SlideShare uma empresa Scribd logo
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
1
Teorias da Motivação
Conceitos associados: volição, autonomia, criatividade, afeição e cognição
A Afeição é o sentimento ou emoção que pode assumir diferentes naturezas e graus de
complexidade, intensidade ou duração. São exemplos o amor, a amizade, a paixão, a fúria, a
ira.. Representa um estado, limitado no tempo, provocado por estímulos externos ou por
representações, acompanhado de um certo grau de tensão e composto de sentimentos
particulares.
A Cognição traduz-se no conjunto de unidades de saber da consciência baseado nas
experiências sensoriais, nas representações, nos pensamentos e nas lembranças. Processo
mediante o qual se adquire conhecimento, envolvendo aspectos como:
• Atenção;
• Percepção;
• Memorização;
• Raciocínio;
• Juízo;
• Imaginação;
• Pensamento;
• Linguagem.
A Volição caracteriza-se por ser a capacidade, baseada numa conduta consciente, de se
decidir por uma certa orientação ou um certo tipo de conduta em função de motivações.
Processo executivo mental que realiza a intermediação e a ligação entre as deliberações, as
decisões e os movimentos corporais voluntários. Desta forma a acção volitiva Movimento
precedido pelo Pensamento, de tal forma que o propósito da acção tem de estar activo na
consciência, mediante combinações apropriadas de: crenças, conhecimentos, desejos, valores e
intenções.
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
2
A Motivação é diferente de Volição, visto que se rege por um conjunto de factores (motivos)
que determinam a conduta individual. Caracteriza-se por ser um processo responsável pela:
 Direcção do comportamento;
 Intensidade da acção;
 Persistência dos esforços.
Paradigma das
Necessidades /
Motivos / Valores
Paradigma da
Escolha Cognitiva
Paradigma da
Auto-Regulação
Modelos assentes
nas Características
da Função
 Teorias dos
Instintos
 Teoria da
Hierarquização
das Necessidades
 Teoria das
Necessidades de
McClelland
 Teoria Y
 Teoria da
Equidade
 Teoria VIE:
Valência /
Instrumentalida
de /
Expectância
 Teoria da
Realização
 Teoria Goal-
Setting
 Teoria da
Motivação
Intrínseca e Auto-
determinação
 Teoria da
Aprendizagem
Social
 Teoria da Auto-
regulação
 Teoria
Bifactorial
 Teoria das
Características
da Função
Teorias da
Motivação
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
3
Paradigma das Necessidades / Motivos / Valores
Teoria dos Instintos:
As variáveis que regem o comportamento são basicamente intra-individuais sendo, como tal,
pré-determinados e não aprendidos. Os instintos são tendências hereditárias, intencionais,
orientadas para objectivos. McDougall identificou 12 instintos: fuga, repulsa, curiosidade,
conhecimento, autocrítica, asserção, parentesco, reprodução, fome, gregarismo, aquisitividade e
construtivo. A explicação do comportamento humano a partir dos instintos perdeu
progressivamente credibilidade, em detrimento de outros constructos mais ajustados.
Teorias das Necessidades:
A necessidade, entendida como um estado interno de desequilíbrio, foi proposta em primeiro
lugar por H. Murray; As condutas resultam de sinais do meio externo que conduzem o indivíduo
à necessidade de restaurar o equilíbrio. As necessidades podiam ser Primárias (todas as
necessidades fisiológicas) ou Secundárias (autocrítica, realização, afiliação, agressão,
autonomia, diferenciação, domínio ou poder).
Teoria da Hierarquização das necessidades:
Proposta por Maslow, esta teoria assenta no pressuposto de que as necessidades humanas
não têm a mesma força, pelo que a sua emergência decorre das prioridades contextuais
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
4
Segundo esta teoria, o comportamento humano caracteriza-se pela combinação hierarquizada
de factores biológicos, culturais e situacionais, entendendo a motivação como um processo
contínuo e não como um estado. Existem cinco níveis de necessidades:
1. Fisiológicas (as que asseguram a sobrevivência do indivíduo: alimentação, oxigénio,
sono, sexo, etc.);
2. Segurança: desejo de segurança, estabilidade, dependência, protecção, ausência de
medo ou de ansiedade, desejo de lei e ordem;
3. Sociais: Necessidades de pertença: amor, amizade, afeição
4. Ego e Auto-estima: Desejo de auto-respeito, auto-estima e estima dos outros;
Perspectiva Interna (desejos de poder, realização, independência e liberdade);
Perspectiva Externa (desejos de boa reputação, prestígio, fama, estatuto, glória,
dominação, reconhecimento, atenção, importância, apreciação e dignidade);
5. Auto Actualização (Procura da auto-realização e do desenvolvimento contínuo)
Note-se que a Pirâmide das Necessidades pressupõe que as necessidades de um
determinado nível só surgirão após a satisfação das do nível inferior.
Teoria das Necessidades de McClelland:
 Necessidades de Realização:
Resultam de experiências aprendidas muito precocemente, com particular relevância para
o papel da Educação, nomeadamente na aprendizagem das normas de conduta onde a noção
de certo e errado é vinculada de forma clara e se proporciona às crianças autonomia e feedback.
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
5
 Necessidades de Afiliação:
Desejos de interacção social, podendo definir-se como o padrão de comportamentos
conducente à manutenção de relações amigáveis e calorosas com outras pessoas.
 Necessidades de Poder:
Desejos de controlar o ambiente, de influenciar ou orientar pessoas e de modificar
situações.
Teoria Y:
McGregor distinguiu duas formas básicas de entender o género humano: a visão negativa
(Teoria X) e a visão positiva (Teoria Y):
 Na Teoria X, o indivíduo médio tem uma aversão inata pelo trabalho, tenta evitá-lo,
deseja evitar responsabilidades, tem pouca ambição e prefere ser orientado, pelo que tem de ser
superiormente coagido, controlado, ameaçado e dirigido para que seja produtivo na sociedade e
nas organizações;
 Na Teoria Y, o dispêndio de esforço físico e mental no trabalho é tão natural como o jogo
e o repouso, o homem pode autodirigir-se, autocontrolar-se e assumir objectivos responsáveis,
as responsabilidades face aos objectivos dependem das recompensas associadas à sua
