SlideShare uma empresa Scribd logo
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 1
Projeto e gerenciamento
de canais integrados em
marketing
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 2
Projeto e gerenciamento
de canais integrados em
marketing
• Neste capítulo, abordaremos as seguintes questões:
1. O que são sistema de canais de marketing e rede de valor?
2. Qual é o trabalho realizado pelos canais de marketing?
3. Como esses canais devem ser projetados?
4. Que decisões as empresas precisam tomar ao gerenciar seus
canais?
5. Como as empresas podem integrar canais e gerenciar os
conflitos entre eles?
6. Quais são as principais questões envolvidas no e-commerce e
no mobile marketing?
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 3
• Para criar valor com sucesso, é preciso entregar valor com
sucesso.
• Cada vez mais, os profissionais de marketing holístico encaram
seus negócios como uma rede de valor.
• As empresas têm observado, no topo da cadeia de suprimentos
(upstream), os fornecedores de seus fornecedores e, na base
(downstream), os clientes de seus distribuidores.
• As empresas atuais devem construir e gerenciar sistemas de
canais e redes de valor que estão em contínua evolução.
Projeto e gerenciamento
de canais integrados em
marketing
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 4
• Canais de marketing são conjuntos de organizações
interdependentes envolvidas no processo de disponibilizar um
bem ou serviço para uso ou consumo.
• Eles formam o conjunto de caminhos que um produto segue
depois da produção, culminando na utilização pelo usuário final.
• Alguns intermediários compram, adquirem direitos sobre os
produtos e os revendem; são denominados comerciantes.
• Outros, buscam clientes e podem negociar em nome do
fabricante, sem, no entanto, possuir direito sobre os produtos;
são conhecidos como representantes.
Canais de marketing e
redes de valor
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 5
• Outros, ainda, dão apoio ao processo de distribuição, mas não
têm direitos sobre os produtos nem negociam compras ou
vendas; são chamados facilitadores.
• Canais de todos os tipos desempenham um papel importante no
sucesso de uma empresa e afetam todas as demais decisões de
marketing.
• Os profissionais de marketing devem julgá-los no contexto de
todo o processo pelo qual seus produtos são feitos, distribuídos,
vendidos e atendidos.
Canais de marketing e
redes de valor
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 6
• Um sistema de canais de marketing é o conjunto de canais de
marketing específicos utilizados por uma empresa.
• Em uma estratégia de empurrar (push), usam-se a equipe de
vendas, a promoção dirigida ao revendedor e outros meios para
induzir os intermediários a expor, promover e vender o produto
aos usuários finais.
• Em uma estratégia de puxar (pull), o fabricante utiliza a
propaganda, a promoção e outras formas de comunicação para
persuadir o consumidor a pedir o produto aos intermediários,
fazendo com que estes o encomendem.
A importância dos canais
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 7
• Canais híbridos e marketing multicanal ocorrem quando uma
única empresa usa dois ou mais canais de marketing para atingir
os segmentos de clientes.
• No marketing multicanal, cada canal tem como alvo um
segmento diferente de compradores.
• As empresas que utilizam canais híbridos devem cuidar para que
eles funcionem em harmonia e atendam às formas preferidas de
fazer negócios de cada cliente-alvo.
• Os clientes esperam uma integração de canais, com as seguintes
características:
Canais híbridos e
marketing multicanal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 8
• Possibilidade de encomendar um produto on-line e retirá-lo em
um ponto de venda com localização conveniente.
• Possibilidade de devolver um produto encomendado on-line em
uma loja próxima.
• Direito de receber descontos com base no total das compras
realizadas on-line e em lojas tradicionais.
Redes de valor
• Rede de valor — um sistema de parcerias e alianças que a
empresa cria para abastecer, aumentar e entregar suas ofertas.
Canais híbridos e
marketing multicanal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 9
• Uma rede de valor inclui os fornecedores da empresa e os
fornecedores desses fornecedores, os clientes imediatos da
empresa e os consumidores finais desses clientes.
• A rede de valor inclui relações valiosas com terceiros, como
pesquisadores acadêmicos e agências reguladoras
governamentais.
• Uma empresa precisa coordenar esses parceiros para que eles
lhe permitam entregar um valor superior ao mercado-alvo.
• Planejar a cadeia de demanda rende vários insights.
Redes de valor
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 10
• Por que um fabricante delega parte do trabalho de vendas a
intermediários, renunciando a uma parte do controle sobre
como e para quem os produtos são vendidos?
• Muitos fabricantes não dispõem de recursos financeiros para
comercializar seus produtos diretamente.
• É mais fácil usar a extensa rede de distribuidores independentes.
Funções e fluxos do canal
• Os membros do canal de marketing realizam várias funções
fundamentais (veja a tabela a seguir).
O papel dos canais de
marketing
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 11
• Funções dos membros do canal
Funções e fluxos do canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 12
A figura abaixo ilustra os cinco fluxos no canal de marketing para
empilhadeiras.
Funções e fluxos do canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 13
Um fabricante que vende bens físicos e serviços exige três canais:
• um canal de vendas,
• um canal de entrega e
• um canal de serviços.
Todas as funções do canal possuem três elementos em comum:
• usam recursos escassos,
• normalmente podem ser mais bem desempenhadas por quem é
especializado e
• podem ser trocadas entre os membros do canal.
Funções e fluxos do canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 14
• A figura a seguir ilustra vários canais de marketing de bens de
consumo, cada um com uma extensão diferente.
• Um canal de nível zero, também chamado canal de marketing
direto, consiste em um fabricante que vende diretamente ao
consumidor final.
• Um canal de nível 1 conta com um único intermediário de
vendas, como um varejista.
• Um canal de nível 2 conta com dois intermediários.
• Um canal de nível 3 contém três intermediários.
Níveis de canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 15
Níveis de canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 16
• A figura a seguir mostra os canais normalmente utilizados no
marketing B2B.
• Um fabricante de mercadorias para consumo industrial pode
utilizar sua força de vendas para vender diretamente a seus
clientes industriais, ou para distribuidores do setor em questão.
• Pode também vender por meio de representantes próprios ou
de divisões de vendas diretamente aos clientes, ou
indiretamente, por meio de distribuidores industriais.
• Os canais de marketing de nível zero e de nível 1 e de nível 2 são
bastante comuns no marketing industrial.
Níveis de canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 17
Níveis de canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 18
Decisões de projeto de
canal
• Para projetar um sistema de canais, é preciso analisar as
necessidades do cliente, estabelecer os objetivos do canal e
identificar e avaliar as principais alternativas de canal.
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 19
• Os consumidores podem escolher os canais de sua preferência.
• O mesmo consumidor pode escolher canais diferentes para
funções diferentes em uma compra.
• Os canais produzem cinco níveis de serviço:
1. Tamanho do lote
2. Tempo de espera e entrega
3. Conveniência espacial
4. Variedade do produto
5. Suporte de serviço
Análise de necessidades e
desejos de clientes
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 20
• Os objetivos do canal devem ser determinados em relação aos
níveis de serviço e seus custos e graus de suporte associados.
• Os objetivos do canal variam de acordo com as características do
produto.
• O projeto do canal deve se adaptar ao macroambiente.
• Ao ingressar em novos mercados, as empresas costumam
observar de perto o que as outras fazem.
Estabelecimento de
objetivos e limitações do
canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 21
• Uma opção de canal é descrita por três elementos:
1. os tipos de intermediário,
2. o seu número necessário e
3. os direitos e responsabilidades de cada membro do canal.
Identificação das principais
opções de canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 22
• Distribuição exclusiva: implica limitar bastante o número de
intermediários. Essa tática é apropriada quando se deseja
manter o controle sobre o nível e a produção dos serviços
oferecidos pelos revendedores, geralmente abrangendo acordos
de negociação exclusiva.
• Distribuição seletiva: envolve a utilização de determinados
intermediários que queiram comercializar um produto
específico.
• Distribuição intensiva: disponibiliza bens ou serviços no maior
número possível de pontos de venda.
Avaliação das principais alternativas de canal
• Cada alternativa de canal precisa ser avaliada em relação a
critérios econômicos, de controle e de adaptação.
Tipos de intermediário
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 23
• A figura abaixo mostra como seis canais de vendas se
sobrepõem no tocante a valor agregado por venda e custo por
transação.
Critérios econômicos
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 24
• Utilizar um representante de vendas traz um problema de
controle.
• Os representantes podem se concentrar nos clientes que
compram mais, porém não necessariamente nos que compram
as mercadorias do fabricante.
• Para desenvolver um canal, os membros devem ter algum grau
de compromisso uns com os outros por um período específico.
• Uma empresa precisa de estruturas e políticas de canal que
permitam uma adaptabilidade elevada.
Critérios de controle e
adaptação
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 25
• Gráfico do ponto de equilíbrio para a escolha entre a força de
vendas da empresa e o representante de vendas do fabricante.
Critérios de controle e
adaptação
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 26
Decisões de
gerenciamento do canal
• Depois que a empresa escolhe uma alternativa de canal, cada
intermediário deve ser: selecionado, treinado, motivado e
avaliado. Os arranjos de canais devem ser modificados com o
tempo. À medida que cresce, a empresa também deve levar em
conta a expansão de canal para mercados internacionais.
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 27
• Para o cliente, os canais são a empresa.
• Para facilitar a seleção de membros do canal, os fabricantes
devem determinar as características do intermediário ideal.
• Se os intermediários forem representantes, os fabricantes
devem avaliar o número e as características de outras linhas
vendidas, assim como o tamanho e a qualidade da força de
vendas.
• Se forem lojas de departamentos que desejam exclusividade, é
preciso avaliar os locais em que elas atuam, seu potencial de
crescimento e o tipo de clientela.
Seleção de membros do
canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 28
• Programas de treinamento, de pesquisa de mercado e outros de
capacitação podem motivar e melhorar o desempenho dos
intermediários.
• O poder de canal pode ser definido como a habilidade de mudar
o comportamento dos membros do canal de modo que eles
ajam de maneira diferente do que fariam normalmente.
• Os fabricantes podem exercer os seguintes tipos de poder para
obter cooperação:
• Poder coercitivo. O fabricante ameaça reduzir os investimentos
ou encerrar o relacionamento caso os intermediários não
cooperem.
Treinamento e motivação
de membros do canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 29
• Poder de recompensa. O fabricante oferece aos intermediários
um benefício adicional para que realizem ações ou funções
específicas.
