SlideShare uma empresa Scribd logo
Charles Dickens

                                        Charles Dickens nasceu no dia 7 de fevereiro de 1812,
                                     assinalando-se hoje o bicentenário do nascimento do reputado
                                     escritor britânico, um dos maiores romancistas da história literária
                                     mundial, autor de clássicos como ‘David Copperfield’ ou ‘Oliver
                                     Twist’.

                                     Nome eterno na sua arte, Charles Dickens foi considerado o mais
                                     popular romancista da era vitoriana, conquistando fama mundial
                                     com os romances e contos que escreveu. A sua escrita retrata a
                                     realidade do seu tempo e contribuiu decisivamente para a crítica
                                     social na literatura inglesa, da forma como a conhecemos na
                                     atualidade.

           Charles John Huffam Dickens nasceu há 200 anos, numa sexta-feira, em Inglaterra, na cidade
de Moure, localizada no condado de Hampshire. Elemento de uma família de classe média – filho de
funcionário da Armada (John Dickens) e de Elizabeth Barrow –, caracterizou-se mais tarde como uma
criança “pouco mimada”.

            A primeira formação foi-lhe dada pela mãe, que dedicava horas a transmitir ao filho lições de
Inglês e de Latim. O amor pela literatura nasceu com o pequeno Charles John. Na sua infância e
juventude, tinha como principal passatempo ler livros de Tobias Smollett, Daniel Defoe, Goldsmith, Henry
Fielding, alguns dos seus autores preferidos.

            ‘Dom Quixote’, ‘As Mil e Uma Noites’ e ‘Gil Blas’ foram algumas das centenas de obras que
devorou, ao longo da sua infância. Charles Dickens, sem saber, começava a criar as bases do seu estilo
literário, colhendo conhecimentos de grandes autores e obras. A ficção desses livros e a realidade dos
tempos de Dickens misturar-se-iam mais tarde, nos seus contos e romances.

            Afastado da pobreza, Charles Dickens pôde frequentar o ensino privado, mas apenas durante
três anos. Afogado em dívidas, o pai viria a ser preso, no momento em que deixou de poder exibir os
sinais de ostentação.

            Com 10 anos de idade, Dickens mudou-se para o bairro Camden Town, localizado em Londres.
Foi a forma encontrada para sobreviver a um drama. A sua família teve então de empenhar alguns bens
de valor, como talheres de prata, para conseguir suportar as despesas.

           Este episódio acabou também por marcar decisivamente o pequeno Charles Dickens, já que
entre os bens empenhados estava a sua valiosa biblioteca – os livros que tanto amava, os devorados e os
que o romancista britânico se preparava para devorar.

            Charles Dickens contava então 12 anos, idade que na sociedade da época era considerada
‘válida’ para ingressar no mercado de trabalho. E a empresa Warren’s foi o primeiro local de trabalho do
jovem.

           O seu primeiro emprego foi produzir graxa para sapatos, ao lado de uma estação de comboios,
onde a elite era tratava com nobreza por futuros nobres autores. Charles colocava os rótulos nos frascos e
ganhava dinheiro suficiente para a família, que estava presa por dívidas.
Um episódio marcou a infância de Charles Dickens: a família, anos mais tarde, recebe uma
herança, mas a mãe não o retira daquela fábrica. Charles Dickens continua a colar rótulos, revoltado com
a injustiça, que jamais perdoaria.

          Aqui, escreve-se também uma parte da personalidade literária do escritor britânico. Ao longo
da sua obra, versa de forma vincada as condições de trabalho deprimentes da classe operária. Mas esta
condição não seria eterna. Dickens estava prestes a mudar de rumo.

            Poucos anos mais tarde, vai trabalhar para um escritório e esteve perto de se tornar advogado,
mas a troca de argumentos nos tribunais não o fazia sentir realizado. As palavras ditas não era suficientes
para realizar o escritor.

           Aos 18 anos, inscreve-se na biblioteca do British Museum e inicia um novo período a devorar
palavras escritas. A paixão por uma jovem rica é desaprovada pelos pais desta, num desgosto amoroso
que fica marcado na história do escritor: o eterno Charles Dickens foi um dia rejeitado pela elite, num
período difícil da sua vida.

