SlideShare uma empresa Scribd logo
Chapeuzinho de palha e o primeiro livro
Chapeuzinho de palha e o primeiro livro
Esta história tem como ambiente algum lugar do Nordeste do Brasil, na
região chamada de sertão, onde o clima é quente e as chuvas são escassas.
No entanto, nem tudo é sertão no Nordeste. Lá existem também regiões
onde chove bastante e, por isso, tudo o que se planta, nasce. O Rio São
Francisco é tão importante para a região, que chega a ser tratado como se
fosse um amigo da família... ele ganhou até o apelido de “Velho Chico”! Suas
águas são usadas para irrigar lavouras, para gerar energia elétrica e para
muitas outras atividades.
Agradecemos imensamente a Secretaria de Educação e Cultura de Pernambuco,
e aos professores que participaram do Momento de Cultura no ano de 2004, os
quais fizeram preciosas contribuições para esta edição do livro.
Chapeuzinho de palha e o primeiro livro
Todos os livros da Fundação Educar são distribuídos
gratuitamente a escolas públicas, organizações
socias e bibliotecas.
Esta obra foi impressa em Papel Couché Image Mate
210 g/m² (capa) e Papel Couché Image Mate
145g/m² (miolo),fabricados pela Ripasa S/A
Celulose e Papel em harmonia com o meio ambiente,
na Gráfica e Editora Modelo Ltda., no ano de 2005,
com tiragem de 23.000 exemplares para esta
segunda edição.
Autor
Sandra Aymone
Coordenação editorial
Maria Fernanda Moscheta
Sílnia N. Martins Prado
Ilustração
Pierre Trabbold
Revisão de texto
Marcos Marcionilo
Diagramação
Linea Creativa
Realização
Fundação EDUCAR DPaschoal
www.educardpaschoal.org.br
F: (19) 3728-8129
3
Belinha estava sentada num
tamborete da cozinha, em
frente à prateleira de
mantimentos. Ela tinha
acabado de aprender a ler
na escola e, para se distrair,
lia o que estava escrito nas
embalagens de todos os
produtos.
Sua mãe arrumava vários doces numa cesta. Quando acabou, disse:
— Isabel, vá entregar essa encomenda na venda da Dona Chica.
Isabel era ela. Belinha era só apelido.
A mãe de Belinha fazia doces para vender e às vezes pedia para a
menina ir levar.
Belinha pegou a cesta, mais um chapéu de palha, que o sol estava forte.
Saiu pensando:
— Em vez de ficar lendo nome de sabão, ia ser muito melhor se eu
tivesse um livro só meu para ler.
4
5
Ah, como ia ser bom ter um livro só dela! Eles iam ser tão amigos!
O livro ia contar história para ela, e ela ia cuidar muito bem dele. Não ia
deixar sujar, rasgar nem amassar nem um tiquinho. Sempre que acabasse
de ler, ia guardar na gaveta, para não perder.
6
Mas em troca, esse livro tinha que
contar uma história bem bonita,
com princesa, fada, bruxa, igual
aos que tinha na escola.
Belinha saiu andando e pensando
como seria a história do primeiro
livro que ia ter.
Bem que podia ser a história de
uma menina chamada Chapeuzinho
de Palha! Ela também ia levar uma
cesta de doces, só que para o
castelo da Rainha Dona Chica...
7
A cesta tinha beijus de tapioca, quindins e bolos de
macaxeira, seus doces preferidos.
“A Rainha Dona Chica, na verdade, era uma bruxa...”
Belinha ia tão distraída inventando a
história, que quase tropeçou numa
galinha. A galinha deu um pulo
e saiu cacarejando. Belinha
jogou para ela uns
farelos de bolo.
E continuou a pensar.
8
“De repente Chapeuzinho de Palha encontrou
uma galinha. Ela estava com cara de fome.
Chapeuzinho deu bolo para ela.
A galinha comeu bem devagar. Depois disse:
— Sabia que eu sou um gênio que gosta de
fazer de conta que é galinha? Você foi boa
comigo. Se precisar de qualquer coisa,
é só chamar.
E - puf! - desapareceu no meio de
uma fumaça.”
9
Neste ponto, Belinha estava passando por uma
casa amarela. Tinha uma placa que dizia:
FAÇO RENDA DE BILRO.
Ela parou e leu. Então Belinha se deu conta
de que já tinha visto aquela placa umas
mil vezes. Mas era a primeira vez que
conseguia ler o que estava escrito!
Ficou toda orgulhosa!
10
E continuou a pensar na história:
“Mais para frente, Chapeuzinho de Palha encontrou uma rendeira.
Ela era uma fada disfarçada. A rendeira-fada puxou conversa.
— Bom dia, bela princesa! Quer que eu faça um vestido de
renda bem bonito para você?
— Agradecida, mas não sou princesa. — respondeu Chapeuzinho.”
11
“— Pois está enganada. — disse a fada — Você é a Princesa Belinha, que
desapareceu quando ainda era nenê. E sua mãe era a rainha de verdade,
que também sumiu.”
Nessa hora, Belinha ia passando por outra placa:
SORVETES DE FRUTAS NATURAIS.
Leu tudinho, do começo ao fim. E resolveu que sua
história ia ter sorvete.
12
“A fada explicou como as duas tinham sumido:
— A Bruxa Dona Chica não se contentava em ser bruxa. Queria ser rainha.
Então, um dia, mandou um cangaceiro levar você e a sua mãe para o meio do
seridó. Vocês se perderam por lá e a bruxa ficou sendo a rainha... Só muito
tempo depois, vocês conseguiram voltar.
— Oxente, como é que mãinha nunca me contou isso? — perguntou
Chapeuzinho de Palha.”
13
“— É que a bruxa deu um sorvete de graviola enfeitiçado
para sua mãe. — contou a fada — Depois que ela chupou
o sorvete, esqueceu que era rainha.”
— E tem jeito de tirar esse feitiço de esquecimento? —
quis saber Chapeuzinho.”
Neste ponto, Belinha parou para ler mais uma placa.
Essa tinha muitas palavras:
SÓ HOJE! LEVE DUAS CAIXAS DE CAJU E
PAGUE UMA!
Leu tudo e continuou a história.
14
“A fada disse que sabia um jeito
de tirar o feitiço. Mas era
difícil demais.
Num lugar muito longe,
chamado Cafundó-do-Judas,
tinha um cajueiro que dava só
um caju por ano. Quem
comesse esse caju, lembraria