realização, o indivíduo médio aprende a aceitar e a procurar responsabilidades, os recursos da
imaginação, do engenho e da criatividade encontram-se largamente distribuídos e, finalmente, o
potencial intelectual individual só é parcialmente aproveitado.
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
6
Assim, segundo a Teoria X, as pessoas comuns seriam orientadas pelas necessidades de
baixa ordem, enquanto, segundo a Teoria Y, os comportamentos humanos seriam orientados
pelas necessidades de elevada ordem.
A Teoria Y foi amplamente aplicada, originando mudanças profundas na gestão das
organizações, introduzindo alterações significativas como o envolvimento dos trabalhadores nos
processos de decisão, na melhoria da produtividade, contribuindo com sugestões que
melhoravam produtos e serviços.
Paradigma da Escolha Cognitiva
Teoria da Equidade:
Segundo esta Teoria, é a avaliação que cada indivíduo faz dos imputs (investimentos, como
experiência prévia de trabalho, nível de habilitações e de qualificações, formação, empenho no
trabalho, etc.) e dos outcomes (recompensas, como o salário, o estatuto, benefícios sociais
adicionais, regalias, etc.), segundo a importância que têm para si, que determinam o seu
comportamento;
Cada indivíduo avalia os investimentos e as recompensas numa lógica de troca comparativa
com os investimentos e as recompensas dos indivíduos em situações idênticas ou ainda
segundo os padrões individuais ou do sistema.
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
7
Teoria VIE (Valência / Instrumentalidade / Expectância):
Segundo Vroom, o comportamento humano resulta de escolhas conscientes entre
alternativas, cujos comportamentos selectivos estão intimamente relacionados com os processos
psicológicos da perpecção e da formação de atitudes;
Os três componentes desta teoria são crenças que estimulam e dirigem o comportamento:
1. Valência diz respeito ao valor afectivo que cada indivíduo atribui às consequências do
seu desempenho;
2. Instrumentalidade estabelece uma relação entre desempenho e valência;
3. Expectância diz respeito à força da convicção sobre uma determinada consequência
(associação acção-consequência).
Este modelo mostra que as recompensas determinam a satisfação, principalmente ao nível da
sua percepção.
Teoria da Realização:
Segundo Atkinson, devemos considerar 4 elementos no que se refere à forma como os
indivíduos se aproximam de uma tarefa:
1. Motivos para alcançar o sucesso
2. Motivos para evitar o insucesso
3. Probabilidade sentida de sucesso na tarefa
4. Valor do incentivo para o sucesso na tarefa.
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
8
Assim sendo, o valor do incentivo do sucesso assume uma correlação positiva com a
dificuldade da tarefa. As pessoas diferem na medida em que a motivação para alcançar o
sucesso for maior do que a motivação para evitar o insucesso.
Teoria Goal-Setting:
O seu autor, Locke, considera-a mais como uma Técnica Motivacional do que uma Teoria
Formal, sendo que a motivação é a noção de objectivo presente. Desta forma os objectivos
individuais que proporcionam o mecanismo individual através dos quais os estados
motivacionais se transformam em acção, sendo propulsores da mesma.
A fixação de objectivos, que deve ser clara, objectiva e mensurável, quando aceite, torna-se um
importante factor motivacional. Quanto maior é o desafio proposto, surge um maior empenho por
parte individual.
Segundo esta teoria, não são as recompensas (que funcionam como motor para a acção) nem
os níveis de satisfação que influenciam a motivação, mas sim os objectivos;
Teoria da Motivação intrínseca e autodeterminação:
A Motivação, segundo Deci, é conceptualizada como a necessidade de competência e de
autodeterminação, isto é, são eliminados os factores exógenos da motivação. Tal como os
instintos, estas necessidades são inatas no ser humano e funcionam como fonte de energia
orientadoras do comportamento humano, sem necessidade quer de recompensas
contingenciais, quer de mecanismos de controlo.
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
9
Segundo Deci, a necessidade de competência leva as pessoas a procurar desafios
compatíveis com as suas capacidades, recusando quer as actividades fáceis e aborrecidas, quer
as actividades que excedem as suas capacidades e que geram ansiedade.
Teoria da Aprendizagem Social
Segundo Bandura, é através da imitação e da observação dos outros em contexto social que
os indivíduos adquirem comportamentos que são gratificados e evitam outros que são punidos.
Assim, o comportamento humano é visto como o resultado de uma modelagem resultante da
observação e da imitação.
O processo de auto-regulação compreende três elementos:
 Auto-observação (atenção dirigida para aspectos específicos e selectivos do nosso
comportamento);
 Auto-avaliação (atenção ao próprio comportamento, com destaque para os sentimentos
de realização ou de falhanço);
 Auto reacção (respostas internas do indivíduo, tendo em conta a auto-avaliação
previamente efectuada, traduzidas em respostas afectivas que proporcionam
sentimentos de satisfação ou de insatisfação).
Teoria da Auto-Regulação:
Carver e Scheier sugerem que o comportamento humano é um processo contínuo
direccionado para várias espécies de objectivos e que essa direccionalidade ocorre mediante um
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
10
processo de feedback de controlo, que assume a forma de um sistema de auto-regulação, i.é,
um sistema interno de orientação. São portanto identificadas duas condições básicas (requisitos)
para que o processo de auto-regulação possa operar:
 Os indivíduos têm de prestar atenção ao seu comportamento, de forma a obterem
imputs para o processo de regulação;
 Os processos de auto-regulação surgem como resposta pronta quando é detectada uma
discrepância entre um standard (padrão) ou objectivo e o desempenho.
Teoria Bifactorial:
Herzberg concluiu que a relação de cada indivíduo com o seu trabalho é única e que a atitude
adoptada pode determinar o sucesso ou o insucesso nesse âmbito. As recompensas
organizacionais podem ser decompostas em dois grupos de factores:
 Os factores motivadores são aqueles que estão presentes quando as pessoas afirmam
sentir-se bem com o trabalho (factores intrínsecos como a realização pessoal, o trabalho
em si mesmo, o reconhecimento, a responsabilidade, a progressão, o crescimento
pessoal, a criatividade, a oportunidade de aumentarem o nível de conhecimentos, para
tomarem decisões e se individualizarem);
 Os factores higiénicos são aqueles que podem gerar insatisfação, quando não estão
presentes, mas que não criam uma motivação intrínseca para o trabalho (políticas e
procedimentos das empresas, estilos de supervisão, relações interpessoais, condições
de trabalho, salário).
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
11
Mudança Social e Transição da Pré-Modernidade para a Modernidade
A história da modernidade não é sinónimo que todas as mudanças que ocorreram tenham sido
sempre positivas. Tudo se baseia através das escolhas que conduziram a transformações, nos
últimos 2 séculos, a melhores condições de vida.
Até á Modernidade, as culturas mais distintas do Mundo eram muito mais semelhantes do que
aquilo que se julgava, tendo em conta que vários eram os factores que existiram na pré-
modernidade que ainda são observáveis na Modernidade, como por exemplo as crenças
religiosas eram padrão na pré-modernidade, porém é notória uma perda significativa da sua
força na Modernidade, o que não se traduz necessariamente no seu desaparecimento total.
A transição, ao longo do tempo, da Pré-Modernidade para a Modernidade, ocorreu através de
sucessivas mudanças e até mesmo revoluções, que de um ponto de vista sociológico, surgem
desta forma novas normas, novos valores e novas crenças.
A Modernidade representa as sucessivas mudanças que ocorrem a partir do século XVIII
(século do Iluminismo), mais concretamente as revoluções políticas e sociais. Observa-se a
queda de várias monarquias e o aparecimento de indivíduos intectuais e pensadores, que
defendem a igualdade e a liberdade para todos os cidadãos.
Tudo se desencadeia a partir de factos evidentes na Pré-Modernidade. Prova disso, por
exemplo é a Revolução Industrial que dá origem a uma imigração, conduzindo a um aumento
demográfico, porque as pessoas saiam das zonas mais rurais rumando às grandes cidades.
Modernidade Era
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
12
O pensamento crítico e a busca pelo conhecimento, promove a ascensão social dos
indivíduos. Com o surgimento de melhores condições de vida, a taxa de mortalidade infantil
baixa e aumenta a esperança média de vida.
Entender a Pré-Modernidade, é ter a percepção do Mundo como um caos e inteligível –
afirmando que tudo o que acontece é resultado de vontades Divinas. Por este motivo esta fase é
designada por Mundo Encantado, onde existe pensamento mágico e explicações paranormais.
Existe bem presente o conceito de etnocentrismo, onde uma determinada sociedade se julga
superior a todas as outras.
Tudo viria a mudar, com a evolução das Ciências agregadas de um pensamento crítico e
realista dos factos. Surgindo desta forma, a Modernidade que entende o Mundo como Cosmos,
segundo bases de raciocínio através de explicações naturais e comprovadas pela ciência.
Consequentemente o pensamento é o fio condutor de toda a compreensão, e desta forma esta
fase se designa por Mundo Desencantado, porque enquanto seres pensantes tudo tem uma
lógica, segundo as ciências. Esta marcada vincadamente a posição que ser um cidadão
universal é sinonimo de ter direitos e deveres.
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
13
Comparação entre sociedades Pré-Modernas e Sociedades Modernas:
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
14
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
15
Factores Externos que Condicionam a Saúde
Existem portanto factores que condicionam a saúde tais como:
• Classe social:
- A saúde tem mais qualidade em classes sociais mais elevadas do que em classes
inferiores, existe uma correlação positiva, pois se verifica que há medida que os
rendimentos são superiores, a qualidade e acesso á saúde é igualmente melhor,
consequentemente a esperança média de vida será também maior.
• Grupo Etário:
- A idade sendo um factor biológico, em sociedades tradicionais, as pessoas são
tratadas de formas distintas. Por exemplo, se por um lado existem em certas
sociedades, pessoas que são segregadas por serem mais idosas, sendo consideradas
inúteis, do ponto de vista que a sua própria opinião deixa de ter qualquer relevância
social, e as mesmas são afastadas do próprio bem-estar social, degradando a sua
saúde social, mental e física, outras há, como é o caso da comunidade cigana, onde
pessoas mais idosas são sinonimo de uma mais valia e são constantemente
estimuladas, por serem ouvidas e respeitadas. Existe uma grande diferença no que diz
respeito à saúde positiva nestas comunidades.
• Cultura:
- Por questões de crenças e valores sociais que afectam a saúde.
• Habitat (Rura/Urbano):
- Distingue-se da região, porque é a diferença entre espaços urbanos e rurais. Na
questão da saúde hà parâmetros que são opostos nos dois espaços. (por exemplo:
melhor qualidade de vida e segurança nos espaços rurais ao invés do que se verifica
nos espaços urbanos) Contudo o acesso à saúde, é mais diversificado, em maior
quantidade e melhor qualidade nas cidades.
ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1
16
• Escolaridade:
- Mecanismo que permite a libertação de superstições, promovendo o pensamento
crítico, a autonomia, a aquisição de conhecimentos sobre saúde por pessoas mais
instruídas que acedem, integra e processam informações sobre saúde. Verifica-se uma
correlação positiva, visto que com maior grau de escolaridade, existirá um maior acesso
à saúde.
• Género;
• Região:
- Os padrões de saúde nas diferentes regiões é diferente. Logo tem de existir uma
consciência das necessidades de cada uma para que seja possível intervir segundo os
padrões de saúde que existem.
• Religião.
Referências Bibliográficas:
 Maia, R.L (2002), Dicionário de Sociologia. Porto: Porto Editora.
 NEVES, Augusto Lobato (2002), Motivação para o Trabalho (Capítulo I), Lisboa, Editora
RH