            As palavras conduzem o seu destino profissional: torna-se jornalista, cronista judicial e faz a
cobertura de campanhas eleitorais da Grã-Bretanha. ‘Esboços de Boz’ era o nome de um trabalho que
assinava, pequenos trabalhos jornalísticos de comentários de costumes, publicados no ‘Morning
Chronicle’, no ano de 1833.

           E Boz tornou-se o seu pseudónimo, no início da sua atividade literária. Durante anos, escreve
para diversos jornais, mesmo já depois de se tornar escritor. ‘The Pickwick Papers’ marca o ponto de
partida do seu caminho literário.

           Em 1836, Charles Dickens casa-se com Catherine Hogarth, com quem teve os seus 10 filhos.
Assiste a uma reação do público pouco favorável a ‘The Pickwick Papers’, mas depressa atinge o sucesso,
com a criação de uma personagem: Sam Weller, um criado que acompanha o seu fiel amo...

            Dois anos mais tarde, escreve o romance ‘Oliver Twist’, que apontava os defeitos da sociedade
vitoriana. Dickens transportava para os seus livros toda a vivência dos seus 26 anos.

         Cinco anos depois, cria ‘A Christmas Carol’, um livro bem sucedido, ao qual se juntam outros,
em catadupa, como ‘The Chimes’, em 1844, ‘The Cricket on the Hearth’, em 1845, ou ‘Dombey and Son’,
em 1849.

            Estava precisamente a chegar o romances mais popular da sua obra: ‘David Copperfield’,
também em 1849. É possível perceber a sua vida, as mágoas, a crítica social, nessa obra literária. ‘Tempos
Difíceis’ chega em 1854. E Charles Dickens era já um nome incontornável na literatura.

          Alguns folhetins publicavam os seus romances, com vendas que superavam 40 mil cópias. A
popularidade da obra começou a criar um público fidelizado, apaixonado pelas letras de Charles Dickens.

           O dinheiro que amealhou foi utilizado na compra de uma casa, por onde um dia passara, em
criança. Olhou a residência Gad’s Hill Place e quis comprá-la, desde logo. Cumpriu esse sonho, muitos
anos mais tarde.

           Charles Dickens era figura proeminente da sociedade, mas cometeu um ato que essa mesma
sociedade reprovava: divorciou-se, em 1858, deixando a sua esposa com 10 filhos. A vida conjugal do
escritor emerge e faz parte da história da sua vida, com suspeitas de infidelidade.

           Mais tarde, um acidente ferroviário deixou-o sem ferimentos físicos, mas com marcas
psicológicas. Reduz o ritmo de produção de livros a partir de então. ‘Our Mutual Friend’, livro cujo esboço
quase se perdia no acidente, só é terminado muitos anos depois. Começa a dedicar-se a ler obras em
público. A popularidade do autor aumenta, porque a sua capacidade de narração estava à altura da obra
que criava.

           Em 1867, volta aos EUA, onde estivera anos antes. Realiza as já tradicionais digressões de
leituras. Perde a vida em junho de 1870, vítima de morte cerebral. Acaba sepultado na Abadia de
Westminster, no ‘Poets' Corner’ (Canto dos Poetas).

          Na lápide de Charles Dickens, as palavras: “Apoiante dos pobres, dos que sofrem, e dos
oprimidos. Com a sua morte, desaparece um dos maiores escritores de Inglaterra”. É uma forma triste de
terminar o texto que assinala o bicentenário do nascimento de Charles Dickens. Mas com uma
homenagem feliz.




   Charles Dickens, 200 anos após o nascimento do escritor.
   http://www.ptjornal.com/201202075270/artes/google-doodle-lembra-charles-dickens-200-anos-apos-
   o-nascimento-do-escritor.html . Consultado em 07/02/2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pela floresta-pt 01
Pela floresta-pt 01Pela floresta-pt 01
Pela floresta-pt 01
Risoleta Montez
 
A lagartinha-pt 01
A lagartinha-pt 01A lagartinha-pt 01
A lagartinha-pt 01
Risoleta Montez
 
A maior-casa-pt 01
A maior-casa-pt 01A maior-casa-pt 01
A maior-casa-pt 01
Risoleta Montez
 