de tudo o que tinha esquecido.
— Por acaso, o dia em que o
caju fica maduro é hoje! SÓ
HOJE! — alertou a fada —
Amanhã não adianta mais.”
“Chapeuzinho se lembrou da
galinha-gênio e chamou por ela.
A galinha veio voando.
15
Quando soube que tinha que ir até o Cafundó-
do-Judas pegar um caju, a galinha falou:
— Preciso de uma renda comprida!
A rendeira-fada foi correndo fazer.
Logo estava pronta.”
16
“A galinha achou a renda linda.
— Para que precisa da renda? — perguntou Chapeuzinho de Palha.
— Pra nada. — disse a galinha, enrolando a renda no pescoço — Sempre quis
ter um cachecol de renda.
— Então vá logo! — apressou a menina.
A galinha foi e num instante trouxe no bico o caju do Cafundó-do-Judas.
Então, Chapeuzinho de Palha pediu para a rendeira fazer dois vestidos bem
bonitos. Um para ela e outro para sua mãe. E voltou para casa.”
17
“Assim que sua mãe mordeu o caju, lembrou que era rainha.
As duas colocaram seus vestidos novos e foram com a rendeira-fada e a
galinha-gênio até o castelo.
Quando chegaram, encontraram o chefe dos guardas do
castelo, que era um gato de alpercatas.
— É proibida a entrada! — ele disse.
Mas ao saber que a mãe de Chapeuzinho de Palha era a
rainha verdadeira, o gato mudou de idéia.”
18
“Ele contou que já tinha sido um rapaz, mas foi transformado em gato pela
bruxa Dona Chica.
— Estou às suas ordens, minha rainha. — disse — Mande e obedecerei!
— Quero que tire essa bruxa do meu trono. Quero que essa malvada seja
levada para o Reino do Xiquexique, onde tudo é espinhento!
O gato entrou na sala do trono, onde estava a bruxa Dona Chica,
e deu um berro: — Renda-se!”
19
“Dona Chica-ca admirou-se-se do berro, do berro que o gato deu...
E logo foi levada para o Reino do Xiquexique, onde tinha que tirar todo dia
os espinhos do colchão, porque eles sempre cresciam de novo...
Depois, a galinha-gênio e a rendeira-fada combinaram desencantar o gato.
Disseram ao mesmo tempo:
— Ele vai ser um lindo rapaz louro!
— Vai ser um lindo rapaz moreno!”
20
“A galinha queria louro e a fada, moreno.
— Muito obrigado, mas nem um, nem outro. — disse o gato — Prefiro ser
como eu era antes: bem negrinho.
Ele foi desencantado do jeito que queria, e era um rapaz muito educado,
bonito e sabido. Em pouco tempo, Chapeuzinho ficou apaixonada.”
21
Enquanto imaginava o casamento de Chapeuzinho de Palha,
Belinha se deu conta que já tinha chegado ao lugar onde
tinha que entregar os doces.
Encontrou a filha da Dona Chica de verdade, que era
uma moça muito boazinha. Ela pegou o cesto,
pagou e disse:
— Espera aí, Belinha,
que eu vou te dar
uma coisa.
22
Foi lá dentro e voltou com um livro cheio de
desenhos coloridos, dizendo:
— Toma. Ele era meu.
Belinha ficou sem fala. O livro era tão bonito!
Olhou as primeiras páginas e disse:
— Está quase novo! Era seu mesmo?
— Era sim! — respondeu a moça — Ganhei quando aprendi a ler.
E sempre cuidei muito bem dele...
23
E continuou:
— Eu sabia que quando ficasse moça, ia querer dar esse livro para outra
criança. E que ela ia gostar dele tanto quanto eu! É a história de uma
princesa. Uma princesa como você!
Princesa? Belinha não entendeu nada. Aí a moça apontou para a placa onde
estava escrito o nome daquela rua.
24
Belinha leu:
— RUA PRINCESA ISABEL.
Princesa Isabel! Isabel era ela, Belinha!
Agradeceu, toda feliz! Abraçou o livro
com força e foi para casa andando com
cuidado, como se tivesse que equilibrar
uma coroa na cabeça.
FIM
Beiju de polvilho ou goma
• 1 quilo de goma (ou polvilho) de mandioca
• sal
• coco ou manteiga
1 - Umedeça o polvilho e tempere com sal (a
massa está no ponto quando você faz um
bolinho na mão e ela fica firme, sem
desmanchar ou pingar água). A massa fica
soltinha, mas úmida.
2 - Com uma colher (de qualquer tamanho)
coloque porções em uma assadeira. As porções
devem ser espalhadas em círculos ou
simplesmente calcadas com a própria colher,
formando uma covinha (barquinha) onde é
colocado o coco ralado, ou passa-se manteiga.
3 - A massa precisa ser colocada em camadas
finas, para que o beiju fique crocante como
uma bolacha ao esfriar. E também para que
asse por igual, sem queimar. O coco deve ser
colocado antes que asse, e a manteiga, assim
que sair do fogo.
OBSERVAÇÃO: Esse beiju fica melhor
quando feito no forno à lenha, mas também
pode ser feito em fornos convencionais ou
em frigideiras antiaderentes ou chapas de
ferro (neste caso, a chapa deve estar quente,
para não grudar).
Beiju de massa de mandioca
(ou farinha de mandioca crua)
• 1 quilo de massa de mandioca (nos sítios,
usa-se a farinha de mandioca ainda crua e o
forno - que é feito, geralmente, de alvenaria
ou pedra - onde a farinha é torrada)
• sal
• coco ou manteiga
1 - Lave a massa e esprema para retirar o
excesso de água (o ponto é o mesmo da goma).
2 - Peneire e tempere com sal.
3 - Em frigideira antiaderente ou chapa de
ferro, coloque uma porção da massa e espalhe
igualmente. Coloque o coco e vire, para que
cozinhe do outro lado. Há quem coloque em
cima do coco outra camada de massa fina,
conforme o gosto. A manteiga é acrescentada
ao sair do fogo, nos beijus que não levaram
coco.
OBSERVAÇÃO: Esse é o beiju que vários
índios do Brasil costumam fazer. Ele é mais
fácil e tradicional, e pode também ser feito
com a colher, como o anterior.
Chapeuzinho de palha e o primeiro livro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A abelha que_queria_ser_rainha
A abelha que_queria_ser_rainhaA abelha que_queria_ser_rainha
A abelha que_queria_ser_rainha
Jairtes Lima
 
