SlideShare uma empresa Scribd logo
PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA
              Secretaria de Aviação Civil
   Secretaria de Política Regulatória de Aviação Civil




CRESCIMENTO DO MERCADO
  BRASILEIRO DE AVIAÇÃO
                                    Gustavo Pacheco Fortes Fleury
                                      Gerente de Projeto do Departamento
                                      de Política de Serviços Aéreos




            Rio de Janeiro, 16 de abril de 2012
SUMÁRIO


1. Panorama histórico-institucional
2. SAC/PR – Organização institucional
3. Estatísticas do transporte aéreo regular
4. Aviação geral
5. Desafios para a aviação civil
1. PANORAMA HISTÓRICO-INSTITUCIONAL
                                       1927 – Dornier Wal “Atlântico”, do
                                       Condor Syndikat

                                       Primeiro aeronave a operar uma rota
                                       regular no Brasil (Porto Alegre-
                                       Pelotas-Rio    Grande),    com    3
                                       passageiros.
                                       Fonte: R.E.G. Davies (“Airlines of Latin America since 1919”)




 2012 – Embraer 195

 Aeronave brasileira com capacidade
 para até 122 passageiros, exportada
 para diversos países
1. PANORAMA HISTÓRICO-INSTITUCIONAL
1. PANORAMA HISTÓRICO-INSTITUCIONAL

 DÉCADA DE 2000

 2000: Criação do Conselho de Aviação Civil (CONAC)
 2001: Liberalização tarifária, flexibilização para abertura de novas
 empresas;
 2006: Implantação da ANAC em substituição ao DAC;
 2007: Criação da Secretaria de Aviação Civil do Min. da Defesa
 (SAC/MD);
 2009: Publicação da Política Nacional de Aviação Civil (PNAC, Decreto nº
 6.780)
 2011: Criação da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República
 (SAC/PR); concessão do Aeroporto de São Gonçalo do Amarante (ASGA).
 2012: Concessão dos aeroportos de Guarulhos, Brasília e Campinas.
2. SAC/PR – ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL
     SAC/PR - ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL
        MP 527/2011 CONVERTIDA NA LEI Nº 12.462/2011

                PRESIDÊNCIA                            MIN. DA DEFESA
         SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL
                                                       Aviação militar e
        Políticas públicas e planejamento
                                                       navegação aérea
                  da aviação civil
           Coordenação e articulação
                governamental                          COMAER – DECEA
        Plano de outorgas e execução de                Controle do espaço
                   convênios                                 aéreo



     INFRAERO                    ANAC

   Administração e        Regulação técnica e
      operação                econômica
    aeroportuária             Fiscalização
2. SAC/PR – ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL
                  SAC/PR: PRINCIPAIS DESAFIOS
 PRINCIPAIS DESAFIOS PARA A SAC:

  1) Expansão da capacidade de infraestrutura aeroportuária :
      Investimentos em obras de infraestrutura (reformas e expansão
     dos aeroportos);
      Melhoria da gestão (investimentos em tecnologia, qualificação de
     mão de obra, e em novos processos, com melhorias operacionais
     para o processamento e despacho de passageiros e cargas);
     PROFAA (Programa Federal de Auxílio a Aeroportos);
     Concessão de aeroportos.
  2) Planejamento do setor de aviação civil de maneira integrada
  com outros modais, levando em conta características regionais
  e a importância do modal aéreo para a integração e
  desenvolvimento de certas localidades;
  3) Revisão do marco regulatório do setor, instituído em 1986,
  dentre outras normas que impactam diretamente o setor.
3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO
        Quantidade de passageiros-quilômetros transportados por empresas
        brasileiras nos mercados doméstico e internacional – 1960-2011




Fonte: ANAC
Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO
             Quantidade de passageiros embarcados por empresas brasileiras nos
             mercados doméstico e internacional – 2002-2010




Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO
                                        Passageiros nos Aeroportos Infraero
                          Movimento de passageiros nos aeroportos da INFRAERO – 2003-2011



                                 Crescimento Médio Anual: 12,5% (2003-2011)                   180

                                                                                    155

                                                                              128
  Passageiros (milhões)




                                                              111     113
                                                96    102
                                        83
                                 71




                                                                                      Fonte: Infraero
3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO
                        Movimento de passageiros
                        nos aeroportos INFRAERO -
                        2011




                        Fonte: INFRAERO; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO
        Tarifa aérea média e yield tarifa aérea em valores atualizados – 2002-2011




Fonte: ANAC
Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO
       PARTICIPAÇÃO POR EMPRESA NO MERCADO DE TRANSPORTE
  Participação no mercado doméstico, A 2011
            AÉREO DOMÉSTICO – 2000 por empresa (médio e grande porte) –
                               2000-2011.




