SlideShare uma empresa Scribd logo
Diagramas de fases
Diagrama de fases
• Importância do tema
• Poucos materiais metálicos utilizados em engenharia
são constituídos de metais puros;
• O objetivo é de aprimorar propriedades;
• Adiciona-se ao metal original um ou mais elementos;
• O material resultante é denominado de liga metálica;
• Definições
• Sistema
• Fases
• Monofásicas e polifásicas;
Sistema
• Denomina-se um conjunto específico de
matéria (substância e/ou corpos) que se
deseja estudar, limitado real ou
imaginariamente da circunvizinhança.
• Uma massa sólida, líquida ou gasosa ou a
mistura dos três estados constituem
exemplos de sistemas.
FASES
• FASE É A PORÇÃO HOMOGÊNEA DE UM SISTEMA QUE
TEM CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS
DEFINIDAS
Todo metal puro é considerado uma fase
• Uma fase é identificada pela composição química e
microestrutura
• A interação de 2 ou mais fases em um material permite
a obtenção de propriedades diferentes
• É possível alterar as propriedades do material alterando
a forma e distribuição das fases
©2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under
license.
(a) Cobre e níquel no estado líquido; (b) solução sólida de cobre e níquel;
(c) solução sólida de zinco no cobre e precipitado de cobre e zinco.
Fase 1
Fase 2
©2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used
herein under license.
(a) As três formas da água – gás, líquido, e sólido – cada uma é
uma fase. (b) água e álcool têm solubilidade ilimitada. (c) Sal e
água têm solubilidade limitada. (d) óleo e água não
apresentam solubilidade.
Ponto Tríplice –
Sistema
invariante
Grau de
liberdade zero
De acordo com a
regra de Gibbs
©2003Brooks/Cole,adivisionofThomsonLearning,Inc.ThomsonLearning™isatrademarkusedhereinunderlicense.
F = C – P + 2
F = liberdade;
C = componente
P = fases
Ciências dos Materiais - Aula 16 e 17 - Apresentação dos Diagramas de fases
Pontos triplos de metais comuns
(calculados)
Metal Temperatura (ºC) Pressão (atm)
Água 0,01 0,0006
Arsênico 814 36
Bário 704 0,001
Cálcio 850 0,0001
Chumbo 327 0,0000001
Cobre 1083 0,00000078
Estrôncio 770 0,0001
Ferro () 1535 0,00005
Manganês 1240 0,001
Mercúrio -38,87 0,0000000013
Níquel 1455 0,0001
Platina 1773 0,000001
Prata 960 0,0001
Zinco 419 0,05
Na temperatura
de fusão
Na temperatura
de fusão
Sobre a linha
de
transformação
Na campo de
fase
Regra de Gibbs
Pressão constante
Por que estudar os Diagrama de Fases?
• Os diagramas de fases são representações gráficas
(mapa) das fases presentes mais estáveis em um
sistema em função da temperatura, pressão e
composição;
• Dentre algumas das informações obtidas dos diagramas
de fases, pode-se listar:
 Fases presentes em diferentes condições de temperatura,
pressão e composição;
 Microestrutura e possíveis propriedades mecânicas;
 Solubilidade sólida de um elemento ou composto em outro;
 Temperaturas ou faixas de temperatura de transformação de
uma liga em condições de equilíbrio.
Ciências dos Materiais - Aula 16 e 17 - Apresentação dos Diagramas de fases
Cu-Ni: Curvas de resfriamento
Sistema Isomorfo – Cu / Ni
1084 °C
1455 °C
LIMITE DE SOLUBILIDADE
• SOLUBILIDADE COMPLETA
• SOLUBILIDADE INCOMPLETA
• INSOLUBILIDADE
• LIMITE DE SOLUBILIDADE: é a concentração máxima
de átomos de soluto que pode dissolver-se no solvente, a uma dada
temperatura, para formar uma solução sólida.
• Quando o limite de solubilidade é ultrapassado forma-se
uma segunda fase com composição distinta
©2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used
herein under license.
(a) As três formas da água – gás, líquido, e sólido – cada uma é
uma fase. (b) água e álcool têm solubilidade ilimitada. (c) Sal e
água têm solubilidade limitada. (d) óleo e água não
apresentam solubilidade.
(c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license.
Diagrama de equilíbrio binário chumbo-estanho.
Terminologia e Conceitos
• Linha liquidus
– É definida por todos os pontos correspondentes às temperaturas
de início de solidificação, acima da qual tem-se somente
constituintes no estado líquido, e abaixo, de estados sólido e
líquido.
• Linha solidus
– É a sequência de todos os pontos relativos às temperaturas de
fim de solidificação das ligas do sistema, abaixo da qual
somente tem-se estados sólidos.
