SlideShare uma empresa Scribd logo
MINISTÉRIO DA FAZENDA
Superintendência de Seguros Privados
CIRCULAR SUSEP No
317, de 12 de janeiro de 2006.
Dispõe sobre as regras complementares de
funcionamento e os critérios para operação das
coberturas de risco oferecidas em planos de
seguros coletivos de pessoas, e dá outras
providências.
O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS
PRIVADOS – SUSEP, na forma do art. 36, alínea "b", do Decreto-Lei No
73, de 21 de
novembro de 1966, e tendo em vista o que consta do Processo SUSEP no
15414.002427/2005-
71,
R E S O L V E :
Art. 1o
Estabelecer as regras complementares de funcionamento e os critérios
para operação das coberturas de risco oferecidas em planos de seguros coletivos de pessoas.
Art. 2o
Além das disposições desta Circular, as condições contratuais e
demais operações de seguro coletivo de pessoas deverão observar as disposições da Circular
SUSEP No
302, de 19 de setembro de 2005, em sua totalidade, alterada pela Circular SUSEP
No
316, de 12 de janeiro de 2006.
Art. 3o
É obrigatória a emissão e envio ao segurado do certificado individual
pela sociedade seguradora no início do seguro e em cada uma das renovações subseqüentes.
§ 1o
O disposto no caput não se aplica no caso de seguro de pessoas com
capital global.
§ 2o
O certificado de que trata o caput deste artigo deverá conter os seguintes
elementos mínimos:
I – data de início e término de vigência da cobertura individual do segurado
principal e dos segurados dependentes; e
II – capital segurado de cada cobertura relativa ao segurado principal e aos
segurados dependentes, além do prêmio total.
Fl. 2 da CIRCULAR SUSEP No
317, de 12 de janeiro de 2006.
§ 3o
Caberá ao diretor responsável pelos controles internos ou a outro diretor
designado pela sociedade seguradora a responsabilidade pelo cumprimento do disposto neste
artigo.
Art. 4o
O contrato de seguro pode ser rescindido a qualquer tempo mediante
acordo entre as partes contratantes, com a anuência prévia e expressa de segurados que
representem, no mínimo, três quartos do grupo segurado.
Art. 5o
As apólices não poderão ser canceladas durante a vigência pela
sociedade seguradora sob a alegação de alteração da natureza dos riscos.
Art. 6o
A renovação que não implicar em alteração da apólice com ônus ou
deveres adicionais para os segurados ou a redução de seus direitos, poderá ser feita pelo
estipulante.
Art. 7o
As condições contratuais deverão estabelecer as obrigações do
estipulante, conforme a regulamentação em vigor.
Art. 8o
Deverá ser estabelecido nas condições gerais que qualquer
modificação da apólice em vigor que implique em ônus ou dever para os segurados ou a
redução de seus direitos dependerá da anuência expressa de segurados que representem, no
mínimo, três quartos do grupo segurado.
Parágrafo único. Deverá ser observado o disposto no caput deste artigo
quanto à alteração de taxas de seguro.
Art. 9o
Qualquer alteração nas condições contratuais em vigor deverá ser
realizada por aditivo à apólice, com a concordância expressa e escrita do segurado ou de seu
representante, ratificada pelo correspondente endosso, observado o disposto no art. 8o
, desta
Circular.
Parágrafo único. Quando a alteração não implicar em ônus ou dever aos
segurados ou a redução de seus direitos, esta poderá ser realizada apenas com a anuência do
estipulante.
Art. 10. Poderá ser adotada cláusula de excedente técnico estabelecendo as
condições de distribuição, ao estipulante e/ou aos segurados do grupo, dos resultados técnicos
da apólice coletiva.
§ 1o
Consideram-se como receitas para fins de apuração dos resultados
técnicos, no mínimo:
a) prêmios de competência correspondentes ao período de vigência da
apólice, efetivamente pagos; e
b) estorno de sinistros computados em períodos anteriores e definitivamente
não devidos.
Fl. 3 da CIRCULAR SUSEP No
317, de 12 de janeiro de 2006.
§ 2o
São despesas mínimas para os mesmos fins do § 1o
deste artigo:
a) comissões de corretagem pagas durante o período;
b) comissões de administração pagas durante o período;
