SlideShare uma empresa Scribd logo
hecendo
     on ndo
  C
A pr en de    a
                e

dizer
   as
       NÃO
       Dorgas
    Psicotrópicas
  A. B. Oliveira-Filho
  G. C. Silva-Oliveira
Aldemir Branco de Oliveira Filho
               Gláucia Caroline Silva de Oliveira




CONHECENDO E APRENDENDO A DIZER NÃO AS DROGAS PSICOTRÓPICAS




                           1a Edição




                         Breves, Pará
                            2011
FICHA CATALOGRÁFICA
                       Dados Internacionais de Catalogação-na-Publicação (CIP)
        Campus Universitário do Marajó-Breves/UFPA – Biblioteca Prof. Ricardo Teixeira de Barros
               Ficha catalográfica elaborada por: Letícia da Costa Borges (CRB-2: 1162)




    O48c Oliveira Filho, Aldemir Branco de
         Conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicas/ Aldemir Branco de
         Oliveira Filho; Gláucia Caroline Silva de Oliveira. Breves: [G.C. Silva de
         Oliveira], 2011.
         52p, il.

            Inclui bibliografias.
            ISBN: 978-85-910301-2-5

            1. Adolescência e drogas. 2.Drogas – conscientização e prevenção. 3.Educação –
            drogas I. Título.

                                                                         CDD 22.ed. - 616




                                            EXPEDIENTE

Título: Conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicas.
Autoria: Aldemir Branco de Oliveira Filho, Gláucia Caroline Silva de Oliveira.
Capa e Diagramação: José Ribeiro da Silva Junior.
Revisão: Rosa Helena Sousa de Oliveira.
Organização: José Ribeiro da Silva Junior e Rosa Helena Sousa de Oliveira.
Colaboração: Aline Lopes de Oliveira, Gláucia Galúcio Santana, Luciene da Silva Gomes, Luziane
              Azevedo Chaves, Maria Regina Farias Machado, Mariane Machado Brito, Marilene
              Machado Brito, Sara Otoni Sales do Carmo e Suelane Cristina Tavares da Costa.
Apoio: Programa de Apoio a Projetos de Intervenção Metodológica da Universidade Federal do Pará
        (PAPIM: 1780788029/2011) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e
        Tecnológico (CNPQ: 141928/2008-5).
Apresentação


      A
                parentemente, a maioria das pessoas está ciente dos
                numerosos problemas de saúde, econômicos, psicológicos,
                sociais e outros associados ao uso de drogas psicotrópicas.
Entretanto, muitas delas desconhecem os conceitos, as classificações, os
mecanismos de atuação e os verdadeiros efeitos ocasionados pelas drogas
psicotrópicas. A primeira parte deste livro vai abordar de forma
correlacionada os assuntos adolescência e drogas, sendo introduzidos
princípios básicos para compreensão das drogas psicotrópicas e de suas ações
no organismo. Uma vez apresentado esse conhecimento, a segunda parte
deste livro disponibiliza jogos que podem facilitar o processo de transmissão
e construção do conhecimento sobre drogas, a ser abordado com crianças,
jovens e adultos. Desse modo, este livro é uma proposta de ferramenta
alternativa para abordagem simples e didática da temática “drogas” e suas
ações, em especial visa contribuir de forma lúdica para o processo de
conscientização e prevenção ao uso de drogas psicotrópicas. Por fim,
“Conhecendo e Aprendendo a Dizer Não as Drogas Psicotrópicas” integra as
atividades desenvolvidas pelo projeto de intervenção metodológica
“Conhecendo e Aprendendo a Dizer Não as Drogas” que tem como objetivo
atualizar futuros e atuais pais e professores sobre diversos aspectos
relacionados à dependência química através da transmissão de conhecimento
específico de forma humanizada, lúdica e dinâmica.
SUMÁRIO

As drogas psicotrópicas e a sociedade ........................................................5
A adolescência .............................................................................................6
Adolescência e suas características ............................................................7
Adolescência: proteção e risco ....................................................................8
O que significa os termos droga, tóxico e entorpecente? ........................9
Termos importantes para compreensão do uso de drogas .........................10
Modalidades de uso de drogas ...................................................................11
O que são drogas lícitas e ilícitas? ..............................................................12
O que são drogas psíquicas ou psicotrópicas? ...........................................13
Como as drogas psicotrópicas atuam no organismo? ................................14
Como as drogas psicotrópicas causam dependência? ...............................15
Como atua o álcool no organismo humano? ...............................................16
Como a nicotina atua no organismo humano? ............................................17
Como a maconha atua no organismo humano? ..........................................18
Como a cocaína atua no organismo humano? ............................................19
Como identificar um possível usuário de droga psicotrópica? .....................20
Como intervir no processo de uso de droga psicotrópica? ..........................21
Ênfase no tratamento ...................................................................................22
Conclusão......................................................................................................23
Acompanhamento e tratamento de dependência química no Pará ..............24
Referências bibliográficas .............................................................................25
Memorizando danos causados pelas drogas psicotrópicas .........................28
Desembaralhando as drogas psicotrópicas ..................................................34
Entendendo e saindo da trilha das drogas psicotrópicas ............................41
As Drogas Psicotrópicas e a Sociedade




D
         esde períodos remotos da civilização humana, os homens
         modificam suas percepções e sensações através do uso de drogas
         psicotrópicas. Na antiguidade, as sociedades utilizavam produtos
extraídos da natureza em ocasiões sociais e religiosas. Nos séculos XVIII
e XIX, o uso de drogas psicotrópicas pela sociedade passou a ter novas
utilidades: busca do prazer individual e coletivo, alívio dos desconfortos
físicos e sofrimento emocionais. Atualmente, a relação entre a sociedade
e as drogas psicotrópicas é complexa, envolvendo aspectos biológicos,
sociais, culturais e éticos. De acordo com o Ministério da Saúde, alguns
aspectos devem necessariamente a uma reflexão ao uso de drogas na
sociedade contemporânea:



¢ Banalização do uso de drogas na sociedade;


¢ Ambiguidade social que criminaliza algumas drogas e legaliza outras;


¢ Argumentos racionais e simplistas que não valorizam o uso de drogas
   como um sintoma de questões emocionais e afetivas entre os membros
   da família;

¢ Informações e posições contraditórias entre os profissionais, que
   expressam um reflexo de sua formação e experiência.




                                                                         5
Adolescência
A
          adolescência é o período do desenvolvimento
         humano caracterizado por transformações
         anatômicas, fisiológicas, psicológicas e sociais. É um
momento marcado por aprendizados e descobertas, bem
como, pelo questionamento dos valores familiares e sociais
(éticos, morais e culturais). A maioria dos adolescentes
atravessa este período sem traumas, alguns permanecem
com sequelas temporárias ou permanentes.



                                                                  6
A      dolescência
               e suas ic a




                                          s
             car acteríst

O
          adolescente procura conquistar seu espaço
          compartilhando suas experiências com
          outros adolescentes, expressando seus
sentimentos e principalmente confrontando suas
idéias com os adultos que o cercam. Insere-se no meio
social sob uma nova condição, diferente daquela da
infância, mas não necessariamente com rebeldia e
problemas. O adolescente transfere ao grupo grande
parte da dependência que antes mantinha com a
família. Vale ressaltar que a droga poderá ser um dos
fatores que concorre para a sua aceitação no grupo.




                                                        7
Adolescência: Proteção e Risco


O     s adolescentes, ao mesmo tempo em que querem
      liberdade e autonomia, sentem necessidade de afeto e
proteção dos adultos. A adolescência caracteriza-se, em geral,
como uma fase de insegurança camuflada com aparente
certeza, fortaleza, agressividade e transgressão. As
experiências de vida ocorrem com grande intensidade,
podendo haver a adoção de comportamentos que aumentam os
riscos a que estão expostos. Estas vivências, algumas vezes
importantes para o amadurecimento, podem levar a
consequências desastrosas.
Os fatores de proteção são recursos pessoais ou sociais que
atenuam ou neutralizam o impacto do risco. Estimulam o senso
crítico, delimitam referências e limites. Contribuem para
diminuir a probabilidade da ocorrência do uso de drogas.
Os fatores de risco são situações ambientais, sociais e
familiares que favorecem o desempenho de um determinado
efeito ou comportamento indesejado. Expõem os adolescentes
a situações de perigo. Aumentam a probabilidade de
ocorrência de uso de drogas.




                                                                 8
DROGAS
            São todas as substâncias, naturais ou
            sintéticas, que agem no organismo modificando
            uma ou mais funções. Exemplo de drogas:
            medicamentos em geral (analgésicos,
            antitérmicos, antibióticos e outros), nicotina,
            bebidas alcoólicas, solventes, maconha, cocaína,
            heroína, etc.



                             TÓXICOS
         São substâncias simples ou compostas, de
            origem mineral, vegetal ou animal, naturais
                 ou sintéticas, que intoxicam ou
    O que          envenenam o organismo, podendo
 significa os       ocasionar a morte, em casos
                     extremos . Exemplo de tóxicos:
termos Droga, a c e t o n a , a m ô n i a , b e b i d a s
   Tóxico e          alcoólicas, drogas em geral, soda
                     cáustica, alimentos vencidos e/ou
Entorpecente? contaminados, etc.


                       ENTORPECENTES
              São substâncias simples ou compostas,
              naturais ou sintéticas, que produzem
              sensação de torpor, isto é, inatividade ou
              redução significativa da atividade física e
              mental. Exemplos de entorpecentes:
              tranquilizantes, anestésicos, soníferos,
              ópio, cocaína, morfina, heroína, codeína,
              álcool, barbitúricos, etc.
                                                            9
Importantes para Compreensão
  Termos                 da Drogadição
                             .

A     drogadição é o termo
     genérico criado para
compreender qualquer e
                             Abuso
                             É definido como todo consumo de droga
                             que causa dano físico, psicológico,
toda modalidade de adição    econômico, legal ou social ao usuário ou
bioquímica por parte de um   àqueles afetados pelo seu
ser humano ou a alguma       comportamento.
droga ou à superveniente
interação entre drogas,      Intoxicação
causada ou precipitada por   Caracteriza-se por mudanças no
complexo de fatores          funcionamento fisiológico, psicológico,
genéticos, farmacológicos    afetivo e cognitivo como consequência
e sociais, incluídos os      do consumo excessivo de drogas.
econômico-políticos. Para
isso, alguns termos são      Abstinência
frequentemente utilizados    É o conjunto de sintomas (vômitos,
pela sociedade e na          tremores, dor, etc) decorrente da
literatura relacionada a     redução ou suspensão brusca da droga.
drogadição
                             Tolerância
                             É a necessidade de aumentar a
                             quantidade da droga para obter os
                             mesmos efeitos.

                             Dependência
                             É um estado emocional e/ou físico
                             caracterizado pela necessidade
                             urgente da droga, seja pelo seu efeito
                             positivo ou para evitar o efeito
                             negativo associado a sua ausência.
                             A dependência não é caracterizada
                             pelo tipo de droga consumida, mas sim,
                             pelo vínculo que o sujeito estabelece
                             com a substância.




                                                                  10
odalidades de
M    Uso de Drogas


        De acordo com a forma de contato
         com as drogas, os usuários podem
        ser agrupados da seguinte maneira:




1 Nunca utilizaram;

2 Experimentaram;

  Experimentaram em associação
3
  com fatores de risco;

4 Fazem uso abusivo;

5 São dependentes.




                                             11
A
                                 s drogas podem ser
      Que                        agrupadas em dois

O        São
       Drogas
                                 grandes grupos, não por
                                 suas características, mas
                          segundo as convenções e
Lícitas      e
                          exigências legais e sociais. As
                           drogas lícitas são substâncias
   Ilícitas?               que legalmente podem ser
                           produzidas, transportadas e/ou
                          comercializadas, praticamente
                         de maneira livre.
     As drogas ilícitas são substâncias que legalmente não
     podem ser produzidas, transportadas e/ou
     comercializadas. Popularmente, as drogas ilícitas são
     conhecidas como “drogas pesadas”. A classificação
     das drogas em lícitas e ilícitas é temporal e
     geograficamente determinada. Por exemplo: No
     Brasil, a maconha é considerada uma droga ilícita.
     Entretanto, a maconha é considerada uma droga
     lícita na Holanda e em algumas cidades dos Estados
     Unidos e Canadá. Independente da permissão legal
     e/ou social, as drogas lícitas e ilícitas causam
     dependência química.



                        LSD



       ha
 a con
M
                                             Tab
                                                aco
                                    LSD


                     Ma
                  con
                ha

                                           co    a
                                             Tab
                                                             12
O Que São Drogas Psíquicas ou Psicotrópicas?




                                              As drogas
                                            estimulantes
                                         provocam o aumento
                                             da atividade
                                         cerebral, excitando
                                           os reflexos e o
                                            desempenho.
                                         Exemplos: cocaína e
                                           seus derivados,
                                          nicotina, cafeína,
                                             xantina, etc.

Drogas depressoras diminuem a atividade do sistema nervoso
central, causando depressão respiratória, diminuição da
temperatura corporal e indução do sono. Exemplos: bebidas
alcoólicas, solventes, inalantes, opióides, etc.
Drogas perturbadoras provocam alterações no funcionamento
cerebral, em especial alterações sensoriais e de percepção da
realidade. Exemplos: maconha, LSD, Ayhuasca, etc.




                                                            13
Como As Drogas Psicotrópicas
Atuam No Organismo?
     O cérebro é a principal parte do
sistema nervoso central. As funções do
organismo são controladas por
determinadas regiões do cérebro. Uma
mesma região cerebral pode estar
envolvida no controle de mais de uma
função no organismo. Os neurônios são
células que veiculam as informações
entre cérebro e as outras parte do
organismo. A comunicação entre dois
neurônios ocorre via sinais químicos, os
neurotransmissores. As drogas simulam substâncias químicas naturais
do organismo – os neurotransmissores, como resultado as drogas
podem imitar ou impedir a ação dos neurotransmissores aos quais se
assemelham.
     As drogas interagem com as células através de estruturas
especializadas para funções regulares – os receptores localizados nas
membranas celulares. Os receptores são conectados a outras
estruturas celulares que são importantes para as funções celulares. As
células diferem em tipo e número de receptores, de acordo com o tipo
de tecido e meio ambiente a que pertencem. Portanto, a possibilidade
de uma droga causar um efeito em uma célula em particular é
determinada pela presença ou ausência de receptores adequados.
                  A intensidade do efeito é influenciada
                 pelo número de receptores, assim como




     ?
                   pela quantidade existente da droga.




                                                                         14
Como as drogas psicotrópicas
       causam dependência?


A base neurobiológica            Todas as drogas de abuso,
responsável pelo                 (...), atuam no circuito de
desenvolvimento da                  recompensa cerebral,
dependência de drogas é o        podendo levar o usuário a
sistema de recompensa do        buscar repetidamente essa
sistema nervoso central.             sensação de prazer.
No sistema límbico (área
cerebral relacionada ao comportamento emocional), encontra-
se uma região relacionada à sensação de prazer, chamada
circuito de recompensa cerebral. A função natural do circuito
de recompensa é dar aos humanos uma razão ou uma recompensa
como um prazer intenso para realizar várias atividades, como:
alimentação, atividade física e sexual. Estudos com animais
demonstram que estímulos elétricos nestas regiões provocam
sensações de prazer e levam a repetidas tentativas de
estimulação. Todas as drogas de abuso, direta ou
indiretamente, atuam no circuito de recompensa cerebral,pode
ndo levar o usuário a buscar repetidamente
essa sensação de prazer.




