SlideShare uma empresa Scribd logo
1
CONVERSANDO SOBRE A
“BÍBLIA DO SÉCULO XXI”
V 2 – ULTRA-RELIGIÃO,
COLUNAS, PODERES,
BENS E FINS
Charles Guimarães Filho
2
3
INTRODUÇÃO
“Bíblia do Século XXI” é uma coleção que sistematiza os
Ensinamentos do Messias vista como sua Filosofia Religiosa
“Deus ao Reino do Céu na Terra”, que segue uma ordenação e
estruturação da evolução do Ser Supremo até o Paraíso
Terrestre, com a seguinte visualização:
Conversando sobre a “Bíblia do Século XXI” era para ser
uma coleção em seis volumes, um para cada patamar acima
mencionado, abordando aspectos das mudanças de paradigmas
de cada um dos degraus em forma de leitura dramatizada. Isso
foi feito apenas para o primeiro volume compreendendo quatro
4
tópicos, norteando-se por este se teria em seis volumes um total
de 24 tópicos o que daria dois anos e meio, tempo considerado
demasiado pelas experiências vivenciadas.
Observa-se que se teriam dois anos e meio porque estes
eventos são mensais (todas primeiras 3ª feiras do mês, em duas
horas) exceto o verão donde as atividades são interrompidas
devido à sensação térmica excessiva na cidade do Rio de Janeiro.
Logo, o ano de atividades é composto de nove meses.
Assim, a coleção tem dois volumes contendo 9 tópicos.
Os conteúdos do primeiro volume sobre o primeiro
patamar – Princípios - compreendem quatro leituras
dramatizadas: Iniciação; Conceituação de Deus; O que é o
Mundo; Constituição corporal do Homem.
Os conteúdos deste segundo volume sobre os demais
patamares são apenas as iniciações destes.
Os objetivos são os de: Difundir a Ultra-Religião; Procurar
contribuir com os que estudam e praticam os ensinamentos de
Meishu-Sama; Cooperar no crescimento espiritual; Ajudar na
pesquisa a Verdade; Auxiliar no conhecimento sobre a Fé
Messiânica; Apoiar encaminhamento de pessoas à Igreja do
Messias; Participar em prol da transparência religiosa; Colaborar
na preparação do elemento humano para dedicar na Obra
Divina; Mostrar como elaborar o projeto para construção do Mundo
Ideal; Revolucionar o indivíduo e o mundo por meio da cultura.
A metodologia é a exposição de uma hora em forma de
leitura dramatizada sobre aspectos das mudanças de paradigmas
dos degraus mencionados acima; na outra hora restante o autor
responde às dúvidas dos alunos presentes no local ou que
estejam inscritos no site mencionado abaixo.
5
ÍNDICE
INICIAÇÃO À ULTRA-RELIGIÃO 007
Messias 009
Religião 017
Cultura 025
INICIAÇÃO ÀS COLUNAS 033
Johrei 035
Agricultura 043
Belo 051
INICIAÇÃO AOS PODERES 059
Governo 061
Economia 069
Ideologia 077
INICIAÇÃO AOS BENS 085
Saúde 087
Prosperidade 095
Paz 103
INICIAÇÃO AOS FINS 111
Felicidade 113
Cidade 121
Paraíso 129
6
7
INICIAÇÃO À
ULTRA-RELIGIÃO
8
9
MESSIAS
Em Atenas na Grécia antiga, próximo de 400 a.C. no terceiro
período da guerra do Peloponeso onde a democracia se encontra
ameaçada está ocorrendo uma reunião dos grandes intelectuais.
Quando uma cortesã de nome Mnesarete muito rica, bela e
culta, considerada de extrema refinação, está oferecendo para
reconstruir os muros de Tebas que haviam sido destruídos por
Alexandre, o Grande. Mas, ao mesmo tempo, ...
MNESARETE: Reconstruo-os desde que em cima dos muros
sejam inscritos as palavras “Destruído por Alexandre, restaurado
por Friné a hetaira”.
DIODORO: Eu não concordo. E quanto mais para por em cima do
muro o seu apelido de Friné que quer dizer sapo.
O orador Hipérides, um idoso e um dos amantes de Mnesarete,
para evitar aquela situação complicada procura mudar a
problemática por meio da oratória que lhe é peculiar, no que lhe
viesse de pronto à cabeça. E assim foi feito.
HIPÉRIDES (com oratória): Ó os que vivem em homenagem à
deusa grega Atena, protegido por ela ser a deusa da guerra, o
que acham da profecia que ouço pelas vozes do além dizendo
que a palavra Messias se refere à vinda do libertador de Israel?
Jovem Anaxímenes outro amante de Mnesarete por ser
materialista ou por perceber a preferência desta por Hipérides.
10
ANAXÍMENES: Ó velho orador. Ao continuar ouvindo essas vozes
do além vai passar para a história como um grande pateta e ...
HIPÉRIDES: ... assassino, para a tragédia grega. Ouço também
acerca do Messias: “O Salvador nasce no oriente, promove uma
purificação pelo fogo e a Terra se torna um Paraíso”. O que é
diferente do Buda pela sabedoria da terra com a libertação das
penitências e ascetismos por meio dos sutras. Ou até desse que
virá Cristo pelo amor da água com a redenção dos pecados. A
salvação que Messias traz é tanto espiritual quanto material,
bem como individual e social, mas apenas para 3% dos espíritos.
Anaxímenes é ciúme, ela é obsessão pela sua oferta.
MNESARETE: Diodoro, esse apelido de sapo se deve a minha tez
amarelada. Mas, o que importa é saber se terei que esperar para
reconstruir os muros pela vinda do libertador de Israel?
DIODORO: Cuidado que a prostituição é severamente reprimida
dentro da cultura judaica, até com a morte.
MNESARETE: Sim, mas, aqui sou admirada, pois tenho que pagar
pesados impostos ao Estado para praticar essa minha profissão. Aqui
exerço grande poder político e sou extremamente respeitada.
DIODORO: No entanto, mesmo aqui em Atenas não pode andar
assim à vontade, deve utilizar as vestimentas que identifiquem as
prostitutas, pois caso contrário será rigorosamente punida.
Hipérides, mais uma vez, evitando aquela situação complicada.
11
HIPÉRIDES: Ouço também que essa palavra Messias é hebraica e
significa “Salvador”. Os cristãos acreditarão que Jesus Cristo é o
salvador, mas, na verdade, ele é e será apenas o Senhor da Redenção,
o que é bem diferente de “Senhor da Salvação do Mundo”. Redentor é
aquele que redimiu os pecados de todos os povos, tornando-se
representante desses pecados, sacrificou sua vida para ser perdoado.
Salvador não é aquele que é perdoado, e sim o que perdoa.
(ordenando): E saí de mim destino trágico de ser assassino de meu ...
ANAXÍMENES (debochando em estilo de oratória): Ah! As vozes.
As eternas vozes que dirão quem sabe se numa época mais
antiga não aconteceu um fato como este no mundo?
Aquele não se importando com o deboche continua sua oratória.
HIPÉRIDES (com oratória): Porém, as vozes dizem e eu ouço que:
“Por ser esta a Segunda Abertura do Portal de Rocha do Céu”.
ANAXÍMENES (irritado em estilo de oratória): E eu desisto, pois
com sonhador deslumbrado não se discute.
E ela distante desta conversa, tira suas roupas, solta seus cabelos
e começa a dar mostra que iria sair daquele recinto, quando ...
DIODORO: Hei, hei, hei. Onde pensa que vai assim em plena
guerra do Peloponeso?
MNESARETE: Vou ao Festival de Poisedon em Elêusis para entrar
no mar e me banhar em suas águas. E quem sabe se lá não
consigo fazer favores sexuais por uma boa soma em dinheiro?
12
DIODORO: Hei! Vocês dois aí. Como amantes dela, parem com
essa discussão. Reparem que Mnesarete está despida e que aí
fora tem homens em guerra. Salvem a vida dela.
Eles olham para ela e se entreolham e sem nada dizer a respeito
não perdem o foco do Messias em questão.
ANAXÍMENES: Chame o seu salvador criado pela sua mente para
salvar a nossa Mnesarete.
HIPÉRIDES: Salvador que é uma pessoa esperada ansiosamente,
não é simplesmente um salva-vidas, isto é: um guarda que
protege mulher da fúria de guerreiros; ou um nadador que
socorre os banhistas em casos de afogamento; nem um cirurgião
que trata as vítimas de acidente com hemorragias internas. Ou
seja, não se resume a um salvar vida, pois o homem não é
apenas um ser biológico, ele também é um ser lógico, racional,
psicológico, social, ecológico, cultural, antropológico, moral,
político e espiritual. Então Salvador deve ser aquele que também
protege e ampara: a lógica; a razão; a mente; a convivência; as
relações essenciais entre os seres vivos e o meio ambiente; os
padrões civilizatórios; a natureza com suas classes, raças,
gênero, cor e idade; as regras de conduta desejáveis num grupo
social; a cidadania; o imaterial como, por exemplo, cuidar da
doença com acompanhamento da saúde que não tem existência
sensível, e principalmente a alma na sua ascensão para o céu.
DIODORO: Parem com esses discursos estéreis e a salvem das
espadas, lanças, dardos e pedras tão próximos de nós.
13
No entanto tal apelo é em vão.
ANAXÍMENES: Do jeito que você fala Hipérides: o Redentor
prometido é aquele Salvador não só do ser humano, mas
também da sociedade, do povo, do planeta Terra.
Enquanto isso, Mnesarete está sendo interceptada por Diodoro
de modo que ela não saia na rua e quanto mais nua.
DIODORO: O que você pensa que é? Uma menina num ritual de
iniciação à prostituição quando atinge a puberdade?
MNESARETE: Não. Mas, sim uma prostituta considerada grande
sacerdotisa que recebe honras de verdadeira divindade e
presente em troca de ... (pausa): Quer saber de uma coisa, saia
do caminho de alguém com a profissão mais antiga do mundo.
DIODORO: Isso não tem nenhum fundamento, pois as mais
antigas são especializações em agricultura e caça.
Do outro lado.
HIPÉRIDES: A vinda do Salvador é um assunto tão sério que não
pode ser discutido de maneira leviana.
ANAXÍMENES: Velho, quem é esse tal de Messias nesse sonho?
HIPÉRIDES: Não se pode não acreditar na sua viabilidade, pois a
Vinda do Messias será prevista por grandes profetas e santos.
(falando para si): Desapareça da minha frente seu assassinado.
14
ANAXÍMENES: Nossa! (refeito): E quando isso se dará?
HIPÉRIDES: Da morte nada falo, mas da vinda anos depois em
que haverá aumento da temperatura da Terra e as purificações
vão ficando mais intensas. E eu afirmo que nem mesmo os
descrentes poderão duvidar desse fato por essa época.
ANAXÍMENES: Olhem aí o que diz nosso profeta e santo orador?
Os dois que procuram se segurar e soltar, ficam curiosos e
paralisam suas ações. E ele repete o que escutara de Hipérides.
DIODORO: E quantos se salvarão? Todos, não?
HIPÉRIDES: Não é bem assim porque o essencial não é salvar os
seres vivos, mas sim edificar o paraíso na Terra.
ANAXÍMENES: Mas, insisto saber quando isso se dará com uma
resposta relacionada a fatos próximos e compreensíveis.
HIPÉRIDES: Lembra-se de Dario – o Grande – com sua expedição
para punir e subjugar a cidade-estado de Atenas por seu papel
na Revolta Jônica? Pois bem, a construção do Segundo Templo
de Salomão foi concluída durante o reinado dele.
MNESARETE: E daí?
HIPÉRIDES: E daí é que Jerusalém retomou o seu papel de capital
de Judá e centro de culto judaico.
15
DIODORO: E daí?
HIPÉRIDES: Quando ali for construído um solo sagrado, teremos
o começo da formação do Paraíso Terrestre do Mundo inteiro.
ANAXÍMENES: Mas, isso os judeus já vêm falando sobre esta
profecia que o Salvador do Mundo irá vir até Jerusalém para
abrir o portão dourado que estará fechado.
HIPÉRIDES (recitando): “Assim, eu estou indo sempre em direção
ao Oeste e, quando eu chegar ali, pela primeira vez abrirei.”
(pausa): Aliás, salvar toda a humanidade significa ensinar a ela o
caminho da vida eterna e assim acabar com a causa dos
sofrimentos da humanidade, pois eles se originam na ignorância.
E construir o paraíso ...
MNESARETE: Com quais pessoas!
HIPÉRIDES: Entre outras se tem as que dedicarão numa
poderosa energia espiritual, na agricultura e no belo. Bem como,
os intelectuais que entenderem ensinamentos.
ANAXÍMENES: Como saber se eles entenderam ou não?
HIPÉRIDES: Basta ver quem se interessa pelos ensinamentos.
Caso contrário, deixe tais intelectuais de lado porque seu nome
já foi apagado do “Livro da Vida”. Essa é a maneira mais certa de
agir, pois não compensa o esforço de tentar obter a remissão
para quem não a deseja. Além disso, perde-se a oportunidade de
16
ajudar aquele que está querendo ser salvo. Aliás, Deus deseja
salvar primeiramente as pessoas intelectuais e as da classe alta,
mas elas, normalmente, não se aproximam.
O sonho do Messias dá lugar aquela tragédia que lhe persegue.
HIPÉRIDES (aparentemente incorporado ou louco): Distanciando
não é salvo, se aproximando eu mato. Fuja de mim sangue do
meu sangue, isso se for possível traçar outro destino.
DIODORO: Não nos faça perder mais tempo com esse desatino e
essa falta de objetividade. Diga logo o nome desse Messias.
HIPÉRIDES: Ó viventes na virgindade perpétua da deusa Atena.
MNESARETE: E quem aqui vive nesse estado, seu bobo? Diga ...
HIPÉRIDES: Eu digo que Buda foi o nome religioso do príncipe
Sidarta Gautama, Cristo será o de Jesus de Nazaré.
ANAXÍMENES: Mas, eles não são o Messias. Qual é o nome de ...
HIPÉRIDES: Meishu-Sama é o nome religioso de Mokiti Okada.
Foi acabar de mencionar nome do Messias para que se ouça a
luta entre Esparta e Atenas com o bater de espadas e lanças e as
consequências dos arremessos das balistas, catapultas e fundas.
A democracia está em vias de morte pela força e pela fraqueza.
17
RELIGIÃO
No Areópago que é o supremo tribunal de justiça de Atenas
encarregado do julgamento de casos religiosos e políticos,
Mnesarete está sendo acusada de profanar os Mistérios de
Elêusi. Enigmas que celebram o regresso de Perséfone, filha de
Deméter a terra-mãe e a deusa da agricultura. Um retorno visto
como o regresso das plantas e da vida a terra, depois do inverno.
HIPÉRIDES: Eu como defensor da réu Mnesarete atesto que ela
só queria ir nua ao Festival de Poisedon em Elêusis não por
considerar Poisedon sua divindade principal, mas sim por
concebê-lo apenas como a divindade controladora dos mares e
dos terremotos.
MELETO: Eu Meleto como representante dos poetas e platonista
acuso Mnesarete de se associar ao deus Poisedon associado a
nações fora da Grécia como Troia, da qual os gregos nunca irão
esquecer-se do conflito bélico com os troianos.
HIPÉRIDES: Isso além de ser a muito tempo atrás, não se há de
esquecer que Poisedon apoiou os gregos naquela ocasião.
MELETO: Porém, cerne da questão é outro. Convoco Mnesarete
a desmentir que Poisedon não seja a sua divindade principal.
MNESARETE: Para mim, ele é do mesmo nível que a adorada
Afrodite que controla o amor. Ela com seu Parthenon localizado
sobre o Acrópole por ser a deusa associada à cidade de Atenas.
18
HIPÉRIDES: Isso sem deixar de mencionar que Afrodite também
apoiou o lado grego na Guerra de Troia, juntamente com
Poisedon. Isso sem deixar de mencionar que ela é
misericordiosa.
Para surpresa da réu e do seu defensor, eles escutam.
DIODORO: Eu Diodoro como representante dos oradores acuso
Mnesarete de querer profanar o Templo de Poisedon com sua
nudez, ou quem sabe querer misturar religião com ...
Hipérides como sempre querendo mudar a problemática para
afastar a sua amada de um veredito desfavorável.
HIPÉRIDES: ... política? Saiba que a nossa religião politeísta é
uma religião progressista do tipo resistente que se fundamenta
na estreita relação entre religião e política no sentido do
desenvolvimento de uma política justa e políticos íntegros.
Mais uma surpresa. Talvez não seja por culpa do destino.
ANAXÍMENES: Eu Anaxímedes como representante dos políticos
acuso Mnesarete de pregar nossa religião dissociada da política
de forma passiva com base no princípio da absoluta “não
resistência”, o que tem originado a não exterminação do mal.
MELETO: Exatamente. Embora Mnesarete seja mencionada
juntamente com amor e misericórdia que cativa à alma humana,
tornando-se a fonte da fé, não impediu crescimento do mal.
19
ANAXÍMENES: Isso é comprovado pelo fato de homens bons
viverem molestados por maus elementos e de homens honestos
serem ludibriados.
Hipérides tenta afastar com sua oratória veredito desfavorável.
HIPÉRIDES: Diodoro fala em religião, enquanto Meleto fala em
fé. É comum as pessoas pensarem que religião e fé significam a
mesma coisa, mas, na verdade, há muitos aspectos em que uma e
outra se diferenciam. Por exemplo, o provérbio popular “Não importa
qual seja a crença, contanto que se creia”, é próprio da fé, e não da
religião. Outro exemplo, ato de adorar monstruosas esculturas de
pedra ou de madeira feitas por selvagens é um tipo de fé considerado
de baixo nível pelas pessoas civilizadas. Entretanto, uma religião não é
boa pelo simples fato de ser religião.
MELETO: Mas religião é uma fé. Nós propomos uma deidade
única transcendente e temos que a essência da fé, em poucas
palavras, é “Ser amado por Deus” ou “Estar no agrado de Deus”.
Deste modo, deve-se saber que tipo de pessoa é amada por
Deus. E eu não acho que prostituta seja alguém amada por Deus.
Mnesarete não se conteve e ...
MNESARETE: Como não! Se religião é o amor de Afrodite que
encaminha a felicidade, algo entrosado com a vida e não com a
morte, como a arte e a política.
O seu defensor aproveita e ...
20
HIPÉRIDES: E, além disso, o mais importante é procurar saber o
que se deve fazer para ser do agrado de Deus. Qualquer pessoa
de bom senso sabe que o que desagrada a Deus é agir fora do
caminho. É algo extremamente simples: “Para mim, nada vai a
contento. Sofro de necessidades materiais; meu trabalho não
progride; meu crédito é fraco; não consigo me rodear de
pessoas; minha saúde também é insatisfatória; do jeito que
trabalho, não entendo por que não dá certo.” As pessoas que
fazem esse tipo de comentário não estão sendo do agrado de
Deus. Bastar estar no agrado d'Ele e o trabalho se desenvolve
satisfatoriamente; as pessoas se juntam ao redor a ponto de
incomodar; os recursos materiais chegam em tão grande
quantidade, que mal se pode utilizá-los em sua totalidade. O
mundo, então, se torna um lugar agradável de viver.
DIODORO: E por acaso ela está numa situação agradável como
acusada de profanar o Templo de Poisedon? Ela está é fora do
caminho há muito tempo com sua pouca vergonha.
HIPÉRIDES: A fé tem como principal objetivo a erradicação do
egoísmo e do apego. E ela demonstrou que não é nem uma coisa
nem outra ao ofertar reconstruir os muros de Tebas ...
DIODORO: Sim, mas desde que em cima dos muros
reconstruídos fossem inscritos as palavras “Destruído por
Alexandre, restaurado por Friné a hetaira”. Isso é ser altruísta?
E um murmurinho de apoio ao dito se fez ecoar no Areópago.
21
ANAXÍMENES: Eu não tenho dúvida nenhuma de que ela seja
culpada. Por acaso, os outros dois acusadores também não
creem na culpabilidade de Mnesarete?
O balançar das duas cabeças afirmativamente confirmam.
HIPÉRIDES: Crenças mais evoluídas pregam que a dúvida é o
princípio da crença. Cada religião tem sua missão a fim de ...
ANAXÍMENES: ... construir o Reino dos Céus na Terra? Uma
condição necessária para isso é estreitar a relação entre Religião
e Política, bem como enfatizar que ...
DIODORO: ... o altruísmo é uma regra de ouro para todas elas.
Ela profanou o Templo não só por ser alienada politicamente,
mas também pela sua falta de altruísmo.
Hipérides ao sentir que a situação não está nada favorável para
sua cliente procura apelar para outro ambiente e dividi-los.
HIPÉRIDES: A crença nas evocações é geral entre nós, não é
verdade? Todos os templos possuem as chamadas "pitonisas",
encarregadas de proferir oráculos evocando os deuses, não é
verdade? Mas às vezes o consultante quer ele próprio ver e falar
com a "sombra" desejada, então por que nós não fazemos isto
para ver o é dito sobre esse julgamento? (tomado pela tragédia):
Saí “sombra” que não quero ouvir sobre meu trágico futuro.
Mas, os acusadores estão unidos e implacáveis no presente.
22
ANAXÍMENES: Velho Hipérides. As religiões mediúnicas são
perigosas, não se devem praticar incorporações e o critério para
analisá-las é o senso comum. Portanto, o meu ...
MNESARETE: ... seu senso comum é não me perdoar pela minha
predileção por Hipérides como meu defensor e meu amor.
ANAXÍMENES: Eu vou é orar para Hades por você.
MNESARETE: Para o deus dos mortos e do inferno? Em vez de
orar, fazer prece com fervor, fico mais feliz se você se afastar de
fé infantil e praticar, por inteiro ou pelo menos a metade, do que
cuida o deus olímpico Dionísio do vinho, das festas e do êxtase. E
que você seja protegido por Hermes que cuida dos ladrões.
Anaxímenes tenta partir para cima dela, mas conteve sua fúria.
No entanto, Hipérides parte para cima dele guardando punhal
sem conter sua retórica.
HIPÉRIDES: A missão de uma religião, fé, arte, política, paixão ou
lá que seja se for de alto nível, é tirar as pessoas das torturas do
Inferno e conduzi-las ao Céu, transformando a sociedade num
paraíso. Para que acusador ou acusado seja conduzido ao Céu, é
necessário que ele próprio se eleve, tornando-se um ente
celestial, a fim de que, por sua vez, possa salvar o seu
semelhante. Isso significa no sentido metafórico em pendurar a
escada do Céu onde está à base até o Inferno e estender as
mãos para puxar o homem, degrau por degrau.
ANAXÍMENES: (debochando): Assim, quando os religiosos
avançados argumentam com pessoas inteligentes, de nível
23
cultural elevado, principalmente entre a camada jovem, que,
para solução do mal individual e social é preciso recorrer à religião,
eles nem dão ouvidos. (pausa): Deixe de cinismo seu velho em
pensar que esse julgamento tem como fim tirar as toruturas de
Mnesarete e conduzí-la ao Céu. Saibam que a fé dos gregos é ...
HIPÉRIDES: Não se pode esquecer que a justiça é o princípio da
fé. Por mais autêntica que pareça, uma doutrina só pode ser
considerada verdadeira se tiver fundamentada em leis justas.
DIODORO: Nada disso! Basta estar fundamentada em dogmas.
HIPÉRIDES: Dogmas! Isto são apenas declarações de homens
acerca da verdade. As religiões existentes até hoje são quase todas
infernais, ou seja, aterrorizam os adeptos com as divindades e os
encarceram pelos dogmas, bem como, mesmo que eles vivam sob a
verdade e o bem, negligenciam o belo, vestindo-se e comendo mal e
morando em casas úmidas e sombrias. Já as religiões celestiais são
alegres, ativas e não possuem segredo. Mas, o que se a de fazer se
vocês entendem por fé celestial o que é fé infernal?
ANAXÍMENES: (debochando): Não se preocupe com ela que de
tão boa vai ser salva espiritualmente. Porém, seu lindo corpo
material deve logo apodrecer ou na melhor das hipóteses ficar
longos anos sofrendo em cima de uma cama.
HIPÉRIDES: A verdadeira salvação só se completa quando ambas
as partes forem atingidas: a matéria e o espírito.
ANAXÍMENES: (debochando): Que tragédia grega, hein?
24
MNESARETE: Mais trágico e triste ainda é ficar longos anos
sofrendo em cima de uma cama e sentir-se satisfeita porque a
própria pessoa se julga salva. Essa atitude é totalmente ilusória,
enganosa e contraditória, pois, em tais condições, o doente se
conforma com o destino, suportando disfarçadamente o
sofrimento, forçando uma aparência de satisfação. E o mais
triste de tudo é achar que tal estado de sofrimento é uma graça
dada por Deus e conquistada pela fé. Assim, então, embora com
o físico destruído, a pessoa se considera salva espiritualmente.
HIPÉRIDES: Lamentável, porém, torna-se a vida de quem está ao
redor do doente. Não que ele próprio desconheça tal situação,
mas, por estar dominado por tão profundo sofrimento físico,
não lhe sobra espaço para pensar no desgaste enfrentado pelos
familiares devido aos cuidados a ele dispensados.
ANAXÍMENES: (irado): Fale, diga o que quiser em defesa de
nossa amante que tanto lhe deseja, mas o destino dela já está
traçado, a sorte dela é a sua desgraça. Você em breve estará ao
redor do cadáver de Mnesarete. E não será porque você é velho.
Quando Hipérides percebeu que o veredicto seria desfavorável,
rasgou o manto da bela Mnesarete exibindo seus seios querendo
mostrar que uma beleza como aquela não devia ser destruída.
Ela logo após tira suas roupas conseguindo com isso a mudança
no julgamento dos juízes que a absolvem. A mudança não foi
simplesmente porque eles ficaram fascinados pela beleza de seu
corpo nu, mas sim porque a beleza física era vista como um
aspecto da divindade ou um sinal de favor divino.
25
CULTURA
Primavera de 404 a.C., Atenas rende-se. Imediatamente um
golpe oligárquico em Atenas, apoiado por Esparta. A oligarquia,
com o apoio das tropas espartanas, toma poder dos democratas.
Os dominadores concedem aos atenienses direito de na Ágora,
nome que se dava às praças públicas, ocorrer assembleias para
se decidir apenas sobre temas ligados a cultura por meio do voto
direto dos cidadãos. E lá estavam entre eles os participantes no
julgamento sobre os Mistérios de Elêusi.
HIPÉRIDES: Cultura, além de ser formada pelas filosofias,
linguagens, lendas, crenças, costumes, tradições, festas,
cerimônias, simbolismos, indumentárias, turismo, esportes, lazer
e humor, é constituída pelos aspectos relativos aos
conhecimentos do espiritual, da natureza, do homem e da
sociedade, descritos assim em linhas gerais: Deus, mundo,
homem, messias, religião, ...
MNESARETE: ... governo, economia, ideologia, saúde,
prosperidade, paz, felicidade, cidade e paraíso.
Anaxímenes participa quase que sussurrando.
ANAXÍMENES: Não esqueçam casal disforme em anos de idade
que nós só podemos decidir sobre jogos olímpicos, arte e
religião, e um pouquinho sobre educação, ciência e tecnologia.
HIPÉRIDES: Novos ou velhos continuamos ou não democratas?
26
MELETO: Sim e não.
DIODORO: Mas, o seu mestre Platão foi convidado a participar
da vida política e recusou porque considerou o então dominante
regime espartano algo de muito criminoso.
MELETO: Sim. Mas, isso não quer dizer que ele concordava com
a nossa democracia. Não entenderam? Assim como “monarquia”
significa “governo pelo monarca”, “democracia” quer dizer
“governo pelo demos”. Mas o que é o demos? Tanto pode ser
entendido como “povo” ou “populaça”. No segundo sentido, a
democracia é o governo da ralé, do vulgo, sujos e inaptos.
ANAXÍMENES: Mas isto é um insulto à democracia.
HIPÉRIDES: Que insulto coisa nenhuma. O órgão principal da
democracia ateniense era a Assembleia dos cidadãos. Ela foi
aberta a todos os quase 50.000 cidadãos adultos do sexo
masculino, mas geralmente apenas 5.000 pessoas compareciam.
MELETO: Quando estamos doentes não procuramos um
especialista que é o médico? A última coisa que desejaríamos
seria reunir uma multidão e pedir aos presentes que elegessem,
através de voto, o remédio certo, não é isso?
HIPÉRIDES: Entendi! A saúde do estado tem tanta ou mais
importância que a saúde de um dado indivíduo. Tomar decisões
políticas — decisões no interesse do estado — requer reflexão e
competência na matéria.
27
MELETO: Segundo Platão, é função que se deveria deixar aos
especialistas. Permitir que o povo decidisse é como navegar em
alto mar consultando os passageiros, ignorando ou desprezando
aqueles que são verdadeiramente competentes na arte da
navegação. Tal como um navio assim comandado se transviará e
irá a pique, também diz Platão: o navio do estado naufragará.
ANAXÍMENES: Mas onde estão os governantes especializados?
MELETO: A resposta de Platão é simples. A sociedade justa é
impossível, a menos que os reis se tornem filósofos ou os
filósofos se tornem reis. A formação filosófica é uma qualificação
necessária para governar. Com tornar-se filósofo, Platão não
quer dizer que basta passar uns anos a ler e a pensar acerca da
filosofia. Ele divisa um plano para toda uma vida de ensino que
inclui, nos primeiros anos, não apenas compreensão de textos,
mas também educação matemática, militar e física. A filosofia
não é estudada senão aos trinta anos. A cinco anos de filosofia
seguem-se, então, quinze de serviço militar e àqueles que
ultrapassam este período com distinção é que poderão tomar o
lugar nos “assuntos fatigantes da política”.
ANAXÍMENES (inconformado): Só com 50 anos! Mas, eu que sou
jovem, tendo só 30 anos, não poderia ser um político? Eu sou
um homem civilizado e não um selvagem, ora bolas.
HIPÉRIDES: Acho que entre a selvageria e a civilização você tem
algo necessário, mas insuficiente diante do âmbito sublime, pois,
o domínio ideal passa não por ser novo, mas sim pela novidade
28
de ser justo por seus acertos. E isso você não tem, vide o seu
procedimento no caso do julgamento de Mnesarete.
ANAXÍMENES (enciumado): Nunca irei entender o porquê ela
me trocou por um velho que nem você.
Mais uma vez Hipérides consegue conter o seu ímpeto e destino
e assim não sacar o seu punhal.
MELETO: Isso entre vocês três não nos diz respeito, o que nos
interessa é ouvir Hipérides sobre o necessário e suficiente entre
a selvageria e a civilização, ou seja, diante do âmbito da cultura.
HIPÉRIDES: Na cultura atual o ser humano não é capaz de
compreender indo além do domínio da fala, pois lhe faltam
pensamentos corretos e sabedoria. Daí não ter condições de
comunicar-se através de atitudes, inclusive é bem raro
encontrar-se alguém que domine essa habilidade.
MELETO: Estabelecendo comunicação usando apenas o olhar,
isso seria algo apropriado de uma civilização?
MNESARETE: Sim. Note que a cultura ainda está muito atrasada
para isso. O que poderia ser entendido com uma só palavra
precisa ser transmitido por meio de muitas. Por exemplo, há
volumes de oitenta e quatro mil sutras, que mesmo assim, quase
nada transmitem. Se pudessem ser comparados a metais,
corresponderiam ao ferro. Tudo o que é bom e nobre deveria ser
como o ouro: precioso e raro. Daí o desafio é conseguir explicar
as mesmas verdades contidas num volumoso compêndio de
sutras transmitir em uma única página.
29
MELETO: É, tem razão. Antigamente, a comunicação partia de
dentro do coração, através de belos poemas repletos de
sentimentos nobres e profundos, bem mais evoluídos que os de
agora. (pausa): Alguém tem um exemplo concreto?
DIODORO: Eu tenho. Certa vez, ouvi a narrativa de um fato que
ocorreu com um pai cujo filho disse o seguinte: "Oh, pai, um
incêndio!". Mas na mesma hora, o progenitor respondeu que
não havia a menor necessidade para se preocupar, porque o
incêndio estava acontecendo distante dali. De acordo com o
raciocínio rápido do pai, caso seu filho estivesse mesmo próximo
do local do acidente, teria apenas gritado "incêndio!", porque
naquele momento de desespero não teria dado tempo de ele
dizer a palavra "pai". E da mesma forma, todas as demais ideias
e fatos podem ser entendidos melhor, quando transmitidos em
poucas palavras.
MELETO: Conclusão: na cultura falta inteligência para que em
poucas ou nenhumas palavras sejamos entendidos. Mas, por
que isso é necessário para uma civilização, no entanto não é
suficiente? O que falta?
HIPÉRIDES: Inteligência maior e para mais pessoas.
MELETO: Tem a ver com o domínio ideal passar pela edificação
da novidade de ser justa por seus acertos?
HIPÉRIDES: Interessante notar o aparecimento de algumas
teorias um pouco acima do nível da época. Se tiverem por base
os conceitos da cultura atual, são sempre bem aceitas,
aplaudidas e elogiadas. No entanto, quando se propõem
preceitos altamente inovadores sugerindo mudanças nas
30
posturas preestabelecidas, seus autores são vítimas de
perseguições e ataques cruéis, chegando a fatalidades
irreversíveis. É o que acontecerá muito em breve com Sócrates.
ANAXÍMENES (debochando): Ah! As vozes que sabem o que
ocorrerá numa época futura. (irritado): O que há mesmo é uma
ininterrupta evolução da natureza, do homem e também da
cultura material criada pelo homem.
HIPÉRIDES: Mas quem tenta melhorar somente os aspectos
materiais de sua vida, ou seja, os seus empreendimentos, sua
profissão e posição, flutuam sem criar raízes ou bases firmes. Os
jovens, como Anaxímenes, provavelmente acharão que estou
dizendo banalidades ou pregando uma moral antiquada.
Antiquados, ao contrário, parecem-me aqueles que não
apresentam a menor evolução, conservando sempre a mesma
maneira de pensar e de falar sobre os mesmos assuntos. Suas
conversas, essencialmente mundanas são desinteressantes, sem
a menor preocupação religiosa, política, filosófica ou artística.
Não tenho a menor intenção de censurá-las, mas o fato e que a
maioria das pessoas é assim.
MELETO: Em outras palavras: a cultura humana aumentou
muito, mas o que houve foi apenas evolução da parte material; a
parte espiritual, lamentavelmente, progrediu muito pouco. Se o
avanço da cultura, por maior que ela seja, não promove,
paralelamente, o aumento da felicidade, a culpa cabe ao próprio
homem, que ficou preso apenas à cultura material. A
humanidade precisa perceber isso o quanto antes. Pois caso não
