SlideShare uma empresa Scribd logo
Foi para a liberdade que Cristo nos libertou.
Gálatas 5:1
Prof. Me Renato R. Borges
www.professorrenato.com – contato@professorrenato.com
2
Ideia de confissão
3
Pressupostos axiomáticos na
confessionalidade
A dimensão interna do homem
define a maneira com que ele forma e
vive no mundo;
Julgamos a partir do compromisso
metateórico que temos internamente;
Nossos compromissos filosóficos são
com base em valores, não apenas
racional.
4
Alguns exemplos:
5
6
7
Obras
Francis Schaeffer (1912-1984):
“os primeiros cientistas modernos
alimentavam a convicção, em
primeiro lugar, de que Deus
proporcionou o conhecimento ao
homem através da Bíblia –
conhecimentos acerca do próprio
Criador e também acerca do
universo e da história”.
8
 É possível entender que, a todo momento,
pessoas, empresas, escolas, confessam algo
com suas atitudes.
 Não há neutralidade em nossos atos, eles
revelam aquilo que está em nossos corações.
 “Pelo fruto conhecemos a árvore” (Jesus
Cristo).
 “A boca fala do que o coração está cheio”. Há
uma relação direta entre o que confessamos e
o que fazemos.
Sinais de Confessionalidade
9
Sobre a “neutralidade acadêmica”.
Gordon Clark (1902-1985):
... as escolas [seculares] não são, obviamente,
cristãs. Mas, com semelhante obviedade, não
são neutras. As escolas não são, nunca
foram, nunca poderão ser neutras. O sistema
escolar que ignora a Deus, ensina seus alunos
a ignorarem a Deus. Isso não é neutralidade,
é a pior forma de antagonismo, porque julga
que Deus não é importante; ele é irrelevante
à raça humana. Isso é ateísmo.
10
Didática Redentiva: Educare
PRÁXIS
 Reflexiva e ativa
 Conhece a ti mesmo
 Inquietante
 Relacional (diálogo)
 Pedagogia do amor
11
Uma Pedagogia Redentiva, como
solução às Escolas Cristãs:
Discernindo as áreas de
concentração de maior influência
filosófica
12
Ciências
Exatas
Ciências
Humanas
Quantidade
de
ensinamentos
anti-cristãos
Penetração Filosófica Anti-Cristã
Matérias ou
Campos
do Conhecimento
13
14
Penetração Filosófica Anti-Cristã
Matemática
Básica
Gramática Geografia Ciências História
Sociologia
e
Leitura
Filosofia
Exatas Humanas
Áreas de maior vulnerabilidade
Uma Pedagogia Redentiva, como
solução às Escolas Cristãs:
Tarefas
básicas.
Discernindo as
influências
filosóficas
15
Uma Pedagogia Redentiva, como
solução às Escolas Cristãs:
A importância das premissas - devem:
 resultar em uma compreensão diferente da tarefa
do educador;
 resultar em uma metodologia diferente para o
educador;
 levar a uma apreensão diferente da natureza do
educando;
 levar a uma gestão diferente do processo de
aprendizado.
O resgate do papel do professor
16
Uma Pedagogia Redentiva, como
solução às Escolas Cristãs:
Os nove alicerces:
1. Metafísico – o que existe além do físico?
2. Epistemológico – como se chega á verdade?
3. Ontológico – quem somos?
4. Moral – existem regras e leis?
5. Ético – há discernimento do certo?
6. Relacional – os conhecimentos se relacionam entre si?
7. Metodológico – qual o papel do professor?
8. Estético – há beleza e padrões dela?
9. Teleológico – há propósito na vida?
17
Algumas sugestões de didática:
 Use ícones da mídia para trabalhar os temas ou propor
um assunto;
 Utilize vídeos curtos tais como propagandas, trailer de
jogos e videoclipes;
 Trabalhe com pesquisa de campo;
 Use recortes de livros, revistas e jornais ou material
publicado na internet para sugerir análise de ideologia
implícita ou explícita nos textos ou imagens;
 Geralmente os adolescentes detestam “rótulos”, pois
querem ser livres. Aponte para eles que qualquer que seja
a “opinião dele(a)”, esta sempre irá repousar sobre um
rótulo.
18
 Elabore perguntas norteadoras;
 Faça a leitura crítica dos textos e conteúdo aplicado;
 Apresente as razões pelas quais o determinado autor se
posiciona contra a religião ou a favor de determinado
pensamento dentro do conteúdo.
 Não se prenda ao óbvio do “porque” apresentado pelo autor em
questão;
 As teorias dentro de cada campo do sabernão são por acaso,
pois sempre há pressupostos. Apresente-os quando achar
necessário;
 Aponte nas produções humanas (músicas, notícias, etc.) as
categorias metateóricas;
 Busque estar sempre “conectado”;
 Enfatize o diálogo e desperte a curiosidade.
19
Exemplos de minhas
experiências em sala:
"As escolas, fazendo que os homens se
tornem verdadeiramente humanos, são
sem dúvida as oficinas da humanidade.”
Johann Amos Comenius(1592 - 1670)
20
Em entrevista à rádio CBN, em 26 de abril de 2012.
Fonte: Gazeta do Povo
21
Heráclito 480 a.C
“Tudo está em constante
mudança”.
“Não se pode entrar duas vezes
no mesmo rio”.
“Tudo flui" (panta rei)
22
A República - Mito da caverna
1. Condição humana;
2. Questionamento da
realidade;
3. Busca pela verdade;
4. Sofrimento , exílio e dor;
5. Encarando a verdade e a
negação ao confrontá-la;
6. Viver uma nova realidade
traz conflitos;
7. Queremos mesmo ser
livres?
23
Prof. Renato R. Borges
Thomas Hobbes
1588 -1679
24
Jó 41
"Você consegue pescar com anzol o leviatã
ou prender sua língua com uma corda?
25
Conceitos:
 A origem de todo conhecimento é a sensação.
 "Homo homini lupus", o homem é o lobo do
homem.
 "Bellum omnium contra omnes", é a guerra de
todos contra todos.
 O estado natural é, para todos, um estado de
insegurança e de angústia.
 Seu direito não tem outro limite que seu poder e
sua vontade. No estado de sociedade, como no de
natureza, a força é a única medida do direito.
26
Prof. Renato R. Borges
“A função da oração não é influenciar Deus, mas
especialmente mudar a natureza daquele que ora.”
Soren Kierkegaard
"Ser ou não ser, eis a questão.....“
Shakespeare
“Uma vida não examinada não merece ser
vivida”. (Platão, Apologia de Sócrates, 38a).
27