Papa por-favor-pt 01
Papa por-favor-pt 01Papa por-favor-pt 01
Papa por-favor-pt 01
Risoleta Montez
 
Júlio Dinis
Júlio DinisJúlio Dinis
Júlio Dinis
Bia Reis
 
Virginia Woolf
Virginia WoolfVirginia Woolf
Virginia Woolf
Fabio Lemes
 
Lançamentos de Julho - Arqueiro e Sextante
Lançamentos de Julho - Arqueiro e SextanteLançamentos de Julho - Arqueiro e Sextante
Lançamentos de Julho - Arqueiro e Sextante
Nanda Soares
 
Caso prático 2 paula rego
Caso prático 2   paula regoCaso prático 2   paula rego
Caso prático 2 paula rego
Carla Freitas
 
Vida e obra de Samuel Beckett
Vida e obra de Samuel BeckettVida e obra de Samuel Beckett
Vida e obra de Samuel Beckett
Vitor de Almeida
 
Orgulho e Preconceito de Jane Austen
Orgulho e Preconceito de Jane AustenOrgulho e Preconceito de Jane Austen
Orgulho e Preconceito de Jane Austen
Rita Silva
 
Anália franco
Anália francoAnália franco
Anália franco
Claudio Santos
 
Moby Dick
Moby DickMoby Dick
Moby Dick
Moby Dick Moby Dick
Moby Dick
Winnie Teófilo
 
Leonor
LeonorLeonor
Leonor
12anogolega
 
Orgulho e preconceito mariana afonso
Orgulho e preconceito   mariana afonsoOrgulho e preconceito   mariana afonso
Orgulho e preconceito mariana afonso
fantas45
 
Releituras de Jane Austen nos Mangás Femininos Japoneses
Releituras de Jane Austen nos Mangás Femininos JaponesesReleituras de Jane Austen nos Mangás Femininos Japoneses
Releituras de Jane Austen nos Mangás Femininos Japoneses
Valéria Shoujofan
 
Primeiro capitulo orgulho e preconceito
Primeiro capitulo   orgulho e preconceitoPrimeiro capitulo   orgulho e preconceito
Primeiro capitulo orgulho e preconceito
pibidbar
 
Aula 9 Washington Irving
Aula 9 Washington IrvingAula 9 Washington Irving
Aula 9 Washington Irving
Sirley Strobel
 

Mais procurados (18)

Pela floresta-pt 01
Pela floresta-pt 01Pela floresta-pt 01
Pela floresta-pt 01
 
A lagartinha-pt 01
A lagartinha-pt 01A lagartinha-pt 01
A lagartinha-pt 01
 
A maior-casa-pt 01
A maior-casa-pt 01A maior-casa-pt 01
A maior-casa-pt 01
 
Papa por-favor-pt 01
Papa por-favor-pt 01Papa por-favor-pt 01
Papa por-favor-pt 01
 
Júlio Dinis
Júlio DinisJúlio Dinis
Júlio Dinis
 
Virginia Woolf
Virginia WoolfVirginia Woolf
Virginia Woolf
 
Lançamentos de Julho - Arqueiro e Sextante
Lançamentos de Julho - Arqueiro e SextanteLançamentos de Julho - Arqueiro e Sextante
Lançamentos de Julho - Arqueiro e Sextante
 
Caso prático 2 paula rego
Caso prático 2   paula regoCaso prático 2   paula rego
Caso prático 2 paula rego
 
Vida e obra de Samuel Beckett
Vida e obra de Samuel BeckettVida e obra de Samuel Beckett
Vida e obra de Samuel Beckett
 
Orgulho e Preconceito de Jane Austen
Orgulho e Preconceito de Jane AustenOrgulho e Preconceito de Jane Austen
Orgulho e Preconceito de Jane Austen
 
Anália franco
Anália francoAnália franco
Anália franco
 
Moby Dick
Moby DickMoby Dick
Moby Dick
 
Moby Dick
Moby Dick Moby Dick
Moby Dick
 
Leonor
LeonorLeonor
Leonor
 
Orgulho e preconceito mariana afonso
Orgulho e preconceito   mariana afonsoOrgulho e preconceito   mariana afonso
Orgulho e preconceito mariana afonso
 
