SlideShare uma empresa Scribd logo
Objectivos da Rede Nacional de CAFAP's:
 Promover a Articulação entre técnicos com vista a optimizar a intervenção;
 Melhorar, qualitativamente, o serviço prestado pelos equipamentos, facilitando a partilha de
informação e a troca de experiências;
 Aperfeiçoar e desenvolver Metodologias de Intervenção;
 Definir prioridades e estratégias globais de intervenção;
 Promover o intercâmbio entre os diferentes Centros de Apoio Familiar e Aconselhamento
Parental.
Objectivos do CAFAP
 Aumentar a qualidade das condições sociais de vida das famílias e/ou a capacidade
de as melhorarem;
 · Aumentar a resiliência familiar e individual;
 · Desenvolver competências parentais e familiares facilitadoras de um desenvolvimento
positivo das crianças e jovens;
 · Facilitar a capacidade de obtenção de bens essenciais;
 · Melhorar a capacidade de gestão de recursos materiais e financeiros;
 · Desencadear o nível de ajustamento e adaptação psicológica;
 · Informar os indivíduos/famílias sobre os recursos existentes na comunidade.
Destinatários
- Crianças e jovens em situação de risco/perigo social e respectivas famílias;
· Desempregados;
· Beneficiários RSI;
· Indivíduos com risco/vulnerabilidade de exclusão social.
· Comunidade em Geral;
Principais Acções
Despertar Sentidos”
 Consulta e Avaliação Psicológica;
 Musicoterapia;
 Psicodrama;
 Socioterapia;
 Terapia Familiar;
 Terapia da Fala;
 Terapia Ocupacional.
“OCUPARTE”
 Ateliers e Actividades de Expressão Artística/Cultural:
 Oficinas de Fotografia e Vídeo
“Espaço Famílias”
 Organização e realização de actividades formativas ;
 Sessões de Educação para a Saúde e Comportamentos de Risco;
 Actividades de Gestão Doméstica e Economia Familiar;
 Formação e desenvolvimento de Competências Parentais;
“Ser Mãe”
 Formação e Acompanhamento de Jovens Mães;
 Construção do Projecto de Vida;
 Encaminhamento para Formação e/ou emprego.
“Espaço Inovar”
 Ateliers de Valorização da Imagem;
 Loja com roupas e acessórios de senhora, homem e criança.
Parceiros
1.2 Tarefas como auxiliares de intervenção familiar directa:
- Apoio no domicílio para resposta a situações de crise
- Apoio para o desenvolvimento de competências parentais
- Apoio para o desenvolvimento de competências de gestão doméstica e organização dos
espaços doméstico
4. PROCESSO DE SELECÇÃO, FORMAÇÃO e INCLUSÃO DO CANDIDATO
NO GRUPO DE VOLUNTÁRIOS
O processo de selecção de voluntários pode implicar uma entrevista inicial individual e algumas
provas individuais e/ou em grupo para avaliação do perfil de competências pessoais.
Os voluntários do CAFAP deverão ter uma formação geral ministrada pela equipa do CAFAP e
uma formação específica em função das tarefas para as quais se voluntariam.
Os voluntários deverão assinar um compromisso de colaboração com o CAFAP que estabelece
as condições da mesma.
Após o processo de formação a equipa técnica reúne para decidir acerca da inclusão do
candidato no grupo de voluntários, comunicando
A exclusão do grupo de voluntários pode dar-se no caso de incumprimento do compromisso de
colaboração com o CAFAP.
cafap pinhal novo
O CAFAP tem como finalidade o estudo, a prevenção de situações de risco social e o apoio a crianças/jovens e
suas famílias em situações de perigo, residentes na freguesia de Pinhal Novo.
Esta resposta social tem como parceiros o Centro Distrital da Segurança Social, Junta de Freguesia de Pinhal, a
Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo de Palmela, a Equipa Multidisciplinar de Assessoria
ao Tribunal de Setúbal, NLI de Palmela e outras entidades do Concelho de Palmela.
Cafap de Silves
Somos uma resposta social, desenvolvida através de um serviço, vocacionada
para o estudo, prevençãode situações de risco social e para o apoio a crianças e
jovens em situação de risco e respectivas famílias, concretizada na comunidade
através de equipas multidisciplinares.
EQUIPA MULTIDISCIPLINAR
- Directora Técnica
