SlideShare uma empresa Scribd logo
Caderno de Instrução Ginástica com Armas (EB60-CI-27.402)
INTENCIONALMENTE EM BRANCO
EB60-CI-27.402
MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO
CADERNO DE INSTRUÇÃO
GINÁSTICA COM ARMAS
1ª Edição
2019
Grupo de Trabalho responsável pela elaboração do Manual de Ensino
Trabalho de Comando (EB60-CI-27.402), 1ª Edição, 2019.
1. Órgão Gestor
- DECEx: Gen Bda R1 João Henrique Carvalho de Freitas
TC Gustavo Daniel Coutinho Nascimento
Sgt QE Rodolfo Marques da Silva
2. Órgão Elaborador
- IPCFEx: TC Renato Souza Pinto Soeiro
3. Órgão Executor
- IPCFEx: TC Jairo José Monteiro Morgado
Maj Antônio Márcio dos Santos Valente
SC Runer Augusto Marson
4. Órgão Apoiador
- EsEFEx TC Michel Moraes Gonçalves
PORTARIA Nº 116 / DECEx, de 29 de maio de 2019.
Aprova o Caderno de Instrução Ginástica com Armas
(EB60-CI-27.402), 1ª Edição, 2019, e dá outra providência.
O CHEFE DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO,
no uso das atribuições que lhe confere o Artigo 44 das Instruções Gerais para as
Publicações Padronizadas do Exército (EB10-IG-01.002), aprovadas pela Portaria do
Comandante do Exército nº 770, de 7 de dezembro de 2011, resolve:
Art. 1º Aprovar o Caderno de Instrução Ginástica com Armas (EB60-CI-27.402), 1ª
Edição, 2019, que com esta baixa.
Art. 2º Estabelecer que esta Portaria entre em vigor na data de sua publicação.
Gen Ex MAURO CESAR LOURENA CID
Chefe do Departamento de Educação e Cultura do Exército
(Publicada no Boletim do Exército nº 24 , de 14 de junho de 2019)
As sugestões para o aperfeiçoamento desta publicação, relacionadas aos
conceitos e/ou à forma, devem ser remetidas para o e-mail adout-ch@decex.eb.mil.br
Manual
Item(Incluir a
página afetada)
Redação
atual
Redação
sugerida
Observação/
Comentário
FOLHA REGISTRO DE MODIFICAÇÃO (FRM)
NÚMERO
DE ORDEM
ATO DE
APROVAÇÃO
PÁGINAS
AFETADAS
DATA
INTENCIONALMENTE EM BRANCO
ÍNDICE DE ASSUNTOS
Pag
CAPÍTULO I - GENERALIDADES
Considerações Iniciais..................................................................................... 1-1
CAPÍTULO II - FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA COM ARMAS
2.1 Princípios de execução................................................................................... 2-1
2.2 Carga ............................................................................................................... 2-1
2.3 Contagem......................................................................................................... 2-1
2.4 Local e uniforme............................................................................................... 2-1
2.5 Corrida com armas........................................................................................... 2-2
2.6 Orientações adicionais..................................................................................... 2-2
CAPÍTULO III – SEQUÊNCIA DE EXERCÍCIOS
3.1 Corrida no mesmo lugar com elevação dos joelhos........................................ 3-1
3.2 Agachamento combinado................................................................................. 3-2
3.3 Abdominal combinado...................................................................................... 3-3
3.4 Agachamento com rotação de tronco, a oito tempos....................................... 3-4
3.5 Flexão e extensão de braços combinada......................................................... 3-5
3.6 Arranque combinado........................................................................................ 3-6
3.7 Flexão de braços no solo com flexão de quadril.............................................. 3-7
3.8 Agachamento a fundo combinado.................................................................... 3-8
3.9 Avanço frontal combinado, a oito tempos......................................................... 3-9
3.10 Avanço com rotação lateral combinado, a oito tempos.................................... 3-10
3.11 Avanço com deslocamento combinado, a oito tempos ................................... 3-11
3.12 Polichinelo adaptado......................................................................................... 3-12
3.13 Final da atividade............................................................................................. 3-13
CAPÍTULO IV – CONCLUSÃO
Considerações Finais....................................................................................... 4-1
REFERÊNCIAS
INTENCIONALMENTE EM BRANCO
CAPÍTULO I
GENERALIDADES
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
A formação militar é ampla e complexa, sendo necessário um bom nível de aptidão
física para o desempenho das tarefas funcionais.
Assim, níveis ideais de força, de potência e de resistência muscular constituem a
base para o bom condicionamento físico, para a motivação profissional e para a
habilidade motora global, seja em adestramento ou em operações reais.
Em cursos operacionais, por exemplo, é importante que os militares possuam as
capacidades físicas necessárias para reduzir os riscos de lesões e aumentar as suas
chances de sucesso.
As atividades militares contemporâneas incluem ações em áreas de operações sob
condições diversas (Caatinga, Pantanal, Amazônia), bem como exigem preparo psicoló-
gico do combatente para lidar com ambientes incomuns e, muitas vezes, imprevisíveis.
Além disso, devido à duração prolongada da maioria das missões, os militares não
podem confiar somente em seu nível de aptidão física adquirido antes da missão como
garantia de eficiência e eficácia nas ações militares.
Desta forma, é de vital importância que haja continuidade no treinamento físico, de
forma que o militar possa contar com métodos de condicionamento práticos que
permitam ser aplicados durante a operação, retardando o destreinamento.
Nesse contexto, o Departamento de Educação e Cultura do Exército, por meio do
Instituto de Pesquisa da Capacitação Física do Exército (IPCFEx), elaborou a presente
versão da “Ginástica com Armas”, com vistas a permitir a continuidade do treinamento
físico em campanha - exercícios no terreno, emprego em Operações de Garantia da
Lei e da Ordem (GLO), exercícios de longa duração (ELD), exercícios de
desenvolvimento da liderança (EDL) – como nas sessões de TFM dos quartéis, como
forma de buscar o espírito de corpo e a união da tropa, reforçando os componentes
atitudinais (antigos atributos da área afetiva) da fração.considerada.
Este manual tem a finalidade de regular os aspectos técnicos e procedimentos para
o planejamento, organização, condução e execução da Ginástica com Armas nas
Organizações Militares (OM), tendo sua aplicação em todo o Exército Brasileiro e nos
contingentes em missão no exterior.
EB60-CI-27.402
1-1
INTENCIONALMENTE EM BRANCO
CAPÍTULO II
FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA COM ARMAS
2.1 PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO
A Ginástica com Armas tem como objetivo desenvolver a coordenação motora, a
resistência muscular localizada e o espírito de corpo, preferencialmente em ambientes
de campanha, fortalecendo a higidez física e diversos atributos da área afetiva,
necessários ao combatente.
Na Ginástica com Armas, utiliza-se o armamento portátil de dotação (Mosquetão,
FAL/Parafal 7,62mm ou o Fuzil IA2 5.56 mm) como carga adicional. Os movimentos são
realizados de forma coordenada e cadenciada. Pode ser realizada em conjunto com o
treinamento físico tradicional, visando o desenvolvimento da higidez física do militar.
AS ARMAS DEVERÃO ESTAR SEM MUNIÇÃO PARA A ATIVIDADE.
2.2 CARGA
a. Carga Inicial
Durante sua execução, o único parâmetro que deve ser alterado na Ginástica com
Armas é o número de repetições. Para o início do treinamento, considerar o volume de
cinco repetições.
b. Progressão da Carga
A adaptação neuromuscular dos militares ocorrerá de forma gradual. Assim, a partir
da carga inicial, as sessões devem ser incrementadas em duas repetições, até o máximo
de quinze. Caso a Ginástica com Armas seja utilizada como aquecimento matinal,
poderá ser executada com apenas cinco repetições.
2.3 CONTAGEM
O guia contará os tempos do exercício e, em seguida, a tropa executará os
movimentos conforme o demonstrado, repetindo a contagem. Esta será alternada entre o
guia e os executantes, fornecendo maior ritmo e atratividade à sessão.
2.4 LOCAL E UNIFORME
Deverá ser realizada em qualquer área plana, de preferência coberta com grama. O
uniforme será o 10°, sem camiseta meia-manga camuflada e sem cobertura, ou,
excepcionalmente, o 14° (Treinamento Físico Militar).
EB60-CI-27.402
2-1
2.5 CORRIDA COM ARMAS
Se a sessão permitir, a ginástica com armas poderá ser seguida de uma corrida em
forma portando o armamento na posição de “cruzar armas”.
2.6 ORIENTAÇÕES ADICIONAIS
O dispositivo da tropa é similar ao previsto no Manual de Campanha de Treinamento
Físico Militar (TFM) EB20-MC-10.350 para os exercícios de efeitos localizados estáticos.
Os procedimentos de contagem, cadência e movimentos seguirão as orientações
previstas no Manual de Campanha de TFM (EB20-MC-10.350).
A tropa replica os movimentos do guia como se estivesse refletida em um espelho, ou
seja, quando a tropa se movimenta, o faz simultaneamente e para o mesmo lado que o
guia. Uma exceção é feita aos exercícios de avanços constantes nos itens 3.9 e 3.10.
A cadência dos exercícios, conduzida pelo guia, deve dar condições aos
militares executantes de realizar toda a sequência de movimentos de maneira
correta e na amplitude articular necessária ao movimento.
A descrição da execução dos exercícios leva em consideração o posicionamento do
guia. Para fins de padronização, este sempre iniciará os movimentos com seu
armamento ao lado direito (exceto os exercícios de avanço constantes nos itens 3.9
e 3.10). A tropa fará o inverso.
A cada transição e execução dos exercícios, o guia deve ressaltar verbalmente o
nome do exercício e os tempos, de forma clara e destacada, para melhor
