SlideShare uma empresa Scribd logo
Ciência e Tecnologia na
União Soviética: breve
percurso histórico
PARTE UM : CONTEXTUALIZAÇÃO
Contextos iniciais
 A Ciência russa nos últimos anos do czarismo, apesar de alguns tímidos avanços, passava por
problemas como o isolamento de seus cientistas de outros campos de pesquisa na Europa, tensões
entre os pesquisadores, e o errático e confuso patrocínio do governo aos institutos de pesquisa e
universidades. Havia campos de excelência no país, como da química, mas, mesmo nestes, ocorriam
empecilhos e descontentamentos.
 Começo de maior publicação de periódicos científicos no país e consolidação de universidade e
centros de pesquisa.
 Canais de divulgação científica: Julio Verne, H. G. Wells e Camille Flamarion atraíram enorme sucesso
e atraíram uma geração de jovens a explorar a ficção científica e a se interessar por ciência.
 Periódicos de divulgação: Natureza e o povo; Jornal do conhecimento; Mundo de aventuras.
Contexto inicial
 com a ascensão dos bolcheviques, o que era um interesse localizado se transforma em importante
tendência, por vezes definido como “utopia científica”. Contudo, a relação entre os bolcheviques e
os cientistas russos foi incialmente distante, contudo modificando-se (parcialmente) ao longo do
tempo.
 Engenharia social – O novo homem soviético.
 “Eletricidade para toda a Rússia” (1921)
 Ápice dessa visão ocorre durante o período da Nova Política Econômica (NEP), entre 1921-29,
onde a recuperação econômica e parcial tolerância dos bolcheviques permitiu a discussão,
exibição e promoção da ciência e Tecnologia na URSS, tratada como importante chave de
desenvolvimento e evolução social.
 impacto na cultura e artes:“Cosmismo russo”; Exposições aeroespaciais em Kiev (1925) e Moscou
(1927).
 Vladimir Ryumin (1874-1937) Nikolai Rinin (1877-1942) Yakov I. Perelman (1882-1942).
Filmes de Ficção
científica soviéticos
(esquerda para a
direita):
Aelita (1924)
Космический рейс
(viagem cósmica)
(1936)
Дорога к звёздам
(caminho para as
estrelas) (1958)
Solaris (1972)
Ciência russa pós revolução
 A partir de 1918, mas principalmente após 1920 com o fim da guerra civil no país, foram
tomadas medidas consistentes que reconstruíram o campo científico-tecnológico russo:
surgimento de considerável número de universidades e de centros de pesquisa, que permitiram
o desenvolvimento de novos estudos e formas de interação entre pesquisadores russos.
criação de diferentes institutos ligados à área militar, econômica ou a campos como medicina e
comunicação, cerca de 40 a 70 deles instituídos a partir de 1920, descentralizando parcialmente
as pesquisas
órgãos como o Instituto Estatal Técnico Científico (GONTI, fundado em 1920), o Ministério da
Educação (mantido pelos bolcheviques) ou o Soviete Supremo da Economia Nacional (VSNKh,
fundado em 1918).
Reorganização, manutenção e expansão da Academia de ciências da União Soviética
Ciência soviética anos 1920-1940
 partir de 1928, com o fim da NEP e o surgimento dos planos quinquenais, surgiram as bases
do planejamento centralizado e sistemático da economia russa.
 pesados investimentos em áreas ligadas à energia (eletricidade e extração de carvão e
petróleo), à indústria pesada (construção mecânica e metalurgia), e à infraestrutura de
transportes (estrada de ferro e canais).
 realizaram-se projetos grandiosos ligados a Infraestrutura (hidrelétricas, fábricas), feitos em
prazos curtos – e à custa da vida de milhares de prisioneiros políticos.
 resultados dúbios: expandiu o número de indústrias no país e permitiu o surgimento de
novos setores relacionados à química, à aeronáutica, à eletrotécnica e à construção de
máquinas, por outro, negligenciou setores importantes como o da indústria leve e o da
construção civil, além de imobilizar a URSS com uma política econômica, científica e
industrial de metas fechadas e excessivamente controladas.
Magnitogorsk (1929) Canal Mar Branco–Báltico (1933) Metrô de Moscou (1935)
Ciência soviética 1928-1945
 considerável aumento – de 543 mil em 1928 para mais de 2 milhões e 500 mil
em 1941 – do número de profissionais ligados a intelectualidade. Aumento do
número de formandos e a consolidação de uma nova classe intelectual no país
(classificada como intelligentsia).
 Praticamente todos os campos de pesquisa sofreram com a repressão
promovida, a partir de 1936, pelo líder soviético Josef Stalin, período
conhecido como o “grande terror”. Até aproximadamente 1940, centenas de
cientistas foram expurgados de seus cargos e presos; muitos foram executados
sob acusações de “traição”; outros sentenciados a longos períodos de exílio
em Gulags, onde muitos pereceram.
Sharashka (Laboratórios em pesquisa e
desenvolvimento existentes nos gulags)
Ciência soviética 1941-49
 Segunda Guerra Mundial, após os alemães terem invadido o país em
junho de 1941, houve uma maciça transferência de indústrias e de
empresas para áreas do Volga, dos Urais, da Sibéria e do Cazaquistão.
Alguns centros de pesquisa e institutos também foram transferidos ou
diminuíram drasticamente sua atividade;
 término da guerra, projetos de “reparações” foram estabelecidos pelo
governo soviético e muito da reconstrução dos campos da Ciência e da
Tecnologia do país foi feita por especialistas e pesquisadores alemães
que foram para lá realizar estudos e projetos, com material científico e
tecnológico confiscado e retirado da Alemanha pela URSS
Ciência soviética no pós guerra
 os cientistas soviéticos tiveram que se adaptar (muitas vezes sem sucesso) às políticas
