX: contratos
transmitidos via fax, cópia de contrato em papel carbono) para facilitar a sua
compreensão (§3º);
e) cláusulas que limitem o direito do consumidor devem ser redigidas em destaque – cor
diferente, tarja preta em volta da cláusula, fonte gráfica maior, tipo de letra
diferente (itálico) (parágrafo 4º).
Súmula 302 do STJ: É abusiva a cláusula contratual de plano de saúde que limita no
tempo a internação hospitalar do segurado.
Contrato de Adesão - STJ
SEGURO. ACIDENTE DE TRÂNSITO. EMBRIAGUEZ. NEXO DE
CAUSALIDADE. COMPROVAÇÃO. CLÁUSULA LIMITATIVA DO
DIREITO DO CONSUMIDOR. DESTAQUE EM NEGRITO (REsp 774035 /
MG – 21/11/2006).
A embriaguez do segurado, por si só, não exclui direito à indenização securitária.
Cláusula restritiva, contida em contrato de adesão, deve ser redigida com destaque
a fim de se permitir, ao consumidor, sua imediata e fácil compreensão. O fato de a
cláusula restritiva estar no meio de outras, em negrito, não é suficiente para se
atender à exigência do Art. 54, § 4º, do CDC. A lei não prevê - e nem o deveria - o
modo como tais cláusulas deverão ser redigidas. Assim, a interpretação do Art. 54
deve ser feita com o espírito protecionista, buscando sua máxima efetividade.
Contrato de Adesão - STJ
Ag 664090 - 20.06.2007 (Agravante - AMIL)
AGRAVO DE INSTRUMENTO - PLANO DE SAÚDE - CLÁUSULA DE
EXCLUSÃO DE COBERTURA PARA TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS -
CONVERSÃO DO AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO ESPECIAL
- AUTOS SUFICIENTEMENTE INSTRUÍDOS - POSSIBILIDADE - AGRAVO
PROVIDO.
A celeuma instaurada no recurso especial centra-se na alegação de que não há
abusividade na cláusula contratual do plano de saúde em questão, que prevê a
exclusão da cobertura de custos ou ressarcimento para qualquer tipo de
transplante, excetuando-se os de córnea e de rim.
Compras fora do Estabelecimento
Art. 49. O consumidor pode desistir do contrato, no prazo de 7 dias a contar de sua
assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço, sempre que a
contratação de fornecimento de produtos e serviços ocorrer fora do
estabelecimento comercial, especialmente por telefone ou a domicílio.
Parágrafo único. Se o consumidor exercitar o direito de arrependimento previsto neste
artigo, os valores eventualmente pagos, a qualquer título, durante o prazo de
reflexão, serão devolvidos, de imediato, monetariamente atualizados.
Abrange a venda:
a) em domicílio;
b) por telefone;
c) por correspondência;
d) por meio eletrônico.
Prazo de reflexão ou arrependimento:
a) legal: 07 dias, contados da assinatura do contrato ou do recebimento do produto ou
serviço;
b) convencional: nada impede que esse prazo seja maior, mas nunca poderá ser inferior
a 07 dias.
Posição Jurisprudência
Apelação Cível - Contrato de consumo - Agência de viagens - Pacote de turismo -
Negociação pela Internet - Contrato a distância - Direito de arrependimento -
Aplicabilidade - Formação do contrato - Aperfeiçoa-mento com a aceitação.
Aplica-se à contratação feita por telefone e por meios eletrônicos o art. 49 do Codecon,
concedendo-se ao consumidor um período de reflexão e a possibilidade de se
arrepender, sem ônus, obtendo a devolução integral de eventuais quantias pagas.
(TJMG-ACi nº 1.0024.05.704783-9/002- 6/9/2006)
Cláusulas Abusivas
Rol exemplificativo do art. 51 do CDC:
“São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais relativas ao
fornecimento de produtos e serviços que:
I - impossibilitem, exonerem ou atenuem a responsabilidade do fornecedor por vícios de
qualquer natureza dos produtos e serviços ou impliquem renúncia ou disposição de
direitos. Nas relações de consumo entre o fornecedor e o consumidor pessoa
jurídica, a indenização poderá ser limitada, em situações justificáveis”;
1) cláusula de não indenizar:
a) proibição absoluta: é nula a cláusula que impossibilite, exonere ou atenue a
responsabilidade do fornecedor por vício e a que implique renúncia ou disposição
de direito;
b) proibição relativa: pode limitar a indenização quando o consumidor for pessoa
jurídica, em situações justificáveis.
II - subtraiam ao consumidor a opção de reembolso da quantia já paga, nos casos
previstos neste código;
III - transfiram responsabilidades a terceiros;
Cláusulas Abusivas - STJ
REsp 783016 / SC – 16/05/2006
CIVIL. RESPONSABILIDADE CIVIL. AGÊNCIA DE TURISMO.
Se vendeu “pacote turístico”, nele incluindo transporte aéreo por meio de vôo fretado, a
agência de turismo responde pela má prestação desse serviço.
IV - estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o
consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou
a eqüidade;
Cláusulas Abusivas - STJ
REsp 244847 / SP - 19/05/2005
Plano de Saúde. Cláusula de exclusão. AIDS.
I - A cláusula de contrato de seguro- saúde excludente de tratamento de doenças infecto-
contagiosas, caso da AIDS, é nula porque abusiva.
II - Nos contratos de trato sucessivo aplicam-se as disposições do CDC, ainda mais
quando a adesão da consumidora ocorreu já em sua vigência.
III - Recurso especial conhecido e provido.
Cláusulas Abusivas - STJ
REsp 348343 / SP – 14/02/2006
CONSUMIDOR - CARTÃO DE CRÉDITO - FURTO - RESPONSABILIDADE PELO
USO - CLÁUSULA QUE IMPÕE A COMUNICAÇÃO - NULIDADE -
CDC/ART. 51, IV.
- São nulas as cláusulas contratuais que impõem ao consumidor a responsabilidade
absoluta por compras realizadas com cartão de crédito furtado até o momento
(data e hora) da comunicação do furto. Tais avenças de adesão colocam o
consumidor em desvantagem exagerada e militam contra a boa-fé e a eqüidade,
pois as administradoras e os vendedores têm o dever de apurar a regularidade no
uso dos cartões.
VI - estabeleçam inversão do ônus da prova em prejuízo do consumidor;
VII - determinem a utilização compulsória de arbitragem;
A doutrina divide-se quanto à viabilidade das cláusulas compromissórias, em razão da
compulsoriedade de sujeição ao juízo arbitral. A maioria aceita o compromisso
arbitral.
VIII - imponham representante para concluir ou realizar outro negócio jurídico pelo
consumidor;
Súmula 60 do STJ: “É nula obrigação cambial assumida por procurador do mutuário
vinculado ao mutuante, no exclusivo interesse deste”.
Cláusulas Abusivas - STJ
AgRg no REsp 693775 / RS - 06/09/2005
1. O entendimento da Segunda Seção desta Corte, a partir de 25/6/03, quando do
julgamento do REsp nº 450.453/RS, Relator o Min. Aldir Passarinho Junior, está
assentado no sentido da legalidade da cláusula-mandato e do enquadramento das
empresas administradoras de cartão de crédito como instituições integrantes do
sistema financeiro nacional.
IX - deixem ao fornecedor a opção de concluir ou não o contrato, embora obrigando o
consumidor;
X - permitam ao fornecedor, direta ou indiretamente, variação do preço de maneira
unilateral;
XI - autorizem o fornecedor a cancelar o contrato unilateralmente, sem que igual direito
seja conferido ao consumidor;
XII - obriguem o consumidor a ressarcir os custos de cobrança de sua obrigação, sem
que igual direito lhe seja conferido contra o fornecedor;
XIII - autorizem o fornecedor a modificar unilateralmente o conteúdo ou a qualidade do
contrato, após sua celebração;
Cláusulas Abusivas - STJ
AUMENTO UNILATERAL DE TARIFA - IMPOSSIBILIDADE - Prestadora de
serviço de telefonia móvel - Elevação de tarifa - Alteração unilateral de contrato -
Impossibilidade .
As cláusulas estipuladas em publicidade da empresa, reconhecida como fornecedora de
serviço pelo CDC, devem ser observadas durante toda a vigência da oferta.
Qualquer alteração unilateral no contrato, como aumento da tarifa em plano de
ligações, é abusiva perante o consumidor. A cobrança mostra-se abusiva e sua
devolução deve ser efetuada em dobro. Recurso improvido. (TJDF - 1ª T. Recusal
dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais; ACi nº 2006.01.1.023497-3-DF; Rel.
Des. Esdras Neves; j. 6/3/2007; v.u.)
Cláusulas Abusivas
Rol exemplificativo do art. 51 do CDC:
XIV - infrinjam ou possibilitem a violação de normas ambientais;
XV - estejam em desacordo com o sistema de proteção ao consumidor (Lei de
Economia Popular nº 1521/51, Lei dos Crimes contra a Ordem Econômica nº
8137/90, Lei de Plano de Saúde nº 9656/98);
XVI - possibilitem a renúncia do direito de indenização por benfeitorias necessárias.
Curso de direito do consumidor

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Responsabilidade Civil no código de defesa do consumidor
Responsabilidade Civil no código de defesa do consumidorResponsabilidade Civil no código de defesa do consumidor
Responsabilidade Civil no código de defesa do consumidor
luzienne moraes
 
Alguns direitos basicos do consumidor Prof thiago tavares
Alguns direitos basicos do consumidor  Prof thiago tavaresAlguns direitos basicos do consumidor  Prof thiago tavares
Alguns direitos basicos do consumidor Prof thiago tavares
Thiago Daniel Ribeiro Tavares
 
Aula cdc 2012
Aula cdc 2012Aula cdc 2012
Aula cdc 2012
Taís Flores
 
Aula 4 a_responsabilidade_pelo_fato_do_produto_e_do_servic_807_o_no_cdc(1)
Aula 4 a_responsabilidade_pelo_fato_do_produto_e_do_servic_807_o_no_cdc(1)Aula 4 a_responsabilidade_pelo_fato_do_produto_e_do_servic_807_o_no_cdc(1)
Aula 4 a_responsabilidade_pelo_fato_do_produto_e_do_servic_807_o_no_cdc(1)
MLmousinho
 
Aula 01 Direito do Consumidor
Aula 01   Direito do ConsumidorAula 01   Direito do Consumidor
Aula 01 Direito do Consumidor
Guido Cavalcanti
 
