SlideShare uma empresa Scribd logo
Categorias da narrativa
Ação
Dá-se o nome de ação ao conjunto de
acontecimentos que constituem uma
narrativa e que são relatados.
Mas há que distinguir a importância de cada
um deles para a história.

2/35
Ação
1- Ação principal: constituída pelo ou pelos
acontecimentos principais.
2- Ação secundária: constituída pelo ou pelos
acontecimentos menos importantes que
valorizam a ação central.

3/35
Ação
3- Numa narrativa, as várias ações relacionamse entre si de diferentes maneiras:
a- por encadeamento: quando as ações sucedem por
ordem temporal e em que o final de uma ação se
encadeia com o início da seguinte;
Ação 1

Ação 2

Ação 3

Ação 4

Ação 5

Ação 6
4/35
Ação
3- Numa narrativa, as várias ações relacionam-se entre si de diferentes maneiras:
b- por alternância: quando as ações se desenrolam
separada e alternadamente, podendo fundir-se em
determinado ponto da história;

A1

A2

A3

A4

A5

A6

5/35
Ação
3- Numa narrativa, as várias ações relacionamse entre si de diferentes maneiras:
c- por encaixe, isto é, quando se introduz uma ação
A3
noutra.
A2
A1

6/35
Narrador
O narrador é uma entidade imaginária criada
pelo autor, que tem como função contar a
história. Não deve, por isso, ser confundido
com o autor, que é o responsável pela
criação da história.

7/35
Narrador
1- Presença
Quanto à presença, o narrador pode ser não
participante ou participante.
a- Narrador não participante: conta uma história na
qual não participa.

8/35
Narrador
1- Presença
Quanto à presença, o narrador pode ser não
participante ou participante.
Características:
Pronomes pessoais da 3ª pessoa
ele(s)/ela(s), lhe(s)

9/35
Narrador
1- Presença
Quanto à presença, o narrador pode ser não
participante ou participante.
Características:
Determinantes/Pronomes pessoais e
demonstrativos da 3ª pessoa
dele(s), dela(s), seu(s), sua(s); esse(s), essa(s);
aquele(s), aquela(s)
10/35
Narrador
1- Presença
Quanto à presença, o narrador pode ser não
participante ou participante.
Características:
Formas verbais da 3ª pessoa
viu, encontrou, gostava;
viram, encontraram, gostavam
11/35
Narrador
1- Presença
Quanto à presença, o narrador pode ser não
participante ou participante.
b- Narrador participante: conta uma história em que
participa como personagem principal ou uma história
em que participa como personagem secundária ou
figurante.
12/35
Narrador
1- Presença
Quanto à presença, o narrador pode ser não
participante ou participante.
Características:
Pronomes pessoais da 1ª pessoa
eu, me, comigo; nós, nos, connosco

13/35
Narrador
1- Presença
Quanto à presença, o narrador pode ser não
participante ou participante.
Características:
Determinantes/Pronomes pessoais e
demonstrativos da 1ª pessoa
meu(s), minha(s); nosso(s), nossa(s); este(s), esta(s)
14/35
Narrador
1- Presença
Quanto à presença, o narrador pode ser não
participante ou participante.
Características:
Formas verbais da 1ª pessoa
vi, encontrei, gostava;
vimos, encontrámos, gostávamos
15/35
Narrador
2- Posição
Quanto à posição relativamente ao que
conta, o narrador pode ser objetivo ou
subjetivo. objetivo: mantém uma posição
a- Narrador
imparcial em relação aos acontecimentos, narrando
os factos com objetividade.

16/35
Narrador
2- Posição
Quanto à posição relativamente ao que
conta, o narrador pode ser objetivo ou
subjetivo. subjetivo: narra os acontecimentos com
b- Narrador
parcialidade, emitindo a sua opinião, emitindo juízos
de valor, tornando a narração subjetiva.