c) valor total dos sinistros ocorridos em qualquer época e ainda não
considerados até o fim do período de apuração, computando-se de uma só vez os sinistros
com pagamento parcelado;
d) saldos negativos dos períodos anteriores, ainda não compensados; e
e) despesas efetivas de administração, acordadas com o estipulante.
§ 3o
As receitas e despesas devem ser atualizadas monetariamente desde:
a) o respectivo pagamento, para prêmios e comissões;
b) o aviso à seguradora, para os sinistros;
c) a respectiva apuração, para os saldos negativos anteriores;
d) as datas em que incorreram, para as despesas de administração; e
e) outras datas estabelecidas na cláusula de excedente técnico, para receitas
ou despesas não previstas no §1o
ou no §2o
deste artigo.
§ 4o
A apuração do resultado técnico deve ser atualizada monetariamente
desde o término do período de apuração determinado no contrato até a data da distribuição do
excedente técnico, destinando-se aos segurados e/ou estipulante um percentual do resultado
apurado, estabelecido no contrato, observado o disposto no §6o
deste artigo.
§ 5o
A distribuição de excedentes técnicos deve ser realizada após o término
do prazo previsto no contrato, depois de pagas todas as faturas do período e no prazo máximo
de 60 (sessenta) dias a contar da última quitação, vedado qualquer adiantamento a título de
resultados técnicos.
§ 6o
Nos seguros parcial ou totalmente contributários, o excedente técnico a
ser distribuído deve ser, respectivamente, proporcional ou integralmente destinado ao
segurado, podendo ainda ser revertido em benefícios ao grupo segurado, na forma
estabelecida na cláusula de excedente técnico.
§ 7o
Para os casos previstos no § 6o
deste artigo, deverá ser incluído no
certificado individual informação de que o segurado tem direito ao excedente técnico.
Fl. 4 da CIRCULAR SUSEP No
317, de 12 de janeiro de 2006.
Art. 11. Para os seguros que não tenham cobertura vitalícia, deverá constar
da proposta de contratação, da proposta de adesão, da apólice, do certificado individual e das
condições gerais, em destaque, a seguinte informação: “Este seguro é por prazo determinado
tendo a seguradora a faculdade de não renovar a apólice na data de vencimento, sem
devolução dos prêmios pagos nos termos da apólice”.
Art. 12. Para os seguros que prevejam alteração de taxa por faixa etária,
deverá ser estabelecido nas condições gerais que os prêmios serão alterados de acordo com a
faixa etária do segurado.
Parágrafo único. A forma como os prêmios serão alterados de acordo com a
faixa etária do segurado, incluindo os valores ou percentuais, deverão constar das condições
contratuais e ser disponibilizados aos proponentes quando da adesão ao seguro.
Art. 13. Os planos de seguro protocolados na SUSEP antes de 20 de
setembro de 2005 deverão ser arquivados ou adaptados à presente Circular até 30 de junho de
2006, sob pena de aplicação das penalidades cabíveis.
§ 1o
A ausência de manifestação formal das sociedades seguradoras quanto à
adoção de um dos procedimentos descritos no caput deste artigo implicará na respectiva
suspensão de comercialização e arquivamento dos planos registrados na SUSEP.
§ 2o
As disposições desta Circular aplicam-se às apólices renovadas ou
emitidas a partir da data em que o respectivo plano de seguro adaptado for protocolado na
SUSEP, conforme previsto no caput deste artigo.
§ 3o
Independentemente do disposto no §2o
deste artigo, as disposições desta
Circular aplicam-se a todos os segurados que subscreverem propostas a partir de 1o
de janeiro
de 2007.
Art. 14. Os planos de seguro protocolados na SUSEP a partir de 20 de
setembro de 2005 deverão obedecer aos critérios definidos nesta norma.
Parágrafo único. Os planos de seguro protocolados na SUSEP entre 20 de
setembro de 2005 e a data de início de vigência desta Circular terão até 30 de junho de 2006
para se adequarem ao disposto no art. 11 desta Circular.
Art. 15. Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação, ficando
revogada a Circular SUSEP No
303, de 19 de setembro de 2005.
RENÊ GARCIA JR.
Superintendente