repressivas apresentadas pelo secretário do comitê central do partido comunista,
Andrei Zhadnov (1896-1948), chamadas de zhdanovshchina, que impunham uma forte
censura, recrudescimento de posturas xenófobas, e um rígido controle ideológico aos
trabalhos. Muitos dos cientistas e dos pesquisadores foram afastados de suas
atividades e, em casos mais extremos, presos ou executados.
 Plano quinquenal (1946-1950): investimentos relacionados ao radar, propulsão a jato,
foguetes e energia atômica. Primeiro a diretamente indicar o papel da Ciência e
Tecnologia como importante fator de desenvolvimento soviético.
Ciência Soviética no pós-guerra: Principais
organismos
Ministério de defesa
Comitê Estatal para a Ciência e Tecnologia
– este último, denominado Gostekhinka,
entre 1949 e 1953, e GKTN, até 1991
Ciência Soviética no pós-guerra: Principais
organismos
VINITI Universidade estatal de Moscou Academia de Ciências da URSS
Ciência soviética anos 1970
 Nos anos 1970, os campo da Ciência e da Tecnologia soviéticos
atingiam o ápice de seu poder e status, identificando e estabilizando
os parâmetros de sua estrutura e funcionamento.
 dois tipos principais de profissionais: O primeiro, em maior
quantidade, era formado por especialistas, pesquisadores ou
cientistas ligados à Academia de Ciências ou as instituições
relacionadas, e o segundo constituído por engenheiros ou
profissionais ligados a atividades científicas fora da Academia de
Ciências.
Ciência soviética anos 1970
 Em 1973, cerca de 1.375.000 profissionais estavam envolvidos em
atividades científicas ou em projetos ligados à alta tecnologia.
 Em 1974, um milhão e trezentos mil pesquisadores em atividade com
patrocínio estatal; República Soviética da Rússia, existiam
aproximadamente 475 instituições de ensino superior, com cursos, em
mais de 45 línguas, disponíveis para quase 24 milhões de estudantes.
 crescimento de institutos científicos na URSS, que passaram de 3.447 em
1950 para 5.327 em 1975
Ciência soviética nos anos 1970
Mas todo esse aparato estimulou também críticas e descontentamentos
 pesquisadores ressentidos com o “afunilamento” dos campos científico e
tecnológico soviéticos, que até possuíam variedade de temas, mas não de locais
de estudo ou meios e recursos para sua realização.
 questionamentos do custo humano, econômico e ambiental de tal sucesso,
 Acusações de cientistas dissidentes (como Zhores Medvedev e Andrei Sakharov),
que se opunham à forma autoritária e repressiva – em casos extremos, com o uso
de asilos psiquiátricos- com os oposicionistas.
Ciência soviética nos anos 1980
 Nos anos 1980, a Ciência e Tecnologia soviética apresentava duas realidades distintas.
possuía centros e áreas de pesquisa que mostravam excelência em nível internacional e uma considerável
produção intelectual em várias áreas e disciplinas científicas.
os campos continuaram a sofrer de diferentes problemas
 forte burocracia imposta pelo partido comunista, que não permitia a troca e a divulgação de
informações importantes entre diferentes institutos, dificultando o acesso e até mesmo a reprodução de
documentos científicos;
 centralização imposta para a produção e organização da informação, que prejudicou maior diversidade
de atividades, pesquisas e resultados;
 o estático patrocínio dado pelo governo à Ciência soviética, que se manteve inalterado por quase vinte
anos;
Ciência soviética a partir de 1985
 Por um lado, a Ciência russa adotou medidas que buscavam uma maior descentralização de
recursos e de investimentos, tentando, assim, em várias áreas, diversificar sua estrutura e sair da
dependência do complexo militar e academia de ciências.
 tomou iniciativas para democratizar os centros de pesquisa, universidades e a Academia de
Ciências da URSS, buscando estimular uma maior eficiência dos cientistas.
 leis promulgadas entre 1987-1988, alguns cientistas e engenheiros, de diferentes maneiras,
participaram, com alguns sucessos, de pesquisas e trabalhos em diversas “cooperativas” –
empresas de pequeno e médio porte que começavam a surgir na URSS . Porém, problemas como
a abusiva intervenção de institutos de pesquisas estatais, a presença de membros do governo e
até mesmo de alguns grupos criminosos nessas cooperativas e sua recepção reservada por parte
da população, fizeram com que tivessem um resultado irregular
Bibliografia
SANTOS JUNIOR, R. L.; PINHEIRO, L. V. R. . A infra-estrutura em informação científica e em ciência da informação
na antiga União Soviética (1917-1991). Encontros Bibli (Online), v. 15, p. 24-51, 2010.
SANTOS JUNIOR, R. L.. Análise histórica da evolução e desenvolvimento dos campos da Ciência e da Tecnologia
na antiga União Soviética e Rússia (1917-2010). Revista Brasileira de História da Ciência, v. 5, p. 279-296, 2012.
SANTOS JUNIOR, R. L.. Análise sobre o desenvolvimento do campo de estudo em informação científica e técnica
nos Estados Unidos e na antiga União Soviética durante a guerra fria (1945-1991). RBBD. Revista Brasileira de
Biblioteconomia e Documentação (Online), v. 8, p. 130-157, 2012.
SIDDIQI, ASIF. Tsiolkovskii and the Invention of ‘Russian Cosmism’: Science, Mysticism, and the Conquest of
Nature at the Birth of Soviet Space Exploration. In Science, Religion and Communism in Cold War Europe, eds.
Stephen A. Smith and Paul Betts. Londres: Palgrave Macmillan, p.126-155, 2016.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Inclusão social do surdo
Inclusão social do surdoInclusão social do surdo
Inclusão social do surdo
Karina Cunha
 
