SlideShare uma empresa Scribd logo
Cidadania moderna:
direitos sociais
14/05/2015 1
A garantia de melhores condições
de vida para a população tornou-se
uma bandeira dos revolucionários
franceses no final do século XVIII,
quando as tensões sociais geradas em
séculos de Absolutismo, acirradas nos
reinados de Luís XIV e Luís XV,
irromperam de forma violenta contra
o Estado.14/05/2015 2
14/05/2015 3
Com o advento da Revolução
Industrial e a formação da classe
operária nos centros urbanos, a luta
pela regulamentação das condições de
trabalho teve início no século XIX e se
perpetuou durante todo o século XX.
14/05/2015 4
Nesse período, destaca-se dois
movimentos-chave para o entendimento da
ampliação dos direitos de cidadania:
 a Primeira Revolução Industrial e a
organização da classe operária na luta pelo
direito de fazer greve, de se reunir em
sindicatos e de regulamentar a jornada de
trabalho (direitos sociais).
14/05/2015 5
O processo de construção da cidadania
não se deu de uma hora para outra. Pelo
contrário, foi algo lento, árduo e envolveu
muito esforço por parte dos grupos sociais
que se empenharam em obtê-los. A luta por
direitos é um processo ativo e envolve a
participação e o envolvimento de todos os
cidadãos enquanto sujeitos sociais.
14/05/2015 6
Inglaterra,palco da Primeira Revolução
Industrial
As conquistas dos trabalhadores ingleses
tiveram intensa repercussão no continente
europeu e influenciaram muitas das lutas
operárias pelos direitos sociais durante todo
o século XIX.
14/05/2015 7
1. 1799 e 1800: após a Revolução Francesa,
temendo que os sindicatos se tornassem centros
de agitação política, as coalizões operárias são
decretadas ilegais por meio das leis Combination
Acts.
2. 1802 e 1819: primeiras Leis Fabris fixam a
idade mínima para o trabalho em 9 anos e a
jornada máxima em 12 horas para a faixa etária
entre 9 e 16 anos. Regulamentavam apenas o
trabalho na indústria têxtil de algodão.
14/05/2015 8
3. 1824: são revogadas as leis Combination
Acts, e o movimento sindical passa a ser legal,
desencadeando uma onda maciça de greves.
4. 1825: o sindicalismo é regulamentado e os
direitos das coalizões operárias são limitados à
barganha pacífica de salários e condições de
trabalho. Sindicalistas não devem “molestar”,
“obstruir” ou “intimidar” empregadores ou fura-
greves.
14/05/2015 9
5. 1831: limitava o tempo de trabalho dos jovens
com menos de 18 anos a 12 horas por dia.
6. 1833: a idade mínima de trabalho ficou estipulada
em 9 anos. Entre 9 e 13 não poderiam trabalhar mais do
que 8 horas por dia e 48 horas por semana e entre os 13 e
18, deveriam se limitar a12 horas. Proibição do trabalho
noturno aos menores de 18 anos. Dois turnos de 8 horas
de crianças eram permitidos. Quatro inspetores
deveriam garantir a execução dessas normas.
Regulamentava o trabalho na indústria têxtil de algodão
e ampliava isso para os produtores de lã.
14/05/2015 10
7. 1844: mulheres e adolescentes entre 13 e 18
anos não poderiam trabalhar mais do que 12
horas por dia. Menores de 13 anos deveriam
trabalhar no máximo 6 horas e meia. Nenhuma
criança ou jovem poderia limpar o maquinário
enquanto o mesmo estivesse em movimento.
Regulamentava apenas o trabalho na indústria
têxtil de algodão.
8. 1847: mulheres e adolescentes entre 13 e 18
anos não poderiam trabalhar mais do que 10
horas por dia. Regulamentava apenas a indústria
têxtil.
14/05/2015 11
9. 1850: crianças deveriam trabalhar
somente nos mesmos horários que as
mulheres e adolescentes. Regulamentava
apenas a indústria têxtil.
10. 1864: a regulamentação é estendida
para seis novos ramos industriais.
11. 1867: a regulamentação é estendida
para todas as fábricas que empregavam 50
ou mais pessoas. Nenhuma criança menor
de 8 anos poderia trabalhar em qualquer
tipo de oficina.
14/05/2015 12
12. 1878: as Leis Fabris são aplicadas a
todo tipo de indústria e comércio. A idade
mínima para o trabalho é de 10 anos. A
educação torna-se obrigatória até os 10 anos
e crianças entre 10 e 14 anos só podem
trabalhar por meio período. Mulheres não
podem trabalhar por mais de 56 horas por
semana.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