Cristão luterano,
fundador da filosofia
existencialista, a
qual tem como tema
central a análise do
homem em sua
relação com o mundo.
Soren Kierkegaard
Dinamarca - 1813 / 1855
28

A pessoa não quer e nem se permite ver
quem ele está sendo em dado momento da
sua vida. Kierkegaard afirma que o
indivíduo que vive nessa esfera "Não
percebe nada da existência, aprende a
imitar os outros e a maneira de se
arranjarem para viver... e ei-lo vivendo
como eles." (KIERKEGGARD, Sören Aabye. "Desespero
Humano - Doença até a Morte". São Paulo, Ed. Abril Cultural, Os
Pensadores, 1979, pgs. 232 e 233)
Quem você pensa que é?
29
30
Quem somos nós?

“A existência precede a essência”
Jean-Paul Sartre (1905-1980)
Para Sartre (1905-1980), a ideia central de todo
pensamento existencialista é que a existência
precede a essência. Não existe nenhum Deus que
tenha planejado o homem e portanto não existe
nenhuma natureza humana fixa a que o homem
deva respeitar. O homem está totalmente livre e é
o único responsável pelo que faz de si mesmo. E
são para ele, assim como havia colocado
Kierkegaard, esta liberdade e responsabilidade é a
fonte da angústia. 31

O Grande Inquisidor, Fiódor
Dostoiévski
Comente no caderno:
32
“Não há nada mais sedutor aos olhos dos homens do que a
liberdade de consciência, mas também não há nada mais terrível.
Em lugar de pacificar a consciência humana de uma vez por todas
mediante sólidos princípios, Tu lhe ofereceste o que há de mais
estranho, de mais enigmático, de mais indeterminado, tudo o que
ultrapassava as forças humanas: a liberdade. Agiste, pois, como se
não amasses os homens... Em vez de Te apoderares da liberdade
humana, Tu a multiplicaste, e assim fazendo, envenenaste com
tormentos a vida do homem, para toda a eternidade...”
O Grande Inquisidor estava certo. Ele conhecia o coração
dos homens. Os homens dizem amar a liberdade mas, de
posse dela, são tomados por um grande medo e fogem para
abrigos seguros. A liberdade dá medo. Os homens são
pássaros que amam o voo, mas têm medo dos abismos. Por
isso, abandonam o voo e se trancam em gaiolas.
33

“Por que sou tão sábio”
“Por que sou tão inteligente”
“Por que escrevo tão bons livros”
“Por que sou um destino”
“O sonho de uma mulher é se
tornar semelhante a um homem”
De quem são estas citações?
34
Conceitos Básicos
NIETZSCHE
Prof. Renato R Borges – www.professorrenato.com
Friederich Wilhelm Nietzsche
Röcken, 15 de outubro de 1844
Weimar, 25 de agosto de 1900
Filósofo alemão.
35
Conceitos
Morte de Deus: A morte do sentido transcendental
sagrado dos valores que orientam a vida do homem.
Vontade de Potência (super-homem): A crença na
capacidade criativa do ser humano para construir e
fundar valores . A capacidade humana de superação
desvinculada do sagrado.(Uberman)
"A desigualdade dos direitos é a primeira condição para que haja
direitos.” Nietzsche em “O Anticristo”
36
"O homem deveamara paz como meiopara
outrasguerras!” Nietzscheem“AssimfalouZaratustra”
Eterno retorno: A grandeza de um ser