                                                                15
Como Atua O Álcool no Organismo Humano?




 P   rovavelmente, o álcool seja a
     droga (depressora) mais
     antiga usada pelos humanos. O
     álcool é uma substância
 presente em vegetais como a cana-
                                       ALCOOL




 de-açúcar, uva e cevada, geralmente
 consumido sob a forma de bebida.

 Assim como outras drogas que
 causam dependência, o álcool
 reforça o seu próprio consumo
 através da ativação do circuito de
 recompensa. O consumo repetido de álcool pode induzir à
 tolerância, o que significa que a quantidade necessária
 para produzir o efeito desejado tem que ser aumentada
 progressivamente aumentada.

 As propriedades químicas do álcool permitem que ele
 seja facilmente absorvido do estômago para a corrente
 sanguínea. O álcool reduz a função cerebral
 proporcionalmente à sua concentração no sangue, desse
 modo a sua concentração no organismo pode ser
 facilmente diagnosticada. O consumo de álcool ocasiona
 dificuldade de discernimento, dependência física, lesão
 de órgãos (estômago, fígado e cérebro), elevada pressão
 sanguínea, agravamento de problemas médicos, etc.




                                                           16
Como Atua a Nicotina no Organismo Humano?




  A         nicotina é uma droga
         estimulante encontrada nas
         plantas da espécie
         Nicotiana. Ela é consumida
  através de cigarro, charuto e fumo
  de rolo. A nicotina afeta os
  principais sistemas do corpo, mas é usada
  principalmente pelos seus efeitos estimulantes
  sobre o SNC, ocasionando prazer, aumento da
  vivacidade, diminuição da ansiedade e de
  apetite. Além disso, a nicotina induz efeitos no
  sistema nervoso periférico, como aumento da
  velocidade e da potência do coração, aumento do tônus dos
  vasos sanguíneos, ocasionando a diminuição do fluxo
  sangüíneo e o aumento da pressão sanguínea.
  A nicotina age sobre os receptores de acetilcolina,
  bloqueando-os por longo período, ocasionando a liberação de
  vários outros neurotransmissores. A nicotina aumenta a
  quantidade do neurotransmissor dopamina e reforça o seu
  próprio consumo. A exposição contínua à nicotina fumada
  causa tolerância, o que pode ocasionar: enfisema pulmonar,
  trombose, aumento da pressão sanguínea, impotência sexual,
  derrames, aumento dos níveis de lipídios na circulação
  sanguínea, arteriosclerose, etc.




                                                                17
Como atua maconha no organismo humano?




 M        aconha, marijuana, cânhamo ou suruma referem-se as
          drogas psicoativas derivadas da planta Cannabis sativa.
          O principal composto químico psicoativo presente na
          maconha é o zΔ9-tetrahidrocanabinol, comumente
 conhecido como THC.
 O THC produz tantos efeitos
 diferentes que é difícil classificá-lo
 adequadamente de outra forma que
 não uma droga psicoativa única que
 afeta consideravelmente a mente
 e o comportamento. O THC pode
 ser absorvido oralmente ou pelos
 pulmões inalando sua fumaça. Os
 efeitos do THC ocorrem através de
 receptores específicos para THC. Em
 níveis baixos de THC, o sistema nervoso
 central sofre uma suave inibição. Em doses
 elevadas, o THC causa alucinações e percepções intensificadas,
 especialmente da visão e da audição. A diminuição da
 coordenação, a falta de habilidade para realizar múltiplas
 tarefas, interferência na memória são efeitos comuns em
 usuários de maconha.




                                                                    18
Como atua a cocaína no organismo?




A       cocaína é obtida do vegetal Erythroxylum coca. Ela pode
       ser consumida por aspiração
       nasal, via injetável ou
       fumada. Desse modo, a
cocaína pode ser encontrada nos
                                         A cocaína é uma droga
                                          estimulante que afeta
                                          consideravelmente o
formatos de pó, pedra, pasta e em       sistema nervoso central,
solução injetável. A cocaína é uma       independentemente da
droga estimulante que afeta                forma como é usada.
consideravelmente o sistema
nervoso central, independentemente
da forma como é usada.

A cocaína aumenta consideravelmente a quantidade do
neurotransmissor dopamina no circuito de recompensa
cerebral, causando um intenso prazer e reforçando a sua
ingestão. O aumento da vivacidade e dos movimentos, os
pensamentos alterados e a supressão do apetite também são
efeitos ocasionados da cocaína no sistema nervoso central.Por
fim, a cocaína pode inibir os neurônios periféricos que
transmitem sinais de dor, causando efeito de entorpecimento
ou anestesia local.




                                                                   19
                      crack (cocaína em pedra)
Como Identificar um Possível
Usuário de Droga Psicotrópica?

                   Segundo o Ministério da Saúde,
               podemos utilizar as seguintes dicas para
                identificar a possibilidade de consumo
                   abusivo de drogas psicotrópicas:



    -Modificações de interesse nas atividades de rotina –
1   na escola, no lazer e em casa;

    -Mudança de comportamento nos hábitos de comer e
2   dormir;

    -Alterações na personalidade – isso pode se
3   manifestar na mudança de humor – por exemplo:
    brigas frequentes com amigos e familiares;


4   -Sinais e sintomas de depressão;


5   -Conflito com a lei;


6   -Desaparecimento de objetos de valor na residência.




                                                            20
Como Intervir no Processo de
       Uso de Droga Psicotrópica?

               Segundo o Ministério da Saúde,
             podemos intervir no processo de uso
                  de drogas psicotrópicas:


-Reconhecendo as diferencas entre o usuario, a pessoa em uso
                             ̧                ́
indevido, o dependente e o traficante de drogas, tratando-os de forma
diferenciada;
-Fornecendo informações sobre o uso de drogas psicotrópicas;

-Criando vínculo com o usuário;

-Incentivando atividades de promoção de saúde;
-Tratar de forma igualitaria, sem discriminacao, as pessoas usuarias ou
                           ́                 ̧ ̃                ́
dependentes de drogas licitas ou ilicitas;
                         ́          ́
-Favorecendo troca de experiências;

-Desenvolvendo atividades de prevenção de agravos;

-Estabelecendo parcerias na rede social;

-Disponibilizando recursos institucionais;

-Facilitando o acesso ao serviço de saúde;

-Discutindo as possibilidades de adesão ao tratamento;

-Estimulando e contribuindo para a melhoria da qualidade de vida.




                                                                     21
Ênfase no tratamento


               Segundo o Ministério da Saúde,
                  a ênfase ao tratamento
                    pode ser detectada:




1    -Distinguindo o uso abusivo dos demais;


     -Discernindo os problemas relacionados ao uso de
2    drogas dos conflitos próprios da adolescência;


3    -Diagnosticando quadros de abstinência;


4    -Identificando os principais transtornos (ansiedade,




                O encaminhamento do usuário
                de drogas psicotrópicas para
                 atendimento especializado
                 deve ser realizado sempre
                     quando necessário.



                                                            22
Conclusão




O
           uso de drogas psicotrópicas lícitas e
         ilícitas por crianças e adolescentes tem
         se tornado uma ação cada vez mais
comum. Apesar de pais, professores e amigos
tentarem conscientizarem e prevenirem crianças e
adolescentes sobre as problemáticas relacionadas
ao uso de drogas psicotrópicas, diversos estudos
epidemiológicos têm apontado o crescimento
gradativo do consumo de drogas psicotrópicas na
população, especialmente entre os jovens. Sendo
assim, há necessidade de definição de uma política
de atenção, bem como, trazer à tona a discussão
das leis que controlam o uso e o comércio de drogas
psicotrópicas. Além disso, é de importância
fundamental a capacitação dos educadores e de
outros profissionais que atendem sobre as
percepções dos usuários, as experiências de
redução de danos, o problema de crianças e
adolescentes que utilizam drogas psicotrópicas.




                                                      23
Acompanhamento e Tratamento de
      Dependência Química no Pará.

      Com o intuito de possibilitar o direito de receber tratamento adequado a toda
pessoa com problemas decorrentes do uso indevido de drogas psicotrópicas, segue
abaixo uma lista de instituições governamentais e não-governamentais de
acompanhamento e tratamento de dependência química no estado do Pará (código: 91),
norte do Brasil.

Associação Mãos Que Se Unem Para Todos (Ananindeua). Telefone: 3263-5303.
Associação Fazenda Embrião (Castanhal). Telefones: 3721-1593, 3721-3441.
Associação Pão da Vida (Benevides). Telefone: 3251-7881, 8120-9428.
Centro de Cuidados a Dependentes Químicos (Belém). Telefones: 3231-4443, 3231-1481.
Centro de Prevenção e Tratamento em Dependência Química (Aznanindeua). Telefone: 3263-1309.
Centro de Recuperação Vida e Esperança (Marituba).
Telefones: 3235-6776, 9115-2396, 3231-9863, 3286-2824.
Centro Nova Vida (Ananindeua). Telefone: 3229-3600.
Centro Terapêutico Ressurreição (Castanhal). Telefone: 8137-0271.
Comunidade Fraterna O Caminho (Benevides). Telefone: 3222-7673, 9169-5481.
Comunidade Terapêutica da Amazônia (Vigia). Telefones: 3229-1776, 9146-2051.
Comunidade Terapêutica SOS Vida (Belém).
Telefone: 3267-8098, 9114-5006, 8115-2668, 8204-9262, 9915-4051.
Fazenda da Esperança Dom Ângelo Frozzi (Abaetetuba). Telefone: 9162-0050.
Fazenda da Esperança Dom Eliseu (Bragança).
Telefone: 3425-1108, 3425-2018, 8827-7666.
Sítio Boa Morada (Ananindeua). Telefones: 3237-0107, 9912-1112.


      Para mais informações de outros centros de aconselhamento, acompanhamento e
tratamento para dependência química no estado do Pará, entre em contato com o
Comitê das Organizações Não-Governamentais Antidrogas do Pará (CONGAD/PA)
pelos telefones: 3285-0498, 8281-1289 e 8128-1289.




                                                                                        24
Referências Bibliográficas


Abramovay M, Castro MG. Drogas na escola: versão resumida. Endereço eletrônico:
   http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001393/139387por.pdf. Acessado em
   8 de junho de 2011.
Ayres JRCM, Franca Junior I, Calazans GJ. O conceito de vulnerabilidade e as
                       ̧   ́
   praticas de saude: novas perspectivas e desafios. In: Czeresnia D, Freitas CM,
        ́          ́
   organizadores. Promocao da saude: conceitos, reflexoes, tendencias. Rio de
                             ̧ ̃           ́                ̃           ̂
  Janeiro: Editora Fiocruz; 2003; 117-139.
Carlini EA, Nappo SA, Galduróz JCF, Noto AR. Psychotrophics drugs – what they are
  and how they act. Revista IMESC 2001; 3: 9-35.
Centro Brasileiro de Informacoes sobre Drogas Psicotropicas. V levantamento
                                     ̧ ̃                      ́
  nacional sobre o consumo de drogas entre estudantes do ensino fundamental e
  medio da rede publica de ensino nas 27 capitais brasileiras – 2004. Endereço
      ́                  ́
  eletrônico:http://www.unifesp.br/dpsicobio/cebrid/levantamento_brasil2/inde
  x.htm. Acessado em 10 de junho de 2011.
Conselho Regional de Psicologia, Rio de Janeiro. Drogadição e psicologia: abordagens
  e intervenções possíveis. Jornal do Conselho Regional de Psicologia 6:1-20.
  Endereço eletrônico: http://www.crprj.org.br. Acessado em 27 de novembro de
  2010.
Coordenacao Geral de Doencas e Agravos Nao Transmissiveis, Secretaria de
            ̧ ̃                    ̧              ̃             ́
  Vigilancia em Saude, Ministerio da Saude. Pesquisa Nacional de Saude do Escolar –
          ̂          ́           ́           ́                        ́
  PeNSE. Brasilia: Ministerio da Saude; 2006.
                ́              ́         ́
Denadai RC, Fisberg M, Medeiros HGR. Cocaína e crack: o adolescente e o risco das
  drogas. Pediatria Moderna 2000; 36:7-13.
Ferreira PEM, Martini RK. Cocaína: lendas, história e abuso. Revista Brasileira de
  Psiquiatria 2001; 23: 96-99.
Figueiredo RMMD. Prevenção ao abuso de drogas em ações de saúde e educação.
  Endereço eletrônico: http://www.usp.br/nepaids/pdfs/drogas-as.pdf. Acessado
  em 07 de março de 2011.
Godoy CE, Oliveira AD, Chimaso R. Baralho Celular. Endereço eletrônico:
  http://genoma.ib.usp.br/educacao/materiais_didaticos_jogos_Baralho_Celular.
  html. Acessado em 20 de novembro de 2010.
Jerusalinsky A. Adolescência e contemporaneidade. In: Mello A, Castro ALS, Geiger
  M, organizadores. Conversando sobre adolescência e contemporaneidade. Porto
  Alegre: Editora Libretos; 2004. 54-65.
Longenecker GL. Drogas: ações e reações. Coleção Ciências. São Paulo: Editora
  Market Books; 2002.
Ministério da Saúde, Brasil. Drogadição. Endereço eletrônico:
  http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/multimedia/adolescente/drogas2.sw
  f. Acessado em 28 de julho de 2011.
                                                                                  25
Organização das Nações Unidas: Escritório contra drogas e crime. Drogas: você
  conhece os riscos?        Endereço eletrônico:                                    :
  www.unodc.org/pdf/brazil/drogas_ebook.pdf. Acessado em 23 de fevereiro de
  2011.
Organização Mundial da Saúde. Neurociência de consumo e dependência a
  substâncias psicoativas. Endereço eletrônico:                                     :
  http://www.who.int/substance_abuse/publications/en/Neuroscience_P.pdf
Organização Mundial de Saúde. Visão geral da saúde da criança e do adolescente:
  saúde e desenvolvimento dos adolescentes. Endereço eletrônico:
  http://www.who.int/child-adolescent-health/OVERVIEW/AHD/adh_over.htm.
  Acessado em 8 de junho de 2011.
Saito MI. Adolescência, cultura, vulnerabilidade e risco. Pediatria 2000; 22:217-
  219.
Tedesco S. Adolescencia e drogas: algumas indicacoes eticas e politicas. In: Mello A,
                    ̂                            ̧ ̃   ́          ́
  Castro ALS, Geiger M, organizadores. Conversando sobre adolescencia e       ̂
  contemporaneidade. Porto Alegre: Editora Libretos 2004; 106-111.
Vieira PC, Aerts DRGC, Freddo SL, Bittencourt A, Monteiro L. Uso de álcool, tabaco e
  outras drogas por adolescentes escolares em município do Sul do Brasil. Cadernos
  de Saude Publica 2008; 24:2487-2498.
         ́     ́
Paes MF, Paresque R. Jogo da memória: Onde está o gene? Genética na Escola 2009;
  4: 23-29.




                                                                                   26
F      acilmente, o conhecimento pode ser
       convertido em um brinquedo, desde
       que seus olhos estejam determinados
a vê-los e assim, como um passe de mágica,
os jogos surgem e se transformam em
ferramentas divertidas e práticas de
transmissão do conhecimento, melhorando
o acesso e proporcionando uma
aprendizagem mais significativa.


