SlideShare uma empresa Scribd logo
Componentes Químicos da Célula:
Composto Porcentagem
Água 75 a 85%
Íons inorgânicos 1%
Carboidratos 1%
Lípideos 2 a 3%
Proteínas 7 a 10%
Ácidos nucléicos 1%
Classificação dos Compostos
Químicos:
Orgânicos: contém ao menos uma molécula de
carbono e uma de hidrogênio em sua
composição
Ex.: Proteínas, carboidratos, etc...
Inorgânicos: São compostos formados em
geral por moléculas (compostos iônicos)
pequenas, em que podem ou não conter carbono
em sua composição.
Ex.: H2O, CO2 HCN, NaCl, etc...
Íons
- Cátions: derivados de átomos
que perderam e-, carga (+).
Ex: Na+
, o át. de Na perdeu 1 e-
- Ânions: derivados de átomos
que ganharam e-, carga (-).
Ex.:Cl-
, o át. de Cl ganhou 1 e-
Os íons são partículas carregadas (+ ou -), onde o nº
de e- não é mesmo que o nº de p+
.
• Íons
Íons importantes
• Na+
: importante para transmissão do impulso
nervoso.
• Ca+2
: contração muscular e processo de
cicatrização.
• Mg+2
: presente na clorofila. Ex. Rubisco
• Fe+2
: hemoglobina.
• Fe-
: importante p/a manutenção dos ossos e
dos dentes.
ÁGUA
componente mais abundante na superfície terrestre
vida originou-se, evoluiu e desenvolveu-se nos oceanos
estruturas e funções celulares: adaptadas as propriedades
físico-químicas da água
solubiliza grande número de substâncias
H2O: quimicamente estável, mas com propriedades incomuns
que fazem dela um bom solvente.
ÁGUA
PROPRIEDADES
DA ÁGUA
Molécula de H2O: ESTRUTURA
O
HH
O
HH
Molécula de H2O: é polar
O: átomo muito eletronegativo
H: átomo pouco eletronegativo
Eletronegatividade: afinidade por elétrons
PONTES DE HIDROGÊNIO
Definição: ligação não-covalente que se forma entre dois
átomos eletronegativos (O ou N) onde um deles está ligado
covalentemente a um átomo de H (doador).
O
HH
doador aceptor
Ligação covalente Ponte de hidrogênio
N ou O N ou O
São ligações fracas que podem ser rompidas e refeitas facilmente
→ grande importância biológica
Pontes de hidrogênio entre moléculas de água dão força coesiva
que faz a água líquida à temperatura ambiente e sólida à baixas
temperaturas.
PONTES DE HIDROGÊNIO
O
H H
δ-δ-
δ+δ+
O
H
Hδ+
δ+
δ-
δ-
Cada molécula de H2O pode fazer no máximo 4 pontes de H
com outras moléculas de H2O ao mesmo tempo
PONTES DE HIDROGÊNIO
O
HH
O
HH
O
HH
O
HH
O
HH
H2O no estado sólido (gelo): 4 ptes H/H2O
H2O no estado líquido: 3,4 ptes H/H2O
H2O no estado gasoso: 1-2 ptes H/H2O
Importância Biológica das Ligações Fracas
• Permitem à célula montar, alternar e desmontar estruturas
supramoleculares.
Ex.: Atuação enzimática, formação dos microtúbulos.
• Aumentar a versatilidade e eficiência funcional s/ grandes
gastos de energia.
Obs.: Se as ligações fossem apenas estáveis e de alto valor
energético a atividade celular seria impossível.
• H2O: pode realizar com outras substâncias pontes de
hidrogênio e interação eletrostática
• Dissolver = “envolver” uma substância com moléculas de água
• SEMELHANTE DISSOLVE SEMELHANTE
substância podem ser classificadas em:
hidrofílicas: solúveis em água
hidrofóbicas: insolúveis em água
anfifílicas ou anfipáticas: a substância apresenta parte da
molécula hidrofóbica e parte hidrofílica
SOLUBILIDADE
EM H2O
substância polares: formam pontes de hidrogênio com a H2O.
Exemplos: açúcar, álcool e acetona.
SUBSTÂNCIAS HIDROFÍLICAS
GLICOSE
substância apolares: não interagem com a H2O, não sendo,
portanto, dissolvidas. Os hidrocarbonetos (composto de C e H
somente) são altamente apolares. Exemplos: gasolina, petróleo,
óleo diesel, etc.
SUBSTÂNCIAS HIDROFÓBICAS
parte da molécula é hidrofóbica e outra parte é hidrofílica.
Exemplos: ácido graxo, detergente, sabão, etc.
SUBSTÂNCIAS ANFIFÍLICAS
Cauda apolar
(Hidrofóbica)
Cabeça
Polar
(Hidrofílica)
REPRESENTAÇÃO
COMPORTAMENTO DE
ANFIFÍLICOS EM H2O
MICELA: monocamada de anfifílico
VESÍCULA: dupla camada de anfifílico com
água no interior
AGITAÇÃO
AGITAÇÃO INTENSA
EMULSIFICAÇÃO
“SOLUBILIZAÇÃO” de gorduras pela formação de uma micela
GORDURA
DETERGENTE O
HH
O
H
H
O
HH
O
H
H
O
HH
O
H H
O
H
H
O
H
H
O
H
H
Macromoléculas Orgânicas
Macromoléculas ou
polímeros
Unidades
repetidas
Monômeros
Unem-se por ligações covalentes
Homopolímeros Polímeros formados por monômeros
semelhantes .
Heteropolímeros Polímeros formados por monômeros
diferentes .
Macromoléculas Orgânicas
Polímero
s
Grupamentos
químicos
grupamentos polares ou
hidrofílicos
grupamentos apolares ou
hidrofóbicos
Moléculas com alto teor
de grupamentos polares
Carboidratos, DNA, RNA e
proteínas
Moléculas com baixo
teor de grupamentos
polares
Gorduras, parafinas e óleos
Moléculas Anfipáticas
Detergentes, algumas
proteínas e fosfolipídeos
PROTEÍNAS
CLASSIFICAÇÃO PEPTÍDICA
peptídeo: polímeros curtos de aminoácidos (aas)
dipeptídeo: dois resíduos de aas
tripeptídeo: três resíduos de aas
oligopeptídeos: 12 a 20 resíduos de aas.
polipeptídeos: mais de 20 resíduos de aas
Proteínas: compostos formados por uma ou mais
cadeias polipeptídicas
PROTEÍNAS
 Definição - São macromoléculas constituídas por unidades
chamadas de aminoácidos;
 São as moléculas mais abundantes e com maior diversidade de
funções nos sistemas vivos;
Aminoácidos (aas) – apresenta um
grupo carboxila, um grupo amino e
uma cadeia lateral distinta (“grupo R”)
ligados ao átomo de carbono α
(exceto a prolina, que possui um
grupo imino).
 Embora mais de 300 aas diferentes
tenham sido descritos na natureza,
apenas 20 deles são normalmente
encontrados como constituintes de
proteínas em mamíferos;
 São, principalmente classificados
de acordo com a sua cadeia lateral,
pois é a natureza dessas cadeias que
determina o papel de um aa em uma
proteína: apolares, polares, ácidos,
básicos.
Lehninger, 2004.
PROLINA
Único aminoácido que faz ligação com o carbono alfa
e o grupo amina, formando um composto imino.
NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS
PROTEÍNAS
Estrutura primária: a sequência linear de aas em uma
proteína.
ESTRUTURA
PRIMÁRIA
 Ligações peptídicas: Os aminoácidos são unidos
entre si por ligações peptídicas, nas quais o grupo
amina de um deles se liga ao grupo carboxila do
próximo, havendo a perda de uma molécula de
água, ou seja, a formação de uma ligação peptídica
é uma síntese por desidratação.
NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS
Estrutura secundária: consiste em um primeiro nível
de enrolamento helicoidal da proteína, graças às
interações, geralmente pontes de hidrogênio, entre seus
aminoácidos.
ESTRUTURA
SECUNDÁRIA
*Exemplos: queratinas – família de proteínas fibrosas intimamente
relacionadas, que constituem os principais componentes de tecidos como
cabelo e a pele!!
 Hélice α: existem várias hélices polipeptídicas
diferentes na natureza, mas a hélice α é a mais
comum. O filamento de aminoácidos se enrola ao
redor de um eixo central, formando uma “escada
helicoidal”. É uma estrutura estável, cujas voltas são
mantidas por pontes de hidrogênio
NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS
ESTRUTURA
SECUNDÁRIA
 Folha β: ao contrário da hélice α, são compostas
de duas ou mais cadeias peptídicas (fitas β) ou
segmentos de cadeias polipeptídicas, as quais
apresentam-se quase totalmente estendidas.
As pontes de hidrogênio são perpendiculares ao
esqueleto polipeptídico!!!!
As folhas podem ser paralelas ou antiparalelas, e,
ainda, pode ser formada por uma única cadeia,
dobrando-se sobre si mesma!!!
NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS
ESTRUTURA
SECUNDÁRIA
Glicina
Prolina
NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS
Estrutura terciária: a beta folha ou as alfa hélice começam a
se enrolar fazendo com que interações de aminoácidos que,
antes, estavam distantes, através de ligações de ponte de
hidrogênio e de dissulfeto, se aproximem, e, com isso, a proteína
assume a sua estrutura tridimensional conferindo a atividade
biológica das maiorias das proteínas.
*As cadeias laterais hidrofóbicas são posicionadas no interior,
enquanto os grupos hidrofílicos geralmente são encontrados na
superfície da molécula!!
*A estrutura primária determina a terciária!!
ESTRUTURA TERCIÁRIA
NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS
 Papel das chaperonas no dobramento proteíco: constituem
uma família de muitas proteínas diferentes com função
semelhante: elas usam energia da hidrólise de ATP para