A Cidadania
A CidadaniaA Cidadania
A Cidadania
guest5a2946
 
Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
Lucas Justino
 
Aula Cidadania
Aula CidadaniaAula Cidadania
Aula Cidadania
Ana Márcia
 
Perda e suspensão dos direitos políticos
Perda e suspensão dos direitos políticosPerda e suspensão dos direitos políticos
Perda e suspensão dos direitos políticos
Dimensson Costa Santos
 
Direitos humanos, debate sobre o filme a lista de schindler, cidadania, crise...
Direitos humanos, debate sobre o filme a lista de schindler, cidadania, crise...Direitos humanos, debate sobre o filme a lista de schindler, cidadania, crise...
Direitos humanos, debate sobre o filme a lista de schindler, cidadania, crise...
Elaine Porto Chiullo
 
Ficha
FichaFicha
Diversidade Cultural
Diversidade CulturalDiversidade Cultural
Diversidade Cultural
Eunice Pereira
 
Diversidade Cultural
Diversidade CulturalDiversidade Cultural
Diversidade Cultural
Gestão Pública
 
500 questoes de provas FCC direito constitucional
500 questoes de provas FCC  direito constitucional500 questoes de provas FCC  direito constitucional
500 questoes de provas FCC direito constitucional
Concurseira Le
 
Direitos políticos
Direitos políticosDireitos políticos
Direitos políticos
francisca_azevedo_87
 
A diversidade cultural
A diversidade culturalA diversidade cultural
A diversidade cultural
Manuel Nunes Correia
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Exercícios de direitos e garantias individuais
Exercícios de direitos e garantias individuaisExercícios de direitos e garantias individuais
Exercícios de direitos e garantias individuais
Ana Carolina Braga Monte
 
DIVERSIDADE CULTURAL
DIVERSIDADE CULTURALDIVERSIDADE CULTURAL
DIVERSIDADE CULTURAL
catynes
 
Padrões de cultura diversidade cultural identidade cultural
Padrões de cultura diversidade cultural identidade culturalPadrões de cultura diversidade cultural identidade cultural
Padrões de cultura diversidade cultural identidade cultural
Filazambuja
 
Aula de direito constitucional nacionalidade e direitos políticos
Aula de direito constitucional nacionalidade e direitos políticosAula de direito constitucional nacionalidade e direitos políticos
Aula de direito constitucional nacionalidade e direitos políticos
professoradolfo
 
Sociologia - Cidadania
Sociologia - CidadaniaSociologia - Cidadania
Sociologia - Cidadania
Edenilson Morais
 
Diversidade Cultural Desigualdades Sociais
Diversidade Cultural Desigualdades SociaisDiversidade Cultural Desigualdades Sociais
Diversidade Cultural Desigualdades Sociais
culturaafro
 
Pluralidade Cultural, Diversidade e Cidadania
Pluralidade Cultural, Diversidade e CidadaniaPluralidade Cultural, Diversidade e Cidadania
Pluralidade Cultural, Diversidade e Cidadania
Odairdesouza
 
2 Diversidade Cultural
2  Diversidade Cultural2  Diversidade Cultural
2 Diversidade Cultural
Mayjö .
 

Destaque (20)

A Cidadania
A CidadaniaA Cidadania
A Cidadania
 
Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
 
Aula Cidadania
Aula CidadaniaAula Cidadania
Aula Cidadania
 
Perda e suspensão dos direitos políticos
Perda e suspensão dos direitos políticosPerda e suspensão dos direitos políticos
Perda e suspensão dos direitos políticos
 
Direitos humanos, debate sobre o filme a lista de schindler, cidadania, crise...
Direitos humanos, debate sobre o filme a lista de schindler, cidadania, crise...Direitos humanos, debate sobre o filme a lista de schindler, cidadania, crise...
Direitos humanos, debate sobre o filme a lista de schindler, cidadania, crise...
 