Direito do consumidor
Direito do consumidorDireito do consumidor
Direito do consumidor
Gislaine Ferreira Felisbino
 
Escriturário Banco do Brasil - Direito do Consumidor
Escriturário Banco do Brasil - Direito do ConsumidorEscriturário Banco do Brasil - Direito do Consumidor
Escriturário Banco do Brasil - Direito do Consumidor
Jailma Gomez
 
Ccj0023 wl-oo-direito do consumidor - oab 1 fase - cristiano sobral - 2011 (1...
Ccj0023 wl-oo-direito do consumidor - oab 1 fase - cristiano sobral - 2011 (1...Ccj0023 wl-oo-direito do consumidor - oab 1 fase - cristiano sobral - 2011 (1...
Ccj0023 wl-oo-direito do consumidor - oab 1 fase - cristiano sobral - 2011 (1...
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
CDC 2011
CDC 2011CDC 2011
CDC 2011
Paulo Ramos
 
Exercícios com gabarito para aula 16.10.2012
Exercícios com gabarito para aula 16.10.2012 Exercícios com gabarito para aula 16.10.2012
Exercícios com gabarito para aula 16.10.2012
RBXJURIDICO
 
Ccj0023 wl-oo-apostila direito do consumidor - fabrício bolzan - 2010
Ccj0023 wl-oo-apostila direito do consumidor - fabrício bolzan - 2010Ccj0023 wl-oo-apostila direito do consumidor - fabrício bolzan - 2010
Ccj0023 wl-oo-apostila direito do consumidor - fabrício bolzan - 2010
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Direito do Consumidor - Apostila
Direito do Consumidor - ApostilaDireito do Consumidor - Apostila
Direito do Consumidor - Apostila
João Paulo Costa Melo
 
Apostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheski
Apostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheskiApostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheski
Apostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheski
Agnaldo Santos
 
Direito Do Consumidor Aula úNica
Direito Do Consumidor   Aula úNicaDireito Do Consumidor   Aula úNica
Direito Do Consumidor Aula úNica
Dawison Calheiros
 
Exercícios com gabarito vertical
Exercícios com gabarito    verticalExercícios com gabarito    vertical
Exercícios com gabarito vertical
RBXJURIDICO
 
Direito do consumidor 01
Direito do consumidor 01Direito do consumidor 01
Direito do consumidor 01
Onésimo Loureiro
 
Oab 1ª Fase Direito Do Consumidor
Oab 1ª Fase Direito Do ConsumidorOab 1ª Fase Direito Do Consumidor
Oab 1ª Fase Direito Do Consumidor
BRIGDY
 
Exercícios com gabarito para aula
Exercícios com gabarito para aula Exercícios com gabarito para aula
Exercícios com gabarito para aula
RBXJURIDICO
 
Questões para o simulado sábado - consumidor - com gabarito
Questões para o simulado   sábado - consumidor - com gabaritoQuestões para o simulado   sábado - consumidor - com gabarito
Questões para o simulado sábado - consumidor - com gabarito
RBXJURIDICO
 
Código de Defesa do Consumidor
Código de Defesa do ConsumidorCódigo de Defesa do Consumidor
Código de Defesa do Consumidor
Pedro Klein Garcia
 

Mais procurados (20)

Responsabilidade Civil no código de defesa do consumidor
Responsabilidade Civil no código de defesa do consumidorResponsabilidade Civil no código de defesa do consumidor
Responsabilidade Civil no código de defesa do consumidor
 
Alguns direitos basicos do consumidor Prof thiago tavares
Alguns direitos basicos do consumidor  Prof thiago tavaresAlguns direitos basicos do consumidor  Prof thiago tavares
Alguns direitos basicos do consumidor Prof thiago tavares
 
Aula cdc 2012
Aula cdc 2012Aula cdc 2012
Aula cdc 2012
 
Aula 4 a_responsabilidade_pelo_fato_do_produto_e_do_servic_807_o_no_cdc(1)
Aula 4 a_responsabilidade_pelo_fato_do_produto_e_do_servic_807_o_no_cdc(1)Aula 4 a_responsabilidade_pelo_fato_do_produto_e_do_servic_807_o_no_cdc(1)
Aula 4 a_responsabilidade_pelo_fato_do_produto_e_do_servic_807_o_no_cdc(1)
 
Aula 01 Direito do Consumidor
Aula 01   Direito do ConsumidorAula 01   Direito do Consumidor
Aula 01 Direito do Consumidor
 
Direito do consumidor
Direito do consumidorDireito do consumidor
Direito do consumidor
 
Escriturário Banco do Brasil - Direito do Consumidor
Escriturário Banco do Brasil - Direito do ConsumidorEscriturário Banco do Brasil - Direito do Consumidor
Escriturário Banco do Brasil - Direito do Consumidor
 
Ccj0023 wl-oo-direito do consumidor - oab 1 fase - cristiano sobral - 2011 (1...
Ccj0023 wl-oo-direito do consumidor - oab 1 fase - cristiano sobral - 2011 (1...Ccj0023 wl-oo-direito do consumidor - oab 1 fase - cristiano sobral - 2011 (1...
Ccj0023 wl-oo-direito do consumidor - oab 1 fase - cristiano sobral - 2011 (1...
 
CDC 2011
CDC 2011CDC 2011
CDC 2011
 
Exercícios com gabarito para aula 16.10.2012
Exercícios com gabarito para aula 16.10.2012 Exercícios com gabarito para aula 16.10.2012
Exercícios com gabarito para aula 16.10.2012
 
Ccj0023 wl-oo-apostila direito do consumidor - fabrício bolzan - 2010
Ccj0023 wl-oo-apostila direito do consumidor - fabrício bolzan - 2010Ccj0023 wl-oo-apostila direito do consumidor - fabrício bolzan - 2010
Ccj0023 wl-oo-apostila direito do consumidor - fabrício bolzan - 2010
 
Direito do Consumidor - Apostila
Direito do Consumidor - ApostilaDireito do Consumidor - Apostila
Direito do Consumidor - Apostila
 
Apostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheski
Apostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheskiApostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheski
Apostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheski
 
Direito Do Consumidor Aula úNica
Direito Do Consumidor   Aula úNicaDireito Do Consumidor   Aula úNica
Direito Do Consumidor Aula úNica
 
Exercícios com gabarito vertical
Exercícios com gabarito    verticalExercícios com gabarito    vertical
Exercícios com gabarito vertical
 
Direito do consumidor 01
Direito do consumidor 01Direito do consumidor 01
Direito do consumidor 01
 
Oab 1ª Fase Direito Do Consumidor
Oab 1ª Fase Direito Do ConsumidorOab 1ª Fase Direito Do Consumidor
Oab 1ª Fase Direito Do Consumidor
 
Exercícios com gabarito para aula
Exercícios com gabarito para aula Exercícios com gabarito para aula
Exercícios com gabarito para aula
 
Questões para o simulado sábado - consumidor - com gabarito
Questões para o simulado   sábado - consumidor - com gabaritoQuestões para o simulado   sábado - consumidor - com gabarito
Questões para o simulado sábado - consumidor - com gabarito
 
Código de Defesa do Consumidor
Código de Defesa do ConsumidorCódigo de Defesa do Consumidor
Código de Defesa do Consumidor
 

Semelhante a Curso de direito do consumidor

DIREITO DO CONSUMIDOR.pdf
DIREITO DO CONSUMIDOR.pdfDIREITO DO CONSUMIDOR.pdf
DIREITO DO CONSUMIDOR.pdf
JanimayriForastieri1
 
Aula CDC para o curso de Técnico de Transações Imobiliárias
Aula CDC para o curso de Técnico de Transações ImobiliáriasAula CDC para o curso de Técnico de Transações Imobiliárias
Aula CDC para o curso de Técnico de Transações Imobiliárias
SheilaCortes2
 
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de ConsumoDireito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Jordano Santos Cerqueira
 
Apostila de questões do cdc
Apostila de questões do cdc   Apostila de questões do cdc
Apostila de questões do cdc
Raquel Dias
 
A3 larissa hidalgo
A3 larissa hidalgoA3 larissa hidalgo
A3 larissa hidalgo
LarissaHidalgo
 
AULA 6 CONSUMIDOR.pptx
AULA 6 CONSUMIDOR.pptxAULA 6 CONSUMIDOR.pptx
AULA 6 CONSUMIDOR.pptx
Andria246308
 
Direitos do consumidor
Direitos do consumidorDireitos do consumidor
Direitos do consumidor
Fillipe Lobo
 
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pdf
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pdfdireitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pdf
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pdf
Cicinha Gomes
 
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pptx
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pptxdireitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pptx
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pptx
FabioRBarreira
 
Direito do consumidor 02
Direito do consumidor 02Direito do consumidor 02
Direito do consumidor 02
Onésimo Loureiro
 
Legislação comercial
Legislação comercialLegislação comercial
Legislação comercial
Ines Soares
 
Legislação comercial jorge
Legislação comercial   jorgeLegislação comercial   jorge
Legislação comercial jorge
Ines Soares
 
Legislação comercial jorge
Legislação comercial   jorgeLegislação comercial   jorge
Legislação comercial jorge
Ines Soares
 
Artigo responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidor
Artigo   responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidorArtigo   responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidor
Artigo responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidor
marioferreiraneto
 
Escriturário Banco do Brasil - Legislação
Escriturário Banco do Brasil - LegislaçãoEscriturário Banco do Brasil - Legislação
Escriturário Banco do Brasil - Legislação
Jailma Gomez
 
Legislação comercial 2º periodo
Legislação comercial 2º periodoLegislação comercial 2º periodo
Legislação comercial 2º periodo
Ines Soares
 
Direito do consumidor oab
Direito do consumidor   oabDireito do consumidor   oab
Direito do consumidor oab
Marcio Cesar Melo
 
avaliação consumidor
avaliação consumidoravaliação consumidor
avaliação consumidor
Mauro Augusto Protec
 
Legislação comercial
Legislação comercialLegislação comercial
Legislação comercial
Ines Soares
 
HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR.pptx
HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR.pptxHISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR.pptx
HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR.pptx
Edu Cunha
 

Semelhante a Curso de direito do consumidor (20)