17/35
Personagem
A personagem é uma categoria essencial da
narrativa. Regra geral, a ação desenvolve-se
à volta da personagem, daí a sua
importância. Podemos caracterizar a
personagem quanto ao relevo na ação e
quanto à sua composição.

18/35
Personagem
1- Relevo
a- Protagonista: personagem que desempenha o
papel de maior importância para o desenrolar da
ação.

19/35
Personagem
1- Relevo
b- Personagem secundária: personagem que
desempenha um papel com menos relevo, mas ainda
assim é essencial para o desenvolvimento da ação.

20/35
Personagem
1- Relevo
c- Figurante: personagem que
é, normalmente, irrelevante para o desenrolar da
ação, mas pode ser muito importante para ajudar a
ilustrar um ambiente.

21/35
Personagem
2- Composição
a- Personagem plana: uma personagem sem
complexidade e que não evolui para além da sua
caracterização inicial – mantém as mesmas
ideias, as mesmas ações, as mesmas palavras, as
mesmas qualidades e defeitos.

22/35
Personagem
2- Composição
b- Personagem redonda: uma personagem
complexa, apresentando uma personalidade forte. A
caracterização deste tipo de personagens está
sempre em aberto, pois os seus medos, os seus
objetivos, as suas obsessões vão sendo revelados
pouco a pouco.
23/35
Tempo
O tempo é uma das categorias da narrativa
com mais relevo. Estabelece a duração da
ação e marca a sucessão cronológica dos
acontecimentos. No entanto, é necessário
distinguir o tempo da história do tempo do
discurso.

24/35
Tempo
1- O tempo da história é a sucessão dos
acontecimentos por ordem cronológica, ou
seja, a ordem real dos acontecimentos.
A ordem real dos acontecimentos pode ser
representada desta forma:

25/35
Tempo
2- O tempo do discurso é a representação do
tempo da história na narrativa, ou seja, é a
ordem textual dos acontecimentos. O tempo
do discurso nem sempre respeita o tempo da
história, ou seja, os acontecimentos nem
sempre são relatados pela ordem de
sucessão.
26/35
Tempo
A ordem textual dos acontecimentos pode ser
representada desta forma:

27/35
Tempo
Quando ocorre esta alteração da ordem dos
acontecimentos, há uma organização do
tempo do discurso através de vários
recursos: analepse, prolepse, resumo e
elipse.

28/35
Tempo
a- Analepse
A analepse é um recuo no tempo para relatar
acontecimentos anteriores ao presente da
ação.

29/35
Tempo
b- Prolepse
A prolepse é um avanço no tempo para
antecipar acontecimentos futuros.

30/35
Tempo
c- Resumo
O resumo é um sumário da história que
provoca uma redução do tempo do discurso.
Este fica reduzido a um intervalo de tempo
menor do que aquele que demoraria a
ocorrer.

31/35
Tempo
d- Elipse
A elipse é uma supressão de intervalos
temporais relativamente alargados.

32/35
Espaço
O espaço de uma narrativa refere-se não só ao
lugar físico onde decorre a ação, mas
também ao ambiente social e cultural onde se
inserem as personagens.

33/35
Espaço
1- Espaço físico e geográfico: lugar ou
lugares onde decorre a ação. Pode definir-se
como um espaço
aberto/fechado, interior/exterior, público/priva
do.

34/35
Espaço
2- Espaço social e cultural: meio, situação
económica, cultural ou social das
personagens. Podem ser definidos grupos
sociais, conjuntos de valores e crenças
desses grupos, posição que ocupam na
sociedade, referência às tradições e
costumes culturais de um povo.
35/35

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Dina Baptista
 
Os maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analiseOs maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analise
keve semedo
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Tomaz
 
Frei Luís de Sousa - linguagem e estilo
Frei Luís de Sousa - linguagem e estiloFrei Luís de Sousa - linguagem e estilo
Frei Luís de Sousa - linguagem e estilo
António Fernandes
 
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docxteste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
IsabelVieira2093
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
Cristina Martins
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
Vanda Marques
 