perceba, mesmo após a morte, mesmo tendo sido famoso e
31
elevado culturalmente no Mundo Material, não se é feliz nem
espiritual e nem materialmente.
Anaxímenes zomba por meio de um riso intenso. E ela
completamente indiferente.
MNESARETE: Logo, cultura do Messias Meishu-Sama é a cultura do
cujo traço marcante é ser uma filosofia religiosa espiritualista. Às
vezes talvez designada por cultura da nova era ou cultura da era do
dia, entendendo por nova era ou era do dia o período do Paraíso
Terrestre, isto é, do mundo do Belo, da Cultura elevada, das
Belas-Artes, onde existe conteúdo (alma, missão, espírito), e não
apenas forma (matéria) e função (percepção).
HIPÉRIDES: Do lado oriental, as primeiras civilizações surgiram
na China e na Índia e prosperaram durante muitos séculos,
expandindo-se para o Egito e a Grécia. Mais tarde, no Ocidente,
se desenvolverá um Império Romano que será o marco da
civilização ocidental.
MNESARETE: Outro aspecto fundamental a ser observado diz
respeito às características peculiares a cada um desses dois
modelos culturais. Enquanto a civilização oriental se apresenta
voltada ao espiritual e à verticalidade, a ocidental se
fundamenta no material e na horizontalidade.
HIPÉRIDES: Ambas irão se desenvolver suficientemente,
atingindo o ápice da fase de amadurecimento e se encontrarão
num impasse. Na verdade, no final vai ocorrer a união de
32
Oriente e Ocidente, em conformidade com o Plano de Deus.
(pausa): Até agora a cultura teve por base um movimento
contrário, ou seja, partiu do oeste e se encaminhou para o leste.
Entretanto, observando o comportamento da Grande Natureza,
vê-se que todos os fenômenos têm sua origem no leste,
dirigindo-se depois para o Oeste, num processo permanente e
ininterrupto. Veja-se, como exemplo, o movimento do Sol e da
Lua que sempre giram nessa direção.
MNESARETE: Quando bem próximo do momento da criação da
nova cultura, da cultura atual ficarão apenas os elementos úteis
à nova vida; alguns deles terão de passar por transformações.
Todos os demais causadores de maldades vão sofrer implacável
extermínio. Esses acontecimentos corresponderão, portanto, a
situações terríveis e, ao mesmo tempo, contraditoriamente
maravilhosas. Será o momento muito especial de demonstração
clara do infinito amor de Deus por todas as criaturas que vivem
de acordo com a Sua Vontade.
Anaxímenes louco de ciúme pelo entrosamento dos dois em
evolução, violentamente a agarra, beija e arranca suas roupas
numa clara demonstração de posse. Hipérides finalmente segue
o trágico destino de apunhalar nada mais nada menos do que
seu próprio filho, este que não sabia que algum dia seria morto
pelo seu próprio pai. E aí vem a dúvida: lendo ou ouvindo sobre o
Messias, a Religião e a Cultura, o que quase sempre se aprende é
o quase nada? Mas, será mesmo o caso?
33
INICIAÇÃO AS
COLUNAS
34
35
JOHREI
Para alguns numa imaginária sala de espera da clínica de
Infectologia do hospital público tem muito mais pessoas em pé
do que sentadas. Pela porta a fora no corredor há uma imensa
fila de pacientes. Na sala do médico especialista em doenças
infecciosas tem um doutor irritado de cor amarelada no rosto e
olhos com cara de cansado e de queixas gastrointestinais. Num
canto escondido tem uma enfermeira com uma de suas mãos
erguida na direção dele. Quando ela a abaixa.
ENFERMEIRA: Está se sentindo melhor com o Johrei, doutor?
INFECTOLOGISTA: O que é isso enfermeira! Pare imediatamente
com essa bobagem. Vamos, vamos começar e acabar logo com
mais esse dia de atendimento, chame pelo menos uns cinco de
cada vez para ver se essa fila anda rápida e assim eu possa ir
logo para a clínica particular que me paga muito melhor.
Ela imediatamente abre a porta e quando ia chamar os cinco
primeiros repara num negro distante com vários sintomas
visíveis como olhos avermelhados, sangramentos pelo nariz e
erupções cutâneas, soluçando, dores no peito e dificuldade para
respirar e engolir. Penalizada, resolve incluir por conta própria
um sexto. Eles entram e este negro logo inicia vômitos e diarreia.
INFECTOLOGISTA: O que é isso enfermeira! Não vê que ele está
com ebola? Não sabe que nas últimas horas antes da morte, o
vírus se torna extremamente contagioso?
36
Foi falar isso e todos saírem apressadamente porta a fora o que
contagia os demais a fazer o mesmo, exceto dois pacientes
acentuadamente magérrimos permaneceram no local por
estarem com muita fraqueza. Ela com a misericórdia que lhe é
peculiar os amparam para dentro do consultório e começa ato
de imposição das mãos para estes causando mais espanto.
INFECTOLOGISTA: O que é isso enfermeira! Não vê que estes
pobres coitados não têm mais jeito?
Foi ele falar, ela parar, um deles empurrar a mão dela e o outro
que estava bastante pálido tossir saindo sangue e falando rouco.
ARTISTA: O doutor não me conhece, mas eu o conheço, todo dia
quando chega entra no ...
INFECTOLOGISTA: ... sim, mas o que isso muda na sua doença?
ARTISTA: Ajude-me por amor de Deus, estou há muito tempo
com essa tosse intensa e contínua, dor no peito, febre com
calafrios, ...
INFECTOLOGISTA: Para de falar, está tuberculoso e necessita de
internação hospitalar urgentíssima. (gritando): Enfermeira
providencie-a antes que ele morra aqui e dê trabalho para nós.
No entanto, a enfermeira absorta olha para o que lhe havia
empurrado sua mão que estava de óculos escuros com manchas
na pele mostrando estar com náuseas. Ela indaga ao doutor.
37
ENFERMEIRA: E este ser humano aqui está com que?
INFECTOLOGISTA: AIDS.
AGRICULTOR: Como assim! O doutor me conhece e sabe que
sou evangélico. Nunca tive relacionamento extraconjugal.
INFECTOLOGISTA (falando para si): É hoje. Todo mundo acha
que me conhece, assim posso ser até candidato a qualquer cargo
político. (falando para o aidético): Ô cidadão, a causa dessa
doença não é uma questão apenas de fidelidade. Você fez uso
de seringa por mais de uma pessoa ou transfusão de sangue?
AGRICULTOR: Mas, eu estava com anemia muito profunda.
O tuberculoso que se encontra resignado só pergunta com
aquela voz rouca.
ARTISTA: O que devo fazer para me tratar?
INFECTOLOGISTA: Não sei se tem tratamento não. Mas, de
qualquer maneira tome essas três drogas rifampicina, isoniazida
e pirazinamida durante seis meses sem parar um só dia. (pausa)
Ah sim! Evite fatores que gere baixa resistência orgânica como
má alimentação, falta de higiene, tabagismo e alcoolismo, isso
sem falar da transmissão pela aglomeração humana.
ARTISTA: Mas, doutor me conhece, eu sou ascensorista do
elevador deste hospital e não posso parar de trabalhar. Eu ajudo
38
na condução de macas, cadeira de rodas, muletas e, além disso,
tenho família grande para sustentar. Nas horas vagas sou artista,
pinto quadro onde me realizo e dá uma ajudazinha nas finanças.
INFECTOLOGISTA: Entre na justiça com um processo para que
lhe paguem adicional de insalubridade e fique na pintura ao
invés de produzir filhos.
AGRICULTOR: E eu como me trato? Tenho que usar camisinha?
INFECTOLOGISTA: Ô cidadão, a AIDS não tem cura e camisinha é
apenas para prevenção, e o cidadão já está contaminado.
AGRICULTOR: Como assim! Então, eu vou morrer? Mas, eu não
posso morrer, tenho filho pequeno para criar, tenho que ... que
... que inclusive cuidar da horta de sua casa. Por favor, ajude-me.
O médico insensível pega um prontuário e fica preenchendo-o.
ENFERMEIRA: Calma senhor. Os portadores do HIV dispõem de
tratamento oferecido gratuitamente pelo Governo. O doutor lhe
dará acesso ao tratamento antirretroviral.
AGRICULTOR: Mas, quais são os objetivos desse tratamento, já
que não há cura para o meu caso?
ENFERMEIRA: Prolongar sua sobrevida e melhorar a sua
qualidade de vida pela redução da carga viral e reconstituição do
sistema imunológico.
39
Porém, ela se dando conta do negro sofrido, indaga.
ENFERMEIRA: E este aqui doutor o que se pode fazer por ele?
INFECTOLOGISTA: Cidadão vai dizer que também me conhece?
ILUMINADOR: Como não! Foi o doutor que me enviou para fazer
residência médica na África exatamente nessa doença ebola.
O infectologista sem se importar pelo que foi dito.
INFECTOLOGISTA: Como sabe, o tratamento padrão limita-se à
terapia de apoio, que consiste em hidratar o paciente, manter
seus níveis de oxigênio e pressão sanguínea e tratar infecções
que possam aparecer. (fazendo gracinha): Porém no seu caso
específico vou pedir que esta enfermeira lhe reze com sua
macumba em que ela tanto acredita. Num instante ficará bom.
ENFERMEIRA: Eu sei que o doutor é agnóstico e cético, mas, um
dia quem sabe, não constatará um milagre na sua vida. Saiba
que o criador do Johrei realizou varias experiências através dos
filhos que não poderiam ser feitas com pessoas que não fossem
de sua família. Ele fazia pesquisa para saber o grau de diferença
da cura: não fazendo nada, deixando a doença a cargo da
natureza ou ministrando Johrei. E os dados são impressionantes.
ILUMINADOR: Eu sou testemunho. Tornei-me messiânico na
África e sei que Johrei representa uma grande revolução para a
Ciência.
40
ENFERMEIRA: Se o aplicarmos em todos os setores da vida, o
bem-estar da humanidade aumentará incalculavelmente.
O médico sorri demonstrando toda a sua incredulidade.
INFECTOLOGISTA: Deixem de conversa fiada, tem exemplo?
ENFERMEIRA: Em fevereiro de 1949, quando o casal Nichools,
do Estado-Maior de MacArthur, visitou a sede de Shimizu-cho,
Meishu-Sama deu-lhes várias explicações sobre o Johrei. O Sr.
Nichools, entretanto, não conseguia aceitar que uma luz
espiritual, invisível, saísse das palmas das mãos. Diante de sua
incredulidade, Meishu-Sama explicou: "Qualquer pessoa que
ministra Johrei consegue". E pediu a Nakajima que ministrasse
Johrei em algumas pessoas, orientando-as para que ficassem do
outro lado de um pequeno lago que havia no local. Então, tanto
as pessoas que estavam recebendo Johrei quanto as que
simplesmente observavam a cena começaram a tossir e arrotar.
INFECTOLOGISTA: No mínimo acho que o Sr. Nichools deve ter
achado o fato incompreensível, não? Pois, no máximo deve ter
achado ridículo e ... e ... e chega de crendices.
Encerra suas palavras bruscamente para disfarçar as fortes dores
nas articulações e nos músculos que sentiu. E consegue, pois ...
ILUMINADOR: Sim, e duvidando do que via, perguntou: "Eles
estão fazendo tudo isso intencionalmente, não?" Então Meishu-
Sama fez com que as pessoas virassem de costas e pediu ao Sr.
Nichools que desse um sinal para o Sr. Nakajima voltar a
41
ministrar Johrei. Quando este levantou a mão, ocorreu o mesmo
de antes. A experiência foi repetida várias vezes. Observando o
fato, o Sr. Nichools ficou deveras admirado. Meishu-Sama sorria.
INFECTOLOGISTA (debochando): Meishu-Sama é o cara, hein?
Então cambada de cidadãos esqueçam diagnósticos, remédios e
recomendações que lhes passei. Preparem-se, vou ministrar
Johrei em vocês e pronto.
ENFERMEIRA: Hei doutor, esperei aí. O senhor não foi outorgado
com a medalha chamada Ohikari onde está contida a letra “Luz”
escrita por Meishu-Sama e que deve ser posta no peito. E sinto
muito em lhe dizer, mas o poder do Johrei depende também da
elevação espiritual daquele que o ministra. Para consegui-la, os
membros devem dedicar-se, com perseverança, à leitura dos
Ensinamentos.
INFECTOLOGISTA (debochando): Quanto mais rarefeito, maior é
o seu poder de atuação, como remédio não, Johrei sim.
ILUMINADOR: Sim, e mais já que o homem tornou-se
indiferente ao espírito, chegando a confundir Ciência com
Civilização. Ele se ajoelha diante do trono da Ciência e se satisfaz
na sua condição de escravo. Este é o aspecto do mundo
moderno. Por acaso o homem não prova isso entregando nas
mãos da Ciência o que ele tem de mais precioso, que é a vida?
Embora ela não consiga garantir a vida humana, os homens
modernos não o percebem e continuam depositando-lhe cega
confiança.
INFECTOLOGISTA (rindo): E então por que está aqui ajoelhado?
ILUMINADOR: Talvez no fim se possa saber, não?
42
INFECTOLOGISTA: E a força da letra “Luz”, eu posso saber agora?
ENFERMEIRA: Diz uma lenda que numa pintura, a princípio,
estava retratando mais um pavão, que um dia saiu voando e
desapareceu. Como o notável artista expressou tão bem o pavão
prestes a levantar voo, a qualquer momento, é que nasceu essa
lenda. No momento de sua retratação, o espírito do autor ficou
impregnado nessa pintura e esse espírito vibra e toca o coração
daqueles que a contemplam. A força espiritual de pessoas
consideradas notáveis é muito mais intensa do que a de pessoas
comuns.
INFECTOLOGISTA (irritado): Quer dizer que medalha no peito e
um ato simples pelas mãos cura mesmo, então os dois
expliquem o Johrei como tratamento científico, se forem capaz.
ILUMINADOR: Explicar o Johrei como um tratamento científico é
bastante difícil, pois não se trata nem de ciência, nem de
religião. Faltam termos mais apropriados para levá-lo adiante.
INFECTOLOGISTA (irritado): Tentem seus cientistas religiosos.
ENFERMEIRA: Da Bola de Fogo em Meishu-Sama vai para a
palavra “Luz” desta se irradiam poderosas ondas de Luz, as quais
são transmitidas através do corpo, do braço e da palma da mão
do fiel que ministra o Johrei. Essa força é constituída pela união
do fogo, da água e da terra; a força da terra é ... (assustada): ...
doutor, doutor, o que está sentindo? Fale comigo, fale.
ILUMINADOR: Meishu-Sama, por favor, salve-o.
E ela e o residente começam a lhe ministrar Johrei, o que para
medicina um quase morto.
43
AGRICULTURA
Para outros numa fictícia localidade distante daquele hospital
público, onde há muitas árvores e plantação, o infectologista
deitado na cama está acordando e indagando muito irritado com
quem estava na sua frente, que no caso era aquela ...
INFECTOLOGISTA (gritando): Enfermeiraaa! Onde estoouu?
ENFERMEIRA: Está na minha casa que fica na roça, doutor.
INFECTOLOGISTA: Diga-me: o que estoouuu fazendo aaquiii?
ENFERMEIRA: Uma hepatite C lhe levou a um câncer de fígado.
INFECTOLOGISTA: Hepatite C! Câncer de fígado!!
ENFERMEIRA: Mas, não fique preocupado, está sem metástase e
vai poder fazer um transplante de fígado na semana que vem.
INFECTOLOGISTA: Transplante de fígado!? Já! Como assim se a
oferta de enxertos de doadores não vivos é muito menor do que
o número de inscritos na fila de transplante?
ENFERMEIRA: Realidade essa que ajudou a promover o que? O
que? O desenvolvimento das técnicas de doador vivo.
INFECTOLOGISTA: Doador vivo! Mas, arrumaram um doador tão
rápido assim para mim. Logo eu que não tenho família, parentes
e nem amigos?
Eis que pedindo licença para entrar no quarto estão os três ...
44
IFECTOLOGISTA: Vieram zombar de mim? Apostar quem vai
primeiro para o inferno?
Eles não entendem e a enfermeira explica o que cada um faz ali.
ENFERMEIRA: O artista é o que vai doar uma parte de seu fígado
para si. O agricultor está cuidando da horta para que o doutor se
alimente com produtos sem agrotóxicos. E o iluminador que não
está ajoelhado é que pediu para que lhe diagnosticasse e que
está providenciando toda a cirurgia em que o doutor crê.
Sem nenhum elogio o doutor os repreendem com aquela
autoridade tão peculiar dos médicos.
INFECTOLOGISTA: Saiam de perto de mim seus ignorantes. A
hepatite C é considerada pela Organização Mundial da Saúde
como o maior problema de saúde pública. Vocês podem ser
contagiados, pois cerca de 30% dos casos de infecção pelo vírus
da hepatite C é desconhecido.
O agricultor sem prestar atenção, pergunta a enfermeira.
AGRICULTOR: Posso colher algumas verduras, legumes e frutas
pelo método da Agricultura Natural para a comida do doutor?
INFECTOLOGISTA: Espera aí! Mas, que porcaria é essa? Não
existe nenhuma agricultura natural ou antinatural. Agricultura é
uma coisa só. Agricultura é o conjunto de técnicas utilizadas para
cultivar plantas com objetivos desde a contemplação estética até
a produção como a de alimentos, de fibras e de matérias primas
para as roupas, as construções, os medicamentos, as
ferramentas e as bioenergias. O que vocês estão inventando,
seus incapazes?
45
AGRICULTOR: O doutor não se lembra da agricultura
hidropônica? Aquela que cultiva na água com ausência de solo?
Aquela que me mandou executar na sua residência?
INFECTOLOGISTA: E daí? Tudo é válido desde que aumente a
produção agrícola.
ENFERMEIRA: Nós messiânicos não pensamos assim.
Priorizamos a produção de alimentos no sentido do lavrador e
do consumidor de comida, e não da visão mercantilista do
agronegócio atual que aumenta a produção de grãos e dos
confinamentos de gado de corte fazendo crescer
assustadoramente a pobreza humana, a desigualdade social e a
fome.
ILUMINADOR: Isso sem falar na exploração econômica, basta o
exemplo de para produzir um quilo de carne necessita de 15 mil
litros de água e 6 k de cereais, se estes custassem apenas dois
reais por suas unidades, certos países dominadores teriam que
pagar, no mínimo, 41 mil reais por um quilo de carne aos países
dominados. Isso sem se pronunciar a respeito da poluição
ambiental causada pela pastagem, queimada de florestas, etc.
Isso sem tocar no sofrimento dos animais.
INFECTOLOGISTA: Hei, hei, hei. Onde já se viu isso de leigos em
agronomia terem opinião. Recolham-se as suas insignificâncias.
Todos param e ficam olhando espantados para o doutor.
INFECTOLOGISTA: Espantados, hein? Não sabem o que é
agronomia? É isso, não é? Pois bem, ela é ciência que estuda as
características das plantas e dos solos para melhorar as técnicas
agrícolas. Agronomia, palavra formada pelo prefixo grego “agro”
(terra cultivada) e pelo radical grego “nomia” (regra).
46
AGRICULTOR: Então, a agricultura hidropônica que me mandou
... não seria uma área de estudo da agronomia.
ENFERMEIRA: Porém as demais agriculturas seriam, como a
extensiva, intensiva, itinerante, sustentável, orgânica e natural.
INFECTOLOGISTA: Só me faltava essa de acéfalo pensar. Mas,
que negócio é esse de agricultura natural de que tanto falam?
ILUMINADOR: É a Agricultura Sem Adubo, uma agricultura
filosófica espiritualista que trouxe revolução no cultivo da terra.
INFECTOLOGISTA (debochando): Já estou até vendo: Agricultura
Natural mantém um elo coerente desde o produtor (plantas =
vegetais) até o consumidor (homens e animais), no tocante à
manutenção da saúde e preservação do meio ambiente.
ENFERMEIRA: Pode debochar, mas depois que começar a fazer a
nossa dieta verá como se sentirá outra pessoa.
INFECTOLOGISTA: Dieta! Quem lhe deu ordem de cuidar da
minha comida, hein? Afinal, que dieta é essa?
ENFERMEIRA: É a dieta: originada de uma medicina moderna
espiritualista; fundamentada essencialmente no organismo;
alicerçada secundariamente no espírito do alimento; embasada
por baixo valor de nutriente, diversidade e requinte; direcionada
para o vegetarianismo com relação à missão; flexibilizada com
inclusão de carne referente à função.
INFECTOLOGISTA: Olhe aqui, eu não quero inovação na minha
dieta com essa droga de agricultura filosófica espiritualista. Eu
tenho que comer é a matéria do alimento nutritivo, carne com
missão ou função ou sem nenhuma das duas coisas, ouviuuu.
47
ARTISTA: Desculpa a ignorância, mas fiquei intrigado com esse
negócio de Agricultura Sem Adubo. Para mim, isso está
querendo dizer que solo é adubo e que adubo não é nada mais
do que o próprio solo. E isso, para mim, ...
INFECTOLOGISTA: Porra, idiota sempre pode fazer a coisa piorar.
ENFERMEIRA: Isso! Essa visão de adubo é de quem tem a ideia
fixa na cabeça de que só o solo não é suficiente, tem que se
colocar algo nele.
ILUMINADOR: É que se fazendo uma análise química do solo e
de algum produto agrícola nele produzido, descobre-se que o
produto necessita deste ou daquele tipo de nutriente; mas como
esses nutrientes não são encontrados no solo analisado, este é
considerado incapacitado e, por conseguinte, conclui-se que ele
não é fértil. Por se acreditar nisso é que nasceu a técnica de
adubar o solo, achando que bastava jogar adubo na terra para
ela voltar a ser fértil. Esta é a “superstição dos adubos”. Segundo
essa superstição, o solo não passa de um material que
simplesmente “abastece” as plantas com adubo.
AGRICULTOR: Ah! Então foi a partir desta ideia que foi criada a
hidropônica. Técnica que utiliza o fertilizante líquido como
adubo para culturas produzidas somente com água.
INFECTOLOGISTA (debochando): O que seria o mesmo
pensamento que se tem com o organismo e sua alimentação,
onde se come verduras e cereais, mas, se acha que se deve
complementar com vitaminas, que sem isto o corpo se
enfraquece. Que tal? Fiquem sem vitaminas e veja que acontece.
ARTISTA: Pois é, eu ia dizer é que para mim não se tem que por
fertilizante químico, mas sim orgânico senão ...
48
ENFERMEIRA: Também a ideia de que o adubo orgânico
beneficia a agricultura está impedindo que sejam obtidos
resultados mais satisfatórios. De fato, o uso do adubo orgânico é
tão pernicioso quanto os fertilizantes artificiais. Prejudica a
vitalidade natural da terra, impedindo-a de aperfeiçoar-se e
tornar-se cada vez mais adequada ao desenvolvimento de
determinadas plantas.
INFECTOLOGISTA: Ô residente a tal revolução no cultivo da terra
é essa de Agricultura do Solo, onde adubo e fertilizante são
sinônimos? Deixe-me rir, ou melhor, vou é chorar depois de
ouvi-los sobre essa revolução nos pontos básicos de uma
agricultura como base, solo, fertilização, plantação, proteção,
produção, vantagens e dieta.
ILUMINADOR: Pois não. A base da Agricultura Natural: Respeita
a Natureza, como lei; Emprega a reflexão, como técnica; Adota o
solo da mesma forma que um ser vivo, como princípio; Foca os
lavradores e consumidores, como principais. O Solo: Camada
superior da crosta terrestre que possui espírito sem liberdade e
locomoção; Necessita ser reverenciado com amor e mantido
saudável; Exige ser misturado com matéria orgânica. A
Fertilização: Ato de tornar fértil pelo produto dos espíritos dos
elementos Solo, Água e Fogo; ...
INFECTOLOGISTA: Epa! Pode parar. Solo, Água e Fogo?
ENFERMEIRA: Sim. Até numa simples folha de árvore eles
existem. Mas, para facilitar tomando-se um punhado de folhas.
Elas eram algo que estava vivo, e ficaram completamente secas.
O fato de terem ficado secas significa que Água acabou. Sob o
49
ponto de vista científico, afirma-se que os vegetais são
constituídos de 98% de água e o restante de substancias
originarias do solo e da energia solar. E ficaram apenas o Fogo e
o Solo. Então se ateando fogo nas folhas, queimando-as por
completo, significa que “acabou o Fogo”. Depois da queima
sobrou a cinza, algo que retorna a terra, isto é, voltou a ser o
elemento Solo. Com isso, se comprova que através dos fatos os
seres vivos são constituídos de “Fogo, Água e Solo.”
ARTISTA: Desculpa a ignorância, mas ainda estou intrigado com
esse negócio de Agricultura Sem Adubo e comecei a pensar:
quem produz o leite é a vaca, quem produz a colheita é o solo,
quem faz o solo produzir não são as vacas, mas o que?
ENFERMEIRA: Os micro-organismos que vivem nele, daí as
palhadas não devem apenas alimentar os bois, mas também as
bactérias, vírus e fungos. Estas microvidas ajudam as sementes
fortes a nascerem, as sementes fracas elas fazem apodrecer,
bem como as plantas fortes elas ajudam a produzir, e as plantas
fracas elas aniquilam.
ARTISTA: Então, o mundo não sobreviverá graças a indústrias
poderosas, mas sim aos microorganismos, ao solo. Não é o
dinheiro que forma o homem, mas sim o alimento produzido
pela terra!
ILUMINADOR: Não se esqueça dos agricultores briosos que nem
o nosso agricultor aqui. Terra não é uma máquina de produção,
sem respeito e amor à natureza não se pode esperar fartura,
mas sim a degradação. (pausa): De acordo com o crescimento da
população, foi também aumentando a capacidade produtiva. Por
50
exemplo, hoje, cada espiga contém cento e vinte grãos. Há, mais
ou menos mil anos, era de sessenta grãos, ou seja, a metade.
AGRICULTOR: Com licença. Eu sou evangélico tenho que cultivar
a paciência, sou anêmico tenho que ficar calmo, portanto, eu só
quero saber se colho lá fora ou não para a comida do doutor?
ENFERMEIRA: Sim, mas que não esqueçamos que o sistema do
ser humano importante em termos de alimentação é o aparelho
digestivo e que não existe alimento que não contenha as
substâncias necessárias à manutenção do homem.
ILUMINADOR: Pelo espanto vi que o agricultor não entendeu.
Mais um hábito digno de espanto é de doentes tomarem sangue
de animal como elemento nutritivo; tal procedimento produz, às
vezes, um efeito momentâneo; na verdade, porém, causa o
enfraquecimento dos órgãos produtores de sangue e traz como
consequência, a anemia. E atenção que a vaca se alimenta de
capim e produz excelente leite.
O agricultor baixa a cabeça, enquanto que o infectologista a
levanta. Ele que absorveu tantas notícias inesperadas a respeito
de doenças que havia contraído, transplante há realizar com
doador na sua presença, recebimentos de Johrei e
conhecimentos de uma nova agricultura que está a ponto de
utilizá-la em sua dieta, está pensando que outra coluna de
salvação poderá ainda se apegar. No entanto, ele é que é pego
pelo residente com seu olhar iluminador ao levantar sua camisa
para se coçar tornando visível várias picadas pelo corpo, ou
melhor, revelando que tudo de ruim começara pelo doutor ser
um viciado em entorpecentes. E é percebido pelo artista como
algo que é muito feio.
51
BELO
Para uns e outros numa irreal sala de artes exatamente na
véspera do transplante os cinco a visita.
INFECTOLOGISTA: Por que me trouxeram aqui sabendo que
tenho de receber um pedaço do fígado deste idiota aqui? E pior
será se a tolice deste ascensorista ou artista passar para mim.
O artista fica magoado com que acabara de ouvir.
AGRICULTOR: Hei você que maneja elevador não pode ir com
ele para o fundo do poço não. Jesus manda que a gente suba
montanha ou aos ares, principalmente os artistas com sua arte.
INFECTOLOGISTA: Então, ele seria um ascensionista e não um
ascensorista, você entendeu seu rude roceiro?
Outro a ficar magoado. No entanto, os demais não se deixam
entrar naquela baixa sintonia e respondem ao agressor.
INFECTOLOGISTA: Ô residente vamos direto a revolução do Belo:
perfeição, arte, sua interpretação, organização, eficácia,
desenvolvimento, objetos artísticos e artistas.
ILUMINADOR: O espírito de busca deve ser grande, forte e
constante, não sei o quanto o seu é assim. Mas, mesmo assim,
não vou deixar de atendê-lo. A Perfeição do Belo considera:
Deliberação divina, desde que não ultrapasse condições;
52
Manifestação da Verdade e Bem expressa pelo sentimento;
Revelação de que o seu mundo é o Reino dos Céus.
ARTISTA: Ô agricultor você tem razão, não vou deixar me abater
não. Desculpa a ignorância minha e de terceiros, mas estou
intrigado com esse negócio do Belo ser a manifestação da
Verdade e Bem expressa pelo sentimento.
ILUMINADOR: E se a Verdade fosse à manifestação do Bem e
Belo pela razão, donde o Johrei? Bem fosse a manifestação da
Verdade e Belo pela vontade, donde a Agricultura Natural?
ARTISTA: Por enquanto não, por enquanto apenas o Belo.
ENFERMEIRA: O Belo não está no nível das palavras e ações, mas
sim do pensamento, qual é a sua predominância? Na razão,
sentimento ou vontade? A resposta é a de que o Belo é uma
demonstração da veracidade e virtude concludente do amor,
isto é, uma declaração da Verdade e Bem, ditada pelo
sentimento. Ou ainda, de que Belo inclui Verdade e Bem, no
sentido de que ele é a forma criada pelo Bem num pensamento
gerado pela Verdade.
ILUMINADOR: Assim, uma beleza autêntica não provém nunca
de cosméticos, mas sim da Verdade e Bem.
ENFERMEIRA: O ponto mais alto da Arte não está em retratar a
natureza como ela é, mas representar a Verdade, o Bem e o Belo
através da personalidade. De agora em diante será a arte do
Bem, da justiça e da correção e não da fotografia.
53
AGRICULTOR: É isso aí. Mas, que negócio é esse de Belo ser a
revelação de que o mundo dele ser o reino de Deus?
ILUMINADOR: Na criatura humana, o Paraíso Terreno indica a
beleza interior, ou seja, a beleza da alma. Obviamente, as
palavras e atos também serão belos. Trata-se da beleza
individual que, ao alargar-se, origina a social. Tendo-se, assim, o
embelezamento das relações pessoais, das casas, das ruas,
meios de transporte e parques mais aprazíveis. Como o Belo se
faz acompanhar da limpeza, vê-se num nível mais amplo o
embelezamento e saneamento da política, da educação e da
economia, bem como das relações internacionais.
ENFERMEIRA: O nível espiritual do planeta Terra, existindo
apenas os reinos inferiores (ou seja, os reinos dos minerais,
vegetais e animais), correspondia ao Plano Inferior. Com o reino
intermediário (reino humanoide, isto é, dos homens), que é
chamado de reino superior, passa-se para o Plano Intermediário.
O reino superior, que é o reino dos deuses, surgirá em sua
plenitude em 2021, o Plano Superior.
AGRICULTOR: Mas tudo tem nível espiritual, não é assim?
ILUMINADOR: Sim, tudo está localizado em uma das 180
camadas espirituais. Quando se diz “tudo” quer dizer não apenas
os seres dos reinos, como o minério de ferro, chuchu, leão e
homem, mas também os pensamentos, as palavras e as ações.
54
ARTISTA: Por exemplo, ações materialistas, egoístas, de suicídio,
de vingança, etc. devem ser de nível baixo; enquanto que as
espiritualistas, altruístas, vivificadoras, são de nível alto.
AGRICULTOR: Palavras como “te odeio”, “diabo” e palavrões,
são de nível baixo; já “te amo”, “Deus” e fonemas de oração são
de nível alto. Pensamentos como “belo” são de nível alto; já
“feio” é de nível baixo.
ARTISTA: Dizer que o “belo” é de nível alto é dizer que ele
pertence ao Plano Superior, não é isso?
INFECTOLOGISTA: Basta usar a lógica para dizer que sim e
explicar que os homens que alcançam o Céu, ou melhor, os que
deixam de serem homens para serem deuses, possuem beleza
nos próprios pensamentos, palavras e ações, isto é, sua razão,
sentimento e vontade, bem como, sua escrita, oratória e atitude
são belas. O belo individual, o ente celestial, faz nascer o belo
social, o paraíso. O Reino dos Céus é o mundo do Belo.
Todos param espantado com o que escutam da parte de quem.
INFECTOLOGISTA: O que estão me olhando seus sem interesse e
sem sentido? Não pensem que eu me esqueci? Sabem ou não
sabem falar algo sobre a Arte?
ILUMINADOR: Ela considera: Na produção com ideal de
harmonia é a representação da beleza, cujo mundo é o Paraíso
Terrestre; O paraíso será o universo da lindeza quando todos os
55
esmeros estiverem reunidos; Sua missão é enobrecer os
sentimentos do homem e enriquecer-lhe a vida; Não se ...
ARTISTA: Arte é a representação do Belo, cujo mundo é o
Paraíso Terrestre. O que querem dizer com isso?
ENFERMEIRA: Como os messiânicos sabem tudo tem matéria e
espírito, donde, em particular, as obras artísticas. Por exemplo,
numa ornamentação floral estilo Ikebana Sanguetsu, as flores, a
água, a espuma, o hanadomê e o vaso representam a matéria; a
técnica e o pensamento de quem a realizaram, com sua razão,
seu sentimento e sua vontade representam o espírito.
ILUMINADOR: A materialidade da parte espiritual de tal
ornamentação floral é a técnica, ou melhor, é a arte Ikebana
estilo Sanguetsu. Já a espiritualidade da parte espiritual é o
pensamento do artista, ou melhor, é o belo da sua razão,
sentimento e vontade impregnados na obra.
INFECTOLOGISTA: Assim, seus sem cérebro, em linhas gerais: O
espírito de uma obra artística também tem matéria e espírito. O
espírito do espírito é o Belo, e a matéria do espírito é a Arte.
Desse modo, a Arte é a representação do Belo.
ENFERMEIRA: As colunas de salvação, ou seja, Johrei, Agricultura
Natural e Belo, num sentido geral, também são obras artísticas.
ILUMINADOR: A Arte do Johrei é a arte da vida, a técnica de
eliminação das máculas espirituais; o Belo do Johrei é a razão
espiritualista, o sentimento de gratidão e a vontade altruísta.
AGRICULTOR: A Arte da Agricultura Natural é a reformulação
dos métodos agrícolas?
56
ARTISTA: A Arte do Belo é a construção do protótipo do Paraíso
Terrestre, ou seja, do Solo Sagrado?
INFECTOLOGISTA: Belo do Belo é Deus, o Reino dos Céus, a ideia
do Paraíso Terrestre, da Cidade Messiânica.