desnovelar proteínas, possibilitando novo enovelamento, dessa
vez na forma correta ou no lugar correto, e, também, encaminha
a proteína à destruição, caso não seja possível atingir a
configuração correta.
ESTRUTURA TERCIÁRIA
*“chaperons” foram aqueles meninos que
ajudavam os nobres renascentistas a vestir
as roupas complicadíssimas e colocar as
perucas enormes
NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS
 Estrutura quartenária: duas ou mais cadeias polipeptídicas
interagem através de interações hidrofóbicas, ligações iônicas e
por ponte de hidrogênio. Cada cadeia polipeptídica possui o
terceiro nível de organização.
Desnaturação de proteínas: resulta no desdobramento e na
desorganização das estruturas secundária e terciária, sem que ocorra
hidrólise das ligações peptídicas.
*Agentes: calor, solventes orgânicos, agitação mecância, ácidos e bases
fortes, detergentes e ínos ou metais pesados, como chumbo e mercúrio!!!
*Pode ser reversível ou não!!!
ESTRUTURA QUATERNÁRIA
NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS
TIPOS DE PROTEÍNAS
 Hemeproteínas Globulares: são um grupo especializado de
proteínas, as quais contêm o heme (protoporfirina + íon) como
grupo prostético firmemente ligado e que desempenha diferentes
papéis, de acordo com a estrutura tridimensional da proteína.
 Catalase;
 Citocromo;
 Hemoglobina e mioglobina...
TIPOS DE PROTEÍNAS
 Proteínas fibrosas: o colágeno e a elastina são os exemplos
de proteínas fibrosas bem caracterizados, que apresentam
função estrutural no organismo, Por exemplo, o colágeno e a
elastina são componentes da pele, do parede dos vasos
sanguíneos e da córnea... Cada proteína fibrosa
apresenta propriedades mecânicas especiais, resultado de sua
estrutura única, a qual é obtida pela combinação de aas
específicos em elementos regulares de estrutura secundária!!!!
TIPOS DE PROTEÍNAS
Proteínas de membrana: São proteínas encontradas em
associação com os vários tipos de membrana das células.
MÉTODOS DE PURIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO
DE PROTEÍNAS
MÉTODOS DE PURIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO
DE PROTEÍNAS
MÉTODOS DE PURIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO
DE PROTEÍNAS
MÉTODOS DE PURIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO
DE PROTEÍNAS
roxa:
Cromatografia
Um dos métodos mais utilizados para separação de proteínas é a
cromatografia;
Primeiramente desenvolvida para separação de moléculas pequenas
como a aminoácidos e açúcares;
Amostra (soluto) interage fiscamente com duas fases- Uma móvel (gás
ou líquido) e um suporte sólido (fase estacionária; solvente ou Matriz). A
fase móvel movimenta o soluto através da fase estacionária. A atração
diferencial do soluto pelas fases móvel e estacionária afetará a sua
mobilidade.
Aplicações:
Separação de misturas complexas de biomoléculas em componentes
individuais para propósitos analíticos ou quantitativos.
Isolamento em uma forma pura de uma biomolécula simples a partir de
uma mistura complexa
MÉTODOS DE PURIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO
DE PROTEÍNAS
Cromatografia de Colunas
Tipos de cromatografia de coluna
Qual a importância das proteínas p/ a cél.?
• Estrutura das céls. e tecidos → Ex.:Queratina
• Reparos → Ex.: proteínas responsáveis pela coagulação
• Crescimento → Ex.:hormônios
• Defesa → Ex.:anticorpos
• Manutenção do organismo → Ex.: Insulina
• Biocatalizadores → Ex.: Enzimas
Regulam milhares de reações
químicas diferentes
Enzimas =
Catalisadores biológicos
• Definição: catalisadores de reações químicas (aceleram as
reações) altamente específicas. A grande maioria são
proteínas (exceção: ribozima)
• Propriedades:
– Aceleram as reações
– Não são consumidos na reação
– Atuam em pequenas concentrações
– Não alteram o equilíbrio das reações
– Podem ter sua atividade regulada
Reações químicas catalisadas (enzimas)
EE ++ SS EE SS EE ++ PP
EnergiaEnergia
Caminho da ReaçãoCaminho da Reação
Energia de ativaçãoEnergia de ativação semsem enzimaenzima
SS
PP
Energia de ativaçãoEnergia de ativação comcom enzimaenzima
Enzimas nomenclatura e classificação
• Nomenclatura:
SUBSTRATO + FUNÇÃO + ASE
Ex.: superóxido dismutase, nitrato redutase, isocitrato desidrogenase,
etc.
Enzimas - Cofatores
Porção protéica
APOENZIMA
Cofator
HOLOENZIMA
Ativador
Coenzima
Grupamento
prostético
Moléculas orgânicas ou inorgânicas que condicionam a
atividade das enzimas
Enzimas - Cofatores
• Cofatores inorgânicos: íons metálicos. Exemplos:
– Magnésio
– Manganês
– Zinco -
• Cofatores orgânicos
– Maioria deriva de vitaminas hidrossolúveis
– Classificam-se em:
• transportadoras de hidrogênio
• transportadoras de grupos químicos
Enzimas
Centro Catalítico / Sítio Ativo
 Região da molécula enzimática
que participa da reação com o
substrato
 Pode possuir componentes não
protéicos: cofatores
Enzimas
Substratos
Complexo ES (Enzima-Substrato)
Ligação ao Sítio Ativo ou sítio catalítico
Chave-fechadura
Liberação do Produto
+
Enzima inalterada
Fatores que alteram a atividade de uma enzima
• Fatores decorrentes da natureza protéica das enzimas
- pH
- temperatura
• Fatores decorrentes da formação do complexo ES
- concentração do substrato
- concentração da enzima
• Presença de inibidores
LIPÍDEOS
LIPÍDEOS
Classe de moléculas bastante variada
Baixa solubilidade em água, muitos são compostos
anfifílicos
Desempenham várias funções no organismo:
 Combustível celular
 Hormônios ou precursores hormonais
 Reserva de energia
 Componente estrutural das membranas biológicas
 Isolamento e proteção de órgãos
 Isolamento térmico
 Vitaminas
A maioria dos lipídeos é derivada ou possui na sua
ÁCIDOS GRAXOS (AG)
ácidos orgânicos com mais
de 12 carbonos,
cadeia alquil pode ser
saturada ou insaturada
Ácidos graxos saturados
Não possuem duplas ligações
 Geralmente sólidos à
temperatura ambiente;
 Gorduras de origem animal
são geralmente ricas em AG
saturados
Ácidos graxos
insaturados:
 Possuem uma ou mais
duplas ligações,
 mono ou poliinsaturados;
 geralmente líquidos à
temperatura ambiente;
 Os óleos de origem
vegetal são ricos em AG
insaturados;
TRIACILGLICEROL
(TAG)
lipídeos formados pela ligação de 3 moléculas de ácidos
graxos com o glicerol.
ácidos graxos que participam da estrutura de um
triacilglicerol são geralmente diferentes entre si
principal função: reserva de energia
armazenados no tecido adiposo
fornecem por grama aproximadamente o dobro da energia
fornecida por carboidratos
(FOSFOLIPÍDEOS)
Lipídios "Polares", que contém fosfato na sua estrutura
desempenham importante função na estrutura e função das
membranas biológicas, por serem anfipáticos.
CERAS
Ceras são insolúveis em H2O têm ação impermeabilizante na
superfície da pele de animais, nas folhas de plantas e nas
penas de aves.
Exemplos:
cera de carnaúba: usada no polimento de carros,
sapatos, pisos, isolante em chips, revestimento de
comprimidos etc.
lanolina: protege a lã. É rapidamente absorvida pela
pele humana sendo por isso utilizada em cosméticos e
produtos farmacêuticos.
ESTERÓIDES
lipídeos que não possuem AG em sua estrutura.
Destes, o principal exemplo é o Colesterol.
COLESTEROL
esteróide importante na estrutura das membranas biológicas,
atua como precursor na biossíntese dos esteróides
biologicamente ativos, como os hormônios esteróides, os ácidos
e sais biliares e a vitamina D.
LIPOPROTEÍNAS
A fração lipídica das lipoproteínas é muito variável, e permite a
classificação das mesmas em 5 grupos, de acordo com suas
densidades e mobilidade eletroforética:
Quilomicron
Lipoproteína de muito baixa densidade (VLDL)
Lipoproteína de densidade intermediária (IDL)
Lipoproteína de baixa densidade (LDL)
Lipoproteína de alta densidade (HDL)
Quilomícron = É a lipoproteína menos densa, transportadora de
triacilglicerol exógeno na corrente sanguínea.
VLDL = "Lipoproteína de Densidade Muito Baixa", transporta
triacilglicerol endógeno.
IDL = "Lipoproteína de Densidade Intermediária", é formada na
transformação de VLDL em LDL.
LDL = "Lipoproteína de Densidade Baixa", é a principal
transportadora de colesterol para os tecidos; seus níveis
aumentados no sangue aumentam o risco de infarto agudo do
miocárdio.
HDL = "Lipoproteína de Densidade Alta"; atua retirando o
