SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Benefício de Prestação Continuada:
não abra mão da sua cidadania
Conselho
Federal de
Psicologia
2
Conselho Federal de Psicologia
SRTVN 702 - Ed. Brasília Rádio Center - sala 4024-A
CEP: 70.719-900
Fone: (61) 2109-0100
Fax: (61) 2109-0150
e-mail: contato@pol.org.br
www.pol.org.br
3
O benefício de prestação
continuada e o portador de
transtorno mental
4
Um guia prático para operadores,
familiares e usuários
5
As pessoas que sofrem de alguma doença mental po-
dem estar, por esse motivo, impedidas de trabalhar. Essa in-
capacidade para o trabalho pode ser temporária ou perma-
nente, a depender do problema enfrentado. Caso a pessoa
seja muito pobre (renda inferior a ¼ do salário mínimo), tem
o direito a receber um salário mínimo mensal da União. Esse
benefício, previsto pela Lei Orgânica da Assistência Social
(LOAS), é chamado de“benefício de prestação continuada”.
Para ter acesso a esse benefício, entretanto, não é ne-
cessário que a pessoa portadora do transtorno mental seja
interditada. A interdição – e a conseqüente curatela - é uma
medida extrema só recomendada quando o beneficiário
não tem a menor condição de exercer qualquer dos seus
direitos civis; quando está, em síntese, em uma situação
extrema de incapacidade. A grande maioria dos portadores
de transtorno mental, entretanto, mesmo quando incapa-
citados para o trabalho, podem ter uma vida normal em
muitos outros aspectos e decidir, por si mesmos, o que é
melhor para o seu futuro. Em outros momentos, o problema
de saúde mental enfrentado pelo beneficiário pode impli-
car uma interdição parcial de direitos. Em tais casos, o juiz
determina que a pessoa está apta a exercitar plenamente
seus direitos civis, menos alguns que deverá nomear. Infeliz-
mente, a interdição parcial raramente tem sido empregada
no Brasil.
Esta cartilha esclarece os procedimentos necessários
para se obter o benefício e explica porque não se pode per-
mitir a banalização das interdições judiciais no Brasil.
6
O que diz a Constituição Federal,
nossa Lei Maior
O benefício de prestação continuada foi assegurado
pela Constituição Federal de 1988, e está previsto em seu
artigo 203. Diz esse artigo que:
“A assistência social será prestada a quem dela neces-
sitar, independentemente de contribuição à seguridade
social, e tem por objetivos:
I - a proteção à família, à maternidade, à infância, à ado-
lescência e à velhice;
II - o amparo às crianças e adolescentes carentes;
III - a promoção da integração ao mercado de trabalho;
IV - a habilitação e reabilitação das pessoas portadoras
de deficiência e a promoção de sua integração à vida comu-
nitária;
V - a garantia de 1 (um) salário mínimo de benefício
mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que
comprovem não possuir meios de prover a própria manu-
tenção ou de tê-la provida por sua família”.
7
Com esse artigo, a Constituição Federal deu um passo
muito importante para que o Brasil pudesse ter, finalmente,
uma política nacional de assistência social que amparasse
as pessoas mais carentes e necessitadas. Como fica claro no
texto citado, o Estado possui o dever de prestar a assistência
aos necessitados, mesmo que estes nunca tenham descon-
tado para a previdência social.
O item V, do art. 203 da C.F., por seu turno, introduz um
critério de seleção dos beneficiários, dizendo que só terão
acesso ao benefício de prestação continuada aqueles
que forem portadores de deficiência e os idosos que não
puderem prover sua própria manutenção – ou seja: que
não possam trabalhar, ou que não possam ser amparados
pela família.
Para os efeitos legais
do benefício de prestação
continuada,“idoso”é todo
aquele que tem mais de
65 anos (art. 34 do Estatuto
do Idoso, Lei nº 10.741, de
1º de outubro de 2003), e
“portadores de deficiência”
são aqueles que possuem
deficiência física, deficiência
mental ou doença mental.
8
O que diz a Lei Orgânica da
Assistência Social (LOAS)
O conteúdo do art. 203 da C.F. é repetido pelo art. 2º da
Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS). No seu capítulo IV,
a LOAS regulamenta a concessão dos benefícios definindo
que:
“Art. 20. O benefício de prestação continuada é a garan-
tia de 1 (um) salário mínimo mensal à pessoa portadora de
deficiência e ao idoso com 70 (setenta) anos ou mais e que
comprovem não possuir meios de prover a própria manu-
tenção e nem de tê-la provida por sua família”.
Comentário:
Deve-se desconsiderar a idade prevista nesse artigo. Lei
posterior, o Estatuto do Idoso estabeleceu que, no caso dos
idosos, a idade para o benefício de prestação continuada é
de 65 anos.
Pelo art. 20 da LOAS, os portadores de transtorno mental
devem comprovar apenas duas condições: 1) não possuir
meios de prover sua própria subsistência e 2) cuja família
também não tenha condições de garantir o seu sustento.
Como se vê, em nenhum mo-
mento a lei exige, como con-
dição para o benefício, que
o portador de transtorno
mental seja interditado.
9
“§ 1º Para os efeitos do disposto no caput, entende-se
como família o conjunto de pessoas elencadas no art. 16 da
Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, desde que vivam sob o
mesmo teto (nova redação dada pela Lei nº 9.720/98)”.
Comentário:
O art. 16 da Lei nº 8.213, a que esse parágrafo faz refe-
rência, estabelece como membros da família: o cônjuge, a
companheira, o companheiro e o filho não emancipado,
menor de 21 anos ou inválido, os pais e o irmão não eman-
cipado com menos de 21 anos ou inválido.
“§ 2º Para efeito de concessão deste benefício, a pessoa
portadora de deficiência é aquela incapacitada para a vida
independente e para o trabalho”.
Comentário
“Pessoa incapacitada para a vida independente e para
o trabalho”é aquela que precisa de ajuda para sua própria
sobrevivência. Isso não significa que ela esteja incapacitada
para tomar decisões a respeito de sua própria vida, que não
possa ter uma conta no banco, que não possa sair sozinha
de casa, etc. A maioria das pessoas que possuem alguma
doença mental é completamente capaz de regular sua vida,
como qualquer outra, pelo menos na maior parte do tempo.
Seu transtorno, no entanto, pode lhes impedir de trabalhar
normalmente, e isso é o que deve ser medido para efeito do
benefício.
10
“§ 3º Considera-se incapaz de prover a manutenção
da pessoa portadora de deficiência ou idosa a família cuja
renda mensal per capita seja inferior a 1/4 (um quarto) do
salário mínimo”.
Comentário:
Nesse parágrafo, temos a definição de um critério objeti-
vo de pobreza para que se possa pedir o benefício. A renda
de toda a família dividida pelos seus membros deve ser in-
ferior a ¼ do salário mínimo. O critério é bastante restritivo,
e acaba selecionando apenas as pessoas que estão abaixo
da linha de pobreza. Assim, por exemplo: uma família de
quatro pessoas cuja renda total seja de apenas um salário
mínimo não poderá pleitear o benefício, porque sua renda
“per capita”(ou seja:“por cabeça”) seria igual a ¼ do salário,
enquanto a lei exige que seja inferior a ¼ do salário mínimo.
Se a mesma família fosse composta por cinco pessoas ou
mais então já estaria dentro do critério.
§ 4º O benefício de que trata este artigo não pode ser
acumulado pelo beneficiário com qualquer outro no âmbito
da seguridade social ou de outro regime, salvo o da assis-
tência média.
§ 5º A situação de in-
ternado não prejudica o
direito do Idoso ou do
portador de deficiência
ao benefício”.
11
Comentário
No caso da pessoa com transtorno mental, isso significa
que ela não perderá o direito a receber o benefício caso
sofra uma internação psiquiátrica.
§ 6º A concessão do benefício ficará sujeita a exame
médico pericial e laudo realizados pelos serviços de perícia
médica do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS. (nova
redação dada pela Lei nº 9.720/98.).
Comentário
O INSS é o órgão encarregado de realizar a perícia (exa-
me) para comprovar se a pessoa para quem se está solici-
tando o benefício está, de fato, dentro dos critérios exigidos
pela Lei. No caso do portador de transtorno mental, esse
exame é que irá atestar se a pessoa está ou não apta ao
trabalho.
“§ 7º Na hipótese de não existirem serviços no município