Poemas dia do pai
Poemas dia do paiPoemas dia do pai
Poemas dia do pai
Ana Paula Santos
 
Ciclo do livro- livro em pdf
Ciclo do livro- livro em pdfCiclo do livro- livro em pdf
Ciclo do livro- livro em pdf
Isa Crowe
 
Meninos de todas as cores
Meninos de todas as coresMeninos de todas as cores
Meninos de todas as cores
isabellesa
 
O carnaval-na-floresta
O carnaval-na-florestaO carnaval-na-floresta
O carnaval-na-floresta
Guiomar Silva
 
Conto torrado nuvem.caracol_Clara
Conto torrado nuvem.caracol_ClaraConto torrado nuvem.caracol_Clara
Conto torrado nuvem.caracol_Clara
Clara Sousa
 
O sapo encontra um amigo
O sapo encontra um amigoO sapo encontra um amigo
O sapo encontra um amigo
Acilu
 
A bruxa castanha de antónio mota
A bruxa castanha de antónio motaA bruxa castanha de antónio mota
A bruxa castanha de antónio mota
Ministério da Educação
 
O Palhaco Tristoleto[1]
O Palhaco Tristoleto[1]O Palhaco Tristoleto[1]
O Palhaco Tristoleto[1]
Adelaide Oliveira
 
Livroacentopeiaeseussapatinhos
LivroacentopeiaeseussapatinhosLivroacentopeiaeseussapatinhos
Livroacentopeiaeseussapatinhos
Naysa Taboada
 
Galinha choca
Galinha chocaGalinha choca
Galinha choca
fabianafachini
 
História "Gosto muito de ...alimentos diferentes"
História "Gosto muito de ...alimentos diferentes"História "Gosto muito de ...alimentos diferentes"
História "Gosto muito de ...alimentos diferentes"
Sónia Rodrigues
 
Minha família é colorida
Minha família é colorida  Minha família é colorida
Minha família é colorida
Adriana Pereira
 
Se as coisas fossem mães
Se as coisas fossem mãesSe as coisas fossem mães
Se as coisas fossem mães
Marcia Panzarin
 
Feliznatallobomau 150119061730
Feliznatallobomau 150119061730Feliznatallobomau 150119061730
Feliznatallobomau 150119061730
beebgondomar Judite
 
Livro a botija de ouro
Livro  a botija de ouroLivro  a botija de ouro
Livro a botija de ouro
mariaelidias
 
A Minha Mãe.ppt
A Minha Mãe.pptA Minha Mãe.ppt
A Minha Mãe.ppt
Margarida Gomes
 
A chuvarada
A chuvaradaA chuvarada
A chuvarada
Bruno Célio
 
A_sorveteria_PNLD2020_PR.pdf
A_sorveteria_PNLD2020_PR.pdfA_sorveteria_PNLD2020_PR.pdf
A_sorveteria_PNLD2020_PR.pdf
Raquel da Silva
 

Mais procurados (20)

A abelha que_queria_ser_rainha
A abelha que_queria_ser_rainhaA abelha que_queria_ser_rainha
A abelha que_queria_ser_rainha
 