humano. Deveríamos agir como se a vida que
vivemos continuasse a se repetir para sempre.
Assim, cada momento terá de ser revivido
eternamente. O sentido disto é, “vivamos
nossas vidas ao máximo”.
37
"O homem deveamara paz como meiopara
outrasguerras!” Nietzscheem“AssimfalouZaratustra”
O Último Homem: Este é produto de nossa
sociedade, pois, o tipo-homem embutido no
igualitarismo uniformizante, Nietzsche fixou-o
no termo: mediocrização, neste a prudência
mercantil da miúda felicidade dos pequenos
prazeres iguais para todos, característica da
moderna sociedade civil-burguesa; para ele, é
nela que desemboca, finalmente, a ideologia da
liberdade, igualdade e fraternidade universais,
das virtudes universais”.
38
 Nietzsche caricatura-o na figura do “último
homem”, o homem do rebanho e da pacífica
felicidade das verdes pastagens.
 O último homem é ser somente reativo, não ativo.
Qualquer um que seja amante do corpo e da vida, e
que ousa mostrar a sua vontade de poder, é
imediatamente atacado pelo rebanho que para isso
se transforma em gado com chifres. Ao último
homem só falta censurar o lobo por comer a
ovelha, que de resto já fez tudo. No final vamos ter
um tipo-homem uniforme e igualitário, fechado
em casa a ver TV e a encomendar tudo pela Net.
Homem doente em mente acorrentada.
39
“O últimocristãomorreu nacruz”
Nietzsche
A vasta obra de Nietzsche apresenta caráter
fragmentário, aforístico, totalmente assistemático. A
crítica religiosa de Nietzsche está vinculada
intimamente a sua concepção de vida e de religião.
Considerava a vida o valor supremo. A religião é
destruidora da vida, uma categoria de negação teórica
e prática da vida. Em O Anticristo escreve: “O
cristianismo defendeu tudo quanto é fraco, baixo,
pálido (...).” Para Nietzsche nada é tão doentio quanto
como a piedade cristã .
40
“Deusestá morto”, Nietzsche
Mesmo depois de ter atacado o cristianismo
por todos os lados, em 1881 Nietzsche
escreveu a seu amigo Peter Gast: “Não
importa o que eu tenha a dizer sobre o
cristianismo, não posso esquecer que sou-lhe
devedor das melhores experiências da minha
vida espiritual; e espero que, no fundo do
meu coração, jamais venha a ser ingrato para
com ele” (apud Lavrin, Janko. Nietzsche,
p.60)
41
Vamos Refletir...
Sobre o tema:
http://www.estadao.com.br/
42
O progresso de uma cidade não depende apenas
do acúmulo de grandes tesouros, construções,
casas bonitas, e muitas armas (...). Muito antes, o
melhor e mais rico progresso é quando possui
muitos homens bem instruídos, cidadãos
ajuizados, honestos e bem educados. Estes
podem acumular e preservar corretamente as
riquezas de todo tipo de bens. (p.309)
LUTERO, M. Aos conselhos de todas as cidades da
Alemanha para que criem e mantenham escolas
cristãs. In_____. Obras selecionadas. São Leopoudo:
Sinodal; Porto alegre: Concórdia Editora, 1995, vol 5.
43
Contatos:
www.professorrenato.com
contato@professorrenato.com
"Somos essencialmente um mistério que apenas o
Criador pode decifrar" Renato R. Borges
44

