SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
CICLO DE VIDA E DESEMPENHO
DAS EMPRESAS
grggggggggggggggggggg
ggggggggg
Luiz Felipe de Araújo Pontes Girão
Objetivo da aula: analisar as relações e as implicações dos estágios do ciclo
de vida na qualidade das demonstrações contábeis e no desempenho das
empresas.
Conteúdo: Teoria do ciclo de vida. Modelo de classificação do ciclo de vida.
Ciclo de vida e desempenho.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
2
it
k
k
ktk
k
kitk
j
jitjit XCustosIncAD     1
,,2,,10
𝑃𝑡 =
𝜏=1
∞
𝑅𝑓−𝑡
𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏
youtube.com/contabilidademq
@felfelipepontes
@contabilidademq
Slideshare.net/felipepontes16
/pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e
ative as notificações para não
perder nada!
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Recapitulando...
• Notícias da semana.
• Andamento dos artigos.
• Atualização do relatório de análise.
• Discussão da análise do gerenciamento de resultados de cada empresa
e a comparação com o setor.
3
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Teoria do Ciclo de Vida
• Nascer, crescer, amadurecer e depois descontinuar as atividades. O ciclo
de vida das empresas é linear assim?
4
Não!
Depende
A empresa ter
ou não prazo
de duração
Competição
Barreiras de
saída
Entropia em
geral
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Teoria do Ciclo de Vida
• Em geral, a literatura de ciclo de vida classifica as empresas em 5
estágios (MILLER; FRIESEN, 1984; DICKINSON, 2011):
– Nascimento;
– Crescimento;
– Maturidade;
– Turbulência/Renascimento; e
– Declínio.
5
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Teoria do Ciclo de Vida (alterações circunstanciais)
Circunstância quanto à: Alterações à medida que há evolução nos ECVs:
Situação
1. A complexidade no processo de gerir a empresa aumenta ao longo dos ECVs;
2. As empresas se tornam maiores;
3. O capital se torna menos concentrado;
4. Há aumento da influência dos clientes na gestão;
5. Há diminuição da influência dos acionistas na gestão;
6. Há aumento da concorrência; e
7. A empresa se torna mais heterogênea, com mais produtos/serviços, em resposta
aos mercados saturados.
Estrutura
1. A complexidade demandará uma estrutura administrativa mais forte e sofisticada
(sistemas de informação, controle de desempenho, planejamento etc.);
2. Descentralização da autoridade para decisões estratégicas;
3. Maior participação da gestão;
4. Capacidade de superar a complexidade do ambiente; e
5. Na fase de declínio, a estrutura passa a ser muito primitiva.
Estilo da tomada de
decisão
1. O crescimento organizacional e a complexidade ambiental farão a atividade
administrativa ser cada vez mais difícil.
Estratégia
1. As tentativas de renovar as estratégias (inovação em produtos/serviços,
diversificação, integração vertical etc.) estão concentradas nas fases de
nascimento, crescimento e turbulência, enquanto que, na maturidade e no
declínio, o foco está voltado em melhorar a eficiência (reduzir preços, imitar
estratégias dos concorrentes, lobbying etc.).
6
Fonte: adaptado de Miller e Friesen (1984).
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Teoria do Ciclo de Vida
• Quais são os exemplos de empresas que migraram de um estágio para
outro, recentemente (ou nem tão recentemente assim) e quais foram os
fundamentos por trás da mudança de estágio (para frente ou para trás)?
• Em qual estágio vocês acham que a sua empresa está? Por quê? 5
minutos para pensar e colocar no papel.
• As empresas que vocês estão analisando passaram por alteração no
estágio do ciclo de vida recentemente? Qual foi o indício? 3 minutos
para pensar e colocar no papel.
7
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Teoria do Ciclo de Vida
• Grupo EBX: empresas nasceram, mas não conseguiram se desenvolver e
algumas até foram para recuperação judicial (turbulência/declínio).
• Magazine Luiza: empresa relativamente madura, passou por um
período turbulento e agora está em estágio de crescimento. A Via
Varejo aparentemente ainda está um pouco longe de sair da
turbulência.
• Natura: para lidar melhor com a concorrência, a Natura passou a abrir
lojas próprias, adquiriu a The Body Shop e já está com outras aquisições
na mira.
• Blockbuster: não suportou a competição online de serviços mais
tempestivos, como o da Netflix, e declinou
8
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Teoria do Ciclo de Vida (Ambiente informacional)
9
Fonte: Girão (2016)
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Teoria do Ciclo de Vida (Impacto da incerteza no Ke)
Painel A – Boxplot da variável COCpeg_prem
distribuída entre os ECV
Painel B – Distribuição ajustada da variável
COCpeg_prem entre os ECV
0
.2.4.6.8
1
COCpeg_prem
Nascimento Crescimento Maturidade Turbulência Declínio
0
.05
.1
.15
.2
.25
COCpeg_prem
Nascimento Crescimento Maturidade Turbulência Declínio
10
Fonte: Girão (2016)
Custo do capital entre os ECVs
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Teoria do Ciclo de Vida (disponibilidade de info)
11
Empresas maduras  menos opacas informacionalmente Empresas jovens  mais opacas informacionalmente
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
12