Carroça vazia
Carroça  vaziaCarroça  vazia
Carroça vazia
Cida Carvalho
 
O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...
O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...
O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...
GELCINEIA POLIZELLO
 
A arte de ser feliz
A arte de ser felizA arte de ser feliz
A arte de ser feliz
Júlia Lícia Soares Matos
 
Adivinhas
AdivinhasAdivinhas
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisUnidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Elaine Cruz
 
Tecnologias Assistivas e Acessibilidade
Tecnologias Assistivas e AcessibilidadeTecnologias Assistivas e Acessibilidade
Tecnologias Assistivas e Acessibilidade
Soraia Prietch
 
Evangelização - Uma Prova de Lealdade
Evangelização - Uma Prova de LealdadeEvangelização - Uma Prova de Lealdade
Evangelização - Uma Prova de Lealdade
Antonino Silva
 
Pobremas VI Enigmas
Pobremas VI EnigmasPobremas VI Enigmas
Pobremas VI Enigmas
Joelma Santos
 
Catador de pensamentos
Catador de pensamentosCatador de pensamentos
Catador de pensamentos
Maurício Francisco Dos Santos
 
poesia
poesiapoesia
poesia
guest5209304
 
Conto Maravilhoso
Conto MaravilhosoConto Maravilhoso
Conto Maravilhoso
galine1000
 
Concurso trava-línguas
Concurso   trava-línguasConcurso   trava-línguas
Concurso trava-línguas
Jozi Mares
 
Fábulas do 5º ano E
Fábulas do 5º ano EFábulas do 5º ano E
Fábulas do 5º ano E
Colégio Catarinense
 
O peixinho azul
O peixinho azulO peixinho azul
O peixinho azul
roza-melo
 
Projeto quem lê viaja
Projeto quem lê viajaProjeto quem lê viaja
Projeto quem lê viaja
Mundinha Moreira
 
FÁBULA O BURRO E O GRILO
FÁBULA O BURRO E O GRILOFÁBULA O BURRO E O GRILO
FÁBULA O BURRO E O GRILO
Roseli Aparecida Tavares
 
Sequência didática piada
Sequência didática piadaSequência didática piada
Sequência didática piada
Professora Cida
 
Uma horta bem janota
Uma horta bem janota Uma horta bem janota
Uma horta bem janota
maalcraz
 
Manual Autismo Programa de-educacao-individualizada-pei
Manual Autismo Programa de-educacao-individualizada-peiManual Autismo Programa de-educacao-individualizada-pei
Manual Autismo Programa de-educacao-individualizada-pei
Caminhos do Autismo
 

Mais procurados (20)

Inclusão social do surdo
Inclusão social do surdoInclusão social do surdo
Inclusão social do surdo
 
Carroça vazia
Carroça  vaziaCarroça  vazia
Carroça vazia
 
O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...
O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...
O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...
 
