SlideShare uma empresa Scribd logo
CARTOGRAFIA
INTRODUÇÃO À
CARTOGRAFIA
1 – O que é cartografia?
É a arte de construir mapas a partir de
observações diretas ou do emprego de
dados.
2 – O que são mapas?
Conjunto de informações que colaboram
para localização no espaço geográfico.
HISTÓRIA DA
CARTOGRAFIA
● Pré – história
● Necessidade de localização no
espaço;
● Desenho dos caminhos em pedra;
● Roteiro nas paredes de cavernas.
MAPA NA
PRÉ-
HISTÓRIA
O MAPA NA
ANTIGUIDADE
● Colaboração dos mesopotâmios
- Mapas em disco de madeira
● Colaboração dos gregos:
- Reflexão filosófica
● Cosmografia
● Noção de esfericidade
● Sistema de latitude e longitude
● Mapa esférico e em papel
MAPA GREGO
MAPA NA
IDADE MÉDIA
● Retrocesso técnico;
● Anulação do conceito de
esfericidade;
● Coordenadas geográficas
desaparecem;
● Terra representada num
disco plano e circundado de
água;
● Mapas T-O
Mapa T-O
CARTOGRAFIA
NA
MODERNIDADE
● Grandes navegações
● Melhoria técnica
● Aperfeiçoamento náutico
● Novos territórios
● Criação dos portulanos
(Um portulano (do latim "portus", porto),
ou portolano, é uma antiga carta náutica
Europeia, datada do século XIII ou
posterior)
PORTULANO DA IDADE
MODERNA
A CARTOGRAFIA
HOJE
● Cartas temáticas
● Mapas digitais
● Sensoriamento remoto
● Aerofotogrametria
● Imagens fotograficas
MAPA HOJE
ORIENTAÇÃO
●ORIENTAR-SE: Significa determinarmos a nossa posição em
relação aos pontos:
●Cardeais;
●Colaterais; e
●Subcolaterais.
Qual a importância de uma
pessoa orientada no
espaço?
● Saber onde está e qual o rumo a seguir.
● Prestar informações a outras pessoas
sobre sua posição na superfície da
Terra.
FORMAS DE
ORIENTAÇÃO
ROSA DOS VENTOS;
BÚSSOLA;
ORIENTAÇÃO PELO
SOL
A ROSA-
DOS-
VENTOS
Meios de orientação
naturais:
● Hemisfério Norte – Estrela
Polar;
● Hemisfério Sul - Cruzeiro do
Sul.
Meios de
orientação
artificiais:
Bússola – indica o norte magnético da
Terra (1400 km ao sul do norte
geográfico);
Rádio e radares – são instrumentos usados
na navegação;
Global Positioning System (GPS): sistema
eletrônico que se apóia nos satélites
artificiais. Usa latitude e longitude
(graus, minutos e segundos). (° / ‘ / “)
Este assunto será tratado com mais
detalhe na próxima aula.
Meios de
orientação:
BÚSSOLA
Meios de
orientação:
GPS
Os movimentos da Terra
(translação –
consequências):
● As estações do ano (365d, 5h e
48seg.);
● Desigual distribuição de luz e calor;
● Sucessões dos solstícios e equinócios.
TRANSLAÇÃO:
Os movimentos
da Terra
(rotação –
consequências):
● Os dias e as noites (23h, 56’ e 4” – dia
sideral e 24h dia solar);
● Achatamento polar;
● Circulação atmosférica;
● Correntes marítimas;
● Nível do mar mais elevado no leste;
● Desvio dos corpos em queda livre para
o leste (o movimento é na direção W-L);
● Fusos horários.
Sentido do movimento da Terra
MOVIMENTOS DA TERRA
E ESTAÇÕES DO ANO
●Antigamente, achavam que nosso planeta
era o centro do Sistema Solar, com o Sol e
os planetas girando à sua volta. Engano!
Muita gente morreu tentando provar o
contrário: que é a Terra que gira ao redor do
Sol.
A Terra e o Sistema Solar
A Terra é o terceiro
Planeta em ordem de
afastamento do
Sol (centro do nosso
Sistema Solar) e o
quinto em tamanho.
FORMA DO PLANETA TERRA
A Terra é redonda, mas não é uma esfera
perfeita,
já que é levemente achatada nos pólos,
recebendo por isso, o nome de geóide.
MOVIMENTO DE ROTAÇÃO
A rotação é o movimento que a Terra executa em
torno de si mesma, ou seja, em torno
de um eixo imaginário que a atravessa do pólo
Sul ao pólo Norte.
Esse movimento tem a duração de 23 horas, 56
minutos e 4 segundos, aproximadamente 24
horas ou um dia.
MOVIMENTO DE TRANSLAÇÃO
Translação é o movimento que a Terra
executa ao deslocar-se em torno
do Sol. Esse movimento se
completa no período de 01 ano ou
mais precisamente, 365 dias e
seis horas, portanto,
esse movimento é responsável pelo
ano e pelas estações do ano e é
realizado
concomitante ao movimento de rotação.
DEFININDO SOLSTÍCIO E EQUINÓCIO
Observamos que nos dias 23
de setembro e 21 de
março, ambos os hemisférios
terrestres são igualmente
Iluminados, porém nos dias 22
de dezembro
e 22 de junho, os hemisférios
sul e norte diferem quanto
a iluminação.
Em 21 de março e 23 de
setembro a Terra se encontra
em posições tais que ambos os
hemisférios são igualmente
iluminados, marcando assim
o início das estações outono e
primavera.
Em 22 de Dezembro, devido à
inclinação do eixo terrestre, o
hemisfério sul recebe mais luz
solar, marcando assim o início
do verão neste hemisfério,
conseqüentemente o início do
inverso no hemisfério norte.
Chama-se SOLSTÍCIO as
posições em que a Terra se
encontra em 22 de dezembro e
22 de junho. Dizemos, então,
que o dia 22 de dezembro é
solstício de verão no hemisfério
sul e solstício de inverno no
hemisfério norte.
Chama-se EQUINÓCIO as
posições em que a Terra se
encontra em 23 de setembro e
21 e de março. Dizemos, então,
que o dia 23 de setembro é
equinócio de primavera no
hemisfério sul e equinócio de
outono no hemisfério norte.
CONCLUINDO: solstício e
equinócio
●No equinócio de março, tanto o dia como a noite são de
12 horas. Essa data consolida o começo da primavera no
hemisfério norte e o início do outono no hemisfério sul.
Nos equinócios de setembro, os hemisférios norte e sul
apresentam dia e noite com duração igual (12 horas).
●Essa data marca o princípio do outono no hemisfério
norte e da primavera no hemisfério sul.
CONCLUINDO: solstício e
equinócio