Zero receita e
algum rejuízo
Há receita, mas há
também prejuízo
Valuation de
Damodaran sobre
a Tesla
Um dos livros recentes de Damodaran foca muito nessa questão: https://amzn.to/2RC3EjT
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
13
O mercado precifica forte e
rapidamente as oportunidades da
empresa:
a) principalmente as “techs” – muito
hype? vide o caso do Pokemon Go;
b) o lucro não precifica esse “hype” tão
rapidamente (e.g. P&D nos EUA e o P no
Brasil/IFRS).
Será esse o caso da RADL que
tem PE de 52x, mas os analistas
preveem o preço chegar a mais
de R$ 80,00?
(preço atual em torno de R$
60,00)
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Teoria do Ciclo de Vida
• Aos interessados no tema, há duas postagens no blog sobre a reação do
mercado ao Pokemon Go, analisando os fundamentos do negócio:
– Quem é esse Pokémon?! Valor de mercado da Nintendo sobe 70%
http://contabilidademq.blogspot.com.br/2016/07/quem-e-esse-pokemon-valor-
de-mercado-da.html
– Pokémon Go: overreaction ou não? Eis a questão!
http://contabilidademq.blogspot.com.br/2016/07/pokemon-go-overreaction-ou-
nao-eis.html
14
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Teoria do Ciclo de Vida
• Em suma: analisar as demonstrações contábeis e fazer valuation sem
considerar o ciclo de vida da empresa pode ser bem perigoso, porque as
circunstâncias e as incertezas são muito diferentes nos diferentes estágios do
ciclo de vida organizacional.
• Existem muitas evidências ao redor do mundo, inclusive, de que a qualidade
da informação contábil muda ao longo dos estágios de ciclo de vida.
• No Brasil temos evidências de que a qualidade da informação contábil varia
em todas as medidas, exceto pelo gerenciamento de resultados que não é
estatisticamente diferente entre os estágios.
• Ver Lima, Carvalho, Paulo e Girão (2015):
https://rac.anpad.org.br/index.php/rac/article/view/1111/1107
15
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Modelo de Classificação dos Estágios do Ciclo
16
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Modelo de Classificação dos Estágios do Ciclo
17
Que sinal esperar para o fluxo de caixa operacional em cada estágio? Positivo
ou negativo? Argumente!
Que sinal esperar para o fluxo de caixa de investimento em cada estágio?
Positivo ou negativo? Argumente!
Que sinal esperar para o fluxo de caixa de financiamento em cada estágio?
Positivo ou negativo? Argumente!
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Modelo de Classificação dos Estágios do Ciclo
• Modelo de Dickinson (2011) (o melhor), mas existem diversos
outros que usam diversas outras variáveis. Vejam, por
exemplo, o artigo de Lima, Carvalho, Paulo e Girão (2015).
18
Fluxo de Caixa Nascimento Crescimento Maturidade Turbulência Declínio
Operacional - + + + - + - -
Investimento - - - + - + + +
Financiamento + + - + - - + -
Fonte: Dickinson (2011, p. 1974)
AGORA CONFIRMEM A SUPOSIÇÃO DE VOCÊS SOBRE O CICLO
DE VIDA DA SUA EMPRESA E DA CONCORRENTE, COM O
MODELO ACIMA.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Ciclo de Vida e Desempenho da Empresa
19
AMPLIAR A IMAGEM NA LUPA.
Pelo modelo de Dickinson, a
evidência empírica converge com a
teoria, enquanto que no modelo de
Anthony e Ramesh e pela
classificação da idade a evidência
empírica é contrária à teoria.
Vejamos a tabela.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Ciclo de Vida e Desempenho das Ações
20
AMPLIAR A IMAGEM NA LUPA.
Pelas evidências apresentadas, é possível
traçar estratégias de investimento com base
no ciclo de vida. Investir em empresas
maduras pode gerar retornos anormais
(1,6% com base nesses dados).
Mais surpreendente: investir em empresas
em declínio gerou retorno anormal de
13,5%!!
Qual é o problema? Viés de sobrevivência
mais uma vez. Só as empresas em declínio
que sobreviveram por 15 meses
participaram da amostra.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Atividades para a semana
1. Classificar a sua empresa e as concorrentes com base no modelo de
ciclo de vida de Dickinson.
2. Analisar, ao longo do tempo, o ciclo de vida e o desempenho da
empresa pelas métricas de desempenho estudadas ao longo da
disciplina. Parece existir relação entre o ciclo de vida e o desempenho?
21
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Projeto de Marcelly
22
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Para ter acesso a mais conteúdos, acesse:
– Blogs
www.ContabilidadeMQ.com.br
www.FinancasAplicadasBrasil.blogspot.com
– Instagram:
www.instagram.com/felfelipepontes
– Facebook:
www.facebook.com/ContabilidadeMQ
– Twitter:
www.twitter.com/felfelipepontes
– YouTube:
www.youtube.com/ContabilidadeMQ
23
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
24
it
k
k
ktk
k
kitk
j
jitjit XCustosIncAD     1
,,2,,10
𝑃𝑡 =
𝜏=1
∞
𝑅𝑓−𝑡
𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏
youtube.com/contabilidademq
@felfelipepontes
@contabilidademq
Slideshare.net/felipepontes16
/pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e
ative as notificações para não
perder nada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Indicadores de Desempenho
Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho
Matriz ansoff
Matriz ansoffMatriz ansoff
Matriz ansoff
Luis Marques
 