de residência do beneficiário, fica assegurado, na forma pre-
vista em regulamento, o seu encaminhamento ao município
mais próximo que contar com tal estrutura. (nova redação
dada pela Lei nº 9.720/98.).
§ 8º A renda familiar mensal a que se refere o § 3º de-
verá ser declarada pelo requerente ou seu representante
legal, sujeitando-se aos demais procedimentos previstos no
regulamento para o deferimento do pedido.”(nova redação
dada pela Lei nº 9.720/98.).
Art. 21. O benefício de prestação continuada deve ser
revisto a cada 2 (dois) anos para avaliação da continuidade
das condições que lhe deram origem”.
12
Comentário:
O benefício não é eterno. Ele pode ser suspenso caso
se comprove que as condições que lhe deram origem não
existem mais. Assim, por exemplo, se a família melhorou sua
renda e já pode prover o sustento do beneficiário, ou se ele
mesmo já pode trabalhar normalmente, então o benefício
pode ser suspenso.
“§ 1º O pagamento do benefício cessa no momento em
que forem superadas as condições referidas no“caput”, ou
em caso de morte do beneficiário.
§ 2º O benefício será cancelado quando se constatar
irregularidade na sua concessão ou utilização”.
Art. 31 Cabe ao Ministério Público zelar pelo efetivo res-
peito aos direitos estabelecidos nesta lei.
Comentário:
O Ministério Público tem a importante função de, em
nome da sociedade, zelar pelo estrito cumprimento da Lei
Orgânica da Assistência Social. Nesse sentido, os Promo-
tores devem acompanhar permanentemente as reuniões
ordinárias dos Conselhos de Assistência Social, fiscalizar
suas decisões e cobrar o estabeleci-
mento efetivo de políticas públi-
cas. O ideal é que a Promotoria
mantenha, inclusive, cópia
de todas as atas de reu-
niões dos Conselhos
de Assistência Social
bem como de do-
13
cumentos relacionados ao funcionamento dos Conselhos,
de tal forma que constitua um acervo capaz de oferecer um
banco de dados à disposição da cidadania.
Especificamente no que diz respeito aos benefícios
concedidos, caberá ao Ministério Público efetuar diligências
e apurar possíveis irregularidades ou a prática de ilícitos
penais, de modo a assegurar, por exemplo, que os recursos
correspondentes aos benefícios de prestação continuada
eventualmente geridos por curadores sejam, efetivamente,
utilizados em prol do curatelado. Nesse particular, o Minis-
tério Público deve exigir prestação de contas dos recursos
recebidos, zelando pelos interesses do beneficiado.
Devido ao seu papel de fiscalização e de propositura de
ações civis públicas e ações penais, as denúncias quanto a
eventuais irregularidades atinentes ao recebimento dos be-
nefícios de prestação continuada devem ser encaminhadas,
preferencialmente, ao Ministério Público.
14
O que diz o INSS
O INSS, procurando afastar qualquer má interpretação a
respeito das exigências descabidas de interdição dos bene-
ficiários portadores de transtorno mental editou, em 23 de
fevereiro de 2006, o Memorando-circular nº 09 (INSS-DIR-
BEN), na qual esclarece que:
“1.6 – exigência de Termo de Curatela para os casos de
aposentadoria por invalidez decorrente de doença mental
(art. 162):
a) na concessão: foram revogados os §§ 2º e 3º do art.
162 do Decreto nº 3.048/99, não sendo mais exigível a apre-
sentação do Termo de Curatela para os casos de aposenta-
doria por invalidez decorrente de enfermidade mental;
b) a orientação acima deverá ser aplicada a todos os
benefícios, inclusive aos benefícios de que dispõe a Lei
Orgânica de Assistência Social (LOAS), para os quais tem ha-
vido a exigência indevida desse documento por parte dos
servidores da APS;
c) na manutenção: caso alguém da família alegue que
o beneficiário não possui condições de gerir o recebimento
do benefício, deverão ser adota-
dos os seguintes procedimen-
tos:
I- constituição de
procurador conforme
dispõe o art. 156 do
Decreto nº 3.048/
99, na hipótese
15
de o beneficiário possuir discernimento para a constituição
de mandatário (Lei nº 10.406, de 10/01/2002 – Código Civil
Brasileiro CCB, art. 654, c/c o art. 3º, II e III), uma vez que o
fato de ser acometido de enfermidade mental não significa
impossibilidade de consciência e expressão válida de vonta-
de em todos os momentos;
II- Na impossibilidade de constituição de procurador,
deve ser orientada/esclarecida a família sobre a possibilida-
de de interdição parcial ou total do beneficiário, conforme
disposto nos arts. 1.767 e 1.772 da Lei nº 10.406, de 10/01/
2002 – CCB;
III- Na situação da alínea acima, deverá ser exigida uma
declaração da pessoa que se apresenta no Instituto alegan-
do a situação vivida pelo beneficiário;
IV- A interdição, seja total ou parcial, nunca deve ser exi-
gência do INSS, pois ela deve ser promovida pelos pais ou
tutores, pelo cônjuge ou qualquer outro parente, ou ainda,
pelo Ministério Público, conforme art. 1.768 do CCB;
V- O INSS somente procederá à alteração do recebedor
do benefício após a apresentação do comprovante do pe-
dido de interdição,total ou parcial,perante a justiça,o que
permitirá o recebimento do benefício,na condição de admi-
nistrador provisório,por um período de seis meses,observa-
do o art.416 da IN/INSS/DC nº 118/05”.
Desde a edição dessa instrução normativa, assim, o INSS
assumiu o compromisso de evitar a exigência descabida da
interdição e de apresentação de termo de curatela para a
concessão dos benefícios legais aos portadores de transtor-
no mental.
16
A incapacidade segundo o novo
Código Civil Brasileiro
Desde 10 de janeiro de 2003, vigora no Brasil o novo
Código Civil (CCB, Lei nº 10.406/2002). Em seu art. 3º, o novo
CCB estabelece que:
“Art. 3o
São absolutamente incapazes de exercer pessoal-
mente os atos da vida civil:
I - os menores de dezesseis anos;
II - os que, por enfermidade ou deficiência mental, não
tiverem o necessário discernimento para a prática desses
atos;
III - os que, mesmo por causa transitória, não puderem
exprimir sua vontade.”
A redação oferecida a esse artigo introduziu uma mu-
dança fundamental quando comparada com o disposto
pelo Código Civil anterior (Lei nº 3.071 - de 1º de janeiro de
1916 ) que, em seu art. 5º, afirmava:
“Art. 5º- São absolutamente incapazes de exercer pesso-
almente os atos da vida civil:
I - os menores de 16 (dezesseis) anos;
II - os loucos de todo o gênero;
III - os surdos-mudos, que não
puderem exprimir a sua von-
tade;
IV - os ausentes, decla-
rados tais por ato do
juiz.”
17
Observe-se que a expressão“loucos de todo o gênero”
era empregada para excluir, do exercício da cidadania, todos
os portadores de transtorno mental, independentemente
da gravidade do problema de cada indivíduo. Assim, pela lei
antiga – que retratava a forma como se concebia a doença
mental ao início do século XX –, bastava um diagnóstico de
“loucura”para que a pessoa a quem se imputava essa ex-
pressão fosse, imediatamente, impedida de exercer autono-
mamente qualquer ato da vida civil.
Com o novo CCB, o conceito que permite demarcar a
fronteira entre a capacidade e a incapacidade civil é o de
“discernimento”. Havendo o discernimento necessário à
prática dos atos civis, a pessoa é capaz; não havendo esse
discernimento, constata-se a incapacidade absoluta.
Assim, corretamente, a nova Lei assumiu a idéia de que o
simples fato de alguém estar doente ou de ser portador de
transtornos mentais não é
o mesmo que estar incapa-
citado para a vida civil.
Trata-se de uma con-
quista fundamental para a
afirmação dos direitos das
pessoas com transtorno
mental e, além disso, con-
dição imprescindível para
sua integração social.
18
Sobre a interdição
O novo Código Civil estabelece que a interdição e a
conseqüente indicação de um curador – familiar que será
responsável pelo interditado – apenas poderá ocorrer nos
casos em que o portador de transtorno mental seja abso-
lutamente incapaz,ou, em outras palavras: quando a pes-
soa não tiver o discernimento necessário aos atos da vida
civil. Nos termos do art. 1.767:
“Art. 1.767. Estão sujeitos a curatela:
I - aqueles que, por enfermidade ou deficiência mental,
não tiverem o necessário discernimento para os atos da
vida civil;
II - aqueles que, por outra causa duradoura, não pude-
rem exprimir a sua vontade;
III - os deficientes mentais, os ébrios habituais e os
viciados em tóxicos;