●Os solstícios são identificados em períodos
do ano em que um dos hemisférios (norte-
sul) se encontra submetido a uma intensa
quantidade de luz solar sobre a superfície,
enquanto o outro recebe uma incidência de
luminosidade mais modesta.
●Os solstícios ocorrem duas vezes ao ano,
em junho e dezembro.
●Determina o verão em um hemisférios e
inverno no outro e vice-versa.
A Aurora polar é um fenômeno óptico composto
de um brilho observado nos céus noturnos
observados em regiões próximas às zonas
polares, em decorrência do impacto negativo
de partículas do vento solar no campo magnético
solar. No hemisfério norte é conhecida como
Aurora Boreal. No hemisfério sul, Aurora
Austral.
Esse fenômeno é resultado dos equinócios.
Sol da meia-noite é a designação comum
para o fenômeno que ocorre
nas latitudes acima de 66º 33’ 39" N ou S,
ou seja para além do círculo polar ártico
ou do círculo polar antártico,
quando o Sol não se põe durante pelo
menos 95 horas seguidas.
Esse fenômeno é resultado dos solstícios.
O Sol à meia –
noite no Cabo
Norte (Nordkapp),
Noruega.
Aurora Boreal no
Alaska.
RESPONDA:
● Quais são os meios de
orientação naturais?
● Quais são as conseqüências do
movimento de translação?
● Quais são as conseqüências do
movimento de rotação?
COORDENADAS
GEOGRÁFICAS
●São um conjunto de linhas
imaginárias traçadas sobre o
globo que permitem localizar
qualquer ponto na superfície
terrestre. As coordenadas
constituem a melhor forma de
localização geográfica.
PARALELOS
São linhas paralelas à linha do Equador que
cortam o globo de leste à oeste. Vai de 0º à 90º sul
e norte.
Cada paralelo tem seu
valor dado em graus. Os
graus de cada paralelo
denominam-se
LATITUDE. Portanto,
falamos, por exemplo, que
a linha do Equador possui
0º de latitude.
Veja os exemplos a
seguir:
LATITUDE
60º Latitude Norte
30º Latitude Norte
0º Latitude
15º Latitude Sul
45º Latitude Sul
MERIDIANO
São linhas paralelas à linha do Meridiano de
Greenwich que cortam o globo de norte à sul. Vai
de 0º à 180º leste e oeste.
Cada meridiano tem seu
valor dado em graus. Os
graus de cada meridiano
denominam-se
LONGITUDE. Portanto,
falamos, por exemplo, que
o meridiano de Greenwich
possui 0º de longitude.
Veja os exemplos a
seguir:
LONGITUDE 120º Longitude
Leste
45º Longitude
Leste
130º Longitude
Oeste
15º Longitude
Oeste
FUSOS
HORÁRIOS
●. O sistema de fuso foi
adotado na Conferência
Internacional do Meridiano, em
1844 na cidade de
Washington, DC.
●A Terra leva 24 horas para realizar
um giro completo. Sendo a esfera
de 360 graus, a cada hora ocorre o
deslocamento de 15 graus
(360/24=15). Logo, são 24 faixas
de fusos. Uma faixa de fuso é
definida como 7,5 graus a leste e
7,5 a oeste a partir de cada faixa
de 15 graus, partindo de
Greenwich
PARA QUE SERVEM OS
FUSOS HORÁRIOS
● Padronização das horas conforme o
movimento de rotação da Terra e a
incidência solar;
● Facilita as comunicações nas
diversas partes do mundo;
● Facilita programação das viagens
nacionais e internacionais;
● Possibilita a integração de empresas
transnacionais e mercados de valores
no mundo, entre outros.
●A Terra gira de oeste para leste,
de modo que as localidades
situadas a leste veêm o sol nascer
primeiro. Pode-se concluir que
essas localidades possuem a hora
adiantada. O Japão, por exemplo,
está situado 12 fusos a leste do
Brasil, seus habitantes veêm o sol
nascer primeiro do que nós.
FUSOS HORÁRIOS
Tipos de hora:
● Hora legal – tem por base o meridiano
de Greenwich.
● Hora local – é determinada pelo
movimento aparente do Sol.
● Horário de verão: é adotado nas
regiões de médias latitudes no período
de maior insolação (verão) com o
objetivo de reduzir o consumo de
energia. (Aumenta-se 1 hora).
FUSOS HORÁRIOS
REGRINHAS PARA
RESOLVER EXERCÍCIOS DE
FUSOS HORÁRIOS
1ª – Movimento de Rotação; a Terra gira em
seu próprio eixo; dura aproximadamente 24.
2ª – Sentido do Movimento de Rotação: de
Oeste para Leste.
3ª – Para Oeste a hora está atrasada e para
Leste a hora está adiantada.
4ª – A Terra tem 24 fusos horários: 12 para
Leste, 12 para Oeste.
5ª – Cada Fuso vale 15 graus; 360 dividido
por 24 horas/fusos; cada fusos tem 1h; Volta
em torno da Terra: 40.000 km, 40.000 km
dividido por 24 fusos/horas = 1666 km para
cada fuso na altura da Linha do Equador, na
latitude zero.
6ª – Se as localidades se localizam no
mesmo hemisfério. Se sim, subtrai-se; se
não, soma-se os graus entre as localidades;
o resultado se divide 15; o resultado dessa
divisão será a diferença horária entre as
localidades.
7ª – Caso sobre resto na divisão por 15,
devemos multiplicar por 4 que é a
quantidade de minutos para cada grau e o
resultado junta-se à diferença horária.
8ª – Para encontrar a hora desejada,
primeiramente pega-se a hora dada soma-se
com a diferença horária caso a localidade
desejada esteja a Leste e subtrai-se caso a
localidade esteja a Oeste, o resultado será o
horário que se deseja saber.
10ª – Só adotam o horário de verão os
países que estão afastados da Linha do
Equador, seja para Norte, seja para Sul.
No Brasil, as Regiões Norte e Nordeste
não adotam horário de verão porque
estão próximas da Linha do Equador, ao
contrário das Regiões Centro-Oeste,
Sudeste e Sul, que estão afastadas.
O horário oficial é o de Brasília
Os fusos horários no Brasil são divididos em quatro por causa da
sua grande extensão (Leste-Oeste). Todos esses fusos estão
atrasados em relação às regiões que estão localizadas a Leste,
incluindo o Meridiano de Greenwich.