Ficha
FichaFicha
Ficha
 
Diversidade Cultural
Diversidade CulturalDiversidade Cultural
Diversidade Cultural
 
Diversidade Cultural
Diversidade CulturalDiversidade Cultural
Diversidade Cultural
 
500 questoes de provas FCC direito constitucional
500 questoes de provas FCC  direito constitucional500 questoes de provas FCC  direito constitucional
500 questoes de provas FCC direito constitucional
 
Direitos políticos
Direitos políticosDireitos políticos
Direitos políticos
 
A diversidade cultural
A diversidade culturalA diversidade cultural
A diversidade cultural
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Exercícios de direitos e garantias individuais
Exercícios de direitos e garantias individuaisExercícios de direitos e garantias individuais
Exercícios de direitos e garantias individuais
 
DIVERSIDADE CULTURAL
DIVERSIDADE CULTURALDIVERSIDADE CULTURAL
DIVERSIDADE CULTURAL
 
Padrões de cultura diversidade cultural identidade cultural
Padrões de cultura diversidade cultural identidade culturalPadrões de cultura diversidade cultural identidade cultural
Padrões de cultura diversidade cultural identidade cultural
 
Aula de direito constitucional nacionalidade e direitos políticos
Aula de direito constitucional nacionalidade e direitos políticosAula de direito constitucional nacionalidade e direitos políticos
Aula de direito constitucional nacionalidade e direitos políticos
 
Sociologia - Cidadania
Sociologia - CidadaniaSociologia - Cidadania
Sociologia - Cidadania
 
Diversidade Cultural Desigualdades Sociais
Diversidade Cultural Desigualdades SociaisDiversidade Cultural Desigualdades Sociais
Diversidade Cultural Desigualdades Sociais
 
Pluralidade Cultural, Diversidade e Cidadania
Pluralidade Cultural, Diversidade e CidadaniaPluralidade Cultural, Diversidade e Cidadania
Pluralidade Cultural, Diversidade e Cidadania
 
2 Diversidade Cultural
2  Diversidade Cultural2  Diversidade Cultural
2 Diversidade Cultural
 

Semelhante a Cidadania moderna direitos sociais

Direito do trabalho sliide 1 (1)
Direito do trabalho sliide 1 (1)Direito do trabalho sliide 1 (1)
Direito do trabalho sliide 1 (1)
multivix
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Murilo Benevides
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Viegas Fernandes da Costa
 
Indústria
IndústriaIndústria
Indústria
Beach
 
1
11
O movimento operário
O movimento operárioO movimento operário
O movimento operário
Scriba Digital
 
Movimento Operário – Greve Geral – São Paulo - Prof.Altair Aguilar
Movimento Operário – Greve Geral – São Paulo - Prof.Altair AguilarMovimento Operário – Greve Geral – São Paulo - Prof.Altair Aguilar
Movimento Operário – Greve Geral – São Paulo - Prof.Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
Daniel Alves Bronstrup
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
Laerciolns12
 
Reformas no ensino
Reformas no ensinoReformas no ensino
Reformas no ensino
mmarijose
 
Direito a greve
Direito a greveDireito a greve
Direito a greve
JoanaPaiva16
 
29082022222340Movimento Operário e Diversidades.pptx
29082022222340Movimento Operário e Diversidades.pptx29082022222340Movimento Operário e Diversidades.pptx
29082022222340Movimento Operário e Diversidades.pptx
luluzivania
 
Aula 11 rev. industrial e socialismo
Aula 11   rev. industrial e socialismoAula 11   rev. industrial e socialismo
Aula 11 rev. industrial e socialismo
Jonatas Carlos
 
