SlideShare uma empresa Scribd logo
Como Implantar e Conduzir uma Horta de
Pequeno Porte
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Embrapa Pantanal
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Como Implantar e Conduzir uma Horta de
Pequeno Porte

Marçal Henrique Amici Jorge1
Waldirene Faria Jard2
Ana Paula Artimonte Vaz3

Embrapa
Brasília, DF
2012
1

Dr., Pesquisador Embrapa Pantanal, Corumbá, MS (marcal.jorge@embrapa.br)
Monitora do projeto Mais Educação, Escola Municipal Angela Maria Pérez, Corumbá, MS
(waljar@)hotmail.com)
3
Drª, Pesquisadora Embrapa Transferência de Tecnologia, Campinas, SP
(ana@campinas.snt.embrapa.br)
2
Embrapa Pantanal
Rua 21 de Setembro, 1880, CEP 79320-900 Corumbá, MS
Caixa Postal 109
Fone: (67) 3234-5800
Fax: (67) 3234-5815
Home page: www.cpap.embrapa.br
E-mail: sac@cpap.embrapa.br
Unidade responsável pelo conteúdo e edição
Embrapa Pantanal
Comitê Local de Publicações da Embrapa Pantanal
Presidente: Suzana Maria Salis
Secretária: Eliane Mary P. Arruda
Membros: Vanderlei Doniseti Acassio dos Reis, Ana Helena B.M. Fernandes,
Sandra Mara Araújo Crispim, Dayanna Shiavi N. Batista
Supervisora editorial: Suzana Maria Salis
Normalização bibliográfica: Elizabeth Roskamp Câmara
Tratamento de ilustrações: Eliane Mary P. de Arruda
Fotos da capa: Marçal Henrique Amici Jorge
Editoração eletrônica: Eliane Mary P. Arruda
Diagramação: Guilherme Caetano
Disponibilização na página: Marilisi Jorge Cunha5
1ª edição
1ª impressão (2012): 200 exemplares
2ª edição (2012):
Versão eletrônica
Todos os direitos reservados.
A reprodução não-autorizada desta publicação, no todo ou em parte,
constitui violação dos direitos autorais (Lei nº 9.610).
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
Embrapa Pantanal

Jorge, Marçal Henrique Amici.
Como implantar e conduzir uma horta de pequeno porte / Marçal
Henrique Amici Jorge, Waldirene Faria Jard, Ana Paula Artimonte
Vaz. – Brasília, DF : Embrapa, 2012.
24 p. : il. color.
Versão eletrônica do original impresso.
ISBN 978-85-7035-117-3
1. Horta. 2. Hortaliça – Produção vegetal. I. Jard, Waldirene
Faria. II. Vaz, Ana Paula Artimonte. III. Embrapa Pantanal. IV.
Título.
CDD 635.04
© Embrapa 2012
Agradecimentos

Esta obra reúne também os conhecimentos práticos dos
assistentes de pesquisa Ernande Ravaglia, Roberto dos
Santos Rondon, Messias Moreira Moraes, Sebastião de Jesus
e Sidnei José Benício, adquiridos nas suas rotinas de trabalho
na Embrapa Pantanal. Assim, demonstramos nossa gratidão a
estes colegas que gentilmente nos repassaram estas
informações para aprimorar esta publicação.
Apresentação

Esta publicação mostra passo a passo, de maneira simples,
didática e prática, como produzir de forma sustentável
hortaliças com a finalidade de subsistência em áreas de até
500 metros quadrados. Todas as recomendações são
baseadas em trabalhos técnico-científicos e em casos de
sucesso obtidos na região de Corumbá e Ladário, MS.

Emiko Kawakami de Resende
Chefe-Geral da Embrapa Pantanal
Sumário
Introdução .................................................................................. 7
Qual a importância de uma horta?................................... 7
De que depende o sucesso de uma horta? ............................. 7
Da mão-de-obra .................................................................. 7
Da área escolhida ............................................................... 8
Da água............................................................................... 8
Onde e como produzir de mudas? ........................................... 9
Em recipiente ...................................................................... 9
Em sementeira .................................................................... 9
Aquisição de material propagativo (sementes e mudas) ..... 9
Recipiente ......................................................................... 10
Substrato........................................................................... 10
Quais são os tipos de canteiros?........................................... 11
Sementeira........................................................................ 11
Definitivo sem contenção (do tipo leira)............................. 11
Definitivo com contenção .................................................. 11
Cova.................................................................................. 12
Como adubar? ......................................................................... 12
Como regar? ............................................................................ 13
Quando plantar? ...................................................................... 14
Como transplantar as mudas? ............................................... 15
O que são tratos culturais? .................................................... 16
Quando colher? ....................................................................... 17
Quais ferramentas, equipamentos e utensílios utilizar? ...... 17
Como controlar a temperatura? ............................................. 18
Como controlar o mato? ......................................................... 18
Como controlar pragas e doenças?....................................... 19
Porque escalonar a produção? .............................................. 20
Gerenciamento......................................................................... 21
Ficha de acompanhamento de cultivo........................... 22
Literatura recomendada .......................................................... 24
7

Introdução
O que é uma horta?
Horta é um local onde são concentradas todas as atividades
referentes à produção de hortaliças.

Qual é a importância de uma horta?

Foto: Marçal H. A. Jorge

Em uma horta são produzidas hortaliças de qualidade para
suprir a demanda diária de uma alimentação balanceada e
rica.

De que depende o sucesso de uma horta?
Da mão-de-obra
Considera-se como mão-de-obra todas as pessoas envolvidas
no cultivo das hortaliças, disponíveis tanto para a realização
das práticas culturais como para a vigilância da área.
8

Da área escolhida
A área onde são cultivadas as hortaliças deve preencher alguns
requisitos como:
1) Estar próxima à moradia da família ou da comunidade. Isso
facilita a presença constante das pessoas que conduzirão os
trabalhos na horta;
2) Ser de acesso fácil para facilitar o trânsito de pessoas que
trabalham na horta;
3) Deve ser composta por área produtiva (canteiros, sementeira,
composteira e minhocário) e área não produtiva (depósito,
caminhos, caixa d’água, pia de lavagem);
4) Recomenda-se que a área seja cercada para evitar a entrada de
animais e a depredação;
5) Em áreas com declive acentuado, recomenda-se a construção
dos canteiros em nível. Se necessário, construir curvas de nível
e/ou valas para a contenção da erosão;
6) Ser instalada em local totalmente ensolarado, com o
comprimento dos canteiros voltados para o sentido norte-sul e, se
possível, com a vegetação mais próxima a mais ou menos 10
metros de distância;
7) Estar protegida de rajadas de vento pela utilização de “quebraventos”, como plantas com folhagem perene e crescimento rápido,
copa bem formada, raízes profundas e ramos flexíveis;
8) O tamanho da área da horta, com relação a capacidade
produtiva, vai depender do número de espécies e da quantidade
sendo cultivadas, do comprimento dos canteiros e sementeiras,
quantidade de covas e das áreas não produtivas.

Da água

Fotos: Marçal H. A. Jorge

A água deve ser de boa qualidade (livre de impurezas e sem cheiro)
e estar disponível em abundância para a irrigação dos canteiros e
covas. Recomenda-se instalar caixas d’água para armazená-la e
facilitar a rega dos canteiros, que geralmente é feita com regadores.
9

Onde e como produzir mudas?
Em recipiente
A produção de mudas de hortaliças em recipientes é uma prática
vantajosa, uma vez que as condições de produção podem ser
controladas de forma a proporcionar mudas mais vigorosas. Nesse
tipo de produção, as mudas são produzidas de forma individual, ou
seja, não há o entrelaçamento das raízes de plantas vizinhas no
momento do transplante para o canteiro definitivo, evitando-se
perda excessiva de torrão nessa fase. Em geral, estas mudas são
produzidas em locais protegidos, proporcionando, principalmente,
proteção contra o excesso de chuvas e exposição direta ao sol
direto nas horas mais quentes do dia. Assim, garante-se uma maior
uniformidade da produção e melhor controle das pragas e doenças.

Em sementeira
Nesse tipo de produção, as sementes são semeadas em linha ou à
lanço em canteiros preparados para esta finalidade, para posterior
transplante das mudas produzidas. A produção de mudas em
sementeiras, em comparação à produção em recipientes, é uma
opção mais arriscada. Isso pelo fato das mudas, principalmente na
fase de plântula, estarem mais expostas ao mau tempo e ao ataque
mais frequente de pragas, como formigas cortadeiras e pássaros*, e
doenças, como fungos causadores de tombamento e
apodrecimento dos talos das mudas. Adicionalmente, existe o
entrelaçamento das raízes de plantas vizinhas, o que exige maior
cuidado e atenção na fase de transplante dessas mudas para o
canteiro definitivo.