Todos iam param espantado com o que escutam, porém ...
ENFERMEIRA: Os métodos para obtenção da saúde passam pelo
Johrei e a Agricultura Natural. Independentemente de tais
métodos, é de extrema urgência elevar o espírito através do
Belo. Esse é um novo projeto da Messiânica, que agora estamos
colocando em prática.
INFECTOLOGISTA: E como posso restabelecer a saúde e nem
fazer nenhum transplante, já que recebo Johrei e uso Agricultura
Natural?
ILUMINADOR: Talvez o fim esteja próximo e é preciso expandir
sua alma, sua consciência, seu espírito. Para isso examine-os,
consulte-os e diga para si mesmo.
INFECTOLOGISTA (falando para si): Largar o vício. Empregar o
Belo na minha vida. (falando para os outros): Mas, que
diferença haverá entre as Belas-Artes, música, literatura etc.,
desse mundo em que estamos para o mundo vindouro? E que
mudanças ocorrerão? Peço que me esclareça a este respeito.
ARTISTA: Quanto mais o ser humano se torna superior, mais
compreende o gosto pela Arte. Atualmente predomina a Arte
57
infernal. Há muitas artes pautadas no sofrimento - como
acontece no Ocidente. Os leitores e ouvintes simpatizam, pois
aquilo se casa com os seus sofrimentos.
ILUMINADOR: As músicas de Beethoven, por exemplo, são
músicas de dor e sofrimento. Estas músicas diminuirão, e
predominarão as músicas mais alegres.
ARTISTA: Nas Belas-Artes, as pinturas ocidentais estão
descambando para a perversão. A impressão que os quadros
passam é de como seria o inferno. É psicótico. Picasso, muito
famoso atualmente, por exemplo, é totalmente
incompreensível.
ILUMINADOR: Na literatura também predomina a tragédia. O
ser humano também vive a tragédia. As peças teatrais gostam
do choro.
ARTISTA: Portanto, os artistas precisam elevar o seu caráter.
Não podem ter maus pensamentos.
ILUMINADOR: Desde antigamente falam em educação pré-natal,
e na tentativa de ter filhos bonitos, veem fotos de pessoas
bonitas e letras de grandes personalidades. Assim, recebem a
energia espiritual delas. Assim é toda arte. O desenho e as letras
são na verdade instrumentos de expressão da sua
personalidade. Portanto, os artistas devem elevar o seu caráter.
É grande também a influência recebida da melodia. A polonesa
de Chopin, por exemplo, incitou o povo. A personalidade do
58
autor se expressou nela. Mesmo para arrebanharem fiéis, o que
conta não é a habilidade de oratória; a sinceridade da pessoa
tem grande influência.
ARTISTA: Talvez esteja na hora de se fazer o mesmo de quando
transmitem os mistérios do budismo esotérico de Shingon, o
arcebispo fica de frente ao discípulo, fita-o e não diz uma
palavra. Depois pergunta: 'Entendeu?' E se entendeu, dá-lhe o
grau, inclusive a cura. Por mais que fale, se não contiver espírito,
não adianta.
ENFERMEIRA: Esta sala de artes é uma parte do Museu de Arte
messiânico que se encontra num Solo Sagrado. E Quando os
homens pisam o Solo Sagrado, estes se unem espiritualmente.
Mesmo contra a vontade, surge um motivo para serem salvos. O
Museu de Arte messiânico é o melhor meio para eles se
aproximarem da salvação.
À medida que se vai recordando as frases ditas no decorrer da
exposição como “para alguns numa imaginária clínica de
Infectologia”, “para outros numa fictícia localidade” e “para uns
e outros numa irreal sala de artes” o infectologista, a enfermeira,
o iluminador, o agricultor e o artista vão sumindo e vai
aparecendo traços iniciais das palavras Johrei, Agricultura
Natural e Belo. O que teria ficado para os que não
desapareceram como os leitores e ouvintes?
59
INICIAÇÃO AOS
PODERES
60
61
GOVERNO
Era uma vez no Palácio da Alvorada. As autoridades máximas
dos três poderes estão reunidas e muitíssimas nervosas com a
determinação do tutor de que elas recebessem e ouvissem três
mulheres negras faveladas analfabetas portadoras do programa
bolsa família que sempre votam nos candidatos do partido da
Presidenta. Mas, neste momento, quem está pagando geral para
essas autoridades, diante da presença da imprensa selecionada e
comprada, é aquele tutor bronquinha, considerado o maior
consultor político, o maior marqueteiro da América do Sul, o
maior vendedor de ilusão, acho que já chega, pois ele é
conhecido por Anticristo, o habilitado pelo diabo em pessoa.
ANTICRISTO: O que eu mandei vocês fazerem é mentirem para
essas idiotas que vem aqui sem esquecê-las de tratá-las
respeitosamente com toda bondade e cortesia.
PRESIDENTA: Mas, super excelência acho que não consigo.
ANTICRISTO: Ô presidenta não quero saber de desculpa, é com
respeito, é uma ordem. Elas têm de sair daqui do palácio
acreditando que o seu partido é o partido ideal, correto e puro.
Quando as autoridades máximas do legislativo e judiciário
levantavam o dedo pedindo autorização para falar começou a ...
PRESIDENTA: Calados, não interrompam a super excelência
Anticristo. Aquele que: domina os três poderes; faz o que quer;
62
reivindica ser Cristo; fala coisas espantosas de modo a fazer os
outros acreditarem numa mentira como verdade; une tudo o
que não presta; e principalmente elegeu seis presidentes,
inclusive bolivarianos, vários governadores, senadores, ...
ANTICRISTO: Chega de tantos elogios. O que eu exijo de vocês é
que comandem e supervisionem propagandas feitas em
televisões, internet, rádios, jornais e revistas para que esse povo
babaca, bobalhão, vagabundo, desonesto, crente que o Brasil é
um país democrático, país do futuro e Deus ser brasileiro, fique
convencido de que os oposicionistas atrapalham o
desenvolvimento do país.
PRESIDENTA: Todos tem a obrigação de estar a favor do
governo, é isso? E quem se recusar a aceitar as nossas condições
e pontos de vista ...
ANTICRISTO: Compre-os. Se assim mesmo recusarem então
chamem os Skinheads. Se mesmo assim ... então só tem o último
recurso: chamar aquele que me habilitou, ou seja, aquele com
feições humanas, chifres, rabo, que se elegeu para o cargo mais
importante, um que não tem escolaridade e preparo nem para
ser gari, só foi porque teve uma história de vida sofrida.
PRESIDENTA: Está falando do ex?
ANTICRISTO: Sim, aquele para comunicar a grande massa de
continuar a batalha para o crescimento empregando aquele
populismo com suas práticas vulgares e suas atitudes
63
demagógicas, notadamente a concessão de benefícios sociais
através do aumento do gasto público. Isso mesmo, com o mito
do governo grátis. Não esqueça presidenta que ele lhe concedeu
os títulos de “mãe dos pobres” e “gestora exemplar”.
PRESIDENTA: Mas, com que argumento? Já usei tudo quanto é
merda. Nem eu que sou sociopata e cara de pau aguento mais.
ANTICRISTO: Use o argumentum ad populum que define um
raciocínio falacioso que consiste em dizer que determinada
proposição é verdadeira ou falsa simplesmente porque muitas
pessoas acreditam que seja assim. Por exemplo: a voz do povo é
a voz de Deus.
Eis que vão chegando às três mulheres ansiosamente aguar... da
... da. O queixo de todos cai ao ver que elas passam dos 2 metros
de altura, musculosas, com seus corpos e rostos cobertos com
cinzas, que assusta a presidenta. Mas, o tutor não perde a pose e
começa.
ANTICRISTO: Como a voz do povo é a voz de Deus. Os três
poderes tomaram a iniciativa de ouvir o povo através de vocês
três que são as pérolas negras do nosso país, a fim de
governarem com a voz de Deus. Por onde gostariam de começar.
PN1: Sobre questões que envolvem: honradez; fragilidade
quando postos numa situação de autoridade; cobiça;
rebaixamento humano; questão financeira que determina poder
e o próprio ato de ser. Enfim, tudo que diz respeito a vocês aqui.
64
PRESIDENTA (cochichando): Anticristo, já basta aquele erro de
indicação no Supremo Tribunal Federal, agora essas gigantes!?
ANTICRISTO: Deste modo, proponho que discutamos sobre o
que o governo reúne: a ética, no princípio moral; a justiça, no
poder judiciário; a política, nos poderes executivo e legislativo.
PN2: Gostaria de dar um exemplo semelhante ao que ouvi
“como a voz do povo é a voz de Deus” qual seja: "A maioria das
pessoas acredita em alienígenas, portanto eles existem."
ANTICRISTO: Comecemos com a ética. O personagem Ivan, no
romance Os Irmãos Karamazov de Dostoievski, afirma que “se
Deus não existe tudo é permitido”, isso seria uma proposta de
abolição ou fundamentação da ética? Acho que não, pois um
comportamento é correto quando adequado aos costumes
vigentes. Por exemplo, o costume de se votar no partido da ...
PN3: ... isso seria entender a ética como apenas uma simples
listagem das convenções sociais provisórias.
PN1: A ética não se baseia simplesmente nos costumes do povo
e dos ancestrais, nem nas leis exteriores, mas sim na convicção
pessoal adquirida na tentativa de compreender a justiça das leis.
PN2: Cristo trouxe a ética baseada no mandamento do amor ao
próximo. O capitalismo mais avançado a prega na vantagem
particular, como bom é o que ajuda o meu progresso
econômico, o meu sucesso pessoal. Assim agir eticamente ...
PRESIDENTA: ... é muito fácil, basta agir de acordo com o bem.
65
PN3: O bem comum! Torna-se difícil falar em ética num país
onde a propriedade é um privilégio tão exclusivo de poucos,
onde o emprego e o estudo de qualidade são quase que
proibições peculiares de muitos, onde a comunicação segue uma
lógica e sintaxe que aparecem nos noticiários atuais ligadas a
uma adição pura e simples do e, como “Mais um escândalo
financeiro e corrupto são soltos e aumenta os impostos e....”
ANTICRISTO: Comecemos com a ética, mas falando em ...
PN1: ... honradez! Num país que é septuagésimo segundo
colocado no ranking da corrupção. Em 2006 nas eleições para
presidente, senador e deputado federal e estadual, cerca de dez
milhões de eleitores receberam ofertas para vender seus votos.
De acordo com a opinião pública, os partidos políticos são as
instituições mais corruptas do mundo, depois deles estão os
governos, os empresários e a polícia.
PN2: Os governantes, os empresários, os representantes do
povo em geral estabelecem elos espirituais com as pessoas a
eles relacionadas; por isso, exercem grande influência sobre
quem se encontra sob o seu comando. Se, então, apresentarem
muitas impurezas na alma, estas indubitavelmente se refletirão
na maioria das pessoas que a eles estiverem ligadas. Dessa
forma, só poderão exercer sobre os seus subordinados uma
influência perniciosa. Portanto, somente quem tiver um caráter
elevado e grande sabedoria poderá ser um verdadeiro chefe de
governo, um líder, ou um autêntico representante do povo. Eis a
razão pela qual o dirigente é o responsável pela corrupção, o
66
declínio moral e o aumento da criminalidade do país que
governa, ou da empresa que preside.
ANTICRISTO: Estamos completamente de acordo, por isso nós
temos sempre reelegidos nossos candidatos. Veja o exemplo
desta reeleita que aqui está para dialogar com as pérolas negras.
PN3: Quem! Essa pilantra?
PRESIDENTA: Mas, não votaram em mim?
PN1: Aí pessoal, ela quer que a gente acredite em mamãe Noel.
PN2: Ô mãe dos pobres, esqueceu que a urna é eletrônica e
digamos viciada. Essa corrupção sem fim só ocorre porque à
massa está no nível infernal.
PRESIDENTA: Não têm ouvido que o nosso governo é honesto.
Todas as três balançam a cabeça afirmativamente.
PRESIDENTA: Pois é, se a gente diz que ele não é corrupto é
porque ele não é corrupto. Se duvidarem então pergunte ao
nosso Ministro da Justiça.
A gargalhada foi geral, inclusive do Anticristo, exceto o da
presidenta.
PN3 (rindo): Espera aí! Deus é justiça. No decorrer do tempo se
teve várias justiças, como a justiça romana com seu princípio
jurídico “dar a cada um o que é seu”, o que queria dizer “ao
escravo se dava a escravidão”, “ao desgraçado a desgraça”.
67
PN1: A justiça cristã antiga com a regra “a cada um segundo o
seu trabalho”. No socialismo prega-se “a cada um segundo a sua
capacidade.” No comunismo “a cada um segundo a sua
necessidade.”
PN2: Isso sem deixar de mencionar na justiça recente: “aquilo
que está em conformidade com o direito.”
PRESIDENTA: O que orgulhosamente praticamos no nosso país
quando chegamos ao poder. Por exemplo: o exercício por duas
legislaturas gera aos seus ocupantes uma aposentadoria
proporcional, isto é um direito adquirido.
A gargalhada novamente foi geral, exceto o da ...
PN3 (rindo): Isso é um injusto e discriminatório privilégio.
A autoridade do poder legislativo cochicha com a do judiciário.
PN1: Por que ficam na espreita sussurrando ao Invés da
transparência? Poder revogante ou poder constituinte, eis a
questão.
PN2: Não entendem não é mesmo? Vou explicar. Estes termos
referem-se ao Congresso Legislativo. De fato, a cada ano,
aprovam-se novas leis. Entretanto, isso não é motivo para
orgulho, pois as leis são instituídas porque o mal social aumenta.
Caso aumentasse o número de homens honestos, não haveria
necessidade de leis; portanto, não seria necessário instituí-las. O
verdadeiro progresso da cultura só terá sido alcançado quando a
função do Congresso Legislativo consistir em revogar as leis.
68
PN3: Gestão na condução de nação e negócio se assemelha na
atualidade a tapeação de menino. Quando os sistemas e regimes
vão maus é devido o governo e o povo terem aura debilitada.
Esperteza e fraude são o que comanda as eleições. A revolução
cultural é atacada pelos políticos diante de uma ralé enganada.
Cargos e postos são ocupados por apegados, ardilosos e
criminosos. Felizmente, ladrão não é necessário no Mundo Ideal.
PRESIDENTA: Vamos acabar com essas suas conversa
desinteressantes, dispensáveis e desprezíveis da elite branca, e
passem a escutar não o impacto de asteroide, não a pandemia
mundial, não a guerra nuclear, não a mudança climática, mas
sim a causa verdadeira do fim do mundo: o nosso Anticristo.
PN1: Que ele fale não para nós, mas sim para esses com falta de
nacionalismo e planejamento, esses com excesso de lerdezas,
lesares, consumismos, curiosidades boçais, que são facilmente
manipuláveis e que não sabem protestar.
Presidenta não mais se contendo de ser tanto ridicularizada,
explode de raiva ao pé do ouvido do Anticristo.
PRESIDENTA (cochichando): Vamos acabar com essa bagunça,
pois o Estado sou eu.
O maior consultor político com muita calma.
ANTICRISTO: Com gentileza pérolas negras dirijamo-nos a sala
ao lado para que os empresários as ouçam.
69
ECONOMIA
Não adianta, lá estão elas questionando o preço da construção.
PN2: Governo contratou essa empreitada que orçou preço em
100 milhões de dólares, explique como isso ser possível.
Quando os empreiteiros ia abrir a boca.
PRESIDENTA: Calados, não interrompam a super excelência ...
ANTICRISTO: Chega de elogios. Economia é a ciência social que
estuda a produção, distribuição e consumo de bens e serviços.
PN3: Ou ainda, que estuda as formas de comportamento
humano resultantes da relação existente entre as necessidades
intensas a satisfazer e os recursos escassos, o que envolve a
análise das escolhas afetadas por incentivos e ajudas.
PRESIDENTA: Ótimo, mas vamos focar na empresa.
PN1: Eu prefiro que seja na pobreza.
A presidenta ia ... mas o tutor chegou.
ANTICRISTO: Mas, o que da pobreza quer tratar? Pois, como
sabe, ela pode ser entendida em vários sentidos, como carência
material, carência de recursos econômicos, carência social,
carência hídrica e energética?
70
PN2: Ainda tem a carência espiritual.
PRESIDENTA: Nosso governo eliminou-a de nosso território.
PN3: Ô presidenta, as causas primeiras da pobreza e a sua
eliminação são uma questão altamente controversa e politizada.
PN1: Uns costumam olhar fatores estruturais que impedem o
crescimento econômico como a falta de um sistema de crédito,
o crime, a corrupção.
PRESIDENTA: No meu discurso eu já disse que ela inexiste?
PN2: E a carência de oportunidades, nomeadamente de
educação? O que diz seu discurso ela existe ou não?
PN3: Há os que apresentam a pobreza como carência espiritual.
ANTICRISTO: A correta é a de que a pobreza é considerada como
necessária e desejável, e deve ser aceita para alcançar certo
nível espiritual, moral ou intelectual, uma forma de
autodisciplina através do qual as pessoas se aproximam de Deus.
PN1: Ô Anticristo eu prefiro a explicação da causa da pobreza
aos fatores político-legais, como: inexistência ou mau
funcionamento de um sistema democrático, fraca igualdade de
oportunidades, corrupção.
PRESIDENTA (gritando): Corrupção não existe e ponto final.
71
E elas nem aí para aqueles berros.
PN2: Nos países ocidentais foram implementadas numerosas
medidas que construíram o chamado Estado Social.
PRESIDENTA: Pois é, fiquem sabendo que ele foi criado pelo ex e
desenvolvido por mim.
A gargalhada novamente foi geral.
PRESIDENTA (irada): Que riso frouxo é esse? Por que dessa falta
de culto a personalidade do nosso amado ex: o acusador.
Tutor no ouvido de modo que ela fica aparentemente calma.
PRESIDENTA: Caríssimas pérolas negras, nobres representantes
do povo brasileiro, como definem a pobreza?
PN3: Ora, com os bolsos sempre vazios, as pessoas não tem
vitalidade. Mesmo que se enfeitem exteriormente, são pobres
material e espiritualmente.
PN1: Pobreza material. Quando sentimos fome, por exemplo, só
podemos ficar tranquilos se tivermos certeza de que alguém nos
trará comida.
PRESIDENTA (espantada): Pobreza espiritual?
PN2: Sim, como a pobreza de conhecimentos.
PRESIDENTA: Pelas estatísticas do meu governo as duas ...
72
PN3: Estas estatísticas forçam a inteligência para falsear a vida e
lutam no sentido de enganar o próximo. Pobres de espírito os
que julgam ser isso esperteza!
PRESIDENTA: Olhem não estou entendendo mais nada, não
estou acostumada a ouvir o povo. Com licença tenho que saber
o que dizer, vou consultar o nosso Anticristo.
ANTICRISTO: Do jeito que vão as coisas, só nos resta ir até o ex.
PN1: Cuidado que pobreza espiritual termina resultando em
pobreza material. É preciso saber ainda o que acontece com os
que são avarentos no Mundo Material, apesar de possuírem
muito dinheiro. Trata-se de pessoas materialmente ricas, mas
espiritualmente pobres. Passando para o Mundo Espiritual,
ficam numa situação de penúria e reconhecem seu erro.
PRESIDENTA: Por isso que criamos o programa bolsa família.
PN2: Ih! Que mistura confusa do mesmo. Deixe-me ajudá-la pelo
menos explicando uma coisa: muitos vivem pobres porque estão
no nível de ser pobre, ou seja, estão numa camada
correspondente ao nível das pessoas pobres no Mundo
Espiritual. Não adianta simplesmente dar dinheiro, entendeu?
PN3: A solução da pobreza está na: centralização em Deus,
obedecer A Suas leis e educação espiritualista; elevação
espiritual via sofrimento, virtude e belo; saldar dívida e começar
de forma pequena; dedicação monetária; Altruísmo, desapegar,
ter fé e esforçar-se, ser confiável e justo; ser útil à Obra Divina.
PRESIDENTA: Por isso que em quaisquer circunstâncias ...
73
PN1: ... o ser humano deve conquistar, em primeiro lugar, a
confiança de todos. Não há riqueza maior. Da riqueza chamada
confiança surge “juros” sem limites, e mesmo que, socialmente,
lhes faltem recursos, os “ricos” desta ordem nunca ficarão em
má situação. Por esse motivo, enquanto as pessoas não crerem
na existência de Deus, nada há de dar certo com eles. Para isso,
só há um caminho: a fé. Aqueles que a têm, são possuidores de
um tesouro sem limites e, além de verdadeiramente felizes, são
criaturas da ganância mais autênticas. E não essa dos aqui
presentes.
PN2: Nenhum tesouro, por mais valioso que seja, supera o
tesouro da honestidade. A maioria das pessoas pensa que
ninguém consegue fama, riqueza ou chegar à presidência de
qualquer coisa apenas com honestidade, julgando inevitável a
utilização de alguns meios ilícitos, mal feitos, ... roubos isso sim.
PN3: Sabemos que serão mais felizes aqueles que praticarem
maior número de ações louváveis. Já imaginaram que povo e
que nação surgiriam, se todas as pessoas se unissem para
praticar o bem? Um país assim seria alvo de respeito universal.
Poderia ser considerado como uma parcela do Paraíso Terrestre,
pois, com o tempo, desapareceriam todos os problemas de
ordem moral, toda doença, toda pobreza e todo conflito. Seria
como “bater com o martelo no chão” - a pancada não poderia
falhar.
PRESIDENTA: Por isso que em quaisquer circunstâncias nós
primamos por sermos confiáveis, honestos e praticantes do
bem. Por isso que em quaisquer circunstâncias ...
PN1: ... os eleitos devem descer do palanque e deixar de posar
como oposicionista.
74
ANTICRISTO (despistando): Como íamos falando, a pobreza ...
PN2: Alguns índices internacionais sugerem uma série de
condições que ajudam a aumentar o crescimento e a reduzir a
pobreza. Entre estes se tem a redução das barreiras para a
criação de empresas e assim de empregos, trazendo mais
pessoas para a economia formal.
PRESIDENTA: Pelas estatísticas estamos em pleno emprego.
PN3: Conta outra, mas, não para nós. Pois, na atualidade, está
presente uma forte insegurança nos trabalhadores, pois a
globalização e a modernização têm ocasionado renovação
constante, exigência de qualidade e número expressivo de
desemprego. Até os que têm emprego estão forçados há labutar
muitas horas por dia, sem ânimo, alegria e esperança, mas
apenas para se mantiver vivos, afogados num lamaçal de
preocupações, motivados pelas dificuldades financeiras e por
doenças proporcionadas pelo próprio trabalho. E o transporte ...
PN1: Isso tudo acarreta a necessidade de uma reflexão sobre a
empresa, uma conscientização daquela empresa que se tem e
daquela que é desejada, na qual já se trabalha ou na que se quer
trabalhar. Seria ela uma companhia progressista ou decadente?
Uma firma futurosa ou passadista?
PN2: Nos dias de hoje, os mais esclarecidos, já sabem que toda
criação tem matéria e espírito e, entre estes, situações
intermediárias de semi-matéria ou semi-espírito, que será
75
chamado de espírito-matéria. Assim, se pode dizer que qualquer
coisa criada tem três elementos: 1º) matéria, que é a realidade
sensível, a forma; 2º) espírito-matéria, realidade perceptível,
função; 3º) espírito, realidade etérea, realidade volátil, missão.
PRESIDENTA: Isso é papa furado de esotérico, tem exemplo do
que afirmam?
PN3: Exemplificando com um computador: sua forma pode ser
sentida ao tatear seu contorno ou vê-lo exposto como num
desenho. Sua função pode ser percebida ao ligá-lo com o digitar,
armazenar, calcular e programar. Já sua missão, por ser
insensível e imperceptível, só pode ser conhecida ao consultar o
manual do fabricante ou alguém que conheça sobre processar,
automatizar e transmitir informações.
PN1: Exemplificando com o ser mais evoluído das criações, o
homem, especificamente com ele diante da medicina: a forma
humana é tratada na medicina pela Anatomia; a função do ser
humano pela Fisiologia; e a missão do homem? Existe
Missiologia?
PN2: Exemplificando, agora, com o homem em vez de diante da
medicina, ele ser examinado pela religião. Nesse caso, sua forma
não seria a anatomia, mas sim seu corpo material. Sua função,
em vez de fisiologia, seria o pensamento. E sua missão?
Encontraria o mesmo silêncio da missiologia? Obviamente que
não! Pois, uma boa parcela das religiões sabe que a missão do
76
ser humano está na alma. Em resumo, a forma, função e missão
do homem diante da religião é corpo, pensamento e alma.
PN3: Após discorrer sobre a criação de modo amplo,
particulariza-se sobre esse algo criado chamado empresa
fazendo uma metáfora com a criação do homem sob a ótica
religiosa.
PN1: Desse modo, a empresa, além de ter matéria, espírito-
matéria e espírito, ou seja, realidade sensível, realidade
perceptível e realidade etérea, ou ainda, forma, função e missão,
ela tem corpo, pensamento e alma.
PN2: As empresas de acordo com a predominância do corpo, do
pensamento ou da alma, podem ser classificadas,
respectivamente, em: Empresa-Corpo, Empresa-Pensamento e
Empresa-Alma.
PRESIDENTA: As nossas estatais são empresas ... não sei qual
dessas três é a mais categorizada. Vou perguntar ao ...
ANTICRISTO: A mim não, pergunte ao ex que sabe de tudo, fala
de tudo, age com tudo.
PN3: Contudo, quaisquer que sejam as dificuldades, a presidenta
já deve ter ouvido falar em espírito de busca, não? Por que em
vez de ficar ouvindo as besteiras ideológicas do ex não ...
ANTICRISTO: Com gentileza pérolas negras ...
77
IDEOLOGIA
PRESIDENTA: Jornalistas da nossa imprensa: o que é ideologia?
(silêncio sepulcral) Quando não tem de falar querem falar,
quando tem de falar não falam. Que democracia é essa!
PN1: Ideologia é um termo usado no senso comum como
conjunto de idéias, doutrinas e visões de mundo de um indivíduo
ou de um grupo, orientado para suas ações sociais e,
principalmente, políticas.
PN2: Napoleão chamou os "ideólogos" no sentido de
"deformadores da realidade". Karl Marx como uma consciência
falsa proveniente da divisão do trabalho manual e intelectual.
PN3: Nessa divisão surgem os intelectuais que inverte ou
camufla a realidade para os ideais ou vontades da classe
dominante. A ideologia pode ser considerada assim um
instrumento de dominação que age através do convencimento e
não da força, em forma de normatizar ou aconselhar, alienando
a consciência humana e mascarando a realidade.
ANTICRISTO: Depois de Marx, temos a ideologia materializada
nas práticas das instituições e o discurso como luta de classes.
PN1: Luta de classes? Aqui! Aqui não passa de um fomento de
perpetuação no poder de uns oportunistas que vieram de baixo,
como é o caso do acusador, caluniador e manipulador. Sim,
como é o caso de ex.
78
PRESIDENTA: Vocês estão é querendo plantar a desarmonia
entre o ex e os vassalos.
PN2: A dialética da harmonia nos ensina que a desarmonia é
produto da visão estreita; e a harmonia, produto da visão ampla.
Ou seja, depende do nível espiritual, pois quanto mais elevada
for uma pessoa, mas ela vê que tudo está harmonizado.
PN3: Até hoje, o Oriente se ateve à linha vertical e o Ocidente
seguiu o caminho da horizontalidade. Entretanto, ambas
apresentam falhas. Vai chegar, porém, um dia em que deverá
ocorrer o cruzamento dessas duas linhas determinando a fusão
da espiritualidade oriental com o materialismo ocidental. Como
resultado desse entrelaçamento, surgirá uma nova cultura
completa. Eis aqui também o significado oculto da cruz, símbolo
do Cristianismo, ou da cruz gamada no Budismo.
PRESIDENTA: Por isso que no nosso governo defendemos os
menos favorecidos juntamente com a ideia de que tal como os
indivíduos, cada país possui uma ideologia cultural particular.
PN1: Tratando-se de ideologia, só o cosmopolitismo é
verdadeiro e traz a segurança para as pessoas.
ANTICRISTO: grande verdade exposta pelas pérolas negras. Por
isso que a presidenta vem discursando sobre a segurança.
PN2: E enquanto ela discursa, nunca houve um número tão
grande de criminosos no país.
79
PN1: Esses são apenas os casos que vêm à tona eventualmente,
não passando da pequena parte visível de um “iceberg”. Os
males sociais atual parecem não ter fim. É como se fosse um
monte de lixo tão grande que não se tem lugar para pisar.
Portanto, o grande problema com o qual nos defrontamos é
encontrar o meio de eliminar esse lixo.
ANTICRISTO: Nós estamos preocupados com o problema, e
vemos fazendo o maior esforço para encontrar uma solução.
PN2: Entretanto, por que não conseguem vislumbrar ao menos
uma pequena luz de esperança?
PRESIDENTA: Como não! Se nossas estatísticas mostram que ...
PN3: ... estão completamente fora do caminho certo. A falha é
que a civilização atual não alcançou um progresso total: somente
o lado material floresceu, o que representa apenas a metade. A
outra metade, isto é, a parte espiritual, é totalmente ignorada.
PRESIDENTA: As nossas estatísticas mostram que o nosso povo é
cristão e que assim ele deve obedecer aos mandamentos e as
autoridades constituídas desde o papa até ao presidente.
PN1: Os Mandamentos são como leis decretadas com o fim de
desestimular os pecados. As leis do homem, por sua vez,
destinam-se a manter a ordem estabelecida na sociedade e a
impor punições, se elas forem infringidas.
80
PN2: Ameaças e castigos não é a melhor maneira de impedir que
um homem pratique o mal. É a tendência de perpetrar o mal ou
de agir desonestamente que tem de ser eliminada, porque a
pessoa inclinada às práticas corruptas se deleita com elas.
PN3: Por exemplo, ganhar dinheiro por meios desonestos,
muitas vezes parece mais fascinante do que ganhá-lo
honestamente. Nesse caso, a natureza divina ou primordial está
debilitada, ocupando um baixo plano, fortalecendo assim, a
natureza inferior ou secundária. Quando a alma ocupa um plano
mais elevado, a pessoa é incapaz de agir mal.
PRESIDENTA: O que estão pregando? A anarquia de ficarmos
sem regulamentos legais e instituições penais?
PN1: Claro que não, pois isso é perigoso enquanto muitas
pessoas ainda permanecerem num baixo nível de consciência.
PN2: No entanto, apesar do rigor com que as leis são aplicadas,
há muita gente decidida a infringi-las, inclusive, às vezes,
homens de elevada posição social que ocupam altos cargos. O
“status” social da pessoa ou o cargo político que ocupa, não
significam, necessariamente, desenvolvimento espiritual.
PRESIDENTA: O que estão insinuando? Saibam que no nosso
esquerdismo não há nenhum desrespeitador de nenhuma lei.
Saibam que no nosso socialismo pardo, caboclo, cafuzo, confuso,
mulato, mameluco, maluco, ...
81
PN3: Tanto o capitalismo como o socialismo, o comunismo, o
populismo, o esquerdismo, e demais “ismos" surgiram por uma
necessidade e pela mesma razão serão reduzidos e extintos.
PN1: Até hoje, entretanto, considerando a cor de seu país a
melhor de todas; os homens quiseram pintar o quadro somente
com essa cor. Por analogia, os “ismos” ou ideologias podem ser
comparados às tintas fabricadas por cada país.
Consequentemente, uma nação não pode tentar pintar além da
sua linha limite, porque isso provoca atritos com os outros.
ANTICRISTO: Qual a convicção das pérolas negras de modo que
se tenha a visão de mundo perfeito?
PN2: A convicção de que é necessário adotar uma justa medida.
PN3: Aquela de se dedicar tanto ao seu trabalho para si como
quanto para Deus. Essa justa medida ou temperança é o ponto
intermediário entre o horizontal e o vertical. Isto significa não
inclinar-se excessivamente para nenhum dos dois lados, mas
seguir o caminho do meio, pois todos extremos perecerão.
ANTICRISTO: Por que desta crença que os ismos acabarão?
PN1: Porque tanto o Capitalismo como o Comunismo são
princípios materialistas.
PN2: Nascerá uma ideologia cultural elevada que não tende nem
para a direita e nem para a esquerda. Esta ideologia, doravante,
82
liderará o mundo sendo a manifestação de uma profunda
administração de Deus.
PN3: Teremos a harmonização e controle entre a Cultura
Espiritual e Material em forma da cruz (+). É nascimento da
Cultura que une o vertical com o horizontal.
PRESIDENTA (debochando): Isso me parece um se manter
sempre no centro, algo como o PMDB, sempre apoiando o
governo de plantão.
PN1: Sim, é um princípio imparcial que é simultaneamente os
extremos. Ilustra tanto o aspecto horizontal da vida, semelhante
à da água que se estende perpetuamente em nível horizontal,
unindo irmão com irmão; quanto o aspecto vertical, semelhante
à atividade do fogo que queima em profundidade e dirige suas
chamas para o alto, unindo o homem a Deus.
PN2: O vertical é estrito e intransigente, seu temperamento é
regido por padrões frequentemente rígidos e restritos, tende a
ser mais crítico do que os outros e a classificar as coisas como
"boas" ou "más". O horizontal geralmente é liberal, sempre
disposto a mudar, tende a um liberalismo excessivo por lhe
faltar uma orientação espiritualmente profunda.
PRESIDENTA (debochando): Isso me parece simbolizar a cruz
equilibrada, indicando a perfeita harmonia entre a direita e a
esquerda. (irritada): Deixem de baboseiras, vejam que até as
plantas e árvores crescem verticalmente em direção ao céu e
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2
Conversando 2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reflexões sobre Allan Kardec
Reflexões sobre Allan KardecReflexões sobre Allan Kardec
Reflexões sobre Allan Kardec
Helio Cruz
 
