SlideShare uma empresa Scribd logo
CONVIVÊNCIA E INTEGRAÇÃO DAS GERAÇÕES NO
               AMBIENTE DA IGREJA
 TEXTO: EFÉSIOS 6.1-4
 A igreja é composta de pessoas de todas as faixas etárias, que procuram
  viver unidas, entrelaçadas pela ação do Espírito Santo. Qualquer
  diferença deve ser resolvida nas bases do fruto do Espírito.
 A relação entre jovens e pessoas maduras. É impensável que
  vivamos nossa experiência cristã à luz dos mecanismos
  discriminatórios da sociedade secular. O desprezo aos mais velhos não
  pode caracterizar nosso modo de proceder. Deus exige que os idosos
  sejam inseridos e integrados à nossa vida (Lv 19.32).
 A relação entre pessoas maduras e jovens. A vida do jovem pode se
  tornar um pesadelo na igreja, se tudo o que os mais velhos quiserem for
  engessá-los com frases: “no meu tempo era diferente...”. Cada um vive o
  seu próprio tempo, e certamente, os tempos são diferentes.
 Precisamos, como crentes, podemos chamar de mais velhos, tentar
  compreender os adolescentes e jovens da desta geração.
ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS
                ADOLESCENTES:

 Procurar entender a sua linguagem. Eles se comunicam
  por gírias, gestos, neologismos, códigos diversos.
 Descobrir seus anseios mais profundos. Muitas vezes
  perdemos nossos adolescentes e jovens porque não
  conseguimos compreendê-lo na fase que precisa de muito
  mais apoio. Devemos observá-lo para ajudar quanto a busca
  das amizades, desenvolvimento de talentos e criatividade,
  programações atraentes, namoro, adoração, projetos novos.
 Compreender seu mundo e seu estilo de vida. Muitas
  vezes temos dificuldades em compreender o mundo no
  qual gira a cabeça do adolescente. Se como pais e irmãos
  em Cristo pudermos entendê-los em seus conflitos e
  acomodação à própria vida, eles nos ouvirão, e seremos
  referenciais em suas vidas.
ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS
              ADOLESCENTES:

 Preservar seus valores de grupo. O adolescente cristão
  tem na igreja a sua primeira ideia de grupo; já do berçário
  eles aprendem sobre relacionamento e ideia de posse.
  Depois, as classes diversas de EBD, os grupos musicais, de
  teatro e coreografia. Talvez algumas coisas que eles gostem
  têm sido o nó na cabeça da liderança da igreja.
 O que podemos fazer para ajudar os adolescentes na
  busca de uma vida cristã equilibrada: 1. Seja amigo sem
  consentir com o erro; 2. Invista com carinho e dedicação
  que certamente os frutos virão.
 Não podemos pensar que a fase da adolescência seja uma
  fase de descuido, de falta de compromisso e de oba-oba.
ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS JOVENS:
 A igreja espera do jovem...para hoje. Mas será que
  temos dado a devida atenção à dinâmica da vida
  jovem? O jovem de hoje não é como o de outros
  tempos. Cazuza definiu tudo como sendo ‘vida louca
  vida breve’. Bem verdade que ele falava de sua própria
  vida
 Dizem que hoje estamos vivendo a juventude chamada
  de Geração “Z”. Alguns diriam que é a geração ‘zzzzzzz’,
  porque eles gostam de dormir demais. A Geração “Z” é
  marcada pelo controle remoto, do click rápido, do X-
  box, do celular e de outras coisas instantâneas. Nas
  redes sociais os jovens criam as suas ‘networking’ e
  ‘netloving’.
ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS JOVENS:

 A juventude cristã também vive a influência
  da modernidade, do corre-corre e da falta de
  tempo. Assim, acabamos percebendo que a
  igreja acaba sofrendo com a vida acelerada
  da juventude.
 Mas podemos acreditar que quem mais sofre
  é o próprio jovem, que não tem mais tempo
  para viver a sua vida cristã ‘como nos velhos
  tempos’, como dizem hoje os seus pais.
ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS JOVENS:

