SlideShare uma empresa Scribd logo
Programa de Valorização do Profissional da Atenção Básica - PROVAB
Cuidados Paliativos
2
Cuidados Paliativos
Introdução
Fundamentos do Cuidado Paliativo
Com o aumento da expectativa de vida e a conquista da sociedade perante a
modificação do perfil sócio-demográfico populacional, ocorre um salto expressivo na
quantidade de anos vividos. No entanto, esta conquista carrega consigo uma grande
responsabilidade: assim como prover uma “boa vida” todos temos direito a uma “boa
morte”.
Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), Cuidado Paliativo é: “uma
abordagem que promove a qualidade de vida de pacientes e seus familiares, que
enfrentam doenças que ameacem a continuidade da vida, por meio da prevenção e
do alívio do sofrimento. Requer identificação precoce, avaliação e tratamento da dor
além de outros problemas de natureza física, psicossocial e espiritual”.
De forma errônea o Cuidado Paliativo é concebido como um conjunto de cuidados
que deve ser ofertado ao indivíduo ao final de sua vida onde os tratamentos habitualmente
utilizados para prolongar sua vida não mais são efetivos e a morte é iminente. Hoje, na
acepção correta de seu conceito, indica-se o cuidado desde o diagnóstico, expandindo
significativamente seu campo de atuação.
Assim, o Cuidado Paliativo é uma abordagem terapêutica interdisciplinar focada no
alívio do sofrimento e busca pela qualidade de vida em pacientes com doenças limitantes.
É oferecida concomitantemente a outros tratamentos e abordando, sempre, seu nicho
familiar. Aqui, também, não é pontuada a impossibilidade de cura, mas a possibilidade ou
não de tratamento modificador da doença, afastando dessa forma a idéia de “não ter mais
Luto +Cuidados Paliativos
Cuidados ao Fim da Vida
Diagnóstico Morte
Intervenção na Doença
3
nada a fazer”.
Princípios do Cuidado Paliativo
Algumas assertivas devem ser consideradas e os itens abaixo são pontuados como
os principais dentro do Cuidado Paliativo.
O Brasil, segundo a Revista de Economia Inglesa: The Economist, é o terceiro pior
país para se morrer no mundo. Perdendo somente para Uganda e Índia. Tal fato
deve-se pelo não conhecimento da equipe assistente das intervenções necessárias
para os Cuidados Paliativos, acesso dos pacientes a medicações como morfina e
analgésicos mais potentes, entre outros fatores. Consiste, hoje, um grande desafio
modificar este paradigma.
•	 Promover alívio da dor e de outros sintomas desagradáveis;
•	 Afirmar a vida e considerar a morte como um processo normal da vida;
•	 Não acelerar nem adiantar a morte;
•	 Integrar os aspectos psicológicos e espirituais no cuidado ao paciente;
•	 Oferecer um sistema de suporte que possibilite ao paciente viver tão
ativamente quanto possível até o momento de sua morte;
•	 Oferecer sistema de suporte para auxiliar os familiares durante a doença do
paciente e o luto;
•	 Oferecer abordagem multiprofissional para focar as necessidades dos
pacientes e seus familiares, incluindo acompanhamento no luto;
•	 Melhorar a qualidade de vida e influenciar positivamente o curso da doença;
•	 Iniciar o mais precocemente possível o Cuidado Paliativo, juntamente com
outras medidas de prolongamento da vida, como quimioterapia e radioterapia,
e incluir todas as investigações necessárias para melhor compreender e
controlar situações clínicas estressantes;
Indicações e avaliação: Indicação do Cuidado Paliativo
Pela definição da Organização Mundial da Saúde (OMS) para Cuidados Paliativos, to-
dos os pacientes portadores de doenças graves, progressivas e incuráveis, que ameacem
a continuidade da vida, deveriam receber a abordagem dos Cuidados Paliativos desde o
seu diagnóstico. Entretanto, sabemos que, se essa referência tivesse de ser cumprida, a
maioria dos pacientes permaneceria sem nenhuma assistência paliativa, pois não temos
ainda disponibilidade de profissionais e serviços que possam dar conta do atendimento