Poemas dia do pai
Poemas dia do paiPoemas dia do pai
Poemas dia do pai
 
Ciclo do livro- livro em pdf
Ciclo do livro- livro em pdfCiclo do livro- livro em pdf
Ciclo do livro- livro em pdf
 
Meninos de todas as cores
Meninos de todas as coresMeninos de todas as cores
Meninos de todas as cores
 
O carnaval-na-floresta
O carnaval-na-florestaO carnaval-na-floresta
O carnaval-na-floresta
 
Conto torrado nuvem.caracol_Clara
Conto torrado nuvem.caracol_ClaraConto torrado nuvem.caracol_Clara
Conto torrado nuvem.caracol_Clara
 
O sapo encontra um amigo
O sapo encontra um amigoO sapo encontra um amigo
O sapo encontra um amigo
 
A bruxa castanha de antónio mota
A bruxa castanha de antónio motaA bruxa castanha de antónio mota
A bruxa castanha de antónio mota
 
O Palhaco Tristoleto[1]
O Palhaco Tristoleto[1]O Palhaco Tristoleto[1]
O Palhaco Tristoleto[1]
 
Quando a mãe grita...
Quando a mãe grita...Quando a mãe grita...
Quando a mãe grita...
 
Livroacentopeiaeseussapatinhos
LivroacentopeiaeseussapatinhosLivroacentopeiaeseussapatinhos
Livroacentopeiaeseussapatinhos
 
Galinha choca
Galinha chocaGalinha choca
Galinha choca
 
História "Gosto muito de ...alimentos diferentes"
História "Gosto muito de ...alimentos diferentes"História "Gosto muito de ...alimentos diferentes"
História "Gosto muito de ...alimentos diferentes"
 
Minha família é colorida
Minha família é colorida  Minha família é colorida
Minha família é colorida
 
Se as coisas fossem mães
Se as coisas fossem mãesSe as coisas fossem mães
Se as coisas fossem mães
 
Feliznatallobomau 150119061730
Feliznatallobomau 150119061730Feliznatallobomau 150119061730
Feliznatallobomau 150119061730
 
Livro a botija de ouro
Livro  a botija de ouroLivro  a botija de ouro
Livro a botija de ouro
 
A Minha Mãe.ppt
A Minha Mãe.pptA Minha Mãe.ppt
A Minha Mãe.ppt
 
A chuvarada
A chuvaradaA chuvarada
A chuvarada
 
A_sorveteria_PNLD2020_PR.pdf
A_sorveteria_PNLD2020_PR.pdfA_sorveteria_PNLD2020_PR.pdf
A_sorveteria_PNLD2020_PR.pdf
 

Semelhante a Chapeuzinho de palha e o primeiro livro

Chapeuz palha primeiro_livro
Chapeuz palha primeiro_livroChapeuz palha primeiro_livro
Chapeuz palha primeiro_livro
Sheila Santos
 
Chapeuzinho de palha e o primeiro livro_ Livro ampliado para baixa visão
Chapeuzinho de palha e o primeiro livro_ Livro ampliado para baixa visãoChapeuzinho de palha e o primeiro livro_ Livro ampliado para baixa visão
Chapeuzinho de palha e o primeiro livro_ Livro ampliado para baixa visão
Isa ...
 
Menina Bonita do Laço de Fita
Menina Bonita do Laço de FitaMenina Bonita do Laço de Fita
Menina Bonita do Laço de Fita
Nute JPA
 
MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA
MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA
MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA
Marisa Seara
 
Menina Bonita Do LaçO De Fita
Menina Bonita Do LaçO De FitaMenina Bonita Do LaçO De Fita
Menina Bonita Do LaçO De Fita
Paderes
 
Menina Bonita do Laço de Fita
Menina Bonita do Laço de Fita  Menina Bonita do Laço de Fita
Menina Bonita do Laço de Fita
Luciana Carvalho
 
Menina bonita-do-lao-de-fita-1229378903108722-2
Menina bonita-do-lao-de-fita-1229378903108722-2Menina bonita-do-lao-de-fita-1229378903108722-2
Menina bonita-do-lao-de-fita-1229378903108722-2
pedagogiaaoaopedaletra.com Mendonca
 
As fadas
As fadasAs fadas
As fadas
AuroraMonteiro5
 
Minha webquest
Minha webquestMinha webquest
Minha webquest
VPS1
 
MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA.pdf
MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA.pdfMENINA BONITA DO LAÇO DE FITA.pdf
MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA.pdf
CelianeideCelly
 
Contos de Natal em Rede
Contos de Natal em RedeContos de Natal em Rede
Contos de Natal em Rede
Graça Madeira da Silva
 
Menina Bonita[1]
Menina  Bonita[1]Menina  Bonita[1]
Menina Bonita[1]
Paderes
 
Menina bonita do laço de fita Escola Municipal Professora Auxiliadora Paiva
Menina bonita do laço de fita  Escola Municipal Professora Auxiliadora PaivaMenina bonita do laço de fita  Escola Municipal Professora Auxiliadora Paiva
Menina bonita do laço de fita Escola Municipal Professora Auxiliadora Paiva
Auxiliadora Paiva
 
Marta lucia da silva gomes..
Marta lucia da silva gomes..Marta lucia da silva gomes..
Marta lucia da silva gomes..
Martinha75Gomes
 