DIREITO DO CONSUMIDOR.pdf
DIREITO DO CONSUMIDOR.pdfDIREITO DO CONSUMIDOR.pdf
DIREITO DO CONSUMIDOR.pdf
 
Aula CDC para o curso de Técnico de Transações Imobiliárias
Aula CDC para o curso de Técnico de Transações ImobiliáriasAula CDC para o curso de Técnico de Transações Imobiliárias
Aula CDC para o curso de Técnico de Transações Imobiliárias
 
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de ConsumoDireito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
 
Apostila de questões do cdc
Apostila de questões do cdc   Apostila de questões do cdc
Apostila de questões do cdc
 
A3 larissa hidalgo
A3 larissa hidalgoA3 larissa hidalgo
A3 larissa hidalgo
 
AULA 6 CONSUMIDOR.pptx
AULA 6 CONSUMIDOR.pptxAULA 6 CONSUMIDOR.pptx
AULA 6 CONSUMIDOR.pptx
 
Direitos do consumidor
Direitos do consumidorDireitos do consumidor
Direitos do consumidor
 
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pdf
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pdfdireitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pdf
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pdf
 
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pptx
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pptxdireitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pptx
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pptx
 
Direito do consumidor 02
Direito do consumidor 02Direito do consumidor 02
Direito do consumidor 02
 
Legislação comercial
Legislação comercialLegislação comercial
Legislação comercial
 
Legislação comercial jorge
Legislação comercial   jorgeLegislação comercial   jorge
Legislação comercial jorge
 
Legislação comercial jorge
Legislação comercial   jorgeLegislação comercial   jorge
Legislação comercial jorge
 
Artigo responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidor
Artigo   responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidorArtigo   responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidor
Artigo responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidor
 
Escriturário Banco do Brasil - Legislação
Escriturário Banco do Brasil - LegislaçãoEscriturário Banco do Brasil - Legislação
Escriturário Banco do Brasil - Legislação
 
Legislação comercial 2º periodo
Legislação comercial 2º periodoLegislação comercial 2º periodo
Legislação comercial 2º periodo
 
Direito do consumidor oab
Direito do consumidor   oabDireito do consumidor   oab
Direito do consumidor oab
 
avaliação consumidor
avaliação consumidoravaliação consumidor
avaliação consumidor
 
Legislação comercial
Legislação comercialLegislação comercial
Legislação comercial
 
HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR.pptx
HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR.pptxHISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR.pptx
HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR.pptx
 