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Circular CNSP 462 - Provisões Técnicas
Circular CNSP 462 - Provisões TécnicasCircular CNSP 462 - Provisões Técnicas
Circular CNSP 462 - Provisões Técnicas
Universidade Federal Fluminense
 
Circular CNSP 452 - Ativos de Resseguro Redutores
Circular CNSP 452 - Ativos de Resseguro RedutoresCircular CNSP 452 - Ativos de Resseguro Redutores
Circular CNSP 452 - Ativos de Resseguro Redutores
Universidade Federal Fluminense
 
Bizu de Direito Previdenciário - Custeio
Bizu de Direito Previdenciário - CusteioBizu de Direito Previdenciário - Custeio
Bizu de Direito Previdenciário - Custeio
Isabelly Sarmento
 
Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212
Prof. Rogerio Cunha
 
Manual de seguro garantia do irb
Manual de seguro garantia do irbManual de seguro garantia do irb
Manual de seguro garantia do irb
Universidade Federal Fluminense
 
Seguro De ObrigaÇÕEs Contratuais
Seguro De ObrigaÇÕEs ContratuaisSeguro De ObrigaÇÕEs Contratuais
Seguro De ObrigaÇÕEs Contratuais
guestde99d0
 

Mais procurados (6)

Circular CNSP 462 - Provisões Técnicas
Circular CNSP 462 - Provisões TécnicasCircular CNSP 462 - Provisões Técnicas
Circular CNSP 462 - Provisões Técnicas
 
Circular CNSP 452 - Ativos de Resseguro Redutores
Circular CNSP 452 - Ativos de Resseguro RedutoresCircular CNSP 452 - Ativos de Resseguro Redutores
Circular CNSP 452 - Ativos de Resseguro Redutores
 
Bizu de Direito Previdenciário - Custeio
Bizu de Direito Previdenciário - CusteioBizu de Direito Previdenciário - Custeio
Bizu de Direito Previdenciário - Custeio
 
Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212
 
Manual de seguro garantia do irb
Manual de seguro garantia do irbManual de seguro garantia do irb
Manual de seguro garantia do irb
 
Seguro De ObrigaÇÕEs Contratuais
Seguro De ObrigaÇÕEs ContratuaisSeguro De ObrigaÇÕEs Contratuais
Seguro De ObrigaÇÕEs Contratuais
 

Destaque

O nosso grupo
O nosso grupoO nosso grupo
O nosso grupo
manuelzelia
 
ComentáRio SessãO 4
ComentáRio SessãO 4ComentáRio SessãO 4
ComentáRio SessãO 4
rapscasg
 
Trab2 phishing
Trab2   phishingTrab2   phishing
Trab2 phishing
chimpichimpilala
 
Ser maestro
Ser maestroSer maestro
Avestruz (1)
Avestruz (1)Avestruz (1)
Avestruz (1)
danilozerlotti
 
Ekipo de graena
Ekipo de graenaEkipo de graena
Ekipo de graena
Guadalinfo Cortesygraena
 
Qué es una secuencia didáctica
Qué es una secuencia didácticaQué es una secuencia didáctica
Qué es una secuencia didáctica
Elizabeth Carreon
 
Formato proyecto 38206
Formato proyecto 38206Formato proyecto 38206
Formato proyecto 38206
angelmanuel22
 
Pink floyd lucas 8º
Pink floyd lucas 8ºPink floyd lucas 8º
Pink floyd lucas 8º
Regina Marcia Gonçalves Paiva
 

Destaque (9)

O nosso grupo
O nosso grupoO nosso grupo
O nosso grupo
 
ComentáRio SessãO 4
ComentáRio SessãO 4ComentáRio SessãO 4
ComentáRio SessãO 4
 
Trab2 phishing
Trab2   phishingTrab2   phishing
Trab2 phishing
 
Ser maestro
Ser maestroSer maestro
Ser maestro
 
Avestruz (1)
Avestruz (1)Avestruz (1)
Avestruz (1)
 
Ekipo de graena
Ekipo de graenaEkipo de graena
Ekipo de graena
 
Qué es una secuencia didáctica
Qué es una secuencia didácticaQué es una secuencia didáctica
Qué es una secuencia didáctica
 