- Psicólogas Clínicas
- Técnica Superior de Educação e IntervençãoComunitária
- Técnica Superior de Serviço Social
- Técnica Administrativa
- Técnico Oficial de Contas (10%)
- Auxiliar de limpeza (25%)
- Monitores ocasionais
QUE OBJECTIVOS?
- Promover o estudo e a prevençãofamiliar numa vertente psicossocial;
- Assegurar a satisfação das necessidades físicas, cognitivas, emocionais e
sociais nas crianças e jovens;
- Reforçar as competências pessoais dos intervenientes no sistema familiar das
crianças e jovens, através de uma abordagem integrada dos recursos da
comunidade;
- Promover a mediação entre a família e os serviços envolvidos para facilitar a
comunicação, potenciando contactos e promovendo a solução de eventuais
dificuldades;
- Contribuir para a autonomia das famílias;
- Prevenir e avaliar situações de risco;
- Evitar rupturas que possam levar à institucionalização.
QUE TIPO DE INTERVENÇÃO?
- Individual
- Familiar
- Grupal } Modelo Sistémico - Ecológico
- Comunitária
QUE NEGLIGÊNCIA TRABALHAMOS?
- Médica
- Educacional
- Higiénica
- Supervisão
- Física
- Psicológica
- Sócio - Económica
QUAIS OS DESTINATÁRIOS?
- Famílias que necessitem de apoio psicossocial e aconselhamento parental;
-Crianças e Jovens sob condição de negligência, sua família nuclear e todos os
que estão inseridos no seu tecido relacional proximal, independentemente do
contexto de mobilidade social, afectiva, física, desde que importantes para o seu
(re) equilíbrio e bem-estar.
COM QUE PARCEIROS?
-INSTITUTOJEAN PIAGET - PÓLO DE SILVES
-CPCJ – SILVES (Comissão de Protecção de Crianças e Jovens)
-CÂMARA MUNICIPAL DE SILVES
-JUNTA DE FREGUESIA DE SILVES
-JUNTA DE FREGUESIA DE S. B. DE MESSINES
-JUNTA DE FREGUESIA DE ALCANTARILHA
-JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO MARCOS DA SERRA
-JUNTA DE FREGUESIA DO ALGOZ
-CENTRO DE SAÚDE DE SILVES
- CENTRO DE SAÚDE DE SILVES – EQUIPA DE SAÚDE ESCOLAR
- IPSS – “AMIGOS DOS PEQUENINOS” - SILVES
- GNR – GUARDA NACIONAL REPUBLICANA – SILVES
- AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DR. GARCIA DOMINGUES-
SILVES
- AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE S. B. DE MESSINES
- ASSOCIAÇÃO DE SOCORROS MÚTUOS JOÃO DE DEUS – SILVES
- CLINICA DENTÁRIA AVENIDA – SILVES
- CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES – SILVES
-UNIDADE DE TERAPIA FAMILIAR (A.R.S)
- CENTO HOSPITALAR BARLAVENTO ALGARVIO
QUEM PODE ENCAMINHAR PARA O CAFAP?
- Escolas;
- Instituições;
- CPCJ;
- Centro de Saúde;
- Hospital;
- Tribunal;
- Técnicos;
- Famílias;
- Outros.
O CAFAP direcciona a sua acção para uma intervenção preventiva no apoio a crianças, jovens e famílias
em situação de crise e/ou em risco, no concelho de Águeda, desenvolvendo estratégias de intervenção
O
É um serviço diferenciado que procura complementar a intervenção dos
serviços existentes de apoio à família. A intervenção privilegia uma posição
de colaboração com as famílias, procurando reforçar a qualidade das relações
familiares e da família com a comunidade, fortalecendo as competências
necessárias para a construção do bem-estar das crianças e jovens, no
presente e no futuro.
O que é?
O CAFAP “COMVIDA” é um serviço diferenciado que procura complementar a intervenção dos serviços
existentes de apoio à família.
A sua intervenção privilegia uma posição de colaboração com as famílias, procurando reforçar a
qualidade das relações familiares e da família com a comunidade, fortalecendo as competências
necessárias para a construção do bem-estar das crianças e jovens, no presente e no futuro.
Para alcançar estes objectivos o CAFAP é orientado por modelos ecológico- desenvolvimentais e
sistémicos, que se centram na resiliência familiar e individual, centrados nas suas forças.
Objectivos Gerais
Promover o fortalecimento das famílias e potenciar o bem-estar físico, psicológico e social dos
seus elementos.
Objectivos Específicos
Avaliar as dinâmicas de risco e protecção das famílias e as possibilidades de mudança;