dessa população.
4
Indicações e avaliação: prognóstico do paciente
Apesar da grande dificuldade em avaliar o prognóstico de um paciente, uma mescla
de ciência e “percepção da Arte Médica”, a metodologia científica nos aponta que a
medida da capacidade funcional é uma forma interessante de pontuar objetivamente o
comportamento de um paciente diante de uma doença e, daí, avaliar sua expectativa de
vida.
Entre os instrumentos mais utilizados encontra-se a Escala de Performance Status
de Karnofsky. Foi desenvolvida para pacientes com câncer com o objetivo de documentar
o declínio do paciente avaliando sua capacidade de realizar determinadas atividades
básicas (Acesse em: https://ufc.unasus.gov.br/curso/provab/idoso_v3/unid_04/tema_03/material_
complementar/tabela-cuidados-paliativos-1.pdf).
A classificação de Zubrod, publicada em 1982, distribui os pacientes em uma escala
de 0 a 5, onde 0 corresponde a uma saúde perfeita e 5 à morte (Acesse em: https://ufc.unasus.
gov.br/curso/provab/idoso_v3/unid_04/tema_03/material_complementar/tabela-cuidados-paliativos-2.
pdf).
Sinais e Sintomas em Cuidados Paliativos
Hidratação – o papel da Hipodermóclise
A administração de fluidos pela via subcutânea é uma alternativa cada vez mais
reconhecida. Consiste em uma prática que, em algumas situações clínicas específicas,
demonstra ser uma via segura, eficaz e, sobretudo, confortável para o paciente. É também
uma boa opção para a reposição de eletrólitos e medicações analgésicas quando a
aceitação oral está comprometida e a medicação necessita ser administrada.
Trata-se de uma técnica simples, de rápido manuseio e que dispensa um menor tempo
em sua execução; por estes fatores, também, tem um custo reduzido. Pacientes com veias
colapsadas, finas, frágeis, que se rompem facilmente, são o público de elegibilidade para
se beneficiarem desta prática.
Vantagens
•	 Baixo custo
•	 Mais confortável
•	 Menos relacionada a sobrecarga de volume e edema pulmonar
•	 Inserção mais simples do cateter
•	 Mais fácil de se obter novos sítios de inserção
•	 Mais indicada para cuidado domiciliar
•	 Menor necessidade de observação
•	 Menor necessidade de hospitalização
•	 Não causa tromboflebite
•	 Pode ser instalada pela equipe de enfermagem em vários locais de atenção à
5
saúde
•	 Não tem sido relacionada à septicemia e sepsis
•	 Pode ser interrompida e reiniciada apenas pela abertura e fechamento do
sistema de infusão
•	 Sem risco de formação de coágulos
Desvantagens
•	 Velocidade de infusão usual de 1ml por minuto
•	 Administração máxima em 24 horas de 300 ml em dois sítios de infusão
•	 Limitações na administração de eletrólitos
•	 Não recomendada para administração de suplementos nutricionais e soluções
hipertrônicas
•	 Permite infusão de número limitado de fluidos
•	 Edema no sítio de infusão comum
•	 Possibilidade de reações locais
Fonte: Sasson M, Shvartzman P. Hypodermoclyysis: Na Alternative Infusion Techinque. Am Fam
Physician 2001; 64: 1575-8.
Você sabia?
Onde se localiza os sítios de Punção? Identifique-os.
6
Drogas Administráveis por via subcutânea
Veja abaixo os principais fármacos administráveis por via subcutânea:
Dor
Dor é um sintoma encontrado em um grande número de doenças sendo como
manifestação direta ou parte do processo mórbido. A experiência dolorosa traz uma série
de consequências físicas, psicológicas e emocionais. Seu reconhecimento, avaliação e
intervenção deve ser rápido e eficaz.
Existem várias escalas que podem auxiliar na detecção da dor, entretanto:
•	 A melhor forma de avaliação é aquela em que o paciente consegue descrever a
intensidade e o tipo de dor;
•	 Escalas de avaliação indireta devem ser reservadas para casos de exceção,
quando o paciente não tem condições de expressar sua dor;
•	 É preciso acreditar no paciente – usar placebo no tratamento da dor é um erro
ético;
•	 A melhor escala é aquela bem aplicada. A equipe deve escolher a ferramenta