Aquisição de material propagativo (sementes e
mudas)
A aquisição de material propagativo deve ser feita de empresas
idôneas de produção de sementes ou de fornecedores confiáveis.
Assim, pode-se confiar na identificação e na recomendação correta
das espécies, na sanidade e na porcentagem de germinação.
*

Para evitar o ataque dos pássaros uma alternativa seria cobrir o canteiro com tela
de galinheiro.
10

Evitar comprar embalagens com muitas sementes quando a
quantidade a ser cultivada for pequena. O armazenamento não
adequado das sobras de sementes pode comprometer o vigor
desse lote a ponto de influir na porcentagem de germinação nos
próximos plantios.

Recipiente
Os recipientes mais utilizados na produção de mudas são as
bandejas de isopor e os copos plásticos. É importante que, seja
qual for o recipiente utilizado, este tenha furos (orifícios) na parte
inferior para funcionar como dreno e poda natural das raízes (evitase também o enovelamento das mesmas na parte inferior do
recipiente). Nesses recipientes, as mudas são produzidas de forma
individualizada, favorecendo a obtenção de mudas com raízes mais
vigorosas. Recomenda-se colocar os recipientes em cima de telas
de arame ou estrados para que os orifícios inferiores não sejam
obstruídos.

Substrato

Fotos: Marçal H. A. Jorge

Na produção de mudas em recipientes, o substrato utilizado deve
proporcionar boas condições de crescimento e desenvolvimento das
mudas, tais como boa aeração, boa drenagem e disponibilidade de
nutrientes. O substrato pode ser adquirido pronto ou ser produzido
na própria horta. A escolha vai depender de custos e dos
ingredientes para formular um substrato, que contenham as
características citadas acima. Geralmente, utilizam-se como
ingredientes: composto orgânico, areia, casca de arroz carbonizada,
terra rica em matéria orgânica, casca de pinus, húmus, fibra de
coco, entre outros.
11

Quais são os tipos de canteiro?
Sementeira
Nesse tipo de canteiro são produzidas coletivamente as mudas das
hortaliças que serão transplantadas para os canteiros definitivos
e/ou covas. São canteiros construídos no chão, em leira ou com
contenção. As dimensões devem ser de acordo com a demanda de
mudas das espécies. Em geral, um canteiro com 5 m de
comprimento, 1 m de largura (para facilitar os tratos culturais no
meio dos canteiros) e 20 a 30 cm de altura é suficiente para atender
toda a horta. A preparação da terra é muito importante. Deve-se
misturar bem o composto e o húmus, quebrar os torrões e eliminar
todo tipo de sujeira, como pedras e gravetos, para não injuriar as
raízes das mudas. Recomenda-se nivelar muito bem a superfície
antes da semeadura ao final dessa preparação. O tempo de
permanência das mudas nesse canteiro vai depender de cada
espécie a ser cultivada (ver Tabela 1).

Definitivo sem contenção (do tipo leira)
São canteiros preparados da mesma forma que as sementeiras.
Servem para o plantio definitivo das hortaliças produzidas. Não
devem ultrapassar 8 m de comprimento por 1 m de largura, e ter em
média 10 a 20 cm de altura. Esse tipo de canteiro possibilita um
menor investimento na horta. Porém, são canteiros que necessitam
frequentemente de manutenção (reforma das leiras), principalmente
após as chuvas, que causam a erosão de boa parte da terra.

Definitivo com contenção
São canteiros preparados da mesma forma que as sementeiras e os
definitivos sem contenção. Servem para o plantio definitivo das
hortaliças produzidas. Não devem ultrapassar 8 m de comprimento
por 1 m de largura. Podem ter em média 30 cm de altura. Esse tipo
de canteiro exige uma frequência menor de manutenção, mas pode
onerar um pouco o investimento na horta pela utilização de
materiais para delimitação dos canteiros. O tipo de material a ser
utilizado na contenção dos canteiros vai depender de uma série de
fatores como: investimento inicial, disponibilidade do material,
praticidade e vida útil do material.
12

Cova

Fotos: Marçal H. A. Jorge

É o local onde algumas hortaliças são plantadas individualmente.
Em geral, são preparadas com comprimento, largura e profundidade
que podem variar de 30 a 50 cm x 30 a 50 cm x 30 a 50 cm,
respectivamente, e espaçamentos pré-determinados para cada
espécie (ver Tabela 1), recebendo o mesmo tipo de adubação dos
canteiros.

Como adubar?

Fotos: Marçal H. A. Jorge

A adubação dos canteiros deve ser feita preferencialmente com
composto orgânico produzido na composteira da própria horta a
partir de restos vegetais (evitar ramos lenhosos) e esterco animal
(bovino, aviário, suíno, caprino, coelho, equino e/ou ovinos).
Recomenda-se também a utilização de húmus de minhoca*, que
também pode ser produzido na horta. A adubação pode ser feita na
preparação dos canteiros e covas - adubação de plantio, ou durante
o desenvolvimento das plantas - adubação de cobertura. A
quantidade a ser incorporada nos canteiros vai depender da
fertilidade da terra, que, via de regra, é determinada a partir de uma
análise de solo. A adubação dos canteiros com composto orgânico
pode variar de 3 a 7 kg por metro quadrado e de 0,5 a 3 kg para o
húmus. Para as covas, pode variar entre 2 a 4 kg para o composto
orgânico e 0,5 a 2 kg para o húmus.

*

O húmus (dejeto expelido pela minhoca) é produzido a partir da criação de
minhocas em recipientes (minhocário) contendo restos vegetais e esterco.
13

Como regar?

Foto: Marçal H. A. Jorge

A rega é feita com água de boa qualidade, conforme descrito
anteriormente. Devem ser realizadas nas horas menos
quentes do dia, ou seja, ao amanhecer e no final da tarde. A
água da rega deve ser bem distribuída por todo o canteiro e a
quantidade de água deve ser monitorada para manter uma
umidade ótima da terra dentro do canteiro ou da cova. A
análise pode ser feita de modo visual ou manualmente
verificando-se a textura e umidade da terra.
14

Quando plantar?

Foto: Marçal H. A. Jorge

Deve-se respeitar a época de plantio das espécies cultivadas
que, em geral, está entre os meses de fevereiro e setembro
(ver Tabela 1). Este período pode ser estendido com o uso de
sombrite preto 50% ou 75%, para limitar a penetração de luz
e, consequentemente, criar um microclima mais adequado.
15

Como transplantar as mudas?

Foto: Marçal H. A. Jorge

Ao atingirem o tamanho desejado (variável entre as espécies,
em média quando as plantinhas apresentam de 5 a 6 pares de
folhas), as mudas produzidas, em sementeiras ou em
recipientes, podem ser transplantadas para os canteiros
definitivos, em espaçamentos determinados para cada
espécie (ver Tabela 1). Geralmente, isso é realizado no final
da tarde, pois as temperaturas são mais baixas durante a
noite e proporcionam menores taxas de murchamento. Essa é
uma operação muito importante dentro da horta, pois o
sucesso dessa fase garantirá o “pegamento” e o vigor das
plantas. Deve-se ter muito cuidado para não machucar as
raízes, o que significa perder o mínimo possível de torrão e
acomodá-las da melhor forma possível no canteiro definitivo.
16

O que são tratos culturais?

Foto: Marçal H. A. Jorge

Tratos culturais são todas as operações realizadas na horta
com a finalidade de facilitar o crescimento e desenvolvimento
satisfatório das hortaliças em todas as fases de cultivo.
Devem ser realizados nas horas menos quentes do dia, ou
seja, pela manhã ou perto do final da tarde. Basicamente,
estas operações são: incorporação de composto orgânico e
húmus nos canteiros e covas, eliminação do mato dentro e
fora dos canteiros e covas, afofamento dos canteiros e covas,
rega, controle de pragas e doenças e limpezas frequentes da
área.
17

Quando colher?

Fotos: Marçal H. A. Jorge

A colheita deve ser feita no final do ciclo de cultivo de cada uma das
espécies na horta, ou seja, quando a hortaliça está pronta para ir à
mesa para ser consumida. Assim, as partes colhidas devem estar
bem formadas, livres de pragas e doenças, e com boa aparência.
Cada espécie de hortaliça cultivada possui particularidades com
relação a sua época de colheita (ver Tabela 1).