• Linhas solvus
– Separam as áreas de solubilidade sólida, parcial, de outras
áreas sólidas bifásicas, sendo um dos limites das soluções
sólidas terminais.
Terminologia e Conceitos
• Liga eutética
– liga de menor temperatura de fusão do sistema. Essa liga
eutética caracteriza esse sistema de ligas pela qual, no
esfriamento, a fase solução líquida se decompõe
isotermicamente em duas fases sólidas;
• Sistema eutetoide
– Quando uma fase sólida, geralmente solução, no esfriamento,
decompõe-se isotermicamente em duas outras fases soluções
sólidas, ou mesmo sendo uma solução sólida e a outra uma
fase intermediária.
Sistemas Eutético e Eutetoide
(c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license.
Reações trifásicas mais importantes em um diagrama binário.
Eutético
Eutetoide
Transformações binárias invariantes de
Classe Eutética
Eutético
Eutetoide
Monotético
Metatético
L – líquido;
 , ,  - solução sólida
Estrutura resultante do
resfriamento de ligas
(c)2003Brooks/Cole,adivisionofThomsonLearning,Inc.ThomsonLearning™isatrademarkusedhereinunderlicense.
Solidificação e
microestrutura de
uma liga Pb-2%
Sn. Esta liga é
uma solução sólida
monofásica.
(c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license.
Solidificação, precipitação e microestrutura de uma liga Pb-
10% Sn. Ocorre algum endurecimento por dispersão como
precipitados de sólido β.
(c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license.
Solidificação e microestrutura de uma liga eutética Pb-61.9% Sn.
(c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license.
A curva de esfriamento de uma liga eutética é uma simples
transformação térmica, uma vez que o eutético solidifica ou
funde em uma única temperatura.
(c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license.
(a) Redistribuição atômica durante crescimento lamelar do
eutético chumbo-estanho. Átomos de estanho se
redistribuem preferencialmente por difusão nas placas de
fase β, e os átomos de chumbo nas placas de fase α. (b)
Fotomicrografia de um eutético PB-Sn (x400).
(c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license.
Solidificação e microestrutura de uma liga hipoeutética
(Pb-30% Sn).
(a) Uma liga hipoeutética Pb-Sn. (b) Uma liga
hipereutética Pb-Sn. O constituinte escuro é
uma solução sólida α rica em chumbo, o
constituinte claro é uma solução sólida β rica
em estanho, e a estrutura em lamelas finas é o
eutético (x400).
Ciências dos Materiais - Aula 16 e 17 - Apresentação dos Diagramas de fases
Ciências dos Materiais - Aula 16 e 17 - Apresentação dos Diagramas de fases
Microestruturas Eutéticas
• Há uma série de diferentes
“morfologias#” para as duas fases
numa liga binária eutética.
• De suma importância é a
minimização da área interfacial
entre as fases.
• A taxa de resfriamento também
pode ter um efeito importante.
• Uma ilustração esquemática de
várias microestruturas eutéticas:
(a) lamelar, (b) fibrosa, (c) globular,
e (d) acicular (or needlelike).
• # Morfologia significa a forma, tipo ou a
microestrutura” de uma fase.
(c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license.
Curva de resfriamento para uma liga hipoeutética Pb-30% Sn.
(c)2003Brooks/Cole,adivisionofThomsonLearning,Inc.ThomsonLearning™isatrademarkusedhereinunderlicense.
Diagrama de
fases alumínio-
silício.
Microestruturas típicas de eutéticos: (a) placas de silício
tipo acicular em eutético Al-Si (x100), e (b) hastes
arredondadas de silício em eutético Al-Si (x100).
Liga eutética
Efeito da adição de fósforo na microestrutura da liga de
alumínio-silício hipereutética: (a) cristais primários
grosseiros de silício, e (b) cristais primários de silício
refinados pela adição de fósforo (x75). (From ASM
Handbook, Vol. 7, (1972), ASM International, Materials Park,
OH 44073.)
Liga hipereutética
(c)2003Brooks/Cole,adivisionofThomsonLearning,Inc.ThomsonLearning™isatrademarkusedhereinunderlicense.
Diagramas de
fase binário para
os sistemas (a)
cobre-zinco, (b)
cobre-estanho,
(c) cobre-
aluminio, e (d)
cobre-berílio.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estruturas Cristalinas
Estruturas CristalinasEstruturas Cristalinas
106179892 apostila-corrosao
106179892 apostila-corrosao106179892 apostila-corrosao
106179892 apostila-corrosao
Otavio Rocha
 
Estrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metaisEstrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metais
José Geraldo Vicente da Silva
 
Interação entre imperfeições cristalinas
Interação entre imperfeições cristalinasInteração entre imperfeições cristalinas
Interação entre imperfeições cristalinas
Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies
 
Termodinâmica2
Termodinâmica2Termodinâmica2
Termodinâmica2
Fernando Machado Rocha
 
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidadeCiência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Vicktor Richelly
 
Compostos de coordenação
Compostos de coordenaçãoCompostos de coordenação
Compostos de coordenação
Larissa Cadorin
 
Alumínio e suas ligas
Alumínio e suas ligasAlumínio e suas ligas
Alumínio e suas ligas
Bruno Vilas Boas
 
Grupo Discordâncias e deformação plástica
Grupo Discordâncias e deformação plásticaGrupo Discordâncias e deformação plástica
Grupo Discordâncias e deformação plástica
emc5714
 
Estrutura cristalina
Estrutura cristalinaEstrutura cristalina
Estrutura cristalina
Leandro Barbosa
 
- Propriedades - Ligas metálicas - Metais
- Propriedades - Ligas metálicas - Metais - Propriedades - Ligas metálicas - Metais
- Propriedades - Ligas metálicas - Metais
Giullyanno Felisberto
 
Estrutura cristalina
Estrutura cristalinaEstrutura cristalina
Estrutura cristalina
Guilherme Cuzzuol
 
Aula 02 conceitos básicos de resistência dos materiais
Aula 02   conceitos básicos de resistência dos materiaisAula 02   conceitos básicos de resistência dos materiais
Aula 02 conceitos básicos de resistência dos materiais
Juliano Aparecido de Oliveira
 
Ensaio dureza brinell
Ensaio dureza brinellEnsaio dureza brinell
Ensaio dureza brinell
KLELTON BENETÃO
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITESELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ordenaelbass
 
Escoamento Laminar e turbulento
Escoamento Laminar e turbulentoEscoamento Laminar e turbulento
Escoamento Laminar e turbulento
Diego Henrique
 
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções AquosasAula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Tubulação industrial
Tubulação industrialTubulação industrial
Tubulação industrial
Paulo Zanetti
 
Diagrama de fases fe c
Diagrama de fases fe cDiagrama de fases fe c
Diagrama de fases fe c
alexpinto90
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
nanderson29
 

Mais procurados (20)

Estruturas Cristalinas
Estruturas CristalinasEstruturas Cristalinas
Estruturas Cristalinas
 
106179892 apostila-corrosao
106179892 apostila-corrosao106179892 apostila-corrosao
106179892 apostila-corrosao
 
Estrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metaisEstrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metais
 
Interação entre imperfeições cristalinas
Interação entre imperfeições cristalinasInteração entre imperfeições cristalinas
Interação entre imperfeições cristalinas
 
Termodinâmica2
Termodinâmica2Termodinâmica2
Termodinâmica2
 
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidadeCiência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
 
Compostos de coordenação
Compostos de coordenaçãoCompostos de coordenação
Compostos de coordenação
 