O país possui quatro fusos horários, pois são consideradas as ilhas
oceânicas brasileiras de Fernando de Noronha, Trindade, Martim
Vaz e Penedos de São Pedro e São Paulo.
História dos fusos horários no Brasil
Atualmente há quatro fusos horários no Brasil, mas não foi o tempo todo
assim. Anos atrás, o país tinha apenas um fuso que abrangia todo
território nacional. Isso mudou em 1913 com o Decreto N° 2784,
assinado pelo então presidente Hermes da Fonseca, que definiu
quatro fusos horários no Brasil para organizar a distribuição dos horários
de acordo o Meridiano de Greenwich, elaborado algumas décadas
antes.
O Decreto N° 2784 permaneceu inalterado por muitos anos. Somente
em 2008, depois de uma proposta vinda do Senado, acolhida também
na Câmara dos Deputados e validada pelo então presidente Luiz Inácio
Lula da Silva, o quarto fuso foi extinto. Além disso, o estado do Pará,
que era dividido em dois fusos, passou a integrar inteiramente ao 2°
fuso brasileiro.
Essa mudança gerou polêmica principalmente em
relação aos habitantes do Acre. Uma parte da
população do estado concordava com o novo fuso, a
outra parte era contra. Então, foi convocado
um plebiscito em 2010 para população votar a melhor
opção.
Após uma eleição apertada, os habitantes do Acre e
do oeste do Amazonas escolheram a volta do fuso
anterior, com duras horas a menos em relação a
Capital Federal - Brasília. Sendo assim, o projeto de
2008 foi derrubado, retornando o fuso horário
brasileiro de 1913.
O estado do Pará, afetado pela mudança de
2008, não foi consultado no plebiscito. Isso fez
com que a então presidente Dilma
Rousseff vetasse a mudança. Somente em 2013
o projeto foi enviado outra vez para a presidente.
Com isso, somente os estados consultados
através do plebiscito tiveram seus fusos
alterados, deixando o estado do Pará totalmente
em um dos fusos horários no Brasil.
ESCALA CARTOGRÁFICA
ESCALA CARTOGRÁFICA
A escala é uma proporção matemática, ou
seja, uma relação numérica entre o mapa e
a realidade que ele representa
A proporção entre a terra e seu mapa
chama-se escala.
Qual mapa tem menor
escala? E maior?
GRANDE ESCALA
MÉDIA ESCALA
ESCALA CARTOGRÁFICA
ESCALA CARTOGRÁFICA
SE A ESCALA INDICA UMA PROPORÇÃO A
RELAÇÃO É INVERSA, OU SEJA, UMA PEQUENA
ESCALA COBRE UMA GRANDE PORÇÃO DO
TERRENO
Por exemplo, uma escala de 1/25.000 significa que 1 centímetro ou
qualquer outra unidade de comprimento, no mapa, está representado
25.000 vezes menor do que no terreno.
Assim podemos transformar as unidades (cm; m; km)
Este número pode parecer estranho, mas um metro tem 100
centímetros; assim, cada centímetro neste mapa representa exatamente
250 metros no terreno.
ESCALA CARTOGRÁFICA
ESCALA CARTOGRÁFICA
Considere os mapas A, B e C
Pode-se dizer que
a) os três mapas apresentam a mesma riqueza de detalhes.
b) os mapas A e B apresentam maior riqueza de detalhes que o
mapa C.
c) o mapa B é proporcionalmente cinco vezes maior que o mapa
C.
d) o mapa C apresenta maior riqueza de detalhes que o mapa A.
e) os três mapas possuem o mesmo tamanho.
ESCALA CARTOGRÁFICA
TIPOS DE REPRESENTAÇÃO DA ESCALA
ESCALA CARTOGRÁFICA
Escala numérica
É representada por uma fração:
O numerador representa uma distância no mapa
O denominador, a distância correspondente no terreno.
Assim, escala (E) é: E = d / D,
onde:
d é a distância entre dois pontos no mapa e
D a distância entre esses mesmos dois pontos no terreno.
ESCALA CARTOGRÁFICA
EXEMPLO
Uma escala 1/100.000
Qualquer medida linear no mapa (d) é, no terreno (D),
100.000 vezes maior.
A escala numérica pode ser representada por qualquer uma
das seguintes formas (grafia):
1:100.000
ou
1/100.000.
ESCALA CARTOGRÁFICA
Escala gráfica
Representa as distâncias no terreno sobre uma linha
graduada.
Normalmente, uma das porções da escala está dividida em
décimos, para que se possa medir as distâncias com maior
precisão.
É mais indicada para se visualizar a escala e para medir
distâncias.
VOCÊ CONHECE OUTRAS FORMAS DE REPRESENTAR O
MUNDO?
Diferentes olhares sobre o mundo no tempo
●O desenvolvimento da cartografia pode ser associado tanto ao desenvolvimento tecnológico
quanto ao conhecimento do espaço.
●As influências religiosas, culturais, econômicas, sociais, etc, podem ser claramente analisadas
nos mapas e cartas geográficas que foram desenvolvidos ao longo dos anos.
Desenvolvimento tecnológico na cartografia
Principais recursos tecnológicos utilizados na
cartografia e no gerenciamento de informações:
●GPS
●Aerofotogrametria (Fotografia aérea)
●Imagens de satélites
●Radar
GPS
● Sistema de Posicionamento
Global, que utiliza sinais
emitidos por satélites, cujas
aplicações são amplamente
utilizadas nos transportes
marítimos, terrestres e aéreos.
● Tecnologia utilizada por
operadoras de celulares e firmas
de seguros de cargas.
Aerofotogrametria (Fotografia aérea)
● Fotografia obtida através de
sensores acoplados nas aeronaves.
● Constitui-se como um instrumento
de representação da realidade
acessível ao público com menos
qualificações técnicas.
SCANNER E SENSOR FOTOGRÁFICO
IMAGENS DE SATÉLITES
● Imagens captadas por sensores
acoplados aos satélites artificiais que
orbitam em torno do planeta,
codificada e transmitida para uma
estação rastreadora na terra.
● Atualmente trabalham com precisão
milimétrica.
RADAR
● O desenvolvimento do
radar permitiu superar o
problema relativo à
necessidade de se ter um
tempo claro, sem nuvens,
ou sobre áreas de
florestas densas.
● Muito utilizado no
monitoramento de espaço