Último

Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 

Curso de direito do consumidor

  • 1. Curso de Direto do Consumidor - Código de Defesa do Consumidor Professor Fabrício Bolzan Aulas exibidas nos dias 18, 19, 20, 21 e 22 de agosto de 2008 1ª AULA Temas: Breve Histórico e Relação Jurídica de Consumo Sinopse: Na primeira aula trataremos da evolução histórica do Direito do Consumidor, mais precisamente o porquê da necessidade de lei específica regulamentando o tema. Também cuidaremos da relação jurídica de consumo e a definição de consumidor, fornecedor, produtos e serviços. Por fim, comentaremos um artigo do site infra. INDICAÇÃO DE SITE INSTITUCIONAL: 1ª Aula – Tema: incidência do CDC aos Bancos www.brasilcon.org.br link direto: http://www.brasilcon.org.br/web/artigos/artigosver.asp?id=22 2ª AULA Temas: Direitos Básicos do Consumidor e Princípios do CDC Sinopse: A segunda aula demonstrará que o CDC é realmente uma lei principiológica, na medida em que trabalharemos com os princípios do CDC, além dos Direitos Básicos do Consumidor. Ademais, poderemos responder a seguinte pergunta: SUGESTÃO DE PERGUNTA: Aula 2: "Como eu, consumidor, tenho condições de comprovar que um produto ou serviço é defeituoso? Existe algum instrumento no CDC capaz de facilitar a minha defesa nesse caso?" Entendo que nessa aula caberia ainda: SUGESTÃO DE TEMA PARA MATÉRIA EXTERNA SOBRE DIREITO DO CONSUMIDOR: O que mudou na vida do consumidor nos 18 anos do CDC, principalmente no tocante a importância dos órgãos e entidades de defesa do consumidor como os PROCONs e o BRASILCON
  • 2. 3ª AULA Tema: Responsabilidade Civil no CDC Sinopse: Na terceira aula falaremos da responsabilidade objetiva no CDC e a exceção à essa regra, ou seja, a responsabilidade subjetiva do profissional liberal. Abordaremos ainda os prazos decadenciais e o prazo prescricional previstos no CDC. Em última análise, responderemos a pergunta cuja sugestão segue abaixo: SUGESTÃO DE PERGUNTA: Aula 3: "Qual o prazo que tenho para trocar uma TV com problemas? Formulei uma reclamação por escrito à loja em que comprei a TV e até hoje não recebi resposta." 4ª AULA Temas: Oferta e Publicidade no CDC Sinopse: Inicialmente trabalharemos com o conceito de oferta no CDC, bem como estudaremos suas principais características. Na seqüência, falaremos da publicidade como principal manifestação da oferta e de suas modalidades, a enganosa e a abusiva. Por fim, responderemos a pergunta infra: SUGESTÃO DE PERGUNTA: Aula 4: "A publicidade das bebidas alcoólicas tem que respeitar o CDC? Faço a pergunta porque diariamente assisto a publicidade desse produto e acredito que a advertência 'beba com moderação' não adverte nada." 5ª Aula Tema: Proteção Contratual no CDC Sinopse: Na última aula, encerraremos o curso com a proteção contratual e abordaremos o contrato de adesão, as compras fora do estabelecimento comercial e as cláusulas abusivas. Sugerimos ainda a leitura de duas súmulas recentes do STJ, conforme link abaixo: INDICAÇÃO DE SITE INSTITUCIONAL: 5ª Aula – Tema: Súmulas 356 e 357 do STJ www.stj.gov.br
  • 3. link direto: http://www.stj.gov.br/portal_stj/publicacao/engine.wsp? tmp.area=398&tmp.texto=88092&tmp.area_anterior=44&tmp.argumento_pesquisa=sú mula%20357 Histórico I - Revolução Industrial: Aumento da população nos grandes centros; Surgimento de um novo modelo de produção – produção em série, standartização da produção, homogeneização da produção. II – Segunda Guerra Mundial – tecnologia de ponta – consolidação do novo modelo Característica do novo modelo: unilateralidade na produção. Intervenção Estatal 1- Legislativo; 2- Executivo; 3- Judiciário. A Proteção do Consumidor na CF/88 Explícita: Art. 5º, XXXII da CF; Art. 170, V da CF; Art. 48 do ADCT. Relação Jurídica de Consumo É a relação jurídica existente entre fornecedor e consumidor tendo por objeto a aquisição de produtos ou utilização de serviços pelo consumidor (Nelson Nery Jr.)
  • 4. Sujeitos da Relação - Consumidor CDC traz quatro definições: I – Consumidor em sentido estrito - artigo 2º, caput, CDC: “a pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final”. Sujeitos da Relação - Consumidor Consumidor Destinatário Final: 1ª) Teoria Finalista; 2ª) Teoria Maximalista. Posição STJ: Teoria Finalista Atenuada. REsp 476428 / SC – 19/04/2005 Direito do Consumidor. Recurso especial. Conceito de consumidor. Critério subjetivo ou finalista. Mitigação. Pessoa Jurídica. Excepcionalidade. Vulnerabilidade. Mesmo nas relações entre pessoas jurídicas, se da análise da hipótese concreta decorrer inegável vulnerabilidade entre a pessoa-jurídica consumidora e a fornecedora, deve-se aplicar o CDC na busca do equilíbrio entre as partes. Ao consagrar o critério finalista para interpretação do conceito de consumidor, a jurisprudência deste STJ também reconhece a necessidade de, em situações específicas, abrandar o rigor do critério subjetivo do conceito de consumidor, para admitir a aplicabilidade do CDC nas relações entre fornecedores e consumidores- empresários em que fique evidenciada a relação de consumo (Neste sentido REsp nº 716.877-SP de 22/3/2007). Posição STJ
  • 5. Ag 686793 – 01.11.2006 AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO ESPECIAL. HIPÓTESE DE CONSUMO INTERMEDIÁRIO. INAPLICABILIDADE DO CDC. AGRAVO A QUE SE NEGA PROVIMENTO. No que tange à definição de consumidor, a Segunda Seção desta Corte, ao julgar, aos 10.11.2004, o REsp nº 541.867/BA, perfilhou-se à orientação doutrinária finalista ou subjetiva, de sorte que, de regra, o consumidor intermediário, por adquirir produto ou usufruir de serviço com o fim de, direta ou indiretamente, dinamizar ou instrumentalizar seu próprio negócio lucrativo, não se enquadra na definição constante no art. 2º do CDC. Conceitos de consumidor por equiparação: II –artigo 2º, parágrafo único, CDC: “equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo”. III - artigo 17, CDC: “equiparam-se aos consumidores todas as vítimas do evento danoso”. Protege-se a figura do bystander. IV - artigo 29, CDC: “Para os fins deste Capítulo e do seguinte, equiparam- se aos consumidores todas as pessoas determináveis ou não, expostas às práticas nele previstas”. Todas as pessoas determináveis ou não, expostas às práticas comerciais e contratuais. Sujeitos da Relação - Fornecedor Artigo 3º do CDC: “é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividades de produção, montagem, criação, construção, transformação, importação,
  • 6. exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou prestação de serviços”. Posição STJ REsp 310953 / SP – 10/04/2007 FURTO DE MOTOCICLETA NAS DEPENDÊNCIAS DE CLUBE SÓCIO- RECREATIVO. ESTACIONAMENTO. INDENIZAÇÃO INDEVIDA. Inexistindo expressa previsão estatutária, não é a entidade sócio- recreativa, assim como por igual acontece nos condomínios, responsável pelo furto de veículos ocorrido em suas dependências, dada a natureza comunitária entre os filiados, sem caráter lucrativo. Posição STJ REsp 650791 / RJ – 06/04/2006 TRIBUTÁRIO. TAXA DE ESGOTO. COBRANÇA INDEVIDA. RELAÇÃO DE CONSUMO. CONDOMÍNIO. 1. É inaplicável o Código de Defesa de Consumidor às relações entre os condôminos e o condomínio quanto às despesas de manutenção deste. 2. Existe relação de consumo entre o condomínio de quem é cobrado indevidamente taxa de esgoto e a concessionária de serviço público. 3. Aplicação do artigo 42 do Código de Defesa de Consumidor que determina o reembolso em dobro. Objetos da Relação - Produto Artigo 3º, §1º, CDC: “é todo bem, móvel ou imóvel, material ou imaterial”. Objetos da Relação - Serviço Artigo 3º, §2º, CDC: “é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária, salvo as decorrentes das relações de caráter trabalhista”.
  • 7. Serviço gratuito não está protegido pelo CDC. Serviço Público Artigo 22 do CDC: “Os órgãos públicos, por si ou suas empresas, concessionárias, permissionárias ou sob qualquer outra forma de empreendimento, são obrigados a fornecer serviços adequados, eficientes, seguros e, quanto aos essenciais, contínuos”. Serviço Público e CDC REsp 647710 / RJ – 20/06/2006 RECURSO ESPECIAL. ACIDENTE EM ESTRADA. ANIMAL NA PISTA. RESPONSABILIDADE OBJETIVA DA CONCESSIONÁRIA DE SERVIÇO PÚBLICO. CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PRECEDENTES. CONSTITUCIONAL. ADMINISTRATIVO. CIVIL. RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO: RESPONSABILIDADE OBJETIVA. PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO PRESTADORAS DE SERVIÇO PÚBLICO. CONCESSIONÁRIO OU PERMISSIONÁRIO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO. C.F., art. 37, § 6º. I. - A responsabilidade civil das pessoas jurídicas de direito privado prestadoras de serviço público é objetiva relativamente aos usuários do serviço, não se estendendo a pessoas outras que não ostentem a condição de usuário. Exegese do art. 37, § 6º, da C.F. II. - R.E. conhecido e provido. (RE 262651 – 16/11/2005). Serviço Público e CDC RE 459749 - Tribunal iniciou julgamento de recurso extraordinário interposto contra acórdão prolatado pelo Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco que, com base no princípio da responsabilidade objetiva (CF, art. 37, § 6º), condenara a recorrente, empresa privada concessionária de serviço público de transporte, ao pagamento de indenização por dano moral a terceiro não-usuário, atropelado por veículo da empresa. O Min. Joaquim Barbosa, relator, negou provimento ao
  • 8. recurso por entender que a responsabilidade civil das pessoas jurídicas de direito privado prestadoras de serviço público é objetiva também relativamente aos terceiros não-usuários do serviço. (30/10/07 - Acordo entre as partes) Inadimplemento e Interrupção do Serviço Público Corrente Minoritária – Não pode interromper serviço público essencial: AgRg no REsp 298017 / MG – 03/04/2001 ADMINISTRATIVO. AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. ENERGIA ELÉTRICA. SERVIÇO PÚBLICO ESSENCIAL. CORTE DE FORNECIMENTO. CONSUMIDOR INADIMPLENTE. IMPOSSIBILIDADE. Esta Corte vem reconhecendo ao consumidor o direito da utilização dos serviços públicos essenciais ao seu cotidiano, como o fornecimento de energia elétrica, em razão do princípio da continuidade (CDC, art. 22). O corte de energia, utilizado pela Companhia para obrigar o usuário ao pagamento de tarifa em atraso, extrapola os limites da legalidade, existindo outros meios para buscar o adimplemento do débito. Inadimplemento e Interrupção do Serviço Público Corrente Majoritária – Pode interromper serviço público essencial, nos termos do art. 6º, §3º, II, da Lei nº 8987/95. REsp 871176 / AL - 26/09/2006 ADMINISTRATIVO. SUSPENSÃO DO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. AUSÊNCIA DE AVISO PRÉVIO. IMPOSSIBILIDADE. 1. A Lei 8.987/95, que dispõe sobre o regime de concessão e permissão da prestação de serviços públicos previsto no art. 175 da Constituição Federal, prevê, nos incisos I e II do § 3º do art. 6º, duas hipóteses em que é legítima sua interrupção, em situação de