Releituras de Jane Austen nos Mangás Femininos Japoneses
Releituras de Jane Austen nos Mangás Femininos JaponesesReleituras de Jane Austen nos Mangás Femininos Japoneses
Releituras de Jane Austen nos Mangás Femininos Japoneses
 
Primeiro capitulo orgulho e preconceito
Primeiro capitulo   orgulho e preconceitoPrimeiro capitulo   orgulho e preconceito
Primeiro capitulo orgulho e preconceito
 
Aula 9 Washington Irving
Aula 9 Washington IrvingAula 9 Washington Irving
Aula 9 Washington Irving
 

Destaque

Ficha do livro.
Ficha do livro.Ficha do livro.
Ficha do livro.
Fabio Bernini
 
Charles Dickens
Charles DickensCharles Dickens
Charles Dickens
Ronald Duke
 
Ciências naturais interações numa comunidade - líquenes
Ciências naturais   interações numa comunidade - líquenesCiências naturais   interações numa comunidade - líquenes
Ciências naturais interações numa comunidade - líquenes
Nuno Correia
 
Power point charles dickens
Power point charles dickensPower point charles dickens
Power point charles dickens
aumatell
 
Obtenção de matéria seres autotróficos
Obtenção de matéria   seres autotróficosObtenção de matéria   seres autotróficos
Obtenção de matéria seres autotróficos
Isabel Lopes
 
Obtenção de matéria seres heterotróficos
Obtenção de matéria   seres heterotróficosObtenção de matéria   seres heterotróficos
Obtenção de matéria seres heterotróficos
Isabel Lopes
 

Destaque (6)

Ficha do livro.
Ficha do livro.Ficha do livro.
Ficha do livro.
 
Charles Dickens
Charles DickensCharles Dickens
Charles Dickens
 
Ciências naturais interações numa comunidade - líquenes
Ciências naturais   interações numa comunidade - líquenesCiências naturais   interações numa comunidade - líquenes
Ciências naturais interações numa comunidade - líquenes
 
Power point charles dickens
Power point charles dickensPower point charles dickens
Power point charles dickens
 
Obtenção de matéria seres autotróficos
Obtenção de matéria   seres autotróficosObtenção de matéria   seres autotróficos
Obtenção de matéria seres autotróficos
 
Obtenção de matéria seres heterotróficos
Obtenção de matéria   seres heterotróficosObtenção de matéria   seres heterotróficos
Obtenção de matéria seres heterotróficos
 

Semelhante a Charles dickens

Fichamento de Língua Portuguesa - O diabo dos numeros
Fichamento de Língua Portuguesa - O diabo dos numeros Fichamento de Língua Portuguesa - O diabo dos numeros
Fichamento de Língua Portuguesa - O diabo dos numeros
Pedro Luis
 
Mitos gregos_ edicao ilust. - Nathaniel Hawthorne.pdf
Mitos gregos_ edicao ilust. - Nathaniel Hawthorne.pdfMitos gregos_ edicao ilust. - Nathaniel Hawthorne.pdf
Mitos gregos_ edicao ilust. - Nathaniel Hawthorne.pdf
VIEIRA RESENDE
 
Mark twain
Mark twainMark twain
Mark twain
tessvalente
 
Destaques Enciclopédia 08-12-2014 a 14-12-2014
Destaques Enciclopédia 08-12-2014 a 14-12-2014Destaques Enciclopédia 08-12-2014 a 14-12-2014
Destaques Enciclopédia 08-12-2014 a 14-12-2014
Umberto Neves
 
Palestra Arthur Conan Doyle
Palestra Arthur Conan DoylePalestra Arthur Conan Doyle
Palestra Arthur Conan Doyle
Edson Rossatto
 
Carlos Drummond
Carlos DrummondCarlos Drummond
Carlos Drummond
marquinhos1511
 
Machado de Assis (Bibliografia)
Machado de Assis (Bibliografia) Machado de Assis (Bibliografia)
Machado de Assis (Bibliografia)
Solange_Suldino
 
O método apologético de C.S. Lewis
O método apologético de C.S. LewisO método apologético de C.S. Lewis
O método apologético de C.S. Lewis
Eric Araújo
 
Vida e obra
Vida e obraVida e obra
Vida e obra
Elber Queiroz
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
Robert Harris
 