Mensagem dili 2016
Mensagem dili 2016Mensagem dili 2016
Mensagem dili 2016
Risoleta Montez
 
A panqueca doce
A panqueca doceA panqueca doce
A panqueca doce
AuroraMonteiro5
 
BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES
BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕESBRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES
BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES
FranciscoBernardo33
 
Menina Bonita Do LaçO De Fita
Menina  Bonita Do LaçO De FitaMenina  Bonita Do LaçO De Fita
Menina Bonita Do LaçO De Fita
Luciana Carvalho
 
Vila criança
Vila criançaVila criança
Vila criança
Leandro Ferreira
 
Seleção de contos
Seleção de contosSeleção de contos
Seleção de contos
Bianca Pagotto
 

Semelhante a Chapeuzinho de palha e o primeiro livro (20)

Chapeuz palha primeiro_livro
Chapeuz palha primeiro_livroChapeuz palha primeiro_livro
Chapeuz palha primeiro_livro
 
Chapeuzinho de palha e o primeiro livro_ Livro ampliado para baixa visão
Chapeuzinho de palha e o primeiro livro_ Livro ampliado para baixa visãoChapeuzinho de palha e o primeiro livro_ Livro ampliado para baixa visão
Chapeuzinho de palha e o primeiro livro_ Livro ampliado para baixa visão
 
Menina Bonita do Laço de Fita
Menina Bonita do Laço de FitaMenina Bonita do Laço de Fita
Menina Bonita do Laço de Fita
 
MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA
MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA
MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA
 
Menina Bonita Do LaçO De Fita
Menina Bonita Do LaçO De FitaMenina Bonita Do LaçO De Fita
Menina Bonita Do LaçO De Fita
 
Menina Bonita do Laço de Fita
Menina Bonita do Laço de Fita  Menina Bonita do Laço de Fita
Menina Bonita do Laço de Fita
 
Menina bonita-do-lao-de-fita-1229378903108722-2
Menina bonita-do-lao-de-fita-1229378903108722-2Menina bonita-do-lao-de-fita-1229378903108722-2
Menina bonita-do-lao-de-fita-1229378903108722-2
 
As fadas
As fadasAs fadas
As fadas
 
Minha webquest
Minha webquestMinha webquest
Minha webquest
 
MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA.pdf
MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA.pdfMENINA BONITA DO LAÇO DE FITA.pdf
MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA.pdf
 
Contos de Natal em Rede
Contos de Natal em RedeContos de Natal em Rede
Contos de Natal em Rede
 
Menina Bonita[1]
Menina  Bonita[1]Menina  Bonita[1]
Menina Bonita[1]
 
Menina bonita do laço de fita Escola Municipal Professora Auxiliadora Paiva
Menina bonita do laço de fita  Escola Municipal Professora Auxiliadora PaivaMenina bonita do laço de fita  Escola Municipal Professora Auxiliadora Paiva
Menina bonita do laço de fita Escola Municipal Professora Auxiliadora Paiva
 
Marta lucia da silva gomes..
Marta lucia da silva gomes..Marta lucia da silva gomes..
Marta lucia da silva gomes..
 
Mensagem dili 2016
Mensagem dili 2016Mensagem dili 2016
Mensagem dili 2016
 
A panqueca doce
A panqueca doceA panqueca doce
A panqueca doce
 
BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES
BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕESBRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES
BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES
 
Menina Bonita Do LaçO De Fita
Menina  Bonita Do LaçO De FitaMenina  Bonita Do LaçO De Fita
Menina Bonita Do LaçO De Fita
 
Vila criança
Vila criançaVila criança
Vila criança
 
Seleção de contos
Seleção de contosSeleção de contos
Seleção de contos
 

Mais de Marisa Seara

O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADEO RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
Marisa Seara
 
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTAA MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
Marisa Seara
 
SACI PERERÊ
SACI PERERÊSACI PERERÊ
SACI PERERÊ
Marisa Seara
 
CADE MEU DOCE
CADE MEU DOCECADE MEU DOCE
CADE MEU DOCE
Marisa Seara
 
O casamento do bode com a raposa
O casamento do bode com a raposaO casamento do bode com a raposa
O casamento do bode com a raposa
Marisa Seara
 
MICO MANECO
MICO MANECOMICO MANECO
MICO MANECO
Marisa Seara
 
CONTO OU NÃO CONTO?
CONTO OU NÃO CONTO?CONTO OU NÃO CONTO?
CONTO OU NÃO CONTO?
Marisa Seara
 
VITOR VIRTUAL
VITOR VIRTUALVITOR VIRTUAL
VITOR VIRTUAL
Marisa Seara
 
TREM DE FERRO
TREM DE FERROTREM DE FERRO
TREM DE FERRO
Marisa Seara
 
NO CIRCO
NO CIRCONO CIRCO
NO CIRCO
Marisa Seara
 
Um caminhão nas estrelas
Um caminhão nas estrelasUm caminhão nas estrelas
Um caminhão nas estrelas
Marisa Seara
 
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICOTurma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
Marisa Seara
 
Turma da Mônica cuidando do mundo
Turma da Mônica cuidando do mundoTurma da Mônica cuidando do mundo
Turma da Mônica cuidando do mundo
Marisa Seara
 