Neste livro, além de informações sobre
drogas psicotrópicas, você encontrará jogos
didáticos. Para fabricá-los, você precisará de
materiais simples e poderá também adaptá-
los, de acordo com a sua criatividade. Olhe,
aprenda, compartilhe e divirta-se. Bons
jogos!




                                                 27
MEMORIZANDO DANOS CAUSADOS
PELAS DROGAS PSICOTRÓPICAS



PREPARANDO O JOGO:

1. Material necessário: Quatro páginas de cartolina em cores
distintas, quatro páginas de papel tamanho A4, impressora com
tintas coloridas, um tubo de cola branca e uma tesoura.

2. Número de cartas: 32 (trinta e duas), sendo oito cartas para cada
grupo distinto (nome, imagem, dano físico e dano psíquico).

3. Preparando cartas: Imprima as quatro páginas contendo as cartas
do jogo. As cartas com borda de cor azul possuem os nomes das
drogas lícitas e ilícitas, recorte-as, cole-as numa cartolina (sugestão
de cor: azul). As cartas com bordas de cor amarela possuem as
imagens das drogas lícitas e ilícitas (http://images.google.com.br),
recorte-as e cole-as numa cartolina (sugestão de cor: amarela). As
cartas com bordas de cor verde apresentam os danos físicos causados
pela experimentação e consumo abusivo de drogas lícitas e ilícitas,
recorte-as e cole-as numa cartolina (sugestão de cor: verde). As
cartas com bordas de cor vermelha apresentam os danos psíquicos
causados pela experimentação e consumo abusivo de drogas lícitas e
ilícitas, recorte-as e cole-as numa cartolina (sugestão de cor:
vermelha). Por fim, recorte cada carta das quatro diferentes
cartolinas com cuidado de deixá-las em tamanho semelhante. Outro
material alternativo a cartolina poderá ser utilizado para dá maior
resistência as cartas, exemplos: papel cartão, papelão ou E.V.A.

NÚMERO DE JOGADORES: dois a quatro.




                                                                          28
COMO SE JOGA?

1. Inicialmente, as cartas com as mesmas cores deverão ser
  embaralhadas e dispostas, com a imagem ou texto virados para
  baixo, numa coluna. Ao final, teremos quatro colunas de cartas,
  uma para cada cor (azul, amarela, vermelha e verde) e uma ao lado
  da outra.

2. O objetivo de cada jogada é associar o nome (carta azul), a imagem
   (carta amarela), o dano físico (carta verde) e o dano psíquico (carta
   vermelha) causado por determinada droga psicotrópica.

3. Uma jogada consiste em virar uma carta azul, depois uma carta
  amarela, em seguida uma carta verde e, por fim, uma carta
  vermelha. Todos os jogadores deverão visualizar as cartas que
  forem viradas. Se as cartas viradas forem correspondentes, o
  jogador formará uma coleção de quatro cartas relacionas entre si
  (nome, imagem, dano físico e dano psíquico de uma droga), que
  deverá ser guardada pelo mesmo.

4. Se as quatro cartas viradas não formarem correspondências, a
  jogada é finalizada. Em seguida, as cartas são recolocadas em seus
  lugares, com a figura ou o texto virado para baixo. Todos os
  jogadores deverão ficar atentos nas cartas que são viradas e
  recolocadas nas colunas.

5. O jogo termina quando se formar todas as coleções de cartas
  correspondentes. Ganha o jogador que acumular mais coleções.


    Além de oferecer uma oportunidade para pais e filhos ou
   professores e alunos conversarem sobre as problemáticas
       relacionadas ao uso de drogas psicotrópicas, o jogo
 “Memorizando danos causados pelas drogas psicotrópicas” visa
    auxiliar de forma lúdica no processo de conscientização e
prevenção ao uso de drogas psicotrópicas através da estimulação
  do raciocínio, do estudo fora do ambiente da sala de aula e da
                 integração entre os participantes.


                                                                           29
CARTAS: NOMES DE DROGAS PSICOTRÓPICAS




                                        30
CARTAS: IMAGENS DE DROGAS PSICOTRÓPICAS




                                          31
CARTAS: DANOS FÍSICOS CAUSADOS POR DROGAS PSICOTRÓPICAS




                                                          32
CARTAS: DANOS PSÍQUICOS CAUSADOS POR DROGAS PSICOTRÓPICAS




                                                            33
DESEMBARALHANDO AS DROGAS PSICOTRÓPICAS: CONCEITOS,
CLASSIFICAÇÕES E EFEITOS.

PREPARANDO O JOGO:

1. Material necessário: Duas páginas de cartolina (sugestão de cor:
  branca), cinco páginas de papel tamanho A4, impressora com
  tintas, um tubo de cola branca e uma tesoura.

2. Número de cartas: 50 (cinquenta), sendo 10 (dez) para cada grupo
   distinto (nome, imagem, classificação de acordo com exigências
   legais, classificação de acordo com modificação na atividade
   psíquica e comportamental, e efeito psicotrópico).

3. Preparando cartas: Imprima as cinco páginas contendo as cartas
   do jogo, recorte-as e cole-as na cartolina. Por fim, recorte cada
   carta da cartolina com cuidado de deixá-las em tamanho
  semelhante. Outro material alternativo a cartolina poderá ser
  utilizado para dá maior resistência as cartas, exemplos: papel
  cartão, papelão ou E.V.A.

NÚMERO DE JOGADORES: quatro a dez.

COMO SE JOGA?

1. Inicialmente, separa-se o número de conjuntos de cartas
  correspondente ao numero de jogadores. Por exemplo: se houver
  quatro jovens para jogar, inicialmente deverão ser separados
  quatro conjuntos de cartas referentes a quatro drogas.

2. Embaralhe as cartas que serão utilizadas para o jogo (seleção de
  acordo com as instruções do item 1) e distribua cinco cartas para
  cada jogador.

3. Cada jogador deve manter as cartas na sua mão de forma a
  ocultá–las dos adversários. Cada jogador opta por tentar reunir o
  conjunto de cartas referentes a uma droga, de sua própria escolha.



                                                                       34
4. Em cada rodada, cada jogador deverá passar uma de suas cartas
  para o jogador à sua esquerda. Todos os jogadores deverão passar
  suas cartas simultaneamente. Dessa forma, a carta recebida só
  pode ser passada adiante na rodada seguinte.

5. O desafio do jogador é conseguir, antes dos demais jogadores, um
   conjunto de cinco cartas relacionadas a uma determinada droga.
   Por outro lado, o enigma está no fato dos estudantes não terem
   conhecimento da escolha do conjunto referente a uma
   determinada droga feita pelo adversário. Ganha o jogo o jogador
   que reunir primeiro o conjunto de cinco cartas referente a uma
   determinada droga.



     Além de oferecer uma oportunidade para pais e filhos ou
professores e alunos conversarem e visualizarem os conceitos, as
classificações e os efeitos de distintas drogas psicotrópicas, o jogo
 “Desembaralhando as drogas: conceitos, classificações e efeitos”
      visa também contribuir para o surgimento de questões
  relacionadas ao uso de drogas em ambiente seguro, favorável e
             pertinente a discussões sobre tal temática.




                                                                        35
CARTAS: NOME DE DROGAS PSICOTRÓPICAS




                                       36
CARTAS: IMAGENS DE DROGAS PSICOTRÓPICAS




                                          37
CARTAS: CLASSIFICAÇÃO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS DE ACORDO COM EXIGÊNCIAS LEGAIS BRASILEIRAS




                                                                                            38
CARTAS: CLASSIFICAÇÃO DE DROGAS DE ACORDO COM MODIFICAÇÃO NA ATIVIDADE PSÍQUICA E COMPORTAMENTAL




                                                                                                   39
CARTAS: EFEITOS DE DROGAS PSICOTRÓPICAS




                                          40
ENTENDENDO E SAINDO DA TRILHA DAS DROGAS PSICOTRÓPICAS

PREPARANDO O JOGO:

1. Material necessário: Três páginas de cartolina (sugestão de cor:
branca), três canetas de tinta porosa de cores diferentes, nove páginas
de papel tamanho A4, impressora com tintas, um tubo de cola branca,
uma tesoura e quatro tampas brancas de garrafa de água mineral. Outro
material alternativo a cartolina poderá ser utilizado para dá maior
resistência as cartas e ao tabuleiro (exemplos: papel cartão, papelão ou
E.V.A), assim como outros objetos poderão representar os pinos do
jogo.

2. Conteúdo do jogo: um tabuleiro, quarenta cartas, quatro pinos, um
dado e uma lista de perguntas e respostas relacionadas ao tema
“drogas”.

3. Preparando tabuleiro: Imprima as duas páginas contendo o esquema
do tabuleiro. Cole o esquema um na cartolina e, em seguida, cole uma
parte do esquema dois sobre a extremidade do esquema um (área
indicada) e o restante sobre a cartolina.

4. Preparando cartas: Imprima as quatro páginas contendo as cartas do
jogo, recorte-as e cole-as na cartolina. Por fim, recorte cada carta da
cartolina com cuidado de deixá-las em tamanho semelhante.

5. Preparando o dado e os pinos. Imprima a página contendo o esquema
para construção do dado. Seguindo a linha tracejada, recorte o esquema
e cole suas extremidades. Por outro lado, os pinos do jogo serão
representados pelas tampas de garrafa diferenciadas por cores. Dentre
as quatro tampas, uma tampa não será pintada, constituindo um pino
da cor branca. Já as outras três tampas, cada qual será pintada com uma
caneta porosa de cor diferente (sugestão de cores: azul, vermelho e
verde), constituindo três pinos de cores distintas.
responsável em acessar a página de perguntas e respostas e não terá
direito a competir no jogo.



                                                                           41
COMO SE JOGA?

1. Inicialmente, escolhe-se o jogador que terá acesso a página de
  perguntas e respostas sobre a temática drogas e aplicará as
  perguntas, quando necessário. Esse administrador deve
  embaralhar as cartas e colocá-las em local adequado sobre o
  tabuleiro, com o lado contendo o texto virado para baixo.

2. O restante dos jogadores serão considerados competidores e
  deverão escolher seus respectivos pinos, colocá-los na posição
  inicial do tabuleiro e decidir qual será a ordem de participação
  (sugestão: todos os jogadores jogam o dado, o jogador que obter o
  maior número será o 1o, o jogador que obter o 2o maior número será
  o 2o e assim sucessivamente).

3. Na ordem estabelecida para participação, cada competidor deverá
   jogar o dado e, de acordo o número obtido, movimentar seu pino na
   trilha do jogo. Baseado na informação fornecida pela casa ocupada
   pelo pino ou resposta a pergunta da carta, o competidor deverá
   realizar as ações: permanecer, avançar ou retroceder. As cartas
   serão lidas pelo competidor e as perguntas e suas possíveis
   respostas serão lidas pelo administrador, caso o competidor
   responda corretamente a pergunta, poderá executar a ação
   prevista.

4. O desafio do competidor é demonstrar que possui considerável
  conhecimento sobre o tema “drogas” e, claro, ter um pouco de
  sorte! Ganha o jogo o competidor que primeiro atingir a posição
  final do tabuleiro.




                                                                       42
TABULEIRO - ESQUEMA 1:
TABULEIRO - ESQUEMA 2:
CARTAS:




          45
MAIS CARTAS:




               46
LISTA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS:
Em cada pergunta, a resposta correta possui a letra (x) destacada em
negrito e itálico.

1. Como podemos definir o termo “droga”?
(a) Droga é toda substância usada para beneficiar a saúde de alguma
maneira.
(b) Droga é toda substância usada para prejudicar a saúde de alguma
maneira.
(c) Droga é toda substância que introduzida no corpo, modifica suas
funções.
(d) Droga é qualquer substância ilegal utilizada para alteração do
sistema nervoso.

2. Como podemos definir o termo “tóxico”?
(a) Tóxico é uma substância natural e letal.
(b) Tóxico é uma substância simples ou composta, de origem sintética,
que intoxica o organismo, podendo até levar a morte.
(c) Tóxico é uma substância perigosa que ocasiona dependência
química, podendo levar o usuário a praticar atos violentos contra a
sociedade e a sua própria vida.
(d) Tóxico é uma substância simples ou composta, de origem mineral,
vegetal ou animal, natural ou sintética, que envenena o organismo,
podendo até levar a morte.

3. Como podemos definir o termo “entorpecente”?
(a) Entorpecente é uma substância simples ou composta, natural ou
sintética, que inativa ou reduz significativamente a atividade física e
mental.
(b) Entorpecente é uma substância simples que produz sensação de dor.
(c) Entorpecente é uma substância sintética que produz sensação de
torpor.
(d) Entorpecente é uma substância composta que inativa a atividade
cardíaca.




                                                                          47
4. Como podemos definir o termo “droga psicotrópica”?
(a) Droga psicotrópica é toda substância química, natural ou sintética, que
têm tropismo pelo sistema nervoso central e que modifica a atividade
psíquica e o comportamento.
(b) Droga psicotrópica é toda substância química que altera somente a
atividade psíquica.
(c) Droga psicotrópica é toda substância usada para beneficiar o sistema
nervoso.
(d) Droga psicotrópica é toda substância ilícita que modifica
consideravelmente o sistema nervoso central e periférico.

5. Considerando as modalidades de uso de drogas psicotrópicas.
Podemos afirmar que a modalidade final e mais grave de uso de
drogas é:
(a) Experimentação e utilização eventual.
(b) Experimentação e uso abusivo.
(c) Dependência.
(d) Terminal ou overdose.

6. Como podemos definir o termo “abuso de drogas”?

(a) Todo consumo de droga que causa dano físico, psicológico, econômico,
  legal ou social ao usuário ou àqueles afetados pelo seu comportamento.
(b) Todo consumo de droga que causa dano físico, psicológico, econômico,
  legal ou social ao usuário.
(c) Todo consumo de droga que causa abuso naqueles que convivem com o
  usuário ou àqueles afetados pelo seu comportamento.
(d) Todo consumo exagerado de droga que leva o usuário ao óbito.

7. Como podemos definir o termo “abstinência de drogas”?
(a) É a suspensão do uso de drogas por no mínimo 15 dias.
(b) É o conjunto de sintomas decorrente da redução ou suspenção brusca do
   consumo de droga.
(c) É um problema físico ou psicológico ocasionado pelo uso excessivo de
   droga.
(d) É o conjunto de sintomas decorrente do início do uso abusivo de droga.




                                                                          48
8. Como podemos definir o termo “tolerância a drogas”?
(a) É um estado emocional e/ou físico caracterizado pela necessidade
urgente da droga, seja pelo seu efeito positivo ou para evitar o efeito
negativo associado a sua ausência.
(b) É caracterizada pelo tipo de droga consumida e pelo vínculo que o
usuário estabelece com a droga.
(c) É a necessidade progressiva de aumentar a quantidade da droga
utilizada para obter os mesmos efeitos.
(d) É a necessidade progressiva de diminuir a quantidade da droga
utilizada para eliminar seus efeitos.

9. Como podemos definir o termo “dependência de drogas”?
(a) É um estado emocional e/ou físico caracterizado pela necessidade
urgente da droga, seja pelo seu efeito positivo ou para evitar o efeito
negativo associado a sua ausência.
(b) É caracterizada pelo tipo de droga consumida e pelo vínculo que o
usuário estabelece com a droga.
(c) É a necessidade progressiva de aumentar a quantidade da droga
utilizada para obter os mesmos efeitos.
(d) É a necessidade progressiva de diminuir a quantidade da droga
utilizada para eliminar seus efeitos.

