SlideShare uma empresa Scribd logo
Combate a pragas quarentenárias presentes e PNQR de relevância para a fruticultura tropical
AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO ESTADO DO CEARÁ 
- CRIADA PELA LEI Nº 13.496, DE 02 DE JULHO DE 2004 
- AUTARQUIA VINCULADA À SECRETARIA DO 
DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO 
- AUTORIDADE ESTADUAL EM SANIDADE AGROPECUÁRIA 
- MISSÃO: 
"Proteger a saúde dos animais e vegetais e 
propiciar a qualidade sanitária dos produtos 
"Proteger a saúde dos animais e vegetais e 
propiciar a qualidade sanitária dos produtos 
industriais derivados, promovendo a 
industriais derivados, promovendo a 
sustentabilidade desses setores e a segurança 
sustentabilidade desses setores e a segurança 
alimentar humana." 
alimentar humana."
SISTEMA DEFESA AGROPECUÁRIA 
MAPA 
Secretaria de Defesa Agropecuária 
SESA 
SEMACE 
PREF. MUNICIPAL 
SDA 
IDACE 
EMATERCE 
SSPDS (PM e PRE) 
AGROPOLOS 
CEASA 
CONPAM 
PRF 
BNB 
CREA 
MP
ÁREA DE ATUAÇÃO DA ADAGRI 
- Abrangência: 184 municípios 
[100%] 
- Núcleos Locais: 40 
- Postos de Vigilância 
Zoofitossanitária: 11 
- Abrangência: 184 municípios 
[100%] 
- Núcleos Locais: 40 
- Postos de Vigilância 
Zoofitossanitária: 11
DIRETORIA DE 
SANIDADE VEGETAL 
(DISAV)
ORGANOGRAMA - DISAV 
GERÊNCIA 
DE AVALIAÇÃO DE 
RISCO 
GERÊNCIA 
DE GESTÃO DE RISCO
QUADRO TÉCNICO DA DISAV 
SERVIDOR TOTA 
L 
ESPECIALIS 
TA 
MESTR 
E 
DOUTO 
R 
TOTAL PÓS-GRADUAÇÃO 
Fiscal Agropecuário 
[Engenheiro Agrônomo] 
40 03 15 07 25 [62,5%] 
Fiscal Agropecuário 
[Engenheira de Alimentos] 
01 - - 01 01 [100%] 
Fiscal Agropecuário 
[Bióloga] 
01 - - 01 01 [100%] 
Agente Agropecuário 
[Técnico] 
17 01 - - 01 [5,8%] 
Cargo Comissionado 
[Engenheiro Agrônomo] 
05 - 04 - 04 [80,0%] 
TOTAL 64 04 19 09 32 [50,0%]
PROJETOS DA DISAV 
PREVENÇÃO E CONTROLE DE VIROSES DO MAMOEIRO 
[MANCHA ANELAR, MELEIRA 1 E AMARELO LETAL] 
2 MANUTENÇÃO DA ÁREA LIVRE DE ANASTRAPHA GRANDIS 
PREVENÇÃO E CONTROLE DA COCHONILHA DO CARMIM 
[DACTYLOPIUS OPUNTIAE] 
3 
4 FISCALIZAÇÃO DO USO DE AGROTÓXICOS 
5 PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS DOS CITROS 
PREVENÇÃO E CONTROLE DO CANCRO DA VIDEIRA 
[XANTHOMONAS CAMPESTRIS PV. VITICOLA] 6
PROJETOS DA DISAV 
MANUTENÇÃO DA ÁREA LIVRE DE SIGATOKA NEGRA 
[MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS] 
MANUTENÇÃO DA ÁREA LIVRE DE MOKO DA BANANEIRA 
[RALSTONIA SOLANACEARUM RAÇA 2] 
FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE SEMENTES E MUDAS 
PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS NAS CEASAS 
7 
8 
9 
10 
PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS EM PLANTAS ORNAMENTAIS 
11 
CONTROLE DO TRÂNSITO 12 DE VEGETAIS
PROJETOS DA DISAV 
CERTIFICAÇÃO 13 FITOSSANITÁRIA 
PREVENÇÃO E CONTROLE DA COCHONILHA ROSADA 
[MACONELLICOCCUS HIRSUTUS] 14 
15 PREVENÇÃO E CONTROLE DE HELICOVERPA ARMIGERA
AGRICULTURA IRRIGADA 
PÓLOS DE AGRICULTURA IRRIGADA 
200 mil ha de área irrigáveis 
90 mil ha irrigados 
(2011): 
41 mil ha com frutas 
(acerola, banana, coco, 
melão, melancia, mamão, 
manga, ata, graviola) 
9 
m un ic íp io s 
Á rea Irrig á v el 
15.0 00 ha Po lo 
A c e ro la 
M ara c u já 
B an a n a 
Ib iap a b a 
14 
m un ic íp io s 
Po lo 
M e t ro p o lita no 
14 
m un ic íp io s 
Po lo 
Baix o 
A c araú 
C A M O C IM 
B A R R O Q U I N H A 
C H A V A L 
G R A N J A 
M A R T I N Ó P O L E 
U R U O C A 
M O R A Ú J O 
S E N A D O R S Á 
V IÇ O S A 
D O 
C E A R Á 
T I A N G U Á 
IB IA P IN A 
C A R N A U B A L 
G U A R A C IA B A 
D O N O R T E 
C R O A T Á 
IP U E I R A S 
P O R A N G A A R A R E N D Á 
IP A P O R A N G A 
M A S S A P Ê 
C A R I R ÉG R O A ÍR A S 
P IR E S F E R R E IR A 
C R A T E Ú S 
IN D E P E N D Ê N C I A 
N O V O O R I E N T E 
Q U IT E R IA N Ó P O L IS 
A M O N T A D A 
Á rea Irrig a d a 
4.00 0 ha 
P E D R A B R A N C A 
B a n a n a 
T R A I RIP 
A R A I P A B A 
S E N A D O R 
P O M P E U 
P E N T E C O S T E C A U C A IA 
M IL H Ã 
M U L U N G U 
A R A T U B A 
S O L O N Ó P O L E 
P A C A T U B A A Q U I R A Z 
A C A R A P E 
R E D E N Ç Ã O 
J A G U A R E T A M A 
J A G U A R IB A R A 
F O R T IM 
A R A C A T I 
I T A I Ç A B A 
G ra v io la 
R U S S A S J A G U A R U A N A 
A LT O S A N T O 
IR A C E M A P O T IR E T A M A 
E R E R Ê 
P E R E IR O 
J A G U A R IB E 
O R Ó S 
IC Ó 
U M A R I 
B A IX IO 
Q U IX E L Ô 
C E D R O 
L A V R A S D A 
M A N G A B E IR A 
V Á R Z E A 
A L E G R E IP A U M IR I M 
G R A N J E I R O 
C A R I R IA Ç U 
F A R IA S B R I T O 
A L T A N E I R A 
N O V A O L IN D A 
S A N T A N A 
D O C A R IR I C R A T O 
A U R O R A 
B A R R O 
M IL A G R E S 
M A U R IT I 
B R E J O 
J U A Z E IR O 
D O 
N O R T E 
M IS S Ã O 
V E L H A 
P O R T E IR A S S A N T O 
J A T I 
P E N A F O R T E 
B A R B A L H A 
J A R D I M 
A B A IA R A 
IG U A T U 
J U C Á S 
C A R IÚ S 
T A R R A F A S 
S A N T A Q U IT É R IA 
A S S A R É 
C A M P O S S A L E S P O T E N G I 
S A L IT R E A R A R IP E 
S A B O E I R O 
A IU A B A 
A N T O N I N A 
D O N O R T E 
A C O P I A R A 
M O M B A Ç A 
T A U Á 
A R N E I R O Z 
C A T A R IN A 
P A R A M B U 
D E P. IR A P U A N 
P IN H E I R O 
P IQ U E T 
C A R N E I R O 
IP U 
H I D R O L Â N D IA 
C A T U N D A 
N O V A R U S S A S 
T A M B O R I L 
B O A V IA G E M 
M A D A L E N A 
C H O R Ó 
Q U IX A D Á 
Q U IX E R A M O B IM 
B A N A B U I Ú 
I B A R E T A M A 
IB IC U IT I N G A 
M O R A D A N O V A 
Q U IX E R É 
C o c o 
B a n a n a 
I C A P U Í 
P A L H A N O 
L IM O E IR O 
D O N O R T E 
T A B U L E IR O 
D O N O R T E 
S Ã O J O Ã O D O 
J A G U A R I B E 
M O N S E N H O R 
T A B O S A 
S Ã O B E N E D IT O 
M U C A M B O 
P A C U J Á 
G R A Ç A R E R I U T A B A 
V A R J O T A 
F R E C H E I R IN H A 
U B A J A R A 
C O R E A Ú 
A L C Â N T A R A S 
S O B R A L 
F O R Q U IL H A 
J I J O C A D E 
J E R IC O A C O A R A 
C R U Z 
A C A R A Ú IT A R E M A 
B E L A C R U Z 
M A R C O 
M O R R IN H O S 
S A N TA N A 
D O 
A C A R A Ú 
M E R U O C A M IR A ÍM A 
IT A P IP O C A 
S Ã O G O N Ç A L O 
D O A M A R A N T E 
T U R U R U 
U M I R I M 
S Ã O L U IS 
D O C U R U 
U R U B U R E T A M A 
IT A P A J É 
I R A U Ç U B A 
T E J U Ç U O C A A P U I A R É S 
M A R A C A N A Ú E U S É B IO 
IT A I T IN G A 
P IN D O R E TA M A 
P A L M Á C I A G U A IÚ B A H O R IZ O N T E 
P A C O T I 
G U A R A M IR A N G A 
B A T U R I T É 
A R A C O IA B A 
C A P IS T R A N O O C A R A 
IT A P IÚ N A 
P A C A J Ú S 
C A S C A V E L 
B E B E R IB E 
C H O R O Z IN H O 
B A R R E I R A 
M A R A N G U A P E 
F O R TA L E Z A 
P A R A M O T I 
C A R ID A D E 
C A N I N D É 
IT A T IR A 
G E N E R A L S A M P A IO 
P A R A C U R U 
4 
m un ic íp io s 
Po lo 
C e n t ro 
Su l 
15 
m un ic íp io s 
Po lo 
Baix o 
Jag u arib e 
8 
m u n ic íp io s 
Po lo 
C ariri 
Á rea Irrig a d a 
15.0 00 ha 
A t a 
M am ã o 
Á rea Irrig a d a 
30.0 00 ha 
A b a ca xi 
B a n a n a 
M e lã o 
M e lan c ia 
G o ia b a 
M a n g a 
U v a 
Á rea Irrig a d a 
8.00 0 ha 
B a n a n a 
G o iab a 
B a n a n a 
U v a 
Á rea Irrig a d a 
6.00 0 ha 
Fruta s 
Fru ta s 
Fru ta s 
Fru ta s 
Fru ta s 
Á rea Irrig á v el 
30.0 00 ha 
Fru ta s 
Flo re s 
Á rea Irrig a d a 
12.0 00 ha 
Ho rt a liç a s Flo re s 
Ro sa s 
C risâ n t e m o s 
G y p so p h ila 
B u lb o s 
C it r o s 
Á rea Irrig á v e l 
20.0 00 ha 
Flo re s 
O rn am e n t a is 
Fo lh ag en s 
Á rea Irrig á v el 
65.0 00 ha 
Sem e n te s 
A lg o d ã o 
S o ja M ilh o 
Fe ijã o 
C a pim 
Irrig a d o 
Á rea Irrig á v el 
30.0 00 ha 
Á rea Irrig á v el 
20.0 00 ha 
H o rt a liç a s 
8 mil ha com hortaliças 
e produtos da floricultura 
41 mil hectares de: 
capim, arroz, feijão, 
cana, etc.
Combate a pragas quarentenárias presentes e PNQR de relevância para a fruticultura tropical
Combate a pragas quarentenárias presentes e PNQR de relevância para a fruticultura tropical
AGRICULTURA 
IRRIGADA 
Ceará: Ag. Irrigada x Ag. Segueiro (2011) 
Área (mil ha) Produção (mil t) 
Ag. Segueiro 1.969 95,6% 5.834 68,4% 
Ag. Irrigada 91 4,4% 2.704 31,6% 
Total 2.059 100,0% 8.538 100,0% 
Indicadores da Agricultura Irrigada (1999 – 2011) 
Produtos 
Área (ha) 
1.999 2011 
Exportações 
(US$ mil) 
1.999 2011 
Empregos 
Diretos 
1.999 2011 
Valor da 
Produção(R$ mil) 
1.999 2011 
Flores 25 323 2.390 142.700 64 3.975 199 2.958 
Frutas 17.957 40.938 75.809 805.031 1.934 117.037 9.628 23.044 
Hortaliças 3.599 7.900 16.455 182.083 6.101 18.043 
Outros produtos (*) 32.239 40.507 36.731 138.208 17.584 16.195 