uniformização dos movimentos. A tropa responderá na sequência.
No capítulo seguinte será apresentada a SEQUÊNCIA DE EXERCÍCIOS, a serem
realizados na ordem em que são listados neste manual.
2-2
EB60-CI-27.402
CAPÍTULO III
SEQUÊNCIA DE EXERCÍCIOS
3.1 CORRIDA NO MESMO LUGAR COM ELEVAÇÃO DOS JOELHOS
3.1.1. POSIÇÃO INICIAL
Partindo da posição de “guarda baixa” (Fig 3-1A), ao comando de “POSIÇÃO
INICIAL!”, o guia e a tropa tomam a posição de “SENTIDO!”. A seguir, a tomada da
posição para o início dos exercícios é feita em dois tempos.
- Tempo 1: estender os braços à frente mantendo o armamento paralelo ao solo
(Fig 3-1B).
- Tempo 2: realizar o movimento de “cruzar armas” (Fig 3-1C). Sugere-se a
realização de um brado nesse procedimento.
Figura 3-1 Posição inicial
3.1.2 EXECUÇÃO
O guia dá o comando de “CORRIDA NO MESMO LUGAR!” e executa o
movimento por aproximadamente um minuto acompanhado pela tropa (Fig 3-2A a
3-2D). Iniciar lentamente e, de forma progressiva, aumentar e diminuir a cadência.
O movimento finaliza na posição de “cruzar armas” ao comando de “ALTO!” (Fig 3-2E).
Figura 3-2 Execução do movimento
A B C
A B C D E
3-1
EB60-CI-27.402
3.2 AGACHAMENTO COMBINADO
3.2.1 POSIÇÃO INICIAL
A tomada de posição é feita em dois tempos.
- Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-3A), estender o
fuzil à frente do peito mantendo-o paralelo ao solo (Fig 3-3B).
- Tempo 2: trazer o armamento com os braços estendidos à altura das coxas, com
o cano voltado para a esquerda e, ao mesmo tempo, realizar o afastamento lateral das
pernas (Fig 3-3C).
Figura 3-3 Tomada de posição
3.2.2 EXECUÇÃO
A execução é feita em quatro tempos.
- Tempo 1: agachar, com os calcanhares no solo, até formar um ângulo de
aproximadamente 90° entre as coxas e as pernas. Ao mesmo tempo, estender os
braços à frente do corpo mantendo o fuzil paralelo ao solo (Fig 3-4A).
- Tempo 2: retornar à posição inicial (Fig 3-4B).
- Tempo 3: repetir o tempo 1 (Fig 3-4C).
- Tempo 4: repetir o tempo 2 (Fig 3-4D).
Figura 3-4 Execução do movimento
A B C
A B C D
3-2
EB60-CI-27.402
3.3 ABDOMINAL COMBINADO
3.3.1 POSIÇÃO INICIAL
Deitar em decúbito dorsal com pernas estendidas. A tomada de posição é feita em
dois tempos.
- Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-5A), realizar um
leve salto vertical e sentar. Manter o armamento paralelo ao solo e próximo aos
coturnos (Fig 3-5B). As pernas cruzadas facilitam este movimento.
- Tempo 2: deitar com as pernas totalmente estendidas e braços estendidos à
frente do corpo, mantendo o armamento paralelo ao solo (Fig 3-5C).
Figura 3-5 Tomada de posição
3.3.2 EXECUÇÃO
A execução é feita em quatro tempos.
- Tempo 1: elevar a perna direita mantendo-a estendida e, ao mesmo tempo, realizar
uma leve flexão de tronco com rotação lateral à direita (retirar a escápula do
solo), levando o cano do armamento em direção ao coturno do pé direito (Fig 3-6A). Os
braços permanecem estendidos durante o movimento.
- Tempo 2: retornar à posição inicial (Fig 3-6B).
- Tempo 3: elevar a perna esquerda mantendo-a estendida e, ao mesmo tempo,
realizar uma leve flexão de tronco com rotação lateral à esquerda (retirar a escápula do
solo), levando a coronha do armamento em direção ao coturno do pé esquerdo.
Os braços permanecem estendidos durante o movimento (Fig 3-6C).
- Tempo 4: retornar à posição inicial (Fig 3-6D).
Figura 3-6 Execução do movimento
A B C D
A B C
3-3
EB60-CI-27.402
3.4 AGACHAMENTO COM ROTAÇÃO DE TRONCO, A OITO TEMPOS
3.4.1 POSIÇÃO INICIAL
O guia anuncia: “EXERCÍCIO A OITO TEMPOS!”. A tomada de posição é feita em dois
tempos.
- Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-7A), realizar uma
flexão de tronco e sentar. Manter o armamento paralelo ao solo e à frente do corpo
próximo aos coturnos (Fig 3-7B). As pernas cruzadas facilitam o movimento seguinte.
- Tempo 2: com um salto, tomar a posição de pé. Manter os braços totalmente
estendidos e o armamento paralelo ao solo à altura das coxas (Fig 3-7C). Os pés
ficam afastados, com amplitude correspondente à altura dos ombros.
Figura 3-7 Tomada de posição
3.4.2 EXECUÇÃO
A execução é feita em oito tempos, mantendo sempre o armamento paralelo ao solo.
- Tempo 1: agachar, com os calcanhares no solo, até formar um ângulo
de aproximadamente 90° entre as coxas e as pernas (Fig 3-8A).
- Tempo 2: realizar a rotação do tronco para a direita, erguendo o calcanhar
esquerdo para dar equilíbrio ao movimento (Fig 3-8B).
- Tempo 3: realizar a rotação de tronco para a esquerda, voltando à posição
do tempo 1 (Fig 3-8C).
- Tempo 4: retornar à posição inicial de pé (Fig 3-8D).
- Tempo 5: agachar novamente, com os calcanhares no solo, até formar um ângulo
de aproximadamente 90° entre as coxas e as pernas (Fig 3-8E).
- Tempo 6: realizar a rotação de tronco para a esquerda, erguendo o calcanhar
direito (Fig 3-8F).
- Tempo 7: realizar a rotação de tronco para a direita, voltando à posição
do tempo 5 (Fig 3-8G).
- Tempo 8: Retornar à posição inicial de pé (Fig 3-8H).
Figura 3-8 Execução do movimento
A B C D E F G H
A B C
3-4
EB60-CI-27.402
3.5 FLEXÃO E EXTENSÃO DE BRAÇOS COMBINADA
3.5.1 POSIÇÃO INICIAL
A tomada de posição é feita em dois tempos.
- Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-9A), realizar um
agachamento, posicionando o armamento ao solo (Fig 3-9B).
- Tempo 2: colocar as duas mãos ao solo e, imediatamente, estender as pernas
para trás, realizando uma flexão de braços. Permanecer na posição baixa (Fig 3-9C).
Figura 3-9 Tomada de posição
3.5.2 EXECUÇÃO
A execução é feita em quatro tempos, mantendo o armamento ao solo.
- Tempo 1: realizar a extensão de braços e, ao mesmo tempo, flexionar as
coxas posicionando os joelhos entre os braços (Fig 3-10A).
- Tempo 2: estender as coxas e, ao mesmo tempo, executar a flexão de braços
no solo voltando à posição inicial (Fig 3-10B).
- Tempo 3: repetir o tempo 1 (Fig 3-10C).
- Tempo 4: estender as pernas para trás e realizar nova flexão de braços (Fig 3-10D).
Permanecer na posição baixa ao final do exercício.
Figura 3-10 Execução do movimento
A B C
A B C D
3-5
EB60-CI-27.402
3.6 ARRANQUE COMBINADO
3.6.1 POSIÇÃO INICIAL
A tomada de posição é feita em dois tempos.
- Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-11A), realizar uma
flexão de coxas e segurar o armamento (Fig 3-11B).
- Tempo 2: tomar a posição de pé e posicionar o armamento com os
braços estendidos à altura das coxas (Fig 3-11C).
A B
Figura 3-11 Tomada de posição
3.6.2 EXECUÇÃO
A execução é feita em quatro tempos, mantendo o armamento paralelo ao solo.
- Tempo 1: realizar a flexão do tronco estendendo os braços em direção ao
solo. Fazer uma leve flexão de joelhos (Fig 3-12A).
- Tempo 2: retornar à posição inicial (Fig 3-12B).
- Tempo 3: realizar um agachamento com os calcanhares no solo e, ao
mesmo tempo, estender os braços acima da cabeça (Fig 3-12C).
- Tempo 4: retornar à posição inicial (Fig 3-12D).
B C
Figura 12 Execução do movimento
A B C
A B C D
3-6
EB60-CI-27.402
3.7 FLEXÃO DE BRAÇOS NO SOLO COM FLEXÃO DE QUADRIL
3.7.1 POSIÇÃO INICIAL
A tomada de posição é feita em dois tempos.
- Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-13A), realizar um
agachamento colocando o armamento ao solo (Fig 3-13B).
- Tempo 2: posicionar as duas mãos ao solo e, imediatamente, estender as
pernas atrás mantendo os braços também estendidos (Fig 3-13C).
B
Figura 13 Tomada de posição
3.7.2 EXECUÇÃO
A execução é feita em quatro tempos.
- Tempo 1: executar a flexão de braços no solo e, ao mesmo tempo, flexionar o quadril
e o joelho direito lateralmente ao corpo, aproximando-o do cotovelo direito (Fig 3-14A).
- Tempo 2: retornar à posição inicial (Fig 3-14B).
- Tempo 3: executar nova flexão de braços no solo e, ao mesmo tempo, flexionar o
quadril e o joelho esquerdo lateralmente ao corpo, aproximando do cotovelo
esquerdo (Fig 3-14C).
- Tempo 4: retornar à posição inicial (Fig 3-14D).
B
Figura 3-14 Execução do movimento
A B C D
A B C
3-7
EB60-CI-27.402
3.8 AGACHAMENTO A FUNDO COMBINADO
3.8.1 POSIÇÃO INICIAL
A tomada de posição é feita em dois tempos.
- Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-15A), realizar a
flexão de coxas e segurar o armamento (Fig 3-15B).
- Tempo 2: tomar a posição de pé e posicionar o armamento com os
braços estendidos à altura das coxas (Fig 3-15C).
A
Figura 3-15 Tomada de posição
3.8.2 EXECUÇÃO
A execução é feita em quatro tempos, mantendo o armamento paralelo ao solo. Esses
movimentos devem ser realizados de forma mais lenta que os demais. O tempo deve ser
suficiente para a execução correta do gesto. O tronco permanece na posição vertical
durante todo o exercício.
- Tempo 1: levar a perna direita à frente, flexionando-a até aproximadamente
90° com a coxa. Ao mesmo tempo, estender os braços acima da cabeça (Fig 3-16A).
- Tempo 2: retornar à posição inicial (Fig 3-16B).
- Tempo 3: levar a perna esquerda à frente, flexionando-a até aproximadamente
90° com a coxa. Ao mesmo tempo, estender os braços acima da cabeça (Fig 3-16C).
- Tempo 4: retornar à posição inicial (Fig 3-16D).
Figura 3-16 Execução do movimento
A B C
A B C D
3-8
EB60-CI-27.402
3.9 AVANÇO FRONTAL COMBINADO, A OITO TEMPOS
3.9.1 POSIÇÃO INICIAL
Deve ser mantida a posição final do exercício anterior (Fig 3-17A). O guia anuncia
“EXERCÍCIO A OITO TEMPOS!” e executa o comando “POSIÇÃO!”. Nesse momento, a
mão esquerda muda a forma de pegada no cano para a posição supinada (Fig 3-17B).
Figura 3-17 Posição inicial
3.9.2 EXECUÇÃO
A execução é feita em oito tempos. A tropa executa os movimentos fazendo frente
para o lado oposto ao do guia.
- Tempo 1: recuar lateralmente a perna direita, fazendo uma leve flexão de joelhos,
posicionando o armamento recuado junto à cintura e apontado à frente (Fig 3-18A).
- Tempo 2: executar um avanço corporal vigoroso e coordenado (ESTOCADA),
de forma a conduzir a ponta do armamento o mais à frente possível. O joelho da