Tomada de decisão
Tomada de decisãoTomada de decisão
Tomada de decisão
Leila Oliva
 
Enfoque do processo administrativo
Enfoque do processo administrativoEnfoque do processo administrativo
Enfoque do processo administrativo
Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Ceará
 
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
Fernando Souza
 
Vantagem Competitiva
Vantagem CompetitivaVantagem Competitiva
Vantagem Competitiva
Den Mazini '.'
 
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   Fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
FEARP/USP
 
Gerente de vendas
Gerente de vendasGerente de vendas
Gerente de vendas
MkrH Uniesp
 
Estratégia para a competitivdade
Estratégia para a competitivdadeEstratégia para a competitivdade
Estratégia para a competitivdade
Daniel de Carvalho Luz
 
Benchmarking: O que é e como fazer
Benchmarking: O que é e como fazerBenchmarking: O que é e como fazer
Benchmarking: O que é e como fazer
Mateada
 
Benchmarking Conceitos
Benchmarking ConceitosBenchmarking Conceitos
Benchmarking Conceitos
Stratec Informática
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
PMY TECNOLOGIA LTDA
 
Plano de mkt digital conceitos e exemplos
Plano de mkt digital conceitos e exemplosPlano de mkt digital conceitos e exemplos
Plano de mkt digital conceitos e exemplos
Phlávia Fernandes
 
Aula 1 introdução a adm financeira
Aula 1   introdução a adm financeiraAula 1   introdução a adm financeira
Aula 1 introdução a adm financeira
sscutrim
 
O papel e o ambiente da administração financeira
O papel e o ambiente da administração financeiraO papel e o ambiente da administração financeira
O papel e o ambiente da administração financeira
Leandro Gonçalves
 
Aula Branding - Branding Equity
Aula Branding - Branding EquityAula Branding - Branding Equity
Aula Branding - Branding Equity
Gabriel Ferraciolli
 