Formato proyecto 38206
Formato proyecto 38206Formato proyecto 38206
Formato proyecto 38206
 
Pink floyd lucas 8º
Pink floyd lucas 8ºPink floyd lucas 8º
Pink floyd lucas 8º
 

Semelhante a Circular SUSEP 317 - dispõe sobre regras para planos coletivos de pessoas

Circular SUSEP 452 - ativos de resseguros redutores
Circular SUSEP 452 - ativos de resseguros redutoresCircular SUSEP 452 - ativos de resseguros redutores
Circular SUSEP 452 - ativos de resseguros redutores
Universidade Federal Fluminense
 
Circular SUSEP 462 - dispõe sobre a forma de cálculo e os procedimentos para ...
Circular SUSEP 462 - dispõe sobre a forma de cálculo e os procedimentos para ...Circular SUSEP 462 - dispõe sobre a forma de cálculo e os procedimentos para ...
Circular SUSEP 462 - dispõe sobre a forma de cálculo e os procedimentos para ...
Universidade Federal Fluminense
 
Circular SUSEP 338 - altera e consolida regras e critérios complementares de ...
Circular SUSEP 338 - altera e consolida regras e critérios complementares de ...Circular SUSEP 338 - altera e consolida regras e critérios complementares de ...
Circular SUSEP 338 - altera e consolida regras e critérios complementares de ...
Universidade Federal Fluminense
 
Projeto Departamento Planos Coletivos
Projeto Departamento Planos Coletivos Projeto Departamento Planos Coletivos
Projeto Departamento Planos Coletivos
Paulo Bergmann
 
Resolução CNPC 17 de 2015 - Uma nova visão sobre compartilhamento de riscos -...
Resolução CNPC 17 de 2015 - Uma nova visão sobre compartilhamento de riscos -...Resolução CNPC 17 de 2015 - Uma nova visão sobre compartilhamento de riscos -...
Resolução CNPC 17 de 2015 - Uma nova visão sobre compartilhamento de riscos -...
Editora Roncarati
 
Circular SUSEP 361 - altera condições particulares para os riscos de morte e ...
Circular SUSEP 361 - altera condições particulares para os riscos de morte e ...Circular SUSEP 361 - altera condições particulares para os riscos de morte e ...
Circular SUSEP 361 - altera condições particulares para os riscos de morte e ...
Universidade Federal Fluminense
 
Circular SUSEP 461 - depósitos judiciais e custos de aquisição diferidos
Circular SUSEP 461 - depósitos judiciais e custos de aquisição diferidosCircular SUSEP 461 - depósitos judiciais e custos de aquisição diferidos
Circular SUSEP 461 - depósitos judiciais e custos de aquisição diferidos
Universidade Federal Fluminense
 
Circular SUSEP 382 de 16 de janeiro de 2009
Circular SUSEP 382 de 16 de janeiro de 2009Circular SUSEP 382 de 16 de janeiro de 2009
Circular SUSEP 382 de 16 de janeiro de 2009
Universidade Federal Fluminense
 
D&O - Circular 553 - Gustavo Galrão
D&O - Circular 553 - Gustavo GalrãoD&O - Circular 553 - Gustavo Galrão
D&O - Circular 553 - Gustavo Galrão
Oficina do Texto Assessoria de Comunicação
 
301 limite de renteção
301 limite de renteção301 limite de renteção
301 limite de renteção
Alexandra Petilo
 
Circular SUSEP 457 - TAP testes de adequação de passivos
Circular SUSEP 457 - TAP testes de adequação de passivosCircular SUSEP 457 - TAP testes de adequação de passivos
Circular SUSEP 457 - TAP testes de adequação de passivos
Universidade Federal Fluminense
 
Acordo Coletivo Fundação Theatro São Pedro
Acordo Coletivo Fundação Theatro São PedroAcordo Coletivo Fundação Theatro São Pedro
Acordo Coletivo Fundação Theatro São Pedro
SEMAPI Sindicato
 
Lei da gorjeta
Lei da gorjeta Lei da gorjeta
Lei da gorjeta
Prof. Antonio Daud Jr
 