  • 9. emergência ou após prévio aviso: (a) por razões de ordem técnica ou de segurança das instalações; (b) por inadimplemento do usuário, considerado o interesse da coletividade. 2. No caso, o tribunal de origem consignou que os usuários não foram previamente avisados do corte no fornecimento de energia elétrica, configurando-se ilegal a suspensão do serviço. 3. Recurso especial a que se nega provimento. REsp 596320 – 12/12/2006 AÇÃO CIVIL PÚBLICA. SERVIÇO PÚBLICO. FORNECIMENTO DE ÁGUA. INTERRUPÇÃO. ART. 6, § 3º, INCISO II, DA LEI N.º 8.987/95. LEGALIDADE. Inadimplemento e Interrupção RE-AgR 201630 / DF Relator(a): Min. ELLEN GRACIE Julgamento: 11/06/2002 EMENTA: Serviço de fornecimento de água. Adicional de tarifa. Legitimidade. Mostra- se coerente com a jurisprudência do Supremo Tribunal o despacho agravado, ao apontar que o ajuste de carga de natureza sazonal, aplicável aos fornecimentos de água pela CAESB, criado para fins de redução de consumo, tem caráter de contraprestação de serviço e não de tributo. Precedentes: ERE 54.491, RE 85.268, RE 77.77.162 e ADC 09. Agravo regimental desprovido. Inadimplemento e Interrupção Resp 887908/ MS - 14/08/2007 PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. SÚMULA N.º 282, DO STF. CONTRAPRESTAÇÃO PELOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO. NATUREZA JURÍDICA. NÃO-TRIBUTÁRIA. PREÇO PÚBLICO. JURISPRUDÊNCIA DO STJ CONTRÁRIA À DO STF. REVISÃO QUE SE IMPÕE. (...) 5. A jurisprudência do E. STF uniformizou-se no sentido de considerar a remuneração paga pelos serviços de água e esgoto como tarifa, afastando,
  • 10. portanto, seu caráter tributário, ainda quando vigente a Constituição anterior (RE n.º 54.491/PE de 1963). Inadimplemento e Interrupção REsp 791713 – 06/12/2005 PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. SUSPENSÃO DO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. IMPOSSIBILIDADE. INADIMPLEMENTO. UNIDADES PÚBLICAS ESSENCIAIS.INTERPRETAÇÃO SISTEMÁTICA DOS ARTS. 22 DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR E 6º, § 3º, II, DA LEI Nº 8.987/95. Inadimplemento e Interrupção REsp 649746 – 21/09/2006 ADMINISTRATIVO. ALEGADA VIOLAÇÃO DOS ARTS. 6º, § 3º, II, DA LEI 8.987/95,E17, PARÁGRAFO ÚNICO, DA LEI 9.427/96. NÃO-OCORRÊNCIA. FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA DESTINADA À ILUMINAÇÃO PÚBLICA. INTERRUPÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. TUTELA DO INTERESSE PÚBLICO MAIOR. PRECEDENTES. Inadimplemento e Interrupção EDcl no AgRg no Ag 466122 / MS-03/05/2005 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. ADMINISTRATIVO. CORTE DO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR. LEGALIDADE. Não obstante, ressalvo o entendimento de que o corte do fornecimento de serviços essenciais - água e energia elétrica – como forma de compelir o usuário ao pagamento de tarifa ou multa, extrapola os limites da legalidade e afronta a cláusula pétrea de respeito à dignidade humana, porquanto o cidadão se utiliza dos serviços públicos posto essenciais para a sua vida, curvo-me ao posicionamento majoritário da Seção.
  • 11. Inadimplemento e Interrupção EDcl no AgRg no Ag 466122 / MS-03/05/2005 Esses fatos conduzem a conclusão contrária à possibilidade de corte do fornecimento de serviços essenciais de pessoa física em situação de miserabilidade, em contra- partida ao corte de pessoa jurídica portentosa, que pode pagar e protela a prestação da sua obrigação, aproveitando-se dos meios judiciais cabíveis. Inadimplemento e Interrupção AgRg no REsp 820665 / RS – 18/05/2006 PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. AGRAVO REGIMENTAL. CORTE NO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. CABIMENTO NO CASO DO ART. 6º, § 3º, II, DA LEI Nº 8.987/95. IMPOSSIBILIDADE DE SUSPENSÃO DO ABASTECIMENTO NA HIPÓTESE DE EXIGÊNCIA DE DÉBITO PRETÉRITO. CARACTERIZAÇÃO DE CONSTRANGIMENTO E AMEAÇA AO CONSUMIDOR. ART. 42 DO CDC. PRECEDENTES. Serviço Bancário Posicionamento da Doutrina Posicionamento da Jurisprudência: Súmula 297 do STJ: “O CDC é aplicável às instituições financeiras”; ADI 2591 / DF – 07/06/2006 – Ajuizada pela CONSIF Serviço Bancário ADI 2591 / DF – 07/06/2006 INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS. SUJEIÇÃO DELAS AO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, EXCLUÍDAS DE SUA ABRANGÊNCIA A DEFINIÇÃO DO CUSTO DAS OPERAÇÕES ATIVAS E A REMUNERAÇÃO DAS OPERAÇÕES PASSIVAS PRATICADAS NA EXPLORAÇÃO DA
  • 12. INTERMEDIAÇÃO DE DINHEIRO NA ECONOMIA [ART. 3º, § 2º, DO CDC]. MOEDA E TAXA DE JUROS. DEVER-PODER DO BANCO CENTRAL DO BRASIL. IMPROCEDÊNCIA Serviço Bancário REsp 715894 / PR - 26/04/2006 Direito bancário. Contrato de abertura de crédito em conta corrente. Juros remuneratórios. Previsão em contrato sem a fixação do respectivo montante. Abusividade, uma vez que o preenchimento do conteúdo da cláusula é deixado ao arbítrio da instituição financeira (cláusula potestativa pura). Limitação dos juros à média de mercado (arts. 112 e 113 do CC/02). Na hipótese de o contrato prever a incidência de juros remuneratórios, porém sem lhe precisar o montante, está correta a decisão que considera nula tal cláusula porque fica ao exclusivo arbítrio da instituição financeira o preenchimento de seu conteúdo. A fixação dos juros, porém, não deve ficar adstrita ao limite de 12% ao ano, mas deve ser feita segundo a média de mercado nas operações da espécie. Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor 1º) Dignidade da pessoa humana: é garantia fundamental que ilumina todos os demais princípios e normas do ordenamento jurídico pátrio. Art. 1º, III da CF e art. 4º , caput do CDC; Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor 2º) Proteção à vida, saúde e segurança: corolário do princípio da dignidade. Arts. 4º, caput, 6º, I e 10, do CDC. Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor 3º) Transparência: art. 4º, caput, do CDC. Dever de informar: Art. 6º “São direitos básicos do consumidor: III - a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresentem”;
  • 13. Art. 46 “Os contratos que regulam as relações de consumo não obrigarão os consumidores, se não lhes for dada a oportunidade de tomar conhecimento prévio de seu conteúdo, ou se os respectivos instrumentos forem redigidos de modo a dificultar a compreensão de seu sentido e alcance”. Art. 9° “O fornecedor de produtos e serviços potencialmente nocivos ou perigosos à saúde ou segurança deverá informar, de maneira ostensiva e adequada, a respeito da sua nocividade ou periculosidade, sem prejuízo da adoção de outras medidas cabíveis em cada caso concreto”. Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor 4º) Harmonia - Art. 4º, caput e III, do CDC. *Boa-fé objetiva: DEVERES ANEXOS: I – Informação; II – Cooperação; III - Proteção. *Equilíbrio: O CDC confere uma série de prerrogativas ao consumidor, visando equilibrar a relação de consumo. Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor 5º) Vulnerabilidade - art. 4º, I, do CDC: o consumidor é a parte mais fraca na relação jurídica de consumo. Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor 6º) Proteção contra a publicidade enganosa e abusiva; 7º) Proibição das práticas e cláusulas abusivas; Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor 8º) Conservação dos Contratos de Consumo
  • 14. Princípio explícito no art. 51, §2º do CDC: “A nulidade de uma cláusula contratual abusiva não invalida o contrato, exceto quando de sua ausência, apesar dos esforços de integração, decorrer ônus excessivo a qualquer das partes”. Princípio implícito no art. 6º, V, do CDC: “a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas” (Teoria do rompimento da base objetiva do negócio jurídico). Posição STJ REsp 367144 / RJ – 26/02/2002 Direito comercial e econômico. Recurso especial. Contrato de arrendamento mercantil (leasing). Instituições financeiras. Aplicação do CDC. Reajuste contratual vinculado à variação cambial do dólar americano. O Código de Defesa do Consumidor aplica-se aos contratos de arrendamento mercantil. O abandono do sistema de bandas para cotação da moeda americana, que resultou em considerável aumento de seu valor perante o real, constitui fato superveniente capaz de ensejar a revisão do contrato de arrendamento mercantil atrelado ao dólar, haja vista ter colocado o consumidor em posição de extrema desvantagem. Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor 9º) Responsabilidade Solidária Art. 7º, parágrafo único, do CDC: “Tendo mais de um autor a ofensa, todos responderão solidariamente pela reparação dos danos previstos nas normas de consumo”. Art. 25, § 1°, do CDC: “Havendo mais de um responsável pela causação do dano, todos responderão solidariamente pela reparação prevista nesta e nas seções anteriores”. Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor
  • 15. 10º) Inversão do ônus da prova Art. 6º, VIII, do CDC: “a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências” Inversão ope judicis REsp 435572 / RJ - 03/08/2004 PROCESSUAL CIVIL. ACÓRDÃO. OMISSÃO. OCORRÊNCIA. CONSUMIDOR. ÔNUS DA PROVA. INVERSÃO. INTELIGÊNCIA DO ART. 6º, VIII DA LEI Nº 8.078/90. 1 - A inversão ou não do ônus da prova, prevista no art. 6º, VIII da Lei nº 8.078/90, depende da análise de requisitos básicos (verossimilhança das alegações e hipossuficiência do consumidor), aferidas com base nos aspectos fático- probatórios peculiares de cada caso concreto. REsp 615684 / SP - 28/06/2005 Ação de revisão de contrato bancário. Inversão do ônus da prova. Pagamento das despesas pela produção da prova. Precedentes da Terceira Turma. 1. Ficou assentado na Terceira Turma que a "inversão do ônus da prova não tem o efeito de obrigar a parte contrária a arcar com as custas da prova requerida pelo consumidor. No entanto, sofre as conseqüências processuais advindas de sua não produção" (REsp n° 443.208/RJ, Relatora a Ministra Nancy Andrighi, DJ de 17/3/03; no mesmo sentido: AgRgREsp n° 542.241/RJ, Relatora a Ministra Nancy Andrighi, DJ de 19/4/04; REsp n° 435.155/MG, de minha relatoria, DJ de 11/5/03; REsp n° 466.604/RJ, Relator o Ministro Ari Pargendler, DJ de 2/6/03). 2. Recurso especial conhecido e provido, em parte. Inversão ope legis – Art. 38, do CDC: “O ônus da prova da veracidade e correção da informação ou comunicação publicitária cabe a quem as patrocina”.
  • 16. Momento da inversão: I – Despacho da petição inicial; II – Sentença (regra de julgamento); III – No saneamento (regra de procedimento). Posição STJ REsp 662608 / SP – 12/12/2006 RECURSO ESPECIAL. CDC. APLICABILIDADE ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS. ENUNCIADO N. 297 DA SÚMULA DO STJ. INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA (ART. 6º, INCISO VIII, DO CDC). MOMENTO PROCESSUAL. FASE INSTRUTÓRIA. POSSIBILIDADE. Mesmo que controverso o tema, dúvida não há quanto ao cabimento da inversão do ônus da prova ainda na fase instrutória – momento, aliás, logicamente mais adequado do que na sentença, na medida em que não impõe qualquer surpresa às partes litigantes -, posicionamento que vem sendo adotado por este Superior Tribunal, conforme precedentes. Posição STJ REsp 422778 / SP – 19/06/2007 Responsabilidade civil. Indenização por danos materiais e compensação por danos morais. Causa de pedir. Cegueira causada por tampa de refrigerante quando da abertura da garrafa. Procedente. Obrigação subjetiva de indenizar. Súmula 7/STJ. Prova de fato negativo. Superação. Possibilidade de prova de afirmativa ou fato contrário. inversão do ônus da prova em favor do consumidor. regra de julgamento. Doutrina e jurisprudência. Conforme posicionamento dominante da doutrina e da jurisprudência, a inversão do ônus da prova, prevista no inc. VIII, do art. 6.º do CDC é regra de julgamento. Vencidos os Ministros Castro Filho e Humberto Gomes de Barros. Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor 11º) Efetiva prevenção e reparação de danos