que melhor se adapte às necessidades de seus pacientes.
Classe
Analgésicos opiáceos
Antieméticos
Morfina; Metadona; Hidromorfina;
Fármacos
Análogos da somatostatina
Sedativos
Octreotídeo
Anti-histamínicos Prometazina; Hidroxizina
Midazolam
Haloperidol; Metoclopramida
Anticolinérgicos
Corticosteróides
Bloqueadoras H²
Dexametasona
AINH
Ampicilina; Cefepime; Ceftazidima;
Cefotaxima; Ceftriaxone; Tobramicina;
Ranitidina; Famotidina
Atropina; Escopolamina
Dor Total
“Consiste em admitir que o sofrimento do ser humano não advêm apenas de seus
danos físicos que possui, mas também pelas consequências emocionais, sociais e
espirituais que a proximidade da morte pode proporcionar”.
Cicely Saunders.
7
Escalas de Avaliação da Dor
A primeira abordagem terapêutica a ser aplicada pelo profissional ao paciente, é o
esquema proposto pela Organização Mundial de Saúde (OMS), conhecido como “escada
analgésica”, ou seja, dor leve, moderada ou intensa.
As doses dos medicamentos devem ser ajustadas para os pacientes acima de 70
anos e nos casos de insuficiência hepática ou renal. O esquema terapêutico deve seguir
o horário e a dose estipulados, não devendo esperar o quadro de dor para iniciar a
analgesia. Observar que a dose eficaz varia individualmente. Não há limite superior para
dose de morfina. O limite é o controle do sintoma ou o aparecimento de efeitos colaterais.
Nestes casos devemos controlar sintomaticamente os efeitos colaterais, evoluindo até a
substituição alternativa da via de administração ou troca da substância opióide.
Conduta
Escada analgésica da OMS
Tipos de Dor
Dor Neuropática: decorrente de lesão ou disfunçãoo do sistema nervoso periférico
ou central.
Dor Visceral: difusa e mal localizada e geralmente acompanhada de fenômenos
neurovegetativos. Promove hiperalgesia em estruturas somáticas superficiais, na
proximidadedossegmentosespinhaisacometidos,manifestandodoresensibilização
a distância.
Dor Somática: bem delimitada, representada pela área somatosensorial afetada.
Transmitida de acordo com a distribuição anatômica das vias nociceptivas e pode
ser superficial cutânea e profunda de acordo com a estrutura envolvida na lesão.
8
Quando não puder utilizar opióide pela via oral, preferir usar a via subcutânea.
A meperidina não deve ser prescrita para a dor causada pelo câncer, pois tem meia-
vida muito curta, podendo induzir rapidamente à psicose.
Conduta
•	 Dor leve: dipirona ou paracetamol associado ou não a antiinflamatório não
esteróide.
•	 Dor persistente ou leve a moderada: iniciar tramadol ou codeína.
•	 Dor moderada persistente ou intensa: iniciar morfina de liberação regular que,
após titulação da dose terapêutica, pode ser transformada em morfina de
liberação lenta. Observar uso de adjuvantes.
9
Parada Obrigatória!
Extraído do Manual de Cuidados Paliativos da Academia Nacional de Cuidados
paliativos, é apresentado abaixo os principais sinais e sintomas dentro dos Cuidados
paliativos e sua proposta de manejo. Veja a tabela a seguir:
O fluxo de acompanhamento dos pacientes com destino aos Cuidados Paliativos
pode ser aprofundado no caderno de Atenção domiciliar. (Acesse em: https://ufc.
unasus.gov.br/curso/provab/idoso_v3/unid_04/tema_03/material_complementar/cap_6_vol_2_
cuidados_paliativos_final.pdf).
•	 O uso da morfina no paciente com
câncer tem finalidade analgésica,
dificilmente provocando
dependência psicológica ou
depressão respiratória.
•	 Em caso de vômitos como efeito
colateral, usar neuroléptico como
haloperidol.
•	 Os laxativos emolientes devem ser
prescritos de forma profilática.
•	 O resgate para a dor de caráter
súbito e intermitente pode ser de
50% a 100% da dose que se aplica
regularmente. Se doses de resgate
são freqüentemente necessárias,
devem ser, após avaliação, durante
ao menos cinco dias, somadas à
dose/dia prescrita regularmente.
Equivalências
• 	 30 mg CODEÍNA VO = 3, 6 mg
MORFINA VO = 1, 2 mg MORFINA
IM / IV / SC.

