SlideShare uma empresa Scribd logo
Cuidados com Drogas Imunossupressoras 
Bartira De Aguiar Roza 
Carla Fatima de Paixao Nunes
Cuidados de Enfermagem com Drogas Imunossupressoras 
Nome Genérico Ciclosporina4 
Nome Comercial Sandimmum Neoral 4 
Categoria 
Terapêutica 
Imunossupressor / Antireumático/ Antipsoríase 3,4 
Indicação Usado após transplante de rim, fígado, pâncreas, coração, pulmão ou medula óssea. Inibe as reações do organismo contra os tecidos “estranhos”, para prevenir rejeição e 
garantir o funcionamento adequado do órgão ou medula óssea transplantados. Também é usada para o tratamento de algumas formas de uveíte posterior (doenças 
inflamatória de uma das camadas internas do olho), síndrome nefrótica, artrite reumatóide ativa severa e psoríase severa3. 
Mecanismo de 
Ação 
Inibe o desenvolvimento das reações mediadas por células, incluindo imunidade ao aloenxerto, hipersensibilidade cutânea tardia, encefalomielite alérgica, artrite por 
adjuvante de Freund, reação enxerto versus hospedeiro (GVHD) e também produção de anticorpos Timo-dependentes. Ao nível celular, inibe a produção e a liberação de 
linfocinas (fator de crescimento de célula T). Ao que parece, bloqueia os linfócitos durante a fase G0 ou fase G1 do ciclo celular e inibe a liberação de linfocina, 
desencadeadas por antígenos pelas células T ativas. Porém não deprime a hematopoiese e não tem efeito sobre a função das células fagocitárias3,4. 
Administração: 
Dose/Via 
A dose da medicação deve ser calculada para cada paciente. Disponível em comprimidos de 25, 50 ou 10mg4. 
• Dose oral para adultos/jovens/crianças: a dose é baseada no peso. Normalmente inicia-se com 14 a 18mg/Kg/dia, iniciando 4 a 12 horas após o transplante. 
Depois estabiliza-se em 3 a 10mg/Kg/dia. 
• Dose intravenosa para adultos/jovens/crianças - rejeição: a dose é baseada no peso. Normalmente 5 a 6mg/Kg/dia, iniciando 4 a 12 horas após o 
transplante4. 
Precauções Recomendações: 
• Solução Oral: Sandimmun solução oral deve ser diluído em copo de vidro (não de plástico) em bebidas, na seguinte ordem de preferência: chocolate frio, leite 
ou suco de frutas, de acordo com gosto individual, e logo antes de ser tomado deve ser bem misturado e bebido imediatamente. Em seguida, colocar mais diluente no 
copo e tomar, para garantir que a dose total seja ingerida. Sandimmun Neoral solução deve ser diluído, de preferência, com suco de laranja ou de maça, porém, pode-se 
usar refrigerante ou outras bebidas, de acordo com o gosto individual (deve-se evitar diluição em suco de uva). A seringa não deve ser lavada, mas sim enxugada por 
fora. 
• Cápsulas: devem ser mantidas na embalagem até o momento de uso. 
• Infusão intravenosa: devem ser utilizados para a infusão intravenosa, recipiente de vidro. Embalagem plástica somente devem ser utilizadas se estiverem de 
acordo com os requisitos para “recipientes de plásticos para sangue” 1, 3. 
Imunossupressores levam ao aumento do risco de desenvolvimento de tumores4. 
Interações com 
outras drogas 
Não deve ser administrado com outros agentes imunossupressores, exceto corticoesteróides. Drogas como rinfampicina, fenobarbital diminuem a concentração 
sanguínea da ciclosporina. A ciclosporina atinge picos séricos se administrada juntamente com alimentos, e pode causar toxicidade renal se administrada com suco de 
uva. Devido às influências fisiológicas para a absorção do Sandimmun, foi criado o Sandimmun Neoral, esta nova formulação cria o Sandimmun Neoral, esta nova 
formulação cria sua própria “microemulsão” imediatamente após o contato com os fluídos aquoso do trato digestivo. É composto de solventes lipofílicos e hidrofílicos, 
juntamente com um surfactante. Uma vez no intestino é rapidamente emulsificado, sem a necessidade da bile. Isso faz com que se tenha uma absorção aumentada, e 
reduzida variabilidade nos níveis sanguíneos de ciclosporina, que é importante principalmente em pacientes que são propensos a má absorção, em decorrência de 
produção e/ou liberação de bile insuficiente (ex: pacientes transplantados de fígado com drenagem externa de bile). Além dessa vantagem, Sandimmun Neoral elimina a 
influência da alimentação como possível fator de confusão na avaliação dos níveis sanguíneos de ciclosporina3,4. 
Reações 
Adversas 
>10% - Cardiovascular: hipertensão; Dermatológico: hiperisurtismo; Gastrointestinal: hiperplasia gengival; Neuromuscular: tremor; Renal: nefrotoxicidade; Outros: 
sensação de queimação nas mãos e pés. 
1% a 10% - SNC: cefaléia, convulsão; Dermatológico: acne; Gastrointestinal: desconforto abdominal, náusea, vômito, anorexia, dor abdominal, diarréia; Hepático: 
hepatotoxicidade; Neuromuscular: cãimbras nas pernas. 
< 1% - Hipotensão, taquicardia, hipercalemia, hipomagnesemia, hiperuremia, toxicidade renal, alterações respiratórias, perturbações da visão e movimento3,4. 
Cuidados de 
Enfermagem 
• Monitorar resultados de laboratório antes do início do tratamento com a medicação. 
• Monitorar o aparecimento de sinais e sintomas relacionados as reações adversas, e providenciar tratamento. 
• Monitorar sinais e sintomas de infecção, 
• Orientar o paciente quanto as recomendações para administração da medicação4.
Nome Genérico Tacrolimus / FK5064 
Nome 
Comercial 
Prograf4 
Categoria 
Terapêutica 
Imunossupressor4 
Indicação Utilizado em transplantes de fígado, rins, coração ou transplante de pequenas porções de intestino4. 
Mecanismo de 
Ação 
Suprime a imunidade humoral (inibe a ativação das células T) 4. 
Administração: 
Dose/Via 
A dose da medicação deve ser calculada para cada paciente4. 
• Dose oral para adultos/jovens/crianças: a dose é baseada no peso. Normalmente 0,15/Kg/dia, dividido em doses a cada 12horas (devido a 
meia-vida da medicação); 
• Dose intravenosa para adultos/jovens/crianças: a dose é baseada no peso. Normalmente 0,1 a 0,3mg/Kg/dia. 
Não administrar a medicação juntamente com suco de uva, pois altera a absorção da droga1. 
Precauções Após a administração da medicação haverá um aumento dos riscos de adquirir infecção, e o aparecimento de linfoma. Não pode ser administrado 
simultaneamente a ciclosporina. A monitorização laboratorial da concentração da droga no sangue é essencial para prevenir rejeição do órgão 
transplantado4. 
Interações com 
outras drogas 
Tacrolimus prejudica a absorção de antiácidos, e estes devem ser administrados 2 horas após a ingestão do imunossupressor. As medicações que podem 
diminuir a concentração de Tacrolimus no sangue são: rifampicina, fenobarbital, carbamazepina4. 
Reações 
Adversas 
>10% - Cardiovasculares: hipertensão, edema periférico; SNC: cefaléia, insônia, dor, convulsão, febre, alucinação; Dermatológico: prurido; Endócrino e 
metabólico: hipo-hipercalemia, hiperglicemia, hipomagnesemia; Gastrointestinal: diarréia, náusea, anorexia, vômito, dor abdominal, diminuição do 
apetite; Hematológico: anemia, leucocitose; Hepático: ascite; Neuromuscular: tremores, parestesias, lombalgia; Renal: nefrotoxicidade; Respiratório: 
atelectasia, dispnéia, derrame pleural; 
1% a 10% - Dermatológico: rash cutânea; Gastrointestinal: constipação; Genitourinário: infecção urinária; Hematológico: trombocitopenia; Renal: 
oligúria1,4. 
Cuidados de 
Enfermagem 
• Monitorar resultados de laboratório antes do início do tratamento com a medicação; 
• Monitorar o aparecimento de sinais e sintomas relacionados as reações adversas, e providenciar tratamento; 
• Monitorar sinais vitais; 
• Monitorar sinais de infecção; 