                                                              Fonte: ANAC
                                                              Elaboração: SPR/SAC-PR
3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTETRANSPORTE
       PARTICIPAÇÃO POR EMPRESA NO MERCADO DE AÉREO
                     AÉREO DOMÉSTICO (REGIONAL) – 2000 A 2011
         Participação no mercado doméstico, por empresa (pequeno porte) –
                                   2000-2011.




Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO
             Índice de concentração do mercado (Herfindhal-Hirschman Index)




                                                                                                    Nos EUA é de
                                                                                                    0,0942
                                                                                                    conforme
                                                                                                    cálculos próprios
                                                            2008: ampliação da frota da Webjet      a partir de dados
                                                            de 3 para 11 aeronaves após aquisição   do site
                                                            da empresa pela CVC; entrada em         Transtat.gov
                                                            operação da Azul (dezembro);
                                                            expansão das operações da Trip e
                                                            venda de 20% de suas ações para a
                                                            SkyWest Airlines.


                       2004: término das operações
                       regulares da Vasp; crise da Varig.




Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO
Mapa de distribuição dos
714 aeródromos públicos
(pistas  de    pouso   e
decolagem)




Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO
                                            Aeroportos com voos regulares (126)




Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO
                                            Malha aérea doméstica regular




Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO
                                                   Malha aérea doméstica regular por
                                                             quantidade de assentos
                                                                  ofertados/semana




Fonte: ANAC e IBGE; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO
                                                   Malha aérea doméstica regular por
                                                    quantidade de empresas por rota




Fonte: ANAC e IBGE; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO
    Quantidade de rotas e aeroportos atendidos pelo transporte aéreo regular de
                    passageiros e carga – jan/1999 a jun/2011.




Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO
                      VISÃO GERAL DO TRANSPORTE AÉREO REGULAR

    Comparativo de aeroportos e
    rotas com voos regulares em
    janeiro de 1999 e junho de
    2011


                       Aeroportos           Rotas
             1999           182              837
             2011           130              840




          Aeroportos com voos regulares
                        Operados em janeiro/1999 e junho /2011            (109)
                        Operados em janeiro/1999, mas não em junho/2011   (73)
                        Operados em junho/2011, mas não em janeiro/1999   (21)
          Rotas aéreas regulares
                        Operadas em janeiro/1999 e junho /2011            (414)
                        Operadas em janeiro/1999, mas não em junho/2011   (423)
                        Operadas em junho/2011, mas não em janeiro/1999   (426)



Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
4. AVIAÇÃO GERAL




Fonte: Associação Brasileira de Aviação Geral - ABAG (“Anuário Brasileiro de Aviação Geral – 2011”)
4. AVIAÇÃO GERAL




Fonte: Associação Brasileira de Aviação Geral - ABAG (“Anuário Brasileiro de Aviação Geral – 2011”)
4. AVIAÇÃO GERAL




Fonte: Associação Brasileira de Aviação Geral - ABAG (“Anuário Brasileiro de Aviação Geral – 2011”)
5. DESAFIOS PARA A AVIAÇÃO CIVIL

 • Melhoria da segurança operacional e contra atos ilícitos na
   aviação civil;
 • Ampliação e melhoria da infraestrutura aeroportuária;
 • Redução de barreiras à entrada de novas empresas no setor;
 • Aumento da quantidade de cidades atendidas pelo transporte
   aéreo regular de passageiros e carga;
 • Formação de profissionais para a aviação civil;
 • Redução da carga tributária sobre insumos como combustíveis;
 • Redução dos impactos ambientais da aviação civil;
 • Aumento da competitividade e diversidade da cadeia produtiva da
   indústria aeronáutica;
 • Revisão do Código Brasileiro de Aeronáutica;
 • Aperfeiçoamento da estrutura institucional dos órgãos e entidades
   ligados à aviação civil.
OBRIGADO!

