SlideShare uma empresa Scribd logo
Câmara Municipal de Coimbra
Comunicado
27 de janeiro de 2016
Página 1 de2
No seguimento de uma notícia hoje veiculada, com o título “Mau Tempo: Cheias
provocaram prejuízos de 2,5 ME no Parque Verde de Coimbra”, a Câmara Municipal de
Coimbra esclarece o seguinte:
• O Alvará n.º 03/2004 estabelece, no ponto 19 c), que o adjudicatário dos
estabelecimentos de restauração ou afins do Parque Verde do Mondego tem de celebrar e
manter em vigor até ao final da exploração um seguro de responsabilidade civil com um
valor de no mínimo 2.500.000€. Este seguro deverá incluir os danos decorrentes de cheias
bem como todas as máquinas ou veículos não obrigados a seguro automóvel.
• No respetivo Caderno de Encargos – Condições Gerais pode ler-se, no ponto 1.5.2.5:
O Adjudicatário é o único responsável pela cobertura dos riscos resultantes de
circunstâncias fortuitas e/ou imprevisíveis e de quaisquer outras, nomeadamente as
decorrentes de cheias. A cota de soleira dos estabelecimentos é 19,00m e prevê-se que o
Nível da Água atinja os 19,50m para um caudal de 1200m3/s que corresponde a um Tempo
de Recorrência de 5 anos e que o Nível da Água atinja os 20,90m para um caudal de
2000m3/s que corresponde a um Tempo de Recorrência de 20 anos. O adjudicatário deverá
desenvolver o seu projeto de forma a minimizar o efeito destas cheias, nomeadamente no
que concerne à salvaguarda de pessoas e bens através da elaboração de um plano de
emergência.
• Já o ponto 5.2.1 estabelece:
Constitui encargo do Adjudicatário, os custos com a utilização de máquinas, aparelhos,
utensílios, ferramentas bem como todos os encargos com a manutenção e/ou substituição
dos equipamentos existentes, manutenção e/ou melhoramento nas instalações
concessionadas, incluindo as instalações Sanitárias Públicas e tudo o mais indispensável à
boa execução da Exploração.
• Assim como o ponto 5.3.1:
O Adjudicatário deverá tomar as providências necessárias para evitar que as instalações e
equipamentos relacionados com a Exploração sejam danificados por atos de vandalismo,
inundações, tempestades ou outros fenómenos naturais.
• Ainda no ponto 3 do respetivo Caderno de Encargos – Condições Técnicas fica
explícito que:
O Adjudicatário obriga-se a elaborar e sujeitar a aprovação um plano de emergência de
forma a, em caso de cheia, salvaguardar pessoas e bens.
Câmara Municipal de Coimbra
Comunicado
27 de janeiro de 2016
Página 2 de2
Avisos efetuados antes da cheia do passado dia 11
Na tarde do dia 8 de janeiro, o diretor municipal de proteção civil avisou, telefonicamente,
um responsável pela exploração dos estabelecimentos de restauração e afins do Parque
Verde do Mondego, António Silva, para procederem em conformidade com as medidas de
prevenção recomendadas e adequadas à circunstância: “Escoamento superficial e sub-
superficial tendencialmente elevado, suscetível de originar inundações rápidas em zonas
historicamente vulneráveis, em especial nas bacias hidrográficas dos rios Minho, Lima,
Cávado, Ave, Vouga, Douro e Mondego”, conforme aviso à população, emitido pela
Autoridade Nacional de Proteção Civil.
O mesmo procedimento foi seguido na madrugada do dia 11, pelas 4h30. O comandante
da Companhia de Bombeiros Sapadores de Coimbra deslocou-se ao Parque Verde e avisou
o segurança do espaço para a previsão de subida dos caudais, que poderiam inundar a zona
dos bares. Nessa mesma altura, o diretor municipal de proteção civil efetuou duas
tentativas de contacto telefónico com António Silva, mas sem sucesso.
Recorde-se ainda que, como é do conhecimento geral, fundado em inúmeros episódios
históricos, as inundações e cheias na bacia do Mondego, pela sua recorrência, não
constituem novidade.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Comunicado sobre "prejuízos de 2,5 ME no Parque Verde de Coimbra"

Apresentacao vilarinho audiencia publica_14-03-2019_final
Apresentacao vilarinho audiencia publica_14-03-2019_finalApresentacao vilarinho audiencia publica_14-03-2019_final
Apresentacao vilarinho audiencia publica_14-03-2019_final
CBH Rio das Velhas
 
Capítulo 3-informacoes-e-procedimentos-de-resposta
Capítulo 3-informacoes-e-procedimentos-de-respostaCapítulo 3-informacoes-e-procedimentos-de-resposta
Capítulo 3-informacoes-e-procedimentos-de-resposta
FIRE SUL PROTECTION
 
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Thales Vinícius de Melo Rissi
 
Prevenção de Incêndio em Florestas
Prevenção de Incêndio em FlorestasPrevenção de Incêndio em Florestas
Prevenção de Incêndio em Florestas
acianf
 
500 MIL EUROS PARA CORRIGIR ANOMALIAS NAS OBRAS DO DO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO
500 MIL EUROS PARA CORRIGIR ANOMALIAS NAS OBRAS DO DO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO500 MIL EUROS PARA CORRIGIR ANOMALIAS NAS OBRAS DO DO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO
500 MIL EUROS PARA CORRIGIR ANOMALIAS NAS OBRAS DO DO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO
Câmara Municipal de Coimbra
 
Substitutivo ao Projeto de Lei nº 7091
Substitutivo ao Projeto de Lei nº 7091Substitutivo ao Projeto de Lei nº 7091
Substitutivo ao Projeto de Lei nº 7091
vermtutty
 