• 	 100 mg de TRAMADOL VO / IM =
60 mg de CODEÍNA VO = 7, 2 mg
MORFINA VO .
• 	 30 mg MORFINA VO = 10 mg
MORFINA IV / IM / SC = 10 mg
METADONA VO.

• 	 10 mg METADONA IV = 10 mg
MORFINA IV / IM / SC.
10
Alteraçãodesono/
vigília(insôniaocorre
em29%a59%dos
casosdecâncer
avançado)
Anorexia/caquexia
(tratamentopolêmico)
-	Dornoturna
-	Depressão/ansiedade
-	Maiorinatividadeduranteo
dia
-	Cochiladasdiurnas
-	Efeitocolateraldemedicações
-	Álcoolecafeína
-	Progressãodadoença
-	Alteraçãodopaladar
-	Vômitos
-	Dorintensa,dispneiaou
depressão
-	Bocaseca
-	Técnicasderelaxamento
-	Ouvirmedosdopaciente
-	Diminuirascochiladas
diurnas
-	Incentivarexercíciose
atividadesmoderadas
duranteodia
-	Evitarálcoolecafeína
-	Dietafracionadaem
pequenasquantidades,várias
vezesaodia
-	Dietascoloridascom
levantamentopréviodo
antigocardápioalimentar
(anamnesealimentar)
-	Seindicada,dietaporSNE
emposiçãogástricaou
gastrostomia
-	Tratareficazmenteador
-	Benzodiazepínicos:lorazepan(1-2
mg,1-2x/dia)oumidazolam(15-
30mg)
-	Clopromazinaemdosesbaixas
-	Levomepromazina(4-6gotas/noite)
-	Reverhorárioeadministraçãode
esteroides
-	Sedelírioassociado,haldol(2,5-
5mg/noite)
-	Esteroides:prednisona(5-15mg/
dia)oudexametasona(2-4mgde
8/8h)
-	Megestrol(160-1.600mg/dia)
-	Suplementaçãovitamínica
-	Antidepressivos(tricíclicos,ISRS
etc.),s/n–doseusual
-	Usoexperimental:ômega3,
canabinoides,pentoxifilina,GH,
talidomida
Bocaseca
-	Efeitocolateraldemedicação
-	Desidratação
-	Respirardebocaaberta
-	Candidíaseoral
-	Vômitos,anorexia
-	Depressãoansiedade
-	Oferecerfrequentesgolesde
águaououtrolíquido
-	Umedeceroslábios
-	Oferecerlíquidoscítricos
egelados(sucos,gelatina,
iogurte)
-	Oferecerpedacinhosdegelo
-	Revermedicaçãoanticolinérgica
(hioscina,morfina,atropina,
amitriptilina)ediuréticos
-	Salivaartificial,sedisponível
-	Tratarcandidíase(nistatinaoral,
fluconazol),seforocaso
Astenia
-	Progressãodadoença
-	Anemia
-	Dor
-	Depressão
-	Insônia
-	Infecçõescrônicaseagudas
-	Máabsorção
-	Apoioemocional
-	Conservarenergia
-	Períodosdedescansomais
frequentes
-	Seindicado,usode
equipamentoscomoandador
ecadeiraderodas
-	Tratarascausasespecíficas
-Transfusãosanguíneaparaconforto,
conformeocaso
-	Considerarusodeestimulantesdo
SNC:metilfenidato(Ritalina®)5-20
mg/dia
Quadro-síntesedosprincipaissintomasquenãoadorpresente
nafasefinaldevidaeascondutassugeridasaseremimplementadas.
SintomasCausasPrincipais
Tratamentonão
farmacologico
Tratamentonão
farmacologico
11
Confusãomental
(demênciaoudelírio)
Broncorreia
(hipersecreção)
-	Encefalopatia,metástases
cerebrais
-	Causasmetabólicas:
desidrataçãoedistúrbios
eletrolíticos
-	Efeitocolateraldedrogas
anticolinérgicasemorfina
-	Hipersecreçãopeladoençade
base(DPOC,ICC,anasarca)
-	Incapacidadedetossirou
deglutirsecreção
-	Manteropacientenum
ambienteseguroefamiliar
-	removerobjetosperigosos
-	Usarfrasessimples
-	diminuirsons(rádio,
televisão)
-	Medicaçãodeveser
supervisionada
-	Posicionamentoemdecúbito
lateral
-	Estadodehipo-hidratação
-	Seindicada,aspiraçãode
viasaéreascomsonda
-	Corrigirosdistúrbios
hidroeletrolíticos/revermedicações
-	Tranquilizantes:diazepam(2,5-5
mg1-2x/dia)oumidazolam(15mg/
noite)
-	Haloperidol(5-10mg/2,5mgno
idoso),separanoiaoudificuldadeem
dormirànoite
-	Tratarinfecção,sepresenteouse
indicado
-	Diuréticosparadiminuiredemas
-	Drogasanticolinérgicas(verem