Alumínio e suas ligas
Alumínio e suas ligasAlumínio e suas ligas
Alumínio e suas ligas
 
Grupo Discordâncias e deformação plástica
Grupo Discordâncias e deformação plásticaGrupo Discordâncias e deformação plástica
Grupo Discordâncias e deformação plástica
 
Estrutura cristalina
Estrutura cristalinaEstrutura cristalina
Estrutura cristalina
 
- Propriedades - Ligas metálicas - Metais
- Propriedades - Ligas metálicas - Metais - Propriedades - Ligas metálicas - Metais
- Propriedades - Ligas metálicas - Metais
 
Estrutura cristalina
Estrutura cristalinaEstrutura cristalina
Estrutura cristalina
 
Aula 02 conceitos básicos de resistência dos materiais
Aula 02   conceitos básicos de resistência dos materiaisAula 02   conceitos básicos de resistência dos materiais
Aula 02 conceitos básicos de resistência dos materiais
 
Ensaio dureza brinell
Ensaio dureza brinellEnsaio dureza brinell
Ensaio dureza brinell
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITESELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
 
Escoamento Laminar e turbulento
Escoamento Laminar e turbulentoEscoamento Laminar e turbulento
Escoamento Laminar e turbulento
 
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções AquosasAula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
 
Tubulação industrial
Tubulação industrialTubulação industrial
Tubulação industrial
 
Diagrama de fases fe c
Diagrama de fases fe cDiagrama de fases fe c
Diagrama de fases fe c
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
 

Semelhante a Ciências dos Materiais - Aula 16 e 17 - Apresentação dos Diagramas de fases

Diagrama
DiagramaDiagrama
Diagrama
Valdson Pereira
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
elizethalves
 
Mcm apostila-capitulo02
Mcm apostila-capitulo02Mcm apostila-capitulo02
Mcm apostila-capitulo02
Universidade Federal do Piauí
 
Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...
Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...
Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...
Felipe Machado
 
8Diagrama de fases aula.pdf
8Diagrama de fases aula.pdf8Diagrama de fases aula.pdf
8Diagrama de fases aula.pdf
CnthiaDornelas1
 
Aula 2 diagrama de fases
Aula 2 diagrama de fasesAula 2 diagrama de fases
Aula 2 diagrama de fases
Gian Remundini
 
Aços inoxidáveis duplex e super duplex obtenção e
Aços inoxidáveis duplex e super duplex   obtenção eAços inoxidáveis duplex e super duplex   obtenção e
Aços inoxidáveis duplex e super duplex obtenção e
Adelmo SEAV Ribeiro Moreira
 
Aula sobre ligaã§ãµes iã´nicas
Aula sobre ligaã§ãµes iã´nicasAula sobre ligaã§ãµes iã´nicas
Aula sobre ligaã§ãµes iã´nicas
Augusto Sérgio Costa Souza
 
Apresentacao ciencia dos materiais
Apresentacao ciencia dos materiais Apresentacao ciencia dos materiais
Apresentacao ciencia dos materiais
LukasSeize
 
Apresentacao ciencia dos materiais
Apresentacao ciencia dos materiais Apresentacao ciencia dos materiais
Apresentacao ciencia dos materiais
LukasSeize
 
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássioSíntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Cybele Sobrenome
 
13 diagrama ferro carbono
13 diagrama ferro carbono13 diagrama ferro carbono
13 diagrama ferro carbono
fdsm
 
Revisão acafe 2012 1
Revisão acafe 2012 1Revisão acafe 2012 1
Revisão acafe 2012 1
VOECursos
 
Química 3ª série em[1]
Química 3ª série em[1]Química 3ª série em[1]
Química 3ª série em[1]
japquimica
 
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
davi almeida
 
Solidificação
SolidificaçãoSolidificação
Solidificação
Miguelngelo938152
 
Apoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementarApoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementar
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Apoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementarApoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementar
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
101534 manual projeto_e_durabilidade_2017
101534 manual projeto_e_durabilidade_2017101534 manual projeto_e_durabilidade_2017
101534 manual projeto_e_durabilidade_2017
DaniloMarmPinheiro
 
Teoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalinoTeoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalino
João Paulo Costa
 

Semelhante a Ciências dos Materiais - Aula 16 e 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (20)

Diagrama
DiagramaDiagrama
Diagrama
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
 
Mcm apostila-capitulo02
Mcm apostila-capitulo02Mcm apostila-capitulo02
Mcm apostila-capitulo02
 
Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...
Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...
Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...
 