• Poder legitimado. O fabricante exige um comportamento que
seja garantido por contrato.
• Poder de especialista. O fabricante detém um conhecimento
especial que é valorizado pelos intermediários.
• Poder de referência. O fabricante é tão respeitado que os
intermediários se sentem orgulhosos por estarem associados a
ele.
Treinamento e motivação
de membros do canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 30
• Os fabricantes devem avaliar periodicamente o desempenho dos
intermediários no tocante a padrões.
• O fabricante pode descobrir que paga mais do que deveria a
determinados intermediários quando leva em conta o que eles
fazem de fato.
• Os fabricantes devem estabelecer acordos segundo os quais
paguem quantias específicas pelo desempenho de cada membro
do canal por cada serviço contratado.
• Os distribuidores que tiverem fraco desempenho precisam ser
aconselhados, retreinados, motivados ou dispensados.
Avaliação dos membros do
canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 31
• Em mercados competitivos, é inevitável que a estrutura ideal do
canal se modifique com o tempo.
• A mudança pode envolver o acréscimo ou a retirada de canais
específicos de mercado ou de membros específicos do canal ou,
ainda, o desenvolvimento de uma maneira totalmente nova de
vender mercadorias.
Evolução de canal
• Em mercados menores, uma empresa pode vender diretamente
para varejistas; em mercados maiores, por meio de
distribuidores.
Modificação dos arranjos
de canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 32
• Pode conceder franquias exclusivas ou vender por todos os
pontos de vendas disponíveis.
• Em um país, pode usar representantes de vendas internacionais;
em outro, pode firmar parceria com uma empresa local.
• Em resumo, o sistema de canal evolui em função de:
o oportunidades e condições locais,
o ameaças e oportunidades que surgem,
o recursos e capacidades da empresa,
o entre outros fatores.
Evolução de canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 33
A modificação torna-se necessária quando:
• o canal de distribuição não funciona conforme o planejado,
• os padrões de compra do consumidor mudam,
• o mercado se expande,
• surgem novos concorrentes ou canais de distribuição ou
• o produto chega aos últimos estágios de seu ciclo de vida.
Acrescentar ou retirar membros específicos do canal exige uma
análise progressiva.
Decisões de alteração de
canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 34
• Os mercados internacionais representam desafios distintos.
• Existem muitas armadilhas na expansão global, e os varejistas
também precisam defender em casa seu próprio território da
entrada de investidores estrangeiros.
• O primeiro passo no planejamento de um canal global é se
aproximar dos clientes.
• Uma boa estratégia de varejo que ofereça aos clientes uma
experiência de compra positiva e um valor sem igual, desde que
devidamente adaptada, provavelmente obterá sucesso em mais
de um mercado.
Considerações sobre
canais globais
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 35
• Um canal de marketing convencional é formado por um
fabricante independente e um ou mais atacadistas e varejistas.
• Um sistema vertical de marketing (SVM), ao contrário, é
formado pelo fabricante e um ou mais atacadistas e varejistas,
todos atuando como um sistema unificado.
• Os SMVs surgiram como resultado de fortes tentativas de
membros do canal de controlar o comportamento do canal e
eliminar o conflito que ocorre quando os membros
independentes perseguem seus próprios objetivos.
• Eles conseguem economias por causa do tamanho, do poder de
barganha e da supressão de serviços duplicados.
Sistemas verticais de
marketing
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 36
• Um SMV corporativo combina estágios sucessivos de produção
e distribuição sob o comando de um único proprietário.
• Um SVM administrado coordena sucessivos estágios de
produção e distribuição em função do tamanho e do poder de
um dos membros.
• Um SVM contratual consiste em empresas independentes,
atuantes em diferentes níveis de produção e distribuição, que
integram seus programas por meio de contratos para, assim,
obter mais economias ou impacto nas vendas do que poderiam
conseguir sozinhas.
Sistemas verticais de
marketing
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 37
• Há três tipos de SVM contratual:
1. Redes voluntárias patrocinadas pelo atacadista.
2. Cooperativas de varejistas.
3. Organizações de franquia.
A nova concorrência no varejo
• Muitos varejistas independentes que não se juntaram a SVMs
desenvolveram lojas especializadas que atendem segmentos
especiais do mercado.
Sistemas verticais de
marketing
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 38
• O resultado é a polarização do varejo entre grandes
organizações verticais de marketing e lojas especializadas
independentes. Isso cria um problema para os fabricantes.
• Eles estão fortemente ligados a intermediários independentes,
mas podem ter de se realinhar com sistemas verticais de
marketing de rápido crescimento em condições menos
atraentes.
• A nova concorrência no varejo acontece entre sistemas
completos de redes programadas centralmente que competem
entre si para conseguir a maior economia de custos e a melhor
resposta do cliente.
A nova concorrência no
varejo
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 39
• Sistema horizontal de marketing – duas ou mais empresas não
relacionadas unem recursos ou programas para explorar uma
nova oportunidade de mercado.
Integração de sistemas de marketing multicanal
• O sistema de canais de marketing integrado é aquele em que
as estratégias e táticas de vender por meio de um canal
refletem as estratégias e táticas de vender por meio de um ou
mais outros canais.
• A figura a seguir exibe uma matriz simples para orientar a
tomada de decisões sobre arquitetura de canais.
Sistemas horizontais de
marketing
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 40
Integração de sistemas de
marketing multicanal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 41
• Um conflito de canal ocorre quando as ações de um membro
de um canal impedem que outro canal atinja seu objetivo.
• A coordenação do canal ocorre quando os membros atuam em
conjunto para atingir os objetivos do canal, em oposição a seus
objetivos individuais potencialmente incompatíveis.
Tipos de conflito e concorrência
• Conflito horizontal de canal. Ocorre entre membros de mesmo
nível de um canal.
Conflito, cooperação e
concorrência
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 42
• Conflito vertical de canal. Ocorre entre diferentes níveis no
mesmo canal.
• Conflito multicanal. Existe quando o fabricante estabelece dois
ou mais canais que vendem para o mesmo mercado.
O conflito pode ser desencadeado por:
• Incompatibilidade de objetivos.
• Direitos e papéis pouco claros.
• Diferenças de percepção.
• Dependência dos intermediários em relação ao fabricante.
Tipos de conflito e
concorrência
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 43
Estratégias para administrar conflitos de canais:
• Justificativa estratégica
• Dupla compensação
• Metas superordenadas
• Troca de funcionários
• Participação conjunta em associações
• Cooptação
• Diplomacia, mediação ou arbitragem
• Processo judicial
Gerenciamento do conflito
de canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 44
• Em decorrência da distribuição exclusiva, apenas certos pontos
de venda têm autorização para comercializar os produtos de
uma empresa.
• Exigir que esses revendedores não trabalhem com produtos da
concorrência é denominado direito de exclusividade.
• Os fabricantes de uma marca forte às vezes vendem para os
revendedores apenas se estes trabalharem com outros produtos
da linha, ou mesmo com a linha toda. Essa prática é conhecida
como forçar a linha completa.
• Esses acordos vinculados não são necessariamente ilegais.
Questões legais e éticas
nas relações de canal
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 45
• O e-commerce utiliza um site para realizar uma transação ou
facilitar a venda de bens e serviços pela Internet.
• Os varejistas on-line competem em três principais aspectos de
uma transação:
1. interação do cliente com o site;
2. entrega; e
3. capacidade de resolver problemas quando eles ocorrem.
• Podemos distinguir entre empresas inteiramente virtuais e
empresas virtuais e reais.
Marketing no e-commerce
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 46
• O atendimento ao cliente é fundamental.
• Para aumentar a satisfação do cliente e os valores de
entretenimento e de informação das experiências de compras
baseadas na Web, algumas empresas utilizam avatares, que
atuam como representantes da empresa, assistentes pessoais de
compras, guias de sites ou parceiros de conversação.
• Garantir a segurança e a privacidade on-line continua a ser
importante.
• Os sites B2B tornam os mercados mais eficientes.
Empresas inteiramente
virtuais
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 47
• Acrescentar um canal de e-commerce cria a ameaça de uma
represália por parte de varejistas, corretores, representantes e
outros intermediários.
• Existem ao menos três estratégias para conquistar a aceitação de
intermediários:
1. oferecer marcas ou produtos diferentes na Internet.
2. oferecer comissões maiores aos parceiros convencionais para
amortecer o impacto negativo sobre as vendas.
3. receber pedidos no site, mas delegar a entrega e a cobrança aos
varejistas.
Empresas virtuais e reais
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 48
• A disseminação de telefones celulares e smartphones permite às
pessoas se conectarem à Internet e fazerem encomendas on-line
quando em trânsito.
• A existência de canais e mídias móveis pode manter os
consumidores conectados e interagindo com uma marca em seu
dia a dia.
• Em alguns países, o mobile marketing já tem posição
consolidada.
• O mobile marketing também levanta questões de privacidade.
Práticas de mobile
marketing
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 49
1. A maioria dos fabricantes não vende suas mercadorias
diretamente ao consumidor final.
2. Um ou mais canais escolhidos pela empresa afetam todas as
outras decisões de marketing.
3. As empresas utilizam intermediários quando lhes faltam
recursos financeiros para trabalhar com marketing direto,
quando este não é viável ou quando elas podem ganhar mais
fazendo uso de intermediários.
4. Os fabricantes podem vender diretamente ou utilizar canais de
um, dois ou três níveis de intermediários.
Resumo
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 50
5. O gerenciamento eficaz do canal exige seleção, treinamento e
motivação de intermediários.
6. Os canais de marketing se caracterizam pela mudança contínua
e, às vezes, radical. Três das mais importantes tendências são o
crescimento dos sistemas vertical, horizontal e multicanal de
marketing.
7. Todos os canais de marketing têm um potencial de conflito e
concorrência como resultado da incompatibilidade de metas,
papéis e direitos mal definidos, diferenças de percepção e
relacionamentos interdependentes.
Resumo
© 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 51
8. Cabe à empresa decidir sobre os arranjos de canal a serem
adotados, mas há algumas questões legais e éticas a serem
consideradas com relação a práticas como direito de
exclusividade, exclusividade territorial, acordos vinculados e
direitos de revendedores.
9. A importância do e-commerce vem crescendo à medida que as
empresas adotam um sistema de canais virtual e real. A
integração entre os canais deve levar em conta as vantagens da
venda on-line e da venda convencional.
10. Uma área de crescente importância é a de mobile marketing e
marketing por meio de smartphones e PDAs.
Resumo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 08 merchandising, promoção de vendas e exibitécnica
Aula 08   merchandising, promoção de vendas e exibitécnicaAula 08   merchandising, promoção de vendas e exibitécnica
Aula 08 merchandising, promoção de vendas e exibitécnica
profjucavalcante
 