Tristeza
TristezaTristeza
Tristeza
Marisa Seara
 
QUANDO ME SINTO ZANGADO
QUANDO ME SINTO ZANGADOQUANDO ME SINTO ZANGADO
QUANDO ME SINTO ZANGADO
Marisa Seara
 
QUANDO ME SINTO TRISTE
QUANDO ME SINTO TRISTEQUANDO ME SINTO TRISTE
QUANDO ME SINTO TRISTE
Marisa Seara
 
QUANDO ME SINTO ASSUSTADO
QUANDO ME SINTO ASSUSTADOQUANDO ME SINTO ASSUSTADO
QUANDO ME SINTO ASSUSTADO
Marisa Seara
 
QUANDO ME SINTO FELIZ
QUANDO ME SINTO FELIZQUANDO ME SINTO FELIZ
QUANDO ME SINTO FELIZ
Marisa Seara
 
O REI DOS CANUDINHOS
O REI DOS CANUDINHOSO REI DOS CANUDINHOS
O REI DOS CANUDINHOS
Marisa Seara
 
O QUE HÁ DE BOM
O QUE HÁ DE BOMO QUE HÁ DE BOM
O QUE HÁ DE BOM
Marisa Seara
 

Mais de Marisa Seara (20)

O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADEO RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
 
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTAA MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
 
SACI PERERÊ
SACI PERERÊSACI PERERÊ
SACI PERERÊ
 
CADE MEU DOCE
CADE MEU DOCECADE MEU DOCE
CADE MEU DOCE
 
O casamento do bode com a raposa
O casamento do bode com a raposaO casamento do bode com a raposa
O casamento do bode com a raposa
 
MICO MANECO
MICO MANECOMICO MANECO
MICO MANECO
 
CONTO OU NÃO CONTO?
CONTO OU NÃO CONTO?CONTO OU NÃO CONTO?
CONTO OU NÃO CONTO?
 
VITOR VIRTUAL
VITOR VIRTUALVITOR VIRTUAL
VITOR VIRTUAL
 
TREM DE FERRO
TREM DE FERROTREM DE FERRO
TREM DE FERRO
 
NO CIRCO
NO CIRCONO CIRCO
NO CIRCO
 
Um caminhão nas estrelas
Um caminhão nas estrelasUm caminhão nas estrelas
Um caminhão nas estrelas
 
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICOTurma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
 
Turma da Mônica cuidando do mundo
Turma da Mônica cuidando do mundoTurma da Mônica cuidando do mundo
Turma da Mônica cuidando do mundo
 