Dom casmurro - 3ª A - 2011
Dom casmurro - 3ª A - 2011Dom casmurro - 3ª A - 2011
Dom casmurro - 3ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
# Amag ramgis - biografia # epes sargent - [ espiritismo]
#   Amag ramgis - biografia # epes sargent - [ espiritismo]#   Amag ramgis - biografia # epes sargent - [ espiritismo]
# Amag ramgis - biografia # epes sargent - [ espiritismo]
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - biografia # epes sargent
( Espiritismo)   # - amag ramgis - biografia # epes sargent( Espiritismo)   # - amag ramgis - biografia # epes sargent
( Espiritismo) # - amag ramgis - biografia # epes sargent
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Henry fielding
Henry fieldingHenry fielding
Henry fielding
Rebeca Barbosa
 
Destaques Enciclopédia 08-09-2014 a 14-09-2014
Destaques Enciclopédia   08-09-2014 a 14-09-2014Destaques Enciclopédia   08-09-2014 a 14-09-2014
Destaques Enciclopédia 08-09-2014 a 14-09-2014
Umberto Neves
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Thiago Rodrigues
 
Oscar wilde
Oscar wildeOscar wilde
Oscar wilde
Oscar wildeOscar wilde
O rei de amarelo richard w. chambers
O rei de amarelo   richard w. chambersO rei de amarelo   richard w. chambers
O rei de amarelo richard w. chambers
thico27
 
Beatriz romão
Beatriz romãoBeatriz romão
Beatriz romão
Catarina Batista
 

Semelhante a Charles dickens (20)

Fichamento de Língua Portuguesa - O diabo dos numeros
Fichamento de Língua Portuguesa - O diabo dos numeros Fichamento de Língua Portuguesa - O diabo dos numeros
Fichamento de Língua Portuguesa - O diabo dos numeros
 
Mitos gregos_ edicao ilust. - Nathaniel Hawthorne.pdf
Mitos gregos_ edicao ilust. - Nathaniel Hawthorne.pdfMitos gregos_ edicao ilust. - Nathaniel Hawthorne.pdf
Mitos gregos_ edicao ilust. - Nathaniel Hawthorne.pdf
 
Mark twain
Mark twainMark twain
Mark twain
 
Destaques Enciclopédia 08-12-2014 a 14-12-2014
Destaques Enciclopédia 08-12-2014 a 14-12-2014Destaques Enciclopédia 08-12-2014 a 14-12-2014
Destaques Enciclopédia 08-12-2014 a 14-12-2014
 
Palestra Arthur Conan Doyle
Palestra Arthur Conan DoylePalestra Arthur Conan Doyle
Palestra Arthur Conan Doyle
 
Carlos Drummond
Carlos DrummondCarlos Drummond
Carlos Drummond
 
Machado de Assis (Bibliografia)
Machado de Assis (Bibliografia) Machado de Assis (Bibliografia)
Machado de Assis (Bibliografia)
 
O método apologético de C.S. Lewis
O método apologético de C.S. LewisO método apologético de C.S. Lewis
O método apologético de C.S. Lewis
 
Vida e obra
Vida e obraVida e obra
Vida e obra
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Dom casmurro - 3ª A - 2011
Dom casmurro - 3ª A - 2011Dom casmurro - 3ª A - 2011
Dom casmurro - 3ª A - 2011
 
# Amag ramgis - biografia # epes sargent - [ espiritismo]
#   Amag ramgis - biografia # epes sargent - [ espiritismo]#   Amag ramgis - biografia # epes sargent - [ espiritismo]
# Amag ramgis - biografia # epes sargent - [ espiritismo]
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - biografia # epes sargent
( Espiritismo)   # - amag ramgis - biografia # epes sargent( Espiritismo)   # - amag ramgis - biografia # epes sargent
( Espiritismo) # - amag ramgis - biografia # epes sargent
 
Henry fielding
Henry fieldingHenry fielding
Henry fielding
 
Destaques Enciclopédia 08-09-2014 a 14-09-2014
Destaques Enciclopédia   08-09-2014 a 14-09-2014Destaques Enciclopédia   08-09-2014 a 14-09-2014
Destaques Enciclopédia 08-09-2014 a 14-09-2014
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Oscar wilde
Oscar wildeOscar wilde
Oscar wilde
 