Fundamentos de Marketing
Fundamentos de MarketingFundamentos de Marketing
Fundamentos de Marketing
Flávia Camargo Bernardi
 
Mix Marketing - 4Ps
Mix Marketing - 4PsMix Marketing - 4Ps
Mix Marketing - 4Ps
Nyedson Barbosa
 
4 ps completo
4 ps completo4 ps completo
4 ps completo
Niloar Bissani
 
Segmentação de Mercado
Segmentação de MercadoSegmentação de Mercado
Segmentação de Mercado
Milton Henrique do Couto Neto
 
Aula 1 - Marketing pessoal
Aula 1 - Marketing pessoalAula 1 - Marketing pessoal
Aula 1 - Marketing pessoal
Professor Cristiano Barreto
 
Vendedor de Valor - 50 segredos de vendas
Vendedor de Valor - 50 segredos de vendasVendedor de Valor - 50 segredos de vendas
Vendedor de Valor - 50 segredos de vendas
Norberto Almeida De Andrade
 
02 - 2014 decisão de compra
02 - 2014 decisão de compra02 - 2014 decisão de compra
02 - 2014 decisão de compra
Milton Henrique do Couto Neto
 
Marketing: conceitos
Marketing: conceitos Marketing: conceitos
Marketing: conceitos
janaina brito
 
Mix de Marketing - Praça - Parte III
Mix de Marketing - Praça - Parte IIIMix de Marketing - Praça - Parte III
Mix de Marketing - Praça - Parte III
Robson Costa
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
Rosario Cação
 
Marketing de Relacionamento
Marketing de RelacionamentoMarketing de Relacionamento
Marketing de Relacionamento
Milton Henrique do Couto Neto
 
Aula de rotinas adm. iel1
Aula de rotinas adm. iel1Aula de rotinas adm. iel1
Aula de rotinas adm. iel1
Julio Pyramo
 
Dinamicas de negociacao
Dinamicas de negociacaoDinamicas de negociacao
Dinamicas de negociacao
Niloar Bissani
 
A Força do Marketing Pessoal
A Força do Marketing PessoalA Força do Marketing Pessoal
A Força do Marketing Pessoal
Next Educação
 
Aula 1 - Introdução aos Conceitos de Marketing Digital - Disciplina Planejame...
Aula 1 - Introdução aos Conceitos de Marketing Digital - Disciplina Planejame...Aula 1 - Introdução aos Conceitos de Marketing Digital - Disciplina Planejame...
Aula 1 - Introdução aos Conceitos de Marketing Digital - Disciplina Planejame...
Pedro Cordier
 
Palestra conquistando seu lugar no mercado de trabalho
Palestra   conquistando seu lugar no mercado de trabalhoPalestra   conquistando seu lugar no mercado de trabalho
Palestra conquistando seu lugar no mercado de trabalho
Ernandes Rodrigues Do Nascimento
 
Inovação e Competitividade
Inovação e CompetitividadeInovação e Competitividade
Inovação e Competitividade
Graziela Bernardo Mota
 
Criatividade e Inovaçao
Criatividade e InovaçaoCriatividade e Inovaçao
Criatividade e Inovaçao
Jairo Siqueira
 
Planejamento Estrátegico
Planejamento EstrátegicoPlanejamento Estrátegico
Planejamento Estrátegico
Fabricio Medeiros
 

Mais procurados (20)

Aula 08 merchandising, promoção de vendas e exibitécnica
Aula 08   merchandising, promoção de vendas e exibitécnicaAula 08   merchandising, promoção de vendas e exibitécnica
Aula 08 merchandising, promoção de vendas e exibitécnica
 
Fundamentos de Marketing
Fundamentos de MarketingFundamentos de Marketing
Fundamentos de Marketing
 
Mix Marketing - 4Ps
Mix Marketing - 4PsMix Marketing - 4Ps
Mix Marketing - 4Ps
 
4 ps completo
4 ps completo4 ps completo
4 ps completo
 
Segmentação de Mercado
Segmentação de MercadoSegmentação de Mercado
Segmentação de Mercado
 
Aula 1 - Marketing pessoal
Aula 1 - Marketing pessoalAula 1 - Marketing pessoal
Aula 1 - Marketing pessoal
 
Vendedor de Valor - 50 segredos de vendas
Vendedor de Valor - 50 segredos de vendasVendedor de Valor - 50 segredos de vendas
Vendedor de Valor - 50 segredos de vendas
 
02 - 2014 decisão de compra
02 - 2014 decisão de compra02 - 2014 decisão de compra
02 - 2014 decisão de compra
 
Marketing: conceitos
Marketing: conceitos Marketing: conceitos
Marketing: conceitos
 
Mix de Marketing - Praça - Parte III
Mix de Marketing - Praça - Parte IIIMix de Marketing - Praça - Parte III
Mix de Marketing - Praça - Parte III
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Marketing de Relacionamento
Marketing de RelacionamentoMarketing de Relacionamento
Marketing de Relacionamento
 
Aula de rotinas adm. iel1
Aula de rotinas adm. iel1Aula de rotinas adm. iel1
Aula de rotinas adm. iel1
 
Dinamicas de negociacao
Dinamicas de negociacaoDinamicas de negociacao
Dinamicas de negociacao
 
A Força do Marketing Pessoal
A Força do Marketing PessoalA Força do Marketing Pessoal
A Força do Marketing Pessoal
 
Aula 1 - Introdução aos Conceitos de Marketing Digital - Disciplina Planejame...
Aula 1 - Introdução aos Conceitos de Marketing Digital - Disciplina Planejame...Aula 1 - Introdução aos Conceitos de Marketing Digital - Disciplina Planejame...
Aula 1 - Introdução aos Conceitos de Marketing Digital - Disciplina Planejame...
 