Quais ferramentas,
utilizar?

equipamentos

e

utensílios

Foto: Marçal H. A. Jorge

Foto: Marçal H. A. Jorge

As principais ferramentas, equipamentos e utensílios utilizados
numa horta são relacionados abaixo:
Ferramentas: pá, enxada, enxadão, foice,
facão, tesoura de poda, podão, ancinho,
sacho, regadores, serrote, martelo,
alicate, torquês ou “troques”, jogo de
chaves, chave de cano, lima, peneiras e
trena.
Equipamentos: carrinho de mão e
pulverizador costal
Utensílios: sombrite, plástico, balde,
mangueira, tela de galinheiro, insumos,
grampos, pregos, arame galvanizado,
arame recozido, barbante, marcador,
saquinhos, etiquetas de identificação,
lápis preto, marcador permanente,
estacas de madeira, barbante e caixas
plásticas vazadas.
18

Como controlar a temperatura?

Foto: Marçal H. A. Jorge

As altas temperaturas podem comprometer a produção das
hortaliças pelo estresse que causam às plantas durante os meses
mais quentes e com maior luminosidade. Esse estresse pode ser
minimizado pela utilização do sombrite preto, com penetração de luz
de 50% ou 75%, a uma altura de mais ou menos 1,80 metros da
superfície dos canteiros e covas.

Como controlar o mato?

Foto: Marçal H. A. Jorge

A erradicação de espécies indesejáveis (mato) dentro da área da
horta, principalmente dentro dos canteiros e das covas, pode ser
feita por meio de catação (arranquio) manual e/ou de capina.
19

Como controlar pragas e doenças?

Foto: Frederico O. Lisita

Deve-se controlar pragas e doenças que possam comprometer a
qualidade da produção das hortaliças em todas as fases. Isso pode
ser feito por meio da catação manual ou utilização de produtos
*
naturais . As principais pragas são: pulgões, cochonilhas, formigas
cortadeiras, lesmas, caracóis, gafanhotos e lagartas. As principais
doenças são: tombamento, podridão das raízes, manchas escuras
e/ou amarelas.
Algumas medidas podem ser adotadas para diminuir a incidência
das pragas e das doenças. Recomenda-se evitar:
1) cultivo em épocas com temperatura e umidade elevadas (caso
não sejam adotadas medidas para minimizar o efeito destes
fatores);
2) alta densidade de plantas/mudas por metro quadrado de
canteiro/sementeira;
3) uso de ferramentas sujas (contaminadas);
4) não reutilizar substrato para produção de mudas.
A eliminação de partes vegetativas com sintomas de doenças
(material infectado) e a utilização de sementes e propágulos com
boa sanidade são medidas necessárias e que podem contribuir
muito para um controle mais efetivo de pragas e doenças.
Técnicas como, rotação de canteiros, podem ser adotadas para
prevenir ou remediar um possível problema dessa natureza,
levando-se em consideração, principalmente, a sucessão das
espécies plantadas em cada um dos canteiros.

*

Extrato de fumo e álcool (ingredientes: fumo de rolo, álcool e água); calda
sulfocálcica (ingredientes: cal virgem em pedra, enxofre em pó e água);
calda bordaleza (ingredientes: sulfato de cobre, cal viva e água) e pasta
bordaleza (ingredientes: sulfato de zinco, cal virgem e água).
20

Porque escalonar a produção?

Foto: Marçal H.A. Jorge

Para garantir a colheita diária de hortaliças, recomenda-se
escalonar a produção, ou seja, semanalmente produzir mudas
das espécies mais consumidas. Assim, a medida que os
canteiros vão sendo colhidos, os mesmos são imediatamente
preparados para receber estas mudas (transplante). É
importante determinar a demanda de cada uma delas para
não haver falta ou produção em excesso. Com relação às
hortaliças menos consumidas, ou aquelas em que as plantas
não são colhidas por inteiro, como couve, cebolinha, salsa,
por exemplo, essa produção escalonada deve funcionar
apenas como reposição de plantas ou formação de novos
canteiros.
21

Gerenciamento
A produção de hortaliças requer investimentos corretos
e, principalmente, o envolvimento da comunidade. Requer
também planejamento da produção visando cobrir todas as
fases do processo, estoque de insumos e demais materiais e
acompanhamento periódico de todas as fases da produção das
hortaliças. Esse acompanhamento do cultivo, que pode ser
feito por meio de uma ficha, serve para registrar todas as
informações referentes à cultura visando assegurar o
armazenamento e a organização de dados técnicos, garantindo
uma produção satisfatória e trazendo melhorias nos cultivos
futuros. Pode ser usada quantas vezes for necessária durante
o cultivo de cada uma das espécies, caso haja ocorrência que
necessite de registro pontual. A seguir, apresenta-se um
modelo de ficha de acompanhamento de cultivo simplificada
(em página separada para facilitar ser copiada) com o objetivo
de torná-la uma ferramenta de uso frequente.
22

Ficha de acompanhamento de cultivo
Data da implantação: ____/____/____ Por sementes ( ) Por mudas ( )
Nome comum da espécie: _______________ Variedade: ______________
Aquisição (origem) do material propagativo (semente ou muda): _________
Nome da espécie anteriormente cultivada nesse canteiro: ______________
Periodicidade do acompanhamento:
Semanal ( )
Quinzenal ( )
Mensal ( ) Bimestral ( ) Semestral ( )
Número de plantas e espaçamento:
Canteiro ( )
Covas ( )
Fase de desenvolvimento das plantas:
Vegetativa ( )
Floração ( )
Frutificação ( ) Maturação ( )
Sintomas de deficiência nutricional: _______________________________
Data e resultados da última análise de solo: ____/____/____
____________________________________________________________
Tipo de adubo utilizado: ________________________________________
Quantidade de adubo utilizado: ___________________________________
Aplicação de corretivos de pH: ___________________________________
Tipo de irrigação: ______________________________________________
Frequência e turno da irrigação: __________________________________
Origem da água: ______________________________________________
Ocorrência de pragas: __________________________________________
Parte das plantas atacadas: _____________________________________
Método de controle: __________________ Preventivo ( )
Curativo ( )
Sintomas de doenças: __________________________________________
Parte das plantas com o sintoma: _________________________________
Método de controle: __________________ Preventivo ( )
Curativo ( )
Aspecto geral das plantas: Ótimo ( )
Bom ( )
Regular ( ) Ruim ( )
Presença de plantas indesejáveis (mato): ___________________________
Tipo de controle: Manual ( )
Capina ( )
Outro ( ) Qual? __________
Colheita ou coleta: _____________________________________________
Parte colhida ou coletada:
Raízes ( ) Ramos ( ) Folhas ( ) Flores ( ) Frutos ( ) Sementes ( )
Quantidade colhida (bruto): ______________________________________
Peso fresco (líquido):___________ Peso seco (do líquido): _____________
Anotações gerais:
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
23

Tabela 1. Espécies de plantas com informações sobre seu cultivo.
Nome
comum

Época de cultivo*

Tipo de
canteiro**

Espaçamento
(linha x planta)

Tipo de
propagação

Colheita (após
transplante)

Abóbora

ano todo

cova

2,5 a 5 x 2 a 4 m

semente

60 a 90 dias

Abobrinha

março a setembro

cova

1 a 1,2 x 0,6 a 0,7m

semente

45 a 60 dias

Alface

março a setembro

definitivo

0,25 x 0,25 m

semente

35 a 45 dias

Alho

abril a setembro

definitivo

0,25 x 0,1 m

bulbilho

120 a 140 dias

Almeirão

março a setembro

definitivo

0,25 x 0,15 m

semente

35 a 45 dias

Berinjela

ano todo

cova

1,2 a 1,5 x 0,8 m

semente

90 a 110 dias

Beterraba

abril a agosto

definitivo

0,3 x 0,1 a 0,15 m

semente

60 a 80 dias

Brócolis

março a agosto

cova

1,2 x 0,5 m

semente

60 a 80 dias

Cebolinha

ano todo

definitivo

0,2 x 0,2 m

perfilho

cortes
frequentes

Cenoura

ano todo

definitivo

0,25 x 0,07 m

semente

90 a 110 dias

Coentro

fevereiro a setembro

definitivo

0,25 x 0,1 m

semente

cortes
frequentes

Couve-folha

março a setembro

cova

1 x 0,5 m

semente

cortes
frequentes

Pepino

março a setembro

cova

1 a 1,2 x 0,4m

semente

60 a 80 dias

Pimentão

ano todo

cova

1 x 0,4 a 0,5m

semente

60 a 80 dias

Quiabo

ano todo

cova

1 x 0,4m

semente

60 a 80 dias

Rabanete

março a setembro

definitivo

0,3 x 0,1m

semente

70 a 90 dias

Repolho

março a setembro

cova

0,6 x 0,4m

semente

120 a 130 dias

Rúcula

março a setembro

definitivo

0,25 x 0,15m

semente

cortes
frequentes

Salsa

ano todo

definitivo

0,25 x 0,1 m

semente

cortes
frequentes

Taro

ano todo

cova

1 x 0,3 a 0,4m

rizoma

mais de 120
dias

* a época de cultivo pode ser estendida com o uso de sombrite preto 50% ou 75%;
** recomenda-se a formação das mudas em sementeiras ou em recipientes individuais ou
coletivos para todas as espécies cultivadas em canteiros definitivos, com exceção da
cenoura, do coentro, da rúcula, da salsa, e do almeirão. As sementes destas devem ser
semeadas diretamente no canteiro definitivo com desbaste posterior de acordo com o
espaçamento recomendado.
24