Oscar wilde
Oscar wildeOscar wilde
Oscar wilde
 
O rei de amarelo richard w. chambers
O rei de amarelo   richard w. chambersO rei de amarelo   richard w. chambers
O rei de amarelo richard w. chambers
 
Beatriz romão
Beatriz romãoBeatriz romão
Beatriz romão
 

Mais de Armanda Ribeiro

Resumo matéria 8º ano
Resumo matéria 8º anoResumo matéria 8º ano
Resumo matéria 8º ano
Armanda Ribeiro
 
Formação cinema na sala de aula
Formação cinema na sala de aulaFormação cinema na sala de aula
Formação cinema na sala de aula
Armanda Ribeiro
 
7º ano 1ªaula2014/2015
7º ano 1ªaula2014/20157º ano 1ªaula2014/2015
7º ano 1ªaula2014/2015
Armanda Ribeiro
 
7º ano 1ª aula Resumo
7º ano 1ª aula Resumo7º ano 1ª aula Resumo
7º ano 1ª aula Resumo
Armanda Ribeiro
 
Proposta de atividades para uma biblioteca dinâmica
Proposta de atividades para uma biblioteca dinâmicaProposta de atividades para uma biblioteca dinâmica
Proposta de atividades para uma biblioteca dinâmica
Armanda Ribeiro
 
O menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de lerO menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de ler
Armanda Ribeiro
 
O menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de lerO menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de ler
Armanda Ribeiro
 
Proposta de atividades para uma biblioteca dinâmica
Proposta de atividades para uma biblioteca dinâmicaProposta de atividades para uma biblioteca dinâmica
Proposta de atividades para uma biblioteca dinâmica
Armanda Ribeiro
 
Autores de língua portuguesa
Autores de língua portuguesaAutores de língua portuguesa
Autores de língua portuguesa
Armanda Ribeiro
 
Apresentação1[1]
Apresentação1[1]Apresentação1[1]
Apresentação1[1]
Armanda Ribeiro
 
Desenvolvimento da biblioteca na escola[1]
Desenvolvimento da biblioteca na escola[1]Desenvolvimento da biblioteca na escola[1]
Desenvolvimento da biblioteca na escola[1]
Armanda Ribeiro
 
Contextualização blogue da biblioteca (1)
Contextualização blogue da biblioteca (1)Contextualização blogue da biblioteca (1)
Contextualização blogue da biblioteca (1)
Armanda Ribeiro
 
Contextualização blogue da biblioteca (1)
Contextualização blogue da biblioteca (1)Contextualização blogue da biblioteca (1)
Contextualização blogue da biblioteca (1)
Armanda Ribeiro
 
(Da ceca à união europeia (1 ))
(Da ceca à união europeia  (1 ))(Da ceca à união europeia  (1 ))
(Da ceca à união europeia (1 ))
Armanda Ribeiro
 

Mais de Armanda Ribeiro (14)

Resumo matéria 8º ano
Resumo matéria 8º anoResumo matéria 8º ano
Resumo matéria 8º ano
 
Formação cinema na sala de aula
Formação cinema na sala de aulaFormação cinema na sala de aula
Formação cinema na sala de aula
 
7º ano 1ªaula2014/2015
7º ano 1ªaula2014/20157º ano 1ªaula2014/2015
7º ano 1ªaula2014/2015
 
7º ano 1ª aula Resumo
7º ano 1ª aula Resumo7º ano 1ª aula Resumo
7º ano 1ª aula Resumo
 
Proposta de atividades para uma biblioteca dinâmica
Proposta de atividades para uma biblioteca dinâmicaProposta de atividades para uma biblioteca dinâmica
Proposta de atividades para uma biblioteca dinâmica
 
O menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de lerO menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de ler
 
O menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de lerO menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de ler
 
Proposta de atividades para uma biblioteca dinâmica
Proposta de atividades para uma biblioteca dinâmicaProposta de atividades para uma biblioteca dinâmica
Proposta de atividades para uma biblioteca dinâmica
 
Autores de língua portuguesa
Autores de língua portuguesaAutores de língua portuguesa
Autores de língua portuguesa
 