Gustavo Pacheco Fortes Fleury
   Gerente de Projeto do Departamento
     de Política de Serviços Aéreos


   gustavo.fleury@aviacaocivil.gov.br
   (61) 3313-7071

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjosAnálise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
ma.no.el.ne.ves
 
Teste fernando pessoa
Teste fernando pessoaTeste fernando pessoa
Teste fernando pessoa
Ana Acciaioli
 
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
Colégio Santa Luzia
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquema
João Paulo Freire
 
Gil vicente e a farsa de ines pereira
Gil vicente e a farsa de ines pereiraGil vicente e a farsa de ines pereira
Gil vicente e a farsa de ines pereira
Cristina Tomé
 
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica BrasileiraLiteratura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Ingrit Silva Sampaio
 
Carta de apresentacao.. Leonel Matusse.
Carta de apresentacao.. Leonel Matusse.Carta de apresentacao.. Leonel Matusse.
Carta de apresentacao.. Leonel Matusse.
Leonel Matusse
 
Webquest origem da lingua portuguesa
Webquest origem da lingua portuguesaWebquest origem da lingua portuguesa
Webquest origem da lingua portuguesa
Suzi Lopes
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
litegatuga
 
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Universidade Católica Portuguesa
 
Argumento a favor da existência de deus
Argumento a favor da existência de deusArgumento a favor da existência de deus
Argumento a favor da existência de deus
Isabel Moura
 
A Ética - Espinosa
A Ética - EspinosaA Ética - Espinosa
A Ética - Espinosa
Jorge Barbosa
 
Formação do Léxico da Língua Portuguesa
Formação do Léxico da Língua PortuguesaFormação do Léxico da Língua Portuguesa
Formação do Léxico da Língua Portuguesa
Universidade de Santiago de Compostela
 
Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa
JulianaCarvalho265
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
mluisavalente
 
Conectores
ConectoresConectores
Conectores
lauraneves
 
Construção da ciência
Construção da ciênciaConstrução da ciência
Construção da ciência
MariaSantos508206
 
Sermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulos
Sermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulosSermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulos
Sermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulos
Cristina Leitão
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
martinsramon
 
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo CategóricoFundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
Ruben Fonseca
 

Mais procurados (20)

Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjosAnálise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
 
Teste fernando pessoa
Teste fernando pessoaTeste fernando pessoa
Teste fernando pessoa
 
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquema
 
Gil vicente e a farsa de ines pereira
Gil vicente e a farsa de ines pereiraGil vicente e a farsa de ines pereira
Gil vicente e a farsa de ines pereira
 
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica BrasileiraLiteratura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
 
Carta de apresentacao.. Leonel Matusse.
Carta de apresentacao.. Leonel Matusse.Carta de apresentacao.. Leonel Matusse.
Carta de apresentacao.. Leonel Matusse.
 
Webquest origem da lingua portuguesa
Webquest origem da lingua portuguesaWebquest origem da lingua portuguesa
Webquest origem da lingua portuguesa
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
 
Argumento a favor da existência de deus
Argumento a favor da existência de deusArgumento a favor da existência de deus
Argumento a favor da existência de deus
 
A Ética - Espinosa
A Ética - EspinosaA Ética - Espinosa
A Ética - Espinosa
 
Formação do Léxico da Língua Portuguesa
Formação do Léxico da Língua PortuguesaFormação do Léxico da Língua Portuguesa
Formação do Léxico da Língua Portuguesa
 
Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
 
Conectores
ConectoresConectores
Conectores
 
Construção da ciência
Construção da ciênciaConstrução da ciência
Construção da ciência
 
Sermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulos
Sermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulosSermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulos
Sermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulos
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
 
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo CategóricoFundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
 

Destaque

Regulação do transporte aéreo - evolução e desafios
Regulação do transporte aéreo - evolução e desafiosRegulação do transporte aéreo - evolução e desafios
Regulação do transporte aéreo - evolução e desafios
Gustavo Fleury
 
Regional Aviation Programs in Brazil - 2014
Regional Aviation Programs in Brazil - 2014Regional Aviation Programs in Brazil - 2014
Regional Aviation Programs in Brazil - 2014
Gustavo Fleury
 
Aeroportos contemplados com plano de aviação regional
Aeroportos contemplados com plano de aviação regionalAeroportos contemplados com plano de aviação regional
Aeroportos contemplados com plano de aviação regional
Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República
 
“Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos”
 “Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos” “Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos”
“Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos”
Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República
 
Transporte aéreo
Transporte aéreoTransporte aéreo
Transporte aéreo
Rober Danny Souza Bortolotto
 