Os Maias - análise
Os Maias - análise Os Maias - análise
Os Maias - análise
nanasimao
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
becastanheiradepera
 
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente   resumo por ato e cenaUm auto de gil vicente   resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Helena Coutinho
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
Helena Coutinho
 
Cristalizacoes
CristalizacoesCristalizacoes
Cristalizacoes
Manuela Silva
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto
 
Conto a galinha
Conto a galinhaConto a galinha
Conto a galinha
Paula Costa
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
Helena Coutinho
 
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
lurdesmartins
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
BiblioAlba
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Bárbara Minhoto
 
UFCD Clc7 - George .pptx
UFCD Clc7 - George .pptxUFCD Clc7 - George .pptx
UFCD Clc7 - George .pptx
Nome Sobrenome
 

Mais procurados (20)

Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Os maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analiseOs maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analise
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Frei Luís de Sousa - linguagem e estilo
Frei Luís de Sousa - linguagem e estiloFrei Luís de Sousa - linguagem e estilo
Frei Luís de Sousa - linguagem e estilo
 
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docxteste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Os Maias - análise
Os Maias - análise Os Maias - análise
Os Maias - análise
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente   resumo por ato e cenaUm auto de gil vicente   resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Cristalizacoes
CristalizacoesCristalizacoes
Cristalizacoes
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Conto a galinha
Conto a galinhaConto a galinha
Conto a galinha
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
UFCD Clc7 - George .pptx
UFCD Clc7 - George .pptxUFCD Clc7 - George .pptx
UFCD Clc7 - George .pptx
 

Semelhante a Categorias da narrativa

Categorias da narrativa
Categorias da narrativa Categorias da narrativa
Categorias da narrativa
Isabel Martins
 
Texto Narrativo Categorias
Texto Narrativo CategoriasTexto Narrativo Categorias
Texto Narrativo Categorias
Elsa Maximiano
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
Cristina Fontes
 
Categorias da narativa
Categorias da narativaCategorias da narativa
Categorias da narativa
Sandra Luz
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
Filipe Teixeira
 
Escola Virtual....8ºano
Escola Virtual....8ºanoEscola Virtual....8ºano
Escola Virtual....8ºano
José Trigo
 
Categorias da narrativa 7º Ano
Categorias da narrativa 7º AnoCategorias da narrativa 7º Ano
Categorias da narrativa 7º Ano
Heliadora
 
Categoriasdanarrativa
CategoriasdanarrativaCategoriasdanarrativa
Categoriasdanarrativa
Heliadora
 
106670377 categorias-da-narrativa
106670377 categorias-da-narrativa106670377 categorias-da-narrativa
106670377 categorias-da-narrativa
Manuela Marques
 
Narração
NarraçãoNarração
Narração
Joseline Pippi
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
sasaesss
 
Narrativa
NarrativaNarrativa
Narrativa
tiagofl
 
Categoriasdanarrativa 7ano
Categoriasdanarrativa 7anoCategoriasdanarrativa 7ano
Categoriasdanarrativa 7ano
Heliadora
 
Categorias da narrativa 9º ano
Categorias da narrativa   9º anoCategorias da narrativa   9º ano
Categorias da narrativa 9º ano
ElisabeteMarques
 
Categorias Da Narrativa
Categorias Da  NarrativaCategorias Da  Narrativa
Categorias Da Narrativa
zelas
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da Narrativa
Vanda Sousa
 
Que é uma narrativa
Que é uma narrativa Que é uma narrativa
Que é uma narrativa
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Redação
RedaçãoRedação
Redação
Elvis Vinícius
 
trabalho de tecnologia 5 g
trabalho de tecnologia 5 gtrabalho de tecnologia 5 g
trabalho de tecnologia 5 g
AnaCristina525962
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
mariaanliaf
 

Semelhante a Categorias da narrativa (20)