• Orientar o paciente a ingerir a medicação próximo as refeições, e não utilizar suco de uva; 
• Se houver antiácidos prescritos, estes devem ser administrados 2 horas após o imunossupressor4.
Nome Genérico Micofenolato mofetil4 
Nome 
Comercial 
Cellcept4 
Categoria 
Terapêutica 
Imunossupressor4 
Indicação Utilizado em associação com corticóides e ciclosporina para prevenir rejeição em pacientes com transplante renal4. 
Mecanismo de 
ação 
Inibe a síntese de linfócitos humanos e sua proliferação4. 
Administração: 
Dose/ Via 
A droga deve ser administrada após a refeição. 
• Dose para prevenir rejeição – uso oral: 1,5g/ 2 vezes ao dia (adultos – transplante cardíaco); 1,0g/2 vezes ao dia (adultos – transplante de 
rin); 1,5g/2 vezes ao dia (adulto- transplante de fígado). 
• Dose para prevenir rejeição - uso intravenoso: 1,5g/2 vezes ao dia (adulto – transplante de coração); 1,0g/2 vezes ao dia (adultos – 
transplante de rin); 1,0g/2 vezes ao dia (adulto- transplante de fígado). (3) 
A dose deve ser reajustada para paciente que apresentarem severa neutropenia - <1,3 x 10,000/uL4. 
Precauções Cuidados com o risco de infecções devem ser tomados, e atenção para a ocorrência de desordens na produção dos linfócitos4. 
Interação com 
Não devem ser administrados em associação com antiácidos4. 
outras drogas 
Reações 
Adversas 
 1% a 10 % 
• Cardiovascular: hipertensão; 
• SNC: insônia, tonturas e vertigens, febre, cefaléia; 
• Dermatológico: rash cutâneo; 
• Endócrino e metabólico: hipercolesterolemia, hipopotassemia, hipocalemiahipercalemia, hiperglicemia. 
• Gastrointestinal: diarréia, constipação, náuseas, vômitos, monilíase, dispepsia, hemorragia do trato gastrointestinal, epigastralgia; 
• Hematológico: leucopenia, neutropenia, anemia, trombocitopenia; 
• Neuromuscular: tremor, lombalgia, mialgia; 
• Renal: necrose tubular, hematúria, disúria; 
• Respiratório: dispnéia, faringite, tosse4. 
Cuidados de 
Enfermagem 
• Monitorar resultados de laboratório antes do início do tratamento com a medicação. 
• Orientar o paciente a não partir o medicamento. 
• Monitorar o aparecimento de sinais e sintomas relacionados as reações adversas, e providenciar tratamento. 
• Monitorar sinais de infecção, 
• Orientar o paciente a ingerir a medicação próximo as refeições4.
Nome Genérico Azatipoprina4 
Nome 
Comercial 
Imuran4 
Categoria 
Terapêutica 
Imunossupressor, Antireumático, doenças inflamatórias do intestino, Lupus eritematoso1,4. 
Indicação Associado a outros agentes auxilia no combate a rejeição 
Mecanismo de 
ação 
Age interferindo na multiplicação das células. É sempre administrada em combinação com outros imunossupressores, tais como a Ciclosporina ou 
Tracolimus, de maneira que doses mais baixas de outras drogas possam ser ministradas. É uma alternativa útil quando os efeitos colaterais de outras 
medicações indicam que uma combinação diferente de drogas imunossupressoras faz-se necessária. É um antimetabólito que interfere com a síntese de 
DNA / RNA e proteínas em células de divisão rápida, e interfere na mitose de algumas células. Isso impede a rejeição, diminuindo a capacidade do 
organismo para formar células T auxiliadoras e exterminadoras citotóxicas2,4. 
Administração: 
Dose/ Via 
Sua dose será calculada de acordo com o peso do paciente, condições física, e o período de tempo decorrido desde o transplante. Deverá ser 
administrado todo o dia após o café da manhã2. 
• Dose oral para adultos/jovens/crianças – rejeição: normalmente inicia-se com 3 a 5mg/Kg/dia, depois diminui-se para 1 a 3mg/Kg/dia 
durante o período de manutenção. 
• Dose endovenosa para adultos/jovens/crianças – rejeição: normalmente inicia-se com 3 a 5mg/Kg/dia, depois diminui-se para 1 a 
3mg/Kg/dia1. 
Precauções Imunossupressores levam ao aumento do risco de desenvolvimento de tumores. É uma droga altamente mutagênica e causadora de toxicidade 
hematológica4. 
Interação com 
outras drogas 
Pode causar a diminuição da absorção da Ciclosporina e de anticoagulantes4. 
Reações 
Adversas 
 10% 
• Gastrointestinal: diarréia, náusea, anorexia, vômito; 
• Hematológico: anemia megaloblastica, leucopenia, 
• Respiratório: tosse; 
• Urinário: disúria; 
• Outros: infecções secundárias; 
 1% a 10% 
• SNC: febre, calafrios; 
• Dermatológico: rash cutânea; 
• Hematológico: trombocitopenia; 
• Hepático: hepatite, estase biliar. 
  1% 
• Hipotensão, alopecia, doenças vasculares como veno-oclusão (podendo ser fatal), pneumonia4. 
Cuidados de 
Enfermagem 
• Monitorar resultados de laboratório antes do início do tratamento com a medicação; 
• Monitorar o aparecimento de sinais e sintomas relacionados as reações adversas, e providenciar tratamento; 
• Monitorar sinais e sintomas de infecção; 
• Orientar o paciente a ingerir a medicação próximo as refeições; preferencialmente após o café da manhã;. 
• Orientar o paciente a não receber vacinas durante o tratamento com azatioprina4.
Nome Genérico Predinisona4 
Nome 
Comercial 
Meticorten4 
Categoria 
Terapêutica 
Corticosteróide4 
Indicação São utilizados tanto para evitar a rejeição como para reverter rejeição estabelecida. No tratamento de doenças variadas, como insuficiência 
adrenocortical, hipercalcemia, doenças reumáticas e de alteração do colágeno, neoplasias, e outras incluindo as hematológicas, alérgicas, inflamatórias 
e auto-imunes. 
Mecanismo de 
ação 
Diminuem a produção de anticorpos e inibem a formação do complexo antígeno-anticorpo. Inibindo a Interleucina 1 e a Interleucina 2, deprimem a 
maturação das células T exterminadoras e reduzem a imunidade mediada pela célula. 
Os corticoesteróides exercem potente efeito antiinflamatório estimulando indiretamente a formação de prostaglandinas, tromboxanos e leucotrienos, 
que são mediadores da inflamação. 
Corticoesteróides têm algumas vantagens quando comparados a outros agentes imunossupressores; eles não reprimem a formação da estrutura da 
medula óssea, e pode ser usado com segurança em combinação com outras drogas, além de não serem diretamente tóxicos ao órgão transplantado2. 
Administração: 
Dose/ Via 
A dose depende do tratamento e da doença a ser tratada4. 
Precauções Utilizar com cautela em pacientes portadores de hipotiroidismo, cirrose, hipertensão, congestão cardíaca, úlceras gástricas, tromboembolismo4. 
Interação com 
Diminui a ação dos barbitúricos, rinfampicina, vacinas, salicilatos4. 
outras drogas 
Reações 
Adversas 
 10% 
• SNC: insônia, vertigem; 
• Gastrointestinal: aumento do apatite, indigestão. 
 1% a 10% 
• SNC: cefaléia, 
• Dermatológico: hisurtismo, hipopigmentação; 
• Endócrino: Diabetes; 
• Neuromuscular: artralgia; 
• Ocular: catarata, glaucoma; 
• Respiratório: epistaxe; 
• Outros: sudorese. 
  1% 
• Edema, hipertensão, Síndrome de Cushing3,4. 
Cuidados de 
Enfermagem 
• Monitorar o aparecimento de sinais e sintomas relacionados as reações adversas, e providenciar tratamento. 
• Orientar o paciente ao não parar o tratamento abruptamente; 
• Monitorar glicemia capilar; 
• Monitorar sinais e sintomas de infecção, 
• Orientar o paciente quanto as recomendações para administração da medicação4.
Nome Genérico Muromonab- Cd3, OKT-3 4 
Nome 
Comercial 
Orthoclone4 
Categoria 
Terapêutica 
Imunossupressor4 
Indicação Rejeição em transplante de rins, rejeição aguda de transplante hepático, cardíaco, transplante de medula óssea4. 
Mecanismo de 
ação 
Reverte a rejeição do enxerto interferindo no funcionamento das células T4. É um anticorpo que adere unicamente a linfócito T e pode eliminar 