perna esquerda realiza uma leve flexão para facilitar o movimento (Fig 3-18B). O
corpo deve manter uma boa base de equilíbrio.
- Tempo 3: retornar à posição do tempo 1 (Fig 3-18C).
- Tempo 4: retornar à posição inicial (Fig 3-18D).
- Tempo 5: recuar lateralmente a perna esquerda, fazendo uma leve flexão de
joelhos, posicionando o armamento recuado junto aos ombros e apontado à retaguarda
(Fig 3-18E).
- Tempo 6: executar um avanço corporal vigoroso e coordenado (CORONHADA),
de forma a posicionar a coronha o mais à frente possível (Fig 3-18F). O corpo deve
manter uma boa base de equilíbrio.
- Tempo 7: retornar à posição do tempo 5 (Fig 3-18G).
- Tempo 8: retornar à posição inicial (Fig 3-18H).
Figura 3-18 Execução do movimento
A B
A B C D E F G H
3-9
EB60-CI-27.402
3.10 AVANÇO COM ROTAÇÃO LATERAL COMBINADO, A OITO TEMPOS
3.10.1 POSIÇÃO INICIAL
É a mesma da posição final do exercício anterior (Fig 3-18H). O guia anuncia
“EXERCÍCIO A OITO TEMPOS!”
3.10.2 EXECUÇÃO
A execução é feita em oito tempos. A tropa executa os movimentos fazendo
frente para o lado oposto do guia.
- Tempo 1: recuar lateralmente a perna direita, fazendo uma leve flexão de joelhos,
posicionando o armamento recuado junto à cintura e apontado à frente (Fig 3-19A).
- Tempo 2: executar um avanço corporal coordenado, de forma a conduzir a coronha
à frente (na altura da cabeça) com um movimento vigoroso de rotação de ombros e cintura
(CORONHADA HORIZONTAL). Nesse momento, o braço direito avança conduzindo a
coronha. O calcanhar do pé direito perde o contato com o chão ocasionando um giro do pé
direito e uma ligeira extensão da perna esquerda para facilitar o movimento. O corpo
deve manter uma boa base de equilíbrio (Fig 3-19B).
- Tempo 3: retornar à posição do tempo 1 (Fig 3-19C).
- Tempo 4: retornar à posição inicial (Fig 3-19D).
- Tempo 5: recuar lateralmente a perna esquerda, fazendo uma leve flexão de joelhos,
posicionando o armamento recuado junto à cintura e apontado à retaguarda (Fig 3-19E).
- Tempo 6: executar um avanço corporal coordenado, de forma a conduzir o cano do
armamento à frente com um movimento vigoroso de rotação de ombros e cintura (GOLPE
CORTANTE HORIZONTAL). Nesse momento, o braço esquerdo avança, conduzindo o
cano. O joelho da perna direita aumenta a flexão para facilitar o movimento. O corpo
deve manter uma boa base de equilíbrio (Fig 3-19F).
- Tempo 7: retornar à posição do tempo 5 (Fig 3-19G).
- Tempo 8: retornar à posição inicial (Fig 3-19H).
C D E
Figura 3-19 Execução do movimento
A B C D E F G H
3-10
EB60-CI-27.402
3.11 AVANÇO COM DESLOCAMENTO COMBINADO, A OITO TEMPOS
3.11.1 POSIÇÃO INICIAL
É a mesma da posição final do exercício anterior (Fig 3-20A). O guia anuncia
“EXERCÍCIO A OITO TEMPOS!” e executa o comando “POSIÇÃO!”. Nesse
momento, a mão esquerda retorna à forma de pegada inicial do cano (Fig 3-20B).
Figura 3-20 Posição inicial
3.11.2 EXECUÇÃO
A execução é feita em oito tempos.
- Tempo 1: realizar um movimento de projeção da perna esquerda à retaguarda e, ao
mesmo tempo, estender os braços conduzindo o armamento acima do rosto (Fig 3-21A).
- Tempo 2: executar um chute frontal com a perna esquerda, trazendo o
armamento para junto do quadril (Fig 3-21B).
- Tempo 3: retornar à posição do tempo 1 (Fig 3-21C).
- Tempo 4: retornar à posição inicial (Fig 3-21D).
- Tempo 5: realizar um movimento de projeção da perna direita à retaguarda e, ao
mesmo tempo, estender os braços conduzindo o armamento acima do rosto (Fig 3-21E).
- Tempo 6: executar um chute frontal com a perna direita, trazendo o
armamento para junto do quadril (Fig 3-21F).
- Tempo 7: retornar à posição do tempo 5 (Fig 3-21G).
- Tempo 8: retornar à posição inicial (Fig 3-21H).
C D E
Figura 3-21 Execução do movimento
A B C D E F G H
A B
3-11
EB60-CI-27.402
3.12 POLICHINELO ADAPTADO
3.12.1 POSIÇÃO INICIAL
A tomada de posição é feita em dois tempos.
- Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-22A), levar o
armamento à frente do corpo (altura dos ombros) com os braços estendidos.
O armamento permanece paralelo ao solo (Fig 3-22B).
- Tempo 2: tomar a posição de sentido e, ao mesmo tempo, trazer o armamento
para junto do peito, mantendo-o paralelo ao solo (Fig 3-22C).
Figura 3-22 Tomada de posição
3.12.2 EXECUÇÃO
A execução é feita em quatro tempos.
- Tempo 1: partindo da posição inicial (Fig 3-23A), realizar um afastamento lateral
de pernas ao mesmo tempo em que o armamento é elevado acima da cabeça até
a extensão completa dos braços (Fig 3-23B).
- Tempo 2: retorna à posição inicial (Fig 3-23C).
- Tempo 3: repetir o tempo 1 (Fig 3-23D).
- Tempo 4: repetir o tempo 2 (Fig 3-23E).
B C Figura
3-23 Execução do movimento
A B C D E
A B C
3-12
EB60-CI-27.402
3.13 FINAL DA ATIVIDADE
A tomada da posição é realizada em dois tempos.
- Tempo 1: partindodaposiçãofinaldoexercícioanterior(Fig3-24A),estenderosbraçosàfrente
(alturadosombros),mantendooarmamentoparaleloaosolo(Fig3-24B).
- Tempo 2: tomar a posição de guarda baixa (Fig 3-24C).
Figura 3-24 Execução do movimento
A B C
3-13
INTENCIONALMENTE EM BRANCO
CAPÍTULO IV
CONCLUSÃO
CONSIDERAÇÕES FINAIS
A Ginástica com Armas é uma modalidade de TFM vocacionada ao ambiente de
campanha. Sua concepção consta de exercícios combinados portando o armamento
portátil de dotação como carga adicional. Esse método de treinamento deve ser
executado com o intuito de desenvolver atributos da área afetiva, sobretudo o espírito
de corpo. Orienta-se que o guia selecionado esteja ambientado com os movimentos e
preparado fisicamente para conduzir a sessão.
Como sugestão para a complementação da sessão de TFM, após a realização da
sessão de Ginástica com Armas, pode ser executada uma corrida em forma, utilizando
o armamento. O Manual de Campanha de TFM (EB20-MC-10.350) orienta sobre a
realização de sessões mistas de treinamento físico.
A sessão pode ser complementada com exercícios da série Pentágono, prevista no
Caderno de Instrução Transporte de Carga Individual (EB60-CI-27.401), visando o
fortalecimento muscular para o transporte de cargas individuais. Esse Caderno de
Instrução está disponível nos Portais de Doutrina do DECEx e do Preparo do CO Ter.
Deve-se ainda destacar que, ao final da sessão, é importante que sejam realizados
os exercícios de alongamento, igualmente previstos no Manual de Campanha de TFM.
EM CASO DE DÚVIDAS, SOLICITE O AUXÍLIO DE UM CALÇÃO PRETO
OU PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIDADE.
EB60-CI-27.402
4-1
REFERÊNCIAS
1.Knapik, J, Daniels, W, Murphy, M, Fitzgerald, P, Drews, F, and Vogel, J.
Physiological factors in infantry operations. Eur J ApplPhysiolOccupPhysiol 60:
233–238, 1990.
2. Carlson MJ, Jaenen SP. The development of a preselection physical fitness
training program for Canadian Special Operations Regiment applicants.J Strength
Cond Res. 2012..
3. Eisinger, GC, Wittels, P, Enne, R, Zeilinger, M, Raush, W, Holzl, T,Dorner, G, and
Bachl, N. Evidence-Based Job Analysis and Methodology to Determine Physical
Requirements of Special Military Occupations. Chapter 6 in NATO RTG 019
Technical Report.Optimizing Operational Physical Fitness. Springfield, VA: National
Technical Information Service, 2009.
4. Shephard RJ, Balady G. Exercise as cardiovascular therapy. Circulation 1999;99:
963-72.
5. Cuddy, JS, Slivka, DR, Hailes, WS, and Ruby, BC. Factors of trainability and
predictability associated with military physical fitness test success. J Strength
Cond Res 25(12): 3486–3494, 2011.
6. Andrew P. Hunt; Robin M. Orr; Daniel C. Billing.Developing Physical Capability
Standards That are Predictive of Success on Special Forces Selection Courses.
MILITARY MEDICINE, 178, 6:619, 2013.
7. Warr BJ, Scofield DE, Spiering BA, and Alvar BA.Influence of training frequency
on fitness levels and perceived health status in deployed National Guard
Soldiers. J StrengthCond Res 27 (2): 315–322, 2013
EB60-CI-27.402
EB60-CI-27.402
LISTA DE DISTRIBUIÇÃO
1. ÓRGÃOS INTERNOS EXEMPLARES
DECEx:
- Asse Dout ........................................................................ 01
- DES Mil ............................................................................ 01
- DET Mil ............................................................................ 01
- CCFEx ............................................................................. 01
- IPCFEx ............................................................................ 01
- AMAN .............................................................................. 01
- ESA................................................................................. 01
2. ÓRGÃOS EXTERNOS
- C Dout Ex ........................................................................ 01
- CMA ................................................................................ 01
- CMN ................................................................................ 01
- CMNE .............................................................................. 01
- CML ................................................................................. 01
- CMO ................................................................................ 01
- CMS ................................................................................. 01
- CMSE .............................................................................. 01
- CMP ................................................................................ 01
EB60-CI-27.402
COMANDO DO EXÉRCITO
DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO
Rio de Janeiro, RJ, 14 de junho de 2019
http://www.doutrina.decex.eb.mil.br/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
Falcão Brasil
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA FORÇAS-TAREFAS BLINDADAS C 17-20
MANUAL DE CAMPANHA FORÇAS-TAREFAS BLINDADAS C 17-20MANUAL DE CAMPANHA FORÇAS-TAREFAS BLINDADAS C 17-20
MANUAL DE CAMPANHA FORÇAS-TAREFAS BLINDADAS C 17-20
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10
Falcão Brasil
 
CGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro Naval
CGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro NavalCGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro Naval
CGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro Naval
Falcão Brasil
 
Livro da Mística da Guerra na Selva
Livro da Mística da Guerra na SelvaLivro da Mística da Guerra na Selva
Livro da Mística da Guerra na Selva
Falcão Brasil
 
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros NavaisGCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20
MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20
MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20
Falcão Brasil
 
Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...
Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...
Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...
Falcão Brasil
 
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA GRUPO DE ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-20
MANUAL DE CAMPANHA GRUPO DE ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-20MANUAL DE CAMPANHA GRUPO DE ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-20
MANUAL DE CAMPANHA GRUPO DE ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-20
Falcão Brasil
 
Almanaque do Curso Expedito de Operações no Pantanal (C-Exp-OPant)
Almanaque do Curso Expedito de Operações no Pantanal (C-Exp-OPant)Almanaque do Curso Expedito de Operações no Pantanal (C-Exp-OPant)
Almanaque do Curso Expedito de Operações no Pantanal (C-Exp-OPant)
Falcão Brasil
 
Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista (EB60-MT-34.402)
Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista (EB60-MT-34.402)Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista (EB60-MT-34.402)
Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista (EB60-MT-34.402)
Falcão Brasil
 
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
Falcão Brasil
 
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES DE TRANSPOSIÇÃO DE CURSOS DE ÁGUA C 31-60
MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES DE TRANSPOSIÇÃO DE CURSOS DE ÁGUA C 31-60MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES DE TRANSPOSIÇÃO DE CURSOS DE ÁGUA C 31-60
MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES DE TRANSPOSIÇÃO DE CURSOS DE ÁGUA C 31-60
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO CONDUÇÃO DO TIRO DE ARTILHARIA PELO COMBATENTE DE QUALQU...
CADERNO DE INSTRUÇÃO CONDUÇÃO DO TIRO DE ARTILHARIA PELO COMBATENTE DE QUALQU...CADERNO DE INSTRUÇÃO CONDUÇÃO DO TIRO DE ARTILHARIA PELO COMBATENTE DE QUALQU...
CADERNO DE INSTRUÇÃO CONDUÇÃO DO TIRO DE ARTILHARIA PELO COMBATENTE DE QUALQU...
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA ANTIAÉREA C 44-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA ANTIAÉREA C 44-1MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA ANTIAÉREA C 44-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA ANTIAÉREA C 44-1
Falcão Brasil
 
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4
Falcão Brasil
 
CGCFN-334.1 - Manual de Apoio ao Desembarque
CGCFN-334.1 - Manual de Apoio ao DesembarqueCGCFN-334.1 - Manual de Apoio ao Desembarque
CGCFN-334.1 - Manual de Apoio ao Desembarque
Falcão Brasil
 

Mais procurados (20)

CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...
 
MANUAL DE CAMPANHA FORÇAS-TAREFAS BLINDADAS C 17-20
MANUAL DE CAMPANHA FORÇAS-TAREFAS BLINDADAS C 17-20MANUAL DE CAMPANHA FORÇAS-TAREFAS BLINDADAS C 17-20
MANUAL DE CAMPANHA FORÇAS-TAREFAS BLINDADAS C 17-20
 
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10
 
CGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro Naval
CGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro NavalCGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro Naval
CGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro Naval
 
Livro da Mística da Guerra na Selva
Livro da Mística da Guerra na SelvaLivro da Mística da Guerra na Selva
Livro da Mística da Guerra na Selva
 
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros NavaisGCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
 
MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20
MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20
MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20
 
Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...
Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...
Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...
 
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3
 
MANUAL DE CAMPANHA GRUPO DE ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-20
MANUAL DE CAMPANHA GRUPO DE ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-20MANUAL DE CAMPANHA GRUPO DE ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-20
MANUAL DE CAMPANHA GRUPO DE ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-20
 
Almanaque do Curso Expedito de Operações no Pantanal (C-Exp-OPant)
Almanaque do Curso Expedito de Operações no Pantanal (C-Exp-OPant)Almanaque do Curso Expedito de Operações no Pantanal (C-Exp-OPant)
Almanaque do Curso Expedito de Operações no Pantanal (C-Exp-OPant)
 
Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista (EB60-MT-34.402)
Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista (EB60-MT-34.402)Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista (EB60-MT-34.402)
Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista (EB60-MT-34.402)
 
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
 
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
 
MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES DE TRANSPOSIÇÃO DE CURSOS DE ÁGUA C 31-60
MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES DE TRANSPOSIÇÃO DE CURSOS DE ÁGUA C 31-60MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES DE TRANSPOSIÇÃO DE CURSOS DE ÁGUA C 31-60
MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES DE TRANSPOSIÇÃO DE CURSOS DE ÁGUA C 31-60
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO CONDUÇÃO DO TIRO DE ARTILHARIA PELO COMBATENTE DE QUALQU...
CADERNO DE INSTRUÇÃO CONDUÇÃO DO TIRO DE ARTILHARIA PELO COMBATENTE DE QUALQU...CADERNO DE INSTRUÇÃO CONDUÇÃO DO TIRO DE ARTILHARIA PELO COMBATENTE DE QUALQU...
CADERNO DE INSTRUÇÃO CONDUÇÃO DO TIRO DE ARTILHARIA PELO COMBATENTE DE QUALQU...
 
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA ANTIAÉREA C 44-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA ANTIAÉREA C 44-1MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA ANTIAÉREA C 44-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA ANTIAÉREA C 44-1
 
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4
 
CGCFN-334.1 - Manual de Apoio ao Desembarque
CGCFN-334.1 - Manual de Apoio ao DesembarqueCGCFN-334.1 - Manual de Apoio ao Desembarque
CGCFN-334.1 - Manual de Apoio ao Desembarque
 

Semelhante a Caderno de Instrução Ginástica com Armas (EB60-CI-27.402)

Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019
Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019
Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019
RicardoMarques754649
 
EB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdf
EB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdfEB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdf
EB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdf
MarcioAgne2
 
Manual de treinamento físico militar
Manual de treinamento físico militarManual de treinamento físico militar
Manual de treinamento físico militar
marcelosilveirazero1
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR C 20-20
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR C 20-20MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR C 20-20
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR C 20-20
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50
Falcão Brasil
 
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
Falcão Brasil
 
CGCFN-15 - Normas sobre treinamento físico militar, teste de avaliação física...
CGCFN-15 - Normas sobre treinamento físico militar, teste de avaliação física...CGCFN-15 - Normas sobre treinamento físico militar, teste de avaliação física...
CGCFN-15 - Normas sobre treinamento físico militar, teste de avaliação física...
Falcão Brasil
 
MANUAL DE ORDEM UNIDA EB 2019 - EB70-MC-10.308.pdf
MANUAL DE ORDEM UNIDA EB 2019 - EB70-MC-10.308.pdfMANUAL DE ORDEM UNIDA EB 2019 - EB70-MC-10.308.pdf
MANUAL DE ORDEM UNIDA EB 2019 - EB70-MC-10.308.pdf
Ruan Alves de Araujo
 
C 20 50 luta
C 20 50 lutaC 20 50 luta
C 20 50 luta
Lucas Bispo
 
C 20 50 luta
C 20 50 lutaC 20 50 luta
C 20 50 luta
Triplo Sof
 
Treinamento militar - Lutas
Treinamento militar - LutasTreinamento militar - Lutas
Treinamento militar - Lutas
marcelosilveirazero1
 
Treinamento físico militar lutas
Treinamento físico militar lutasTreinamento físico militar lutas
Treinamento físico militar lutas
Lourenço Junior
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1
MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1
MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1
Falcão Brasil
 
Técnicas Treinamento Físico Militar
Técnicas Treinamento Físico MilitarTécnicas Treinamento Físico Militar
Técnicas Treinamento Físico Militar
Alexandre Santos
 

Semelhante a Caderno de Instrução Ginástica com Armas (EB60-CI-27.402) (16)

Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019
Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019
Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019
 
EB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdf
EB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdfEB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdf
EB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdf
 
Manual de treinamento físico militar
Manual de treinamento físico militarManual de treinamento físico militar
Manual de treinamento físico militar
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
 
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR C 20-20
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR C 20-20MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR C 20-20
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR C 20-20
 
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50
 
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
 
CGCFN-15 - Normas sobre treinamento físico militar, teste de avaliação física...
CGCFN-15 - Normas sobre treinamento físico militar, teste de avaliação física...CGCFN-15 - Normas sobre treinamento físico militar, teste de avaliação física...
CGCFN-15 - Normas sobre treinamento físico militar, teste de avaliação física...
 