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Confessionalidade.pptx

“Psicologia, uma (nova) introdução” resumo
“Psicologia, uma (nova) introdução”   resumo“Psicologia, uma (nova) introdução”   resumo
“Psicologia, uma (nova) introdução” resumo
Nicolas Pelicioni
 
Eric Voegelin e as religiões políticas
Eric Voegelin e as religiões políticasEric Voegelin e as religiões políticas
Eric Voegelin e as religiões políticas
Andre Assi Barreto
 
Curso De Direitos Humanos Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010
Curso De Direitos Humanos   Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010Curso De Direitos Humanos   Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010
Curso De Direitos Humanos Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010
ElenitaPimentel
 
Filosofia - do Idealismo Alemão a Marx
Filosofia - do Idealismo Alemão a MarxFilosofia - do Idealismo Alemão a Marx
Filosofia - do Idealismo Alemão a Marx
Rodrigo Moysés
 
Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia  Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia
faculdade11
 
Palestra Filantropica 2010
Palestra Filantropica 2010Palestra Filantropica 2010
Palestra Filantropica 2010
Instituto Espírita de Educação
 
Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02
Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02
Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02
Alberto Barth
 
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Prof. Noe Assunção
 
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade -  nosso tempoFilosofia da razão à modernidade -  nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo
Luci Bonini
 
Revisão de ética
Revisão de éticaRevisão de ética
Revisão de ética
Edirlene Fraga
 
Revisão de ética
Revisão de éticaRevisão de ética
Revisão de ética
Edirlene Fraga
 
O homem integral livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimir
O homem integral  livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimirO homem integral  livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimir
O homem integral livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimir
Antonio SSantos
 
Filosofia Moderna - Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Moderna - Prof.Altair Aguilar.Filosofia Moderna - Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Moderna - Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2
Douglas Gregorio
 
Aulão de Filosofia (2015)
Aulão de Filosofia (2015)Aulão de Filosofia (2015)
Aulão de Filosofia (2015)
professorleo1989
 
Renovar a teoria crítica
Renovar a teoria críticaRenovar a teoria crítica
Renovar a teoria crítica
Lívia Willborn
 
éTica cristã 2010.2 puc-rio
éTica cristã 2010.2 puc-rioéTica cristã 2010.2 puc-rio
éTica cristã 2010.2 puc-rio
Edson Theodoro Froes
 