Palestra conquistando seu lugar no mercado de trabalho
Palestra   conquistando seu lugar no mercado de trabalhoPalestra   conquistando seu lugar no mercado de trabalho
Palestra conquistando seu lugar no mercado de trabalho
 
Inovação e Competitividade
Inovação e CompetitividadeInovação e Competitividade
Inovação e Competitividade
 
Criatividade e Inovaçao
Criatividade e InovaçaoCriatividade e Inovaçao
Criatividade e Inovaçao
 
Planejamento Estrátegico
Planejamento EstrátegicoPlanejamento Estrátegico
Planejamento Estrátegico
 

Destaque

Panorama das agencias digitais
Panorama das agencias digitaisPanorama das agencias digitais
Panorama das agencias digitais
Professor Sérgio Duarte
 
Marketing relacionamento conteúdo cândido mendes
Marketing relacionamento conteúdo cândido mendesMarketing relacionamento conteúdo cândido mendes
Marketing relacionamento conteúdo cândido mendes
Professor Sérgio Duarte
 
Marketing relacionamento conteúdo cãndido mendes
Marketing relacionamento conteúdo cãndido mendesMarketing relacionamento conteúdo cãndido mendes
Marketing relacionamento conteúdo cãndido mendes
Professor Sérgio Duarte
 
C708 j livro landing pages na prática
C708 j livro landing pages na práticaC708 j livro landing pages na prática
C708 j livro landing pages na prática
Professor Sérgio Duarte
 
Publicdade e propaganda v anunciantes, meios e fornecedores
Publicdade e propaganda v  anunciantes, meios e fornecedoresPublicdade e propaganda v  anunciantes, meios e fornecedores
Publicdade e propaganda v anunciantes, meios e fornecedores
Professor Sérgio Duarte
 
Apresentacao projeto de casamento
Apresentacao projeto de casamentoApresentacao projeto de casamento
Apresentacao projeto de casamento
Professor Sérgio Duarte
 
Gestão de Serviços Introdução ao mkt de serviços 1
Gestão de Serviços Introdução ao mkt de serviços 1Gestão de Serviços Introdução ao mkt de serviços 1
Gestão de Serviços Introdução ao mkt de serviços 1
Professor Sérgio Duarte
 
Publicdade e propaganda iii critérios de avaliação de uma agência
Publicdade e propaganda iii  critérios de avaliação de uma agênciaPublicdade e propaganda iii  critérios de avaliação de uma agência
Publicdade e propaganda iii critérios de avaliação de uma agência
Professor Sérgio Duarte
 
Apresentacao gestão de projetos pura
Apresentacao gestão de projetos   puraApresentacao gestão de projetos   pura
Apresentacao gestão de projetos pura
Professor Sérgio Duarte
 
E mail marketing
E mail marketing E mail marketing
E mail marketing
Professor Sérgio Duarte
 
Aula 25 de maio marketing digital
Aula 25 de maio marketing digitalAula 25 de maio marketing digital
Aula 25 de maio marketing digital
Professor Sérgio Duarte
 
Publicidade e propaganda vi fluxograma de um anúncio
Publicidade e propaganda  vi   fluxograma de um anúncioPublicidade e propaganda  vi   fluxograma de um anúncio
Publicidade e propaganda vi fluxograma de um anúncio
Professor Sérgio Duarte
 
Pesquisa agências digitais
Pesquisa agências digitaisPesquisa agências digitais
Pesquisa agências digitais
Professor Sérgio Duarte
 
Promoção de vendas e marchandising
Promoção de vendas e marchandisingPromoção de vendas e marchandising
Promoção de vendas e marchandising
Professor Sérgio Duarte
 
Pesquisa usabilidade
Pesquisa usabilidadePesquisa usabilidade
Pesquisa usabilidade
Professor Sérgio Duarte
 
Trabalho - Agencia digital apresentação
Trabalho - Agencia digital apresentação Trabalho - Agencia digital apresentação
Trabalho - Agencia digital apresentação
Professor Sérgio Duarte
 
Marketing de conteúdo
Marketing de conteúdoMarketing de conteúdo
Marketing de conteúdo
Professor Sérgio Duarte
 
Gestão de Serviços Determinação de preços e gerenciamento de receita
Gestão de Serviços Determinação de preços e gerenciamento de receitaGestão de Serviços Determinação de preços e gerenciamento de receita
Gestão de Serviços Determinação de preços e gerenciamento de receita
Professor Sérgio Duarte
 
Gestão de Serviços Elaborando o mix de comunicações para serviços
Gestão de Serviços Elaborando o mix de comunicações para serviçosGestão de Serviços Elaborando o mix de comunicações para serviços
Gestão de Serviços Elaborando o mix de comunicações para serviços
Professor Sérgio Duarte
 
Gestão de Serviços Distribuido serviços.ppt
Gestão de Serviços Distribuido serviços.pptGestão de Serviços Distribuido serviços.ppt
Gestão de Serviços Distribuido serviços.ppt
Professor Sérgio Duarte
 

Destaque (20)

Panorama das agencias digitais
Panorama das agencias digitaisPanorama das agencias digitais
Panorama das agencias digitais
 
Marketing relacionamento conteúdo cândido mendes
Marketing relacionamento conteúdo cândido mendesMarketing relacionamento conteúdo cândido mendes
Marketing relacionamento conteúdo cândido mendes
 
Marketing relacionamento conteúdo cãndido mendes
Marketing relacionamento conteúdo cãndido mendesMarketing relacionamento conteúdo cãndido mendes
Marketing relacionamento conteúdo cãndido mendes
 
C708 j livro landing pages na prática
C708 j livro landing pages na práticaC708 j livro landing pages na prática
C708 j livro landing pages na prática
 
Publicdade e propaganda v anunciantes, meios e fornecedores
Publicdade e propaganda v  anunciantes, meios e fornecedoresPublicdade e propaganda v  anunciantes, meios e fornecedores
Publicdade e propaganda v anunciantes, meios e fornecedores
 
Apresentacao projeto de casamento
Apresentacao projeto de casamentoApresentacao projeto de casamento
Apresentacao projeto de casamento
 
Gestão de Serviços Introdução ao mkt de serviços 1
Gestão de Serviços Introdução ao mkt de serviços 1Gestão de Serviços Introdução ao mkt de serviços 1
Gestão de Serviços Introdução ao mkt de serviços 1
 
Publicdade e propaganda iii critérios de avaliação de uma agência
Publicdade e propaganda iii  critérios de avaliação de uma agênciaPublicdade e propaganda iii  critérios de avaliação de uma agência
Publicdade e propaganda iii critérios de avaliação de uma agência
 
Apresentacao gestão de projetos pura
Apresentacao gestão de projetos   puraApresentacao gestão de projetos   pura
Apresentacao gestão de projetos pura
 
E mail marketing
E mail marketing E mail marketing
E mail marketing
 
Aula 25 de maio marketing digital
Aula 25 de maio marketing digitalAula 25 de maio marketing digital
Aula 25 de maio marketing digital
 
Publicidade e propaganda vi fluxograma de um anúncio
Publicidade e propaganda  vi   fluxograma de um anúncioPublicidade e propaganda  vi   fluxograma de um anúncio
Publicidade e propaganda vi fluxograma de um anúncio
 
Pesquisa agências digitais
Pesquisa agências digitaisPesquisa agências digitais
Pesquisa agências digitais
 
Promoção de vendas e marchandising
Promoção de vendas e marchandisingPromoção de vendas e marchandising
Promoção de vendas e marchandising
 
Pesquisa usabilidade
Pesquisa usabilidadePesquisa usabilidade
Pesquisa usabilidade
 
Trabalho - Agencia digital apresentação
Trabalho - Agencia digital apresentação Trabalho - Agencia digital apresentação
Trabalho - Agencia digital apresentação
 
Marketing de conteúdo
Marketing de conteúdoMarketing de conteúdo
Marketing de conteúdo
 
Gestão de Serviços Determinação de preços e gerenciamento de receita
Gestão de Serviços Determinação de preços e gerenciamento de receitaGestão de Serviços Determinação de preços e gerenciamento de receita
Gestão de Serviços Determinação de preços e gerenciamento de receita
 
Gestão de Serviços Elaborando o mix de comunicações para serviços
Gestão de Serviços Elaborando o mix de comunicações para serviçosGestão de Serviços Elaborando o mix de comunicações para serviços
Gestão de Serviços Elaborando o mix de comunicações para serviços
 
Gestão de Serviços Distribuido serviços.ppt
Gestão de Serviços Distribuido serviços.pptGestão de Serviços Distribuido serviços.ppt
Gestão de Serviços Distribuido serviços.ppt
 

Semelhante a Canais de distribuição e vendas k otler & kellner - canais

ESAMC - 4 Sem - Capitulo15 Kotler
ESAMC - 4 Sem - Capitulo15 KotlerESAMC - 4 Sem - Capitulo15 Kotler
ESAMC - 4 Sem - Capitulo15 Kotler
Thiago Martins
 
Trade Marketing
Trade MarketingTrade Marketing
Trade Marketing
Emanuel Santana
 
Capítulo 1 - Marketing para o Século XXI.pptx
Capítulo 1 - Marketing para o Século XXI.pptxCapítulo 1 - Marketing para o Século XXI.pptx
Capítulo 1 - Marketing para o Século XXI.pptx
WesleiNascimento5
 
4o CINDIEncontro - Games to Business - Planejamento de Negócios
4o CINDIEncontro - Games to Business - Planejamento de Negócios4o CINDIEncontro - Games to Business - Planejamento de Negócios
4o CINDIEncontro - Games to Business - Planejamento de Negócios
Fabio Lima
 
Business Model Canvas - Os Blocos da Estrutura do Canvas
Business Model Canvas - Os Blocos da Estrutura do CanvasBusiness Model Canvas - Os Blocos da Estrutura do Canvas
Business Model Canvas - Os Blocos da Estrutura do Canvas
Excelência em Gestão Ltda.
 