Modelo das 5 Forças Competitivas de Michael Porter
Modelo das 5 Forças Competitivas de Michael PorterModelo das 5 Forças Competitivas de Michael Porter
Modelo das 5 Forças Competitivas de Michael Porter
Nino Carvalho - Consultor e Professor
 
O mix de marketing
O mix de marketingO mix de marketing
O mix de marketing
Sergio Montes
 
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtos
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtosGestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtos
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtos
Professor Sérgio Duarte
 
Benchmarking - O que é?
Benchmarking - O que é?Benchmarking - O que é?
Benchmarking - O que é?
Tiago Teixeira
 

Mais procurados (20)

Indicadores de Desempenho
Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho
Indicadores de Desempenho
 
Matriz ansoff
Matriz ansoffMatriz ansoff
Matriz ansoff
 
Tomada de decisão
Tomada de decisãoTomada de decisão
Tomada de decisão
 
Enfoque do processo administrativo
Enfoque do processo administrativoEnfoque do processo administrativo
Enfoque do processo administrativo
 
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
 
Vantagem Competitiva
Vantagem CompetitivaVantagem Competitiva
Vantagem Competitiva
 
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   Fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
 
Gerente de vendas
Gerente de vendasGerente de vendas
Gerente de vendas
 
Estratégia para a competitivdade
Estratégia para a competitivdadeEstratégia para a competitivdade
Estratégia para a competitivdade
 
Benchmarking: O que é e como fazer
Benchmarking: O que é e como fazerBenchmarking: O que é e como fazer
Benchmarking: O que é e como fazer
 
Benchmarking Conceitos
Benchmarking ConceitosBenchmarking Conceitos
Benchmarking Conceitos
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
Plano de mkt digital conceitos e exemplos
Plano de mkt digital conceitos e exemplosPlano de mkt digital conceitos e exemplos
Plano de mkt digital conceitos e exemplos
 
Aula 1 introdução a adm financeira
Aula 1   introdução a adm financeiraAula 1   introdução a adm financeira
Aula 1 introdução a adm financeira
 
O papel e o ambiente da administração financeira
O papel e o ambiente da administração financeiraO papel e o ambiente da administração financeira
O papel e o ambiente da administração financeira
 
Aula Branding - Branding Equity
Aula Branding - Branding EquityAula Branding - Branding Equity
Aula Branding - Branding Equity
 
Modelo das 5 Forças Competitivas de Michael Porter
Modelo das 5 Forças Competitivas de Michael PorterModelo das 5 Forças Competitivas de Michael Porter
Modelo das 5 Forças Competitivas de Michael Porter
 
O mix de marketing
O mix de marketingO mix de marketing
O mix de marketing
 
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtos
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtosGestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtos
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Desenvolvimento de novos produtos
 
Benchmarking - O que é?
Benchmarking - O que é?Benchmarking - O que é?
Benchmarking - O que é?
 

Semelhante a Ciclo de vida e desempenho das empresas

Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeisObjetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Felipe Pontes
 
Fraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultadosFraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultados
Felipe Pontes
 
Análise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvênciaAnálise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvência
Felipe Pontes
 
Análise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresasAnálise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresas
Felipe Pontes
 
Análise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidadeAnálise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidade
Felipe Pontes
 
Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?
Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?
Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?
Felipe Pontes
 
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro formaModelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
Felipe Pontes
 
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Felipe Pontes
 
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Felipe Pontes
 
A aplicação da Gestão do Conhecimento pelo administrador é essencial
A aplicação da Gestão do Conhecimento pelo administrador é essencialA aplicação da Gestão do Conhecimento pelo administrador é essencial
A aplicação da Gestão do Conhecimento pelo administrador é essencial
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Análise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresaAnálise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresa
Felipe Pontes
 
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Felipe Pontes
 
Palestra sobre Planejamento Estratégico - Ryla 2012
Palestra sobre Planejamento Estratégico - Ryla 2012Palestra sobre Planejamento Estratégico - Ryla 2012
Palestra sobre Planejamento Estratégico - Ryla 2012
vitoriotomaz
 
O estilo da auditoria afeta a qualidade da informação contábil no Brasil?
O estilo da auditoria afeta a qualidade da informação contábil no Brasil?O estilo da auditoria afeta a qualidade da informação contábil no Brasil?
O estilo da auditoria afeta a qualidade da informação contábil no Brasil?
Felipe Pontes
 