Lei complementar 126 dispõe sobre a política de resseguros
Lei complementar 126   dispõe sobre a política de ressegurosLei complementar 126   dispõe sobre a política de resseguros
Lei complementar 126 dispõe sobre a política de resseguros
Universidade Federal Fluminense
 
Contrato de seguro final
Contrato de seguro finalContrato de seguro final
Contrato de seguro final
Diana Serpa
 
Cláusulas específicas de contratos proporcionais
Cláusulas específicas de contratos proporcionaisCláusulas específicas de contratos proporcionais
Cláusulas específicas de contratos proporcionais
Universidade Federal Fluminense
 
A Arte de Elaborar o Contrato: Cláusulas Específicas de Contratos Profissionais
A Arte de Elaborar o Contrato: Cláusulas Específicas de Contratos ProfissionaisA Arte de Elaborar o Contrato: Cláusulas Específicas de Contratos Profissionais
A Arte de Elaborar o Contrato: Cláusulas Específicas de Contratos Profissionais
Escola Nacional de Seguros
 
Resolução cnsp 280 dispõe sobre os critérios de estabelecimento do capital ...
Resolução cnsp 280   dispõe sobre os critérios de estabelecimento do capital ...Resolução cnsp 280   dispõe sobre os critérios de estabelecimento do capital ...
Resolução cnsp 280 dispõe sobre os critérios de estabelecimento do capital ...
Universidade Federal Fluminense
 
Circular 26-refinanciamento
Circular 26-refinanciamentoCircular 26-refinanciamento
Circular 26-refinanciamento
Transvias
 
Projeto aprovado prevê 4 horas extras por dia para caminhoneiro PL 4246-2012
Projeto aprovado prevê 4 horas extras por dia para caminhoneiro PL 4246-2012Projeto aprovado prevê 4 horas extras por dia para caminhoneiro PL 4246-2012
Projeto aprovado prevê 4 horas extras por dia para caminhoneiro PL 4246-2012
Transvias
 

Semelhante a Circular SUSEP 317 - dispõe sobre regras para planos coletivos de pessoas (20)

Circular SUSEP 452 - ativos de resseguros redutores
Circular SUSEP 452 - ativos de resseguros redutoresCircular SUSEP 452 - ativos de resseguros redutores
Circular SUSEP 452 - ativos de resseguros redutores
 
Circular SUSEP 462 - dispõe sobre a forma de cálculo e os procedimentos para ...
Circular SUSEP 462 - dispõe sobre a forma de cálculo e os procedimentos para ...Circular SUSEP 462 - dispõe sobre a forma de cálculo e os procedimentos para ...
Circular SUSEP 462 - dispõe sobre a forma de cálculo e os procedimentos para ...
 
Circular SUSEP 338 - altera e consolida regras e critérios complementares de ...
Circular SUSEP 338 - altera e consolida regras e critérios complementares de ...Circular SUSEP 338 - altera e consolida regras e critérios complementares de ...
Circular SUSEP 338 - altera e consolida regras e critérios complementares de ...
 
Projeto Departamento Planos Coletivos
Projeto Departamento Planos Coletivos Projeto Departamento Planos Coletivos
Projeto Departamento Planos Coletivos
 
Resolução CNPC 17 de 2015 - Uma nova visão sobre compartilhamento de riscos -...
Resolução CNPC 17 de 2015 - Uma nova visão sobre compartilhamento de riscos -...Resolução CNPC 17 de 2015 - Uma nova visão sobre compartilhamento de riscos -...
Resolução CNPC 17 de 2015 - Uma nova visão sobre compartilhamento de riscos -...
 
Circular SUSEP 361 - altera condições particulares para os riscos de morte e ...
Circular SUSEP 361 - altera condições particulares para os riscos de morte e ...Circular SUSEP 361 - altera condições particulares para os riscos de morte e ...
Circular SUSEP 361 - altera condições particulares para os riscos de morte e ...
 