“sororocas”)
Convulsões(10%
dospacientesna
faseterminalpodem
apresentarconvulsões)
-	Hipertensãointracraniana
-	TumormetástaseemSNC
-	Pós-neurocirurgia
-	Distúrbioshidroeletrolíticos
(Na,Ca,Mg,Glicose)
-	Abstinênciade
anticonvulsivantes
-	Explicaremlinguagem
simplesoqueéconvulsãoe
suascausas
-	ExameneurológicoeFO
-	Setumordexametasona(4mgde
6/6h)
-	Corrigirdistúrbioshidroeletrolíticos
-	Drogas:benzodiazepínicos,
anticonvulsivantes(doseshabituais)
-	ManteranticonvulsivantesVR
oumidazolam(5-10mgSC)ou
fenobarbitalSC(deveserdiluído
1:10)
Quadro-síntesedosprincipaissintomasquenãoadorpresente
nafasefinaldevidaeascondutassugeridasaseremimplementadas.
SintomasCausasPrincipais
Tratamentonão
farmacologico
Tratamentonão
farmacologico
Constipação
-	Inatividade,fraqueza
-	Menoringestãoalimentare
delíquidos
-	Obstruçãointestinalpelo
tumor
-	Hipercalcemia
-	Confusãomentaledepressão
-	Efeitocolateraldemedicações
-	Encorajaratividadefísica,se
possível
-	Oferecermaiságua
-	Dietaricaemfibras
-	Chádesene
-	Movimentarosmembros
inferiores
-	Realizarmassagem
abdominalnosentidohorário
-	Revermedicação:codeína(dose),
morfina,antidepressivostricíclicos
-	Óleomineral(1medida2x/dia)
-	Bisacodil(5-10mgaté2x/dia)
-	Lactulose(10ml2x/dia)(máximode
30ml3x/dia)
-	Outroslaxativosorais
-	Enteroclismass/n
12
Delírio(maisde40%
dospacientesapre-
sentarãoconfusão
mentaloudelíriona
fasefinaldavida)
-	Faseterminaldadoença
-	Alteraçõesdonívelde
consciência
-	Encefalopatiametabólica
-	Distúrbioshidroeletrolíticos
(Na,Ca,glicose)
-	Infecção
-	Efeitocolateraldamorfina
-	Suportesemocionaise
psicológicos
-	Presençadefamiliares
-	Presençadecalendárioe
relógio
-	Ambientetranquilo
-	Musicasuave
-	Corrigirosdistúrbioshidroeletrolíti-
cos,secabível
-	Neurolépticosemgeral;olanzapina,
risperidonaequetiapina
-	Haloperidoléadrogadeescolha(5-
10mg/2,5mgnoidoso,atéde8/8h)
-	Benzodiazepínicos:midazolam(15
mg/noite),lorazepam(1-2mg/dia),
diazepam(2,5-5mg1-2x/dia)
Disfunçãourinária(a
prioridadeémelhorar
odesconfortoda
retençãourinária)
-	Progressãodadoença
-	Alteraçõesdonívelde
consciência
-	Efeitocolateraldemedicações
-	Dispositivourinárionão-
invasivo(Uripen®)+bolsa
coletoraougarrafaplástica
(homens)
-	Usodecomadre(mulheres)
-	Usodefraldasdescartáveis
-	Prevençãodedermatite
-	Seincontinênciaintroduzirs/n
anticolinérgicos,antidepressivos
tricíclicos
-	Seretençãorevermedicação
constipante(codeína,morfina,
antidepressivostricíclicos)
-	Antibióticos,seinfecçãodetrato
urinário
Diarreia
-	Medicaçãolaxativaem
“excesso”
-	Abstinênciadeopioides
-	Antibióticos,antiácidos
-	Infusãorápidadadietapor
SNE
-	Gastroparesia(DM,
hipertireoidismo,doença
inflamatóriaintestinaletc.)
-	Aumentaraingestãode
líquidos:água,reidratantes
orais,energéticosesportivos
-	Oferecerlíquidosem
pequenasproporções,várias
vezesaodia
-	Manterdieta,porémSEM
fibras
-	InfundirdietaporSNEmais
lentamente
-	Revermedicaçãoopioide
-	Drogasconstipantes,senãofor
diarreiainfecciosa,comocodeína
(10-30mg6/6hVO)
-	Antiespasmódicos
Depressão
-	Percepçãodafaseterminal
dadoença
-	Sensaçãodeinutilidade
-	Sofrimentocontínuo
-	Dornãoadequadamente
controlada
-	Suporteemocionale
psicológico
-	Presençadefamiliares
-	Seguimentocompsicologia/
psiquiatria
-	Antidepressivos(váriasclasses):
dosesusuaisecrescentes
Quadro-síntesedosprincipaissintomasquenãoadorpresente