IV - os excepcionais sem completo desenvolvimento
mental;
V - os pródigos”.
A partir desse comando, o Código Civil estabelece
19
como ilegais e abusivas todas as interdições que porven-
tura venham a ser determinadas à margem do que estabe-
lece o inciso I do art. 1.767. Em outras palavras: alguém que
tenha recebido um diagnóstico de doença mental, mas
que tenha o discernimento necessário aos atos da vida
civil não poderá ser interditado, em qualquer hipótese.
Pela mesma razão, pessoas portadoras de transtorno
mental interditadas com base no Código Civil antigo po-
derão, caso tenham discernimento, ser beneficiadas com o
levantamento da interdição.
O art. 1.772 do Código Civil Brasileiro assinala que;
“Pronunciada a interdição das pessoas a que se referem
os incisos III e IV do art. 1767, o juiz assinará, segundo o
estado ou o desenvolvimento mental do interdito, os limi-
tes da curatela, que poderão circunscrever-se às restrições
constantes do art. 1.782.”
O referido art. 1.782 assinala, por seu turno, que:
“ A interdição do pródigo só o privará de, sem curador,
emprestar, transigir, dar quitação, alienar, hipotecar, de-
mandar ou ser demandado, e praticar, em geral, os atos
que não sejam de mera administração.”
Por esse caminho, temos a possibilidade já referida da
interdição limitada (ou parcial), que impede a autonomia
do afetado apenas para alguns dos atos da vida civil, a
exemplo dos critérios adotados frente aos “pródigos” (pes-
soas que tendem a desperdiçar seu dinheiro ou a dissipar
seus bens).
20
Em casos extremos, a interdição pode ser necessária,
sendo mesmo medida de proteção para as pessoas mais
fragilizadas que, de fato, não tenham a menor condição de
se auto-determinar. Entretanto, a interdição é uma medida
que, mal aplicada, pode piorar as condições de saúde do
interditado e dificultar sobremaneira seu próprio trata-
mento. Não raras vezes, a interdição tem oferecido, ao por-
tador de transtorno mental, um caminho de “morte civil”
no qual sua própria condição de sujeito é desconsiderada.
Por essas e outras razões, tal medida deve ser aplicada
sempre como um recurso excepcional e extremo.
21
Anexo:
Lei da Reforma Psiquiátrica
Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001
Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas porta-
doras de transtornos mentais e redireciona o modelo assis-
tencial em saúde mental.
O Presidente da República
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu san-
ciono a seguinte Lei:
Art. 1o
Os direitos e a proteção das pessoas acometidas
de transtorno mental, de que trata esta Lei, são assegurados
sem qualquer forma de discriminação quanto à raça, cor,
sexo, orientação sexual, religião, opção política, nacionalida-
de, idade, família, recursos econômicos e ao grau de gravi-
dade ou tempo de evolução de seu transtorno, ou qualquer
outra.
Art. 2o
Nos atendimentos em saúde mental, de qualquer
natureza, a pessoa e seus familiares ou responsáveis serão
formalmente cientificados dos direitos enumerados no pa-
rágrafo único deste artigo.
Parágrafo único. São direitos da pessoa portadora de
transtorno mental:
I - ter acesso ao melhor tratamento do sistema de saúde,
consentâneo às suas necessidades;
II - ser tratada com humanidade e respeito e no inte-
resse exclusivo de beneficiar sua saúde, visando alcançar
sua recuperação pela inserção na família, no trabalho e na
comunidade;
III - ser protegida contra qualquer forma de abuso e
exploração;
22
IV - ter garantia de sigilo nas informações prestadas;
V - ter direito à presença médica, em qualquer tempo,
para esclarecer a necessidade ou não de sua hospitalização
involuntária;
VI - ter livre acesso aos meios de comunicação disponí-
veis;
VII - receber o maior número de informações a respeito
de sua doença e de seu tratamento;
VIII - ser tratada em ambiente terapêutico pelos meios
menos invasivos possíveis;
IX - ser tratada, preferencialmente, em serviços comuni-
tários de saúde mental.
Art. 3o
É responsabilidade do Estado o desenvolvimento
da política de saúde mental, a assistência e a promoção de
ações de saúde aos portadores de transtornos mentais, com
a devida participação da sociedade e da família, a qual será
prestada em estabelecimento de saúde mental, assim en-
tendidas as instituições ou unidades que ofereçam assistên-
cia em saúde aos portadores de transtornos mentais.
Art. 4o
A internação, em qualquer de suas modalidades,
só será indicada quando os recursos extra-hospitalares se
mostrarem insuficientes.
§ 1o
O tratamento visará,
como finalidade permanen-
te, a reinserção social do
paciente em seu meio.
23
§ 2o
O tratamento em regime de internação será estrutu-
rado de forma a oferecer assistência integral à pessoa por-
tadora de transtornos mentais, incluindo serviços médicos,
de assistência social, psicológicos, ocupacionais, de lazer, e
outros.
§ 3o
É vedada a internação de pacientes portadores de
transtornos mentais em instituições com características
asilares, ou seja, aquelas desprovidas dos recursos mencio-
nados no § 2o
e que não assegurem aos pacientes os direitos
enumerados no parágrafo único do art.2o
.
Art. 5o
O paciente há longo tempo hospitalizado ou para
o qual se caracterize situação de grave dependência insti-
tucional, decorrente de seu quadro clínico ou de ausência
de suporte social, será objeto de política específica de alta
planejada e reabilitação psicossocial assistida, sob respon-
sabilidade da autoridade sanitária competente e supervisão
de instância a ser definida pelo Poder Executivo, assegurada
a continuidade do tratamento, quando necessário.
Art. 6o
A internação psiquiátrica somente será realizada
mediante laudo médico circunstanciado que caracterize os
seus motivos.
Parágrafo único. São considerados os seguintes tipos de
internação psiquiátrica:
I - internação voluntária: aquela que se dá com o consen-
timento do usuário;
II - internação involuntária: aquela que se dá sem o con-
sentimento do usuário e a pedido de terceiro;
III - internação compulsória: aquela determinada pela
Justiça.
Art. 7o
A pessoa que solicita voluntariamente sua inter-
24
nação, ou que a consente, deve assinar, no momento da
admissão, uma declaração de que optou por esse regime de
tratamento.
Parágrafo único. O término da internação voluntária dar-
se-á por solicitação escrita do paciente ou por determina-
ção do médico assistente.
Art. 8o
A internação voluntária ou involuntária somen-
te será autorizada por médico devidamente registrado no
Conselho Regional de Medicina - CRM do Estado onde se
localize o estabelecimento.
§ 1o
A internação psiquiátrica involuntária deverá, no
prazo de setenta e duas horas, ser comunicada ao Ministé-
rio Público Estadual pelo responsável técnico do estabe-
lecimento no qual tenha ocorrido, devendo esse mesmo
procedimento ser adotado quando da respectiva alta.
§ 2o
O término da internação involuntária dar-se-á por
solicitação escrita do familiar, ou responsável legal, ou quan-
do estabelecido pelo especialista responsável pelo trata-
mento.
Art. 9o
A internação compulsória é determinada, de
acordo com a legislação vigen-
te, pelo juiz competente, que
levará em conta as condições
de segurança do estabele-
cimento, quanto à salva-
guarda do paciente, dos
25
demais internados e funcionários.
Art. 10o
. Evasão, transferência, acidente, intercorrência
clínica grave e falecimento serão comunicados pela direção
do estabelecimento de saúde mental aos familiares, ou ao
representante legal do paciente, bem como à autoridade
sanitária responsável, no prazo máximo de vinte e quatro
horas da data da ocorrência.
Art. 11o
. Pesquisas científicas para fins diagnósticos ou
terapêuticos não poderão ser realizadas sem o consenti-
mento expresso do paciente, ou de seu representante legal,
e sem a devida comunicação aos conselhos profissionais
competentes e ao Conselho Nacional de Saúde.
Art. 12o
. O Conselho Nacional de Saúde, no âmbito de
sua atuação, criará comissão nacional para acompanhar a
implementação desta Lei.
Art. 13o
. Esta Lei entra em vigor na data de sua publica-
ção.
Brasília, 6 de abril de 2001; 180o
da Independência e 113o
da República.
Fernando Henrique Cardoso
Jose Gregori
José Serra
Roberto Brant
(DOU 09/04/2001)
26
Anotações
28
2007