Aumentar os processos de resiliência familiar e individual;
Aumentar a qualidade das condições sociais de vida das famílias e/ou a sua capacidade
de as melhorarem;
Aumentar competências parentais facilitadoras de um desenvolvimento positivo das
crianças e jovens;
Diminuir os problemas e mau estar percebidos pelas famílias;
Aumentar o bem-estar integrado dos elementos das famílias em situação de risco;
Aumentar a capacidade teórica e prática da população técnica para responder às
necessidades crianças e jovens em situação de risco e suas famílias.
Eixos de Intervenção
Eixo 1– Avaliação e Intervenção Familiar Integrada
Eixo 2– Planos de Intervenção e Prevenção Primária
Eixo 3– Serviços voltados para a comunidade
A quem se destina?
Eixo 1– A famílias multi-desafiadas com filhos
Eixo 2– A famílias com filhos
Eixo 3– A técnicos que trabalham com famílias
Quando o CAFAP intervém?
Quando a família o deseja;
Quando a família sente que são necessárias mudanças;
Quando a família necessita de apoio para pensar no seu funcionamento;
Quando uma família pretende criar condições funcionais para manter os menores junto
de si.
Quando o CAFAP não intervém?
Quando as necessidades da família passam apenas pela consulta psicológica ou
carência económica;
Quando os serviços tradicionais de apoio à família podem responder plenamente às
necessidades da família.
Como é que o CAFAP trabalha?
Intervenção familiar em contexto domiciliário;
Avalia o potencial de mudança das famílias;
Realiza planos à medida de cada família;
Enfoque na família e não no indivíduo.
Implementação de programas de educação parental;
Treino de competências familiares e parentais;
Formação de agentes que actuam nas áreas da infância e família;
Disponibilização de materiais pedagógicos;
Acolhimento de voluntários;
Orientação de estágios curriculares.
Equipa
1 Técnica de Investigação Social Aplicada (Coordenadora)
2 Psicólogas
2 Agentes de Educação Familiar
Onde
ESTRADA DA MOITA, 643
2950-292 PALMELA
CONTACTOS:
Sede: 21 233 34 70
Telemóvel: 96 370 60 84
E-mail: cafap.csp@gmail.com
www.cafap-csp.blogspot.com
Missão:
Proteger e potenciar o bem-estar e fortalecimento das famílias com crianças e jovens em risco
População alvo:
Famílias multidesafiadas com crianças e jovens em situação de risco psicossocial e /ou perigo.
Eixos:
Eixo 1- Avaliação e Intervenção Familiar Integrada: intervenção focalizada e intensiva com famílias
afectadas por múltiplos problemas, com planos de intervenção especificamente desenhados.
Eixo 2 – Intervenção Psicoeducativa Multifamiliar: intervenção grupal com famílias que apresentam
problemas focalizados em áreas específicas do funcionamento familiar.
Eixo 3 – Serviços voltados para a Comunidade Técnica:Centro de Estudos e Recursos; Consultadoria e
Formação; Outros Serviços;
Eixo 4 – Parcerias Comunitárias e promoção da Participação Comunitária: Intervenções com a
comunidade, Voluntariado.
Equipa Técnica:
- Assistente social (coordenador)
- Educador Social
- Psicólogo
Horários:
- de segunda a quinta-feira: das 9h30 às 13h e das 14 às 20 horas.
- sexta-feira: das 9h30 às 13 horas e das 14 às 17h30.
Está ainda disponível, 24 horas/ dia, através de um telemóvel de serviço, que pode ser utilizado por
outros técnicos e pelas famílias acompanhadas, em situações de eventual urgência.
Contactos:
e-mail: cafap@misericordiamurtosa.pt
telefone: 234867446
morada:
Rua Luís de Camões
3870-236 Murtosa
morada (correspondência):
Rua António José de Freitas Guimarães
Apartado 21
3871-909 Murtosa
Folheto CAFAP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CULTURA DE PAZ x CULTURA DA VIOLÊNCIA. DIREITOS HUMANOS. A FAVOR DA PAZ E CON...
CULTURA DE PAZ x CULTURA DA VIOLÊNCIA. DIREITOS HUMANOS. A FAVOR DA PAZ E CON...CULTURA DE PAZ x CULTURA DA VIOLÊNCIA. DIREITOS HUMANOS. A FAVOR DA PAZ E CON...
CULTURA DE PAZ x CULTURA DA VIOLÊNCIA. DIREITOS HUMANOS. A FAVOR DA PAZ E CON...
Paulo David
 