Aconteceu na casa espírita
Aconteceu na casa espíritaAconteceu na casa espírita
Aconteceu na casa espírita
Tatiana Lucas
 
Huberto rohden a metafísica do cristianismo
Huberto rohden   a metafísica do cristianismoHuberto rohden   a metafísica do cristianismo
Huberto rohden a metafísica do cristianismo
Universalismo Cultura
 
Fenomesp
FenomespFenomesp
Fenomesp
cab3032
 
Huberto Rohden - O Triunfo da Vida sobre a Morte
Huberto Rohden - O Triunfo da Vida sobre a MorteHuberto Rohden - O Triunfo da Vida sobre a Morte
Huberto Rohden - O Triunfo da Vida sobre a Morte
universalismo-7
 
Ação e reação
Ação e reaçãoAção e reação
Ação e reação
guestae3c203
 
Carta 4
Carta 4Carta 4
Esboço de lucas
Esboço de lucasEsboço de lucas
Esboço de lucas
welingtonjh
 
Aconteceu na casa espírita
Aconteceu na casa espíritaAconteceu na casa espírita
Aconteceu na casa espírita
Sonia Ishibashi
 
Aldous huxley – as portas da percepção
Aldous huxley – as portas da percepçãoAldous huxley – as portas da percepção
Aldous huxley – as portas da percepção
Luara Schamó
 
O Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina Espirita
O Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina EspiritaO Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina Espirita
O Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina Espirita
contatodoutrina2013
 
Herculano pires o mistério do ser ante a dor e a morte
Herculano pires   o mistério do ser ante a dor e a morteHerculano pires   o mistério do ser ante a dor e a morte
Herculano pires o mistério do ser ante a dor e a morte
Claudia Ruzicki Kremer
 
O lado negro do espiritismo
O lado negro do espiritismoO lado negro do espiritismo
O lado negro do espiritismo
REFORMADOR PROTESTANTE
 
História de um diagnóstico complicado general levino cornélio wischral
História de um diagnóstico complicado   general levino cornélio wischralHistória de um diagnóstico complicado   general levino cornélio wischral
História de um diagnóstico complicado general levino cornélio wischral
Fernando Fernandes
 
Rastros de luz 08
Rastros de luz 08Rastros de luz 08
Rastros de luz 08
MRS
 
J. herculano pires o mistério do ser ante a dor e a morte
J. herculano pires   o mistério do ser ante a dor e a morteJ. herculano pires   o mistério do ser ante a dor e a morte
J. herculano pires o mistério do ser ante a dor e a morte
Helio Cruz
 
Huberto Rohden - Estratégias de Lúcifer
Huberto Rohden - Estratégias de LúciferHuberto Rohden - Estratégias de Lúcifer
Huberto Rohden - Estratégias de Lúcifer
universalismo-7
 
Evangelho de escândalo
Evangelho de escândaloEvangelho de escândalo
Evangelho de escândalo
Portal Cristão
 

Mais procurados (18)

Reflexões sobre Allan Kardec
Reflexões sobre Allan KardecReflexões sobre Allan Kardec
Reflexões sobre Allan Kardec
 
Aconteceu na casa espírita
Aconteceu na casa espíritaAconteceu na casa espírita
Aconteceu na casa espírita
 
Huberto rohden a metafísica do cristianismo
Huberto rohden   a metafísica do cristianismoHuberto rohden   a metafísica do cristianismo
Huberto rohden a metafísica do cristianismo
 
Fenomesp
FenomespFenomesp
Fenomesp
 
Huberto Rohden - O Triunfo da Vida sobre a Morte
Huberto Rohden - O Triunfo da Vida sobre a MorteHuberto Rohden - O Triunfo da Vida sobre a Morte
Huberto Rohden - O Triunfo da Vida sobre a Morte
 
Ação e reação
Ação e reaçãoAção e reação
Ação e reação
 
Carta 4
Carta 4Carta 4
Carta 4
 
Esboço de lucas
Esboço de lucasEsboço de lucas
Esboço de lucas
 
Aconteceu na casa espírita
Aconteceu na casa espíritaAconteceu na casa espírita
Aconteceu na casa espírita
 
Aldous huxley – as portas da percepção
Aldous huxley – as portas da percepçãoAldous huxley – as portas da percepção
Aldous huxley – as portas da percepção
 
O Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina Espirita
O Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina EspiritaO Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina Espirita
O Paralelismo entre a Religião Celta e a Doutrina Espirita
 
Herculano pires o mistério do ser ante a dor e a morte
Herculano pires   o mistério do ser ante a dor e a morteHerculano pires   o mistério do ser ante a dor e a morte
Herculano pires o mistério do ser ante a dor e a morte
 
O lado negro do espiritismo
O lado negro do espiritismoO lado negro do espiritismo
O lado negro do espiritismo
 
História de um diagnóstico complicado general levino cornélio wischral
História de um diagnóstico complicado   general levino cornélio wischralHistória de um diagnóstico complicado   general levino cornélio wischral
História de um diagnóstico complicado general levino cornélio wischral
 
Rastros de luz 08
Rastros de luz 08Rastros de luz 08
Rastros de luz 08
 
J. herculano pires o mistério do ser ante a dor e a morte
J. herculano pires   o mistério do ser ante a dor e a morteJ. herculano pires   o mistério do ser ante a dor e a morte
J. herculano pires o mistério do ser ante a dor e a morte
 
Huberto Rohden - Estratégias de Lúcifer
Huberto Rohden - Estratégias de LúciferHuberto Rohden - Estratégias de Lúcifer
Huberto Rohden - Estratégias de Lúcifer
 
Evangelho de escândalo
Evangelho de escândaloEvangelho de escândalo
Evangelho de escândalo
 

Semelhante a Conversando 2

Isis sem véu 3 h p blavatsky
Isis sem véu 3   h p blavatskyIsis sem véu 3   h p blavatsky
Isis sem véu 3 h p blavatsky
Nunes 777
 