colesterol da circulação. Seus níveis aumentados no sangue estão
associados a uma diminuição do risco de infarto agudo do
miocárdio.
LIPOPROTEÍNAS
LDL = “colesterol ruim”
HDL = “bom colesterol”
LDL: transporta o colesterol para os tecidos e sua oxidação leva
a produção da placa de ateroma
HDL: tira o excesso de colesterol dos tecidos e leva de volta ao
fígado.
O colesterol é o mesmo em ambas lipoproteínas
Arteriosclerose
1 2
4
3
5
Função Biológica dos Lipídeos
Combustível: reservas energéticas (gorduras e óleos)
armazenados nos adipócitos.
Estrutural: estão relacionados na formação de membranas.
Isolantes: são excelentes isolantes → encontram-se nas
gorduras neutras em tecidos subcutâneos e em torno de alguns
tecidos (proteção térmica e mecânica).
Funções Especiais: sinalização (hormonal), cofatores de
reações enzimáticas (vitamina K) ou ubiquinona. O lipídeo retinal
carotenóide por ser sensível à luz tem papel central no processo
de visão.
CARBOIDRATOS
CARBOIDRATOS
também chamados sacarídeos, glicídios, oses, hidratos de
carbono ou açúcares
biomoléculas mais abundantes na natureza
maior parte da ingestão calórica da maioria dos
organismos
fórmula geral é: [CH2
O]n
, daí o nome "carboidrato" ou
"hidrato de carbono"
Fonte de energia
Reserva de energia
Estrutural
Matéria-prima para a biossíntese
Informacional → glicocálix
MONOSSACARÍDEOS
sólidos, cristalinos, incolores, solúveis em H2O, alguns têm
sabor doce
fórmula geral é: [CH2O]n, n≥3
cadeia não ramificada de átomos de C ligados entre si por
ligações simples. Um dos C é ligado ao O por uma dupla
ligação (carbonila), os outros C estão ligados a OH (hidroxila)
Classificação dos monossacarídeos também pode ser baseada
no número de carbonos de suas moléculas:
TRIOSES (3C),
TETROSES (4C),
PENTOSES(5C): Ribose, Arabinose, Xilose
HEXOSES (6C): Glicose, Galactose, Manose, Frutose
etc
POLISSACARÍDEOS
Macromoléculas formadas por centenas a milhares de
unidades monossacarídicas ligadas entre si por ligações
glicosídicas.
Polissacarídeos importantes → formados pela polimerização da
glicose: amido, glicogênio e celulose.
AMIDO:
polissacarídeo de reserva da célula vegetal
Formado por moléculas de glicose ligadas entre
si através de numerosas ligações
AMILOSE
AMILOPECTINA
GLICOGÊNIO:
Polissacarídeo de reserva da célula animal (fígado – manutenção
da glicemia; e músculos – fornecimento energia exercício intenso).
semelhante ao amido, mas possui um número bem maior de
ligações , o que confere um alto grau de ramificação à sua molécula
Alto número de ramificações facilita a ação da enzima glicogênio
fosforilase (do músculo e do fígado) liberando grandes quantidades
de monossacarídeo rapidamente.
QUEBRA DA LIGAÇÃO GLICOSÍDICA
Digerida por α-amilases (enzimas que hidrolisam a ligação
glicosídica)
ptialina (ou amilase salivar): inicia a degradação dos carboidratos
na boca dos mamíferos.
glicogênio
Célula do
fígado:
Hepatócito
Substância de reserva
CELULOSE:
Carboidrato mais abundante na natureza.
Função estrutural na célula vegetal, como um componente importante
da parede celular.
Este tipo de ligação glicosídica confere à molécula uma estrutura
espacial muito linear, que forma fibras insolúveis em água e não
digeríveis pelo ser humano.
BIBLIOGRAFIA
• ALBERTS, B. Biologia molecular da Célula. Artmed, 2004
• Earnshaw, W. C.; Pollard T.D. Biologia Celular. Elsevier, 2006
• CAMPBELL, M.K. Bioquímica. Artmed, 2000
• NELSON, D.L. & COX, M.M. Lehninger Princípios de
Bioquímica. 2002
Obrigado !
ale_vidotto@hotmail.com
Ácidos Nucléicos
Prof. Msc. Tadaiti Ozato Junior
Profa. Dra. Maria Tercília Vilela de Azeredo Oliveira
Histórico
Estrutura do DNA: determinada em 1953
pelos ingleses Watson e Crick (prêmio
Nobel).
Obs.: Britânica Rosalind Franklin teve participação na
determinação da estrutura do DNA
Ácidos Nucleicos
DNA: ácido desoxirribonucleico;
RNA: Ácido ribonucleico
DNA e RNA: principais moléculas informativas das células.
DNA: única função de material genético.
RNA - Diferentes tipos:
RNAm: carrega informação do DNA aos ribossomos servindo
como molde para a síntese proteica.
RNAt e RNAr: envolvidos na síntese proteica.
RNAs: podem catalisar várias reações químicas (ribozimas)
Dogma Central da Biologia
DNA RNA Proteínas
TraduçãoTranscrição
Replicação
Dogma Central da Biologia
DNA e RNA
DNA
RNA
•Núcleo – eucariotos
(maior parte)
Cromatina / Cromossomos
•Citoplasma
(menor parte)
Cloroplastos / Mitocôndrias
•Núcleo – síntese de RNA
•Citoplasma – síntese de Proteínas
Composição dos Ác. nucleicos
São polímeros compostos por nucleotídeos
Nucleotídeo
• Açúcar - pentose
• Grupo fosfato
• Base nitrogenada
Composição dos Ác. nucleicos
• pentoses: • numeração da pentose:
• pentose + grupo fosfato
Composição dos Ác. nucleicos
•Bases nitrogenadas:
Composição dos Ác. nucleicos
Ligação Fosfodiéster
O fosfato localizado na
posição 5´ se liga à hidroxila
localizada na posição 3´,
liberando uma molécula de
água.
RNA DNA
DNA
DNA
•Reservatório para informações genéticas
•Constituído de duas cadeias de polinucleotídeos
antiparalelas(direções opostas).
• Dupla hélice em torno do eixo → giro p/ direita.
• Ligações fosfodiéster 5´→ 3´.
• Proporciona mecanismo da hereditariedade.
• Replicação semi-conservativa
• As duas cadeias de polinucleotídeos interagem entre
si através das pontes de hidrogênio entre as bases
nitrogenadas, em que a A pareia com T e C com G.
DNA
Tipos de DNA
• DNA B: maior parte do DNA → giro p/ direita (10
nucleotídeos por volta), conformação mais estável e
alto grau de hidratação.
• DNA Z: região do DNA rica em (G-C) → giro p/
esquerda (12 nucleotídeos por volta), conformação
mais flexível → mais sucetível a mutações.
• DNA A: Aparece em algumas partes do DNA
natural quando há alta conc. de cátions e baixa
hidratação, possuindo 11 nucleotídeos por volta.
• Obs.: Os DNAs C e D são subclasses do DNA tipo B
Tipo C: grau de hidratação menor que 45%.
Tipo D: somente obtido de forma artificial.
Existe também uma forma de Tripla hélice
Tipos de DNA
Genes
• Seqüência específica de nucleotídeos, que codifica
informações necessárias para a síntese de
proteínas.
Esquema de um
gene de
eucarioto.
Obs.:Em procariotos raramente há ocorrência de
íntrons.
RNA
Existem três tipos de RNA:
•RNA mensageiro (RNAm): atua transferindo a
informação contida no DNA para a síntese de proteínas
nos ribossomos.
• RNA transportador (RNAt): possuem o formato de
trevo e atuam no transporte de aminoácidos para os
ribossomos para a síntese proteica.
• RNA ribossômico (RNAr): faz parte da composição dos
ribossomos (50% da massa) → proporciona suporte
molecular para a síntese de polipeptídeos.
RNA
Molécula de
RNA
1 cadeia de
polinucleotídeos
• Não é uma estrutura linear
simples.
• Bases complementares em
certas regiões.
• Pontes de hidrogênio entre
A-U e C-G → conseqüência a
molécula se dobra formando
alças ≅ ao DNA.
RNA transportador (RNAt)
• Sintetizado na cromatina (núcleo interfásico →
cromossomos descondensados)
• Moléculas menores com forma de trevo.
• Propriedade de se ligar à aminoácidos.
• Reconhece determinados locais na molécula de
RNAm (códon) → RNAt (anti-códon) → seqüências
complementares.
• Ocorrem ponte de H → segmentos formados por
dupla-hélice.
RNA transportador (RNAt)
RNAt
RNAt
Síntese de RNAt
ver transparência
RNA mensageiro (RNAm)
• Sintetizado na cromatina (núcleo interfásico →
cromossomos descondensados).
• Transcrição de uma das cadeias da hélice de DNA
RNAm
•Prolongamento (cauda de poli-A) →
adicionado na extremidade 3´ ainda no
núcleo logo após a transcrição.
•Na outra extremidade (5´) do RNAm há a
adição de um cap (capuz nucleotídico)
Processamento do RNAm (splicing alternativo)
RNAm
RNA ribossômico (RNAr)
• Mais abundante que os outros tipos de RNA → 80%
do RNA celular.
• Combinado com com proteínas → RNP
(ribonucleoproteínas)
• Formam os ribossomos → principal constituinte.
• Ribossomos + RNAm → polirribossomos.
• Função dos Ribossomos: Tradução de proteínas.
RNAr
RNAr
Polirribossomos
(polissomos)
Ribossomos livres no citoplasma
RNAr
Ribossomos aderidos ao RE→RER
Polirribossomos
(polissomos)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicasAula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicas
Profª Alda Ernestina
 