Tópicos avançados em gestão de produtos
Tópicos avançados em gestão de produtosTópicos avançados em gestão de produtos
Tópicos avançados em gestão de produtos
Joaquim Torres
 
Atps analise de investimento
Atps analise de investimentoAtps analise de investimento
Atps analise de investimento
Joelma Ribeiro
 
Estudo: A sustentabilidade no mundo corporativo
Estudo: A sustentabilidade no mundo corporativoEstudo: A sustentabilidade no mundo corporativo
Estudo: A sustentabilidade no mundo corporativo
Miti Inteligência
 
Artigo acadetec-01 maio2013
Artigo acadetec-01 maio2013Artigo acadetec-01 maio2013
Artigo acadetec-01 maio2013
Acadetec
 
APO - Aula 01
APO - Aula 01APO - Aula 01
APO - Aula 01
Maxime Parisot
 
Guia da Startup para a segunda turma da Aceleratech
Guia da Startup para a segunda turma da AceleratechGuia da Startup para a segunda turma da Aceleratech
Guia da Startup para a segunda turma da Aceleratech
Joaquim Torres
 

Semelhante a Ciclo de vida e desempenho das empresas (20)

Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeisObjetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
 
Fraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultadosFraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultados
 
Análise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvênciaAnálise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvência
 
Análise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresasAnálise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresas
 
Análise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidadeAnálise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidade
 
Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?
Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?
Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?
 
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro formaModelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
 
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
 
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
 
A aplicação da Gestão do Conhecimento pelo administrador é essencial
A aplicação da Gestão do Conhecimento pelo administrador é essencialA aplicação da Gestão do Conhecimento pelo administrador é essencial
A aplicação da Gestão do Conhecimento pelo administrador é essencial
 
Análise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresaAnálise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresa
 
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
 
Palestra sobre Planejamento Estratégico - Ryla 2012
Palestra sobre Planejamento Estratégico - Ryla 2012Palestra sobre Planejamento Estratégico - Ryla 2012
Palestra sobre Planejamento Estratégico - Ryla 2012
 
O estilo da auditoria afeta a qualidade da informação contábil no Brasil?
O estilo da auditoria afeta a qualidade da informação contábil no Brasil?O estilo da auditoria afeta a qualidade da informação contábil no Brasil?
O estilo da auditoria afeta a qualidade da informação contábil no Brasil?
 
Tópicos avançados em gestão de produtos
Tópicos avançados em gestão de produtosTópicos avançados em gestão de produtos
Tópicos avançados em gestão de produtos
 
Atps analise de investimento
Atps analise de investimentoAtps analise de investimento
Atps analise de investimento
 
Estudo: A sustentabilidade no mundo corporativo
Estudo: A sustentabilidade no mundo corporativoEstudo: A sustentabilidade no mundo corporativo
Estudo: A sustentabilidade no mundo corporativo
 
Artigo acadetec-01 maio2013
Artigo acadetec-01 maio2013Artigo acadetec-01 maio2013
Artigo acadetec-01 maio2013
 
APO - Aula 01
APO - Aula 01APO - Aula 01
APO - Aula 01
 
Guia da Startup para a segunda turma da Aceleratech
Guia da Startup para a segunda turma da AceleratechGuia da Startup para a segunda turma da Aceleratech
Guia da Startup para a segunda turma da Aceleratech
 

Mais de Felipe Pontes

Apresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuationApresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuation
Felipe Pontes
 
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsaMitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Felipe Pontes
 
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da ContabilidadeCaso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Felipe Pontes
 
Onde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresasOnde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresas
Felipe Pontes
 
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das DemonstraçõesAnálise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Felipe Pontes
 
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPBIntrodução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Felipe Pontes
 
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comunsPesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Felipe Pontes
 
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPBPIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
Felipe Pontes
 
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuationMitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Felipe Pontes
 
APV e Custo do Capital
APV e Custo do CapitalAPV e Custo do Capital
APV e Custo do Capital
Felipe Pontes
 
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de DividendosPolítica de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Felipe Pontes
 