MANUAL DE ORDEM UNIDA EB 2019 - EB70-MC-10.308.pdf
MANUAL DE ORDEM UNIDA EB 2019 - EB70-MC-10.308.pdfMANUAL DE ORDEM UNIDA EB 2019 - EB70-MC-10.308.pdf
MANUAL DE ORDEM UNIDA EB 2019 - EB70-MC-10.308.pdf
 
C 20 50 luta
C 20 50 lutaC 20 50 luta
C 20 50 luta
 
C 20 50 luta
C 20 50 lutaC 20 50 luta
C 20 50 luta
 
Treinamento militar - Lutas
Treinamento militar - LutasTreinamento militar - Lutas
Treinamento militar - Lutas
 
Treinamento físico militar lutas
Treinamento físico militar lutasTreinamento físico militar lutas
Treinamento físico militar lutas
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
 
MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1
MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1
MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1
 
Técnicas Treinamento Físico Militar
Técnicas Treinamento Físico MilitarTécnicas Treinamento Físico Militar
Técnicas Treinamento Físico Militar
 

Mais de Falcão Brasil

Os Balões de Observação na Guerra do Paraguai.pdf
Os Balões de Observação na Guerra do Paraguai.pdfOs Balões de Observação na Guerra do Paraguai.pdf
Os Balões de Observação na Guerra do Paraguai.pdf
Falcão Brasil
 
O Reabastecimento em Voo na FAB. REVO.pdf
O Reabastecimento em Voo na FAB. REVO.pdfO Reabastecimento em Voo na FAB. REVO.pdf
O Reabastecimento em Voo na FAB. REVO.pdf
Falcão Brasil
 
Para o Gelo e para o Fogo. Aviação de Transporte.pdf
Para o Gelo e para o Fogo. Aviação de Transporte.pdfPara o Gelo e para o Fogo. Aviação de Transporte.pdf
Para o Gelo e para o Fogo. Aviação de Transporte.pdf
Falcão Brasil
 
A Defesa Aérea Brasileira. O Céu é nosso!.pdf
A Defesa Aérea Brasileira. O Céu é nosso!.pdfA Defesa Aérea Brasileira. O Céu é nosso!.pdf
A Defesa Aérea Brasileira. O Céu é nosso!.pdf
Falcão Brasil
 
O Gloster F-8TF-7 Meteor na Força Aérea Brasileira.pdf
O Gloster F-8TF-7 Meteor na Força Aérea Brasileira.pdfO Gloster F-8TF-7 Meteor na Força Aérea Brasileira.pdf
O Gloster F-8TF-7 Meteor na Força Aérea Brasileira.pdf
Falcão Brasil
 
O Catalina no Brasil. Associação Brasileira de Catalineiros - ABRA-CAT.pdf
O Catalina no Brasil. Associação Brasileira de Catalineiros - ABRA-CAT.pdfO Catalina no Brasil. Associação Brasileira de Catalineiros - ABRA-CAT.pdf
O Catalina no Brasil. Associação Brasileira de Catalineiros - ABRA-CAT.pdf
Falcão Brasil
 
Estação de Hidroaviões do Aeroporto Santos-Dumont.pdf
Estação de Hidroaviões do Aeroporto Santos-Dumont.pdfEstação de Hidroaviões do Aeroporto Santos-Dumont.pdf
Estação de Hidroaviões do Aeroporto Santos-Dumont.pdf
Falcão Brasil
 
Da Escola de Aviação Militar do Exército à Escola de Aeronáutica.pdf
Da Escola de Aviação Militar do Exército à Escola de Aeronáutica.pdfDa Escola de Aviação Militar do Exército à Escola de Aeronáutica.pdf
Da Escola de Aviação Militar do Exército à Escola de Aeronáutica.pdf
Falcão Brasil
 
Escola Brasileira de Aviação (EBA) "CIAvEx".pdf
Escola Brasileira de Aviação (EBA) "CIAvEx".pdfEscola Brasileira de Aviação (EBA) "CIAvEx".pdf
Escola Brasileira de Aviação (EBA) "CIAvEx".pdf
Falcão Brasil
 
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdfEsquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Falcão Brasil
 
Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) 70 Anos.pdf
Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) 70 Anos.pdfDepartamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) 70 Anos.pdf
Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) 70 Anos.pdf
Falcão Brasil
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Falcão Brasil
 
Projeto Rondon. Lição de vida e cidadania..pdf
Projeto Rondon.  Lição de vida e cidadania..pdfProjeto Rondon.  Lição de vida e cidadania..pdf
Projeto Rondon. Lição de vida e cidadania..pdf
Falcão Brasil
 
Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (EAS) PARASAR.pdf
Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (EAS) PARASAR.pdfEsquadrão Aeroterrestre de Salvamento (EAS) PARASAR.pdf
Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (EAS) PARASAR.pdf
Falcão Brasil
 
Elas por elas. A mulher militar na FAB.pdf
Elas por elas. A mulher militar na FAB.pdfElas por elas. A mulher militar na FAB.pdf
Elas por elas. A mulher militar na FAB.pdf
Falcão Brasil
 
Centro de Aplicações Táticas e Recompletamento de Equipagens (CATRE).pdf
Centro de Aplicações Táticas e Recompletamento de Equipagens (CATRE).pdfCentro de Aplicações Táticas e Recompletamento de Equipagens (CATRE).pdf
Centro de Aplicações Táticas e Recompletamento de Equipagens (CATRE).pdf
Falcão Brasil
 
O CENIPA O Homem, o Meio e a Máquina.pdf
O CENIPA O Homem, o Meio e a Máquina.pdfO CENIPA O Homem, o Meio e a Máquina.pdf
O CENIPA O Homem, o Meio e a Máquina.pdf
Falcão Brasil
 
Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA).pdf
Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA).pdfCentro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA).pdf
Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA).pdf
Falcão Brasil
 
Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA).pdf
Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA).pdfComissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA).pdf
Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA).pdf
Falcão Brasil
 
Departamento de Aeronáutica Civil (DAC).pdf
Departamento de Aeronáutica Civil (DAC).pdfDepartamento de Aeronáutica Civil (DAC).pdf
Departamento de Aeronáutica Civil (DAC).pdf
Falcão Brasil
 

Mais de Falcão Brasil (20)

Os Balões de Observação na Guerra do Paraguai.pdf
Os Balões de Observação na Guerra do Paraguai.pdfOs Balões de Observação na Guerra do Paraguai.pdf
Os Balões de Observação na Guerra do Paraguai.pdf
 
O Reabastecimento em Voo na FAB. REVO.pdf
O Reabastecimento em Voo na FAB. REVO.pdfO Reabastecimento em Voo na FAB. REVO.pdf
O Reabastecimento em Voo na FAB. REVO.pdf
 
Para o Gelo e para o Fogo. Aviação de Transporte.pdf
Para o Gelo e para o Fogo. Aviação de Transporte.pdfPara o Gelo e para o Fogo. Aviação de Transporte.pdf
Para o Gelo e para o Fogo. Aviação de Transporte.pdf
 
A Defesa Aérea Brasileira. O Céu é nosso!.pdf
A Defesa Aérea Brasileira. O Céu é nosso!.pdfA Defesa Aérea Brasileira. O Céu é nosso!.pdf
A Defesa Aérea Brasileira. O Céu é nosso!.pdf
 
O Gloster F-8TF-7 Meteor na Força Aérea Brasileira.pdf
O Gloster F-8TF-7 Meteor na Força Aérea Brasileira.pdfO Gloster F-8TF-7 Meteor na Força Aérea Brasileira.pdf
O Gloster F-8TF-7 Meteor na Força Aérea Brasileira.pdf
 
O Catalina no Brasil. Associação Brasileira de Catalineiros - ABRA-CAT.pdf
O Catalina no Brasil. Associação Brasileira de Catalineiros - ABRA-CAT.pdfO Catalina no Brasil. Associação Brasileira de Catalineiros - ABRA-CAT.pdf
O Catalina no Brasil. Associação Brasileira de Catalineiros - ABRA-CAT.pdf
 
Estação de Hidroaviões do Aeroporto Santos-Dumont.pdf
Estação de Hidroaviões do Aeroporto Santos-Dumont.pdfEstação de Hidroaviões do Aeroporto Santos-Dumont.pdf
Estação de Hidroaviões do Aeroporto Santos-Dumont.pdf
 
Da Escola de Aviação Militar do Exército à Escola de Aeronáutica.pdf
Da Escola de Aviação Militar do Exército à Escola de Aeronáutica.pdfDa Escola de Aviação Militar do Exército à Escola de Aeronáutica.pdf
Da Escola de Aviação Militar do Exército à Escola de Aeronáutica.pdf
 
Escola Brasileira de Aviação (EBA) "CIAvEx".pdf
Escola Brasileira de Aviação (EBA) "CIAvEx".pdfEscola Brasileira de Aviação (EBA) "CIAvEx".pdf
Escola Brasileira de Aviação (EBA) "CIAvEx".pdf
 
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdfEsquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
 
Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) 70 Anos.pdf
Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) 70 Anos.pdfDepartamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) 70 Anos.pdf
Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) 70 Anos.pdf
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
 
Projeto Rondon. Lição de vida e cidadania..pdf
Projeto Rondon.  Lição de vida e cidadania..pdfProjeto Rondon.  Lição de vida e cidadania..pdf
Projeto Rondon. Lição de vida e cidadania..pdf
 
Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (EAS) PARASAR.pdf
Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (EAS) PARASAR.pdfEsquadrão Aeroterrestre de Salvamento (EAS) PARASAR.pdf
Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (EAS) PARASAR.pdf
 
Elas por elas. A mulher militar na FAB.pdf
Elas por elas. A mulher militar na FAB.pdfElas por elas. A mulher militar na FAB.pdf
Elas por elas. A mulher militar na FAB.pdf
 
Centro de Aplicações Táticas e Recompletamento de Equipagens (CATRE).pdf
Centro de Aplicações Táticas e Recompletamento de Equipagens (CATRE).pdfCentro de Aplicações Táticas e Recompletamento de Equipagens (CATRE).pdf
Centro de Aplicações Táticas e Recompletamento de Equipagens (CATRE).pdf
 
O CENIPA O Homem, o Meio e a Máquina.pdf
O CENIPA O Homem, o Meio e a Máquina.pdfO CENIPA O Homem, o Meio e a Máquina.pdf
O CENIPA O Homem, o Meio e a Máquina.pdf
 
Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA).pdf
Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA).pdfCentro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA).pdf
Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA).pdf
 
Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA).pdf
Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA).pdfComissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA).pdf
Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA).pdf
 
Departamento de Aeronáutica Civil (DAC).pdf
Departamento de Aeronáutica Civil (DAC).pdfDepartamento de Aeronáutica Civil (DAC).pdf
Departamento de Aeronáutica Civil (DAC).pdf
 

Último

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 

Caderno de Instrução Ginástica com Armas (EB60-CI-27.402)