  • 17. Art. 6º, VI, do CDC: “a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e difusos”. REsp Nº 986.947 – RN - 11 de março de 2008. DIREITO CIVIL E CONSUMIDOR. PLANO DE SAÚDE. INCIDÊNCIA DO CDC. PRÓTESE NECESSÁRIA À CIRURGIA DE ANGIOPLASTIA. ILEGALIDADE DA EXCLUSÃO DE “STENTS” DA COBERTURA SECURITÁRIA. DANO MORAL CONFIGURADO. MAJORAÇÃO DOS DANOS MORAIS. - Conquanto geralmente nos contratos o mero inadimplemento não seja causa para ocorrência de danos morais, a jurisprudência desta Corte vem reconhecendo o direito ao ressarcimento dos danos morais advindos da injusta recusa de cobertura de seguro saúde, pois tal fato agrava a situação de aflição psicológica e de angústia no espírito do segurado, uma vez que, ao pedir a autorização da seguradora, já se encontra em condição de dor, de abalo psicológico e com a saúde debilitada. - A quantia de R$5.000,00, considerando os contornos específicos do litígio, em que se discute a ilegalidade da recusa de cobrir o valor de “stents” utilizados em angioplastia, não compensam de forma adequada os danos morais. Condenação majorada. Recurso especial não conhecido e recurso especial adesivo conhecido e provido. REsp 628854 / ES - 03/05/2007 RECURSO ESPECIAL. VIOLAÇÃO AO ARTIGO 535 DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. INOCORRÊNCIA. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. COMPRA DE VEÍCULO 'ZERO' DEFEITUOSO. DANOS MORAIS. INEXISTÊNCIA. MERO DISSABOR. II. Os danos morais surgem em decorrência de uma conduta ilícita ou injusta, que venha a causar forte sentimento negativo em qualquer pessoa de senso comum, como vexame, constrangimento, humilhação, dor. Isso, entretanto, não se vislumbra no caso dos autos, uma vez que os aborrecimentos ficaram limitados à indignação da pessoa, sem qualquer repercussão no mundo exterior. Recurso especial parcialmente provido. Responsabilidade no CDC
  • 18. Regra - Responsabilidade Civil Objetiva: É aquela que independe da existência de culpa. Elementos a provar: produto defeituoso, eventus damni, relação de causalidade entre ambos. REsp 475039 / MS – 27/02/2007 RECURSO ESPECIAL. RESPONSABILIDADE CIVIL. ACIDENTE AUTOMOBILÍSTICO. FALHA NO SISTEMA DE TRAVAMENTO DE FREIOS. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. CARÁTER PROCRASTINATÓRIO NÃO VERIFICADO. MULTA AFASTADA. NEXO CAUSAL VERIFICADO NAS INSTÂNCIAS ORDINÁRIAS. SÚMULA 7 DO STJ. INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA. POSSIBILIDADE. Teoria do Risco: a base da responsabilidade civil objetiva. Para essa teoria, toda pessoa que exerce alguma atividade empresarial cria um risco de dano para terceiros e deve ser obrigada a repará-lo, ainda que sua conduta seja isenta de culpa. Responsabilidade no CDC Diferença entre vício e defeito: I - Parte da doutrina entende que vício e defeito são expressões distintas: a) Vício: diz respeito à inadequação dos produtos e serviços para os fins a que se destinam. b) Defeito: diz respeito à insegurança de um produto ou um serviço. O CDC prevê duas modalidades de responsabilidade: 1ª) responsabilidade pelo fato do produto e do serviço; 2ª) responsabilidade por vício do produto e do serviço. Responsabilidade pelo Fato do Produto
  • 19. Art. 12, do CDC. “O fabricante, o produtor, o construtor, nacional ou estrangeiro, e o importador respondem, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos decorrentes de projeto, fabricação, construção, montagem, fórmulas, manipulação, apresentação ou acondicionamento de seus produtos, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua utilização e riscos”. Fato do produto: refere-se aos danos causados aos consumidores, os ditos acidentes de consumo. Responsabilidade pelo Fato do Produto Art. 12, § 1° O produto é defeituoso quando não oferece a segurança que dele legitimamente se espera, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais: I - sua apresentação; II - o uso e os riscos que razoavelmente dele se esperam; III - a época em que foi colocado em circulação. Art. 12, § 2º O produto não é considerado defeituoso pelo fato de outro de melhor qualidade ter sido colocado no mercado. AgRg no AI nº 693.303/DF - 18 de abril de 2006 CIVIL. PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO ESPECIAL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS E MORAIS. VIOLAÇÃO AO ART. 535 DO CPC. INEXISTÊNCIA. VÍCIO DE INFORMAÇÃO. ANÁLISE. IMPOSSIBILIDADE. INCIDÊNCIA DA SÚMULA 07 DO STJ. III. Ademais, o direito do consumidor se dá em relação à fidedignidade e qualidade do produto que está comprando, não abrangendo, no caso de aquisição de veículo novo, o acesso a informações precisas sobre futuros lançamentos da montadora, dado ao sigilo e
  • 20. dinâmica de mercado próprios da indústria automobilística. Indevida, portanto, indenização, se após a aquisição outro modelo, mais atualizado, veio a ser produzido. IV. Agravo regimental desprovido. Responsabilidade pelo Fato do Produto O comerciante responderá nas hipóteses do art. 13 do CDC: “O comerciante é igualmente responsável, nos termos do artigo anterior, quando: I - o fabricante, o construtor, o produtor ou o importador não puderem ser identificados; II - o produto for fornecido sem identificação clara do seu fabricante, produtor, construtor ou importador; III - não conservar adequadamente os produtos perecíveis”. Direito de regresso: Art. 13, parágrafo único: “Aquele que efetivar o pagamento ao prejudicado poderá exercer o direito de regresso contra os demais responsáveis, segundo sua participação na causação do evento danoso”. É vedada a denunciação da lide – art. 88 CDC: “Na hipótese do art. 13, parágrafo único deste código, a ação de regresso poderá ser ajuizada em processo autônomo, facultada a possibilidade de prosseguir-se nos mesmos autos, vedada a denunciação da lide”. Responsabilidade pelo Fato do Produto Fundamentos da vedação da denunciação da lide: I – Traz nova pessoa à lide; II – Traz nova causa de pedir. III - Retarda a reparação dos danos sofridos pelo consumidor. Responsabilidade pelo Fato do Produto REsp 439233 / SP – 04/10/2007
  • 21. CIVIL E PROCESSUAL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. DANOS MORAIS. TRAVAMENTO DE PORTA DE AGÊNCIA BANCÁRIA. DENUNCIAÇÃO À LIDE DA EMPRESA DE SEGURANÇA. REJEIÇÃO COM BASE NO ART. 88 DO CDC. VEDAÇÃO RESTRITA A RESPONSABILIDADE DO COMERCIANTE (CDC, ART. 13). FATO DO SERVIÇO. AUSÊNCIA DE RESTRIÇÃO COM BASE NA RELAÇÃO CONSUMERISTA. HIPÓTESE, TODAVIA, QUE DEVE SER APRECIADA À LUZ DA LEI PROCESSUAL CIVIL (ART. 70, III). ANULAÇÃO DO ACÓRDÃO. Responsabilidade pelo Fato do Produto REsp 439233 / SP – 04/10/2007 A vedação à denunciação à lide disposta no art. 88 da Lei n. 8.078/1990 restringe-se à responsabilidade do comerciante por fato do produto (art. 13), não alcançando o defeito na prestação de serviços (art. 14), situação, todavia, que não exclui o exame do caso concreto à luz da norma processual geral de cabimento da denunciação, prevista no art. 70, III, da lei adjetiva civil. Responsabilidade pelo Fato do Produto Excludentes de responsabilidade – art. 12, §3º CDC: “O fabricante, o construtor, o produtor ou importador só não será responsabilizado quando provar: I - que não colocou o produto no mercado; II - que, embora haja colocado o produto no mercado, o defeito inexiste; III - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro”. Responsabilidade pelo Fato do Serviço Responsabilidade pelo fato do serviço: art. 14, do CDC: “O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos”. Responsabilidade pelo Fato do Serviço Serviço defeituoso - art. 14, §1º, do CDC:
  • 22. “O serviço é defeituoso quando não fornece a segurança que o consumidor dele pode esperar, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais: I - o modo de seu fornecimento; II - o resultado e os riscos que razoavelmente dele se esperam; III - a época em que foi fornecido. § 2º O serviço não é considerado defeituoso pela adoção de novas técnicas. Responsabilidade pelo Fato do Serviço Causas excludentes de responsabilidade – art. 14, §3º, do CDC: “O fornecedor de serviços só não será responsabilizado quando provar: I - que, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste; II - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro”. Posição do STJ REsp 226348 / SP – 19/09/2006 RECURSO ESPECIAL. RESPONSABILIDADE CIVIL. TRANSPORTE FERROVIÁRIO. 'PINGENTE'. CULPA CONCORRENTE. PRECEDENTES DA CORTE. I - É dever da transportadora preservar a integridade física do passageiro e transportá-lo com segurança até o seu destino. II - A responsabilidade da companhia de transporte ferroviário não é excluída por viajar a vítima como "pingente", podendo ser atenuada se demonstrada a culpa concorrente. Posição do STJ REsp 437195 / SP – 19/06/2007 "Neste Superior Tribunal de Justiça, prevalece a orientação jurisprudencial no sentido de que é civilmente responsável, por culpa concorrente, a concessionária do transporte ferroviário pelo falecimento de pedestre vítima de atropelamento por trem em via férrea, porquanto incumbe à empresa que explora essa atividade cercar e fiscalizar, devidamente, a linha, de modo a impedir sua invasão por
  • 23. terceiros, notadamente em locais urbanos e populosos. Embargos de divergência não conhecidos. (EREsp 705.859/SP) Posição do STJ REsp 142186 / SP - 27/02/2007 RECURSO ESPECIAL. RESPONSABILIDADE CIVIL. HOMICÍDIO NO INTERIOR DE VAGÃO. CASO FORTUITO OU FORÇA MAIOR. EXCLUDENTE DE RESPONSABILIDADE. RECURSO PROVIDO. 1. O fato de terceiro, que não exime de responsabilidade a empresa transportadora, é aquele que guarda uma relação de conexidade com o transporte. 2. Recurso conhecido e provido. Posição do STJ REsp 750418 / RS – 12/09/2006 CIVIL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. CHEQUES FURTADOS DE AGÊNCIA BANCÁRIA. USO INDEVIDO POR TERCEIRO. DEVOLUÇÃO INJUSTIFICADA DE CHEQUES EMITIDOS PELAS CORRENTISTAS. DANO MORAL. VALOR. MANUTENÇÃO. JUROS MORATÓRIOS. CÁLCULO. I. A segurança é prestação essencial à atividade bancária. II. Não configura caso fortuito ou força maior, para efeito de isenção de responsabilidade civil, a ação de terceiro que furta, do interior do próprio banco, talonário de cheques emitido em favor de cliente do estabelecimento. III. Ressarcimento devido às autoras, pela reparação dos danos morais por elas sofridos pela circulação de cheques falsos em seus nomes, gerando constrangimentos sociais, como a devolução indevida de cheques regularmente emitidos pelas correntistas e injustificadamente devolvidos. Responsabilidade Profissional Liberal Exceção à regra – Responsabilidade Subjetiva – art. 14, §4º, do CDC: “A responsabilidade pessoal dos profissionais liberais será apurada mediante a verificação de culpa”.