Literatura recomendada
BEVERLEY, D. Practical gardening. Bath: Parragon, 2002.
96 p. il.
FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. Germinação do básico
ao aplicado. Porto Alegre, Artmed, 2004. 323 p.
HILL, L. Segredos da propagação de plantas. São Paulo:
Nobel, 1996. 245 p. il.
SOUZA, J. L.; RESENDE, P. Manual de horticultura
orgânica. Viçosa, MG: Aprenda Fácil, 2011. 843 p. il.
LAVELLE, C.; LAVELLE, M. The organic garden: a practical
guide to natural gardens, from planning and planting to
harvesting and maintenance. London: Anness, 2003. 256 p. il.
MINAMI, K. Produção de mudas de alta qualidade em
horticultura. São Paulo: T. A. Queiroz, 1995. 36 p. il.
PENTEADO, S. R. Introdução à agricultura orgânica.
Viçosa, MG: Aprenda Fácil, 2003. 235 p. il.
SEYMOUR, J. The new self-sufficient gardener. New York:
DK Pub., 2008. 256 p. il.
TOOGOOD, A. Plant propagation. New York: DK Pub., 1999.
320 p. il.
Realização

Apoio

E. M. Ângela Maria Pérez

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Horta didática na escola 01
Horta didática na escola 01Horta didática na escola 01
Horta didática na escola 01
Thiago Azevedo de Oliveira
 
Viveiro de mudas embrapa
Viveiro de mudas embrapaViveiro de mudas embrapa
Viveiro de mudas embrapa
ramyrobatista
 
Apresentação horta
Apresentação hortaApresentação horta
Apresentação horta
Carlaensino
 
Apresentação cultivo protegido
Apresentação   cultivo protegidoApresentação   cultivo protegido
Apresentação cultivo protegido
Andrei Sampedro
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
Kelwin Souza
 
Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticultura
Rogger Wins
 
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOPLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
Geagra UFG
 
Introducao agroecologia
Introducao agroecologiaIntroducao agroecologia
Introducao agroecologia
elisandraca
 
AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
Karlla Costa
 
Apostila de silvicultura
Apostila de silviculturaApostila de silvicultura
Apostila de silvicultura
Sidney de Mesquita
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
Killer Max
 
Palestra Politicas Publicas no Meio Rural
Palestra Politicas Publicas no Meio RuralPalestra Politicas Publicas no Meio Rural
Palestra Politicas Publicas no Meio Rural
AMATER Cooperativa de Trabalho
 
Hortas: 500 perguntas, 500 respostas
Hortas: 500 perguntas, 500 respostasHortas: 500 perguntas, 500 respostas
Hortas: 500 perguntas, 500 respostas
Portal Canal Rural
 
Agroecologia (2)
Agroecologia (2)Agroecologia (2)
Agroecologia (2)
Heber Mello
 
Teoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em AgroecologiaTeoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em Agroecologia
Diogo Silva
 
Cultura da melancia
Cultura da melanciaCultura da melancia
Cultura da melancia
IFRO
 
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
UERGS
 
Agricultura orgânica e agroecologia embrapa
Agricultura orgânica e agroecologia embrapaAgricultura orgânica e agroecologia embrapa
Agricultura orgânica e agroecologia embrapa
João Siqueira da Mata
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
fernandaataide55
 
Horta escolar
Horta escolarHorta escolar
Horta escolar
Flávia Menezes
 

Mais procurados (20)

Horta didática na escola 01
Horta didática na escola 01Horta didática na escola 01
Horta didática na escola 01
 
Viveiro de mudas embrapa
Viveiro de mudas embrapaViveiro de mudas embrapa
Viveiro de mudas embrapa
 
Apresentação horta
Apresentação hortaApresentação horta
Apresentação horta
 
Apresentação cultivo protegido
Apresentação   cultivo protegidoApresentação   cultivo protegido
Apresentação cultivo protegido
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
 
Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticultura
 
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOPLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
 
Introducao agroecologia
Introducao agroecologiaIntroducao agroecologia
Introducao agroecologia
 
AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
 
Apostila de silvicultura
Apostila de silviculturaApostila de silvicultura
Apostila de silvicultura
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
Palestra Politicas Publicas no Meio Rural
Palestra Politicas Publicas no Meio RuralPalestra Politicas Publicas no Meio Rural
Palestra Politicas Publicas no Meio Rural
 
Hortas: 500 perguntas, 500 respostas
Hortas: 500 perguntas, 500 respostasHortas: 500 perguntas, 500 respostas
Hortas: 500 perguntas, 500 respostas
 
Agroecologia (2)
Agroecologia (2)Agroecologia (2)
Agroecologia (2)
 
Teoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em AgroecologiaTeoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em Agroecologia
 
Cultura da melancia
Cultura da melanciaCultura da melancia
Cultura da melancia
 
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
 
Agricultura orgânica e agroecologia embrapa
Agricultura orgânica e agroecologia embrapaAgricultura orgânica e agroecologia embrapa
Agricultura orgânica e agroecologia embrapa
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Horta escolar
Horta escolarHorta escolar
Horta escolar
 

Semelhante a Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte

Horta organica
Horta organicaHorta organica
Horta organica
Lindon Johnsons Lemos
 
Abc caju
Abc cajuAbc caju
Abc caju
pauloweimann
 
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
TarkinTarkin
 
Abc hortaliças
Abc hortaliçasAbc hortaliças
Abc hortaliças
pauloweimann
 
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliçaApostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
Evelyn Golin
 
ABC Caupi feijão do sertão
ABC Caupi feijão do sertãoABC Caupi feijão do sertão
ABC Caupi feijão do sertão
Lenildo Araujo
 
Abc bananeira
Abc bananeiraAbc bananeira
Abc bananeira
pauloweimann
 
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas  plantasControle alternativo de pragas e doenças nas  plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
João Siqueira da Mata
 
Pragas em-hortas
Pragas em-hortasPragas em-hortas
Pragas em-hortas
IPVC.ESTG
 
Abc controle de pragas
Abc controle de pragasAbc controle de pragas
Abc controle de pragas
pauloweimann
 
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantasABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
Lenildo Araujo
 
Abc feijão caupi
Abc feijão caupiAbc feijão caupi
Abc feijão caupi
pauloweimann
 
Revista aprendiz
Revista aprendizRevista aprendiz
Revista aprendiz
AprendizRuralPardinho
 
Gergelin
GergelinGergelin
Gergelim 500 Perguntas 500 Respostas EMBRAPA
Gergelim 500 Perguntas 500 Respostas EMBRAPAGergelim 500 Perguntas 500 Respostas EMBRAPA
Gergelim 500 Perguntas 500 Respostas EMBRAPA
josefontenelle
 
Pós colheita hortaliça
Pós colheita hortaliçaPós colheita hortaliça
Pós colheita hortaliça
Alexandre Franco de Faria
 
Abc melancia
Abc melanciaAbc melancia
Abc melancia
pauloweimann
 
90000004 ebook-pdf
90000004 ebook-pdf90000004 ebook-pdf
90000004 ebook-pdf
Jaqueline Bordin
 
sistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadas
sistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadassistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadas
sistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadas
Wilson Sérgio Carvalho
 
Abacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 pAbacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 p
Leandro Almeida
 

Semelhante a Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte (20)

Horta organica
Horta organicaHorta organica
Horta organica
 
Abc caju
Abc cajuAbc caju
Abc caju
 
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
 
Abc hortaliças
Abc hortaliçasAbc hortaliças
Abc hortaliças
 
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliçaApostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
 