Total 53.820 89.668 131.385 1.268.022 1.998 121.012 33.513 60.240 
Fonte: IBGE, SDA, Instituto Agropolos do Ceará, Perímetros Públicos, CEASA-CE 
Elaboração: ADECE 
(*) Arroz, cana de açúcar, feijão, capineira e outros. 
Mundo: 18% da Área = 46% da 
Produção 
Brasil: 6% da Área = 16% da 
Produção 
Ceará: 4,4% da Área = 31,6% da 
Produção
Participação Familiar na produção dos principais 
produtos agrícolas rurais do Ceará 
FFEEIIJJÃÃOO -- 8866%% MMIILLHHOO -- 881%% MMAANNDDIIOOCCAA -- 661%% 
AARRRROOZZ -- 9900%% 
FFUUMMOO -- 9900%% 
AALLGGOODDÃÃOO -- 7700%% 
FFRRUUTTAASS -- 5555%% CCAANNAA -- 422%% 
Fonte: SDA
Workshop Ameaças Fitossanitárias - Fortaleza – 25/09/2014 
PRAGAS 
QUARENTENÁRIAS
Workshop Ameaças Fitossanitárias - Fortaleza – 25/09/2014 
TERMOS FITOSSANITÁRIOS 
PRAGA: Qualquer espécie, raça ou biótipo de planta, animal ou agente 
patogênico, nocivos a plantas ou produtos vegetais [FAO, 1990]. 
Exemplos: Insetos, fungos, bactérias, vírus, nematoides, ácaros, plantas 
daninhas, etc. 
ANÁLISE DE RISCO DE PRAGAS: O processo de avaliação de 
evidências biológicas, científicas e econômicas para determinar se uma 
praga deve ser regulamentada e a intensidade de quaisquer medidas 
fitossanitárias a serem aplicadas para seu controle [FAO, 1995]. 
PRAGA REGULAMENTADA: Uma praga quarentenária ou uma praga 
não quarentenária regulamentada [CIPV, 1997]. 
EXTREMAMENTE DANOSA → AÇÃO DO PODER PÚBLICO
Workshop Ameaças Fitossanitárias - Fortaleza – 25/09/2014 
PRAGA QUARENTENÁRIA: 
- PRAGA QUARENTENÁRIA AUSENTE (A1): Praga de 
importância econômica potencial para uma área em perigo, porém 
não presente no território nacional [Anexo I da IN MAPA Nº 
59/2013], [415]. 
- PRAGA QUARENTENÁRIA PRESENTE (A2): Praga de 
importância econômica potencial para uma área em perigo, 
presente no país, porém não amplamente distribuída e encontra-se 
sob controle oficial [Anexo II da IN MAPA Nº 59/2013], [14]. 
PRAGA NÃO QUARENTENÁRIA REGULAMENTADA: Uma praga 
não quarentenária cuja presença em plantas para plantio afeta o uso 
proposto dessas plantas, com um impacto econômico inaceitável.
Workshop Ameaças Fitossanitárias - Fortaleza – 25/09/2014 
RESUMO 
PRAGA 
Análise de Risco de 
Pragas 
PRAGA REGULAMENTADA 
PRAGA QUARENTENÁRIA PRAGA NÃO QUARENTENÁRIA 
REGULAMENTADA 
PRAGA QUARENTENÁRIA AUSENTE 
PRAGA QUARENTENÁRIA PRESENTE
PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [ÁCAROS] - 
Ácaro Vermelho das Palmeiras 
[Raoiella indica] 
BRASIL 
HOSPEDEIROS: 65 espécies [açaí, 
bananeira, buriti, coqueiro, 
dendenzeiro, helicônia, 
palmeiras, tamareira, ...] 
HOSPEDEIROS: 65 espécies [açaí, 
bananeira, buriti, coqueiro, 
dendenzeiro, helicônia, 
palmeiras, tamareira, ...]
PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [ÁCAROS] - 
BRASIL 
Ácaro Hindu dos Citros 
[Schizotetranychus hindustanicus] 
HOSPEDEIROS: Citros, 
coqueiro, nim, sorgo, 
acácia e cinamomo (Melia 
azedarach). 
HOSPEDEIROS: Citros, 
coqueiro, nim, sorgo, 
acácia e cinamomo (Melia 
azedarach).
PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [INSETOS] 
- BRASIL 
Mosca Negra dos Citros 
[Aleurocanthus woglumi] 
HOSPEDEIROS: Abacate, álamo, 
amora, ardisia, bananeira, 
buxinho, café, caju, carambola, 
cherimóia, citros, dama da noite, 
gengibre, goiaba, graviola, 
grumixama, hibisco, jasmim-manga, 
HOSPEDEIROS: Abacate, álamo, 
amora, ardisia, bananeira, 
buxinho, café, caju, carambola, 
cherimóia, citros, dama da noite, 
gengibre, goiaba, graviola, 
grumixama, hibisco, jasmim-manga, 
lichia, louro, mamão, 
lichia, louro, mamão, 
manga, maracujá, marmelo, murta, 
pêra, pinha, romã, rosa, sapoti e 
uva. 
manga, maracujá, marmelo, murta, 
pêra, pinha, romã, rosa, sapoti e 
uva.
PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [INSETOS] 
- BRASIL 
Mosca da Carambola 
[Bactrocera carambolae] 
HOSPEDEIROS: Carambola, 
goiaba, jamo vermelho, laranja, 
maçaranduba, arapaju, mararaju, 
manga, acerola, amendoeira, 
bacupari, bilimbi, cajazeiro, caju, 
fruta pão, jaca, jambo branco, 
jambo rosa, limão, pitangueira, 
tangerina e tomate. 
HOSPEDEIROS: Carambola, 
goiaba, jamo vermelho, laranja, 
maçaranduba, arapaju, mararaju, 
manga, acerola, amendoeira, 
bacupari, bilimbi, cajazeiro, caju, 
fruta pão, jaca, jambo branco, 
jambo rosa, limão, pitangueira, 
tangerina e tomate.
PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [INSETOS] 
- BRASIL 
Cochonilha do Carmim 
[Dactylopius opuntiae] 
HOSPEDEIROS: HOSPEDEIROS: P Paalmlmaa f foorrrraaggeeiriraa
PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [INSETOS] 
- BRASIL 
Broca Conígera 
[Sinoxylon conigerum] 
HOSPEDEIROS: Bálsamo, caju, 
flamboyant (Delonix regia), 
mandioca, manga, mogno, 
seringueira e teca. 
HOSPEDEIROS: Bálsamo, caju, 
flamboyant (Delonix regia), 
mandioca, manga, mogno, 
seringueira e teca.
PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [FUNGOS] - 
BRASIL 
Sigatoka Negra 
[Mycosphaerella fijiensis] 
HOSPEDEIROS: Bananeira e 
helicônias. 
HOSPEDEIROS: Bananeira e 
helicônias.
PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [FUNGOS] - 
BRASIL 
Pinta Preta dos Citros 
[Guignardia citricarpa (= Phyllosticta 
citricarpa)] 
HHOOSSPPEEDDEEIIRROOSS: :C Ciittrrooss..
PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [FUNGOS] - 
BRASIL 
Cancro Europeu das Pomáceas 
[Neonectria galligena (= Nectria 
galligena)] 
HOSPEDEIROS: Acácia, maçã, 
pêra e marmeleiro. 
HOSPEDEIROS: Acácia, maçã, 
pêra e marmeleiro.
PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [BACTÉRIAS] 
- BRASIL 
Cancro Cítrico 
[Xanthomonas citri subsp. citri (= 
Xanthomonas axonopodis pv. citri)] 
HOSPEDEIROS: Citros, Fortunella 
spp. e Poncirus spp. 
HOSPEDEIROS: Citros, Fortunella 
spp. e Poncirus spp.
PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [BACTÉRIAS] 
- BRASIL 
Greening (Huanglongbing - HLB) 
[Candidatus Liberibacter spp.] 
HOSPEDEIROS: Citros, Fortunella 
spp., Poncirus spp. e murta. 
HOSPEDEIROS: Citros, Fortunella 
spp., Poncirus spp. e murta.
PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [BACTÉRIAS] 
- BRASIL 
Moko da Bananeira 
[Ralstonia solanacearum raça 2] 
HOSPEDEIROS: Bananeira e 
helicônias 
HOSPEDEIROS: Bananeira e 
helicônias
PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [BACTÉRIAS] 
- BRASIL 
Cancro Bacteriano da Videira 
[Xanthomonas campestris pv. viticola] 
HHOOSSPPEEDDEEIIRROOSS: :V Viiddeeiirraa
PROJETOS DA DISAV 
1) PREVENÇÃO E CONTROLE DE VIROSES DO MAMOEIRO 
2) MANUTENÇÃO DA ÁREA LIVRE DE ANASTREPHA GRANDIS 
3) PREVENÇÃO E CONTROLE DA COCHONILHA DO CARMIM 
4) FISCALIZAÇÃO DO USO DE AGROTÓXICOS 
5) PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS DOS CITROS 
6) PREVENÇÃO E CONTROLE DO CANCRO DA VIDEIRA 
7) MANUTENÇÃO DA ÁREA LIVRE DE SIGATOKA NEGRA 
8) MANUTENÇÃO DA ÁREA LIVRE DE MOKO DA BANANEIRA 
9) FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE SEMENTES E MUDAS 
10) PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS NAS CEASAS 
11) PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS EM PLANTAS ORNAMENTAIS 
12) CONTROLE DO TRÂNSITO DE VEGETAIS 
13) CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA 
14) PREVENÇÃO E CONTROLE DA COCHONILHA ROSADA 
15) PREVENÇÃO E CONTROLE DE HELICOVERPA ARMIGERA
PRAGA QUARENTENÁRIA 
PRESENTE 
[SEM OCORRÊNCIA NO 
CEARÁ]
SIGATOKA NEGRA
SIGATOKA NEGRA 
- DOENÇA MAIS GRAVE DA BANANEIRA 
- AGENTE CAUSAL: FUNGO Mycosphaerella fijiensis 
- PRIMEIRO RELATO: Vale de Sigatoka / Ilhas Fiji [1963] 
- NO BRASIL: Amazonas [fevereiro de 1998] 
- PRAGA QUARENTENÁRIA PRESENTE 
- OCORRÊNCIA NO BRASIL: 
• 1999: AC 
• 2001: AP, RO e RR 
• 2002: PA 
• 2004: MT, SC e RS 
• 2005: MG, SP, PR e MS 
• 2010: TO 
• 2013: MA 
• 2014: RJ
SIGATOKA NEGRA 
HOSPEDEIROS 
Banana e helicônias
MANUTENÇÃO DAS ÁREAS LIVRES DE SIGATOKA NEGRA E MOKO 
PAPEL DA ADAGRI 
AÇÕES PERMANENTES 
- CONTROLE DO TRÂNSITO DE BANANA E DE HELICÔNIAS 
- INSPEÇÃO FITOSSANITÁRIA NAS ÁREAS DE RISCOS 
- FISCALIZAÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA 
- EMISSÃO DA PERMISSÃO DE TRÂNSITO DE VEGETAIS (PTV) 
- EDUCAÇÃO SANITÁRIA
SIGATOKA NEGRA E MOKO 
- CONTROLE DO TRÂNSITO DE BANANA E HELICÔNIAS: 
• Postos de Vigilância Zoofitossanitária 
• Blitzes nas divisas 
• Ingresso nas CEASAs
SIGATOKA NEGRA E MOKO 
- INSPEÇÃO FITOSSANITÁRIA NAS ÁREAS DE RISCOS: 
• Pomares próximos a rodovias, aeroportos, portos, 
CEASAs 
• Viveiros
SIGATOKA NEGRA E MOKO 
- EMISSÃO DA PERMISSÃO DE TRÂNSITO DE VEGETAIS - PTV 
• Inspeção das partidas (cargas) de banana e de 