Categorias da narrativa
Categorias da narrativa Categorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Texto Narrativo Categorias
Texto Narrativo CategoriasTexto Narrativo Categorias
Texto Narrativo Categorias
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Categorias da narativa
Categorias da narativaCategorias da narativa
Categorias da narativa
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Escola Virtual....8ºano
Escola Virtual....8ºanoEscola Virtual....8ºano
Escola Virtual....8ºano
 
Categorias da narrativa 7º Ano
Categorias da narrativa 7º AnoCategorias da narrativa 7º Ano
Categorias da narrativa 7º Ano
 
Categoriasdanarrativa
CategoriasdanarrativaCategoriasdanarrativa
Categoriasdanarrativa
 
106670377 categorias-da-narrativa
106670377 categorias-da-narrativa106670377 categorias-da-narrativa
106670377 categorias-da-narrativa
 
Narração
NarraçãoNarração
Narração
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Narrativa
NarrativaNarrativa
Narrativa
 
Categoriasdanarrativa 7ano
Categoriasdanarrativa 7anoCategoriasdanarrativa 7ano
Categoriasdanarrativa 7ano
 
Categorias da narrativa 9º ano
Categorias da narrativa   9º anoCategorias da narrativa   9º ano
Categorias da narrativa 9º ano
 
Categorias Da Narrativa
Categorias Da  NarrativaCategorias Da  Narrativa
Categorias Da Narrativa
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da Narrativa
 
Que é uma narrativa
Que é uma narrativa Que é uma narrativa
Que é uma narrativa
 
Redação
RedaçãoRedação
Redação
 
trabalho de tecnologia 5 g
trabalho de tecnologia 5 gtrabalho de tecnologia 5 g
trabalho de tecnologia 5 g
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 

Mais de António Fernandes

Castanheiro da princesa
Castanheiro da princesaCastanheiro da princesa
Castanheiro da princesa
António Fernandes
 
O menino no parque
O menino no parqueO menino no parque
O menino no parque
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIIIOs Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIII
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XVII
Os Maias - Capítulo XVIIOs Maias - Capítulo XVII
Os Maias - Capítulo XVII
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XVOs Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XV
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIVOs Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIV
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIIIOs Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIII
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XII
Os Maias - Capítulo XIIOs Maias - Capítulo XII
Os Maias - Capítulo XII
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XIOs Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XI
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo XOs Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo X
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo IX
Os Maias - Capítulo IXOs Maias - Capítulo IX
Os Maias - Capítulo IX
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIIIOs Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIII
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo VII
Os Maias - Capítulo VIIOs Maias - Capítulo VII
Os Maias - Capítulo VII
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo VI
Os Maias - Capítulo VIOs Maias - Capítulo VI
Os Maias - Capítulo VI
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo VOs Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo V
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IVOs Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IV
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo IIIOs Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo III
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo II
Os Maias - Capítulo IIOs Maias - Capítulo II
Os Maias - Capítulo II
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo IOs Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo I
António Fernandes
 

Mais de António Fernandes (20)

Castanheiro da princesa
Castanheiro da princesaCastanheiro da princesa
Castanheiro da princesa
 
O menino no parque
O menino no parqueO menino no parque
O menino no parque
 
Os Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIIIOs Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIII
 
Os Maias - Capítulo XVII
Os Maias - Capítulo XVIIOs Maias - Capítulo XVII
Os Maias - Capítulo XVII
 
Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
 
Os Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XVOs Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XV
 
Os Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIVOs Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIV
 
Os Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIIIOs Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIII
 
Os Maias - Capítulo XII
Os Maias - Capítulo XIIOs Maias - Capítulo XII
Os Maias - Capítulo XII
 
Os Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XIOs Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XI
 
Os Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo XOs Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo X
 
Os Maias - Capítulo IX
Os Maias - Capítulo IXOs Maias - Capítulo IX
Os Maias - Capítulo IX
 
Os Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIIIOs Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIII
 
Os Maias - Capítulo VII
Os Maias - Capítulo VIIOs Maias - Capítulo VII
Os Maias - Capítulo VII
 