precisamente as células exatas responsáveis pela rejeição aguda. Pode ser usada somente por curtos períodos de tempo. Portanto, ela é usualmente mais 
empregada para reverter um episódio agudo de rejeição resistente ao tratamento corticoesteróide2. 
Administração: 
Dose/Via 
A primeira e segunda doses devem ser administradas pelo médico ou enfermeiro1. 
Não deve ser diluída. Deve ser administrada via endovenosa exclusivamente. 
Utilizar filtro (milles de 0,22 mícrons) fornecido pela farmácia. 
Antihistaminicos / acetaminofen/ pré medicamentos são administrados 30 minutos antes da primeira dose para minimizar as reações adversas. 
A temperatura do paciente não deve exceder 37,8º C no momento da administração da medicação4. 
• Dose para prevenir rejeição: 5mg/dia (adultos), para crianças é determinada através do peso1. 
Precauções É impressindível, principalmente nas primeiras doses, que não haja evidências de sobrecarga de volume, hipertensão incontrolável, ou falência cardíaca. 
Quando associado a outro imunossupressor como a Ciclosporina, pode diminuir em até 50% a absorção desta, e este efeito pode ser observado até 3 dias 
após a interrupção da terapia com OKT3. 
Interação com 
outras drogas 
Não administrar ciclosporina durante o tratamento com OKT3, e diminuir para 0,5mg/Kg a predinisona e 0,5 mg/Kg a azatioprina4. 
Reações 
Adversas 
 10% - Cardiovascular: taquicardia; Neurológica: vertigem, tontura, desmaio; Gastrointestinal: diarréia, náuseas, vômitos, enterorragia; 
Neuromuscular: tremores; Respiratório: respirações curtas. 
1% a 10% - SNC: cefaléia, febre; Neuromuscular: rigidez do nuca; Ocular: fotofobia; Respiratório: edema pulmonar. 
 1% - Hipertensão, hipotensão, precordialgia, dispnéia, choque, edema cerebral4. 
Cuidados de 
Enfermagem 
• Monitorar resultados de laboratório antes do início do tratamento com a medicação. 
• Deve ser administrada pela enfermeira ou médico; 
• Utilizar filtro indicado para a administração da medicação, e ministrar anti-histamínico se prescrito; 
• Não administrar a medicação se temperatura acima de 37,8ºC; 
• Monitorar os sinais vitais a cada 15 minutos por 2 horas e a seguir a cada 30 minutos por 2 horas até estabilização dos mesmos; 
• Monitorar reações agudas pulmonares e cardíacas, durante a administração da medicação e 24 horas após a primeira dose. 
• Monitorar sinais vitais, parâmetros cardíacos e respiratórios. 
• Atentar para sinais de infecções oportunistas; 
• Educação ao paciente: explicar ao paciente que após a primeira infusão, este poderá apresentar episódios de febre, dificuldade para respirar, e 
congestão. Porém estes sintomas diminuem com as doses subseqüentes. Orientar que talvez para maior segurança seja necessário o uso de máscaras e 
luvas ao entrar em contato com o paciente. 
• Solicitar que o paciente notifique qualquer um dos sintomas citados nas reações adversas causadas pela droga4.
Nome Genérico Thymoglobulina/ Imunoglobulina Antimocítica 
Nome Comercial ATG 
Categoria Terapêutica Imunossupressor 
Indicação Tratamento de rejeição aguda em transplante renal concomitante com imunossupressão 
Contra-indicação 
Não deve ser utilizado em pacientes com histórico de alergia ou reações anafiláticas à proteína do coelho ou que 
tenham doenças virais agudas. 
Mecanismo de ação 
Pode envolver eliminação de antígeno reativo T-linfócito no sangue periférico ou alteração da função célula T. 
Meia-vida para eliminação é feita pelo plasma em 2 ou 3 dias. 
Administração: Dose/Via 
Somente Intravenosa por uma via central; o uso de veia de alto calibre vai minimizar a ocorrência de flebite e 
trombose. A primeira infusão deverá ser de pelo menos 6 horas e as próximas doses em pelo menos 4 horas, em 
bomba de infusão 
Dose: 1,5 mg/kg/dia entre 7 e 14 dias 
Dose usual IV de 1,5 mg/Kg/dia entre 7 e 14 dias. Diluir o conteúdo do frasco de 25 mg em solução 
própria(fornecida pelo fabricante), girando até dissolver completamente. A dosagem para concentração final de 
0,5 mg/ ml deve ser obtida através da rediluição em solução fisiológica 0,9% ou solução glicosada 5%. 
Precauções 
1. A pré-medicação utilizando-se Corticosteróides, Acetaminofeno e/ou anti-histamínicos, devem reduzir os 
efeitos relacionados à infusão. Imunossupressão crônica aumenta o risco de infecções oportunistas e doenças 
malignas secundárias. Pode ocorrer o desenvolvimento de anticorpos à proteína do coelho em cerca de 68% 
dos pacientes. O impacto destes anticorpos na eficácia de terapias repetidas com ATG é desconhecido. Deve 
ser armazenado sob refrigeração (não deve ser congelado) entre 2 e 8ºC e protegido da luz. 
2. Após a rediluição na solução prescrita, a mesma deve ser utilizada imediatamente. O conteúdo do frasco 
deve ser utilizado em até 4 h. A administração deve ser feita somente através de acesso central, sendo a 
primeira infusão realizada em pelo menos 6 h e as próximas doses em pelo menos 4 h. 
Interação com outras drogas 
Pode alterar o tratamento psiquiátrico em especial quando se utiliza Clozapine, Carbamazepina e Ácido 
Valpróico. Em tratamentos oncológicos, apresenta baixo baixo potencial emético ( 10%) e sem ação vesicante. 
Reações Adversas 
 10%: Sistema nervoso central: febre, dor de cabeça. 
Dermatológica: rush cutâneo 
Metabólica: hipercalemia 
Gastrointestinal: dor abdominal e diarréia 
Hematológico: leucopenia e trombocitopenia 
Muscular: fraqueza 
Respiratória: dispnéia 
Diversos: infecções sistêmicas e dores generalizadas 
1 a 10%: Gastrointestinal: gastrite 
Respiratória: pneumonia 
Diversos: reações anafiláticas podem ser indicados por hipotensão, distúrbios respiratórios, infecção viral
Cuidados de Enfermagem 
Administrar a droga exclusivamente através de acesso central; 
Observar a administração de medicações pré infusão: Corticosteróide, anti-histamínico e anti-piréticos; 
Obedecer tempo de infusão estabelecido; 
Embora não haja advertência, fazer uso de via única durante infusão da droga; 
Controle de sinais vitais durante infusão da droga; 
Observar a presença de hipotensão, taquicardia, dispnéia súbita e rush cutâneo, evidenciando um possível 
choque anafilático; 
Manter carrinho de ressucitação cardio pulmonar próximo; 
No decorrer do tratamento, deve-se monitorar o perfil de linfócitos, leucograma com diferencial e contagem de 
plaquetas. Atentar-se para as possíveis implicações de alguma alteração: infecções oportunistas, manutenção da 
rejeição do enxerto e disfunções de coagulação. 
Observar hidratação do paciente, pois dependendo da imunossupressão utilizada mais o uso de ATG, pode 
ocorrer a intensificação de dores abdominais e diarréia. 
Observações 
Parâmetros que devem ser monitorados: 
Perfil de linfócitos 
Leucograma com diferencial 
Distúrbios de coagulação.
Em desenvolvimento 
Nome Genérico 
Nome Comercial Mifortic 
Categoria Terapêutica Imunossupressor 
Indicação 
Contra-indicação 
Mecanismo de ação 
Administração: Dose/Via 
Precauções 
Interação com outras drogas 
Reações Adversas 
Cuidados de Enfermagem 
Observações
Referências Bibliográficas 
1. National Library of Medicine – Medline plus; (online) Disponível em: (15 setembro 2002) 
2. Piveta V. Manual de orientação para o paciente Transplantado Renal. 1º ed. São Paulo: Unifesp e Hospital do Rim e Hipertensão, 2001. 
3. Sandoz – Divisão Farmacêutica. Guia do Usuário: Informações para melhor manuseio do paciente transplantado – Sandimmun Neoral. 1998. 
4. Turkoski B.B., Lance B. R., Janoski J.E. Drug Information Handbook for Nursing. 1º ed. USA Ohio : Lexi-Comp Inc; 1998. p.1068