PH e pOH
  PH  e pOH  PH  e pOH
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
Adrianne Mendonça
 
01. substâncias e misturas
01. substâncias e misturas01. substâncias e misturas
01. substâncias e misturas
Augusto Sérgio Costa Souza
 
Mitose e meiose
Mitose e meioseMitose e meiose
Mitose e meiose
Professora Raquel
 
Funções inorgânicas ácidos
Funções inorgânicas   ácidosFunções inorgânicas   ácidos
Funções inorgânicas ácidos
Rafael Nishikawa
 
Aula propriedades coligativas
Aula propriedades coligativasAula propriedades coligativas
Aula propriedades coligativas
quiandreaivina
 
Lista 2.3 concentração das soluções
Lista 2.3   concentração das soluçõesLista 2.3   concentração das soluções
Lista 2.3 concentração das soluções
carlosrbd
 
Química dos metais de transição
Química dos metais de transiçãoQuímica dos metais de transição
Química dos metais de transição
Alvinho Carvalho
 
Respiracao celular
Respiracao celularRespiracao celular
Respiracao celular
Laguat
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
Carlos Priante
 
Acidos graxos
Acidos graxosAcidos graxos
Acidos graxos
PAULA IZABEL
 
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Gabriel Resende
 
005 enzimas 2011_2_002
005 enzimas 2011_2_002005 enzimas 2011_2_002
005 enzimas 2011_2_002
Raul Tomé
 
Enzimas (powerpoint)
Enzimas (powerpoint)Enzimas (powerpoint)
Enzimas (powerpoint)
isabelalexandrapinto
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
Josenildo Vasconcelos
 
BIOQUIMICA
BIOQUIMICABIOQUIMICA
BIOQUIMICA
Kaires Braga
 
Síntese proteica
Síntese proteicaSíntese proteica
Síntese proteica
Ana Arsénio
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
URCA
 
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando AbreuEletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Fernando Abreu
 

Mais procurados (20)

Aula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicasAula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicas
 
PH e pOH
  PH  e pOH  PH  e pOH
PH e pOH
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
01. substâncias e misturas
01. substâncias e misturas01. substâncias e misturas
01. substâncias e misturas
 
Mitose e meiose
Mitose e meioseMitose e meiose
Mitose e meiose
 
Funções inorgânicas ácidos
Funções inorgânicas   ácidosFunções inorgânicas   ácidos
Funções inorgânicas ácidos
 
Aula propriedades coligativas
Aula propriedades coligativasAula propriedades coligativas
Aula propriedades coligativas
 
Lista 2.3 concentração das soluções
Lista 2.3   concentração das soluçõesLista 2.3   concentração das soluções
Lista 2.3 concentração das soluções
 
Química dos metais de transição
Química dos metais de transiçãoQuímica dos metais de transição
Química dos metais de transição
 
Respiracao celular
Respiracao celularRespiracao celular
Respiracao celular
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Acidos graxos
Acidos graxosAcidos graxos
Acidos graxos
 
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
 
005 enzimas 2011_2_002
005 enzimas 2011_2_002005 enzimas 2011_2_002
005 enzimas 2011_2_002
 
Enzimas (powerpoint)
Enzimas (powerpoint)Enzimas (powerpoint)
Enzimas (powerpoint)
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
BIOQUIMICA
BIOQUIMICABIOQUIMICA
BIOQUIMICA
 
Síntese proteica
Síntese proteicaSíntese proteica
Síntese proteica
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
 
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando AbreuEletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
 

Destaque

Apresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermolecularesApresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermoleculares
Claudia Cinara Braga
 
Interações Intermoleculares jaque
Interações Intermoleculares jaqueInterações Intermoleculares jaque
Interações Intermoleculares jaque
quimica_prefederal
 
Aula 4 ligações de hidrogênio e propriedades dos líquidos
Aula 4   ligações de hidrogênio e propriedades dos líquidosAula 4   ligações de hidrogênio e propriedades dos líquidos
Aula 4 ligações de hidrogênio e propriedades dos líquidos
Fernando Lucas
 
Forças intermoleculares[1]
Forças intermoleculares[1]Forças intermoleculares[1]
Forças intermoleculares[1]
Regina Correia
 
Iva
IvaIva
Terminologia culinaria
Terminologia culinariaTerminologia culinaria
Terminologia culinaria
Joseph Domínguez
 
Rapporto cave 2014
Rapporto cave 2014Rapporto cave 2014
Rapporto cave 2014
angerado
 
Fantasy Grounds Manual
Fantasy Grounds ManualFantasy Grounds Manual
Fantasy Grounds Manual
guestbc6b9b
 
Métodos analíticos. Unidad 1 análisis instrumental 1
Métodos analíticos. Unidad 1 análisis instrumental 1Métodos analíticos. Unidad 1 análisis instrumental 1
Métodos analíticos. Unidad 1 análisis instrumental 1
belkyspereira
 
TRIBUNAL SUPERIOR DEL DISTRITO JUDICIAL DE BOGOTA SALA DE JUSTICIA Y PAZ: Sen...
TRIBUNAL SUPERIOR DEL DISTRITO JUDICIAL DE BOGOTA SALA DE JUSTICIA Y PAZ: Sen...TRIBUNAL SUPERIOR DEL DISTRITO JUDICIAL DE BOGOTA SALA DE JUSTICIA Y PAZ: Sen...
TRIBUNAL SUPERIOR DEL DISTRITO JUDICIAL DE BOGOTA SALA DE JUSTICIA Y PAZ: Sen...
Poder Ciudadano
 
Whitepaper website optimalisatie in 6 stappen
Whitepaper website optimalisatie in 6 stappenWhitepaper website optimalisatie in 6 stappen
Whitepaper website optimalisatie in 6 stappen
Piet van den Boer
 
Probabilidades médio iv
Probabilidades médio ivProbabilidades médio iv
Probabilidades médio iv
CIEP 456 - E.M. Milcah de Sousa
 
Paula Sanchez Argentina Matriz Bcg
Paula Sanchez Argentina Matriz BcgPaula Sanchez Argentina Matriz Bcg
Paula Sanchez Argentina Matriz Bcg
Paula Sánchez
 
Capacitacion y entrenamiento
Capacitacion y entrenamientoCapacitacion y entrenamiento
Capacitacion y entrenamiento
josefinacontreras
 
Diseño y usabilidad ¿de qué va eso en 10 minutos? Simo 2009
Diseño y usabilidad ¿de qué va eso en 10 minutos? Simo 2009Diseño y usabilidad ¿de qué va eso en 10 minutos? Simo 2009
Diseño y usabilidad ¿de qué va eso en 10 minutos? Simo 2009
borjadelgado
 
Magazine Protezione Civile - Anno 4 - n. 14 - gennaio-marzo 2014
Magazine Protezione Civile - Anno 4 - n. 14 - gennaio-marzo 2014Magazine Protezione Civile - Anno 4 - n. 14 - gennaio-marzo 2014
Magazine Protezione Civile - Anno 4 - n. 14 - gennaio-marzo 2014
angerado
 
Analisis Sistemas Operadora
Analisis Sistemas OperadoraAnalisis Sistemas Operadora
Analisis Sistemas Operadora
Antonio Pablo García Martín
 
1 estructura de la asignaturaespañol 3°
1 estructura de la asignaturaespañol 3°1 estructura de la asignaturaespañol 3°
1 estructura de la asignaturaespañol 3°
Clarita Castrejon
 
Tecnologia De Alimentos 000
Tecnologia De Alimentos 000Tecnologia De Alimentos 000
Tecnologia De Alimentos 000
educacao f
 
Barbara Anderson (pedofilia na Torre de Vigia)
Barbara Anderson (pedofilia na Torre de Vigia)Barbara Anderson (pedofilia na Torre de Vigia)
Barbara Anderson (pedofilia na Torre de Vigia)
pascoal reload
 

Destaque (20)

Apresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermolecularesApresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermoleculares
 
Interações Intermoleculares jaque
Interações Intermoleculares jaqueInterações Intermoleculares jaque
Interações Intermoleculares jaque
 
Aula 4 ligações de hidrogênio e propriedades dos líquidos
Aula 4   ligações de hidrogênio e propriedades dos líquidosAula 4   ligações de hidrogênio e propriedades dos líquidos
Aula 4 ligações de hidrogênio e propriedades dos líquidos
 
Forças intermoleculares[1]
Forças intermoleculares[1]Forças intermoleculares[1]
Forças intermoleculares[1]
 
Iva
IvaIva
Iva
 
Terminologia culinaria
Terminologia culinariaTerminologia culinaria
Terminologia culinaria
 
Rapporto cave 2014
Rapporto cave 2014Rapporto cave 2014
Rapporto cave 2014
 
Fantasy Grounds Manual
Fantasy Grounds ManualFantasy Grounds Manual
Fantasy Grounds Manual
 
Métodos analíticos. Unidad 1 análisis instrumental 1
Métodos analíticos. Unidad 1 análisis instrumental 1Métodos analíticos. Unidad 1 análisis instrumental 1
Métodos analíticos. Unidad 1 análisis instrumental 1
 
TRIBUNAL SUPERIOR DEL DISTRITO JUDICIAL DE BOGOTA SALA DE JUSTICIA Y PAZ: Sen...
TRIBUNAL SUPERIOR DEL DISTRITO JUDICIAL DE BOGOTA SALA DE JUSTICIA Y PAZ: Sen...TRIBUNAL SUPERIOR DEL DISTRITO JUDICIAL DE BOGOTA SALA DE JUSTICIA Y PAZ: Sen...
TRIBUNAL SUPERIOR DEL DISTRITO JUDICIAL DE BOGOTA SALA DE JUSTICIA Y PAZ: Sen...
 