Apresentação1[1]
Apresentação1[1]Apresentação1[1]
Apresentação1[1]
 
Desenvolvimento da biblioteca na escola[1]
Desenvolvimento da biblioteca na escola[1]Desenvolvimento da biblioteca na escola[1]
Desenvolvimento da biblioteca na escola[1]
 
Contextualização blogue da biblioteca (1)
Contextualização blogue da biblioteca (1)Contextualização blogue da biblioteca (1)
Contextualização blogue da biblioteca (1)
 
Contextualização blogue da biblioteca (1)
Contextualização blogue da biblioteca (1)Contextualização blogue da biblioteca (1)
Contextualização blogue da biblioteca (1)
 
(Da ceca à união europeia (1 ))
(Da ceca à união europeia  (1 ))(Da ceca à união europeia  (1 ))
(Da ceca à união europeia (1 ))
 

Charles dickens

  • 1. Charles Dickens Charles Dickens nasceu no dia 7 de fevereiro de 1812, assinalando-se hoje o bicentenário do nascimento do reputado escritor britânico, um dos maiores romancistas da história literária mundial, autor de clássicos como ‘David Copperfield’ ou ‘Oliver Twist’. Nome eterno na sua arte, Charles Dickens foi considerado o mais popular romancista da era vitoriana, conquistando fama mundial com os romances e contos que escreveu. A sua escrita retrata a realidade do seu tempo e contribuiu decisivamente para a crítica social na literatura inglesa, da forma como a conhecemos na atualidade. Charles John Huffam Dickens nasceu há 200 anos, numa sexta-feira, em Inglaterra, na cidade de Moure, localizada no condado de Hampshire. Elemento de uma família de classe média – filho de funcionário da Armada (John Dickens) e de Elizabeth Barrow –, caracterizou-se mais tarde como uma criança “pouco mimada”. A primeira formação foi-lhe dada pela mãe, que dedicava horas a transmitir ao filho lições de Inglês e de Latim. O amor pela literatura nasceu com o pequeno Charles John. Na sua infância e juventude, tinha como principal passatempo ler livros de Tobias Smollett, Daniel Defoe, Goldsmith, Henry Fielding, alguns dos seus autores preferidos. ‘Dom Quixote’, ‘As Mil e Uma Noites’ e ‘Gil Blas’ foram algumas das centenas de obras que devorou, ao longo da sua infância. Charles Dickens, sem saber, começava a criar as bases do seu estilo literário, colhendo conhecimentos de grandes autores e obras. A ficção desses livros e a realidade dos tempos de Dickens misturar-se-iam mais tarde, nos seus contos e romances. Afastado da pobreza, Charles Dickens pôde frequentar o ensino privado, mas apenas durante três anos. Afogado em dívidas, o pai viria a ser preso, no momento em que deixou de poder exibir os sinais de ostentação. Com 10 anos de idade, Dickens mudou-se para o bairro Camden Town, localizado em Londres. Foi a forma encontrada para sobreviver a um drama. A sua família teve então de empenhar alguns bens de valor, como talheres de prata, para conseguir suportar as despesas. Este episódio acabou também por marcar decisivamente o pequeno Charles Dickens, já que entre os bens empenhados estava a sua valiosa biblioteca – os livros que tanto amava, os devorados e os que o romancista britânico se preparava para devorar. Charles Dickens contava então 12 anos, idade que na sociedade da época era considerada ‘válida’ para ingressar no mercado de trabalho. E a empresa Warren’s foi o primeiro local de trabalho do jovem. O seu primeiro emprego foi produzir graxa para sapatos, ao lado de uma estação de comboios, onde a elite era tratava com nobreza por futuros nobres autores. Charles colocava os rótulos nos frascos e ganhava dinheiro suficiente para a família, que estava presa por dívidas.