Huberto rohden catecismo da filosofia
Huberto rohden   catecismo da filosofiaHuberto rohden   catecismo da filosofia
Huberto rohden catecismo da filosofia
Universalismo Cultura
 
Huberto Rohden - Catecismo da Filosofia
Huberto Rohden - Catecismo da FilosofiaHuberto Rohden - Catecismo da Filosofia
Huberto Rohden - Catecismo da Filosofia
universalismo-7
 
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
José Lima
 
Agonia das relegiões
Agonia das relegiõesAgonia das relegiões
Agonia das relegiões
eneci
 
A era da igreja de laodicéia
A era da igreja de laodicéiaA era da igreja de laodicéia
A era da igreja de laodicéia
Marcos Ribeiro
 
Tradução Feita a Partir do Original Francês Initiations Paris 1926
Tradução Feita a Partir do Original Francês Initiations Paris 1926Tradução Feita a Partir do Original Francês Initiations Paris 1926
Tradução Feita a Partir do Original Francês Initiations Paris 1926
RODRIGO ORION
 
Huberto rohden aconteceu entre os anos 2000 e 3000
Huberto rohden   aconteceu entre os anos 2000 e 3000Huberto rohden   aconteceu entre os anos 2000 e 3000
Huberto rohden aconteceu entre os anos 2000 e 3000
Universalismo Cultura
 
Deus e Jesus
Deus e JesusDeus e Jesus
Deus e Jesus
celsocs
 
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade MédiaFilosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Luci Bonini
 
A CAMINHO DA LUZ
A CAMINHO DA LUZA CAMINHO DA LUZ
A CAMINHO DA LUZ
Francisco Baptista
 
8 chico xavier-emmanuel-a-caminhodaluz
8 chico xavier-emmanuel-a-caminhodaluz8 chico xavier-emmanuel-a-caminhodaluz
8 chico xavier-emmanuel-a-caminhodaluz
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
A caminho da luz (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
A caminho da luz (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)A caminho da luz (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)
A caminho da luz (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
Ricardo Akerman
 
O que é escatologia
O que é escatologiaO que é escatologia
O que é escatologia
Edison Junior
 
Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24
Candice Gunther
 
436 no roteiro de jesus
436 no roteiro de jesus436 no roteiro de jesus
436 no roteiro de jesus
Adolfo Wanier
 
6 chico xavier-humbertodecampos-brasilcoraçãodomundopátriadoevangelho
6 chico xavier-humbertodecampos-brasilcoraçãodomundopátriadoevangelho6 chico xavier-humbertodecampos-brasilcoraçãodomundopátriadoevangelho
6 chico xavier-humbertodecampos-brasilcoraçãodomundopátriadoevangelho
Ana Carolina Vieira Chierici
 
Apresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espírita
Apresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espíritaApresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espírita
Apresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espírita
grupodepaisceb
 
A caminho da luz (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
A caminho da luz (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)A caminho da luz (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)
A caminho da luz (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
Bruno Bartholomei
 
Catarina doherty-deserto-vivo-poustinia-pt
Catarina doherty-deserto-vivo-poustinia-ptCatarina doherty-deserto-vivo-poustinia-pt
Catarina doherty-deserto-vivo-poustinia-pt
Antonio Garcia
 

Semelhante a Conversando 2 (20)

Isis sem véu 3 h p blavatsky
Isis sem véu 3   h p blavatskyIsis sem véu 3   h p blavatsky
Isis sem véu 3 h p blavatsky
 
Huberto rohden catecismo da filosofia
Huberto rohden   catecismo da filosofiaHuberto rohden   catecismo da filosofia
Huberto rohden catecismo da filosofia
 
Huberto Rohden - Catecismo da Filosofia
Huberto Rohden - Catecismo da FilosofiaHuberto Rohden - Catecismo da Filosofia
Huberto Rohden - Catecismo da Filosofia
 
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
Comentário: 12° Domingo Tempo Comum - Ano C
 
Agonia das relegiões
Agonia das relegiõesAgonia das relegiões
Agonia das relegiões
 
A era da igreja de laodicéia
A era da igreja de laodicéiaA era da igreja de laodicéia
A era da igreja de laodicéia
 
Tradução Feita a Partir do Original Francês Initiations Paris 1926
Tradução Feita a Partir do Original Francês Initiations Paris 1926Tradução Feita a Partir do Original Francês Initiations Paris 1926
Tradução Feita a Partir do Original Francês Initiations Paris 1926
 
Huberto rohden aconteceu entre os anos 2000 e 3000
Huberto rohden   aconteceu entre os anos 2000 e 3000Huberto rohden   aconteceu entre os anos 2000 e 3000
Huberto rohden aconteceu entre os anos 2000 e 3000
 
Deus e Jesus
Deus e JesusDeus e Jesus
Deus e Jesus
 
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade MédiaFilosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
 
A CAMINHO DA LUZ
A CAMINHO DA LUZA CAMINHO DA LUZ
A CAMINHO DA LUZ
 
8 chico xavier-emmanuel-a-caminhodaluz
8 chico xavier-emmanuel-a-caminhodaluz8 chico xavier-emmanuel-a-caminhodaluz
8 chico xavier-emmanuel-a-caminhodaluz
 
A caminho da luz (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
A caminho da luz (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)A caminho da luz (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)
A caminho da luz (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
 
O que é escatologia
O que é escatologiaO que é escatologia
O que é escatologia
 
Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24Estudo do livro Roteiro lição 24
Estudo do livro Roteiro lição 24
 
436 no roteiro de jesus
436 no roteiro de jesus436 no roteiro de jesus
436 no roteiro de jesus
 
6 chico xavier-humbertodecampos-brasilcoraçãodomundopátriadoevangelho
6 chico xavier-humbertodecampos-brasilcoraçãodomundopátriadoevangelho6 chico xavier-humbertodecampos-brasilcoraçãodomundopátriadoevangelho
6 chico xavier-humbertodecampos-brasilcoraçãodomundopátriadoevangelho
 
Apresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espírita
Apresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espíritaApresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espírita
Apresentacao Grupo de pais - 30.03.2013 - Jesus e a doutrina espírita
 
A caminho da luz (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
A caminho da luz (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)A caminho da luz (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)
A caminho da luz (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
 
Catarina doherty-deserto-vivo-poustinia-pt
Catarina doherty-deserto-vivo-poustinia-ptCatarina doherty-deserto-vivo-poustinia-pt
Catarina doherty-deserto-vivo-poustinia-pt
 

Mais de ValSony

Izunome%20mar%c3%a7o%20 %20revista%20completa
Izunome%20mar%c3%a7o%20 %20revista%20completaIzunome%20mar%c3%a7o%20 %20revista%20completa
Izunome%20mar%c3%a7o%20 %20revista%20completa
ValSony
 
Izunome%20fevereiro%20 %20revista%20completa
Izunome%20fevereiro%20 %20revista%20completaIzunome%20fevereiro%20 %20revista%20completa
Izunome%20fevereiro%20 %20revista%20completa
ValSony
 
Izunome%20abril%20 %20revista%20completa
Izunome%20abril%20 %20revista%20completaIzunome%20abril%20 %20revista%20completa
Izunome%20abril%20 %20revista%20completa
ValSony
 
temas de reflexao
temas de reflexaotemas de reflexao
temas de reflexao
ValSony
 
Documento1
Documento1Documento1
Documento1
ValSony
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
ValSony
 
Conversando 1
Conversando 1Conversando 1
Conversando 1
ValSony
 
Casamento
CasamentoCasamento
Casamento
ValSony
 
Agostinho de hipona_confessiones_livros_vii_x_xi
Agostinho de hipona_confessiones_livros_vii_x_xiAgostinho de hipona_confessiones_livros_vii_x_xi
Agostinho de hipona_confessiones_livros_vii_x_xi
ValSony
 
Abertura 2015
Abertura   2015Abertura   2015
Abertura 2015
ValSony
 

Mais de ValSony (10)

Izunome%20mar%c3%a7o%20 %20revista%20completa
Izunome%20mar%c3%a7o%20 %20revista%20completaIzunome%20mar%c3%a7o%20 %20revista%20completa
Izunome%20mar%c3%a7o%20 %20revista%20completa
 
Izunome%20fevereiro%20 %20revista%20completa
Izunome%20fevereiro%20 %20revista%20completaIzunome%20fevereiro%20 %20revista%20completa
Izunome%20fevereiro%20 %20revista%20completa
 
Izunome%20abril%20 %20revista%20completa
Izunome%20abril%20 %20revista%20completaIzunome%20abril%20 %20revista%20completa
Izunome%20abril%20 %20revista%20completa
 
temas de reflexao
temas de reflexaotemas de reflexao
temas de reflexao
 
Documento1
Documento1Documento1
Documento1
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
 
Conversando 1
Conversando 1Conversando 1
Conversando 1
 
Casamento
CasamentoCasamento
Casamento
 
Agostinho de hipona_confessiones_livros_vii_x_xi
Agostinho de hipona_confessiones_livros_vii_x_xiAgostinho de hipona_confessiones_livros_vii_x_xi
Agostinho de hipona_confessiones_livros_vii_x_xi
 
Abertura 2015
Abertura   2015Abertura   2015
Abertura 2015
 

Último

A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 

Último (16)