D1 - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científica - Senso Comum e ...
D1 - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científica - Senso Comum e ...D1 - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científica - Senso Comum e ...
D1 - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científica - Senso Comum e ...
Jordano Santos Cerqueira
 
Texto para filosofia, trabalho da bruna
Texto para filosofia, trabalho da brunaTexto para filosofia, trabalho da bruna
Texto para filosofia, trabalho da bruna
frederico194320
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Roney Gusmão
 

Semelhante a Confessionalidade.pptx (20)

“Psicologia, uma (nova) introdução” resumo
“Psicologia, uma (nova) introdução”   resumo“Psicologia, uma (nova) introdução”   resumo
“Psicologia, uma (nova) introdução” resumo
 
Eric Voegelin e as religiões políticas
Eric Voegelin e as religiões políticasEric Voegelin e as religiões políticas
Eric Voegelin e as religiões políticas
 
Curso De Direitos Humanos Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010
Curso De Direitos Humanos   Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010Curso De Direitos Humanos   Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010
Curso De Direitos Humanos Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010
 
Filosofia - do Idealismo Alemão a Marx
Filosofia - do Idealismo Alemão a MarxFilosofia - do Idealismo Alemão a Marx
Filosofia - do Idealismo Alemão a Marx
 
Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia  Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia
 
Palestra Filantropica 2010
Palestra Filantropica 2010Palestra Filantropica 2010
Palestra Filantropica 2010
 
Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02
Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02
Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02
 
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
 
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade -  nosso tempoFilosofia da razão à modernidade -  nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo
 
Revisão de ética
Revisão de éticaRevisão de ética
Revisão de ética
 
Revisão de ética
Revisão de éticaRevisão de ética
Revisão de ética
 
O homem integral livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimir
O homem integral  livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimirO homem integral  livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimir
O homem integral livro!!!!!!!!!!!!!!!!! -1 - imprimir
 
Filosofia Moderna - Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Moderna - Prof.Altair Aguilar.Filosofia Moderna - Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Moderna - Prof.Altair Aguilar.
 
Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2
 
Aulão de Filosofia (2015)
Aulão de Filosofia (2015)Aulão de Filosofia (2015)
Aulão de Filosofia (2015)
 
Renovar a teoria crítica
Renovar a teoria críticaRenovar a teoria crítica
Renovar a teoria crítica
 
éTica cristã 2010.2 puc-rio
éTica cristã 2010.2 puc-rioéTica cristã 2010.2 puc-rio
éTica cristã 2010.2 puc-rio
 
D1 - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científica - Senso Comum e ...
D1 - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científica - Senso Comum e ...D1 - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científica - Senso Comum e ...
D1 - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científica - Senso Comum e ...
 
Texto para filosofia, trabalho da bruna
Texto para filosofia, trabalho da brunaTexto para filosofia, trabalho da bruna
Texto para filosofia, trabalho da bruna
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
 