nafasefinaldevidaeascondutassugeridasaseremimplementadas.
SintomasCausasPrincipais
Tratamentonão
farmacologico
Tratamentonão
farmacologico
13
Quadro-síntesedosprincipaissintomasquenãoadorpresente
nafasefinaldevidaeascondutassugeridasaseremimplementadas.
SintomasCausasPrincipais
Tratamentonão
farmacologico
Tratamentonão
farmacologico
Prurido
Roncodamorte
(“sororoca”,eminglês:
deathrattle).Ocorre
em25%a92%nafase
finaldevida
-	Peleseca
-	Alergia
-	Dermatites
-	Infecçãofúngicaouescabiose
-	Secreçãoacumuladana
gargantapornãoconseguir
deglutir(geralmentepaciente
jáinconscienteouquase
inconsciente)
-	Hidrataçãodapele(óleo
comácidograxoessencial:
girassoloucanola)
-	Banho:águanãomuito
quente
-	Explicarosignificadodoruído
àfamília/cuidador
-	Eventualmenteaspiraçãode
VAS,procedimentoquepode
impressionarmuito
-	Checarmedicação/alimentação
-	Tratardermatites
-	Anti-histamínicos/corticoidess/n
-	Tratarinfecção(fungo/parasita)
-	Hioscina,homatropinaou
escopolamina(30gotasnabocaaté
6/6ou1ampoladeBuscopan®
-	Atropinacolírioa1%VO(2-3gotas[=
1-3mg]acada6-8h)(cuidadocom
taquicardia)
-	Sedisponíveladesivode
escopolamina
Náuseasevômitos
(nãoadministrar
gastrocinéticosse
vômitoporobstrução
TGI)
-	Obstruçãointestinal
-	Dismotilidadegástrica
-	Efeitocolateraldemedicações
-	EfeitosdaQTs
-	Distúrbiosmetabólicos
(hipercalcemia,uremia,
infecção)
-	Dietafracionadaeem
pequenasporções
-	Alimentoselíquidosfriose
azedos:gelatina,sorvetes,
sorbet,pedaçosdegelo,
musses
-	Técnicasderelaxamento
-	Higieneoralpréepós-
prandial
-	Antieméticos:metoclopramida(10-
30mg8/8-4/4h)oudramamine
-	Outrasdrogas:haloperidol(1-2mg/
dia),clorpromazina(25-50mgacada
6-12h),diazepam(5mg)
-	Ondansetrona(4-8mgde8/8h),se
pós-QT
-	ViadeadministraçãoSC(preferencial)
ousupositórios
Dispneiacausas
multifatoriais(avaliar
sempreacausabase)
-	Linfangitecarcinomatosa/
metástasespulmonares
-	Ansiedadeoupânico
-	Progressãodadoença
pulmonardebase
-	Infecçãopulmonar
-	Derramepericárdicocom
tamponamento
-	Acidosemetabólicacom
falênciademúltiplosórgãos
-	Atmosferamuitoseca
-	Derramepleural
-	Anemia
-	Reposicionaropacientena
camaoucadeira
-	Elevarodecúbito
-	Abrirjanelas
-	Ventilaropaciente
-	Oferecerágua
-	Fazerexercíciosrespiratórios
-	Oxigêniosuplementar(CPAP,
O_2contínuo)
-	Corticoidesnaslinfangites,
compressõestumorais
-	Brancodilatadoress/n
-	Sehipersecreção,hioscina(10mgVO
8/8)
-	Setosseseca,codeína(5-10mg6/6
h)
-	Seindicada,toracocentesedealívio
-	Morfina(iniciarcom2,5-5mg4/4h
VOou2mg4/4SC)
-	Sedaçãopaliativa,sedispneia
incontrolável,midazolamassociado
amorfinacomoprimeiraopção
14
Quadro-síntesedosprincipaissintomasquenãoadorpresente
nafasefinaldevidaeascondutassugeridasaseremimplementadas.
SintomasCausasPrincipais
Tratamentonão
farmacologico
Tratamentonão
farmacologico
Soluços
(checaracausa)
Mioclonias
-	Dispepsia
-	TumoroumetástasedoSNC
-	Irritaçãodonervovago/
frênico
-	Efeitocolateralde
medicações:corticoides,
BCC,anticonvulsivantes
-	Efeitocolateraldemedica-
ções:metoclopramida,opioi-
des(dosealta),neurolépticos
-	Abstinênciadeálcool,ben-
zodiazepínicos,anticonvulsi-
vantes
-	PorhipóxiadeSNC
-	Dietasfracionadaelíquidos
frios
-	Esfregarcomgazeocéuda
boca
-	Xilocaínagel+umacolherde
sopadeaçúcardiluidoemum
poucodesucodelimãoou
laranja
-	Explicaremliguagemsimples
oqueémiocloniaesuas