Semelhante a Comunicado sobre "prejuízos de 2,5 ME no Parque Verde de Coimbra" (6)

Apresentacao vilarinho audiencia publica_14-03-2019_final
Apresentacao vilarinho audiencia publica_14-03-2019_finalApresentacao vilarinho audiencia publica_14-03-2019_final
Apresentacao vilarinho audiencia publica_14-03-2019_final
 
Capítulo 3-informacoes-e-procedimentos-de-resposta
Capítulo 3-informacoes-e-procedimentos-de-respostaCapítulo 3-informacoes-e-procedimentos-de-resposta
Capítulo 3-informacoes-e-procedimentos-de-resposta
 
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
 
Prevenção de Incêndio em Florestas
Prevenção de Incêndio em FlorestasPrevenção de Incêndio em Florestas
Prevenção de Incêndio em Florestas
 
500 MIL EUROS PARA CORRIGIR ANOMALIAS NAS OBRAS DO DO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO
500 MIL EUROS PARA CORRIGIR ANOMALIAS NAS OBRAS DO DO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO500 MIL EUROS PARA CORRIGIR ANOMALIAS NAS OBRAS DO DO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO
500 MIL EUROS PARA CORRIGIR ANOMALIAS NAS OBRAS DO DO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO
 
Substitutivo ao Projeto de Lei nº 7091
Substitutivo ao Projeto de Lei nº 7091Substitutivo ao Projeto de Lei nº 7091
Substitutivo ao Projeto de Lei nº 7091
 

Comunicado sobre "prejuízos de 2,5 ME no Parque Verde de Coimbra"

  • 1. Câmara Municipal de Coimbra Comunicado 27 de janeiro de 2016 Página 1 de2 No seguimento de uma notícia hoje veiculada, com o título “Mau Tempo: Cheias provocaram prejuízos de 2,5 ME no Parque Verde de Coimbra”, a Câmara Municipal de Coimbra esclarece o seguinte: • O Alvará n.º 03/2004 estabelece, no ponto 19 c), que o adjudicatário dos estabelecimentos de restauração ou afins do Parque Verde do Mondego tem de celebrar e manter em vigor até ao final da exploração um seguro de responsabilidade civil com um valor de no mínimo 2.500.000€. Este seguro deverá incluir os danos decorrentes de cheias bem como todas as máquinas ou veículos não obrigados a seguro automóvel. • No respetivo Caderno de Encargos – Condições Gerais pode ler-se, no ponto 1.5.2.5: O Adjudicatário é o único responsável pela cobertura dos riscos resultantes de circunstâncias fortuitas e/ou imprevisíveis e de quaisquer outras, nomeadamente as decorrentes de cheias. A cota de soleira dos estabelecimentos é 19,00m e prevê-se que o Nível da Água atinja os 19,50m para um caudal de 1200m3/s que corresponde a um Tempo de Recorrência de 5 anos e que o Nível da Água atinja os 20,90m para um caudal de 2000m3/s que corresponde a um Tempo de Recorrência de 20 anos. O adjudicatário deverá desenvolver o seu projeto de forma a minimizar o efeito destas cheias, nomeadamente no que concerne à salvaguarda de pessoas e bens através da elaboração de um plano de emergência. • Já o ponto 5.2.1 estabelece: Constitui encargo do Adjudicatário, os custos com a utilização de máquinas, aparelhos, utensílios, ferramentas bem como todos os encargos com a manutenção e/ou substituição dos equipamentos existentes, manutenção e/ou melhoramento nas instalações concessionadas, incluindo as instalações Sanitárias Públicas e tudo o mais indispensável à boa execução da Exploração. • Assim como o ponto 5.3.1: O Adjudicatário deverá tomar as providências necessárias para evitar que as instalações e equipamentos relacionados com a Exploração sejam danificados por atos de vandalismo, inundações, tempestades ou outros fenómenos naturais. • Ainda no ponto 3 do respetivo Caderno de Encargos – Condições Técnicas fica explícito que: O Adjudicatário obriga-se a elaborar e sujeitar a aprovação um plano de emergência de forma a, em caso de cheia, salvaguardar pessoas e bens.
  • 2. Câmara Municipal de Coimbra Comunicado 27 de janeiro de 2016 Página 2 de2 Avisos efetuados antes da cheia do passado dia 11 Na tarde do dia 8 de janeiro, o diretor municipal de proteção civil avisou, telefonicamente, um responsável pela exploração dos estabelecimentos de restauração e afins do Parque Verde do Mondego, António Silva, para procederem em conformidade com as medidas de prevenção recomendadas e adequadas à circunstância: “Escoamento superficial e sub- superficial tendencialmente elevado, suscetível de originar inundações rápidas em zonas historicamente vulneráveis, em especial nas bacias hidrográficas dos rios Minho, Lima, Cávado, Ave, Vouga, Douro e Mondego”, conforme aviso à população, emitido pela Autoridade Nacional de Proteção Civil. O mesmo procedimento foi seguido na madrugada do dia 11, pelas 4h30. O comandante da Companhia de Bombeiros Sapadores de Coimbra deslocou-se ao Parque Verde e avisou o segurança do espaço para a previsão de subida dos caudais, que poderiam inundar a zona dos bares. Nessa mesma altura, o diretor municipal de proteção civil efetuou duas tentativas de contacto telefónico com António Silva, mas sem sucesso. Recorde-se ainda que, como é do conhecimento geral, fundado em inúmeros episódios históricos, as inundações e cheias na bacia do Mondego, pela sua recorrência, não constituem novidade.