10. Segundo as convenções legais e sociais, podemos
classificar as drogas em:
(a) Tóxicas e antitóxicas
(b) Lícitas e ilícitas
(c) Boas e ruins.
(d) Alucinógenas e não-alucinógenas.

11. No Brasil, a cerveja é considerada uma droga?
(a) Lícita (b) Ilícita.
12. No Brasil, a maconha é considerada uma droga?
(a) Lícita (b) Ilícita.




                                                                          49
13. No Brasil, a nicotina contida nos cigarros é considerada uma
droga?
(a) Lícita (b) Ilícita.

14. No Brasil, a cocaína, principal componente do crack e do oxi, é
considerada uma droga?         (a) Lícita (b) Ilícita.

15. Segundo os efeitos ocasionados no sistema nervoso, como
podemos classificar as drogas psicotrópicas?
(a) Drogas estimulantes, depressoras e sedativas.
(b) Drogas sedativas, perturbadoras e disruptoras.
(c) Drogas depressoras, disruptoras e estimulantes.
(d) Drogas estimulantes, depressoras e perturbadoras.

16. A possibilidade de uma droga causar efeito em uma célula em
particular é determinada pela presença ou ausência de receptores
adequados. Cite os fatores que influenciam a intensidade do efeito
uma droga.
(a) Número de receptores celulares.
(b) Quantidade utilizada de droga.
(c) Número de receptores celulares e quantidade utilizada de droga.
(d) Número de receptores celulares, potencial de vício e quantidade de
droga.

17. As drogas simulam que moléculas naturais presentes no
organismo humano?
(a) Hormônios       (b) Ácidos nucléicos
((c) Neurotransmissores

18. Qual o nome do sistema neurobiológico responsável pela
dependência de drogas psicotrópicas?
(a) Sistema de vício        (c) Sistema abusivo
(b) Sistema recompensa      (d) Sistema nervoso




                                                                         50
19. Cite uma característica que NÃO identifica um possível usuário de
drogas psicotrópicas.
(a) Modificações de interesse nas atividades de rotina;
(b) Manutenção de comportamento nos hábitos de comer e dormir;
(c) Alterações na personalidade;
(d) Desaparecimento de objetos de valor na residência.
20. Cite uma medida de intervenção no processo de uso de drogas
psicotrópicas.
(a) Afastar o usuário do meio social.
(b) Dificultar o acesso do usuário ao serviço educacional e de saúde.
(c) Desenvolver atividades de prevenção de agravos.
(d) Não estabelecer parcerias em rede social.

21. Cite uma droga psicotrópica que estimula as atividades do
sistema nervoso central?
(a) Maconha      (b) Cerveja      ((c) Nicotina

22. Cite uma droga psicotrópica que diminui as atividades do sistema
nervoso central? (a) Maconha           (b) Cerveja
(c) Nicotina

23. Cite uma droga provoca alterações no funcionamento cerebral, em
especial alterações sensoriais e de percepção da realidade.
(a) Maconha         (b) Cerveja         ((c) Nicotina

24. Cite a forma utilizada para consumir whisky, uma droga
depressora.
(a) Ingestão         (b) Injetável     ((c) Inalada

25. Segundo o efeito causado no sistema nervoso, podemos classificar
a maconha como droga?
(a) Droga estimulante   (b) Droga depressora    (c) Droga
perturbadora




                                                                   51
26. Segundo o efeito causado no sistema nervoso, podemos classificar
a pasta de cocaína como droga?
(a) Droga estimulante   (b) Droga depressora    (c) Droga
perturbadora

27. Segundo o efeito causado no sistema nervoso, podemos classificar
a cafeína, contida em diversas bebidas comercializadas, como uma
droga?
(a) Droga depressora     (b) Droga estimulante   (c) Droga
perturbadora

28. Segundo o efeito causado no sistema nervoso, podemos classificar
o crack como droga? (a) Droga perturbadora (b)Droga depressora
((c) Droga estimulante

29. Segundo o efeito causado no sistema nervoso, podemos classificar
a cachaça como droga? (a) Droga estimulante (b) Droga depressora
(c)Droga perturbadora

30. Segundo o efeito causado no sistema nervoso, podemos classificar
LSD como droga? (a) Droga estimulante (b) Droga depressora (c) Droga
perturbadora

31. Segundo o efeito causado no sistema nervoso, podemos classificar
a heroína como droga? (a) Droga estimulante (b) Droga depressora
(c) Droga perturbadora

32. Legalmente, as drogas psicotrópicas são classificadas em lícitas e
ilícitas. Cite a afirmativa incorreta:
(a) A cocaína é considerada uma droga ilícita.
(b) O cigarro de tabaco é considerado uma droga lícita.
(c) A maconha é considerada uma droga lícita.
(d) O álcool é considerado uma droga ilícita para menores de 18 anos.




                                                                     52
33. O uso de drogas psicotrópicas conduz a um desejo maior
de consumo. Cite a afirmativa que melhor define o significado
do sistema recompensa.

(a) O sistema recompensa é a interação direta e indireta das drogas
psicotrópicas com o sistema hormonal, possibilitando a alteração
da vivacidade, memória, movimento, motivação e equilíbrio.
(b) O sistema recompensa é a interação das drogas psicotrópicas
com várias áreas e sistemas do cérebro, incluindo as relacionadas à
emoção, movimento, memória, vivacidade e equilíbrio.
(c) O sistema recompensa é a interação indireta das drogas
psicotrópicas com o sistema nervoso central, periférico e adjacente
possibilitando a alteração da atividade psíquica e do
comportamento.
(d) O sistema recompensa é a interação direta do usuário e do
comerciante de drogas, possibilitando o consumo abusivo de
drogas.

34. As drogas circulam de maneira previsível pelo corpo
humano. Cite a alternativa que melhor representa tal
afirmativa:

(a) As drogas circulam somente em sua área de atuação.
(b) As drogas circulam por todo organismo até sua excreção.
(c) As drogas circulam principalmente no local de aplicação,
ingestão ou inalação.
(d) As drogas circulam por todo organismo até sua excreção no
sistema nervoso.




                                                                      53
Dado:




        54
Cartilha conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Drogas como podemos agir
Drogas como podemos agirDrogas como podemos agir
Drogas como podemos agir
Elenildo Allman
 
Cartilha Sobre Drogas
Cartilha Sobre DrogasCartilha Sobre Drogas
Cartilha Sobre Drogas
Marina-Rosado
 
O que leva os jovens a usarem drogas
O que leva os jovens a usarem drogasO que leva os jovens a usarem drogas
O que leva os jovens a usarem drogas
izaiasneto4
 
Drogas na escola
Drogas na escolaDrogas na escola
Drogas na escola
-
 
Dependência química na infância e adolescência
Dependência química na infância e adolescênciaDependência química na infância e adolescência
Dependência química na infância e adolescência
vidamentalforense
 
Drogas
DrogasDrogas
drogas
drogasdrogas
Folder alcool e_drogas
Folder alcool e_drogasFolder alcool e_drogas
Folder alcool e_drogas
saudefieb
 
Drogas na Sociedade
Drogas na SociedadeDrogas na Sociedade
Drogas na Sociedade
Olga Graça
 
drogas
 drogas drogas
drogas
Tomás Nini
 
Droga
DrogaDroga
Guia Prático Sobre Drogas
Guia Prático Sobre DrogasGuia Prático Sobre Drogas
Guia Prático Sobre Drogas
Gilvander Dias Queiroz
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
zilda.2007
 
Cartilha Educativa de Prevenção às Drogas
Cartilha Educativa de Prevenção às DrogasCartilha Educativa de Prevenção às Drogas
Cartilha Educativa de Prevenção às Drogas
Paulo Negreiros
 
Drogas: numa visão espírita
Drogas: numa visão espíritaDrogas: numa visão espírita
Drogas: numa visão espírita
Marcelo Suster
 
Apresentação quinta
Apresentação quintaApresentação quinta
Apresentação quinta
Claudia Paola Aguilar
 
Slide sobre drogas
Slide sobre drogasSlide sobre drogas
Slide sobre drogas
ladydanasoares
 
328195
328195328195
328195
saudefieb
 
Drogas e família
Drogas e famíliaDrogas e família
Drogas e família
Bruno Morais Lopes
 
Formação cívica
Formação cívicaFormação cívica
Formação cívica
JoanaSilvs
 

Mais procurados (20)

Drogas como podemos agir
Drogas como podemos agirDrogas como podemos agir
Drogas como podemos agir
 
Cartilha Sobre Drogas
Cartilha Sobre DrogasCartilha Sobre Drogas
Cartilha Sobre Drogas
 
O que leva os jovens a usarem drogas
O que leva os jovens a usarem drogasO que leva os jovens a usarem drogas
O que leva os jovens a usarem drogas
 
Drogas na escola
Drogas na escolaDrogas na escola
Drogas na escola
 
Dependência química na infância e adolescência
Dependência química na infância e adolescênciaDependência química na infância e adolescência
Dependência química na infância e adolescência
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
drogas
drogasdrogas
drogas
 
Folder alcool e_drogas
Folder alcool e_drogasFolder alcool e_drogas
Folder alcool e_drogas
 
Drogas na Sociedade
Drogas na SociedadeDrogas na Sociedade
Drogas na Sociedade
 
drogas
 drogas drogas
drogas
 
Droga
DrogaDroga
Droga
 
Guia Prático Sobre Drogas
Guia Prático Sobre DrogasGuia Prático Sobre Drogas
Guia Prático Sobre Drogas
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Cartilha Educativa de Prevenção às Drogas
Cartilha Educativa de Prevenção às DrogasCartilha Educativa de Prevenção às Drogas
Cartilha Educativa de Prevenção às Drogas
 
Drogas: numa visão espírita
Drogas: numa visão espíritaDrogas: numa visão espírita
Drogas: numa visão espírita
 
Apresentação quinta
Apresentação quintaApresentação quinta
Apresentação quinta
 
Slide sobre drogas
Slide sobre drogasSlide sobre drogas
Slide sobre drogas
 
328195
328195328195
328195
 
Drogas e família
Drogas e famíliaDrogas e família
Drogas e família
 
Formação cívica
Formação cívicaFormação cívica
Formação cívica
 

Destaque

Relatório estudo de caso drogas na gravidez
Relatório estudo de caso drogas na gravidezRelatório estudo de caso drogas na gravidez
Relatório estudo de caso drogas na gravidez
jeane xavier da costa
 
Raí e o mundo que não era mágico
Raí e o mundo que não era mágicoRaí e o mundo que não era mágico
Raí e o mundo que não era mágico
JR
 
Cartilha dstaids para adolescentes
Cartilha dstaids para adolescentesCartilha dstaids para adolescentes
Cartilha dstaids para adolescentes
Alinebrauna Brauna
 
Cartilha drogas - cartilha álcool e jovens
Cartilha   drogas - cartilha álcool e jovensCartilha   drogas - cartilha álcool e jovens
Cartilha drogas - cartilha álcool e jovens
karol_ribeiro
 
Jogo party infantil_wwwmanualdacriancanet
Jogo party infantil_wwwmanualdacriancanetJogo party infantil_wwwmanualdacriancanet
Jogo party infantil_wwwmanualdacriancanet
Elizete Caetano
 
Ficha drogas
Ficha drogasFicha drogas
Cartilha drogas - tabaco
Cartilha   drogas - tabacoCartilha   drogas - tabaco
Cartilha drogas - tabaco
karol_ribeiro
 
Cartilha drogas - cartilha para educadores
Cartilha   drogas - cartilha para educadoresCartilha   drogas - cartilha para educadores
Cartilha drogas - cartilha para educadores
karol_ribeiro
 
Cartilha sobre drogas
Cartilha sobre drogasCartilha sobre drogas
Cartilha sobre drogas
Alinebrauna Brauna
 
Poluição do solo e da água3002
Poluição do solo e da água3002Poluição do solo e da água3002
Poluição do solo e da água3002
cristbarb
 
Cartilha drogas - maconha cocaína e inalantes
Cartilha   drogas - maconha cocaína e inalantesCartilha   drogas - maconha cocaína e inalantes
Cartilha drogas - maconha cocaína e inalantes
karol_ribeiro
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e Participação
Saúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e ParticipaçãoSaúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e Participação
Saúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e Participação
Elos da Saúde
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades Sexuais
Saúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades SexuaisSaúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades Sexuais
Saúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades Sexuais
Elos da Saúde
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre Pares
Saúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre ParesSaúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre Pares
Saúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre Pares
Elos da Saúde
 
Drogas cartilha para pais de crianças
Drogas   cartilha para pais de criançasDrogas   cartilha para pais de crianças
Drogas cartilha para pais de crianças
Bernadete Carrijo Oliveira
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Gêneros
Saúde e Prevenção nas Escolas: GênerosSaúde e Prevenção nas Escolas: Gêneros
Saúde e Prevenção nas Escolas: Gêneros
Elos da Saúde
 
Projeto histórias em quadrinhos sobre as drogas
Projeto histórias em quadrinhos sobre as drogasProjeto histórias em quadrinhos sobre as drogas
Projeto histórias em quadrinhos sobre as drogas
EscolaSBH
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde ReprodutivaSaúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
Elos da Saúde
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras Drogas
Saúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras DrogasSaúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras Drogas
Saúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras Drogas
Elos da Saúde
 
Cartilha sobre drogas
Cartilha sobre drogasCartilha sobre drogas
Cartilha sobre drogas
saudefieb
 

Destaque (20)

Relatório estudo de caso drogas na gravidez
Relatório estudo de caso drogas na gravidezRelatório estudo de caso drogas na gravidez
Relatório estudo de caso drogas na gravidez
 
Raí e o mundo que não era mágico
Raí e o mundo que não era mágicoRaí e o mundo que não era mágico
Raí e o mundo que não era mágico
 
Cartilha dstaids para adolescentes
Cartilha dstaids para adolescentesCartilha dstaids para adolescentes
Cartilha dstaids para adolescentes
 
Cartilha drogas - cartilha álcool e jovens
Cartilha   drogas - cartilha álcool e jovensCartilha   drogas - cartilha álcool e jovens
Cartilha drogas - cartilha álcool e jovens
 
Jogo party infantil_wwwmanualdacriancanet
Jogo party infantil_wwwmanualdacriancanetJogo party infantil_wwwmanualdacriancanet
Jogo party infantil_wwwmanualdacriancanet
 
Ficha drogas
Ficha drogasFicha drogas
Ficha drogas
 
Cartilha drogas - tabaco
Cartilha   drogas - tabacoCartilha   drogas - tabaco
Cartilha drogas - tabaco
 
Cartilha drogas - cartilha para educadores
Cartilha   drogas - cartilha para educadoresCartilha   drogas - cartilha para educadores
Cartilha drogas - cartilha para educadores
 
Cartilha sobre drogas
Cartilha sobre drogasCartilha sobre drogas
Cartilha sobre drogas
 
Poluição do solo e da água3002
Poluição do solo e da água3002Poluição do solo e da água3002
Poluição do solo e da água3002
 
Cartilha drogas - maconha cocaína e inalantes
Cartilha   drogas - maconha cocaína e inalantesCartilha   drogas - maconha cocaína e inalantes
Cartilha drogas - maconha cocaína e inalantes
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e Participação
Saúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e ParticipaçãoSaúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e Participação
Saúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e Participação
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades Sexuais
Saúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades SexuaisSaúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades Sexuais
Saúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades Sexuais
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre Pares
Saúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre ParesSaúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre Pares
Saúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre Pares
 
Drogas cartilha para pais de crianças
Drogas   cartilha para pais de criançasDrogas   cartilha para pais de crianças
Drogas cartilha para pais de crianças
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Gêneros
Saúde e Prevenção nas Escolas: GênerosSaúde e Prevenção nas Escolas: Gêneros
Saúde e Prevenção nas Escolas: Gêneros
 
Projeto histórias em quadrinhos sobre as drogas
Projeto histórias em quadrinhos sobre as drogasProjeto histórias em quadrinhos sobre as drogas
Projeto histórias em quadrinhos sobre as drogas
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde ReprodutivaSaúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras Drogas
Saúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras DrogasSaúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras Drogas
Saúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras Drogas
 
Cartilha sobre drogas
Cartilha sobre drogasCartilha sobre drogas
Cartilha sobre drogas
 

Semelhante a Cartilha conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicas

Filhos de dependentes químicos com fatores de risco bio-psicossocial: necessi...
Filhos de dependentes químicos com fatores de risco bio-psicossocial: necessi...Filhos de dependentes químicos com fatores de risco bio-psicossocial: necessi...
Filhos de dependentes químicos com fatores de risco bio-psicossocial: necessi...
Maria Carolina Gonçalves
 
Resumo do 1º seminário de proteção Escolar
Resumo do 1º seminário de proteção EscolarResumo do 1º seminário de proteção Escolar
Resumo do 1º seminário de proteção Escolar
adlesig
 
Drogas na adolescência
Drogas na adolescênciaDrogas na adolescência
Drogas na adolescência
stefanidanttas2
 
Drogas na Escola
Drogas na EscolaDrogas na Escola
Drogas na Escola
Caroline de Sousa Medeiros
 
Um olhar sobre a dependência química.
Um olhar sobre a dependência química.Um olhar sobre a dependência química.
Um olhar sobre a dependência química.
Maria José E.Junqueira D.Alcalá Cravo.
 