Orçamento de Capital e VPL
Orçamento de Capital e VPLOrçamento de Capital e VPL
Orçamento de Capital e VPL
Felipe Pontes
 
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo riscoTaxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
Felipe Pontes
 
Apresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - ValuationApresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - Valuation
Felipe Pontes
 
Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma  Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma
Felipe Pontes
 
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - FermizaçãoAplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Felipe Pontes
 
Fundos de Investimento Smart Beta
Fundos de Investimento Smart BetaFundos de Investimento Smart Beta
Fundos de Investimento Smart Beta
Felipe Pontes
 
Fundos de Investimento Imobiliário
Fundos de Investimento ImobiliárioFundos de Investimento Imobiliário
Fundos de Investimento Imobiliário
Felipe Pontes
 
Fundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long Only
Fundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long OnlyFundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long Only
Fundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long Only
Felipe Pontes
 
Fundos Multimercado
Fundos MultimercadoFundos Multimercado
Fundos Multimercado
Felipe Pontes
 

Mais de Felipe Pontes (20)

Apresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuationApresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuation
 
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsaMitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
 
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da ContabilidadeCaso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
 
Onde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresasOnde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresas
 
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das DemonstraçõesAnálise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
 
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPBIntrodução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
 
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comunsPesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
 
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPBPIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
 
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuationMitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
 
APV e Custo do Capital
APV e Custo do CapitalAPV e Custo do Capital
APV e Custo do Capital
 
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de DividendosPolítica de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
 
Orçamento de Capital e VPL
Orçamento de Capital e VPLOrçamento de Capital e VPL
Orçamento de Capital e VPL
 
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo riscoTaxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
 
Apresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - ValuationApresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - Valuation
 
Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma  Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma
 
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - FermizaçãoAplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
 
Fundos de Investimento Smart Beta
Fundos de Investimento Smart BetaFundos de Investimento Smart Beta
Fundos de Investimento Smart Beta
 
Fundos de Investimento Imobiliário
Fundos de Investimento ImobiliárioFundos de Investimento Imobiliário
Fundos de Investimento Imobiliário
 
Fundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long Only
Fundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long OnlyFundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long Only
Fundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long Only
 