Desenvolvimento da Aviação Regional
Desenvolvimento da Aviação RegionalDesenvolvimento da Aviação Regional
Cômoda Munique 1 porta 5 gavetas
Cômoda Munique 1 porta 5 gavetasCômoda Munique 1 porta 5 gavetas
Cômoda Munique 1 porta 5 gavetas
pegapegamoveis
 
Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...
Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...
Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...
Palácio do Planalto
 
Programa de Treinamento de Pilotos - Folder Formação de Pilotos - Lider Aviação
Programa de Treinamento de Pilotos - Folder Formação de Pilotos - Lider AviaçãoPrograma de Treinamento de Pilotos - Folder Formação de Pilotos - Lider Aviação
Programa de Treinamento de Pilotos - Folder Formação de Pilotos - Lider Aviação
Jeferson Espindola
 
A hèlice
A hèliceA hèlice
A hèlice
gefferson2014
 
FCA 58-1 - Panorama Estatístico da Aviação Civil Brasileira - 2012
FCA 58-1 - Panorama Estatístico da Aviação Civil Brasileira - 2012FCA 58-1 - Panorama Estatístico da Aviação Civil Brasileira - 2012
FCA 58-1 - Panorama Estatístico da Aviação Civil Brasileira - 2012
Jeferson Espindola
 
Perguntas e Respostas Viagem Dez
Perguntas e Respostas Viagem DezPerguntas e Respostas Viagem Dez
Agência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. Pellegrino
Agência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. PellegrinoAgência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. Pellegrino
Agência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. Pellegrino
Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal
 
38636297 teoria-de-voo
38636297 teoria-de-voo38636297 teoria-de-voo
38636297 teoria-de-voo
Bruno Alonso Pacheco
 
Cga e tva pp e cms 2007
Cga e tva pp e cms 2007Cga e tva pp e cms 2007
Cga e tva pp e cms 2007
mastermidia
 
Maquinas termicas ii
Maquinas termicas iiMaquinas termicas ii
Maquinas termicas ii
asteriopereira
 
Siglas e abreviaturas
Siglas e abreviaturasSiglas e abreviaturas
Siglas e abreviaturas
fndo98
 
Tablet Computers and eBooks. Unlocking the potential for personal learning en...
Tablet Computers and eBooks. Unlocking the potential for personal learning en...Tablet Computers and eBooks. Unlocking the potential for personal learning en...
Tablet Computers and eBooks. Unlocking the potential for personal learning en...
Marco Kalz
 
A latam airlines group s.a.
A latam airlines group s.a.A latam airlines group s.a.
A latam airlines group s.a.
Carlos Alberto Gonçalves Alfredo
 
Abracorp Palestra Universidade Anhembi Morumbi
Abracorp Palestra Universidade Anhembi MorumbiAbracorp Palestra Universidade Anhembi Morumbi
Abracorp Palestra Universidade Anhembi Morumbi
Faustino Albano Pereira Junior
 

Destaque (20)

Regulação do transporte aéreo - evolução e desafios
Regulação do transporte aéreo - evolução e desafiosRegulação do transporte aéreo - evolução e desafios
Regulação do transporte aéreo - evolução e desafios
 
Regional Aviation Programs in Brazil - 2014
Regional Aviation Programs in Brazil - 2014Regional Aviation Programs in Brazil - 2014
Regional Aviation Programs in Brazil - 2014
 
Aeroportos contemplados com plano de aviação regional
Aeroportos contemplados com plano de aviação regionalAeroportos contemplados com plano de aviação regional
Aeroportos contemplados com plano de aviação regional
 
“Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos”
 “Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos” “Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos”
“Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos”
 
Transporte aéreo
Transporte aéreoTransporte aéreo
Transporte aéreo
 
Desenvolvimento da Aviação Regional
Desenvolvimento da Aviação RegionalDesenvolvimento da Aviação Regional
Desenvolvimento da Aviação Regional
 
Cômoda Munique 1 porta 5 gavetas
Cômoda Munique 1 porta 5 gavetasCômoda Munique 1 porta 5 gavetas
Cômoda Munique 1 porta 5 gavetas
 
Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...
Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...
Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...
 