helicônias
SIGATOKA NEGRA E MOKO 
- EDUCAÇÃO SANITÁRIA 
• Palestras, cursos, material técnico-educativo, etc.
SIGATOKA NEGRA E MOKO 
- EDUCAÇÃO SANITÁRIA 
Palestras, cursos, material técnico-educativo, 
etc.
PRAGA QUARENTENÁRIA 
PRESENTE 
[COM OCORRÊNCIA NO 
CEARÁ]
CANCRO CÍTRICO
CANCRO CÍTRICO 
- 
- AGENTE CAUSAL: BACTÉRIA 
• Xanthomonas citri subsp. citri / Xanthomonas 
axonopodis pv. citri 
- HOSPEDEIROS: Citrus spp., Fortunella spp. e Poncirus 
spp. 
- PRIMEIRO RELATO: Inglaterra [1827] 
- EUA: 1910 [Erradicação de 12,6 milhões de plantas 
desde 1996] 
- BRASIL: Presidente Prudente – SP [1957] – Mudas do 
Japão 
- PRAGA QUARENTENÁRIA PRESENTE 
- PREJUÍZOS: SP e MG [40 milhões de reais/ano ] 
- LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA: 57
CANCRO CÍTRICO 
- CONTROLE: PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E MIP 
- EFICÁCIA: ATÉ 1996 
- MINADOR DOS CITROS
DETECÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ 
- PROJETO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS DOS 
CITROS 
- CONVÊNIO Nº 744510/2010/MAPA/SFA-CE/ADAGRI-CE 
- HISTÓRICO: 
• Suspeita em mudas de limão [07/12/2011] 
• Viveiro de plantas ornamentais [Beberibe - CE]
DETECÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ 
- PROJETO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS DOS 
CITROS 
- CONVÊNIO Nº 744510/2010/MAPA/SFA-CE/ADAGRI-CE 
- HISTÓRICO: 
• Suspeita em mudas de limão [07/12/2011] 
• Viveiro de plantas ornamentais [Beberibe – CE] 
• Análise laboratorial oficial 
• Resultado da análise [03/01/2012] 
• Comunicação ao SISV/SFA-CE/MAPA [03/01/2012] 
- IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE CONTINGÊNCIA: 
• Portaria MAPA nº 291/1997 
• Viveiro: Destruição de todas as mudas e plantas cítricas 
[05/01/2012] 
• Interdição parcial do viveiro por 02 (dois) anos 
• Levantamento de Delimitação em Beberibe [05/01/2012] 
• Levantamento de Detecção em Pacajus [05/01/2012] 
• Encaminhamento de Relatórios para o DSV/MAPA
CANCRO CÍTRICO 
- OCORRÊNCIA NO BRASIL: IN MAPA Nº 59/2013
SITUAÇÃO ATUAL NO ESTADO DO CEARÁ 
EXECUÇÃO DO PLANO DE 
ERRADICAÇÃO
•Mapeamento espacial de áreas 
com Cancro Cítrico
Quantitativo de plantas cítricas destruídas por município. Ceará, 2010/2012. 
MUNICIPIO FOCO PERIFOCO 
AQUIRAZ 0 1 
BEBERIBE 76 0 
EUSÉBIO 66 2 
FORTALEZA 604 474 
PACAJUS 4500 3863 
PARACURU 2505 0 
LIMOEIRO DO NORTE 17 0 
SÃO BENEDITO 575190 81800 
TOTAL 582958 86140 
TOTAL GERAL 669098
Combate a pragas quarentenárias presentes e PNQR de relevância para a fruticultura tropical
Combate a pragas quarentenárias presentes e PNQR de relevância para a fruticultura tropical
PROCEDIMENTOS PARA O TRÂNSITO 
- TODO PRODUTOR QUE PRETENDA TRANSPORTAR FRUTOS, 
MUDAS OU QUALQUER MATERIAL PROPAGATIVO DE CITROS PARA 
OUTROS ESTADOS DEVERÁ PROCURAR UM DOS ESCRITÓRIOS DA 
ADAGRI PARA SE ADEQUAR AO SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO 
FITOSSANITÁRIA DE ORIGEM; 
- AS CARGAS DE CITROS COM DESTINO A OUTROS OUTROS 
ESTADOS DEVEM ESTAR SEMPRE ACOMPANHADAS DE 
PERMISSÃO DE TRÂNSITO DE VEGETAIS – PTV.
PRAGA QUARENTENÁRIA 
[PAÍS IMPORTADOR]
ANASTREPHA GRANDIS
ANASTREPHA GRANDIS 
- MOSCA SUL-AMERICANA DAS CUCURBITÁCEAS 
- HOSPEDEIROS: MELÃO, MELANCIA, ABÓBORA E PEPINO 
- DANOS DIRETOS: ALIMENTAÇÃO DA POLPA 
- DANOS INDIRETOS: PORTA DE ENTRADA PARA 
MICRORGANISMOS 
- NO BRASIL: RESTRIÇÕES PARA EXPORTAÇÃO DE FRUTOS 
FRESCOS
ANASTREPHA GRANDIS 
- OCORRÊNCIA NO BRASIL:
ANASTREPHA GRANDIS 
- ESTADO DO CEARÁ: 
• Área Livre de Anastrepha grandis desde 2003 
• Portaria SDA/MAPA nº 150/2003 
• Ceará e Rio Grande do Norte: únicas ALPs da 
América Latina 
- QUAL A IMPORTÂNCIA DA ÁREA LIVRE PARA O ESTADO DO 
CEARÁ: 
Possibilita a exportação de frutos frescos de melão, 
melancia, abóbora e pepino para países que exigem 
Declaração Adicional de produção em Área Livre de 
Anastrepha grandis, sem necessidade de realizar 
qualquer tipo de tratamento quarentenário pós-colheita 
Possibilita a exportação de frutos frescos de melão, 
melancia, abóbora e pepino para países que exigem 
Declaração Adicional de produção em Área Livre de 
Anastrepha grandis, sem necessidade de realizar 
qualquer tipo de tratamento quarentenário pós-colheita 
nos frutos. 
nos frutos.
Combate a pragas quarentenárias presentes e PNQR de relevância para a fruticultura tropical
MANUTENÇÃO DA ÁREA LIVRE DE ANASTREPHA GRANDIS 
QUAL O PAPEL DA ADAGRI? 
AÇÕES PERMANENTES 
- CONTROLE DO TRÂNSITO DE CUCURBITÁCEAS 
- MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO 
- FISCALIZAÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA 
- EDUCAÇÃO SANITÁRIA
CONTROLE DO TRÂNSITO DE CUCURBITÁCEAS 
- POSTOS DE VIGILÂNCIA 
ZOOFITOSSANITÁRIA 
- BLITZES
CONTROLE DO TRÂNSITO DE CUCURBITÁCEAS 
- É PROIBIDA A ENTRADA NOS MUNICÍPIOS DE ARACATI, ICAPUÍ, 
ITAIÇABA, JAGUARUANA, LIMOEIRO DO NORTE, RUSSAS E 
QUIXERÉ DE FRUTOS FRESCOS DE MELÃO, MELANCIA, ABÓBORA 
E PEPINO QUE NÃO SEJAM PRODUZIDOS EM ÁREA LIVRE OU EM 
SISTEMA DE MITIGAÇÃO DE RISCO PARA A PRAGA ANASTREPHA 
GRANDIS; 
- O TRÂNSITO DE FRUTOS FRESCOS DE MELÃO, MELANCIA, 
ABÓBORA E PEPINO NA ÁREA LIVRE SOMENTE SERÁ PERMITIDO 
MEDIANTE A APRESENTAÇÃO DO CERTIFICADO FITOSSANITÁRIO 
DE ORIGEM – CFO.
MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO 
- LOCAIS DE RISCO: LOCAIS COM MAIOR PROBABILIDADE DE 
OCORRÊNCIA DE ANASTREPHA GRANDIS. 
Exemplos: Regiões próximas a portos, aeroportos, CEASAS, 
empresas exportadoras de cucurbitáceas e rodovias
MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO 
- ARMADILHA MCPHAIL 
- ATRATIVO ALIMENTAR: PROTEÍNA HIDROLISADA 5%
MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO 
- ARMADILHA MCPHAIL 
- ATRATIVO ALIMENTAR: PROTEÍNA 
HIDROLISADA 5% 
- COLETA: SEMANAL 
- TRIAGEM NA ADAGRI 
- DIAGNOSE EM LABORATÓRIO OFICIAL
MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO 
MUNICÍPIO: Aracati [CE] – Unidade Local de Aracati 
Armadilha 23.01109.001 [McPhail] - [Aeroporto Internacional 
de Aracati] 
Latitude: 04°34'11.03'' S / Longitude: 37°48'05.66'' O
MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO 
MUNICÍPIO: Aracati [CE] – Unidade Local de Aracati 
Armadilha 23.01109.002 [McPhail] - [Terminal Rodoviário de 
Aracati] 
Latitude: 04°34'18.44'' S / Longitude: 37°46'28.19'' O
MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO 
MUNICÍPIO: Aracati [CE] – Unidade Local de Aracati 
Armadilha 23.01109.003 [McPhail] - [PVZ/SEFAZ] 
Latitude: 04°37'08.68'' S / Longitude: 37°39'01.32'' O
MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO 
MUNICÍPIO: Aracati [CE] – Unidade Local de Aracati 
Armadilha 23.01109.004 [McPhail] – [Feira livre com venda de 
cucurbitáceas] 
Latitude: 04°33'45.98'' S / Longitude: 37°45'53.87'' O
FISCALIZAÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA 
- MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS NAS UNIDADES DE 
PRODUÇÃO
FISCALIZAÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA 
- MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS NAS UNIDADES DE 
PRODUÇÃO
FISCALIZAÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA 
- LIVRO DE ACOMPANHAMENTO: 
- Dados da origem da semente ou muda; 
- Espécie; 
- Variedade/Cultivar; 
- Área plantada por variedade /cultivar; 
- Dados do monitoramento da praga; 
- Resultados das análises laboratoriais realizadas; 
- Anotações das principais ocorrências fitossanitárias; 
- Ações de prevenção e método de controle adotado; 
- Estimativa da produção; 
- Tratamentos fitossanitários com fins quarentenários; 
- Dados da colheita e manejo pós-colheita.
FISCALIZAÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA 
- EMISSÃO DE RELATÓRIOS: 
- CFOs/CFOCs emitidos; 
- Monitoramento de moscas da frutas.
"Nunca se afaste de seus sonhos, pois se eles se 
forem, você continuará vivendo, mas terá deixado 
de existir". 
•Charles Chaplin
OBRIGADO! 
José Tito Carneiro Silva 
Engenheiro Agrônomo 
Diretor de Sanidade Vegetal 
AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO CEARÁ 
ADAGRI 
Av. Bezerra de Menezes, 1820 – Bairro São Gerardo – 
Fortaleza – Ceará - Brasil 
(85) 88788718 
tito.carneiro@adagri.ce.gov.br 
titomro@yahoo.com.br 
www.adagri.ce.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoTecnologia de Aplicação
Tecnologia de Aplicação
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Aplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolasAplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolas
Marcos Ferreira
 