Drogas e sexualidade
Drogas e sexualidadeDrogas e sexualidade
Drogas e sexualidade
Ana Paula Ribeiro de Oliveira
 
Aula: DROGA - prevenir é importante
Aula: DROGA -  prevenir é importanteAula: DROGA -  prevenir é importante
Aula: DROGA - prevenir é importante
Elma De Oliveira
 
Drogas palestras
Drogas palestrasDrogas palestras
Drogas palestras
lindavick876
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
Paulo Martins
 
Toxico
ToxicoToxico
Drogas e escola
Drogas e escolaDrogas e escola
Drogas e escola
Eliana Graça
 
Manual de transtornos_mentais_-_infantis
Manual de transtornos_mentais_-_infantisManual de transtornos_mentais_-_infantis
Manual de transtornos_mentais_-_infantis
rosangelacastelobranco
 
Saúde Mental Infantil e Juvenil nos Cuidados de Saúde Primários
Saúde Mental Infantil e Juvenil nos Cuidados de Saúde PrimáriosSaúde Mental Infantil e Juvenil nos Cuidados de Saúde Primários
Saúde Mental Infantil e Juvenil nos Cuidados de Saúde Primários
Fabíola Mapin
 
Drogas na adolescencia
Drogas na adolescenciaDrogas na adolescencia
Drogas na adolescencia
RafaPinto2001
 
ebook-saude-mental-2021
ebook-saude-mental-2021ebook-saude-mental-2021
ebook-saude-mental-2021
StephanieLouise5
 
Slide (drogas no contexto escolar)
Slide (drogas no contexto escolar)Slide (drogas no contexto escolar)
Slide (drogas no contexto escolar)
Fernnandaok
 
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - FamíliaCartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
Governo ES
 
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesResponsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Cláudio Costa
 
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesResponsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Cláudio Costa
 
V17n2a10: Andretta; Oliveira - A TÉCNICA DA ENTREVISTA MOTIVACIONAL NA ADOLE...
V17n2a10: Andretta; Oliveira - A TÉCNICA DA ENTREVISTA MOTIVACIONAL NA ADOLE...V17n2a10: Andretta; Oliveira - A TÉCNICA DA ENTREVISTA MOTIVACIONAL NA ADOLE...
V17n2a10: Andretta; Oliveira - A TÉCNICA DA ENTREVISTA MOTIVACIONAL NA ADOLE...
Flora Couto
 

Semelhante a Cartilha conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicas (20)

Filhos de dependentes químicos com fatores de risco bio-psicossocial: necessi...
Filhos de dependentes químicos com fatores de risco bio-psicossocial: necessi...Filhos de dependentes químicos com fatores de risco bio-psicossocial: necessi...
Filhos de dependentes químicos com fatores de risco bio-psicossocial: necessi...
 
Resumo do 1º seminário de proteção Escolar
Resumo do 1º seminário de proteção EscolarResumo do 1º seminário de proteção Escolar
Resumo do 1º seminário de proteção Escolar
 
Drogas na adolescência
Drogas na adolescênciaDrogas na adolescência
Drogas na adolescência
 
Drogas na Escola
Drogas na EscolaDrogas na Escola
Drogas na Escola
 
Um olhar sobre a dependência química.
Um olhar sobre a dependência química.Um olhar sobre a dependência química.
Um olhar sobre a dependência química.
 
Drogas e sexualidade
Drogas e sexualidadeDrogas e sexualidade
Drogas e sexualidade
 
Aula: DROGA - prevenir é importante
Aula: DROGA -  prevenir é importanteAula: DROGA -  prevenir é importante
Aula: DROGA - prevenir é importante
 
Drogas palestras
Drogas palestrasDrogas palestras
Drogas palestras
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
Toxico
ToxicoToxico
Toxico
 
Drogas e escola
Drogas e escolaDrogas e escola
Drogas e escola
 
Manual de transtornos_mentais_-_infantis
Manual de transtornos_mentais_-_infantisManual de transtornos_mentais_-_infantis
Manual de transtornos_mentais_-_infantis
 
Saúde Mental Infantil e Juvenil nos Cuidados de Saúde Primários
Saúde Mental Infantil e Juvenil nos Cuidados de Saúde PrimáriosSaúde Mental Infantil e Juvenil nos Cuidados de Saúde Primários
Saúde Mental Infantil e Juvenil nos Cuidados de Saúde Primários
 
Drogas na adolescencia
Drogas na adolescenciaDrogas na adolescencia
Drogas na adolescencia
 
ebook-saude-mental-2021
ebook-saude-mental-2021ebook-saude-mental-2021
ebook-saude-mental-2021
 
Slide (drogas no contexto escolar)
Slide (drogas no contexto escolar)Slide (drogas no contexto escolar)
Slide (drogas no contexto escolar)
 
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - FamíliaCartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
Cartilha - Série Conversando sobre Drogas - Família
 
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesResponsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
 
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesResponsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
 
V17n2a10: Andretta; Oliveira - A TÉCNICA DA ENTREVISTA MOTIVACIONAL NA ADOLE...
V17n2a10: Andretta; Oliveira - A TÉCNICA DA ENTREVISTA MOTIVACIONAL NA ADOLE...V17n2a10: Andretta; Oliveira - A TÉCNICA DA ENTREVISTA MOTIVACIONAL NA ADOLE...
V17n2a10: Andretta; Oliveira - A TÉCNICA DA ENTREVISTA MOTIVACIONAL NA ADOLE...
 

Mais de JR

1ª disciplina memória e narrativa
1ª disciplina   memória e narrativa1ª disciplina   memória e narrativa
1ª disciplina memória e narrativa
JR
 
Oferta.ppgls.1º smestre de 2012-
Oferta.ppgls.1º smestre de 2012-Oferta.ppgls.1º smestre de 2012-
Oferta.ppgls.1º smestre de 2012-
JR
 
Quadro Geral do Resultado entrevista - aprovados
Quadro Geral do Resultado   entrevista - aprovados  Quadro Geral do Resultado   entrevista - aprovados
Quadro Geral do Resultado entrevista - aprovados
JR
 
Ps 2012.entrevista -aprovados[1]
Ps 2012.entrevista  -aprovados[1]Ps 2012.entrevista  -aprovados[1]
Ps 2012.entrevista -aprovados[1]
JR
 
Oferta.ppgls.1 2012 blog
Oferta.ppgls.1 2012 blogOferta.ppgls.1 2012 blog
Oferta.ppgls.1 2012 blog
JR
 
Resultado da prova escrita aprovados+ info das entrevistas
Resultado da prova escrita   aprovados+ info das entrevistasResultado da prova escrita   aprovados+ info das entrevistas
Resultado da prova escrita aprovados+ info das entrevistas
JR
 
Oferta.ppgls.1 2012
Oferta.ppgls.1 2012Oferta.ppgls.1 2012
Oferta.ppgls.1 2012
JR
 
Lista de inscrições homologadas 2012
Lista de inscrições homologadas 2012Lista de inscrições homologadas 2012
Lista de inscrições homologadas 2012
JR
 
Lista dos que farão prova de língua francesa 2012
Lista dos que farão prova de língua francesa 2012Lista dos que farão prova de língua francesa 2012
Lista dos que farão prova de língua francesa 2012
JR
 
Lista de inscrições homologadas 2012
Lista de inscrições homologadas 2012Lista de inscrições homologadas 2012
Lista de inscrições homologadas 2012
JR
 
Farão prova de proficiência em língua inglesa
Farão prova de proficiência em língua inglesaFarão prova de proficiência em língua inglesa
Farão prova de proficiência em língua inglesa
JR
 
Edital ppg linguagens_e_saberes_na_amazônia_.2012.doc
Edital ppg linguagens_e_saberes_na_amazônia_.2012.docEdital ppg linguagens_e_saberes_na_amazônia_.2012.doc
Edital ppg linguagens_e_saberes_na_amazônia_.2012.doc
JR
 
Cartilha Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
Cartilha  Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas PsicotrópicasCartilha  Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
Cartilha Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
JR
 

Mais de JR (13)

1ª disciplina memória e narrativa
1ª disciplina   memória e narrativa1ª disciplina   memória e narrativa
1ª disciplina memória e narrativa
 
Oferta.ppgls.1º smestre de 2012-
Oferta.ppgls.1º smestre de 2012-Oferta.ppgls.1º smestre de 2012-
Oferta.ppgls.1º smestre de 2012-
 
Quadro Geral do Resultado entrevista - aprovados
Quadro Geral do Resultado   entrevista - aprovados  Quadro Geral do Resultado   entrevista - aprovados
Quadro Geral do Resultado entrevista - aprovados
 
Ps 2012.entrevista -aprovados[1]
Ps 2012.entrevista  -aprovados[1]Ps 2012.entrevista  -aprovados[1]
Ps 2012.entrevista -aprovados[1]
 
Oferta.ppgls.1 2012 blog
Oferta.ppgls.1 2012 blogOferta.ppgls.1 2012 blog
Oferta.ppgls.1 2012 blog
 
Resultado da prova escrita aprovados+ info das entrevistas
Resultado da prova escrita   aprovados+ info das entrevistasResultado da prova escrita   aprovados+ info das entrevistas
Resultado da prova escrita aprovados+ info das entrevistas
 
Oferta.ppgls.1 2012
Oferta.ppgls.1 2012Oferta.ppgls.1 2012
Oferta.ppgls.1 2012
 
Lista de inscrições homologadas 2012
Lista de inscrições homologadas 2012Lista de inscrições homologadas 2012
Lista de inscrições homologadas 2012
 
Lista dos que farão prova de língua francesa 2012
Lista dos que farão prova de língua francesa 2012Lista dos que farão prova de língua francesa 2012
Lista dos que farão prova de língua francesa 2012
 
Lista de inscrições homologadas 2012
Lista de inscrições homologadas 2012Lista de inscrições homologadas 2012
Lista de inscrições homologadas 2012
 
Farão prova de proficiência em língua inglesa
Farão prova de proficiência em língua inglesaFarão prova de proficiência em língua inglesa
Farão prova de proficiência em língua inglesa
 
Edital ppg linguagens_e_saberes_na_amazônia_.2012.doc
Edital ppg linguagens_e_saberes_na_amazônia_.2012.docEdital ppg linguagens_e_saberes_na_amazônia_.2012.doc
Edital ppg linguagens_e_saberes_na_amazônia_.2012.doc
 
Cartilha Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
Cartilha  Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas PsicotrópicasCartilha  Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
Cartilha Conhecendo E Aprendendo A Dizer Não As Drogas Psicotrópicas
 