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Intoxicação Exógena por Carbamatos
Intoxicação Exógena por CarbamatosIntoxicação Exógena por Carbamatos
Intoxicação Exógena por Carbamatos
Ana Rabelo
 
Uso inapropriado de medicamentos em idosos 2019
Uso inapropriado de medicamentos em idosos 2019Uso inapropriado de medicamentos em idosos 2019
Uso inapropriado de medicamentos em idosos 2019
Angelo Bos
 
Grupos de medicamentos
Grupos de medicamentosGrupos de medicamentos
Grupos de medicamentos
Francisco José
 
Diabetes mine curso insulinoterapia
Diabetes mine curso insulinoterapiaDiabetes mine curso insulinoterapia
Diabetes mine curso insulinoterapia
Berenice Cristina Silva Cristina
 
Intoxicaçao aguda
Intoxicaçao agudaIntoxicaçao aguda
Intoxicaçao aguda
Gema FL
 
DVA's utilizadas na emergência
DVA's utilizadas na emergênciaDVA's utilizadas na emergência
DVA's utilizadas na emergência
LAURA EMANUELLA MARINHO
 
DROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdf
DROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdfDROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdf
DROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdf
MarciaRodrigues615662
 
Metformin and other antidiabetic agents in renal failure
Metformin and other antidiabetic agents in renal failureMetformin and other antidiabetic agents in renal failure
Metformin and other antidiabetic agents in renal failure
Eduardo Tibali
 
Atendimento inicial das intoxicações + Questões de residência
Atendimento inicial das intoxicações + Questões de residênciaAtendimento inicial das intoxicações + Questões de residência
Atendimento inicial das intoxicações + Questões de residência
Carlos Collares
 
Analgésicos antipiréticos; analgésicos opiáceios e fármacos usados no tratame...
Analgésicos antipiréticos; analgésicos opiáceios e fármacos usados no tratame...Analgésicos antipiréticos; analgésicos opiáceios e fármacos usados no tratame...
Analgésicos antipiréticos; analgésicos opiáceios e fármacos usados no tratame...
Auggoustt Eddson Jose
 
Drogas do Sistema Digestório
Drogas do Sistema DigestórioDrogas do Sistema Digestório
Drogas do Sistema Digestório
Gabriela Montargil
 
Trabalho socorros urgentes intox prontinho
Trabalho socorros urgentes intox prontinhoTrabalho socorros urgentes intox prontinho
Trabalho socorros urgentes intox prontinho
Augusto Senna
 
Fármacos que atuam no sistema Digestório
Fármacos que atuam no sistema DigestórioFármacos que atuam no sistema Digestório
Fármacos que atuam no sistema Digestório
Simara Alves
 
Inibidores do sglt 2 (hipoglicemiantes orais)
Inibidores do sglt 2 (hipoglicemiantes orais)Inibidores do sglt 2 (hipoglicemiantes orais)
Inibidores do sglt 2 (hipoglicemiantes orais)
Eduardo Tibali
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
jaddy xavier
 
Intoxicação exógena
Intoxicação exógenaIntoxicação exógena
Intoxicação exógena
Efigênia Barros
 
Agentes antidiábeticos orais
Agentes antidiábeticos oraisAgentes antidiábeticos orais
Agentes antidiábeticos orais
Luna Jeannie
 
14ª aula intoxicações exogenas Silvio
14ª aula   intoxicações exogenas Silvio14ª aula   intoxicações exogenas Silvio
14ª aula intoxicações exogenas Silvio
Prof Silvio Rosa
 
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológicaCuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
resenfe2013
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

Intoxicação Exógena por Carbamatos
Intoxicação Exógena por CarbamatosIntoxicação Exógena por Carbamatos
Intoxicação Exógena por Carbamatos
 
Uso inapropriado de medicamentos em idosos 2019
Uso inapropriado de medicamentos em idosos 2019Uso inapropriado de medicamentos em idosos 2019
Uso inapropriado de medicamentos em idosos 2019
 
Grupos de medicamentos
Grupos de medicamentosGrupos de medicamentos
Grupos de medicamentos
 
Diabetes mine curso insulinoterapia
Diabetes mine curso insulinoterapiaDiabetes mine curso insulinoterapia
Diabetes mine curso insulinoterapia
 
Intoxicaçao aguda
Intoxicaçao agudaIntoxicaçao aguda
Intoxicaçao aguda
 
DVA's utilizadas na emergência
DVA's utilizadas na emergênciaDVA's utilizadas na emergência
DVA's utilizadas na emergência
 
DROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdf
DROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdfDROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdf
DROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdf
 
Metformin and other antidiabetic agents in renal failure
Metformin and other antidiabetic agents in renal failureMetformin and other antidiabetic agents in renal failure
Metformin and other antidiabetic agents in renal failure
 
Atendimento inicial das intoxicações + Questões de residência
Atendimento inicial das intoxicações + Questões de residênciaAtendimento inicial das intoxicações + Questões de residência
Atendimento inicial das intoxicações + Questões de residência
 
Analgésicos antipiréticos; analgésicos opiáceios e fármacos usados no tratame...
Analgésicos antipiréticos; analgésicos opiáceios e fármacos usados no tratame...Analgésicos antipiréticos; analgésicos opiáceios e fármacos usados no tratame...
Analgésicos antipiréticos; analgésicos opiáceios e fármacos usados no tratame...
 
Drogas do Sistema Digestório
Drogas do Sistema DigestórioDrogas do Sistema Digestório
Drogas do Sistema Digestório
 
Trabalho socorros urgentes intox prontinho
Trabalho socorros urgentes intox prontinhoTrabalho socorros urgentes intox prontinho
Trabalho socorros urgentes intox prontinho
 
Fármacos que atuam no sistema Digestório
Fármacos que atuam no sistema DigestórioFármacos que atuam no sistema Digestório
Fármacos que atuam no sistema Digestório
 
Inibidores do sglt 2 (hipoglicemiantes orais)
Inibidores do sglt 2 (hipoglicemiantes orais)Inibidores do sglt 2 (hipoglicemiantes orais)
Inibidores do sglt 2 (hipoglicemiantes orais)
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 
Intoxicação exógena
Intoxicação exógenaIntoxicação exógena
Intoxicação exógena
 
Agentes antidiábeticos orais
Agentes antidiábeticos oraisAgentes antidiábeticos orais
Agentes antidiábeticos orais
 
14ª aula intoxicações exogenas Silvio
14ª aula   intoxicações exogenas Silvio14ª aula   intoxicações exogenas Silvio
14ª aula intoxicações exogenas Silvio
 
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológicaCuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 

Semelhante a Cuidados com drogas_imunossupressoras

Ciclofosfamida.pptx
Ciclofosfamida.pptxCiclofosfamida.pptx
Ciclofosfamida.pptx
SaraMarques329031
 
Abordagem inicial na dheg e hellp síndrome
Abordagem inicial na dheg e hellp síndromeAbordagem inicial na dheg e hellp síndrome
Abordagem inicial na dheg e hellp síndrome
Vicente Santos
 
0_1_Insulinas_e_Antidiabeticos_Injetaveis_ago_2017__site.pdf
0_1_Insulinas_e_Antidiabeticos_Injetaveis_ago_2017__site.pdf0_1_Insulinas_e_Antidiabeticos_Injetaveis_ago_2017__site.pdf
0_1_Insulinas_e_Antidiabeticos_Injetaveis_ago_2017__site.pdf
Humberto261331
 
Bula humalog frasco_p_16_0_m_cds19_nov10_21ago14
Bula humalog frasco_p_16_0_m_cds19_nov10_21ago14Bula humalog frasco_p_16_0_m_cds19_nov10_21ago14
Bula humalog frasco_p_16_0_m_cds19_nov10_21ago14
ANTONIO L. Silva
 