A arte de ser feliz
A arte de ser felizA arte de ser feliz
A arte de ser feliz
 
Adivinhas
AdivinhasAdivinhas
Adivinhas
 
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisUnidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
 
Tecnologias Assistivas e Acessibilidade
Tecnologias Assistivas e AcessibilidadeTecnologias Assistivas e Acessibilidade
Tecnologias Assistivas e Acessibilidade
 
Evangelização - Uma Prova de Lealdade
Evangelização - Uma Prova de LealdadeEvangelização - Uma Prova de Lealdade
Evangelização - Uma Prova de Lealdade
 
Pobremas VI Enigmas
Pobremas VI EnigmasPobremas VI Enigmas
Pobremas VI Enigmas
 
Catador de pensamentos
Catador de pensamentosCatador de pensamentos
Catador de pensamentos
 
poesia
poesiapoesia
poesia
 
Conto Maravilhoso
Conto MaravilhosoConto Maravilhoso
Conto Maravilhoso
 
Concurso trava-línguas
Concurso   trava-línguasConcurso   trava-línguas
Concurso trava-línguas
 
Fábulas do 5º ano E
Fábulas do 5º ano EFábulas do 5º ano E
Fábulas do 5º ano E
 
O peixinho azul
O peixinho azulO peixinho azul
O peixinho azul
 
Projeto quem lê viaja
Projeto quem lê viajaProjeto quem lê viaja
Projeto quem lê viaja
 
FÁBULA O BURRO E O GRILO
FÁBULA O BURRO E O GRILOFÁBULA O BURRO E O GRILO
FÁBULA O BURRO E O GRILO
 
Sequência didática piada
Sequência didática piadaSequência didática piada
Sequência didática piada
 
Uma horta bem janota
Uma horta bem janota Uma horta bem janota
Uma horta bem janota
 
Manual Autismo Programa de-educacao-individualizada-pei
Manual Autismo Programa de-educacao-individualizada-peiManual Autismo Programa de-educacao-individualizada-pei
Manual Autismo Programa de-educacao-individualizada-pei
 

Semelhante a Ciência e Tecnologia na União Soviética: breve percurso histórico parte 1

Ciência e Tecnologia na antiga União Soviética: breve percurso histórico parte 2
Ciência e Tecnologia na antiga União Soviética: breve percurso histórico parte 2Ciência e Tecnologia na antiga União Soviética: breve percurso histórico parte 2
Ciência e Tecnologia na antiga União Soviética: breve percurso histórico parte 2
Roberto Lopes
 
A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...
A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...
A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...
Roberto Lopes
 
Aula 3 cientifico
Aula 3   cientificoAula 3   cientifico
Aula 3 cientifico
aulasdejornalismo
 
Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...
Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...
Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...
Roberto Lopes
 
O papel do cientista na sociedade artigo de schwartzman
O papel do cientista na sociedade   artigo de schwartzmanO papel do cientista na sociedade   artigo de schwartzman
O papel do cientista na sociedade artigo de schwartzman
Elias Brasilino
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
equacao
 
Divulgação científica no brasil
Divulgação científica no brasilDivulgação científica no brasil
Divulgação científica no brasil
Myrian Del Vecchio
 
História do Direito - Idade Moderna - Professora Luiza
História do Direito - Idade Moderna - Professora LuizaHistória do Direito - Idade Moderna - Professora Luiza
História do Direito - Idade Moderna - Professora Luiza
Nathália Camargo
 
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair AguilarRenascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
A HISTÓRIA DA RIQUEZA DO OCIDENTE.ppt
A HISTÓRIA DA RIQUEZA DO OCIDENTE.pptA HISTÓRIA DA RIQUEZA DO OCIDENTE.ppt
A HISTÓRIA DA RIQUEZA DO OCIDENTE.ppt
Valdir Conceição
 
9º hist -_guia_estudos__1º_cl
9º hist -_guia_estudos__1º_cl9º hist -_guia_estudos__1º_cl
9º hist -_guia_estudos__1º_cl
emalfredocastro
 
01 euforia das invenções alunos
01 euforia das invenções alunos01 euforia das invenções alunos
01 euforia das invenções alunos
Vítor Santos
 
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
Carlos Ribeiro
 
Plano de aula Revolução Russa- A importância do cidadão comum
Plano de aula Revolução Russa- A importância do cidadão comumPlano de aula Revolução Russa- A importância do cidadão comum
Plano de aula Revolução Russa- A importância do cidadão comum
Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)
 