Programa de Treinamento de Pilotos - Folder Formação de Pilotos - Lider Aviação
Programa de Treinamento de Pilotos - Folder Formação de Pilotos - Lider AviaçãoPrograma de Treinamento de Pilotos - Folder Formação de Pilotos - Lider Aviação
Programa de Treinamento de Pilotos - Folder Formação de Pilotos - Lider Aviação
 
A hèlice
A hèliceA hèlice
A hèlice
 
FCA 58-1 - Panorama Estatístico da Aviação Civil Brasileira - 2012
FCA 58-1 - Panorama Estatístico da Aviação Civil Brasileira - 2012FCA 58-1 - Panorama Estatístico da Aviação Civil Brasileira - 2012
FCA 58-1 - Panorama Estatístico da Aviação Civil Brasileira - 2012
 
Perguntas e Respostas Viagem Dez
Perguntas e Respostas Viagem DezPerguntas e Respostas Viagem Dez
Perguntas e Respostas Viagem Dez
 
Agência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. Pellegrino
Agência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. PellegrinoAgência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. Pellegrino
Agência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. Pellegrino
 
38636297 teoria-de-voo
38636297 teoria-de-voo38636297 teoria-de-voo
38636297 teoria-de-voo
 
Cga e tva pp e cms 2007
Cga e tva pp e cms 2007Cga e tva pp e cms 2007
Cga e tva pp e cms 2007
 
Maquinas termicas ii
Maquinas termicas iiMaquinas termicas ii
Maquinas termicas ii
 
Siglas e abreviaturas
Siglas e abreviaturasSiglas e abreviaturas
Siglas e abreviaturas
 
Tablet Computers and eBooks. Unlocking the potential for personal learning en...
Tablet Computers and eBooks. Unlocking the potential for personal learning en...Tablet Computers and eBooks. Unlocking the potential for personal learning en...
Tablet Computers and eBooks. Unlocking the potential for personal learning en...
 
A latam airlines group s.a.
A latam airlines group s.a.A latam airlines group s.a.
A latam airlines group s.a.
 
Abracorp Palestra Universidade Anhembi Morumbi
Abracorp Palestra Universidade Anhembi MorumbiAbracorp Palestra Universidade Anhembi Morumbi
Abracorp Palestra Universidade Anhembi Morumbi
 

Semelhante a Crescimento do Mercado Brasileiro de Aviação

Ap aviação civil
Ap aviação civilAp aviação civil
Ap aviação civil
marciasilva01
 
O desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiro
O desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiroO desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiro
O desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiro
Rafael Braga
 
Apresentação: Secretaria de Aviação Civil
Apresentação: Secretaria de Aviação CivilApresentação: Secretaria de Aviação Civil
Apresentação: Secretaria de Aviação Civil
Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
Rafael José Rorato
 
ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345
ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345
ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345
Maciel "Massa"
 
Uma amostra das concessões dos aeroportos brasileiros
Uma amostra das concessões dos aeroportos brasileiros Uma amostra das concessões dos aeroportos brasileiros
Uma amostra das concessões dos aeroportos brasileiros
Luiz Carlos Azenha
 
Relatorio Geral Aeroportos
Relatorio Geral AeroportosRelatorio Geral Aeroportos
Relatorio Geral Aeroportos
Adriana Guarda
 
Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2
Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2
Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2
Gelson Zorzoli Nunes
 
ApresentaçãO Adm Aerop
ApresentaçãO Adm AeropApresentaçãO Adm Aerop
ApresentaçãO Adm Aerop
Maciel "Massa"
 
Aero espaço jan 11
Aero espaço jan 11Aero espaço jan 11
Aero espaço jan 11
Lestat Vergaser
 
Qualidade dos serviços nos aeroportos (2º trimestre/2013)
Qualidade dos serviços nos aeroportos (2º trimestre/2013)Qualidade dos serviços nos aeroportos (2º trimestre/2013)
Qualidade dos serviços nos aeroportos (2º trimestre/2013)
Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República
 
Qualidade dos serviços nos aeroportos (1º trimestre/2013)
Qualidade dos serviços nos aeroportos (1º trimestre/2013)Qualidade dos serviços nos aeroportos (1º trimestre/2013)
Qualidade dos serviços nos aeroportos (1º trimestre/2013)
Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República
 
Programa de Investimento em Logística - Aeroportos
Programa de Investimento em Logística - AeroportosPrograma de Investimento em Logística - Aeroportos
Programa de Investimento em Logística - Aeroportos
Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República
 
Aeroporto de curitiba vidro adesivado 14.01
Aeroporto de curitiba   vidro adesivado 14.01Aeroporto de curitiba   vidro adesivado 14.01
Aeroporto de curitiba vidro adesivado 14.01
Meio & Mensagem
 