Confessionalidade.pptx

  • 1. Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Gálatas 5:1 Prof. Me Renato R. Borges www.professorrenato.com – contato@professorrenato.com
  • 2. 2
  • 4. Pressupostos axiomáticos na confessionalidade A dimensão interna do homem define a maneira com que ele forma e vive no mundo; Julgamos a partir do compromisso metateórico que temos internamente; Nossos compromissos filosóficos são com base em valores, não apenas racional. 4
  • 6. 6
  • 8. Francis Schaeffer (1912-1984): “os primeiros cientistas modernos alimentavam a convicção, em primeiro lugar, de que Deus proporcionou o conhecimento ao homem através da Bíblia – conhecimentos acerca do próprio Criador e também acerca do universo e da história”. 8
  • 9.  É possível entender que, a todo momento, pessoas, empresas, escolas, confessam algo com suas atitudes.  Não há neutralidade em nossos atos, eles revelam aquilo que está em nossos corações.  “Pelo fruto conhecemos a árvore” (Jesus Cristo).  “A boca fala do que o coração está cheio”. Há uma relação direta entre o que confessamos e o que fazemos. Sinais de Confessionalidade 9
  • 10. Sobre a “neutralidade acadêmica”. Gordon Clark (1902-1985): ... as escolas [seculares] não são, obviamente, cristãs. Mas, com semelhante obviedade, não são neutras. As escolas não são, nunca foram, nunca poderão ser neutras. O sistema escolar que ignora a Deus, ensina seus alunos a ignorarem a Deus. Isso não é neutralidade, é a pior forma de antagonismo, porque julga que Deus não é importante; ele é irrelevante à raça humana. Isso é ateísmo. 10
  • 11. Didática Redentiva: Educare PRÁXIS  Reflexiva e ativa  Conhece a ti mesmo  Inquietante  Relacional (diálogo)  Pedagogia do amor 11
  • 12. Uma Pedagogia Redentiva, como solução às Escolas Cristãs: Discernindo as áreas de concentração de maior influência filosófica 12
  • 14. 14 Penetração Filosófica Anti-Cristã Matemática Básica Gramática Geografia Ciências História Sociologia e Leitura Filosofia Exatas Humanas Áreas de maior vulnerabilidade
  • 15. Uma Pedagogia Redentiva, como solução às Escolas Cristãs: Tarefas básicas. Discernindo as influências filosóficas 15
  • 16. Uma Pedagogia Redentiva, como solução às Escolas Cristãs: A importância das premissas - devem:  resultar em uma compreensão diferente da tarefa do educador;  resultar em uma metodologia diferente para o educador;  levar a uma apreensão diferente da natureza do educando;  levar a uma gestão diferente do processo de aprendizado. O resgate do papel do professor 16
  • 17. Uma Pedagogia Redentiva, como solução às Escolas Cristãs: Os nove alicerces: 1. Metafísico – o que existe além do físico? 2. Epistemológico – como se chega á verdade? 3. Ontológico – quem somos? 4. Moral – existem regras e leis? 5. Ético – há discernimento do certo? 6. Relacional – os conhecimentos se relacionam entre si? 7. Metodológico – qual o papel do professor? 8. Estético – há beleza e padrões dela? 9. Teleológico – há propósito na vida? 17
  • 18. Algumas sugestões de didática:  Use ícones da mídia para trabalhar os temas ou propor um assunto;  Utilize vídeos curtos tais como propagandas, trailer de jogos e videoclipes;  Trabalhe com pesquisa de campo;  Use recortes de livros, revistas e jornais ou material publicado na internet para sugerir análise de ideologia implícita ou explícita nos textos ou imagens;  Geralmente os adolescentes detestam “rótulos”, pois querem ser livres. Aponte para eles que qualquer que seja a “opinião dele(a)”, esta sempre irá repousar sobre um rótulo. 18
  • 19.  Elabore perguntas norteadoras;  Faça a leitura crítica dos textos e conteúdo aplicado;  Apresente as razões pelas quais o determinado autor se posiciona contra a religião ou a favor de determinado pensamento dentro do conteúdo.  Não se prenda ao óbvio do “porque” apresentado pelo autor em questão;  As teorias dentro de cada campo do sabernão são por acaso, pois sempre há pressupostos. Apresente-os quando achar necessário;  Aponte nas produções humanas (músicas, notícias, etc.) as categorias metateóricas;  Busque estar sempre “conectado”;  Enfatize o diálogo e desperte a curiosidade. 19