  • 24. Razões do tratamento diferenciado: I - natureza intuito pesonae da atividade; II – em regra exerce atividade de meio. A responsabilidade subjetiva não exclui a possibilidade de inversão do ônus da prova. Posição do STJ AgRg no REsp 256174 / DF – 04/11/2004 AGRAVO REGIMENTAL. RESPONSABILIDADE MÉDICA. OBRIGAÇÃO DE MEIO. REEXAME FÁTICO-PROBATÓRIO. SÚMULA 07/STJ. INCIDÊNCIA. 1. Segundo doutrina dominante, a relação entre médico e paciente é contratual e encerra, de modo geral (salvo cirurgias plásticas embelezadoras), obrigação de meio e não de resultado. Precedente. Posição do STJ REsp 258389 / SP – 16/06/2005 CIVIL. INDENIZAÇÃO. MORTE. CULPA. MÉDICOS. AFASTAMENTO. CONDENAÇÃO. HOSPITAL. RESPONSABILIDADE. OBJETIVA. IMPOSSIBILIDADE. 1 - A responsabilidade dos hospitais, no que tange à atuação técnico-profissional dos médicos que neles atuam ou a eles sejam ligados por convênio, é subjetiva, ou seja, dependente da comprovação de culpa dos prepostos, presumindo-se a dos preponentes. Posição do STJ REsp 629212 / RJ - 15/05/2007 RESPONSABILIDADE CIVIL. CONSUMIDOR. INFECÇÃO HOSPITALAR. RESPONSABILIDADE OBJETIVA DO HOSPITAL. ART. 14 DO CDC. DANO MORAL. QUANTUM INDENIZATÓRIO. O hospital responde objetivamente pela infecção hospitalar, pois esta decorre do fato da internação e não da atividade médica em si. O valor arbitrado a título de danos morais pelo Tribunal a quo não se revela exagerado ou desproporcional às
  • 25. peculiaridades da espécie, não justificando a excepcional intervenção desta Corte para revê-lo. Responsabilidade do Advogado e CDC REsp 757867 / RS – 21/09/2006 PROCESSUAL - AÇÃO DE ARBITRAMENTO DE HONORÁRIOS - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADVOCATÍCIOS - CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR – NÃO APLICAÇÃO - CLÁUSULA ABUSIVA - PACTA SUNT SERVANDA. - Não incide o CDC nos contratos de prestação de serviços advocatícios. Portanto, não se pode considerar, simplesmente, abusiva a cláusula contratual que prevê honorários advocatícios em percentual superior ao usual. Prevalece a regra do pacta sunt servanda. (contra Resp 364168) Responsabilidade pelo Vício do Produto Art. 18, caput, do CDC: “Os fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não duráveis respondem solidariamente pelos vícios de qualidade ou quantidade que os tornem impróprios ou inadequados ao consumo a que se destinam ou lhes diminuam o valor, assim como por aqueles decorrentes da disparidade, com as indicações constantes do recipiente, da embalagem, rotulagem ou mensagem publicitária, respeitadas as variações decorrentes de sua natureza, podendo o consumidor exigir a substituição das partes viciadas”. Responsabilidade pelo Vício do Produto Vício de qualidade: aquele que torne o produto impróprio , inadequado , lhe diminua o valor ou esteja em desacordo com informações da oferta. Respeitadas as variações decorrentes de sua natureza. Responsabilidade pelo Vício do Produto Alternativas ao Consumidor art. 18, do CDC “§ 1° Não sendo o vício sanado no prazo máximo de trinta dias, pode o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha:
  • 26. I - a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições de uso; II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos; III - o abatimento proporcional do preço. Responsabilidade pelo Vício do Produto Art. 18, § 2°, do CDC: “Poderão as partes convencionar a redução ou ampliação do prazo previsto no parágrafo anterior, não podendo ser inferior a sete nem superior a cento e oitenta dias. Nos contratos de adesão, a cláusula de prazo deverá ser convencionada em separado, por meio de manifestação expressa do consumidor”. Responsabilidade pelo Vício do Produto Art. 18, § 4°, do CDC: “Tendo o consumidor optado pela alternativa do inciso I do § 1° deste artigo, e não sendo possível a substituição do bem, poderá haver substituição por outro de espécie, marca ou modelo diversos, mediante complementação ou restituição de eventual diferença de preço, sem prejuízo do disposto nos incisos II e III do § 1° deste artigo”. Art. 18, § 3°, do CDC: “O consumidor poderá fazer uso imediato das alternativas do § 1° deste artigo sempre que, em razão da extensão do vício, a substituição das partes viciadas puder comprometer a qualidade ou características do produto, diminuir-lhe o valor ou se tratar de produto essencial”. Vício de quantidade: É aquele cujo conteúdo líquido é inferior às indicações constantes do recipiente, embalagem, rotulagem ou mensagem publicitária. Respeitadas as variações decorrentes de sua natureza. Responsabilidade pelo Vício do Produto Alternativas ao Consumidor art. 19, do CDC I – abatimento proporcional do preço;
  • 27. II – complementação do peso ou medida; III – substituição do produto por outro da mesma espécie, marca ou modelo. Se impossível o §1º prevê a substituição por outro de espécie, marca ou modelo diversos, mediante complementação se o outro produto for mais caro; ou, restituição proporcional do valor pago, se o outro produto for mais barato; IV restituição da quantia paga sem prejuízos das perdas e danos. Opções conferidas ao consumidor: Art. 20, do CDC: “O fornecedor de serviços responde pelos vícios de qualidade que os tornem impróprios ao consumo ou lhes diminuam o valor, assim como por aqueles decorrentes da disparidade com as indicações constantes da oferta ou mensagem publicitária, podendo o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha: I - a reexecução dos serviços, sem custo adicional e quando cabível; Vide §1º II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos; III - o abatimento proporcional do preço”. Responsabilidade pelo Vício do Serviço Art. 20, § 1°, do CDC: “A reexecução dos serviços poderá ser confiada a terceiros devidamente capacitados, por conta e risco do fornecedor”. Art. 23, do CDC: “A ignorância do fornecedor sobre os vícios de qualidade por inadequação dos produtos e serviços não o exime de responsabilidade”. Prazos Decadenciais São duas as espécies de garantia: 1ª) Garantia Legal – art. 24, do CDC:
  • 28. “A garantia legal de adequação do produto ou serviço independe de termo expresso, vedada a exoneração contratual do fornecedor”. A garantia legal refere-se à adequação do produto ou serviço e o consumidor terá os seguintes prazos para apresentar reclamação (art. 26, do CDC): a) produtos ou serviços não duráveis (que se extingüem com o uso) : 30 dias; b) produtos ou serviços duráveis (que não se extinguem com o uso): 90 dias. Prazos Decadenciais Início da contagem do prazo decadencial: I - se for vício de fácil constatação ou aparente – inicia-se a contagem do prazo a partir da entrega efetiva do produto ou do término da execução do serviço (art. 26, §1º, do CDC); II - se o vício for oculto – inicia-se a partir do momento em que ficar evidenciado o problema (art.26, § 3º, do CDC). Obs: produto usado também está submetido à garantia legal. Prazos Decadenciais Causas que obstam a decadência - art. 26, §2º: “ Obstam a decadência: I - a reclamação comprovadamente formulada pelo consumidor perante o fornecedor de produtos e serviços até a resposta negativa correspondente, que deve ser transmitida de forma inequívoca; III - a instauração de inquérito civil, até seu encerramento. Prazo Prescricional O prazo prescricional está previsto no art. 27, do CDC:
  • 29. “Prescreve em cinco anos a pretensão à reparação pelos danos causados por fato do produto ou do serviço prevista na Seção II deste Capítulo, iniciando-se a contagem do prazo a partir do conhecimento do dano e de sua autoria”. dor, deverão ser utilizados. Oferta Oferta, para fins de CDC, é sinônimo de marketing, significando todos os métodos e técnicas que aproximam o consumidor dos produtos e serviços colocados no mercado de consumo. Qualquer dessas técnicas – dentre elas a publicidade – desde que suficientemente precisa, vinculará o ofertante a cumprir o veiculado na forma prometida. Características da oferta no CDC: Art. 30. “Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e serviços oferecidos ou apresentados, obriga o fornecedor que a fizer veicular ou dela se utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado”. Características da oferta no CDC: I – Abrange toda informação ou publicidade suficientemente precisa; II – Obriga o fornecedor que a fizer veicular; III – Integra o contrato que vier a ser celebrado. Recusa da Oferta - Recusa do cumprimento da oferta – art. 35 do CDC: · I - Cumprimento forçado da oferta (o consumidor poderá valer-se dos instrumentos processuais existentes para concretizar esse direito - art. 84 do CDC caput e seus parágrafos 3º, 4º e 5º); · II - Aceitação de outro produto ou serviço equivalente; · III - Rescisão do contrato com restituição do valor pago, monetariamente atualizado, mais perdas e danos.
  • 30. Publicidade Conceito: é toda informação dirigida ao público consumidor com o objetivo de promover, direta ou indiretamente, produto ou serviço colocado à disposição no mercado de consumo. Publicidade X Propaganda: Publicidade - Princípios 1º) Princípio da identificação imediata da publicidade - art. 36, caput, do CDC: “A publicidade deve ser veiculada de tal forma que o consumidor, fácil e imediatamente, a identifique como tal”. Por esse princípio é vedada: I – publicidade dissimulada; II – publicidade subliminar; III - publicidade clandestina (merchandising) - Os autores do anteprojeto sugerem a utilização dos chamados créditos, i.e., a veiculação antecipada de uma informação comunicando que naquele programa ocorrerá o merchandising. 2º) Princípio da vinculação contratual da publicidade: pode o consumidor exigir o cumprimento do veiculado na mensagem publicitária, nos termos dos artigos 30 e 35 do CDC; 3º) Princípio da veracidade da publicidade: art. 37, do CDC que proíbe a publicidade enganosa;
  • 31. 4º) Princípio da não abusividade da publicidade: art. 37 que proíbe a publicidade abusiva; 5º) Princípio da inversão obrigatória do ônus da prova no tocante à veracidade da publicidade - art. 38 do CDC: “O ônus da prova da veracidade e correção da informação ou comunicação publicitária cabe a quem as patrocina”. 6º) Princípio da transparência/da fundamentação da publicidade - art. 36, parágrafo único, do CDC: Parágrafo único. O fornecedor, na publicidade de seus produtos ou serviços, manterá, em seu poder, para informação dos legítimos interessados, os dados fáticos, técnicos e científicos que dão sustentação à mensagem. 7º) Princípio da correção do desvio da publicidade: é a contrapropaganda, prevista nos arts. 56, XII e 60, caput e parágrafo 1o, todos do CDC. Art. 60, § 1º, do CDC: “A contrapropaganda será divulgada pelo responsável da mesma forma, freqüência e dimensão e, preferencialmente no mesmo veículo, local, espaço e horário, de forma capaz de desfazer o malefício da publicidade enganosa ou abusiva”. Publicidade Enganosa Art. 37 do CDC: “É proibida toda publicidade enganosa ou abusiva. § 1° É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo, mesmo por omissão, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços. § 3° Para os efeitos deste código, a publicidade é enganosa por omissão quando deixar de informar sobre dado essencial do produto ou serviço”. Publicidade Abusiva