8Diagrama de fases aula.pdf
8Diagrama de fases aula.pdf8Diagrama de fases aula.pdf
8Diagrama de fases aula.pdf
 
Aula 2 diagrama de fases
Aula 2 diagrama de fasesAula 2 diagrama de fases
Aula 2 diagrama de fases
 
Aços inoxidáveis duplex e super duplex obtenção e
Aços inoxidáveis duplex e super duplex   obtenção eAços inoxidáveis duplex e super duplex   obtenção e
Aços inoxidáveis duplex e super duplex obtenção e
 
Aula sobre ligaã§ãµes iã´nicas
Aula sobre ligaã§ãµes iã´nicasAula sobre ligaã§ãµes iã´nicas
Aula sobre ligaã§ãµes iã´nicas
 
Apresentacao ciencia dos materiais
Apresentacao ciencia dos materiais Apresentacao ciencia dos materiais
Apresentacao ciencia dos materiais
 
Apresentacao ciencia dos materiais
Apresentacao ciencia dos materiais Apresentacao ciencia dos materiais
Apresentacao ciencia dos materiais
 
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássioSíntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
 
13 diagrama ferro carbono
13 diagrama ferro carbono13 diagrama ferro carbono
13 diagrama ferro carbono
 
Revisão acafe 2012 1
Revisão acafe 2012 1Revisão acafe 2012 1
Revisão acafe 2012 1
 
Química 3ª série em[1]
Química 3ª série em[1]Química 3ª série em[1]
Química 3ª série em[1]
 
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
 
Solidificação
SolidificaçãoSolidificação
Solidificação
 
Apoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementarApoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementar
 
Apoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementarApoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementar
 
101534 manual projeto_e_durabilidade_2017
101534 manual projeto_e_durabilidade_2017101534 manual projeto_e_durabilidade_2017
101534 manual projeto_e_durabilidade_2017
 
Teoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalinoTeoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalino
 

Mais de Felipe Machado

Ciências dos Materiais - Aula 20 - Tratamentos Térmicos dos materiais
Ciências dos Materiais - Aula 20 - Tratamentos Térmicos dos materiaisCiências dos Materiais - Aula 20 - Tratamentos Térmicos dos materiais
Ciências dos Materiais - Aula 20 - Tratamentos Térmicos dos materiais
Felipe Machado
 
Ciências dos Materiais - Aula 14 - Fadiga dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 14 - Fadiga dos MateriaisCiências dos Materiais - Aula 14 - Fadiga dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 14 - Fadiga dos Materiais
Felipe Machado
 
Ciências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos MateriaisCiências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos Materiais
Felipe Machado
 
Ciências dos Materiais - Aula 12 - Materiais Cerâmicos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 12 - Materiais Cerâmicos e suas aplicaçõesCiências dos Materiais - Aula 12 - Materiais Cerâmicos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 12 - Materiais Cerâmicos e suas aplicações
Felipe Machado
 
Ciências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicaçõesCiências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicações
Felipe Machado
 
Ciências dos Materiais - Aula 9 - Materiais Metálicos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 9 - Materiais Metálicos e suas aplicaçõesCiências dos Materiais - Aula 9 - Materiais Metálicos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 9 - Materiais Metálicos e suas aplicações
Felipe Machado
 
Ciências dos Materiais - Aula 7 - Caracterização dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 7 - Caracterização dos MateriaisCiências dos Materiais - Aula 7 - Caracterização dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 7 - Caracterização dos Materiais
Felipe Machado
 
Ciências dos Materiais - Aula 6 - Imperfeições Cristalinas
Ciências dos Materiais - Aula 6 - Imperfeições CristalinasCiências dos Materiais - Aula 6 - Imperfeições Cristalinas
Ciências dos Materiais - Aula 6 - Imperfeições Cristalinas
Felipe Machado
 