  • 2. Um episódio marcou a infância de Charles Dickens: a família, anos mais tarde, recebe uma herança, mas a mãe não o retira daquela fábrica. Charles Dickens continua a colar rótulos, revoltado com a injustiça, que jamais perdoaria. Aqui, escreve-se também uma parte da personalidade literária do escritor britânico. Ao longo da sua obra, versa de forma vincada as condições de trabalho deprimentes da classe operária. Mas esta condição não seria eterna. Dickens estava prestes a mudar de rumo. Poucos anos mais tarde, vai trabalhar para um escritório e esteve perto de se tornar advogado, mas a troca de argumentos nos tribunais não o fazia sentir realizado. As palavras ditas não era suficientes para realizar o escritor. Aos 18 anos, inscreve-se na biblioteca do British Museum e inicia um novo período a devorar palavras escritas. A paixão por uma jovem rica é desaprovada pelos pais desta, num desgosto amoroso que fica marcado na história do escritor: o eterno Charles Dickens foi um dia rejeitado pela elite, num período difícil da sua vida. As palavras conduzem o seu destino profissional: torna-se jornalista, cronista judicial e faz a cobertura de campanhas eleitorais da Grã-Bretanha. ‘Esboços de Boz’ era o nome de um trabalho que assinava, pequenos trabalhos jornalísticos de comentários de costumes, publicados no ‘Morning Chronicle’, no ano de 1833. E Boz tornou-se o seu pseudónimo, no início da sua atividade literária. Durante anos, escreve para diversos jornais, mesmo já depois de se tornar escritor. ‘The Pickwick Papers’ marca o ponto de partida do seu caminho literário. Em 1836, Charles Dickens casa-se com Catherine Hogarth, com quem teve os seus 10 filhos. Assiste a uma reação do público pouco favorável a ‘The Pickwick Papers’, mas depressa atinge o sucesso, com a criação de uma personagem: Sam Weller, um criado que acompanha o seu fiel amo... Dois anos mais tarde, escreve o romance ‘Oliver Twist’, que apontava os defeitos da sociedade vitoriana. Dickens transportava para os seus livros toda a vivência dos seus 26 anos. Cinco anos depois, cria ‘A Christmas Carol’, um livro bem sucedido, ao qual se juntam outros, em catadupa, como ‘The Chimes’, em 1844, ‘The Cricket on the Hearth’, em 1845, ou ‘Dombey and Son’, em 1849. Estava precisamente a chegar o romances mais popular da sua obra: ‘David Copperfield’, também em 1849. É possível perceber a sua vida, as mágoas, a crítica social, nessa obra literária. ‘Tempos Difíceis’ chega em 1854. E Charles Dickens era já um nome incontornável na literatura. Alguns folhetins publicavam os seus romances, com vendas que superavam 40 mil cópias. A popularidade da obra começou a criar um público fidelizado, apaixonado pelas letras de Charles Dickens. O dinheiro que amealhou foi utilizado na compra de uma casa, por onde um dia passara, em criança. Olhou a residência Gad’s Hill Place e quis comprá-la, desde logo. Cumpriu esse sonho, muitos anos mais tarde. Charles Dickens era figura proeminente da sociedade, mas cometeu um ato que essa mesma sociedade reprovava: divorciou-se, em 1858, deixando a sua esposa com 10 filhos. A vida conjugal do escritor emerge e faz parte da história da sua vida, com suspeitas de infidelidade. Mais tarde, um acidente ferroviário deixou-o sem ferimentos físicos, mas com marcas psicológicas. Reduz o ritmo de produção de livros a partir de então. ‘Our Mutual Friend’, livro cujo esboço
  • 3. quase se perdia no acidente, só é terminado muitos anos depois. Começa a dedicar-se a ler obras em público. A popularidade do autor aumenta, porque a sua capacidade de narração estava à altura da obra que criava. Em 1867, volta aos EUA, onde estivera anos antes. Realiza as já tradicionais digressões de leituras. Perde a vida em junho de 1870, vítima de morte cerebral. Acaba sepultado na Abadia de Westminster, no ‘Poets' Corner’ (Canto dos Poetas). Na lápide de Charles Dickens, as palavras: “Apoiante dos pobres, dos que sofrem, e dos oprimidos. Com a sua morte, desaparece um dos maiores escritores de Inglaterra”. É uma forma triste de terminar o texto que assinala o bicentenário do nascimento de Charles Dickens. Mas com uma homenagem feliz. Charles Dickens, 200 anos após o nascimento do escritor. http://www.ptjornal.com/201202075270/artes/google-doodle-lembra-charles-dickens-200-anos-apos- o-nascimento-do-escritor.html . Consultado em 07/02/2012