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ocupacão humana conceitos reformulados
Ocupacão humana   conceitos reformuladosOcupacão humana   conceitos reformulados
Ocupacão humana conceitos reformulados
OTutorial2
 
7332 283-pb
7332 283-pb7332 283-pb
7332 283-pb
OTutorial2
 
Reflexão sobre a 6ºsemana
Reflexão sobre a 6ºsemanaReflexão sobre a 6ºsemana
Reflexão sobre a 6ºsemana
OTutorial2
 
810 1512-1-pb
810 1512-1-pb810 1512-1-pb
810 1512-1-pb
OTutorial2
 
Dm marlene monteiro_2010
Dm marlene monteiro_2010Dm marlene monteiro_2010
Dm marlene monteiro_2010
OTutorial2
 
3º problema
3º problema3º problema
3º problema
OTutorial2
 
Ocupação humana
Ocupação humanaOcupação humana
Ocupação humana
OTutorial2
 
Reflexão 8ª semana
Reflexão 8ª semanaReflexão 8ª semana
Reflexão 8ª semana
OTutorial2
 
922 1706-1-pb
922 1706-1-pb922 1706-1-pb
922 1706-1-pb
OTutorial2
 
Dialnet processo deinstitucionalicaodehabitose-rotinasdecont-4043158
Dialnet processo deinstitucionalicaodehabitose-rotinasdecont-4043158Dialnet processo deinstitucionalicaodehabitose-rotinasdecont-4043158
Dialnet processo deinstitucionalicaodehabitose-rotinasdecont-4043158
OTutorial2
 
3
33
Ocupação humana
Ocupação humanaOcupação humana
Ocupação humana
OTutorial2
 
Reflexão da 5ª semana
Reflexão da 5ª semanaReflexão da 5ª semana
Reflexão da 5ª semana
OTutorial2
 
13952 16930-1-pb
13952 16930-1-pb13952 16930-1-pb
13952 16930-1-pb
OTutorial2
 
Meu
MeuMeu
Justiça, privação, adaptação, equilibrio
Justiça, privação, adaptação, equilibrioJustiça, privação, adaptação, equilibrio
Justiça, privação, adaptação, equilibrio
OTutorial2
 
Resumo teorias de enfermagem
Resumo   teorias de enfermagemResumo   teorias de enfermagem
Resumo teorias de enfermagem
Felipe Justem
 
Reflexao 4ª semana
Reflexao 4ª semanaReflexao 4ª semana
Reflexao 4ª semana
OTutorial2
 
Atividade
AtividadeAtividade
Atividade
OTutorial2
 
Escala para medir percepção de controle em idosos.ECOPSE
Escala para medir percepção de controle em idosos.ECOPSEEscala para medir percepção de controle em idosos.ECOPSE
Escala para medir percepção de controle em idosos.ECOPSE
Hilma Khoury
 

Mais procurados (20)

Ocupacão humana conceitos reformulados
Ocupacão humana   conceitos reformuladosOcupacão humana   conceitos reformulados
Ocupacão humana conceitos reformulados
 
7332 283-pb
7332 283-pb7332 283-pb
7332 283-pb
 
Reflexão sobre a 6ºsemana
Reflexão sobre a 6ºsemanaReflexão sobre a 6ºsemana
Reflexão sobre a 6ºsemana
 
810 1512-1-pb
810 1512-1-pb810 1512-1-pb
810 1512-1-pb
 
Dm marlene monteiro_2010
Dm marlene monteiro_2010Dm marlene monteiro_2010
Dm marlene monteiro_2010
 
3º problema
3º problema3º problema
3º problema
 
Ocupação humana
Ocupação humanaOcupação humana
Ocupação humana
 
Reflexão 8ª semana
Reflexão 8ª semanaReflexão 8ª semana
Reflexão 8ª semana
 
922 1706-1-pb
922 1706-1-pb922 1706-1-pb
922 1706-1-pb
 
Dialnet processo deinstitucionalicaodehabitose-rotinasdecont-4043158
Dialnet processo deinstitucionalicaodehabitose-rotinasdecont-4043158Dialnet processo deinstitucionalicaodehabitose-rotinasdecont-4043158
Dialnet processo deinstitucionalicaodehabitose-rotinasdecont-4043158
 
3
33
3
 
Ocupação humana
Ocupação humanaOcupação humana
Ocupação humana
 
Reflexão da 5ª semana
Reflexão da 5ª semanaReflexão da 5ª semana
Reflexão da 5ª semana
 
13952 16930-1-pb
13952 16930-1-pb13952 16930-1-pb
13952 16930-1-pb
 
Meu
MeuMeu
Meu
 
Justiça, privação, adaptação, equilibrio
Justiça, privação, adaptação, equilibrioJustiça, privação, adaptação, equilibrio
Justiça, privação, adaptação, equilibrio
 
Resumo teorias de enfermagem
Resumo   teorias de enfermagemResumo   teorias de enfermagem
Resumo teorias de enfermagem
 
Reflexao 4ª semana
Reflexao 4ª semanaReflexao 4ª semana
Reflexao 4ª semana
 
Atividade
AtividadeAtividade
Atividade
 
Escala para medir percepção de controle em idosos.ECOPSE
Escala para medir percepção de controle em idosos.ECOPSEEscala para medir percepção de controle em idosos.ECOPSE
Escala para medir percepção de controle em idosos.ECOPSE
 

Semelhante a Conteúdos de CSH.

Direção
DireçãoDireção
Direção
Matias Silva
 
Teorias.
Teorias.Teorias.
Motivação fénix
Motivação fénixMotivação fénix
Motivação fénix
José Matias Alves
 
Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …
Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …
Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …
alanahmar15
 
A teoria das necessidades de david mc clelland
A teoria das necessidades de david mc clellandA teoria das necessidades de david mc clelland
A teoria das necessidades de david mc clelland
Ronne Seles
 
Apresewedwenta.
Apresewedwenta.Apresewedwenta.
Apresewedwenta.
ProcessosConativos
 
Motivação Pessoal
Motivação PessoalMotivação Pessoal
Motivação Pessoal
Allan Almeida de Araújo
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
Caio Maximino
 
Teorias Da Motivação
Teorias Da MotivaçãoTeorias Da Motivação
Teorias Da Motivação
a1971
 
Teorias Da Motivao774
Teorias Da Motivao774Teorias Da Motivao774
Teorias Da Motivao774
Manuela
 
Teoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracaoTeoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracao
Leon Pires
 
Fatores motivacionais.pdf
Fatores motivacionais.pdfFatores motivacionais.pdf
Fatores motivacionais.pdf
KellyCristianyRodrig
 
AULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptx
AULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptxAULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptx
AULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptx
AndraRibeiroSouza
 
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneasMotivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
Psicologia_2015
 
MotivaçãO
MotivaçãOMotivaçãO
MotivaçãO
Aldo Pereira Costa
 
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
Maria Freitas
 
Conação (2)
Conação (2)Conação (2)
Conação (2)
Nuno Pereira
 
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e EmpreendedorismoMotivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
Deomari Fragoso
 
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Tania Montandon
 
Motivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança EmpreendedorismoMotivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança Empreendedorismo
robsonnasc
 

Semelhante a Conteúdos de CSH. (20)

Direção
DireçãoDireção
Direção
 
Teorias.
Teorias.Teorias.
Teorias.
 