ABC Caupi feijão do sertão
ABC Caupi feijão do sertãoABC Caupi feijão do sertão
ABC Caupi feijão do sertão
 
Abc bananeira
Abc bananeiraAbc bananeira
Abc bananeira
 
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas  plantasControle alternativo de pragas e doenças nas  plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
 
Pragas em-hortas
Pragas em-hortasPragas em-hortas
Pragas em-hortas
 
Abc controle de pragas
Abc controle de pragasAbc controle de pragas
Abc controle de pragas
 
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantasABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
 
Abc feijão caupi
Abc feijão caupiAbc feijão caupi
Abc feijão caupi
 
Revista aprendiz
Revista aprendizRevista aprendiz
Revista aprendiz
 
Gergelin
GergelinGergelin
Gergelin
 
Gergelim 500 Perguntas 500 Respostas EMBRAPA
Gergelim 500 Perguntas 500 Respostas EMBRAPAGergelim 500 Perguntas 500 Respostas EMBRAPA
Gergelim 500 Perguntas 500 Respostas EMBRAPA
 
Pós colheita hortaliça
Pós colheita hortaliçaPós colheita hortaliça
Pós colheita hortaliça
 
Abc melancia
Abc melanciaAbc melancia
Abc melancia
 
90000004 ebook-pdf
90000004 ebook-pdf90000004 ebook-pdf
90000004 ebook-pdf
 
sistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadas
sistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadassistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadas
sistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadas
 
Abacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 pAbacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 p
 

Mais de João Siqueira da Mata

Meditação no Trabalho
Meditação no TrabalhoMeditação no Trabalho
Meditação no Trabalho
João Siqueira da Mata
 
Meditação para a Qualidade de Vida no Trabalho
Meditação para a Qualidade de Vida no TrabalhoMeditação para a Qualidade de Vida no Trabalho
Meditação para a Qualidade de Vida no Trabalho
João Siqueira da Mata
 
A Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a MeditaçãoA Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a Meditação
João Siqueira da Mata
 
Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...
Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...
Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...
João Siqueira da Mata
 
E book terapia transgeracional
E book terapia transgeracionalE book terapia transgeracional
E book terapia transgeracional
João Siqueira da Mata
 
Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1
Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1
Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1
João Siqueira da Mata
 
Horta caderno2
Horta caderno2Horta caderno2
Horta caderno2
João Siqueira da Mata
 
Barbara marcianiakmensageirosdoamanhecer
Barbara marcianiakmensageirosdoamanhecerBarbara marcianiakmensageirosdoamanhecer
Barbara marcianiakmensageirosdoamanhecer
João Siqueira da Mata
 
Miolo transgenicos 29_07
Miolo transgenicos 29_07Miolo transgenicos 29_07
Miolo transgenicos 29_07
João Siqueira da Mata
 
Mesa controversias web
Mesa controversias webMesa controversias web
Mesa controversias web
João Siqueira da Mata
 
EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...
EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...
EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...
João Siqueira da Mata
 
Xxi n6 pt ciência para a vida
Xxi n6 pt ciência para a vidaXxi n6 pt ciência para a vida
Xxi n6 pt ciência para a vida
João Siqueira da Mata
 
2 edicao gestao-sustentavel completo
2 edicao gestao-sustentavel completo2 edicao gestao-sustentavel completo
2 edicao gestao-sustentavel completo
João Siqueira da Mata
 
Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...
Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...
Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...
João Siqueira da Mata
 
HORTA EM PEQUENOS ESPAÇOS
HORTA EM PEQUENOS ESPAÇOSHORTA EM PEQUENOS ESPAÇOS
HORTA EM PEQUENOS ESPAÇOS
João Siqueira da Mata
 
O envenenamento das abelhas
O envenenamento das abelhasO envenenamento das abelhas
O envenenamento das abelhas
João Siqueira da Mata
 
Curso eft andre_lima
Curso eft andre_limaCurso eft andre_lima
Curso eft andre_lima
João Siqueira da Mata
 
O despertar da visão interior
O despertar da visão interiorO despertar da visão interior
O despertar da visão interior
João Siqueira da Mata
 
Manual de restauração florestal
Manual de restauração florestalManual de restauração florestal
Manual de restauração florestal
João Siqueira da Mata
 
Livretolegislacaoambiental 120425103125-phpapp01
Livretolegislacaoambiental 120425103125-phpapp01Livretolegislacaoambiental 120425103125-phpapp01
Livretolegislacaoambiental 120425103125-phpapp01
João Siqueira da Mata
 

Mais de João Siqueira da Mata (20)

Meditação no Trabalho
Meditação no TrabalhoMeditação no Trabalho
Meditação no Trabalho
 
Meditação para a Qualidade de Vida no Trabalho
Meditação para a Qualidade de Vida no TrabalhoMeditação para a Qualidade de Vida no Trabalho
Meditação para a Qualidade de Vida no Trabalho
 
A Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a MeditaçãoA Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a Meditação
 
Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...
Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...
Workshop- Como gerenciar o estresse e melhorar a qualidade de vida através da...
 
E book terapia transgeracional
E book terapia transgeracionalE book terapia transgeracional
E book terapia transgeracional
 
Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1
Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1
Meditação e gerenciamento do stress no trabalho 1
 
Horta caderno2
Horta caderno2Horta caderno2
Horta caderno2
 
Barbara marcianiakmensageirosdoamanhecer
Barbara marcianiakmensageirosdoamanhecerBarbara marcianiakmensageirosdoamanhecer
Barbara marcianiakmensageirosdoamanhecer
 
Miolo transgenicos 29_07
Miolo transgenicos 29_07Miolo transgenicos 29_07
Miolo transgenicos 29_07
 
Mesa controversias web
Mesa controversias webMesa controversias web
Mesa controversias web
 
EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...
EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...
EFT –EMOTIONAL FREEDON TECHNIQUES. TÉCNICA DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL OU ACUPUNT...
 
Xxi n6 pt ciência para a vida
Xxi n6 pt ciência para a vidaXxi n6 pt ciência para a vida
Xxi n6 pt ciência para a vida
 
2 edicao gestao-sustentavel completo
2 edicao gestao-sustentavel completo2 edicao gestao-sustentavel completo
2 edicao gestao-sustentavel completo
 
Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...
Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...
Anvisa recebe dossê sobre impactos do 2,4-D e das plantas transgênicas associ...
 
HORTA EM PEQUENOS ESPAÇOS
HORTA EM PEQUENOS ESPAÇOSHORTA EM PEQUENOS ESPAÇOS
HORTA EM PEQUENOS ESPAÇOS
 
O envenenamento das abelhas
O envenenamento das abelhasO envenenamento das abelhas
O envenenamento das abelhas
 
Curso eft andre_lima
Curso eft andre_limaCurso eft andre_lima
Curso eft andre_lima
 
O despertar da visão interior
O despertar da visão interiorO despertar da visão interior
O despertar da visão interior
 
Manual de restauração florestal
Manual de restauração florestalManual de restauração florestal
Manual de restauração florestal
 
Livretolegislacaoambiental 120425103125-phpapp01
Livretolegislacaoambiental 120425103125-phpapp01Livretolegislacaoambiental 120425103125-phpapp01
Livretolegislacaoambiental 120425103125-phpapp01
 