Whitepaper website optimalisatie in 6 stappen
Whitepaper website optimalisatie in 6 stappenWhitepaper website optimalisatie in 6 stappen
Whitepaper website optimalisatie in 6 stappen
 
Probabilidades médio iv
Probabilidades médio ivProbabilidades médio iv
Probabilidades médio iv
 
Paula Sanchez Argentina Matriz Bcg
Paula Sanchez Argentina Matriz BcgPaula Sanchez Argentina Matriz Bcg
Paula Sanchez Argentina Matriz Bcg
 
Capacitacion y entrenamiento
Capacitacion y entrenamientoCapacitacion y entrenamiento
Capacitacion y entrenamiento
 
Diseño y usabilidad ¿de qué va eso en 10 minutos? Simo 2009
Diseño y usabilidad ¿de qué va eso en 10 minutos? Simo 2009Diseño y usabilidad ¿de qué va eso en 10 minutos? Simo 2009
Diseño y usabilidad ¿de qué va eso en 10 minutos? Simo 2009
 
Magazine Protezione Civile - Anno 4 - n. 14 - gennaio-marzo 2014
Magazine Protezione Civile - Anno 4 - n. 14 - gennaio-marzo 2014Magazine Protezione Civile - Anno 4 - n. 14 - gennaio-marzo 2014
Magazine Protezione Civile - Anno 4 - n. 14 - gennaio-marzo 2014
 
Analisis Sistemas Operadora
Analisis Sistemas OperadoraAnalisis Sistemas Operadora
Analisis Sistemas Operadora
 
1 estructura de la asignaturaespañol 3°
1 estructura de la asignaturaespañol 3°1 estructura de la asignaturaespañol 3°
1 estructura de la asignaturaespañol 3°
 
Tecnologia De Alimentos 000
Tecnologia De Alimentos 000Tecnologia De Alimentos 000
Tecnologia De Alimentos 000
 
Barbara Anderson (pedofilia na Torre de Vigia)
Barbara Anderson (pedofilia na Torre de Vigia)Barbara Anderson (pedofilia na Torre de Vigia)
Barbara Anderson (pedofilia na Torre de Vigia)
 

Semelhante a Componentes químicos da célula 2

Composiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celulaComposiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celula
Pedro Lopes
 
Bioquimica celular e composição das celulasppt
Bioquimica celular e composição das celulaspptBioquimica celular e composição das celulasppt
Bioquimica celular e composição das celulasppt
guzmanabraham108
 
Bioquimica celular e composição das celulasppt
Bioquimica celular e composição das celulaspptBioquimica celular e composição das celulasppt
Bioquimica celular e composição das celulasppt
guzmanabraham108
 
Biomoléculas
BiomoléculasBiomoléculas
Biomoléculas
margaridabt
 
Biomoléculas
BiomoléculasBiomoléculas
Biomoléculas
margaridabt
 
A base qu_mica_da_vida2 para uma vida melhor
A base qu_mica_da_vida2 para uma vida melhorA base qu_mica_da_vida2 para uma vida melhor
A base qu_mica_da_vida2 para uma vida melhor
Cynthia Oliveira
 
Biomoléculas
BiomoléculasBiomoléculas
Biomoléculas
margaridabt
 
Costutuição molecular e sintese protéica
Costutuição molecular e sintese protéicaCostutuição molecular e sintese protéica
Costutuição molecular e sintese protéica
Marcos Albuquerque
 
Biomoleculas1
Biomoleculas1Biomoleculas1
Biomoleculas1
João Soares
 
Aula 2 composição química das células
Aula 2   composição química das célulasAula 2   composição química das células
Aula 2 composição química das células
Nayara de Queiroz
 
Aula 2 composição química das células
Aula 2   composição química das célulasAula 2   composição química das células
Aula 2 composição química das células
Ed_Fis_2015
 
Biomoleculas criativas
Biomoleculas criativasBiomoleculas criativas
Biomoleculas criativas
Daniel Gonçalves
 
Costutuição molecular e sintese protéica
Costutuição molecular e sintese protéicaCostutuição molecular e sintese protéica
Costutuição molecular e sintese protéica
Marcos Albuquerque
 
Costutuição molecular e sintese protéica
Costutuição molecular e sintese protéicaCostutuição molecular e sintese protéica
Costutuição molecular e sintese protéica
Marcos Albuquerque
 
Proteinas
ProteinasProteinas
Proteinas
antonio Junior
 
Compostos Químicos da célula
Compostos Químicos da célulaCompostos Químicos da célula
Compostos Químicos da célula
Solana Boschilia
 
Biologia - Proteínas
Biologia - ProteínasBiologia - Proteínas
Biologia - Proteínas
Carson Souza
 
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptxBIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
Drylima
 
Resumo pas 1 em
Resumo pas 1 emResumo pas 1 em
Resumo pas 1 em
César Milani
 
4 biomoléculas
4   biomoléculas4   biomoléculas
4 biomoléculas
margaridabt
 

Semelhante a Componentes químicos da célula 2 (20)

Composiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celulaComposiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celula
 
Bioquimica celular e composição das celulasppt
Bioquimica celular e composição das celulaspptBioquimica celular e composição das celulasppt
Bioquimica celular e composição das celulasppt
 
Bioquimica celular e composição das celulasppt
Bioquimica celular e composição das celulaspptBioquimica celular e composição das celulasppt
Bioquimica celular e composição das celulasppt
 
Biomoléculas
BiomoléculasBiomoléculas
Biomoléculas
 
Biomoléculas
BiomoléculasBiomoléculas
Biomoléculas
 
A base qu_mica_da_vida2 para uma vida melhor
A base qu_mica_da_vida2 para uma vida melhorA base qu_mica_da_vida2 para uma vida melhor
A base qu_mica_da_vida2 para uma vida melhor
 
Biomoléculas
BiomoléculasBiomoléculas
Biomoléculas
 
Costutuição molecular e sintese protéica
Costutuição molecular e sintese protéicaCostutuição molecular e sintese protéica
Costutuição molecular e sintese protéica
 
Biomoleculas1
Biomoleculas1Biomoleculas1
Biomoleculas1
 
Aula 2 composição química das células
Aula 2   composição química das célulasAula 2   composição química das células
Aula 2 composição química das células
 
Aula 2 composição química das células
Aula 2   composição química das célulasAula 2   composição química das células
Aula 2 composição química das células
 
Biomoleculas criativas
Biomoleculas criativasBiomoleculas criativas
Biomoleculas criativas
 
Costutuição molecular e sintese protéica
Costutuição molecular e sintese protéicaCostutuição molecular e sintese protéica
Costutuição molecular e sintese protéica
 
Costutuição molecular e sintese protéica
Costutuição molecular e sintese protéicaCostutuição molecular e sintese protéica
Costutuição molecular e sintese protéica
 
Proteinas
ProteinasProteinas
Proteinas
 
Compostos Químicos da célula
Compostos Químicos da célulaCompostos Químicos da célula
Compostos Químicos da célula
 
Biologia - Proteínas
Biologia - ProteínasBiologia - Proteínas
Biologia - Proteínas
 
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptxBIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
 
Resumo pas 1 em
Resumo pas 1 emResumo pas 1 em
Resumo pas 1 em
 
4 biomoléculas
4   biomoléculas4   biomoléculas
4 biomoléculas
 

Mais de Luzineide Oliveira

Fecundação humana
Fecundação humanaFecundação humana
Fecundação humana
Luzineide Oliveira
 
A primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelA primeira lei de mendel
A primeira lei de mendel
Luzineide Oliveira
 
Piaget fases
Piaget   fasesPiaget   fases
Piaget fases
Luzineide Oliveira
 
04 evolução-evidências
04 evolução-evidências04 evolução-evidências
04 evolução-evidências
Luzineide Oliveira
 
Citologia
CitologiaCitologia
Aula 05 divisão celular
Aula 05 divisão celularAula 05 divisão celular
Aula 05 divisão celular
Luzineide Oliveira
 

Mais de Luzineide Oliveira (6)

Fecundação humana
Fecundação humanaFecundação humana
Fecundação humana
 
A primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelA primeira lei de mendel
A primeira lei de mendel
 