Motivação fénix
Motivação fénixMotivação fénix
Motivação fénix
 
Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …
Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …
Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …
 
A teoria das necessidades de david mc clelland
A teoria das necessidades de david mc clellandA teoria das necessidades de david mc clelland
A teoria das necessidades de david mc clelland
 
Apresewedwenta.
Apresewedwenta.Apresewedwenta.
Apresewedwenta.
 
Motivação Pessoal
Motivação PessoalMotivação Pessoal
Motivação Pessoal
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Teorias Da Motivação
Teorias Da MotivaçãoTeorias Da Motivação
Teorias Da Motivação
 
Teorias Da Motivao774
Teorias Da Motivao774Teorias Da Motivao774
Teorias Da Motivao774
 
Teoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracaoTeoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracao
 
Fatores motivacionais.pdf
Fatores motivacionais.pdfFatores motivacionais.pdf
Fatores motivacionais.pdf
 
AULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptx
AULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptxAULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptx
AULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptx
 
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneasMotivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
 
MotivaçãO
MotivaçãOMotivaçãO
MotivaçãO
 
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
 
Conação (2)
Conação (2)Conação (2)
Conação (2)
 
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e EmpreendedorismoMotivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
 
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
 
Motivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança EmpreendedorismoMotivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança Empreendedorismo
 

Mais de Grupo OT5

Ficha de trabalho: Narrativa do Roberto
Ficha de trabalho:  Narrativa do RobertoFicha de trabalho:  Narrativa do Roberto
Ficha de trabalho: Narrativa do Roberto
Grupo OT5
 
Running as an Occupation
Running as an Occupation Running as an Occupation
Running as an Occupation
Grupo OT5
 
Ata 1
Ata 1Ata 1
Ata 1
Grupo OT5
 
Ata 1
Ata 1Ata 1
Ata 1
Grupo OT5
 
Narrativa do David - MOH.
Narrativa do David - MOH.Narrativa do David - MOH.
Narrativa do David - MOH.
Grupo OT5
 
Narrativa do Jon - MOH.
Narrativa do Jon - MOH.Narrativa do Jon - MOH.
Narrativa do Jon - MOH.
Grupo OT5
 
Narrativa do John - MOH
Narrativa do John - MOHNarrativa do John - MOH
Narrativa do John - MOH
Grupo OT5
 
Narrativa do David - MOH
Narrativa do David - MOHNarrativa do David - MOH
Narrativa do David - MOH
Grupo OT5
 
14 18-novembro
14 18-novembro14 18-novembro
14 18-novembro
Grupo OT5
 
Estrutura da prática da Terapia Ocupacional 3ª edição
Estrutura da prática da Terapia Ocupacional  3ª ediçãoEstrutura da prática da Terapia Ocupacional  3ª edição
Estrutura da prática da Terapia Ocupacional 3ª edição
Grupo OT5
 
Ata 14
Ata 14Ata 14
Ata 14
Grupo OT5
 
Relatório filme "Amigos Improváveis"
Relatório filme "Amigos Improváveis" Relatório filme "Amigos Improváveis"
Relatório filme "Amigos Improváveis"
Grupo OT5
 
Grelhas de Observação
Grelhas de ObservaçãoGrelhas de Observação
Grelhas de Observação
Grupo OT5
 
Esquema sobre o processo em Terapia Ocupacional
Esquema sobre o processo em Terapia OcupacionalEsquema sobre o processo em Terapia Ocupacional
Esquema sobre o processo em Terapia Ocupacional
Grupo OT5
 
Grelha de Observação segundo o EPTO
Grelha de Observação segundo o EPTOGrelha de Observação segundo o EPTO
Grelha de Observação segundo o EPTO
Grupo OT5
 
Pesquisa sobre conceitos de Ciência Ocupacional
Pesquisa sobre conceitos de Ciência OcupacionalPesquisa sobre conceitos de Ciência Ocupacional
Pesquisa sobre conceitos de Ciência Ocupacional
Grupo OT5
 
Pesquisa sobre Ocupação e Saúde
Pesquisa sobre Ocupação e SaúdePesquisa sobre Ocupação e Saúde
Pesquisa sobre Ocupação e Saúde
Grupo OT5
 
Pesquisa sobre Ocupação e Saúde
Pesquisa sobre Ocupação e SaúdePesquisa sobre Ocupação e Saúde
Pesquisa sobre Ocupação e Saúde
Grupo OT5
 
Ficha de Trabalho: IKIGAI
Ficha de Trabalho: IKIGAIFicha de Trabalho: IKIGAI
Ficha de Trabalho: IKIGAI
Grupo OT5
 
Definitions of occupational balance and their coverage by instruments
Definitions of occupational balance and their  coverage by instrumentsDefinitions of occupational balance and their  coverage by instruments
Definitions of occupational balance and their coverage by instruments
Grupo OT5
 

Mais de Grupo OT5 (20)

Ficha de trabalho: Narrativa do Roberto
Ficha de trabalho:  Narrativa do RobertoFicha de trabalho:  Narrativa do Roberto
Ficha de trabalho: Narrativa do Roberto
 
Running as an Occupation
Running as an Occupation Running as an Occupation
Running as an Occupation
 
Ata 1
Ata 1Ata 1
Ata 1
 
Ata 1
Ata 1Ata 1
Ata 1
 
Narrativa do David - MOH.
Narrativa do David - MOH.Narrativa do David - MOH.
Narrativa do David - MOH.
 
Narrativa do Jon - MOH.
Narrativa do Jon - MOH.Narrativa do Jon - MOH.
Narrativa do Jon - MOH.
 