Análise de experiências de criação de negócios
Análise de experiências de criação de negóciosAnálise de experiências de criação de negócios
Análise de experiências de criação de negócios
CRIST1976
 
PPTs - Capítulo 5.pdf
PPTs - Capítulo 5.pdfPPTs - Capítulo 5.pdf
PPTs - Capítulo 5.pdf
Renan Cotta
 
DistribuiçãoAWDASDQDAWDASD
DistribuiçãoAWDASDQDAWDASDDistribuiçãoAWDASDQDAWDASD
DistribuiçãoAWDASDQDAWDASD
Pedro Pinheiro
 
modelos de negocios.ppt
modelos de negocios.pptmodelos de negocios.ppt
modelos de negocios.ppt
BerkeleyTecnologia
 
Novos Negócios - Aula 08: Canais de Distribuição do Negócio
Novos Negócios - Aula 08: Canais de Distribuição do NegócioNovos Negócios - Aula 08: Canais de Distribuição do Negócio
Novos Negócios - Aula 08: Canais de Distribuição do Negócio
Marcus Araújo
 
CapU NABU-504.63 - Business Model Canvas Introduction
CapU NABU-504.63 - Business Model Canvas IntroductionCapU NABU-504.63 - Business Model Canvas Introduction
CapU NABU-504.63 - Business Model Canvas Introduction
Fabio Lima
 
4 -canais_de_distribuição[2]
4  -canais_de_distribuição[2]4  -canais_de_distribuição[2]
4 -canais_de_distribuição[2]
Wallace Rodrigues
 
Business Model Generation - Como Construir um Modelo De Negócios
Business Model Generation - Como Construir um Modelo De NegóciosBusiness Model Generation - Como Construir um Modelo De Negócios
Business Model Generation - Como Construir um Modelo De Negócios
Pedro Quintanilha
 
Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01
Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01
Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01
Luiz Otavio Nascimento - "LON"
 
Entrada das grandes marcas com vendas diretas ao consumidor - Fernando Di Giorgi
Entrada das grandes marcas com vendas diretas ao consumidor - Fernando Di GiorgiEntrada das grandes marcas com vendas diretas ao consumidor - Fernando Di Giorgi
Entrada das grandes marcas com vendas diretas ao consumidor - Fernando Di Giorgi
E-Commerce Brasil
 
Plataformas de vendas integradas - Omnichannel
Plataformas de vendas integradas - OmnichannelPlataformas de vendas integradas - Omnichannel
Plataformas de vendas integradas - Omnichannel
Kenneth Corrêa
 
Fundamentos da Técnica Business Model Generation
Fundamentos da Técnica Business Model GenerationFundamentos da Técnica Business Model Generation
Fundamentos da Técnica Business Model Generation
auspin
 
Aula 2 - Sistemas dos canais de distribuição..pptx
Aula 2 - Sistemas dos canais de distribuição..pptxAula 2 - Sistemas dos canais de distribuição..pptx
Aula 2 - Sistemas dos canais de distribuição..pptx
LeonardoSilva1409
 
GFS - Análise de Mercado e Concorrentes
GFS - Análise de Mercado e ConcorrentesGFS - Análise de Mercado e Concorrentes
GFS - Análise de Mercado e Concorrentes
ACE Startups
 
Programa de Relacionamento Canal de Distribuição Exclusivo
Programa de Relacionamento Canal de Distribuição ExclusivoPrograma de Relacionamento Canal de Distribuição Exclusivo
Programa de Relacionamento Canal de Distribuição Exclusivo
Direct Link Consultoria
 

Semelhante a Canais de distribuição e vendas k otler & kellner - canais (20)

ESAMC - 4 Sem - Capitulo15 Kotler
ESAMC - 4 Sem - Capitulo15 KotlerESAMC - 4 Sem - Capitulo15 Kotler
ESAMC - 4 Sem - Capitulo15 Kotler
 
Trade Marketing
Trade MarketingTrade Marketing
Trade Marketing
 
Capítulo 1 - Marketing para o Século XXI.pptx
Capítulo 1 - Marketing para o Século XXI.pptxCapítulo 1 - Marketing para o Século XXI.pptx
Capítulo 1 - Marketing para o Século XXI.pptx
 
4o CINDIEncontro - Games to Business - Planejamento de Negócios
4o CINDIEncontro - Games to Business - Planejamento de Negócios4o CINDIEncontro - Games to Business - Planejamento de Negócios
4o CINDIEncontro - Games to Business - Planejamento de Negócios
 
Business Model Canvas - Os Blocos da Estrutura do Canvas
Business Model Canvas - Os Blocos da Estrutura do CanvasBusiness Model Canvas - Os Blocos da Estrutura do Canvas
Business Model Canvas - Os Blocos da Estrutura do Canvas
 
Análise de experiências de criação de negócios
Análise de experiências de criação de negóciosAnálise de experiências de criação de negócios
Análise de experiências de criação de negócios
 
PPTs - Capítulo 5.pdf
PPTs - Capítulo 5.pdfPPTs - Capítulo 5.pdf
PPTs - Capítulo 5.pdf
 
DistribuiçãoAWDASDQDAWDASD
DistribuiçãoAWDASDQDAWDASDDistribuiçãoAWDASDQDAWDASD
DistribuiçãoAWDASDQDAWDASD
 
modelos de negocios.ppt
modelos de negocios.pptmodelos de negocios.ppt
modelos de negocios.ppt
 
Novos Negócios - Aula 08: Canais de Distribuição do Negócio
Novos Negócios - Aula 08: Canais de Distribuição do NegócioNovos Negócios - Aula 08: Canais de Distribuição do Negócio
Novos Negócios - Aula 08: Canais de Distribuição do Negócio
 
CapU NABU-504.63 - Business Model Canvas Introduction
CapU NABU-504.63 - Business Model Canvas IntroductionCapU NABU-504.63 - Business Model Canvas Introduction
CapU NABU-504.63 - Business Model Canvas Introduction
 
4 -canais_de_distribuição[2]
4  -canais_de_distribuição[2]4  -canais_de_distribuição[2]
4 -canais_de_distribuição[2]
 
Business Model Generation - Como Construir um Modelo De Negócios
Business Model Generation - Como Construir um Modelo De NegóciosBusiness Model Generation - Como Construir um Modelo De Negócios
Business Model Generation - Como Construir um Modelo De Negócios
 
Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01
Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01
Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01
 
Entrada das grandes marcas com vendas diretas ao consumidor - Fernando Di Giorgi
Entrada das grandes marcas com vendas diretas ao consumidor - Fernando Di GiorgiEntrada das grandes marcas com vendas diretas ao consumidor - Fernando Di Giorgi
Entrada das grandes marcas com vendas diretas ao consumidor - Fernando Di Giorgi
 
Plataformas de vendas integradas - Omnichannel
Plataformas de vendas integradas - OmnichannelPlataformas de vendas integradas - Omnichannel
Plataformas de vendas integradas - Omnichannel
 
Fundamentos da Técnica Business Model Generation
Fundamentos da Técnica Business Model GenerationFundamentos da Técnica Business Model Generation
Fundamentos da Técnica Business Model Generation
 
Aula 2 - Sistemas dos canais de distribuição..pptx
Aula 2 - Sistemas dos canais de distribuição..pptxAula 2 - Sistemas dos canais de distribuição..pptx
Aula 2 - Sistemas dos canais de distribuição..pptx
 
GFS - Análise de Mercado e Concorrentes
GFS - Análise de Mercado e ConcorrentesGFS - Análise de Mercado e Concorrentes
GFS - Análise de Mercado e Concorrentes
 
Programa de Relacionamento Canal de Distribuição Exclusivo
Programa de Relacionamento Canal de Distribuição ExclusivoPrograma de Relacionamento Canal de Distribuição Exclusivo
Programa de Relacionamento Canal de Distribuição Exclusivo
 

Mais de Professor Sérgio Duarte

Apresentacao+casamento+ +final
Apresentacao+casamento+ +finalApresentacao+casamento+ +final
Apresentacao+casamento+ +final
Professor Sérgio Duarte
 
Trabalho C708 j agencia digital
Trabalho C708 j agencia digital Trabalho C708 j agencia digital
Trabalho C708 j agencia digital
Professor Sérgio Duarte
 
Trabalho c510 n – promoção e merchandising
Trabalho c510 n – promoção e merchandisingTrabalho c510 n – promoção e merchandising
Trabalho c510 n – promoção e merchandising
Professor Sérgio Duarte
 