  • 3. EB60-CI-27.402 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO CADERNO DE INSTRUÇÃO GINÁSTICA COM ARMAS 1ª Edição 2019
  • 4. Grupo de Trabalho responsável pela elaboração do Manual de Ensino Trabalho de Comando (EB60-CI-27.402), 1ª Edição, 2019. 1. Órgão Gestor - DECEx: Gen Bda R1 João Henrique Carvalho de Freitas TC Gustavo Daniel Coutinho Nascimento Sgt QE Rodolfo Marques da Silva 2. Órgão Elaborador - IPCFEx: TC Renato Souza Pinto Soeiro 3. Órgão Executor - IPCFEx: TC Jairo José Monteiro Morgado Maj Antônio Márcio dos Santos Valente SC Runer Augusto Marson 4. Órgão Apoiador - EsEFEx TC Michel Moraes Gonçalves
  • 5. PORTARIA Nº 116 / DECEx, de 29 de maio de 2019. Aprova o Caderno de Instrução Ginástica com Armas (EB60-CI-27.402), 1ª Edição, 2019, e dá outra providência. O CHEFE DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO, no uso das atribuições que lhe confere o Artigo 44 das Instruções Gerais para as Publicações Padronizadas do Exército (EB10-IG-01.002), aprovadas pela Portaria do Comandante do Exército nº 770, de 7 de dezembro de 2011, resolve: Art. 1º Aprovar o Caderno de Instrução Ginástica com Armas (EB60-CI-27.402), 1ª Edição, 2019, que com esta baixa. Art. 2º Estabelecer que esta Portaria entre em vigor na data de sua publicação. Gen Ex MAURO CESAR LOURENA CID Chefe do Departamento de Educação e Cultura do Exército (Publicada no Boletim do Exército nº 24 , de 14 de junho de 2019)
  • 6. As sugestões para o aperfeiçoamento desta publicação, relacionadas aos conceitos e/ou à forma, devem ser remetidas para o e-mail adout-ch@decex.eb.mil.br Manual Item(Incluir a página afetada) Redação atual Redação sugerida Observação/ Comentário
  • 7. FOLHA REGISTRO DE MODIFICAÇÃO (FRM) NÚMERO DE ORDEM ATO DE APROVAÇÃO PÁGINAS AFETADAS DATA
  • 9. ÍNDICE DE ASSUNTOS Pag CAPÍTULO I - GENERALIDADES Considerações Iniciais..................................................................................... 1-1 CAPÍTULO II - FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA COM ARMAS 2.1 Princípios de execução................................................................................... 2-1 2.2 Carga ............................................................................................................... 2-1 2.3 Contagem......................................................................................................... 2-1 2.4 Local e uniforme............................................................................................... 2-1 2.5 Corrida com armas........................................................................................... 2-2 2.6 Orientações adicionais..................................................................................... 2-2 CAPÍTULO III – SEQUÊNCIA DE EXERCÍCIOS 3.1 Corrida no mesmo lugar com elevação dos joelhos........................................ 3-1 3.2 Agachamento combinado................................................................................. 3-2 3.3 Abdominal combinado...................................................................................... 3-3 3.4 Agachamento com rotação de tronco, a oito tempos....................................... 3-4 3.5 Flexão e extensão de braços combinada......................................................... 3-5 3.6 Arranque combinado........................................................................................ 3-6 3.7 Flexão de braços no solo com flexão de quadril.............................................. 3-7 3.8 Agachamento a fundo combinado.................................................................... 3-8 3.9 Avanço frontal combinado, a oito tempos......................................................... 3-9 3.10 Avanço com rotação lateral combinado, a oito tempos.................................... 3-10 3.11 Avanço com deslocamento combinado, a oito tempos ................................... 3-11 3.12 Polichinelo adaptado......................................................................................... 3-12 3.13 Final da atividade............................................................................................. 3-13 CAPÍTULO IV – CONCLUSÃO Considerações Finais....................................................................................... 4-1 REFERÊNCIAS
  • 11. CAPÍTULO I GENERALIDADES CONSIDERAÇÕES INICIAIS A formação militar é ampla e complexa, sendo necessário um bom nível de aptidão física para o desempenho das tarefas funcionais. Assim, níveis ideais de força, de potência e de resistência muscular constituem a base para o bom condicionamento físico, para a motivação profissional e para a habilidade motora global, seja em adestramento ou em operações reais. Em cursos operacionais, por exemplo, é importante que os militares possuam as capacidades físicas necessárias para reduzir os riscos de lesões e aumentar as suas chances de sucesso. As atividades militares contemporâneas incluem ações em áreas de operações sob condições diversas (Caatinga, Pantanal, Amazônia), bem como exigem preparo psicoló- gico do combatente para lidar com ambientes incomuns e, muitas vezes, imprevisíveis. Além disso, devido à duração prolongada da maioria das missões, os militares não podem confiar somente em seu nível de aptidão física adquirido antes da missão como garantia de eficiência e eficácia nas ações militares. Desta forma, é de vital importância que haja continuidade no treinamento físico, de forma que o militar possa contar com métodos de condicionamento práticos que permitam ser aplicados durante a operação, retardando o destreinamento. Nesse contexto, o Departamento de Educação e Cultura do Exército, por meio do Instituto de Pesquisa da Capacitação Física do Exército (IPCFEx), elaborou a presente versão da “Ginástica com Armas”, com vistas a permitir a continuidade do treinamento físico em campanha - exercícios no terreno, emprego em Operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), exercícios de longa duração (ELD), exercícios de desenvolvimento da liderança (EDL) – como nas sessões de TFM dos quartéis, como forma de buscar o espírito de corpo e a união da tropa, reforçando os componentes atitudinais (antigos atributos da área afetiva) da fração.considerada. Este manual tem a finalidade de regular os aspectos técnicos e procedimentos para o planejamento, organização, condução e execução da Ginástica com Armas nas Organizações Militares (OM), tendo sua aplicação em todo o Exército Brasileiro e nos contingentes em missão no exterior. EB60-CI-27.402 1-1
  • 13. CAPÍTULO II FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA COM ARMAS 2.1 PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO A Ginástica com Armas tem como objetivo desenvolver a coordenação motora, a resistência muscular localizada e o espírito de corpo, preferencialmente em ambientes de campanha, fortalecendo a higidez física e diversos atributos da área afetiva, necessários ao combatente. Na Ginástica com Armas, utiliza-se o armamento portátil de dotação (Mosquetão, FAL/Parafal 7,62mm ou o Fuzil IA2 5.56 mm) como carga adicional. Os movimentos são realizados de forma coordenada e cadenciada. Pode ser realizada em conjunto com o treinamento físico tradicional, visando o desenvolvimento da higidez física do militar. AS ARMAS DEVERÃO ESTAR SEM MUNIÇÃO PARA A ATIVIDADE. 2.2 CARGA a. Carga Inicial Durante sua execução, o único parâmetro que deve ser alterado na Ginástica com Armas é o número de repetições. Para o início do treinamento, considerar o volume de cinco repetições. b. Progressão da Carga A adaptação neuromuscular dos militares ocorrerá de forma gradual. Assim, a partir da carga inicial, as sessões devem ser incrementadas em duas repetições, até o máximo de quinze. Caso a Ginástica com Armas seja utilizada como aquecimento matinal, poderá ser executada com apenas cinco repetições. 2.3 CONTAGEM O guia contará os tempos do exercício e, em seguida, a tropa executará os movimentos conforme o demonstrado, repetindo a contagem. Esta será alternada entre o guia e os executantes, fornecendo maior ritmo e atratividade à sessão. 2.4 LOCAL E UNIFORME Deverá ser realizada em qualquer área plana, de preferência coberta com grama. O uniforme será o 10°, sem camiseta meia-manga camuflada e sem cobertura, ou, excepcionalmente, o 14° (Treinamento Físico Militar). EB60-CI-27.402 2-1
  • 14. 2.5 CORRIDA COM ARMAS Se a sessão permitir, a ginástica com armas poderá ser seguida de uma corrida em forma portando o armamento na posição de “cruzar armas”. 2.6 ORIENTAÇÕES ADICIONAIS O dispositivo da tropa é similar ao previsto no Manual de Campanha de Treinamento Físico Militar (TFM) EB20-MC-10.350 para os exercícios de efeitos localizados estáticos. Os procedimentos de contagem, cadência e movimentos seguirão as orientações previstas no Manual de Campanha de TFM (EB20-MC-10.350). A tropa replica os movimentos do guia como se estivesse refletida em um espelho, ou seja, quando a tropa se movimenta, o faz simultaneamente e para o mesmo lado que o guia. Uma exceção é feita aos exercícios de avanços constantes nos itens 3.9 e 3.10. A cadência dos exercícios, conduzida pelo guia, deve dar condições aos militares executantes de realizar toda a sequência de movimentos de maneira correta e na amplitude articular necessária ao movimento. A descrição da execução dos exercícios leva em consideração o posicionamento do guia. Para fins de padronização, este sempre iniciará os movimentos com seu armamento ao lado direito (exceto os exercícios de avanço constantes nos itens 3.9 e 3.10). A tropa fará o inverso. A cada transição e execução dos exercícios, o guia deve ressaltar verbalmente o nome do exercício e os tempos, de forma clara e destacada, para melhor uniformização dos movimentos. A tropa responderá na sequência. No capítulo seguinte será apresentada a SEQUÊNCIA DE EXERCÍCIOS, a serem realizados na ordem em que são listados neste manual. 2-2