A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 

Conversando 2

  • 1. 1 CONVERSANDO SOBRE A “BÍBLIA DO SÉCULO XXI” V 2 – ULTRA-RELIGIÃO, COLUNAS, PODERES, BENS E FINS Charles Guimarães Filho
  • 2. 2
  • 3. 3 INTRODUÇÃO “Bíblia do Século XXI” é uma coleção que sistematiza os Ensinamentos do Messias vista como sua Filosofia Religiosa “Deus ao Reino do Céu na Terra”, que segue uma ordenação e estruturação da evolução do Ser Supremo até o Paraíso Terrestre, com a seguinte visualização: Conversando sobre a “Bíblia do Século XXI” era para ser uma coleção em seis volumes, um para cada patamar acima mencionado, abordando aspectos das mudanças de paradigmas de cada um dos degraus em forma de leitura dramatizada. Isso foi feito apenas para o primeiro volume compreendendo quatro
  • 4. 4 tópicos, norteando-se por este se teria em seis volumes um total de 24 tópicos o que daria dois anos e meio, tempo considerado demasiado pelas experiências vivenciadas. Observa-se que se teriam dois anos e meio porque estes eventos são mensais (todas primeiras 3ª feiras do mês, em duas horas) exceto o verão donde as atividades são interrompidas devido à sensação térmica excessiva na cidade do Rio de Janeiro. Logo, o ano de atividades é composto de nove meses. Assim, a coleção tem dois volumes contendo 9 tópicos. Os conteúdos do primeiro volume sobre o primeiro patamar – Princípios - compreendem quatro leituras dramatizadas: Iniciação; Conceituação de Deus; O que é o Mundo; Constituição corporal do Homem. Os conteúdos deste segundo volume sobre os demais patamares são apenas as iniciações destes. Os objetivos são os de: Difundir a Ultra-Religião; Procurar contribuir com os que estudam e praticam os ensinamentos de Meishu-Sama; Cooperar no crescimento espiritual; Ajudar na pesquisa a Verdade; Auxiliar no conhecimento sobre a Fé Messiânica; Apoiar encaminhamento de pessoas à Igreja do Messias; Participar em prol da transparência religiosa; Colaborar na preparação do elemento humano para dedicar na Obra Divina; Mostrar como elaborar o projeto para construção do Mundo Ideal; Revolucionar o indivíduo e o mundo por meio da cultura. A metodologia é a exposição de uma hora em forma de leitura dramatizada sobre aspectos das mudanças de paradigmas dos degraus mencionados acima; na outra hora restante o autor responde às dúvidas dos alunos presentes no local ou que estejam inscritos no site mencionado abaixo.
  • 5. 5 ÍNDICE INICIAÇÃO À ULTRA-RELIGIÃO 007 Messias 009 Religião 017 Cultura 025 INICIAÇÃO ÀS COLUNAS 033 Johrei 035 Agricultura 043 Belo 051 INICIAÇÃO AOS PODERES 059 Governo 061 Economia 069 Ideologia 077 INICIAÇÃO AOS BENS 085 Saúde 087 Prosperidade 095 Paz 103 INICIAÇÃO AOS FINS 111 Felicidade 113 Cidade 121 Paraíso 129
  • 6. 6
  • 8. 8
  • 9. 9 MESSIAS Em Atenas na Grécia antiga, próximo de 400 a.C. no terceiro período da guerra do Peloponeso onde a democracia se encontra ameaçada está ocorrendo uma reunião dos grandes intelectuais. Quando uma cortesã de nome Mnesarete muito rica, bela e culta, considerada de extrema refinação, está oferecendo para reconstruir os muros de Tebas que haviam sido destruídos por Alexandre, o Grande. Mas, ao mesmo tempo, ... MNESARETE: Reconstruo-os desde que em cima dos muros sejam inscritos as palavras “Destruído por Alexandre, restaurado por Friné a hetaira”. DIODORO: Eu não concordo. E quanto mais para por em cima do muro o seu apelido de Friné que quer dizer sapo. O orador Hipérides, um idoso e um dos amantes de Mnesarete, para evitar aquela situação complicada procura mudar a problemática por meio da oratória que lhe é peculiar, no que lhe viesse de pronto à cabeça. E assim foi feito. HIPÉRIDES (com oratória): Ó os que vivem em homenagem à deusa grega Atena, protegido por ela ser a deusa da guerra, o que acham da profecia que ouço pelas vozes do além dizendo que a palavra Messias se refere à vinda do libertador de Israel? Jovem Anaxímenes outro amante de Mnesarete por ser materialista ou por perceber a preferência desta por Hipérides.
  • 10. 10 ANAXÍMENES: Ó velho orador. Ao continuar ouvindo essas vozes do além vai passar para a história como um grande pateta e ... HIPÉRIDES: ... assassino, para a tragédia grega. Ouço também acerca do Messias: “O Salvador nasce no oriente, promove uma purificação pelo fogo e a Terra se torna um Paraíso”. O que é diferente do Buda pela sabedoria da terra com a libertação das penitências e ascetismos por meio dos sutras. Ou até desse que virá Cristo pelo amor da água com a redenção dos pecados. A salvação que Messias traz é tanto espiritual quanto material, bem como individual e social, mas apenas para 3% dos espíritos. Anaxímenes é ciúme, ela é obsessão pela sua oferta. MNESARETE: Diodoro, esse apelido de sapo se deve a minha tez amarelada. Mas, o que importa é saber se terei que esperar para reconstruir os muros pela vinda do libertador de Israel? DIODORO: Cuidado que a prostituição é severamente reprimida dentro da cultura judaica, até com a morte. MNESARETE: Sim, mas, aqui sou admirada, pois tenho que pagar pesados impostos ao Estado para praticar essa minha profissão. Aqui exerço grande poder político e sou extremamente respeitada. DIODORO: No entanto, mesmo aqui em Atenas não pode andar assim à vontade, deve utilizar as vestimentas que identifiquem as prostitutas, pois caso contrário será rigorosamente punida. Hipérides, mais uma vez, evitando aquela situação complicada.
  • 11. 11 HIPÉRIDES: Ouço também que essa palavra Messias é hebraica e significa “Salvador”. Os cristãos acreditarão que Jesus Cristo é o salvador, mas, na verdade, ele é e será apenas o Senhor da Redenção, o que é bem diferente de “Senhor da Salvação do Mundo”. Redentor é aquele que redimiu os pecados de todos os povos, tornando-se representante desses pecados, sacrificou sua vida para ser perdoado. Salvador não é aquele que é perdoado, e sim o que perdoa. (ordenando): E saí de mim destino trágico de ser assassino de meu ... ANAXÍMENES (debochando em estilo de oratória): Ah! As vozes. As eternas vozes que dirão quem sabe se numa época mais antiga não aconteceu um fato como este no mundo? Aquele não se importando com o deboche continua sua oratória. HIPÉRIDES (com oratória): Porém, as vozes dizem e eu ouço que: “Por ser esta a Segunda Abertura do Portal de Rocha do Céu”. ANAXÍMENES (irritado em estilo de oratória): E eu desisto, pois com sonhador deslumbrado não se discute. E ela distante desta conversa, tira suas roupas, solta seus cabelos e começa a dar mostra que iria sair daquele recinto, quando ... DIODORO: Hei, hei, hei. Onde pensa que vai assim em plena guerra do Peloponeso? MNESARETE: Vou ao Festival de Poisedon em Elêusis para entrar no mar e me banhar em suas águas. E quem sabe se lá não consigo fazer favores sexuais por uma boa soma em dinheiro?
  • 12. 12 DIODORO: Hei! Vocês dois aí. Como amantes dela, parem com essa discussão. Reparem que Mnesarete está despida e que aí fora tem homens em guerra. Salvem a vida dela. Eles olham para ela e se entreolham e sem nada dizer a respeito não perdem o foco do Messias em questão. ANAXÍMENES: Chame o seu salvador criado pela sua mente para salvar a nossa Mnesarete. HIPÉRIDES: Salvador que é uma pessoa esperada ansiosamente, não é simplesmente um salva-vidas, isto é: um guarda que protege mulher da fúria de guerreiros; ou um nadador que socorre os banhistas em casos de afogamento; nem um cirurgião que trata as vítimas de acidente com hemorragias internas. Ou seja, não se resume a um salvar vida, pois o homem não é apenas um ser biológico, ele também é um ser lógico, racional, psicológico, social, ecológico, cultural, antropológico, moral, político e espiritual. Então Salvador deve ser aquele que também protege e ampara: a lógica; a razão; a mente; a convivência; as relações essenciais entre os seres vivos e o meio ambiente; os padrões civilizatórios; a natureza com suas classes, raças, gênero, cor e idade; as regras de conduta desejáveis num grupo social; a cidadania; o imaterial como, por exemplo, cuidar da doença com acompanhamento da saúde que não tem existência sensível, e principalmente a alma na sua ascensão para o céu. DIODORO: Parem com esses discursos estéreis e a salvem das espadas, lanças, dardos e pedras tão próximos de nós.
  • 13. 13 No entanto tal apelo é em vão. ANAXÍMENES: Do jeito que você fala Hipérides: o Redentor prometido é aquele Salvador não só do ser humano, mas também da sociedade, do povo, do planeta Terra. Enquanto isso, Mnesarete está sendo interceptada por Diodoro de modo que ela não saia na rua e quanto mais nua. DIODORO: O que você pensa que é? Uma menina num ritual de iniciação à prostituição quando atinge a puberdade? MNESARETE: Não. Mas, sim uma prostituta considerada grande sacerdotisa que recebe honras de verdadeira divindade e presente em troca de ... (pausa): Quer saber de uma coisa, saia do caminho de alguém com a profissão mais antiga do mundo. DIODORO: Isso não tem nenhum fundamento, pois as mais antigas são especializações em agricultura e caça. Do outro lado. HIPÉRIDES: A vinda do Salvador é um assunto tão sério que não pode ser discutido de maneira leviana. ANAXÍMENES: Velho, quem é esse tal de Messias nesse sonho? HIPÉRIDES: Não se pode não acreditar na sua viabilidade, pois a Vinda do Messias será prevista por grandes profetas e santos. (falando para si): Desapareça da minha frente seu assassinado.
  • 14. 14 ANAXÍMENES: Nossa! (refeito): E quando isso se dará? HIPÉRIDES: Da morte nada falo, mas da vinda anos depois em que haverá aumento da temperatura da Terra e as purificações vão ficando mais intensas. E eu afirmo que nem mesmo os descrentes poderão duvidar desse fato por essa época. ANAXÍMENES: Olhem aí o que diz nosso profeta e santo orador? Os dois que procuram se segurar e soltar, ficam curiosos e paralisam suas ações. E ele repete o que escutara de Hipérides. DIODORO: E quantos se salvarão? Todos, não? HIPÉRIDES: Não é bem assim porque o essencial não é salvar os seres vivos, mas sim edificar o paraíso na Terra. ANAXÍMENES: Mas, insisto saber quando isso se dará com uma resposta relacionada a fatos próximos e compreensíveis. HIPÉRIDES: Lembra-se de Dario – o Grande – com sua expedição para punir e subjugar a cidade-estado de Atenas por seu papel na Revolta Jônica? Pois bem, a construção do Segundo Templo de Salomão foi concluída durante o reinado dele. MNESARETE: E daí? HIPÉRIDES: E daí é que Jerusalém retomou o seu papel de capital de Judá e centro de culto judaico.
  • 15. 15 DIODORO: E daí? HIPÉRIDES: Quando ali for construído um solo sagrado, teremos o começo da formação do Paraíso Terrestre do Mundo inteiro. ANAXÍMENES: Mas, isso os judeus já vêm falando sobre esta profecia que o Salvador do Mundo irá vir até Jerusalém para abrir o portão dourado que estará fechado. HIPÉRIDES (recitando): “Assim, eu estou indo sempre em direção ao Oeste e, quando eu chegar ali, pela primeira vez abrirei.” (pausa): Aliás, salvar toda a humanidade significa ensinar a ela o caminho da vida eterna e assim acabar com a causa dos sofrimentos da humanidade, pois eles se originam na ignorância. E construir o paraíso ... MNESARETE: Com quais pessoas! HIPÉRIDES: Entre outras se tem as que dedicarão numa poderosa energia espiritual, na agricultura e no belo. Bem como, os intelectuais que entenderem ensinamentos. ANAXÍMENES: Como saber se eles entenderam ou não? HIPÉRIDES: Basta ver quem se interessa pelos ensinamentos. Caso contrário, deixe tais intelectuais de lado porque seu nome já foi apagado do “Livro da Vida”. Essa é a maneira mais certa de agir, pois não compensa o esforço de tentar obter a remissão para quem não a deseja. Além disso, perde-se a oportunidade de
  • 16. 16 ajudar aquele que está querendo ser salvo. Aliás, Deus deseja salvar primeiramente as pessoas intelectuais e as da classe alta, mas elas, normalmente, não se aproximam. O sonho do Messias dá lugar aquela tragédia que lhe persegue. HIPÉRIDES (aparentemente incorporado ou louco): Distanciando não é salvo, se aproximando eu mato. Fuja de mim sangue do meu sangue, isso se for possível traçar outro destino. DIODORO: Não nos faça perder mais tempo com esse desatino e essa falta de objetividade. Diga logo o nome desse Messias. HIPÉRIDES: Ó viventes na virgindade perpétua da deusa Atena. MNESARETE: E quem aqui vive nesse estado, seu bobo? Diga ... HIPÉRIDES: Eu digo que Buda foi o nome religioso do príncipe Sidarta Gautama, Cristo será o de Jesus de Nazaré. ANAXÍMENES: Mas, eles não são o Messias. Qual é o nome de ... HIPÉRIDES: Meishu-Sama é o nome religioso de Mokiti Okada. Foi acabar de mencionar nome do Messias para que se ouça a luta entre Esparta e Atenas com o bater de espadas e lanças e as consequências dos arremessos das balistas, catapultas e fundas. A democracia está em vias de morte pela força e pela fraqueza.
  • 17. 17 RELIGIÃO No Areópago que é o supremo tribunal de justiça de Atenas encarregado do julgamento de casos religiosos e políticos, Mnesarete está sendo acusada de profanar os Mistérios de Elêusi. Enigmas que celebram o regresso de Perséfone, filha de Deméter a terra-mãe e a deusa da agricultura. Um retorno visto como o regresso das plantas e da vida a terra, depois do inverno. HIPÉRIDES: Eu como defensor da réu Mnesarete atesto que ela só queria ir nua ao Festival de Poisedon em Elêusis não por considerar Poisedon sua divindade principal, mas sim por concebê-lo apenas como a divindade controladora dos mares e dos terremotos. MELETO: Eu Meleto como representante dos poetas e platonista acuso Mnesarete de se associar ao deus Poisedon associado a nações fora da Grécia como Troia, da qual os gregos nunca irão esquecer-se do conflito bélico com os troianos. HIPÉRIDES: Isso além de ser a muito tempo atrás, não se há de esquecer que Poisedon apoiou os gregos naquela ocasião. MELETO: Porém, cerne da questão é outro. Convoco Mnesarete a desmentir que Poisedon não seja a sua divindade principal. MNESARETE: Para mim, ele é do mesmo nível que a adorada Afrodite que controla o amor. Ela com seu Parthenon localizado sobre o Acrópole por ser a deusa associada à cidade de Atenas.
  • 18. 18 HIPÉRIDES: Isso sem deixar de mencionar que Afrodite também apoiou o lado grego na Guerra de Troia, juntamente com Poisedon. Isso sem deixar de mencionar que ela é misericordiosa. Para surpresa da réu e do seu defensor, eles escutam. DIODORO: Eu Diodoro como representante dos oradores acuso Mnesarete de querer profanar o Templo de Poisedon com sua nudez, ou quem sabe querer misturar religião com ... Hipérides como sempre querendo mudar a problemática para afastar a sua amada de um veredito desfavorável. HIPÉRIDES: ... política? Saiba que a nossa religião politeísta é uma religião progressista do tipo resistente que se fundamenta na estreita relação entre religião e política no sentido do desenvolvimento de uma política justa e políticos íntegros. Mais uma surpresa. Talvez não seja por culpa do destino. ANAXÍMENES: Eu Anaxímedes como representante dos políticos acuso Mnesarete de pregar nossa religião dissociada da política de forma passiva com base no princípio da absoluta “não resistência”, o que tem originado a não exterminação do mal. MELETO: Exatamente. Embora Mnesarete seja mencionada juntamente com amor e misericórdia que cativa à alma humana, tornando-se a fonte da fé, não impediu crescimento do mal.
  • 19. 19 ANAXÍMENES: Isso é comprovado pelo fato de homens bons viverem molestados por maus elementos e de homens honestos serem ludibriados. Hipérides tenta afastar com sua oratória veredito desfavorável. HIPÉRIDES: Diodoro fala em religião, enquanto Meleto fala em fé. É comum as pessoas pensarem que religião e fé significam a mesma coisa, mas, na verdade, há muitos aspectos em que uma e outra se diferenciam. Por exemplo, o provérbio popular “Não importa qual seja a crença, contanto que se creia”, é próprio da fé, e não da religião. Outro exemplo, ato de adorar monstruosas esculturas de pedra ou de madeira feitas por selvagens é um tipo de fé considerado de baixo nível pelas pessoas civilizadas. Entretanto, uma religião não é boa pelo simples fato de ser religião. MELETO: Mas religião é uma fé. Nós propomos uma deidade única transcendente e temos que a essência da fé, em poucas palavras, é “Ser amado por Deus” ou “Estar no agrado de Deus”. Deste modo, deve-se saber que tipo de pessoa é amada por Deus. E eu não acho que prostituta seja alguém amada por Deus. Mnesarete não se conteve e ... MNESARETE: Como não! Se religião é o amor de Afrodite que encaminha a felicidade, algo entrosado com a vida e não com a morte, como a arte e a política. O seu defensor aproveita e ...
  • 20. 20 HIPÉRIDES: E, além disso, o mais importante é procurar saber o que se deve fazer para ser do agrado de Deus. Qualquer pessoa de bom senso sabe que o que desagrada a Deus é agir fora do caminho. É algo extremamente simples: “Para mim, nada vai a contento. Sofro de necessidades materiais; meu trabalho não progride; meu crédito é fraco; não consigo me rodear de pessoas; minha saúde também é insatisfatória; do jeito que trabalho, não entendo por que não dá certo.” As pessoas que fazem esse tipo de comentário não estão sendo do agrado de Deus. Bastar estar no agrado d'Ele e o trabalho se desenvolve satisfatoriamente; as pessoas se juntam ao redor a ponto de incomodar; os recursos materiais chegam em tão grande quantidade, que mal se pode utilizá-los em sua totalidade. O mundo, então, se torna um lugar agradável de viver. DIODORO: E por acaso ela está numa situação agradável como acusada de profanar o Templo de Poisedon? Ela está é fora do caminho há muito tempo com sua pouca vergonha. HIPÉRIDES: A fé tem como principal objetivo a erradicação do egoísmo e do apego. E ela demonstrou que não é nem uma coisa nem outra ao ofertar reconstruir os muros de Tebas ... DIODORO: Sim, mas desde que em cima dos muros reconstruídos fossem inscritos as palavras “Destruído por Alexandre, restaurado por Friné a hetaira”. Isso é ser altruísta? E um murmurinho de apoio ao dito se fez ecoar no Areópago.
  • 21. 21 ANAXÍMENES: Eu não tenho dúvida nenhuma de que ela seja culpada. Por acaso, os outros dois acusadores também não creem na culpabilidade de Mnesarete? O balançar das duas cabeças afirmativamente confirmam. HIPÉRIDES: Crenças mais evoluídas pregam que a dúvida é o princípio da crença. Cada religião tem sua missão a fim de ... ANAXÍMENES: ... construir o Reino dos Céus na Terra? Uma condição necessária para isso é estreitar a relação entre Religião e Política, bem como enfatizar que ... DIODORO: ... o altruísmo é uma regra de ouro para todas elas. Ela profanou o Templo não só por ser alienada politicamente, mas também pela sua falta de altruísmo. Hipérides ao sentir que a situação não está nada favorável para sua cliente procura apelar para outro ambiente e dividi-los. HIPÉRIDES: A crença nas evocações é geral entre nós, não é verdade? Todos os templos possuem as chamadas "pitonisas", encarregadas de proferir oráculos evocando os deuses, não é verdade? Mas às vezes o consultante quer ele próprio ver e falar com a "sombra" desejada, então por que nós não fazemos isto para ver o é dito sobre esse julgamento? (tomado pela tragédia): Saí “sombra” que não quero ouvir sobre meu trágico futuro. Mas, os acusadores estão unidos e implacáveis no presente.
  • 22. 22 ANAXÍMENES: Velho Hipérides. As religiões mediúnicas são perigosas, não se devem praticar incorporações e o critério para analisá-las é o senso comum. Portanto, o meu ... MNESARETE: ... seu senso comum é não me perdoar pela minha predileção por Hipérides como meu defensor e meu amor. ANAXÍMENES: Eu vou é orar para Hades por você. MNESARETE: Para o deus dos mortos e do inferno? Em vez de orar, fazer prece com fervor, fico mais feliz se você se afastar de fé infantil e praticar, por inteiro ou pelo menos a metade, do que cuida o deus olímpico Dionísio do vinho, das festas e do êxtase. E que você seja protegido por Hermes que cuida dos ladrões. Anaxímenes tenta partir para cima dela, mas conteve sua fúria. No entanto, Hipérides parte para cima dele guardando punhal sem conter sua retórica. HIPÉRIDES: A missão de uma religião, fé, arte, política, paixão ou lá que seja se for de alto nível, é tirar as pessoas das torturas do Inferno e conduzi-las ao Céu, transformando a sociedade num paraíso. Para que acusador ou acusado seja conduzido ao Céu, é necessário que ele próprio se eleve, tornando-se um ente celestial, a fim de que, por sua vez, possa salvar o seu semelhante. Isso significa no sentido metafórico em pendurar a escada do Céu onde está à base até o Inferno e estender as mãos para puxar o homem, degrau por degrau. ANAXÍMENES: (debochando): Assim, quando os religiosos avançados argumentam com pessoas inteligentes, de nível
  • 23. 23 cultural elevado, principalmente entre a camada jovem, que, para solução do mal individual e social é preciso recorrer à religião, eles nem dão ouvidos. (pausa): Deixe de cinismo seu velho em pensar que esse julgamento tem como fim tirar as toruturas de Mnesarete e conduzí-la ao Céu. Saibam que a fé dos gregos é ... HIPÉRIDES: Não se pode esquecer que a justiça é o princípio da fé. Por mais autêntica que pareça, uma doutrina só pode ser considerada verdadeira se tiver fundamentada em leis justas. DIODORO: Nada disso! Basta estar fundamentada em dogmas. HIPÉRIDES: Dogmas! Isto são apenas declarações de homens acerca da verdade. As religiões existentes até hoje são quase todas infernais, ou seja, aterrorizam os adeptos com as divindades e os encarceram pelos dogmas, bem como, mesmo que eles vivam sob a verdade e o bem, negligenciam o belo, vestindo-se e comendo mal e morando em casas úmidas e sombrias. Já as religiões celestiais são alegres, ativas e não possuem segredo. Mas, o que se a de fazer se vocês entendem por fé celestial o que é fé infernal? ANAXÍMENES: (debochando): Não se preocupe com ela que de tão boa vai ser salva espiritualmente. Porém, seu lindo corpo material deve logo apodrecer ou na melhor das hipóteses ficar longos anos sofrendo em cima de uma cama. HIPÉRIDES: A verdadeira salvação só se completa quando ambas as partes forem atingidas: a matéria e o espírito. ANAXÍMENES: (debochando): Que tragédia grega, hein?
  • 24. 24 MNESARETE: Mais trágico e triste ainda é ficar longos anos sofrendo em cima de uma cama e sentir-se satisfeita porque a própria pessoa se julga salva. Essa atitude é totalmente ilusória, enganosa e contraditória, pois, em tais condições, o doente se conforma com o destino, suportando disfarçadamente o sofrimento, forçando uma aparência de satisfação. E o mais triste de tudo é achar que tal estado de sofrimento é uma graça dada por Deus e conquistada pela fé. Assim, então, embora com o físico destruído, a pessoa se considera salva espiritualmente. HIPÉRIDES: Lamentável, porém, torna-se a vida de quem está ao redor do doente. Não que ele próprio desconheça tal situação, mas, por estar dominado por tão profundo sofrimento físico, não lhe sobra espaço para pensar no desgaste enfrentado pelos familiares devido aos cuidados a ele dispensados. ANAXÍMENES: (irado): Fale, diga o que quiser em defesa de nossa amante que tanto lhe deseja, mas o destino dela já está traçado, a sorte dela é a sua desgraça. Você em breve estará ao redor do cadáver de Mnesarete. E não será porque você é velho. Quando Hipérides percebeu que o veredicto seria desfavorável, rasgou o manto da bela Mnesarete exibindo seus seios querendo mostrar que uma beleza como aquela não devia ser destruída. Ela logo após tira suas roupas conseguindo com isso a mudança no julgamento dos juízes que a absolvem. A mudança não foi simplesmente porque eles ficaram fascinados pela beleza de seu corpo nu, mas sim porque a beleza física era vista como um aspecto da divindade ou um sinal de favor divino.
  • 25. 25 CULTURA Primavera de 404 a.C., Atenas rende-se. Imediatamente um golpe oligárquico em Atenas, apoiado por Esparta. A oligarquia, com o apoio das tropas espartanas, toma poder dos democratas. Os dominadores concedem aos atenienses direito de na Ágora, nome que se dava às praças públicas, ocorrer assembleias para se decidir apenas sobre temas ligados a cultura por meio do voto direto dos cidadãos. E lá estavam entre eles os participantes no julgamento sobre os Mistérios de Elêusi. HIPÉRIDES: Cultura, além de ser formada pelas filosofias, linguagens, lendas, crenças, costumes, tradições, festas, cerimônias, simbolismos, indumentárias, turismo, esportes, lazer e humor, é constituída pelos aspectos relativos aos conhecimentos do espiritual, da natureza, do homem e da sociedade, descritos assim em linhas gerais: Deus, mundo, homem, messias, religião, ... MNESARETE: ... governo, economia, ideologia, saúde, prosperidade, paz, felicidade, cidade e paraíso. Anaxímenes participa quase que sussurrando. ANAXÍMENES: Não esqueçam casal disforme em anos de idade que nós só podemos decidir sobre jogos olímpicos, arte e religião, e um pouquinho sobre educação, ciência e tecnologia. HIPÉRIDES: Novos ou velhos continuamos ou não democratas?
  • 26. 26 MELETO: Sim e não. DIODORO: Mas, o seu mestre Platão foi convidado a participar da vida política e recusou porque considerou o então dominante regime espartano algo de muito criminoso. MELETO: Sim. Mas, isso não quer dizer que ele concordava com a nossa democracia. Não entenderam? Assim como “monarquia” significa “governo pelo monarca”, “democracia” quer dizer “governo pelo demos”. Mas o que é o demos? Tanto pode ser entendido como “povo” ou “populaça”. No segundo sentido, a democracia é o governo da ralé, do vulgo, sujos e inaptos. ANAXÍMENES: Mas isto é um insulto à democracia. HIPÉRIDES: Que insulto coisa nenhuma. O órgão principal da democracia ateniense era a Assembleia dos cidadãos. Ela foi aberta a todos os quase 50.000 cidadãos adultos do sexo masculino, mas geralmente apenas 5.000 pessoas compareciam. MELETO: Quando estamos doentes não procuramos um especialista que é o médico? A última coisa que desejaríamos seria reunir uma multidão e pedir aos presentes que elegessem, através de voto, o remédio certo, não é isso? HIPÉRIDES: Entendi! A saúde do estado tem tanta ou mais importância que a saúde de um dado indivíduo. Tomar decisões políticas — decisões no interesse do estado — requer reflexão e competência na matéria.
  • 27. 27 MELETO: Segundo Platão, é função que se deveria deixar aos especialistas. Permitir que o povo decidisse é como navegar em alto mar consultando os passageiros, ignorando ou desprezando aqueles que são verdadeiramente competentes na arte da navegação. Tal como um navio assim comandado se transviará e irá a pique, também diz Platão: o navio do estado naufragará. ANAXÍMENES: Mas onde estão os governantes especializados? MELETO: A resposta de Platão é simples. A sociedade justa é impossível, a menos que os reis se tornem filósofos ou os filósofos se tornem reis. A formação filosófica é uma qualificação necessária para governar. Com tornar-se filósofo, Platão não quer dizer que basta passar uns anos a ler e a pensar acerca da filosofia. Ele divisa um plano para toda uma vida de ensino que inclui, nos primeiros anos, não apenas compreensão de textos, mas também educação matemática, militar e física. A filosofia não é estudada senão aos trinta anos. A cinco anos de filosofia seguem-se, então, quinze de serviço militar e àqueles que ultrapassam este período com distinção é que poderão tomar o lugar nos “assuntos fatigantes da política”. ANAXÍMENES (inconformado): Só com 50 anos! Mas, eu que sou jovem, tendo só 30 anos, não poderia ser um político? Eu sou um homem civilizado e não um selvagem, ora bolas. HIPÉRIDES: Acho que entre a selvageria e a civilização você tem algo necessário, mas insuficiente diante do âmbito sublime, pois, o domínio ideal passa não por ser novo, mas sim pela novidade
  • 28. 28 de ser justo por seus acertos. E isso você não tem, vide o seu procedimento no caso do julgamento de Mnesarete. ANAXÍMENES (enciumado): Nunca irei entender o porquê ela me trocou por um velho que nem você. Mais uma vez Hipérides consegue conter o seu ímpeto e destino e assim não sacar o seu punhal. MELETO: Isso entre vocês três não nos diz respeito, o que nos interessa é ouvir Hipérides sobre o necessário e suficiente entre a selvageria e a civilização, ou seja, diante do âmbito da cultura. HIPÉRIDES: Na cultura atual o ser humano não é capaz de compreender indo além do domínio da fala, pois lhe faltam pensamentos corretos e sabedoria. Daí não ter condições de comunicar-se através de atitudes, inclusive é bem raro encontrar-se alguém que domine essa habilidade. MELETO: Estabelecendo comunicação usando apenas o olhar, isso seria algo apropriado de uma civilização? MNESARETE: Sim. Note que a cultura ainda está muito atrasada para isso. O que poderia ser entendido com uma só palavra precisa ser transmitido por meio de muitas. Por exemplo, há volumes de oitenta e quatro mil sutras, que mesmo assim, quase nada transmitem. Se pudessem ser comparados a metais, corresponderiam ao ferro. Tudo o que é bom e nobre deveria ser como o ouro: precioso e raro. Daí o desafio é conseguir explicar as mesmas verdades contidas num volumoso compêndio de sutras transmitir em uma única página.
  • 29. 29 MELETO: É, tem razão. Antigamente, a comunicação partia de dentro do coração, através de belos poemas repletos de sentimentos nobres e profundos, bem mais evoluídos que os de agora. (pausa): Alguém tem um exemplo concreto? DIODORO: Eu tenho. Certa vez, ouvi a narrativa de um fato que ocorreu com um pai cujo filho disse o seguinte: "Oh, pai, um incêndio!". Mas na mesma hora, o progenitor respondeu que não havia a menor necessidade para se preocupar, porque o incêndio estava acontecendo distante dali. De acordo com o raciocínio rápido do pai, caso seu filho estivesse mesmo próximo do local do acidente, teria apenas gritado "incêndio!", porque naquele momento de desespero não teria dado tempo de ele dizer a palavra "pai". E da mesma forma, todas as demais ideias e fatos podem ser entendidos melhor, quando transmitidos em poucas palavras. MELETO: Conclusão: na cultura falta inteligência para que em poucas ou nenhumas palavras sejamos entendidos. Mas, por que isso é necessário para uma civilização, no entanto não é suficiente? O que falta? HIPÉRIDES: Inteligência maior e para mais pessoas. MELETO: Tem a ver com o domínio ideal passar pela edificação da novidade de ser justa por seus acertos? HIPÉRIDES: Interessante notar o aparecimento de algumas teorias um pouco acima do nível da época. Se tiverem por base os conceitos da cultura atual, são sempre bem aceitas, aplaudidas e elogiadas. No entanto, quando se propõem preceitos altamente inovadores sugerindo mudanças nas
  • 30. 30 posturas preestabelecidas, seus autores são vítimas de perseguições e ataques cruéis, chegando a fatalidades irreversíveis. É o que acontecerá muito em breve com Sócrates. ANAXÍMENES (debochando): Ah! As vozes que sabem o que ocorrerá numa época futura. (irritado): O que há mesmo é uma ininterrupta evolução da natureza, do homem e também da cultura material criada pelo homem. HIPÉRIDES: Mas quem tenta melhorar somente os aspectos materiais de sua vida, ou seja, os seus empreendimentos, sua profissão e posição, flutuam sem criar raízes ou bases firmes. Os jovens, como Anaxímenes, provavelmente acharão que estou dizendo banalidades ou pregando uma moral antiquada. Antiquados, ao contrário, parecem-me aqueles que não apresentam a menor evolução, conservando sempre a mesma maneira de pensar e de falar sobre os mesmos assuntos. Suas conversas, essencialmente mundanas são desinteressantes, sem a menor preocupação religiosa, política, filosófica ou artística. Não tenho a menor intenção de censurá-las, mas o fato e que a maioria das pessoas é assim. MELETO: Em outras palavras: a cultura humana aumentou muito, mas o que houve foi apenas evolução da parte material; a parte espiritual, lamentavelmente, progrediu muito pouco. Se o avanço da cultura, por maior que ela seja, não promove, paralelamente, o aumento da felicidade, a culpa cabe ao próprio homem, que ficou preso apenas à cultura material. A humanidade precisa perceber isso o quanto antes. Pois caso não perceba, mesmo após a morte, mesmo tendo sido famoso e