Planejamento e plantio de sorgo e milheto
Planejamento e plantio de sorgo e milheto Planejamento e plantio de sorgo e milheto
Planejamento e plantio de sorgo e milheto
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiro
Geagra UFG
 
Girassol Adubação Verde
Girassol Adubação VerdeGirassol Adubação Verde
Girassol Adubação Verde
Az. O.
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
Killer Max
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
Ítalo Arrais
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
Geagra UFG
 
Sistemas de Irrigação no Arroz
Sistemas de Irrigação no ArrozSistemas de Irrigação no Arroz
Sistemas de Irrigação no Arroz
Geagra UFG
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
André Fontana Weber
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Ítalo Arrais
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
MateusGonalves85
 
Pragas quarentenárias
Pragas quarentenáriasPragas quarentenárias
Pragas quarentenárias
Geagra UFG
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
Geagra UFG
 
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiroapostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
Bruno Da Montanha
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
Jadson Belem de Moura
 

Mais procurados (20)

Tecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoTecnologia de Aplicação
Tecnologia de Aplicação
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Aplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolasAplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolas
 
Planejamento e plantio de sorgo e milheto
Planejamento e plantio de sorgo e milheto Planejamento e plantio de sorgo e milheto
Planejamento e plantio de sorgo e milheto
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiro
 
Girassol Adubação Verde
Girassol Adubação VerdeGirassol Adubação Verde
Girassol Adubação Verde
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
 
Sistemas de Irrigação no Arroz
Sistemas de Irrigação no ArrozSistemas de Irrigação no Arroz
Sistemas de Irrigação no Arroz
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
 
Pragas quarentenárias
Pragas quarentenáriasPragas quarentenárias
Pragas quarentenárias
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiroapostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 

Destaque

II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
Oxya Agro e Biociências
 
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
Oxya Agro e Biociências
 
Pragas quarentenárias de relevância para o estado do Rio Grande do Sul
Pragas quarentenárias de relevância para o estado do Rio Grande do SulPragas quarentenárias de relevância para o estado do Rio Grande do Sul
Pragas quarentenárias de relevância para o estado do Rio Grande do Sul
Oxya Agro e Biociências
 
Ameaças Fitossanitárias para o Brasil – A visão da Indústria
Ameaças Fitossanitárias para o Brasil – A visão da IndústriaAmeaças Fitossanitárias para o Brasil – A visão da Indústria
Ameaças Fitossanitárias para o Brasil – A visão da Indústria
Oxya Agro e Biociências
 
IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...
IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...
IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...
Oxya Agro e Biociências
 
Melao Hib Meloro
Melao Hib MeloroMelao Hib Meloro
Melao Hib Meloro
Semesul
 
Procedimentos legais no transito interestadual de vegetais citros
Procedimentos legais no transito interestadual de vegetais citrosProcedimentos legais no transito interestadual de vegetais citros
Procedimentos legais no transito interestadual de vegetais citros
Raimundo Cunha
 
A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...
A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...
A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...
Oxya Agro e Biociências
 
Procedimentos legais no transito interestadual de vegetais de citros
Procedimentos legais no transito interestadual de vegetais de citrosProcedimentos legais no transito interestadual de vegetais de citros
Procedimentos legais no transito interestadual de vegetais de citros
Raimundo Cunha
 
A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...
A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...
A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...
Izabella Menezes
 
Seu melão
Seu melãoSeu melão
Seu melão
katcilperoli
 
Novas pragas em grandes culturas no Brasil
Novas pragas em grandes culturas no BrasilNovas pragas em grandes culturas no Brasil
Novas pragas em grandes culturas no Brasil
Oxya Agro e Biociências
 
IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...
IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...
IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...
Oxya Agro e Biociências
 
Manual de pragas 2015
Manual de pragas 2015Manual de pragas 2015
Manual de pragas 2015
Intacta
 
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
Oxya Agro e Biociências
 
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropicalPragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Oxya Agro e Biociências
 
Adece estratégias agronegócio ce março2013_ligth
Adece estratégias agronegócio ce março2013_ligthAdece estratégias agronegócio ce março2013_ligth
Adece estratégias agronegócio ce março2013_ligth
Sergio Baima
 
Fertilização melancia, melão e meloa
Fertilização melancia, melão e  meloaFertilização melancia, melão e  meloa
Fertilização melancia, melão e meloa
Joaquim Pedro
 
Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...
Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...
Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...
PNMF
 
Cultivo do melão ykesaky terson
Cultivo do melão   ykesaky tersonCultivo do melão   ykesaky terson
Cultivo do melão ykesaky terson
Ykesaky Terson
 

Destaque (20)

II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
 
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
 
Pragas quarentenárias de relevância para o estado do Rio Grande do Sul
Pragas quarentenárias de relevância para o estado do Rio Grande do SulPragas quarentenárias de relevância para o estado do Rio Grande do Sul
Pragas quarentenárias de relevância para o estado do Rio Grande do Sul
 
Ameaças Fitossanitárias para o Brasil – A visão da Indústria
Ameaças Fitossanitárias para o Brasil – A visão da IndústriaAmeaças Fitossanitárias para o Brasil – A visão da Indústria
Ameaças Fitossanitárias para o Brasil – A visão da Indústria
 
IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...
IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...
IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...
 
Melao Hib Meloro
Melao Hib MeloroMelao Hib Meloro
Melao Hib Meloro
 
Procedimentos legais no transito interestadual de vegetais citros
Procedimentos legais no transito interestadual de vegetais citrosProcedimentos legais no transito interestadual de vegetais citros
Procedimentos legais no transito interestadual de vegetais citros
 
A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...
A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...
A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...
 
Procedimentos legais no transito interestadual de vegetais de citros
Procedimentos legais no transito interestadual de vegetais de citrosProcedimentos legais no transito interestadual de vegetais de citros
Procedimentos legais no transito interestadual de vegetais de citros
 
A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...
A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...
A IMPORTANCIA DA FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO INTERESTADUAL DE PRODUTOS AGROPECUÁ...
 
Seu melão
Seu melãoSeu melão
Seu melão
 
Novas pragas em grandes culturas no Brasil
Novas pragas em grandes culturas no BrasilNovas pragas em grandes culturas no Brasil
Novas pragas em grandes culturas no Brasil
 
IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...
IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...
IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...
 
Manual de pragas 2015
Manual de pragas 2015Manual de pragas 2015
Manual de pragas 2015
 
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
 
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropicalPragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
 
Adece estratégias agronegócio ce março2013_ligth
Adece estratégias agronegócio ce março2013_ligthAdece estratégias agronegócio ce março2013_ligth
Adece estratégias agronegócio ce março2013_ligth
 
Fertilização melancia, melão e meloa
Fertilização melancia, melão e  meloaFertilização melancia, melão e  meloa
Fertilização melancia, melão e meloa
 
Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...
Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...
Prevenção da entrada e manejo de pragas quarentenárias: Proposição de arranjo...
 