  • 15. EB60-CI-27.402 CAPÍTULO III SEQUÊNCIA DE EXERCÍCIOS 3.1 CORRIDA NO MESMO LUGAR COM ELEVAÇÃO DOS JOELHOS 3.1.1. POSIÇÃO INICIAL Partindo da posição de “guarda baixa” (Fig 3-1A), ao comando de “POSIÇÃO INICIAL!”, o guia e a tropa tomam a posição de “SENTIDO!”. A seguir, a tomada da posição para o início dos exercícios é feita em dois tempos. - Tempo 1: estender os braços à frente mantendo o armamento paralelo ao solo (Fig 3-1B). - Tempo 2: realizar o movimento de “cruzar armas” (Fig 3-1C). Sugere-se a realização de um brado nesse procedimento. Figura 3-1 Posição inicial 3.1.2 EXECUÇÃO O guia dá o comando de “CORRIDA NO MESMO LUGAR!” e executa o movimento por aproximadamente um minuto acompanhado pela tropa (Fig 3-2A a 3-2D). Iniciar lentamente e, de forma progressiva, aumentar e diminuir a cadência. O movimento finaliza na posição de “cruzar armas” ao comando de “ALTO!” (Fig 3-2E). Figura 3-2 Execução do movimento A B C A B C D E 3-1
  • 16. EB60-CI-27.402 3.2 AGACHAMENTO COMBINADO 3.2.1 POSIÇÃO INICIAL A tomada de posição é feita em dois tempos. - Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-3A), estender o fuzil à frente do peito mantendo-o paralelo ao solo (Fig 3-3B). - Tempo 2: trazer o armamento com os braços estendidos à altura das coxas, com o cano voltado para a esquerda e, ao mesmo tempo, realizar o afastamento lateral das pernas (Fig 3-3C). Figura 3-3 Tomada de posição 3.2.2 EXECUÇÃO A execução é feita em quatro tempos. - Tempo 1: agachar, com os calcanhares no solo, até formar um ângulo de aproximadamente 90° entre as coxas e as pernas. Ao mesmo tempo, estender os braços à frente do corpo mantendo o fuzil paralelo ao solo (Fig 3-4A). - Tempo 2: retornar à posição inicial (Fig 3-4B). - Tempo 3: repetir o tempo 1 (Fig 3-4C). - Tempo 4: repetir o tempo 2 (Fig 3-4D). Figura 3-4 Execução do movimento A B C A B C D 3-2
  • 17. EB60-CI-27.402 3.3 ABDOMINAL COMBINADO 3.3.1 POSIÇÃO INICIAL Deitar em decúbito dorsal com pernas estendidas. A tomada de posição é feita em dois tempos. - Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-5A), realizar um leve salto vertical e sentar. Manter o armamento paralelo ao solo e próximo aos coturnos (Fig 3-5B). As pernas cruzadas facilitam este movimento. - Tempo 2: deitar com as pernas totalmente estendidas e braços estendidos à frente do corpo, mantendo o armamento paralelo ao solo (Fig 3-5C). Figura 3-5 Tomada de posição 3.3.2 EXECUÇÃO A execução é feita em quatro tempos. - Tempo 1: elevar a perna direita mantendo-a estendida e, ao mesmo tempo, realizar uma leve flexão de tronco com rotação lateral à direita (retirar a escápula do solo), levando o cano do armamento em direção ao coturno do pé direito (Fig 3-6A). Os braços permanecem estendidos durante o movimento. - Tempo 2: retornar à posição inicial (Fig 3-6B). - Tempo 3: elevar a perna esquerda mantendo-a estendida e, ao mesmo tempo, realizar uma leve flexão de tronco com rotação lateral à esquerda (retirar a escápula do solo), levando a coronha do armamento em direção ao coturno do pé esquerdo. Os braços permanecem estendidos durante o movimento (Fig 3-6C). - Tempo 4: retornar à posição inicial (Fig 3-6D). Figura 3-6 Execução do movimento A B C D A B C 3-3
  • 18. EB60-CI-27.402 3.4 AGACHAMENTO COM ROTAÇÃO DE TRONCO, A OITO TEMPOS 3.4.1 POSIÇÃO INICIAL O guia anuncia: “EXERCÍCIO A OITO TEMPOS!”. A tomada de posição é feita em dois tempos. - Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-7A), realizar uma flexão de tronco e sentar. Manter o armamento paralelo ao solo e à frente do corpo próximo aos coturnos (Fig 3-7B). As pernas cruzadas facilitam o movimento seguinte. - Tempo 2: com um salto, tomar a posição de pé. Manter os braços totalmente estendidos e o armamento paralelo ao solo à altura das coxas (Fig 3-7C). Os pés ficam afastados, com amplitude correspondente à altura dos ombros. Figura 3-7 Tomada de posição 3.4.2 EXECUÇÃO A execução é feita em oito tempos, mantendo sempre o armamento paralelo ao solo. - Tempo 1: agachar, com os calcanhares no solo, até formar um ângulo de aproximadamente 90° entre as coxas e as pernas (Fig 3-8A). - Tempo 2: realizar a rotação do tronco para a direita, erguendo o calcanhar esquerdo para dar equilíbrio ao movimento (Fig 3-8B). - Tempo 3: realizar a rotação de tronco para a esquerda, voltando à posição do tempo 1 (Fig 3-8C). - Tempo 4: retornar à posição inicial de pé (Fig 3-8D). - Tempo 5: agachar novamente, com os calcanhares no solo, até formar um ângulo de aproximadamente 90° entre as coxas e as pernas (Fig 3-8E). - Tempo 6: realizar a rotação de tronco para a esquerda, erguendo o calcanhar direito (Fig 3-8F). - Tempo 7: realizar a rotação de tronco para a direita, voltando à posição do tempo 5 (Fig 3-8G). - Tempo 8: Retornar à posição inicial de pé (Fig 3-8H). Figura 3-8 Execução do movimento A B C D E F G H A B C 3-4
  • 19. EB60-CI-27.402 3.5 FLEXÃO E EXTENSÃO DE BRAÇOS COMBINADA 3.5.1 POSIÇÃO INICIAL A tomada de posição é feita em dois tempos. - Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-9A), realizar um agachamento, posicionando o armamento ao solo (Fig 3-9B). - Tempo 2: colocar as duas mãos ao solo e, imediatamente, estender as pernas para trás, realizando uma flexão de braços. Permanecer na posição baixa (Fig 3-9C). Figura 3-9 Tomada de posição 3.5.2 EXECUÇÃO A execução é feita em quatro tempos, mantendo o armamento ao solo. - Tempo 1: realizar a extensão de braços e, ao mesmo tempo, flexionar as coxas posicionando os joelhos entre os braços (Fig 3-10A). - Tempo 2: estender as coxas e, ao mesmo tempo, executar a flexão de braços no solo voltando à posição inicial (Fig 3-10B). - Tempo 3: repetir o tempo 1 (Fig 3-10C). - Tempo 4: estender as pernas para trás e realizar nova flexão de braços (Fig 3-10D). Permanecer na posição baixa ao final do exercício. Figura 3-10 Execução do movimento A B C A B C D 3-5
  • 20. EB60-CI-27.402 3.6 ARRANQUE COMBINADO 3.6.1 POSIÇÃO INICIAL A tomada de posição é feita em dois tempos. - Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-11A), realizar uma flexão de coxas e segurar o armamento (Fig 3-11B). - Tempo 2: tomar a posição de pé e posicionar o armamento com os braços estendidos à altura das coxas (Fig 3-11C). A B Figura 3-11 Tomada de posição 3.6.2 EXECUÇÃO A execução é feita em quatro tempos, mantendo o armamento paralelo ao solo. - Tempo 1: realizar a flexão do tronco estendendo os braços em direção ao solo. Fazer uma leve flexão de joelhos (Fig 3-12A). - Tempo 2: retornar à posição inicial (Fig 3-12B). - Tempo 3: realizar um agachamento com os calcanhares no solo e, ao mesmo tempo, estender os braços acima da cabeça (Fig 3-12C). - Tempo 4: retornar à posição inicial (Fig 3-12D). B C Figura 12 Execução do movimento A B C A B C D 3-6
  • 21. EB60-CI-27.402 3.7 FLEXÃO DE BRAÇOS NO SOLO COM FLEXÃO DE QUADRIL 3.7.1 POSIÇÃO INICIAL A tomada de posição é feita em dois tempos. - Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-13A), realizar um agachamento colocando o armamento ao solo (Fig 3-13B). - Tempo 2: posicionar as duas mãos ao solo e, imediatamente, estender as pernas atrás mantendo os braços também estendidos (Fig 3-13C). B Figura 13 Tomada de posição 3.7.2 EXECUÇÃO A execução é feita em quatro tempos. - Tempo 1: executar a flexão de braços no solo e, ao mesmo tempo, flexionar o quadril e o joelho direito lateralmente ao corpo, aproximando-o do cotovelo direito (Fig 3-14A). - Tempo 2: retornar à posição inicial (Fig 3-14B). - Tempo 3: executar nova flexão de braços no solo e, ao mesmo tempo, flexionar o quadril e o joelho esquerdo lateralmente ao corpo, aproximando do cotovelo esquerdo (Fig 3-14C). - Tempo 4: retornar à posição inicial (Fig 3-14D). B Figura 3-14 Execução do movimento A B C D A B C 3-7
  • 22. EB60-CI-27.402 3.8 AGACHAMENTO A FUNDO COMBINADO 3.8.1 POSIÇÃO INICIAL A tomada de posição é feita em dois tempos. - Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-15A), realizar a flexão de coxas e segurar o armamento (Fig 3-15B). - Tempo 2: tomar a posição de pé e posicionar o armamento com os braços estendidos à altura das coxas (Fig 3-15C). A Figura 3-15 Tomada de posição 3.8.2 EXECUÇÃO A execução é feita em quatro tempos, mantendo o armamento paralelo ao solo. Esses movimentos devem ser realizados de forma mais lenta que os demais. O tempo deve ser suficiente para a execução correta do gesto. O tronco permanece na posição vertical durante todo o exercício. - Tempo 1: levar a perna direita à frente, flexionando-a até aproximadamente 90° com a coxa. Ao mesmo tempo, estender os braços acima da cabeça (Fig 3-16A). - Tempo 2: retornar à posição inicial (Fig 3-16B). - Tempo 3: levar a perna esquerda à frente, flexionando-a até aproximadamente 90° com a coxa. Ao mesmo tempo, estender os braços acima da cabeça (Fig 3-16C). - Tempo 4: retornar à posição inicial (Fig 3-16D). Figura 3-16 Execução do movimento A B C A B C D 3-8