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Visão geral sobre o ECA
Visão geral sobre o ECAVisão geral sobre o ECA
Visão geral sobre o ECA
claudiadmaia
 
Direito dos idosos
Direito dos idososDireito dos idosos
Direito dos idosos
Daniele Rubim
 
Apresentação bpc (23 07-13) (2)
Apresentação bpc (23 07-13) (2)Apresentação bpc (23 07-13) (2)
Apresentação bpc (23 07-13) (2)
ivone guedes borges
 
Direito do idosos
Direito do idososDireito do idosos
Direito do idosos
Cristina de Souza
 
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e DireitosGuia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
ivone guedes borges
 
Suas, cras, creas
Suas, cras, creasSuas, cras, creas
Suas, cras, creas
Rosane Domingues
 
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAISCONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
William Gonçalves
 
Idoso
IdosoIdoso
Previdenciário
PrevidenciárioPrevidenciário
Previdenciário
Fabrício jonathas
 
Manual pratico idoso abril2013
Manual pratico idoso abril2013Manual pratico idoso abril2013
Manual pratico idoso abril2013
rodinei lucas
 
Modelo de requerimento de desligamento de associado
Modelo de requerimento de desligamento de associadoModelo de requerimento de desligamento de associado
Modelo de requerimento de desligamento de associado
Associação dos Enfermeiros AECGR
 
Apresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idosoApresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idoso
Alinebrauna Brauna
 
Violencia contra o idoso
Violencia contra o idosoViolencia contra o idoso
Violencia contra o idoso
JP ABNT
 
Cartilha dos direitos do idoso
Cartilha dos direitos do idosoCartilha dos direitos do idoso
Cartilha dos direitos do idoso
Jose Carlos Consultoria Material Didático
 
Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2
Alinebrauna Brauna
 
O envelhecimento saudável
O envelhecimento saudávelO envelhecimento saudável
O envelhecimento saudável
Rubens Junior
 
Oficio 14 Reunião do CMS
Oficio 14 Reunião do CMSOficio 14 Reunião do CMS
Oficio 14 Reunião do CMS
Alinebrauna Brauna
 
Eca
EcaEca
Familia, guarda, adoção, tutela e Curatela
Familia, guarda, adoção, tutela e CuratelaFamilia, guarda, adoção, tutela e Curatela
Familia, guarda, adoção, tutela e Curatela
socialgeral
 
VISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIARVISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIAR
ivone guedes borges
 

Mais procurados (20)

Visão geral sobre o ECA
Visão geral sobre o ECAVisão geral sobre o ECA
Visão geral sobre o ECA
 
Direito dos idosos
Direito dos idososDireito dos idosos
Direito dos idosos
 
Apresentação bpc (23 07-13) (2)
Apresentação bpc (23 07-13) (2)Apresentação bpc (23 07-13) (2)
Apresentação bpc (23 07-13) (2)
 
Direito do idosos
Direito do idososDireito do idosos
Direito do idosos
 
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e DireitosGuia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
 
Suas, cras, creas
Suas, cras, creasSuas, cras, creas
Suas, cras, creas
 
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAISCONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 - RESUMO DOS PONTOS PRINCIPAIS
 
Idoso
IdosoIdoso
Idoso
 
Previdenciário
PrevidenciárioPrevidenciário
Previdenciário
 
Manual pratico idoso abril2013
Manual pratico idoso abril2013Manual pratico idoso abril2013
Manual pratico idoso abril2013
 
Modelo de requerimento de desligamento de associado
Modelo de requerimento de desligamento de associadoModelo de requerimento de desligamento de associado
Modelo de requerimento de desligamento de associado
 
Apresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idosoApresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idoso
 
Violencia contra o idoso
Violencia contra o idosoViolencia contra o idoso
Violencia contra o idoso
 
Cartilha dos direitos do idoso
Cartilha dos direitos do idosoCartilha dos direitos do idoso
Cartilha dos direitos do idoso
 
Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2
 
O envelhecimento saudável
O envelhecimento saudávelO envelhecimento saudável
O envelhecimento saudável
 
Oficio 14 Reunião do CMS
Oficio 14 Reunião do CMSOficio 14 Reunião do CMS
Oficio 14 Reunião do CMS
 
Eca
EcaEca
Eca
 
Familia, guarda, adoção, tutela e Curatela
Familia, guarda, adoção, tutela e CuratelaFamilia, guarda, adoção, tutela e Curatela
Familia, guarda, adoção, tutela e Curatela
 
VISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIARVISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIAR
 

Destaque

Apresentação bpc
Apresentação bpcApresentação bpc
Apresentação bpc
hosanacardosodebrito
 
SLIDES DE APRESENTAÇÃO BPC
SLIDES DE APRESENTAÇÃO BPCSLIDES DE APRESENTAÇÃO BPC
SLIDES DE APRESENTAÇÃO BPC
bpc
 
Benefícios eventuais
Benefícios eventuaisBenefícios eventuais
Benefícios eventuais
José Araujo
 
Caderno de orientações avaliação final 2015 2016
Caderno de orientações avaliação final 2015 2016Caderno de orientações avaliação final 2015 2016
Caderno de orientações avaliação final 2015 2016
Sílvia Sousa
 
Informe numero 420 tira dúvidas sobre o preenchimento do cadastro único
Informe numero 420 tira  dúvidas sobre o preenchimento  do cadastro únicoInforme numero 420 tira  dúvidas sobre o preenchimento  do cadastro único
Informe numero 420 tira dúvidas sobre o preenchimento do cadastro único
Italo Mota
 
Bolsa família
Bolsa famíliaBolsa família
Bolsa família
arienjuli
 
Legislação pertinente ao bpc.
Legislação pertinente ao bpc.Legislação pertinente ao bpc.
Legislação pertinente ao bpc.
Rosane Domingues
 
Direitos dos Deficientes
Direitos dos DeficientesDireitos dos Deficientes
Direitos dos Deficientes
kikatitic
 
Manual do entrevistador do cadastro único.
Manual do entrevistador do cadastro único.Manual do entrevistador do cadastro único.
Manual do entrevistador do cadastro único.
Italo Mota
 
Bolsa familia
Bolsa familiaBolsa familia
Bolsa familia
Alinebrauna Brauna
 
Exploração e Abuso Sexual
Exploração e Abuso SexualExploração e Abuso Sexual
Exploração e Abuso Sexual
Michele Pó
 
Slide Bolsa Família
Slide Bolsa FamíliaSlide Bolsa Família
Slide Bolsa Família
Jomari
 
Relacionamento familiar apresentação
Relacionamento familiar   apresentaçãoRelacionamento familiar   apresentação
Relacionamento familiar apresentação
Daniel de Carvalho Luz
 
Relação familiar
Relação familiarRelação familiar
Relação familiar
Angel Rosa
 
Direito das pessoas com deficiência
Direito das pessoas com deficiênciaDireito das pessoas com deficiência
Direito das pessoas com deficiência
Wildete Silva
 
Mds orientação benefícios eventuais
Mds orientação benefícios eventuaisMds orientação benefícios eventuais
Mds orientação benefícios eventuais
NandaTome
 
Lei Maria da Penha
Lei Maria da PenhaLei Maria da Penha
Lei Maria da Penha
Alexandre Jesus Marcolino
 
Pessoas com Deficiência - Direitos e Deveres
Pessoas com Deficiência - Direitos e DeveresPessoas com Deficiência - Direitos e Deveres
Pessoas com Deficiência - Direitos e Deveres
Carlos Junior
 
Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11
Silvio Candido
 
Inclusao de pessoas com deficiência
Inclusao de pessoas com deficiênciaInclusao de pessoas com deficiência
Inclusao de pessoas com deficiência
Universidade Unisinos
 

Destaque (20)

Apresentação bpc
Apresentação bpcApresentação bpc
Apresentação bpc
 
SLIDES DE APRESENTAÇÃO BPC
SLIDES DE APRESENTAÇÃO BPCSLIDES DE APRESENTAÇÃO BPC
SLIDES DE APRESENTAÇÃO BPC
 
Benefícios eventuais
Benefícios eventuaisBenefícios eventuais
Benefícios eventuais
 
Caderno de orientações avaliação final 2015 2016
Caderno de orientações avaliação final 2015 2016Caderno de orientações avaliação final 2015 2016
Caderno de orientações avaliação final 2015 2016
 
Informe numero 420 tira dúvidas sobre o preenchimento do cadastro único
Informe numero 420 tira  dúvidas sobre o preenchimento  do cadastro únicoInforme numero 420 tira  dúvidas sobre o preenchimento  do cadastro único
Informe numero 420 tira dúvidas sobre o preenchimento do cadastro único
 
Bolsa família
Bolsa famíliaBolsa família
Bolsa família
 
Legislação pertinente ao bpc.
Legislação pertinente ao bpc.Legislação pertinente ao bpc.
Legislação pertinente ao bpc.
 
Direitos dos Deficientes
Direitos dos DeficientesDireitos dos Deficientes
Direitos dos Deficientes
 
Manual do entrevistador do cadastro único.
Manual do entrevistador do cadastro único.Manual do entrevistador do cadastro único.
Manual do entrevistador do cadastro único.
 