causas
-	Checarmedicamentos
-	Sedistençãoabdominal,
dimeticona(30-60gotasnaboca)
-	Metoclopramida(10-20mgVOou
SC3a4x/dia)ouhaloperidol(1-2,5
mg1-3x/dia)
-	Baclofeno(10mgVOacada8-12h)
-	Revermedicações
-	Reverdosedeopioides
-	Sedarcommidazolam(5-10mgSC
dehoraemhora),atécassaremas
mioclonias(depois20-30mg/dia)
-	Alternativas:diazepam(10-20mgVR
dehoraemhora)
Sudorese
(checaracausa)
-	Febre,infecção
-	Portumor,geralmente
associadoalinformade
Hodgkins,tumoresmalignos
e/oumatásrasehepática
-	Distúrbiohormonal
-	Medicações
-	Suspensãoabruptade
opioides
-	Secarsudoresecomtecido
absorvente
-	Diminuiratemperturado
ambiente
-	Propiciarfluxodearno
ambiente
-	Evitaralimentosquentee/ou
picantes
-	Trataracausadafebre,infecção
-	Descontinuarsudorese
paraneoplásica:naproxeno(250-
375mg2x/dia);Cimetidina(400-800
mg2-3x/dia);Propanolol(10-20mg
2-3x/dia);Olanzapina(5mg/dia);
estudoscomtalidomida(100mg/
noite)
-	Trocarantidepressivospor
venfalaxina(37,5-75mg/diaVO)
-	Considerarrodíziodeopioides
AutoriadaDra.CeliaMariaKira
SNE:sondanasoenteral;GH;hormôniodecrescimento;SNC:sistemanervosocentral;DPOC:doençapulmonarobstrutiva
crônica;IC:insuficiênciacardíacacongestiva;FO:fundodeolho;TGL:tratogastrointestinal;VR:viaretal;SC:subcutâneo;
DM:diabetesmellitus;VO:viaoral;CPAP:sistemadepressãopositivacontinuadaviasaéreas;QT:quimioterapia;s/n:se
necessário;VAS:viasaéreassuperiores;BCC:bloqueadordocanaldecálcio.
15
Referências
ACADEMIA Nacional de Cuidados Paliativos - ANCP. Manual de Cuidados Paliativos. Rio de Janeiro:
Diagraphic, 2009.
BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Política Nacional do Idoso: Lei nº 8.842,
de janeiro de 1994, Brasília.
BRASIL. Portaria do Gabinete do Ministro de Estado da Saúde de n° 1395, de 9 de dezembro de 1999, que
aprova a Política Nacional de Saúde do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa
do Brasil. Brasília, n° 237-E, p. 20-24, seção 1, 13 dez 1999.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.
Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Cadernos de Atenção Básica,
n. 19. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.192p.
BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Cuidados Paliativos Oncológicos: controle de
sintomas. Rio de Janeiro: INCA. 2001
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação
Geral de Atenção Domiciliar. Caderno de atenção domiciliar 2. Volume 2. Brasília: Ministério da saúde, 2002.
BURLÁ C. Paliação: Cuidados ao Fim da Vida. In: FREITAS, EV; et al. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio
de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan;2002.p.732-39.
CHIBA T. Dor e Tramento. In: FREITAS, EV; et al. Tratado de Geriatria e Gerontologia.Rio de Janeiro: Ed.
Guanabara Koogan; 2002.p.718-731.
Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo - CREMESP. Cuidado Paliativo. São Paulo. 2008.
PESSINI, L. Cuidados paliativos: alguns aspectos conceituais, biográficos e éticos. Prática hospitalar,n. 41,
p. 107-12, 2005.
SIQUEIRA, J. E. Doente terminal. Cadernos de Bioética do CREMESP, v. 1, 2005.
WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Cancer control. Knowledge into action. Palliative Care. Geneve. 2007.
UNIC. Unidade de Cuidados. Manual de Cuidados Paliativos em Pacientes com Câncer. Rio de Janeiro: UnATI.
2009