Narrativa do John - MOH
Narrativa do John - MOHNarrativa do John - MOH
Narrativa do John - MOH
 
Narrativa do David - MOH
Narrativa do David - MOHNarrativa do David - MOH
Narrativa do David - MOH
 
14 18-novembro
14 18-novembro14 18-novembro
14 18-novembro
 
Estrutura da prática da Terapia Ocupacional 3ª edição
Estrutura da prática da Terapia Ocupacional  3ª ediçãoEstrutura da prática da Terapia Ocupacional  3ª edição
Estrutura da prática da Terapia Ocupacional 3ª edição
 
Ata 14
Ata 14Ata 14
Ata 14
 
Relatório filme "Amigos Improváveis"
Relatório filme "Amigos Improváveis" Relatório filme "Amigos Improváveis"
Relatório filme "Amigos Improváveis"
 
Grelhas de Observação
Grelhas de ObservaçãoGrelhas de Observação
Grelhas de Observação
 
Esquema sobre o processo em Terapia Ocupacional
Esquema sobre o processo em Terapia OcupacionalEsquema sobre o processo em Terapia Ocupacional
Esquema sobre o processo em Terapia Ocupacional
 
Grelha de Observação segundo o EPTO
Grelha de Observação segundo o EPTOGrelha de Observação segundo o EPTO
Grelha de Observação segundo o EPTO
 
Pesquisa sobre conceitos de Ciência Ocupacional
Pesquisa sobre conceitos de Ciência OcupacionalPesquisa sobre conceitos de Ciência Ocupacional
Pesquisa sobre conceitos de Ciência Ocupacional
 
Pesquisa sobre Ocupação e Saúde
Pesquisa sobre Ocupação e SaúdePesquisa sobre Ocupação e Saúde
Pesquisa sobre Ocupação e Saúde
 
Pesquisa sobre Ocupação e Saúde
Pesquisa sobre Ocupação e SaúdePesquisa sobre Ocupação e Saúde
Pesquisa sobre Ocupação e Saúde
 
Ficha de Trabalho: IKIGAI
Ficha de Trabalho: IKIGAIFicha de Trabalho: IKIGAI
Ficha de Trabalho: IKIGAI
 
Definitions of occupational balance and their coverage by instruments
Definitions of occupational balance and their  coverage by instrumentsDefinitions of occupational balance and their  coverage by instruments
Definitions of occupational balance and their coverage by instruments
 

Último

Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 

Último (20)

Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 

Conteúdos de CSH.