Fundos Multimercado
Fundos MultimercadoFundos Multimercado
Fundos Multimercado
 

Ciclo de vida e desempenho das empresas

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CICLO DE VIDA E DESEMPENHO DAS EMPRESAS grggggggggggggggggggg ggggggggg Luiz Felipe de Araújo Pontes Girão Objetivo da aula: analisar as relações e as implicações dos estágios do ciclo de vida na qualidade das demonstrações contábeis e no desempenho das empresas. Conteúdo: Teoria do ciclo de vida. Modelo de classificação do ciclo de vida. Ciclo de vida e desempenho.
  • 2. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br 2 it k k ktk k kitk j jitjit XCustosIncAD     1 ,,2,,10 𝑃𝑡 = 𝜏=1 ∞ 𝑅𝑓−𝑡 𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏 youtube.com/contabilidademq @felfelipepontes @contabilidademq Slideshare.net/felipepontes16 /pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e ative as notificações para não perder nada!
  • 3. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Recapitulando... • Notícias da semana. • Andamento dos artigos. • Atualização do relatório de análise. • Discussão da análise do gerenciamento de resultados de cada empresa e a comparação com o setor. 3
  • 4. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Teoria do Ciclo de Vida • Nascer, crescer, amadurecer e depois descontinuar as atividades. O ciclo de vida das empresas é linear assim? 4 Não! Depende A empresa ter ou não prazo de duração Competição Barreiras de saída Entropia em geral
  • 5. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Teoria do Ciclo de Vida • Em geral, a literatura de ciclo de vida classifica as empresas em 5 estágios (MILLER; FRIESEN, 1984; DICKINSON, 2011): – Nascimento; – Crescimento; – Maturidade; – Turbulência/Renascimento; e – Declínio. 5
  • 6. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Teoria do Ciclo de Vida (alterações circunstanciais) Circunstância quanto à: Alterações à medida que há evolução nos ECVs: Situação 1. A complexidade no processo de gerir a empresa aumenta ao longo dos ECVs; 2. As empresas se tornam maiores; 3. O capital se torna menos concentrado; 4. Há aumento da influência dos clientes na gestão; 5. Há diminuição da influência dos acionistas na gestão; 6. Há aumento da concorrência; e 7. A empresa se torna mais heterogênea, com mais produtos/serviços, em resposta aos mercados saturados. Estrutura 1. A complexidade demandará uma estrutura administrativa mais forte e sofisticada (sistemas de informação, controle de desempenho, planejamento etc.); 2. Descentralização da autoridade para decisões estratégicas; 3. Maior participação da gestão; 4. Capacidade de superar a complexidade do ambiente; e 5. Na fase de declínio, a estrutura passa a ser muito primitiva. Estilo da tomada de decisão 1. O crescimento organizacional e a complexidade ambiental farão a atividade administrativa ser cada vez mais difícil. Estratégia 1. As tentativas de renovar as estratégias (inovação em produtos/serviços, diversificação, integração vertical etc.) estão concentradas nas fases de nascimento, crescimento e turbulência, enquanto que, na maturidade e no declínio, o foco está voltado em melhorar a eficiência (reduzir preços, imitar estratégias dos concorrentes, lobbying etc.). 6 Fonte: adaptado de Miller e Friesen (1984).
  • 7. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Teoria do Ciclo de Vida • Quais são os exemplos de empresas que migraram de um estágio para outro, recentemente (ou nem tão recentemente assim) e quais foram os fundamentos por trás da mudança de estágio (para frente ou para trás)? • Em qual estágio vocês acham que a sua empresa está? Por quê? 5 minutos para pensar e colocar no papel. • As empresas que vocês estão analisando passaram por alteração no estágio do ciclo de vida recentemente? Qual foi o indício? 3 minutos para pensar e colocar no papel. 7
  • 8. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Teoria do Ciclo de Vida • Grupo EBX: empresas nasceram, mas não conseguiram se desenvolver e algumas até foram para recuperação judicial (turbulência/declínio). • Magazine Luiza: empresa relativamente madura, passou por um período turbulento e agora está em estágio de crescimento. A Via Varejo aparentemente ainda está um pouco longe de sair da turbulência. • Natura: para lidar melhor com a concorrência, a Natura passou a abrir lojas próprias, adquiriu a The Body Shop e já está com outras aquisições na mira. • Blockbuster: não suportou a competição online de serviços mais tempestivos, como o da Netflix, e declinou 8
  • 9. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Teoria do Ciclo de Vida (Ambiente informacional) 9 Fonte: Girão (2016)
  • 10. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Teoria do Ciclo de Vida (Impacto da incerteza no Ke) Painel A – Boxplot da variável COCpeg_prem distribuída entre os ECV Painel B – Distribuição ajustada da variável COCpeg_prem entre os ECV 0 .2.4.6.8 1 COCpeg_prem Nascimento Crescimento Maturidade Turbulência Declínio 0 .05 .1 .15 .2 .25 COCpeg_prem Nascimento Crescimento Maturidade Turbulência Declínio 10 Fonte: Girão (2016) Custo do capital entre os ECVs