Relatorio social adoção
Relatorio social adoçãoRelatorio social adoção
Relatorio social adoção
Diario de Assistente Social
 
Modelo ata estudantil
Modelo ata estudantilModelo ata estudantil
Modelo ata estudantil
claudioteacher
 
Texto motivacional para alunos
Texto motivacional para alunosTexto motivacional para alunos
Texto motivacional para alunos
Vânia Porto
 
Ufcd 7214 abordagem biológica, psicológica, social e cognitiva do envelhecim...
Ufcd 7214  abordagem biológica, psicológica, social e cognitiva do envelhecim...Ufcd 7214  abordagem biológica, psicológica, social e cognitiva do envelhecim...
Ufcd 7214 abordagem biológica, psicológica, social e cognitiva do envelhecim...
Manuais Formação
 
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentesPalestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Michelle Moraes Santos
 
Saúde Mental na Escola
Saúde Mental na EscolaSaúde Mental na Escola
Saúde Mental na Escola
Narjara Aline Zanoli Cruz
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
danilo oliveira
 
Sequência didática Marcio Barcelos
Sequência didática Marcio BarcelosSequência didática Marcio Barcelos
Sequência didática Marcio Barcelos
Marcio Braz Silva
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Alinebrauna Brauna
 
Projeto contra racismo na escola
Projeto contra racismo na escolaProjeto contra racismo na escola
Projeto contra racismo na escola
nivalda
 
Manual da UFCD 7213 para envio imediato via e-mail e formato editável ;-)
Manual da UFCD 7213 para envio imediato via e-mail e formato editável ;-) Manual da UFCD 7213 para envio imediato via e-mail e formato editável ;-)
Manual da UFCD 7213 para envio imediato via e-mail e formato editável ;-)
Manuais Formação
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
Centro Universitário Ages
 
Ficha de acompanhamento
Ficha de acompanhamentoFicha de acompanhamento
Ficha de acompanhamento
heliane
 
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptxAGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
DamsioCear
 
ViolêNcia Na Terceira Idade CóPia
ViolêNcia Na Terceira Idade   CóPiaViolêNcia Na Terceira Idade   CóPia
ViolêNcia Na Terceira Idade CóPia
susana12345
 
Exemplos de Artigo de Opinião
Exemplos de Artigo de OpiniãoExemplos de Artigo de Opinião
Exemplos de Artigo de Opinião
7 de Setembro
 
O Papel do Profissional da Atenção Primária na Promoção do Desenvolvimento In...
O Papel do Profissional da Atenção Primária na Promoção do Desenvolvimento In...O Papel do Profissional da Atenção Primária na Promoção do Desenvolvimento In...
O Papel do Profissional da Atenção Primária na Promoção do Desenvolvimento In...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
18 de Maio
18 de Maio 18 de Maio
18 de Maio
Patrícia Brasil
 
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe AssunçãoPLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 

Mais procurados (20)

CULTURA DE PAZ x CULTURA DA VIOLÊNCIA. DIREITOS HUMANOS. A FAVOR DA PAZ E CON...
CULTURA DE PAZ x CULTURA DA VIOLÊNCIA. DIREITOS HUMANOS. A FAVOR DA PAZ E CON...CULTURA DE PAZ x CULTURA DA VIOLÊNCIA. DIREITOS HUMANOS. A FAVOR DA PAZ E CON...
CULTURA DE PAZ x CULTURA DA VIOLÊNCIA. DIREITOS HUMANOS. A FAVOR DA PAZ E CON...
 
Relatorio social adoção
Relatorio social adoçãoRelatorio social adoção
Relatorio social adoção
 
Modelo ata estudantil
Modelo ata estudantilModelo ata estudantil
Modelo ata estudantil
 
Texto motivacional para alunos
Texto motivacional para alunosTexto motivacional para alunos
Texto motivacional para alunos
 
Ufcd 7214 abordagem biológica, psicológica, social e cognitiva do envelhecim...
Ufcd 7214  abordagem biológica, psicológica, social e cognitiva do envelhecim...Ufcd 7214  abordagem biológica, psicológica, social e cognitiva do envelhecim...
Ufcd 7214 abordagem biológica, psicológica, social e cognitiva do envelhecim...
 
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentesPalestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
 
Saúde Mental na Escola
Saúde Mental na EscolaSaúde Mental na Escola
Saúde Mental na Escola
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
 
Sequência didática Marcio Barcelos
Sequência didática Marcio BarcelosSequência didática Marcio Barcelos
Sequência didática Marcio Barcelos
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Projeto contra racismo na escola
Projeto contra racismo na escolaProjeto contra racismo na escola
Projeto contra racismo na escola
 
Manual da UFCD 7213 para envio imediato via e-mail e formato editável ;-)
Manual da UFCD 7213 para envio imediato via e-mail e formato editável ;-) Manual da UFCD 7213 para envio imediato via e-mail e formato editável ;-)
Manual da UFCD 7213 para envio imediato via e-mail e formato editável ;-)
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Ficha de acompanhamento
Ficha de acompanhamentoFicha de acompanhamento
Ficha de acompanhamento
 
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptxAGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
 
ViolêNcia Na Terceira Idade CóPia
ViolêNcia Na Terceira Idade   CóPiaViolêNcia Na Terceira Idade   CóPia
ViolêNcia Na Terceira Idade CóPia
 
Exemplos de Artigo de Opinião
Exemplos de Artigo de OpiniãoExemplos de Artigo de Opinião
Exemplos de Artigo de Opinião
 
O Papel do Profissional da Atenção Primária na Promoção do Desenvolvimento In...
O Papel do Profissional da Atenção Primária na Promoção do Desenvolvimento In...O Papel do Profissional da Atenção Primária na Promoção do Desenvolvimento In...
O Papel do Profissional da Atenção Primária na Promoção do Desenvolvimento In...
 