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a CARTOGRAFIA.pptx

Noções de cartografia.docx apostila de geografia
Noções de cartografia.docx apostila de geografiaNoções de cartografia.docx apostila de geografia
Noções de cartografia.docx apostila de geografia
Felipe Alecrim Alecrim
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
André Luiz Marques
 
Geografia os movimentos da terra
Geografia   os movimentos da terraGeografia   os movimentos da terra
Geografia os movimentos da terra
Gustavo Soares
 
Movimentos da terra
Movimentos da terraMovimentos da terra
Movimentos da terra
dinartegaspar
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
Colégio Aprov
 
Cartografia básica
Cartografia básicaCartografia básica
Cartografia básica
Colégio Aprov
 
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horáriosCartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
Colégio Aprov
 
TERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAIS
TERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAISTERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAIS
TERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAIS
Fábio Ribeiro
 
Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1
Christie Freitas
 
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Movimentos da terra
Movimentos da terraMovimentos da terra
Movimentos da terra
Francisco Faccini Bringer
 
aula 1 - paralelosmeridianosemovimentosdaterra-120304072443-phpapp01.pdf
aula 1 - paralelosmeridianosemovimentosdaterra-120304072443-phpapp01.pdfaula 1 - paralelosmeridianosemovimentosdaterra-120304072443-phpapp01.pdf
aula 1 - paralelosmeridianosemovimentosdaterra-120304072443-phpapp01.pdf
nomeinspirado
 
aula 1 - linhas imaginários e coordenadas-120304072443-phpapp01.ppt
aula 1 - linhas imaginários e coordenadas-120304072443-phpapp01.pptaula 1 - linhas imaginários e coordenadas-120304072443-phpapp01.ppt
aula 1 - linhas imaginários e coordenadas-120304072443-phpapp01.ppt
nomeinspirado
 
Movimentos de Rotação e Translação - Aulas 4, 5 e 6 Geografia 3º Ano
Movimentos de Rotação e Translação - Aulas 4, 5 e 6 Geografia 3º Ano Movimentos de Rotação e Translação - Aulas 4, 5 e 6 Geografia 3º Ano
Movimentos de Rotação e Translação - Aulas 4, 5 e 6 Geografia 3º Ano
Fellipe Prado
 
Conjunto slides 3
Conjunto slides 3Conjunto slides 3
Conjunto slides 3
gatuxa24
 
Movimento orbital da Terra e estações do Ano.pdf
Movimento orbital da Terra e estações do Ano.pdfMovimento orbital da Terra e estações do Ano.pdf
Movimento orbital da Terra e estações do Ano.pdf
AndressaCosta90
 
terra_forma_e_movimento.ppt
terra_forma_e_movimento.pptterra_forma_e_movimento.ppt
terra_forma_e_movimento.ppt
daniel936004
 
Orientação e Movimentos da terra.
Orientação e Movimentos da terra.Orientação e Movimentos da terra.
Orientação e Movimentos da terra.
Lara Lídia
 
os movimentos da terra.ppt
os movimentos da terra.pptos movimentos da terra.ppt
os movimentos da terra.ppt
Ana Maria
 
Movimentos da terra
Movimentos da terraMovimentos da terra
Movimentos da terra
dinartegaspar
 

Semelhante a CARTOGRAFIA.pptx (20)

Noções de cartografia.docx apostila de geografia
Noções de cartografia.docx apostila de geografiaNoções de cartografia.docx apostila de geografia
Noções de cartografia.docx apostila de geografia
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
 
Geografia os movimentos da terra
Geografia   os movimentos da terraGeografia   os movimentos da terra
Geografia os movimentos da terra
 
Movimentos da terra
Movimentos da terraMovimentos da terra
Movimentos da terra
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Cartografia básica
Cartografia básicaCartografia básica
Cartografia básica
 
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horáriosCartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
 
TERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAIS
TERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAISTERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAIS
TERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAIS
 
Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1
 
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
 
Movimentos da terra
Movimentos da terraMovimentos da terra
Movimentos da terra
 
aula 1 - paralelosmeridianosemovimentosdaterra-120304072443-phpapp01.pdf
aula 1 - paralelosmeridianosemovimentosdaterra-120304072443-phpapp01.pdfaula 1 - paralelosmeridianosemovimentosdaterra-120304072443-phpapp01.pdf
aula 1 - paralelosmeridianosemovimentosdaterra-120304072443-phpapp01.pdf
 
aula 1 - linhas imaginários e coordenadas-120304072443-phpapp01.ppt
aula 1 - linhas imaginários e coordenadas-120304072443-phpapp01.pptaula 1 - linhas imaginários e coordenadas-120304072443-phpapp01.ppt
aula 1 - linhas imaginários e coordenadas-120304072443-phpapp01.ppt
 
Movimentos de Rotação e Translação - Aulas 4, 5 e 6 Geografia 3º Ano
Movimentos de Rotação e Translação - Aulas 4, 5 e 6 Geografia 3º Ano Movimentos de Rotação e Translação - Aulas 4, 5 e 6 Geografia 3º Ano
Movimentos de Rotação e Translação - Aulas 4, 5 e 6 Geografia 3º Ano
 
Conjunto slides 3
Conjunto slides 3Conjunto slides 3
Conjunto slides 3
 
Movimento orbital da Terra e estações do Ano.pdf
Movimento orbital da Terra e estações do Ano.pdfMovimento orbital da Terra e estações do Ano.pdf
Movimento orbital da Terra e estações do Ano.pdf
 
terra_forma_e_movimento.ppt
terra_forma_e_movimento.pptterra_forma_e_movimento.ppt
terra_forma_e_movimento.ppt
 
Orientação e Movimentos da terra.
Orientação e Movimentos da terra.Orientação e Movimentos da terra.
Orientação e Movimentos da terra.
 
os movimentos da terra.ppt
os movimentos da terra.pptos movimentos da terra.ppt
os movimentos da terra.ppt
 
Movimentos da terra
Movimentos da terraMovimentos da terra
Movimentos da terra
 

Mais de Fernanda Castello

Direitos Humanos e Cidadania aula.pptx
Direitos Humanos e Cidadania aula.pptxDireitos Humanos e Cidadania aula.pptx
Direitos Humanos e Cidadania aula.pptx
Fernanda Castello
 
AULA 19.04 - CINE NTPPS - A CINCO PASSOS DE VOCÊ - PARTE I.pptx
AULA 19.04 - CINE  NTPPS - A CINCO PASSOS DE VOCÊ - PARTE I.pptxAULA 19.04 - CINE  NTPPS - A CINCO PASSOS DE VOCÊ - PARTE I.pptx
AULA 19.04 - CINE NTPPS - A CINCO PASSOS DE VOCÊ - PARTE I.pptx
Fernanda Castello
 
Comunidades Quilombolas no Ceará.pptx
Comunidades Quilombolas no Ceará.pptxComunidades Quilombolas no Ceará.pptx
Comunidades Quilombolas no Ceará.pptx
Fernanda Castello
 