  O que fazer para atrair os jovens para momentos de
  maior comum entre eles e entre os demais membros da
  igreja.
Vejamos:
 Fazer uma viagem missionária
 Planejar treinamento para evangelização
 Promover encontros que possam trazer amigos da
  escola, trabalho e vizinhança
 Promover atividades esportivas e de confraternização
 Promover retiros
ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS ADULTOS:
                De meia idade: 35 a 55 anos
             adulto maduro : de 56 a 70 anos
                terceira idade: acima de 71
 Fase da meia idade (35 a 55 anos). O adulto dessa fase
  pode viver uma realidade sócio-econômica e psicológico-
  familiar mais segura. Mas, por outro lado, podem surgir
  algumas crises, tais como:
 Fracasso. No trabalho, no casamento ou em outros alvos
  da vida. Reduzidas as possibilidades para novos começos,
  alguns adultos de meia idade entram em pequenos
  períodos de tristeza, que se não cuidados, acentuam-se
  levando a um quadro depressivo.
ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS ADULTOS:
                De meia idade: 35 a 55 anos
              adulto maduro : de 56 a 70 anos
                terceira idade: acima de 71
 Problemas no casamento. Os cônjuges vão ficando
  menos tolerantes e inflexíveis, o que torna possível o
  rompimento afetivo e matrimonial. A igreja não pode ficar
  imaginando que isso só acontece com as pessoas do
  ‘mundo’.
 A saúde e a idade. O tempo passou, e com ele foi o vigor e
  o ânimo da juventude. O que fomos na juventude, nos dias
  de paquera e namoro já se foi; é preciso conviver com o que
  somos agora. Aparecem as dores, o cansaço físico e as
  limitações.
ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS ADULTOS:
 Filhos adolescentes. O conflito de gerações se
  instala na casa. Achamos que nossos filhos não nos
  entendem e eles acham que nós não os
  entendemos. Mas há também a crise de não ter
  gerado filhos; não são poucos os casais que
  nesta fase da vida rompem com o casamento.
 Menopausa e andropausa. Este é um período
  nem sempre fácil de ser vencido e pode gerar
  depressão e ansiedade, além de desgaste relacional
  entre as pessoas envolvidas (cônjuges).
ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS ADULTOS:
 O “ninho vazio”. A ocupação com os filhos
  passou; talvez alguns casais digam: ‘e agora, o que
  vamos fazer?’. A casa ficou grande e o tempo
  também.
 Nesta fase é possível o casal fazer novos planos,
  redescobrir a vida a dois. É bom aproveitar o tempo
  do “ninho vazio” porque logo o “ninho” vai encher-
  se de netos. Para muitos, os netos trazem de volta a
  alegria perdida com a saída dos filhos.
ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AO ADULTO MADURO
                  (56 A 70 ANOS).

 Esta fase marca a saída da meia-idade, e quem
  sobreviveu ao período anterior pode usar as experiências
  para minorar os problemas que surgirão a partir de agora.
  Talvez seja muito pessimismo falar nos problemas que
  surgirão, mas na verdade, eles aparecem. Mas é possível
  vivenciar muitas possibilidades.
 Algumas crises dessa fase: doenças prolongadas, a morte
  do cônjuge, sentimento de frustração, a própria idade
  avançada, a solidão etc. Mas diante desse quadro triste,
  ainda assim é possível vencer os problemas com a força que
  vem do Senhor. A igreja deve ter condições de acompanhar
  as pessoas nessa fase ajudando na superação dos
  problemas.
ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AO ADULTO MADURO
                  (56 A 70 ANOS).


 O adulto maduro e a sua aposentadoria. Talvez a
  aposentadoria não permita a realização dos sonhos
  acalentados no tempo de atividade. Os recursos não
  são mais os mesmos e os gastos aumentam a cada dia
  (é uma conta que não fecha).
 A própria questão da aposentadoria pode gerar
  tristeza, sentimentos de somenos importância, solidão
  ou mesmo inutilidade.
 Também podemos, como igreja, criar situações que
  envolvam os idosos, para que eles possam maximizar
  sua autoestima e “na velhice ainda darem frutos” (Sl
  92.14).
CONCLUSÃO

 Mais que conhecer quem são as crianças, os
 adolescentes, os jovens e os adultos, é necessário
 construir, aperfeiçoar e desenvolver estratégias ou
 possibilidades de ação, para maior integração entre as
 pessoas de todas as gerações.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os desafios do jovem cristão na sociedade atual
Os desafios do jovem cristão na sociedade atualOs desafios do jovem cristão na sociedade atual
Os desafios do jovem cristão na sociedade atual
Jorge A. Ferreira
 
Pj revisa sou p_joteiro 5ªedição
Pj  revisa sou p_joteiro 5ªediçãoPj  revisa sou p_joteiro 5ªedição
Pj revisa sou p_joteiro 5ªedição
Dias Albert
 
A comunicação na família
A comunicação na famíliaA comunicação na família
A comunicação na família
Noimix
 
19 revisao e avaliacao do curso
19   revisao e avaliacao do curso19   revisao e avaliacao do curso
19 revisao e avaliacao do curso
PIB Penha
 
Relacionamento uma questão de sobrevivência (powerpoint)
Relacionamento uma questão de sobrevivência (powerpoint)Relacionamento uma questão de sobrevivência (powerpoint)
Relacionamento uma questão de sobrevivência (powerpoint)
Ev Nelson Fernandes
 
01 sexo fora do casamento
01   sexo fora do casamento01   sexo fora do casamento
01 sexo fora do casamento
Pastor Robson Colaço
 
Be045
Be045Be045
Apresentação livro das famílias
Apresentação livro das famíliasApresentação livro das famílias
Apresentação livro das famílias
Cleverton Epormucena
 
LBJ LIÇÃO 11 - A FAMÍLIA SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS
LBJ LIÇÃO 11 - A FAMÍLIA SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUSLBJ LIÇÃO 11 - A FAMÍLIA SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS
LBJ LIÇÃO 11 - A FAMÍLIA SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS
Natalino das Neves Neves
 
Namoro Noivado Sexo Casamento
Namoro Noivado Sexo CasamentoNamoro Noivado Sexo Casamento
Namoro Noivado Sexo Casamento
prweber
 