Jornalismo cientifico
Jornalismo cientificoJornalismo cientifico
Jornalismo cientifico
Marcelo Freire
 
1. sociologia da educação
1. sociologia da educação1. sociologia da educação
1. sociologia da educação
SimonelleGomes
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
Rui Neto
 
A escola dos annales e o positivismo
A escola dos annales e o positivismoA escola dos annales e o positivismo
A escola dos annales e o positivismo
Gisele Finatti Baraglio
 
kuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdf
kuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdfkuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdf
kuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdf
zoio1
 
kuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdf
kuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdfkuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdf
kuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdf
zoio1
 

Semelhante a Ciência e Tecnologia na União Soviética: breve percurso histórico parte 1 (20)

Ciência e Tecnologia na antiga União Soviética: breve percurso histórico parte 2
Ciência e Tecnologia na antiga União Soviética: breve percurso histórico parte 2Ciência e Tecnologia na antiga União Soviética: breve percurso histórico parte 2
Ciência e Tecnologia na antiga União Soviética: breve percurso histórico parte 2
 
A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...
A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...
A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...
 
Aula 3 cientifico
Aula 3   cientificoAula 3   cientifico
Aula 3 cientifico
 
Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...
Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...
Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...
 
O papel do cientista na sociedade artigo de schwartzman
O papel do cientista na sociedade   artigo de schwartzmanO papel do cientista na sociedade   artigo de schwartzman
O papel do cientista na sociedade artigo de schwartzman
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 
Divulgação científica no brasil
Divulgação científica no brasilDivulgação científica no brasil
Divulgação científica no brasil
 
História do Direito - Idade Moderna - Professora Luiza
História do Direito - Idade Moderna - Professora LuizaHistória do Direito - Idade Moderna - Professora Luiza
História do Direito - Idade Moderna - Professora Luiza
 
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair AguilarRenascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
 
A HISTÓRIA DA RIQUEZA DO OCIDENTE.ppt
A HISTÓRIA DA RIQUEZA DO OCIDENTE.pptA HISTÓRIA DA RIQUEZA DO OCIDENTE.ppt
A HISTÓRIA DA RIQUEZA DO OCIDENTE.ppt
 
9º hist -_guia_estudos__1º_cl
9º hist -_guia_estudos__1º_cl9º hist -_guia_estudos__1º_cl
9º hist -_guia_estudos__1º_cl
 
01 euforia das invenções alunos
01 euforia das invenções alunos01 euforia das invenções alunos
01 euforia das invenções alunos
 
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
 
Plano de aula Revolução Russa- A importância do cidadão comum
Plano de aula Revolução Russa- A importância do cidadão comumPlano de aula Revolução Russa- A importância do cidadão comum
Plano de aula Revolução Russa- A importância do cidadão comum
 
Jornalismo cientifico
Jornalismo cientificoJornalismo cientifico
Jornalismo cientifico
 
1. sociologia da educação
1. sociologia da educação1. sociologia da educação
1. sociologia da educação
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
 
A escola dos annales e o positivismo
A escola dos annales e o positivismoA escola dos annales e o positivismo
A escola dos annales e o positivismo
 
kuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdf
kuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdfkuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdf
kuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdf
 
kuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdf
kuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdfkuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdf
kuhn-thomas-a-estrutura-das-revoluc3a7c3b5es-cientc3adficas.pdf
 

Mais de Roberto Lopes

Arquivologia e videogames: tendências atuais de pesquisa
Arquivologia e videogames: tendências atuais de pesquisaArquivologia e videogames: tendências atuais de pesquisa
Arquivologia e videogames: tendências atuais de pesquisa
Roberto Lopes
 
Videogames como documentos de Arquivo: discussões e perspectivas
Videogames como documentos de Arquivo: discussões e perspectivasVideogames como documentos de Arquivo: discussões e perspectivas
Videogames como documentos de Arquivo: discussões e perspectivas
Roberto Lopes
 
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafiosComunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
Roberto Lopes
 
Oficina gestão eletrônica de documentos
Oficina gestão eletrônica de documentosOficina gestão eletrônica de documentos
Oficina gestão eletrônica de documentos
Roberto Lopes
 
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
Roberto Lopes
 
Contextualizando a gestão e preservação da informação
Contextualizando a gestão e preservação da informaçãoContextualizando a gestão e preservação da informação
Contextualizando a gestão e preservação da informação
Roberto Lopes
 
Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.
Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.
Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.
Roberto Lopes
 
Oficina preservação digital Módulo 3
Oficina preservação digital Módulo 3Oficina preservação digital Módulo 3
Oficina preservação digital Módulo 3
Roberto Lopes
 