Cartilha conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicas

  • 1. hecendo on ndo C A pr en de a e dizer as NÃO Dorgas Psicotrópicas A. B. Oliveira-Filho G. C. Silva-Oliveira
  • 2. Aldemir Branco de Oliveira Filho Gláucia Caroline Silva de Oliveira CONHECENDO E APRENDENDO A DIZER NÃO AS DROGAS PSICOTRÓPICAS 1a Edição Breves, Pará 2011
  • 3. FICHA CATALOGRÁFICA Dados Internacionais de Catalogação-na-Publicação (CIP) Campus Universitário do Marajó-Breves/UFPA – Biblioteca Prof. Ricardo Teixeira de Barros Ficha catalográfica elaborada por: Letícia da Costa Borges (CRB-2: 1162) O48c Oliveira Filho, Aldemir Branco de Conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicas/ Aldemir Branco de Oliveira Filho; Gláucia Caroline Silva de Oliveira. Breves: [G.C. Silva de Oliveira], 2011. 52p, il. Inclui bibliografias. ISBN: 978-85-910301-2-5 1. Adolescência e drogas. 2.Drogas – conscientização e prevenção. 3.Educação – drogas I. Título. CDD 22.ed. - 616 EXPEDIENTE Título: Conhecendo e aprendendo a dizer não as drogas psicotrópicas. Autoria: Aldemir Branco de Oliveira Filho, Gláucia Caroline Silva de Oliveira. Capa e Diagramação: José Ribeiro da Silva Junior. Revisão: Rosa Helena Sousa de Oliveira. Organização: José Ribeiro da Silva Junior e Rosa Helena Sousa de Oliveira. Colaboração: Aline Lopes de Oliveira, Gláucia Galúcio Santana, Luciene da Silva Gomes, Luziane Azevedo Chaves, Maria Regina Farias Machado, Mariane Machado Brito, Marilene Machado Brito, Sara Otoni Sales do Carmo e Suelane Cristina Tavares da Costa. Apoio: Programa de Apoio a Projetos de Intervenção Metodológica da Universidade Federal do Pará (PAPIM: 1780788029/2011) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ: 141928/2008-5).
  • 4. Apresentação A parentemente, a maioria das pessoas está ciente dos numerosos problemas de saúde, econômicos, psicológicos, sociais e outros associados ao uso de drogas psicotrópicas. Entretanto, muitas delas desconhecem os conceitos, as classificações, os mecanismos de atuação e os verdadeiros efeitos ocasionados pelas drogas psicotrópicas. A primeira parte deste livro vai abordar de forma correlacionada os assuntos adolescência e drogas, sendo introduzidos princípios básicos para compreensão das drogas psicotrópicas e de suas ações no organismo. Uma vez apresentado esse conhecimento, a segunda parte deste livro disponibiliza jogos que podem facilitar o processo de transmissão e construção do conhecimento sobre drogas, a ser abordado com crianças, jovens e adultos. Desse modo, este livro é uma proposta de ferramenta alternativa para abordagem simples e didática da temática “drogas” e suas ações, em especial visa contribuir de forma lúdica para o processo de conscientização e prevenção ao uso de drogas psicotrópicas. Por fim, “Conhecendo e Aprendendo a Dizer Não as Drogas Psicotrópicas” integra as atividades desenvolvidas pelo projeto de intervenção metodológica “Conhecendo e Aprendendo a Dizer Não as Drogas” que tem como objetivo atualizar futuros e atuais pais e professores sobre diversos aspectos relacionados à dependência química através da transmissão de conhecimento específico de forma humanizada, lúdica e dinâmica.
  • 5. SUMÁRIO As drogas psicotrópicas e a sociedade ........................................................5 A adolescência .............................................................................................6 Adolescência e suas características ............................................................7 Adolescência: proteção e risco ....................................................................8 O que significa os termos droga, tóxico e entorpecente? ........................9 Termos importantes para compreensão do uso de drogas .........................10 Modalidades de uso de drogas ...................................................................11 O que são drogas lícitas e ilícitas? ..............................................................12 O que são drogas psíquicas ou psicotrópicas? ...........................................13 Como as drogas psicotrópicas atuam no organismo? ................................14 Como as drogas psicotrópicas causam dependência? ...............................15 Como atua o álcool no organismo humano? ...............................................16 Como a nicotina atua no organismo humano? ............................................17 Como a maconha atua no organismo humano? ..........................................18 Como a cocaína atua no organismo humano? ............................................19 Como identificar um possível usuário de droga psicotrópica? .....................20 Como intervir no processo de uso de droga psicotrópica? ..........................21 Ênfase no tratamento ...................................................................................22 Conclusão......................................................................................................23 Acompanhamento e tratamento de dependência química no Pará ..............24 Referências bibliográficas .............................................................................25 Memorizando danos causados pelas drogas psicotrópicas .........................28 Desembaralhando as drogas psicotrópicas ..................................................34 Entendendo e saindo da trilha das drogas psicotrópicas ............................41
  • 6. As Drogas Psicotrópicas e a Sociedade D esde períodos remotos da civilização humana, os homens modificam suas percepções e sensações através do uso de drogas psicotrópicas. Na antiguidade, as sociedades utilizavam produtos extraídos da natureza em ocasiões sociais e religiosas. Nos séculos XVIII e XIX, o uso de drogas psicotrópicas pela sociedade passou a ter novas utilidades: busca do prazer individual e coletivo, alívio dos desconfortos físicos e sofrimento emocionais. Atualmente, a relação entre a sociedade e as drogas psicotrópicas é complexa, envolvendo aspectos biológicos, sociais, culturais e éticos. De acordo com o Ministério da Saúde, alguns aspectos devem necessariamente a uma reflexão ao uso de drogas na sociedade contemporânea: ¢ Banalização do uso de drogas na sociedade; ¢ Ambiguidade social que criminaliza algumas drogas e legaliza outras; ¢ Argumentos racionais e simplistas que não valorizam o uso de drogas como um sintoma de questões emocionais e afetivas entre os membros da família; ¢ Informações e posições contraditórias entre os profissionais, que expressam um reflexo de sua formação e experiência. 5
  • 7. Adolescência A adolescência é o período do desenvolvimento humano caracterizado por transformações anatômicas, fisiológicas, psicológicas e sociais. É um momento marcado por aprendizados e descobertas, bem como, pelo questionamento dos valores familiares e sociais (éticos, morais e culturais). A maioria dos adolescentes atravessa este período sem traumas, alguns permanecem com sequelas temporárias ou permanentes. 6
  • 8. A dolescência e suas ic a s car acteríst O adolescente procura conquistar seu espaço compartilhando suas experiências com outros adolescentes, expressando seus sentimentos e principalmente confrontando suas idéias com os adultos que o cercam. Insere-se no meio social sob uma nova condição, diferente daquela da infância, mas não necessariamente com rebeldia e problemas. O adolescente transfere ao grupo grande parte da dependência que antes mantinha com a família. Vale ressaltar que a droga poderá ser um dos fatores que concorre para a sua aceitação no grupo. 7
  • 9. Adolescência: Proteção e Risco O s adolescentes, ao mesmo tempo em que querem liberdade e autonomia, sentem necessidade de afeto e proteção dos adultos. A adolescência caracteriza-se, em geral, como uma fase de insegurança camuflada com aparente certeza, fortaleza, agressividade e transgressão. As experiências de vida ocorrem com grande intensidade, podendo haver a adoção de comportamentos que aumentam os riscos a que estão expostos. Estas vivências, algumas vezes importantes para o amadurecimento, podem levar a consequências desastrosas. Os fatores de proteção são recursos pessoais ou sociais que atenuam ou neutralizam o impacto do risco. Estimulam o senso crítico, delimitam referências e limites. Contribuem para diminuir a probabilidade da ocorrência do uso de drogas. Os fatores de risco são situações ambientais, sociais e familiares que favorecem o desempenho de um determinado efeito ou comportamento indesejado. Expõem os adolescentes a situações de perigo. Aumentam a probabilidade de ocorrência de uso de drogas. 8
  • 10. DROGAS São todas as substâncias, naturais ou sintéticas, que agem no organismo modificando uma ou mais funções. Exemplo de drogas: medicamentos em geral (analgésicos, antitérmicos, antibióticos e outros), nicotina, bebidas alcoólicas, solventes, maconha, cocaína, heroína, etc. TÓXICOS São substâncias simples ou compostas, de origem mineral, vegetal ou animal, naturais ou sintéticas, que intoxicam ou O que envenenam o organismo, podendo significa os ocasionar a morte, em casos extremos . Exemplo de tóxicos: termos Droga, a c e t o n a , a m ô n i a , b e b i d a s Tóxico e alcoólicas, drogas em geral, soda cáustica, alimentos vencidos e/ou Entorpecente? contaminados, etc. ENTORPECENTES São substâncias simples ou compostas, naturais ou sintéticas, que produzem sensação de torpor, isto é, inatividade ou redução significativa da atividade física e mental. Exemplos de entorpecentes: tranquilizantes, anestésicos, soníferos, ópio, cocaína, morfina, heroína, codeína, álcool, barbitúricos, etc. 9
  • 11. Importantes para Compreensão Termos da Drogadição . A drogadição é o termo genérico criado para compreender qualquer e Abuso É definido como todo consumo de droga que causa dano físico, psicológico, toda modalidade de adição econômico, legal ou social ao usuário ou bioquímica por parte de um àqueles afetados pelo seu ser humano ou a alguma comportamento. droga ou à superveniente interação entre drogas, Intoxicação causada ou precipitada por Caracteriza-se por mudanças no complexo de fatores funcionamento fisiológico, psicológico, genéticos, farmacológicos afetivo e cognitivo como consequência e sociais, incluídos os do consumo excessivo de drogas. econômico-políticos. Para isso, alguns termos são Abstinência frequentemente utilizados É o conjunto de sintomas (vômitos, pela sociedade e na tremores, dor, etc) decorrente da literatura relacionada a redução ou suspensão brusca da droga. drogadição Tolerância É a necessidade de aumentar a quantidade da droga para obter os mesmos efeitos. Dependência É um estado emocional e/ou físico caracterizado pela necessidade urgente da droga, seja pelo seu efeito positivo ou para evitar o efeito negativo associado a sua ausência. A dependência não é caracterizada pelo tipo de droga consumida, mas sim, pelo vínculo que o sujeito estabelece com a substância. 10
  • 12. odalidades de M Uso de Drogas De acordo com a forma de contato com as drogas, os usuários podem ser agrupados da seguinte maneira: 1 Nunca utilizaram; 2 Experimentaram; Experimentaram em associação 3 com fatores de risco; 4 Fazem uso abusivo; 5 São dependentes. 11
  • 13. A s drogas podem ser Que agrupadas em dois O São Drogas grandes grupos, não por suas características, mas segundo as convenções e Lícitas e exigências legais e sociais. As drogas lícitas são substâncias Ilícitas? que legalmente podem ser produzidas, transportadas e/ou comercializadas, praticamente de maneira livre. As drogas ilícitas são substâncias que legalmente não podem ser produzidas, transportadas e/ou comercializadas. Popularmente, as drogas ilícitas são conhecidas como “drogas pesadas”. A classificação das drogas em lícitas e ilícitas é temporal e geograficamente determinada. Por exemplo: No Brasil, a maconha é considerada uma droga ilícita. Entretanto, a maconha é considerada uma droga lícita na Holanda e em algumas cidades dos Estados Unidos e Canadá. Independente da permissão legal e/ou social, as drogas lícitas e ilícitas causam dependência química. LSD ha a con M Tab aco LSD Ma con ha co a Tab 12
  • 14. O Que São Drogas Psíquicas ou Psicotrópicas? As drogas estimulantes provocam o aumento da atividade cerebral, excitando os reflexos e o desempenho. Exemplos: cocaína e seus derivados, nicotina, cafeína, xantina, etc. Drogas depressoras diminuem a atividade do sistema nervoso central, causando depressão respiratória, diminuição da temperatura corporal e indução do sono. Exemplos: bebidas alcoólicas, solventes, inalantes, opióides, etc. Drogas perturbadoras provocam alterações no funcionamento cerebral, em especial alterações sensoriais e de percepção da realidade. Exemplos: maconha, LSD, Ayhuasca, etc. 13
  • 15. Como As Drogas Psicotrópicas Atuam No Organismo? O cérebro é a principal parte do sistema nervoso central. As funções do organismo são controladas por determinadas regiões do cérebro. Uma mesma região cerebral pode estar envolvida no controle de mais de uma função no organismo. Os neurônios são células que veiculam as informações entre cérebro e as outras parte do organismo. A comunicação entre dois neurônios ocorre via sinais químicos, os neurotransmissores. As drogas simulam substâncias químicas naturais do organismo – os neurotransmissores, como resultado as drogas podem imitar ou impedir a ação dos neurotransmissores aos quais se assemelham. As drogas interagem com as células através de estruturas especializadas para funções regulares – os receptores localizados nas membranas celulares. Os receptores são conectados a outras estruturas celulares que são importantes para as funções celulares. As células diferem em tipo e número de receptores, de acordo com o tipo de tecido e meio ambiente a que pertencem. Portanto, a possibilidade de uma droga causar um efeito em uma célula em particular é determinada pela presença ou ausência de receptores adequados. A intensidade do efeito é influenciada pelo número de receptores, assim como ? pela quantidade existente da droga. 14
  • 16. Como as drogas psicotrópicas causam dependência? A base neurobiológica Todas as drogas de abuso, responsável pelo (...), atuam no circuito de desenvolvimento da recompensa cerebral, dependência de drogas é o podendo levar o usuário a sistema de recompensa do buscar repetidamente essa sistema nervoso central. sensação de prazer. No sistema límbico (área cerebral relacionada ao comportamento emocional), encontra- se uma região relacionada à sensação de prazer, chamada circuito de recompensa cerebral. A função natural do circuito de recompensa é dar aos humanos uma razão ou uma recompensa como um prazer intenso para realizar várias atividades, como: alimentação, atividade física e sexual. Estudos com animais demonstram que estímulos elétricos nestas regiões provocam sensações de prazer e levam a repetidas tentativas de estimulação. Todas as drogas de abuso, direta ou indiretamente, atuam no circuito de recompensa cerebral,pode ndo levar o usuário a buscar repetidamente essa sensação de prazer. 15
  • 17. Como Atua O Álcool no Organismo Humano? P rovavelmente, o álcool seja a droga (depressora) mais antiga usada pelos humanos. O álcool é uma substância presente em vegetais como a cana- ALCOOL de-açúcar, uva e cevada, geralmente consumido sob a forma de bebida. Assim como outras drogas que causam dependência, o álcool reforça o seu próprio consumo através da ativação do circuito de recompensa. O consumo repetido de álcool pode induzir à tolerância, o que significa que a quantidade necessária para produzir o efeito desejado tem que ser aumentada progressivamente aumentada. As propriedades químicas do álcool permitem que ele seja facilmente absorvido do estômago para a corrente sanguínea. O álcool reduz a função cerebral proporcionalmente à sua concentração no sangue, desse modo a sua concentração no organismo pode ser facilmente diagnosticada. O consumo de álcool ocasiona dificuldade de discernimento, dependência física, lesão de órgãos (estômago, fígado e cérebro), elevada pressão sanguínea, agravamento de problemas médicos, etc. 16