OS DESAFIOS DO JOVEM CRISTÃO
OS DESAFIOS DO JOVEM CRISTÃO OS DESAFIOS DO JOVEM CRISTÃO
OS DESAFIOS DO JOVEM CRISTÃO
Karla Lopes
 
Lbj lição 8 a comunicação na família
Lbj lição 8   a comunicação na famíliaLbj lição 8   a comunicação na família
Lbj lição 8 a comunicação na família
Natalino das Neves Neves
 
Sexualidade1
Sexualidade1Sexualidade1
Sexualidade1
Luiz Barreto
 
LBJ LIÇÃO 6 - O PAPEL DO MARIDO NA FAMÍLIA
LBJ LIÇÃO 6 - O PAPEL DO MARIDO NA FAMÍLIALBJ LIÇÃO 6 - O PAPEL DO MARIDO NA FAMÍLIA
LBJ LIÇÃO 6 - O PAPEL DO MARIDO NA FAMÍLIA
Natalino das Neves Neves
 
LBJ LIÇÃO 5 - DEIXANDO PAI E MÃE
LBJ LIÇÃO 5 - DEIXANDO PAI E MÃELBJ LIÇÃO 5 - DEIXANDO PAI E MÃE
LBJ LIÇÃO 5 - DEIXANDO PAI E MÃE
Natalino das Neves Neves
 
Aula 5 - Eu Amo Esperar
Aula 5 - Eu Amo EsperarAula 5 - Eu Amo Esperar
Aula 5 - Eu Amo Esperar
Metodista_Barreto
 
Namoro Cristão. Palestra em slide
Namoro Cristão. Palestra em slideNamoro Cristão. Palestra em slide
Namoro Cristão. Palestra em slide
Seduc MT
 
O cristão e o namoro
O cristão e o namoroO cristão e o namoro
O cristão e o namoro
Luan Almeida
 
Watchman nee-a-família-cristã-normal
Watchman nee-a-família-cristã-normalWatchman nee-a-família-cristã-normal
Watchman nee-a-família-cristã-normal
Francisco Deuzilene
 
Viver de modo a serem dignos da moça com quem se casarão gordon b
Viver de modo a serem dignos da moça com quem se casarão   gordon bViver de modo a serem dignos da moça com quem se casarão   gordon b
Viver de modo a serem dignos da moça com quem se casarão gordon b
Rodrigo Gobo
 

Mais procurados (20)

Os desafios do jovem cristão na sociedade atual
Os desafios do jovem cristão na sociedade atualOs desafios do jovem cristão na sociedade atual
Os desafios do jovem cristão na sociedade atual
 
Pj revisa sou p_joteiro 5ªedição
Pj  revisa sou p_joteiro 5ªediçãoPj  revisa sou p_joteiro 5ªedição
Pj revisa sou p_joteiro 5ªedição
 
A comunicação na família
A comunicação na famíliaA comunicação na família
A comunicação na família
 
19 revisao e avaliacao do curso
19   revisao e avaliacao do curso19   revisao e avaliacao do curso
19 revisao e avaliacao do curso
 
Relacionamento uma questão de sobrevivência (powerpoint)
Relacionamento uma questão de sobrevivência (powerpoint)Relacionamento uma questão de sobrevivência (powerpoint)
Relacionamento uma questão de sobrevivência (powerpoint)
 
01 sexo fora do casamento
01   sexo fora do casamento01   sexo fora do casamento
01 sexo fora do casamento
 
Be045
Be045Be045
Be045
 
Apresentação livro das famílias
Apresentação livro das famíliasApresentação livro das famílias
Apresentação livro das famílias
 
LBJ LIÇÃO 11 - A FAMÍLIA SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS
LBJ LIÇÃO 11 - A FAMÍLIA SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUSLBJ LIÇÃO 11 - A FAMÍLIA SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS
LBJ LIÇÃO 11 - A FAMÍLIA SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS
 
Namoro Noivado Sexo Casamento
Namoro Noivado Sexo CasamentoNamoro Noivado Sexo Casamento
Namoro Noivado Sexo Casamento
 
OS DESAFIOS DO JOVEM CRISTÃO
OS DESAFIOS DO JOVEM CRISTÃO OS DESAFIOS DO JOVEM CRISTÃO
OS DESAFIOS DO JOVEM CRISTÃO
 
Lbj lição 8 a comunicação na família
Lbj lição 8   a comunicação na famíliaLbj lição 8   a comunicação na família
Lbj lição 8 a comunicação na família
 
Sexualidade1
Sexualidade1Sexualidade1
Sexualidade1
 
LBJ LIÇÃO 6 - O PAPEL DO MARIDO NA FAMÍLIA
LBJ LIÇÃO 6 - O PAPEL DO MARIDO NA FAMÍLIALBJ LIÇÃO 6 - O PAPEL DO MARIDO NA FAMÍLIA
LBJ LIÇÃO 6 - O PAPEL DO MARIDO NA FAMÍLIA
 