Cultivo do melão ykesaky terson
Cultivo do melão   ykesaky tersonCultivo do melão   ykesaky terson
Cultivo do melão ykesaky terson
 

Semelhante a Combate a pragas quarentenárias presentes e PNQR de relevância para a fruticultura tropical

clave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdf
clave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdfclave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdf
clave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdf
CarollDelLourdeLarco
 
arroz avena cebada malta centeno trigo alimentacion animal
arroz avena cebada malta centeno trigo alimentacion animalarroz avena cebada malta centeno trigo alimentacion animal
arroz avena cebada malta centeno trigo alimentacion animal
AngelSnchezEscobar1
 
VTEX Training Day Alessandro Gil
VTEX Training Day   Alessandro GilVTEX Training Day   Alessandro Gil
VTEX Training Day Alessandro Gil
Alessandro Gil
 
Cruzadas 1
Cruzadas 1Cruzadas 1
Cruzadas 1
Lariene Paula
 
Portafolio Francisco Díaz Tazza
Portafolio Francisco Díaz TazzaPortafolio Francisco Díaz Tazza
Portafolio Francisco Díaz Tazza
FranciscoDiazTazza
 
Silabo Diseño de Plantas y Equip
Silabo Diseño de Plantas y EquipSilabo Diseño de Plantas y Equip
Silabo Diseño de Plantas y Equip
andreaca85
 
Sle & saf
Sle & safSle & saf
Sle & saf
pauloalambert
 
JARDIM TERAPÊUTICO - ARQUITETURA HOSPITALAR
JARDIM TERAPÊUTICO - ARQUITETURA HOSPITALARJARDIM TERAPÊUTICO - ARQUITETURA HOSPITALAR
JARDIM TERAPÊUTICO - ARQUITETURA HOSPITALAR
analuisamesquita18
 
Apertura colombia investment summit + ministro de comercio, industria y turismo
Apertura colombia investment summit + ministro de comercio, industria y turismoApertura colombia investment summit + ministro de comercio, industria y turismo
Apertura colombia investment summit + ministro de comercio, industria y turismo
ProColombia
 
patologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabia
patologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabiapatologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabia
patologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabia
IPN
 
Almanaque Olímpico - Ensino Médio.pdf
Almanaque Olímpico - Ensino Médio.pdfAlmanaque Olímpico - Ensino Médio.pdf
Almanaque Olímpico - Ensino Médio.pdf
HumbertoBraga7
 
SEO for Apps
SEO for AppsSEO for Apps
SEO for Apps
GDI Philippines
 
Viatys conseil présentation générale 2016
Viatys conseil présentation générale 2016Viatys conseil présentation générale 2016
Viatys conseil présentation générale 2016
VIATYS conseil
 
Anatomia Ocular.pptx
Anatomia Ocular.pptxAnatomia Ocular.pptx
Anatomia Ocular.pptx
Julio López
 
COMO JUNTAR DINHEIRO PARA AS FÉRIAS.pdf
COMO JUNTAR DINHEIRO PARA AS FÉRIAS.pdfCOMO JUNTAR DINHEIRO PARA AS FÉRIAS.pdf
COMO JUNTAR DINHEIRO PARA AS FÉRIAS.pdf
FATIMA CAVALHEIRO
 
Midia kit
Midia kitMidia kit
Midia kit
Marcio Eugenio
 
Academia GolfRange Campinas
Academia GolfRange CampinasAcademia GolfRange Campinas
Academia GolfRange Campinas
Lucie Hájková
 
050 civ361 ga2
050 civ361 ga2050 civ361 ga2
050 civ361 ga2
Mirko Gutierrez
 
Revistas Síndicos Em Condomínios
Revistas Síndicos Em CondomíniosRevistas Síndicos Em Condomínios
Revistas Síndicos Em Condomínios
Revistas Em Condomínios
 
D I V E R S I D A D E | Publicis Planning Academy 2018
D I V E R S I D A D E | Publicis Planning Academy 2018D I V E R S I D A D E | Publicis Planning Academy 2018
D I V E R S I D A D E | Publicis Planning Academy 2018
Yasmin Suzuki
 

Semelhante a Combate a pragas quarentenárias presentes e PNQR de relevância para a fruticultura tropical (20)

clave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdf
clave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdfclave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdf
clave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdf
 
arroz avena cebada malta centeno trigo alimentacion animal
arroz avena cebada malta centeno trigo alimentacion animalarroz avena cebada malta centeno trigo alimentacion animal
arroz avena cebada malta centeno trigo alimentacion animal
 
VTEX Training Day Alessandro Gil
VTEX Training Day   Alessandro GilVTEX Training Day   Alessandro Gil
VTEX Training Day Alessandro Gil
 
Cruzadas 1
Cruzadas 1Cruzadas 1
Cruzadas 1
 
Portafolio Francisco Díaz Tazza
Portafolio Francisco Díaz TazzaPortafolio Francisco Díaz Tazza
Portafolio Francisco Díaz Tazza
 
Silabo Diseño de Plantas y Equip
Silabo Diseño de Plantas y EquipSilabo Diseño de Plantas y Equip
Silabo Diseño de Plantas y Equip
 
Sle & saf
Sle & safSle & saf
Sle & saf
 
JARDIM TERAPÊUTICO - ARQUITETURA HOSPITALAR
JARDIM TERAPÊUTICO - ARQUITETURA HOSPITALARJARDIM TERAPÊUTICO - ARQUITETURA HOSPITALAR
JARDIM TERAPÊUTICO - ARQUITETURA HOSPITALAR
 
Apertura colombia investment summit + ministro de comercio, industria y turismo
Apertura colombia investment summit + ministro de comercio, industria y turismoApertura colombia investment summit + ministro de comercio, industria y turismo
Apertura colombia investment summit + ministro de comercio, industria y turismo
 
patologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabia
patologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabiapatologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabia
patologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabia
 
Almanaque Olímpico - Ensino Médio.pdf
Almanaque Olímpico - Ensino Médio.pdfAlmanaque Olímpico - Ensino Médio.pdf
Almanaque Olímpico - Ensino Médio.pdf
 
SEO for Apps
SEO for AppsSEO for Apps
SEO for Apps
 
Viatys conseil présentation générale 2016
Viatys conseil présentation générale 2016Viatys conseil présentation générale 2016
Viatys conseil présentation générale 2016
 
Anatomia Ocular.pptx
Anatomia Ocular.pptxAnatomia Ocular.pptx
Anatomia Ocular.pptx
 
COMO JUNTAR DINHEIRO PARA AS FÉRIAS.pdf
COMO JUNTAR DINHEIRO PARA AS FÉRIAS.pdfCOMO JUNTAR DINHEIRO PARA AS FÉRIAS.pdf
COMO JUNTAR DINHEIRO PARA AS FÉRIAS.pdf
 
Midia kit
Midia kitMidia kit
Midia kit
 
Academia GolfRange Campinas
Academia GolfRange CampinasAcademia GolfRange Campinas
Academia GolfRange Campinas
 
050 civ361 ga2
050 civ361 ga2050 civ361 ga2
050 civ361 ga2
 
Revistas Síndicos Em Condomínios
Revistas Síndicos Em CondomíniosRevistas Síndicos Em Condomínios
Revistas Síndicos Em Condomínios
 
D I V E R S I D A D E | Publicis Planning Academy 2018
D I V E R S I D A D E | Publicis Planning Academy 2018D I V E R S I D A D E | Publicis Planning Academy 2018
D I V E R S I D A D E | Publicis Planning Academy 2018
 

Mais de Oxya Agro e Biociências

Flyer eletrônico - simpdcana
Flyer eletrônico - simpdcanaFlyer eletrônico - simpdcana
Flyer eletrônico - simpdcana
Oxya Agro e Biociências
 
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESPSegurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação do Projeto Colmeia Viva
Apresentação do Projeto Colmeia VivaApresentação do Projeto Colmeia Viva
Apresentação do Projeto Colmeia Viva
Oxya Agro e Biociências
 
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitais
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitaisSegurança no recebimento e guarda de documentos digitais
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitais
Oxya Agro e Biociências
 
Sistema GEDAVE
Sistema GEDAVESistema GEDAVE
Sistema GEDAVE
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAsApresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
Oxya Agro e Biociências
 
Boas Práticas Regulatórias
Boas Práticas RegulatóriasBoas Práticas Regulatórias
Boas Práticas Regulatórias
Oxya Agro e Biociências
 
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto RegulatórioBoas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
Oxya Agro e Biociências
 
Campanha contra defensivos agrícolas ilegais
Campanha contra defensivos agrícolas ilegaisCampanha contra defensivos agrícolas ilegais
Campanha contra defensivos agrícolas ilegais
Oxya Agro e Biociências
 
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileiraImpacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
Oxya Agro e Biociências
 
Impacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
Impacto econômico de pragas agrícolas no BrasilImpacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
Impacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
Oxya Agro e Biociências
 
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afinsNovas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
Oxya Agro e Biociências
 
Novas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
Novas Legislações e Procedimentos na área de AgrotóxicosNovas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
Novas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
Oxya Agro e Biociências
 
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicosNovas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
Oxya Agro e Biociências
 
Gestão e Inovação, para quê?
Gestão e Inovação, para quê?Gestão e Inovação, para quê?
Gestão e Inovação, para quê?
Oxya Agro e Biociências
 
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
Oxya Agro e Biociências
 
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVEGestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
Oxya Agro e Biociências
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Oxya Agro e Biociências
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na AnvisaSituação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Oxya Agro e Biociências
 
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
Oxya Agro e Biociências
 

Mais de Oxya Agro e Biociências (20)

Flyer eletrônico - simpdcana
Flyer eletrônico - simpdcanaFlyer eletrônico - simpdcana
Flyer eletrônico - simpdcana
 
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESPSegurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
 
Apresentação do Projeto Colmeia Viva
Apresentação do Projeto Colmeia VivaApresentação do Projeto Colmeia Viva
Apresentação do Projeto Colmeia Viva
 
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitais
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitaisSegurança no recebimento e guarda de documentos digitais
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitais
 
Sistema GEDAVE
Sistema GEDAVESistema GEDAVE
Sistema GEDAVE
 
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAsApresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
 
Boas Práticas Regulatórias
Boas Práticas RegulatóriasBoas Práticas Regulatórias
Boas Práticas Regulatórias
 
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto RegulatórioBoas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
 
Campanha contra defensivos agrícolas ilegais
Campanha contra defensivos agrícolas ilegaisCampanha contra defensivos agrícolas ilegais
Campanha contra defensivos agrícolas ilegais
 
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileiraImpacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
 
Impacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
Impacto econômico de pragas agrícolas no BrasilImpacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
Impacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
 
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afinsNovas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
 
Novas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
Novas Legislações e Procedimentos na área de AgrotóxicosNovas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
Novas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
 
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicosNovas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
 
Gestão e Inovação, para quê?
Gestão e Inovação, para quê?Gestão e Inovação, para quê?
Gestão e Inovação, para quê?
 