18 de Maio
18 de Maio 18 de Maio
18 de Maio
 
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe AssunçãoPLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe Assunção
 

Semelhante a Cafap

02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
ImaculadaConceiao
 
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
ImaculadaConceiao
 
Projeto Rede Sampa Roda de Conversa da Infância e Adolescência
Projeto Rede Sampa Roda de Conversa da Infância e Adolescência Projeto Rede Sampa Roda de Conversa da Infância e Adolescência
Projeto Rede Sampa Roda de Conversa da Infância e Adolescência
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULARPROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
Portal da Inovação em Saúde
 
Intervenção precoce na infância em portugal
Intervenção precoce na infância em portugal Intervenção precoce na infância em portugal
Intervenção precoce na infância em portugal
Debora_Marques
 
Caderno-de-Orientações-Técnicas-do-SCFV-para-Crianças-de-0-a-6-Anos-1.pdf
Caderno-de-Orientações-Técnicas-do-SCFV-para-Crianças-de-0-a-6-Anos-1.pdfCaderno-de-Orientações-Técnicas-do-SCFV-para-Crianças-de-0-a-6-Anos-1.pdf
Caderno-de-Orientações-Técnicas-do-SCFV-para-Crianças-de-0-a-6-Anos-1.pdf
EloinaSoares1
 
Apresentação ELIATB
Apresentação ELIATBApresentação ELIATB
Apresentação ELIATB
Maria Babo
 
Familias_Fortes_Ambientacao_.pdf
Familias_Fortes_Ambientacao_.pdfFamilias_Fortes_Ambientacao_.pdf
Familias_Fortes_Ambientacao_.pdf
RodrigoDelmasso
 
A familia
A familiaA familia
slides.pptx
slides.pptxslides.pptx
slides.pptx
AndraRibeiroSouza
 
Atendimento domiciliar e desenvolvimento infantil - Indhira Sherlock
Atendimento domiciliar e desenvolvimento infantil - Indhira SherlockAtendimento domiciliar e desenvolvimento infantil - Indhira Sherlock
Atendimento domiciliar e desenvolvimento infantil - Indhira Sherlock
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
A familia
A familiaA familia
A familia
asustecnologia
 
A Familia
A FamiliaA Familia
A Familia
asustecnologia
 
Projeto apae-atendimento-educacional-especializado
Projeto apae-atendimento-educacional-especializadoProjeto apae-atendimento-educacional-especializado
Projeto apae-atendimento-educacional-especializado
Centro Neurológico de Teresópolis
 
Plano de estágio ênfase em psicopatologia
Plano de estágio   ênfase em psicopatologiaPlano de estágio   ênfase em psicopatologia
Plano de estágio ênfase em psicopatologia
narasc
 
Apresentação Projeto SURF.ART
Apresentação Projeto SURF.ARTApresentação Projeto SURF.ART
Apresentação Projeto SURF.ART
Paulo Canas
 
Seminário Mais Infância: Jimmy Oliveira
Seminário Mais Infância: Jimmy OliveiraSeminário Mais Infância: Jimmy Oliveira
Seminário Mais Infância: Jimmy Oliveira
Governo do Estado do Ceará
 
8º Encontro Paulista de Fundações – 3º painel: “Inovação social e desenvolvim...
8º Encontro Paulista de Fundações – 3º painel: “Inovação social e desenvolvim...8º Encontro Paulista de Fundações – 3º painel: “Inovação social e desenvolvim...
8º Encontro Paulista de Fundações – 3º painel: “Inovação social e desenvolvim...
APF - Associação Paulista de Fundações
 
Trabalho escrito caps
Trabalho escrito capsTrabalho escrito caps
Trabalho escrito caps
Robeísa Danya
 
A experiência do Estado do Ceará no enfrentamento à síndrome congênita do Zik...
A experiência do Estado do Ceará no enfrentamento à síndrome congênita do Zik...A experiência do Estado do Ceará no enfrentamento à síndrome congênita do Zik...
A experiência do Estado do Ceará no enfrentamento à síndrome congênita do Zik...
Governo do Estado do Ceará
 

Semelhante a Cafap (20)

02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
 
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
 
Projeto Rede Sampa Roda de Conversa da Infância e Adolescência
Projeto Rede Sampa Roda de Conversa da Infância e Adolescência Projeto Rede Sampa Roda de Conversa da Infância e Adolescência
Projeto Rede Sampa Roda de Conversa da Infância e Adolescência
 
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULARPROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
 
Intervenção precoce na infância em portugal
Intervenção precoce na infância em portugal Intervenção precoce na infância em portugal
Intervenção precoce na infância em portugal
 
Caderno-de-Orientações-Técnicas-do-SCFV-para-Crianças-de-0-a-6-Anos-1.pdf
Caderno-de-Orientações-Técnicas-do-SCFV-para-Crianças-de-0-a-6-Anos-1.pdfCaderno-de-Orientações-Técnicas-do-SCFV-para-Crianças-de-0-a-6-Anos-1.pdf
Caderno-de-Orientações-Técnicas-do-SCFV-para-Crianças-de-0-a-6-Anos-1.pdf
 