LBJ LIÇÃO 5 - DEIXANDO PAI E MÃE
LBJ LIÇÃO 5 - DEIXANDO PAI E MÃELBJ LIÇÃO 5 - DEIXANDO PAI E MÃE
LBJ LIÇÃO 5 - DEIXANDO PAI E MÃE
 
Aula 5 - Eu Amo Esperar
Aula 5 - Eu Amo EsperarAula 5 - Eu Amo Esperar
Aula 5 - Eu Amo Esperar
 
Namoro Cristão. Palestra em slide
Namoro Cristão. Palestra em slideNamoro Cristão. Palestra em slide
Namoro Cristão. Palestra em slide
 
O cristão e o namoro
O cristão e o namoroO cristão e o namoro
O cristão e o namoro
 
Watchman nee-a-família-cristã-normal
Watchman nee-a-família-cristã-normalWatchman nee-a-família-cristã-normal
Watchman nee-a-família-cristã-normal
 
Viver de modo a serem dignos da moça com quem se casarão gordon b
Viver de modo a serem dignos da moça com quem se casarão   gordon bViver de modo a serem dignos da moça com quem se casarão   gordon b
Viver de modo a serem dignos da moça com quem se casarão gordon b
 

Destaque

Realizando uma integração eficaz
Realizando uma integração eficazRealizando uma integração eficaz
Realizando uma integração eficaz
Pedro Júnior
 
Ev efetivo 003
Ev efetivo 003Ev efetivo 003
Ev efetivo 003
Vinicio Pacifico
 
PROJETO DISCIPULADO PARA O BRASIL
PROJETO DISCIPULADO PARA O BRASILPROJETO DISCIPULADO PARA O BRASIL
PROJETO DISCIPULADO PARA O BRASIL
Joary Jossué Carlesso
 
Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)
Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)
Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)
Joary Jossué Carlesso
 
BARRETOS: Conduzindo as pessoas ao discipulado
BARRETOS: Conduzindo as pessoas ao discipuladoBARRETOS: Conduzindo as pessoas ao discipulado
BARRETOS: Conduzindo as pessoas ao discipulado
Joary Jossué Carlesso
 
AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015
AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015
AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015
Joary Jossué Carlesso
 
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Evangelismo   conteúdo, método e motivação.Evangelismo   conteúdo, método e motivação.
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Rodrigo Ribeiro
 
Evangelismo Criativo
Evangelismo CriativoEvangelismo Criativo
Evangelismo Criativo
Michele L D Pain
 
Como atrair novos membros para a célula
Como atrair novos membros para a célulaComo atrair novos membros para a célula
Como atrair novos membros para a célula
Francisco Teófilo da Silva
 
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovensEvangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Ulisses
 
Curso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismoCurso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismo
Antonio Rodrigues
 
Apostila evangelismo pessoal
Apostila evangelismo pessoalApostila evangelismo pessoal
Apostila evangelismo pessoal
Marcos Lino
 
TREINAMENTO PARA EVANGELISMO
TREINAMENTO PARA EVANGELISMOTREINAMENTO PARA EVANGELISMO
TREINAMENTO PARA EVANGELISMO
igrejafecrista
 

Destaque (14)

Kabaddi court
Kabaddi courtKabaddi court
Kabaddi court
 
Realizando uma integração eficaz
Realizando uma integração eficazRealizando uma integração eficaz
Realizando uma integração eficaz
 
Ev efetivo 003
Ev efetivo 003Ev efetivo 003
Ev efetivo 003
 
PROJETO DISCIPULADO PARA O BRASIL
PROJETO DISCIPULADO PARA O BRASILPROJETO DISCIPULADO PARA O BRASIL
PROJETO DISCIPULADO PARA O BRASIL
 
Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)
Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)
Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)
 
BARRETOS: Conduzindo as pessoas ao discipulado
BARRETOS: Conduzindo as pessoas ao discipuladoBARRETOS: Conduzindo as pessoas ao discipulado
BARRETOS: Conduzindo as pessoas ao discipulado
 
AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015
AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015
AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015
 
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Evangelismo   conteúdo, método e motivação.Evangelismo   conteúdo, método e motivação.
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
 
Evangelismo Criativo
Evangelismo CriativoEvangelismo Criativo
Evangelismo Criativo
 
Como atrair novos membros para a célula
Como atrair novos membros para a célulaComo atrair novos membros para a célula
Como atrair novos membros para a célula
 
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovensEvangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
 
Curso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismoCurso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismo
 
Apostila evangelismo pessoal
Apostila evangelismo pessoalApostila evangelismo pessoal
Apostila evangelismo pessoal
 
TREINAMENTO PARA EVANGELISMO
TREINAMENTO PARA EVANGELISMOTREINAMENTO PARA EVANGELISMO
TREINAMENTO PARA EVANGELISMO
 

Semelhante a Convivência e integração das gerações no ambiente da

Adolecencia
AdolecenciaAdolecencia
Adolecencia
Claumir Gomes
 
18. a alegria de ser jovem
18. a alegria de ser jovem18. a alegria de ser jovem
18. a alegria de ser jovem
comece
 