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
 
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVEGestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na AnvisaSituação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
 
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
 

Combate a pragas quarentenárias presentes e PNQR de relevância para a fruticultura tropical

  • 2. AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO ESTADO DO CEARÁ - CRIADA PELA LEI Nº 13.496, DE 02 DE JULHO DE 2004 - AUTARQUIA VINCULADA À SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - AUTORIDADE ESTADUAL EM SANIDADE AGROPECUÁRIA - MISSÃO: "Proteger a saúde dos animais e vegetais e propiciar a qualidade sanitária dos produtos "Proteger a saúde dos animais e vegetais e propiciar a qualidade sanitária dos produtos industriais derivados, promovendo a industriais derivados, promovendo a sustentabilidade desses setores e a segurança sustentabilidade desses setores e a segurança alimentar humana." alimentar humana."
  • 3. SISTEMA DEFESA AGROPECUÁRIA MAPA Secretaria de Defesa Agropecuária SESA SEMACE PREF. MUNICIPAL SDA IDACE EMATERCE SSPDS (PM e PRE) AGROPOLOS CEASA CONPAM PRF BNB CREA MP
  • 4. ÁREA DE ATUAÇÃO DA ADAGRI - Abrangência: 184 municípios [100%] - Núcleos Locais: 40 - Postos de Vigilância Zoofitossanitária: 11 - Abrangência: 184 municípios [100%] - Núcleos Locais: 40 - Postos de Vigilância Zoofitossanitária: 11
  • 5. DIRETORIA DE SANIDADE VEGETAL (DISAV)
  • 6. ORGANOGRAMA - DISAV GERÊNCIA DE AVALIAÇÃO DE RISCO GERÊNCIA DE GESTÃO DE RISCO
  • 7. QUADRO TÉCNICO DA DISAV SERVIDOR TOTA L ESPECIALIS TA MESTR E DOUTO R TOTAL PÓS-GRADUAÇÃO Fiscal Agropecuário [Engenheiro Agrônomo] 40 03 15 07 25 [62,5%] Fiscal Agropecuário [Engenheira de Alimentos] 01 - - 01 01 [100%] Fiscal Agropecuário [Bióloga] 01 - - 01 01 [100%] Agente Agropecuário [Técnico] 17 01 - - 01 [5,8%] Cargo Comissionado [Engenheiro Agrônomo] 05 - 04 - 04 [80,0%] TOTAL 64 04 19 09 32 [50,0%]
  • 8. PROJETOS DA DISAV PREVENÇÃO E CONTROLE DE VIROSES DO MAMOEIRO [MANCHA ANELAR, MELEIRA 1 E AMARELO LETAL] 2 MANUTENÇÃO DA ÁREA LIVRE DE ANASTRAPHA GRANDIS PREVENÇÃO E CONTROLE DA COCHONILHA DO CARMIM [DACTYLOPIUS OPUNTIAE] 3 4 FISCALIZAÇÃO DO USO DE AGROTÓXICOS 5 PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS DOS CITROS PREVENÇÃO E CONTROLE DO CANCRO DA VIDEIRA [XANTHOMONAS CAMPESTRIS PV. VITICOLA] 6
  • 9. PROJETOS DA DISAV MANUTENÇÃO DA ÁREA LIVRE DE SIGATOKA NEGRA [MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS] MANUTENÇÃO DA ÁREA LIVRE DE MOKO DA BANANEIRA [RALSTONIA SOLANACEARUM RAÇA 2] FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE SEMENTES E MUDAS PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS NAS CEASAS 7 8 9 10 PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS EM PLANTAS ORNAMENTAIS 11 CONTROLE DO TRÂNSITO 12 DE VEGETAIS
  • 10. PROJETOS DA DISAV CERTIFICAÇÃO 13 FITOSSANITÁRIA PREVENÇÃO E CONTROLE DA COCHONILHA ROSADA [MACONELLICOCCUS HIRSUTUS] 14 15 PREVENÇÃO E CONTROLE DE HELICOVERPA ARMIGERA
  • 11. AGRICULTURA IRRIGADA PÓLOS DE AGRICULTURA IRRIGADA 200 mil ha de área irrigáveis 90 mil ha irrigados (2011): 41 mil ha com frutas (acerola, banana, coco, melão, melancia, mamão, manga, ata, graviola) 9 m un ic íp io s Á rea Irrig á v el 15.0 00 ha Po lo A c e ro la M ara c u já B an a n a Ib iap a b a 14 m un ic íp io s Po lo M e t ro p o lita no 14 m un ic íp io s Po lo Baix o A c araú C A M O C IM B A R R O Q U I N H A C H A V A L G R A N J A M A R T I N Ó P O L E U R U O C A M O R A Ú J O S E N A D O R S Á V IÇ O S A D O C E A R Á T I A N G U Á IB IA P IN A C A R N A U B A L G U A R A C IA B A D O N O R T E C R O A T Á IP U E I R A S P O R A N G A A R A R E N D Á IP A P O R A N G A M A S S A P Ê C A R I R ÉG R O A ÍR A S P IR E S F E R R E IR A C R A T E Ú S IN D E P E N D Ê N C I A N O V O O R I E N T E Q U IT E R IA N Ó P O L IS A M O N T A D A Á rea Irrig a d a 4.00 0 ha P E D R A B R A N C A B a n a n a T R A I RIP A R A I P A B A S E N A D O R P O M P E U P E N T E C O S T E C A U C A IA M IL H Ã M U L U N G U A R A T U B A S O L O N Ó P O L E P A C A T U B A A Q U I R A Z A C A R A P E R E D E N Ç Ã O J A G U A R E T A M A J A G U A R IB A R A F O R T IM A R A C A T I I T A I Ç A B A G ra v io la R U S S A S J A G U A R U A N A A LT O S A N T O IR A C E M A P O T IR E T A M A E R E R Ê P E R E IR O J A G U A R IB E O R Ó S IC Ó U M A R I B A IX IO Q U IX E L Ô C E D R O L A V R A S D A M A N G A B E IR A V Á R Z E A A L E G R E IP A U M IR I M G R A N J E I R O C A R I R IA Ç U F A R IA S B R I T O A L T A N E I R A N O V A O L IN D A S A N T A N A D O C A R IR I C R A T O A U R O R A B A R R O M IL A G R E S M A U R IT I B R E J O J U A Z E IR O D O N O R T E M IS S Ã O V E L H A P O R T E IR A S S A N T O J A T I P E N A F O R T E B A R B A L H A J A R D I M A B A IA R A IG U A T U J U C Á S C A R IÚ S T A R R A F A S S A N T A Q U IT É R IA A S S A R É C A M P O S S A L E S P O T E N G I S A L IT R E A R A R IP E S A B O E I R O A IU A B A A N T O N I N A D O N O R T E A C O P I A R A M O M B A Ç A T A U Á A R N E I R O Z C A T A R IN A P A R A M B U D E P. IR A P U A N P IN H E I R O P IQ U E T C A R N E I R O IP U H I D R O L Â N D IA C A T U N D A N O V A R U S S A S T A M B O R I L B O A V IA G E M M A D A L E N A C H O R Ó Q U IX A D Á Q U IX E R A M O B IM B A N A B U I Ú I B A R E T A M A IB IC U IT I N G A M O R A D A N O V A Q U IX E R É C o c o B a n a n a I C A P U Í P A L H A N O L IM O E IR O D O N O R T E T A B U L E IR O D O N O R T E S Ã O J O Ã O D O J A G U A R I B E M O N S E N H O R T A B O S A S Ã O B E N E D IT O M U C A M B O P A C U J Á G R A Ç A R E R I U T A B A V A R J O T A F R E C H E I R IN H A U B A J A R A C O R E A Ú A L C Â N T A R A S S O B R A L F O R Q U IL H A J I J O C A D E J E R IC O A C O A R A C R U Z A C A R A Ú IT A R E M A B E L A C R U Z M A R C O M O R R IN H O S S A N TA N A D O A C A R A Ú M E R U O C A M IR A ÍM A IT A P IP O C A S Ã O G O N Ç A L O D O A M A R A N T E T U R U R U U M I R I M S Ã O L U IS D O C U R U U R U B U R E T A M A IT A P A J É I R A U Ç U B A T E J U Ç U O C A A P U I A R É S M A R A C A N A Ú E U S É B IO IT A I T IN G A P IN D O R E TA M A P A L M Á C I A G U A IÚ B A H O R IZ O N T E P A C O T I G U A R A M IR A N G A B A T U R I T É A R A C O IA B A C A P IS T R A N O O C A R A IT A P IÚ N A P A C A J Ú S C A S C A V E L B E B E R IB E C H O R O Z IN H O B A R R E I R A M A R A N G U A P E F O R TA L E Z A P A R A M O T I C A R ID A D E C A N I N D É IT A T IR A G E N E R A L S A M P A IO P A R A C U R U 4 m un ic íp io s Po lo C e n t ro Su l 15 m un ic íp io s Po lo Baix o Jag u arib e 8 m u n ic íp io s Po lo C ariri Á rea Irrig a d a 15.0 00 ha A t a M am ã o Á rea Irrig a d a 30.0 00 ha A b a ca xi B a n a n a M e lã o M e lan c ia G o ia b a M a n g a U v a Á rea Irrig a d a 8.00 0 ha B a n a n a G o iab a B a n a n a U v a Á rea Irrig a d a 6.00 0 ha Fruta s Fru ta s Fru ta s Fru ta s Fru ta s Á rea Irrig á v el 30.0 00 ha Fru ta s Flo re s Á rea Irrig a d a 12.0 00 ha Ho rt a liç a s Flo re s Ro sa s C risâ n t e m o s G y p so p h ila B u lb o s C it r o s Á rea Irrig á v e l 20.0 00 ha Flo re s O rn am e n t a is Fo lh ag en s Á rea Irrig á v el 65.0 00 ha Sem e n te s A lg o d ã o S o ja M ilh o Fe ijã o C a pim Irrig a d o Á rea Irrig á v el 30.0 00 ha Á rea Irrig á v el 20.0 00 ha H o rt a liç a s 8 mil ha com hortaliças e produtos da floricultura 41 mil hectares de: capim, arroz, feijão, cana, etc.
  • 14. AGRICULTURA IRRIGADA Ceará: Ag. Irrigada x Ag. Segueiro (2011) Área (mil ha) Produção (mil t) Ag. Segueiro 1.969 95,6% 5.834 68,4% Ag. Irrigada 91 4,4% 2.704 31,6% Total 2.059 100,0% 8.538 100,0% Indicadores da Agricultura Irrigada (1999 – 2011) Produtos Área (ha) 1.999 2011 Exportações (US$ mil) 1.999 2011 Empregos Diretos 1.999 2011 Valor da Produção(R$ mil) 1.999 2011 Flores 25 323 2.390 142.700 64 3.975 199 2.958 Frutas 17.957 40.938 75.809 805.031 1.934 117.037 9.628 23.044 Hortaliças 3.599 7.900 16.455 182.083 6.101 18.043 Outros produtos (*) 32.239 40.507 36.731 138.208 17.584 16.195 Total 53.820 89.668 131.385 1.268.022 1.998 121.012 33.513 60.240 Fonte: IBGE, SDA, Instituto Agropolos do Ceará, Perímetros Públicos, CEASA-CE Elaboração: ADECE (*) Arroz, cana de açúcar, feijão, capineira e outros. Mundo: 18% da Área = 46% da Produção Brasil: 6% da Área = 16% da Produção Ceará: 4,4% da Área = 31,6% da Produção