Oficina preservação digital Módulo 2
Oficina preservação digital Módulo 2Oficina preservação digital Módulo 2
Oficina preservação digital Módulo 2
Roberto Lopes
 
Oficina preservação digital Módulo 1
Oficina preservação digital Módulo 1Oficina preservação digital Módulo 1
Oficina preservação digital Módulo 1
Roberto Lopes
 
Oficina preservação digital Introdução
Oficina preservação digital IntroduçãoOficina preservação digital Introdução
Oficina preservação digital Introdução
Roberto Lopes
 
Oficina preservação digital bibliografia
Oficina preservação digital bibliografiaOficina preservação digital bibliografia
Oficina preservação digital bibliografia
Roberto Lopes
 
Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...
Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...
Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...
Roberto Lopes
 
Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...
Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...
Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...
Roberto Lopes
 
A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...
A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...
A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...
Roberto Lopes
 
Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...
Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...
Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...
Roberto Lopes
 

Mais de Roberto Lopes (16)

Arquivologia e videogames: tendências atuais de pesquisa
Arquivologia e videogames: tendências atuais de pesquisaArquivologia e videogames: tendências atuais de pesquisa
Arquivologia e videogames: tendências atuais de pesquisa
 
Videogames como documentos de Arquivo: discussões e perspectivas
Videogames como documentos de Arquivo: discussões e perspectivasVideogames como documentos de Arquivo: discussões e perspectivas
Videogames como documentos de Arquivo: discussões e perspectivas
 
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafiosComunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
 
Oficina gestão eletrônica de documentos
Oficina gestão eletrônica de documentosOficina gestão eletrônica de documentos
Oficina gestão eletrônica de documentos
 
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
 
Contextualizando a gestão e preservação da informação
Contextualizando a gestão e preservação da informaçãoContextualizando a gestão e preservação da informação
Contextualizando a gestão e preservação da informação
 
Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.
Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.
Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.
 
Oficina preservação digital Módulo 3
Oficina preservação digital Módulo 3Oficina preservação digital Módulo 3
Oficina preservação digital Módulo 3
 
Oficina preservação digital Módulo 2
Oficina preservação digital Módulo 2Oficina preservação digital Módulo 2
Oficina preservação digital Módulo 2
 
Oficina preservação digital Módulo 1
Oficina preservação digital Módulo 1Oficina preservação digital Módulo 1
Oficina preservação digital Módulo 1
 
Oficina preservação digital Introdução
Oficina preservação digital IntroduçãoOficina preservação digital Introdução
Oficina preservação digital Introdução
 
Oficina preservação digital bibliografia
Oficina preservação digital bibliografiaOficina preservação digital bibliografia
Oficina preservação digital bibliografia
 
Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...
Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...
Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...
 
Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...
Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...
Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...
 
A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...
A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...
A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...
 
Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...
Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...
Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...
 