Revista juventude pioneira ano iii ed 4 site
Revista juventude pioneira   ano iii ed 4 siteRevista juventude pioneira   ano iii ed 4 site
Revista juventude pioneira ano iii ed 4 site
jumap_pioneira
 
Etapas da vida
Etapas da vidaEtapas da vida
Etapas da vida
tsmbra
 
Desenvolvimento Humano: Adulto e Idoso
Desenvolvimento Humano: Adulto e IdosoDesenvolvimento Humano: Adulto e Idoso
Desenvolvimento Humano: Adulto e Idoso
Renata Inácio
 
Espaço para Deus - Henri Nouwen.pdf
Espaço para Deus - Henri      Nouwen.pdfEspaço para Deus - Henri      Nouwen.pdf
Espaço para Deus - Henri Nouwen.pdf
dautoviana79
 
6513787 adolescentes-sa-ciro-sanches-zibordi
6513787 adolescentes-sa-ciro-sanches-zibordi6513787 adolescentes-sa-ciro-sanches-zibordi
6513787 adolescentes-sa-ciro-sanches-zibordi
Maressa Almeida
 
1. A realidade e os desafios da familia.pptx
1. A realidade e os desafios da familia.pptx1. A realidade e os desafios da familia.pptx
1. A realidade e os desafios da familia.pptx
Davi154451
 
Adolescentes sa ciro sanches zibordi rev
Adolescentes sa   ciro sanches zibordi revAdolescentes sa   ciro sanches zibordi rev
Adolescentes sa ciro sanches zibordi rev
Dany Cullen
 
17. comece depressão na adolescência - 06.2013
17. comece   depressão na adolescência - 06.201317. comece   depressão na adolescência - 06.2013
17. comece depressão na adolescência - 06.2013
comece
 
Vivendo bem
Vivendo bemVivendo bem
Família, juventude e Igreja
Família, juventude e IgrejaFamília, juventude e Igreja
Família, juventude e Igreja
André Kawahala
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Comando Resgatai
 
Psicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhicePsicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhice
Jocarte
 
Psicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhicePsicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhice
Jocarte
 
Relacionamentos Amorosos Para Homens E Mulheres De Terceiro
Relacionamentos Amorosos Para Homens E Mulheres De TerceiroRelacionamentos Amorosos Para Homens E Mulheres De Terceiro
Relacionamentos Amorosos Para Homens E Mulheres De Terceiro
Thiago de Almeida
 
FASES DA VIDA
FASES DA VIDAFASES DA VIDA
FASES DA VIDA
GEORGE NIEMEYER
 
Mensagem aos jovens
Mensagem aos jovensMensagem aos jovens
Mensagem aos jovens
Oaidson Silva
 
339 an 06_julho_2011.ok
339 an 06_julho_2011.ok339 an 06_julho_2011.ok
339 an 06_julho_2011.ok
Roberto Rabat Chame
 
Aprendendo a lidar com o adolescente
Aprendendo a lidar com o adolescenteAprendendo a lidar com o adolescente
Aprendendo a lidar com o adolescente
Sou filha do REI
 

Semelhante a Convivência e integração das gerações no ambiente da (20)

Adolecencia
AdolecenciaAdolecencia
Adolecencia
 
18. a alegria de ser jovem
18. a alegria de ser jovem18. a alegria de ser jovem
18. a alegria de ser jovem
 
Revista juventude pioneira ano iii ed 4 site
Revista juventude pioneira   ano iii ed 4 siteRevista juventude pioneira   ano iii ed 4 site
Revista juventude pioneira ano iii ed 4 site
 
Etapas da vida
Etapas da vidaEtapas da vida
Etapas da vida
 
Desenvolvimento Humano: Adulto e Idoso
Desenvolvimento Humano: Adulto e IdosoDesenvolvimento Humano: Adulto e Idoso
Desenvolvimento Humano: Adulto e Idoso
 
Espaço para Deus - Henri Nouwen.pdf
Espaço para Deus - Henri      Nouwen.pdfEspaço para Deus - Henri      Nouwen.pdf
Espaço para Deus - Henri Nouwen.pdf
 
6513787 adolescentes-sa-ciro-sanches-zibordi
6513787 adolescentes-sa-ciro-sanches-zibordi6513787 adolescentes-sa-ciro-sanches-zibordi
6513787 adolescentes-sa-ciro-sanches-zibordi
 
1. A realidade e os desafios da familia.pptx
1. A realidade e os desafios da familia.pptx1. A realidade e os desafios da familia.pptx
1. A realidade e os desafios da familia.pptx
 
Adolescentes sa ciro sanches zibordi rev
Adolescentes sa   ciro sanches zibordi revAdolescentes sa   ciro sanches zibordi rev
Adolescentes sa ciro sanches zibordi rev
 
17. comece depressão na adolescência - 06.2013
17. comece   depressão na adolescência - 06.201317. comece   depressão na adolescência - 06.2013
17. comece depressão na adolescência - 06.2013
 
Vivendo bem
Vivendo bemVivendo bem
Vivendo bem
 
Família, juventude e Igreja
Família, juventude e IgrejaFamília, juventude e Igreja
Família, juventude e Igreja
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
Psicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhicePsicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhice
 
Psicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhicePsicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhice
 
Relacionamentos Amorosos Para Homens E Mulheres De Terceiro
Relacionamentos Amorosos Para Homens E Mulheres De TerceiroRelacionamentos Amorosos Para Homens E Mulheres De Terceiro
Relacionamentos Amorosos Para Homens E Mulheres De Terceiro
 
FASES DA VIDA
FASES DA VIDAFASES DA VIDA
FASES DA VIDA
 
Mensagem aos jovens
Mensagem aos jovensMensagem aos jovens
Mensagem aos jovens
 
339 an 06_julho_2011.ok
339 an 06_julho_2011.ok339 an 06_julho_2011.ok
339 an 06_julho_2011.ok
 
Aprendendo a lidar com o adolescente
Aprendendo a lidar com o adolescenteAprendendo a lidar com o adolescente
Aprendendo a lidar com o adolescente
 

Mais de Pr. Eli Rocha Silva

O pastor, sua aposentadoria e o seu imposto de renda
O pastor, sua aposentadoria e o seu imposto de rendaO pastor, sua aposentadoria e o seu imposto de renda
O pastor, sua aposentadoria e o seu imposto de renda
Pr. Eli Rocha Silva
 
Livro de Neemias cap. 1 a 13
Livro de Neemias cap. 1 a 13Livro de Neemias cap. 1 a 13
Livro de Neemias cap. 1 a 13
Pr. Eli Rocha Silva
 
Cartas às sete igrejas da Ásia - Éfeso
Cartas às sete igrejas da Ásia - ÉfesoCartas às sete igrejas da Ásia - Éfeso
Cartas às sete igrejas da Ásia - Éfeso
Pr. Eli Rocha Silva
 
Um pastor como Jesus
Um pastor como JesusUm pastor como Jesus
Um pastor como Jesus
Pr. Eli Rocha Silva
 
Reflexões na primeira carta de joão cap. 1 a 3
Reflexões na primeira carta de joão cap. 1 a 3Reflexões na primeira carta de joão cap. 1 a 3
Reflexões na primeira carta de joão cap. 1 a 3
Pr. Eli Rocha Silva
 
Livro de tiago 1.1 5.20
Livro de tiago 1.1 5.20Livro de tiago 1.1 5.20
Livro de tiago 1.1 5.20
Pr. Eli Rocha Silva
 
Palestra casais
Palestra casaisPalestra casais
Palestra casais
Pr. Eli Rocha Silva
 
O Tipo De Igreja Que Ajudarei A Estabelecer
O Tipo De Igreja Que Ajudarei A EstabelecerO Tipo De Igreja Que Ajudarei A Estabelecer
O Tipo De Igreja Que Ajudarei A Estabelecer
Pr. Eli Rocha Silva
 
O Tipo De Igreja Que Ajudarei Estabelecer Aqui
O Tipo De Igreja Que Ajudarei Estabelecer AquiO Tipo De Igreja Que Ajudarei Estabelecer Aqui
O Tipo De Igreja Que Ajudarei Estabelecer Aqui
Pr. Eli Rocha Silva
 
Reflexao 1ª Carta de Joao (5) 2.7 11
Reflexao 1ª Carta de Joao (5) 2.7 11Reflexao 1ª Carta de Joao (5) 2.7 11
Reflexao 1ª Carta de Joao (5) 2.7 11Pr. Eli Rocha Silva
 
Reflexao 1ª Carta de Joao (4) 2.3 6
Reflexao 1ª Carta de Joao (4) 2.3 6Reflexao 1ª Carta de Joao (4) 2.3 6
Reflexao 1ª Carta de Joao (4) 2.3 6Pr. Eli Rocha Silva
 
Reflexao 1 Carta de Joao (1) Cap. 1.1-6
Reflexao 1 Carta de Joao (1) Cap. 1.1-6Reflexao 1 Carta de Joao (1) Cap. 1.1-6
Reflexao 1 Carta de Joao (1) Cap. 1.1-6Pr. Eli Rocha Silva
 

Mais de Pr. Eli Rocha Silva (15)

O pastor, sua aposentadoria e o seu imposto de renda
O pastor, sua aposentadoria e o seu imposto de rendaO pastor, sua aposentadoria e o seu imposto de renda
O pastor, sua aposentadoria e o seu imposto de renda
 
Livro de Neemias cap. 1 a 13
Livro de Neemias cap. 1 a 13Livro de Neemias cap. 1 a 13
Livro de Neemias cap. 1 a 13
 
Cartas às sete igrejas da Ásia - Éfeso
Cartas às sete igrejas da Ásia - ÉfesoCartas às sete igrejas da Ásia - Éfeso
Cartas às sete igrejas da Ásia - Éfeso
 
Um pastor como Jesus
Um pastor como JesusUm pastor como Jesus
Um pastor como Jesus
 
Reflexões na primeira carta de joão cap. 1 a 3
Reflexões na primeira carta de joão cap. 1 a 3Reflexões na primeira carta de joão cap. 1 a 3
Reflexões na primeira carta de joão cap. 1 a 3
 