Crise Hídrica.pptx
Crise Hídrica.pptxCrise Hídrica.pptx
Crise Hídrica.pptx
Fernanda Castello
 
CAP 3. Terrorismo.ppt
CAP 3. Terrorismo.pptCAP 3. Terrorismo.ppt
CAP 3. Terrorismo.ppt
Fernanda Castello
 
cartografia completo.pptx
cartografia completo.pptxcartografia completo.pptx
cartografia completo.pptx
Fernanda Castello
 
Globalização .pptx
Globalização .pptxGlobalização .pptx
Globalização .pptx
Fernanda Castello
 
BLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptx
BLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptxBLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptx
BLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptx
Fernanda Castello
 
Questões ENEM.pptx
Questões ENEM.pptxQuestões ENEM.pptx
Questões ENEM.pptx
Fernanda Castello
 
ax_t_adm_noçoes_financeiro_2.ppt
ax_t_adm_noçoes_financeiro_2.pptax_t_adm_noçoes_financeiro_2.ppt
ax_t_adm_noçoes_financeiro_2.ppt
Fernanda Castello
 
Terrorismo de Estado.pptx
Terrorismo de Estado.pptxTerrorismo de Estado.pptx
Terrorismo de Estado.pptx
Fernanda Castello
 
REGIÃO E REGIONALIZAÇÃO ESPAÇO MUNDIAL.pptx
REGIÃO E REGIONALIZAÇÃO ESPAÇO MUNDIAL.pptxREGIÃO E REGIONALIZAÇÃO ESPAÇO MUNDIAL.pptx
REGIÃO E REGIONALIZAÇÃO ESPAÇO MUNDIAL.pptx
Fernanda Castello
 
MATERIAL DE ESTUDO COMPLEMENTAR PARA PROFESSORES Panorama_Alcool_Saude_CISA20...
MATERIAL DE ESTUDO COMPLEMENTAR PARA PROFESSORES Panorama_Alcool_Saude_CISA20...MATERIAL DE ESTUDO COMPLEMENTAR PARA PROFESSORES Panorama_Alcool_Saude_CISA20...
MATERIAL DE ESTUDO COMPLEMENTAR PARA PROFESSORES Panorama_Alcool_Saude_CISA20...
Fernanda Castello
 
Direito Egito Mediterraneo.pptx
Direito Egito Mediterraneo.pptxDireito Egito Mediterraneo.pptx
Direito Egito Mediterraneo.pptx
Fernanda Castello
 
Geografia das industrias.pptx
Geografia das industrias.pptxGeografia das industrias.pptx
Geografia das industrias.pptx
Fernanda Castello
 
Direitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptx
Direitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptxDireitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptx
Direitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptx
Fernanda Castello
 
Processo civil I.pptx
Processo civil I.pptxProcesso civil I.pptx
Processo civil I.pptx
Fernanda Castello
 
SEFAZ-CARTILHA-CIDADANIA-1.pdf
SEFAZ-CARTILHA-CIDADANIA-1.pdfSEFAZ-CARTILHA-CIDADANIA-1.pdf
SEFAZ-CARTILHA-CIDADANIA-1.pdf
Fernanda Castello
 
Educação-Fiscal-2020-Cad2.Final_.pdf
Educação-Fiscal-2020-Cad2.Final_.pdfEducação-Fiscal-2020-Cad2.Final_.pdf
Educação-Fiscal-2020-Cad2.Final_.pdf
Fernanda Castello
 
educacaofiscal.impresso.pdf
educacaofiscal.impresso.pdfeducacaofiscal.impresso.pdf
educacaofiscal.impresso.pdf
Fernanda Castello
 

Mais de Fernanda Castello (20)

Direitos Humanos e Cidadania aula.pptx
Direitos Humanos e Cidadania aula.pptxDireitos Humanos e Cidadania aula.pptx
Direitos Humanos e Cidadania aula.pptx
 
AULA 19.04 - CINE NTPPS - A CINCO PASSOS DE VOCÊ - PARTE I.pptx
AULA 19.04 - CINE  NTPPS - A CINCO PASSOS DE VOCÊ - PARTE I.pptxAULA 19.04 - CINE  NTPPS - A CINCO PASSOS DE VOCÊ - PARTE I.pptx
AULA 19.04 - CINE NTPPS - A CINCO PASSOS DE VOCÊ - PARTE I.pptx
 
Comunidades Quilombolas no Ceará.pptx
Comunidades Quilombolas no Ceará.pptxComunidades Quilombolas no Ceará.pptx
Comunidades Quilombolas no Ceará.pptx
 
Crise Hídrica.pptx
Crise Hídrica.pptxCrise Hídrica.pptx
Crise Hídrica.pptx
 
CAP 3. Terrorismo.ppt
CAP 3. Terrorismo.pptCAP 3. Terrorismo.ppt
CAP 3. Terrorismo.ppt
 
cartografia completo.pptx
cartografia completo.pptxcartografia completo.pptx
cartografia completo.pptx
 
Globalização .pptx
Globalização .pptxGlobalização .pptx
Globalização .pptx
 
BLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptx
BLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptxBLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptx
BLOCOS ECONOMICOS MUNDIAIS.pptx
 
Questões ENEM.pptx
Questões ENEM.pptxQuestões ENEM.pptx
Questões ENEM.pptx
 
ax_t_adm_noçoes_financeiro_2.ppt
ax_t_adm_noçoes_financeiro_2.pptax_t_adm_noçoes_financeiro_2.ppt
ax_t_adm_noçoes_financeiro_2.ppt
 
Terrorismo de Estado.pptx
Terrorismo de Estado.pptxTerrorismo de Estado.pptx
Terrorismo de Estado.pptx
 
REGIÃO E REGIONALIZAÇÃO ESPAÇO MUNDIAL.pptx
REGIÃO E REGIONALIZAÇÃO ESPAÇO MUNDIAL.pptxREGIÃO E REGIONALIZAÇÃO ESPAÇO MUNDIAL.pptx
REGIÃO E REGIONALIZAÇÃO ESPAÇO MUNDIAL.pptx
 
MATERIAL DE ESTUDO COMPLEMENTAR PARA PROFESSORES Panorama_Alcool_Saude_CISA20...
MATERIAL DE ESTUDO COMPLEMENTAR PARA PROFESSORES Panorama_Alcool_Saude_CISA20...MATERIAL DE ESTUDO COMPLEMENTAR PARA PROFESSORES Panorama_Alcool_Saude_CISA20...
MATERIAL DE ESTUDO COMPLEMENTAR PARA PROFESSORES Panorama_Alcool_Saude_CISA20...
 