Piaget fases
Piaget   fasesPiaget   fases
Piaget fases
 
04 evolução-evidências
04 evolução-evidências04 evolução-evidências
04 evolução-evidências
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Aula 05 divisão celular
Aula 05 divisão celularAula 05 divisão celular
Aula 05 divisão celular
 

Último

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 

Último (20)

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 

Componentes químicos da célula 2

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4. Componentes Químicos da Célula: Composto Porcentagem Água 75 a 85% Íons inorgânicos 1% Carboidratos 1% Lípideos 2 a 3% Proteínas 7 a 10% Ácidos nucléicos 1%
  • 5. Classificação dos Compostos Químicos: Orgânicos: contém ao menos uma molécula de carbono e uma de hidrogênio em sua composição Ex.: Proteínas, carboidratos, etc... Inorgânicos: São compostos formados em geral por moléculas (compostos iônicos) pequenas, em que podem ou não conter carbono em sua composição. Ex.: H2O, CO2 HCN, NaCl, etc...
  • 6. Íons - Cátions: derivados de átomos que perderam e-, carga (+). Ex: Na+ , o át. de Na perdeu 1 e- - Ânions: derivados de átomos que ganharam e-, carga (-). Ex.:Cl- , o át. de Cl ganhou 1 e- Os íons são partículas carregadas (+ ou -), onde o nº de e- não é mesmo que o nº de p+ . • Íons
  • 7. Íons importantes • Na+ : importante para transmissão do impulso nervoso. • Ca+2 : contração muscular e processo de cicatrização. • Mg+2 : presente na clorofila. Ex. Rubisco • Fe+2 : hemoglobina. • Fe- : importante p/a manutenção dos ossos e dos dentes.
  • 9. componente mais abundante na superfície terrestre vida originou-se, evoluiu e desenvolveu-se nos oceanos estruturas e funções celulares: adaptadas as propriedades físico-químicas da água solubiliza grande número de substâncias H2O: quimicamente estável, mas com propriedades incomuns que fazem dela um bom solvente. ÁGUA
  • 10. PROPRIEDADES DA ÁGUA Molécula de H2O: ESTRUTURA O HH O HH Molécula de H2O: é polar O: átomo muito eletronegativo H: átomo pouco eletronegativo Eletronegatividade: afinidade por elétrons
  • 11. PONTES DE HIDROGÊNIO Definição: ligação não-covalente que se forma entre dois átomos eletronegativos (O ou N) onde um deles está ligado covalentemente a um átomo de H (doador). O HH doador aceptor Ligação covalente Ponte de hidrogênio N ou O N ou O São ligações fracas que podem ser rompidas e refeitas facilmente → grande importância biológica
  • 12. Pontes de hidrogênio entre moléculas de água dão força coesiva que faz a água líquida à temperatura ambiente e sólida à baixas temperaturas. PONTES DE HIDROGÊNIO O H H δ-δ- δ+δ+ O H Hδ+ δ+ δ- δ-
  • 13. Cada molécula de H2O pode fazer no máximo 4 pontes de H com outras moléculas de H2O ao mesmo tempo PONTES DE HIDROGÊNIO O HH O HH O HH O HH O HH H2O no estado sólido (gelo): 4 ptes H/H2O H2O no estado líquido: 3,4 ptes H/H2O H2O no estado gasoso: 1-2 ptes H/H2O
  • 14. Importância Biológica das Ligações Fracas • Permitem à célula montar, alternar e desmontar estruturas supramoleculares. Ex.: Atuação enzimática, formação dos microtúbulos. • Aumentar a versatilidade e eficiência funcional s/ grandes gastos de energia. Obs.: Se as ligações fossem apenas estáveis e de alto valor energético a atividade celular seria impossível.
  • 15. • H2O: pode realizar com outras substâncias pontes de hidrogênio e interação eletrostática • Dissolver = “envolver” uma substância com moléculas de água • SEMELHANTE DISSOLVE SEMELHANTE substância podem ser classificadas em: hidrofílicas: solúveis em água hidrofóbicas: insolúveis em água anfifílicas ou anfipáticas: a substância apresenta parte da molécula hidrofóbica e parte hidrofílica SOLUBILIDADE EM H2O
  • 16. substância polares: formam pontes de hidrogênio com a H2O. Exemplos: açúcar, álcool e acetona. SUBSTÂNCIAS HIDROFÍLICAS GLICOSE
  • 17. substância apolares: não interagem com a H2O, não sendo, portanto, dissolvidas. Os hidrocarbonetos (composto de C e H somente) são altamente apolares. Exemplos: gasolina, petróleo, óleo diesel, etc. SUBSTÂNCIAS HIDROFÓBICAS
  • 18. parte da molécula é hidrofóbica e outra parte é hidrofílica. Exemplos: ácido graxo, detergente, sabão, etc. SUBSTÂNCIAS ANFIFÍLICAS Cauda apolar (Hidrofóbica) Cabeça Polar (Hidrofílica) REPRESENTAÇÃO
  • 19. COMPORTAMENTO DE ANFIFÍLICOS EM H2O MICELA: monocamada de anfifílico VESÍCULA: dupla camada de anfifílico com água no interior AGITAÇÃO AGITAÇÃO INTENSA
  • 20. EMULSIFICAÇÃO “SOLUBILIZAÇÃO” de gorduras pela formação de uma micela GORDURA DETERGENTE O HH O H H O HH O H H O HH O H H O H H O H H O H H
  • 21. Macromoléculas Orgânicas Macromoléculas ou polímeros Unidades repetidas Monômeros Unem-se por ligações covalentes Homopolímeros Polímeros formados por monômeros semelhantes . Heteropolímeros Polímeros formados por monômeros diferentes .
  • 22. Macromoléculas Orgânicas Polímero s Grupamentos químicos grupamentos polares ou hidrofílicos grupamentos apolares ou hidrofóbicos Moléculas com alto teor de grupamentos polares Carboidratos, DNA, RNA e proteínas Moléculas com baixo teor de grupamentos polares Gorduras, parafinas e óleos Moléculas Anfipáticas Detergentes, algumas proteínas e fosfolipídeos
  • 24. CLASSIFICAÇÃO PEPTÍDICA peptídeo: polímeros curtos de aminoácidos (aas) dipeptídeo: dois resíduos de aas tripeptídeo: três resíduos de aas oligopeptídeos: 12 a 20 resíduos de aas. polipeptídeos: mais de 20 resíduos de aas Proteínas: compostos formados por uma ou mais cadeias polipeptídicas
  • 25. PROTEÍNAS  Definição - São macromoléculas constituídas por unidades chamadas de aminoácidos;  São as moléculas mais abundantes e com maior diversidade de funções nos sistemas vivos; Aminoácidos (aas) – apresenta um grupo carboxila, um grupo amino e uma cadeia lateral distinta (“grupo R”) ligados ao átomo de carbono α (exceto a prolina, que possui um grupo imino).  Embora mais de 300 aas diferentes tenham sido descritos na natureza, apenas 20 deles são normalmente encontrados como constituintes de proteínas em mamíferos;  São, principalmente classificados de acordo com a sua cadeia lateral, pois é a natureza dessas cadeias que determina o papel de um aa em uma proteína: apolares, polares, ácidos, básicos. Lehninger, 2004.
  • 26. PROLINA Único aminoácido que faz ligação com o carbono alfa e o grupo amina, formando um composto imino.
  • 27. NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS Estrutura primária: a sequência linear de aas em uma proteína. ESTRUTURA PRIMÁRIA  Ligações peptídicas: Os aminoácidos são unidos entre si por ligações peptídicas, nas quais o grupo amina de um deles se liga ao grupo carboxila do próximo, havendo a perda de uma molécula de água, ou seja, a formação de uma ligação peptídica é uma síntese por desidratação.
  • 28. NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS Estrutura secundária: consiste em um primeiro nível de enrolamento helicoidal da proteína, graças às interações, geralmente pontes de hidrogênio, entre seus aminoácidos. ESTRUTURA SECUNDÁRIA *Exemplos: queratinas – família de proteínas fibrosas intimamente relacionadas, que constituem os principais componentes de tecidos como cabelo e a pele!!  Hélice α: existem várias hélices polipeptídicas diferentes na natureza, mas a hélice α é a mais comum. O filamento de aminoácidos se enrola ao redor de um eixo central, formando uma “escada helicoidal”. É uma estrutura estável, cujas voltas são mantidas por pontes de hidrogênio
  • 29. NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS ESTRUTURA SECUNDÁRIA  Folha β: ao contrário da hélice α, são compostas de duas ou mais cadeias peptídicas (fitas β) ou segmentos de cadeias polipeptídicas, as quais apresentam-se quase totalmente estendidas. As pontes de hidrogênio são perpendiculares ao esqueleto polipeptídico!!!! As folhas podem ser paralelas ou antiparalelas, e, ainda, pode ser formada por uma única cadeia, dobrando-se sobre si mesma!!!
  • 30.
  • 31. NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS ESTRUTURA SECUNDÁRIA Glicina Prolina
  • 32. NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS Estrutura terciária: a beta folha ou as alfa hélice começam a se enrolar fazendo com que interações de aminoácidos que, antes, estavam distantes, através de ligações de ponte de hidrogênio e de dissulfeto, se aproximem, e, com isso, a proteína assume a sua estrutura tridimensional conferindo a atividade biológica das maiorias das proteínas. *As cadeias laterais hidrofóbicas são posicionadas no interior, enquanto os grupos hidrofílicos geralmente são encontrados na superfície da molécula!! *A estrutura primária determina a terciária!! ESTRUTURA TERCIÁRIA