  • 18. Como Atua a Nicotina no Organismo Humano? A nicotina é uma droga estimulante encontrada nas plantas da espécie Nicotiana. Ela é consumida através de cigarro, charuto e fumo de rolo. A nicotina afeta os principais sistemas do corpo, mas é usada principalmente pelos seus efeitos estimulantes sobre o SNC, ocasionando prazer, aumento da vivacidade, diminuição da ansiedade e de apetite. Além disso, a nicotina induz efeitos no sistema nervoso periférico, como aumento da velocidade e da potência do coração, aumento do tônus dos vasos sanguíneos, ocasionando a diminuição do fluxo sangüíneo e o aumento da pressão sanguínea. A nicotina age sobre os receptores de acetilcolina, bloqueando-os por longo período, ocasionando a liberação de vários outros neurotransmissores. A nicotina aumenta a quantidade do neurotransmissor dopamina e reforça o seu próprio consumo. A exposição contínua à nicotina fumada causa tolerância, o que pode ocasionar: enfisema pulmonar, trombose, aumento da pressão sanguínea, impotência sexual, derrames, aumento dos níveis de lipídios na circulação sanguínea, arteriosclerose, etc. 17
  • 19. Como atua maconha no organismo humano? M aconha, marijuana, cânhamo ou suruma referem-se as drogas psicoativas derivadas da planta Cannabis sativa. O principal composto químico psicoativo presente na maconha é o zΔ9-tetrahidrocanabinol, comumente conhecido como THC. O THC produz tantos efeitos diferentes que é difícil classificá-lo adequadamente de outra forma que não uma droga psicoativa única que afeta consideravelmente a mente e o comportamento. O THC pode ser absorvido oralmente ou pelos pulmões inalando sua fumaça. Os efeitos do THC ocorrem através de receptores específicos para THC. Em níveis baixos de THC, o sistema nervoso central sofre uma suave inibição. Em doses elevadas, o THC causa alucinações e percepções intensificadas, especialmente da visão e da audição. A diminuição da coordenação, a falta de habilidade para realizar múltiplas tarefas, interferência na memória são efeitos comuns em usuários de maconha. 18
  • 20. Como atua a cocaína no organismo? A cocaína é obtida do vegetal Erythroxylum coca. Ela pode ser consumida por aspiração nasal, via injetável ou fumada. Desse modo, a cocaína pode ser encontrada nos A cocaína é uma droga estimulante que afeta consideravelmente o formatos de pó, pedra, pasta e em sistema nervoso central, solução injetável. A cocaína é uma independentemente da droga estimulante que afeta forma como é usada. consideravelmente o sistema nervoso central, independentemente da forma como é usada. A cocaína aumenta consideravelmente a quantidade do neurotransmissor dopamina no circuito de recompensa cerebral, causando um intenso prazer e reforçando a sua ingestão. O aumento da vivacidade e dos movimentos, os pensamentos alterados e a supressão do apetite também são efeitos ocasionados da cocaína no sistema nervoso central.Por fim, a cocaína pode inibir os neurônios periféricos que transmitem sinais de dor, causando efeito de entorpecimento ou anestesia local. 19 crack (cocaína em pedra)
  • 21. Como Identificar um Possível Usuário de Droga Psicotrópica? Segundo o Ministério da Saúde, podemos utilizar as seguintes dicas para identificar a possibilidade de consumo abusivo de drogas psicotrópicas: -Modificações de interesse nas atividades de rotina – 1 na escola, no lazer e em casa; -Mudança de comportamento nos hábitos de comer e 2 dormir; -Alterações na personalidade – isso pode se 3 manifestar na mudança de humor – por exemplo: brigas frequentes com amigos e familiares; 4 -Sinais e sintomas de depressão; 5 -Conflito com a lei; 6 -Desaparecimento de objetos de valor na residência. 20
  • 22. Como Intervir no Processo de Uso de Droga Psicotrópica? Segundo o Ministério da Saúde, podemos intervir no processo de uso de drogas psicotrópicas: -Reconhecendo as diferencas entre o usuario, a pessoa em uso ̧ ́ indevido, o dependente e o traficante de drogas, tratando-os de forma diferenciada; -Fornecendo informações sobre o uso de drogas psicotrópicas; -Criando vínculo com o usuário; -Incentivando atividades de promoção de saúde; -Tratar de forma igualitaria, sem discriminacao, as pessoas usuarias ou ́ ̧ ̃ ́ dependentes de drogas licitas ou ilicitas; ́ ́ -Favorecendo troca de experiências; -Desenvolvendo atividades de prevenção de agravos; -Estabelecendo parcerias na rede social; -Disponibilizando recursos institucionais; -Facilitando o acesso ao serviço de saúde; -Discutindo as possibilidades de adesão ao tratamento; -Estimulando e contribuindo para a melhoria da qualidade de vida. 21
  • 23. Ênfase no tratamento Segundo o Ministério da Saúde, a ênfase ao tratamento pode ser detectada: 1 -Distinguindo o uso abusivo dos demais; -Discernindo os problemas relacionados ao uso de 2 drogas dos conflitos próprios da adolescência; 3 -Diagnosticando quadros de abstinência; 4 -Identificando os principais transtornos (ansiedade, O encaminhamento do usuário de drogas psicotrópicas para atendimento especializado deve ser realizado sempre quando necessário. 22
  • 24. Conclusão O uso de drogas psicotrópicas lícitas e ilícitas por crianças e adolescentes tem se tornado uma ação cada vez mais comum. Apesar de pais, professores e amigos tentarem conscientizarem e prevenirem crianças e adolescentes sobre as problemáticas relacionadas ao uso de drogas psicotrópicas, diversos estudos epidemiológicos têm apontado o crescimento gradativo do consumo de drogas psicotrópicas na população, especialmente entre os jovens. Sendo assim, há necessidade de definição de uma política de atenção, bem como, trazer à tona a discussão das leis que controlam o uso e o comércio de drogas psicotrópicas. Além disso, é de importância fundamental a capacitação dos educadores e de outros profissionais que atendem sobre as percepções dos usuários, as experiências de redução de danos, o problema de crianças e adolescentes que utilizam drogas psicotrópicas. 23
  • 25. Acompanhamento e Tratamento de Dependência Química no Pará. Com o intuito de possibilitar o direito de receber tratamento adequado a toda pessoa com problemas decorrentes do uso indevido de drogas psicotrópicas, segue abaixo uma lista de instituições governamentais e não-governamentais de acompanhamento e tratamento de dependência química no estado do Pará (código: 91), norte do Brasil. Associação Mãos Que Se Unem Para Todos (Ananindeua). Telefone: 3263-5303. Associação Fazenda Embrião (Castanhal). Telefones: 3721-1593, 3721-3441. Associação Pão da Vida (Benevides). Telefone: 3251-7881, 8120-9428. Centro de Cuidados a Dependentes Químicos (Belém). Telefones: 3231-4443, 3231-1481. Centro de Prevenção e Tratamento em Dependência Química (Aznanindeua). Telefone: 3263-1309. Centro de Recuperação Vida e Esperança (Marituba). Telefones: 3235-6776, 9115-2396, 3231-9863, 3286-2824. Centro Nova Vida (Ananindeua). Telefone: 3229-3600. Centro Terapêutico Ressurreição (Castanhal). Telefone: 8137-0271. Comunidade Fraterna O Caminho (Benevides). Telefone: 3222-7673, 9169-5481. Comunidade Terapêutica da Amazônia (Vigia). Telefones: 3229-1776, 9146-2051. Comunidade Terapêutica SOS Vida (Belém). Telefone: 3267-8098, 9114-5006, 8115-2668, 8204-9262, 9915-4051. Fazenda da Esperança Dom Ângelo Frozzi (Abaetetuba). Telefone: 9162-0050. Fazenda da Esperança Dom Eliseu (Bragança). Telefone: 3425-1108, 3425-2018, 8827-7666. Sítio Boa Morada (Ananindeua). Telefones: 3237-0107, 9912-1112. Para mais informações de outros centros de aconselhamento, acompanhamento e tratamento para dependência química no estado do Pará, entre em contato com o Comitê das Organizações Não-Governamentais Antidrogas do Pará (CONGAD/PA) pelos telefones: 3285-0498, 8281-1289 e 8128-1289. 24
  • 26. Referências Bibliográficas Abramovay M, Castro MG. Drogas na escola: versão resumida. Endereço eletrônico: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001393/139387por.pdf. Acessado em 8 de junho de 2011. Ayres JRCM, Franca Junior I, Calazans GJ. O conceito de vulnerabilidade e as ̧ ́ praticas de saude: novas perspectivas e desafios. In: Czeresnia D, Freitas CM, ́ ́ organizadores. Promocao da saude: conceitos, reflexoes, tendencias. Rio de ̧ ̃ ́ ̃ ̂ Janeiro: Editora Fiocruz; 2003; 117-139. Carlini EA, Nappo SA, Galduróz JCF, Noto AR. Psychotrophics drugs – what they are and how they act. Revista IMESC 2001; 3: 9-35. Centro Brasileiro de Informacoes sobre Drogas Psicotropicas. V levantamento ̧ ̃ ́ nacional sobre o consumo de drogas entre estudantes do ensino fundamental e medio da rede publica de ensino nas 27 capitais brasileiras – 2004. Endereço ́ ́ eletrônico:http://www.unifesp.br/dpsicobio/cebrid/levantamento_brasil2/inde x.htm. Acessado em 10 de junho de 2011. Conselho Regional de Psicologia, Rio de Janeiro. Drogadição e psicologia: abordagens e intervenções possíveis. Jornal do Conselho Regional de Psicologia 6:1-20. Endereço eletrônico: http://www.crprj.org.br. Acessado em 27 de novembro de 2010. Coordenacao Geral de Doencas e Agravos Nao Transmissiveis, Secretaria de ̧ ̃ ̧ ̃ ́ Vigilancia em Saude, Ministerio da Saude. Pesquisa Nacional de Saude do Escolar – ̂ ́ ́ ́ ́ PeNSE. Brasilia: Ministerio da Saude; 2006. ́ ́ ́ Denadai RC, Fisberg M, Medeiros HGR. Cocaína e crack: o adolescente e o risco das drogas. Pediatria Moderna 2000; 36:7-13. Ferreira PEM, Martini RK. Cocaína: lendas, história e abuso. Revista Brasileira de Psiquiatria 2001; 23: 96-99. Figueiredo RMMD. Prevenção ao abuso de drogas em ações de saúde e educação. Endereço eletrônico: http://www.usp.br/nepaids/pdfs/drogas-as.pdf. Acessado em 07 de março de 2011. Godoy CE, Oliveira AD, Chimaso R. Baralho Celular. Endereço eletrônico: http://genoma.ib.usp.br/educacao/materiais_didaticos_jogos_Baralho_Celular. html. Acessado em 20 de novembro de 2010. Jerusalinsky A. Adolescência e contemporaneidade. In: Mello A, Castro ALS, Geiger M, organizadores. Conversando sobre adolescência e contemporaneidade. Porto Alegre: Editora Libretos; 2004. 54-65. Longenecker GL. Drogas: ações e reações. Coleção Ciências. São Paulo: Editora Market Books; 2002. Ministério da Saúde, Brasil. Drogadição. Endereço eletrônico: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/multimedia/adolescente/drogas2.sw f. Acessado em 28 de julho de 2011. 25
  • 27. Organização das Nações Unidas: Escritório contra drogas e crime. Drogas: você conhece os riscos? Endereço eletrônico: : www.unodc.org/pdf/brazil/drogas_ebook.pdf. Acessado em 23 de fevereiro de 2011. Organização Mundial da Saúde. Neurociência de consumo e dependência a substâncias psicoativas. Endereço eletrônico: : http://www.who.int/substance_abuse/publications/en/Neuroscience_P.pdf Organização Mundial de Saúde. Visão geral da saúde da criança e do adolescente: saúde e desenvolvimento dos adolescentes. Endereço eletrônico: http://www.who.int/child-adolescent-health/OVERVIEW/AHD/adh_over.htm. Acessado em 8 de junho de 2011. Saito MI. Adolescência, cultura, vulnerabilidade e risco. Pediatria 2000; 22:217- 219. Tedesco S. Adolescencia e drogas: algumas indicacoes eticas e politicas. In: Mello A, ̂ ̧ ̃ ́ ́ Castro ALS, Geiger M, organizadores. Conversando sobre adolescencia e ̂ contemporaneidade. Porto Alegre: Editora Libretos 2004; 106-111. Vieira PC, Aerts DRGC, Freddo SL, Bittencourt A, Monteiro L. Uso de álcool, tabaco e outras drogas por adolescentes escolares em município do Sul do Brasil. Cadernos de Saude Publica 2008; 24:2487-2498. ́ ́ Paes MF, Paresque R. Jogo da memória: Onde está o gene? Genética na Escola 2009; 4: 23-29. 26
  • 28. F acilmente, o conhecimento pode ser convertido em um brinquedo, desde que seus olhos estejam determinados a vê-los e assim, como um passe de mágica, os jogos surgem e se transformam em ferramentas divertidas e práticas de transmissão do conhecimento, melhorando o acesso e proporcionando uma aprendizagem mais significativa. Neste livro, além de informações sobre drogas psicotrópicas, você encontrará jogos didáticos. Para fabricá-los, você precisará de materiais simples e poderá também adaptá- los, de acordo com a sua criatividade. Olhe, aprenda, compartilhe e divirta-se. Bons jogos! 27
  • 29. MEMORIZANDO DANOS CAUSADOS PELAS DROGAS PSICOTRÓPICAS PREPARANDO O JOGO: 1. Material necessário: Quatro páginas de cartolina em cores distintas, quatro páginas de papel tamanho A4, impressora com tintas coloridas, um tubo de cola branca e uma tesoura. 2. Número de cartas: 32 (trinta e duas), sendo oito cartas para cada grupo distinto (nome, imagem, dano físico e dano psíquico). 3. Preparando cartas: Imprima as quatro páginas contendo as cartas do jogo. As cartas com borda de cor azul possuem os nomes das drogas lícitas e ilícitas, recorte-as, cole-as numa cartolina (sugestão de cor: azul). As cartas com bordas de cor amarela possuem as imagens das drogas lícitas e ilícitas (http://images.google.com.br), recorte-as e cole-as numa cartolina (sugestão de cor: amarela). As cartas com bordas de cor verde apresentam os danos físicos causados pela experimentação e consumo abusivo de drogas lícitas e ilícitas, recorte-as e cole-as numa cartolina (sugestão de cor: verde). As cartas com bordas de cor vermelha apresentam os danos psíquicos causados pela experimentação e consumo abusivo de drogas lícitas e ilícitas, recorte-as e cole-as numa cartolina (sugestão de cor: vermelha). Por fim, recorte cada carta das quatro diferentes cartolinas com cuidado de deixá-las em tamanho semelhante. Outro material alternativo a cartolina poderá ser utilizado para dá maior resistência as cartas, exemplos: papel cartão, papelão ou E.V.A. NÚMERO DE JOGADORES: dois a quatro. 28
  • 30. COMO SE JOGA? 1. Inicialmente, as cartas com as mesmas cores deverão ser embaralhadas e dispostas, com a imagem ou texto virados para baixo, numa coluna. Ao final, teremos quatro colunas de cartas, uma para cada cor (azul, amarela, vermelha e verde) e uma ao lado da outra. 2. O objetivo de cada jogada é associar o nome (carta azul), a imagem (carta amarela), o dano físico (carta verde) e o dano psíquico (carta vermelha) causado por determinada droga psicotrópica. 3. Uma jogada consiste em virar uma carta azul, depois uma carta amarela, em seguida uma carta verde e, por fim, uma carta vermelha. Todos os jogadores deverão visualizar as cartas que forem viradas. Se as cartas viradas forem correspondentes, o jogador formará uma coleção de quatro cartas relacionas entre si (nome, imagem, dano físico e dano psíquico de uma droga), que deverá ser guardada pelo mesmo. 4. Se as quatro cartas viradas não formarem correspondências, a jogada é finalizada. Em seguida, as cartas são recolocadas em seus lugares, com a figura ou o texto virado para baixo. Todos os jogadores deverão ficar atentos nas cartas que são viradas e recolocadas nas colunas. 5. O jogo termina quando se formar todas as coleções de cartas correspondentes. Ganha o jogador que acumular mais coleções. Além de oferecer uma oportunidade para pais e filhos ou professores e alunos conversarem sobre as problemáticas relacionadas ao uso de drogas psicotrópicas, o jogo “Memorizando danos causados pelas drogas psicotrópicas” visa auxiliar de forma lúdica no processo de conscientização e prevenção ao uso de drogas psicotrópicas através da estimulação do raciocínio, do estudo fora do ambiente da sala de aula e da integração entre os participantes. 29
  • 31. CARTAS: NOMES DE DROGAS PSICOTRÓPICAS 30
  • 32. CARTAS: IMAGENS DE DROGAS PSICOTRÓPICAS 31
  • 33. CARTAS: DANOS FÍSICOS CAUSADOS POR DROGAS PSICOTRÓPICAS 32
  • 34. CARTAS: DANOS PSÍQUICOS CAUSADOS POR DROGAS PSICOTRÓPICAS 33