Direito Egito Mediterraneo.pptx
Direito Egito Mediterraneo.pptxDireito Egito Mediterraneo.pptx
Direito Egito Mediterraneo.pptx
 
Geografia das industrias.pptx
Geografia das industrias.pptxGeografia das industrias.pptx
Geografia das industrias.pptx
 
Direitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptx
Direitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptxDireitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptx
Direitos humanos e Cidadania Prof. Fernanda.pptx
 
Processo civil I.pptx
Processo civil I.pptxProcesso civil I.pptx
Processo civil I.pptx
 
SEFAZ-CARTILHA-CIDADANIA-1.pdf
SEFAZ-CARTILHA-CIDADANIA-1.pdfSEFAZ-CARTILHA-CIDADANIA-1.pdf
SEFAZ-CARTILHA-CIDADANIA-1.pdf
 
Educação-Fiscal-2020-Cad2.Final_.pdf
Educação-Fiscal-2020-Cad2.Final_.pdfEducação-Fiscal-2020-Cad2.Final_.pdf
Educação-Fiscal-2020-Cad2.Final_.pdf
 
educacaofiscal.impresso.pdf
educacaofiscal.impresso.pdfeducacaofiscal.impresso.pdf
educacaofiscal.impresso.pdf
 

Último

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 

CARTOGRAFIA.pptx

  • 2. INTRODUÇÃO À CARTOGRAFIA 1 – O que é cartografia? É a arte de construir mapas a partir de observações diretas ou do emprego de dados. 2 – O que são mapas? Conjunto de informações que colaboram para localização no espaço geográfico.
  • 3. HISTÓRIA DA CARTOGRAFIA ● Pré – história ● Necessidade de localização no espaço; ● Desenho dos caminhos em pedra; ● Roteiro nas paredes de cavernas.
  • 5. O MAPA NA ANTIGUIDADE ● Colaboração dos mesopotâmios - Mapas em disco de madeira ● Colaboração dos gregos: - Reflexão filosófica ● Cosmografia ● Noção de esfericidade ● Sistema de latitude e longitude ● Mapa esférico e em papel
  • 7. MAPA NA IDADE MÉDIA ● Retrocesso técnico; ● Anulação do conceito de esfericidade; ● Coordenadas geográficas desaparecem; ● Terra representada num disco plano e circundado de água; ● Mapas T-O
  • 9. CARTOGRAFIA NA MODERNIDADE ● Grandes navegações ● Melhoria técnica ● Aperfeiçoamento náutico ● Novos territórios ● Criação dos portulanos (Um portulano (do latim "portus", porto), ou portolano, é uma antiga carta náutica Europeia, datada do século XIII ou posterior)
  • 11. A CARTOGRAFIA HOJE ● Cartas temáticas ● Mapas digitais ● Sensoriamento remoto ● Aerofotogrametria ● Imagens fotograficas
  • 13. ORIENTAÇÃO ●ORIENTAR-SE: Significa determinarmos a nossa posição em relação aos pontos: ●Cardeais; ●Colaterais; e ●Subcolaterais.
  • 14. Qual a importância de uma pessoa orientada no espaço? ● Saber onde está e qual o rumo a seguir. ● Prestar informações a outras pessoas sobre sua posição na superfície da Terra.
  • 15. FORMAS DE ORIENTAÇÃO ROSA DOS VENTOS; BÚSSOLA; ORIENTAÇÃO PELO SOL
  • 17. Meios de orientação naturais: ● Hemisfério Norte – Estrela Polar; ● Hemisfério Sul - Cruzeiro do Sul.
  • 18. Meios de orientação artificiais: Bússola – indica o norte magnético da Terra (1400 km ao sul do norte geográfico); Rádio e radares – são instrumentos usados na navegação; Global Positioning System (GPS): sistema eletrônico que se apóia nos satélites artificiais. Usa latitude e longitude (graus, minutos e segundos). (° / ‘ / “) Este assunto será tratado com mais detalhe na próxima aula.
  • 21. Os movimentos da Terra (translação – consequências): ● As estações do ano (365d, 5h e 48seg.); ● Desigual distribuição de luz e calor; ● Sucessões dos solstícios e equinócios.
  • 23. Os movimentos da Terra (rotação – consequências): ● Os dias e as noites (23h, 56’ e 4” – dia sideral e 24h dia solar); ● Achatamento polar; ● Circulação atmosférica; ● Correntes marítimas; ● Nível do mar mais elevado no leste; ● Desvio dos corpos em queda livre para o leste (o movimento é na direção W-L); ● Fusos horários.
  • 25. MOVIMENTOS DA TERRA E ESTAÇÕES DO ANO ●Antigamente, achavam que nosso planeta era o centro do Sistema Solar, com o Sol e os planetas girando à sua volta. Engano! Muita gente morreu tentando provar o contrário: que é a Terra que gira ao redor do Sol.
  • 26. A Terra e o Sistema Solar A Terra é o terceiro Planeta em ordem de afastamento do Sol (centro do nosso Sistema Solar) e o quinto em tamanho.
  • 27. FORMA DO PLANETA TERRA A Terra é redonda, mas não é uma esfera perfeita, já que é levemente achatada nos pólos, recebendo por isso, o nome de geóide.
  • 28. MOVIMENTO DE ROTAÇÃO A rotação é o movimento que a Terra executa em torno de si mesma, ou seja, em torno de um eixo imaginário que a atravessa do pólo Sul ao pólo Norte. Esse movimento tem a duração de 23 horas, 56 minutos e 4 segundos, aproximadamente 24 horas ou um dia.
  • 29.
  • 30. MOVIMENTO DE TRANSLAÇÃO Translação é o movimento que a Terra executa ao deslocar-se em torno do Sol. Esse movimento se completa no período de 01 ano ou mais precisamente, 365 dias e seis horas, portanto, esse movimento é responsável pelo ano e pelas estações do ano e é realizado concomitante ao movimento de rotação.
  • 31.
  • 32. DEFININDO SOLSTÍCIO E EQUINÓCIO Observamos que nos dias 23 de setembro e 21 de março, ambos os hemisférios terrestres são igualmente Iluminados, porém nos dias 22 de dezembro e 22 de junho, os hemisférios sul e norte diferem quanto a iluminação. Em 21 de março e 23 de setembro a Terra se encontra em posições tais que ambos os hemisférios são igualmente iluminados, marcando assim o início das estações outono e primavera.
  • 33. Em 22 de Dezembro, devido à inclinação do eixo terrestre, o hemisfério sul recebe mais luz solar, marcando assim o início do verão neste hemisfério, conseqüentemente o início do inverso no hemisfério norte. Chama-se SOLSTÍCIO as posições em que a Terra se encontra em 22 de dezembro e 22 de junho. Dizemos, então, que o dia 22 de dezembro é solstício de verão no hemisfério sul e solstício de inverno no hemisfério norte. Chama-se EQUINÓCIO as posições em que a Terra se encontra em 23 de setembro e 21 e de março. Dizemos, então, que o dia 23 de setembro é equinócio de primavera no hemisfério sul e equinócio de outono no hemisfério norte.