Bolsa familia
Bolsa familiaBolsa familia
Bolsa familia
 
Exploração e Abuso Sexual
Exploração e Abuso SexualExploração e Abuso Sexual
Exploração e Abuso Sexual
 
Slide Bolsa Família
Slide Bolsa FamíliaSlide Bolsa Família
Slide Bolsa Família
 
Relacionamento familiar apresentação
Relacionamento familiar   apresentaçãoRelacionamento familiar   apresentação
Relacionamento familiar apresentação
 
Relação familiar
Relação familiarRelação familiar
Relação familiar
 
Direito das pessoas com deficiência
Direito das pessoas com deficiênciaDireito das pessoas com deficiência
Direito das pessoas com deficiência
 
Mds orientação benefícios eventuais
Mds orientação benefícios eventuaisMds orientação benefícios eventuais
Mds orientação benefícios eventuais
 
Lei Maria da Penha
Lei Maria da PenhaLei Maria da Penha
Lei Maria da Penha
 
Pessoas com Deficiência - Direitos e Deveres
Pessoas com Deficiência - Direitos e DeveresPessoas com Deficiência - Direitos e Deveres
Pessoas com Deficiência - Direitos e Deveres
 
Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11
 
Inclusao de pessoas com deficiência
Inclusao de pessoas com deficiênciaInclusao de pessoas com deficiência
Inclusao de pessoas com deficiência
 

Semelhante a Cartilha BPC

Lei 12435/11
Lei 12435/11Lei 12435/11
Lei 12435/11
Sonia Beth
 
Lei 12435/11
Lei 12435/11Lei 12435/11
Lei 12435/11
Sonia Beth
 
Benefício de assistência social ao idoso e ao deficiente
Benefício de assistência social ao idoso e ao deficienteBenefício de assistência social ao idoso e ao deficiente
Benefício de assistência social ao idoso e ao deficiente
antonio ferreira
 
Decreto 6214 - BPC (beneficio de prestação continuada)
Decreto 6214 - BPC (beneficio de prestação continuada)Decreto 6214 - BPC (beneficio de prestação continuada)
Decreto 6214 - BPC (beneficio de prestação continuada)
Carlos Junior
 
A Efetivação dos Direitos Fundamentais dos Idosos e das Pessoas com Deficiência
A Efetivação dos Direitos Fundamentais dos Idosos e das Pessoas com DeficiênciaA Efetivação dos Direitos Fundamentais dos Idosos e das Pessoas com Deficiência
A Efetivação dos Direitos Fundamentais dos Idosos e das Pessoas com Deficiência
Luciano Meneguetti
 
Os direitos e alertas para a pessoa idosa
Os direitos e alertas para a pessoa idosaOs direitos e alertas para a pessoa idosa
Os direitos e alertas para a pessoa idosa
FLAVIO TESSUTTI
 
Os direitos e alertas para a pessoa idosa
Os direitos e alertas para a pessoa idosaOs direitos e alertas para a pessoa idosa
Os direitos e alertas para a pessoa idosa
FLAVIO TESSUTTI
 
Administração-Escolar_Ed.-85 - Contabilidade - Finanças Escolar
Administração-Escolar_Ed.-85 - Contabilidade  - Finanças EscolarAdministração-Escolar_Ed.-85 - Contabilidade  - Finanças Escolar
Administração-Escolar_Ed.-85 - Contabilidade - Finanças Escolar
Fabiano Pessanha
 
Direitos consumidor idoso
Direitos consumidor idosoDireitos consumidor idoso
Direitos consumidor idoso
Jornal do Commercio
 
Donas de Casa, Direitos e Deveres
Donas de Casa, Direitos e DeveresDonas de Casa, Direitos e Deveres
Donas de Casa, Direitos e Deveres
Gleisi Hoffmann
 
Artigo interpretação Daniel Auxílio Reclusão
Artigo interpretação Daniel Auxílio ReclusãoArtigo interpretação Daniel Auxílio Reclusão
Artigo interpretação Daniel Auxílio Reclusão
jorge luiz dos santos de souza
 
A loas
A loasA loas
Tipos de aposentadorias
Tipos de aposentadoriasTipos de aposentadorias
Tipos de aposentadorias
Luís Eduardo Borges Milhomem
 
Cartilha idoso inss
Cartilha idoso inssCartilha idoso inss
Cartilha idoso inss
Murilo Cesar
 
BPC 2.pptx
BPC 2.pptxBPC 2.pptx
BPC 2.pptx
SalatielCunha1
 
Curso de Direito e Processo Previdenciário (2014) - 5a edição: Revista, ampli...
Curso de Direito e Processo Previdenciário (2014) - 5a edição: Revista, ampli...Curso de Direito e Processo Previdenciário (2014) - 5a edição: Revista, ampli...
Curso de Direito e Processo Previdenciário (2014) - 5a edição: Revista, ampli...
Editora Juspodivm
 
Atualizações MP 680 e Lei 13.146-2015
Atualizações MP 680 e Lei 13.146-2015Atualizações MP 680 e Lei 13.146-2015
Atualizações MP 680 e Lei 13.146-2015
Estratégia Concursos
 
Cartilha idoso inss
Cartilha idoso inssCartilha idoso inss
Cartilha idoso inss
ivone guedes borges
 
DIREITO DO TRABALHO (1).pptx APRESENTAÇÃ
DIREITO DO TRABALHO (1).pptx APRESENTAÇÃDIREITO DO TRABALHO (1).pptx APRESENTAÇÃ
DIREITO DO TRABALHO (1).pptx APRESENTAÇÃ
GisandraSousaPereira
 
D ecreto 7617 11
D ecreto 7617 11D ecreto 7617 11
D ecreto 7617 11
Sonia Beth
 

Semelhante a Cartilha BPC (20)

Lei 12435/11
Lei 12435/11Lei 12435/11
Lei 12435/11
 
Lei 12435/11
Lei 12435/11Lei 12435/11
Lei 12435/11
 
Benefício de assistência social ao idoso e ao deficiente
Benefício de assistência social ao idoso e ao deficienteBenefício de assistência social ao idoso e ao deficiente
Benefício de assistência social ao idoso e ao deficiente
 
Decreto 6214 - BPC (beneficio de prestação continuada)
Decreto 6214 - BPC (beneficio de prestação continuada)Decreto 6214 - BPC (beneficio de prestação continuada)
Decreto 6214 - BPC (beneficio de prestação continuada)
 
A Efetivação dos Direitos Fundamentais dos Idosos e das Pessoas com Deficiência
A Efetivação dos Direitos Fundamentais dos Idosos e das Pessoas com DeficiênciaA Efetivação dos Direitos Fundamentais dos Idosos e das Pessoas com Deficiência
A Efetivação dos Direitos Fundamentais dos Idosos e das Pessoas com Deficiência
 
Os direitos e alertas para a pessoa idosa
Os direitos e alertas para a pessoa idosaOs direitos e alertas para a pessoa idosa
Os direitos e alertas para a pessoa idosa
 
Os direitos e alertas para a pessoa idosa
Os direitos e alertas para a pessoa idosaOs direitos e alertas para a pessoa idosa
Os direitos e alertas para a pessoa idosa
 
Administração-Escolar_Ed.-85 - Contabilidade - Finanças Escolar
Administração-Escolar_Ed.-85 - Contabilidade  - Finanças EscolarAdministração-Escolar_Ed.-85 - Contabilidade  - Finanças Escolar
Administração-Escolar_Ed.-85 - Contabilidade - Finanças Escolar
 
Direitos consumidor idoso
Direitos consumidor idosoDireitos consumidor idoso
Direitos consumidor idoso
 
Donas de Casa, Direitos e Deveres
Donas de Casa, Direitos e DeveresDonas de Casa, Direitos e Deveres
Donas de Casa, Direitos e Deveres
 
Artigo interpretação Daniel Auxílio Reclusão
Artigo interpretação Daniel Auxílio ReclusãoArtigo interpretação Daniel Auxílio Reclusão
Artigo interpretação Daniel Auxílio Reclusão
 
A loas
A loasA loas
A loas
 
Tipos de aposentadorias
Tipos de aposentadoriasTipos de aposentadorias
Tipos de aposentadorias
 
Cartilha idoso inss
Cartilha idoso inssCartilha idoso inss
Cartilha idoso inss
 
BPC 2.pptx
BPC 2.pptxBPC 2.pptx
BPC 2.pptx
 
Curso de Direito e Processo Previdenciário (2014) - 5a edição: Revista, ampli...
Curso de Direito e Processo Previdenciário (2014) - 5a edição: Revista, ampli...Curso de Direito e Processo Previdenciário (2014) - 5a edição: Revista, ampli...
Curso de Direito e Processo Previdenciário (2014) - 5a edição: Revista, ampli...
 