Aeroporto de curitiba vidro adesivado 14.01
Aeroporto de curitiba   vidro adesivado 14.01Aeroporto de curitiba   vidro adesivado 14.01
Aeroporto de curitiba vidro adesivado 14.01
Meio & Mensagem
 
Aeroporto de curitiba vidro adesivado 14.01
Aeroporto de curitiba   vidro adesivado 14.01Aeroporto de curitiba   vidro adesivado 14.01
Aeroporto de curitiba vidro adesivado 14.01
Meio & Mensagem
 
Apresentação pr afa imprensa
Apresentação pr afa imprensaApresentação pr afa imprensa
Apresentação pr afa imprensa
Conversa Afiada
 
Eduardo Campos: piloto e o co-piloto não possuíam habilitação específica para...
Eduardo Campos: piloto e o co-piloto não possuíam habilitação específica para...Eduardo Campos: piloto e o co-piloto não possuíam habilitação específica para...
Eduardo Campos: piloto e o co-piloto não possuíam habilitação específica para...
Maria Santos
 
FUNDO NACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL
FUNDO NACIONAL DA AVIAÇÃO CIVILFUNDO NACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL
FUNDO NACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL
Rafael Braga
 
Navegação final
Navegação finalNavegação final
Navegação final
Luis Miguel Cruz
 

Semelhante a Crescimento do Mercado Brasileiro de Aviação (20)

Ap aviação civil
Ap aviação civilAp aviação civil
Ap aviação civil
 
O desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiro
O desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiroO desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiro
O desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiro
 
Apresentação: Secretaria de Aviação Civil
Apresentação: Secretaria de Aviação CivilApresentação: Secretaria de Aviação Civil
Apresentação: Secretaria de Aviação Civil
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
 
ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345
ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345
ApresentaçãO RibeirãO Preto Etapa 345
 
Uma amostra das concessões dos aeroportos brasileiros
Uma amostra das concessões dos aeroportos brasileiros Uma amostra das concessões dos aeroportos brasileiros
Uma amostra das concessões dos aeroportos brasileiros
 
Relatorio Geral Aeroportos
Relatorio Geral AeroportosRelatorio Geral Aeroportos
Relatorio Geral Aeroportos
 
Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2
Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2
Aula2 aer dromos_transporte_a_reo_aeroportos 2
 
ApresentaçãO Adm Aerop
ApresentaçãO Adm AeropApresentaçãO Adm Aerop
ApresentaçãO Adm Aerop
 
Aero espaço jan 11
Aero espaço jan 11Aero espaço jan 11
Aero espaço jan 11
 
Qualidade dos serviços nos aeroportos (2º trimestre/2013)
Qualidade dos serviços nos aeroportos (2º trimestre/2013)Qualidade dos serviços nos aeroportos (2º trimestre/2013)
Qualidade dos serviços nos aeroportos (2º trimestre/2013)
 
Qualidade dos serviços nos aeroportos (1º trimestre/2013)
Qualidade dos serviços nos aeroportos (1º trimestre/2013)Qualidade dos serviços nos aeroportos (1º trimestre/2013)
Qualidade dos serviços nos aeroportos (1º trimestre/2013)
 
Programa de Investimento em Logística - Aeroportos
Programa de Investimento em Logística - AeroportosPrograma de Investimento em Logística - Aeroportos
Programa de Investimento em Logística - Aeroportos
 
Aeroporto de curitiba vidro adesivado 14.01
Aeroporto de curitiba   vidro adesivado 14.01Aeroporto de curitiba   vidro adesivado 14.01
Aeroporto de curitiba vidro adesivado 14.01
 
Aeroporto de curitiba vidro adesivado 14.01
Aeroporto de curitiba   vidro adesivado 14.01Aeroporto de curitiba   vidro adesivado 14.01
Aeroporto de curitiba vidro adesivado 14.01
 
Aeroporto de curitiba vidro adesivado 14.01
Aeroporto de curitiba   vidro adesivado 14.01Aeroporto de curitiba   vidro adesivado 14.01
Aeroporto de curitiba vidro adesivado 14.01
 
Apresentação pr afa imprensa
Apresentação pr afa imprensaApresentação pr afa imprensa
Apresentação pr afa imprensa
 
Eduardo Campos: piloto e o co-piloto não possuíam habilitação específica para...
Eduardo Campos: piloto e o co-piloto não possuíam habilitação específica para...Eduardo Campos: piloto e o co-piloto não possuíam habilitação específica para...
Eduardo Campos: piloto e o co-piloto não possuíam habilitação específica para...
 