Os Maias - Capítulo VI
Os Maias - Capítulo VIOs Maias - Capítulo VI
Os Maias - Capítulo VI
 
Os Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo VOs Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo V
 
Os Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IVOs Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IV
 
Os Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo IIIOs Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo III
 
Os Maias - Capítulo II
Os Maias - Capítulo IIOs Maias - Capítulo II
Os Maias - Capítulo II
 
Os Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo IOs Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo I
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 

Categorias da narrativa

  • 2. Ação Dá-se o nome de ação ao conjunto de acontecimentos que constituem uma narrativa e que são relatados. Mas há que distinguir a importância de cada um deles para a história. 2/35
  • 3. Ação 1- Ação principal: constituída pelo ou pelos acontecimentos principais. 2- Ação secundária: constituída pelo ou pelos acontecimentos menos importantes que valorizam a ação central. 3/35
  • 4. Ação 3- Numa narrativa, as várias ações relacionamse entre si de diferentes maneiras: a- por encadeamento: quando as ações sucedem por ordem temporal e em que o final de uma ação se encadeia com o início da seguinte; Ação 1 Ação 2 Ação 3 Ação 4 Ação 5 Ação 6 4/35
  • 5. Ação 3- Numa narrativa, as várias ações relacionam-se entre si de diferentes maneiras: b- por alternância: quando as ações se desenrolam separada e alternadamente, podendo fundir-se em determinado ponto da história; A1 A2 A3 A4 A5 A6 5/35
  • 6. Ação 3- Numa narrativa, as várias ações relacionamse entre si de diferentes maneiras: c- por encaixe, isto é, quando se introduz uma ação A3 noutra. A2 A1 6/35
  • 7. Narrador O narrador é uma entidade imaginária criada pelo autor, que tem como função contar a história. Não deve, por isso, ser confundido com o autor, que é o responsável pela criação da história. 7/35
  • 8. Narrador 1- Presença Quanto à presença, o narrador pode ser não participante ou participante. a- Narrador não participante: conta uma história na qual não participa. 8/35
  • 9. Narrador 1- Presença Quanto à presença, o narrador pode ser não participante ou participante. Características: Pronomes pessoais da 3ª pessoa ele(s)/ela(s), lhe(s) 9/35
  • 10. Narrador 1- Presença Quanto à presença, o narrador pode ser não participante ou participante. Características: Determinantes/Pronomes pessoais e demonstrativos da 3ª pessoa dele(s), dela(s), seu(s), sua(s); esse(s), essa(s); aquele(s), aquela(s) 10/35
  • 11. Narrador 1- Presença Quanto à presença, o narrador pode ser não participante ou participante. Características: Formas verbais da 3ª pessoa viu, encontrou, gostava; viram, encontraram, gostavam 11/35
  • 12. Narrador 1- Presença Quanto à presença, o narrador pode ser não participante ou participante. b- Narrador participante: conta uma história em que participa como personagem principal ou uma história em que participa como personagem secundária ou figurante. 12/35
  • 13. Narrador 1- Presença Quanto à presença, o narrador pode ser não participante ou participante. Características: Pronomes pessoais da 1ª pessoa eu, me, comigo; nós, nos, connosco 13/35
  • 14. Narrador 1- Presença Quanto à presença, o narrador pode ser não participante ou participante. Características: Determinantes/Pronomes pessoais e demonstrativos da 1ª pessoa meu(s), minha(s); nosso(s), nossa(s); este(s), esta(s) 14/35
  • 15. Narrador 1- Presença Quanto à presença, o narrador pode ser não participante ou participante. Características: Formas verbais da 1ª pessoa vi, encontrei, gostava; vimos, encontrámos, gostávamos 15/35