  • 23. EB60-CI-27.402 3.9 AVANÇO FRONTAL COMBINADO, A OITO TEMPOS 3.9.1 POSIÇÃO INICIAL Deve ser mantida a posição final do exercício anterior (Fig 3-17A). O guia anuncia “EXERCÍCIO A OITO TEMPOS!” e executa o comando “POSIÇÃO!”. Nesse momento, a mão esquerda muda a forma de pegada no cano para a posição supinada (Fig 3-17B). Figura 3-17 Posição inicial 3.9.2 EXECUÇÃO A execução é feita em oito tempos. A tropa executa os movimentos fazendo frente para o lado oposto ao do guia. - Tempo 1: recuar lateralmente a perna direita, fazendo uma leve flexão de joelhos, posicionando o armamento recuado junto à cintura e apontado à frente (Fig 3-18A). - Tempo 2: executar um avanço corporal vigoroso e coordenado (ESTOCADA), de forma a conduzir a ponta do armamento o mais à frente possível. O joelho da perna esquerda realiza uma leve flexão para facilitar o movimento (Fig 3-18B). O corpo deve manter uma boa base de equilíbrio. - Tempo 3: retornar à posição do tempo 1 (Fig 3-18C). - Tempo 4: retornar à posição inicial (Fig 3-18D). - Tempo 5: recuar lateralmente a perna esquerda, fazendo uma leve flexão de joelhos, posicionando o armamento recuado junto aos ombros e apontado à retaguarda (Fig 3-18E). - Tempo 6: executar um avanço corporal vigoroso e coordenado (CORONHADA), de forma a posicionar a coronha o mais à frente possível (Fig 3-18F). O corpo deve manter uma boa base de equilíbrio. - Tempo 7: retornar à posição do tempo 5 (Fig 3-18G). - Tempo 8: retornar à posição inicial (Fig 3-18H). Figura 3-18 Execução do movimento A B A B C D E F G H 3-9
  • 24. EB60-CI-27.402 3.10 AVANÇO COM ROTAÇÃO LATERAL COMBINADO, A OITO TEMPOS 3.10.1 POSIÇÃO INICIAL É a mesma da posição final do exercício anterior (Fig 3-18H). O guia anuncia “EXERCÍCIO A OITO TEMPOS!” 3.10.2 EXECUÇÃO A execução é feita em oito tempos. A tropa executa os movimentos fazendo frente para o lado oposto do guia. - Tempo 1: recuar lateralmente a perna direita, fazendo uma leve flexão de joelhos, posicionando o armamento recuado junto à cintura e apontado à frente (Fig 3-19A). - Tempo 2: executar um avanço corporal coordenado, de forma a conduzir a coronha à frente (na altura da cabeça) com um movimento vigoroso de rotação de ombros e cintura (CORONHADA HORIZONTAL). Nesse momento, o braço direito avança conduzindo a coronha. O calcanhar do pé direito perde o contato com o chão ocasionando um giro do pé direito e uma ligeira extensão da perna esquerda para facilitar o movimento. O corpo deve manter uma boa base de equilíbrio (Fig 3-19B). - Tempo 3: retornar à posição do tempo 1 (Fig 3-19C). - Tempo 4: retornar à posição inicial (Fig 3-19D). - Tempo 5: recuar lateralmente a perna esquerda, fazendo uma leve flexão de joelhos, posicionando o armamento recuado junto à cintura e apontado à retaguarda (Fig 3-19E). - Tempo 6: executar um avanço corporal coordenado, de forma a conduzir o cano do armamento à frente com um movimento vigoroso de rotação de ombros e cintura (GOLPE CORTANTE HORIZONTAL). Nesse momento, o braço esquerdo avança, conduzindo o cano. O joelho da perna direita aumenta a flexão para facilitar o movimento. O corpo deve manter uma boa base de equilíbrio (Fig 3-19F). - Tempo 7: retornar à posição do tempo 5 (Fig 3-19G). - Tempo 8: retornar à posição inicial (Fig 3-19H). C D E Figura 3-19 Execução do movimento A B C D E F G H 3-10
  • 25. EB60-CI-27.402 3.11 AVANÇO COM DESLOCAMENTO COMBINADO, A OITO TEMPOS 3.11.1 POSIÇÃO INICIAL É a mesma da posição final do exercício anterior (Fig 3-20A). O guia anuncia “EXERCÍCIO A OITO TEMPOS!” e executa o comando “POSIÇÃO!”. Nesse momento, a mão esquerda retorna à forma de pegada inicial do cano (Fig 3-20B). Figura 3-20 Posição inicial 3.11.2 EXECUÇÃO A execução é feita em oito tempos. - Tempo 1: realizar um movimento de projeção da perna esquerda à retaguarda e, ao mesmo tempo, estender os braços conduzindo o armamento acima do rosto (Fig 3-21A). - Tempo 2: executar um chute frontal com a perna esquerda, trazendo o armamento para junto do quadril (Fig 3-21B). - Tempo 3: retornar à posição do tempo 1 (Fig 3-21C). - Tempo 4: retornar à posição inicial (Fig 3-21D). - Tempo 5: realizar um movimento de projeção da perna direita à retaguarda e, ao mesmo tempo, estender os braços conduzindo o armamento acima do rosto (Fig 3-21E). - Tempo 6: executar um chute frontal com a perna direita, trazendo o armamento para junto do quadril (Fig 3-21F). - Tempo 7: retornar à posição do tempo 5 (Fig 3-21G). - Tempo 8: retornar à posição inicial (Fig 3-21H). C D E Figura 3-21 Execução do movimento A B C D E F G H A B 3-11
  • 26. EB60-CI-27.402 3.12 POLICHINELO ADAPTADO 3.12.1 POSIÇÃO INICIAL A tomada de posição é feita em dois tempos. - Tempo 1: partindo da posição final do exercício anterior (Fig 3-22A), levar o armamento à frente do corpo (altura dos ombros) com os braços estendidos. O armamento permanece paralelo ao solo (Fig 3-22B). - Tempo 2: tomar a posição de sentido e, ao mesmo tempo, trazer o armamento para junto do peito, mantendo-o paralelo ao solo (Fig 3-22C). Figura 3-22 Tomada de posição 3.12.2 EXECUÇÃO A execução é feita em quatro tempos. - Tempo 1: partindo da posição inicial (Fig 3-23A), realizar um afastamento lateral de pernas ao mesmo tempo em que o armamento é elevado acima da cabeça até a extensão completa dos braços (Fig 3-23B). - Tempo 2: retorna à posição inicial (Fig 3-23C). - Tempo 3: repetir o tempo 1 (Fig 3-23D). - Tempo 4: repetir o tempo 2 (Fig 3-23E). B C Figura 3-23 Execução do movimento A B C D E A B C 3-12
  • 27. EB60-CI-27.402 3.13 FINAL DA ATIVIDADE A tomada da posição é realizada em dois tempos. - Tempo 1: partindodaposiçãofinaldoexercícioanterior(Fig3-24A),estenderosbraçosàfrente (alturadosombros),mantendooarmamentoparaleloaosolo(Fig3-24B). - Tempo 2: tomar a posição de guarda baixa (Fig 3-24C). Figura 3-24 Execução do movimento A B C 3-13
  • 29. CAPÍTULO IV CONCLUSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS A Ginástica com Armas é uma modalidade de TFM vocacionada ao ambiente de campanha. Sua concepção consta de exercícios combinados portando o armamento portátil de dotação como carga adicional. Esse método de treinamento deve ser executado com o intuito de desenvolver atributos da área afetiva, sobretudo o espírito de corpo. Orienta-se que o guia selecionado esteja ambientado com os movimentos e preparado fisicamente para conduzir a sessão. Como sugestão para a complementação da sessão de TFM, após a realização da sessão de Ginástica com Armas, pode ser executada uma corrida em forma, utilizando o armamento. O Manual de Campanha de TFM (EB20-MC-10.350) orienta sobre a realização de sessões mistas de treinamento físico. A sessão pode ser complementada com exercícios da série Pentágono, prevista no Caderno de Instrução Transporte de Carga Individual (EB60-CI-27.401), visando o fortalecimento muscular para o transporte de cargas individuais. Esse Caderno de Instrução está disponível nos Portais de Doutrina do DECEx e do Preparo do CO Ter. Deve-se ainda destacar que, ao final da sessão, é importante que sejam realizados os exercícios de alongamento, igualmente previstos no Manual de Campanha de TFM. EM CASO DE DÚVIDAS, SOLICITE O AUXÍLIO DE UM CALÇÃO PRETO OU PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIDADE. EB60-CI-27.402 4-1
  • 30. REFERÊNCIAS 1.Knapik, J, Daniels, W, Murphy, M, Fitzgerald, P, Drews, F, and Vogel, J. Physiological factors in infantry operations. Eur J ApplPhysiolOccupPhysiol 60: 233–238, 1990. 2. Carlson MJ, Jaenen SP. The development of a preselection physical fitness training program for Canadian Special Operations Regiment applicants.J Strength Cond Res. 2012.. 3. Eisinger, GC, Wittels, P, Enne, R, Zeilinger, M, Raush, W, Holzl, T,Dorner, G, and Bachl, N. Evidence-Based Job Analysis and Methodology to Determine Physical Requirements of Special Military Occupations. Chapter 6 in NATO RTG 019 Technical Report.Optimizing Operational Physical Fitness. Springfield, VA: National Technical Information Service, 2009. 4. Shephard RJ, Balady G. Exercise as cardiovascular therapy. Circulation 1999;99: 963-72. 5. Cuddy, JS, Slivka, DR, Hailes, WS, and Ruby, BC. Factors of trainability and predictability associated with military physical fitness test success. J Strength Cond Res 25(12): 3486–3494, 2011. 6. Andrew P. Hunt; Robin M. Orr; Daniel C. Billing.Developing Physical Capability Standards That are Predictive of Success on Special Forces Selection Courses. MILITARY MEDICINE, 178, 6:619, 2013. 7. Warr BJ, Scofield DE, Spiering BA, and Alvar BA.Influence of training frequency on fitness levels and perceived health status in deployed National Guard Soldiers. J StrengthCond Res 27 (2): 315–322, 2013 EB60-CI-27.402
  • 31. EB60-CI-27.402 LISTA DE DISTRIBUIÇÃO 1. ÓRGÃOS INTERNOS EXEMPLARES DECEx: - Asse Dout ........................................................................ 01 - DES Mil ............................................................................ 01 - DET Mil ............................................................................ 01 - CCFEx ............................................................................. 01 - IPCFEx ............................................................................ 01 - AMAN .............................................................................. 01 - ESA................................................................................. 01 2. ÓRGÃOS EXTERNOS - C Dout Ex ........................................................................ 01 - CMA ................................................................................ 01 - CMN ................................................................................ 01 - CMNE .............................................................................. 01 - CML ................................................................................. 01 - CMO ................................................................................ 01 - CMS ................................................................................. 01 - CMSE .............................................................................. 01 - CMP ................................................................................ 01
  • 32. EB60-CI-27.402 COMANDO DO EXÉRCITO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO Rio de Janeiro, RJ, 14 de junho de 2019 http://www.doutrina.decex.eb.mil.br/