Circular SUSEP 461 - depósitos judiciais e custos de aquisição diferidos
Circular SUSEP 461 - depósitos judiciais e custos de aquisição diferidosCircular SUSEP 461 - depósitos judiciais e custos de aquisição diferidos
Circular SUSEP 461 - depósitos judiciais e custos de aquisição diferidos
 
Circular SUSEP 382 de 16 de janeiro de 2009
Circular SUSEP 382 de 16 de janeiro de 2009Circular SUSEP 382 de 16 de janeiro de 2009
Circular SUSEP 382 de 16 de janeiro de 2009
 
D&O - Circular 553 - Gustavo Galrão
D&O - Circular 553 - Gustavo GalrãoD&O - Circular 553 - Gustavo Galrão
D&O - Circular 553 - Gustavo Galrão
 
301 limite de renteção
301 limite de renteção301 limite de renteção
301 limite de renteção
 
Circular SUSEP 457 - TAP testes de adequação de passivos
Circular SUSEP 457 - TAP testes de adequação de passivosCircular SUSEP 457 - TAP testes de adequação de passivos
Circular SUSEP 457 - TAP testes de adequação de passivos
 
Acordo Coletivo Fundação Theatro São Pedro
Acordo Coletivo Fundação Theatro São PedroAcordo Coletivo Fundação Theatro São Pedro
Acordo Coletivo Fundação Theatro São Pedro
 
Lei da gorjeta
Lei da gorjeta Lei da gorjeta
Lei da gorjeta
 
Lei complementar 126 dispõe sobre a política de resseguros
Lei complementar 126   dispõe sobre a política de ressegurosLei complementar 126   dispõe sobre a política de resseguros
Lei complementar 126 dispõe sobre a política de resseguros
 
Contrato de seguro final
Contrato de seguro finalContrato de seguro final
Contrato de seguro final
 
Cláusulas específicas de contratos proporcionais
Cláusulas específicas de contratos proporcionaisCláusulas específicas de contratos proporcionais
Cláusulas específicas de contratos proporcionais
 
A Arte de Elaborar o Contrato: Cláusulas Específicas de Contratos Profissionais
A Arte de Elaborar o Contrato: Cláusulas Específicas de Contratos ProfissionaisA Arte de Elaborar o Contrato: Cláusulas Específicas de Contratos Profissionais
A Arte de Elaborar o Contrato: Cláusulas Específicas de Contratos Profissionais
 
Resolução cnsp 280 dispõe sobre os critérios de estabelecimento do capital ...
Resolução cnsp 280   dispõe sobre os critérios de estabelecimento do capital ...Resolução cnsp 280   dispõe sobre os critérios de estabelecimento do capital ...
Resolução cnsp 280 dispõe sobre os critérios de estabelecimento do capital ...
 
Circular 26-refinanciamento
Circular 26-refinanciamentoCircular 26-refinanciamento
Circular 26-refinanciamento
 
Projeto aprovado prevê 4 horas extras por dia para caminhoneiro PL 4246-2012
Projeto aprovado prevê 4 horas extras por dia para caminhoneiro PL 4246-2012Projeto aprovado prevê 4 horas extras por dia para caminhoneiro PL 4246-2012
Projeto aprovado prevê 4 horas extras por dia para caminhoneiro PL 4246-2012
 

Mais de Universidade Federal Fluminense

Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Universidade Federal Fluminense
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Universidade Federal Fluminense
 
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo CronológicoA evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
Universidade Federal Fluminense
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Universidade Federal Fluminense
 
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Universidade Federal Fluminense
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
Universidade Federal Fluminense
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Universidade Federal Fluminense
 
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Universidade Federal Fluminense
 
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Universidade Federal Fluminense
 
The five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniquesThe five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniques
Universidade Federal Fluminense
 
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...
Universidade Federal Fluminense
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Universidade Federal Fluminense
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Universidade Federal Fluminense
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Universidade Federal Fluminense
 
Metodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscosMetodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscos
Universidade Federal Fluminense
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Universidade Federal Fluminense
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Universidade Federal Fluminense
 
Os seguros e os riscos como compreendê-los
Os seguros e os riscos   como compreendê-losOs seguros e os riscos   como compreendê-los
Os seguros e os riscos como compreendê-los
Universidade Federal Fluminense
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Universidade Federal Fluminense
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Universidade Federal Fluminense
 

Mais de Universidade Federal Fluminense (20)

Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
 
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo CronológicoA evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
 
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
 
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
 
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
 
The five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniquesThe five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniques
 
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
 
Metodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscosMetodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscos
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
 
Os seguros e os riscos como compreendê-los
Os seguros e os riscos   como compreendê-losOs seguros e os riscos   como compreendê-los
Os seguros e os riscos como compreendê-los
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
 

Último

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 

Último (20)

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 

Circular SUSEP 317 - dispõe sobre regras para planos coletivos de pessoas

  • 1. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP No 317, de 12 de janeiro de 2006. Dispõe sobre as regras complementares de funcionamento e os critérios para operação das coberturas de risco oferecidas em planos de seguros coletivos de pessoas, e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS – SUSEP, na forma do art. 36, alínea "b", do Decreto-Lei No 73, de 21 de novembro de 1966, e tendo em vista o que consta do Processo SUSEP no 15414.002427/2005- 71, R E S O L V E : Art. 1o Estabelecer as regras complementares de funcionamento e os critérios para operação das coberturas de risco oferecidas em planos de seguros coletivos de pessoas. Art. 2o Além das disposições desta Circular, as condições contratuais e demais operações de seguro coletivo de pessoas deverão observar as disposições da Circular SUSEP No 302, de 19 de setembro de 2005, em sua totalidade, alterada pela Circular SUSEP No 316, de 12 de janeiro de 2006. Art. 3o É obrigatória a emissão e envio ao segurado do certificado individual pela sociedade seguradora no início do seguro e em cada uma das renovações subseqüentes. § 1o O disposto no caput não se aplica no caso de seguro de pessoas com capital global. § 2o O certificado de que trata o caput deste artigo deverá conter os seguintes elementos mínimos: I – data de início e término de vigência da cobertura individual do segurado principal e dos segurados dependentes; e II – capital segurado de cada cobertura relativa ao segurado principal e aos segurados dependentes, além do prêmio total.
  • 2. Fl. 2 da CIRCULAR SUSEP No 317, de 12 de janeiro de 2006. § 3o Caberá ao diretor responsável pelos controles internos ou a outro diretor designado pela sociedade seguradora a responsabilidade pelo cumprimento do disposto neste artigo. Art. 4o O contrato de seguro pode ser rescindido a qualquer tempo mediante acordo entre as partes contratantes, com a anuência prévia e expressa de segurados que representem, no mínimo, três quartos do grupo segurado. Art. 5o As apólices não poderão ser canceladas durante a vigência pela sociedade seguradora sob a alegação de alteração da natureza dos riscos. Art. 6o A renovação que não implicar em alteração da apólice com ônus ou deveres adicionais para os segurados ou a redução de seus direitos, poderá ser feita pelo estipulante. Art. 7o As condições contratuais deverão estabelecer as obrigações do estipulante, conforme a regulamentação em vigor. Art. 8o Deverá ser estabelecido nas condições gerais que qualquer modificação da apólice em vigor que implique em ônus ou dever para os segurados ou a redução de seus direitos dependerá da anuência expressa de segurados que representem, no mínimo, três quartos do grupo segurado. Parágrafo único. Deverá ser observado o disposto no caput deste artigo quanto à alteração de taxas de seguro. Art. 9o Qualquer alteração nas condições contratuais em vigor deverá ser realizada por aditivo à apólice, com a concordância expressa e escrita do segurado ou de seu representante, ratificada pelo correspondente endosso, observado o disposto no art. 8o , desta Circular. Parágrafo único. Quando a alteração não implicar em ônus ou dever aos segurados ou a redução de seus direitos, esta poderá ser realizada apenas com a anuência do estipulante. Art. 10. Poderá ser adotada cláusula de excedente técnico estabelecendo as condições de distribuição, ao estipulante e/ou aos segurados do grupo, dos resultados técnicos da apólice coletiva. § 1o Consideram-se como receitas para fins de apuração dos resultados técnicos, no mínimo: a) prêmios de competência correspondentes ao período de vigência da apólice, efetivamente pagos; e b) estorno de sinistros computados em períodos anteriores e definitivamente não devidos.