Último

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte

  • 1. Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
  • 2. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Pantanal Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte Marçal Henrique Amici Jorge1 Waldirene Faria Jard2 Ana Paula Artimonte Vaz3 Embrapa Brasília, DF 2012 1 Dr., Pesquisador Embrapa Pantanal, Corumbá, MS (marcal.jorge@embrapa.br) Monitora do projeto Mais Educação, Escola Municipal Angela Maria Pérez, Corumbá, MS (waljar@)hotmail.com) 3 Drª, Pesquisadora Embrapa Transferência de Tecnologia, Campinas, SP (ana@campinas.snt.embrapa.br) 2
  • 3. Embrapa Pantanal Rua 21 de Setembro, 1880, CEP 79320-900 Corumbá, MS Caixa Postal 109 Fone: (67) 3234-5800 Fax: (67) 3234-5815 Home page: www.cpap.embrapa.br E-mail: sac@cpap.embrapa.br Unidade responsável pelo conteúdo e edição Embrapa Pantanal Comitê Local de Publicações da Embrapa Pantanal Presidente: Suzana Maria Salis Secretária: Eliane Mary P. Arruda Membros: Vanderlei Doniseti Acassio dos Reis, Ana Helena B.M. Fernandes, Sandra Mara Araújo Crispim, Dayanna Shiavi N. Batista Supervisora editorial: Suzana Maria Salis Normalização bibliográfica: Elizabeth Roskamp Câmara Tratamento de ilustrações: Eliane Mary P. de Arruda Fotos da capa: Marçal Henrique Amici Jorge Editoração eletrônica: Eliane Mary P. Arruda Diagramação: Guilherme Caetano Disponibilização na página: Marilisi Jorge Cunha5 1ª edição 1ª impressão (2012): 200 exemplares 2ª edição (2012): Versão eletrônica Todos os direitos reservados. A reprodução não-autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei nº 9.610). Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Embrapa Pantanal Jorge, Marçal Henrique Amici. Como implantar e conduzir uma horta de pequeno porte / Marçal Henrique Amici Jorge, Waldirene Faria Jard, Ana Paula Artimonte Vaz. – Brasília, DF : Embrapa, 2012. 24 p. : il. color. Versão eletrônica do original impresso. ISBN 978-85-7035-117-3 1. Horta. 2. Hortaliça – Produção vegetal. I. Jard, Waldirene Faria. II. Vaz, Ana Paula Artimonte. III. Embrapa Pantanal. IV. Título. CDD 635.04 © Embrapa 2012
  • 4. Agradecimentos Esta obra reúne também os conhecimentos práticos dos assistentes de pesquisa Ernande Ravaglia, Roberto dos Santos Rondon, Messias Moreira Moraes, Sebastião de Jesus e Sidnei José Benício, adquiridos nas suas rotinas de trabalho na Embrapa Pantanal. Assim, demonstramos nossa gratidão a estes colegas que gentilmente nos repassaram estas informações para aprimorar esta publicação.
  • 5. Apresentação Esta publicação mostra passo a passo, de maneira simples, didática e prática, como produzir de forma sustentável hortaliças com a finalidade de subsistência em áreas de até 500 metros quadrados. Todas as recomendações são baseadas em trabalhos técnico-científicos e em casos de sucesso obtidos na região de Corumbá e Ladário, MS. Emiko Kawakami de Resende Chefe-Geral da Embrapa Pantanal
  • 6. Sumário Introdução .................................................................................. 7 Qual a importância de uma horta?................................... 7 De que depende o sucesso de uma horta? ............................. 7 Da mão-de-obra .................................................................. 7 Da área escolhida ............................................................... 8 Da água............................................................................... 8 Onde e como produzir de mudas? ........................................... 9 Em recipiente ...................................................................... 9 Em sementeira .................................................................... 9 Aquisição de material propagativo (sementes e mudas) ..... 9 Recipiente ......................................................................... 10 Substrato........................................................................... 10 Quais são os tipos de canteiros?........................................... 11 Sementeira........................................................................ 11 Definitivo sem contenção (do tipo leira)............................. 11 Definitivo com contenção .................................................. 11 Cova.................................................................................. 12 Como adubar? ......................................................................... 12 Como regar? ............................................................................ 13 Quando plantar? ...................................................................... 14 Como transplantar as mudas? ............................................... 15 O que são tratos culturais? .................................................... 16 Quando colher? ....................................................................... 17 Quais ferramentas, equipamentos e utensílios utilizar? ...... 17 Como controlar a temperatura? ............................................. 18 Como controlar o mato? ......................................................... 18 Como controlar pragas e doenças?....................................... 19 Porque escalonar a produção? .............................................. 20 Gerenciamento......................................................................... 21 Ficha de acompanhamento de cultivo........................... 22 Literatura recomendada .......................................................... 24
  • 7. 7 Introdução O que é uma horta? Horta é um local onde são concentradas todas as atividades referentes à produção de hortaliças. Qual é a importância de uma horta? Foto: Marçal H. A. Jorge Em uma horta são produzidas hortaliças de qualidade para suprir a demanda diária de uma alimentação balanceada e rica. De que depende o sucesso de uma horta? Da mão-de-obra Considera-se como mão-de-obra todas as pessoas envolvidas no cultivo das hortaliças, disponíveis tanto para a realização das práticas culturais como para a vigilância da área.
  • 8. 8 Da área escolhida A área onde são cultivadas as hortaliças deve preencher alguns requisitos como: 1) Estar próxima à moradia da família ou da comunidade. Isso facilita a presença constante das pessoas que conduzirão os trabalhos na horta; 2) Ser de acesso fácil para facilitar o trânsito de pessoas que trabalham na horta; 3) Deve ser composta por área produtiva (canteiros, sementeira, composteira e minhocário) e área não produtiva (depósito, caminhos, caixa d’água, pia de lavagem); 4) Recomenda-se que a área seja cercada para evitar a entrada de animais e a depredação; 5) Em áreas com declive acentuado, recomenda-se a construção dos canteiros em nível. Se necessário, construir curvas de nível e/ou valas para a contenção da erosão; 6) Ser instalada em local totalmente ensolarado, com o comprimento dos canteiros voltados para o sentido norte-sul e, se possível, com a vegetação mais próxima a mais ou menos 10 metros de distância; 7) Estar protegida de rajadas de vento pela utilização de “quebraventos”, como plantas com folhagem perene e crescimento rápido, copa bem formada, raízes profundas e ramos flexíveis; 8) O tamanho da área da horta, com relação a capacidade produtiva, vai depender do número de espécies e da quantidade sendo cultivadas, do comprimento dos canteiros e sementeiras, quantidade de covas e das áreas não produtivas. Da água Fotos: Marçal H. A. Jorge A água deve ser de boa qualidade (livre de impurezas e sem cheiro) e estar disponível em abundância para a irrigação dos canteiros e covas. Recomenda-se instalar caixas d’água para armazená-la e facilitar a rega dos canteiros, que geralmente é feita com regadores.
  • 9. 9 Onde e como produzir mudas? Em recipiente A produção de mudas de hortaliças em recipientes é uma prática vantajosa, uma vez que as condições de produção podem ser controladas de forma a proporcionar mudas mais vigorosas. Nesse tipo de produção, as mudas são produzidas de forma individual, ou seja, não há o entrelaçamento das raízes de plantas vizinhas no momento do transplante para o canteiro definitivo, evitando-se perda excessiva de torrão nessa fase. Em geral, estas mudas são produzidas em locais protegidos, proporcionando, principalmente, proteção contra o excesso de chuvas e exposição direta ao sol direto nas horas mais quentes do dia. Assim, garante-se uma maior uniformidade da produção e melhor controle das pragas e doenças. Em sementeira Nesse tipo de produção, as sementes são semeadas em linha ou à lanço em canteiros preparados para esta finalidade, para posterior transplante das mudas produzidas. A produção de mudas em sementeiras, em comparação à produção em recipientes, é uma opção mais arriscada. Isso pelo fato das mudas, principalmente na fase de plântula, estarem mais expostas ao mau tempo e ao ataque mais frequente de pragas, como formigas cortadeiras e pássaros*, e doenças, como fungos causadores de tombamento e apodrecimento dos talos das mudas. Adicionalmente, existe o entrelaçamento das raízes de plantas vizinhas, o que exige maior cuidado e atenção na fase de transplante dessas mudas para o canteiro definitivo. Aquisição de material propagativo (sementes e mudas) A aquisição de material propagativo deve ser feita de empresas idôneas de produção de sementes ou de fornecedores confiáveis. Assim, pode-se confiar na identificação e na recomendação correta das espécies, na sanidade e na porcentagem de germinação. * Para evitar o ataque dos pássaros uma alternativa seria cobrir o canteiro com tela de galinheiro.