  • 35. DESEMBARALHANDO AS DROGAS PSICOTRÓPICAS: CONCEITOS, CLASSIFICAÇÕES E EFEITOS. PREPARANDO O JOGO: 1. Material necessário: Duas páginas de cartolina (sugestão de cor: branca), cinco páginas de papel tamanho A4, impressora com tintas, um tubo de cola branca e uma tesoura. 2. Número de cartas: 50 (cinquenta), sendo 10 (dez) para cada grupo distinto (nome, imagem, classificação de acordo com exigências legais, classificação de acordo com modificação na atividade psíquica e comportamental, e efeito psicotrópico). 3. Preparando cartas: Imprima as cinco páginas contendo as cartas do jogo, recorte-as e cole-as na cartolina. Por fim, recorte cada carta da cartolina com cuidado de deixá-las em tamanho semelhante. Outro material alternativo a cartolina poderá ser utilizado para dá maior resistência as cartas, exemplos: papel cartão, papelão ou E.V.A. NÚMERO DE JOGADORES: quatro a dez. COMO SE JOGA? 1. Inicialmente, separa-se o número de conjuntos de cartas correspondente ao numero de jogadores. Por exemplo: se houver quatro jovens para jogar, inicialmente deverão ser separados quatro conjuntos de cartas referentes a quatro drogas. 2. Embaralhe as cartas que serão utilizadas para o jogo (seleção de acordo com as instruções do item 1) e distribua cinco cartas para cada jogador. 3. Cada jogador deve manter as cartas na sua mão de forma a ocultá–las dos adversários. Cada jogador opta por tentar reunir o conjunto de cartas referentes a uma droga, de sua própria escolha. 34
  • 36. 4. Em cada rodada, cada jogador deverá passar uma de suas cartas para o jogador à sua esquerda. Todos os jogadores deverão passar suas cartas simultaneamente. Dessa forma, a carta recebida só pode ser passada adiante na rodada seguinte. 5. O desafio do jogador é conseguir, antes dos demais jogadores, um conjunto de cinco cartas relacionadas a uma determinada droga. Por outro lado, o enigma está no fato dos estudantes não terem conhecimento da escolha do conjunto referente a uma determinada droga feita pelo adversário. Ganha o jogo o jogador que reunir primeiro o conjunto de cinco cartas referente a uma determinada droga. Além de oferecer uma oportunidade para pais e filhos ou professores e alunos conversarem e visualizarem os conceitos, as classificações e os efeitos de distintas drogas psicotrópicas, o jogo “Desembaralhando as drogas: conceitos, classificações e efeitos” visa também contribuir para o surgimento de questões relacionadas ao uso de drogas em ambiente seguro, favorável e pertinente a discussões sobre tal temática. 35
  • 37. CARTAS: NOME DE DROGAS PSICOTRÓPICAS 36
  • 38. CARTAS: IMAGENS DE DROGAS PSICOTRÓPICAS 37
  • 39. CARTAS: CLASSIFICAÇÃO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS DE ACORDO COM EXIGÊNCIAS LEGAIS BRASILEIRAS 38
  • 40. CARTAS: CLASSIFICAÇÃO DE DROGAS DE ACORDO COM MODIFICAÇÃO NA ATIVIDADE PSÍQUICA E COMPORTAMENTAL 39
  • 41. CARTAS: EFEITOS DE DROGAS PSICOTRÓPICAS 40
  • 42. ENTENDENDO E SAINDO DA TRILHA DAS DROGAS PSICOTRÓPICAS PREPARANDO O JOGO: 1. Material necessário: Três páginas de cartolina (sugestão de cor: branca), três canetas de tinta porosa de cores diferentes, nove páginas de papel tamanho A4, impressora com tintas, um tubo de cola branca, uma tesoura e quatro tampas brancas de garrafa de água mineral. Outro material alternativo a cartolina poderá ser utilizado para dá maior resistência as cartas e ao tabuleiro (exemplos: papel cartão, papelão ou E.V.A), assim como outros objetos poderão representar os pinos do jogo. 2. Conteúdo do jogo: um tabuleiro, quarenta cartas, quatro pinos, um dado e uma lista de perguntas e respostas relacionadas ao tema “drogas”. 3. Preparando tabuleiro: Imprima as duas páginas contendo o esquema do tabuleiro. Cole o esquema um na cartolina e, em seguida, cole uma parte do esquema dois sobre a extremidade do esquema um (área indicada) e o restante sobre a cartolina. 4. Preparando cartas: Imprima as quatro páginas contendo as cartas do jogo, recorte-as e cole-as na cartolina. Por fim, recorte cada carta da cartolina com cuidado de deixá-las em tamanho semelhante. 5. Preparando o dado e os pinos. Imprima a página contendo o esquema para construção do dado. Seguindo a linha tracejada, recorte o esquema e cole suas extremidades. Por outro lado, os pinos do jogo serão representados pelas tampas de garrafa diferenciadas por cores. Dentre as quatro tampas, uma tampa não será pintada, constituindo um pino da cor branca. Já as outras três tampas, cada qual será pintada com uma caneta porosa de cor diferente (sugestão de cores: azul, vermelho e verde), constituindo três pinos de cores distintas. responsável em acessar a página de perguntas e respostas e não terá direito a competir no jogo. 41
  • 43. COMO SE JOGA? 1. Inicialmente, escolhe-se o jogador que terá acesso a página de perguntas e respostas sobre a temática drogas e aplicará as perguntas, quando necessário. Esse administrador deve embaralhar as cartas e colocá-las em local adequado sobre o tabuleiro, com o lado contendo o texto virado para baixo. 2. O restante dos jogadores serão considerados competidores e deverão escolher seus respectivos pinos, colocá-los na posição inicial do tabuleiro e decidir qual será a ordem de participação (sugestão: todos os jogadores jogam o dado, o jogador que obter o maior número será o 1o, o jogador que obter o 2o maior número será o 2o e assim sucessivamente). 3. Na ordem estabelecida para participação, cada competidor deverá jogar o dado e, de acordo o número obtido, movimentar seu pino na trilha do jogo. Baseado na informação fornecida pela casa ocupada pelo pino ou resposta a pergunta da carta, o competidor deverá realizar as ações: permanecer, avançar ou retroceder. As cartas serão lidas pelo competidor e as perguntas e suas possíveis respostas serão lidas pelo administrador, caso o competidor responda corretamente a pergunta, poderá executar a ação prevista. 4. O desafio do competidor é demonstrar que possui considerável conhecimento sobre o tema “drogas” e, claro, ter um pouco de sorte! Ganha o jogo o competidor que primeiro atingir a posição final do tabuleiro. 42
  • 46. CARTAS: 45
  • 48. LISTA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS: Em cada pergunta, a resposta correta possui a letra (x) destacada em negrito e itálico. 1. Como podemos definir o termo “droga”? (a) Droga é toda substância usada para beneficiar a saúde de alguma maneira. (b) Droga é toda substância usada para prejudicar a saúde de alguma maneira. (c) Droga é toda substância que introduzida no corpo, modifica suas funções. (d) Droga é qualquer substância ilegal utilizada para alteração do sistema nervoso. 2. Como podemos definir o termo “tóxico”? (a) Tóxico é uma substância natural e letal. (b) Tóxico é uma substância simples ou composta, de origem sintética, que intoxica o organismo, podendo até levar a morte. (c) Tóxico é uma substância perigosa que ocasiona dependência química, podendo levar o usuário a praticar atos violentos contra a sociedade e a sua própria vida. (d) Tóxico é uma substância simples ou composta, de origem mineral, vegetal ou animal, natural ou sintética, que envenena o organismo, podendo até levar a morte. 3. Como podemos definir o termo “entorpecente”? (a) Entorpecente é uma substância simples ou composta, natural ou sintética, que inativa ou reduz significativamente a atividade física e mental. (b) Entorpecente é uma substância simples que produz sensação de dor. (c) Entorpecente é uma substância sintética que produz sensação de torpor. (d) Entorpecente é uma substância composta que inativa a atividade cardíaca. 47
  • 49. 4. Como podemos definir o termo “droga psicotrópica”? (a) Droga psicotrópica é toda substância química, natural ou sintética, que têm tropismo pelo sistema nervoso central e que modifica a atividade psíquica e o comportamento. (b) Droga psicotrópica é toda substância química que altera somente a atividade psíquica. (c) Droga psicotrópica é toda substância usada para beneficiar o sistema nervoso. (d) Droga psicotrópica é toda substância ilícita que modifica consideravelmente o sistema nervoso central e periférico. 5. Considerando as modalidades de uso de drogas psicotrópicas. Podemos afirmar que a modalidade final e mais grave de uso de drogas é: (a) Experimentação e utilização eventual. (b) Experimentação e uso abusivo. (c) Dependência. (d) Terminal ou overdose. 6. Como podemos definir o termo “abuso de drogas”? (a) Todo consumo de droga que causa dano físico, psicológico, econômico, legal ou social ao usuário ou àqueles afetados pelo seu comportamento. (b) Todo consumo de droga que causa dano físico, psicológico, econômico, legal ou social ao usuário. (c) Todo consumo de droga que causa abuso naqueles que convivem com o usuário ou àqueles afetados pelo seu comportamento. (d) Todo consumo exagerado de droga que leva o usuário ao óbito. 7. Como podemos definir o termo “abstinência de drogas”? (a) É a suspensão do uso de drogas por no mínimo 15 dias. (b) É o conjunto de sintomas decorrente da redução ou suspenção brusca do consumo de droga. (c) É um problema físico ou psicológico ocasionado pelo uso excessivo de droga. (d) É o conjunto de sintomas decorrente do início do uso abusivo de droga. 48
  • 50. 8. Como podemos definir o termo “tolerância a drogas”? (a) É um estado emocional e/ou físico caracterizado pela necessidade urgente da droga, seja pelo seu efeito positivo ou para evitar o efeito negativo associado a sua ausência. (b) É caracterizada pelo tipo de droga consumida e pelo vínculo que o usuário estabelece com a droga. (c) É a necessidade progressiva de aumentar a quantidade da droga utilizada para obter os mesmos efeitos. (d) É a necessidade progressiva de diminuir a quantidade da droga utilizada para eliminar seus efeitos. 9. Como podemos definir o termo “dependência de drogas”? (a) É um estado emocional e/ou físico caracterizado pela necessidade urgente da droga, seja pelo seu efeito positivo ou para evitar o efeito negativo associado a sua ausência. (b) É caracterizada pelo tipo de droga consumida e pelo vínculo que o usuário estabelece com a droga. (c) É a necessidade progressiva de aumentar a quantidade da droga utilizada para obter os mesmos efeitos. (d) É a necessidade progressiva de diminuir a quantidade da droga utilizada para eliminar seus efeitos. 10. Segundo as convenções legais e sociais, podemos classificar as drogas em: (a) Tóxicas e antitóxicas (b) Lícitas e ilícitas (c) Boas e ruins. (d) Alucinógenas e não-alucinógenas. 11. No Brasil, a cerveja é considerada uma droga? (a) Lícita (b) Ilícita. 12. No Brasil, a maconha é considerada uma droga? (a) Lícita (b) Ilícita. 49
  • 51. 13. No Brasil, a nicotina contida nos cigarros é considerada uma droga? (a) Lícita (b) Ilícita. 14. No Brasil, a cocaína, principal componente do crack e do oxi, é considerada uma droga? (a) Lícita (b) Ilícita. 15. Segundo os efeitos ocasionados no sistema nervoso, como podemos classificar as drogas psicotrópicas? (a) Drogas estimulantes, depressoras e sedativas. (b) Drogas sedativas, perturbadoras e disruptoras. (c) Drogas depressoras, disruptoras e estimulantes. (d) Drogas estimulantes, depressoras e perturbadoras. 16. A possibilidade de uma droga causar efeito em uma célula em particular é determinada pela presença ou ausência de receptores adequados. Cite os fatores que influenciam a intensidade do efeito uma droga. (a) Número de receptores celulares. (b) Quantidade utilizada de droga. (c) Número de receptores celulares e quantidade utilizada de droga. (d) Número de receptores celulares, potencial de vício e quantidade de droga. 17. As drogas simulam que moléculas naturais presentes no organismo humano? (a) Hormônios (b) Ácidos nucléicos ((c) Neurotransmissores 18. Qual o nome do sistema neurobiológico responsável pela dependência de drogas psicotrópicas? (a) Sistema de vício (c) Sistema abusivo (b) Sistema recompensa (d) Sistema nervoso 50
  • 52. 19. Cite uma característica que NÃO identifica um possível usuário de drogas psicotrópicas. (a) Modificações de interesse nas atividades de rotina; (b) Manutenção de comportamento nos hábitos de comer e dormir; (c) Alterações na personalidade; (d) Desaparecimento de objetos de valor na residência. 20. Cite uma medida de intervenção no processo de uso de drogas psicotrópicas. (a) Afastar o usuário do meio social. (b) Dificultar o acesso do usuário ao serviço educacional e de saúde. (c) Desenvolver atividades de prevenção de agravos. (d) Não estabelecer parcerias em rede social. 21. Cite uma droga psicotrópica que estimula as atividades do sistema nervoso central? (a) Maconha (b) Cerveja ((c) Nicotina 22. Cite uma droga psicotrópica que diminui as atividades do sistema nervoso central? (a) Maconha (b) Cerveja (c) Nicotina 23. Cite uma droga provoca alterações no funcionamento cerebral, em especial alterações sensoriais e de percepção da realidade. (a) Maconha (b) Cerveja ((c) Nicotina 24. Cite a forma utilizada para consumir whisky, uma droga depressora. (a) Ingestão (b) Injetável ((c) Inalada 25. Segundo o efeito causado no sistema nervoso, podemos classificar a maconha como droga? (a) Droga estimulante (b) Droga depressora (c) Droga perturbadora 51
  • 53. 26. Segundo o efeito causado no sistema nervoso, podemos classificar a pasta de cocaína como droga? (a) Droga estimulante (b) Droga depressora (c) Droga perturbadora 27. Segundo o efeito causado no sistema nervoso, podemos classificar a cafeína, contida em diversas bebidas comercializadas, como uma droga? (a) Droga depressora (b) Droga estimulante (c) Droga perturbadora 28. Segundo o efeito causado no sistema nervoso, podemos classificar o crack como droga? (a) Droga perturbadora (b)Droga depressora ((c) Droga estimulante 29. Segundo o efeito causado no sistema nervoso, podemos classificar a cachaça como droga? (a) Droga estimulante (b) Droga depressora (c)Droga perturbadora 30. Segundo o efeito causado no sistema nervoso, podemos classificar LSD como droga? (a) Droga estimulante (b) Droga depressora (c) Droga perturbadora 31. Segundo o efeito causado no sistema nervoso, podemos classificar a heroína como droga? (a) Droga estimulante (b) Droga depressora (c) Droga perturbadora 32. Legalmente, as drogas psicotrópicas são classificadas em lícitas e ilícitas. Cite a afirmativa incorreta: (a) A cocaína é considerada uma droga ilícita. (b) O cigarro de tabaco é considerado uma droga lícita. (c) A maconha é considerada uma droga lícita. (d) O álcool é considerado uma droga ilícita para menores de 18 anos. 52
  • 54. 33. O uso de drogas psicotrópicas conduz a um desejo maior de consumo. Cite a afirmativa que melhor define o significado do sistema recompensa. (a) O sistema recompensa é a interação direta e indireta das drogas psicotrópicas com o sistema hormonal, possibilitando a alteração da vivacidade, memória, movimento, motivação e equilíbrio. (b) O sistema recompensa é a interação das drogas psicotrópicas com várias áreas e sistemas do cérebro, incluindo as relacionadas à emoção, movimento, memória, vivacidade e equilíbrio. (c) O sistema recompensa é a interação indireta das drogas psicotrópicas com o sistema nervoso central, periférico e adjacente possibilitando a alteração da atividade psíquica e do comportamento. (d) O sistema recompensa é a interação direta do usuário e do comerciante de drogas, possibilitando o consumo abusivo de drogas. 34. As drogas circulam de maneira previsível pelo corpo humano. Cite a alternativa que melhor representa tal afirmativa: (a) As drogas circulam somente em sua área de atuação. (b) As drogas circulam por todo organismo até sua excreção. (c) As drogas circulam principalmente no local de aplicação, ingestão ou inalação. (d) As drogas circulam por todo organismo até sua excreção no sistema nervoso. 53
  • 55. Dado: 54