  • 3. Fl. 3 da CIRCULAR SUSEP No 317, de 12 de janeiro de 2006. § 2o São despesas mínimas para os mesmos fins do § 1o deste artigo: a) comissões de corretagem pagas durante o período; b) comissões de administração pagas durante o período; c) valor total dos sinistros ocorridos em qualquer época e ainda não considerados até o fim do período de apuração, computando-se de uma só vez os sinistros com pagamento parcelado; d) saldos negativos dos períodos anteriores, ainda não compensados; e e) despesas efetivas de administração, acordadas com o estipulante. § 3o As receitas e despesas devem ser atualizadas monetariamente desde: a) o respectivo pagamento, para prêmios e comissões; b) o aviso à seguradora, para os sinistros; c) a respectiva apuração, para os saldos negativos anteriores; d) as datas em que incorreram, para as despesas de administração; e e) outras datas estabelecidas na cláusula de excedente técnico, para receitas ou despesas não previstas no §1o ou no §2o deste artigo. § 4o A apuração do resultado técnico deve ser atualizada monetariamente desde o término do período de apuração determinado no contrato até a data da distribuição do excedente técnico, destinando-se aos segurados e/ou estipulante um percentual do resultado apurado, estabelecido no contrato, observado o disposto no §6o deste artigo. § 5o A distribuição de excedentes técnicos deve ser realizada após o término do prazo previsto no contrato, depois de pagas todas as faturas do período e no prazo máximo de 60 (sessenta) dias a contar da última quitação, vedado qualquer adiantamento a título de resultados técnicos. § 6o Nos seguros parcial ou totalmente contributários, o excedente técnico a ser distribuído deve ser, respectivamente, proporcional ou integralmente destinado ao segurado, podendo ainda ser revertido em benefícios ao grupo segurado, na forma estabelecida na cláusula de excedente técnico. § 7o Para os casos previstos no § 6o deste artigo, deverá ser incluído no certificado individual informação de que o segurado tem direito ao excedente técnico.
  • 4. Fl. 4 da CIRCULAR SUSEP No 317, de 12 de janeiro de 2006. Art. 11. Para os seguros que não tenham cobertura vitalícia, deverá constar da proposta de contratação, da proposta de adesão, da apólice, do certificado individual e das condições gerais, em destaque, a seguinte informação: “Este seguro é por prazo determinado tendo a seguradora a faculdade de não renovar a apólice na data de vencimento, sem devolução dos prêmios pagos nos termos da apólice”. Art. 12. Para os seguros que prevejam alteração de taxa por faixa etária, deverá ser estabelecido nas condições gerais que os prêmios serão alterados de acordo com a faixa etária do segurado. Parágrafo único. A forma como os prêmios serão alterados de acordo com a faixa etária do segurado, incluindo os valores ou percentuais, deverão constar das condições contratuais e ser disponibilizados aos proponentes quando da adesão ao seguro. Art. 13. Os planos de seguro protocolados na SUSEP antes de 20 de setembro de 2005 deverão ser arquivados ou adaptados à presente Circular até 30 de junho de 2006, sob pena de aplicação das penalidades cabíveis. § 1o A ausência de manifestação formal das sociedades seguradoras quanto à adoção de um dos procedimentos descritos no caput deste artigo implicará na respectiva suspensão de comercialização e arquivamento dos planos registrados na SUSEP. § 2o As disposições desta Circular aplicam-se às apólices renovadas ou emitidas a partir da data em que o respectivo plano de seguro adaptado for protocolado na SUSEP, conforme previsto no caput deste artigo. § 3o Independentemente do disposto no §2o deste artigo, as disposições desta Circular aplicam-se a todos os segurados que subscreverem propostas a partir de 1o de janeiro de 2007. Art. 14. Os planos de seguro protocolados na SUSEP a partir de 20 de setembro de 2005 deverão obedecer aos critérios definidos nesta norma. Parágrafo único. Os planos de seguro protocolados na SUSEP entre 20 de setembro de 2005 e a data de início de vigência desta Circular terão até 30 de junho de 2006 para se adequarem ao disposto no art. 11 desta Circular. Art. 15. Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação, ficando revogada a Circular SUSEP No 303, de 19 de setembro de 2005. RENÊ GARCIA JR. Superintendente