  • 20. Exemplos de minhas experiências em sala: "As escolas, fazendo que os homens se tornem verdadeiramente humanos, são sem dúvida as oficinas da humanidade.” Johann Amos Comenius(1592 - 1670) 20
  • 21. Em entrevista à rádio CBN, em 26 de abril de 2012. Fonte: Gazeta do Povo 21
  • 22. Heráclito 480 a.C “Tudo está em constante mudança”. “Não se pode entrar duas vezes no mesmo rio”. “Tudo flui" (panta rei) 22
  • 23. A República - Mito da caverna 1. Condição humana; 2. Questionamento da realidade; 3. Busca pela verdade; 4. Sofrimento , exílio e dor; 5. Encarando a verdade e a negação ao confrontá-la; 6. Viver uma nova realidade traz conflitos; 7. Queremos mesmo ser livres? 23
  • 24. Prof. Renato R. Borges Thomas Hobbes 1588 -1679 24
  • 25. Jó 41 "Você consegue pescar com anzol o leviatã ou prender sua língua com uma corda? 25
  • 26. Conceitos:  A origem de todo conhecimento é a sensação.  "Homo homini lupus", o homem é o lobo do homem.  "Bellum omnium contra omnes", é a guerra de todos contra todos.  O estado natural é, para todos, um estado de insegurança e de angústia.  Seu direito não tem outro limite que seu poder e sua vontade. No estado de sociedade, como no de natureza, a força é a única medida do direito. 26
  • 27. Prof. Renato R. Borges “A função da oração não é influenciar Deus, mas especialmente mudar a natureza daquele que ora.” Soren Kierkegaard "Ser ou não ser, eis a questão.....“ Shakespeare “Uma vida não examinada não merece ser vivida”. (Platão, Apologia de Sócrates, 38a). 27
  • 28.  Cristão luterano, fundador da filosofia existencialista, a qual tem como tema central a análise do homem em sua relação com o mundo. Soren Kierkegaard Dinamarca - 1813 / 1855 28
  • 29.  A pessoa não quer e nem se permite ver quem ele está sendo em dado momento da sua vida. Kierkegaard afirma que o indivíduo que vive nessa esfera "Não percebe nada da existência, aprende a imitar os outros e a maneira de se arranjarem para viver... e ei-lo vivendo como eles." (KIERKEGGARD, Sören Aabye. "Desespero Humano - Doença até a Morte". São Paulo, Ed. Abril Cultural, Os Pensadores, 1979, pgs. 232 e 233) Quem você pensa que é? 29
  • 31.  “A existência precede a essência” Jean-Paul Sartre (1905-1980) Para Sartre (1905-1980), a ideia central de todo pensamento existencialista é que a existência precede a essência. Não existe nenhum Deus que tenha planejado o homem e portanto não existe nenhuma natureza humana fixa a que o homem deva respeitar. O homem está totalmente livre e é o único responsável pelo que faz de si mesmo. E são para ele, assim como havia colocado Kierkegaard, esta liberdade e responsabilidade é a fonte da angústia. 31
  • 32.  O Grande Inquisidor, Fiódor Dostoiévski Comente no caderno: 32
  • 33. “Não há nada mais sedutor aos olhos dos homens do que a liberdade de consciência, mas também não há nada mais terrível. Em lugar de pacificar a consciência humana de uma vez por todas mediante sólidos princípios, Tu lhe ofereceste o que há de mais estranho, de mais enigmático, de mais indeterminado, tudo o que ultrapassava as forças humanas: a liberdade. Agiste, pois, como se não amasses os homens... Em vez de Te apoderares da liberdade humana, Tu a multiplicaste, e assim fazendo, envenenaste com tormentos a vida do homem, para toda a eternidade...” O Grande Inquisidor estava certo. Ele conhecia o coração dos homens. Os homens dizem amar a liberdade mas, de posse dela, são tomados por um grande medo e fogem para abrigos seguros. A liberdade dá medo. Os homens são pássaros que amam o voo, mas têm medo dos abismos. Por isso, abandonam o voo e se trancam em gaiolas. 33