Tristeza
TristezaTristeza
Tristeza
 
QUANDO ME SINTO ZANGADO
QUANDO ME SINTO ZANGADOQUANDO ME SINTO ZANGADO
QUANDO ME SINTO ZANGADO
 
QUANDO ME SINTO TRISTE
QUANDO ME SINTO TRISTEQUANDO ME SINTO TRISTE
QUANDO ME SINTO TRISTE
 
QUANDO ME SINTO ASSUSTADO
QUANDO ME SINTO ASSUSTADOQUANDO ME SINTO ASSUSTADO
QUANDO ME SINTO ASSUSTADO
 
QUANDO ME SINTO FELIZ
QUANDO ME SINTO FELIZQUANDO ME SINTO FELIZ
QUANDO ME SINTO FELIZ
 
O REI DOS CANUDINHOS
O REI DOS CANUDINHOSO REI DOS CANUDINHOS
O REI DOS CANUDINHOS
 
O QUE HÁ DE BOM
O QUE HÁ DE BOMO QUE HÁ DE BOM
O QUE HÁ DE BOM
 

Último

PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 

Chapeuzinho de palha e o primeiro livro

  • 3. Esta história tem como ambiente algum lugar do Nordeste do Brasil, na região chamada de sertão, onde o clima é quente e as chuvas são escassas. No entanto, nem tudo é sertão no Nordeste. Lá existem também regiões onde chove bastante e, por isso, tudo o que se planta, nasce. O Rio São Francisco é tão importante para a região, que chega a ser tratado como se fosse um amigo da família... ele ganhou até o apelido de “Velho Chico”! Suas águas são usadas para irrigar lavouras, para gerar energia elétrica e para muitas outras atividades. Agradecemos imensamente a Secretaria de Educação e Cultura de Pernambuco, e aos professores que participaram do Momento de Cultura no ano de 2004, os quais fizeram preciosas contribuições para esta edição do livro.
  • 5. Todos os livros da Fundação Educar são distribuídos gratuitamente a escolas públicas, organizações socias e bibliotecas. Esta obra foi impressa em Papel Couché Image Mate 210 g/m² (capa) e Papel Couché Image Mate 145g/m² (miolo),fabricados pela Ripasa S/A Celulose e Papel em harmonia com o meio ambiente, na Gráfica e Editora Modelo Ltda., no ano de 2005, com tiragem de 23.000 exemplares para esta segunda edição. Autor Sandra Aymone Coordenação editorial Maria Fernanda Moscheta Sílnia N. Martins Prado Ilustração Pierre Trabbold Revisão de texto Marcos Marcionilo Diagramação Linea Creativa Realização Fundação EDUCAR DPaschoal www.educardpaschoal.org.br F: (19) 3728-8129
  • 6. 3 Belinha estava sentada num tamborete da cozinha, em frente à prateleira de mantimentos. Ela tinha acabado de aprender a ler na escola e, para se distrair, lia o que estava escrito nas embalagens de todos os produtos.
  • 7. Sua mãe arrumava vários doces numa cesta. Quando acabou, disse: — Isabel, vá entregar essa encomenda na venda da Dona Chica. Isabel era ela. Belinha era só apelido. A mãe de Belinha fazia doces para vender e às vezes pedia para a menina ir levar. Belinha pegou a cesta, mais um chapéu de palha, que o sol estava forte. Saiu pensando: — Em vez de ficar lendo nome de sabão, ia ser muito melhor se eu tivesse um livro só meu para ler. 4
  • 8. 5 Ah, como ia ser bom ter um livro só dela! Eles iam ser tão amigos! O livro ia contar história para ela, e ela ia cuidar muito bem dele. Não ia deixar sujar, rasgar nem amassar nem um tiquinho. Sempre que acabasse de ler, ia guardar na gaveta, para não perder.
  • 9. 6 Mas em troca, esse livro tinha que contar uma história bem bonita, com princesa, fada, bruxa, igual aos que tinha na escola. Belinha saiu andando e pensando como seria a história do primeiro livro que ia ter. Bem que podia ser a história de uma menina chamada Chapeuzinho de Palha! Ela também ia levar uma cesta de doces, só que para o castelo da Rainha Dona Chica...
  • 10. 7 A cesta tinha beijus de tapioca, quindins e bolos de macaxeira, seus doces preferidos. “A Rainha Dona Chica, na verdade, era uma bruxa...” Belinha ia tão distraída inventando a história, que quase tropeçou numa galinha. A galinha deu um pulo e saiu cacarejando. Belinha jogou para ela uns farelos de bolo. E continuou a pensar.
  • 11. 8 “De repente Chapeuzinho de Palha encontrou uma galinha. Ela estava com cara de fome. Chapeuzinho deu bolo para ela. A galinha comeu bem devagar. Depois disse: — Sabia que eu sou um gênio que gosta de fazer de conta que é galinha? Você foi boa comigo. Se precisar de qualquer coisa, é só chamar. E - puf! - desapareceu no meio de uma fumaça.”
  • 12. 9 Neste ponto, Belinha estava passando por uma casa amarela. Tinha uma placa que dizia: FAÇO RENDA DE BILRO. Ela parou e leu. Então Belinha se deu conta de que já tinha visto aquela placa umas mil vezes. Mas era a primeira vez que conseguia ler o que estava escrito! Ficou toda orgulhosa!
  • 13. 10 E continuou a pensar na história: “Mais para frente, Chapeuzinho de Palha encontrou uma rendeira. Ela era uma fada disfarçada. A rendeira-fada puxou conversa. — Bom dia, bela princesa! Quer que eu faça um vestido de renda bem bonito para você? — Agradecida, mas não sou princesa. — respondeu Chapeuzinho.”
  • 14. 11 “— Pois está enganada. — disse a fada — Você é a Princesa Belinha, que desapareceu quando ainda era nenê. E sua mãe era a rainha de verdade, que também sumiu.” Nessa hora, Belinha ia passando por outra placa: SORVETES DE FRUTAS NATURAIS. Leu tudinho, do começo ao fim. E resolveu que sua história ia ter sorvete.
  • 15. 12 “A fada explicou como as duas tinham sumido: — A Bruxa Dona Chica não se contentava em ser bruxa. Queria ser rainha. Então, um dia, mandou um cangaceiro levar você e a sua mãe para o meio do seridó. Vocês se perderam por lá e a bruxa ficou sendo a rainha... Só muito tempo depois, vocês conseguiram voltar. — Oxente, como é que mãinha nunca me contou isso? — perguntou Chapeuzinho de Palha.”
  • 16. 13 “— É que a bruxa deu um sorvete de graviola enfeitiçado para sua mãe. — contou a fada — Depois que ela chupou o sorvete, esqueceu que era rainha.” — E tem jeito de tirar esse feitiço de esquecimento? — quis saber Chapeuzinho.” Neste ponto, Belinha parou para ler mais uma placa. Essa tinha muitas palavras: SÓ HOJE! LEVE DUAS CAIXAS DE CAJU E PAGUE UMA! Leu tudo e continuou a história.