Diabetesinsipido
DiabetesinsipidoDiabetesinsipido
Diabetesinsipido
Daniel Silva
 
EUM
EUMEUM
Aas
AasAas
2. antiinfla
2. antiinfla2. antiinfla
2. anes
2. anes2. anes
Comprimidos de ofloxacina usp. corrigida. a
Comprimidos de ofloxacina usp. corrigida. aComprimidos de ofloxacina usp. corrigida. a
Comprimidos de ofloxacina usp. corrigida. a
mukunaje
 
Farmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitusFarmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitus
Leonardo Souza
 
Erros inatos do metabolismo - FARMÁCIA- Genética
Erros inatos do metabolismo - FARMÁCIA- GenéticaErros inatos do metabolismo - FARMÁCIA- Genética
Erros inatos do metabolismo - FARMÁCIA- Genética
Karen Zanferrari
 
Lista de medicamentos
Lista de medicamentosLista de medicamentos
Lista de medicamentos
Paula Nascimento
 
Anti hipertensivos
Anti hipertensivosAnti hipertensivos
Anti hipertensivos
Harlyson David
 
Assistencia de enfermagem 2021 convertido
Assistencia de enfermagem 2021 convertidoAssistencia de enfermagem 2021 convertido
Assistencia de enfermagem 2021 convertido
Tamires Batista
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
Livro quimioterapia Verdades sem Mitos
Livro quimioterapia Verdades sem MitosLivro quimioterapia Verdades sem Mitos
Livro quimioterapia Verdades sem Mitos
Roberta Soares
 
Medicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgenciaMedicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgencia
WillD12
 
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptxaula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
PedroNabarrete
 
Bula do Ozempic, remédio para tratar diabetes tipo 2 usado para emagrecer
Bula do Ozempic, remédio para tratar diabetes tipo 2 usado para emagrecerBula do Ozempic, remédio para tratar diabetes tipo 2 usado para emagrecer
Bula do Ozempic, remédio para tratar diabetes tipo 2 usado para emagrecer
Portal NE10
 

Semelhante a Cuidados com drogas_imunossupressoras (20)

Ciclofosfamida.pptx
Ciclofosfamida.pptxCiclofosfamida.pptx
Ciclofosfamida.pptx
 
Abordagem inicial na dheg e hellp síndrome
Abordagem inicial na dheg e hellp síndromeAbordagem inicial na dheg e hellp síndrome
Abordagem inicial na dheg e hellp síndrome
 
0_1_Insulinas_e_Antidiabeticos_Injetaveis_ago_2017__site.pdf
0_1_Insulinas_e_Antidiabeticos_Injetaveis_ago_2017__site.pdf0_1_Insulinas_e_Antidiabeticos_Injetaveis_ago_2017__site.pdf
0_1_Insulinas_e_Antidiabeticos_Injetaveis_ago_2017__site.pdf
 
Bula humalog frasco_p_16_0_m_cds19_nov10_21ago14
Bula humalog frasco_p_16_0_m_cds19_nov10_21ago14Bula humalog frasco_p_16_0_m_cds19_nov10_21ago14
Bula humalog frasco_p_16_0_m_cds19_nov10_21ago14
 
Diabetesinsipido
DiabetesinsipidoDiabetesinsipido
Diabetesinsipido
 
EUM
EUMEUM
EUM
 
Aas
AasAas
Aas
 
2. antiinfla
2. antiinfla2. antiinfla
2. antiinfla
 
2. anes
2. anes2. anes
2. anes
 
Comprimidos de ofloxacina usp. corrigida. a
Comprimidos de ofloxacina usp. corrigida. aComprimidos de ofloxacina usp. corrigida. a
Comprimidos de ofloxacina usp. corrigida. a
 
Farmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitusFarmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitus
 
Erros inatos do metabolismo - FARMÁCIA- Genética
Erros inatos do metabolismo - FARMÁCIA- GenéticaErros inatos do metabolismo - FARMÁCIA- Genética
Erros inatos do metabolismo - FARMÁCIA- Genética
 
Lista de medicamentos
Lista de medicamentosLista de medicamentos
Lista de medicamentos
 
Anti hipertensivos
Anti hipertensivosAnti hipertensivos
Anti hipertensivos
 
Assistencia de enfermagem 2021 convertido
Assistencia de enfermagem 2021 convertidoAssistencia de enfermagem 2021 convertido
Assistencia de enfermagem 2021 convertido
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
Livro quimioterapia Verdades sem Mitos
Livro quimioterapia Verdades sem MitosLivro quimioterapia Verdades sem Mitos
Livro quimioterapia Verdades sem Mitos
 
Medicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgenciaMedicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgencia
 
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptxaula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
 
Bula do Ozempic, remédio para tratar diabetes tipo 2 usado para emagrecer
Bula do Ozempic, remédio para tratar diabetes tipo 2 usado para emagrecerBula do Ozempic, remédio para tratar diabetes tipo 2 usado para emagrecer
Bula do Ozempic, remédio para tratar diabetes tipo 2 usado para emagrecer
 

Mais de Nayara Dávilla

Novo aspectos éticos legais do exercício profissional da enfermagem
Novo   aspectos éticos legais do exercício profissional da enfermagemNovo   aspectos éticos legais do exercício profissional da enfermagem
Novo aspectos éticos legais do exercício profissional da enfermagem
Nayara Dávilla
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
Nayara Dávilla
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
Nayara Dávilla
 
Cuidados enferm
Cuidados enfermCuidados enferm
Cuidados enferm
Nayara Dávilla
 
C digo deontol-gico da enfermagem
C digo deontol-gico da enfermagemC digo deontol-gico da enfermagem
C digo deontol-gico da enfermagem
Nayara Dávilla
 
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vidaAssistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
Nayara Dávilla
 
Estudo do consumo de plantas medicinais na região centro norte e aceitação pe...
Estudo do consumo de plantas medicinais na região centro norte e aceitação pe...Estudo do consumo de plantas medicinais na região centro norte e aceitação pe...
Estudo do consumo de plantas medicinais na região centro norte e aceitação pe...
Nayara Dávilla
 
Diagnostico situacional farmaceutico a respeito de fitoterapicos
Diagnostico situacional farmaceutico a respeito de fitoterapicosDiagnostico situacional farmaceutico a respeito de fitoterapicos
Diagnostico situacional farmaceutico a respeito de fitoterapicos
Nayara Dávilla
 
Aspectos legislacao fitoterapicos
Aspectos legislacao fitoterapicosAspectos legislacao fitoterapicos
Aspectos legislacao fitoterapicos
Nayara Dávilla
 
Conhecimento e intenção de uso da fitoterapia
Conhecimento e intenção de uso da fitoterapiaConhecimento e intenção de uso da fitoterapia
Conhecimento e intenção de uso da fitoterapia
Nayara Dávilla
 
Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no sus
Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no susAnálise sobre a fitoterapia como prática integrativa no sus
Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no sus
Nayara Dávilla
 
A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2
A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2
A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2
Nayara Dávilla
 
A fitoterapia na rede básica de saúde
A fitoterapia na rede básica de saúdeA fitoterapia na rede básica de saúde
A fitoterapia na rede básica de saúde
Nayara Dávilla
 
Farmacêutico hc 2014
Farmacêutico hc 2014Farmacêutico hc 2014
Farmacêutico hc 2014
Nayara Dávilla
 

Mais de Nayara Dávilla (14)

Novo aspectos éticos legais do exercício profissional da enfermagem
Novo   aspectos éticos legais do exercício profissional da enfermagemNovo   aspectos éticos legais do exercício profissional da enfermagem
Novo aspectos éticos legais do exercício profissional da enfermagem
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
 
Cuidados enferm
Cuidados enfermCuidados enferm
Cuidados enferm
 
C digo deontol-gico da enfermagem
C digo deontol-gico da enfermagemC digo deontol-gico da enfermagem
C digo deontol-gico da enfermagem
 
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vidaAssistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
 
Estudo do consumo de plantas medicinais na região centro norte e aceitação pe...
Estudo do consumo de plantas medicinais na região centro norte e aceitação pe...Estudo do consumo de plantas medicinais na região centro norte e aceitação pe...
Estudo do consumo de plantas medicinais na região centro norte e aceitação pe...
 