  • 34.  “Por que sou tão sábio” “Por que sou tão inteligente” “Por que escrevo tão bons livros” “Por que sou um destino” “O sonho de uma mulher é se tornar semelhante a um homem” De quem são estas citações? 34
  • 35. Conceitos Básicos NIETZSCHE Prof. Renato R Borges – www.professorrenato.com Friederich Wilhelm Nietzsche Röcken, 15 de outubro de 1844 Weimar, 25 de agosto de 1900 Filósofo alemão. 35
  • 36. Conceitos Morte de Deus: A morte do sentido transcendental sagrado dos valores que orientam a vida do homem. Vontade de Potência (super-homem): A crença na capacidade criativa do ser humano para construir e fundar valores . A capacidade humana de superação desvinculada do sagrado.(Uberman) "A desigualdade dos direitos é a primeira condição para que haja direitos.” Nietzsche em “O Anticristo” 36
  • 37. "O homem deveamara paz como meiopara outrasguerras!” Nietzscheem“AssimfalouZaratustra” Eterno retorno: A grandeza de um ser humano. Deveríamos agir como se a vida que vivemos continuasse a se repetir para sempre. Assim, cada momento terá de ser revivido eternamente. O sentido disto é, “vivamos nossas vidas ao máximo”. 37
  • 38. "O homem deveamara paz como meiopara outrasguerras!” Nietzscheem“AssimfalouZaratustra” O Último Homem: Este é produto de nossa sociedade, pois, o tipo-homem embutido no igualitarismo uniformizante, Nietzsche fixou-o no termo: mediocrização, neste a prudência mercantil da miúda felicidade dos pequenos prazeres iguais para todos, característica da moderna sociedade civil-burguesa; para ele, é nela que desemboca, finalmente, a ideologia da liberdade, igualdade e fraternidade universais, das virtudes universais”. 38
  • 39.  Nietzsche caricatura-o na figura do “último homem”, o homem do rebanho e da pacífica felicidade das verdes pastagens.  O último homem é ser somente reativo, não ativo. Qualquer um que seja amante do corpo e da vida, e que ousa mostrar a sua vontade de poder, é imediatamente atacado pelo rebanho que para isso se transforma em gado com chifres. Ao último homem só falta censurar o lobo por comer a ovelha, que de resto já fez tudo. No final vamos ter um tipo-homem uniforme e igualitário, fechado em casa a ver TV e a encomendar tudo pela Net. Homem doente em mente acorrentada. 39
  • 40. “O últimocristãomorreu nacruz” Nietzsche A vasta obra de Nietzsche apresenta caráter fragmentário, aforístico, totalmente assistemático. A crítica religiosa de Nietzsche está vinculada intimamente a sua concepção de vida e de religião. Considerava a vida o valor supremo. A religião é destruidora da vida, uma categoria de negação teórica e prática da vida. Em O Anticristo escreve: “O cristianismo defendeu tudo quanto é fraco, baixo, pálido (...).” Para Nietzsche nada é tão doentio quanto como a piedade cristã . 40
  • 41. “Deusestá morto”, Nietzsche Mesmo depois de ter atacado o cristianismo por todos os lados, em 1881 Nietzsche escreveu a seu amigo Peter Gast: “Não importa o que eu tenha a dizer sobre o cristianismo, não posso esquecer que sou-lhe devedor das melhores experiências da minha vida espiritual; e espero que, no fundo do meu coração, jamais venha a ser ingrato para com ele” (apud Lavrin, Janko. Nietzsche, p.60) 41
  • 42. Vamos Refletir... Sobre o tema: http://www.estadao.com.br/ 42
  • 43. O progresso de uma cidade não depende apenas do acúmulo de grandes tesouros, construções, casas bonitas, e muitas armas (...). Muito antes, o melhor e mais rico progresso é quando possui muitos homens bem instruídos, cidadãos ajuizados, honestos e bem educados. Estes podem acumular e preservar corretamente as riquezas de todo tipo de bens. (p.309) LUTERO, M. Aos conselhos de todas as cidades da Alemanha para que criem e mantenham escolas cristãs. In_____. Obras selecionadas. São Leopoudo: Sinodal; Porto alegre: Concórdia Editora, 1995, vol 5. 43
  • 44. Contatos: www.professorrenato.com contato@professorrenato.com "Somos essencialmente um mistério que apenas o Criador pode decifrar" Renato R. Borges 44