FUNDO NACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL
FUNDO NACIONAL DA AVIAÇÃO CIVILFUNDO NACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL
FUNDO NACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL
 
Navegação final
Navegação finalNavegação final
Navegação final
 

Último

RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
AlfeuBuriti1
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
InsttLcioEvangelista
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Dantas
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Renan Batista Bitcoin
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Carlos Eduardo Coan Junior
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 

Último (8)

RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 

Crescimento do Mercado Brasileiro de Aviação

  • 1. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Aviação Civil Secretaria de Política Regulatória de Aviação Civil CRESCIMENTO DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO Gustavo Pacheco Fortes Fleury Gerente de Projeto do Departamento de Política de Serviços Aéreos Rio de Janeiro, 16 de abril de 2012
  • 2. SUMÁRIO 1. Panorama histórico-institucional 2. SAC/PR – Organização institucional 3. Estatísticas do transporte aéreo regular 4. Aviação geral 5. Desafios para a aviação civil
  • 3. 1. PANORAMA HISTÓRICO-INSTITUCIONAL 1927 – Dornier Wal “Atlântico”, do Condor Syndikat Primeiro aeronave a operar uma rota regular no Brasil (Porto Alegre- Pelotas-Rio Grande), com 3 passageiros. Fonte: R.E.G. Davies (“Airlines of Latin America since 1919”) 2012 – Embraer 195 Aeronave brasileira com capacidade para até 122 passageiros, exportada para diversos países
  • 5. 1. PANORAMA HISTÓRICO-INSTITUCIONAL DÉCADA DE 2000 2000: Criação do Conselho de Aviação Civil (CONAC) 2001: Liberalização tarifária, flexibilização para abertura de novas empresas; 2006: Implantação da ANAC em substituição ao DAC; 2007: Criação da Secretaria de Aviação Civil do Min. da Defesa (SAC/MD); 2009: Publicação da Política Nacional de Aviação Civil (PNAC, Decreto nº 6.780) 2011: Criação da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República (SAC/PR); concessão do Aeroporto de São Gonçalo do Amarante (ASGA). 2012: Concessão dos aeroportos de Guarulhos, Brasília e Campinas.
  • 6. 2. SAC/PR – ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL SAC/PR - ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL MP 527/2011 CONVERTIDA NA LEI Nº 12.462/2011 PRESIDÊNCIA MIN. DA DEFESA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL Aviação militar e Políticas públicas e planejamento navegação aérea da aviação civil Coordenação e articulação governamental COMAER – DECEA Plano de outorgas e execução de Controle do espaço convênios aéreo INFRAERO ANAC Administração e Regulação técnica e operação econômica aeroportuária Fiscalização
  • 7. 2. SAC/PR – ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL SAC/PR: PRINCIPAIS DESAFIOS PRINCIPAIS DESAFIOS PARA A SAC: 1) Expansão da capacidade de infraestrutura aeroportuária :  Investimentos em obras de infraestrutura (reformas e expansão dos aeroportos);  Melhoria da gestão (investimentos em tecnologia, qualificação de mão de obra, e em novos processos, com melhorias operacionais para o processamento e despacho de passageiros e cargas); PROFAA (Programa Federal de Auxílio a Aeroportos); Concessão de aeroportos. 2) Planejamento do setor de aviação civil de maneira integrada com outros modais, levando em conta características regionais e a importância do modal aéreo para a integração e desenvolvimento de certas localidades; 3) Revisão do marco regulatório do setor, instituído em 1986, dentre outras normas que impactam diretamente o setor.
  • 8. 3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO Quantidade de passageiros-quilômetros transportados por empresas brasileiras nos mercados doméstico e internacional – 1960-2011 Fonte: ANAC Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
  • 9. 3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO Quantidade de passageiros embarcados por empresas brasileiras nos mercados doméstico e internacional – 2002-2010 Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
  • 10. 3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO Passageiros nos Aeroportos Infraero Movimento de passageiros nos aeroportos da INFRAERO – 2003-2011 Crescimento Médio Anual: 12,5% (2003-2011) 180 155 128 Passageiros (milhões) 111 113 96 102 83 71 Fonte: Infraero