Diagnostico situacional farmaceutico a respeito de fitoterapicos
Diagnostico situacional farmaceutico a respeito de fitoterapicosDiagnostico situacional farmaceutico a respeito de fitoterapicos
Diagnostico situacional farmaceutico a respeito de fitoterapicos
 
Aspectos legislacao fitoterapicos
Aspectos legislacao fitoterapicosAspectos legislacao fitoterapicos
Aspectos legislacao fitoterapicos
 
Conhecimento e intenção de uso da fitoterapia
Conhecimento e intenção de uso da fitoterapiaConhecimento e intenção de uso da fitoterapia
Conhecimento e intenção de uso da fitoterapia
 
Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no sus
Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no susAnálise sobre a fitoterapia como prática integrativa no sus
Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no sus
 
A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2
A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2
A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2
 
A fitoterapia na rede básica de saúde
A fitoterapia na rede básica de saúdeA fitoterapia na rede básica de saúde
A fitoterapia na rede básica de saúde
 
Farmacêutico hc 2014
Farmacêutico hc 2014Farmacêutico hc 2014
Farmacêutico hc 2014
 

Cuidados com drogas_imunossupressoras

  • 1. Cuidados com Drogas Imunossupressoras Bartira De Aguiar Roza Carla Fatima de Paixao Nunes
  • 2. Cuidados de Enfermagem com Drogas Imunossupressoras Nome Genérico Ciclosporina4 Nome Comercial Sandimmum Neoral 4 Categoria Terapêutica Imunossupressor / Antireumático/ Antipsoríase 3,4 Indicação Usado após transplante de rim, fígado, pâncreas, coração, pulmão ou medula óssea. Inibe as reações do organismo contra os tecidos “estranhos”, para prevenir rejeição e garantir o funcionamento adequado do órgão ou medula óssea transplantados. Também é usada para o tratamento de algumas formas de uveíte posterior (doenças inflamatória de uma das camadas internas do olho), síndrome nefrótica, artrite reumatóide ativa severa e psoríase severa3. Mecanismo de Ação Inibe o desenvolvimento das reações mediadas por células, incluindo imunidade ao aloenxerto, hipersensibilidade cutânea tardia, encefalomielite alérgica, artrite por adjuvante de Freund, reação enxerto versus hospedeiro (GVHD) e também produção de anticorpos Timo-dependentes. Ao nível celular, inibe a produção e a liberação de linfocinas (fator de crescimento de célula T). Ao que parece, bloqueia os linfócitos durante a fase G0 ou fase G1 do ciclo celular e inibe a liberação de linfocina, desencadeadas por antígenos pelas células T ativas. Porém não deprime a hematopoiese e não tem efeito sobre a função das células fagocitárias3,4. Administração: Dose/Via A dose da medicação deve ser calculada para cada paciente. Disponível em comprimidos de 25, 50 ou 10mg4. • Dose oral para adultos/jovens/crianças: a dose é baseada no peso. Normalmente inicia-se com 14 a 18mg/Kg/dia, iniciando 4 a 12 horas após o transplante. Depois estabiliza-se em 3 a 10mg/Kg/dia. • Dose intravenosa para adultos/jovens/crianças - rejeição: a dose é baseada no peso. Normalmente 5 a 6mg/Kg/dia, iniciando 4 a 12 horas após o transplante4. Precauções Recomendações: • Solução Oral: Sandimmun solução oral deve ser diluído em copo de vidro (não de plástico) em bebidas, na seguinte ordem de preferência: chocolate frio, leite ou suco de frutas, de acordo com gosto individual, e logo antes de ser tomado deve ser bem misturado e bebido imediatamente. Em seguida, colocar mais diluente no copo e tomar, para garantir que a dose total seja ingerida. Sandimmun Neoral solução deve ser diluído, de preferência, com suco de laranja ou de maça, porém, pode-se usar refrigerante ou outras bebidas, de acordo com o gosto individual (deve-se evitar diluição em suco de uva). A seringa não deve ser lavada, mas sim enxugada por fora. • Cápsulas: devem ser mantidas na embalagem até o momento de uso. • Infusão intravenosa: devem ser utilizados para a infusão intravenosa, recipiente de vidro. Embalagem plástica somente devem ser utilizadas se estiverem de acordo com os requisitos para “recipientes de plásticos para sangue” 1, 3. Imunossupressores levam ao aumento do risco de desenvolvimento de tumores4. Interações com outras drogas Não deve ser administrado com outros agentes imunossupressores, exceto corticoesteróides. Drogas como rinfampicina, fenobarbital diminuem a concentração sanguínea da ciclosporina. A ciclosporina atinge picos séricos se administrada juntamente com alimentos, e pode causar toxicidade renal se administrada com suco de uva. Devido às influências fisiológicas para a absorção do Sandimmun, foi criado o Sandimmun Neoral, esta nova formulação cria o Sandimmun Neoral, esta nova formulação cria sua própria “microemulsão” imediatamente após o contato com os fluídos aquoso do trato digestivo. É composto de solventes lipofílicos e hidrofílicos, juntamente com um surfactante. Uma vez no intestino é rapidamente emulsificado, sem a necessidade da bile. Isso faz com que se tenha uma absorção aumentada, e reduzida variabilidade nos níveis sanguíneos de ciclosporina, que é importante principalmente em pacientes que são propensos a má absorção, em decorrência de produção e/ou liberação de bile insuficiente (ex: pacientes transplantados de fígado com drenagem externa de bile). Além dessa vantagem, Sandimmun Neoral elimina a influência da alimentação como possível fator de confusão na avaliação dos níveis sanguíneos de ciclosporina3,4. Reações Adversas >10% - Cardiovascular: hipertensão; Dermatológico: hiperisurtismo; Gastrointestinal: hiperplasia gengival; Neuromuscular: tremor; Renal: nefrotoxicidade; Outros: sensação de queimação nas mãos e pés. 1% a 10% - SNC: cefaléia, convulsão; Dermatológico: acne; Gastrointestinal: desconforto abdominal, náusea, vômito, anorexia, dor abdominal, diarréia; Hepático: hepatotoxicidade; Neuromuscular: cãimbras nas pernas. < 1% - Hipotensão, taquicardia, hipercalemia, hipomagnesemia, hiperuremia, toxicidade renal, alterações respiratórias, perturbações da visão e movimento3,4. Cuidados de Enfermagem • Monitorar resultados de laboratório antes do início do tratamento com a medicação. • Monitorar o aparecimento de sinais e sintomas relacionados as reações adversas, e providenciar tratamento. • Monitorar sinais e sintomas de infecção, • Orientar o paciente quanto as recomendações para administração da medicação4.
  • 3. Nome Genérico Tacrolimus / FK5064 Nome Comercial Prograf4 Categoria Terapêutica Imunossupressor4 Indicação Utilizado em transplantes de fígado, rins, coração ou transplante de pequenas porções de intestino4. Mecanismo de Ação Suprime a imunidade humoral (inibe a ativação das células T) 4. Administração: Dose/Via A dose da medicação deve ser calculada para cada paciente4. • Dose oral para adultos/jovens/crianças: a dose é baseada no peso. Normalmente 0,15/Kg/dia, dividido em doses a cada 12horas (devido a meia-vida da medicação); • Dose intravenosa para adultos/jovens/crianças: a dose é baseada no peso. Normalmente 0,1 a 0,3mg/Kg/dia. Não administrar a medicação juntamente com suco de uva, pois altera a absorção da droga1. Precauções Após a administração da medicação haverá um aumento dos riscos de adquirir infecção, e o aparecimento de linfoma. Não pode ser administrado simultaneamente a ciclosporina. A monitorização laboratorial da concentração da droga no sangue é essencial para prevenir rejeição do órgão transplantado4. Interações com outras drogas Tacrolimus prejudica a absorção de antiácidos, e estes devem ser administrados 2 horas após a ingestão do imunossupressor. As medicações que podem diminuir a concentração de Tacrolimus no sangue são: rifampicina, fenobarbital, carbamazepina4. Reações Adversas >10% - Cardiovasculares: hipertensão, edema periférico; SNC: cefaléia, insônia, dor, convulsão, febre, alucinação; Dermatológico: prurido; Endócrino e metabólico: hipo-hipercalemia, hiperglicemia, hipomagnesemia; Gastrointestinal: diarréia, náusea, anorexia, vômito, dor abdominal, diminuição do apetite; Hematológico: anemia, leucocitose; Hepático: ascite; Neuromuscular: tremores, parestesias, lombalgia; Renal: nefrotoxicidade; Respiratório: atelectasia, dispnéia, derrame pleural; 1% a 10% - Dermatológico: rash cutânea; Gastrointestinal: constipação; Genitourinário: infecção urinária; Hematológico: trombocitopenia; Renal: oligúria1,4. Cuidados de Enfermagem • Monitorar resultados de laboratório antes do início do tratamento com a medicação; • Monitorar o aparecimento de sinais e sintomas relacionados as reações adversas, e providenciar tratamento; • Monitorar sinais vitais; • Monitorar sinais de infecção; • Orientar o paciente a ingerir a medicação próximo as refeições, e não utilizar suco de uva; • Se houver antiácidos prescritos, estes devem ser administrados 2 horas após o imunossupressor4.