Ciência e Tecnologia na União Soviética: breve percurso histórico parte 1

  • 1. Ciência e Tecnologia na União Soviética: breve percurso histórico PARTE UM : CONTEXTUALIZAÇÃO
  • 2. Contextos iniciais  A Ciência russa nos últimos anos do czarismo, apesar de alguns tímidos avanços, passava por problemas como o isolamento de seus cientistas de outros campos de pesquisa na Europa, tensões entre os pesquisadores, e o errático e confuso patrocínio do governo aos institutos de pesquisa e universidades. Havia campos de excelência no país, como da química, mas, mesmo nestes, ocorriam empecilhos e descontentamentos.  Começo de maior publicação de periódicos científicos no país e consolidação de universidade e centros de pesquisa.  Canais de divulgação científica: Julio Verne, H. G. Wells e Camille Flamarion atraíram enorme sucesso e atraíram uma geração de jovens a explorar a ficção científica e a se interessar por ciência.  Periódicos de divulgação: Natureza e o povo; Jornal do conhecimento; Mundo de aventuras.
  • 3. Contexto inicial  com a ascensão dos bolcheviques, o que era um interesse localizado se transforma em importante tendência, por vezes definido como “utopia científica”. Contudo, a relação entre os bolcheviques e os cientistas russos foi incialmente distante, contudo modificando-se (parcialmente) ao longo do tempo.  Engenharia social – O novo homem soviético.  “Eletricidade para toda a Rússia” (1921)  Ápice dessa visão ocorre durante o período da Nova Política Econômica (NEP), entre 1921-29, onde a recuperação econômica e parcial tolerância dos bolcheviques permitiu a discussão, exibição e promoção da ciência e Tecnologia na URSS, tratada como importante chave de desenvolvimento e evolução social.  impacto na cultura e artes:“Cosmismo russo”; Exposições aeroespaciais em Kiev (1925) e Moscou (1927).
  • 4.  Vladimir Ryumin (1874-1937) Nikolai Rinin (1877-1942) Yakov I. Perelman (1882-1942).
  • 5. Filmes de Ficção científica soviéticos (esquerda para a direita): Aelita (1924) Космический рейс (viagem cósmica) (1936) Дорога к звёздам (caminho para as estrelas) (1958) Solaris (1972)
  • 6. Ciência russa pós revolução  A partir de 1918, mas principalmente após 1920 com o fim da guerra civil no país, foram tomadas medidas consistentes que reconstruíram o campo científico-tecnológico russo: surgimento de considerável número de universidades e de centros de pesquisa, que permitiram o desenvolvimento de novos estudos e formas de interação entre pesquisadores russos. criação de diferentes institutos ligados à área militar, econômica ou a campos como medicina e comunicação, cerca de 40 a 70 deles instituídos a partir de 1920, descentralizando parcialmente as pesquisas órgãos como o Instituto Estatal Técnico Científico (GONTI, fundado em 1920), o Ministério da Educação (mantido pelos bolcheviques) ou o Soviete Supremo da Economia Nacional (VSNKh, fundado em 1918). Reorganização, manutenção e expansão da Academia de ciências da União Soviética
  • 7. Ciência soviética anos 1920-1940  partir de 1928, com o fim da NEP e o surgimento dos planos quinquenais, surgiram as bases do planejamento centralizado e sistemático da economia russa.  pesados investimentos em áreas ligadas à energia (eletricidade e extração de carvão e petróleo), à indústria pesada (construção mecânica e metalurgia), e à infraestrutura de transportes (estrada de ferro e canais).  realizaram-se projetos grandiosos ligados a Infraestrutura (hidrelétricas, fábricas), feitos em prazos curtos – e à custa da vida de milhares de prisioneiros políticos.  resultados dúbios: expandiu o número de indústrias no país e permitiu o surgimento de novos setores relacionados à química, à aeronáutica, à eletrotécnica e à construção de máquinas, por outro, negligenciou setores importantes como o da indústria leve e o da construção civil, além de imobilizar a URSS com uma política econômica, científica e industrial de metas fechadas e excessivamente controladas.
  • 8. Magnitogorsk (1929) Canal Mar Branco–Báltico (1933) Metrô de Moscou (1935)
  • 9. Ciência soviética 1928-1945  considerável aumento – de 543 mil em 1928 para mais de 2 milhões e 500 mil em 1941 – do número de profissionais ligados a intelectualidade. Aumento do número de formandos e a consolidação de uma nova classe intelectual no país (classificada como intelligentsia).  Praticamente todos os campos de pesquisa sofreram com a repressão promovida, a partir de 1936, pelo líder soviético Josef Stalin, período conhecido como o “grande terror”. Até aproximadamente 1940, centenas de cientistas foram expurgados de seus cargos e presos; muitos foram executados sob acusações de “traição”; outros sentenciados a longos períodos de exílio em Gulags, onde muitos pereceram.
  • 10. Sharashka (Laboratórios em pesquisa e desenvolvimento existentes nos gulags)
  • 11. Ciência soviética 1941-49  Segunda Guerra Mundial, após os alemães terem invadido o país em junho de 1941, houve uma maciça transferência de indústrias e de empresas para áreas do Volga, dos Urais, da Sibéria e do Cazaquistão. Alguns centros de pesquisa e institutos também foram transferidos ou diminuíram drasticamente sua atividade;  término da guerra, projetos de “reparações” foram estabelecidos pelo governo soviético e muito da reconstrução dos campos da Ciência e da Tecnologia do país foi feita por especialistas e pesquisadores alemães que foram para lá realizar estudos e projetos, com material científico e tecnológico confiscado e retirado da Alemanha pela URSS