Ciências dos Materiais - Aula 4 - Solidificação dos materiais
Ciências dos Materiais - Aula 4 - Solidificação dos materiaisCiências dos Materiais - Aula 4 - Solidificação dos materiais
Ciências dos Materiais - Aula 4 - Solidificação dos materiais
Felipe Machado
 
Ciências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas Cristalinas
Ciências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas CristalinasCiências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas Cristalinas
Ciências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas Cristalinas
Felipe Machado
 
Ciências dos Materiais - Aula 2 - Composição e Estruturas dos materiais
Ciências dos Materiais - Aula 2 - Composição e Estruturas dos materiaisCiências dos Materiais - Aula 2 - Composição e Estruturas dos materiais
Ciências dos Materiais - Aula 2 - Composição e Estruturas dos materiais
Felipe Machado
 
Ciências dos Materiais - Aula 1 - Introdução
Ciências dos Materiais - Aula 1 - IntroduçãoCiências dos Materiais - Aula 1 - Introdução
Ciências dos Materiais - Aula 1 - Introdução
Felipe Machado
 

Mais de Felipe Machado (12)

Ciências dos Materiais - Aula 20 - Tratamentos Térmicos dos materiais
Ciências dos Materiais - Aula 20 - Tratamentos Térmicos dos materiaisCiências dos Materiais - Aula 20 - Tratamentos Térmicos dos materiais
Ciências dos Materiais - Aula 20 - Tratamentos Térmicos dos materiais
 
Ciências dos Materiais - Aula 14 - Fadiga dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 14 - Fadiga dos MateriaisCiências dos Materiais - Aula 14 - Fadiga dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 14 - Fadiga dos Materiais
 
Ciências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos MateriaisCiências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 13 - Propriedades Mecânicas dos Materiais
 
Ciências dos Materiais - Aula 12 - Materiais Cerâmicos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 12 - Materiais Cerâmicos e suas aplicaçõesCiências dos Materiais - Aula 12 - Materiais Cerâmicos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 12 - Materiais Cerâmicos e suas aplicações
 
Ciências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicaçõesCiências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicações
 
Ciências dos Materiais - Aula 9 - Materiais Metálicos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 9 - Materiais Metálicos e suas aplicaçõesCiências dos Materiais - Aula 9 - Materiais Metálicos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 9 - Materiais Metálicos e suas aplicações
 
Ciências dos Materiais - Aula 7 - Caracterização dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 7 - Caracterização dos MateriaisCiências dos Materiais - Aula 7 - Caracterização dos Materiais
Ciências dos Materiais - Aula 7 - Caracterização dos Materiais
 
Ciências dos Materiais - Aula 6 - Imperfeições Cristalinas
Ciências dos Materiais - Aula 6 - Imperfeições CristalinasCiências dos Materiais - Aula 6 - Imperfeições Cristalinas
Ciências dos Materiais - Aula 6 - Imperfeições Cristalinas
 
Ciências dos Materiais - Aula 4 - Solidificação dos materiais
Ciências dos Materiais - Aula 4 - Solidificação dos materiaisCiências dos Materiais - Aula 4 - Solidificação dos materiais
Ciências dos Materiais - Aula 4 - Solidificação dos materiais
 
Ciências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas Cristalinas
Ciências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas CristalinasCiências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas Cristalinas
Ciências dos Materiais - Aula 3 - Estruturas Cristalinas
 
Ciências dos Materiais - Aula 2 - Composição e Estruturas dos materiais
Ciências dos Materiais - Aula 2 - Composição e Estruturas dos materiaisCiências dos Materiais - Aula 2 - Composição e Estruturas dos materiais
Ciências dos Materiais - Aula 2 - Composição e Estruturas dos materiais
 
Ciências dos Materiais - Aula 1 - Introdução
Ciências dos Materiais - Aula 1 - IntroduçãoCiências dos Materiais - Aula 1 - Introdução
Ciências dos Materiais - Aula 1 - Introdução
 