  • 11. 3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO Movimento de passageiros nos aeroportos INFRAERO - 2011 Fonte: INFRAERO; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
  • 12. 3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO Tarifa aérea média e yield tarifa aérea em valores atualizados – 2002-2011 Fonte: ANAC Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
  • 13. 3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO PARTICIPAÇÃO POR EMPRESA NO MERCADO DE TRANSPORTE Participação no mercado doméstico, A 2011 AÉREO DOMÉSTICO – 2000 por empresa (médio e grande porte) – 2000-2011. Fonte: ANAC Elaboração: SPR/SAC-PR
  • 14. 3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTETRANSPORTE PARTICIPAÇÃO POR EMPRESA NO MERCADO DE AÉREO AÉREO DOMÉSTICO (REGIONAL) – 2000 A 2011 Participação no mercado doméstico, por empresa (pequeno porte) – 2000-2011. Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
  • 15. 3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO Índice de concentração do mercado (Herfindhal-Hirschman Index) Nos EUA é de 0,0942 conforme cálculos próprios 2008: ampliação da frota da Webjet a partir de dados de 3 para 11 aeronaves após aquisição do site da empresa pela CVC; entrada em Transtat.gov operação da Azul (dezembro); expansão das operações da Trip e venda de 20% de suas ações para a SkyWest Airlines. 2004: término das operações regulares da Vasp; crise da Varig. Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
  • 16. 3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO Mapa de distribuição dos 714 aeródromos públicos (pistas de pouso e decolagem) Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
  • 17. 3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO Aeroportos com voos regulares (126) Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
  • 18. 3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO Malha aérea doméstica regular Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
  • 19. 3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO Malha aérea doméstica regular por quantidade de assentos ofertados/semana Fonte: ANAC e IBGE; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
  • 20. 3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO Malha aérea doméstica regular por quantidade de empresas por rota Fonte: ANAC e IBGE; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
  • 21. 3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO Quantidade de rotas e aeroportos atendidos pelo transporte aéreo regular de passageiros e carga – jan/1999 a jun/2011. Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
  • 22. 3. ESTATÍSTICAS DO TRANSPORTE AÉREO VISÃO GERAL DO TRANSPORTE AÉREO REGULAR Comparativo de aeroportos e rotas com voos regulares em janeiro de 1999 e junho de 2011 Aeroportos Rotas 1999 182 837 2011 130 840 Aeroportos com voos regulares Operados em janeiro/1999 e junho /2011 (109) Operados em janeiro/1999, mas não em junho/2011 (73) Operados em junho/2011, mas não em janeiro/1999 (21) Rotas aéreas regulares Operadas em janeiro/1999 e junho /2011 (414) Operadas em janeiro/1999, mas não em junho/2011 (423) Operadas em junho/2011, mas não em janeiro/1999 (426) Fonte: ANAC; Elaboração: DEPSA/SPR/SAC-PR
  • 23. 4. AVIAÇÃO GERAL Fonte: Associação Brasileira de Aviação Geral - ABAG (“Anuário Brasileiro de Aviação Geral – 2011”)
  • 24. 4. AVIAÇÃO GERAL Fonte: Associação Brasileira de Aviação Geral - ABAG (“Anuário Brasileiro de Aviação Geral – 2011”)
  • 25. 4. AVIAÇÃO GERAL Fonte: Associação Brasileira de Aviação Geral - ABAG (“Anuário Brasileiro de Aviação Geral – 2011”)
  • 26. 5. DESAFIOS PARA A AVIAÇÃO CIVIL • Melhoria da segurança operacional e contra atos ilícitos na aviação civil; • Ampliação e melhoria da infraestrutura aeroportuária; • Redução de barreiras à entrada de novas empresas no setor; • Aumento da quantidade de cidades atendidas pelo transporte aéreo regular de passageiros e carga; • Formação de profissionais para a aviação civil; • Redução da carga tributária sobre insumos como combustíveis; • Redução dos impactos ambientais da aviação civil; • Aumento da competitividade e diversidade da cadeia produtiva da indústria aeronáutica; • Revisão do Código Brasileiro de Aeronáutica; • Aperfeiçoamento da estrutura institucional dos órgãos e entidades ligados à aviação civil.
  • 27. OBRIGADO! Gustavo Pacheco Fortes Fleury Gerente de Projeto do Departamento de Política de Serviços Aéreos gustavo.fleury@aviacaocivil.gov.br (61) 3313-7071