Apresentação ELIATB
Apresentação ELIATBApresentação ELIATB
Apresentação ELIATB
 
Familias_Fortes_Ambientacao_.pdf
Familias_Fortes_Ambientacao_.pdfFamilias_Fortes_Ambientacao_.pdf
Familias_Fortes_Ambientacao_.pdf
 
A familia
A familiaA familia
A familia
 
slides.pptx
slides.pptxslides.pptx
slides.pptx
 
Atendimento domiciliar e desenvolvimento infantil - Indhira Sherlock
Atendimento domiciliar e desenvolvimento infantil - Indhira SherlockAtendimento domiciliar e desenvolvimento infantil - Indhira Sherlock
Atendimento domiciliar e desenvolvimento infantil - Indhira Sherlock
 
A familia
A familiaA familia
A familia
 
A Familia
A FamiliaA Familia
A Familia
 
Projeto apae-atendimento-educacional-especializado
Projeto apae-atendimento-educacional-especializadoProjeto apae-atendimento-educacional-especializado
Projeto apae-atendimento-educacional-especializado
 
Plano de estágio ênfase em psicopatologia
Plano de estágio   ênfase em psicopatologiaPlano de estágio   ênfase em psicopatologia
Plano de estágio ênfase em psicopatologia
 
Apresentação Projeto SURF.ART
Apresentação Projeto SURF.ARTApresentação Projeto SURF.ART
Apresentação Projeto SURF.ART
 
Seminário Mais Infância: Jimmy Oliveira
Seminário Mais Infância: Jimmy OliveiraSeminário Mais Infância: Jimmy Oliveira
Seminário Mais Infância: Jimmy Oliveira
 
8º Encontro Paulista de Fundações – 3º painel: “Inovação social e desenvolvim...
8º Encontro Paulista de Fundações – 3º painel: “Inovação social e desenvolvim...8º Encontro Paulista de Fundações – 3º painel: “Inovação social e desenvolvim...
8º Encontro Paulista de Fundações – 3º painel: “Inovação social e desenvolvim...
 
Trabalho escrito caps
Trabalho escrito capsTrabalho escrito caps
Trabalho escrito caps
 
A experiência do Estado do Ceará no enfrentamento à síndrome congênita do Zik...
A experiência do Estado do Ceará no enfrentamento à síndrome congênita do Zik...A experiência do Estado do Ceará no enfrentamento à síndrome congênita do Zik...
A experiência do Estado do Ceará no enfrentamento à síndrome congênita do Zik...
 