  • 11. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Teoria do Ciclo de Vida (disponibilidade de info) 11 Empresas maduras  menos opacas informacionalmente Empresas jovens  mais opacas informacionalmente
  • 12. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br 12 Zero receita e algum rejuízo Há receita, mas há também prejuízo Valuation de Damodaran sobre a Tesla Um dos livros recentes de Damodaran foca muito nessa questão: https://amzn.to/2RC3EjT
  • 13. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br 13 O mercado precifica forte e rapidamente as oportunidades da empresa: a) principalmente as “techs” – muito hype? vide o caso do Pokemon Go; b) o lucro não precifica esse “hype” tão rapidamente (e.g. P&D nos EUA e o P no Brasil/IFRS). Será esse o caso da RADL que tem PE de 52x, mas os analistas preveem o preço chegar a mais de R$ 80,00? (preço atual em torno de R$ 60,00)
  • 14. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Teoria do Ciclo de Vida • Aos interessados no tema, há duas postagens no blog sobre a reação do mercado ao Pokemon Go, analisando os fundamentos do negócio: – Quem é esse Pokémon?! Valor de mercado da Nintendo sobe 70% http://contabilidademq.blogspot.com.br/2016/07/quem-e-esse-pokemon-valor- de-mercado-da.html – Pokémon Go: overreaction ou não? Eis a questão! http://contabilidademq.blogspot.com.br/2016/07/pokemon-go-overreaction-ou- nao-eis.html 14
  • 15. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Teoria do Ciclo de Vida • Em suma: analisar as demonstrações contábeis e fazer valuation sem considerar o ciclo de vida da empresa pode ser bem perigoso, porque as circunstâncias e as incertezas são muito diferentes nos diferentes estágios do ciclo de vida organizacional. • Existem muitas evidências ao redor do mundo, inclusive, de que a qualidade da informação contábil muda ao longo dos estágios de ciclo de vida. • No Brasil temos evidências de que a qualidade da informação contábil varia em todas as medidas, exceto pelo gerenciamento de resultados que não é estatisticamente diferente entre os estágios. • Ver Lima, Carvalho, Paulo e Girão (2015): https://rac.anpad.org.br/index.php/rac/article/view/1111/1107 15
  • 16. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Modelo de Classificação dos Estágios do Ciclo 16
  • 17. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Modelo de Classificação dos Estágios do Ciclo 17 Que sinal esperar para o fluxo de caixa operacional em cada estágio? Positivo ou negativo? Argumente! Que sinal esperar para o fluxo de caixa de investimento em cada estágio? Positivo ou negativo? Argumente! Que sinal esperar para o fluxo de caixa de financiamento em cada estágio? Positivo ou negativo? Argumente!
  • 18. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Modelo de Classificação dos Estágios do Ciclo • Modelo de Dickinson (2011) (o melhor), mas existem diversos outros que usam diversas outras variáveis. Vejam, por exemplo, o artigo de Lima, Carvalho, Paulo e Girão (2015). 18 Fluxo de Caixa Nascimento Crescimento Maturidade Turbulência Declínio Operacional - + + + - + - - Investimento - - - + - + + + Financiamento + + - + - - + - Fonte: Dickinson (2011, p. 1974) AGORA CONFIRMEM A SUPOSIÇÃO DE VOCÊS SOBRE O CICLO DE VIDA DA SUA EMPRESA E DA CONCORRENTE, COM O MODELO ACIMA.
  • 19. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Ciclo de Vida e Desempenho da Empresa 19 AMPLIAR A IMAGEM NA LUPA. Pelo modelo de Dickinson, a evidência empírica converge com a teoria, enquanto que no modelo de Anthony e Ramesh e pela classificação da idade a evidência empírica é contrária à teoria. Vejamos a tabela.
  • 20. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Ciclo de Vida e Desempenho das Ações 20 AMPLIAR A IMAGEM NA LUPA. Pelas evidências apresentadas, é possível traçar estratégias de investimento com base no ciclo de vida. Investir em empresas maduras pode gerar retornos anormais (1,6% com base nesses dados). Mais surpreendente: investir em empresas em declínio gerou retorno anormal de 13,5%!! Qual é o problema? Viés de sobrevivência mais uma vez. Só as empresas em declínio que sobreviveram por 15 meses participaram da amostra.
  • 21. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Atividades para a semana 1. Classificar a sua empresa e as concorrentes com base no modelo de ciclo de vida de Dickinson. 2. Analisar, ao longo do tempo, o ciclo de vida e o desempenho da empresa pelas métricas de desempenho estudadas ao longo da disciplina. Parece existir relação entre o ciclo de vida e o desempenho? 21
  • 23. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Para ter acesso a mais conteúdos, acesse: – Blogs www.ContabilidadeMQ.com.br www.FinancasAplicadasBrasil.blogspot.com – Instagram: www.instagram.com/felfelipepontes – Facebook: www.facebook.com/ContabilidadeMQ – Twitter: www.twitter.com/felfelipepontes – YouTube: www.youtube.com/ContabilidadeMQ 23
  • 24. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br 24 it k k ktk k kitk j jitjit XCustosIncAD     1 ,,2,,10 𝑃𝑡 = 𝜏=1 ∞ 𝑅𝑓−𝑡 𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏 youtube.com/contabilidademq @felfelipepontes @contabilidademq Slideshare.net/felipepontes16 /pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e ative as notificações para não perder nada!