  • 34. CONCLUINDO: solstício e equinócio ●No equinócio de março, tanto o dia como a noite são de 12 horas. Essa data consolida o começo da primavera no hemisfério norte e o início do outono no hemisfério sul. Nos equinócios de setembro, os hemisférios norte e sul apresentam dia e noite com duração igual (12 horas). ●Essa data marca o princípio do outono no hemisfério norte e da primavera no hemisfério sul.
  • 35. CONCLUINDO: solstício e equinócio ●Os solstícios são identificados em períodos do ano em que um dos hemisférios (norte- sul) se encontra submetido a uma intensa quantidade de luz solar sobre a superfície, enquanto o outro recebe uma incidência de luminosidade mais modesta. ●Os solstícios ocorrem duas vezes ao ano, em junho e dezembro. ●Determina o verão em um hemisférios e inverno no outro e vice-versa.
  • 36. A Aurora polar é um fenômeno óptico composto de um brilho observado nos céus noturnos observados em regiões próximas às zonas polares, em decorrência do impacto negativo de partículas do vento solar no campo magnético solar. No hemisfério norte é conhecida como Aurora Boreal. No hemisfério sul, Aurora Austral. Esse fenômeno é resultado dos equinócios. Sol da meia-noite é a designação comum para o fenômeno que ocorre nas latitudes acima de 66º 33’ 39" N ou S, ou seja para além do círculo polar ártico ou do círculo polar antártico, quando o Sol não se põe durante pelo menos 95 horas seguidas. Esse fenômeno é resultado dos solstícios.
  • 37. O Sol à meia – noite no Cabo Norte (Nordkapp), Noruega. Aurora Boreal no Alaska.
  • 38. RESPONDA: ● Quais são os meios de orientação naturais? ● Quais são as conseqüências do movimento de translação? ● Quais são as conseqüências do movimento de rotação?
  • 39. COORDENADAS GEOGRÁFICAS ●São um conjunto de linhas imaginárias traçadas sobre o globo que permitem localizar qualquer ponto na superfície terrestre. As coordenadas constituem a melhor forma de localização geográfica.
  • 40. PARALELOS São linhas paralelas à linha do Equador que cortam o globo de leste à oeste. Vai de 0º à 90º sul e norte. Cada paralelo tem seu valor dado em graus. Os graus de cada paralelo denominam-se LATITUDE. Portanto, falamos, por exemplo, que a linha do Equador possui 0º de latitude. Veja os exemplos a seguir:
  • 41. LATITUDE 60º Latitude Norte 30º Latitude Norte 0º Latitude 15º Latitude Sul 45º Latitude Sul
  • 42. MERIDIANO São linhas paralelas à linha do Meridiano de Greenwich que cortam o globo de norte à sul. Vai de 0º à 180º leste e oeste. Cada meridiano tem seu valor dado em graus. Os graus de cada meridiano denominam-se LONGITUDE. Portanto, falamos, por exemplo, que o meridiano de Greenwich possui 0º de longitude. Veja os exemplos a seguir:
  • 43. LONGITUDE 120º Longitude Leste 45º Longitude Leste 130º Longitude Oeste 15º Longitude Oeste
  • 44. FUSOS HORÁRIOS ●. O sistema de fuso foi adotado na Conferência Internacional do Meridiano, em 1844 na cidade de Washington, DC.
  • 45. ●A Terra leva 24 horas para realizar um giro completo. Sendo a esfera de 360 graus, a cada hora ocorre o deslocamento de 15 graus (360/24=15). Logo, são 24 faixas de fusos. Uma faixa de fuso é definida como 7,5 graus a leste e 7,5 a oeste a partir de cada faixa de 15 graus, partindo de Greenwich
  • 46. PARA QUE SERVEM OS FUSOS HORÁRIOS ● Padronização das horas conforme o movimento de rotação da Terra e a incidência solar; ● Facilita as comunicações nas diversas partes do mundo; ● Facilita programação das viagens nacionais e internacionais; ● Possibilita a integração de empresas transnacionais e mercados de valores no mundo, entre outros.
  • 47. ●A Terra gira de oeste para leste, de modo que as localidades situadas a leste veêm o sol nascer primeiro. Pode-se concluir que essas localidades possuem a hora adiantada. O Japão, por exemplo, está situado 12 fusos a leste do Brasil, seus habitantes veêm o sol nascer primeiro do que nós.
  • 49. Tipos de hora: ● Hora legal – tem por base o meridiano de Greenwich. ● Hora local – é determinada pelo movimento aparente do Sol. ● Horário de verão: é adotado nas regiões de médias latitudes no período de maior insolação (verão) com o objetivo de reduzir o consumo de energia. (Aumenta-se 1 hora).
  • 51. REGRINHAS PARA RESOLVER EXERCÍCIOS DE FUSOS HORÁRIOS 1ª – Movimento de Rotação; a Terra gira em seu próprio eixo; dura aproximadamente 24. 2ª – Sentido do Movimento de Rotação: de Oeste para Leste. 3ª – Para Oeste a hora está atrasada e para Leste a hora está adiantada.
  • 52. 4ª – A Terra tem 24 fusos horários: 12 para Leste, 12 para Oeste. 5ª – Cada Fuso vale 15 graus; 360 dividido por 24 horas/fusos; cada fusos tem 1h; Volta em torno da Terra: 40.000 km, 40.000 km dividido por 24 fusos/horas = 1666 km para cada fuso na altura da Linha do Equador, na latitude zero.
  • 53. 6ª – Se as localidades se localizam no mesmo hemisfério. Se sim, subtrai-se; se não, soma-se os graus entre as localidades; o resultado se divide 15; o resultado dessa divisão será a diferença horária entre as localidades.
  • 54. 7ª – Caso sobre resto na divisão por 15, devemos multiplicar por 4 que é a quantidade de minutos para cada grau e o resultado junta-se à diferença horária.
  • 55. 8ª – Para encontrar a hora desejada, primeiramente pega-se a hora dada soma-se com a diferença horária caso a localidade desejada esteja a Leste e subtrai-se caso a localidade esteja a Oeste, o resultado será o horário que se deseja saber.
  • 56. 10ª – Só adotam o horário de verão os países que estão afastados da Linha do Equador, seja para Norte, seja para Sul. No Brasil, as Regiões Norte e Nordeste não adotam horário de verão porque estão próximas da Linha do Equador, ao contrário das Regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul, que estão afastadas.