  • 1. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 1 Teorias da Motivação Conceitos associados: volição, autonomia, criatividade, afeição e cognição A Afeição é o sentimento ou emoção que pode assumir diferentes naturezas e graus de complexidade, intensidade ou duração. São exemplos o amor, a amizade, a paixão, a fúria, a ira.. Representa um estado, limitado no tempo, provocado por estímulos externos ou por representações, acompanhado de um certo grau de tensão e composto de sentimentos particulares. A Cognição traduz-se no conjunto de unidades de saber da consciência baseado nas experiências sensoriais, nas representações, nos pensamentos e nas lembranças. Processo mediante o qual se adquire conhecimento, envolvendo aspectos como: • Atenção; • Percepção; • Memorização; • Raciocínio; • Juízo; • Imaginação; • Pensamento; • Linguagem. A Volição caracteriza-se por ser a capacidade, baseada numa conduta consciente, de se decidir por uma certa orientação ou um certo tipo de conduta em função de motivações. Processo executivo mental que realiza a intermediação e a ligação entre as deliberações, as decisões e os movimentos corporais voluntários. Desta forma a acção volitiva Movimento precedido pelo Pensamento, de tal forma que o propósito da acção tem de estar activo na consciência, mediante combinações apropriadas de: crenças, conhecimentos, desejos, valores e intenções.
  • 2. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 2 A Motivação é diferente de Volição, visto que se rege por um conjunto de factores (motivos) que determinam a conduta individual. Caracteriza-se por ser um processo responsável pela:  Direcção do comportamento;  Intensidade da acção;  Persistência dos esforços. Paradigma das Necessidades / Motivos / Valores Paradigma da Escolha Cognitiva Paradigma da Auto-Regulação Modelos assentes nas Características da Função  Teorias dos Instintos  Teoria da Hierarquização das Necessidades  Teoria das Necessidades de McClelland  Teoria Y  Teoria da Equidade  Teoria VIE: Valência / Instrumentalida de / Expectância  Teoria da Realização  Teoria Goal- Setting  Teoria da Motivação Intrínseca e Auto- determinação  Teoria da Aprendizagem Social  Teoria da Auto- regulação  Teoria Bifactorial  Teoria das Características da Função Teorias da Motivação
  • 3. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 3 Paradigma das Necessidades / Motivos / Valores Teoria dos Instintos: As variáveis que regem o comportamento são basicamente intra-individuais sendo, como tal, pré-determinados e não aprendidos. Os instintos são tendências hereditárias, intencionais, orientadas para objectivos. McDougall identificou 12 instintos: fuga, repulsa, curiosidade, conhecimento, autocrítica, asserção, parentesco, reprodução, fome, gregarismo, aquisitividade e construtivo. A explicação do comportamento humano a partir dos instintos perdeu progressivamente credibilidade, em detrimento de outros constructos mais ajustados. Teorias das Necessidades: A necessidade, entendida como um estado interno de desequilíbrio, foi proposta em primeiro lugar por H. Murray; As condutas resultam de sinais do meio externo que conduzem o indivíduo à necessidade de restaurar o equilíbrio. As necessidades podiam ser Primárias (todas as necessidades fisiológicas) ou Secundárias (autocrítica, realização, afiliação, agressão, autonomia, diferenciação, domínio ou poder). Teoria da Hierarquização das necessidades: Proposta por Maslow, esta teoria assenta no pressuposto de que as necessidades humanas não têm a mesma força, pelo que a sua emergência decorre das prioridades contextuais
  • 4. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 4 Segundo esta teoria, o comportamento humano caracteriza-se pela combinação hierarquizada de factores biológicos, culturais e situacionais, entendendo a motivação como um processo contínuo e não como um estado. Existem cinco níveis de necessidades: 1. Fisiológicas (as que asseguram a sobrevivência do indivíduo: alimentação, oxigénio, sono, sexo, etc.); 2. Segurança: desejo de segurança, estabilidade, dependência, protecção, ausência de medo ou de ansiedade, desejo de lei e ordem; 3. Sociais: Necessidades de pertença: amor, amizade, afeição 4. Ego e Auto-estima: Desejo de auto-respeito, auto-estima e estima dos outros; Perspectiva Interna (desejos de poder, realização, independência e liberdade); Perspectiva Externa (desejos de boa reputação, prestígio, fama, estatuto, glória, dominação, reconhecimento, atenção, importância, apreciação e dignidade); 5. Auto Actualização (Procura da auto-realização e do desenvolvimento contínuo) Note-se que a Pirâmide das Necessidades pressupõe que as necessidades de um determinado nível só surgirão após a satisfação das do nível inferior. Teoria das Necessidades de McClelland:  Necessidades de Realização: Resultam de experiências aprendidas muito precocemente, com particular relevância para o papel da Educação, nomeadamente na aprendizagem das normas de conduta onde a noção de certo e errado é vinculada de forma clara e se proporciona às crianças autonomia e feedback.
  • 5. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 5  Necessidades de Afiliação: Desejos de interacção social, podendo definir-se como o padrão de comportamentos conducente à manutenção de relações amigáveis e calorosas com outras pessoas.  Necessidades de Poder: Desejos de controlar o ambiente, de influenciar ou orientar pessoas e de modificar situações. Teoria Y: McGregor distinguiu duas formas básicas de entender o género humano: a visão negativa (Teoria X) e a visão positiva (Teoria Y):  Na Teoria X, o indivíduo médio tem uma aversão inata pelo trabalho, tenta evitá-lo, deseja evitar responsabilidades, tem pouca ambição e prefere ser orientado, pelo que tem de ser superiormente coagido, controlado, ameaçado e dirigido para que seja produtivo na sociedade e nas organizações;  Na Teoria Y, o dispêndio de esforço físico e mental no trabalho é tão natural como o jogo e o repouso, o homem pode autodirigir-se, autocontrolar-se e assumir objectivos responsáveis, as responsabilidades face aos objectivos dependem das recompensas associadas à sua realização, o indivíduo médio aprende a aceitar e a procurar responsabilidades, os recursos da imaginação, do engenho e da criatividade encontram-se largamente distribuídos e, finalmente, o potencial intelectual individual só é parcialmente aproveitado.
  • 6. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 6 Assim, segundo a Teoria X, as pessoas comuns seriam orientadas pelas necessidades de baixa ordem, enquanto, segundo a Teoria Y, os comportamentos humanos seriam orientados pelas necessidades de elevada ordem. A Teoria Y foi amplamente aplicada, originando mudanças profundas na gestão das organizações, introduzindo alterações significativas como o envolvimento dos trabalhadores nos processos de decisão, na melhoria da produtividade, contribuindo com sugestões que melhoravam produtos e serviços. Paradigma da Escolha Cognitiva Teoria da Equidade: Segundo esta Teoria, é a avaliação que cada indivíduo faz dos imputs (investimentos, como experiência prévia de trabalho, nível de habilitações e de qualificações, formação, empenho no trabalho, etc.) e dos outcomes (recompensas, como o salário, o estatuto, benefícios sociais adicionais, regalias, etc.), segundo a importância que têm para si, que determinam o seu comportamento; Cada indivíduo avalia os investimentos e as recompensas numa lógica de troca comparativa com os investimentos e as recompensas dos indivíduos em situações idênticas ou ainda segundo os padrões individuais ou do sistema.
  • 7. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 7 Teoria VIE (Valência / Instrumentalidade / Expectância): Segundo Vroom, o comportamento humano resulta de escolhas conscientes entre alternativas, cujos comportamentos selectivos estão intimamente relacionados com os processos psicológicos da perpecção e da formação de atitudes; Os três componentes desta teoria são crenças que estimulam e dirigem o comportamento: 1. Valência diz respeito ao valor afectivo que cada indivíduo atribui às consequências do seu desempenho; 2. Instrumentalidade estabelece uma relação entre desempenho e valência; 3. Expectância diz respeito à força da convicção sobre uma determinada consequência (associação acção-consequência). Este modelo mostra que as recompensas determinam a satisfação, principalmente ao nível da sua percepção. Teoria da Realização: Segundo Atkinson, devemos considerar 4 elementos no que se refere à forma como os indivíduos se aproximam de uma tarefa: 1. Motivos para alcançar o sucesso 2. Motivos para evitar o insucesso 3. Probabilidade sentida de sucesso na tarefa 4. Valor do incentivo para o sucesso na tarefa.