Ciências dos Materiais - Aula 16 e 17 - Apresentação dos Diagramas de fases

  • 2. Diagrama de fases • Importância do tema • Poucos materiais metálicos utilizados em engenharia são constituídos de metais puros; • O objetivo é de aprimorar propriedades; • Adiciona-se ao metal original um ou mais elementos; • O material resultante é denominado de liga metálica; • Definições • Sistema • Fases • Monofásicas e polifásicas;
  • 3. Sistema • Denomina-se um conjunto específico de matéria (substância e/ou corpos) que se deseja estudar, limitado real ou imaginariamente da circunvizinhança. • Uma massa sólida, líquida ou gasosa ou a mistura dos três estados constituem exemplos de sistemas.
  • 4. FASES • FASE É A PORÇÃO HOMOGÊNEA DE UM SISTEMA QUE TEM CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS DEFINIDAS Todo metal puro é considerado uma fase • Uma fase é identificada pela composição química e microestrutura • A interação de 2 ou mais fases em um material permite a obtenção de propriedades diferentes • É possível alterar as propriedades do material alterando a forma e distribuição das fases
  • 5. ©2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license. (a) Cobre e níquel no estado líquido; (b) solução sólida de cobre e níquel; (c) solução sólida de zinco no cobre e precipitado de cobre e zinco. Fase 1 Fase 2
  • 6. ©2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license. (a) As três formas da água – gás, líquido, e sólido – cada uma é uma fase. (b) água e álcool têm solubilidade ilimitada. (c) Sal e água têm solubilidade limitada. (d) óleo e água não apresentam solubilidade.
  • 7. Ponto Tríplice – Sistema invariante Grau de liberdade zero De acordo com a regra de Gibbs ©2003Brooks/Cole,adivisionofThomsonLearning,Inc.ThomsonLearning™isatrademarkusedhereinunderlicense. F = C – P + 2 F = liberdade; C = componente P = fases
  • 9. Pontos triplos de metais comuns (calculados) Metal Temperatura (ºC) Pressão (atm) Água 0,01 0,0006 Arsênico 814 36 Bário 704 0,001 Cálcio 850 0,0001 Chumbo 327 0,0000001 Cobre 1083 0,00000078 Estrôncio 770 0,0001 Ferro () 1535 0,00005 Manganês 1240 0,001 Mercúrio -38,87 0,0000000013 Níquel 1455 0,0001 Platina 1773 0,000001 Prata 960 0,0001 Zinco 419 0,05
  • 10. Na temperatura de fusão Na temperatura de fusão Sobre a linha de transformação Na campo de fase Regra de Gibbs Pressão constante
  • 11. Por que estudar os Diagrama de Fases? • Os diagramas de fases são representações gráficas (mapa) das fases presentes mais estáveis em um sistema em função da temperatura, pressão e composição; • Dentre algumas das informações obtidas dos diagramas de fases, pode-se listar:  Fases presentes em diferentes condições de temperatura, pressão e composição;  Microestrutura e possíveis propriedades mecânicas;  Solubilidade sólida de um elemento ou composto em outro;  Temperaturas ou faixas de temperatura de transformação de uma liga em condições de equilíbrio.
  • 13. Cu-Ni: Curvas de resfriamento
  • 14. Sistema Isomorfo – Cu / Ni 1084 °C 1455 °C
  • 15. LIMITE DE SOLUBILIDADE • SOLUBILIDADE COMPLETA • SOLUBILIDADE INCOMPLETA • INSOLUBILIDADE • LIMITE DE SOLUBILIDADE: é a concentração máxima de átomos de soluto que pode dissolver-se no solvente, a uma dada temperatura, para formar uma solução sólida. • Quando o limite de solubilidade é ultrapassado forma-se uma segunda fase com composição distinta
  • 16. ©2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license. (a) As três formas da água – gás, líquido, e sólido – cada uma é uma fase. (b) água e álcool têm solubilidade ilimitada. (c) Sal e água têm solubilidade limitada. (d) óleo e água não apresentam solubilidade.
  • 17. (c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license. Diagrama de equilíbrio binário chumbo-estanho.