Último

Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 

Cafap

  • 1. Objectivos da Rede Nacional de CAFAP's:  Promover a Articulação entre técnicos com vista a optimizar a intervenção;  Melhorar, qualitativamente, o serviço prestado pelos equipamentos, facilitando a partilha de informação e a troca de experiências;  Aperfeiçoar e desenvolver Metodologias de Intervenção;  Definir prioridades e estratégias globais de intervenção;  Promover o intercâmbio entre os diferentes Centros de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental. Objectivos do CAFAP  Aumentar a qualidade das condições sociais de vida das famílias e/ou a capacidade de as melhorarem;  · Aumentar a resiliência familiar e individual;  · Desenvolver competências parentais e familiares facilitadoras de um desenvolvimento positivo das crianças e jovens;  · Facilitar a capacidade de obtenção de bens essenciais;  · Melhorar a capacidade de gestão de recursos materiais e financeiros;  · Desencadear o nível de ajustamento e adaptação psicológica;  · Informar os indivíduos/famílias sobre os recursos existentes na comunidade. Destinatários - Crianças e jovens em situação de risco/perigo social e respectivas famílias; · Desempregados; · Beneficiários RSI; · Indivíduos com risco/vulnerabilidade de exclusão social. · Comunidade em Geral; Principais Acções Despertar Sentidos”  Consulta e Avaliação Psicológica;  Musicoterapia;  Psicodrama;  Socioterapia;  Terapia Familiar;  Terapia da Fala;  Terapia Ocupacional.
  • 2. “OCUPARTE”  Ateliers e Actividades de Expressão Artística/Cultural:  Oficinas de Fotografia e Vídeo “Espaço Famílias”  Organização e realização de actividades formativas ;  Sessões de Educação para a Saúde e Comportamentos de Risco;  Actividades de Gestão Doméstica e Economia Familiar;  Formação e desenvolvimento de Competências Parentais; “Ser Mãe”  Formação e Acompanhamento de Jovens Mães;  Construção do Projecto de Vida;  Encaminhamento para Formação e/ou emprego. “Espaço Inovar”  Ateliers de Valorização da Imagem;  Loja com roupas e acessórios de senhora, homem e criança. Parceiros 1.2 Tarefas como auxiliares de intervenção familiar directa: - Apoio no domicílio para resposta a situações de crise - Apoio para o desenvolvimento de competências parentais - Apoio para o desenvolvimento de competências de gestão doméstica e organização dos espaços doméstico 4. PROCESSO DE SELECÇÃO, FORMAÇÃO e INCLUSÃO DO CANDIDATO NO GRUPO DE VOLUNTÁRIOS O processo de selecção de voluntários pode implicar uma entrevista inicial individual e algumas provas individuais e/ou em grupo para avaliação do perfil de competências pessoais. Os voluntários do CAFAP deverão ter uma formação geral ministrada pela equipa do CAFAP e uma formação específica em função das tarefas para as quais se voluntariam. Os voluntários deverão assinar um compromisso de colaboração com o CAFAP que estabelece
  • 3. as condições da mesma. Após o processo de formação a equipa técnica reúne para decidir acerca da inclusão do candidato no grupo de voluntários, comunicando A exclusão do grupo de voluntários pode dar-se no caso de incumprimento do compromisso de colaboração com o CAFAP. cafap pinhal novo O CAFAP tem como finalidade o estudo, a prevenção de situações de risco social e o apoio a crianças/jovens e suas famílias em situações de perigo, residentes na freguesia de Pinhal Novo. Esta resposta social tem como parceiros o Centro Distrital da Segurança Social, Junta de Freguesia de Pinhal, a Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo de Palmela, a Equipa Multidisciplinar de Assessoria ao Tribunal de Setúbal, NLI de Palmela e outras entidades do Concelho de Palmela. Cafap de Silves Somos uma resposta social, desenvolvida através de um serviço, vocacionada para o estudo, prevençãode situações de risco social e para o apoio a crianças e jovens em situação de risco e respectivas famílias, concretizada na comunidade através de equipas multidisciplinares. EQUIPA MULTIDISCIPLINAR - Directora Técnica - Psicólogas Clínicas - Técnica Superior de Educação e IntervençãoComunitária - Técnica Superior de Serviço Social - Técnica Administrativa - Técnico Oficial de Contas (10%) - Auxiliar de limpeza (25%) - Monitores ocasionais QUE OBJECTIVOS? - Promover o estudo e a prevençãofamiliar numa vertente psicossocial;
  • 4. - Assegurar a satisfação das necessidades físicas, cognitivas, emocionais e sociais nas crianças e jovens; - Reforçar as competências pessoais dos intervenientes no sistema familiar das crianças e jovens, através de uma abordagem integrada dos recursos da comunidade; - Promover a mediação entre a família e os serviços envolvidos para facilitar a comunicação, potenciando contactos e promovendo a solução de eventuais dificuldades; - Contribuir para a autonomia das famílias; - Prevenir e avaliar situações de risco; - Evitar rupturas que possam levar à institucionalização. QUE TIPO DE INTERVENÇÃO? - Individual - Familiar - Grupal } Modelo Sistémico - Ecológico - Comunitária QUE NEGLIGÊNCIA TRABALHAMOS? - Médica - Educacional - Higiénica - Supervisão - Física - Psicológica - Sócio - Económica QUAIS OS DESTINATÁRIOS? - Famílias que necessitem de apoio psicossocial e aconselhamento parental; -Crianças e Jovens sob condição de negligência, sua família nuclear e todos os que estão inseridos no seu tecido relacional proximal, independentemente do contexto de mobilidade social, afectiva, física, desde que importantes para o seu (re) equilíbrio e bem-estar. COM QUE PARCEIROS? -INSTITUTOJEAN PIAGET - PÓLO DE SILVES -CPCJ – SILVES (Comissão de Protecção de Crianças e Jovens) -CÂMARA MUNICIPAL DE SILVES -JUNTA DE FREGUESIA DE SILVES -JUNTA DE FREGUESIA DE S. B. DE MESSINES -JUNTA DE FREGUESIA DE ALCANTARILHA -JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO MARCOS DA SERRA -JUNTA DE FREGUESIA DO ALGOZ