Atualizações MP 680 e Lei 13.146-2015
Atualizações MP 680 e Lei 13.146-2015Atualizações MP 680 e Lei 13.146-2015
Atualizações MP 680 e Lei 13.146-2015
 
Cartilha idoso inss
Cartilha idoso inssCartilha idoso inss
Cartilha idoso inss
 
DIREITO DO TRABALHO (1).pptx APRESENTAÇÃ
DIREITO DO TRABALHO (1).pptx APRESENTAÇÃDIREITO DO TRABALHO (1).pptx APRESENTAÇÃ
DIREITO DO TRABALHO (1).pptx APRESENTAÇÃ
 
D ecreto 7617 11
D ecreto 7617 11D ecreto 7617 11
D ecreto 7617 11
 

Mais de Rosane Domingues

Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Rosane Domingues
 
Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia
Rosane Domingues
 
Acolhimento Aula de Eletiva - Inova
Acolhimento Aula de Eletiva - InovaAcolhimento Aula de Eletiva - Inova
Acolhimento Aula de Eletiva - Inova
Rosane Domingues
 
Acolhimento- Projeto d Vida- Inova- MODELO
Acolhimento-  Projeto d Vida- Inova- MODELOAcolhimento-  Projeto d Vida- Inova- MODELO
Acolhimento- Projeto d Vida- Inova- MODELO
Rosane Domingues
 
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
Rosane Domingues
 
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
Rosane Domingues
 
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Rosane Domingues
 
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Rosane Domingues
 
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Rosane Domingues
 
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
Rosane Domingues
 
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL- versão 2016
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL-  versão 2016FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL-  versão 2016
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL- versão 2016
Rosane Domingues
 
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIALMANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
Rosane Domingues
 
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
Rosane Domingues
 
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
Rosane Domingues
 
Plano municipal - CULTURA- social - 2012
Plano municipal - CULTURA- social  - 2012Plano municipal - CULTURA- social  - 2012
Plano municipal - CULTURA- social - 2012
Rosane Domingues
 
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Rosane Domingues
 
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
Rosane Domingues
 
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
Rosane Domingues
 
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
Rosane Domingues
 
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
Rosane Domingues
 

Mais de Rosane Domingues (20)

Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
 
Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia
 
Acolhimento Aula de Eletiva - Inova
Acolhimento Aula de Eletiva - InovaAcolhimento Aula de Eletiva - Inova
Acolhimento Aula de Eletiva - Inova
 
Acolhimento- Projeto d Vida- Inova- MODELO
Acolhimento-  Projeto d Vida- Inova- MODELOAcolhimento-  Projeto d Vida- Inova- MODELO
Acolhimento- Projeto d Vida- Inova- MODELO
 
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
 
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
 
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
 
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
 
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
 
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
 
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL- versão 2016
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL-  versão 2016FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL-  versão 2016
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL- versão 2016
 
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIALMANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
 
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
 
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
 
Plano municipal - CULTURA- social - 2012
Plano municipal - CULTURA- social  - 2012Plano municipal - CULTURA- social  - 2012
Plano municipal - CULTURA- social - 2012
 
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
 
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
 
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
 
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
 
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
 

Último

Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
dataprovider
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
MiriamCamily
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 

Último (20)

Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 

Cartilha BPC

  • 1. 1 Benefício de Prestação Continuada: não abra mão da sua cidadania Conselho Federal de Psicologia
  • 2. 2 Conselho Federal de Psicologia SRTVN 702 - Ed. Brasília Rádio Center - sala 4024-A CEP: 70.719-900 Fone: (61) 2109-0100 Fax: (61) 2109-0150 e-mail: contato@pol.org.br www.pol.org.br
  • 3. 3 O benefício de prestação continuada e o portador de transtorno mental
  • 4. 4 Um guia prático para operadores, familiares e usuários
  • 5. 5 As pessoas que sofrem de alguma doença mental po- dem estar, por esse motivo, impedidas de trabalhar. Essa in- capacidade para o trabalho pode ser temporária ou perma- nente, a depender do problema enfrentado. Caso a pessoa seja muito pobre (renda inferior a ¼ do salário mínimo), tem o direito a receber um salário mínimo mensal da União. Esse benefício, previsto pela Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS), é chamado de“benefício de prestação continuada”. Para ter acesso a esse benefício, entretanto, não é ne- cessário que a pessoa portadora do transtorno mental seja interditada. A interdição – e a conseqüente curatela - é uma medida extrema só recomendada quando o beneficiário não tem a menor condição de exercer qualquer dos seus direitos civis; quando está, em síntese, em uma situação extrema de incapacidade. A grande maioria dos portadores de transtorno mental, entretanto, mesmo quando incapa- citados para o trabalho, podem ter uma vida normal em muitos outros aspectos e decidir, por si mesmos, o que é melhor para o seu futuro. Em outros momentos, o problema de saúde mental enfrentado pelo beneficiário pode impli- car uma interdição parcial de direitos. Em tais casos, o juiz determina que a pessoa está apta a exercitar plenamente seus direitos civis, menos alguns que deverá nomear. Infeliz- mente, a interdição parcial raramente tem sido empregada no Brasil. Esta cartilha esclarece os procedimentos necessários para se obter o benefício e explica porque não se pode per- mitir a banalização das interdições judiciais no Brasil.
  • 6. 6 O que diz a Constituição Federal, nossa Lei Maior O benefício de prestação continuada foi assegurado pela Constituição Federal de 1988, e está previsto em seu artigo 203. Diz esse artigo que: “A assistência social será prestada a quem dela neces- sitar, independentemente de contribuição à seguridade social, e tem por objetivos: I - a proteção à família, à maternidade, à infância, à ado- lescência e à velhice; II - o amparo às crianças e adolescentes carentes; III - a promoção da integração ao mercado de trabalho; IV - a habilitação e reabilitação das pessoas portadoras de deficiência e a promoção de sua integração à vida comu- nitária; V - a garantia de 1 (um) salário mínimo de benefício mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover a própria manu- tenção ou de tê-la provida por sua família”.
  • 7. 7 Com esse artigo, a Constituição Federal deu um passo muito importante para que o Brasil pudesse ter, finalmente, uma política nacional de assistência social que amparasse as pessoas mais carentes e necessitadas. Como fica claro no texto citado, o Estado possui o dever de prestar a assistência aos necessitados, mesmo que estes nunca tenham descon- tado para a previdência social. O item V, do art. 203 da C.F., por seu turno, introduz um critério de seleção dos beneficiários, dizendo que só terão acesso ao benefício de prestação continuada aqueles que forem portadores de deficiência e os idosos que não puderem prover sua própria manutenção – ou seja: que não possam trabalhar, ou que não possam ser amparados pela família. Para os efeitos legais do benefício de prestação continuada,“idoso”é todo aquele que tem mais de 65 anos (art. 34 do Estatuto do Idoso, Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003), e “portadores de deficiência” são aqueles que possuem deficiência física, deficiência mental ou doença mental.
  • 8. 8 O que diz a Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) O conteúdo do art. 203 da C.F. é repetido pelo art. 2º da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS). No seu capítulo IV, a LOAS regulamenta a concessão dos benefícios definindo que: “Art. 20. O benefício de prestação continuada é a garan- tia de 1 (um) salário mínimo mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso com 70 (setenta) anos ou mais e que comprovem não possuir meios de prover a própria manu- tenção e nem de tê-la provida por sua família”. Comentário: Deve-se desconsiderar a idade prevista nesse artigo. Lei posterior, o Estatuto do Idoso estabeleceu que, no caso dos idosos, a idade para o benefício de prestação continuada é de 65 anos. Pelo art. 20 da LOAS, os portadores de transtorno mental devem comprovar apenas duas condições: 1) não possuir meios de prover sua própria subsistência e 2) cuja família também não tenha condições de garantir o seu sustento. Como se vê, em nenhum mo- mento a lei exige, como con- dição para o benefício, que o portador de transtorno mental seja interditado.
  • 9. 9 “§ 1º Para os efeitos do disposto no caput, entende-se como família o conjunto de pessoas elencadas no art. 16 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, desde que vivam sob o mesmo teto (nova redação dada pela Lei nº 9.720/98)”. Comentário: O art. 16 da Lei nº 8.213, a que esse parágrafo faz refe- rência, estabelece como membros da família: o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não emancipado, menor de 21 anos ou inválido, os pais e o irmão não eman- cipado com menos de 21 anos ou inválido. “§ 2º Para efeito de concessão deste benefício, a pessoa portadora de deficiência é aquela incapacitada para a vida independente e para o trabalho”. Comentário “Pessoa incapacitada para a vida independente e para o trabalho”é aquela que precisa de ajuda para sua própria sobrevivência. Isso não significa que ela esteja incapacitada para tomar decisões a respeito de sua própria vida, que não possa ter uma conta no banco, que não possa sair sozinha de casa, etc. A maioria das pessoas que possuem alguma doença mental é completamente capaz de regular sua vida, como qualquer outra, pelo menos na maior parte do tempo. Seu transtorno, no entanto, pode lhes impedir de trabalhar normalmente, e isso é o que deve ser medido para efeito do benefício.
  • 10. 10 “§ 3º Considera-se incapaz de prover a manutenção da pessoa portadora de deficiência ou idosa a família cuja renda mensal per capita seja inferior a 1/4 (um quarto) do salário mínimo”. Comentário: Nesse parágrafo, temos a definição de um critério objeti- vo de pobreza para que se possa pedir o benefício. A renda de toda a família dividida pelos seus membros deve ser in- ferior a ¼ do salário mínimo. O critério é bastante restritivo, e acaba selecionando apenas as pessoas que estão abaixo da linha de pobreza. Assim, por exemplo: uma família de quatro pessoas cuja renda total seja de apenas um salário mínimo não poderá pleitear o benefício, porque sua renda “per capita”(ou seja:“por cabeça”) seria igual a ¼ do salário, enquanto a lei exige que seja inferior a ¼ do salário mínimo. Se a mesma família fosse composta por cinco pessoas ou mais então já estaria dentro do critério. § 4º O benefício de que trata este artigo não pode ser acumulado pelo beneficiário com qualquer outro no âmbito da seguridade social ou de outro regime, salvo o da assis- tência média. § 5º A situação de in- ternado não prejudica o direito do Idoso ou do portador de deficiência ao benefício”.
  • 11. 11 Comentário No caso da pessoa com transtorno mental, isso significa que ela não perderá o direito a receber o benefício caso sofra uma internação psiquiátrica. § 6º A concessão do benefício ficará sujeita a exame médico pericial e laudo realizados pelos serviços de perícia médica do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS. (nova redação dada pela Lei nº 9.720/98.). Comentário O INSS é o órgão encarregado de realizar a perícia (exa- me) para comprovar se a pessoa para quem se está solici- tando o benefício está, de fato, dentro dos critérios exigidos pela Lei. No caso do portador de transtorno mental, esse exame é que irá atestar se a pessoa está ou não apta ao trabalho. “§ 7º Na hipótese de não existirem serviços no município de residência do beneficiário, fica assegurado, na forma pre- vista em regulamento, o seu encaminhamento ao município mais próximo que contar com tal estrutura. (nova redação dada pela Lei nº 9.720/98.). § 8º A renda familiar mensal a que se refere o § 3º de- verá ser declarada pelo requerente ou seu representante legal, sujeitando-se aos demais procedimentos previstos no regulamento para o deferimento do pedido.”(nova redação dada pela Lei nº 9.720/98.). Art. 21. O benefício de prestação continuada deve ser revisto a cada 2 (dois) anos para avaliação da continuidade das condições que lhe deram origem”.
  • 12. 12 Comentário: O benefício não é eterno. Ele pode ser suspenso caso se comprove que as condições que lhe deram origem não existem mais. Assim, por exemplo, se a família melhorou sua renda e já pode prover o sustento do beneficiário, ou se ele mesmo já pode trabalhar normalmente, então o benefício pode ser suspenso. “§ 1º O pagamento do benefício cessa no momento em que forem superadas as condições referidas no“caput”, ou em caso de morte do beneficiário. § 2º O benefício será cancelado quando se constatar irregularidade na sua concessão ou utilização”. Art. 31 Cabe ao Ministério Público zelar pelo efetivo res- peito aos direitos estabelecidos nesta lei. Comentário: O Ministério Público tem a importante função de, em nome da sociedade, zelar pelo estrito cumprimento da Lei Orgânica da Assistência Social. Nesse sentido, os Promo- tores devem acompanhar permanentemente as reuniões ordinárias dos Conselhos de Assistência Social, fiscalizar suas decisões e cobrar o estabeleci- mento efetivo de políticas públi- cas. O ideal é que a Promotoria mantenha, inclusive, cópia de todas as atas de reu- niões dos Conselhos de Assistência Social bem como de do-
  • 13. 13 cumentos relacionados ao funcionamento dos Conselhos, de tal forma que constitua um acervo capaz de oferecer um banco de dados à disposição da cidadania. Especificamente no que diz respeito aos benefícios concedidos, caberá ao Ministério Público efetuar diligências e apurar possíveis irregularidades ou a prática de ilícitos penais, de modo a assegurar, por exemplo, que os recursos correspondentes aos benefícios de prestação continuada eventualmente geridos por curadores sejam, efetivamente, utilizados em prol do curatelado. Nesse particular, o Minis- tério Público deve exigir prestação de contas dos recursos recebidos, zelando pelos interesses do beneficiado. Devido ao seu papel de fiscalização e de propositura de ações civis públicas e ações penais, as denúncias quanto a eventuais irregularidades atinentes ao recebimento dos be- nefícios de prestação continuada devem ser encaminhadas, preferencialmente, ao Ministério Público.
  • 14. 14 O que diz o INSS O INSS, procurando afastar qualquer má interpretação a respeito das exigências descabidas de interdição dos bene- ficiários portadores de transtorno mental editou, em 23 de fevereiro de 2006, o Memorando-circular nº 09 (INSS-DIR- BEN), na qual esclarece que: “1.6 – exigência de Termo de Curatela para os casos de aposentadoria por invalidez decorrente de doença mental (art. 162): a) na concessão: foram revogados os §§ 2º e 3º do art. 162 do Decreto nº 3.048/99, não sendo mais exigível a apre- sentação do Termo de Curatela para os casos de aposenta- doria por invalidez decorrente de enfermidade mental; b) a orientação acima deverá ser aplicada a todos os benefícios, inclusive aos benefícios de que dispõe a Lei Orgânica de Assistência Social (LOAS), para os quais tem ha- vido a exigência indevida desse documento por parte dos servidores da APS; c) na manutenção: caso alguém da família alegue que o beneficiário não possui condições de gerir o recebimento do benefício, deverão ser adota- dos os seguintes procedimen- tos: I- constituição de procurador conforme dispõe o art. 156 do Decreto nº 3.048/ 99, na hipótese