  • 4. Nome Genérico Micofenolato mofetil4 Nome Comercial Cellcept4 Categoria Terapêutica Imunossupressor4 Indicação Utilizado em associação com corticóides e ciclosporina para prevenir rejeição em pacientes com transplante renal4. Mecanismo de ação Inibe a síntese de linfócitos humanos e sua proliferação4. Administração: Dose/ Via A droga deve ser administrada após a refeição. • Dose para prevenir rejeição – uso oral: 1,5g/ 2 vezes ao dia (adultos – transplante cardíaco); 1,0g/2 vezes ao dia (adultos – transplante de rin); 1,5g/2 vezes ao dia (adulto- transplante de fígado). • Dose para prevenir rejeição - uso intravenoso: 1,5g/2 vezes ao dia (adulto – transplante de coração); 1,0g/2 vezes ao dia (adultos – transplante de rin); 1,0g/2 vezes ao dia (adulto- transplante de fígado). (3) A dose deve ser reajustada para paciente que apresentarem severa neutropenia - <1,3 x 10,000/uL4. Precauções Cuidados com o risco de infecções devem ser tomados, e atenção para a ocorrência de desordens na produção dos linfócitos4. Interação com Não devem ser administrados em associação com antiácidos4. outras drogas Reações Adversas 1% a 10 % • Cardiovascular: hipertensão; • SNC: insônia, tonturas e vertigens, febre, cefaléia; • Dermatológico: rash cutâneo; • Endócrino e metabólico: hipercolesterolemia, hipopotassemia, hipocalemiahipercalemia, hiperglicemia. • Gastrointestinal: diarréia, constipação, náuseas, vômitos, monilíase, dispepsia, hemorragia do trato gastrointestinal, epigastralgia; • Hematológico: leucopenia, neutropenia, anemia, trombocitopenia; • Neuromuscular: tremor, lombalgia, mialgia; • Renal: necrose tubular, hematúria, disúria; • Respiratório: dispnéia, faringite, tosse4. Cuidados de Enfermagem • Monitorar resultados de laboratório antes do início do tratamento com a medicação. • Orientar o paciente a não partir o medicamento. • Monitorar o aparecimento de sinais e sintomas relacionados as reações adversas, e providenciar tratamento. • Monitorar sinais de infecção, • Orientar o paciente a ingerir a medicação próximo as refeições4.
  • 5. Nome Genérico Azatipoprina4 Nome Comercial Imuran4 Categoria Terapêutica Imunossupressor, Antireumático, doenças inflamatórias do intestino, Lupus eritematoso1,4. Indicação Associado a outros agentes auxilia no combate a rejeição Mecanismo de ação Age interferindo na multiplicação das células. É sempre administrada em combinação com outros imunossupressores, tais como a Ciclosporina ou Tracolimus, de maneira que doses mais baixas de outras drogas possam ser ministradas. É uma alternativa útil quando os efeitos colaterais de outras medicações indicam que uma combinação diferente de drogas imunossupressoras faz-se necessária. É um antimetabólito que interfere com a síntese de DNA / RNA e proteínas em células de divisão rápida, e interfere na mitose de algumas células. Isso impede a rejeição, diminuindo a capacidade do organismo para formar células T auxiliadoras e exterminadoras citotóxicas2,4. Administração: Dose/ Via Sua dose será calculada de acordo com o peso do paciente, condições física, e o período de tempo decorrido desde o transplante. Deverá ser administrado todo o dia após o café da manhã2. • Dose oral para adultos/jovens/crianças – rejeição: normalmente inicia-se com 3 a 5mg/Kg/dia, depois diminui-se para 1 a 3mg/Kg/dia durante o período de manutenção. • Dose endovenosa para adultos/jovens/crianças – rejeição: normalmente inicia-se com 3 a 5mg/Kg/dia, depois diminui-se para 1 a 3mg/Kg/dia1. Precauções Imunossupressores levam ao aumento do risco de desenvolvimento de tumores. É uma droga altamente mutagênica e causadora de toxicidade hematológica4. Interação com outras drogas Pode causar a diminuição da absorção da Ciclosporina e de anticoagulantes4. Reações Adversas 10% • Gastrointestinal: diarréia, náusea, anorexia, vômito; • Hematológico: anemia megaloblastica, leucopenia, • Respiratório: tosse; • Urinário: disúria; • Outros: infecções secundárias; 1% a 10% • SNC: febre, calafrios; • Dermatológico: rash cutânea; • Hematológico: trombocitopenia; • Hepático: hepatite, estase biliar. 1% • Hipotensão, alopecia, doenças vasculares como veno-oclusão (podendo ser fatal), pneumonia4. Cuidados de Enfermagem • Monitorar resultados de laboratório antes do início do tratamento com a medicação; • Monitorar o aparecimento de sinais e sintomas relacionados as reações adversas, e providenciar tratamento; • Monitorar sinais e sintomas de infecção; • Orientar o paciente a ingerir a medicação próximo as refeições; preferencialmente após o café da manhã;. • Orientar o paciente a não receber vacinas durante o tratamento com azatioprina4.
  • 6. Nome Genérico Predinisona4 Nome Comercial Meticorten4 Categoria Terapêutica Corticosteróide4 Indicação São utilizados tanto para evitar a rejeição como para reverter rejeição estabelecida. No tratamento de doenças variadas, como insuficiência adrenocortical, hipercalcemia, doenças reumáticas e de alteração do colágeno, neoplasias, e outras incluindo as hematológicas, alérgicas, inflamatórias e auto-imunes. Mecanismo de ação Diminuem a produção de anticorpos e inibem a formação do complexo antígeno-anticorpo. Inibindo a Interleucina 1 e a Interleucina 2, deprimem a maturação das células T exterminadoras e reduzem a imunidade mediada pela célula. Os corticoesteróides exercem potente efeito antiinflamatório estimulando indiretamente a formação de prostaglandinas, tromboxanos e leucotrienos, que são mediadores da inflamação. Corticoesteróides têm algumas vantagens quando comparados a outros agentes imunossupressores; eles não reprimem a formação da estrutura da medula óssea, e pode ser usado com segurança em combinação com outras drogas, além de não serem diretamente tóxicos ao órgão transplantado2. Administração: Dose/ Via A dose depende do tratamento e da doença a ser tratada4. Precauções Utilizar com cautela em pacientes portadores de hipotiroidismo, cirrose, hipertensão, congestão cardíaca, úlceras gástricas, tromboembolismo4. Interação com Diminui a ação dos barbitúricos, rinfampicina, vacinas, salicilatos4. outras drogas Reações Adversas 10% • SNC: insônia, vertigem; • Gastrointestinal: aumento do apatite, indigestão. 1% a 10% • SNC: cefaléia, • Dermatológico: hisurtismo, hipopigmentação; • Endócrino: Diabetes; • Neuromuscular: artralgia; • Ocular: catarata, glaucoma; • Respiratório: epistaxe; • Outros: sudorese. 1% • Edema, hipertensão, Síndrome de Cushing3,4. Cuidados de Enfermagem • Monitorar o aparecimento de sinais e sintomas relacionados as reações adversas, e providenciar tratamento. • Orientar o paciente ao não parar o tratamento abruptamente; • Monitorar glicemia capilar; • Monitorar sinais e sintomas de infecção, • Orientar o paciente quanto as recomendações para administração da medicação4.