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus I
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus IRevolução industrial PIBID História UEPB Campus I
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus I
Naldo Stithi
 
Unidade i
Unidade iUnidade i
Unidade i
Daniele Moura
 
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIALERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Diego Bian Filo Moreira
 
Opinião 4 sociologia da greve, 2010
Opinião 4 sociologia da greve, 2010Opinião 4 sociologia da greve, 2010
Opinião 4 sociologia da greve, 2010
Elisio Estanque
 
Esquema 2: Revolução Industrial
Esquema 2: Revolução IndustrialEsquema 2: Revolução Industrial
Esquema 2: Revolução Industrial
ProfessoresColeguium
 
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).pptRevolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
EvertonDemetrio
 
Estado novo e capitalismo industrial
Estado novo  e  capitalismo industrialEstado novo  e  capitalismo industrial
Estado novo e capitalismo industrial
Ilania Gonçalves
 

Semelhante a Cidadania moderna direitos sociais (20)

Direito do trabalho sliide 1 (1)
Direito do trabalho sliide 1 (1)Direito do trabalho sliide 1 (1)
Direito do trabalho sliide 1 (1)
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Indústria
IndústriaIndústria
Indústria
 
1
11
1
 
O movimento operário
O movimento operárioO movimento operário
O movimento operário
 
Movimento Operário – Greve Geral – São Paulo - Prof.Altair Aguilar
Movimento Operário – Greve Geral – São Paulo - Prof.Altair AguilarMovimento Operário – Greve Geral – São Paulo - Prof.Altair Aguilar
Movimento Operário – Greve Geral – São Paulo - Prof.Altair Aguilar
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
 
Reformas no ensino
Reformas no ensinoReformas no ensino
Reformas no ensino
 
Direito a greve
Direito a greveDireito a greve
Direito a greve
 
29082022222340Movimento Operário e Diversidades.pptx
29082022222340Movimento Operário e Diversidades.pptx29082022222340Movimento Operário e Diversidades.pptx
29082022222340Movimento Operário e Diversidades.pptx
 
Aula 11 rev. industrial e socialismo
Aula 11   rev. industrial e socialismoAula 11   rev. industrial e socialismo
Aula 11 rev. industrial e socialismo
 
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus I
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus IRevolução industrial PIBID História UEPB Campus I
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus I
 
Unidade i
Unidade iUnidade i
Unidade i
 
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIALERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
Opinião 4 sociologia da greve, 2010
Opinião 4 sociologia da greve, 2010Opinião 4 sociologia da greve, 2010
Opinião 4 sociologia da greve, 2010
 
Esquema 2: Revolução Industrial
Esquema 2: Revolução IndustrialEsquema 2: Revolução Industrial
Esquema 2: Revolução Industrial
 
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).pptRevolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
 
Estado novo e capitalismo industrial
Estado novo  e  capitalismo industrialEstado novo  e  capitalismo industrial
Estado novo e capitalismo industrial
 

Mais de Manoelito Filho Soares

Eletiva
EletivaEletiva
Vídeo a evolução tecnológica
Vídeo a evolução tecnológicaVídeo a evolução tecnológica
Vídeo a evolução tecnológica
Manoelito Filho Soares
 
Cidadania moderna. direitos politicos
Cidadania moderna. direitos politicosCidadania moderna. direitos politicos
Cidadania moderna. direitos politicos
Manoelito Filho Soares
 
Amigos
AmigosAmigos
Filosofia como atividade reflexiva e sua
Filosofia como atividade reflexiva e suaFilosofia como atividade reflexiva e sua
Filosofia como atividade reflexiva e sua
Manoelito Filho Soares
 
O preconceito em relação à filosofia
O preconceito em relação à filosofiaO preconceito em relação à filosofia
O preconceito em relação à filosofia
Manoelito Filho Soares
 
Filosofia inutil util
Filosofia inutil utilFilosofia inutil util
Filosofia inutil util
Manoelito Filho Soares
 
O que é cidadania
O que é cidadaniaO que é cidadania
O que é cidadania
Manoelito Filho Soares
 