  • 33. NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS  Papel das chaperonas no dobramento proteíco: constituem uma família de muitas proteínas diferentes com função semelhante: elas usam energia da hidrólise de ATP para desnovelar proteínas, possibilitando novo enovelamento, dessa vez na forma correta ou no lugar correto, e, também, encaminha a proteína à destruição, caso não seja possível atingir a configuração correta. ESTRUTURA TERCIÁRIA *“chaperons” foram aqueles meninos que ajudavam os nobres renascentistas a vestir as roupas complicadíssimas e colocar as perucas enormes
  • 34. NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS  Estrutura quartenária: duas ou mais cadeias polipeptídicas interagem através de interações hidrofóbicas, ligações iônicas e por ponte de hidrogênio. Cada cadeia polipeptídica possui o terceiro nível de organização. Desnaturação de proteínas: resulta no desdobramento e na desorganização das estruturas secundária e terciária, sem que ocorra hidrólise das ligações peptídicas. *Agentes: calor, solventes orgânicos, agitação mecância, ácidos e bases fortes, detergentes e ínos ou metais pesados, como chumbo e mercúrio!!! *Pode ser reversível ou não!!! ESTRUTURA QUATERNÁRIA
  • 36. TIPOS DE PROTEÍNAS  Hemeproteínas Globulares: são um grupo especializado de proteínas, as quais contêm o heme (protoporfirina + íon) como grupo prostético firmemente ligado e que desempenha diferentes papéis, de acordo com a estrutura tridimensional da proteína.  Catalase;  Citocromo;  Hemoglobina e mioglobina...
  • 37. TIPOS DE PROTEÍNAS  Proteínas fibrosas: o colágeno e a elastina são os exemplos de proteínas fibrosas bem caracterizados, que apresentam função estrutural no organismo, Por exemplo, o colágeno e a elastina são componentes da pele, do parede dos vasos sanguíneos e da córnea... Cada proteína fibrosa apresenta propriedades mecânicas especiais, resultado de sua estrutura única, a qual é obtida pela combinação de aas específicos em elementos regulares de estrutura secundária!!!!
  • 38. TIPOS DE PROTEÍNAS Proteínas de membrana: São proteínas encontradas em associação com os vários tipos de membrana das células.
  • 39. MÉTODOS DE PURIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE PROTEÍNAS
  • 40. MÉTODOS DE PURIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE PROTEÍNAS
  • 41. MÉTODOS DE PURIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE PROTEÍNAS
  • 42. MÉTODOS DE PURIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE PROTEÍNAS
  • 43. roxa:
  • 44. Cromatografia Um dos métodos mais utilizados para separação de proteínas é a cromatografia; Primeiramente desenvolvida para separação de moléculas pequenas como a aminoácidos e açúcares; Amostra (soluto) interage fiscamente com duas fases- Uma móvel (gás ou líquido) e um suporte sólido (fase estacionária; solvente ou Matriz). A fase móvel movimenta o soluto através da fase estacionária. A atração diferencial do soluto pelas fases móvel e estacionária afetará a sua mobilidade. Aplicações: Separação de misturas complexas de biomoléculas em componentes individuais para propósitos analíticos ou quantitativos. Isolamento em uma forma pura de uma biomolécula simples a partir de uma mistura complexa MÉTODOS DE PURIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE PROTEÍNAS
  • 47. Qual a importância das proteínas p/ a cél.? • Estrutura das céls. e tecidos → Ex.:Queratina • Reparos → Ex.: proteínas responsáveis pela coagulação • Crescimento → Ex.:hormônios • Defesa → Ex.:anticorpos • Manutenção do organismo → Ex.: Insulina • Biocatalizadores → Ex.: Enzimas Regulam milhares de reações químicas diferentes
  • 48. Enzimas = Catalisadores biológicos • Definição: catalisadores de reações químicas (aceleram as reações) altamente específicas. A grande maioria são proteínas (exceção: ribozima) • Propriedades: – Aceleram as reações – Não são consumidos na reação – Atuam em pequenas concentrações – Não alteram o equilíbrio das reações – Podem ter sua atividade regulada
  • 49. Reações químicas catalisadas (enzimas) EE ++ SS EE SS EE ++ PP EnergiaEnergia Caminho da ReaçãoCaminho da Reação Energia de ativaçãoEnergia de ativação semsem enzimaenzima SS PP Energia de ativaçãoEnergia de ativação comcom enzimaenzima
  • 50. Enzimas nomenclatura e classificação • Nomenclatura: SUBSTRATO + FUNÇÃO + ASE Ex.: superóxido dismutase, nitrato redutase, isocitrato desidrogenase, etc.
  • 51. Enzimas - Cofatores Porção protéica APOENZIMA Cofator HOLOENZIMA Ativador Coenzima Grupamento prostético Moléculas orgânicas ou inorgânicas que condicionam a atividade das enzimas
  • 52. Enzimas - Cofatores • Cofatores inorgânicos: íons metálicos. Exemplos: – Magnésio – Manganês – Zinco - • Cofatores orgânicos – Maioria deriva de vitaminas hidrossolúveis – Classificam-se em: • transportadoras de hidrogênio • transportadoras de grupos químicos
  • 53. Enzimas Centro Catalítico / Sítio Ativo  Região da molécula enzimática que participa da reação com o substrato  Pode possuir componentes não protéicos: cofatores
  • 54. Enzimas Substratos Complexo ES (Enzima-Substrato) Ligação ao Sítio Ativo ou sítio catalítico Chave-fechadura Liberação do Produto + Enzima inalterada
  • 55. Fatores que alteram a atividade de uma enzima • Fatores decorrentes da natureza protéica das enzimas - pH - temperatura • Fatores decorrentes da formação do complexo ES - concentração do substrato - concentração da enzima • Presença de inibidores
  • 57. LIPÍDEOS Classe de moléculas bastante variada Baixa solubilidade em água, muitos são compostos anfifílicos Desempenham várias funções no organismo:  Combustível celular  Hormônios ou precursores hormonais  Reserva de energia  Componente estrutural das membranas biológicas  Isolamento e proteção de órgãos  Isolamento térmico  Vitaminas A maioria dos lipídeos é derivada ou possui na sua
  • 58. ÁCIDOS GRAXOS (AG) ácidos orgânicos com mais de 12 carbonos, cadeia alquil pode ser saturada ou insaturada Ácidos graxos saturados Não possuem duplas ligações  Geralmente sólidos à temperatura ambiente;  Gorduras de origem animal são geralmente ricas em AG saturados Ácidos graxos insaturados:  Possuem uma ou mais duplas ligações,  mono ou poliinsaturados;  geralmente líquidos à temperatura ambiente;  Os óleos de origem vegetal são ricos em AG insaturados;
  • 59. TRIACILGLICEROL (TAG) lipídeos formados pela ligação de 3 moléculas de ácidos graxos com o glicerol. ácidos graxos que participam da estrutura de um triacilglicerol são geralmente diferentes entre si principal função: reserva de energia armazenados no tecido adiposo fornecem por grama aproximadamente o dobro da energia fornecida por carboidratos
  • 60. (FOSFOLIPÍDEOS) Lipídios "Polares", que contém fosfato na sua estrutura desempenham importante função na estrutura e função das membranas biológicas, por serem anfipáticos.
  • 61.
  • 62. CERAS Ceras são insolúveis em H2O têm ação impermeabilizante na superfície da pele de animais, nas folhas de plantas e nas penas de aves. Exemplos: cera de carnaúba: usada no polimento de carros, sapatos, pisos, isolante em chips, revestimento de comprimidos etc. lanolina: protege a lã. É rapidamente absorvida pela pele humana sendo por isso utilizada em cosméticos e produtos farmacêuticos.
  • 63. ESTERÓIDES lipídeos que não possuem AG em sua estrutura. Destes, o principal exemplo é o Colesterol. COLESTEROL esteróide importante na estrutura das membranas biológicas, atua como precursor na biossíntese dos esteróides biologicamente ativos, como os hormônios esteróides, os ácidos e sais biliares e a vitamina D.
  • 64. LIPOPROTEÍNAS A fração lipídica das lipoproteínas é muito variável, e permite a classificação das mesmas em 5 grupos, de acordo com suas densidades e mobilidade eletroforética: Quilomicron Lipoproteína de muito baixa densidade (VLDL) Lipoproteína de densidade intermediária (IDL) Lipoproteína de baixa densidade (LDL) Lipoproteína de alta densidade (HDL)