  • 32. art. 37, §2º, do CDC: “É abusiva, dentre outras a publicidade discriminatória de qualquer natureza, a que incite à violência, explore o medo ou a superstição, se aproveite da deficiência de julgamento e experiência da criança, desrespeita valores ambientais, ou que seja capaz de induzir o consumidor a se comportar de forma prejudicial ou perigosa à sua saúde ou segurança”. Publicidade Responsabilidade Do fornecedor anunciante e objetiva E a responsabilidade da agência e do próprio veículo de comunicação? Publicidade Responsabilidade 1ª corrente - Antonio Herman: O fornecedor anunciante responde objetivamente, já o anunciante e o veículo só serão co-responsáveis quando agirem dolosa ou culposamente – responsabilidade subjetiva; 2ª corrente - Nelson Néry e Rizzatto Nunes: pregam a responsabilidade civil objetiva também para a agência, o veículo e a celebridade sob argumento de que a responsabilização de tais sujeitos deve ser realizada nos termos da regra prevista no CDC. Posição do STJ REsp 604172 / SP – 27/03/2007 AÇÃO CIVIL PÚBLICA - CONSUMIDOR - VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO - EVENTUAL PROPAGANDA OU ANÚNCIO ENGANOSO OU ABUSIVO - AUSÊNCIA DE RESPONSABILIDADE – CDC, ART. 38 - FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS. III - As empresas de comunicação não respondem por publicidade de propostas abusivas ou enganosas. Tal responsabilidade toca aos fornecedores-anunciantes, que a patrocinaram (CDC, Arts. 3º e 38). IV - O CDC, quando trata de publicidade, impõe deveres ao anunciante - não às empresas de comunicação (Art. 3º, CDC).
  • 33. Proteção Contratual Princípios que regem as relações contratuais: 1º) Rompimento com a tradição privatista do CC; 2º) Princípio da conservação dos contratos; 3º) boa-fé objetiva; 4º) princípio da equivalência e do equilíbrio; 5º) Dever de informar e princípio da transparência; 6º) Interpretação mais favorável ao consumidor – art. 47 do CDC: “As cláusulas contratuais serão interpretadas de maneira mais favorável ao consumidor”. 7º) Princípio da Vinculação Pré-contratual: Art. 48. As declarações de vontade constantes de escritos particulares, recibos e pré- contratos relativos às relações de consumo vinculam o fornecedor, ensejando inclusive execução específica, nos termos do art. 84 e parágrafos. O art. 48 refere-se aos contratos preliminares como o recibo de sinal e os pré-contratos. Proteção Contratual - STJ REsp 247344 / MG - 19/02/2001 CIVIL E PROCESSUAL - PROMESSA DE COMPRA E VENDA - IMÓVEL – INSCRIÇÃO NO REGISTRO IMOBILIÁRIO - ADJUDICAÇÃO - OUTORGA UXÓRIA – PRECEDENTES DA CORTE. I - A promessa de venda gera efeitos obrigacionais não dependendo, para sua eficácia e validade, de ser formalizada em instrumento publico. O direito a adjudicação compulsória é de caráter pessoal, restrito aos contratantes, não se condicionando a obligatio faciendi à inscrição no registro de imóveis. Contrato de Adesão Conceito - art. 54, caput, do CDC:
  • 34. “Contrato de adesão é aquele cujas cláusulas tenham sido aprovadas pela autoridade competente ou estabelecidas unilateralmente pelo fornecedor de produtos ou serviços, sem que o consumidor possa discutir ou modificar substancialmente seu conteúdo”. Características: a) consumidor não participa da sua elaboração; b) a inserção de cláusula não desfigura o contrato de adesão (§1º); c) resolução alternativa de escolha exclusiva do consumidor (§2º); d) redigidos em termos claros (evitar linguagem técnica,inacessível), com caracteres ostensivos (evitar letras miúdas, difíceis de serem lidas) e legíveis (EX: contratos transmitidos via fax, cópia de contrato em papel carbono) para facilitar a sua compreensão (§3º); e) cláusulas que limitem o direito do consumidor devem ser redigidas em destaque – cor diferente, tarja preta em volta da cláusula, fonte gráfica maior, tipo de letra diferente (itálico) (parágrafo 4º). Súmula 302 do STJ: É abusiva a cláusula contratual de plano de saúde que limita no tempo a internação hospitalar do segurado. Contrato de Adesão - STJ SEGURO. ACIDENTE DE TRÂNSITO. EMBRIAGUEZ. NEXO DE CAUSALIDADE. COMPROVAÇÃO. CLÁUSULA LIMITATIVA DO DIREITO DO CONSUMIDOR. DESTAQUE EM NEGRITO (REsp 774035 / MG – 21/11/2006).
  • 35. A embriaguez do segurado, por si só, não exclui direito à indenização securitária. Cláusula restritiva, contida em contrato de adesão, deve ser redigida com destaque a fim de se permitir, ao consumidor, sua imediata e fácil compreensão. O fato de a cláusula restritiva estar no meio de outras, em negrito, não é suficiente para se atender à exigência do Art. 54, § 4º, do CDC. A lei não prevê - e nem o deveria - o modo como tais cláusulas deverão ser redigidas. Assim, a interpretação do Art. 54 deve ser feita com o espírito protecionista, buscando sua máxima efetividade. Contrato de Adesão - STJ Ag 664090 - 20.06.2007 (Agravante - AMIL) AGRAVO DE INSTRUMENTO - PLANO DE SAÚDE - CLÁUSULA DE EXCLUSÃO DE COBERTURA PARA TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS - CONVERSÃO DO AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO ESPECIAL - AUTOS SUFICIENTEMENTE INSTRUÍDOS - POSSIBILIDADE - AGRAVO PROVIDO. A celeuma instaurada no recurso especial centra-se na alegação de que não há abusividade na cláusula contratual do plano de saúde em questão, que prevê a exclusão da cobertura de custos ou ressarcimento para qualquer tipo de transplante, excetuando-se os de córnea e de rim. Compras fora do Estabelecimento Art. 49. O consumidor pode desistir do contrato, no prazo de 7 dias a contar de sua assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço, sempre que a contratação de fornecimento de produtos e serviços ocorrer fora do estabelecimento comercial, especialmente por telefone ou a domicílio. Parágrafo único. Se o consumidor exercitar o direito de arrependimento previsto neste artigo, os valores eventualmente pagos, a qualquer título, durante o prazo de reflexão, serão devolvidos, de imediato, monetariamente atualizados. Abrange a venda: a) em domicílio; b) por telefone;
  • 36. c) por correspondência; d) por meio eletrônico. Prazo de reflexão ou arrependimento: a) legal: 07 dias, contados da assinatura do contrato ou do recebimento do produto ou serviço; b) convencional: nada impede que esse prazo seja maior, mas nunca poderá ser inferior a 07 dias. Posição Jurisprudência Apelação Cível - Contrato de consumo - Agência de viagens - Pacote de turismo - Negociação pela Internet - Contrato a distância - Direito de arrependimento - Aplicabilidade - Formação do contrato - Aperfeiçoa-mento com a aceitação. Aplica-se à contratação feita por telefone e por meios eletrônicos o art. 49 do Codecon, concedendo-se ao consumidor um período de reflexão e a possibilidade de se arrepender, sem ônus, obtendo a devolução integral de eventuais quantias pagas. (TJMG-ACi nº 1.0024.05.704783-9/002- 6/9/2006) Cláusulas Abusivas Rol exemplificativo do art. 51 do CDC: “São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de produtos e serviços que: I - impossibilitem, exonerem ou atenuem a responsabilidade do fornecedor por vícios de qualquer natureza dos produtos e serviços ou impliquem renúncia ou disposição de direitos. Nas relações de consumo entre o fornecedor e o consumidor pessoa jurídica, a indenização poderá ser limitada, em situações justificáveis”; 1) cláusula de não indenizar: a) proibição absoluta: é nula a cláusula que impossibilite, exonere ou atenue a responsabilidade do fornecedor por vício e a que implique renúncia ou disposição de direito;
  • 37. b) proibição relativa: pode limitar a indenização quando o consumidor for pessoa jurídica, em situações justificáveis. II - subtraiam ao consumidor a opção de reembolso da quantia já paga, nos casos previstos neste código; III - transfiram responsabilidades a terceiros; Cláusulas Abusivas - STJ REsp 783016 / SC – 16/05/2006 CIVIL. RESPONSABILIDADE CIVIL. AGÊNCIA DE TURISMO. Se vendeu “pacote turístico”, nele incluindo transporte aéreo por meio de vôo fretado, a agência de turismo responde pela má prestação desse serviço. IV - estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a eqüidade; Cláusulas Abusivas - STJ REsp 244847 / SP - 19/05/2005 Plano de Saúde. Cláusula de exclusão. AIDS. I - A cláusula de contrato de seguro- saúde excludente de tratamento de doenças infecto- contagiosas, caso da AIDS, é nula porque abusiva. II - Nos contratos de trato sucessivo aplicam-se as disposições do CDC, ainda mais quando a adesão da consumidora ocorreu já em sua vigência. III - Recurso especial conhecido e provido. Cláusulas Abusivas - STJ REsp 348343 / SP – 14/02/2006 CONSUMIDOR - CARTÃO DE CRÉDITO - FURTO - RESPONSABILIDADE PELO USO - CLÁUSULA QUE IMPÕE A COMUNICAÇÃO - NULIDADE - CDC/ART. 51, IV.
  • 38. - São nulas as cláusulas contratuais que impõem ao consumidor a responsabilidade absoluta por compras realizadas com cartão de crédito furtado até o momento (data e hora) da comunicação do furto. Tais avenças de adesão colocam o consumidor em desvantagem exagerada e militam contra a boa-fé e a eqüidade, pois as administradoras e os vendedores têm o dever de apurar a regularidade no uso dos cartões. VI - estabeleçam inversão do ônus da prova em prejuízo do consumidor; VII - determinem a utilização compulsória de arbitragem; A doutrina divide-se quanto à viabilidade das cláusulas compromissórias, em razão da compulsoriedade de sujeição ao juízo arbitral. A maioria aceita o compromisso arbitral. VIII - imponham representante para concluir ou realizar outro negócio jurídico pelo consumidor; Súmula 60 do STJ: “É nula obrigação cambial assumida por procurador do mutuário vinculado ao mutuante, no exclusivo interesse deste”. Cláusulas Abusivas - STJ AgRg no REsp 693775 / RS - 06/09/2005 1. O entendimento da Segunda Seção desta Corte, a partir de 25/6/03, quando do julgamento do REsp nº 450.453/RS, Relator o Min. Aldir Passarinho Junior, está assentado no sentido da legalidade da cláusula-mandato e do enquadramento das empresas administradoras de cartão de crédito como instituições integrantes do sistema financeiro nacional. IX - deixem ao fornecedor a opção de concluir ou não o contrato, embora obrigando o consumidor; X - permitam ao fornecedor, direta ou indiretamente, variação do preço de maneira unilateral;
  • 39. XI - autorizem o fornecedor a cancelar o contrato unilateralmente, sem que igual direito seja conferido ao consumidor; XII - obriguem o consumidor a ressarcir os custos de cobrança de sua obrigação, sem que igual direito lhe seja conferido contra o fornecedor; XIII - autorizem o fornecedor a modificar unilateralmente o conteúdo ou a qualidade do contrato, após sua celebração; Cláusulas Abusivas - STJ AUMENTO UNILATERAL DE TARIFA - IMPOSSIBILIDADE - Prestadora de serviço de telefonia móvel - Elevação de tarifa - Alteração unilateral de contrato - Impossibilidade . As cláusulas estipuladas em publicidade da empresa, reconhecida como fornecedora de serviço pelo CDC, devem ser observadas durante toda a vigência da oferta. Qualquer alteração unilateral no contrato, como aumento da tarifa em plano de ligações, é abusiva perante o consumidor. A cobrança mostra-se abusiva e sua devolução deve ser efetuada em dobro. Recurso improvido. (TJDF - 1ª T. Recusal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais; ACi nº 2006.01.1.023497-3-DF; Rel. Des. Esdras Neves; j. 6/3/2007; v.u.) Cláusulas Abusivas Rol exemplificativo do art. 51 do CDC: XIV - infrinjam ou possibilitem a violação de normas ambientais; XV - estejam em desacordo com o sistema de proteção ao consumidor (Lei de Economia Popular nº 1521/51, Lei dos Crimes contra a Ordem Econômica nº 8137/90, Lei de Plano de Saúde nº 9656/98); XVI - possibilitem a renúncia do direito de indenização por benfeitorias necessárias.