  • 5. -CENTRO DE SAÚDE DE SILVES - CENTRO DE SAÚDE DE SILVES – EQUIPA DE SAÚDE ESCOLAR - IPSS – “AMIGOS DOS PEQUENINOS” - SILVES - GNR – GUARDA NACIONAL REPUBLICANA – SILVES - AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DR. GARCIA DOMINGUES- SILVES - AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE S. B. DE MESSINES - ASSOCIAÇÃO DE SOCORROS MÚTUOS JOÃO DE DEUS – SILVES - CLINICA DENTÁRIA AVENIDA – SILVES - CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES – SILVES -UNIDADE DE TERAPIA FAMILIAR (A.R.S) - CENTO HOSPITALAR BARLAVENTO ALGARVIO QUEM PODE ENCAMINHAR PARA O CAFAP? - Escolas; - Instituições; - CPCJ; - Centro de Saúde; - Hospital; - Tribunal; - Técnicos; - Famílias; - Outros. O CAFAP direcciona a sua acção para uma intervenção preventiva no apoio a crianças, jovens e famílias em situação de crise e/ou em risco, no concelho de Águeda, desenvolvendo estratégias de intervenção O É um serviço diferenciado que procura complementar a intervenção dos serviços existentes de apoio à família. A intervenção privilegia uma posição de colaboração com as famílias, procurando reforçar a qualidade das relações familiares e da família com a comunidade, fortalecendo as competências necessárias para a construção do bem-estar das crianças e jovens, no presente e no futuro. O que é? O CAFAP “COMVIDA” é um serviço diferenciado que procura complementar a intervenção dos serviços existentes de apoio à família. A sua intervenção privilegia uma posição de colaboração com as famílias, procurando reforçar a qualidade das relações familiares e da família com a comunidade, fortalecendo as competências necessárias para a construção do bem-estar das crianças e jovens, no presente e no futuro. Para alcançar estes objectivos o CAFAP é orientado por modelos ecológico- desenvolvimentais e sistémicos, que se centram na resiliência familiar e individual, centrados nas suas forças. Objectivos Gerais
  • 6. Promover o fortalecimento das famílias e potenciar o bem-estar físico, psicológico e social dos seus elementos. Objectivos Específicos Avaliar as dinâmicas de risco e protecção das famílias e as possibilidades de mudança; Aumentar os processos de resiliência familiar e individual; Aumentar a qualidade das condições sociais de vida das famílias e/ou a sua capacidade de as melhorarem; Aumentar competências parentais facilitadoras de um desenvolvimento positivo das crianças e jovens; Diminuir os problemas e mau estar percebidos pelas famílias; Aumentar o bem-estar integrado dos elementos das famílias em situação de risco; Aumentar a capacidade teórica e prática da população técnica para responder às necessidades crianças e jovens em situação de risco e suas famílias. Eixos de Intervenção Eixo 1– Avaliação e Intervenção Familiar Integrada Eixo 2– Planos de Intervenção e Prevenção Primária Eixo 3– Serviços voltados para a comunidade A quem se destina? Eixo 1– A famílias multi-desafiadas com filhos Eixo 2– A famílias com filhos Eixo 3– A técnicos que trabalham com famílias Quando o CAFAP intervém? Quando a família o deseja; Quando a família sente que são necessárias mudanças; Quando a família necessita de apoio para pensar no seu funcionamento; Quando uma família pretende criar condições funcionais para manter os menores junto de si. Quando o CAFAP não intervém? Quando as necessidades da família passam apenas pela consulta psicológica ou carência económica; Quando os serviços tradicionais de apoio à família podem responder plenamente às necessidades da família. Como é que o CAFAP trabalha? Intervenção familiar em contexto domiciliário;
  • 7. Avalia o potencial de mudança das famílias; Realiza planos à medida de cada família; Enfoque na família e não no indivíduo. Implementação de programas de educação parental; Treino de competências familiares e parentais; Formação de agentes que actuam nas áreas da infância e família; Disponibilização de materiais pedagógicos; Acolhimento de voluntários; Orientação de estágios curriculares. Equipa 1 Técnica de Investigação Social Aplicada (Coordenadora) 2 Psicólogas 2 Agentes de Educação Familiar Onde ESTRADA DA MOITA, 643 2950-292 PALMELA CONTACTOS: Sede: 21 233 34 70 Telemóvel: 96 370 60 84 E-mail: cafap.csp@gmail.com www.cafap-csp.blogspot.com Missão: Proteger e potenciar o bem-estar e fortalecimento das famílias com crianças e jovens em risco População alvo: Famílias multidesafiadas com crianças e jovens em situação de risco psicossocial e /ou perigo.
  • 8. Eixos: Eixo 1- Avaliação e Intervenção Familiar Integrada: intervenção focalizada e intensiva com famílias afectadas por múltiplos problemas, com planos de intervenção especificamente desenhados. Eixo 2 – Intervenção Psicoeducativa Multifamiliar: intervenção grupal com famílias que apresentam problemas focalizados em áreas específicas do funcionamento familiar. Eixo 3 – Serviços voltados para a Comunidade Técnica:Centro de Estudos e Recursos; Consultadoria e Formação; Outros Serviços; Eixo 4 – Parcerias Comunitárias e promoção da Participação Comunitária: Intervenções com a comunidade, Voluntariado. Equipa Técnica: - Assistente social (coordenador) - Educador Social - Psicólogo Horários: - de segunda a quinta-feira: das 9h30 às 13h e das 14 às 20 horas. - sexta-feira: das 9h30 às 13 horas e das 14 às 17h30. Está ainda disponível, 24 horas/ dia, através de um telemóvel de serviço, que pode ser utilizado por outros técnicos e pelas famílias acompanhadas, em situações de eventual urgência. Contactos: e-mail: cafap@misericordiamurtosa.pt telefone: 234867446 morada: Rua Luís de Camões 3870-236 Murtosa morada (correspondência): Rua António José de Freitas Guimarães Apartado 21 3871-909 Murtosa Folheto CAFAP