  • 65. Quilomícron = É a lipoproteína menos densa, transportadora de triacilglicerol exógeno na corrente sanguínea. VLDL = "Lipoproteína de Densidade Muito Baixa", transporta triacilglicerol endógeno. IDL = "Lipoproteína de Densidade Intermediária", é formada na transformação de VLDL em LDL. LDL = "Lipoproteína de Densidade Baixa", é a principal transportadora de colesterol para os tecidos; seus níveis aumentados no sangue aumentam o risco de infarto agudo do miocárdio. HDL = "Lipoproteína de Densidade Alta"; atua retirando o colesterol da circulação. Seus níveis aumentados no sangue estão associados a uma diminuição do risco de infarto agudo do miocárdio. LIPOPROTEÍNAS
  • 66. LDL = “colesterol ruim” HDL = “bom colesterol” LDL: transporta o colesterol para os tecidos e sua oxidação leva a produção da placa de ateroma HDL: tira o excesso de colesterol dos tecidos e leva de volta ao fígado. O colesterol é o mesmo em ambas lipoproteínas
  • 67.
  • 69. Função Biológica dos Lipídeos Combustível: reservas energéticas (gorduras e óleos) armazenados nos adipócitos. Estrutural: estão relacionados na formação de membranas. Isolantes: são excelentes isolantes → encontram-se nas gorduras neutras em tecidos subcutâneos e em torno de alguns tecidos (proteção térmica e mecânica). Funções Especiais: sinalização (hormonal), cofatores de reações enzimáticas (vitamina K) ou ubiquinona. O lipídeo retinal carotenóide por ser sensível à luz tem papel central no processo de visão.
  • 71. CARBOIDRATOS também chamados sacarídeos, glicídios, oses, hidratos de carbono ou açúcares biomoléculas mais abundantes na natureza maior parte da ingestão calórica da maioria dos organismos fórmula geral é: [CH2 O]n , daí o nome "carboidrato" ou "hidrato de carbono" Fonte de energia Reserva de energia Estrutural Matéria-prima para a biossíntese Informacional → glicocálix
  • 72. MONOSSACARÍDEOS sólidos, cristalinos, incolores, solúveis em H2O, alguns têm sabor doce fórmula geral é: [CH2O]n, n≥3 cadeia não ramificada de átomos de C ligados entre si por ligações simples. Um dos C é ligado ao O por uma dupla ligação (carbonila), os outros C estão ligados a OH (hidroxila)
  • 73. Classificação dos monossacarídeos também pode ser baseada no número de carbonos de suas moléculas: TRIOSES (3C), TETROSES (4C), PENTOSES(5C): Ribose, Arabinose, Xilose HEXOSES (6C): Glicose, Galactose, Manose, Frutose etc
  • 74. POLISSACARÍDEOS Macromoléculas formadas por centenas a milhares de unidades monossacarídicas ligadas entre si por ligações glicosídicas. Polissacarídeos importantes → formados pela polimerização da glicose: amido, glicogênio e celulose. AMIDO: polissacarídeo de reserva da célula vegetal Formado por moléculas de glicose ligadas entre si através de numerosas ligações AMILOSE AMILOPECTINA
  • 75. GLICOGÊNIO: Polissacarídeo de reserva da célula animal (fígado – manutenção da glicemia; e músculos – fornecimento energia exercício intenso). semelhante ao amido, mas possui um número bem maior de ligações , o que confere um alto grau de ramificação à sua molécula Alto número de ramificações facilita a ação da enzima glicogênio fosforilase (do músculo e do fígado) liberando grandes quantidades de monossacarídeo rapidamente. QUEBRA DA LIGAÇÃO GLICOSÍDICA Digerida por α-amilases (enzimas que hidrolisam a ligação glicosídica) ptialina (ou amilase salivar): inicia a degradação dos carboidratos na boca dos mamíferos.
  • 77. CELULOSE: Carboidrato mais abundante na natureza. Função estrutural na célula vegetal, como um componente importante da parede celular. Este tipo de ligação glicosídica confere à molécula uma estrutura espacial muito linear, que forma fibras insolúveis em água e não digeríveis pelo ser humano.
  • 78. BIBLIOGRAFIA • ALBERTS, B. Biologia molecular da Célula. Artmed, 2004 • Earnshaw, W. C.; Pollard T.D. Biologia Celular. Elsevier, 2006 • CAMPBELL, M.K. Bioquímica. Artmed, 2000 • NELSON, D.L. & COX, M.M. Lehninger Princípios de Bioquímica. 2002
  • 80. Ácidos Nucléicos Prof. Msc. Tadaiti Ozato Junior Profa. Dra. Maria Tercília Vilela de Azeredo Oliveira
  • 81. Histórico Estrutura do DNA: determinada em 1953 pelos ingleses Watson e Crick (prêmio Nobel). Obs.: Britânica Rosalind Franklin teve participação na determinação da estrutura do DNA
  • 82. Ácidos Nucleicos DNA: ácido desoxirribonucleico; RNA: Ácido ribonucleico DNA e RNA: principais moléculas informativas das células. DNA: única função de material genético. RNA - Diferentes tipos: RNAm: carrega informação do DNA aos ribossomos servindo como molde para a síntese proteica. RNAt e RNAr: envolvidos na síntese proteica. RNAs: podem catalisar várias reações químicas (ribozimas)
  • 83. Dogma Central da Biologia DNA RNA Proteínas TraduçãoTranscrição Replicação
  • 84. Dogma Central da Biologia
  • 85. DNA e RNA DNA RNA •Núcleo – eucariotos (maior parte) Cromatina / Cromossomos •Citoplasma (menor parte) Cloroplastos / Mitocôndrias •Núcleo – síntese de RNA •Citoplasma – síntese de Proteínas
  • 86. Composição dos Ác. nucleicos São polímeros compostos por nucleotídeos Nucleotídeo • Açúcar - pentose • Grupo fosfato • Base nitrogenada
  • 87. Composição dos Ác. nucleicos • pentoses: • numeração da pentose: • pentose + grupo fosfato
  • 88. Composição dos Ác. nucleicos •Bases nitrogenadas:
  • 90. Ligação Fosfodiéster O fosfato localizado na posição 5´ se liga à hidroxila localizada na posição 3´, liberando uma molécula de água.
  • 92. DNA
  • 93. DNA •Reservatório para informações genéticas •Constituído de duas cadeias de polinucleotídeos antiparalelas(direções opostas). • Dupla hélice em torno do eixo → giro p/ direita. • Ligações fosfodiéster 5´→ 3´. • Proporciona mecanismo da hereditariedade. • Replicação semi-conservativa • As duas cadeias de polinucleotídeos interagem entre si através das pontes de hidrogênio entre as bases nitrogenadas, em que a A pareia com T e C com G.
  • 94. DNA
  • 95. Tipos de DNA • DNA B: maior parte do DNA → giro p/ direita (10 nucleotídeos por volta), conformação mais estável e alto grau de hidratação. • DNA Z: região do DNA rica em (G-C) → giro p/ esquerda (12 nucleotídeos por volta), conformação mais flexível → mais sucetível a mutações. • DNA A: Aparece em algumas partes do DNA natural quando há alta conc. de cátions e baixa hidratação, possuindo 11 nucleotídeos por volta. • Obs.: Os DNAs C e D são subclasses do DNA tipo B Tipo C: grau de hidratação menor que 45%. Tipo D: somente obtido de forma artificial. Existe também uma forma de Tripla hélice
  • 97. Genes • Seqüência específica de nucleotídeos, que codifica informações necessárias para a síntese de proteínas. Esquema de um gene de eucarioto. Obs.:Em procariotos raramente há ocorrência de íntrons.
  • 98. RNA Existem três tipos de RNA: •RNA mensageiro (RNAm): atua transferindo a informação contida no DNA para a síntese de proteínas nos ribossomos. • RNA transportador (RNAt): possuem o formato de trevo e atuam no transporte de aminoácidos para os ribossomos para a síntese proteica. • RNA ribossômico (RNAr): faz parte da composição dos ribossomos (50% da massa) → proporciona suporte molecular para a síntese de polipeptídeos.
  • 99. RNA Molécula de RNA 1 cadeia de polinucleotídeos • Não é uma estrutura linear simples. • Bases complementares em certas regiões. • Pontes de hidrogênio entre A-U e C-G → conseqüência a molécula se dobra formando alças ≅ ao DNA.
  • 100. RNA transportador (RNAt) • Sintetizado na cromatina (núcleo interfásico → cromossomos descondensados) • Moléculas menores com forma de trevo. • Propriedade de se ligar à aminoácidos. • Reconhece determinados locais na molécula de RNAm (códon) → RNAt (anti-códon) → seqüências complementares. • Ocorrem ponte de H → segmentos formados por dupla-hélice.
  • 102. RNAt
  • 103. RNAt Síntese de RNAt ver transparência
  • 104. RNA mensageiro (RNAm) • Sintetizado na cromatina (núcleo interfásico → cromossomos descondensados). • Transcrição de uma das cadeias da hélice de DNA RNAm •Prolongamento (cauda de poli-A) → adicionado na extremidade 3´ ainda no núcleo logo após a transcrição. •Na outra extremidade (5´) do RNAm há a adição de um cap (capuz nucleotídico)
  • 105. Processamento do RNAm (splicing alternativo)
  • 106. RNAm
  • 107. RNA ribossômico (RNAr) • Mais abundante que os outros tipos de RNA → 80% do RNA celular. • Combinado com com proteínas → RNP (ribonucleoproteínas) • Formam os ribossomos → principal constituinte. • Ribossomos + RNAm → polirribossomos. • Função dos Ribossomos: Tradução de proteínas.
  • 108. RNAr
  • 110. RNAr Ribossomos aderidos ao RE→RER Polirribossomos (polissomos)