  • 10. 10 Evitar comprar embalagens com muitas sementes quando a quantidade a ser cultivada for pequena. O armazenamento não adequado das sobras de sementes pode comprometer o vigor desse lote a ponto de influir na porcentagem de germinação nos próximos plantios. Recipiente Os recipientes mais utilizados na produção de mudas são as bandejas de isopor e os copos plásticos. É importante que, seja qual for o recipiente utilizado, este tenha furos (orifícios) na parte inferior para funcionar como dreno e poda natural das raízes (evitase também o enovelamento das mesmas na parte inferior do recipiente). Nesses recipientes, as mudas são produzidas de forma individualizada, favorecendo a obtenção de mudas com raízes mais vigorosas. Recomenda-se colocar os recipientes em cima de telas de arame ou estrados para que os orifícios inferiores não sejam obstruídos. Substrato Fotos: Marçal H. A. Jorge Na produção de mudas em recipientes, o substrato utilizado deve proporcionar boas condições de crescimento e desenvolvimento das mudas, tais como boa aeração, boa drenagem e disponibilidade de nutrientes. O substrato pode ser adquirido pronto ou ser produzido na própria horta. A escolha vai depender de custos e dos ingredientes para formular um substrato, que contenham as características citadas acima. Geralmente, utilizam-se como ingredientes: composto orgânico, areia, casca de arroz carbonizada, terra rica em matéria orgânica, casca de pinus, húmus, fibra de coco, entre outros.
  • 11. 11 Quais são os tipos de canteiro? Sementeira Nesse tipo de canteiro são produzidas coletivamente as mudas das hortaliças que serão transplantadas para os canteiros definitivos e/ou covas. São canteiros construídos no chão, em leira ou com contenção. As dimensões devem ser de acordo com a demanda de mudas das espécies. Em geral, um canteiro com 5 m de comprimento, 1 m de largura (para facilitar os tratos culturais no meio dos canteiros) e 20 a 30 cm de altura é suficiente para atender toda a horta. A preparação da terra é muito importante. Deve-se misturar bem o composto e o húmus, quebrar os torrões e eliminar todo tipo de sujeira, como pedras e gravetos, para não injuriar as raízes das mudas. Recomenda-se nivelar muito bem a superfície antes da semeadura ao final dessa preparação. O tempo de permanência das mudas nesse canteiro vai depender de cada espécie a ser cultivada (ver Tabela 1). Definitivo sem contenção (do tipo leira) São canteiros preparados da mesma forma que as sementeiras. Servem para o plantio definitivo das hortaliças produzidas. Não devem ultrapassar 8 m de comprimento por 1 m de largura, e ter em média 10 a 20 cm de altura. Esse tipo de canteiro possibilita um menor investimento na horta. Porém, são canteiros que necessitam frequentemente de manutenção (reforma das leiras), principalmente após as chuvas, que causam a erosão de boa parte da terra. Definitivo com contenção São canteiros preparados da mesma forma que as sementeiras e os definitivos sem contenção. Servem para o plantio definitivo das hortaliças produzidas. Não devem ultrapassar 8 m de comprimento por 1 m de largura. Podem ter em média 30 cm de altura. Esse tipo de canteiro exige uma frequência menor de manutenção, mas pode onerar um pouco o investimento na horta pela utilização de materiais para delimitação dos canteiros. O tipo de material a ser utilizado na contenção dos canteiros vai depender de uma série de fatores como: investimento inicial, disponibilidade do material, praticidade e vida útil do material.
  • 12. 12 Cova Fotos: Marçal H. A. Jorge É o local onde algumas hortaliças são plantadas individualmente. Em geral, são preparadas com comprimento, largura e profundidade que podem variar de 30 a 50 cm x 30 a 50 cm x 30 a 50 cm, respectivamente, e espaçamentos pré-determinados para cada espécie (ver Tabela 1), recebendo o mesmo tipo de adubação dos canteiros. Como adubar? Fotos: Marçal H. A. Jorge A adubação dos canteiros deve ser feita preferencialmente com composto orgânico produzido na composteira da própria horta a partir de restos vegetais (evitar ramos lenhosos) e esterco animal (bovino, aviário, suíno, caprino, coelho, equino e/ou ovinos). Recomenda-se também a utilização de húmus de minhoca*, que também pode ser produzido na horta. A adubação pode ser feita na preparação dos canteiros e covas - adubação de plantio, ou durante o desenvolvimento das plantas - adubação de cobertura. A quantidade a ser incorporada nos canteiros vai depender da fertilidade da terra, que, via de regra, é determinada a partir de uma análise de solo. A adubação dos canteiros com composto orgânico pode variar de 3 a 7 kg por metro quadrado e de 0,5 a 3 kg para o húmus. Para as covas, pode variar entre 2 a 4 kg para o composto orgânico e 0,5 a 2 kg para o húmus. * O húmus (dejeto expelido pela minhoca) é produzido a partir da criação de minhocas em recipientes (minhocário) contendo restos vegetais e esterco.
  • 13. 13 Como regar? Foto: Marçal H. A. Jorge A rega é feita com água de boa qualidade, conforme descrito anteriormente. Devem ser realizadas nas horas menos quentes do dia, ou seja, ao amanhecer e no final da tarde. A água da rega deve ser bem distribuída por todo o canteiro e a quantidade de água deve ser monitorada para manter uma umidade ótima da terra dentro do canteiro ou da cova. A análise pode ser feita de modo visual ou manualmente verificando-se a textura e umidade da terra.
  • 14. 14 Quando plantar? Foto: Marçal H. A. Jorge Deve-se respeitar a época de plantio das espécies cultivadas que, em geral, está entre os meses de fevereiro e setembro (ver Tabela 1). Este período pode ser estendido com o uso de sombrite preto 50% ou 75%, para limitar a penetração de luz e, consequentemente, criar um microclima mais adequado.
  • 15. 15 Como transplantar as mudas? Foto: Marçal H. A. Jorge Ao atingirem o tamanho desejado (variável entre as espécies, em média quando as plantinhas apresentam de 5 a 6 pares de folhas), as mudas produzidas, em sementeiras ou em recipientes, podem ser transplantadas para os canteiros definitivos, em espaçamentos determinados para cada espécie (ver Tabela 1). Geralmente, isso é realizado no final da tarde, pois as temperaturas são mais baixas durante a noite e proporcionam menores taxas de murchamento. Essa é uma operação muito importante dentro da horta, pois o sucesso dessa fase garantirá o “pegamento” e o vigor das plantas. Deve-se ter muito cuidado para não machucar as raízes, o que significa perder o mínimo possível de torrão e acomodá-las da melhor forma possível no canteiro definitivo.
  • 16. 16 O que são tratos culturais? Foto: Marçal H. A. Jorge Tratos culturais são todas as operações realizadas na horta com a finalidade de facilitar o crescimento e desenvolvimento satisfatório das hortaliças em todas as fases de cultivo. Devem ser realizados nas horas menos quentes do dia, ou seja, pela manhã ou perto do final da tarde. Basicamente, estas operações são: incorporação de composto orgânico e húmus nos canteiros e covas, eliminação do mato dentro e fora dos canteiros e covas, afofamento dos canteiros e covas, rega, controle de pragas e doenças e limpezas frequentes da área.
  • 17. 17 Quando colher? Fotos: Marçal H. A. Jorge A colheita deve ser feita no final do ciclo de cultivo de cada uma das espécies na horta, ou seja, quando a hortaliça está pronta para ir à mesa para ser consumida. Assim, as partes colhidas devem estar bem formadas, livres de pragas e doenças, e com boa aparência. Cada espécie de hortaliça cultivada possui particularidades com relação a sua época de colheita (ver Tabela 1). Quais ferramentas, utilizar? equipamentos e utensílios Foto: Marçal H. A. Jorge Foto: Marçal H. A. Jorge As principais ferramentas, equipamentos e utensílios utilizados numa horta são relacionados abaixo: Ferramentas: pá, enxada, enxadão, foice, facão, tesoura de poda, podão, ancinho, sacho, regadores, serrote, martelo, alicate, torquês ou “troques”, jogo de chaves, chave de cano, lima, peneiras e trena. Equipamentos: carrinho de mão e pulverizador costal Utensílios: sombrite, plástico, balde, mangueira, tela de galinheiro, insumos, grampos, pregos, arame galvanizado, arame recozido, barbante, marcador, saquinhos, etiquetas de identificação, lápis preto, marcador permanente, estacas de madeira, barbante e caixas plásticas vazadas.