  • 8. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 8 Assim sendo, o valor do incentivo do sucesso assume uma correlação positiva com a dificuldade da tarefa. As pessoas diferem na medida em que a motivação para alcançar o sucesso for maior do que a motivação para evitar o insucesso. Teoria Goal-Setting: O seu autor, Locke, considera-a mais como uma Técnica Motivacional do que uma Teoria Formal, sendo que a motivação é a noção de objectivo presente. Desta forma os objectivos individuais que proporcionam o mecanismo individual através dos quais os estados motivacionais se transformam em acção, sendo propulsores da mesma. A fixação de objectivos, que deve ser clara, objectiva e mensurável, quando aceite, torna-se um importante factor motivacional. Quanto maior é o desafio proposto, surge um maior empenho por parte individual. Segundo esta teoria, não são as recompensas (que funcionam como motor para a acção) nem os níveis de satisfação que influenciam a motivação, mas sim os objectivos; Teoria da Motivação intrínseca e autodeterminação: A Motivação, segundo Deci, é conceptualizada como a necessidade de competência e de autodeterminação, isto é, são eliminados os factores exógenos da motivação. Tal como os instintos, estas necessidades são inatas no ser humano e funcionam como fonte de energia orientadoras do comportamento humano, sem necessidade quer de recompensas contingenciais, quer de mecanismos de controlo.
  • 9. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 9 Segundo Deci, a necessidade de competência leva as pessoas a procurar desafios compatíveis com as suas capacidades, recusando quer as actividades fáceis e aborrecidas, quer as actividades que excedem as suas capacidades e que geram ansiedade. Teoria da Aprendizagem Social Segundo Bandura, é através da imitação e da observação dos outros em contexto social que os indivíduos adquirem comportamentos que são gratificados e evitam outros que são punidos. Assim, o comportamento humano é visto como o resultado de uma modelagem resultante da observação e da imitação. O processo de auto-regulação compreende três elementos:  Auto-observação (atenção dirigida para aspectos específicos e selectivos do nosso comportamento);  Auto-avaliação (atenção ao próprio comportamento, com destaque para os sentimentos de realização ou de falhanço);  Auto reacção (respostas internas do indivíduo, tendo em conta a auto-avaliação previamente efectuada, traduzidas em respostas afectivas que proporcionam sentimentos de satisfação ou de insatisfação). Teoria da Auto-Regulação: Carver e Scheier sugerem que o comportamento humano é um processo contínuo direccionado para várias espécies de objectivos e que essa direccionalidade ocorre mediante um
  • 10. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 10 processo de feedback de controlo, que assume a forma de um sistema de auto-regulação, i.é, um sistema interno de orientação. São portanto identificadas duas condições básicas (requisitos) para que o processo de auto-regulação possa operar:  Os indivíduos têm de prestar atenção ao seu comportamento, de forma a obterem imputs para o processo de regulação;  Os processos de auto-regulação surgem como resposta pronta quando é detectada uma discrepância entre um standard (padrão) ou objectivo e o desempenho. Teoria Bifactorial: Herzberg concluiu que a relação de cada indivíduo com o seu trabalho é única e que a atitude adoptada pode determinar o sucesso ou o insucesso nesse âmbito. As recompensas organizacionais podem ser decompostas em dois grupos de factores:  Os factores motivadores são aqueles que estão presentes quando as pessoas afirmam sentir-se bem com o trabalho (factores intrínsecos como a realização pessoal, o trabalho em si mesmo, o reconhecimento, a responsabilidade, a progressão, o crescimento pessoal, a criatividade, a oportunidade de aumentarem o nível de conhecimentos, para tomarem decisões e se individualizarem);  Os factores higiénicos são aqueles que podem gerar insatisfação, quando não estão presentes, mas que não criam uma motivação intrínseca para o trabalho (políticas e procedimentos das empresas, estilos de supervisão, relações interpessoais, condições de trabalho, salário).
  • 11. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 11 Mudança Social e Transição da Pré-Modernidade para a Modernidade A história da modernidade não é sinónimo que todas as mudanças que ocorreram tenham sido sempre positivas. Tudo se baseia através das escolhas que conduziram a transformações, nos últimos 2 séculos, a melhores condições de vida. Até á Modernidade, as culturas mais distintas do Mundo eram muito mais semelhantes do que aquilo que se julgava, tendo em conta que vários eram os factores que existiram na pré- modernidade que ainda são observáveis na Modernidade, como por exemplo as crenças religiosas eram padrão na pré-modernidade, porém é notória uma perda significativa da sua força na Modernidade, o que não se traduz necessariamente no seu desaparecimento total. A transição, ao longo do tempo, da Pré-Modernidade para a Modernidade, ocorreu através de sucessivas mudanças e até mesmo revoluções, que de um ponto de vista sociológico, surgem desta forma novas normas, novos valores e novas crenças. A Modernidade representa as sucessivas mudanças que ocorrem a partir do século XVIII (século do Iluminismo), mais concretamente as revoluções políticas e sociais. Observa-se a queda de várias monarquias e o aparecimento de indivíduos intectuais e pensadores, que defendem a igualdade e a liberdade para todos os cidadãos. Tudo se desencadeia a partir de factos evidentes na Pré-Modernidade. Prova disso, por exemplo é a Revolução Industrial que dá origem a uma imigração, conduzindo a um aumento demográfico, porque as pessoas saiam das zonas mais rurais rumando às grandes cidades. Modernidade Era
  • 12. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 12 O pensamento crítico e a busca pelo conhecimento, promove a ascensão social dos indivíduos. Com o surgimento de melhores condições de vida, a taxa de mortalidade infantil baixa e aumenta a esperança média de vida. Entender a Pré-Modernidade, é ter a percepção do Mundo como um caos e inteligível – afirmando que tudo o que acontece é resultado de vontades Divinas. Por este motivo esta fase é designada por Mundo Encantado, onde existe pensamento mágico e explicações paranormais. Existe bem presente o conceito de etnocentrismo, onde uma determinada sociedade se julga superior a todas as outras. Tudo viria a mudar, com a evolução das Ciências agregadas de um pensamento crítico e realista dos factos. Surgindo desta forma, a Modernidade que entende o Mundo como Cosmos, segundo bases de raciocínio através de explicações naturais e comprovadas pela ciência. Consequentemente o pensamento é o fio condutor de toda a compreensão, e desta forma esta fase se designa por Mundo Desencantado, porque enquanto seres pensantes tudo tem uma lógica, segundo as ciências. Esta marcada vincadamente a posição que ser um cidadão universal é sinonimo de ter direitos e deveres.
  • 13. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 13 Comparação entre sociedades Pré-Modernas e Sociedades Modernas:
  • 14. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 14
  • 15. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 15 Factores Externos que Condicionam a Saúde Existem portanto factores que condicionam a saúde tais como: • Classe social: - A saúde tem mais qualidade em classes sociais mais elevadas do que em classes inferiores, existe uma correlação positiva, pois se verifica que há medida que os rendimentos são superiores, a qualidade e acesso á saúde é igualmente melhor, consequentemente a esperança média de vida será também maior. • Grupo Etário: - A idade sendo um factor biológico, em sociedades tradicionais, as pessoas são tratadas de formas distintas. Por exemplo, se por um lado existem em certas sociedades, pessoas que são segregadas por serem mais idosas, sendo consideradas inúteis, do ponto de vista que a sua própria opinião deixa de ter qualquer relevância social, e as mesmas são afastadas do próprio bem-estar social, degradando a sua saúde social, mental e física, outras há, como é o caso da comunidade cigana, onde pessoas mais idosas são sinonimo de uma mais valia e são constantemente estimuladas, por serem ouvidas e respeitadas. Existe uma grande diferença no que diz respeito à saúde positiva nestas comunidades. • Cultura: - Por questões de crenças e valores sociais que afectam a saúde. • Habitat (Rura/Urbano): - Distingue-se da região, porque é a diferença entre espaços urbanos e rurais. Na questão da saúde hà parâmetros que são opostos nos dois espaços. (por exemplo: melhor qualidade de vida e segurança nos espaços rurais ao invés do que se verifica nos espaços urbanos) Contudo o acesso à saúde, é mais diversificado, em maior quantidade e melhor qualidade nas cidades.
  • 16. ESS – Licenciatura em Terapia Ocupacional – UC1 16 • Escolaridade: - Mecanismo que permite a libertação de superstições, promovendo o pensamento crítico, a autonomia, a aquisição de conhecimentos sobre saúde por pessoas mais instruídas que acedem, integra e processam informações sobre saúde. Verifica-se uma correlação positiva, visto que com maior grau de escolaridade, existirá um maior acesso à saúde. • Género; • Região: - Os padrões de saúde nas diferentes regiões é diferente. Logo tem de existir uma consciência das necessidades de cada uma para que seja possível intervir segundo os padrões de saúde que existem. • Religião. Referências Bibliográficas:  Maia, R.L (2002), Dicionário de Sociologia. Porto: Porto Editora.  NEVES, Augusto Lobato (2002), Motivação para o Trabalho (Capítulo I), Lisboa, Editora RH