  • 31. 31 elevado culturalmente no Mundo Material, não se é feliz nem espiritual e nem materialmente. Anaxímenes zomba por meio de um riso intenso. E ela completamente indiferente. MNESARETE: Logo, cultura do Messias Meishu-Sama é a cultura do cujo traço marcante é ser uma filosofia religiosa espiritualista. Às vezes talvez designada por cultura da nova era ou cultura da era do dia, entendendo por nova era ou era do dia o período do Paraíso Terrestre, isto é, do mundo do Belo, da Cultura elevada, das Belas-Artes, onde existe conteúdo (alma, missão, espírito), e não apenas forma (matéria) e função (percepção). HIPÉRIDES: Do lado oriental, as primeiras civilizações surgiram na China e na Índia e prosperaram durante muitos séculos, expandindo-se para o Egito e a Grécia. Mais tarde, no Ocidente, se desenvolverá um Império Romano que será o marco da civilização ocidental. MNESARETE: Outro aspecto fundamental a ser observado diz respeito às características peculiares a cada um desses dois modelos culturais. Enquanto a civilização oriental se apresenta voltada ao espiritual e à verticalidade, a ocidental se fundamenta no material e na horizontalidade. HIPÉRIDES: Ambas irão se desenvolver suficientemente, atingindo o ápice da fase de amadurecimento e se encontrarão num impasse. Na verdade, no final vai ocorrer a união de
  • 32. 32 Oriente e Ocidente, em conformidade com o Plano de Deus. (pausa): Até agora a cultura teve por base um movimento contrário, ou seja, partiu do oeste e se encaminhou para o leste. Entretanto, observando o comportamento da Grande Natureza, vê-se que todos os fenômenos têm sua origem no leste, dirigindo-se depois para o Oeste, num processo permanente e ininterrupto. Veja-se, como exemplo, o movimento do Sol e da Lua que sempre giram nessa direção. MNESARETE: Quando bem próximo do momento da criação da nova cultura, da cultura atual ficarão apenas os elementos úteis à nova vida; alguns deles terão de passar por transformações. Todos os demais causadores de maldades vão sofrer implacável extermínio. Esses acontecimentos corresponderão, portanto, a situações terríveis e, ao mesmo tempo, contraditoriamente maravilhosas. Será o momento muito especial de demonstração clara do infinito amor de Deus por todas as criaturas que vivem de acordo com a Sua Vontade. Anaxímenes louco de ciúme pelo entrosamento dos dois em evolução, violentamente a agarra, beija e arranca suas roupas numa clara demonstração de posse. Hipérides finalmente segue o trágico destino de apunhalar nada mais nada menos do que seu próprio filho, este que não sabia que algum dia seria morto pelo seu próprio pai. E aí vem a dúvida: lendo ou ouvindo sobre o Messias, a Religião e a Cultura, o que quase sempre se aprende é o quase nada? Mas, será mesmo o caso?
  • 34. 34
  • 35. 35 JOHREI Para alguns numa imaginária sala de espera da clínica de Infectologia do hospital público tem muito mais pessoas em pé do que sentadas. Pela porta a fora no corredor há uma imensa fila de pacientes. Na sala do médico especialista em doenças infecciosas tem um doutor irritado de cor amarelada no rosto e olhos com cara de cansado e de queixas gastrointestinais. Num canto escondido tem uma enfermeira com uma de suas mãos erguida na direção dele. Quando ela a abaixa. ENFERMEIRA: Está se sentindo melhor com o Johrei, doutor? INFECTOLOGISTA: O que é isso enfermeira! Pare imediatamente com essa bobagem. Vamos, vamos começar e acabar logo com mais esse dia de atendimento, chame pelo menos uns cinco de cada vez para ver se essa fila anda rápida e assim eu possa ir logo para a clínica particular que me paga muito melhor. Ela imediatamente abre a porta e quando ia chamar os cinco primeiros repara num negro distante com vários sintomas visíveis como olhos avermelhados, sangramentos pelo nariz e erupções cutâneas, soluçando, dores no peito e dificuldade para respirar e engolir. Penalizada, resolve incluir por conta própria um sexto. Eles entram e este negro logo inicia vômitos e diarreia. INFECTOLOGISTA: O que é isso enfermeira! Não vê que ele está com ebola? Não sabe que nas últimas horas antes da morte, o vírus se torna extremamente contagioso?
  • 36. 36 Foi falar isso e todos saírem apressadamente porta a fora o que contagia os demais a fazer o mesmo, exceto dois pacientes acentuadamente magérrimos permaneceram no local por estarem com muita fraqueza. Ela com a misericórdia que lhe é peculiar os amparam para dentro do consultório e começa ato de imposição das mãos para estes causando mais espanto. INFECTOLOGISTA: O que é isso enfermeira! Não vê que estes pobres coitados não têm mais jeito? Foi ele falar, ela parar, um deles empurrar a mão dela e o outro que estava bastante pálido tossir saindo sangue e falando rouco. ARTISTA: O doutor não me conhece, mas eu o conheço, todo dia quando chega entra no ... INFECTOLOGISTA: ... sim, mas o que isso muda na sua doença? ARTISTA: Ajude-me por amor de Deus, estou há muito tempo com essa tosse intensa e contínua, dor no peito, febre com calafrios, ... INFECTOLOGISTA: Para de falar, está tuberculoso e necessita de internação hospitalar urgentíssima. (gritando): Enfermeira providencie-a antes que ele morra aqui e dê trabalho para nós. No entanto, a enfermeira absorta olha para o que lhe havia empurrado sua mão que estava de óculos escuros com manchas na pele mostrando estar com náuseas. Ela indaga ao doutor.
  • 37. 37 ENFERMEIRA: E este ser humano aqui está com que? INFECTOLOGISTA: AIDS. AGRICULTOR: Como assim! O doutor me conhece e sabe que sou evangélico. Nunca tive relacionamento extraconjugal. INFECTOLOGISTA (falando para si): É hoje. Todo mundo acha que me conhece, assim posso ser até candidato a qualquer cargo político. (falando para o aidético): Ô cidadão, a causa dessa doença não é uma questão apenas de fidelidade. Você fez uso de seringa por mais de uma pessoa ou transfusão de sangue? AGRICULTOR: Mas, eu estava com anemia muito profunda. O tuberculoso que se encontra resignado só pergunta com aquela voz rouca. ARTISTA: O que devo fazer para me tratar? INFECTOLOGISTA: Não sei se tem tratamento não. Mas, de qualquer maneira tome essas três drogas rifampicina, isoniazida e pirazinamida durante seis meses sem parar um só dia. (pausa) Ah sim! Evite fatores que gere baixa resistência orgânica como má alimentação, falta de higiene, tabagismo e alcoolismo, isso sem falar da transmissão pela aglomeração humana. ARTISTA: Mas, doutor me conhece, eu sou ascensorista do elevador deste hospital e não posso parar de trabalhar. Eu ajudo
  • 38. 38 na condução de macas, cadeira de rodas, muletas e, além disso, tenho família grande para sustentar. Nas horas vagas sou artista, pinto quadro onde me realizo e dá uma ajudazinha nas finanças. INFECTOLOGISTA: Entre na justiça com um processo para que lhe paguem adicional de insalubridade e fique na pintura ao invés de produzir filhos. AGRICULTOR: E eu como me trato? Tenho que usar camisinha? INFECTOLOGISTA: Ô cidadão, a AIDS não tem cura e camisinha é apenas para prevenção, e o cidadão já está contaminado. AGRICULTOR: Como assim! Então, eu vou morrer? Mas, eu não posso morrer, tenho filho pequeno para criar, tenho que ... que ... que inclusive cuidar da horta de sua casa. Por favor, ajude-me. O médico insensível pega um prontuário e fica preenchendo-o. ENFERMEIRA: Calma senhor. Os portadores do HIV dispõem de tratamento oferecido gratuitamente pelo Governo. O doutor lhe dará acesso ao tratamento antirretroviral. AGRICULTOR: Mas, quais são os objetivos desse tratamento, já que não há cura para o meu caso? ENFERMEIRA: Prolongar sua sobrevida e melhorar a sua qualidade de vida pela redução da carga viral e reconstituição do sistema imunológico.
  • 39. 39 Porém, ela se dando conta do negro sofrido, indaga. ENFERMEIRA: E este aqui doutor o que se pode fazer por ele? INFECTOLOGISTA: Cidadão vai dizer que também me conhece? ILUMINADOR: Como não! Foi o doutor que me enviou para fazer residência médica na África exatamente nessa doença ebola. O infectologista sem se importar pelo que foi dito. INFECTOLOGISTA: Como sabe, o tratamento padrão limita-se à terapia de apoio, que consiste em hidratar o paciente, manter seus níveis de oxigênio e pressão sanguínea e tratar infecções que possam aparecer. (fazendo gracinha): Porém no seu caso específico vou pedir que esta enfermeira lhe reze com sua macumba em que ela tanto acredita. Num instante ficará bom. ENFERMEIRA: Eu sei que o doutor é agnóstico e cético, mas, um dia quem sabe, não constatará um milagre na sua vida. Saiba que o criador do Johrei realizou varias experiências através dos filhos que não poderiam ser feitas com pessoas que não fossem de sua família. Ele fazia pesquisa para saber o grau de diferença da cura: não fazendo nada, deixando a doença a cargo da natureza ou ministrando Johrei. E os dados são impressionantes. ILUMINADOR: Eu sou testemunho. Tornei-me messiânico na África e sei que Johrei representa uma grande revolução para a Ciência.
  • 40. 40 ENFERMEIRA: Se o aplicarmos em todos os setores da vida, o bem-estar da humanidade aumentará incalculavelmente. O médico sorri demonstrando toda a sua incredulidade. INFECTOLOGISTA: Deixem de conversa fiada, tem exemplo? ENFERMEIRA: Em fevereiro de 1949, quando o casal Nichools, do Estado-Maior de MacArthur, visitou a sede de Shimizu-cho, Meishu-Sama deu-lhes várias explicações sobre o Johrei. O Sr. Nichools, entretanto, não conseguia aceitar que uma luz espiritual, invisível, saísse das palmas das mãos. Diante de sua incredulidade, Meishu-Sama explicou: "Qualquer pessoa que ministra Johrei consegue". E pediu a Nakajima que ministrasse Johrei em algumas pessoas, orientando-as para que ficassem do outro lado de um pequeno lago que havia no local. Então, tanto as pessoas que estavam recebendo Johrei quanto as que simplesmente observavam a cena começaram a tossir e arrotar. INFECTOLOGISTA: No mínimo acho que o Sr. Nichools deve ter achado o fato incompreensível, não? Pois, no máximo deve ter achado ridículo e ... e ... e chega de crendices. Encerra suas palavras bruscamente para disfarçar as fortes dores nas articulações e nos músculos que sentiu. E consegue, pois ... ILUMINADOR: Sim, e duvidando do que via, perguntou: "Eles estão fazendo tudo isso intencionalmente, não?" Então Meishu- Sama fez com que as pessoas virassem de costas e pediu ao Sr. Nichools que desse um sinal para o Sr. Nakajima voltar a
  • 41. 41 ministrar Johrei. Quando este levantou a mão, ocorreu o mesmo de antes. A experiência foi repetida várias vezes. Observando o fato, o Sr. Nichools ficou deveras admirado. Meishu-Sama sorria. INFECTOLOGISTA (debochando): Meishu-Sama é o cara, hein? Então cambada de cidadãos esqueçam diagnósticos, remédios e recomendações que lhes passei. Preparem-se, vou ministrar Johrei em vocês e pronto. ENFERMEIRA: Hei doutor, esperei aí. O senhor não foi outorgado com a medalha chamada Ohikari onde está contida a letra “Luz” escrita por Meishu-Sama e que deve ser posta no peito. E sinto muito em lhe dizer, mas o poder do Johrei depende também da elevação espiritual daquele que o ministra. Para consegui-la, os membros devem dedicar-se, com perseverança, à leitura dos Ensinamentos. INFECTOLOGISTA (debochando): Quanto mais rarefeito, maior é o seu poder de atuação, como remédio não, Johrei sim. ILUMINADOR: Sim, e mais já que o homem tornou-se indiferente ao espírito, chegando a confundir Ciência com Civilização. Ele se ajoelha diante do trono da Ciência e se satisfaz na sua condição de escravo. Este é o aspecto do mundo moderno. Por acaso o homem não prova isso entregando nas mãos da Ciência o que ele tem de mais precioso, que é a vida? Embora ela não consiga garantir a vida humana, os homens modernos não o percebem e continuam depositando-lhe cega confiança. INFECTOLOGISTA (rindo): E então por que está aqui ajoelhado? ILUMINADOR: Talvez no fim se possa saber, não?
  • 42. 42 INFECTOLOGISTA: E a força da letra “Luz”, eu posso saber agora? ENFERMEIRA: Diz uma lenda que numa pintura, a princípio, estava retratando mais um pavão, que um dia saiu voando e desapareceu. Como o notável artista expressou tão bem o pavão prestes a levantar voo, a qualquer momento, é que nasceu essa lenda. No momento de sua retratação, o espírito do autor ficou impregnado nessa pintura e esse espírito vibra e toca o coração daqueles que a contemplam. A força espiritual de pessoas consideradas notáveis é muito mais intensa do que a de pessoas comuns. INFECTOLOGISTA (irritado): Quer dizer que medalha no peito e um ato simples pelas mãos cura mesmo, então os dois expliquem o Johrei como tratamento científico, se forem capaz. ILUMINADOR: Explicar o Johrei como um tratamento científico é bastante difícil, pois não se trata nem de ciência, nem de religião. Faltam termos mais apropriados para levá-lo adiante. INFECTOLOGISTA (irritado): Tentem seus cientistas religiosos. ENFERMEIRA: Da Bola de Fogo em Meishu-Sama vai para a palavra “Luz” desta se irradiam poderosas ondas de Luz, as quais são transmitidas através do corpo, do braço e da palma da mão do fiel que ministra o Johrei. Essa força é constituída pela união do fogo, da água e da terra; a força da terra é ... (assustada): ... doutor, doutor, o que está sentindo? Fale comigo, fale. ILUMINADOR: Meishu-Sama, por favor, salve-o. E ela e o residente começam a lhe ministrar Johrei, o que para medicina um quase morto.
  • 43. 43 AGRICULTURA Para outros numa fictícia localidade distante daquele hospital público, onde há muitas árvores e plantação, o infectologista deitado na cama está acordando e indagando muito irritado com quem estava na sua frente, que no caso era aquela ... INFECTOLOGISTA (gritando): Enfermeiraaa! Onde estoouu? ENFERMEIRA: Está na minha casa que fica na roça, doutor. INFECTOLOGISTA: Diga-me: o que estoouuu fazendo aaquiii? ENFERMEIRA: Uma hepatite C lhe levou a um câncer de fígado. INFECTOLOGISTA: Hepatite C! Câncer de fígado!! ENFERMEIRA: Mas, não fique preocupado, está sem metástase e vai poder fazer um transplante de fígado na semana que vem. INFECTOLOGISTA: Transplante de fígado!? Já! Como assim se a oferta de enxertos de doadores não vivos é muito menor do que o número de inscritos na fila de transplante? ENFERMEIRA: Realidade essa que ajudou a promover o que? O que? O desenvolvimento das técnicas de doador vivo. INFECTOLOGISTA: Doador vivo! Mas, arrumaram um doador tão rápido assim para mim. Logo eu que não tenho família, parentes e nem amigos? Eis que pedindo licença para entrar no quarto estão os três ...
  • 44. 44 IFECTOLOGISTA: Vieram zombar de mim? Apostar quem vai primeiro para o inferno? Eles não entendem e a enfermeira explica o que cada um faz ali. ENFERMEIRA: O artista é o que vai doar uma parte de seu fígado para si. O agricultor está cuidando da horta para que o doutor se alimente com produtos sem agrotóxicos. E o iluminador que não está ajoelhado é que pediu para que lhe diagnosticasse e que está providenciando toda a cirurgia em que o doutor crê. Sem nenhum elogio o doutor os repreendem com aquela autoridade tão peculiar dos médicos. INFECTOLOGISTA: Saiam de perto de mim seus ignorantes. A hepatite C é considerada pela Organização Mundial da Saúde como o maior problema de saúde pública. Vocês podem ser contagiados, pois cerca de 30% dos casos de infecção pelo vírus da hepatite C é desconhecido. O agricultor sem prestar atenção, pergunta a enfermeira. AGRICULTOR: Posso colher algumas verduras, legumes e frutas pelo método da Agricultura Natural para a comida do doutor? INFECTOLOGISTA: Espera aí! Mas, que porcaria é essa? Não existe nenhuma agricultura natural ou antinatural. Agricultura é uma coisa só. Agricultura é o conjunto de técnicas utilizadas para cultivar plantas com objetivos desde a contemplação estética até a produção como a de alimentos, de fibras e de matérias primas para as roupas, as construções, os medicamentos, as ferramentas e as bioenergias. O que vocês estão inventando, seus incapazes?
  • 45. 45 AGRICULTOR: O doutor não se lembra da agricultura hidropônica? Aquela que cultiva na água com ausência de solo? Aquela que me mandou executar na sua residência? INFECTOLOGISTA: E daí? Tudo é válido desde que aumente a produção agrícola. ENFERMEIRA: Nós messiânicos não pensamos assim. Priorizamos a produção de alimentos no sentido do lavrador e do consumidor de comida, e não da visão mercantilista do agronegócio atual que aumenta a produção de grãos e dos confinamentos de gado de corte fazendo crescer assustadoramente a pobreza humana, a desigualdade social e a fome. ILUMINADOR: Isso sem falar na exploração econômica, basta o exemplo de para produzir um quilo de carne necessita de 15 mil litros de água e 6 k de cereais, se estes custassem apenas dois reais por suas unidades, certos países dominadores teriam que pagar, no mínimo, 41 mil reais por um quilo de carne aos países dominados. Isso sem se pronunciar a respeito da poluição ambiental causada pela pastagem, queimada de florestas, etc. Isso sem tocar no sofrimento dos animais. INFECTOLOGISTA: Hei, hei, hei. Onde já se viu isso de leigos em agronomia terem opinião. Recolham-se as suas insignificâncias. Todos param e ficam olhando espantados para o doutor. INFECTOLOGISTA: Espantados, hein? Não sabem o que é agronomia? É isso, não é? Pois bem, ela é ciência que estuda as características das plantas e dos solos para melhorar as técnicas agrícolas. Agronomia, palavra formada pelo prefixo grego “agro” (terra cultivada) e pelo radical grego “nomia” (regra).
  • 46. 46 AGRICULTOR: Então, a agricultura hidropônica que me mandou ... não seria uma área de estudo da agronomia. ENFERMEIRA: Porém as demais agriculturas seriam, como a extensiva, intensiva, itinerante, sustentável, orgânica e natural. INFECTOLOGISTA: Só me faltava essa de acéfalo pensar. Mas, que negócio é esse de agricultura natural de que tanto falam? ILUMINADOR: É a Agricultura Sem Adubo, uma agricultura filosófica espiritualista que trouxe revolução no cultivo da terra. INFECTOLOGISTA (debochando): Já estou até vendo: Agricultura Natural mantém um elo coerente desde o produtor (plantas = vegetais) até o consumidor (homens e animais), no tocante à manutenção da saúde e preservação do meio ambiente. ENFERMEIRA: Pode debochar, mas depois que começar a fazer a nossa dieta verá como se sentirá outra pessoa. INFECTOLOGISTA: Dieta! Quem lhe deu ordem de cuidar da minha comida, hein? Afinal, que dieta é essa? ENFERMEIRA: É a dieta: originada de uma medicina moderna espiritualista; fundamentada essencialmente no organismo; alicerçada secundariamente no espírito do alimento; embasada por baixo valor de nutriente, diversidade e requinte; direcionada para o vegetarianismo com relação à missão; flexibilizada com inclusão de carne referente à função. INFECTOLOGISTA: Olhe aqui, eu não quero inovação na minha dieta com essa droga de agricultura filosófica espiritualista. Eu tenho que comer é a matéria do alimento nutritivo, carne com missão ou função ou sem nenhuma das duas coisas, ouviuuu.
  • 47. 47 ARTISTA: Desculpa a ignorância, mas fiquei intrigado com esse negócio de Agricultura Sem Adubo. Para mim, isso está querendo dizer que solo é adubo e que adubo não é nada mais do que o próprio solo. E isso, para mim, ... INFECTOLOGISTA: Porra, idiota sempre pode fazer a coisa piorar. ENFERMEIRA: Isso! Essa visão de adubo é de quem tem a ideia fixa na cabeça de que só o solo não é suficiente, tem que se colocar algo nele. ILUMINADOR: É que se fazendo uma análise química do solo e de algum produto agrícola nele produzido, descobre-se que o produto necessita deste ou daquele tipo de nutriente; mas como esses nutrientes não são encontrados no solo analisado, este é considerado incapacitado e, por conseguinte, conclui-se que ele não é fértil. Por se acreditar nisso é que nasceu a técnica de adubar o solo, achando que bastava jogar adubo na terra para ela voltar a ser fértil. Esta é a “superstição dos adubos”. Segundo essa superstição, o solo não passa de um material que simplesmente “abastece” as plantas com adubo. AGRICULTOR: Ah! Então foi a partir desta ideia que foi criada a hidropônica. Técnica que utiliza o fertilizante líquido como adubo para culturas produzidas somente com água. INFECTOLOGISTA (debochando): O que seria o mesmo pensamento que se tem com o organismo e sua alimentação, onde se come verduras e cereais, mas, se acha que se deve complementar com vitaminas, que sem isto o corpo se enfraquece. Que tal? Fiquem sem vitaminas e veja que acontece. ARTISTA: Pois é, eu ia dizer é que para mim não se tem que por fertilizante químico, mas sim orgânico senão ...
  • 48. 48 ENFERMEIRA: Também a ideia de que o adubo orgânico beneficia a agricultura está impedindo que sejam obtidos resultados mais satisfatórios. De fato, o uso do adubo orgânico é tão pernicioso quanto os fertilizantes artificiais. Prejudica a vitalidade natural da terra, impedindo-a de aperfeiçoar-se e tornar-se cada vez mais adequada ao desenvolvimento de determinadas plantas. INFECTOLOGISTA: Ô residente a tal revolução no cultivo da terra é essa de Agricultura do Solo, onde adubo e fertilizante são sinônimos? Deixe-me rir, ou melhor, vou é chorar depois de ouvi-los sobre essa revolução nos pontos básicos de uma agricultura como base, solo, fertilização, plantação, proteção, produção, vantagens e dieta. ILUMINADOR: Pois não. A base da Agricultura Natural: Respeita a Natureza, como lei; Emprega a reflexão, como técnica; Adota o solo da mesma forma que um ser vivo, como princípio; Foca os lavradores e consumidores, como principais. O Solo: Camada superior da crosta terrestre que possui espírito sem liberdade e locomoção; Necessita ser reverenciado com amor e mantido saudável; Exige ser misturado com matéria orgânica. A Fertilização: Ato de tornar fértil pelo produto dos espíritos dos elementos Solo, Água e Fogo; ... INFECTOLOGISTA: Epa! Pode parar. Solo, Água e Fogo? ENFERMEIRA: Sim. Até numa simples folha de árvore eles existem. Mas, para facilitar tomando-se um punhado de folhas. Elas eram algo que estava vivo, e ficaram completamente secas. O fato de terem ficado secas significa que Água acabou. Sob o
  • 49. 49 ponto de vista científico, afirma-se que os vegetais são constituídos de 98% de água e o restante de substancias originarias do solo e da energia solar. E ficaram apenas o Fogo e o Solo. Então se ateando fogo nas folhas, queimando-as por completo, significa que “acabou o Fogo”. Depois da queima sobrou a cinza, algo que retorna a terra, isto é, voltou a ser o elemento Solo. Com isso, se comprova que através dos fatos os seres vivos são constituídos de “Fogo, Água e Solo.” ARTISTA: Desculpa a ignorância, mas ainda estou intrigado com esse negócio de Agricultura Sem Adubo e comecei a pensar: quem produz o leite é a vaca, quem produz a colheita é o solo, quem faz o solo produzir não são as vacas, mas o que? ENFERMEIRA: Os micro-organismos que vivem nele, daí as palhadas não devem apenas alimentar os bois, mas também as bactérias, vírus e fungos. Estas microvidas ajudam as sementes fortes a nascerem, as sementes fracas elas fazem apodrecer, bem como as plantas fortes elas ajudam a produzir, e as plantas fracas elas aniquilam. ARTISTA: Então, o mundo não sobreviverá graças a indústrias poderosas, mas sim aos microorganismos, ao solo. Não é o dinheiro que forma o homem, mas sim o alimento produzido pela terra! ILUMINADOR: Não se esqueça dos agricultores briosos que nem o nosso agricultor aqui. Terra não é uma máquina de produção, sem respeito e amor à natureza não se pode esperar fartura, mas sim a degradação. (pausa): De acordo com o crescimento da população, foi também aumentando a capacidade produtiva. Por
  • 50. 50 exemplo, hoje, cada espiga contém cento e vinte grãos. Há, mais ou menos mil anos, era de sessenta grãos, ou seja, a metade. AGRICULTOR: Com licença. Eu sou evangélico tenho que cultivar a paciência, sou anêmico tenho que ficar calmo, portanto, eu só quero saber se colho lá fora ou não para a comida do doutor? ENFERMEIRA: Sim, mas que não esqueçamos que o sistema do ser humano importante em termos de alimentação é o aparelho digestivo e que não existe alimento que não contenha as substâncias necessárias à manutenção do homem. ILUMINADOR: Pelo espanto vi que o agricultor não entendeu. Mais um hábito digno de espanto é de doentes tomarem sangue de animal como elemento nutritivo; tal procedimento produz, às vezes, um efeito momentâneo; na verdade, porém, causa o enfraquecimento dos órgãos produtores de sangue e traz como consequência, a anemia. E atenção que a vaca se alimenta de capim e produz excelente leite. O agricultor baixa a cabeça, enquanto que o infectologista a levanta. Ele que absorveu tantas notícias inesperadas a respeito de doenças que havia contraído, transplante há realizar com doador na sua presença, recebimentos de Johrei e conhecimentos de uma nova agricultura que está a ponto de utilizá-la em sua dieta, está pensando que outra coluna de salvação poderá ainda se apegar. No entanto, ele é que é pego pelo residente com seu olhar iluminador ao levantar sua camisa para se coçar tornando visível várias picadas pelo corpo, ou melhor, revelando que tudo de ruim começara pelo doutor ser um viciado em entorpecentes. E é percebido pelo artista como algo que é muito feio.
  • 51. 51 BELO Para uns e outros numa irreal sala de artes exatamente na véspera do transplante os cinco a visita. INFECTOLOGISTA: Por que me trouxeram aqui sabendo que tenho de receber um pedaço do fígado deste idiota aqui? E pior será se a tolice deste ascensorista ou artista passar para mim. O artista fica magoado com que acabara de ouvir. AGRICULTOR: Hei você que maneja elevador não pode ir com ele para o fundo do poço não. Jesus manda que a gente suba montanha ou aos ares, principalmente os artistas com sua arte. INFECTOLOGISTA: Então, ele seria um ascensionista e não um ascensorista, você entendeu seu rude roceiro? Outro a ficar magoado. No entanto, os demais não se deixam entrar naquela baixa sintonia e respondem ao agressor. INFECTOLOGISTA: Ô residente vamos direto a revolução do Belo: perfeição, arte, sua interpretação, organização, eficácia, desenvolvimento, objetos artísticos e artistas. ILUMINADOR: O espírito de busca deve ser grande, forte e constante, não sei o quanto o seu é assim. Mas, mesmo assim, não vou deixar de atendê-lo. A Perfeição do Belo considera: Deliberação divina, desde que não ultrapasse condições;
  • 52. 52 Manifestação da Verdade e Bem expressa pelo sentimento; Revelação de que o seu mundo é o Reino dos Céus. ARTISTA: Ô agricultor você tem razão, não vou deixar me abater não. Desculpa a ignorância minha e de terceiros, mas estou intrigado com esse negócio do Belo ser a manifestação da Verdade e Bem expressa pelo sentimento. ILUMINADOR: E se a Verdade fosse à manifestação do Bem e Belo pela razão, donde o Johrei? Bem fosse a manifestação da Verdade e Belo pela vontade, donde a Agricultura Natural? ARTISTA: Por enquanto não, por enquanto apenas o Belo. ENFERMEIRA: O Belo não está no nível das palavras e ações, mas sim do pensamento, qual é a sua predominância? Na razão, sentimento ou vontade? A resposta é a de que o Belo é uma demonstração da veracidade e virtude concludente do amor, isto é, uma declaração da Verdade e Bem, ditada pelo sentimento. Ou ainda, de que Belo inclui Verdade e Bem, no sentido de que ele é a forma criada pelo Bem num pensamento gerado pela Verdade. ILUMINADOR: Assim, uma beleza autêntica não provém nunca de cosméticos, mas sim da Verdade e Bem. ENFERMEIRA: O ponto mais alto da Arte não está em retratar a natureza como ela é, mas representar a Verdade, o Bem e o Belo através da personalidade. De agora em diante será a arte do Bem, da justiça e da correção e não da fotografia.
  • 53. 53 AGRICULTOR: É isso aí. Mas, que negócio é esse de Belo ser a revelação de que o mundo dele ser o reino de Deus? ILUMINADOR: Na criatura humana, o Paraíso Terreno indica a beleza interior, ou seja, a beleza da alma. Obviamente, as palavras e atos também serão belos. Trata-se da beleza individual que, ao alargar-se, origina a social. Tendo-se, assim, o embelezamento das relações pessoais, das casas, das ruas, meios de transporte e parques mais aprazíveis. Como o Belo se faz acompanhar da limpeza, vê-se num nível mais amplo o embelezamento e saneamento da política, da educação e da economia, bem como das relações internacionais. ENFERMEIRA: O nível espiritual do planeta Terra, existindo apenas os reinos inferiores (ou seja, os reinos dos minerais, vegetais e animais), correspondia ao Plano Inferior. Com o reino intermediário (reino humanoide, isto é, dos homens), que é chamado de reino superior, passa-se para o Plano Intermediário. O reino superior, que é o reino dos deuses, surgirá em sua plenitude em 2021, o Plano Superior. AGRICULTOR: Mas tudo tem nível espiritual, não é assim? ILUMINADOR: Sim, tudo está localizado em uma das 180 camadas espirituais. Quando se diz “tudo” quer dizer não apenas os seres dos reinos, como o minério de ferro, chuchu, leão e homem, mas também os pensamentos, as palavras e as ações.
  • 54. 54 ARTISTA: Por exemplo, ações materialistas, egoístas, de suicídio, de vingança, etc. devem ser de nível baixo; enquanto que as espiritualistas, altruístas, vivificadoras, são de nível alto. AGRICULTOR: Palavras como “te odeio”, “diabo” e palavrões, são de nível baixo; já “te amo”, “Deus” e fonemas de oração são de nível alto. Pensamentos como “belo” são de nível alto; já “feio” é de nível baixo. ARTISTA: Dizer que o “belo” é de nível alto é dizer que ele pertence ao Plano Superior, não é isso? INFECTOLOGISTA: Basta usar a lógica para dizer que sim e explicar que os homens que alcançam o Céu, ou melhor, os que deixam de serem homens para serem deuses, possuem beleza nos próprios pensamentos, palavras e ações, isto é, sua razão, sentimento e vontade, bem como, sua escrita, oratória e atitude são belas. O belo individual, o ente celestial, faz nascer o belo social, o paraíso. O Reino dos Céus é o mundo do Belo. Todos param espantado com o que escutam da parte de quem. INFECTOLOGISTA: O que estão me olhando seus sem interesse e sem sentido? Não pensem que eu me esqueci? Sabem ou não sabem falar algo sobre a Arte? ILUMINADOR: Ela considera: Na produção com ideal de harmonia é a representação da beleza, cujo mundo é o Paraíso Terrestre; O paraíso será o universo da lindeza quando todos os
  • 55. 55 esmeros estiverem reunidos; Sua missão é enobrecer os sentimentos do homem e enriquecer-lhe a vida; Não se ... ARTISTA: Arte é a representação do Belo, cujo mundo é o Paraíso Terrestre. O que querem dizer com isso? ENFERMEIRA: Como os messiânicos sabem tudo tem matéria e espírito, donde, em particular, as obras artísticas. Por exemplo, numa ornamentação floral estilo Ikebana Sanguetsu, as flores, a água, a espuma, o hanadomê e o vaso representam a matéria; a técnica e o pensamento de quem a realizaram, com sua razão, seu sentimento e sua vontade representam o espírito. ILUMINADOR: A materialidade da parte espiritual de tal ornamentação floral é a técnica, ou melhor, é a arte Ikebana estilo Sanguetsu. Já a espiritualidade da parte espiritual é o pensamento do artista, ou melhor, é o belo da sua razão, sentimento e vontade impregnados na obra. INFECTOLOGISTA: Assim, seus sem cérebro, em linhas gerais: O espírito de uma obra artística também tem matéria e espírito. O espírito do espírito é o Belo, e a matéria do espírito é a Arte. Desse modo, a Arte é a representação do Belo. ENFERMEIRA: As colunas de salvação, ou seja, Johrei, Agricultura Natural e Belo, num sentido geral, também são obras artísticas. ILUMINADOR: A Arte do Johrei é a arte da vida, a técnica de eliminação das máculas espirituais; o Belo do Johrei é a razão espiritualista, o sentimento de gratidão e a vontade altruísta. AGRICULTOR: A Arte da Agricultura Natural é a reformulação dos métodos agrícolas?