  • 15. Participação Familiar na produção dos principais produtos agrícolas rurais do Ceará FFEEIIJJÃÃOO -- 8866%% MMIILLHHOO -- 881%% MMAANNDDIIOOCCAA -- 661%% AARRRROOZZ -- 9900%% FFUUMMOO -- 9900%% AALLGGOODDÃÃOO -- 7700%% FFRRUUTTAASS -- 5555%% CCAANNAA -- 422%% Fonte: SDA
  • 16. Workshop Ameaças Fitossanitárias - Fortaleza – 25/09/2014 PRAGAS QUARENTENÁRIAS
  • 17. Workshop Ameaças Fitossanitárias - Fortaleza – 25/09/2014 TERMOS FITOSSANITÁRIOS PRAGA: Qualquer espécie, raça ou biótipo de planta, animal ou agente patogênico, nocivos a plantas ou produtos vegetais [FAO, 1990]. Exemplos: Insetos, fungos, bactérias, vírus, nematoides, ácaros, plantas daninhas, etc. ANÁLISE DE RISCO DE PRAGAS: O processo de avaliação de evidências biológicas, científicas e econômicas para determinar se uma praga deve ser regulamentada e a intensidade de quaisquer medidas fitossanitárias a serem aplicadas para seu controle [FAO, 1995]. PRAGA REGULAMENTADA: Uma praga quarentenária ou uma praga não quarentenária regulamentada [CIPV, 1997]. EXTREMAMENTE DANOSA → AÇÃO DO PODER PÚBLICO
  • 18. Workshop Ameaças Fitossanitárias - Fortaleza – 25/09/2014 PRAGA QUARENTENÁRIA: - PRAGA QUARENTENÁRIA AUSENTE (A1): Praga de importância econômica potencial para uma área em perigo, porém não presente no território nacional [Anexo I da IN MAPA Nº 59/2013], [415]. - PRAGA QUARENTENÁRIA PRESENTE (A2): Praga de importância econômica potencial para uma área em perigo, presente no país, porém não amplamente distribuída e encontra-se sob controle oficial [Anexo II da IN MAPA Nº 59/2013], [14]. PRAGA NÃO QUARENTENÁRIA REGULAMENTADA: Uma praga não quarentenária cuja presença em plantas para plantio afeta o uso proposto dessas plantas, com um impacto econômico inaceitável.
  • 19. Workshop Ameaças Fitossanitárias - Fortaleza – 25/09/2014 RESUMO PRAGA Análise de Risco de Pragas PRAGA REGULAMENTADA PRAGA QUARENTENÁRIA PRAGA NÃO QUARENTENÁRIA REGULAMENTADA PRAGA QUARENTENÁRIA AUSENTE PRAGA QUARENTENÁRIA PRESENTE
  • 20. PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [ÁCAROS] - Ácaro Vermelho das Palmeiras [Raoiella indica] BRASIL HOSPEDEIROS: 65 espécies [açaí, bananeira, buriti, coqueiro, dendenzeiro, helicônia, palmeiras, tamareira, ...] HOSPEDEIROS: 65 espécies [açaí, bananeira, buriti, coqueiro, dendenzeiro, helicônia, palmeiras, tamareira, ...]
  • 21. PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [ÁCAROS] - BRASIL Ácaro Hindu dos Citros [Schizotetranychus hindustanicus] HOSPEDEIROS: Citros, coqueiro, nim, sorgo, acácia e cinamomo (Melia azedarach). HOSPEDEIROS: Citros, coqueiro, nim, sorgo, acácia e cinamomo (Melia azedarach).
  • 22. PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [INSETOS] - BRASIL Mosca Negra dos Citros [Aleurocanthus woglumi] HOSPEDEIROS: Abacate, álamo, amora, ardisia, bananeira, buxinho, café, caju, carambola, cherimóia, citros, dama da noite, gengibre, goiaba, graviola, grumixama, hibisco, jasmim-manga, HOSPEDEIROS: Abacate, álamo, amora, ardisia, bananeira, buxinho, café, caju, carambola, cherimóia, citros, dama da noite, gengibre, goiaba, graviola, grumixama, hibisco, jasmim-manga, lichia, louro, mamão, lichia, louro, mamão, manga, maracujá, marmelo, murta, pêra, pinha, romã, rosa, sapoti e uva. manga, maracujá, marmelo, murta, pêra, pinha, romã, rosa, sapoti e uva.
  • 23. PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [INSETOS] - BRASIL Mosca da Carambola [Bactrocera carambolae] HOSPEDEIROS: Carambola, goiaba, jamo vermelho, laranja, maçaranduba, arapaju, mararaju, manga, acerola, amendoeira, bacupari, bilimbi, cajazeiro, caju, fruta pão, jaca, jambo branco, jambo rosa, limão, pitangueira, tangerina e tomate. HOSPEDEIROS: Carambola, goiaba, jamo vermelho, laranja, maçaranduba, arapaju, mararaju, manga, acerola, amendoeira, bacupari, bilimbi, cajazeiro, caju, fruta pão, jaca, jambo branco, jambo rosa, limão, pitangueira, tangerina e tomate.
  • 24. PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [INSETOS] - BRASIL Cochonilha do Carmim [Dactylopius opuntiae] HOSPEDEIROS: HOSPEDEIROS: P Paalmlmaa f foorrrraaggeeiriraa
  • 25. PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [INSETOS] - BRASIL Broca Conígera [Sinoxylon conigerum] HOSPEDEIROS: Bálsamo, caju, flamboyant (Delonix regia), mandioca, manga, mogno, seringueira e teca. HOSPEDEIROS: Bálsamo, caju, flamboyant (Delonix regia), mandioca, manga, mogno, seringueira e teca.
  • 26. PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [FUNGOS] - BRASIL Sigatoka Negra [Mycosphaerella fijiensis] HOSPEDEIROS: Bananeira e helicônias. HOSPEDEIROS: Bananeira e helicônias.
  • 27. PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [FUNGOS] - BRASIL Pinta Preta dos Citros [Guignardia citricarpa (= Phyllosticta citricarpa)] HHOOSSPPEEDDEEIIRROOSS: :C Ciittrrooss..
  • 28. PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [FUNGOS] - BRASIL Cancro Europeu das Pomáceas [Neonectria galligena (= Nectria galligena)] HOSPEDEIROS: Acácia, maçã, pêra e marmeleiro. HOSPEDEIROS: Acácia, maçã, pêra e marmeleiro.
  • 29. PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [BACTÉRIAS] - BRASIL Cancro Cítrico [Xanthomonas citri subsp. citri (= Xanthomonas axonopodis pv. citri)] HOSPEDEIROS: Citros, Fortunella spp. e Poncirus spp. HOSPEDEIROS: Citros, Fortunella spp. e Poncirus spp.
  • 30. PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [BACTÉRIAS] - BRASIL Greening (Huanglongbing - HLB) [Candidatus Liberibacter spp.] HOSPEDEIROS: Citros, Fortunella spp., Poncirus spp. e murta. HOSPEDEIROS: Citros, Fortunella spp., Poncirus spp. e murta.
  • 31. PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [BACTÉRIAS] - BRASIL Moko da Bananeira [Ralstonia solanacearum raça 2] HOSPEDEIROS: Bananeira e helicônias HOSPEDEIROS: Bananeira e helicônias
  • 32. PRAGAS QUARENTENÁRIAS PRESENTES [BACTÉRIAS] - BRASIL Cancro Bacteriano da Videira [Xanthomonas campestris pv. viticola] HHOOSSPPEEDDEEIIRROOSS: :V Viiddeeiirraa
  • 33. PROJETOS DA DISAV 1) PREVENÇÃO E CONTROLE DE VIROSES DO MAMOEIRO 2) MANUTENÇÃO DA ÁREA LIVRE DE ANASTREPHA GRANDIS 3) PREVENÇÃO E CONTROLE DA COCHONILHA DO CARMIM 4) FISCALIZAÇÃO DO USO DE AGROTÓXICOS 5) PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS DOS CITROS 6) PREVENÇÃO E CONTROLE DO CANCRO DA VIDEIRA 7) MANUTENÇÃO DA ÁREA LIVRE DE SIGATOKA NEGRA 8) MANUTENÇÃO DA ÁREA LIVRE DE MOKO DA BANANEIRA 9) FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE SEMENTES E MUDAS 10) PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS NAS CEASAS 11) PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS EM PLANTAS ORNAMENTAIS 12) CONTROLE DO TRÂNSITO DE VEGETAIS 13) CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA 14) PREVENÇÃO E CONTROLE DA COCHONILHA ROSADA 15) PREVENÇÃO E CONTROLE DE HELICOVERPA ARMIGERA
  • 34. PRAGA QUARENTENÁRIA PRESENTE [SEM OCORRÊNCIA NO CEARÁ]
  • 36. SIGATOKA NEGRA - DOENÇA MAIS GRAVE DA BANANEIRA - AGENTE CAUSAL: FUNGO Mycosphaerella fijiensis - PRIMEIRO RELATO: Vale de Sigatoka / Ilhas Fiji [1963] - NO BRASIL: Amazonas [fevereiro de 1998] - PRAGA QUARENTENÁRIA PRESENTE - OCORRÊNCIA NO BRASIL: • 1999: AC • 2001: AP, RO e RR • 2002: PA • 2004: MT, SC e RS • 2005: MG, SP, PR e MS • 2010: TO • 2013: MA • 2014: RJ
  • 37. SIGATOKA NEGRA HOSPEDEIROS Banana e helicônias
  • 38. MANUTENÇÃO DAS ÁREAS LIVRES DE SIGATOKA NEGRA E MOKO PAPEL DA ADAGRI AÇÕES PERMANENTES - CONTROLE DO TRÂNSITO DE BANANA E DE HELICÔNIAS - INSPEÇÃO FITOSSANITÁRIA NAS ÁREAS DE RISCOS - FISCALIZAÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA - EMISSÃO DA PERMISSÃO DE TRÂNSITO DE VEGETAIS (PTV) - EDUCAÇÃO SANITÁRIA
  • 39. SIGATOKA NEGRA E MOKO - CONTROLE DO TRÂNSITO DE BANANA E HELICÔNIAS: • Postos de Vigilância Zoofitossanitária • Blitzes nas divisas • Ingresso nas CEASAs