  • 15. 15 de o beneficiário possuir discernimento para a constituição de mandatário (Lei nº 10.406, de 10/01/2002 – Código Civil Brasileiro CCB, art. 654, c/c o art. 3º, II e III), uma vez que o fato de ser acometido de enfermidade mental não significa impossibilidade de consciência e expressão válida de vonta- de em todos os momentos; II- Na impossibilidade de constituição de procurador, deve ser orientada/esclarecida a família sobre a possibilida- de de interdição parcial ou total do beneficiário, conforme disposto nos arts. 1.767 e 1.772 da Lei nº 10.406, de 10/01/ 2002 – CCB; III- Na situação da alínea acima, deverá ser exigida uma declaração da pessoa que se apresenta no Instituto alegan- do a situação vivida pelo beneficiário; IV- A interdição, seja total ou parcial, nunca deve ser exi- gência do INSS, pois ela deve ser promovida pelos pais ou tutores, pelo cônjuge ou qualquer outro parente, ou ainda, pelo Ministério Público, conforme art. 1.768 do CCB; V- O INSS somente procederá à alteração do recebedor do benefício após a apresentação do comprovante do pe- dido de interdição,total ou parcial,perante a justiça,o que permitirá o recebimento do benefício,na condição de admi- nistrador provisório,por um período de seis meses,observa- do o art.416 da IN/INSS/DC nº 118/05”. Desde a edição dessa instrução normativa, assim, o INSS assumiu o compromisso de evitar a exigência descabida da interdição e de apresentação de termo de curatela para a concessão dos benefícios legais aos portadores de transtor- no mental.
  • 16. 16 A incapacidade segundo o novo Código Civil Brasileiro Desde 10 de janeiro de 2003, vigora no Brasil o novo Código Civil (CCB, Lei nº 10.406/2002). Em seu art. 3º, o novo CCB estabelece que: “Art. 3o São absolutamente incapazes de exercer pessoal- mente os atos da vida civil: I - os menores de dezesseis anos; II - os que, por enfermidade ou deficiência mental, não tiverem o necessário discernimento para a prática desses atos; III - os que, mesmo por causa transitória, não puderem exprimir sua vontade.” A redação oferecida a esse artigo introduziu uma mu- dança fundamental quando comparada com o disposto pelo Código Civil anterior (Lei nº 3.071 - de 1º de janeiro de 1916 ) que, em seu art. 5º, afirmava: “Art. 5º- São absolutamente incapazes de exercer pesso- almente os atos da vida civil: I - os menores de 16 (dezesseis) anos; II - os loucos de todo o gênero; III - os surdos-mudos, que não puderem exprimir a sua von- tade; IV - os ausentes, decla- rados tais por ato do juiz.”
  • 17. 17 Observe-se que a expressão“loucos de todo o gênero” era empregada para excluir, do exercício da cidadania, todos os portadores de transtorno mental, independentemente da gravidade do problema de cada indivíduo. Assim, pela lei antiga – que retratava a forma como se concebia a doença mental ao início do século XX –, bastava um diagnóstico de “loucura”para que a pessoa a quem se imputava essa ex- pressão fosse, imediatamente, impedida de exercer autono- mamente qualquer ato da vida civil. Com o novo CCB, o conceito que permite demarcar a fronteira entre a capacidade e a incapacidade civil é o de “discernimento”. Havendo o discernimento necessário à prática dos atos civis, a pessoa é capaz; não havendo esse discernimento, constata-se a incapacidade absoluta. Assim, corretamente, a nova Lei assumiu a idéia de que o simples fato de alguém estar doente ou de ser portador de transtornos mentais não é o mesmo que estar incapa- citado para a vida civil. Trata-se de uma con- quista fundamental para a afirmação dos direitos das pessoas com transtorno mental e, além disso, con- dição imprescindível para sua integração social.
  • 18. 18 Sobre a interdição O novo Código Civil estabelece que a interdição e a conseqüente indicação de um curador – familiar que será responsável pelo interditado – apenas poderá ocorrer nos casos em que o portador de transtorno mental seja abso- lutamente incapaz,ou, em outras palavras: quando a pes- soa não tiver o discernimento necessário aos atos da vida civil. Nos termos do art. 1.767: “Art. 1.767. Estão sujeitos a curatela: I - aqueles que, por enfermidade ou deficiência mental, não tiverem o necessário discernimento para os atos da vida civil; II - aqueles que, por outra causa duradoura, não pude- rem exprimir a sua vontade; III - os deficientes mentais, os ébrios habituais e os viciados em tóxicos; IV - os excepcionais sem completo desenvolvimento mental; V - os pródigos”. A partir desse comando, o Código Civil estabelece
  • 19. 19 como ilegais e abusivas todas as interdições que porven- tura venham a ser determinadas à margem do que estabe- lece o inciso I do art. 1.767. Em outras palavras: alguém que tenha recebido um diagnóstico de doença mental, mas que tenha o discernimento necessário aos atos da vida civil não poderá ser interditado, em qualquer hipótese. Pela mesma razão, pessoas portadoras de transtorno mental interditadas com base no Código Civil antigo po- derão, caso tenham discernimento, ser beneficiadas com o levantamento da interdição. O art. 1.772 do Código Civil Brasileiro assinala que; “Pronunciada a interdição das pessoas a que se referem os incisos III e IV do art. 1767, o juiz assinará, segundo o estado ou o desenvolvimento mental do interdito, os limi- tes da curatela, que poderão circunscrever-se às restrições constantes do art. 1.782.” O referido art. 1.782 assinala, por seu turno, que: “ A interdição do pródigo só o privará de, sem curador, emprestar, transigir, dar quitação, alienar, hipotecar, de- mandar ou ser demandado, e praticar, em geral, os atos que não sejam de mera administração.” Por esse caminho, temos a possibilidade já referida da interdição limitada (ou parcial), que impede a autonomia do afetado apenas para alguns dos atos da vida civil, a exemplo dos critérios adotados frente aos “pródigos” (pes- soas que tendem a desperdiçar seu dinheiro ou a dissipar seus bens).
  • 20. 20 Em casos extremos, a interdição pode ser necessária, sendo mesmo medida de proteção para as pessoas mais fragilizadas que, de fato, não tenham a menor condição de se auto-determinar. Entretanto, a interdição é uma medida que, mal aplicada, pode piorar as condições de saúde do interditado e dificultar sobremaneira seu próprio trata- mento. Não raras vezes, a interdição tem oferecido, ao por- tador de transtorno mental, um caminho de “morte civil” no qual sua própria condição de sujeito é desconsiderada. Por essas e outras razões, tal medida deve ser aplicada sempre como um recurso excepcional e extremo.
  • 21. 21 Anexo: Lei da Reforma Psiquiátrica Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas porta- doras de transtornos mentais e redireciona o modelo assis- tencial em saúde mental. O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu san- ciono a seguinte Lei: Art. 1o Os direitos e a proteção das pessoas acometidas de transtorno mental, de que trata esta Lei, são assegurados sem qualquer forma de discriminação quanto à raça, cor, sexo, orientação sexual, religião, opção política, nacionalida- de, idade, família, recursos econômicos e ao grau de gravi- dade ou tempo de evolução de seu transtorno, ou qualquer outra. Art. 2o Nos atendimentos em saúde mental, de qualquer natureza, a pessoa e seus familiares ou responsáveis serão formalmente cientificados dos direitos enumerados no pa- rágrafo único deste artigo. Parágrafo único. São direitos da pessoa portadora de transtorno mental: I - ter acesso ao melhor tratamento do sistema de saúde, consentâneo às suas necessidades; II - ser tratada com humanidade e respeito e no inte- resse exclusivo de beneficiar sua saúde, visando alcançar sua recuperação pela inserção na família, no trabalho e na comunidade; III - ser protegida contra qualquer forma de abuso e exploração;
  • 22. 22 IV - ter garantia de sigilo nas informações prestadas; V - ter direito à presença médica, em qualquer tempo, para esclarecer a necessidade ou não de sua hospitalização involuntária; VI - ter livre acesso aos meios de comunicação disponí- veis; VII - receber o maior número de informações a respeito de sua doença e de seu tratamento; VIII - ser tratada em ambiente terapêutico pelos meios menos invasivos possíveis; IX - ser tratada, preferencialmente, em serviços comuni- tários de saúde mental. Art. 3o É responsabilidade do Estado o desenvolvimento da política de saúde mental, a assistência e a promoção de ações de saúde aos portadores de transtornos mentais, com a devida participação da sociedade e da família, a qual será prestada em estabelecimento de saúde mental, assim en- tendidas as instituições ou unidades que ofereçam assistên- cia em saúde aos portadores de transtornos mentais. Art. 4o A internação, em qualquer de suas modalidades, só será indicada quando os recursos extra-hospitalares se mostrarem insuficientes. § 1o O tratamento visará, como finalidade permanen- te, a reinserção social do paciente em seu meio.
  • 23. 23 § 2o O tratamento em regime de internação será estrutu- rado de forma a oferecer assistência integral à pessoa por- tadora de transtornos mentais, incluindo serviços médicos, de assistência social, psicológicos, ocupacionais, de lazer, e outros. § 3o É vedada a internação de pacientes portadores de transtornos mentais em instituições com características asilares, ou seja, aquelas desprovidas dos recursos mencio- nados no § 2o e que não assegurem aos pacientes os direitos enumerados no parágrafo único do art.2o . Art. 5o O paciente há longo tempo hospitalizado ou para o qual se caracterize situação de grave dependência insti- tucional, decorrente de seu quadro clínico ou de ausência de suporte social, será objeto de política específica de alta planejada e reabilitação psicossocial assistida, sob respon- sabilidade da autoridade sanitária competente e supervisão de instância a ser definida pelo Poder Executivo, assegurada a continuidade do tratamento, quando necessário. Art. 6o A internação psiquiátrica somente será realizada mediante laudo médico circunstanciado que caracterize os seus motivos. Parágrafo único. São considerados os seguintes tipos de internação psiquiátrica: I - internação voluntária: aquela que se dá com o consen- timento do usuário; II - internação involuntária: aquela que se dá sem o con- sentimento do usuário e a pedido de terceiro; III - internação compulsória: aquela determinada pela Justiça. Art. 7o A pessoa que solicita voluntariamente sua inter-
  • 24. 24 nação, ou que a consente, deve assinar, no momento da admissão, uma declaração de que optou por esse regime de tratamento. Parágrafo único. O término da internação voluntária dar- se-á por solicitação escrita do paciente ou por determina- ção do médico assistente. Art. 8o A internação voluntária ou involuntária somen- te será autorizada por médico devidamente registrado no Conselho Regional de Medicina - CRM do Estado onde se localize o estabelecimento. § 1o A internação psiquiátrica involuntária deverá, no prazo de setenta e duas horas, ser comunicada ao Ministé- rio Público Estadual pelo responsável técnico do estabe- lecimento no qual tenha ocorrido, devendo esse mesmo procedimento ser adotado quando da respectiva alta. § 2o O término da internação involuntária dar-se-á por solicitação escrita do familiar, ou responsável legal, ou quan- do estabelecido pelo especialista responsável pelo trata- mento. Art. 9o A internação compulsória é determinada, de acordo com a legislação vigen- te, pelo juiz competente, que levará em conta as condições de segurança do estabele- cimento, quanto à salva- guarda do paciente, dos
  • 25. 25 demais internados e funcionários. Art. 10o . Evasão, transferência, acidente, intercorrência clínica grave e falecimento serão comunicados pela direção do estabelecimento de saúde mental aos familiares, ou ao representante legal do paciente, bem como à autoridade sanitária responsável, no prazo máximo de vinte e quatro horas da data da ocorrência. Art. 11o . Pesquisas científicas para fins diagnósticos ou terapêuticos não poderão ser realizadas sem o consenti- mento expresso do paciente, ou de seu representante legal, e sem a devida comunicação aos conselhos profissionais competentes e ao Conselho Nacional de Saúde. Art. 12o . O Conselho Nacional de Saúde, no âmbito de sua atuação, criará comissão nacional para acompanhar a implementação desta Lei. Art. 13o . Esta Lei entra em vigor na data de sua publica- ção. Brasília, 6 de abril de 2001; 180o da Independência e 113o da República. Fernando Henrique Cardoso Jose Gregori José Serra Roberto Brant (DOU 09/04/2001)
  • 27.