  • 18. Terminologia e Conceitos • Linha liquidus – É definida por todos os pontos correspondentes às temperaturas de início de solidificação, acima da qual tem-se somente constituintes no estado líquido, e abaixo, de estados sólido e líquido. • Linha solidus – É a sequência de todos os pontos relativos às temperaturas de fim de solidificação das ligas do sistema, abaixo da qual somente tem-se estados sólidos. • Linhas solvus – Separam as áreas de solubilidade sólida, parcial, de outras áreas sólidas bifásicas, sendo um dos limites das soluções sólidas terminais.
  • 19. Terminologia e Conceitos • Liga eutética – liga de menor temperatura de fusão do sistema. Essa liga eutética caracteriza esse sistema de ligas pela qual, no esfriamento, a fase solução líquida se decompõe isotermicamente em duas fases sólidas; • Sistema eutetoide – Quando uma fase sólida, geralmente solução, no esfriamento, decompõe-se isotermicamente em duas outras fases soluções sólidas, ou mesmo sendo uma solução sólida e a outra uma fase intermediária.
  • 20. Sistemas Eutético e Eutetoide
  • 21. (c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license. Reações trifásicas mais importantes em um diagrama binário. Eutético Eutetoide
  • 22. Transformações binárias invariantes de Classe Eutética Eutético Eutetoide Monotético Metatético L – líquido;  , ,  - solução sólida
  • 25. (c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license. Solidificação, precipitação e microestrutura de uma liga Pb- 10% Sn. Ocorre algum endurecimento por dispersão como precipitados de sólido β.
  • 26. (c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license. Solidificação e microestrutura de uma liga eutética Pb-61.9% Sn.
  • 27. (c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license. A curva de esfriamento de uma liga eutética é uma simples transformação térmica, uma vez que o eutético solidifica ou funde em uma única temperatura.
  • 28. (c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license. (a) Redistribuição atômica durante crescimento lamelar do eutético chumbo-estanho. Átomos de estanho se redistribuem preferencialmente por difusão nas placas de fase β, e os átomos de chumbo nas placas de fase α. (b) Fotomicrografia de um eutético PB-Sn (x400).
  • 29. (c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license. Solidificação e microestrutura de uma liga hipoeutética (Pb-30% Sn).
  • 30. (a) Uma liga hipoeutética Pb-Sn. (b) Uma liga hipereutética Pb-Sn. O constituinte escuro é uma solução sólida α rica em chumbo, o constituinte claro é uma solução sólida β rica em estanho, e a estrutura em lamelas finas é o eutético (x400).
  • 33. Microestruturas Eutéticas • Há uma série de diferentes “morfologias#” para as duas fases numa liga binária eutética. • De suma importância é a minimização da área interfacial entre as fases. • A taxa de resfriamento também pode ter um efeito importante. • Uma ilustração esquemática de várias microestruturas eutéticas: (a) lamelar, (b) fibrosa, (c) globular, e (d) acicular (or needlelike). • # Morfologia significa a forma, tipo ou a microestrutura” de uma fase.
  • 34. (c)2003 Brooks/Cole, a division of Thomson Learning, Inc. Thomson Learning™ is a trademark used herein under license. Curva de resfriamento para uma liga hipoeutética Pb-30% Sn.
  • 36. Microestruturas típicas de eutéticos: (a) placas de silício tipo acicular em eutético Al-Si (x100), e (b) hastes arredondadas de silício em eutético Al-Si (x100). Liga eutética
  • 37. Efeito da adição de fósforo na microestrutura da liga de alumínio-silício hipereutética: (a) cristais primários grosseiros de silício, e (b) cristais primários de silício refinados pela adição de fósforo (x75). (From ASM Handbook, Vol. 7, (1972), ASM International, Materials Park, OH 44073.) Liga hipereutética
  • 38. (c)2003Brooks/Cole,adivisionofThomsonLearning,Inc.ThomsonLearning™isatrademarkusedhereinunderlicense. Diagramas de fase binário para os sistemas (a) cobre-zinco, (b) cobre-estanho, (c) cobre- aluminio, e (d) cobre-berílio.