  • 56. 56 ARTISTA: A Arte do Belo é a construção do protótipo do Paraíso Terrestre, ou seja, do Solo Sagrado? INFECTOLOGISTA: Belo do Belo é Deus, o Reino dos Céus, a ideia do Paraíso Terrestre, da Cidade Messiânica. Todos iam param espantado com o que escutam, porém ... ENFERMEIRA: Os métodos para obtenção da saúde passam pelo Johrei e a Agricultura Natural. Independentemente de tais métodos, é de extrema urgência elevar o espírito através do Belo. Esse é um novo projeto da Messiânica, que agora estamos colocando em prática. INFECTOLOGISTA: E como posso restabelecer a saúde e nem fazer nenhum transplante, já que recebo Johrei e uso Agricultura Natural? ILUMINADOR: Talvez o fim esteja próximo e é preciso expandir sua alma, sua consciência, seu espírito. Para isso examine-os, consulte-os e diga para si mesmo. INFECTOLOGISTA (falando para si): Largar o vício. Empregar o Belo na minha vida. (falando para os outros): Mas, que diferença haverá entre as Belas-Artes, música, literatura etc., desse mundo em que estamos para o mundo vindouro? E que mudanças ocorrerão? Peço que me esclareça a este respeito. ARTISTA: Quanto mais o ser humano se torna superior, mais compreende o gosto pela Arte. Atualmente predomina a Arte
  • 57. 57 infernal. Há muitas artes pautadas no sofrimento - como acontece no Ocidente. Os leitores e ouvintes simpatizam, pois aquilo se casa com os seus sofrimentos. ILUMINADOR: As músicas de Beethoven, por exemplo, são músicas de dor e sofrimento. Estas músicas diminuirão, e predominarão as músicas mais alegres. ARTISTA: Nas Belas-Artes, as pinturas ocidentais estão descambando para a perversão. A impressão que os quadros passam é de como seria o inferno. É psicótico. Picasso, muito famoso atualmente, por exemplo, é totalmente incompreensível. ILUMINADOR: Na literatura também predomina a tragédia. O ser humano também vive a tragédia. As peças teatrais gostam do choro. ARTISTA: Portanto, os artistas precisam elevar o seu caráter. Não podem ter maus pensamentos. ILUMINADOR: Desde antigamente falam em educação pré-natal, e na tentativa de ter filhos bonitos, veem fotos de pessoas bonitas e letras de grandes personalidades. Assim, recebem a energia espiritual delas. Assim é toda arte. O desenho e as letras são na verdade instrumentos de expressão da sua personalidade. Portanto, os artistas devem elevar o seu caráter. É grande também a influência recebida da melodia. A polonesa de Chopin, por exemplo, incitou o povo. A personalidade do
  • 58. 58 autor se expressou nela. Mesmo para arrebanharem fiéis, o que conta não é a habilidade de oratória; a sinceridade da pessoa tem grande influência. ARTISTA: Talvez esteja na hora de se fazer o mesmo de quando transmitem os mistérios do budismo esotérico de Shingon, o arcebispo fica de frente ao discípulo, fita-o e não diz uma palavra. Depois pergunta: 'Entendeu?' E se entendeu, dá-lhe o grau, inclusive a cura. Por mais que fale, se não contiver espírito, não adianta. ENFERMEIRA: Esta sala de artes é uma parte do Museu de Arte messiânico que se encontra num Solo Sagrado. E Quando os homens pisam o Solo Sagrado, estes se unem espiritualmente. Mesmo contra a vontade, surge um motivo para serem salvos. O Museu de Arte messiânico é o melhor meio para eles se aproximarem da salvação. À medida que se vai recordando as frases ditas no decorrer da exposição como “para alguns numa imaginária clínica de Infectologia”, “para outros numa fictícia localidade” e “para uns e outros numa irreal sala de artes” o infectologista, a enfermeira, o iluminador, o agricultor e o artista vão sumindo e vai aparecendo traços iniciais das palavras Johrei, Agricultura Natural e Belo. O que teria ficado para os que não desapareceram como os leitores e ouvintes?
  • 60. 60
  • 61. 61 GOVERNO Era uma vez no Palácio da Alvorada. As autoridades máximas dos três poderes estão reunidas e muitíssimas nervosas com a determinação do tutor de que elas recebessem e ouvissem três mulheres negras faveladas analfabetas portadoras do programa bolsa família que sempre votam nos candidatos do partido da Presidenta. Mas, neste momento, quem está pagando geral para essas autoridades, diante da presença da imprensa selecionada e comprada, é aquele tutor bronquinha, considerado o maior consultor político, o maior marqueteiro da América do Sul, o maior vendedor de ilusão, acho que já chega, pois ele é conhecido por Anticristo, o habilitado pelo diabo em pessoa. ANTICRISTO: O que eu mandei vocês fazerem é mentirem para essas idiotas que vem aqui sem esquecê-las de tratá-las respeitosamente com toda bondade e cortesia. PRESIDENTA: Mas, super excelência acho que não consigo. ANTICRISTO: Ô presidenta não quero saber de desculpa, é com respeito, é uma ordem. Elas têm de sair daqui do palácio acreditando que o seu partido é o partido ideal, correto e puro. Quando as autoridades máximas do legislativo e judiciário levantavam o dedo pedindo autorização para falar começou a ... PRESIDENTA: Calados, não interrompam a super excelência Anticristo. Aquele que: domina os três poderes; faz o que quer;
  • 62. 62 reivindica ser Cristo; fala coisas espantosas de modo a fazer os outros acreditarem numa mentira como verdade; une tudo o que não presta; e principalmente elegeu seis presidentes, inclusive bolivarianos, vários governadores, senadores, ... ANTICRISTO: Chega de tantos elogios. O que eu exijo de vocês é que comandem e supervisionem propagandas feitas em televisões, internet, rádios, jornais e revistas para que esse povo babaca, bobalhão, vagabundo, desonesto, crente que o Brasil é um país democrático, país do futuro e Deus ser brasileiro, fique convencido de que os oposicionistas atrapalham o desenvolvimento do país. PRESIDENTA: Todos tem a obrigação de estar a favor do governo, é isso? E quem se recusar a aceitar as nossas condições e pontos de vista ... ANTICRISTO: Compre-os. Se assim mesmo recusarem então chamem os Skinheads. Se mesmo assim ... então só tem o último recurso: chamar aquele que me habilitou, ou seja, aquele com feições humanas, chifres, rabo, que se elegeu para o cargo mais importante, um que não tem escolaridade e preparo nem para ser gari, só foi porque teve uma história de vida sofrida. PRESIDENTA: Está falando do ex? ANTICRISTO: Sim, aquele para comunicar a grande massa de continuar a batalha para o crescimento empregando aquele populismo com suas práticas vulgares e suas atitudes
  • 63. 63 demagógicas, notadamente a concessão de benefícios sociais através do aumento do gasto público. Isso mesmo, com o mito do governo grátis. Não esqueça presidenta que ele lhe concedeu os títulos de “mãe dos pobres” e “gestora exemplar”. PRESIDENTA: Mas, com que argumento? Já usei tudo quanto é merda. Nem eu que sou sociopata e cara de pau aguento mais. ANTICRISTO: Use o argumentum ad populum que define um raciocínio falacioso que consiste em dizer que determinada proposição é verdadeira ou falsa simplesmente porque muitas pessoas acreditam que seja assim. Por exemplo: a voz do povo é a voz de Deus. Eis que vão chegando às três mulheres ansiosamente aguar... da ... da. O queixo de todos cai ao ver que elas passam dos 2 metros de altura, musculosas, com seus corpos e rostos cobertos com cinzas, que assusta a presidenta. Mas, o tutor não perde a pose e começa. ANTICRISTO: Como a voz do povo é a voz de Deus. Os três poderes tomaram a iniciativa de ouvir o povo através de vocês três que são as pérolas negras do nosso país, a fim de governarem com a voz de Deus. Por onde gostariam de começar. PN1: Sobre questões que envolvem: honradez; fragilidade quando postos numa situação de autoridade; cobiça; rebaixamento humano; questão financeira que determina poder e o próprio ato de ser. Enfim, tudo que diz respeito a vocês aqui.
  • 64. 64 PRESIDENTA (cochichando): Anticristo, já basta aquele erro de indicação no Supremo Tribunal Federal, agora essas gigantes!? ANTICRISTO: Deste modo, proponho que discutamos sobre o que o governo reúne: a ética, no princípio moral; a justiça, no poder judiciário; a política, nos poderes executivo e legislativo. PN2: Gostaria de dar um exemplo semelhante ao que ouvi “como a voz do povo é a voz de Deus” qual seja: "A maioria das pessoas acredita em alienígenas, portanto eles existem." ANTICRISTO: Comecemos com a ética. O personagem Ivan, no romance Os Irmãos Karamazov de Dostoievski, afirma que “se Deus não existe tudo é permitido”, isso seria uma proposta de abolição ou fundamentação da ética? Acho que não, pois um comportamento é correto quando adequado aos costumes vigentes. Por exemplo, o costume de se votar no partido da ... PN3: ... isso seria entender a ética como apenas uma simples listagem das convenções sociais provisórias. PN1: A ética não se baseia simplesmente nos costumes do povo e dos ancestrais, nem nas leis exteriores, mas sim na convicção pessoal adquirida na tentativa de compreender a justiça das leis. PN2: Cristo trouxe a ética baseada no mandamento do amor ao próximo. O capitalismo mais avançado a prega na vantagem particular, como bom é o que ajuda o meu progresso econômico, o meu sucesso pessoal. Assim agir eticamente ... PRESIDENTA: ... é muito fácil, basta agir de acordo com o bem.
  • 65. 65 PN3: O bem comum! Torna-se difícil falar em ética num país onde a propriedade é um privilégio tão exclusivo de poucos, onde o emprego e o estudo de qualidade são quase que proibições peculiares de muitos, onde a comunicação segue uma lógica e sintaxe que aparecem nos noticiários atuais ligadas a uma adição pura e simples do e, como “Mais um escândalo financeiro e corrupto são soltos e aumenta os impostos e....” ANTICRISTO: Comecemos com a ética, mas falando em ... PN1: ... honradez! Num país que é septuagésimo segundo colocado no ranking da corrupção. Em 2006 nas eleições para presidente, senador e deputado federal e estadual, cerca de dez milhões de eleitores receberam ofertas para vender seus votos. De acordo com a opinião pública, os partidos políticos são as instituições mais corruptas do mundo, depois deles estão os governos, os empresários e a polícia. PN2: Os governantes, os empresários, os representantes do povo em geral estabelecem elos espirituais com as pessoas a eles relacionadas; por isso, exercem grande influência sobre quem se encontra sob o seu comando. Se, então, apresentarem muitas impurezas na alma, estas indubitavelmente se refletirão na maioria das pessoas que a eles estiverem ligadas. Dessa forma, só poderão exercer sobre os seus subordinados uma influência perniciosa. Portanto, somente quem tiver um caráter elevado e grande sabedoria poderá ser um verdadeiro chefe de governo, um líder, ou um autêntico representante do povo. Eis a razão pela qual o dirigente é o responsável pela corrupção, o
  • 66. 66 declínio moral e o aumento da criminalidade do país que governa, ou da empresa que preside. ANTICRISTO: Estamos completamente de acordo, por isso nós temos sempre reelegidos nossos candidatos. Veja o exemplo desta reeleita que aqui está para dialogar com as pérolas negras. PN3: Quem! Essa pilantra? PRESIDENTA: Mas, não votaram em mim? PN1: Aí pessoal, ela quer que a gente acredite em mamãe Noel. PN2: Ô mãe dos pobres, esqueceu que a urna é eletrônica e digamos viciada. Essa corrupção sem fim só ocorre porque à massa está no nível infernal. PRESIDENTA: Não têm ouvido que o nosso governo é honesto. Todas as três balançam a cabeça afirmativamente. PRESIDENTA: Pois é, se a gente diz que ele não é corrupto é porque ele não é corrupto. Se duvidarem então pergunte ao nosso Ministro da Justiça. A gargalhada foi geral, inclusive do Anticristo, exceto o da presidenta. PN3 (rindo): Espera aí! Deus é justiça. No decorrer do tempo se teve várias justiças, como a justiça romana com seu princípio jurídico “dar a cada um o que é seu”, o que queria dizer “ao escravo se dava a escravidão”, “ao desgraçado a desgraça”.
  • 67. 67 PN1: A justiça cristã antiga com a regra “a cada um segundo o seu trabalho”. No socialismo prega-se “a cada um segundo a sua capacidade.” No comunismo “a cada um segundo a sua necessidade.” PN2: Isso sem deixar de mencionar na justiça recente: “aquilo que está em conformidade com o direito.” PRESIDENTA: O que orgulhosamente praticamos no nosso país quando chegamos ao poder. Por exemplo: o exercício por duas legislaturas gera aos seus ocupantes uma aposentadoria proporcional, isto é um direito adquirido. A gargalhada novamente foi geral, exceto o da ... PN3 (rindo): Isso é um injusto e discriminatório privilégio. A autoridade do poder legislativo cochicha com a do judiciário. PN1: Por que ficam na espreita sussurrando ao Invés da transparência? Poder revogante ou poder constituinte, eis a questão. PN2: Não entendem não é mesmo? Vou explicar. Estes termos referem-se ao Congresso Legislativo. De fato, a cada ano, aprovam-se novas leis. Entretanto, isso não é motivo para orgulho, pois as leis são instituídas porque o mal social aumenta. Caso aumentasse o número de homens honestos, não haveria necessidade de leis; portanto, não seria necessário instituí-las. O verdadeiro progresso da cultura só terá sido alcançado quando a função do Congresso Legislativo consistir em revogar as leis.
  • 68. 68 PN3: Gestão na condução de nação e negócio se assemelha na atualidade a tapeação de menino. Quando os sistemas e regimes vão maus é devido o governo e o povo terem aura debilitada. Esperteza e fraude são o que comanda as eleições. A revolução cultural é atacada pelos políticos diante de uma ralé enganada. Cargos e postos são ocupados por apegados, ardilosos e criminosos. Felizmente, ladrão não é necessário no Mundo Ideal. PRESIDENTA: Vamos acabar com essas suas conversa desinteressantes, dispensáveis e desprezíveis da elite branca, e passem a escutar não o impacto de asteroide, não a pandemia mundial, não a guerra nuclear, não a mudança climática, mas sim a causa verdadeira do fim do mundo: o nosso Anticristo. PN1: Que ele fale não para nós, mas sim para esses com falta de nacionalismo e planejamento, esses com excesso de lerdezas, lesares, consumismos, curiosidades boçais, que são facilmente manipuláveis e que não sabem protestar. Presidenta não mais se contendo de ser tanto ridicularizada, explode de raiva ao pé do ouvido do Anticristo. PRESIDENTA (cochichando): Vamos acabar com essa bagunça, pois o Estado sou eu. O maior consultor político com muita calma. ANTICRISTO: Com gentileza pérolas negras dirijamo-nos a sala ao lado para que os empresários as ouçam.
  • 69. 69 ECONOMIA Não adianta, lá estão elas questionando o preço da construção. PN2: Governo contratou essa empreitada que orçou preço em 100 milhões de dólares, explique como isso ser possível. Quando os empreiteiros ia abrir a boca. PRESIDENTA: Calados, não interrompam a super excelência ... ANTICRISTO: Chega de elogios. Economia é a ciência social que estuda a produção, distribuição e consumo de bens e serviços. PN3: Ou ainda, que estuda as formas de comportamento humano resultantes da relação existente entre as necessidades intensas a satisfazer e os recursos escassos, o que envolve a análise das escolhas afetadas por incentivos e ajudas. PRESIDENTA: Ótimo, mas vamos focar na empresa. PN1: Eu prefiro que seja na pobreza. A presidenta ia ... mas o tutor chegou. ANTICRISTO: Mas, o que da pobreza quer tratar? Pois, como sabe, ela pode ser entendida em vários sentidos, como carência material, carência de recursos econômicos, carência social, carência hídrica e energética?
  • 70. 70 PN2: Ainda tem a carência espiritual. PRESIDENTA: Nosso governo eliminou-a de nosso território. PN3: Ô presidenta, as causas primeiras da pobreza e a sua eliminação são uma questão altamente controversa e politizada. PN1: Uns costumam olhar fatores estruturais que impedem o crescimento econômico como a falta de um sistema de crédito, o crime, a corrupção. PRESIDENTA: No meu discurso eu já disse que ela inexiste? PN2: E a carência de oportunidades, nomeadamente de educação? O que diz seu discurso ela existe ou não? PN3: Há os que apresentam a pobreza como carência espiritual. ANTICRISTO: A correta é a de que a pobreza é considerada como necessária e desejável, e deve ser aceita para alcançar certo nível espiritual, moral ou intelectual, uma forma de autodisciplina através do qual as pessoas se aproximam de Deus. PN1: Ô Anticristo eu prefiro a explicação da causa da pobreza aos fatores político-legais, como: inexistência ou mau funcionamento de um sistema democrático, fraca igualdade de oportunidades, corrupção. PRESIDENTA (gritando): Corrupção não existe e ponto final.
  • 71. 71 E elas nem aí para aqueles berros. PN2: Nos países ocidentais foram implementadas numerosas medidas que construíram o chamado Estado Social. PRESIDENTA: Pois é, fiquem sabendo que ele foi criado pelo ex e desenvolvido por mim. A gargalhada novamente foi geral. PRESIDENTA (irada): Que riso frouxo é esse? Por que dessa falta de culto a personalidade do nosso amado ex: o acusador. Tutor no ouvido de modo que ela fica aparentemente calma. PRESIDENTA: Caríssimas pérolas negras, nobres representantes do povo brasileiro, como definem a pobreza? PN3: Ora, com os bolsos sempre vazios, as pessoas não tem vitalidade. Mesmo que se enfeitem exteriormente, são pobres material e espiritualmente. PN1: Pobreza material. Quando sentimos fome, por exemplo, só podemos ficar tranquilos se tivermos certeza de que alguém nos trará comida. PRESIDENTA (espantada): Pobreza espiritual? PN2: Sim, como a pobreza de conhecimentos. PRESIDENTA: Pelas estatísticas do meu governo as duas ...
  • 72. 72 PN3: Estas estatísticas forçam a inteligência para falsear a vida e lutam no sentido de enganar o próximo. Pobres de espírito os que julgam ser isso esperteza! PRESIDENTA: Olhem não estou entendendo mais nada, não estou acostumada a ouvir o povo. Com licença tenho que saber o que dizer, vou consultar o nosso Anticristo. ANTICRISTO: Do jeito que vão as coisas, só nos resta ir até o ex. PN1: Cuidado que pobreza espiritual termina resultando em pobreza material. É preciso saber ainda o que acontece com os que são avarentos no Mundo Material, apesar de possuírem muito dinheiro. Trata-se de pessoas materialmente ricas, mas espiritualmente pobres. Passando para o Mundo Espiritual, ficam numa situação de penúria e reconhecem seu erro. PRESIDENTA: Por isso que criamos o programa bolsa família. PN2: Ih! Que mistura confusa do mesmo. Deixe-me ajudá-la pelo menos explicando uma coisa: muitos vivem pobres porque estão no nível de ser pobre, ou seja, estão numa camada correspondente ao nível das pessoas pobres no Mundo Espiritual. Não adianta simplesmente dar dinheiro, entendeu? PN3: A solução da pobreza está na: centralização em Deus, obedecer A Suas leis e educação espiritualista; elevação espiritual via sofrimento, virtude e belo; saldar dívida e começar de forma pequena; dedicação monetária; Altruísmo, desapegar, ter fé e esforçar-se, ser confiável e justo; ser útil à Obra Divina. PRESIDENTA: Por isso que em quaisquer circunstâncias ...
  • 73. 73 PN1: ... o ser humano deve conquistar, em primeiro lugar, a confiança de todos. Não há riqueza maior. Da riqueza chamada confiança surge “juros” sem limites, e mesmo que, socialmente, lhes faltem recursos, os “ricos” desta ordem nunca ficarão em má situação. Por esse motivo, enquanto as pessoas não crerem na existência de Deus, nada há de dar certo com eles. Para isso, só há um caminho: a fé. Aqueles que a têm, são possuidores de um tesouro sem limites e, além de verdadeiramente felizes, são criaturas da ganância mais autênticas. E não essa dos aqui presentes. PN2: Nenhum tesouro, por mais valioso que seja, supera o tesouro da honestidade. A maioria das pessoas pensa que ninguém consegue fama, riqueza ou chegar à presidência de qualquer coisa apenas com honestidade, julgando inevitável a utilização de alguns meios ilícitos, mal feitos, ... roubos isso sim. PN3: Sabemos que serão mais felizes aqueles que praticarem maior número de ações louváveis. Já imaginaram que povo e que nação surgiriam, se todas as pessoas se unissem para praticar o bem? Um país assim seria alvo de respeito universal. Poderia ser considerado como uma parcela do Paraíso Terrestre, pois, com o tempo, desapareceriam todos os problemas de ordem moral, toda doença, toda pobreza e todo conflito. Seria como “bater com o martelo no chão” - a pancada não poderia falhar. PRESIDENTA: Por isso que em quaisquer circunstâncias nós primamos por sermos confiáveis, honestos e praticantes do bem. Por isso que em quaisquer circunstâncias ... PN1: ... os eleitos devem descer do palanque e deixar de posar como oposicionista.
  • 74. 74 ANTICRISTO (despistando): Como íamos falando, a pobreza ... PN2: Alguns índices internacionais sugerem uma série de condições que ajudam a aumentar o crescimento e a reduzir a pobreza. Entre estes se tem a redução das barreiras para a criação de empresas e assim de empregos, trazendo mais pessoas para a economia formal. PRESIDENTA: Pelas estatísticas estamos em pleno emprego. PN3: Conta outra, mas, não para nós. Pois, na atualidade, está presente uma forte insegurança nos trabalhadores, pois a globalização e a modernização têm ocasionado renovação constante, exigência de qualidade e número expressivo de desemprego. Até os que têm emprego estão forçados há labutar muitas horas por dia, sem ânimo, alegria e esperança, mas apenas para se mantiver vivos, afogados num lamaçal de preocupações, motivados pelas dificuldades financeiras e por doenças proporcionadas pelo próprio trabalho. E o transporte ... PN1: Isso tudo acarreta a necessidade de uma reflexão sobre a empresa, uma conscientização daquela empresa que se tem e daquela que é desejada, na qual já se trabalha ou na que se quer trabalhar. Seria ela uma companhia progressista ou decadente? Uma firma futurosa ou passadista? PN2: Nos dias de hoje, os mais esclarecidos, já sabem que toda criação tem matéria e espírito e, entre estes, situações intermediárias de semi-matéria ou semi-espírito, que será
  • 75. 75 chamado de espírito-matéria. Assim, se pode dizer que qualquer coisa criada tem três elementos: 1º) matéria, que é a realidade sensível, a forma; 2º) espírito-matéria, realidade perceptível, função; 3º) espírito, realidade etérea, realidade volátil, missão. PRESIDENTA: Isso é papa furado de esotérico, tem exemplo do que afirmam? PN3: Exemplificando com um computador: sua forma pode ser sentida ao tatear seu contorno ou vê-lo exposto como num desenho. Sua função pode ser percebida ao ligá-lo com o digitar, armazenar, calcular e programar. Já sua missão, por ser insensível e imperceptível, só pode ser conhecida ao consultar o manual do fabricante ou alguém que conheça sobre processar, automatizar e transmitir informações. PN1: Exemplificando com o ser mais evoluído das criações, o homem, especificamente com ele diante da medicina: a forma humana é tratada na medicina pela Anatomia; a função do ser humano pela Fisiologia; e a missão do homem? Existe Missiologia? PN2: Exemplificando, agora, com o homem em vez de diante da medicina, ele ser examinado pela religião. Nesse caso, sua forma não seria a anatomia, mas sim seu corpo material. Sua função, em vez de fisiologia, seria o pensamento. E sua missão? Encontraria o mesmo silêncio da missiologia? Obviamente que não! Pois, uma boa parcela das religiões sabe que a missão do
  • 76. 76 ser humano está na alma. Em resumo, a forma, função e missão do homem diante da religião é corpo, pensamento e alma. PN3: Após discorrer sobre a criação de modo amplo, particulariza-se sobre esse algo criado chamado empresa fazendo uma metáfora com a criação do homem sob a ótica religiosa. PN1: Desse modo, a empresa, além de ter matéria, espírito- matéria e espírito, ou seja, realidade sensível, realidade perceptível e realidade etérea, ou ainda, forma, função e missão, ela tem corpo, pensamento e alma. PN2: As empresas de acordo com a predominância do corpo, do pensamento ou da alma, podem ser classificadas, respectivamente, em: Empresa-Corpo, Empresa-Pensamento e Empresa-Alma. PRESIDENTA: As nossas estatais são empresas ... não sei qual dessas três é a mais categorizada. Vou perguntar ao ... ANTICRISTO: A mim não, pergunte ao ex que sabe de tudo, fala de tudo, age com tudo. PN3: Contudo, quaisquer que sejam as dificuldades, a presidenta já deve ter ouvido falar em espírito de busca, não? Por que em vez de ficar ouvindo as besteiras ideológicas do ex não ... ANTICRISTO: Com gentileza pérolas negras ...
  • 77. 77 IDEOLOGIA PRESIDENTA: Jornalistas da nossa imprensa: o que é ideologia? (silêncio sepulcral) Quando não tem de falar querem falar, quando tem de falar não falam. Que democracia é essa! PN1: Ideologia é um termo usado no senso comum como conjunto de idéias, doutrinas e visões de mundo de um indivíduo ou de um grupo, orientado para suas ações sociais e, principalmente, políticas. PN2: Napoleão chamou os "ideólogos" no sentido de "deformadores da realidade". Karl Marx como uma consciência falsa proveniente da divisão do trabalho manual e intelectual. PN3: Nessa divisão surgem os intelectuais que inverte ou camufla a realidade para os ideais ou vontades da classe dominante. A ideologia pode ser considerada assim um instrumento de dominação que age através do convencimento e não da força, em forma de normatizar ou aconselhar, alienando a consciência humana e mascarando a realidade. ANTICRISTO: Depois de Marx, temos a ideologia materializada nas práticas das instituições e o discurso como luta de classes. PN1: Luta de classes? Aqui! Aqui não passa de um fomento de perpetuação no poder de uns oportunistas que vieram de baixo, como é o caso do acusador, caluniador e manipulador. Sim, como é o caso de ex.
  • 78. 78 PRESIDENTA: Vocês estão é querendo plantar a desarmonia entre o ex e os vassalos. PN2: A dialética da harmonia nos ensina que a desarmonia é produto da visão estreita; e a harmonia, produto da visão ampla. Ou seja, depende do nível espiritual, pois quanto mais elevada for uma pessoa, mas ela vê que tudo está harmonizado. PN3: Até hoje, o Oriente se ateve à linha vertical e o Ocidente seguiu o caminho da horizontalidade. Entretanto, ambas apresentam falhas. Vai chegar, porém, um dia em que deverá ocorrer o cruzamento dessas duas linhas determinando a fusão da espiritualidade oriental com o materialismo ocidental. Como resultado desse entrelaçamento, surgirá uma nova cultura completa. Eis aqui também o significado oculto da cruz, símbolo do Cristianismo, ou da cruz gamada no Budismo. PRESIDENTA: Por isso que no nosso governo defendemos os menos favorecidos juntamente com a ideia de que tal como os indivíduos, cada país possui uma ideologia cultural particular. PN1: Tratando-se de ideologia, só o cosmopolitismo é verdadeiro e traz a segurança para as pessoas. ANTICRISTO: grande verdade exposta pelas pérolas negras. Por isso que a presidenta vem discursando sobre a segurança. PN2: E enquanto ela discursa, nunca houve um número tão grande de criminosos no país.
  • 79. 79 PN1: Esses são apenas os casos que vêm à tona eventualmente, não passando da pequena parte visível de um “iceberg”. Os males sociais atual parecem não ter fim. É como se fosse um monte de lixo tão grande que não se tem lugar para pisar. Portanto, o grande problema com o qual nos defrontamos é encontrar o meio de eliminar esse lixo. ANTICRISTO: Nós estamos preocupados com o problema, e vemos fazendo o maior esforço para encontrar uma solução. PN2: Entretanto, por que não conseguem vislumbrar ao menos uma pequena luz de esperança? PRESIDENTA: Como não! Se nossas estatísticas mostram que ... PN3: ... estão completamente fora do caminho certo. A falha é que a civilização atual não alcançou um progresso total: somente o lado material floresceu, o que representa apenas a metade. A outra metade, isto é, a parte espiritual, é totalmente ignorada. PRESIDENTA: As nossas estatísticas mostram que o nosso povo é cristão e que assim ele deve obedecer aos mandamentos e as autoridades constituídas desde o papa até ao presidente. PN1: Os Mandamentos são como leis decretadas com o fim de desestimular os pecados. As leis do homem, por sua vez, destinam-se a manter a ordem estabelecida na sociedade e a impor punições, se elas forem infringidas.
  • 80. 80 PN2: Ameaças e castigos não é a melhor maneira de impedir que um homem pratique o mal. É a tendência de perpetrar o mal ou de agir desonestamente que tem de ser eliminada, porque a pessoa inclinada às práticas corruptas se deleita com elas. PN3: Por exemplo, ganhar dinheiro por meios desonestos, muitas vezes parece mais fascinante do que ganhá-lo honestamente. Nesse caso, a natureza divina ou primordial está debilitada, ocupando um baixo plano, fortalecendo assim, a natureza inferior ou secundária. Quando a alma ocupa um plano mais elevado, a pessoa é incapaz de agir mal. PRESIDENTA: O que estão pregando? A anarquia de ficarmos sem regulamentos legais e instituições penais? PN1: Claro que não, pois isso é perigoso enquanto muitas pessoas ainda permanecerem num baixo nível de consciência. PN2: No entanto, apesar do rigor com que as leis são aplicadas, há muita gente decidida a infringi-las, inclusive, às vezes, homens de elevada posição social que ocupam altos cargos. O “status” social da pessoa ou o cargo político que ocupa, não significam, necessariamente, desenvolvimento espiritual. PRESIDENTA: O que estão insinuando? Saibam que no nosso esquerdismo não há nenhum desrespeitador de nenhuma lei. Saibam que no nosso socialismo pardo, caboclo, cafuzo, confuso, mulato, mameluco, maluco, ...
  • 81. 81 PN3: Tanto o capitalismo como o socialismo, o comunismo, o populismo, o esquerdismo, e demais “ismos" surgiram por uma necessidade e pela mesma razão serão reduzidos e extintos. PN1: Até hoje, entretanto, considerando a cor de seu país a melhor de todas; os homens quiseram pintar o quadro somente com essa cor. Por analogia, os “ismos” ou ideologias podem ser comparados às tintas fabricadas por cada país. Consequentemente, uma nação não pode tentar pintar além da sua linha limite, porque isso provoca atritos com os outros. ANTICRISTO: Qual a convicção das pérolas negras de modo que se tenha a visão de mundo perfeito? PN2: A convicção de que é necessário adotar uma justa medida. PN3: Aquela de se dedicar tanto ao seu trabalho para si como quanto para Deus. Essa justa medida ou temperança é o ponto intermediário entre o horizontal e o vertical. Isto significa não inclinar-se excessivamente para nenhum dos dois lados, mas seguir o caminho do meio, pois todos extremos perecerão. ANTICRISTO: Por que desta crença que os ismos acabarão? PN1: Porque tanto o Capitalismo como o Comunismo são princípios materialistas. PN2: Nascerá uma ideologia cultural elevada que não tende nem para a direita e nem para a esquerda. Esta ideologia, doravante,
  • 82. 82 liderará o mundo sendo a manifestação de uma profunda administração de Deus. PN3: Teremos a harmonização e controle entre a Cultura Espiritual e Material em forma da cruz (+). É nascimento da Cultura que une o vertical com o horizontal. PRESIDENTA (debochando): Isso me parece um se manter sempre no centro, algo como o PMDB, sempre apoiando o governo de plantão. PN1: Sim, é um princípio imparcial que é simultaneamente os extremos. Ilustra tanto o aspecto horizontal da vida, semelhante à da água que se estende perpetuamente em nível horizontal, unindo irmão com irmão; quanto o aspecto vertical, semelhante à atividade do fogo que queima em profundidade e dirige suas chamas para o alto, unindo o homem a Deus. PN2: O vertical é estrito e intransigente, seu temperamento é regido por padrões frequentemente rígidos e restritos, tende a ser mais crítico do que os outros e a classificar as coisas como "boas" ou "más". O horizontal geralmente é liberal, sempre disposto a mudar, tende a um liberalismo excessivo por lhe faltar uma orientação espiritualmente profunda. PRESIDENTA (debochando): Isso me parece simbolizar a cruz equilibrada, indicando a perfeita harmonia entre a direita e a esquerda. (irritada): Deixem de baboseiras, vejam que até as plantas e árvores crescem verticalmente em direção ao céu e