  • 57. O horário oficial é o de Brasília Os fusos horários no Brasil são divididos em quatro por causa da sua grande extensão (Leste-Oeste). Todos esses fusos estão atrasados em relação às regiões que estão localizadas a Leste, incluindo o Meridiano de Greenwich. O país possui quatro fusos horários, pois são consideradas as ilhas oceânicas brasileiras de Fernando de Noronha, Trindade, Martim Vaz e Penedos de São Pedro e São Paulo.
  • 58. História dos fusos horários no Brasil Atualmente há quatro fusos horários no Brasil, mas não foi o tempo todo assim. Anos atrás, o país tinha apenas um fuso que abrangia todo território nacional. Isso mudou em 1913 com o Decreto N° 2784, assinado pelo então presidente Hermes da Fonseca, que definiu quatro fusos horários no Brasil para organizar a distribuição dos horários de acordo o Meridiano de Greenwich, elaborado algumas décadas antes. O Decreto N° 2784 permaneceu inalterado por muitos anos. Somente em 2008, depois de uma proposta vinda do Senado, acolhida também na Câmara dos Deputados e validada pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o quarto fuso foi extinto. Além disso, o estado do Pará, que era dividido em dois fusos, passou a integrar inteiramente ao 2° fuso brasileiro.
  • 59. Essa mudança gerou polêmica principalmente em relação aos habitantes do Acre. Uma parte da população do estado concordava com o novo fuso, a outra parte era contra. Então, foi convocado um plebiscito em 2010 para população votar a melhor opção. Após uma eleição apertada, os habitantes do Acre e do oeste do Amazonas escolheram a volta do fuso anterior, com duras horas a menos em relação a Capital Federal - Brasília. Sendo assim, o projeto de 2008 foi derrubado, retornando o fuso horário brasileiro de 1913.
  • 60. O estado do Pará, afetado pela mudança de 2008, não foi consultado no plebiscito. Isso fez com que a então presidente Dilma Rousseff vetasse a mudança. Somente em 2013 o projeto foi enviado outra vez para a presidente. Com isso, somente os estados consultados através do plebiscito tiveram seus fusos alterados, deixando o estado do Pará totalmente em um dos fusos horários no Brasil.
  • 62. ESCALA CARTOGRÁFICA A escala é uma proporção matemática, ou seja, uma relação numérica entre o mapa e a realidade que ele representa A proporção entre a terra e seu mapa chama-se escala.
  • 63. Qual mapa tem menor escala? E maior? GRANDE ESCALA MÉDIA ESCALA ESCALA CARTOGRÁFICA
  • 64. ESCALA CARTOGRÁFICA SE A ESCALA INDICA UMA PROPORÇÃO A RELAÇÃO É INVERSA, OU SEJA, UMA PEQUENA ESCALA COBRE UMA GRANDE PORÇÃO DO TERRENO Por exemplo, uma escala de 1/25.000 significa que 1 centímetro ou qualquer outra unidade de comprimento, no mapa, está representado 25.000 vezes menor do que no terreno. Assim podemos transformar as unidades (cm; m; km) Este número pode parecer estranho, mas um metro tem 100 centímetros; assim, cada centímetro neste mapa representa exatamente 250 metros no terreno.
  • 67. Considere os mapas A, B e C Pode-se dizer que a) os três mapas apresentam a mesma riqueza de detalhes. b) os mapas A e B apresentam maior riqueza de detalhes que o mapa C. c) o mapa B é proporcionalmente cinco vezes maior que o mapa C. d) o mapa C apresenta maior riqueza de detalhes que o mapa A. e) os três mapas possuem o mesmo tamanho.
  • 68. ESCALA CARTOGRÁFICA TIPOS DE REPRESENTAÇÃO DA ESCALA
  • 69. ESCALA CARTOGRÁFICA Escala numérica É representada por uma fração: O numerador representa uma distância no mapa O denominador, a distância correspondente no terreno. Assim, escala (E) é: E = d / D, onde: d é a distância entre dois pontos no mapa e D a distância entre esses mesmos dois pontos no terreno.
  • 70. ESCALA CARTOGRÁFICA EXEMPLO Uma escala 1/100.000 Qualquer medida linear no mapa (d) é, no terreno (D), 100.000 vezes maior. A escala numérica pode ser representada por qualquer uma das seguintes formas (grafia): 1:100.000 ou 1/100.000.
  • 71. ESCALA CARTOGRÁFICA Escala gráfica Representa as distâncias no terreno sobre uma linha graduada. Normalmente, uma das porções da escala está dividida em décimos, para que se possa medir as distâncias com maior precisão. É mais indicada para se visualizar a escala e para medir distâncias.
  • 72. VOCÊ CONHECE OUTRAS FORMAS DE REPRESENTAR O MUNDO? Diferentes olhares sobre o mundo no tempo ●O desenvolvimento da cartografia pode ser associado tanto ao desenvolvimento tecnológico quanto ao conhecimento do espaço. ●As influências religiosas, culturais, econômicas, sociais, etc, podem ser claramente analisadas nos mapas e cartas geográficas que foram desenvolvidos ao longo dos anos.
  • 73. Desenvolvimento tecnológico na cartografia Principais recursos tecnológicos utilizados na cartografia e no gerenciamento de informações: ●GPS ●Aerofotogrametria (Fotografia aérea) ●Imagens de satélites ●Radar
  • 74. GPS ● Sistema de Posicionamento Global, que utiliza sinais emitidos por satélites, cujas aplicações são amplamente utilizadas nos transportes marítimos, terrestres e aéreos. ● Tecnologia utilizada por operadoras de celulares e firmas de seguros de cargas.
  • 75. Aerofotogrametria (Fotografia aérea) ● Fotografia obtida através de sensores acoplados nas aeronaves. ● Constitui-se como um instrumento de representação da realidade acessível ao público com menos qualificações técnicas. SCANNER E SENSOR FOTOGRÁFICO
  • 76. IMAGENS DE SATÉLITES ● Imagens captadas por sensores acoplados aos satélites artificiais que orbitam em torno do planeta, codificada e transmitida para uma estação rastreadora na terra. ● Atualmente trabalham com precisão milimétrica.
  • 77. RADAR ● O desenvolvimento do radar permitiu superar o problema relativo à necessidade de se ter um tempo claro, sem nuvens, ou sobre áreas de florestas densas. ● Muito utilizado no monitoramento de espaço