Livro de tiago 1.1 5.20
Livro de tiago 1.1 5.20Livro de tiago 1.1 5.20
Livro de tiago 1.1 5.20
 
Palestra casais
Palestra casaisPalestra casais
Palestra casais
 
O Tipo De Igreja Que Ajudarei A Estabelecer
O Tipo De Igreja Que Ajudarei A EstabelecerO Tipo De Igreja Que Ajudarei A Estabelecer
O Tipo De Igreja Que Ajudarei A Estabelecer
 
1 João Reflexões (6) 2.12-17
1 João Reflexões (6) 2.12-171 João Reflexões (6) 2.12-17
1 João Reflexões (6) 2.12-17
 
O Tipo De Igreja Que Ajudarei Estabelecer Aqui
O Tipo De Igreja Que Ajudarei Estabelecer AquiO Tipo De Igreja Que Ajudarei Estabelecer Aqui
O Tipo De Igreja Que Ajudarei Estabelecer Aqui
 
Reflexao 1ª Carta de Joao (5) 2.7 11
Reflexao 1ª Carta de Joao (5) 2.7 11Reflexao 1ª Carta de Joao (5) 2.7 11
Reflexao 1ª Carta de Joao (5) 2.7 11
 
Reflexao 1ª Carta de Joao (4) 2.3 6
Reflexao 1ª Carta de Joao (4) 2.3 6Reflexao 1ª Carta de Joao (4) 2.3 6
Reflexao 1ª Carta de Joao (4) 2.3 6
 
Reflexao 1ª Carta de Joao (3)
Reflexao 1ª Carta de Joao (3)Reflexao 1ª Carta de Joao (3)
Reflexao 1ª Carta de Joao (3)
 
Reflexao 1ª Carta de Joao (2)
Reflexao 1ª Carta de Joao (2)Reflexao 1ª Carta de Joao (2)
Reflexao 1ª Carta de Joao (2)
 
Reflexao 1 Carta de Joao (1) Cap. 1.1-6
Reflexao 1 Carta de Joao (1) Cap. 1.1-6Reflexao 1 Carta de Joao (1) Cap. 1.1-6
Reflexao 1 Carta de Joao (1) Cap. 1.1-6
 