  • 16. Narrador 2- Posição Quanto à posição relativamente ao que conta, o narrador pode ser objetivo ou subjetivo. objetivo: mantém uma posição a- Narrador imparcial em relação aos acontecimentos, narrando os factos com objetividade. 16/35
  • 17. Narrador 2- Posição Quanto à posição relativamente ao que conta, o narrador pode ser objetivo ou subjetivo. subjetivo: narra os acontecimentos com b- Narrador parcialidade, emitindo a sua opinião, emitindo juízos de valor, tornando a narração subjetiva. 17/35
  • 18. Personagem A personagem é uma categoria essencial da narrativa. Regra geral, a ação desenvolve-se à volta da personagem, daí a sua importância. Podemos caracterizar a personagem quanto ao relevo na ação e quanto à sua composição. 18/35
  • 19. Personagem 1- Relevo a- Protagonista: personagem que desempenha o papel de maior importância para o desenrolar da ação. 19/35
  • 20. Personagem 1- Relevo b- Personagem secundária: personagem que desempenha um papel com menos relevo, mas ainda assim é essencial para o desenvolvimento da ação. 20/35
  • 21. Personagem 1- Relevo c- Figurante: personagem que é, normalmente, irrelevante para o desenrolar da ação, mas pode ser muito importante para ajudar a ilustrar um ambiente. 21/35
  • 22. Personagem 2- Composição a- Personagem plana: uma personagem sem complexidade e que não evolui para além da sua caracterização inicial – mantém as mesmas ideias, as mesmas ações, as mesmas palavras, as mesmas qualidades e defeitos. 22/35
  • 23. Personagem 2- Composição b- Personagem redonda: uma personagem complexa, apresentando uma personalidade forte. A caracterização deste tipo de personagens está sempre em aberto, pois os seus medos, os seus objetivos, as suas obsessões vão sendo revelados pouco a pouco. 23/35
  • 24. Tempo O tempo é uma das categorias da narrativa com mais relevo. Estabelece a duração da ação e marca a sucessão cronológica dos acontecimentos. No entanto, é necessário distinguir o tempo da história do tempo do discurso. 24/35
  • 25. Tempo 1- O tempo da história é a sucessão dos acontecimentos por ordem cronológica, ou seja, a ordem real dos acontecimentos. A ordem real dos acontecimentos pode ser representada desta forma: 25/35
  • 26. Tempo 2- O tempo do discurso é a representação do tempo da história na narrativa, ou seja, é a ordem textual dos acontecimentos. O tempo do discurso nem sempre respeita o tempo da história, ou seja, os acontecimentos nem sempre são relatados pela ordem de sucessão. 26/35
  • 27. Tempo A ordem textual dos acontecimentos pode ser representada desta forma: 27/35
  • 28. Tempo Quando ocorre esta alteração da ordem dos acontecimentos, há uma organização do tempo do discurso através de vários recursos: analepse, prolepse, resumo e elipse. 28/35
  • 29. Tempo a- Analepse A analepse é um recuo no tempo para relatar acontecimentos anteriores ao presente da ação. 29/35
  • 30. Tempo b- Prolepse A prolepse é um avanço no tempo para antecipar acontecimentos futuros. 30/35
  • 31. Tempo c- Resumo O resumo é um sumário da história que provoca uma redução do tempo do discurso. Este fica reduzido a um intervalo de tempo menor do que aquele que demoraria a ocorrer. 31/35
  • 32. Tempo d- Elipse A elipse é uma supressão de intervalos temporais relativamente alargados. 32/35
  • 33. Espaço O espaço de uma narrativa refere-se não só ao lugar físico onde decorre a ação, mas também ao ambiente social e cultural onde se inserem as personagens. 33/35
  • 34. Espaço 1- Espaço físico e geográfico: lugar ou lugares onde decorre a ação. Pode definir-se como um espaço aberto/fechado, interior/exterior, público/priva do. 34/35
  • 35. Espaço 2- Espaço social e cultural: meio, situação económica, cultural ou social das personagens. Podem ser definidos grupos sociais, conjuntos de valores e crenças desses grupos, posição que ocupam na sociedade, referência às tradições e costumes culturais de um povo. 35/35