Trabalho 2 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 2   cca0426 - pesq de opinião e mercadológicaTrabalho 2   cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 2 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Professor Sérgio Duarte
 
Trabalho c409 d convergência de mídias
Trabalho c409 d   convergência de mídiasTrabalho c409 d   convergência de mídias
Trabalho c409 d convergência de mídias
Professor Sérgio Duarte
 
Trabalho 1 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 1   cca0426 - pesq de opinião e mercadológicaTrabalho 1   cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 1 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Professor Sérgio Duarte
 
Trabalho c 711 n gestão de projetos
Trabalho c 711 n gestão de projetosTrabalho c 711 n gestão de projetos
Trabalho c 711 n gestão de projetos
Professor Sérgio Duarte
 
Critério brasil 2015-2016
Critério brasil   2015-2016Critério brasil   2015-2016
Critério brasil 2015-2016
Professor Sérgio Duarte
 
Remuneração de agências
Remuneração de agênciasRemuneração de agências
Remuneração de agências
Professor Sérgio Duarte
 
Lei nº 4.680
Lei nº 4.680Lei nº 4.680
Livro Google Marketing
Livro Google MarketingLivro Google Marketing
Livro Google Marketing
Professor Sérgio Duarte
 
Pesquisa brasileira de midia 2014
Pesquisa brasileira de midia 2014Pesquisa brasileira de midia 2014
Pesquisa brasileira de midia 2014
Professor Sérgio Duarte
 
Pesquisa Descobrindo a Classe C
Pesquisa Descobrindo a Classe CPesquisa Descobrindo a Classe C
Pesquisa Descobrindo a Classe C
Professor Sérgio Duarte
 
Legislação promoção de prêmios
Legislação promoção de prêmiosLegislação promoção de prêmios
Legislação promoção de prêmios
Professor Sérgio Duarte
 
Legislação marco civil internet
Legislação marco civil internetLegislação marco civil internet
Legislação marco civil internet
Professor Sérgio Duarte
 
C708 j lei nº 4.680
C708 j lei nº 4.680C708 j lei nº 4.680
C708 j lei nº 4.680
Professor Sérgio Duarte
 
C409 m texto entrevista o globo convergência
C409 m texto entrevista o globo convergênciaC409 m texto entrevista o globo convergência
C409 m texto entrevista o globo convergência
Professor Sérgio Duarte
 
C409 m artigo 3 narrativa transmidia e o magazine luiza
C409 m artigo 3 narrativa transmidia e o magazine luizaC409 m artigo 3 narrativa transmidia e o magazine luiza
C409 m artigo 3 narrativa transmidia e o magazine luiza
Professor Sérgio Duarte
 
C409 m artigo 2 interacoes sociais e o caso whatsapp r10 0273-1
C409 m artigo 2 interacoes sociais e o caso whatsapp  r10 0273-1C409 m artigo 2 interacoes sociais e o caso whatsapp  r10 0273-1
C409 m artigo 2 interacoes sociais e o caso whatsapp r10 0273-1
Professor Sérgio Duarte
 
C409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobile
C409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobileC409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobile
C409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobile
Professor Sérgio Duarte
 

Mais de Professor Sérgio Duarte (20)

Apresentacao+casamento+ +final
Apresentacao+casamento+ +finalApresentacao+casamento+ +final
Apresentacao+casamento+ +final
 
Trabalho C708 j agencia digital
Trabalho C708 j agencia digital Trabalho C708 j agencia digital
Trabalho C708 j agencia digital
 
Trabalho c510 n – promoção e merchandising
Trabalho c510 n – promoção e merchandisingTrabalho c510 n – promoção e merchandising
Trabalho c510 n – promoção e merchandising
 
Trabalho 2 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 2   cca0426 - pesq de opinião e mercadológicaTrabalho 2   cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 2 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
 
Trabalho c409 d convergência de mídias
Trabalho c409 d   convergência de mídiasTrabalho c409 d   convergência de mídias
Trabalho c409 d convergência de mídias
 
Trabalho 1 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 1   cca0426 - pesq de opinião e mercadológicaTrabalho 1   cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 1 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
 
Trabalho c 711 n gestão de projetos
Trabalho c 711 n gestão de projetosTrabalho c 711 n gestão de projetos
Trabalho c 711 n gestão de projetos
 
Critério brasil 2015-2016
Critério brasil   2015-2016Critério brasil   2015-2016
Critério brasil 2015-2016
 
Remuneração de agências
Remuneração de agênciasRemuneração de agências
Remuneração de agências
 
Lei nº 4.680
Lei nº 4.680Lei nº 4.680
Lei nº 4.680
 
Livro Google Marketing
Livro Google MarketingLivro Google Marketing
Livro Google Marketing
 
Pesquisa brasileira de midia 2014
Pesquisa brasileira de midia 2014Pesquisa brasileira de midia 2014
Pesquisa brasileira de midia 2014
 
Pesquisa Descobrindo a Classe C
Pesquisa Descobrindo a Classe CPesquisa Descobrindo a Classe C
Pesquisa Descobrindo a Classe C
 
Legislação promoção de prêmios
Legislação promoção de prêmiosLegislação promoção de prêmios
Legislação promoção de prêmios
 
Legislação marco civil internet
Legislação marco civil internetLegislação marco civil internet
Legislação marco civil internet
 
C708 j lei nº 4.680
C708 j lei nº 4.680C708 j lei nº 4.680
C708 j lei nº 4.680
 
C409 m texto entrevista o globo convergência
C409 m texto entrevista o globo convergênciaC409 m texto entrevista o globo convergência
C409 m texto entrevista o globo convergência
 
C409 m artigo 3 narrativa transmidia e o magazine luiza
C409 m artigo 3 narrativa transmidia e o magazine luizaC409 m artigo 3 narrativa transmidia e o magazine luiza
C409 m artigo 3 narrativa transmidia e o magazine luiza
 
C409 m artigo 2 interacoes sociais e o caso whatsapp r10 0273-1
C409 m artigo 2 interacoes sociais e o caso whatsapp  r10 0273-1C409 m artigo 2 interacoes sociais e o caso whatsapp  r10 0273-1
C409 m artigo 2 interacoes sociais e o caso whatsapp r10 0273-1
 
C409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobile
C409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobileC409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobile
C409 m artigo 1 uma analise do cenario publicitario online mobile
 

Último

Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 

Último (20)

Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 

Canais de distribuição e vendas k otler & kellner - canais

  • 1. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 1 Projeto e gerenciamento de canais integrados em marketing
  • 2. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 2 Projeto e gerenciamento de canais integrados em marketing • Neste capítulo, abordaremos as seguintes questões: 1. O que são sistema de canais de marketing e rede de valor? 2. Qual é o trabalho realizado pelos canais de marketing? 3. Como esses canais devem ser projetados? 4. Que decisões as empresas precisam tomar ao gerenciar seus canais? 5. Como as empresas podem integrar canais e gerenciar os conflitos entre eles? 6. Quais são as principais questões envolvidas no e-commerce e no mobile marketing?
  • 3. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 3 • Para criar valor com sucesso, é preciso entregar valor com sucesso. • Cada vez mais, os profissionais de marketing holístico encaram seus negócios como uma rede de valor. • As empresas têm observado, no topo da cadeia de suprimentos (upstream), os fornecedores de seus fornecedores e, na base (downstream), os clientes de seus distribuidores. • As empresas atuais devem construir e gerenciar sistemas de canais e redes de valor que estão em contínua evolução. Projeto e gerenciamento de canais integrados em marketing
  • 4. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 4 • Canais de marketing são conjuntos de organizações interdependentes envolvidas no processo de disponibilizar um bem ou serviço para uso ou consumo. • Eles formam o conjunto de caminhos que um produto segue depois da produção, culminando na utilização pelo usuário final. • Alguns intermediários compram, adquirem direitos sobre os produtos e os revendem; são denominados comerciantes. • Outros, buscam clientes e podem negociar em nome do fabricante, sem, no entanto, possuir direito sobre os produtos; são conhecidos como representantes. Canais de marketing e redes de valor
  • 5. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 5 • Outros, ainda, dão apoio ao processo de distribuição, mas não têm direitos sobre os produtos nem negociam compras ou vendas; são chamados facilitadores. • Canais de todos os tipos desempenham um papel importante no sucesso de uma empresa e afetam todas as demais decisões de marketing. • Os profissionais de marketing devem julgá-los no contexto de todo o processo pelo qual seus produtos são feitos, distribuídos, vendidos e atendidos. Canais de marketing e redes de valor
  • 6. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 6 • Um sistema de canais de marketing é o conjunto de canais de marketing específicos utilizados por uma empresa. • Em uma estratégia de empurrar (push), usam-se a equipe de vendas, a promoção dirigida ao revendedor e outros meios para induzir os intermediários a expor, promover e vender o produto aos usuários finais. • Em uma estratégia de puxar (pull), o fabricante utiliza a propaganda, a promoção e outras formas de comunicação para persuadir o consumidor a pedir o produto aos intermediários, fazendo com que estes o encomendem. A importância dos canais
  • 7. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 7 • Canais híbridos e marketing multicanal ocorrem quando uma única empresa usa dois ou mais canais de marketing para atingir os segmentos de clientes. • No marketing multicanal, cada canal tem como alvo um segmento diferente de compradores. • As empresas que utilizam canais híbridos devem cuidar para que eles funcionem em harmonia e atendam às formas preferidas de fazer negócios de cada cliente-alvo. • Os clientes esperam uma integração de canais, com as seguintes características: Canais híbridos e marketing multicanal
  • 8. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 8 • Possibilidade de encomendar um produto on-line e retirá-lo em um ponto de venda com localização conveniente. • Possibilidade de devolver um produto encomendado on-line em uma loja próxima. • Direito de receber descontos com base no total das compras realizadas on-line e em lojas tradicionais. Redes de valor • Rede de valor — um sistema de parcerias e alianças que a empresa cria para abastecer, aumentar e entregar suas ofertas. Canais híbridos e marketing multicanal
  • 9. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 9 • Uma rede de valor inclui os fornecedores da empresa e os fornecedores desses fornecedores, os clientes imediatos da empresa e os consumidores finais desses clientes. • A rede de valor inclui relações valiosas com terceiros, como pesquisadores acadêmicos e agências reguladoras governamentais. • Uma empresa precisa coordenar esses parceiros para que eles lhe permitam entregar um valor superior ao mercado-alvo. • Planejar a cadeia de demanda rende vários insights. Redes de valor
  • 10. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 10 • Por que um fabricante delega parte do trabalho de vendas a intermediários, renunciando a uma parte do controle sobre como e para quem os produtos são vendidos? • Muitos fabricantes não dispõem de recursos financeiros para comercializar seus produtos diretamente. • É mais fácil usar a extensa rede de distribuidores independentes. Funções e fluxos do canal • Os membros do canal de marketing realizam várias funções fundamentais (veja a tabela a seguir). O papel dos canais de marketing
  • 11. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 11 • Funções dos membros do canal Funções e fluxos do canal
  • 12. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 12 A figura abaixo ilustra os cinco fluxos no canal de marketing para empilhadeiras. Funções e fluxos do canal
  • 13. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 13 Um fabricante que vende bens físicos e serviços exige três canais: • um canal de vendas, • um canal de entrega e • um canal de serviços. Todas as funções do canal possuem três elementos em comum: • usam recursos escassos, • normalmente podem ser mais bem desempenhadas por quem é especializado e • podem ser trocadas entre os membros do canal. Funções e fluxos do canal
  • 14. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 14 • A figura a seguir ilustra vários canais de marketing de bens de consumo, cada um com uma extensão diferente. • Um canal de nível zero, também chamado canal de marketing direto, consiste em um fabricante que vende diretamente ao consumidor final. • Um canal de nível 1 conta com um único intermediário de vendas, como um varejista. • Um canal de nível 2 conta com dois intermediários. • Um canal de nível 3 contém três intermediários. Níveis de canal
  • 15. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 15 Níveis de canal
  • 16. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 16 • A figura a seguir mostra os canais normalmente utilizados no marketing B2B. • Um fabricante de mercadorias para consumo industrial pode utilizar sua força de vendas para vender diretamente a seus clientes industriais, ou para distribuidores do setor em questão. • Pode também vender por meio de representantes próprios ou de divisões de vendas diretamente aos clientes, ou indiretamente, por meio de distribuidores industriais. • Os canais de marketing de nível zero e de nível 1 e de nível 2 são bastante comuns no marketing industrial. Níveis de canal
  • 17. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 17 Níveis de canal
  • 18. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 18 Decisões de projeto de canal • Para projetar um sistema de canais, é preciso analisar as necessidades do cliente, estabelecer os objetivos do canal e identificar e avaliar as principais alternativas de canal.
  • 19. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 19 • Os consumidores podem escolher os canais de sua preferência. • O mesmo consumidor pode escolher canais diferentes para funções diferentes em uma compra. • Os canais produzem cinco níveis de serviço: 1. Tamanho do lote 2. Tempo de espera e entrega 3. Conveniência espacial 4. Variedade do produto 5. Suporte de serviço Análise de necessidades e desejos de clientes
  • 20. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 20 • Os objetivos do canal devem ser determinados em relação aos níveis de serviço e seus custos e graus de suporte associados. • Os objetivos do canal variam de acordo com as características do produto. • O projeto do canal deve se adaptar ao macroambiente. • Ao ingressar em novos mercados, as empresas costumam observar de perto o que as outras fazem. Estabelecimento de objetivos e limitações do canal
  • 21. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 21 • Uma opção de canal é descrita por três elementos: 1. os tipos de intermediário, 2. o seu número necessário e 3. os direitos e responsabilidades de cada membro do canal. Identificação das principais opções de canal
  • 22. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 22 • Distribuição exclusiva: implica limitar bastante o número de intermediários. Essa tática é apropriada quando se deseja manter o controle sobre o nível e a produção dos serviços oferecidos pelos revendedores, geralmente abrangendo acordos de negociação exclusiva. • Distribuição seletiva: envolve a utilização de determinados intermediários que queiram comercializar um produto específico. • Distribuição intensiva: disponibiliza bens ou serviços no maior número possível de pontos de venda. Avaliação das principais alternativas de canal • Cada alternativa de canal precisa ser avaliada em relação a critérios econômicos, de controle e de adaptação. Tipos de intermediário
  • 23. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 23 • A figura abaixo mostra como seis canais de vendas se sobrepõem no tocante a valor agregado por venda e custo por transação. Critérios econômicos
  • 24. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 24 • Utilizar um representante de vendas traz um problema de controle. • Os representantes podem se concentrar nos clientes que compram mais, porém não necessariamente nos que compram as mercadorias do fabricante. • Para desenvolver um canal, os membros devem ter algum grau de compromisso uns com os outros por um período específico. • Uma empresa precisa de estruturas e políticas de canal que permitam uma adaptabilidade elevada. Critérios de controle e adaptação
  • 25. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 25 • Gráfico do ponto de equilíbrio para a escolha entre a força de vendas da empresa e o representante de vendas do fabricante. Critérios de controle e adaptação
  • 26. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 26 Decisões de gerenciamento do canal • Depois que a empresa escolhe uma alternativa de canal, cada intermediário deve ser: selecionado, treinado, motivado e avaliado. Os arranjos de canais devem ser modificados com o tempo. À medida que cresce, a empresa também deve levar em conta a expansão de canal para mercados internacionais.
  • 27. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 27 • Para o cliente, os canais são a empresa. • Para facilitar a seleção de membros do canal, os fabricantes devem determinar as características do intermediário ideal. • Se os intermediários forem representantes, os fabricantes devem avaliar o número e as características de outras linhas vendidas, assim como o tamanho e a qualidade da força de vendas. • Se forem lojas de departamentos que desejam exclusividade, é preciso avaliar os locais em que elas atuam, seu potencial de crescimento e o tipo de clientela. Seleção de membros do canal
  • 28. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 28 • Programas de treinamento, de pesquisa de mercado e outros de capacitação podem motivar e melhorar o desempenho dos intermediários. • O poder de canal pode ser definido como a habilidade de mudar o comportamento dos membros do canal de modo que eles ajam de maneira diferente do que fariam normalmente. • Os fabricantes podem exercer os seguintes tipos de poder para obter cooperação: • Poder coercitivo. O fabricante ameaça reduzir os investimentos ou encerrar o relacionamento caso os intermediários não cooperem. Treinamento e motivação de membros do canal