Convivência e integração das gerações no ambiente da

  • 1.
  • 2. CONVIVÊNCIA E INTEGRAÇÃO DAS GERAÇÕES NO AMBIENTE DA IGREJA  TEXTO: EFÉSIOS 6.1-4  A igreja é composta de pessoas de todas as faixas etárias, que procuram viver unidas, entrelaçadas pela ação do Espírito Santo. Qualquer diferença deve ser resolvida nas bases do fruto do Espírito.  A relação entre jovens e pessoas maduras. É impensável que vivamos nossa experiência cristã à luz dos mecanismos discriminatórios da sociedade secular. O desprezo aos mais velhos não pode caracterizar nosso modo de proceder. Deus exige que os idosos sejam inseridos e integrados à nossa vida (Lv 19.32).  A relação entre pessoas maduras e jovens. A vida do jovem pode se tornar um pesadelo na igreja, se tudo o que os mais velhos quiserem for engessá-los com frases: “no meu tempo era diferente...”. Cada um vive o seu próprio tempo, e certamente, os tempos são diferentes.  Precisamos, como crentes, podemos chamar de mais velhos, tentar compreender os adolescentes e jovens da desta geração.
  • 3. ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS ADOLESCENTES:  Procurar entender a sua linguagem. Eles se comunicam por gírias, gestos, neologismos, códigos diversos.  Descobrir seus anseios mais profundos. Muitas vezes perdemos nossos adolescentes e jovens porque não conseguimos compreendê-lo na fase que precisa de muito mais apoio. Devemos observá-lo para ajudar quanto a busca das amizades, desenvolvimento de talentos e criatividade, programações atraentes, namoro, adoração, projetos novos.  Compreender seu mundo e seu estilo de vida. Muitas vezes temos dificuldades em compreender o mundo no qual gira a cabeça do adolescente. Se como pais e irmãos em Cristo pudermos entendê-los em seus conflitos e acomodação à própria vida, eles nos ouvirão, e seremos referenciais em suas vidas.
  • 4. ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS ADOLESCENTES:  Preservar seus valores de grupo. O adolescente cristão tem na igreja a sua primeira ideia de grupo; já do berçário eles aprendem sobre relacionamento e ideia de posse. Depois, as classes diversas de EBD, os grupos musicais, de teatro e coreografia. Talvez algumas coisas que eles gostem têm sido o nó na cabeça da liderança da igreja.  O que podemos fazer para ajudar os adolescentes na busca de uma vida cristã equilibrada: 1. Seja amigo sem consentir com o erro; 2. Invista com carinho e dedicação que certamente os frutos virão.  Não podemos pensar que a fase da adolescência seja uma fase de descuido, de falta de compromisso e de oba-oba.
  • 5. ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS JOVENS:  A igreja espera do jovem...para hoje. Mas será que temos dado a devida atenção à dinâmica da vida jovem? O jovem de hoje não é como o de outros tempos. Cazuza definiu tudo como sendo ‘vida louca vida breve’. Bem verdade que ele falava de sua própria vida  Dizem que hoje estamos vivendo a juventude chamada de Geração “Z”. Alguns diriam que é a geração ‘zzzzzzz’, porque eles gostam de dormir demais. A Geração “Z” é marcada pelo controle remoto, do click rápido, do X- box, do celular e de outras coisas instantâneas. Nas redes sociais os jovens criam as suas ‘networking’ e ‘netloving’.
  • 6. ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS JOVENS:  A juventude cristã também vive a influência da modernidade, do corre-corre e da falta de tempo. Assim, acabamos percebendo que a igreja acaba sofrendo com a vida acelerada da juventude.  Mas podemos acreditar que quem mais sofre é o próprio jovem, que não tem mais tempo para viver a sua vida cristã ‘como nos velhos tempos’, como dizem hoje os seus pais.
  • 7. ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS JOVENS: O que fazer para atrair os jovens para momentos de maior comum entre eles e entre os demais membros da igreja. Vejamos:  Fazer uma viagem missionária  Planejar treinamento para evangelização  Promover encontros que possam trazer amigos da escola, trabalho e vizinhança  Promover atividades esportivas e de confraternização  Promover retiros
  • 8. ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS ADULTOS: De meia idade: 35 a 55 anos adulto maduro : de 56 a 70 anos terceira idade: acima de 71  Fase da meia idade (35 a 55 anos). O adulto dessa fase pode viver uma realidade sócio-econômica e psicológico- familiar mais segura. Mas, por outro lado, podem surgir algumas crises, tais como:  Fracasso. No trabalho, no casamento ou em outros alvos da vida. Reduzidas as possibilidades para novos começos, alguns adultos de meia idade entram em pequenos períodos de tristeza, que se não cuidados, acentuam-se levando a um quadro depressivo.
  • 9. ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS ADULTOS: De meia idade: 35 a 55 anos adulto maduro : de 56 a 70 anos terceira idade: acima de 71  Problemas no casamento. Os cônjuges vão ficando menos tolerantes e inflexíveis, o que torna possível o rompimento afetivo e matrimonial. A igreja não pode ficar imaginando que isso só acontece com as pessoas do ‘mundo’.  A saúde e a idade. O tempo passou, e com ele foi o vigor e o ânimo da juventude. O que fomos na juventude, nos dias de paquera e namoro já se foi; é preciso conviver com o que somos agora. Aparecem as dores, o cansaço físico e as limitações.
  • 10. ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS ADULTOS:  Filhos adolescentes. O conflito de gerações se instala na casa. Achamos que nossos filhos não nos entendem e eles acham que nós não os entendemos. Mas há também a crise de não ter gerado filhos; não são poucos os casais que nesta fase da vida rompem com o casamento.  Menopausa e andropausa. Este é um período nem sempre fácil de ser vencido e pode gerar depressão e ansiedade, além de desgaste relacional entre as pessoas envolvidas (cônjuges).
  • 11. ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AOS ADULTOS:  O “ninho vazio”. A ocupação com os filhos passou; talvez alguns casais digam: ‘e agora, o que vamos fazer?’. A casa ficou grande e o tempo também.  Nesta fase é possível o casal fazer novos planos, redescobrir a vida a dois. É bom aproveitar o tempo do “ninho vazio” porque logo o “ninho” vai encher- se de netos. Para muitos, os netos trazem de volta a alegria perdida com a saída dos filhos.
  • 12. ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AO ADULTO MADURO (56 A 70 ANOS).  Esta fase marca a saída da meia-idade, e quem sobreviveu ao período anterior pode usar as experiências para minorar os problemas que surgirão a partir de agora. Talvez seja muito pessimismo falar nos problemas que surgirão, mas na verdade, eles aparecem. Mas é possível vivenciar muitas possibilidades.  Algumas crises dessa fase: doenças prolongadas, a morte do cônjuge, sentimento de frustração, a própria idade avançada, a solidão etc. Mas diante desse quadro triste, ainda assim é possível vencer os problemas com a força que vem do Senhor. A igreja deve ter condições de acompanhar as pessoas nessa fase ajudando na superação dos problemas.
  • 13. ALGUMAS QUESTÕES EM RELAÇÃO AO ADULTO MADURO (56 A 70 ANOS).  O adulto maduro e a sua aposentadoria. Talvez a aposentadoria não permita a realização dos sonhos acalentados no tempo de atividade. Os recursos não são mais os mesmos e os gastos aumentam a cada dia (é uma conta que não fecha).  A própria questão da aposentadoria pode gerar tristeza, sentimentos de somenos importância, solidão ou mesmo inutilidade.  Também podemos, como igreja, criar situações que envolvam os idosos, para que eles possam maximizar sua autoestima e “na velhice ainda darem frutos” (Sl 92.14).
  • 14. CONCLUSÃO  Mais que conhecer quem são as crianças, os adolescentes, os jovens e os adultos, é necessário construir, aperfeiçoar e desenvolver estratégias ou possibilidades de ação, para maior integração entre as pessoas de todas as gerações.