  • 40. SIGATOKA NEGRA E MOKO - INSPEÇÃO FITOSSANITÁRIA NAS ÁREAS DE RISCOS: • Pomares próximos a rodovias, aeroportos, portos, CEASAs • Viveiros
  • 41. SIGATOKA NEGRA E MOKO - EMISSÃO DA PERMISSÃO DE TRÂNSITO DE VEGETAIS - PTV • Inspeção das partidas (cargas) de banana e de helicônias
  • 42. SIGATOKA NEGRA E MOKO - EDUCAÇÃO SANITÁRIA • Palestras, cursos, material técnico-educativo, etc.
  • 43. SIGATOKA NEGRA E MOKO - EDUCAÇÃO SANITÁRIA Palestras, cursos, material técnico-educativo, etc.
  • 44. PRAGA QUARENTENÁRIA PRESENTE [COM OCORRÊNCIA NO CEARÁ]
  • 46. CANCRO CÍTRICO - - AGENTE CAUSAL: BACTÉRIA • Xanthomonas citri subsp. citri / Xanthomonas axonopodis pv. citri - HOSPEDEIROS: Citrus spp., Fortunella spp. e Poncirus spp. - PRIMEIRO RELATO: Inglaterra [1827] - EUA: 1910 [Erradicação de 12,6 milhões de plantas desde 1996] - BRASIL: Presidente Prudente – SP [1957] – Mudas do Japão - PRAGA QUARENTENÁRIA PRESENTE - PREJUÍZOS: SP e MG [40 milhões de reais/ano ] - LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA: 57
  • 47. CANCRO CÍTRICO - CONTROLE: PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E MIP - EFICÁCIA: ATÉ 1996 - MINADOR DOS CITROS
  • 48. DETECÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ - PROJETO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS DOS CITROS - CONVÊNIO Nº 744510/2010/MAPA/SFA-CE/ADAGRI-CE - HISTÓRICO: • Suspeita em mudas de limão [07/12/2011] • Viveiro de plantas ornamentais [Beberibe - CE]
  • 49. DETECÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ - PROJETO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS DOS CITROS - CONVÊNIO Nº 744510/2010/MAPA/SFA-CE/ADAGRI-CE - HISTÓRICO: • Suspeita em mudas de limão [07/12/2011] • Viveiro de plantas ornamentais [Beberibe – CE] • Análise laboratorial oficial • Resultado da análise [03/01/2012] • Comunicação ao SISV/SFA-CE/MAPA [03/01/2012] - IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE CONTINGÊNCIA: • Portaria MAPA nº 291/1997 • Viveiro: Destruição de todas as mudas e plantas cítricas [05/01/2012] • Interdição parcial do viveiro por 02 (dois) anos • Levantamento de Delimitação em Beberibe [05/01/2012] • Levantamento de Detecção em Pacajus [05/01/2012] • Encaminhamento de Relatórios para o DSV/MAPA
  • 50. CANCRO CÍTRICO - OCORRÊNCIA NO BRASIL: IN MAPA Nº 59/2013
  • 51. SITUAÇÃO ATUAL NO ESTADO DO CEARÁ EXECUÇÃO DO PLANO DE ERRADICAÇÃO
  • 52. •Mapeamento espacial de áreas com Cancro Cítrico
  • 53. Quantitativo de plantas cítricas destruídas por município. Ceará, 2010/2012. MUNICIPIO FOCO PERIFOCO AQUIRAZ 0 1 BEBERIBE 76 0 EUSÉBIO 66 2 FORTALEZA 604 474 PACAJUS 4500 3863 PARACURU 2505 0 LIMOEIRO DO NORTE 17 0 SÃO BENEDITO 575190 81800 TOTAL 582958 86140 TOTAL GERAL 669098
  • 56. PROCEDIMENTOS PARA O TRÂNSITO - TODO PRODUTOR QUE PRETENDA TRANSPORTAR FRUTOS, MUDAS OU QUALQUER MATERIAL PROPAGATIVO DE CITROS PARA OUTROS ESTADOS DEVERÁ PROCURAR UM DOS ESCRITÓRIOS DA ADAGRI PARA SE ADEQUAR AO SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE ORIGEM; - AS CARGAS DE CITROS COM DESTINO A OUTROS OUTROS ESTADOS DEVEM ESTAR SEMPRE ACOMPANHADAS DE PERMISSÃO DE TRÂNSITO DE VEGETAIS – PTV.
  • 59. ANASTREPHA GRANDIS - MOSCA SUL-AMERICANA DAS CUCURBITÁCEAS - HOSPEDEIROS: MELÃO, MELANCIA, ABÓBORA E PEPINO - DANOS DIRETOS: ALIMENTAÇÃO DA POLPA - DANOS INDIRETOS: PORTA DE ENTRADA PARA MICRORGANISMOS - NO BRASIL: RESTRIÇÕES PARA EXPORTAÇÃO DE FRUTOS FRESCOS
  • 60. ANASTREPHA GRANDIS - OCORRÊNCIA NO BRASIL:
  • 61. ANASTREPHA GRANDIS - ESTADO DO CEARÁ: • Área Livre de Anastrepha grandis desde 2003 • Portaria SDA/MAPA nº 150/2003 • Ceará e Rio Grande do Norte: únicas ALPs da América Latina - QUAL A IMPORTÂNCIA DA ÁREA LIVRE PARA O ESTADO DO CEARÁ: Possibilita a exportação de frutos frescos de melão, melancia, abóbora e pepino para países que exigem Declaração Adicional de produção em Área Livre de Anastrepha grandis, sem necessidade de realizar qualquer tipo de tratamento quarentenário pós-colheita Possibilita a exportação de frutos frescos de melão, melancia, abóbora e pepino para países que exigem Declaração Adicional de produção em Área Livre de Anastrepha grandis, sem necessidade de realizar qualquer tipo de tratamento quarentenário pós-colheita nos frutos. nos frutos.
  • 63. MANUTENÇÃO DA ÁREA LIVRE DE ANASTREPHA GRANDIS QUAL O PAPEL DA ADAGRI? AÇÕES PERMANENTES - CONTROLE DO TRÂNSITO DE CUCURBITÁCEAS - MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO - FISCALIZAÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA - EDUCAÇÃO SANITÁRIA
  • 64. CONTROLE DO TRÂNSITO DE CUCURBITÁCEAS - POSTOS DE VIGILÂNCIA ZOOFITOSSANITÁRIA - BLITZES
  • 65. CONTROLE DO TRÂNSITO DE CUCURBITÁCEAS - É PROIBIDA A ENTRADA NOS MUNICÍPIOS DE ARACATI, ICAPUÍ, ITAIÇABA, JAGUARUANA, LIMOEIRO DO NORTE, RUSSAS E QUIXERÉ DE FRUTOS FRESCOS DE MELÃO, MELANCIA, ABÓBORA E PEPINO QUE NÃO SEJAM PRODUZIDOS EM ÁREA LIVRE OU EM SISTEMA DE MITIGAÇÃO DE RISCO PARA A PRAGA ANASTREPHA GRANDIS; - O TRÂNSITO DE FRUTOS FRESCOS DE MELÃO, MELANCIA, ABÓBORA E PEPINO NA ÁREA LIVRE SOMENTE SERÁ PERMITIDO MEDIANTE A APRESENTAÇÃO DO CERTIFICADO FITOSSANITÁRIO DE ORIGEM – CFO.
  • 66. MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO - LOCAIS DE RISCO: LOCAIS COM MAIOR PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DE ANASTREPHA GRANDIS. Exemplos: Regiões próximas a portos, aeroportos, CEASAS, empresas exportadoras de cucurbitáceas e rodovias
  • 67. MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO - ARMADILHA MCPHAIL - ATRATIVO ALIMENTAR: PROTEÍNA HIDROLISADA 5%
  • 68. MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO - ARMADILHA MCPHAIL - ATRATIVO ALIMENTAR: PROTEÍNA HIDROLISADA 5% - COLETA: SEMANAL - TRIAGEM NA ADAGRI - DIAGNOSE EM LABORATÓRIO OFICIAL
  • 69. MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO MUNICÍPIO: Aracati [CE] – Unidade Local de Aracati Armadilha 23.01109.001 [McPhail] - [Aeroporto Internacional de Aracati] Latitude: 04°34'11.03'' S / Longitude: 37°48'05.66'' O
  • 70. MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO MUNICÍPIO: Aracati [CE] – Unidade Local de Aracati Armadilha 23.01109.002 [McPhail] - [Terminal Rodoviário de Aracati] Latitude: 04°34'18.44'' S / Longitude: 37°46'28.19'' O
  • 71. MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO MUNICÍPIO: Aracati [CE] – Unidade Local de Aracati Armadilha 23.01109.003 [McPhail] - [PVZ/SEFAZ] Latitude: 04°37'08.68'' S / Longitude: 37°39'01.32'' O
  • 72. MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS EM LOCAIS DE RISCO MUNICÍPIO: Aracati [CE] – Unidade Local de Aracati Armadilha 23.01109.004 [McPhail] – [Feira livre com venda de cucurbitáceas] Latitude: 04°33'45.98'' S / Longitude: 37°45'53.87'' O
  • 73. FISCALIZAÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA - MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS NAS UNIDADES DE PRODUÇÃO
  • 74. FISCALIZAÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA - MONITORAMENTO DE MOSCAS DAS FRUTAS NAS UNIDADES DE PRODUÇÃO
  • 75. FISCALIZAÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA - LIVRO DE ACOMPANHAMENTO: - Dados da origem da semente ou muda; - Espécie; - Variedade/Cultivar; - Área plantada por variedade /cultivar; - Dados do monitoramento da praga; - Resultados das análises laboratoriais realizadas; - Anotações das principais ocorrências fitossanitárias; - Ações de prevenção e método de controle adotado; - Estimativa da produção; - Tratamentos fitossanitários com fins quarentenários; - Dados da colheita e manejo pós-colheita.
  • 76. FISCALIZAÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA - EMISSÃO DE RELATÓRIOS: - CFOs/CFOCs emitidos; - Monitoramento de moscas da frutas.
  • 77. "Nunca se afaste de seus sonhos, pois se eles se forem, você continuará vivendo, mas terá deixado de existir". •Charles Chaplin
  • 78. OBRIGADO! José Tito Carneiro Silva Engenheiro Agrônomo Diretor de Sanidade Vegetal AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO CEARÁ ADAGRI Av. Bezerra de Menezes, 1820 – Bairro São Gerardo – Fortaleza – Ceará - Brasil (85) 88788718 tito.carneiro@adagri.ce.gov.br titomro@yahoo.com.br www.adagri.ce.gov.br