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Ghiordanno Bruno
 
Aula de humanização plt
Aula de humanização pltAula de humanização plt
Aula de humanização plt
enfanhanguera
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
Ricardo Augusto
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Heberth Macedo
 
Feridas
FeridasFeridas
Feridas
Nelio Dinis
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa
07082001
 
Manual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção Básica
Manual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção BásicaManual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção Básica
Manual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção Básica
Centro Universitário Ages
 
CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...
CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...
CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...
AndressonSimplicio
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Aroldo Gavioli
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
Proqualis
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeGerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Aroldo Gavioli
 
Anotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdfAnotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdf
CASA
 
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à SaúdeLinhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
Nathanael Amparo
 
Cuidados paliativos e dor
 Cuidados paliativos e dor   Cuidados paliativos e dor
Cuidados paliativos e dor
Carlos D A Bersot
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasil
judicleia silva
 
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 

Mais procurados (20)

Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Aula de humanização plt
Aula de humanização pltAula de humanização plt
Aula de humanização plt
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
 
Feridas
FeridasFeridas
Feridas
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa
 
Manual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção Básica
Manual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção BásicaManual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção Básica
Manual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção Básica
 
CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...
CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...
CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeGerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
 
Anotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdfAnotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdf
 
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à SaúdeLinhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
 
Cuidados paliativos e dor
 Cuidados paliativos e dor   Cuidados paliativos e dor
Cuidados paliativos e dor
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasil
 
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
 

Semelhante a Cuidados paliativos

Aula 4 - Clinica médica -Processo Saude - Doença.pdf
Aula 4 - Clinica médica -Processo Saude - Doença.pdfAula 4 - Clinica médica -Processo Saude - Doença.pdf
Aula 4 - Clinica médica -Processo Saude - Doença.pdf
Giza Carla Nitz
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
Eliane Santos
 
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'AlvernePaciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
Rodrigo Mont'Alverne
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
Andressawm
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
Andressawm
 
Campanha sobrevivendo à sepse 2012 mais atualizado
Campanha sobrevivendo à sepse 2012   mais atualizadoCampanha sobrevivendo à sepse 2012   mais atualizado
Campanha sobrevivendo à sepse 2012 mais atualizado
Daniel Valente
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
Fernanda Marinho
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
Fernanda Marinho
 
3dcc30107788de1a21f329829c383716
3dcc30107788de1a21f329829c3837163dcc30107788de1a21f329829c383716
3dcc30107788de1a21f329829c383716
maria divina silva brito
 
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Luciane Santana
 
CLINICA MÉDICA 01 ENF 08.para enfermaf[gem
CLINICA MÉDICA 01 ENF 08.para enfermaf[gemCLINICA MÉDICA 01 ENF 08.para enfermaf[gem
CLINICA MÉDICA 01 ENF 08.para enfermaf[gem
LuanMiguelCosta
 
1297367969sedacao em doentes_terminais
1297367969sedacao em doentes_terminais1297367969sedacao em doentes_terminais
1297367969sedacao em doentes_terminais
Kaká Quadros
 
Mcp e doenças crônicas
Mcp e doenças crônicasMcp e doenças crônicas
Mcp e doenças crônicas
Ricardo Alexandre
 
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdfCUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
cspmgenf
 
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdfcuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
Rodrigo Lima
 
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
Leonardo Savassi
 
11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeutico
11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeutico11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeutico
11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeutico
Marcelo Oliveira Borges
 
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
4  terminalidade da vida e cuidados paliativos4  terminalidade da vida e cuidados paliativos
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
Almeida Almeida
 
Manual
ManualManual
Manual
Andreia Maia
 
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdfAula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
CarlaMarcelaFaedda
 

Semelhante a Cuidados paliativos (20)

Aula 4 - Clinica médica -Processo Saude - Doença.pdf
Aula 4 - Clinica médica -Processo Saude - Doença.pdfAula 4 - Clinica médica -Processo Saude - Doença.pdf
Aula 4 - Clinica médica -Processo Saude - Doença.pdf
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'AlvernePaciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
 
Campanha sobrevivendo à sepse 2012 mais atualizado
Campanha sobrevivendo à sepse 2012   mais atualizadoCampanha sobrevivendo à sepse 2012   mais atualizado
Campanha sobrevivendo à sepse 2012 mais atualizado
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
 
3dcc30107788de1a21f329829c383716
3dcc30107788de1a21f329829c3837163dcc30107788de1a21f329829c383716
3dcc30107788de1a21f329829c383716
 
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
 
CLINICA MÉDICA 01 ENF 08.para enfermaf[gem
CLINICA MÉDICA 01 ENF 08.para enfermaf[gemCLINICA MÉDICA 01 ENF 08.para enfermaf[gem
CLINICA MÉDICA 01 ENF 08.para enfermaf[gem
 
1297367969sedacao em doentes_terminais
1297367969sedacao em doentes_terminais1297367969sedacao em doentes_terminais
1297367969sedacao em doentes_terminais
 
Mcp e doenças crônicas
Mcp e doenças crônicasMcp e doenças crônicas
Mcp e doenças crônicas
 
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdfCUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
 
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdfcuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
 
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
 
11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeutico
11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeutico11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeutico
11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeutico
 
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
4  terminalidade da vida e cuidados paliativos4  terminalidade da vida e cuidados paliativos
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
 
Manual
ManualManual
Manual
 
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdfAula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
 

Último

Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
LuizGustavoCiciliato
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
danielecarvalho75
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
LasAraujo12
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
musicasdeteclado
 
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptxTreinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
luanaazzisesmt
 

Último (10)

Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
 
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptxTreinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
 

Cuidados paliativos