  • 29. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 29 • Poder de recompensa. O fabricante oferece aos intermediários um benefício adicional para que realizem ações ou funções específicas. • Poder legitimado. O fabricante exige um comportamento que seja garantido por contrato. • Poder de especialista. O fabricante detém um conhecimento especial que é valorizado pelos intermediários. • Poder de referência. O fabricante é tão respeitado que os intermediários se sentem orgulhosos por estarem associados a ele. Treinamento e motivação de membros do canal
  • 30. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 30 • Os fabricantes devem avaliar periodicamente o desempenho dos intermediários no tocante a padrões. • O fabricante pode descobrir que paga mais do que deveria a determinados intermediários quando leva em conta o que eles fazem de fato. • Os fabricantes devem estabelecer acordos segundo os quais paguem quantias específicas pelo desempenho de cada membro do canal por cada serviço contratado. • Os distribuidores que tiverem fraco desempenho precisam ser aconselhados, retreinados, motivados ou dispensados. Avaliação dos membros do canal
  • 31. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 31 • Em mercados competitivos, é inevitável que a estrutura ideal do canal se modifique com o tempo. • A mudança pode envolver o acréscimo ou a retirada de canais específicos de mercado ou de membros específicos do canal ou, ainda, o desenvolvimento de uma maneira totalmente nova de vender mercadorias. Evolução de canal • Em mercados menores, uma empresa pode vender diretamente para varejistas; em mercados maiores, por meio de distribuidores. Modificação dos arranjos de canal
  • 32. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 32 • Pode conceder franquias exclusivas ou vender por todos os pontos de vendas disponíveis. • Em um país, pode usar representantes de vendas internacionais; em outro, pode firmar parceria com uma empresa local. • Em resumo, o sistema de canal evolui em função de: o oportunidades e condições locais, o ameaças e oportunidades que surgem, o recursos e capacidades da empresa, o entre outros fatores. Evolução de canal
  • 33. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 33 A modificação torna-se necessária quando: • o canal de distribuição não funciona conforme o planejado, • os padrões de compra do consumidor mudam, • o mercado se expande, • surgem novos concorrentes ou canais de distribuição ou • o produto chega aos últimos estágios de seu ciclo de vida. Acrescentar ou retirar membros específicos do canal exige uma análise progressiva. Decisões de alteração de canal
  • 34. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 34 • Os mercados internacionais representam desafios distintos. • Existem muitas armadilhas na expansão global, e os varejistas também precisam defender em casa seu próprio território da entrada de investidores estrangeiros. • O primeiro passo no planejamento de um canal global é se aproximar dos clientes. • Uma boa estratégia de varejo que ofereça aos clientes uma experiência de compra positiva e um valor sem igual, desde que devidamente adaptada, provavelmente obterá sucesso em mais de um mercado. Considerações sobre canais globais
  • 35. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 35 • Um canal de marketing convencional é formado por um fabricante independente e um ou mais atacadistas e varejistas. • Um sistema vertical de marketing (SVM), ao contrário, é formado pelo fabricante e um ou mais atacadistas e varejistas, todos atuando como um sistema unificado. • Os SMVs surgiram como resultado de fortes tentativas de membros do canal de controlar o comportamento do canal e eliminar o conflito que ocorre quando os membros independentes perseguem seus próprios objetivos. • Eles conseguem economias por causa do tamanho, do poder de barganha e da supressão de serviços duplicados. Sistemas verticais de marketing
  • 36. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 36 • Um SMV corporativo combina estágios sucessivos de produção e distribuição sob o comando de um único proprietário. • Um SVM administrado coordena sucessivos estágios de produção e distribuição em função do tamanho e do poder de um dos membros. • Um SVM contratual consiste em empresas independentes, atuantes em diferentes níveis de produção e distribuição, que integram seus programas por meio de contratos para, assim, obter mais economias ou impacto nas vendas do que poderiam conseguir sozinhas. Sistemas verticais de marketing
  • 37. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 37 • Há três tipos de SVM contratual: 1. Redes voluntárias patrocinadas pelo atacadista. 2. Cooperativas de varejistas. 3. Organizações de franquia. A nova concorrência no varejo • Muitos varejistas independentes que não se juntaram a SVMs desenvolveram lojas especializadas que atendem segmentos especiais do mercado. Sistemas verticais de marketing
  • 38. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 38 • O resultado é a polarização do varejo entre grandes organizações verticais de marketing e lojas especializadas independentes. Isso cria um problema para os fabricantes. • Eles estão fortemente ligados a intermediários independentes, mas podem ter de se realinhar com sistemas verticais de marketing de rápido crescimento em condições menos atraentes. • A nova concorrência no varejo acontece entre sistemas completos de redes programadas centralmente que competem entre si para conseguir a maior economia de custos e a melhor resposta do cliente. A nova concorrência no varejo
  • 39. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 39 • Sistema horizontal de marketing – duas ou mais empresas não relacionadas unem recursos ou programas para explorar uma nova oportunidade de mercado. Integração de sistemas de marketing multicanal • O sistema de canais de marketing integrado é aquele em que as estratégias e táticas de vender por meio de um canal refletem as estratégias e táticas de vender por meio de um ou mais outros canais. • A figura a seguir exibe uma matriz simples para orientar a tomada de decisões sobre arquitetura de canais. Sistemas horizontais de marketing
  • 40. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 40 Integração de sistemas de marketing multicanal
  • 41. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 41 • Um conflito de canal ocorre quando as ações de um membro de um canal impedem que outro canal atinja seu objetivo. • A coordenação do canal ocorre quando os membros atuam em conjunto para atingir os objetivos do canal, em oposição a seus objetivos individuais potencialmente incompatíveis. Tipos de conflito e concorrência • Conflito horizontal de canal. Ocorre entre membros de mesmo nível de um canal. Conflito, cooperação e concorrência
  • 42. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 42 • Conflito vertical de canal. Ocorre entre diferentes níveis no mesmo canal. • Conflito multicanal. Existe quando o fabricante estabelece dois ou mais canais que vendem para o mesmo mercado. O conflito pode ser desencadeado por: • Incompatibilidade de objetivos. • Direitos e papéis pouco claros. • Diferenças de percepção. • Dependência dos intermediários em relação ao fabricante. Tipos de conflito e concorrência
  • 43. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 43 Estratégias para administrar conflitos de canais: • Justificativa estratégica • Dupla compensação • Metas superordenadas • Troca de funcionários • Participação conjunta em associações • Cooptação • Diplomacia, mediação ou arbitragem • Processo judicial Gerenciamento do conflito de canal
  • 44. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 44 • Em decorrência da distribuição exclusiva, apenas certos pontos de venda têm autorização para comercializar os produtos de uma empresa. • Exigir que esses revendedores não trabalhem com produtos da concorrência é denominado direito de exclusividade. • Os fabricantes de uma marca forte às vezes vendem para os revendedores apenas se estes trabalharem com outros produtos da linha, ou mesmo com a linha toda. Essa prática é conhecida como forçar a linha completa. • Esses acordos vinculados não são necessariamente ilegais. Questões legais e éticas nas relações de canal
  • 45. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 45 • O e-commerce utiliza um site para realizar uma transação ou facilitar a venda de bens e serviços pela Internet. • Os varejistas on-line competem em três principais aspectos de uma transação: 1. interação do cliente com o site; 2. entrega; e 3. capacidade de resolver problemas quando eles ocorrem. • Podemos distinguir entre empresas inteiramente virtuais e empresas virtuais e reais. Marketing no e-commerce
  • 46. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 46 • O atendimento ao cliente é fundamental. • Para aumentar a satisfação do cliente e os valores de entretenimento e de informação das experiências de compras baseadas na Web, algumas empresas utilizam avatares, que atuam como representantes da empresa, assistentes pessoais de compras, guias de sites ou parceiros de conversação. • Garantir a segurança e a privacidade on-line continua a ser importante. • Os sites B2B tornam os mercados mais eficientes. Empresas inteiramente virtuais
  • 47. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 47 • Acrescentar um canal de e-commerce cria a ameaça de uma represália por parte de varejistas, corretores, representantes e outros intermediários. • Existem ao menos três estratégias para conquistar a aceitação de intermediários: 1. oferecer marcas ou produtos diferentes na Internet. 2. oferecer comissões maiores aos parceiros convencionais para amortecer o impacto negativo sobre as vendas. 3. receber pedidos no site, mas delegar a entrega e a cobrança aos varejistas. Empresas virtuais e reais
  • 48. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 48 • A disseminação de telefones celulares e smartphones permite às pessoas se conectarem à Internet e fazerem encomendas on-line quando em trânsito. • A existência de canais e mídias móveis pode manter os consumidores conectados e interagindo com uma marca em seu dia a dia. • Em alguns países, o mobile marketing já tem posição consolidada. • O mobile marketing também levanta questões de privacidade. Práticas de mobile marketing
  • 49. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 49 1. A maioria dos fabricantes não vende suas mercadorias diretamente ao consumidor final. 2. Um ou mais canais escolhidos pela empresa afetam todas as outras decisões de marketing. 3. As empresas utilizam intermediários quando lhes faltam recursos financeiros para trabalhar com marketing direto, quando este não é viável ou quando elas podem ganhar mais fazendo uso de intermediários. 4. Os fabricantes podem vender diretamente ou utilizar canais de um, dois ou três níveis de intermediários. Resumo
  • 50. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 50 5. O gerenciamento eficaz do canal exige seleção, treinamento e motivação de intermediários. 6. Os canais de marketing se caracterizam pela mudança contínua e, às vezes, radical. Três das mais importantes tendências são o crescimento dos sistemas vertical, horizontal e multicanal de marketing. 7. Todos os canais de marketing têm um potencial de conflito e concorrência como resultado da incompatibilidade de metas, papéis e direitos mal definidos, diferenças de percepção e relacionamentos interdependentes. Resumo
  • 51. © 2013 Pearson. Todos os direitos reservados.slide 51 8. Cabe à empresa decidir sobre os arranjos de canal a serem adotados, mas há algumas questões legais e éticas a serem consideradas com relação a práticas como direito de exclusividade, exclusividade territorial, acordos vinculados e direitos de revendedores. 9. A importância do e-commerce vem crescendo à medida que as empresas adotam um sistema de canais virtual e real. A integração entre os canais deve levar em conta as vantagens da venda on-line e da venda convencional. 10. Uma área de crescente importância é a de mobile marketing e marketing por meio de smartphones e PDAs. Resumo