  • 7. Nome Genérico Muromonab- Cd3, OKT-3 4 Nome Comercial Orthoclone4 Categoria Terapêutica Imunossupressor4 Indicação Rejeição em transplante de rins, rejeição aguda de transplante hepático, cardíaco, transplante de medula óssea4. Mecanismo de ação Reverte a rejeição do enxerto interferindo no funcionamento das células T4. É um anticorpo que adere unicamente a linfócito T e pode eliminar precisamente as células exatas responsáveis pela rejeição aguda. Pode ser usada somente por curtos períodos de tempo. Portanto, ela é usualmente mais empregada para reverter um episódio agudo de rejeição resistente ao tratamento corticoesteróide2. Administração: Dose/Via A primeira e segunda doses devem ser administradas pelo médico ou enfermeiro1. Não deve ser diluída. Deve ser administrada via endovenosa exclusivamente. Utilizar filtro (milles de 0,22 mícrons) fornecido pela farmácia. Antihistaminicos / acetaminofen/ pré medicamentos são administrados 30 minutos antes da primeira dose para minimizar as reações adversas. A temperatura do paciente não deve exceder 37,8º C no momento da administração da medicação4. • Dose para prevenir rejeição: 5mg/dia (adultos), para crianças é determinada através do peso1. Precauções É impressindível, principalmente nas primeiras doses, que não haja evidências de sobrecarga de volume, hipertensão incontrolável, ou falência cardíaca. Quando associado a outro imunossupressor como a Ciclosporina, pode diminuir em até 50% a absorção desta, e este efeito pode ser observado até 3 dias após a interrupção da terapia com OKT3. Interação com outras drogas Não administrar ciclosporina durante o tratamento com OKT3, e diminuir para 0,5mg/Kg a predinisona e 0,5 mg/Kg a azatioprina4. Reações Adversas 10% - Cardiovascular: taquicardia; Neurológica: vertigem, tontura, desmaio; Gastrointestinal: diarréia, náuseas, vômitos, enterorragia; Neuromuscular: tremores; Respiratório: respirações curtas. 1% a 10% - SNC: cefaléia, febre; Neuromuscular: rigidez do nuca; Ocular: fotofobia; Respiratório: edema pulmonar. 1% - Hipertensão, hipotensão, precordialgia, dispnéia, choque, edema cerebral4. Cuidados de Enfermagem • Monitorar resultados de laboratório antes do início do tratamento com a medicação. • Deve ser administrada pela enfermeira ou médico; • Utilizar filtro indicado para a administração da medicação, e ministrar anti-histamínico se prescrito; • Não administrar a medicação se temperatura acima de 37,8ºC; • Monitorar os sinais vitais a cada 15 minutos por 2 horas e a seguir a cada 30 minutos por 2 horas até estabilização dos mesmos; • Monitorar reações agudas pulmonares e cardíacas, durante a administração da medicação e 24 horas após a primeira dose. • Monitorar sinais vitais, parâmetros cardíacos e respiratórios. • Atentar para sinais de infecções oportunistas; • Educação ao paciente: explicar ao paciente que após a primeira infusão, este poderá apresentar episódios de febre, dificuldade para respirar, e congestão. Porém estes sintomas diminuem com as doses subseqüentes. Orientar que talvez para maior segurança seja necessário o uso de máscaras e luvas ao entrar em contato com o paciente. • Solicitar que o paciente notifique qualquer um dos sintomas citados nas reações adversas causadas pela droga4.
  • 8. Nome Genérico Thymoglobulina/ Imunoglobulina Antimocítica Nome Comercial ATG Categoria Terapêutica Imunossupressor Indicação Tratamento de rejeição aguda em transplante renal concomitante com imunossupressão Contra-indicação Não deve ser utilizado em pacientes com histórico de alergia ou reações anafiláticas à proteína do coelho ou que tenham doenças virais agudas. Mecanismo de ação Pode envolver eliminação de antígeno reativo T-linfócito no sangue periférico ou alteração da função célula T. Meia-vida para eliminação é feita pelo plasma em 2 ou 3 dias. Administração: Dose/Via Somente Intravenosa por uma via central; o uso de veia de alto calibre vai minimizar a ocorrência de flebite e trombose. A primeira infusão deverá ser de pelo menos 6 horas e as próximas doses em pelo menos 4 horas, em bomba de infusão Dose: 1,5 mg/kg/dia entre 7 e 14 dias Dose usual IV de 1,5 mg/Kg/dia entre 7 e 14 dias. Diluir o conteúdo do frasco de 25 mg em solução própria(fornecida pelo fabricante), girando até dissolver completamente. A dosagem para concentração final de 0,5 mg/ ml deve ser obtida através da rediluição em solução fisiológica 0,9% ou solução glicosada 5%. Precauções 1. A pré-medicação utilizando-se Corticosteróides, Acetaminofeno e/ou anti-histamínicos, devem reduzir os efeitos relacionados à infusão. Imunossupressão crônica aumenta o risco de infecções oportunistas e doenças malignas secundárias. Pode ocorrer o desenvolvimento de anticorpos à proteína do coelho em cerca de 68% dos pacientes. O impacto destes anticorpos na eficácia de terapias repetidas com ATG é desconhecido. Deve ser armazenado sob refrigeração (não deve ser congelado) entre 2 e 8ºC e protegido da luz. 2. Após a rediluição na solução prescrita, a mesma deve ser utilizada imediatamente. O conteúdo do frasco deve ser utilizado em até 4 h. A administração deve ser feita somente através de acesso central, sendo a primeira infusão realizada em pelo menos 6 h e as próximas doses em pelo menos 4 h. Interação com outras drogas Pode alterar o tratamento psiquiátrico em especial quando se utiliza Clozapine, Carbamazepina e Ácido Valpróico. Em tratamentos oncológicos, apresenta baixo baixo potencial emético ( 10%) e sem ação vesicante. Reações Adversas 10%: Sistema nervoso central: febre, dor de cabeça. Dermatológica: rush cutâneo Metabólica: hipercalemia Gastrointestinal: dor abdominal e diarréia Hematológico: leucopenia e trombocitopenia Muscular: fraqueza Respiratória: dispnéia Diversos: infecções sistêmicas e dores generalizadas 1 a 10%: Gastrointestinal: gastrite Respiratória: pneumonia Diversos: reações anafiláticas podem ser indicados por hipotensão, distúrbios respiratórios, infecção viral
  • 9. Cuidados de Enfermagem Administrar a droga exclusivamente através de acesso central; Observar a administração de medicações pré infusão: Corticosteróide, anti-histamínico e anti-piréticos; Obedecer tempo de infusão estabelecido; Embora não haja advertência, fazer uso de via única durante infusão da droga; Controle de sinais vitais durante infusão da droga; Observar a presença de hipotensão, taquicardia, dispnéia súbita e rush cutâneo, evidenciando um possível choque anafilático; Manter carrinho de ressucitação cardio pulmonar próximo; No decorrer do tratamento, deve-se monitorar o perfil de linfócitos, leucograma com diferencial e contagem de plaquetas. Atentar-se para as possíveis implicações de alguma alteração: infecções oportunistas, manutenção da rejeição do enxerto e disfunções de coagulação. Observar hidratação do paciente, pois dependendo da imunossupressão utilizada mais o uso de ATG, pode ocorrer a intensificação de dores abdominais e diarréia. Observações Parâmetros que devem ser monitorados: Perfil de linfócitos Leucograma com diferencial Distúrbios de coagulação.
  • 10. Em desenvolvimento Nome Genérico Nome Comercial Mifortic Categoria Terapêutica Imunossupressor Indicação Contra-indicação Mecanismo de ação Administração: Dose/Via Precauções Interação com outras drogas Reações Adversas Cuidados de Enfermagem Observações
  • 11. Referências Bibliográficas 1. National Library of Medicine – Medline plus; (online) Disponível em: (15 setembro 2002) 2. Piveta V. Manual de orientação para o paciente Transplantado Renal. 1º ed. São Paulo: Unifesp e Hospital do Rim e Hipertensão, 2001. 3. Sandoz – Divisão Farmacêutica. Guia do Usuário: Informações para melhor manuseio do paciente transplantado – Sandimmun Neoral. 1998. 4. Turkoski B.B., Lance B. R., Janoski J.E. Drug Information Handbook for Nursing. 1º ed. USA Ohio : Lexi-Comp Inc; 1998. p.1068