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
Manoelito Filho Soares
 
Enem 2012
Enem 2012Enem 2012
Michel foucault
Michel foucaultMichel foucault
Michel foucault
Manoelito Filho Soares
 
O homem como ser politico
O homem como ser politicoO homem como ser politico
O homem como ser politico
Manoelito Filho Soares
 
Paul Rieucouer
Paul RieucouerPaul Rieucouer
Paul Rieucouer
Manoelito Filho Soares
 
Mito e filosofia
Mito e filosofiaMito e filosofia
Mito e filosofia
Manoelito Filho Soares
 
3ª série 2º bimestre Filosofia e Religião
3ª série 2º bimestre   Filosofia e Religião3ª série 2º bimestre   Filosofia e Religião
3ª série 2º bimestre Filosofia e Religião
Manoelito Filho Soares
 
John Locke, liberdade, John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...
John Locke, liberdade,  John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...John Locke, liberdade,  John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...
John Locke, liberdade, John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...
Manoelito Filho Soares
 
EE BATISTA RENZI - Seminário 2ª SÉRIE E
EE BATISTA RENZI - Seminário 2ª SÉRIE E EE BATISTA RENZI - Seminário 2ª SÉRIE E
EE BATISTA RENZI - Seminário 2ª SÉRIE E
Manoelito Filho Soares
 

Mais de Manoelito Filho Soares (17)

Eletiva
EletivaEletiva
Eletiva
 
Vídeo a evolução tecnológica
Vídeo a evolução tecnológicaVídeo a evolução tecnológica
Vídeo a evolução tecnológica
 
Cidadania moderna. direitos politicos
Cidadania moderna. direitos politicosCidadania moderna. direitos politicos
Cidadania moderna. direitos politicos
 
Amigos
AmigosAmigos
Amigos
 
Filosofia como atividade reflexiva e sua
Filosofia como atividade reflexiva e suaFilosofia como atividade reflexiva e sua
Filosofia como atividade reflexiva e sua
 
O preconceito em relação à filosofia
O preconceito em relação à filosofiaO preconceito em relação à filosofia
O preconceito em relação à filosofia
 
Filosofia inutil util
Filosofia inutil utilFilosofia inutil util
Filosofia inutil util
 
O que é cidadania
O que é cidadaniaO que é cidadania
O que é cidadania
 
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.
 
Enem 2012
Enem 2012Enem 2012
Enem 2012
 
Michel foucault
Michel foucaultMichel foucault
Michel foucault
 
O homem como ser politico
O homem como ser politicoO homem como ser politico
O homem como ser politico
 
Paul Rieucouer
Paul RieucouerPaul Rieucouer
Paul Rieucouer
 
Mito e filosofia
Mito e filosofiaMito e filosofia
Mito e filosofia
 
3ª série 2º bimestre Filosofia e Religião
3ª série 2º bimestre   Filosofia e Religião3ª série 2º bimestre   Filosofia e Religião
3ª série 2º bimestre Filosofia e Religião
 
John Locke, liberdade, John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...
John Locke, liberdade,  John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...John Locke, liberdade,  John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...
John Locke, liberdade, John Stuart Mill e Jeremy Bentham, utilitarismo, praz...
 
EE BATISTA RENZI - Seminário 2ª SÉRIE E
EE BATISTA RENZI - Seminário 2ª SÉRIE E EE BATISTA RENZI - Seminário 2ª SÉRIE E
EE BATISTA RENZI - Seminário 2ª SÉRIE E
 