  • 12. Ciência soviética no pós guerra  os cientistas soviéticos tiveram que se adaptar (muitas vezes sem sucesso) às políticas repressivas apresentadas pelo secretário do comitê central do partido comunista, Andrei Zhadnov (1896-1948), chamadas de zhdanovshchina, que impunham uma forte censura, recrudescimento de posturas xenófobas, e um rígido controle ideológico aos trabalhos. Muitos dos cientistas e dos pesquisadores foram afastados de suas atividades e, em casos mais extremos, presos ou executados.  Plano quinquenal (1946-1950): investimentos relacionados ao radar, propulsão a jato, foguetes e energia atômica. Primeiro a diretamente indicar o papel da Ciência e Tecnologia como importante fator de desenvolvimento soviético.
  • 13. Ciência Soviética no pós-guerra: Principais organismos Ministério de defesa Comitê Estatal para a Ciência e Tecnologia – este último, denominado Gostekhinka, entre 1949 e 1953, e GKTN, até 1991
  • 14. Ciência Soviética no pós-guerra: Principais organismos VINITI Universidade estatal de Moscou Academia de Ciências da URSS
  • 15. Ciência soviética anos 1970  Nos anos 1970, os campo da Ciência e da Tecnologia soviéticos atingiam o ápice de seu poder e status, identificando e estabilizando os parâmetros de sua estrutura e funcionamento.  dois tipos principais de profissionais: O primeiro, em maior quantidade, era formado por especialistas, pesquisadores ou cientistas ligados à Academia de Ciências ou as instituições relacionadas, e o segundo constituído por engenheiros ou profissionais ligados a atividades científicas fora da Academia de Ciências.
  • 16. Ciência soviética anos 1970  Em 1973, cerca de 1.375.000 profissionais estavam envolvidos em atividades científicas ou em projetos ligados à alta tecnologia.  Em 1974, um milhão e trezentos mil pesquisadores em atividade com patrocínio estatal; República Soviética da Rússia, existiam aproximadamente 475 instituições de ensino superior, com cursos, em mais de 45 línguas, disponíveis para quase 24 milhões de estudantes.  crescimento de institutos científicos na URSS, que passaram de 3.447 em 1950 para 5.327 em 1975
  • 17. Ciência soviética nos anos 1970 Mas todo esse aparato estimulou também críticas e descontentamentos  pesquisadores ressentidos com o “afunilamento” dos campos científico e tecnológico soviéticos, que até possuíam variedade de temas, mas não de locais de estudo ou meios e recursos para sua realização.  questionamentos do custo humano, econômico e ambiental de tal sucesso,  Acusações de cientistas dissidentes (como Zhores Medvedev e Andrei Sakharov), que se opunham à forma autoritária e repressiva – em casos extremos, com o uso de asilos psiquiátricos- com os oposicionistas.
  • 18. Ciência soviética nos anos 1980  Nos anos 1980, a Ciência e Tecnologia soviética apresentava duas realidades distintas. possuía centros e áreas de pesquisa que mostravam excelência em nível internacional e uma considerável produção intelectual em várias áreas e disciplinas científicas. os campos continuaram a sofrer de diferentes problemas  forte burocracia imposta pelo partido comunista, que não permitia a troca e a divulgação de informações importantes entre diferentes institutos, dificultando o acesso e até mesmo a reprodução de documentos científicos;  centralização imposta para a produção e organização da informação, que prejudicou maior diversidade de atividades, pesquisas e resultados;  o estático patrocínio dado pelo governo à Ciência soviética, que se manteve inalterado por quase vinte anos;
  • 19. Ciência soviética a partir de 1985  Por um lado, a Ciência russa adotou medidas que buscavam uma maior descentralização de recursos e de investimentos, tentando, assim, em várias áreas, diversificar sua estrutura e sair da dependência do complexo militar e academia de ciências.  tomou iniciativas para democratizar os centros de pesquisa, universidades e a Academia de Ciências da URSS, buscando estimular uma maior eficiência dos cientistas.  leis promulgadas entre 1987-1988, alguns cientistas e engenheiros, de diferentes maneiras, participaram, com alguns sucessos, de pesquisas e trabalhos em diversas “cooperativas” – empresas de pequeno e médio porte que começavam a surgir na URSS . Porém, problemas como a abusiva intervenção de institutos de pesquisas estatais, a presença de membros do governo e até mesmo de alguns grupos criminosos nessas cooperativas e sua recepção reservada por parte da população, fizeram com que tivessem um resultado irregular
  • 20. Bibliografia SANTOS JUNIOR, R. L.; PINHEIRO, L. V. R. . A infra-estrutura em informação científica e em ciência da informação na antiga União Soviética (1917-1991). Encontros Bibli (Online), v. 15, p. 24-51, 2010. SANTOS JUNIOR, R. L.. Análise histórica da evolução e desenvolvimento dos campos da Ciência e da Tecnologia na antiga União Soviética e Rússia (1917-2010). Revista Brasileira de História da Ciência, v. 5, p. 279-296, 2012. SANTOS JUNIOR, R. L.. Análise sobre o desenvolvimento do campo de estudo em informação científica e técnica nos Estados Unidos e na antiga União Soviética durante a guerra fria (1945-1991). RBBD. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação (Online), v. 8, p. 130-157, 2012. SIDDIQI, ASIF. Tsiolkovskii and the Invention of ‘Russian Cosmism’: Science, Mysticism, and the Conquest of Nature at the Birth of Soviet Space Exploration. In Science, Religion and Communism in Cold War Europe, eds. Stephen A. Smith and Paul Betts. Londres: Palgrave Macmillan, p.126-155, 2016.