  • 17. 14 “A fada disse que sabia um jeito de tirar o feitiço. Mas era difícil demais. Num lugar muito longe, chamado Cafundó-do-Judas, tinha um cajueiro que dava só um caju por ano. Quem comesse esse caju, lembraria de tudo o que tinha esquecido. — Por acaso, o dia em que o caju fica maduro é hoje! SÓ HOJE! — alertou a fada — Amanhã não adianta mais.” “Chapeuzinho se lembrou da galinha-gênio e chamou por ela. A galinha veio voando.
  • 18. 15 Quando soube que tinha que ir até o Cafundó- do-Judas pegar um caju, a galinha falou: — Preciso de uma renda comprida! A rendeira-fada foi correndo fazer. Logo estava pronta.”
  • 19. 16 “A galinha achou a renda linda. — Para que precisa da renda? — perguntou Chapeuzinho de Palha. — Pra nada. — disse a galinha, enrolando a renda no pescoço — Sempre quis ter um cachecol de renda. — Então vá logo! — apressou a menina. A galinha foi e num instante trouxe no bico o caju do Cafundó-do-Judas. Então, Chapeuzinho de Palha pediu para a rendeira fazer dois vestidos bem bonitos. Um para ela e outro para sua mãe. E voltou para casa.”
  • 20. 17 “Assim que sua mãe mordeu o caju, lembrou que era rainha. As duas colocaram seus vestidos novos e foram com a rendeira-fada e a galinha-gênio até o castelo. Quando chegaram, encontraram o chefe dos guardas do castelo, que era um gato de alpercatas. — É proibida a entrada! — ele disse. Mas ao saber que a mãe de Chapeuzinho de Palha era a rainha verdadeira, o gato mudou de idéia.”
  • 21. 18 “Ele contou que já tinha sido um rapaz, mas foi transformado em gato pela bruxa Dona Chica. — Estou às suas ordens, minha rainha. — disse — Mande e obedecerei! — Quero que tire essa bruxa do meu trono. Quero que essa malvada seja levada para o Reino do Xiquexique, onde tudo é espinhento! O gato entrou na sala do trono, onde estava a bruxa Dona Chica, e deu um berro: — Renda-se!”
  • 22. 19 “Dona Chica-ca admirou-se-se do berro, do berro que o gato deu... E logo foi levada para o Reino do Xiquexique, onde tinha que tirar todo dia os espinhos do colchão, porque eles sempre cresciam de novo... Depois, a galinha-gênio e a rendeira-fada combinaram desencantar o gato. Disseram ao mesmo tempo: — Ele vai ser um lindo rapaz louro! — Vai ser um lindo rapaz moreno!”
  • 23. 20 “A galinha queria louro e a fada, moreno. — Muito obrigado, mas nem um, nem outro. — disse o gato — Prefiro ser como eu era antes: bem negrinho. Ele foi desencantado do jeito que queria, e era um rapaz muito educado, bonito e sabido. Em pouco tempo, Chapeuzinho ficou apaixonada.”
  • 24. 21 Enquanto imaginava o casamento de Chapeuzinho de Palha, Belinha se deu conta que já tinha chegado ao lugar onde tinha que entregar os doces. Encontrou a filha da Dona Chica de verdade, que era uma moça muito boazinha. Ela pegou o cesto, pagou e disse: — Espera aí, Belinha, que eu vou te dar uma coisa.
  • 25. 22 Foi lá dentro e voltou com um livro cheio de desenhos coloridos, dizendo: — Toma. Ele era meu. Belinha ficou sem fala. O livro era tão bonito! Olhou as primeiras páginas e disse: — Está quase novo! Era seu mesmo? — Era sim! — respondeu a moça — Ganhei quando aprendi a ler. E sempre cuidei muito bem dele...
  • 26. 23 E continuou: — Eu sabia que quando ficasse moça, ia querer dar esse livro para outra criança. E que ela ia gostar dele tanto quanto eu! É a história de uma princesa. Uma princesa como você! Princesa? Belinha não entendeu nada. Aí a moça apontou para a placa onde estava escrito o nome daquela rua.
  • 27. 24 Belinha leu: — RUA PRINCESA ISABEL. Princesa Isabel! Isabel era ela, Belinha! Agradeceu, toda feliz! Abraçou o livro com força e foi para casa andando com cuidado, como se tivesse que equilibrar uma coroa na cabeça. FIM
  • 28. Beiju de polvilho ou goma • 1 quilo de goma (ou polvilho) de mandioca • sal • coco ou manteiga 1 - Umedeça o polvilho e tempere com sal (a massa está no ponto quando você faz um bolinho na mão e ela fica firme, sem desmanchar ou pingar água). A massa fica soltinha, mas úmida. 2 - Com uma colher (de qualquer tamanho) coloque porções em uma assadeira. As porções devem ser espalhadas em círculos ou simplesmente calcadas com a própria colher, formando uma covinha (barquinha) onde é colocado o coco ralado, ou passa-se manteiga. 3 - A massa precisa ser colocada em camadas finas, para que o beiju fique crocante como uma bolacha ao esfriar. E também para que asse por igual, sem queimar. O coco deve ser colocado antes que asse, e a manteiga, assim que sair do fogo. OBSERVAÇÃO: Esse beiju fica melhor quando feito no forno à lenha, mas também pode ser feito em fornos convencionais ou em frigideiras antiaderentes ou chapas de ferro (neste caso, a chapa deve estar quente, para não grudar). Beiju de massa de mandioca (ou farinha de mandioca crua) • 1 quilo de massa de mandioca (nos sítios, usa-se a farinha de mandioca ainda crua e o forno - que é feito, geralmente, de alvenaria ou pedra - onde a farinha é torrada) • sal • coco ou manteiga 1 - Lave a massa e esprema para retirar o excesso de água (o ponto é o mesmo da goma). 2 - Peneire e tempere com sal. 3 - Em frigideira antiaderente ou chapa de ferro, coloque uma porção da massa e espalhe igualmente. Coloque o coco e vire, para que cozinhe do outro lado. Há quem coloque em cima do coco outra camada de massa fina, conforme o gosto. A manteiga é acrescentada ao sair do fogo, nos beijus que não levaram coco. OBSERVAÇÃO: Esse é o beiju que vários índios do Brasil costumam fazer. Ele é mais fácil e tradicional, e pode também ser feito com a colher, como o anterior.