Último

O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 

Cidadania moderna direitos sociais

  • 2. A garantia de melhores condições de vida para a população tornou-se uma bandeira dos revolucionários franceses no final do século XVIII, quando as tensões sociais geradas em séculos de Absolutismo, acirradas nos reinados de Luís XIV e Luís XV, irromperam de forma violenta contra o Estado.14/05/2015 2
  • 3. 14/05/2015 3 Com o advento da Revolução Industrial e a formação da classe operária nos centros urbanos, a luta pela regulamentação das condições de trabalho teve início no século XIX e se perpetuou durante todo o século XX.
  • 4. 14/05/2015 4 Nesse período, destaca-se dois movimentos-chave para o entendimento da ampliação dos direitos de cidadania:  a Primeira Revolução Industrial e a organização da classe operária na luta pelo direito de fazer greve, de se reunir em sindicatos e de regulamentar a jornada de trabalho (direitos sociais).
  • 5. 14/05/2015 5 O processo de construção da cidadania não se deu de uma hora para outra. Pelo contrário, foi algo lento, árduo e envolveu muito esforço por parte dos grupos sociais que se empenharam em obtê-los. A luta por direitos é um processo ativo e envolve a participação e o envolvimento de todos os cidadãos enquanto sujeitos sociais.
  • 6. 14/05/2015 6 Inglaterra,palco da Primeira Revolução Industrial As conquistas dos trabalhadores ingleses tiveram intensa repercussão no continente europeu e influenciaram muitas das lutas operárias pelos direitos sociais durante todo o século XIX.
  • 7. 14/05/2015 7 1. 1799 e 1800: após a Revolução Francesa, temendo que os sindicatos se tornassem centros de agitação política, as coalizões operárias são decretadas ilegais por meio das leis Combination Acts. 2. 1802 e 1819: primeiras Leis Fabris fixam a idade mínima para o trabalho em 9 anos e a jornada máxima em 12 horas para a faixa etária entre 9 e 16 anos. Regulamentavam apenas o trabalho na indústria têxtil de algodão.
  • 8. 14/05/2015 8 3. 1824: são revogadas as leis Combination Acts, e o movimento sindical passa a ser legal, desencadeando uma onda maciça de greves. 4. 1825: o sindicalismo é regulamentado e os direitos das coalizões operárias são limitados à barganha pacífica de salários e condições de trabalho. Sindicalistas não devem “molestar”, “obstruir” ou “intimidar” empregadores ou fura- greves.
  • 9. 14/05/2015 9 5. 1831: limitava o tempo de trabalho dos jovens com menos de 18 anos a 12 horas por dia. 6. 1833: a idade mínima de trabalho ficou estipulada em 9 anos. Entre 9 e 13 não poderiam trabalhar mais do que 8 horas por dia e 48 horas por semana e entre os 13 e 18, deveriam se limitar a12 horas. Proibição do trabalho noturno aos menores de 18 anos. Dois turnos de 8 horas de crianças eram permitidos. Quatro inspetores deveriam garantir a execução dessas normas. Regulamentava o trabalho na indústria têxtil de algodão e ampliava isso para os produtores de lã.
  • 10. 14/05/2015 10 7. 1844: mulheres e adolescentes entre 13 e 18 anos não poderiam trabalhar mais do que 12 horas por dia. Menores de 13 anos deveriam trabalhar no máximo 6 horas e meia. Nenhuma criança ou jovem poderia limpar o maquinário enquanto o mesmo estivesse em movimento. Regulamentava apenas o trabalho na indústria têxtil de algodão. 8. 1847: mulheres e adolescentes entre 13 e 18 anos não poderiam trabalhar mais do que 10 horas por dia. Regulamentava apenas a indústria têxtil.
  • 11. 14/05/2015 11 9. 1850: crianças deveriam trabalhar somente nos mesmos horários que as mulheres e adolescentes. Regulamentava apenas a indústria têxtil. 10. 1864: a regulamentação é estendida para seis novos ramos industriais. 11. 1867: a regulamentação é estendida para todas as fábricas que empregavam 50 ou mais pessoas. Nenhuma criança menor de 8 anos poderia trabalhar em qualquer tipo de oficina.
  • 12. 14/05/2015 12 12. 1878: as Leis Fabris são aplicadas a todo tipo de indústria e comércio. A idade mínima para o trabalho é de 10 anos. A educação torna-se obrigatória até os 10 anos e crianças entre 10 e 14 anos só podem trabalhar por meio período. Mulheres não podem trabalhar por mais de 56 horas por semana.