  • 18. 18 Como controlar a temperatura? Foto: Marçal H. A. Jorge As altas temperaturas podem comprometer a produção das hortaliças pelo estresse que causam às plantas durante os meses mais quentes e com maior luminosidade. Esse estresse pode ser minimizado pela utilização do sombrite preto, com penetração de luz de 50% ou 75%, a uma altura de mais ou menos 1,80 metros da superfície dos canteiros e covas. Como controlar o mato? Foto: Marçal H. A. Jorge A erradicação de espécies indesejáveis (mato) dentro da área da horta, principalmente dentro dos canteiros e das covas, pode ser feita por meio de catação (arranquio) manual e/ou de capina.
  • 19. 19 Como controlar pragas e doenças? Foto: Frederico O. Lisita Deve-se controlar pragas e doenças que possam comprometer a qualidade da produção das hortaliças em todas as fases. Isso pode ser feito por meio da catação manual ou utilização de produtos * naturais . As principais pragas são: pulgões, cochonilhas, formigas cortadeiras, lesmas, caracóis, gafanhotos e lagartas. As principais doenças são: tombamento, podridão das raízes, manchas escuras e/ou amarelas. Algumas medidas podem ser adotadas para diminuir a incidência das pragas e das doenças. Recomenda-se evitar: 1) cultivo em épocas com temperatura e umidade elevadas (caso não sejam adotadas medidas para minimizar o efeito destes fatores); 2) alta densidade de plantas/mudas por metro quadrado de canteiro/sementeira; 3) uso de ferramentas sujas (contaminadas); 4) não reutilizar substrato para produção de mudas. A eliminação de partes vegetativas com sintomas de doenças (material infectado) e a utilização de sementes e propágulos com boa sanidade são medidas necessárias e que podem contribuir muito para um controle mais efetivo de pragas e doenças. Técnicas como, rotação de canteiros, podem ser adotadas para prevenir ou remediar um possível problema dessa natureza, levando-se em consideração, principalmente, a sucessão das espécies plantadas em cada um dos canteiros. * Extrato de fumo e álcool (ingredientes: fumo de rolo, álcool e água); calda sulfocálcica (ingredientes: cal virgem em pedra, enxofre em pó e água); calda bordaleza (ingredientes: sulfato de cobre, cal viva e água) e pasta bordaleza (ingredientes: sulfato de zinco, cal virgem e água).
  • 20. 20 Porque escalonar a produção? Foto: Marçal H.A. Jorge Para garantir a colheita diária de hortaliças, recomenda-se escalonar a produção, ou seja, semanalmente produzir mudas das espécies mais consumidas. Assim, a medida que os canteiros vão sendo colhidos, os mesmos são imediatamente preparados para receber estas mudas (transplante). É importante determinar a demanda de cada uma delas para não haver falta ou produção em excesso. Com relação às hortaliças menos consumidas, ou aquelas em que as plantas não são colhidas por inteiro, como couve, cebolinha, salsa, por exemplo, essa produção escalonada deve funcionar apenas como reposição de plantas ou formação de novos canteiros.
  • 21. 21 Gerenciamento A produção de hortaliças requer investimentos corretos e, principalmente, o envolvimento da comunidade. Requer também planejamento da produção visando cobrir todas as fases do processo, estoque de insumos e demais materiais e acompanhamento periódico de todas as fases da produção das hortaliças. Esse acompanhamento do cultivo, que pode ser feito por meio de uma ficha, serve para registrar todas as informações referentes à cultura visando assegurar o armazenamento e a organização de dados técnicos, garantindo uma produção satisfatória e trazendo melhorias nos cultivos futuros. Pode ser usada quantas vezes for necessária durante o cultivo de cada uma das espécies, caso haja ocorrência que necessite de registro pontual. A seguir, apresenta-se um modelo de ficha de acompanhamento de cultivo simplificada (em página separada para facilitar ser copiada) com o objetivo de torná-la uma ferramenta de uso frequente.
  • 22. 22 Ficha de acompanhamento de cultivo Data da implantação: ____/____/____ Por sementes ( ) Por mudas ( ) Nome comum da espécie: _______________ Variedade: ______________ Aquisição (origem) do material propagativo (semente ou muda): _________ Nome da espécie anteriormente cultivada nesse canteiro: ______________ Periodicidade do acompanhamento: Semanal ( ) Quinzenal ( ) Mensal ( ) Bimestral ( ) Semestral ( ) Número de plantas e espaçamento: Canteiro ( ) Covas ( ) Fase de desenvolvimento das plantas: Vegetativa ( ) Floração ( ) Frutificação ( ) Maturação ( ) Sintomas de deficiência nutricional: _______________________________ Data e resultados da última análise de solo: ____/____/____ ____________________________________________________________ Tipo de adubo utilizado: ________________________________________ Quantidade de adubo utilizado: ___________________________________ Aplicação de corretivos de pH: ___________________________________ Tipo de irrigação: ______________________________________________ Frequência e turno da irrigação: __________________________________ Origem da água: ______________________________________________ Ocorrência de pragas: __________________________________________ Parte das plantas atacadas: _____________________________________ Método de controle: __________________ Preventivo ( ) Curativo ( ) Sintomas de doenças: __________________________________________ Parte das plantas com o sintoma: _________________________________ Método de controle: __________________ Preventivo ( ) Curativo ( ) Aspecto geral das plantas: Ótimo ( ) Bom ( ) Regular ( ) Ruim ( ) Presença de plantas indesejáveis (mato): ___________________________ Tipo de controle: Manual ( ) Capina ( ) Outro ( ) Qual? __________ Colheita ou coleta: _____________________________________________ Parte colhida ou coletada: Raízes ( ) Ramos ( ) Folhas ( ) Flores ( ) Frutos ( ) Sementes ( ) Quantidade colhida (bruto): ______________________________________ Peso fresco (líquido):___________ Peso seco (do líquido): _____________ Anotações gerais: _____________________________________________________________ _____________________________________________________________
  • 23. 23 Tabela 1. Espécies de plantas com informações sobre seu cultivo. Nome comum Época de cultivo* Tipo de canteiro** Espaçamento (linha x planta) Tipo de propagação Colheita (após transplante) Abóbora ano todo cova 2,5 a 5 x 2 a 4 m semente 60 a 90 dias Abobrinha março a setembro cova 1 a 1,2 x 0,6 a 0,7m semente 45 a 60 dias Alface março a setembro definitivo 0,25 x 0,25 m semente 35 a 45 dias Alho abril a setembro definitivo 0,25 x 0,1 m bulbilho 120 a 140 dias Almeirão março a setembro definitivo 0,25 x 0,15 m semente 35 a 45 dias Berinjela ano todo cova 1,2 a 1,5 x 0,8 m semente 90 a 110 dias Beterraba abril a agosto definitivo 0,3 x 0,1 a 0,15 m semente 60 a 80 dias Brócolis março a agosto cova 1,2 x 0,5 m semente 60 a 80 dias Cebolinha ano todo definitivo 0,2 x 0,2 m perfilho cortes frequentes Cenoura ano todo definitivo 0,25 x 0,07 m semente 90 a 110 dias Coentro fevereiro a setembro definitivo 0,25 x 0,1 m semente cortes frequentes Couve-folha março a setembro cova 1 x 0,5 m semente cortes frequentes Pepino março a setembro cova 1 a 1,2 x 0,4m semente 60 a 80 dias Pimentão ano todo cova 1 x 0,4 a 0,5m semente 60 a 80 dias Quiabo ano todo cova 1 x 0,4m semente 60 a 80 dias Rabanete março a setembro definitivo 0,3 x 0,1m semente 70 a 90 dias Repolho março a setembro cova 0,6 x 0,4m semente 120 a 130 dias Rúcula março a setembro definitivo 0,25 x 0,15m semente cortes frequentes Salsa ano todo definitivo 0,25 x 0,1 m semente cortes frequentes Taro ano todo cova 1 x 0,3 a 0,4m rizoma mais de 120 dias * a época de cultivo pode ser estendida com o uso de sombrite preto 50% ou 75%; ** recomenda-se a formação das mudas em sementeiras ou em recipientes individuais ou coletivos para todas as espécies cultivadas em canteiros definitivos, com exceção da cenoura, do coentro, da rúcula, da salsa, e do almeirão. As sementes destas devem ser semeadas diretamente no canteiro definitivo com desbaste posterior de acordo com o espaçamento recomendado.
  • 24. 24 Literatura recomendada BEVERLEY, D. Practical gardening. Bath: Parragon, 2002. 96 p. il. FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. Germinação do básico ao aplicado. Porto Alegre, Artmed, 2004. 323 p. HILL, L. Segredos da propagação de plantas. São Paulo: Nobel, 1996. 245 p. il. SOUZA, J. L.; RESENDE, P. Manual de horticultura orgânica. Viçosa, MG: Aprenda Fácil, 2011. 843 p. il. LAVELLE, C.; LAVELLE, M. The organic garden: a practical guide to natural gardens, from planning and planting to harvesting and maintenance. London: Anness, 2003. 256 p. il. MINAMI, K. Produção de mudas de alta qualidade em horticultura. São Paulo: T. A. Queiroz, 1995. 36 p. il. PENTEADO, S. R. Introdução à agricultura orgânica. Viçosa, MG: Aprenda Fácil, 2003. 235 p. il. SEYMOUR, J. The new self-sufficient gardener. New York: DK Pub., 2008. 256 p. il. TOOGOOD, A. Plant propagation. New York: DK Pub., 1999. 320 p. il.